ADOLESCÊNCIA E DROGADIÇÃO: A RESPONSABILIDADE DO ESTADO, DA FAMÍLIA E O CUMPRIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO TRATAMENTO DO DEPENDENTE QUÍMICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADOLESCÊNCIA E DROGADIÇÃO: A RESPONSABILIDADE DO ESTADO, DA FAMÍLIA E O CUMPRIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO TRATAMENTO DO DEPENDENTE QUÍMICO"

Transcrição

1 ADOLESCÊNCIA E DROGADIÇÃO: A RESPONSABILIDADE DO ESTADO, DA FAMÍLIA E O CUMPRIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO TRATAMENTO DO DEPENDENTE QUÍMICO ANA PAULA MEDA GIOVANA ROCHA LEITE RESUMO: Este trabalho traz uma análise do problema social advindo do uso de drogas por adolescentes, fazendo um paralelo entre as necessárias políticas públicas que precisam ser efetivadas por meio do Estado, juntamente com o apoio das famílias dos dependentes químicos e da sociedade como um todo, atuando com cidadania de maneira a enxergar nesse, um problema de campo extenso e competente a todas as pessoas envolvidas no convívio social. Por conseguinte, a vida está envolta em um emaranhado de obrigações, conflitos e cobranças, condicionando os adolescentes a experimentarem novas alternativas que os façam fugir da realidade, traçando novos mundos através de substâncias ilícitas, arrasadoras de lares, organismos e histórias: as drogas. De tal modo, é notório o prejuízo concentrado dentro das relações de drogadição a começar pelo narcotráfico gerador de violência entre jovens, em seguida, remete-se ao adolescente usuário que sustenta esse mesmo tráfico de drogas instigante de retratos insolentes pelo Brasil, como, por exemplo, a cracolândia, na cidade de São Paulo, em que o crack dominou as escolhas dos indivíduos que ali persistem. Mais tarde, o ciclo de relações de drogadição reporta-se às desigualdades sociais extremamente discrepantes, que configuram o cenário atroz do consumo e do tráfico de drogas, resultando em consequências graves no âmbito social, tais quais, a problemática da saúde posteriormente solicitada no tratamento do dependente químico, o crescimento da AIDS, disseminada por Aluna do Curso de Graduação em Direito da Universidade Estadual do Norte do Paraná, Campus de Jacarezinho/PR. Aluna do Curso de Graduação em Pedagogia da Universidade Estadual do Norte do Paraná, Campus de Jacarezinho/PR.

2 intermédio das drogas injetáveis e a violência urbana, presenciada constantemente em grandes aglomerações humanas. Nesse sentido, é essencialmente importante o papel da família coligindo com ações de prevenção do Estado para combater o uso de drogas entre adolescentes, a fim de que os mesmos não se tornem vítimas de um caminho sem volta e que pode custar inúmeras vidas. Assim, a família é a sustentação psicológica e emocional do adolescente, servindo como um escudo contra as drogas. Portanto, somente com políticas públicas de prevenção e reinserção social do já dependente químico, em concomitante com a ajuda familiar estruturada por valores, limites e baseada sob a vertente da sobrevivência digna com respaldo de toda a sociedade a voltar-se para a responsabilidade de colaborar na prevenção e no tratamento de dependentes químicos. O trio Estado, família e sociedade são elementos imprescindíveis à consecução de uma realidade justa, igualitária e humana. Palavras-chave: Adolescência. Drogas. Estado. Família 1. A GLOBALIZAÇÃO E OS CONTRASTES SOCIAIS A vivência no mundo globalizado onde a gana pelo ter, pelo comprar e pelo poder estão acima de qualquer relação de convivência que privilegia boa vizinhança. As tecnologias que a cada dia se aperfeiçoam mais fazem com que as pessoas alienem-se de uma vida saudável e que fiquem presas a uma condição de comprar o melhor produto ou aquele que a ajude a interar-se com o grupo social que está ou quer se inserir. Não se pode deixar de considerar que, junto das questões boas que a globalização trouxe, também se acarretaram e se agravaram demasiadamente os problemas sociais que ficaram e que ficam cada vez mais evidentes, principalmente para as pessoas que vivem ás margens da sociedade, chegando a casos extremos de sobrevivência, onde fica nítida a incoerência em que se vive. Os principais afetados com toda essa roda viva que é a sociedade e com os augúrios que ela trás, são os jovens que a cada dia estão mais sem referências e sem limites, visto que a independência é algo muito valorizado. Fazendo-se uma retomada de alguns anos nota-se que as bases familiares de hoje já não correspondem mais as que prevaleciam há algum tempo atrás. Segundo Wagner, (2003) citado por Zanetti, (2009, pág. 66.)... a família passa por um momento de perda de referências. Com isso, a figura dos pais, enquanto autoridade, está a cada dia mais fragilizada, fazendo com que os filhos busquem referências em caminhos que, na grande maioria das vezes, é sem volta, como no mundo do crime, na violência, na marginalidade e nas drogas.

3 Os maiores contrastes sociais que se denotam são com relação às pessoas que moram em periferias e favelas dispersas por todo território nacional, atingindo um número de 10 milhões de pessoas que estão dispersas em favelas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/ Pesquisas de informações básicas municipais). O que mais chama a atenção é a renda que essas pessoas têm para poder sobreviver nesse mundo que a cada dia conta com mais inovações e facilidades. Segundo o Censo 2000 a renda de uma família que reside em uma periferia é de R$ 352,41. É evidente que em grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro a concentração de favelas tende a ser maior atingindo um número de 612 e de 513 respectivamente, segundo o Censo Com isso, quanto maior forem os centros comerciais que acabam servindo como atrativo às famílias carentes, na ilusão de melhores condições de vida nessas cidades o que acaba acontecendo é o inverso: a exclusão social, as desigualdades, a drogadição seguida de violência, de atos infracionais e outros inúmeros problemas que acontecem diariamente. Todavia, o principal impasse que existe é a disparidade entre a lei e a realidade vivida por pessoas que sofrem com a falta de elementos necessários para a sobrevivência e dignidade humana. 2. ADOLESCÊNCIA E DROGADIÇÃO O uso de alucinógenos é algo bastante antigo na história da humanidade que criam graves problemas de saúde pública, com conseqüências sérias pessoais e sociais no futuro dos adolescentes e de toda a sociedade. A adolescência é uma fase da vida onde se tem que enfrentar inúmeras mudanças, onde se é deixado de ser criança, passando a vida adulta. Segundo Robaina (2010) a adolescência é um período de desorganização temporária, em que o distanciamento dos pais, as rebeldias, os comportamentos estranhos são meios que os adolescentes empregam para evoluir a um padrão de relacionamento mais adulto. Com toda essa efervescência na vida do jovem, o desconhecido e o proibido, por uma questão de rebeldia, acabam se tornando alvo de curiosidade. Essa é a fase em que o jovem precisa ser aceito e pertencer a um grupo, que seja valorizado e reconhecido pelas outras pessoas. Momento este que pode ser perigoso se tal jovem não vê reconhecimento no grupo familiar, na escola, no trabalho; enfim nos lugares que costuma frequentar; isso faz com que

4 ele valorize as coisas erradas na ilusão de ser aceito na sociedade, de ser independente e adulto. Porém, até mesmo os caminhos errados; como o do mundo do crime, das drogas, da delinqüência, entre outros; também tem muitas regras a serem cumpridas e mesmo que sua orientação familiar seja contraria a tais normas, ele as seguirá. Segundo Robaina (2010, pag. 22.)...o adolescente vê-se obrigado a aceitar essas regras a fim de poder ingressar no grupo. [...] Se a droga for um dos valores importantes de seu grupo, isso pode levar o adolescente novo ao grupo a usá-la, de inicio só para experimentar. Estima-se que hoje no Brasil exista mais de um milhão de viciados em crack, fora o número alarmante que chega a ser comparado com uma epidemia por ser o alucinógeno que mais se alastra atingindo todas as camadas sociais, o que mais assusta é a idade média dos viciados que é em torno de treze anos, é sabido que o crack é considerado uma das drogas mais devastadoras que se tem atualmente, sendo capaz de viciar logo na primeira experimentada. Um exemplo claro desta realidade é a Cracolândia na cidade de São Paulo, onde jovens ficam jogados à própria sorte, fazendo o uso demasiado de drogas. (Revista Veja, 2011.) 3. O PAPEL DA FAMÍLIA Constantemente, uma realidade amparada nas drogas é relatada por conhecidos, comentada por jornais ou presenciadas nos fatos ocorridos no cotidiano. A drogadição cresceu significativamente à medida que se tornou uma fuga da veracidade da vida e, consequentemente, um comércio rentável, coincidindo com o chamado tráfico de drogas. A explosão de consumo desenfreado de drogas, os governos com políticas públicas e a própria população através de informativos, mostraram-se preocupados com a abrangência dos usuários e, principalmente, na tragédia social ocasionada pelo vício dos dependentes químicos. No entanto, o aspecto primordial e de vital importância na prevenção ao uso de drogas é a participação efetiva da família. Somente o ambiente familiar apoiado na devida sensatez de informações pode precaver o primeiro passo para a abertura de um rumo, muitas vezes, caótico e sem reversão: A família no tratamento significa buscar um novo elo entre os seus membros. (...). É também a construção de um novo estilo de vida. Para o dependente e para a

5 família. (Núcleo Einstein de Álcool e Droga do Hospital Israelita Albert Einstein- NEAI ) Um guia de prevenção para pais e educadores Crescendo sem drogas desenvolvido pela Associação Parceria Contra Drogas (APCD), expõe, claramente, como a intervenção dos genitores é essencial para minimizar as chances de o filho utilizar drogas: Especialistas dizem que os jovens que conversam sobre drogas com os pais têm menos chance de querer experimentá-las. (Crescendo sem Drogas, p. 17). Assim, o conhecimento advindo dos pais, juntamente, com suas experiências positivas são pontes de sustentação para intensificar o que é dito e aplicado na educação dos filhos. Os modelos de seres humanos provenientes da mãe e do pai influenciam diretamente na concepção daquele que está a ser modelado pelos seus hierárquicos a cada conduta e descoberta, procedente em uma nova fase da vida. A moral além de conversada carece de cerne prático, tal qual concretizando a fala antes colocada. Crianças aprendem com os exemplos, com os valores que os pais demonstram por suas ações. Ficam sensibilizados quando vêem que os pais se preocupam com os outros e os respeitam, dão atenção aos mais necessitados e são honestos em admitir os próprios erros. (Crescendo sem Drogas, p.15). Dessa maneira, não apenas os pais, mas todo o conjunto familiar carece de envolvimento na instrução e no firmamento de exemplos dignos de respeito e cautela para crianças, adolescentes e jovens. Com isso, os avós desenvolvem-se como intérpretes dos netos, que reforçarão os princípios benéficos introduzidos no entendimento dos mesmos: Os avós podem servir como modelos mais estáveis e maduros quando precisarem assumir alguma responsabilidade com os netos. E têm uma vantagem sobre os pais: o relacionamento com as crianças é menos complicado, menos arbitrário e mais distantes dos problemas do dia-a-dia. Os avós podem usar a intimidade confiança que inspiram para reforçar as lições ensinadas pelos pais sobre auto-respeito e vida saudável. (Crescendo sem Drogas, p 15). Por conseguinte, a presença diária dos familiares em convergência com as campanhas de caráter educativo dão respaldo importantíssimo na consequência de formação do pensamento, construído gradativamente a toda idade. Sendo o escudo de proteção contra

6 qualquer tentativa de socialização que recaia na experimentação de drogas ou em sua dependência pelo simples evento da aceitação por um grupo social recorrente. A família, em simultâneo com efetivas ações do Estado, como, por exemplo, as construções de clínicas de reabilitação para dependentes químicos, configuram-se como um esquadrão de proteção para que o consumo de drogas não atinja crianças e adolescentes de maneira tão incisiva, arrebatando vítimas e presumindo vitimados de forma direta ou indiretamente no âmbito da sociedade. 4. A RESPONSABILIDADE DO ESTADO E A EFETIVAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS Indubitavelmente a resistência ao consumo de tóxicos necessita de força de vontade e precisão na conduta. Por isso, a multiplicidade de dependentes acaba abdicando da terapia antes do término correto. Alguns comportamentos indicados pela cartilha Aspectos Básicos do Tratamento da Síndrome de Dependência de Substâncias Psicoativas mostram táticas a serem efetivadas na reabilitação do dependente químico, tais como, seguimento individual aconselhamento, psicoterapia individual, psicoterapia de grupo, prevenção de recaída, treinamento de habilidades sócias e tratamento familiar. (p. 08) Destarte, cada uma dessas indicações estratégicas compõe um conjunto de regras primordiais na excelência daquilo que se almeja. Não conclamar esse viés de formas auxiliadoras na reabilitação do paciente é estar ultrapassando procedimentos demasiados importantes para a recuperação do mesmo. Vivenciar grupos de ajuda mútua e comunidades terapêuticas também é de grande valia na materialização do renúncio ao vício das drogas: Os grupos de mútua-ajuda têm características de grupo leigo e voluntário, sem qualquer ônus para a comunidade e a sociedade em geral. Estima-se que (um milhão) de pessoas atualmente frequentam as reuniões do AA em todo o mundo. Embora não possa ser considerado tratamento propriamente dito, os grupos de mútua-ajuda são agentes operacionais na recuperação e reinserção social de dependentes químicos, atuando ainda na restauração familiar e na prevenção à dependência. (Aspectos Básicos do Tratamento da Síndrome de Dependência de Substâncias Psicoativas, p.22).

7 Conseguintemente, ocorre a avaliação do tratamento a fim de constatar a eficiência das orientações e métodos desempenhados no decorrer da trajetória do processo de recuperação: Avaliar o tratamento não significa apenas avaliar a eficácia de determinado método, mas propicia, também, a possibilidade de adequação das características de um serviço à população que ele assiste. Significa, ainda, fornecer subsídios importantes para a realização de estratégias de prevenção ao abuso de drogas da comunidade em torno de serviços terapêuticos. (Aspectos Básicos do Tratamento da Síndrome de Dependência de Substâncias Psicoativas, p.24). Então, o governo com políticas públicas de prevenção, em concomitante, com o apoio familiar do dependente ao lado de uma terapia especializada, são protagonistas na recuperação do viciado, que, sozinho, dificilmente não conseguirá suprir hábitos antigos e se adaptar a um renovado seguimento de vida. Toda ajuda, nesse sentido, requer um princípio altruístico de acreditar na recuperação do ser humano, um dia, confinado nas relações sociais. Entretanto, os passos acima indicados para a recuperação do dependente químico só podem ser realizados mediante clínicas e profissionais voltados para essa situação. Nesse caso, uma intervenção pública é fundamental no auxílio às famílias de menor renda que tentam tratar os respectivos parentes. O Direito deve abrigar medidas sociais, como a relatada anteriormente, cobrando posições governamentais. De acordo com o depoimento de Maria do Socorro, instrumentadora cirúrgica, ao programa Profissão Repórter de 19 de Julho de 2011, a construção de clínicas não propende ao lucro e, também, não é um feito vistoso o suficiente para o encargo de um político, assim, a realidade prevalece sem as mesmas e as vidas apodrecem a beira de uma ignorância de problemas nascidos em meio a sociedade, sendo que não existem clínicas suficientes para a demanda de dependentes químicos, em especial adolescentes. Diante disso é inevitável que surjam questionamentos como: os direitos prescritos pela lei são efetivamente mantidos para assegurar o principio da dignidade humana? Segundo o artigo 5º da Constituição Federal; todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se o direito aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade. Se perante a lei todos são iguais, é revoltante perceber que de fato o que acontece é completamente o inverso. O direito a ter uma vida de qualidade é dever do Estado, sendo assim, deve assegurar auxílios demandadores de ajuda expressiva mediante o tratamento de

8 dependes químicos. Porém, vivencia-se desinteresse e descaso pela adolescência ruminada por drogas extremamente potentes na deterioração da existência digna de um menor, que ao menos, carece de ser credenciado ao estudo e a oportunidades de subsistir em sociedade. Ignorar essas realidades infames, mascaradas pela sociedade e, ainda, observar que os mesmos adolescentes não passam de instrumentos do tráfico de drogas, mantenedores do capital dessa iniciativa ilícita, muitas vezes, arrasador de vidas, é continuamente não atenuarse com a despreocupação do cumprimento de políticas públicas. As últimas, solidificam-se no papel escrito, todavia, na prática, a situação se remete ao que é evidenciado, em espécie, na cracolândia, na cidade de São Paulo. A figura abaixo retrata visivelmente o espaço sórdido intitulado de cidade do crak, onde a própria frase reproduz: uma doença chamada crak. FONTE: VEJA 19/07/2011. Contudo, não são atitudes imediatas que transformarão a realidade deturpada pelas drogas em um ambiente coincidente com a vida digna, de maneira instantânea. Ao contrário, projetos de ordem unicamente urgentes não irão reparar e abrandar o descaso efetuado desde a edificação social de uma geração, perfazendo, dessa forma, um ciclo de imprudências sem fim, a todo momento arrebanhando vítimas para a autodestruição, em concomitante, com a exclusão social. A prevenção é a saída para esse impasse. Para isso, [...], necessitamos que a sociedade possa desenvolver atitudes conjuntas, que viabilize políticas

9 públicas mais efetivas, possibilitando uma qualidade de vida melhor para todos nós. A criação do Conselho Antidrogras pode ser um passo importante para resolver esse problema, como articulador das estratégias, integrando as secretarias de diferentes áreas, visando à solução deste problema. ( Robaina, 2010, pag 108.) Acredita-se que um dos caminhos solucionadores desse entrave ao desenvolvimento cordial da sociedade, deve iniciar-se e guiar-se pela educação, vinculada à tentativa de diminuir as discrepâncias sociais, estabelecendo patamares de estabilidade humana em meio a um mundo contornado pelo dinheiro. Com relação à educação, determinante na busca de alternativas eficazes que atuem incisivamente na profilaxia ao uso de drogas, está prevista no artigo 205 da Constituição federal: a educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Deste modo, incumbe ao Estado garantir uma educação de qualidade para primeiro desabrigar o ideário fictício sobre as drogas, simplesmente por aceitação em certo grupo social e também por ausência de personalidade. De forma direcionada à criança e ao adolescente, fica explícita a responsabilidade do Estado como principal ente a assegurar os direitos fundamentais, o direito a liberdade e dignidade infanto-juvenil em artigos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), exemplificando, o artigo 7º; a criança e o adolescente têm o direito à proteção a vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais que permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonioso, em condições dignas de existência. Artigo 19; é dever do todo comum, velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-se a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor. Todavia, o principal impasse que existe é a disparidade entre a lei e a realidade vivida pelos adolescentes dependentes químicos e por toda a população esquecida na concentração do território brasileiro, tais como, os economicamente desfavorecidos. Como já dizia Karl Marx "Os filósofos têm apenas interpretado diversamente o mundo; trata-se de modificá-lo. ( Frases de Marx. Pensador. INFO) Na lei de 23 de agosto de 2006, consta sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas Sisnad, preceituando medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; fixando normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; determina crimes e dá distintas providências acerca da consequência gerada por cada fato. A mesma lei em seu

10 artigo 4º, inciso III, rubrica: a promoção dos valores éticos, culturais e de cidadania do povo brasileiro, reconhecendo-os como fatores de proteção para o uso indevido de drogas e outros comportamentos correlacionados. Consagra esse artigo, ser obrigação do Estado promover incentivos à cultura e, também, a inserção da cidadania a fim de contribuir para o progresso de uma sociedade que progrida em um ritmo um tanto quanto equilibrado de igualdades, podendo oferecer uma construção social estruturada na base essencial do ser humano: a família desenvolvida dentro de um lar descente com estudo, lazer e acesso ao que é necessário para uma ideal existência. 5. E O DIREITO DE QUEM QUER USAR DROGAS? O direito, em sua análise crítica, remete o questionamento do assunto então exposto a outro parâmetro de observação a ser refletido pelo referente trabalho: e aqueles que querem e têm o direito de usar drogas? Em princípio, um pressuposto alusivo de liberdade e de direitos individuais, porém, mais tarde, na constância da realidade deflagrada entre crianças e adolescentes, percebe-se um acarretamento de problemas sociais custeados dentre um ciclo vicioso, elucidando uma pérfida estrutura social abalada pelo crime, pelo tráfico e pela morte. Haja vista o uso de drogas ilícitas (proibidas por lei), tal como, a maconha e seus semelhantes, a cocaína e seus derivados, heroína, ópio, morfina e ecstasy, entre outras, recebem tratamento rigoroso mediante a legislação brasileira. Cabe ressaltar a existência de várias controvérsias que giram em torno da punição dos reconhecidos usuários de drogas. Há quem diga que a punição não é aconselhável, uma vez que o usuário entra em contato com mais traficantes e demais dependentes, recaindo novamente no uso contínuo e desesperado de substâncias ilícitas, prejudiciais à saúde e à esfera social. Em um melhor entendimento da complexa situação a que se acomete o uso de drogas, a realidade fracassada de penitenciárias e prisões mostram que a melhor maneira de tentar amenizar e diminuir o número de usuários calca-se em tratamento específico oferecido pelo Estado, a fim de tratar os dependentes químicos de forma a inseri-los na sociedade. Evidentemente, a penitenciária não é o local indicado para o tratamento da dependência química. O ideal seria que o Estado estivesse apto a fornecer atendimento adequado, ambulatorial ou hospitalar, para que o dependente se recuperasse e o usuário eventual não se transformasse em viciado. No entanto, o Brasil vem seguindo, à risca, a política americana para a questão da droga, que é essencialmente repressiva. (PINSKY; BESSA, 2009, p.76).

11 Adentrando nesse pensamento, da mesma maneira que o direito concede a liberdade de cada indivíduo fazer aquilo que lhe é conveniente sem ferir os direitos alheios, em igual caso se coloca o direito de usar drogas, ou seja, até o ponto em que não destrua os direitos do próximo. Entretanto, como pode ser dito que o fato de se consumir drogas como um mero e figurante usuário, em sua livre liberdade de expressar-se e viver, não atinge toda a esfera social, uma vez que o tráfico de drogas gera desgraças sociais, ao passo que suas vendas àqueles que dela se utilizam, fazem dele (tráfico de drogas) o sustento de desventuras na total abrangência da sociedade? A lei de drogas (Lei nº de 23 de agosto de 2006), em virtude do caráter educativo, estabelece políticas públicas de combate ao uso de drogas, criando o SISNAD Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas situando em seu artigo 3º, inciso I, a prevenção do uso indevido, a atenção e a reinserção social de usuários e dependentes de drogas. Nesse sentido indica o artigo 19 da mesma lei dispondo sobre as diretrizes e os princípios a serem observados para as atividades de prevenção do uso indevido de drogas, estando claramente visível em seu inciso I o reconhecimento do uso indevido de drogas como fator de interferência na qualidade de vida do indivíduo e na sua relação com a comunidade à qual pertence. É constatado, nesse viés, que o uso de drogas não deve apresentar-se como a regra, mas sim como a exceção, sempre sendo coibido pela conscientização advinda do trabalho de prevenção. Em equivalência a esse desordenado mundo das drogas, em que o ser humano foge do real para alimentar a sobrevivência fora da realidade, é sustentado o narcotráfico que irá repercutir em um enquadramento social: jovem matando jovem. A escritora Lya Luft transpassa por meio de um artigo de opinião o demasiado problema iniciado com a droga, postulado através dela e estarrecedor devido a ela: Drogas têm sido o assunto nosso de cada dia, não o pão, mas o veneno da alma. O tema nos atinge com uma tremenda sensação de impotência, pois avassala o mundo, mata a juventude, enriquece os traficantes, e deixa perplexos médicos, psiquiatras e policiais. Uma vez dentro desse labirinto que nos devora, dificilmente encontramos a saída. Então, por que nos drogamos? Irresponsabilidade, desespero pelo excesso de pressão? Tudo nos pressiona: a sociedade (ou a família) quer que sejamos bons, competentes, os melhores; a sexualidade é imposta com precocidade e insensatez; o mercado de trabalho é difícil, somos lançados nele quase sem preparo; os péssimos exemplos vindos de autoridades e líderes nos incutem desesperança; somos atropelados de todos os lados. Então a gente esquece os compromissos, machuca os amores, foge do olhar interrogativo ou do silêncio acusador, sucumbe ao conforto do esquecimento cada vez mais urgente, olvido na garganta, na veia. (Veja, 28 de setembro de 2011).

12 Correspondendo à citação, compreende-se a fragilidade da humanidade enquanto seres humanos dependentes de afeto, estruturação psicológica e condições mínimas de sobrevivência, sendo que na falta de um desses fatores uma pessoa torna-se tão vulnerável a entrar na drogadição e desencadear um processo doloroso tanto em sua vida, quanto na sociedade e também, em sua própria família. 6. AS CONSEQUÊNCIAS DO USO DE DROGAS EM ÂMBITO SOCIAL A falta de informação da população junto dos problemas de exclusão social fazem com que adolescentes, principalmente os pertencentes à camada hiposuficiente da sociedade, façam uso indiscriminado de drogas acarretando-se em suas vidas inúmeros problemas de saúde físicos e psíquicos exacerbando-se ainda mais a exclusão social, e inúmeras outras consequências que refletem na família e na sociedade. Para a sociedade os principais problemas que se pode enumerar com relação ao indivíduo dependente é a degradação das relações sociais, aumento da vulnerabilidade, o risco a segurança, saúde pública, atividade sexual precoce na adolescência, prejuízos financeiros à União, absentismo laboral, violência, práticas de furto, entre outros problemas de cunho social. A revista do Ministério da Saúde (2004, pág. 20) mostra dados alarmantes com relação aos problemas acarretados pelo uso abusivo de crack e a iniciação precoce á vida sexual sem nenhum tipo de prevenção. A relação entre o uso de crack e o desenvolvimento de comportamento de risco para a infecção de DST/HIV/AIDS, com 150 mulheres usuárias de crack de São Paulo e São José do Rio Preto, demonstram que 80% das entrevistadas referem que a idade da primeira experiência sexual ocorreu antes dos 15 anos de idade, sendo que metade da amostra teve sua iniciação antes dos 14 anos. Constata-se o dado alarmante de 17% da iniciação sexual por estupro. Das entrevistadas, 72% referiram não saber que teriam de se proteger nas relações sexuais, revelando baixo conhecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis; conseqüentemente, o percentual dessas mulheres que refere ter usado preservativo na primeira relação sexual é extremamente baixo: 7%. Essas mulheres iniciaram precocemente o uso de crack, geralmente por influência do companheiro, sendo que para algumas o

13 crack foi a primeira droga psicotrópica utilizada. Citam o álcool e a maconha como substâncias de uso obrigatoriamente associado ao crack. Diante disto, pode-se notar que a falta de informações, de assistência por conta do Estado com campanhas sobre drogas, e campanhas de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis são um grande agravante das mazelas sociais que se encontra hoje; refletindo-se de forma direta na saúde púbica. De acordo com a própria Organização Mundial de Saúde (OMS, 2001), cerca de 10% das populações dos centros urbanos de todo o mundo consomem abusivamente substâncias psicoativas independentemente de idade, sexo, nível de instrução e poder aquisitivo. Revista Ministério da Educação (2004, pág. 12) O uso de drogas, inclusive álcool e tabaco, tem relação direta e indireta com uma série de agravos à saúde dos adolescentes e jovens, entre os quais destacam-se acidentes de trânsito, agressões, depressões clínicas e distúrbios de conduta, ao lado de comportamento de risco no âmbito sexual e transmissão do HIV pelo uso de drogas injetáveis e de outros problemas de saúde decorrentes dos componentes da substância ingerida, e das vias de administração. Revista do Ministério da Educação (2004, pág.14) Neste sentido, acredita-se que adotar medidas preventivas é a melhor maneira para haver uma conscientização e uma baixa nos índices de dependentes químicos e das mazelas sociais decorrentes do uso de drogas. Para tanto, campanhas e projetos apoiados pelo Estado com o aparato das redes sociais (Facebook, MSN, Orkut, etc) é a forma mais eficaz para atingir a população, principalmente os adolescentes. Educar a população é fundamental, pois promove a redução dos obstáculos relativos ao tratamento e à atenção integral voltada para os consumidores de drogas ilícitas e licitas, aumentando a consciência coletiva sobre a frequência dos transtornos decorrentes do uso indevido de drogas. Revista Ministério Público (2004, pág. 19) Portanto, nota-se que é fundamental educar a população para que sejam reduzidos os números de adolescentes dependentes de drogas, a fim de que a sociedade não sofra e não se degrade ainda mais com esta situação. Pois a impressão que se tem é que este problema atinge somente a família do

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

URGENTE EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DO JUIZADO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE PORTO ALEGRE/RS

URGENTE EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DO JUIZADO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE PORTO ALEGRE/RS EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DO JUIZADO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE PORTO ALEGRE/RS URGENTE PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA DEFICIENTE FÍSICO QUALIFICAÇÃO

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Gorete Vasconcelos go_vasconcelos@yahoo.com.br Marcos Históricos e Políticos Código de Menores /1927 Doutrina da Situação Irregular; Declaração

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA

ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA BRANDÃO, Rosângela Fátima Penteado 1 HOLZMANN, Liza 2 QUADROS, Débora

Leia mais

Inclusão. Construindo o Futuro

Inclusão. Construindo o Futuro Inclusão. Construindo o Futuro Mostra Local de: Irati Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Conselho da Comunidade da Comarca de Irati

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

O crack em números: Usuários de crack reunidos no centro de São Paulo em. imagem de janeiro (Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP)

O crack em números: Usuários de crack reunidos no centro de São Paulo em. imagem de janeiro (Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP) Brasil tem 370 mil usuários regulares de crack nas capitais, aponta Fiocruz Estudo indireto com 25 mil pessoas mediu consumo por 6 meses em 2012. Nordeste lidera lista em números absolutos, e 14% do total

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR Welton Alves Ribeiro Júnior 1 ; Robécia Graciano de Souza 2 ; Lúcia Maria de Almeida 3; Silvia Beatriz Fonseca de Melo 4. Centro Universitário

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN. MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN. MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro LEI Nº 4.622 / 2013, DE 15 DE OUTUBRO DE 2013. EMENTA: AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 3 Você já deve ter percebido que a família é a base de tudo, tendo papel decisivo na formação do sujeito e da própria sociedade. Sabendo da relevância do

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 RESUMO Este projeto visa a atender crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados ou que necessitam ser

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Curta Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Curta Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Curta Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Sexualidade, corporeidade e direitos humanos na adolescência.

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES Curso de Direito

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES Curso de Direito WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES Curso de Direito Édina Vial de Castro INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA DO DEPENDENTE QUÍMICO: PRISÃO OU CUIDADO? CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM Junho de

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet no Estado do Rio de Janeiro? REALIZAÇÃO:

Leia mais

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes.

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Andrea Maria Cardoso Manarte DIHB GESMA - GASHO Público-alvo: Empregados da Vale Fertilizantes e Contratados 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-46-58 Pág.: 1 de 11 Código de Treinamento: NA

Leia mais

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa Capa ツVivo Feliz Sem Drogas Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo o uso indevido de drogas Capa fim MUNICIPIO DE ITAPEVA SP Secretaria Municipal de Defesa Social Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Alienação das drogas

Alienação das drogas Alienação das drogas Que relação podemos fazer entre os personagens mortos-vivos da ficção e os usuários de drogas em geral. São substâncias, naturais ou sintéticas que, introduzidas no organismo, podem

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução É dever dos pais, no exercício

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Sistema único de Assistência Social

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA

COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA Msc Rosa Graciela de Campos Lopes A dependência de drogas pode ser considerada como uma doença que, como qualquer outra, pode ser tratada e controlada,

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Programa Cidadania na Escola

Programa Cidadania na Escola Mostra Local de: Maringá PR Programa Cidadania na Escola Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Romagnole Produtos Elétricos S.A Cidade:

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE Maíra Sgobbi de FARIA 1 Resumo: O respeito e a proteção que devem ser concedidos aos idosos sempre foram um dever da sociedade, uma vez que as

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

O aluno de EJA: jovem ou adolescente?

O aluno de EJA: jovem ou adolescente? 1 O aluno de EJA: jovem ou adolescente? Shirley Costa Ferrari Coord. Curso de Pedagogia. das Faculdades Oswaldo Cruz e Profa. da Faculdade Diadema. Email shifer@ig.com.br Suely Amaral Coord. Curso de Letras

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES CONSIDERANDO que o art. 227 da Constituição da República

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José

Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José 1 2 Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José dos Campos-SP. Trata-se de um conjunto de ações intersecretariais,

Leia mais

FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO

FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO 171 FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO Denise Jesuína Faria (UNESP Franca) 1 Neide Aparecida de Souza Lehfeld (UNESP Franca) 2 Vanessa de Oliveira

Leia mais

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy Políticas Públicas sobre drogas no Brasil Luciana Cordeiro Aline Godoy O que são políticas públicas? Para que servem? Como são elaboradas? Políticas Públicas para quê? Instrumento na organização da sociedade

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJA. A Responsabilidade Social nas Empresas e o Trabalho Voluntário

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJA. A Responsabilidade Social nas Empresas e o Trabalho Voluntário SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJA A Responsabilidade Social nas Empresas e o Trabalho Voluntário Jaqueline de Morais dos Santos Aluno do Curso de Administração de Empresas

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

Direitos e Deveres das Crianças e Adolescentes

Direitos e Deveres das Crianças e Adolescentes Direitos e Deveres das Crianças e Adolescentes Esta lei dispõe sobre a proteção integral á criança e ao adolescente, considera-se criança, para efeitos desta lei, a pessoa até doze(12) anos de idade incompletos

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO ENTENDIMENTO DO ADOLESCENTE SOBRE AS DROGAS E SUAS CONSEQUENCIA E A IMPORTANCIA DE AÇÕES PREVENTIVA JUNTO AS ESCOLAS

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO ENTENDIMENTO DO ADOLESCENTE SOBRE AS DROGAS E SUAS CONSEQUENCIA E A IMPORTANCIA DE AÇÕES PREVENTIVA JUNTO AS ESCOLAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO ENTENDIMENTO DO ADOLESCENTE SOBRE AS DROGAS E SUAS CONSEQUENCIA E A IMPORTANCIA

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas 1- NOME DO PROJETO PROJETO FALA GAROTO 2- IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO EXECUTORA Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas Razão social e CNPJ: 31.754.914/0001-71 Endereço:

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE Adriane Ortiz Condé Kreozer 1 Ana Maria Martins 2 Cleonice Cristina Candido 3 Ética e Direitos Humanos INTRODUÇÃO A adolescência é um período de muitas mudanças

Leia mais

VIOLÊNCIA E SAÚDE RELATO DE UM EXPERIÊNCIA

VIOLÊNCIA E SAÚDE RELATO DE UM EXPERIÊNCIA A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1

A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1 A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1 Porque a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada. (Cecília

Leia mais

A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO

A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO 1 A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO Amanda Bueno da Silva 1 Kênia Maria Noma de Melo 2 Elizabete David Novaes 3 RESUMO O presente trabalho objetiva investigar

Leia mais

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA A Recomendação ora apresentada se faz necessária para que o Ministério

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO KOLLER, Evely Marlene Pereira 1 RAMOS,Flávia Regina Souza 2 O Brasil conta com uma população

Leia mais

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes.

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes. Nº: PGS-3209-46-58 Pág.: 1 de 11 Responsável Técnico: Andrea Maria Cardoso Manarte DIHB GESMA - GASHO Público-alvo: Empregados da Vale Fertilizantes e Contratados Código de Treinamento: NA Necessidade

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 DECLARAÇÃO NACIONAL DO PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL Brasília, Brasil 14-16 setembro de 2010 Grupos 1 e 2 Tema: Inclusão Educativa Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 Exclusão de estudantes com deficiência

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

10. POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 10.1 Diretrizes 10.2 Programas Específicos 10.2.1 Programa Bolsa Permanência 10.2.2 Programa de Benefício

10. POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 10.1 Diretrizes 10.2 Programas Específicos 10.2.1 Programa Bolsa Permanência 10.2.2 Programa de Benefício 10. POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 10.1 Diretrizes 10.2 Programas Específicos 10.2.1 Programa Bolsa Permanência 10.2.2 Programa de Benefício Eventual 10.2.3 Programa de Moradia E Refeitório Estudantil

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais