AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁLCOOL E DROGAS ENTRE ADOLESCENTES ACADÊMICOS DO CURSO DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE DO CEARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁLCOOL E DROGAS ENTRE ADOLESCENTES ACADÊMICOS DO CURSO DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE DO CEARÁ"

Transcrição

1 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁLCOOL E DROGAS ENTRE ADOLESCENTES ACADÊMICOS DO CURSO DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE DO CEARÁ Assessment of alcohol and drugs use among adolescents students of Nursing at a private university in Fortaleza, Ceará Título resumido: Consumo de álcool e drogas entre acadêmicos de Enfermagem Eixo norteador: Educação e trabalho em saúde Trabalho originado de um projeto de pesquisa aprovado no Edital Universal CNPq Artigo Original Natália Bitar da Cunha Olegario- Graduada em Fisioterapia, mestranda em Saúde Coletiva- Universidade de Fortaleza Ana Maria Fontenelle Catrib- Pós- Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas- Universidade de Fortaleza Raimunda Magalhães da Silva- Pós- Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas- Universidade de Fortaleza Nelson Filice de Barros- Pós- Doutorado em Saúde Coletiva- Universidade Estadual de Campinas

2 2 RESUMO O presente estudo teve como objetivo avaliar o consumo de álcool e drogas entre adolescentes acadêmicos do curso de Enfermagem de uma universidade particular do município de Fortaleza- Ceará. Foi realizado um estudo transversal de abordagem quantitativa no período de janeiro a junho de 2013 com 26 acadêmicos do curso de Enfermagem. Os participantes responderam um questionário previamente elaborado pelos pesquisadores e foram analisadas as seguintes variáveis: sexo, idade, raça, estado civil, religião, faixa de renda familiar, consumo de álcool, tabaco ou droga ilícita, consumo de álcool, tabaco ou droga ilícita por familiares e participação em atividades de prevenção de consumo de álcool e droga na universidade. A maior parte dos estudantes afirmou ser católica e ter renda familiar entre 2-5 salários mínimos. Apenas um acadêmico afirmou ter feito uso de álcool em algum momento da vida acadêmica e nenhum dos participantes afirmou ter feito uso de tabaco ou outros tipos de drogas. Todos os alunos afirmaram nunca ter participado de atividades de prevenção ao consumo de álcool e drogas na universidade. Conclui-se que houve baixa prevalência de consumo de álcool e outras drogas por alunos ingressos no curso de Enfermagem de uma universidade particular em Fortaleza- Ceará. Descritores: Educação em Enfermagem. Comportamento do Adolescente. Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias ABSTRACT The aim of the study was to evaluate the consumption of alcohol and the use of drugs among the students of the nursing course of a private university in Fortleza-Ceará. The cross-

3 3 sectional study, whose approach was quantitative, was carried out from January to June 2013 and involved 26 students of the nursing course. The students filled in a questionnaire, which was previously elaborated by the researchers concerning the following variables: genre, age, race, marital status, religion, family income, consumption of alcohol, tobacco or illegal drugs by the own students or their family members as well as participation in projects related to the prevention of the use of alcohol or drugs at the university. The survey reported that the most of the students are catholic and their family income is 2-3 times the minimum wage. Furthermore only one student admitted to have used tobacco or any type of drugs and no students have participated in projects related to the prevention of the use of alcohol or drugs at the university. Based on the study, it can be stated that there is a low prevalence of the use of alcohol or other drugs among the students of the nursing course of a private university in Fortaleza-Ceará. Key Words: Education Nursing. Adolescent Behavior. Substance- Related Disorders. INTRODUÇÃO A sociedade moderna está exposta a diversas situações de risco que prejudicam a saúde, os seus relacionamentos familiares, sociais e sua qualidade de vida. Dentre os vários fatores agressores destaca-se a droga-dependência, cujas consequências e prejuízos não se restringem apenas ao usuário, abrangem também os diversos segmentos sociais. As drogas são motivo de preocupação mundial devido aos inúmeros riscos à saúde (1). O termo droga se refere a qualquer substância com potencial de alterar o funcionamento de um indivíduo, em função de mudanças fisiológicas e de comportamento. Àquelas que alteram o funcionamento psíquico são denominadas de drogas psicotrópicas.

4 4 Estas atuam no cérebro e provocam alterações de pensamento, sentimento e comportamento, diferentes para cada tipo de droga (1). Recentemente, foi realizada uma pesquisa cuja temática gerou o I Levantamento Nacional sobre o Uso de Álcool, Tabaco e outras Drogas entre Universitários, conduzido em 27 capitais brasileiras. Particularmente, em relação à prática do bringe drinking (consumo excessivo de álcool num curto período de tempo), o levantamento nacional identificou prevalência de 43,7% para os homens e 29,0% para as mulheres (2). O consumo excessivo do álcool, tanto em países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, tem alcançado grandes proporções e está associado a uma série de consequências adversas (3). Os desfechos negativos do uso abusivo de bebidas alcoólicas incluem desde alterações do humor até doenças cardiovasculares, doenças neurodegenerativas, gastrointestinais, hepáticas e mentais (4,5). É certo que o consumo de bebidas alcoólicas em grandes quantidades contribui de forma significativa na etiologia e manutenção de vários problemas sociais, econômicos e de saúde registrados no país, e alguns estudos mostram que o seu uso tem início cada vez mais precoce (6,7). O consumo abusivo, mesmo ocasional, do álcool entre os jovens tem o potencial de representar um importante problema de saúde pública, e essa é uma situação que inclui também os universitários. Alguns autores consideram esse grupo da população particularmente vulnerável ao consumo de bebidas alcoólicas, seja pelas características da vida social ou pelas dificuldades e estresse enfrentados nas universidades (8,9). A universidade representa um período de transição da adolescência para a vida adulta fazendo com que este seja uma fase de vulnerabilidade, o que pode aumentar o consumo de álcool e o uso de outras drogas (10,11).

5 5 Conforme Picolotto e colaboradores (12), do ponto de vista psicossocial, o processo de crescimento e desenvolvimento desse jovem parece estar sendo fragilizado em decorrência das pressões impostas pela adaptação a um novo estilo de vida. Esse estilo requer novos padrões comportamentais com novos papéis, podendo gerar estresse, frustrações e perdas de projetos de vida. Estas características fazem da adolescência um período de grande exposição ao uso de substâncias psicoativas, já que estas podem parecer oferecer aos adolescentes algumas soluções para o que eles procuram (13). O conhecimento sobre os efeitos adversos das drogas e do álcool, obtido nas disciplinas curriculares, parece não ter sido suficiente para modificar esse comportamento em relação ao uso dessas substâncias, estabelecendo-se, dessa forma, a contradição com a formação profissional direcionada à saúde e à promoção de estilos de vida saudáveis. A ambiguidade entre seu modo de agir e a necessidade de desenvolver ações de prevenção ao uso de drogas expõe o acadêmico ao risco de diminuir a sua credibilidade enquanto profissional de saúde (12). Para os universitários das áreas de ciências biológicas e da saúde, os estudos acerca desse tema são particularmente importantes (14,15). São eles que, no futuro, em suas atividades profissionais, deverão orientar e aconselhar seus clientes para a adoção de hábitos saudáveis (16). Assim, há a necessidade de se considerar a especificidade do padrão de consumo de bebidas alcoólicas dessa população para a elaboração e implantação de programas específicos de intervenção e prevenção (17). É fundamental que as atividades de promoção da saúde que abordem essa temática sejam desenvolvidas sedimentadas em dados reais, que reflitam a realidade e auxiliem na identificação de intervenções efetivas (18).

6 6 Dentro desse contexto, o presente estudo teve como objetivo avaliar o consumo de álcool e drogas entre adolescentes acadêmicos do curso de Enfermagem de uma universidade particular do município de Fortaleza- Ceará. MÉTODOS Foi realizado um estudo transversal de abordagem quantitativa no período de janeiro a junho de A população do estudo foi composta por acadêmicos do curso de Enfermagem de uma universidade particular do município de Fortaleza- Ceará. O estudo respeitou os preceitos éticos que regem as pesquisas em seres humanos conforme as normas da Resolução n.º 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (19), sendo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de Fortaleza com o parecer de número 292/11 e todos os pacientes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. Foram inclusos na pesquisa, acadêmicos do curso de Enfermagem, regularmente matriculados no segundo ano do curso, com até 19 anos de idade, independente do sexo. Os participantes responderam a um questionário previamente elaborado pelos pesquisadores e foram analisadas as seguintes variáveis: sexo, idade, raça, estado civil, religião, faixa de renda familiar, consumo de álcool, tabaco ou droga ilícita, consumo de álcool, tabaco ou droga ilícita por familiares e participação em atividades de prevenção de consumo de álcool e droga na universidade. Os dados obtidos foram analisados pelo programa estatístico SPSS, versão 13.0, utilizando-se para as variáveis numéricas média, desvio padrão e percentual. Nas variáveis categóricas foi utilizado o teste qui-quadrado. RESULTADOS

7 7 Participaram do estudo 26 acadêmicos com idade média de 18,2 anos, sendo 25 do sexo masculino. Quanto a raça/cor 61,5% afirmaram ser brancos, 34,6% mulatos/pardos e 3,8% amarelos (Tabela 1). A maior parte dos estudantes afirmou ser católica (88,5%) e ter renda familiar entre 2-5 salários mínimos (55,7%) (Tabela 1). Apenas um acadêmico afirmou ter feito uso de álcool em algum momento da vida acadêmica e nenhum dos participantes afirmou ter feito uso de tabaco ou outros tipos de drogas. Quanto ao consumo de álcool e drogas pelos pais, 12 alunos afirmam que estes o fazem, havendo maior prevalência no consumo do álcool (75%), seguido por uso do tabaco (16,7%) e medicamentos (8,3%). Quando questionados sobre as mães, apenas 8 alunos afirmaram que estas fazem uso de algum tipo de droga, sendo também predominante o consumo de álcool (62,5%), seguido pelo tabaco (12,5%). Observa-se, entretanto um maior consumo de medicamentos entre estas quando comparadas aos pais (Tabela 2). Todos os alunos afirmaram nunca ter participado de atividades de prevenção ao consumo de álcool e drogas na universidade. DISCUSSÃO O presente estudo aponta baixo consumo de álcool e drogas pelos acadêmicos do curso de Enfermagem de uma universidade particular do município de Fortaleza- Ceará, entretanto as repercussões do consumo de álcool e drogas por jovens no Brasil representam uma importante preocupação social e questão de saúde pública. Tal fato é evidente em pesquisas realizadas pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID), que mostra que 73,2% dos jovens entre 18 e 24 anos já

8 8 fizeram uso de bebidas alcoólicas alguma vez na vida e 15,5% apresentam sintomas de dependência. O levantamento domiciliar também apresentou informações de que o álcool é a substância psicoativa mais consumida entre os jovens (20). Entre estudantes universitários, as bebidas alcoólicas vêm sendo apontadas na literatura como a substância de maior consumo (21,22). O baixo consumo de álcool encontrado no presente estudo representa um resultado positivo que pode estar relacionado à cultura de saúde envolvida no curso de Enfermagem, porém também se deve considerar o número restrito de estudantes na faixa etária escolhida e possível omissão dos mesmos quanto ao consumo de álcool e outras drogas. O uso e a dependência de álcool é um fenômeno complexo e determinado por fatores genéticos, psicológicos e sociais. Estudos realizados em diferentes contextos socioculturais demonstram que na população de estudantes adolescentes e jovens o índice de consumo de álcool é significativo (20). Dados estatísticos demonstram que, no Brasil, o álcool é responsável por 47% dos acidentes de trânsito (principal causa de morte entre jovens), 41% dos homicídios e por um número expressivo de assassinatos, brigas e suicídios (22). Outros apontamentos estatísticos indicam que aproximadamente 84% dos brasileiros fazem uso ocasional de bebida alcoólica; 21% a consomem diariamente e 19% têm uma embriaguez alcoólica semanal (23). Estudo realizado em uma faculdade do Ceará mostrou que o álcool acarreta inúmeros problemas nas atividades acadêmicas, tais como notória falta de atenção, ausência, atrasos, saídas antecipadas das aulas, reclamações e sono durante as aulas. Os acadêmicos relatam que encontram disposição para beber nos fins de semana, após as provas e finais das aulas (21). Há inúmeras razões para que uma pessoa ingira qualquer tipo de bebida alcoólica: em momentos de alegria, tristeza, festas, estresse emocional, relaxamento físico e mental, ou

9 9 qualquer razão que seja suficiente para justificar o consumo dessa substância, considerada acessível a quem quer que seja principalmente no que diz respeito ao seu baixo custo (24). O excesso de álcool no organismo acarreta vários distúrbios fisiológicos tais como gastrite, pancreatite, hepatite, hipertensão, fraqueza em membros inferiores, quedas frequentes, convulsões e tremores matinais; distúrbios psicológicos como irritabilidade, nervosismo, insônia, falta de concentração, prejuízo de memória; além de problemas sociais como perda da produtividade, falta no trabalho, uso de violência com amigos e familiares, perda de responsabilidades, entre outros (25). A prevalência mundial do consumo de substâncias psicoativas está aumentando (26). No Brasil, onde 35 milhões de pessoas têm menos de 30 anos, os problemas relacionados ao consumo de substâncias psicoativas podem ser preocupantes (27). Com relação ao abuso e a dependência de drogas, estas ameaçam os valores políticos, econômicos e sociais. Além de contribuir para o crescimento dos gastos com tratamento médico e internação hospitalar, eleva os índices de acidente de trânsito, de violência urbana e de mortes prematuras (28). Nos resultados encontrados no presente estudo todos os participantes afirmaram serem adeptos à religião católica, protestante ou espírita, podendo a religião ser um fator preditivo à proteção ao uso de drogas na população dos alunos estudados. Borini et. al. (29) verificou que há menor consumo de álcool (incluindo bebedores discretos, moderados e excessivos) entre os protestantes (50%) em relação aos espíritas (75%), católicos (75%) e ateus (94,5%). Não se detectou bebedores excessivos entre os espíritas e os protestantes. Miller et. al. (30) também observaram que há associação entre pertencer a grupos religiosos mais conservadores (como os protestantes) e utilizar e ter menos dependência de álcool e outras drogas entre os adolescentes americanos.

10 10 Carlini-Cotrin et. al. (28) observaram que os alunos da rede particular de ensino de São Paulo relataram significativamente maior uso de cigarro, álcool, inalantes e maconha no período recente do que os alunos da rede estadual de ensino da mesma idade. Baus et. al. (31) observaram que a classe socioeconômica alta foi associada a um risco duas vezes maior do uso de álcool do que a classe baixa entre alunos de escolas públicas de primeiro e segundo grau. Grande parte dos estudantes participantes da pesquisa (55,7% ) possuíam renda familiar média de dois até cinco salários mínimos, portanto, sendo minoria aqueles com renda familiar alta o que pode ter contribuído para o baixo consumo de álcool e drogas encontrados. No presente estudo 75% dos alunos relatam consumo de álcool pelos pais e 62,5% pelas mães, estas também citadas por 25% dos alunos como usuárias de algum tipo de medicamento. A influência familiar é também considerada como um fator protetor ou promotor do consumo de substâncias psicoativas pelos filhos. Conforme Chiapetti (33) e Kazdin (34), a estrutura e a dinâmica familiar inadequada destacam-se, particularmente durante a pré-adolescência e adolescência, faixa etária estudada na presente pesquisa, no incremento da vulnerabilidade do sujeito ao desenvolvimento de comportamentos de risco, tais como o uso de substâncias psicoativas. De forma complementar, Baus, Kupek e Pires (31) consideram que adolescentes de pais consumidores pesados ou dependentes de substâncias psicoativas tendem a adotar o mesmo comportamento. O envolvimento dos filhos no consumo de substâncias dos pais (buscar uma taça para colocar vinho, trazer uma caixa de fósforos para acender o cigarro ou comprar um maço de cigarros no bar) também é considerado fator de risco proporcionado pela família. Por outro lado, adolescentes cujos pais oferecem diretrizes claras, e ao mesmo tempo encorajam seus filhos a assumirem certos riscos e exercerem sua liberdade, levando em conta o que a idade

11 11 deles comporta, de alguma maneira está mais protegida de comportamentos de risco, incluindo o uso de substâncias (35). Alguns autores afirmam ainda que a realização de estudos sobre o consumo de álcool e drogas pode definir medidas a serem inseridas ainda no ensino fundamental e médio com o intuito de minimizar o percentual de consumo e de uso abusivo de bebidas alcoólicas entre universitários (16). Nenhum dos alunos afirmou ter participado de qualquer atividade de prevenção ao consumo de álcool e drogas, porém a universidade, assim como a escola, é um ambiente de convivência e de intensas interações sociais, apresentando-se, assim, como um terreno fértil para a implementação das propostas, estratégias e ações que envolvem a Promoção da Saúde (32). CONCLUSÃO Conclui-se que houve baixa prevalência de consumo de álcool e outras drogas por alunos ingressos no curso de Enfermagem de uma universidade particular em Fortaleza- Ceará. Diante do exposto, entretanto, percebe-se que se trata de um grupo da população particularmente vulnerável ao consumo álcool e drogas, sendo essencial o reconhecimento da universidade como campo favorável à promoção da saúde e ideal para a implementação de ações educativas. REFERÊNCIAS 1. Domingos NAM, Domingos JCV. Levantamento sobre o uso de álcool e drogas em universitários. Rev. bras.ter. cogn., v.1, n.1, Rio de Janeiro, jun

12 12 2. Brasil. Presidência da República. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. I Levantamento Nacional sobre o Uso de Álcool, Tabaco e Outras Drogas entre Universitários das 27 Capitais Brasileiras/Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas; GREA/IPQ- HCFMUSP. Org: Andrade AG, Duarte PCAV, Oliveira LG. Brasília: SENAD; Kuntsche E, Rehm J, Gmel G. Characteristics of binge drinkers in Europe. Soc Sci Med. 2004;59: World Health Organization. WHO Global Status Report on Alcohol. Department of Mental Health and Substance Abuse. Geneva: World Health Organization; Heckmann W, Silveira CM. Dependência do álcool: aspectos clínicos e diagnósticos. In: Andrade AG, Anthony JC, Silveira CM. Álcool e suas consequências: uma abordagem multiconceitual. Barueri (SP): Minha Editora; p Nunes JM, Campolina LR, Vieira MA, Caldeira, AP. Consumo de bebidas alcoólicas e prática do binge drinking entre acadêmicos da área da saúde. Rev Psiq Clín. 2012;39(3): Pinsky I, Sanches M, Zaleski M, Laranjeira R, Caetano R. Patterns of alcohol use among Brazilian adolescents. Rev Bras Psiquiatr. 2010;32: Pillon SC, Corradi CMW. Teste de identi.cação de problemas relacionados ao uso de álcool entre estudantes universitários. Rev Enferm UERJ. 2006;14:

13 13 9. Wagner GA, Andrade AG. Uso de álcool, tabaco e outras drogas entre estudantes universitários brasileiros. Rev Psiq Clín. 2008;35(Supl 1): Ham, L.S; Hope, D.A. (2003). College students and problematic drinking: A review of the literature. Clinical Psychology Review, 23, Park, C.L; Grant, C. (2005). Determinants of positive and negative consequences of alcohol consumption in college students: alcohol use, gender e psychological characteristics. Addictive Behaviors, 30, Picolotto E, Libardoni LFC, Migott AMB, Geib LTC. Prevalência e fatores associados com o consumo de substâncias psicoativas por acadêmicos de enfermagem da Universidade de Passo Fundo. Ciência & Saúde Coletiva, 2010;15(3): Corradi-Webster CM, Esper LH, Pillon SC. A enfermagem e a prevenção do uso indevido de drogas entre adolescentes. Acta Paul Enferm, 2009; 22(3): Oliveira DAG, Soares VCG, Benassi Jr M. O consumo de bebidas alcoólicas entre estudantes universitárias e o conhecimento dos riscos entre seu uso combinado com contraceptivos orais. Rev Inst Ciênc Saúde, 2009; 27: Chiapetti N, Serbena CA. Uso de álcool, tabaco e drogas por estudantes da área de saúde de uma universidade de Curitiba. Psicol Re"ex Crit. 2006;20:

14 Colares V, Franca C, Gonzalez E. Condutas de saúde entre universitários: diferenças entre gêneros. Cad Saude Publica, 2009;25: Rios PAA, Matos AM, Fernandes MH, Barbosa AR. Consumo e uso abusivo de bebidas alcoólicas em estudantes universitários do município de Jequié/BA. Rev Saúde Com. 2008; 4: Cavalcante MBPT, Alves MDS, Barroso MGT. Adolescência, álcool e drogas: promoção da saúde. Esc Anna Nery Rev Enferm, 2008;12: Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução n. 196, de 10 de outubro de Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União 16 out 1996; Seção Vaillant GE. A história natural do alcoolismo revisitada. Porto Alegre: Artes Médicas; Fonseca AG. Drogas: não caia nessa! 6ª ed. Aparecida (SP): Santuário; Cotrin BC. Drogas: Mitos e Verdades. 7ª ed. São Paulo: Ática; Vaissman M. Alcoolismo no trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz; Gikovate, F. Drogas: opção de perdedor. São Paulo (SP): Moderna; 1992.

15 Laranjeira R, Pinsky I, Sanches M, Zaleski M, Caetano R. Alcohol use patterns among Brazilian adults. Rev Bras Psiquiatr. 2010;32: United Nations Office on Drugs and Crime - UNODC. Global illicit drug trends New York (NY): United Nations; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período de : revisão Rio de Janeiro; Carlini-Cotrim B, Gazal-Carvalho C, Gouveia N. Comportamento de saúde entre jovens estudantes das redes pública e privada da área metropolitana do estado de São Paulo. Rev Saúde Pública, 2000; 34(6): Borini P, Oliveira CM, Martins MG, Guimarães RC. Padrão de uso de bebidas alcoólicas de estudantes de medicina (Marília, São Paulo): parte 1. J Bras Psiquiatr. 1994; 43(2): Miller L, Davies M, Greenwald S. Religiosity and substance use and abuse among adolescents in the national comorbity survey. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2000;39(9): Baus, J, Kupek, E, & Pires, M. Prevalência e fatores de risco relacionados ao uso de drogas entre escolares. Revista de Saúde Pública, 2002; 36(1),

16 Catrib AMF, Moura JBV, Leal VCLV, Batista MH, Amorim, RF. Promoção da Saúde no Contexto da Estratégia Saúde da Família. Campinas, SP: Saberes Editora, 2011, pp Chiapetti, N. Comportamento de risco em pré-adolescentes institucionalizados. Tese de Doutorado não-publicada, Curso de Pós-graduação em Psicologia Clínica, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, SP, Kazdin, A. E. Adolescent mental health: Prevention and treatment programs. American Psychologist, 1993; 48(2), Jessor, R. Successful adolescent development among youth in high-risk settings. American Psychologist, 1993; 48(2), Agradecimentos Ao CNPq pelo apoio financeiro da pesquisa.

17 17 Tabela 1: Análise das variáveis idade, gênero, raça, estado civil, religião e faixa de renda familiar de 26 acadêmicos do curso de Enfermagem de uma universidade particular, Fortaleza, Ceará, Variável n=26 Idade (anos) 18,2 (17-19) Gênero (M/F) 1/25 Raça Branco (n/%) 16/61,5% Mulato/Pardo (n/%) 9/34,6% Amarelo (n/%) 1/3,8% Estado civil Solteiro (n/%) 26/100% Religião Católica 23/88,5% Protestante 1/3,8% Espírita 2/7,6% Faixa de renda familiar

18 SM (n/%) 15/55,7% 5-8 SM (n/%) 7/26,9% 8-11 SM (n/%) 3/11,5% SM (n/%) 1/3,8% M= masculino; F= Feminino; n= número de indivíduos; %= percentual; SM= salários/mínimo Tabela 2: Análise do consumo de álcool, tabaco e outras drogas por pais, mães e acadêmicos do curso de Enfermagem de uma universidade particular, assim como participação em atividades de prevenção ao consumo e álcool e drogas, Fortaleza, Ceará, Variável n % Consumo de álcool - aluno (S/N) 1/25 - Consumo de tabaco - aluno (S/N) 0/26 - Consumo de outras drogas - aluno (S/N) 0/26 - Consumo de drogas pai (S/N) 12/14 - Álcool 9 75 Tabaco 2 16,7 Medicamento 1 8,3 Consumo de drogas mãe (S/N) 8/18 - Álcool 5 62,5 Tabaco 1 12,5 Medicamento 2 25

19 Participação em APCAD 0 0 S= sim; N= não; n= número de indivíduos; APCAD= atividade de prevenção de álcool e drogas; %= percentual. 19

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS Diego Pereira Alves de Moraes 1 ; Leonardo Rodrigo Baldaçara 2 1 Aluno do Curso de Medicina;

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Consumo de álcool por adolescentes e gênero Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Área de pesquisa Saúde pública Importância do fenômeno Álcool Droga psicotrópica atua no sistema nervoso central Possui

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Pedro Henrique Marques Andreo 1 ; Thyemi

Leia mais

O Crack na Cidade de Salvador

O Crack na Cidade de Salvador O Crack na Cidade de Salvador Esdras Cabus Moreira Centro de Estudos e Tratamento do Abuso de Drogas CETAD/UFBA (vimeo.com/48998209) Realmente, o Brasil perde somente para os Estados Unidos

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Iluska Pinto da Costa Universidade Federal de Campina Grande; email: lucosta.ufcg@gmail.com Janaíne Chiara

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES.

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. Marta Mulhule, 1 Mayra Martins 2 RESUMO: Objetivo: identificar as práticas educativas dos pais na percepção dos adolescentes

Leia mais

Keywords: Alcohol. Prevalence. University students.

Keywords: Alcohol. Prevalence. University students. 1 PREVALÊNCIA DE USO DO ÁLCOOL ENTRE ESTUDANTES DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA RESUMO Rita Ivana Barbosa Gomes * Elba Gomide Mochel ** Estudo epidemiológico, de caráter descritivo, com o propósito de estimar

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Perfil do Consumo de Álcool

Perfil do Consumo de Álcool Unidade 2 - Perfil do Consumo de Álcool 49 Perfil do Consumo de Álcool Andréia Campos Romanholi; Marcos Vinícius Ferreira dos Santos Fala Professor: Caro aluno, Embora seja o álcool uma droga de grande

Leia mais

Perfil do usuário de crack no Brasil

Perfil do usuário de crack no Brasil Lígia Bonacim Dualibi Prof. Dr. Marcelo Ribeiro Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - INPAD Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD Universidade Federal

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo de Janeiro de 2013 Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Investigação em Anatomia Patológica Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos

Leia mais

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack.

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. MÓDULO 2 Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. Você aprenderá alguns conceitos relacionados à temática, como os padrões

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES

CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES Estéfani Gonçalves de Souza 1 RESUMO Com o objetivo de estimar a prevalência de consumo de álcool e do alcoolismo entre estudantes adolescentes de escola

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS.

USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS. 98 Biofar, Rev. Biol. Farm. Campina Grande/PB, v. 9, n. 2, p. 98-106 junho/agosto, 2013 USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS. Ana Carolina Silva Alves 1, Kamila

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

O USO DE ÁLCOOL ENTRE JOVENS ESTUDANTES

O USO DE ÁLCOOL ENTRE JOVENS ESTUDANTES O USO DE ÁLCOOL ENTRE JOVENS ESTUDANTES PARREIRA, Graziela Vanessa1 - UNESP/Marília. DALLO, Luana2 - UNESP/Marília. DONATI, Fabiana Augusta3 - UNESP/Marília. MARTINS, Raul Aragão4 UNESP/Marília Grupo de

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos

Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos Comissão Especial Bebidas Alcoólicas Câmara dos Deputados Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Consumo per capita de litros puros de álcool entre adultos

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO

APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO Raul Aragão Martins UNESP - Universidade Estadual Paulista Campus São José do Rio Preto Apoio: Fundação de Amparo

Leia mais

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go.

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. Marlene Fátima Stach Alves* Roberto Alves Pereira ** RESUMO: O presente artigo faz uma breve

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO Renata Juliana Pereira de Moraes Trindade Crislene Kelly Guedes Lopes Luiza Jamila Silva da Costa Maria

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Epidemiologia das substâncias psicoativas

Epidemiologia das substâncias psicoativas Epidemiologia das substâncias psicoativas Prof.ª Enf. Lorena Silveira Cardoso Mestre em Saúde Coletiva-UFES Membro técnico do CEPAD-UFES/CRR-UFES Profª Drª. Marluce Miguel de Siqueira Coordenadora do CEPAD-UFES/CRR-UFES

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina - GREA Hospital Universitário Coordenadoria

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Moreira, Izadora Cristina; Aquino, Valdirene Silva Rocha; RAMALHO, Letícia Carneiro; CUNHA, Marielton Passos; PINHEIRO,

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho, Médico do Trabalho Conceitos Básicos sobre o consumo de substâncias psicoativas em meio laboral Objectivos da Prevenção Primária Causas relacionadas com

Leia mais

PREVALÊNCIA DO USO DE TABACO E ÁLCOOL EM UNIVERSITÁRIOS DO SUL DO BRASIL

PREVALÊNCIA DO USO DE TABACO E ÁLCOOL EM UNIVERSITÁRIOS DO SUL DO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DO USO DE TABACO E ÁLCOOL EM UNIVERSITÁRIOS DO SUL DO BRASIL Mayckel da Silva Barreto 1 ; Mara Cristina Ribeiro Furlan 1 ; Elen Ferraz Teston

Leia mais

Investigação do uso de drogas lícitas e ilícitas entre os

Investigação do uso de drogas lícitas e ilícitas entre os SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 8(2):79-86 May.-Aug. 2012 Artigo Original Investigação do uso de drogas lícitas e ilícitas entre os universitários de instituições do ensino superior (públicas

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

-1- PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

-1- PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 GIMENIZ-PASCHOAL, Sandra Regina 2 VILAS BÔAS, Bruna 3 TÁPARO, Flávia Arantes 4 SCOTA, Bruna da Costa 5 Resumo

Leia mais

1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD

1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD 1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD Políticas sobre Drogas e a Realidade Brasileira Painel:Princípios aplicados, Resultados obtidos? 1 Intervenção Breve no Brasil: avanços Prof. Dr. Erikson F.

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

Ins$tuto Nacional de Ciência e Tecnologia para Polí$cas Públicas do Álcool e Outras Drogas Consumo de Álcool no Brasil: Tendências entre 2006/2012

Ins$tuto Nacional de Ciência e Tecnologia para Polí$cas Públicas do Álcool e Outras Drogas Consumo de Álcool no Brasil: Tendências entre 2006/2012 Ins$tuto Nacional de Ciência e Tecnologia para Polí$cas Públicas do Álcool e Outras Drogas Consumo de Álcool no Brasil: Tendências entre 26/212 Direção: Ronaldo Laranjeira Coordenação: Clarice Sandi Madruga

Leia mais

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Atualmente, o consumo de substâncias ilícitas e álcool é indiscriminado entre mulheres e homens adultos

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS

Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS .. Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS Modelo causal de consumo de alcool, mecanismos intermediarios e consequencias:

Leia mais

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas.

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas. TÍTULO: ALCOOLISMO NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAZONAS. Autores: Fernando de Lima Ferreira; Aristóteles Alencar; Manoel Galvão; Giselle Oliveira da Costa; Márcia Maria Leão de Araújo; Roberta Kelly

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS SIM PARA A VIDA, NÃO ÀS DROGAS AUTORES: Nadyeshka Sales Araújo (nadyeshka.saq@bol.com.br), Edgar Vieira do Nascimento (edgarvn@bol.com.br), Hérika Dantas Modesto (herikamodesto@bol.com.br),

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE

ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE USO DE ÁLCOOL E DROGAS POR ACADÊMICOS DOS CURSOS DE, E DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO ALCOHOL AND DRUG USE AMONG NURSING, BIOLOGY AND MEDICAL STUDENTS

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO.

O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO. ANTONIO WILKER BEZERRA LIMA O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO. 1ª Edição Arneiroz Edição do Autor 2013 [ 2 ] Ficha catalográfica. Lima,

Leia mais

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012.

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. Nº 74 Fevereiro de 2014 O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Centro Regional de Referência ES. CURSO 1: Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas

Centro Regional de Referência ES. CURSO 1: Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS O ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Av. Marechal Campos, 1468 Maruípe Vitória-ES CEP. 29040-090 Fone: (27) 3335.7492

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR.

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. Janaína Pelosi Bezerra (PIBIC/UNIOESTE/PRPPG), Vanessa Cristine Beck, Éverson Andrade, Ligiane de Lourdes Silva, Poliana Vieira

Leia mais

Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias.

Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias. Aspectos Legais, Econômicos e de Saúde Associados aos Programas (Exames Toxicológicos) UFRJ/CEPRAL / Curso: Prevenindo Dependências nas Empresas Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias.

Leia mais

A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS

A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS Kay Francis Leal Vieira UNIPÊ - kayvieira@yahoo.com.br Priscila Monique de Melo Veiga UNIPÊ - prismonique25@hotmail.com Regina Irene Diaz

Leia mais

CISOTTO, Laurindo ROSSETO, Marisa, Ester, A.

CISOTTO, Laurindo ROSSETO, Marisa, Ester, A. ... Cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto, abrange mais um momento de atenção, de zelo e desvelo. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilidade, de envolvimento afetivo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL ENTRE OS ACADÊMICOS DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

CONSUMO DE ÁLCOOL ENTRE OS ACADÊMICOS DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Consumo de álcool entre os acadêmicos do curso de Medicina Veterinária 19 CONSUMO DE ÁLCOOL ENTRE OS ACADÊMICOS DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Daniely Magalhães Silva 1 Ludimyla Menezes Pimenta 2 Kimberly

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS *Elenilson F. Alves 1 (PQ), *Clarissa M. Sousa 2 (FM), *Juliana O. Ehlers 1 (IC), *Tais B.

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP HÁBITOS ALIMENTARES DOS UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP JAROSKEVICZ, L.; MARIN, T. Resumo: A fase da adolescência e adulta é o momento de maior impacto na vida do indivíduo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Antes de conhecer algumas informações fornecidas pela Epidemiologia, vamos relembrar alguns conceitos:

Antes de conhecer algumas informações fornecidas pela Epidemiologia, vamos relembrar alguns conceitos: Módulo1:: CAPÍTULO 2: Epidemiologia do uso de substâncias psicoativas no Brasil: peculiaridades regionais e populações específicas José Carlos Fernandes Galduróz Antes de conhecer algumas informações fornecidas

Leia mais

Perfil dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas CAPS AD

Perfil dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas CAPS AD Perquirere, 11(2): 169-178, dez. 2014 Centro Universitário de Patos de Minas http://perquirere.unipam.edu.br Perfil dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas CAPS AD Profile of users

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas:

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas: Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ), uma campanha publicitária alertando sobre os

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Educação em Saúde: Dependência Química Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil MODULO 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas no

Leia mais

Material e Método. Resultados

Material e Método. Resultados Uso de Drogas entre Adolescentes e Jovens Mulheres: uma revisão da literatura Autoras: Patrícia Castro de Oliveira e Silva doutoranda em psicossociologia de comunidades e ecologia social, Universidade

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais