DROGAS E PREVENÇÃO: O QUE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS QUEREM SABER?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DROGAS E PREVENÇÃO: O QUE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS QUEREM SABER?"

Transcrição

1 DROGAS E PREVENÇÃO: O QUE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS QUEREM SABER? MOREIRA, Lidia Alves Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais NAGEM, Ronaldo Luiz Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais RESUMO: A maioria das ações de prevenção ao uso indevido de drogas está focada no público adolescente. Entretanto, em função do primeiro contato com as drogas ocorrer em idade escolar e estar cada vez mais precoce, tem-se verificado a tendência de trazer essa discussão para o ambiente escolar mais cedo. Por tratar-se de um fenômeno recente, a prevenção às drogas junto ao público infantil tem despertado manifestações controversas de especialistas e carece de metodologias adequadas e de pesquisas científicas. Os resultados apresentados neste artigo integram um estudo mais amplo desenvolvido para uma dissertação de mestrado com o objetivo de identificar e analisar mudanças conceptuais promovidas por práticas educativas preventivas. Esse artigo está baseado nas premissas de diversos autores que tratam das ações preventivas ao uso indevido de drogas desenvolvidas no ambiente escolar. Para coletar os dados empíricos, ao longo de um semestre letivo foram acompanhadas e registradas as aulas semanais ministradas por um instrutor do Programa Educacional de Resistência às Drogas (PROERD) em duas turmas de uma escola pública da rede estadual de educação, com alunos na faixa etária de 9 a 11 anos. Dentre outros resultados, foi possível identificar quais são as principais dúvidas dos estudantes integrantes do grupo amostral sobre a temática em questão. Os resultados apontaram para a necessidade de ações preventivas voltadas também para o núcleo familiar, que muitas vezes é condescendente ou até mesmo incentivador do consumo de drogas lícitas como o álcool entre adolescentes e até mesmo entre crianças. PAPAVRAS-CHAVE: drogas, prevenção, crianças.

2 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a temática das drogas tem estado constantemente presente na mídia, indicando tratar-se de um problema relevante na sociedade moderna. As principais discussões envolvem questões como a legalização, o tratamento de dependentes e a prevenção. A ampla maioria das ações preventivas está focada no público adolescente 1. Entretanto, como os primeiros contatos com as drogas ocorrem em idade escolar e estão cada vez mais precoces, observa-se uma tendência de trazer essa discussão mais cedo para o contexto escolar. Por tratar-se de um fenômeno recente, a abordagem sobre as drogas junto às crianças tem despertado posicionamentos controversos entre especialistas, além de demandar por materiais didáticos e metodologias adequadas, investimentos na capacitação de educadores e em pesquisas científicas. Os resultados aqui apresentados integram um estudo mais amplo, desenvolvido para uma dissertação de mestrado, com o objetivo de identificar e analisar possíveis mudanças nas representações sociais que as crianças têm sobre as drogas, promovidas por práticas educativas preventivas. Trataremos aqui das principais dúvidas que as crianças do grupo amostral manifestaram sobre as drogas, durante as aulas realizadas pelo Programa Educacional de Resistência às Drogas (PROERD), que é desenvolvido pela Polícia Militar em parceria com escolas públicas e privadas. 2. REFERENCIAL TEÓRICO O termo droga é empregado em diversos contextos e assume significados distintos: pode estar associado a algo ruim, a substância proibida ou a medicamento, só para citar os mais usuais. Da farmacologia, que em sentido amplo é a ciência que estuda as drogas, vem a seguinte definição, de Guimarães (2007) uma droga pode ser definida como um agente químico que interage com moléculas específicas produzindo, em conseqüência, efeitos biológicos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS, 1994, p. 33), droga é qualquer substância química que modifica os processos fisiológicos e bioquímicos dos tecidos ou organismos. 1 Nesse artigo, os termos criança e adolescente são utilizados em conformidade com a Lei 8.069, que dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente (ECA) e no artigo 2º considera criança a pessoa de até 12 anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre 12 e 18 anos de idade.

3 Neste estudo, ao utilizarmos o termo droga estamos nos referindo aos produtos às substâncias ou misturas psicotrópicas. O termo psico vem do grego psyché, que significa alma, espírito, mente. Trópica deriva do grego tropos e que dizer atração. Na definição da OMS (1981), drogas psicotrópicas são aquelas que agem sobre o sistema nervoso central produzindo alterações de comportamento, humor e cognição, possuindo grande propriedade reforçadora, sendo, portanto, passíveis de auto-administração. Segundo Linhares & Gewandszanajder (2003 p. 386), essas substâncias se encaixam nos receptores dos neurônios de neurotransmissores (dopamina, acetilcolina etc.) e provocam efeito semelhante ao desses mensageiros. É importante tratar também da questão da legalidade. Segundo Cotrim (1999), a legalidade ou ilegalidade é definida pelos grupos sociais, em cada sociedade e em determinados momentos da História. São exemplos de drogas legalizadas no Brasil o cigarro produzido a partir de folhas de tabaco - fonte natural de nicotina - e as bebidas alcoólicas. Porém, mesmo em relação às drogas de produção, comercialização e consumo permitidos por Lei, existem medidas restritivas tais como a proibição da venda de bebidas alcoólicas para menores de 18 anos e de fumar em determinados locais. Os medicamentos são drogas lícitas, mas seu uso pode ser considerado ilícito quando for abusivo e/ou sem receita médica. São exemplos de drogas ilegais no Brasil: cocaína, crack, THC da maconha, LSD, inalantes ou solventes, anfetaminas, êxtase, entre outras. Nos últimos anos, a questão das drogas tem estado sempre presente na mídia, revelando a preocupação de diversos setores da sociedade. Massa & Bacellar (2007) afirmam que o consumo de drogas é, sem dúvida, um fenômeno de preocupação sócio-política e de saúde pública que afeta os mais variados sistemas sociais, como a família, as escolas, a polícia e o governo. Espaço social de convivência, a escola não está à margem dos acontecimentos de sua época e contexto e as questões que acometem a sociedade, de uma forma ou de outra, acabam adentrando seus muros. Segundo Bizzotto (2003), dos problemas que afligem pais e profissionais das escolas, o uso de drogas é certamente o que mais assusta. Atender às demandas sociais crescentes é um grande desafio que se coloca às escolas atualmente. Segundo Aquino (1998) a escola, sobretudo nas últimas décadas, tem seus objetivos e funções redesenhados de acordo com as novas demandas sociais :

4 não é possível passar ao largo das demandas sociais que o contexto sócio-histórico impinge à intervenção escolar, uma vez que se referem a entraves sociais urgentes na maioria das vezes, os quais condicionam indiretamente a eficácia da intervenção pedagógica. O caso do uso/abuso das drogas psicoativas é exemplar nesse sentido! (AQUINO, p.97) Diversos autores consideram que o ambiente escolar é apropriado para o desenvolvimento de estratégias preventivas ao uso indevido de drogas. Zanelatto & Zanelatto (2004) afirmam que a família e a escola são ressaltadas como os dois estruturadores básicos da identidade do jovem, sendo locais ideais para iniciar ações preventivas. Segundo Pazinatto (2006): de acordo com vários pesquisadores, programas bem sucedidos de prevenção procuram empregar uma combinação de estratégias e não ações isoladas. As escolas são um campo apropriado para o desenvolvimento dessas estratégias. Queiram ou não as escolas serão importantes e fundamentais para o desenvolvimento e elaboração de atividades educativas para a promoção de saúde e também na prevenção ao uso de drogas. (PAZINATTO, 2006) Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), que estabelecem referenciais para a renovação e re-elaboração da proposta curricular no Brasil, destacam a escola como um espaço privilegiado para tratar da questão das drogas: é inegável que a escola seja um espaço privilegiado para o tratamento do assunto, pois o discernimento no uso de drogas está diretamente relacionado à formação e às vivências afetivas e sociais de crianças e jovens, inclusive no âmbito escolar (BRASIL, 1998, p.271). Com relação à prevenção do uso de drogas, Nicastri & Ramos (2001) destacam que envolve três níveis: a prevenção primária objetiva evitar ou retardar o uso de drogas. A prevenção secundária é realizada quando o consumo é detectado, ou seja, em indivíduos que já fazem uso de drogas e tem por finalidade evitar que esse uso se torne nocivo. A prevenção terciária corresponde ao tratamento do uso nocivo ou da dependência e prioriza ações voltadas a manutenção da abstinência. Partindo desta distinção, observa-se um equívoco nas ações de prevenção adotadas em diversas escolas, uma vez que a maioria delas está baseada na prevenção primária, porém focada no público adolescente, que, muitas vezes já experimentaram drogas lícitas e, em menor proporção, também as ilícitas. Empregam-se, nesses casos, práticas de prevenção primária quando o mais adequado seriam práticas de prevenção secundárias.

5 Outra questão importante envolve discussões sobre a idade adequada para iniciar práticas educativas preventivas. Sobre essa questão, Zanelatto & Zanelatto (2004) afirmam que a prevenção primária do uso de drogas na escola traduz-se em um conjunto de ações educacionais a serem postas em prática, de maneira consistente desde a pré-escola, passando pelo ensino fundamental, até o ensino médio (...). Se, por um lado, as práticas preventivas voltadas para adolescentes e jovens desenvolvidas no ambiente escolar já estão consolidadas, de outro lado as iniciativas voltadas para o público infantil ainda estão engatinhando, mesmo porque são ainda muito recentes. As poucas iniciativas que existem carecem de pesquisas científicas, investimentos em capacitação de educadores e recursos didáticos adequados. Por isso, optamos por estudar ações preventivas ao uso indevido de drogas voltadas para o público infantil e nesse pequeno universo selecionamos o PROERD, que conta com três cursos: para as crianças que cursam a 4ª série do ensino fundamental, para os adolescentes da 6ª série do ensino fundamental e para os pais ou responsáveis pelos alunos. Segundo consta no livro do estudante distribuído aos estudantes que participam do PROERD, o programa consiste em uma ação conjunta entre o Policial Militar devidamente capacitado, chamado Policial PROERD, professores, especialistas, estudantes, pais e comunidade, no sentido de prevenir e reduzir o uso indevido de drogas e a violência entre estudantes, bem como ajudar os estudantes a reconhecerem as pressões e a influência diária para usarem drogas e praticarem a violência, e a resistência a elas. (PROERD - Livro do Estudante, 2009) O PROERD é a versão brasileira do programa norte-americano Drug Abuse Resistance Education (D.A.R.E.). As aulas são ministradas nas escolas por policiais militares em encontros semanais, ao longo de um semestre letivo. Existem diversos modelos de prevenção ao abuso de drogas no ambiente escolar. Zanelatto & Zanelatto (2004) citam cinco modelos: educação afetiva, conhecimento científico, mudanças nas condições de ensino, educação para a saúde e oferecimento de alternativas. Após estudá-los, ressaltam que existem evidências de que a combinação de estratégias e de modelos, segundo as necessidades de cada comunidade escolar, gera programas mais bem sucedidos em nível de prevenção. Já Noto & Galduróz (1999) consideram que, como existem diversos modelos de prevenção, é importante conhecer o público alvo antes de optar por um modelo ou outro:

6 Diante da existência de inúmeros modelos de prevenção primária, vale salientar que o critério mais importante para escolher o mais adequado a cada circunstância e contexto é conhecer e respeitar as características e as necessidades da comunidade onde se pretende atuar. (NOTO & GALDURÓZ, p. 148) Consideramos que identificar as principais dúvidas das crianças sobre as drogas é fundamental para a adoção de quaisquer modelos de práticas educativas preventivas. 3. OBJETIVO O objetivo do presente artigo é identificar e apresentar as principais dúvidas sobre as drogas, manifestadas pelas crianças do grupo pesquisado. 4. METODOLOGIA Ao longo de um semestre letivo, foram acompanhadas todas as aulas ministradas através do PROERD a duas turmas de uma escola da rede pública estadual de educação em Belo Horizonte, MG. A opção por acompanhar duas turmas deveu-se exclusivamente à obtenção de um volume maior de dados para análise. O grupo amostral foi constituído por 33 alunos da turma A e 37 alunos da turma B, na faixa etária de 9 a 11 anos de idade. Para identificar as principais dúvidas dos estudantes sobre as drogas, utilizamos uma iniciativa do instrutor do PROERD. Antes de iniciar as aulas, ele solicita à professora responsável pela turma que confeccione uma caixinha e estimule os estudantes a fazerem perguntas anônimas voluntariamente com suas dúvidas a respeito das drogas e depositarem na caixinha. Ao longo do curso, o policial lê e responde às perguntas, de acordo com o tempo disponível. O instrumento de coleta de dados foi observação direta e as perguntas eram anotadas à medida que eram lidas na sala de aula. 5. RESULTADOS E DISCUSSÕES As dúvidas manifestadas pelos estudantes das duas turmas foram agrupadas por categorias, visando identificar os tipos específicos de drogas que mais suscitam dúvidas entre

7 os estudantes. Na categoria geral foram agrupadas as perguntas que não remetem a nenhum tipo específico de droga. Algumas perguntas elaboradas pelos estudantes não estão diretamente relacionadas às drogas, mas foram listadas pela relação indireta que podem estabelecer. Trata-se das categorias corrupção e família. O quadro 01 apresenta as dúvidas dos estudantes expressas através de perguntas. Quadro 01: Perguntas elaboradas pelos estudantes das turmas A e B, retiradas da caixinha de perguntas, durante as aulas ministradas pelo instrutor do PROERD no segundo semestre de Categorias Perguntas % O que acontece quando começamos a usar drogas? A droga causa morte? Por que não devemos usar drogas? Drogas fazem mal para o corpo? Qual a droga que faz mal ao coração, fígado, boca e garganta? Geral Quantas pessoas no mundo caíram no mundo das drogas? 28,21 Quais os maiores danos de usar droga? Você já apreendeu drogas? O que a droga faz? Fumar, beber e se drogar pode destruir o cérebro? De onde vêm as drogas? O álcool causa morte? Bebidas com exagero podem matar uma pessoa? Por que a gente não pode alcoolizar e dirigir? Qual é a bebida que faz mais mal? Quais os maiores danos do álcool? Bebida Bebida alcoólica faz mal para a saúde? alcoólica Se alguém beber um copo de bebida alcoólica, existe alguma coisa 38,46 que corta o efeito? O álcool só faz mal para quem está bebendo? A cerveja mata? A cerveja faz mal à saúde? Criança pode beber bebida energética sem álcool?

8 Categorias Perguntas % O álcool deixa o corpo mais devagar? Faz mal pra saúde se beber demais? Você já presenciou acidente por causa de álcool? A droga é pior do que a cerveja? Se uma pessoa fuma e mastiga Fumasil, ela consegue parar de fumar? O que é a nicotina? Ela é pior que a maconha? Fumar causa câncer de laringe? Cigarro O cigarro pode matar? (tabaco) 17,95 Fumar faz mal pra saúde se fumar demais? Um fumante pode largar o cigarro? Quanto % de chance? A fumaça de um fumante pode contaminar uma pessoa que está perto? Corrupção O que você acha dos policiais corruptos? 2,56 Gravidez Fumar cigarro, drogas ou maconha durante a gravidez pode 2,56 prejudicar o bebê? Crack Quando a gente usa crack e droga junto a gente morre? 2,56 Inalantes A cola de sapateiro é droga? Justifique. 2,56 Maconha Droga e maconha é a mesma coisa? 2,56 Família Se a mãe não quiser o filho, ela pode entregar para adoção? 2,56 FONTE: Original, As questões inseridas na categoria geral parecem indicar uma referência às drogas ilícitas uma vez que álcool e cigarro foram especificados. Com base nas informações do quadro 01, podemos observar também que as perguntas nas quais foi possível identificar tipos específicos de drogas referem-se, em maioria absoluta (56,41%), a dois tipos de drogas consideradas lícitas pela legislação brasileira: as bebidas alcoólicas e o cigarro. Provavelmente esses estudantes já tiveram contato ainda que indireto com essas drogas, e considerando a faixa etária em questão 9 a 11 anos esse contato se deu prioritariamente em ambiente familiar. Segundo Moreno et al (2009), ao debater a questão do início precoce

9 do uso e consumo de drogas lícitas, diversos autores apontam como influências determinantes da experimentação a pressão dos amigos e o ambiente familiar. Em relação à pergunta sobre corrupção, existe uma grande possibilidade de que o estudante tenha estabelecido uma relação com as drogas ilícitas, uma vez que sendo lícitos o álcool e o cigarro não caberiam questões relativas à corrupção. Outras drogas mencionadas pelos estudantes foram o crack, os inalantes e a maconha. O baixo índice de menções deve-se provavelmente ao pequeno contato com as mesmas, em função da faixa etária do grupo amostral (ainda são crianças) e de não pertencerem a comunidades de altos índices de criminalidade, onde o contato das crianças com as drogas torna-se ainda mais precoce. Outra observação importante é que a maioria das perguntas refere-se às conseqüências biológicas da ação das drogas no organismo dos usuários. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Através desse estudo, foi possível identificar algumas dúvidas sobre as drogas, expressas pelos estudantes pesquisados com faixa etária entre 9 e 11 anos. Com relação aos tipos específicos de drogas mencionados, a maioria das perguntas refere-se às bebidas alcoólicas e ao cigarro, que são drogas consideradas lícitas pela legislação brasileira e de fácil acesso no convívio familiar. Outro dado revelado pelo quadro 01 é que a maioria das dúvidas refere-se às conseqüências biológicas da ação das drogas no organismo. Os estudos com ênfase nas práticas educativas preventivas desenvolvidas em ambiente escolar e voltadas para o público infantil ainda são bastante raros e oferece diversas possibilidades. As campanhas preventivas governamentais sobre as drogas lícitas devem considerar o ambiente familiar, que tanto pode ser um núcleo promotor de hábitos saudáveis como um ambiente conivente ou incentivador do consumo dessas drogas. 7. REFERÊNCIAS AQUINO, Julio Groppa. A escola e as novas demandas sociais: as drogas como tema transversal. In: Drogas na escola: alternativas teóricas e práticas. Julio Groppa Aquino (org). São Paulo: Summus

10 BIZZOTTO, Antonieta Guimarães. Uma Escola mais Sedutora que a Droga. Outro Olhar. Ano III. nº 3. Belo Horizonte. Out BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília: MEC/SEF, COTRIM, Beatriz Helena Carlini. Drogas: Mitos & Verdades. 7. ed. Coleção De Olho na Ciência. Ática. São Paulo: Ática. GUIMARÃES, Francisco Silveira. Farmacologia. Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Disponível em: Acesso em: 18 abr LINHARES, Sergio & GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia. Vol ed. São Paulo. Ática, MASSA, Adriana Accioly & BACELLAR, Roberto Portugal. A Interface da Prevenção ao uso de Drogas e o Poder Judiciário, em uma Perspectiva de Sustentabilidade. II Seminário sobre Sustentabilidade. Curitiba MORENO, Rafael Souza; VENTURA, Renato Nabas & BRÊTAS, José Roberto S. Ambiente familiar e consumo de álcool e tabaco entre adolescentes. Revista Paulista de Pediatria. v. 27. nº Disponivel em: Acesso em: 08 mai NICASTRI, Sergio; RAMOS, Sergio de Paula. Prevenção do uso de drogas. J. Bras. Dep. Química, v.2, supl.1, p NOTO, Ana Regina & GALDURÓZ, José Carlos F. O uso de drogas psicotrópicas e a prevenção no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. V. 4. n. 1. Rio de Janeiro OMS - Organização Mundial de Saúde Glosario de términos de alcohol y drogas. Disponível em: Acesso em: 08 mai PAZINATTO, Cesar. Prevenção ao uso de drogas em escolas: um desafio possível? Revista Direcional Escolas. 20. ed. São Paulo: Exclusiva Publicações Ltda. set

11 ZANELATTO, Neide A., ZANELATTO Raquel. Prevenção do uso de drogas na escola modelos de intervenção. UNIAD - Unidade de pesquisa em álcool e drogas Universidade Federal de São Paulo Disponível em Acesso em: 03 mai

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas PÚLBLICO ALVO: Toda a comunidade escolar e a sociedade local de modo geral. APRESENTAÇÃO: Todos concordam que a Escola tem um papel fundamental em nossa sociedade,

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Sistema único de Assistência Social

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa Capa ツVivo Feliz Sem Drogas Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo o uso indevido de drogas Capa fim MUNICIPIO DE ITAPEVA SP Secretaria Municipal de Defesa Social Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS SIM PARA A VIDA, NÃO ÀS DROGAS AUTORES: Nadyeshka Sales Araújo (nadyeshka.saq@bol.com.br), Edgar Vieira do Nascimento (edgarvn@bol.com.br), Hérika Dantas Modesto (herikamodesto@bol.com.br),

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA.

EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA. EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA. Luciano Blasius 1 lucianoblasius@yahoo.com.br Araci Asinelli-Luz 2 asinelli@ufpr.br

Leia mais

PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS

PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS PAPO LEGAL CONVERSANDO COM JOVENS SOBRE PREVENÇÃO AO USO ABUSIVO DE DROGAS APRESENTAÇÃO: A Secretaria de Assistência Social e Cidadania (SASC) por meio da Diretoria de Programas sobre Drogas (DPSD) do

Leia mais

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS:

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: 32 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: MODELOS DE PREVENÇÃO E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL UM ENSAIO Aurélio Fabrício Torres

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO

TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO Dário Fernando Treméa Kubiak 1 Jesus N. Durgant Alves 2 Mara Regina Nieckel da Costa 3 RESUMO Este artigo objetiva

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENSINO BÁSICO Nomes das instituições representadas: SEE/AL, SEMED-Maceió, SEMED-Barra de Santo Antônio- Campestre e Novo Lino, Associação Clube

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR Welton Alves Ribeiro Júnior 1 ; Robécia Graciano de Souza 2 ; Lúcia Maria de Almeida 3; Silvia Beatriz Fonseca de Melo 4. Centro Universitário

Leia mais

CONHECIMENTO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS

CONHECIMENTO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS CONHECIMENTO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS Carla Cristina de Araujo 1 Flávia Nogueira e Ferreira 1 Gleyton Gomes Porto 1 Rodrigo Santos de Queiroz

Leia mais

Alienação das drogas

Alienação das drogas Alienação das drogas Que relação podemos fazer entre os personagens mortos-vivos da ficção e os usuários de drogas em geral. São substâncias, naturais ou sintéticas que, introduzidas no organismo, podem

Leia mais

Palavras-chave: práticas educativas; formação docente; prevenção às drogas; representações sociais.

Palavras-chave: práticas educativas; formação docente; prevenção às drogas; representações sociais. O PAPEL DA ESCOLA, AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E O CONSUMO DE DROGAS ENTRE ALUNAS DO CURSO DE PEDAGOGIA Resumo Luci Mara Bertoni Andressa Mendes da Silva Dias Antonio Xavier da Silva Universidade Estadual

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Educação em Saúde: Dependência Química Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil MODULO 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas no

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO BANDEIRANTES MS SETEMBRO/2012 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO DIRETOR: AFONSO

Leia mais

O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, 1 O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, A atual posição do Brasil no que se refere ao consumo de drogas ilícitas é assustadora.

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 3 Você já deve ter percebido que a família é a base de tudo, tendo papel decisivo na formação do sujeito e da própria sociedade. Sabendo da relevância do

Leia mais

Gleisa Calixto Antunes Faculdade de Estudos Administrativos FEAD. Raquel Quirino Faculdade de Educação da UFMG

Gleisa Calixto Antunes Faculdade de Estudos Administrativos FEAD. Raquel Quirino Faculdade de Educação da UFMG 1 A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES E DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE O PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS (PROERD) DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Gleisa Calixto Antunes Faculdade de Estudos

Leia mais

A temática Drogas no ensino de química

A temática Drogas no ensino de química A temática Drogas no ensino de química Marcia Camilo Figueiredo 1* (PG), Mara Luciane Kovalski 1 (PG), Ana Tiyomi Obara 2 (PQ), Maria Aparecida Rodrigues 3 (PQ) 1 Mestrandas do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Coordenação de Vigilância em Saúde do Trabalhador Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Superintendência de

Leia mais

DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS. Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção

DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS. Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS DROGAS qualquer substância capaz de modificar a função dos organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PREVENÇÃO AOS VICIOS: ALCOOLISMO, TABAGISMO E DROGAS ILICITAS NA ADOLESCÊNCIA.

ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PREVENÇÃO AOS VICIOS: ALCOOLISMO, TABAGISMO E DROGAS ILICITAS NA ADOLESCÊNCIA. ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PREVENÇÃO AOS VICIOS: ALCOOLISMO, TABAGISMO E DROGAS ILICITAS NA ADOLESCÊNCIA. Ipezal/Angélica MS Maio de 2012. ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PREVENÇÃO AOS VICIOS:

Leia mais

Projeto Educacional Anti-tabagismo. Ensino Médio e 9º ano do Ensino Fundamental II. São Paulo 05/11

Projeto Educacional Anti-tabagismo. Ensino Médio e 9º ano do Ensino Fundamental II. São Paulo 05/11 Projeto Educacional Anti-tabagismo Ensino Médio e 9º ano do Ensino Fundamental II São Paulo 05/11 Índice: 1-) Problematização:...2 2) Justificativa...2 3-) Objetivos...4 4-) Conteúdos a serem trabalhados...4

Leia mais

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família Autoras: Margarida Maria Rocha Bernardes Elaine Cristina Valadares Gertrudes Teixeira Lopes Grupo de Estudos

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

CISOTTO, Laurindo ROSSETO, Marisa, Ester, A.

CISOTTO, Laurindo ROSSETO, Marisa, Ester, A. ... Cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto, abrange mais um momento de atenção, de zelo e desvelo. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilidade, de envolvimento afetivo

Leia mais

Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Mostra Local de: Piraí do Sul Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura

Leia mais

Você já pensou em como realizar os seus sonhos?

Você já pensou em como realizar os seus sonhos? Você já pensou em como realizar os seus sonhos? Sua escola adota o Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Etapas do Programa : Curso de Educação Financeira; Capacitação Pedagógica; Palestra para

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Moreira, Izadora Cristina; Aquino, Valdirene Silva Rocha; RAMALHO, Letícia Carneiro; CUNHA, Marielton Passos; PINHEIRO,

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Renise Bastos Farias Dias (UFAL) renisebastos@gmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa de campo, de análise quantitativa, realizada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO POLÍCIA MILITAR DE RORAIMA QUARTEL DO COMANDO GERAL 3ª SEÇÃO DO ESTADO MAIOR GERAL "Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros"

GOVERNO DO ESTADO POLÍCIA MILITAR DE RORAIMA QUARTEL DO COMANDO GERAL 3ª SEÇÃO DO ESTADO MAIOR GERAL Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros NOTA DE INSTRUÇÃO Nº 001/PM-3/2014 REGULA OS PROCEDIMENTOS PARA A SELEÇÃO E INDICAÇÃO DE POLICIAIS MILITARES DA PMRR, PARA O II CURSO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE INSTRUTORES DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA:

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: OFICINAS PEDAGÓGICAS E A CONSTRUÇÃO COLETIVA DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NAS ESCOLAS AUTORES: Elza Alves da Silva, José Marcos da Silva Costa, Janaína Cipriano do Nascimento, Jerônimo

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DROGAS O DILEMA DAS DROGAS ADOLESCÊNCIA E DROGAS Segundo Valdi Craveiro Para uma abordagem do uso de drogas na perspectiva da REDUÇÃO DE DANOS, devemos antes de tudo proceder com duas ações: 1) redefinir 2) contextualizar

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Tatianne Da Costa Sabino¹; Ana Cristina Martins de Lemos²; Sabrina Silva Antunes 3 ; Rosângela Vidal de Negreiros

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Atividades Físicas no Auxílio ao Combate as Drogas no Meio Escolar Douglas Everton da Cunha Silva. Laerce Hasmann

Leia mais

Sequência Didática. Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212. 1 - Título:

Sequência Didática. Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212. 1 - Título: Sequência Didática 1 - Título: Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212 2 Resumo: Você, educador(a), e você também que não tem a educação como profissão, mas se interessa

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA

TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA Ismael Bridi 1 Carine B. Loureiro 2 Paulo Samarani 3 RESUMO Em pesquisa realizada entre os alunos do campus da ULBRA

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

Centro Regional de Referência ES. CURSO 1: Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas

Centro Regional de Referência ES. CURSO 1: Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS O ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Av. Marechal Campos, 1468 Maruípe Vitória-ES CEP. 29040-090 Fone: (27) 3335.7492

Leia mais

^=`ljfppíl=jrkaf^i=a^=j^`lke^= = `lk`irpîbp=b=ob`ljbka^ Îbp=

^=`ljfppíl=jrkaf^i=a^=j^`lke^= = `lk`irpîbp=b=ob`ljbka^ Îbp= PORTUGUESE ^`ljfppíljrkaf^ia^j^`lke^ `lk`irpîbpbob`ljbka^ Îbp COMISSÁRIOS: ROBIN ROOM BENEDIKT FISCHER WAYNE HALL SIMON LENTON PETER REUTER AMANDA FEILDING `lmvofdeq«qeb_b`hibvclrka^qflkommu qeb_b`hibvclrka^qflk

Leia mais

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA Ministério da Saúde - MS Instituto Nacional de Câncer - INCA Coordenação de Prevenção e Vigilância - Conprev Divisão de Programas de Controle do Tabagismo e outros Fatores

Leia mais

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS São substancias psicoativas que agem no Sistema Nervoso Central. Produz

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

SENADO FEDERAL EVITE O CIGARRO SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL EVITE O CIGARRO SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL EVITE O CIGARRO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Evite o cigarro apresentação Depois que foi identificado como problema de saúde pública, o cigarro tem sido combatido em campanhas de comunicação,

Leia mais

FALANDO SÉRIO: BATE PAPO SOBRE CRACK E OUTRAS DROGAS EM ESCOLAS DE JATAÍ 1. PALAVRAS-CHAVE: Promoção da saúde. Prevenção. Drogas. Ensino médio.

FALANDO SÉRIO: BATE PAPO SOBRE CRACK E OUTRAS DROGAS EM ESCOLAS DE JATAÍ 1. PALAVRAS-CHAVE: Promoção da saúde. Prevenção. Drogas. Ensino médio. FALANDO SÉRIO: BATE PAPO SOBRE CRACK E OUTRAS DROGAS EM ESCOLAS DE JATAÍ 1 REZENDE, Wender Lopes 2, MAIA, Ludmila Grego 3 ; MARTINS, Marlene Andrade 3 ; NOGUEIRA, Douglas José 3 ; PEREIRA, Ângela Lima

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES Renata Cristina de L. C. B. Nascimento Mestranda do Curso de Mestrado em Educação da UNEMAT, Departamento de Pedagogia da UNEMAT/Cáceres

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO 1 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO MACHADO, Marcela, R.L. MOREIRA, Priscila R. Faculdade de Educação Universidade Federal de Minas Gerais RESUMO: Este

Leia mais

O que são drogas? Drogas Naturais Drogas Sintéticas Drogas Semi-sintéticas. Drogas. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail.

O que são drogas? Drogas Naturais Drogas Sintéticas Drogas Semi-sintéticas. Drogas. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail. Drogas Prof. Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com 2014 1 / 41 Sumário O que são drogas? 1 O que são drogas? O que são drogas? 2 Maconha Nicotina 3 Ecstasy Anfetaminas 4 Cocaína Crack Krokodil

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens O que é o PSE? O PSE é uma política intersetorial do Saúde e do, instituído em 2007, por decreto presidencial.

Leia mais

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS Coordenação geral: Prof. Dr. Paulo Eduardo M. Rodrigues da Silva, Pro-Reitor de Desenvolvimento Universitário/UNICAMP Assessores

Leia mais

As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar

As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar CAMARA DOS DEPUTADOS As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar Lúcio Henrique Xavier Lopes XII Encontro da Associação dos Secretários- Gerais dos Parlamentos de Língua Portuguesa CAMARA

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Diagnosticar Sonhar Orçar Poupar FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Por que incluir a educação financeira na sua escola? Dados recentes

Leia mais

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Um mundo sem droga ONU, 1998 - Uma Utopia? José Mauro Braz de Lima Professor Associado da Faculdade de Medicina UFRJ. Diretor Geral do HESFA Hospital Escola São Francisco

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO.

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO. DINIZ, Carlos Alberto Malveira 1 Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes carlosalbertodiniz@ymail.com

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

A Prevenção do Uso/Abuso de Drogas entre Crianças e Adolescentes no Ambiente Escolar

A Prevenção do Uso/Abuso de Drogas entre Crianças e Adolescentes no Ambiente Escolar A Prevenção do Uso/Abuso de Drogas entre Crianças e Adolescentes no Ambiente Escolar Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como parte dos requisitos para obtenção parcial do título de Especialista,

Leia mais

PREVENÇÃO AO TABAGISMO E CESSAÇÃO TABÁGICA NO BRASIL: PERSPECTIVAS SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

PREVENÇÃO AO TABAGISMO E CESSAÇÃO TABÁGICA NO BRASIL: PERSPECTIVAS SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM SAÚDE FINANCIAMENTO DA PESQUISA: PREVENÇÃO AO TABAGISMO E CESSAÇÃO TABÁGICA NO BRASIL: PERSPECTIVAS SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Rosane A. de Sousa Martins (Universidade Federal

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Apresentação da Disciplina Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 O Professor Graduado em Ciência da Computação

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais