MÓDULO 5: POLÍTICAS PÚBLICAS E LEGISLAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO 5: POLÍTICAS PÚBLICAS E LEGISLAÇÃO"

Transcrição

1 Curso de Extensão Prevenção em Pauta MATERIAL DE LEITURA COMPLEMENTAR MÓDULO 5: POLÍTICAS PÚBLICAS E LEGISLAÇÃO Belo Horizonte/ MG 2011

2 Créditos Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra é da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. O conteúdo desta publicação foi desenvolvido e aperfeiçoado pela equipe do Canal Minas Saúde e especialistas do assunto, indicados pela área demandante do curso. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social e Desenvolvimento Social de Minas Gerais Canal Minas Saúde Ficha Catalográfica BELCHIOR. Daniela C. Mota. Curso de Extensão Prevenção em Pauta. Módulo 5: Políticas Públicas e Legislação. Belo Horizonte, Minas Gerais, 2011.

3 Sumário 1. Introdução Conceitos Fundamentais Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Políticas de saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas Política Nacional de Assistência Social Legislação e Políticas para Crianças e Adolescentes Parâmetros Curriculares Nacionais e os Temas Transversais Referências Bibliográficas...48

4 1. Introdução 04 Neste Módulo 5: Políticas Públicas e Legislação, vamos conhecer as políticas públicas sobre drogas nos diversos aspectos e compreender a legislação no contexto da dependência química. Este é o seu material de leitura complementar e deve ser estudado para uma compreensão ampla de todo o conteúdo. Siga em frente... 04

5 2. Conceitos Fundamentais Quando pensamos sobre os problemas que atingem a nossa sociedade, observamos que são discutidas diferentes opiniões sobre quais as questões mais importantes e sobre o que deve ser feito em relação a elas. Podemos notar ainda, que o termo políticas públicas geralmente está presente em tais discussões. A criação de novas políticas ou o fortalecimento das políticas já existentes é apontada como forma de solucionar as questões que são consideradas problemas para a nossa sociedade. Nos dias de hoje, o debate envolvendo as políticas públicas sobre drogas tem se tornado cada vez mais comum. Mas afinal, o que são políticas públicas? O que são Políticas Públicas? Existem diferentes definições sobre o que são políticas públicas, mas o que há de essencial nas políticas é a idéia de que elas expressam a construção de uma ação do governo para um setor. Por exemplo, no setor de saúde, a política pública brasileira indica que todos devem ter acesso à saúde de acordo com as suas necessidades. Será que as políticas públicas refletem todas as necessidades de uma população? A história tem mostrado que não. Há problemas que não são incluídos nas políticas ou que são abordados de uma maneira equivocada. É o caso das drogas, que só mais recentemente se tornou alvo de políticas públicas, que passaram abordar esta questão adequadamente, considerando que este é um problema também pertencente ao campo da saúde pública. 05

6 2. Conceitos Fundamentais As políticas brasileiras na área das drogas já foram muito moralistas, pois os usuários eram vistos como pessoas que precisavam de punição e que tinham falhas de caráter. Hoje, as políticas nesta área buscam criar ações que garantam aos usuários, o direito a ter acesso aos cuidados que necessitarem, como o tratamento, por exemplo. Sabemos que o uso de substâncias é uma questão de saúde e o usuário tem direito a ajuda ou orientação. A seguir, vamos discutir como as políticas podem passar a fazer parte da nossa realidade. E ainda podemos nos perguntar se as políticas públicas representam os interesses de todos. Observamos que existem diferentes interesses na construção das políticas, que muitas vezes geram conflitos. Por exemplo, enquanto usuários de maconha defendem políticas públicas de liberação do uso, outros grupos se posicionam contra. 06

7 2. Conceitos Fundamentais A construção das políticas públicas O primeiro passo para a construção de uma política pública é o reconhecimento de um problema. Posteriormente, existem outras etapas que vão possibilitar que uma política seja construída. A construção de uma política envolve um ciclo, ou seja, uma sequência de etapas, que podem ser sintetizadas da seguinte forma: Formulação: Etapa em que se projetam os objetivos e se idealiza o que a política irá fazer. Implementação: Etapa em que a política é colocada em prática e vivemos a experiência real de concretizá-la. Avaliação: Nesta etapa é avaliado se a política atingiu os objetivos traçados na fase de formulação. Ao termos uma política formulada, lançamos um propósito que deve referenciar as ações governamentais para um setor. Para que uma política passe a fazer parte do nosso cotidiano, muitas vezes é necessário que existam programas e planos que possam construí-la. Estes planos e programas são as linhas de ação que possibilitam que a política avance além da fase de formulação e passe a fazer parte do mundo real. Mas será que ter um bom planejamento e ter programas claros é suficiente para que uma política seja implementada? Observamos que é fundamental que sejam estabelecidas regras, leis e normas, que vão definir, por exemplo, como vai ser disponibilizado o financiamento para a realização de ações previstas pela política. Ou vão estabelecer qual é o papel de cada nível do governo, o que o estado deve fazer 07

8 2. Conceitos Fundamentais e o que cabe ao município. Além disso, é fundamental que existam instituições que regulamentem estas ações. Por exemplo, na história da política de saúde brasileira, a criação do Ministério da Saúde em 1953 foi muito importante, pois, entre outros fatores, possibilitou alocar recursos para esta área e aproximar as pessoas que estavam organizando as ações para este setor. E no caso da área de álcool e drogas, quais são as políticas atuais? Quais instituições são responsáveis por organizar as políticas nesta área? O que dizem as políticas formuladas? Quais as principais leis envolvidas? No próximo tópico iremos aprofundar estas questões. 08

9 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Podemos discutir o tema álcool e outras drogas em diferentes aspectos: Uns acreditam que é necessário aumentar o controle das fronteiras para diminuir o tráfico, enquanto outros acham que uma cidade não poderia ter tantos bares. Há ainda aqueles que denunciam que faltam locais que cuidem dos usuários. Por conta desta amplitude da temática, existem diferentes políticas nesta área. Nesta aula vamos conhecer que políticas são essas e como elas acontecem em nosso país. Políticas Públicas sobre Drogas Uma Visão Geral Como abordado no Módulo 2, as drogas podem ser classificadas em drogas lícitas, isto é, que tem a sua comercialização permitida pelo Estado (como o álcool e o tabaco) e drogas ilícitas, que tem a sua comercialização proibida (como a maconha e a cocaína). As políticas públicas nesta área podem ser classificadas em duas categorias: Políticas Alocatórias: Visam alocar recursos para as ações assistenciais, como o tratamento para dependentes, a prevenção e as ações educativas. Políticas Regulatórias: Objetivam regulamentar o acesso às substâncias lícitas. Por exemplo, as leis que impõem uma idade mínima para a compra de bebidas alcoólicas ou que proíbem o consumo de tabaco em ambientes fechados, estão associadas a políticas regulatórias. Outra classificação possível são as seguintes categorias: 09

10 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Políticas de Redução da Demanda São ações que visam a prevenção do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas, como também disponibilizar ações assistenciais para tratamento, recuperação e reinserção social. Políticas de Redução da Oferta Como você pôde observar, na área de drogas, são necessárias diferentes ações governamentais que possam regulamentar as drogas lícitas, criar ações assistenciais para drogas lícitas e ilícitas, e também atividades de repressão ao tráfico de drogas ilegais. Como estas diversificadas ações acontecem em nosso país? Envolvem as ações de repressão ao tráfico das drogas ilícitas. Por exemplo, temos as ações de apreensão das drogas como maconha, cocaína, etc.. 10

11 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas O Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas O Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (SISNAD) é encarregado de coordenar as atividades relacionadas com a prevenção do uso indevido e assistência aos usuários, bem como a repressão do tráfico ilícito de drogas. Ou seja, no SISNAD são articuladas e distribuídas entre os diferentes órgãos governamentais, as ações na área das drogas e, principalmente, é estabelecido como a sociedade pode participar da elaboração das políticas No SISNAD, a formulação de políticas sobre drogas ocorre através do Conselho Nacional sobre Drogas (CONAD). A partir da participação de diferentes representantes da sociedade, este conselho é responsável por formular consensos e propor estratégias para a redução da demanda e para a redução da oferta de drogas. Na esfera estadual, existem os Conselhos Estaduais sobre Drogas e os municípios são estimulados a implementarem o Conselho Municipal sobre Drogas. O Ministério da Justiça é o órgão governamental central do SISNAD, sendo que as ações redução da oferta tem a polícia federal como órgão executivo e as ações de redução da demanda tem a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD) como órgão que as executa. Para que servem estes conselhos? Os conselhos são espaços públicos que possibilitam a discussão e a elaboração de políticas públicas. No Módulo 8 você irá aprofundar o conhecimento sobre estes espaços. A figura a seguir, faz um esboço da estrutura do SISNAD: 11

12 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Plenário SISNAD CONAD Redução da demanda SENAD Secretaria Executiva SENAD Redução da oferta Ministério da Justiça Organizações públicas federais e representantes da sociedade civil CONSELHOS ESTADUAIS Organizações públicas estaduais e representantes da sociedade civil CONSELHOS MUNICIPAIS Organizações públicas municipais e representantes da sociedade civil Fonte: SENAD 12

13 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Como mostra a figura, cabe à SENAD exercer a secretaria executiva do CONAD. Na função de secretaria executiva, a SENAD deve apoiar as ações no CONAD e coordenar a atualização da Política Nacional sobre Drogas. Política Nacional Sobre Drogas A Política Nacional sobre Drogas ou PNAD teve o seu processo de formulação concluído no ano de Os princípios que fundamentam a PNAD são a diferenciação entre o usuário, a pessoa em uso indevido, o dependente e o traficante de drogas. Ou seja, a PNAD reconhece que o uso de drogas é um fenômeno complexo, que de um lado envolve o tráfico, para o qual medidas de repressão são necessárias e de outro lado envolve o uso de drogas, para o qual medidas assistenciais devem ser implementadas. Este foi um avanço fundamental, isto é, o avanço de não tratar usuários e traficantes da mesma maneira. Segundo a PNAD os usuários tem direitos e devem ser atendidos de acordo com as suas necessidades, de modo a possibilitar a recuperação de sua saúde. Vamos conhecer um pouco mais sobre as ações da PNAD em relação à redução da demanda? A PNAD reconhece ainda que os usuários podem não ter o mesmo padrão de envolvimento com as substâncias. Existem diferentes padrões de uso de substâncias, não somente a dependência. Por isso, são necessárias diferentes ações assistenciais, como a prevenção, o tratamento e a reinserção social, que possam atender aos usuários, de acordo com o grau de problemas vivenciados pelo consumo de substâncias. 13

14 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Mas entre estas várias ações, haveria alguma que seria mais importante para a PNAD? Certamente! A prevenção é considerada prioritária, por ser a ação de menor custo e também a mais efetiva, que tem mais chance de ser bem sucedida. Para que todas as ações de redução da demanda sejam as mais eficazes possíveis, a PNAD destaca a realização de pesquisas e avaliações e a parceria com a comunidade científica, como as Universidades. Aprofundando um pouco mais: A redução de danos Ao priorizar a prevenção, a PNAD destaca que uma das estratégias mais importantes é a redução de danos. O que seria a redução de danos? Trata-se de um conjunto de práticas que visa reduzir os riscos e danos para os usuários de drogas. Na redução de danos, leva-se em consideração a liberdade de escolha do usuário. Vamos supor que o usuário não queira ou não consiga interromper o consumo, o que pode ser feito? Na redução de danos, a abstinência interrupção total do consumo, não é considerada uma meta obrigatória ou imediata, e sim uma meta ideal. 14

15 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Nos anos 90, percebeu-se que aproximadamente 25% das pessoas infectadas pelo HIV eram usuários de drogas injetáveis (UDI S). O uso compartilhado de seringas representava um alto risco de contaminação do HIV e de outras doenças de transmissão sanguínea. Diante disso, como ajudar esta população e reduzir os riscos e os danos à sua saúde? Com as estratégias de redução de danos, aqueles que ainda não podiam interromper o uso foram incentivados a utilizar estas drogas de forma mais segura. O ideal seria que a pessoa não usasse drogas, mas se ele ainda não quer ou não consegue parar, uma opção é não usar de forma injetável. Mas se o usuário não consegue evitar o uso injetável, é melhor que faça sem compartilhar materiais. Isto envolveria, por exemplo, a utilização de seringas descartáveis. A distribuição de seringas entre UDI s foi uma medida que causou grande impacto na saúde pública, pois na medida em que os UDI s deixavam de compartilhar seringas com outros usuários, reduziam o risco de contaminação de doenças como o HIV. Com a implantação das estratégias de redução de danos, a participação de UDI s entre casos de HIV, caiu para 13% em Destaca-se que a redução de danos é uma abordagem prática, mas também uma perspectiva política, isto é, a perspectiva de respeitar os direitos dos usuários e a sua liberdade de escolha. Entre os pressupostos da PNAD está a redução de danos. 15

16 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Quer entender a legislação brasileira sobre drogas? Observe a seguir. a prestação de serviços à comunidade em instituições que tratam dependentes de drogas. Entendendo a legislação brasileira sobre drogas Merece destaque a lei nº / 2006, pois esta foi a lei que implementou o SISNAD. Além disso, esta lei é muito importante porque ela diferencia usuários e traficantes. Antes desta lei, a partir do porte de drogas os usuários deveriam ser castigados e colocados em uma prisão, assim como os traficantes. Com esta lei, o porte de drogas ilícitas deve oportunizar ao usuário uma reflexão sobre o uso de drogas, não devendo ser penalizado com a privação da liberdade. Assim, os usuários não são encarcerados e sim encaminhados para penas alternativas, como por exemplo O usuário é a pessoa que adquire a droga para consumo próprio, e o traficante é aquele que produz ou vende determinada droga. Resumindo, os objetivos da PNAD, são: 1. Prevenção; 2. Tratamento, recuperação e reinserção social; 3. Redução de danos sociais à saúde; 4. Redução da oferta; 5. Estudos, pesquisas e avaliações. 16

17 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas A Política Nacional sobre o Álcool A Política Nacional sobre o Álcool foi instituída em 2007 e os seus pressupostos estão de acordo com a PNAD. Assim, nesta política os usuários tem direito às ações assistenciais de que necessitarem, e a redução de danos é a abordagem que norteia as práticas. Segurança pública; Associação álcool e trânsito; Capacitação de profissionais; Estabelecimento de parcerias com municípios; Propaganda de bebidas alcoólicas. As principais medidas desta política são as seguintes: Realização de diagnóstico sobre o consumo de bebidas alcoólicas no Brasil, através da realização de pesquisas; Tratamento e reinserção social de dependentes; Realização de campanhas de conscientização quanto aos danos causados pelo álcool; Redução da demanda de álcool por populações vulneráveis, como por exemplo, crianças e adolescentes; Entenda a legislação brasileira sobre o álcool: Uma medida importante envolvendo o álcool, foi a criação da lei / 2008, também conhecida como Lei Seca. Segundo esta lei, o motorista que dirigir alcoolizado está sujeito a penalidades. Se o motorista tiver até 0,6 g /L de concentração de álcool no sangue, poderá ter o seu veículo apreendido, receber multas e ter suspenso o seu direito de dirigir. Caso a concentração de álcool seja igual ou superior a 06,g / L, o motorista poderá ser detido por seis meses a três anos.

18 3. Políticas e Legislação Brasileira sobre Drogas Além disso, esta lei proíbe vender bebidas em rodovias federais e obriga os locais que vendem bebidas alcoólicas a divulgarem que é crime dirigir sob a influência do álcool. Estudos mostram que para que políticas como esta funcionem é fundamental que haja fiscalização. Para garantir os direitos assistenciais dos usuários, envolvendo ações como prevenção, tratamento e recuperação, é fundamental que esta política esteja articulada com o setor de saúde. Por isso, no próximo tópico vamos aprofundar o nosso conhecimento sobre a política do Ministério da Saúde para os usuários de álcool e outras drogas. Na política atualmente adotada, as políticas públicas sobre álcool e drogas representam um enorme avanço para a nossa sociedade, pois os usuários não são mais tratados como criminosos, assim como eram no passado. A política brasileira diferencia as ações de repressão da oferta (direcionadas ao tráfico) das ações de redução da demanda (que visam a prevenção do uso e a garantia de direitos de cuidados aos usuários). 18

19 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas Vimos que os usuários de álcool e outras drogas tem direito a receber cuidados, de acordo com as suas necessidades. Mas como os usuários de drogas tem acesso a tratamento? Como ocorre a prevenção do uso de drogas? A seguir, será apresentado como a atenção aos usuários de substâncias psicoativas é organizada no nosso país. Para isso, é importante que você conheça a política de saúde brasileira. Mas como a política de saúde é colocada em prática no Brasil? Para a implementação da política de saúde foi criado o Sistema Único de Saúde (SUS). O SUS possui princípios e diretrizes, que visam orientar as suas ações. A seguir é apresentada uma síntese dos mais importantes princípios e diretrizes do SUS: Universalidade: assegura o direito à saúde a todos os cidadãos, independente de condição de saúde, gênero, idade, religião, condições financeiras, etc. A Política de Saúde Brasileira No Brasil, a saúde é considerada um direito de todos e um dever do Estado. Isto porque a saúde é uma das condições essenciais à vida digna, sendo portanto, um direito humano fundamental. Assim, o principal objetivo da política de saúde brasileira é possibilitar a garantia deste direito por todos os brasileiros. Integralidade: significa que as ações assistenciais não devem visar somente a cura e a reabilitação. Os usuários do sistema de saúde devem ter acesso a ações de promoção de saúde e prevenção de doenças, que proporcionem um cuidado completo das suas necessidades. 19

20 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas Participação da comunidade: tanto no município, como no estado e também no nível federal a sociedade tem o direito de participar da formulação e da implementação da política de saúde, acompanhando as ações realizadas. A seguir você observará como a política sobre álcool e outras drogas foi operacionalizada, segundo a lógica da Política de Saúde Brasileira. Acompanhe! Descentralização, regionalização, hierarquização de ações e serviços de saúde: os cidadãos tem direito a ter acesso a serviços de saúde em seu município e próximo à sua casa, atendendo às suas necessidades de saúde. Caso seja necessário, deve ocorrer o atendimento em unidades de saúde mais distantes, localizadas em outros municípios ou estados. O SUS tem o seu funcionamento organizado pela Lei Orgânica da Saúde (leis n e n. a lei 8.142, de 1990) e sendo a oferta de serviços uma responsabilidade das esferas federal, estadual e municipal. 20

21 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas A Política do Ministério da Saúde para Atenção Integral a Usuários de Álcool e outras Drogas A política voltada para os usuários de álcool e outras drogas está articulada à Política de Saúde Mental do Ministério da Saúde. que dispõe sobre a proteção e os direitos dos portadores de transtornos mentais, entre eles os usuários de álcool e outras drogas. Esta lei direciona também o modelo assistencial em saúde mental, buscando criar uma rede assistencial baseada em serviços extra-hospitalares, a serem conhecidos no próximo tópico. Aprofundando o conhecimento... A atual Política de Saúde Mental tem as suas origens em um movimento que ficou conhecido como Luta Antimanicomial. Este foi um importante movimento que se posicionava contra os hospitais psiquiátricos, pois estes eram locais desumanizados e que excluíam os portadores de transtornos mentais da sociedade. Um importante marco para a Política de Saúde Mental é a lei n , de 2002, 21

22 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas Quais são os principais pontos da Política do Ministério da Saúde para Usuários de Álcool e Outras Drogas? Integralidade das ações, que vai envolver desde ações de promoção e prevenção, destinadas à população geral, até ações assistenciais para aqueles usuários que necessitam de tratamento. Descentralização e autonomia dos estados e municípios, para o desenvolvimento em ações voltadas para álcool e outras drogas. Com o governo municipal se envolvendo diretamente na estruturação dos serviços, eles se tornam mais próximos da realidade local. Equidade do acesso dos usuários de álcool e drogas às ações de prevenção, tratamento e redução de danos, de acordo com as prioridades locais. Mobilizar a sociedade para participar da formulação das políticas, bem como estabelecer parcerias locais para a implementação de ações. A política do Ministério da Saúde também se baseia nos princípios de Redução de Danos, pois não considera a abstinência a única possibilidade terapêutica. Para ser implementada, esta política está organizada a partir do estabelecimento de uma rede de atenção aos usuários de álcool e outras drogas, como veremos a seguir. 22

23 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas A Rede Assistencial para os Usuários de Álcool e Outras Drogas A política para usuários de álcool e outras drogas tem como principal enfoque o cuidado integral, o que envolve práticas de promoção, prevenção e reabilitação. Para isso, é necessário que haja uma rede de atendimento aos usuários, isto é, serviços articulados para atender às suas diferentes necessidades. Quais serviços podem fazer parte de uma rede de atenção aos usuários de álcool e drogas? Recursos da comunidade, como por exemplo os Alcoólicos Anônimos. Centros de Atenção Psicossocial para Usuários de Álcool e Outras Drogas (CAPS ad) Entre outros. Entre estes serviços, a política do Ministério da Saúde escolheu um dispositivo que ficasse responsável por atender aos casos de usuários com graves comprometimentos causados pelo uso indevido de álcool e outras drogas e, principalmente, que pudesse articular toda a rede de atendimento. Vamos conhecer um pouco sobre o serviço do qual estamos falando? Hospitais gerais. Unidades Básicas de Saúde. Casas de Passagem. Serviços especializados, públicos ou particulares. 23

24 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas Os CAPS ad Os CAPS ad são dispositivos com funcionamento ambulatorial e de hospital-dia. Tem a função de oferecer tratamento intensivo e criar uma rede de atenção aos usuários de álcool e outras drogas. O objetivo do CAPS ad é o atendimento direto à população que apresenta graves transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas, como o álcool e outras drogas. A seguir serão apresentadas as principais atividades do CAPS ad: Prestar atendimento diário aos usuários dos serviços. O CAPS ad possui leitos de repouso com a finalidade exclusiva de tratamento de desintoxicação, para pacientes que não necessitam de tratamento hospitalar. Oferecer cuidados aos familiares dos usuários dos serviços. Ênfase na reintegração social do usuário, utilizando, para tanto, recursos intersetoriais, ou seja, de setores como educação cultura esporte e lazer. Trabalhar a diminuição do estigma/preconceito relativos ao uso de substâncias psicoativas. O meu município pode ter um CAPS ad? Municípios com mais de habitantes podem ter CAPS ad. No caso dos municípios que não tiverem CAPS ad, está previsto a atenção aos usuários de álcool e outras drogas na modalidade CAPS que estiver disponível no município. 24

25 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas Como a rede deve se articular? Além dos CAPS ad, o Ministério da Saúde também instituiu o Programa Nacional de Atenção Comunitária Integrada aos Usuários de Álcool e Outras Drogas. O seu objetivo é regular o fluxo assistencial de toda a rede de serviços de saúde, incluindo os serviços de Atenção Primária à Saúde e os hospitais. para a população geral e para os casos de risco moderado e realizam o encaminhamento para o CAPS ad quando atendem usuários que são dependentes. O CAPS ad, por sua vez, realiza a supervisão dos profissionais da UAPS. Quando os dependentes finalizam o tratamento intensivo no CAPS ad estes são referenciados para a UAPS a fim de receberem o suporte básico na manutenção do tratamento. Este programa definiu também o papel dos CAPS ad, isto é, um dispositivo estratégico para articulação de toda a rede assistencial. Como esta rede deve ser na prática? A Unidade de Atenção Primária à Saúde (UAPS) do Bairro Minas Gerais é considerada modelo em práticas de prevenção em álcool e outras drogas no Brasil. Lá, todos os profissionais de saúde realizam estratégia de prevenção 25

26 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas A Rede Complementar para Usuários de Álcool e Outras Drogas Como você observou, as políticas públicas que visam garantir o direito assistencial aos usuários de álcool e outras drogas são muito recentes em nosso país. Mas sabemos que os problemas relacionados ao abuso de substâncias psicoativas já faziam parte da nossa sociedade muito antes destas políticas serem formuladas. Por isso, questionamos: Como os dependentes de álcool e outras drogas podiam ser tratados? Por causa da negligência de políticas públicas nesta área, uma diversidade de serviços não governamentais respondia pela atenção aos usuários de álcool e outras drogas. E, ainda hoje, em vários municípios brasileiros a rede pública para atendimento aos usuários é inexistente ou insuficiente. Assim, serviços não governamentais continuam desempenhando um papel fundamental na assistência aos usuários de álcool e outras drogas, formando uma rede complementar. Entre estes serviços, merecem destaque as Comunidades Terapêuticas ou CT s. As CT S que se referem a uma proposta terapêutica na qual é possibilitada uma convivência entre os residentes, que promovem uma ajuda mútua e participam ativamente do dia-a-dia da comunidade. Diferindo consideravelmente da hierarquia rígida dos antigos hospitais psiquiátricos, o objetivo é criar um ambiente educativo, no qual não há ações de autoritarismo por parte da equipe de profissionais. Tendo em vista a expansão de numerosas propostas assistenciais, hoje as CT s nos remete a um conjunto de dispositivos consideravelmente heterogêneos, pois existem 26

27 4. Políticas de Saúde para Atenção Integral a usuários de Drogas diferentes tipos de CT s. Neste sentido, é fundamental que exista regulamentação do trabalho desenvolvido por estes dispositivos e que sejam estabelecidos padrões de qualidade. Por exemplo, nestes serviços deve ser garantida a permanência voluntária dos residentes. E para assegurar a qualidade do tratamento ofertado, as instituições devem proporcionar ações de capacitação à equipe, além de possuir mecanismos de encaminhamento à rede de saúde para quando os residentes necessitarem. posteriormente pela RDC 29/2011, estabeleceu as condições mínimas para o funcionamento das CT s. A política para usuários de álcool e outras drogas busca criar condições para que os usuários tenham acesso a tratamento e a ações efetivas de prevenção. Ainda existem desafios para que esta política seja implementada, principalmente em relação à ampliação do número de serviços para tratamento de dependentes e em relação à realização de práticas preventivas, que devem atingir toda a população. Aproximadamente 80% dos serviços disponíveis para tratamento no Brasil são ofertados por organizações não governamentais, sobretudo por CT s. Para regulamentar a qualidade destes dispositivos assistenciais, a ANVISA por meio da RDC 101/2001 e Existem ainda outros desafios na área de álcool e outras drogas, e outras políticas buscam ter uma atuação neste campo. Por isso, no próximo tema iremos conhecer a Política Nacional de Assistência Social. 27

28 5. Políticas Nacional de Assistência Social Neste tópico iremos compreender outra política brasileira: A Política Nacional de Assistência Social ou PNAS. Esta política irá estabelecer outro conjunto de direitos garantidos pelo Estado. Hoje iremos conhecer que direitos são estes, quais os dispositivos ou serviços que possibilitam que esta política chegue até a população e como isto pode impactar a área de álcool e outras drogas. O que é a PNAS? Esta política visa garantir os direitos sociais para uma vida digna. Na vida social, a família é muito importante, pois pode proteger, promover e incluir seus membros. Para que a família realize as suas funções, é necessário garantir condições de sustentabilidade. Assim, a família merece a proteção do Estado, e a política de Assistência Social é pautada nas necessidades das famílias e de seus membros. A família, para a PNAS é o grupo de pessoas que se acham unidas por laços consanguíneos, afetivos ou de solidariedade. Mas esta política é voltada para proteger todas as famílias? O público dessa política são os cidadãos e grupos que se encontram em situações de vulnerabilidade e risco. Por exemplo, famílias que vivenciam situações de violência doméstica ou problemas por conta do uso indevido de drogas, estão em situação de vulnerabilidade. Há grupos na sociedade que tradicionalmente são 28

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Especial Brasília-DF Dezembro de 2011 O Sistema Único de Assistência Social (Suas) é um sistema

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL.

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. PRINCÍPIOS PIOS DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. Contextualização A elaboração da Política Nacional e do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. www.fortaleza.ce.gov.br

PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. www.fortaleza.ce.gov.br PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS www.fortaleza.ce.gov.br EIXOS DO PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK 1. Gestão e Informação 2. Prevenção e Mobilização Social 3.

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br POLÍTICA SOCIAL Ações coletiva que concretiza direitos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores Mostra de Projetos 2011 Padrinhos Acolhedores Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL Abrigo Casa lar Casa de passagem Beatriz Guimarães Bernardeth Gondim Cláudia Souza A PNAS Situando o acolhimento institucional e familiar Proteção Básica Proteção Especial

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas

Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências da Saúde Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas Enfª. Camila Barcelos Vieira Mestranda

Leia mais

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Novembro de 2014 Apoio: A Garantia de Proteção Integral da Pessoa Idosa e a Fiscalização das ILPIS Cláudia Maria Beré Promotora

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas Objetivos: Traduzem os resultados que se pretende atingir com a execução

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais