Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A questão das drogas. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A questão das drogas. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula"

Transcrição

1 D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A questão das drogas Autora Vera Lúcia do Amaral aula 14

2 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância SEED Carlos Eduardo Bielschowsky Universidade Federal do Rio Grande do Norte Reitor José Ivonildo do Rêgo Vice-Reitora Ângela Maria Paiva Cruz Secretária de Educação a Distância Vera Lúcia do Amaral Secretaria de Educação a Distância- SEDIS Coordenadora da Produção dos Materiais Marta Maria Castanho Almeida Pernambuco Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Projeto Gráfico Ivana Lima Revisores de Estrutura e Linguagem Eugenio Tavares Borges Jânio Gustavo Barbosa Thalyta Mabel Nobre Barbosa Revisoras de Língua Portuguesa Janaina Tomaz Capistrano Sandra Cristinne Xavier da Câmara Revisora Tipográfica Nouraide Queiroz Ilustradora Carolina Costa Editoração de Imagens Adauto Harley Carolina Costa Diagramadores Bruno de Souza Melo Dimetrius de Carvalho Ferreira Ivana Lima Johann Jean Evangelista de Melo Adaptação para Módulo Matemático André Quintiliano Bezerra da Silva Kalinne Rayana Cavalcanti Pereira Thaísa Maria Simplício Lemos Imagens Utilizadas Banco de Imagens Sedis (Secretaria de Educação a Distância) - UFRN Fotografias - Adauto Harley Stock.XCHG - Revisora das Normas da ABNT Verônica Pinheiro da Silva Divisão de Serviços Técnicos Catalogação da publicação na Fonte. UFRN/Biblioteca Central Zila Mamede Amaral, Vera Lúcia do. Psicologia da educação / Vera Lúcia do Amaral. - Natal, RN: EDUFRN, p.: il. Conteúdo: A psicologia e sua importância para a educação A inteligência A vida afetiva: emoções e sentimentos Crescimento e desenvolvimento A psicologia da adolescência A formação da identidade: alteridade e estigma Como se aprende: o papel do cérebro Como se aprende: a visão dos teóricos da educação Estratégias e estilos de aprendizagem: a aprendizagem no adulto A dinâmica dos grupos e o processo grupal A família A escola como espaço de socialização Sexualidade A questão das drogas Os meios de comunicação de massa. 1. Psicologia. 2. Psicologia educacional. 3. Didática. I. Título. ISBN: CDU RN/UF/BCZM 2007/49 CDD 150 Copyright 2007 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorização expressa da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

3 Apresentação O uso de drogas é outro tema multidisciplinar para o qual a Psicologia pode contribuir com uma leitura particular do problema. Nesta aula, vamos entender alguns dos conceitos associados a esse tema e conhecer como as drogas chamadas psicoativas atuam nos indivíduos. Vamos também analisar alguns fatores de risco para a juventude e quais os modelos de prevenção que podem ser utilizados. Objetivos Conhecer os principais conceitos relacionados ao uso de drogas. Conhecer a classificação dos tipos de drogas de acordo com sua atuação no cérebro. Compreender como ocorre o envolvimento dos jovens com as drogas. Conhecer os fatores de risco e prevenção no uso de drogas pelos jovens. Aula 14 Psicologia da Educação 1

4 Alguns conceitos iniciais A utilização de substâncias psicoativas é um fenômeno antigo na história da humanidade. O uso em rituais culturais e religiosos sempre foi tolerado. Nas últimas décadas, entretanto, em razão do aumento significativo do uso de drogas lícitas e ilícitas fora desses rituais, transformou-se em um verdadeiro problema de saúde pública, criando a necessidade de estudos epidemiológicos que subsidiassem o estabelecimento de políticas de prevenção. Em 2004, o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID) fez um extenso levantamento entre estudantes de escolas públicas do Ensino Fundamental e Médio das 27 capitais brasileiras e observou que, de um total de mais de estudantes, cerca de 23% dos meninos e 21% das meninas já haviam utilizado algum tipo de droga (excetuando-se álcool e tabaco) em algum momento de suas vidas, sendo que, destes, 12,7% estavam na faixa etária de 10 a 12 anos de idade. Esses são, de fato, números preocupantes. Figura 1 - O álcool é a droga de maior uso entre adolescentes Mas, o que são drogas psicotrópicas? De onde vem esse termo? Sabemos que a palavra droga significa medicamento, ou seja, substância que quando utilizada provoca modificações no comportamento ou na fisiologia do corpo. Psicotrópico 2 Aula 14 Psicologia da Educação

5 é uma palavra composta: psico + trópico, em que trópico está relacionado a tropismo, cujo significado é ter atração por. Assim, drogas psicotrópicas são aquelas que têm atração pelo psiquismo, ou seja, são aquelas que atuam no cérebro, modificando o psiquismo. Podemos encontrar também o termo substância psicoativa como sinônimo de psicotrópica. Dependendo do tipo, a droga pode atuar aumentando ou diminuindo a atividade do cérebro ou mesmo provocando mudanças qualitativas, ao fazer o cérebro funcionar de maneira diferente do normal. Portanto, as drogas psicotrópicas podem ser classificadas em: a) depressoras da atividade do sistema nervoso central, também chamadas psicolépticas, tais como: o álcool; os hipnóticos, que provocam o sono; os ansiolíticos, que diminuem a ansiedade; os narcóticos, que bloqueiam a dor, como a morfina; os inalantes ou solventes, como as colas e as tintas; b) estimulantes da atividade do sistema nervoso central, também chamadas psicoanalépticas, tais como: a cocaína e as drogas anorexígenas, aquelas usadas para diminuir o apetite; c) perturbadoras da atividade do sistema nervoso central, também chamadas psicodislépticas ou alucinógenas, tais como: a maconha; o ecstasy; e o LSD. Figura 2 - O ecstasy é uma substância sintética que perturba a atividade cerebral No citado estudo feito pelo CEBRID em 2004, as substâncias mais utilizadas pelos estudantes foram, pela ordem, os solventes (15,5%), a maconha (5,9%) e os ansiolíticos (4,1%). No entanto, quando se inclui o álcool, vamos observar taxas de 65%, um indicativo de que essa é a droga mais preocupante, sobretudo porque, apesar de provocar evidentes modificações no comportamento, ela é uma substância lícita, ou seja, tem o seu consumo admitido e até estimulado pela sociedade. Apesar de sua ampla aceitação, o álcool pode provocar o alcoolismo, principal causa de internação em hospitais psiquiátricos no Brasil. Aula 14 Psicologia da Educação 3

6 Atividade 1 Todos nós conhecemos alguém que tem problemas com o álcool. Algumas dessas pessoas nós consideramos alcoólatras, outras consideramos apenas que têm problemas com a bebida. Como você caracterizaria um alcoólatra? sua resposta À medida que a pessoa vai consumindo drogas, o seu organismo começa a sofrer modificações que podem fazer com que ela tenha necessidade de voltar a consumilas. Antigamente, o termo para isso era vício, sendo tachado de viciado aquele que não conseguia deixar de utilizar uma determinada droga. Aquele que usava, mas conseguia deixar, tinha apenas um hábito. Hábito e vício eram dois termos usados para designar o grau de envolvimento do indivíduo com a droga. Atualmente, entende-se que em qualquer uma das duas circunstâncias o indivíduo tem um transtorno de dependência. A dependência é o impulso que leva a pessoa a usar uma droga, mesmo tendo, com esse uso, problemas fisiológicos, comportamentais ou cognitivos significativos. A dependência pode ser psicológica, quando a interrupção da droga resulta em problemas fisiológicos, como mal-estar e ansiedade, ou cognitivos, como dificuldades de concentração; e física, quando a interrupção da droga resulta em síndrome de abstinência. A síndrome de abstinência é um conjunto de sintomas físicos e comportamentais que aparece quando o uso da droga é interrompido. Esses sintomas podem ser mais ou menos graves dependendo do tipo de substância que esteja sendo utilizada. A síndrome de abstinência resultante da cessação do uso de hipnóticos, por exemplo, pode ser tão grave ao ponto de levar o indivíduo ao coma e até à morte. 4 Aula 14 Psicologia da Educação

7 Algumas substâncias podem levar a situações em que o indivíduo precise aumentar a quantidade ingerida para obter o mesmo efeito. Por exemplo, se se conseguia uma situação de euforia com um comprimido de ecstasy, depois de algum tempo serão necessários dois comprimidos para que a euforia aconteça. Nesses casos, diz-se que foi desenvolvido um quadro de tolerância. Atividade 2 Depois de conhecer esses conceitos, tente agora identificar na caracterização que você fez na atividade 1 se se trata de situação de dependência psicológica ou física, de tolerância ou de síndrome de abstinência. sua resposta O adolescente e o uso de drogas Na aula 5 (A psicologia da adolescência), discutimos a adolescência e vimos como se trata de uma fase muito especial na vida dos indivíduos, sobretudo por ser uma fase de fragilidades emocionais, de busca de identificações, de experimentação da vida adulta e da tentativa de firmar a própria identidade. Por tudo isso, é um momento de grande vulnerabilidade, o que expõe o adolescente a maiores riscos ao entrar em contato com as drogas. Aula 14 Psicologia da Educação

8 Estudos psicológicos tentam entender o porquê da busca do adolescente pelas drogas. Para Grynberg e Kalina (2002), o uso destas pode significar uma forma de confronto com o meio social em que vivem, pois os jovens acreditam estar dando provas de sua autonomia e auto-suficiência, sendo capazes de alcançar seus objetivos, que muitas vezes não estão muito claros. Para Caldeira (1999), as causas podem estar no desafio da transgressão às normas adultas, na curiosidade pelo novo e pelo proibido, na pressão do grupo para assumir determinados comportamentos. Como vimos na discussão sobre adolescência, o grupo é um espaço de identificação e busca de segurança; sendo assim, é comum que seja o espaço no qual ocorrem as primeiras experimentações. Scivoletto (2004) afirma que o adolescente busca no grupo encontrar sua própria identidade, e olhar o outro facilita o processo. O uso das drogas aparece como experimentação de novas atividades e situações, a onipotência oferece a sensação de que nada de errado acontecerá, expondo-o a grandes perigos. Por outro lado, a dimensão que hoje atinge o consumo de drogas, não só nos grandes centros urbanos, mas também nas cidades de pequeno e médio porte, faz com que as famílias se sintam inseguras e impotentes diante da possibilidade de seus jovens vivenciarem tal situação. Sabemos que o comportamento individual e a formação do juízo moral são moldados por meio dos valores sociais, transmitidos principalmente pela família e pela escola. Assim, o papel dessas duas instâncias socializadoras é fundamental na prevenção e na atuação concreta, sobretudo em situações de risco. Com relação à família, os estudos indicam que a ocorrência de conflitos e de relacionamentos insatisfatórios entre os membros seria um fator de risco, enquanto o sentimento de apoio agiria como fator de proteção. Num estudo realizado por Silva et al. (2006), no qual foram investigados os temores e a reação dos pais diante do uso de drogas, observou-se que a maioria deles conversa com os filhos sobre o assunto, mas as conversas têm caráter meramente informativo ou restringem-se ao compartilhamento dos temores pelas conseqüências do uso de drogas. Outro dado interessante do estudo é a reação dos pais diante do uso de drogas lícitas ou ilícitas. Quando sabiam que seus filhos usavam drogas lícitas, como o álcool ou o tabaco, a reação dos pais era de indiferença, enquanto ao saber do uso de drogas ilícitas, como a maconha era a cocaína, a reação era de descrença na informação ou de brigas, acompanhada de sentimento de tristeza, impotência e medo. A análise dos sentimentos dos pais possibilita uma reflexão do paradoxo sobre drogas existente na nossa sociedade em relação às drogas. Por um lado, através dos meios de comunicação e em reuniões sociais, o uso de bebidas alcoólicas é apresentado como símbolo de sucesso, prazer ou como uma ferramenta útil no enfrentamento de problemas ou para redução da ansiedade. De outro lado, há uma condenação ou demonização do uso das drogas ilícitas, às quais só são atribuídos efeitos prejudiciais, como se fosse a legalidade que determinasse a periculosidade do uso. (SILVA et al, 2006, p. 8). Aula 14 Psicologia da Educação

9 De todas as maneiras, identificar o que leva um adolescente ao uso das drogas não é uma tarefa simples. Muitas vezes, vemos casos de famílias claramente desajustadas que não apresentam nenhum registro de consumo de drogas entre os filhos, e de outras, nas quais isso acontece aparentemente sem nenhuma justificativa familiar. É preciso levar em conta não só a família, mas também o próprio indivíduo e o meio social em que ele se encontra. A enorme quantidade de variáveis implicadas nesse consumo permite um número infindável de configurações possíveis para o uso de substâncias psicoativas. Figura 3 - A indiferença familiar diante do uso de drogas lícitas pode prejudicar o jovem De um modo geral, pode-se dizer que o que leva os jovens a usarem drogas é um conjunto de fatores denominados fatores de risco. A combinação destes ou a junção de alguns torna uma pessoa mais ou menos propensa a esse uso. Quem se encontra em situação de risco? São considerados fatores de risco para o uso de drogas algumas características ou atributos de um indivíduo, grupo ou ambiente de convívio social que contribuem, em maior ou menor grau, para aumentar a probabilidade desse uso. Conceição e Sudbrack (2004) fizeram uma síntese sobre tais fatores a partir do que denominaram áreas da vida ou, como afirmam as autoras, domínios da vida, que seriam: o domínio individual, o domínio de pares, o domínio familiar, o domínio comunitário e o domínio escolar. Elas identificam que não há um único fator de risco determinante para o uso de drogas e que cada um desses domínios comporta fatores de risco e de proteção. Vejamos quais são eles. Aula 14 Psicologia da Educação

10 1) Domínio individual diz respeito às predisposições genéticas e psicológicas, à presença ou não de transtornos ou perturbações mentais. Nesse domínio, teríamos: Fatores de risco Fatores de proteção Baixa auto-estima Falta de autocontrole e assertividade Comportamento anti-social precoce Doenças preexistentes (ex.: transtorno de deficit de atenção e hiperatividade) Vulnerabilidade psicossocial Apresentação de habilidades sociais Flexibilidade, facilidade de cooperar, responsabilidade e comunicabilidade Habilidade em resolver problemas e tomar decisões, autonomia Presença de um projeto de vida Relação de confiança com os pais, professores e colegas 2) Domínio dos pares diz respeito aos amigos e pessoas de convívio mais próximo. Aqui, temos: Fatores de risco Pares que usam drogas ou aprovam e/ou valorizam seu uso Dificuldade de participação em grupos que desenvolvem atividades recreativas, esportivas e laborais tidas como saudáveis Dificuldade de pertencimento a um grupo de iguais na escola ou na comunidade Dificuldade em aceitar autoridade que não compartilhe de determinações de seu grupo Não participação em grupos de objetivos altruísticos Fatores de proteção Pares que não usam drogas e não aprovam ou não valorizam seu uso Participação junto com seu grupo em atividades recreativas, esportivas ou laborais saudáveis Pertencimento a grupos de iguais na escola ou na comunidade Aceitação de autoridade vinda de fora do grupo de pares, na escola, na comunidade, na família Participação em grupos de objetivos sociais e comunitários Aula 14 Psicologia da Educação

11 3) Domínio familiar refere-se à forma como a família está estruturada, ao seu funcionamento e à definição de suas regras e papéis. Fatores de risco Uso de álcool e drogas pelos pais Fatores de proteção Valorização do padrão de vida saudável Isolamento social entre membros da família Laços afetivos frágeis entre os membros da família Relações conflituosas, excessivamente autoritárias ou permissivas entre os membros da família Falta de diálogo e de comunicação entre pais e filhos Ausência e descontinuidade de critérios na aplicação das regras familiares Falta de interesse dos pais pelas conquistas dos filhos, não participação nos seus sucessos ou fracassos Incongruência ou incoerência dos pais quanto ao padrão educacional a ser adotado para os filhos Expectativas negativas em relação aos filhos Pais que não fornecem um bom modelo, não sabendo transmitir as normas e os valores morais e sociais aceitáveis Tolerância com relação ao uso de drogas pelos jovens Ausência da função paterna Existência de vinculação familiar Existência de fortes vínculos afetivos entre os membros da família Predomínio do estilo compreensivo de vida, sem autoritarismo ou permissividade Diálogo constante e comunicação eficiente entre pais e filhos Presença e constância de critérios na aplicação das regras disciplinares Demonstração de interesse pela vida dos filhos e participação nos seus sucessos ou fracassos Coerência e congruência quanto ao padrão educacional a ser adotado para os filhos Expectativas positivas em relação aos filhos Presença de pais como modelo positivo quanto às questões sócio-morais Postura repressora e reflexiva quanto ao uso de drogas pelos jovens Presença da função paterna 4) Domínio comunitário diz respeito à facilidade ou não de acesso às drogas, à falta de fiscalização das leis. Os fatores de risco e proteção são: Fatores de risco Falta de oportunidade socioeconômica para a construção de um projeto de vida Fácil acesso às drogas lícitas e ilícitas Permissividade em relação a algumas drogas Inexistência de incentivo para que o jovem se envolva em serviços comunitários Negligência no cumprimento de normas e leis que regulam o uso de drogas pelos jovens Fatores de proteção Existência de oportunidades de estudo, trabalho e de inserção social que possibilitem ao jovem concretizar seu projeto de vida Controle efetivo do comércio de drogas legais e ilegais Repressão e reflexão quanto ao uso de drogas legais e ilegais Incentivo ao envolvimento dos jovens em serviços comunitários Realização de campanhas e ações que ajudem o cumprimento das normas e leis que regulam o uso de drogas pelos jovens Aula 14 Psicologia da Educação

12 5) Domínio da escola neste domínio, temos o entrecruzamento de fatores de risco e proteção de todos os outros domínios: Fatores de risco Indefinição ou falta de comunicação e negociação de normas, regras e limites Incoerência e incongruência entre os agentes educativos na prática de normas Relação desrespeitosa e falta de responsabilidade e compromisso entre os agentes educativos Ausência da relação entre família e escola Falta de estímulo às práticas escolares Ausência de expectativas positivas em relação ao desempenho dos alunos Ausência de atividades criativas e estimulantes que ajudem na criação de vínculos entre o aluno e a escola Relações preconceituosas em relação aos alunos, com a utilização de rótulos como forma de punição e exclusão Ausência de afetividade e confiança na relação professor-aluno e no ambiente escolar Relações professor-aluno baseadas no autoritarismo ou no excesso de permissividade Falta de estímulo às práticas educativas de cooperação e solidariedade Falta de controle quanto à presença de drogas na escola Fatores de proteção Definição, comunicação e negociação de normas, regras e limites Coerência e congruência entre agentes educativos na aplicação de normas e regras escolares Relação de respeito mútuo, compromisso e cooperação entre os agentes educativos Relações amistosas de cooperação entre família e escola Estímulo à prática das atividades escolares Verbalização das expectativas positivas com relação ao desempenho dos alunos Promoção de práticas criativas e estimulantes Relações abertas, honestas, sem atitudes negativas, punitivas ou preconceituosas Fortes vínculos afetivos e de confiança entre alunos e professores e dentro do ambiente escolar Relações professor-aluno baseadas no respeito mútuo Estímulo e exercício dos princípios da cooperação e da solidariedade Controle da presença de drogas Como podemos ver, o problema não é simples nem pode ser encarado com valorações moralistas. Qualquer atuação que vise enfrentar o problema das drogas precisa estar atenta para evitar posturas que induzam à estigmatização e à marginalização. Vale destacar aqui as recomendações, em caso do uso de drogas pelo adolescente, de Conceição e Sudbrack (2004, p. 5), que se aplicam sobretudo aos educadores: 1) Não confrontar diretamente. 2) Não acusar ou procurar culpados. 3) Mostrar-se ao lado do adolescente, sem compactuar com o uso, na busca de uma resolução para o problema. 10 Aula 14 Psicologia da Educação

13 4) Ajudar o adolescente a perceber o benefício que ele terá com a abstinência ou com o tratamento. Se ele acha que precisa parar por imposição social, ou para agradar este ou aquele, a tentativa pode falhar. 5) Não usar da culpa como arma para convencimento - isso pode até funcionar durante um período, mas não se sustenta. Aliás, fuja do mecanismo da culpa, no qual se estabelece uma troca de acusações para se determinar o mais culpado e o mais atingido: o problema continua sem solução. 6) Jamais esquecer que se trata de uma dificuldade e não um defeito. Lembrar, que, para lidar com dificuldades como essa existem equipes de educadores, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, médicos, psiquiatras, terapeutas ocupacionais etc. Não tente resolver tudo sozinho. Procure ajuda - todo cidadão tem direito de ser assistido em caso de doenças biológicas, psíquicas etc. (CONCEIÇÃO; SUDBRACK, 2004, p. 5). Atividade 3 Agora que vimos os aspectos envolvidos na busca da droga por parte dos adolescentes, vamos fazer um exercício reflexivo acerca dos pontos que elencaríamos para compor uma proposta de programa de prevenção às drogas em uma escola. Descreva-os a seguir. sua resposta Aula 14 Psicologia da Educação 11

14 Resumo Nesta aula, conhecemos os principais conceitos utilizados, sobretudo, pela Medicina quanto ao uso de drogas. Conhecemos também uma maneira de classificar as drogas psicoativas quanto à forma como elas atuam no sistema nervoso central. Analisamos os fatores psicológicos que fazem os adolescentes se envolverem com o consumo de drogas e conhecemos os fatores de risco e de proteção que envolvem esse uso. Auto-avaliação 1 Que são substâncias psicotrópicas? 2 Como se classificam essas substâncias? 3 Qual a diferença entre dependência física e dependência psicológica? 4 5 Que fatores levam o adolescente ao uso das drogas? Destaque a importância dos domínios da vida enquanto fatores de risco para o consumo de drogas. Referências CALDEIRA, Zelia Freire. Drogas, indivíduo e família: um estudo de relações singulares Dissertação (Mestrado) Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, Aula 14 Psicologia da Educação

15 CONCEIÇÃO, M. I. G.; SUDBRACK, M. F. O. Fatores de risco e de proteção no envolvimento de adolescentes com drogas. In: SUDBRACK, M. F. O. Debate: adolescentes e drogas no contexto da escola. (Programa Salto para o Futuro, programa 3). Disponível em: <http:// Acesso em: 09 ago GALDURÓZ, José Carlos F. et al. V levantamento nacional sobre o consumo de drogas psicotrópicas entre estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino nas 27 capitais brasileiras. São Paulo: CEBRID, Disponível em: <http://www.unifesp. br/dpsicobio/cebrid/levantamento_brasil2/index.htm>. Acesso em: 13 ago GRYNBERG, Halina; KALINA, Eduardo. Aos pais de adolescentes: viver sem drogas. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, SCIVOLETTO, S.; ANDRADE, E. R. A cocaína e o adolescente. In: LEITE, M. C.; ANDRADE, A. G. (Orgs.). Cocaína e crack: dos fundamentos ao tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas, cap. 8. p SILVA, Eroy Aparecida da et al. Drogas en la adolescencia: temores y reacciones de los padres. Psicol. teor. prat., São Paulo, v. 8, n.1, p.41-54, Disponível em: <http://pepsic.bvs-psi. org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 09 ago Aula 14 Psicologia da Educação 13

16 Anotações 14 Aula 14 Psicologia da Educação

17 Anotações Aula 14 Psicologia da Educação 15

18 Anotações 16 Aula 14 Psicologia da Educação

19

20

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A família. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A família. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A família Autora Vera Lúcia do Amaral aula 11 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Um pouco mais sobre a Água Autora Sandra Kelly de Araújo aula 10 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A Psicologia da adolescência. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A Psicologia da adolescência. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A Psicologia da adolescência Autora Vera Lúcia do Amaral aula 05 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A escola como espaço de socialização. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A escola como espaço de socialização. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A escola como espaço de socialização Autora Vera Lúcia do Amaral aula 12 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

REVISÃO. aula Diagramador: Bruno. Ensino de Química e os temas transversais. Instrumentação para o Ensino de Química II. Autores

REVISÃO. aula Diagramador: Bruno. Ensino de Química e os temas transversais. Instrumentação para o Ensino de Química II. Autores D I S C I P L I N A Instrumentação para o Ensino de Química II Ensino de Química e os temas transversais Autores Márcia Gorette Lima da Silva Isauro Beltrán Núñez CONTROLE DA EDIÇÃO DE MATERIAIS - SEDIS/UFRN

Leia mais

aula Localização: coordenadas planas UTM Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho

aula Localização: coordenadas planas UTM Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Localização: coordenadas planas UTM Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 09 Governo Federal Presidente

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A Psicologia e sua importância para a Educação. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A Psicologia e sua importância para a Educação. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A A Psicologia e sua importância para a Educação Autora Vera Lúcia do Amaral aula 01 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad

Leia mais

DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS. Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção

DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS. Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS DROGAS qualquer substância capaz de modificar a função dos organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 10 matemática Juros Compostos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 02 CONTABILIDADE Conceito e Formação do Patrimônio Inicial Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A vida afetiva: emoções e sentimentos. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A vida afetiva: emoções e sentimentos. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A vida afetiva: emoções e sentimentos Autora Vera Lúcia do Amaral aula 03 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Bacia hidrográfica. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Bacia hidrográfica. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Bacia hidrográfica Autora Sandra Kelly de Araújo aula 09 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS SIM PARA A VIDA, NÃO ÀS DROGAS AUTORES: Nadyeshka Sales Araújo (nadyeshka.saq@bol.com.br), Edgar Vieira do Nascimento (edgarvn@bol.com.br), Hérika Dantas Modesto (herikamodesto@bol.com.br),

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. Crescimento e desenvolvimento. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. Crescimento e desenvolvimento. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação Crescimento e desenvolvimento Autora Vera Lúcia do Amaral aula 04 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO

TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Introdução. O abuso de drogas é considerado, atualmente, um dos maiores problemas da nossa sociedade. A situação vem se agravando cada

Leia mais

REVISÃO. aula Diagramador: Bruno. O ensino de química no ensino fundamental à luz dos PCN. Instrumentação para o Ensino de Química II.

REVISÃO. aula Diagramador: Bruno. O ensino de química no ensino fundamental à luz dos PCN. Instrumentação para o Ensino de Química II. D I S C I P L I N A Instrumentação para o Ensino de Química II O ensino de química no ensino fundamental à luz dos PCN Autores Márcia Gorette Lima da Silva Isauro Beltrán Núñez CONTROLE DA EDIÇÃO DE MATERIAIS

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 14 CONTABILIDADE Operações com mercadorias / Preço de vendas Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 12 CONTABILIDADE Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A formação da identidade: alteridade e estigma. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A formação da identidade: alteridade e estigma. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A formação da identidade: alteridade e estigma Autora Vera Lúcia do Amaral aula 06 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro

Leia mais

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho.

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho. O que é Alcoolismo? Alcoolismo é a dependência do indivíduo ao álcool, considerada doença pela Organização Mundial da Saúde. O uso constante, descontrolado e progressivo de bebidas alcoólicas pode comprometer

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 3 Você já deve ter percebido que a família é a base de tudo, tendo papel decisivo na formação do sujeito e da própria sociedade. Sabendo da relevância do

Leia mais

Alienação das drogas

Alienação das drogas Alienação das drogas Que relação podemos fazer entre os personagens mortos-vivos da ficção e os usuários de drogas em geral. São substâncias, naturais ou sintéticas que, introduzidas no organismo, podem

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Sistema único de Assistência Social

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO Dário Fernando Treméa Kubiak 1 Jesus N. Durgant Alves 2 Mara Regina Nieckel da Costa 3 RESUMO Este artigo objetiva

Leia mais

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa Capa ツVivo Feliz Sem Drogas Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo o uso indevido de drogas Capa fim MUNICIPIO DE ITAPEVA SP Secretaria Municipal de Defesa Social Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Ensinando vegetação através de estudo do meio. Autora. Sandra Kelly de Araújo.

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Ensinando vegetação através de estudo do meio. Autora. Sandra Kelly de Araújo. DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Ensinando vegetação através de estudo do meio Autora Sandra Kelly de Araújo aula 04 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

aula Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A

aula Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A D I S C I P L I N A Educação e Tecnologia Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe aula 05 Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome:

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. Como se aprende: a visão dos teóricos da Educação. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. Como se aprende: a visão dos teóricos da Educação. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação Como se aprende: a visão dos teóricos da Educação Autora Vera Lúcia do Amaral aula 08 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A dinâmica dos grupos e o processo grupal. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A dinâmica dos grupos e o processo grupal. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A dinâmica dos grupos e o processo grupal Autora Vera Lúcia do Amaral aula 10 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

REVISÃO. aula. Os mapas conceituais e a aprendizagem de conceitos. Instrumentação para o ensino de química II. Autores. Márcia Gorette Lima da Silva

REVISÃO. aula. Os mapas conceituais e a aprendizagem de conceitos. Instrumentação para o ensino de química II. Autores. Márcia Gorette Lima da Silva D I S C I P L I N A Instrumentação para o ensino de química II Os mapas conceituais e a aprendizagem de conceitos Autores Márcia Gorette Lima da Silva Isauro Beltrán Núñez CONTROLE DA EDIÇÃO DE MATERIAIS

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

aula Projeções cartográficas Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo

aula Projeções cartográficas Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Projeções cartográficas Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 11 Governo Federal Presidente da República

Leia mais

A Prevenção do uso de Drogas e a Terapia Comunitária

A Prevenção do uso de Drogas e a Terapia Comunitária A Prevenção do uso de Drogas e a Terapia Comunitária Brasília, 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência

Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Marilisa de Melo Freire Rossilho Li Li Min Santiago, outubro de 2015. UNICAMP

Leia mais

PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS

PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS APRESENTAÇÃO: A Secretaria de Assistência Social e Cidadania (SASC) por meio da Diretoria de Programas sobre Drogas (DPSD) do

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas PÚLBLICO ALVO: Toda a comunidade escolar e a sociedade local de modo geral. APRESENTAÇÃO: Todos concordam que a Escola tem um papel fundamental em nossa sociedade,

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 13 INFORMÁTICA I BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho

A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho College of Nursing at Ribeirão Preto University of São Paulo Sobre o campo de

Leia mais

O PODER DO USO DE DROGAS NA FRAGILIDADE EGÓICA DO ADOLESCENTE

O PODER DO USO DE DROGAS NA FRAGILIDADE EGÓICA DO ADOLESCENTE O PODER DO USO DE DROGAS NA FRAGILIDADE EGÓICA DO ADOLESCENTE 2015 Mariana Santos Romão Graduanda do Curso Superior em Medicina da Universidade do Oeste Paulista (Brasil) Rita de Cassia Bomfim Leitão Higa

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

aula Nova escola, novos professores Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A Nome:

aula Nova escola, novos professores Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A Nome: D I S C I P L I N A Educação e Tecnologia Nova escola, novos professores Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe aula 02 Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome: Governo Federal

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DROGAS O DILEMA DAS DROGAS ADOLESCÊNCIA E DROGAS Segundo Valdi Craveiro Para uma abordagem do uso de drogas na perspectiva da REDUÇÃO DE DANOS, devemos antes de tudo proceder com duas ações: 1) redefinir 2) contextualizar

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS:

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: 32 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: MODELOS DE PREVENÇÃO E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL UM ENSAIO Aurélio Fabrício Torres

Leia mais

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças Choques Econômicos dos últimos anos Filhos do Downsizing Geração X Foco na carreira e no seu processo de desenvolvimento profissional. Síndrome de

Leia mais

Didática D I S C I P L I N A. Elaboração de um plano de ensino I. Autores. André Ferrer Pinto Martins. Iran Abreu Mendes. aula

Didática D I S C I P L I N A. Elaboração de um plano de ensino I. Autores. André Ferrer Pinto Martins. Iran Abreu Mendes. aula D I S C I P L I N A Didática Elaboração de um plano de ensino I Autores André Ferrer Pinto Martins Iran Abreu Mendes aula 13 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas.

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas. ÁLCOOL E JOVENS O que um jovem precisa saber para evitar problemas. Cerveja, vinhos, caipirinha, chope: elementos da vida cotidiana de muita gente. Essas bebidas ajudam a celebrar datas festivas, a selar

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

COMUNICADO. Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente. disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo.

COMUNICADO. Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente. disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo. COMUNICADO Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo. Vitória/ES, 16 de dezembro de 2015. GILSON GIUBERTI FILHO Coordenador Estadual sobre

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Só você pode responder a esta pergunta.

Só você pode responder a esta pergunta. Sou um adicto? Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1991 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados. Só você pode responder a esta pergunta. Isto

Leia mais

CRACK. Alexandre de Araújo Pereira. Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED

CRACK. Alexandre de Araújo Pereira. Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED CRACK Alexandre de Araújo Pereira Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED Breve histórico do uso de drogas Pré História 4.000 à 5.000

Leia mais

Didática e o Ensino de Geografia DISCIPLINA. Temas em Geografia no ensino médio. Autoras. Sônia de Almeida Pimenta. Ana Beatriz Gomes Carvalho.

Didática e o Ensino de Geografia DISCIPLINA. Temas em Geografia no ensino médio. Autoras. Sônia de Almeida Pimenta. Ana Beatriz Gomes Carvalho. DISCIPLINA Didática e o Ensino de Geografia Temas em Geografia no ensino médio Autoras Sônia de Almeida Pimenta Ana Beatriz Gomes Carvalho aula 12 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO BANDEIRANTES MS SETEMBRO/2012 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO DIRETOR: AFONSO

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA PARA OS ADOLESCENTES

OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA PARA OS ADOLESCENTES 493 OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA PARA OS ADOLESCENTES *Willaine Rodrigues Kenes **Luciano Leal Loureiro Resumo Este trabalho tem como objetivo mostrar o quanto é importante para os adolescentes

Leia mais

Aprender a Educar Programa para Pais

Aprender a Educar Programa para Pais Aprender a Educar Programa para Pais 9ª Edição 2013 Ser Pai e Mãe é um desafio constante! O Programa APRENDER A EDUCAR é uma iniciativa da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

aula Orientação: rumo, azimute, declinação magnética Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho

aula Orientação: rumo, azimute, declinação magnética Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Orientação: rumo, azimute, declinação magnética Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 07 Governo Federal

Leia mais

aula A institucionalização da Geografia no Brasil Introdução à Ciência Geográfica Autores Aldo Dantas Tásia Hortêncio de Lima Medeiros

aula A institucionalização da Geografia no Brasil Introdução à Ciência Geográfica Autores Aldo Dantas Tásia Hortêncio de Lima Medeiros D I S C I P L I N A Introdução à Ciência Geográfica A institucionalização da Geografia no Brasil Autores Aldo Dantas Tásia Hortêncio de Lima Medeiros aula 13 Governo Federal Presidente da República Luiz

Leia mais

Crack - O que é, como prevenir

Crack - O que é, como prevenir Uma das drogas mais pesadas da atualidade e fonte de muitas tragédias, o crack deve ser conhecido por todos, para que possa ser combatido com a devida efi cácia. 52 Crack - O que é, como prevenir C aro

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS

INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Grupamento de Socorro de Emergência Seção de Desastres INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS Edna Maria de Queiroz Capitão Médica CBMERJ Médica HUAP / UFF

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 11 matemática Função: definição, domínio e imagem Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais