Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Gestão Educacional Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Gestão Educacional Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Gestão Educacional Trabalho de Conclusão de Curso O USO INDEVIDO DE DROGAS: OPORTUNIDADE PARA A VIOLÊNCIA DESAFIO PARA A GESTÃO ESCOLAR Autora: Ludmilla Sedlmaier Morgado Orientadora: Prof.ª MSc. Relcytam Lago Caribé lia - DF Brasília - DF 2010

2 LUDMILLA SEDLMAIER MORGADO USO INDEVIDO DE DROGAS: OPORTUNIDADE PARA A VIOLÊNCIA DESAFIO PARA A GESTÃO ESCOLAR Artigo apresentado ao curso de Pós- Graduação em Gestão Educacional da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para a obtenção do Título de Especialista em Gestão Educacional. Orientadora: Relcytam Caribé, mestra em Educação. Brasília 2010

3 Artigo de autoria de Ludmilla Sedlmaier Morgado, intitulado O USO INDEVIDO DE DROGAS: OPORTUNIDADE PARA A VIOLÊNCIA DESAFIO PRA A GESTÃO ESCOLAR, apresentado como requisito parcial para a aquisição do título de Especialista em Gestão Educacional, da Universidade Católica de Brasília, em 02 de dezembro de 2010, defendido e aprovado pela banca examinadora abaixo assinada: Profª. MSc. Relcytam Lago Caribé Orientadora Pós-Graduação UCB Profª. MSc.. Neuza Fátima Maiochi Pós-Graduação - UCB Brasília 2010

4 O USO INDEVIDO DE DROGAS: OPORTUNIDADE PARA A VIOLÊNCIA DESAFIO PARA A GESTÃO ESCOLAR LUDMILLA SEDLMAIER MORGADO RESUMO: O Brasil e o mundo vivem um momento em que as drogas invadem, não apenas os morros e favelas, mas também as escolas e a vida dos adolescentes e de todos os envolvidos no processo educativo: família, professores e gestores. Dentro da família e diante da sociedade cigarro e álcool drogas legalizadas, são as mais consumidas e as que facilitam o acesso ao uso de drogas ilícitas. Os jovens, em busca de diversão, aventuras e grupos, partem em busca de novas experiências sem se darem conta do tamanho risco. Hoje, encontra-se com crianças e adolescentes fumando, bebendo, com inalantes e crack por todos os lados, nas festas, shows, nos semáforos ou mesmo nas portas das escolas, não há, portanto, uma discriminação de idade ou classe social, praticamente quase todos os jovens estão inseridos neste contexto de risco. A escola perdeu sua real significação educativa, percebe-se que muitos alunos vão à aula por obrigação e outros para passar o tempo, assim, o movimento das drogas são facilmente perceptíveis ao longo dos dias letivos, seja dentro ou fora de sala de aula. Apesar de desenvolverem tantos projetos, as escolas públicas ainda não conseguiram banir as drogas de seu meio, mesmo com tantas informações e políticas voltadas para o uso indiscriminado das drogas, os casos de uso, dependência química e violência só tem aumentado. Ainda assim, acredita-se que a escola é o principal veículo capaz de contornar esta situação, principalmente com uma boa gestão não na figura una, mas em conjunto, com planejamento participativo e no fazer compartilhado. Palavras-Chave: Educação. Drogas. Adolescentes.

5 INTRODUÇÃO A sociedade encontra hoje um novo perfil de jovem: hostil, agressivo e violento fruto de um contexto social complexo, que acaba por refletir comportamentos no local de maior convívio: a escola, a qual normalmente não tem preparação para enfrentar os transtornos causados por esses fatores. O uso indevido de drogas é um alarmante quando o assunto é violência e agressividade, sendo quase impossível desvincular a ligação entre elas. Na atual modernidade, as drogas (lícitas e ilícitas) fazem parte da vida da maioria dos jovens, e a experimentação e o uso rotineiro destas substâncias crescem de forma consistente a cada ano. Segundo Abramovay, a droga é uma das grandes geradoras de violência, dentro e fora da escola, pois ela é usada e comercializada em suas dependências e proximidades. O livre acesso de usuários e de traficantes nas proximidades da escola tende a influenciar outras crianças e jovens, além de facilitar o indício de diversas formas de violência, como: furtos, estupros, vandalismo, ameaças, brigas de gangues, etc. (...) Entre as diversas manifestações de violência, que são trazidas de fora para dentro das escolas, tornado-as sitiadas (Guimarães, 1998) destacam-se as gangues e o tráfico de drogas. O clima de insegurança nos arredores de determinadas escolas tem como agravante a formação de gangues, as quais vão dos grupos de amigos, turmas de bairros, de quadra, até o grupo de bandidos (traficantes, assaltantes e ladrões) e que, em muitos casos, contam com alunos como seus membros. (...) (Abramovay, Violência nas Escolas, p. 110 / 111.). Como se sabe, a adolescência é uma fase complexa, diversas mudanças ocorrem, tanto no físico como no intelectual e emocional, e são próprias deste período: a busca de identidade e a curiosidade, que repercutem na realização de diversas experiências, inclusive ao consumo de drogas, que pode originar, ou não, o uso sistemático. O que advém destas experiências é o fato destes jovens estarem ou não em situações de risco, ou seja, os fatores emocionais, familiares e ambientais de maior ou menor intensidade, que podem fazer com que eles estejam mais próximos ou mais afastados do uso destas substâncias, porém, o uso sistemático de determinada droga depende, além do contexto em que o adolescente está inserido, quais as características da pessoa e da própria droga. Desta forma, apesar de relacionar com clareza a relação entre o consumo de drogas e violência escolar, é preciso entender as causas e as consequências do fenômeno, pois os jovens da atualidade estão desorientados, sem perspectiva de vida e objetivos, e cabe à escola tentar ajudá-los, focar nas situações de risco e buscar apoio da família e, gradativamente, minimizar este quadro. Este artigo tem como objetivo mostrar e analisar uma escola pública da periferia de Brasília, a partir de dados e índices do uso de drogas em âmbito local e nacional, enfatizando quais os maiores problemas enfrentados, quais os caminhos percorridos por esta gestão e o que ainda falta percorrer para se reestruturar, na busca incessante pela paz e pela prevenção ao uso indevido de drogas.

6 DESENVOLVIMENTO 1. Histórico do Uso Indiscriminado de Drogas De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o termo droga é qualquer substância (não produzida pelo organismo), que age diretamente sobre um ou mais de seus sistemas, alterando o seu funcionamento. São variados os tipos e suas funções, nem todas completamente boas ou más desde os medicamentos até as drogas psicotrópicas. O álcool é a droga mais consumida no mundo inteiro. As pessoas bebem ou por ser de grande aceitação social ou ser estimulado pela sociedade em geral o certo é que ambos servem de influência para crianças e jovens, pois a experimentação inicial se dá ao fato de o adolescente ter amigos consumidores, ou mesmo quando os pais são consumidores de álcool ou de tabaco. Veja tabela abaixo: Ranking Internacional de consumo de álcool puro em litros per capita entre a população com 15 anos ou mais, em países selecionados, Países Posição Total França 6º 13,45 Reino Unido 22º 10,39 Argentina 40º 8,55 EUA 41º 8,51 Canadá 43º 8,26 Chile 71º 6,02 Brasil 80º 5,32 (WHO 2004, p. 11/12). Parece uma situação confortável se comparado aos outros países, mas o consumo de álcool no Brasil vem aumentando rápida e intensamente, mesmo porque o dado é do ano de Um levantamento de uso de drogas no Brasil, com informações nas maiores cidades, com pessoas de 12 a 65 anos, de ambos os sexos, nos anos de 2001 e 2005, demonstra que o maior consumo ainda é o de drogas legalizadas como o álcool e o tabaco. Comparação das prevalências do uso na vida de diferentes drogas psicotrópicas (exceto álcool e tabaco), entre os levantamentos domiciliares realizados em 2001 e Drogas 2001 (%) 2005 (%) Qualquer Droga 19,4 22,8 Maconha 6,9 8,8 Solventes 5,8 6,1 Cocaína 2,3 2,9 Estimulantes 1,5 3,2 Benzodiazepínicos 3,3 5,6 Orexígenos 4,3 4,1 Xaropes (Codeína) 2,0 1,9 Alucinógenos 0,6 1,1 Esteróides 0,3 0,9 Crack 0,4 0,8

7 Barbitúricos 0,5 0,7 Antcolinérgicos 1,1 0,5 Opiáceos 1,4 1,3 Merla 0,2 0,2 Heroína 0,1 0,09 (CEBRID/SENAD I e II Levantamentos Domiciliares sobre Uso Indevido de Drogas Psicotrópicas no Brasil 2001 e 2005.) Provavelmente devido sua legalidade, álcool e tabaco lideram o ranking de consumo, mas vale lembrar que, muitos jovens consomem, além do álcool e do cigarro, também algum produto ilícito, principalmente em shows, festas e Raves (um tipo de festa de longa duração, normalmente acima de 12 horas, que acontece longe dos centros urbanos, ou galpões, com música eletrônica), ou seja, os lícitos nunca estão sozinhos. (...) o jornal Estado de Minas apresentou uma reportagem de três páginas sobre a praga das raves, afirmando que as festas estão fora de controle e que elas se multiplicam em ritmo acelerado em sítios da Região Metropolitana de Belo Horizonte e do interior, sobre a polêmica da proibição desse tipo de evento no estado devido ao uso das drogas sintéticas, principalmente o ecstasy e o ácido lisérgico (LSD) que geralmente são comercializadas nesse tipo de evento, não só em Minas, mas em todo o Brasil e no mundo. (http://pt.wikipedia.org/wiki/brasil/raves.) Nas escolas públicas, através de diversas observações, os jovens costumam se envolver com inalantes (cola de sapateiro e solventes) e até mesmo o crack, o qual é mais barato que as outras drogas, sobretudo a maconha, porém os dados realizados anteriormente pelo CEBRID, com estudantes, diz que álcool e tabaco destacam-se e que a maconha é a droga ilícita mais consumida no Brasil. Análise de tendência do consumo (uso na vida) de vários psicotrópicos entre estudantes da 5ª série do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio, em dez capitais Brasileiras, em diferentes anos. DROGA Solventes Xaropes 17,3% 15,4% 13,4% 15,5% Ansiolíticos 5,9% 7,2% 5,3% 5,8% 4,1% Anfetaminas 2,8% 3,9% 3,1% 4,4% 3,7% Maconha 2,8% 3,4% 4,5% 7,6% 5,9% Cocaína 0,5% 0,7% 1,2% 2,0% 2,0% Anticolinérgicos 0,5% 1,0% 1,4% 1,3% 1,2% Barbitúricos 1,6% 2,1% 1,3% 1,2% 0,8% Xaropes 1,3% 1,5% 1,3% 1,0% 0,4% (CEBRID. V Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras, 2005.) Pode-se notar que o consumo de drogas é um caso notadamente relevante entre os jovens do Brasil, diversos tipos de substâncias psicoativas são consumidas por quase toda a sociedade, para variadas finalidades, o fato é que, pelos dados do Escritório da Nações Unidas contra Drogas e Crime, a grande maioria da população já usou ou experimentou algum tipo de droga na vida.

8 (...) no mundo todo, cerca de 200 milhões de pessoas quase 5% da população entre 15 e 64 anos usam drogas ilícitas, pelo menos, uma vez por ano, dentre estas, a mais consumida é a maconha, (UNODC, 2006.) Drogas mais usadas - % de uso na vida DROGAS Álcool 68,7 74,6 Tabaco 41,1 44,0 Maconha 6,9 8,8 Solventes 5,8 6,1 Orexígenos 4,3 4,1 Benzodiazepínicos 3,3 5,6 Cocaína 2,3 2,9 Xaropes (Codeína) 2,0 1,9 Estimulantes 1,5 3,2 (CEBRID. V Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras, 2005.) É importante comentar que, normalmente, o consumo de drogas lícitas, especialmente o álcool, inicia-se na própria família, o jovem, seguindo os modelos advindos de sua família, recorre ao álcool como forma de prazer e/ou fuga, e como quase nunca é o suficiente, logo mais tarde esse mesmo adolescente, com alguns amigos, recorre aos outros tipos de drogas, como inalantes, solventes, maconha, crack, etc. (...) Por ser socialmente aceito, o álcool é incorporado como elemento de sociabilidade em todas as camadas sociais. Encontram-se vários casos de alcoolismo de pais, irmãos ou parentes dos jovens, em geral. Já a droga ilícita os inalantes, a maconha, o crack, ou outros começa a ser consumida geralmente fora do espaço da família, a partir de uma relação de amizade ou de pertencimento a um grupo. (...) (Abramovay, Cultivando Vidas, Desarmando Violências, 83.) O adolescente precisa pertencer a um grupo, e neste momento ele acaba se desvinculando da família, procurando por outras pessoas mas ele também precisa de apoio, amor, carinho e limites coisas que só lhe serão fornecidas pela família, a qual muitas vezes não está disponível, nem preparada para oferecer. A droga aparece para o adolescente como uma ponte para estabelecer os encontros e laços sociais, pois ele procura sua própria identidade, assim, a família pode ou não ser a estrutura básica para a formação da pessoa, possibilitando, através de uma boa educação e de exemplos positivos, que o adolescente se oriente através de uma conduta longe do consumo de drogas e, portanto longe da violência. 2. As Políticas Antidrogas Brasil e Distrito Federal No ano de 1998, o Governo Federal cria o Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas CONAD, para articular e coordenar as atividades de prevenção do uso

9 indevido de drogas, a atenção e a reinserção social de usuários e dependentes e gerir o Observatório Brasileiro de Informações sobre Drogas - OBID e o FUNAD. Além do CONAD, que está diretamente ligado à Presidência da República, há também o CEAD Conselhos Estaduais de Políticas sobre Drogas e o COMAD Conselhos Municipais de Políticas sobre Drogas. Com o intuito de prevenir e, talvez, erradicar as drogas do âmbito juvenil, a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas SENAD, através das pesquisas do Observatório Brasileiro de Informações sobre Drogas OBID, desenvolveu três eixos de atuação no combate às drogas: A realização de um diagnóstico situacional, sobre o consumo de drogas, seu impacto nos diversos domínios da vida da população e as alternativas existentes. Este diagnóstico vem se consolidando, por meio de estudos e pesquisas de abrangência nacional, na população geral e naquelas específicas que vivem sob maior vulnerabilidade para o consumo e o tráfico de drogas. A capacitação dos atores sociais que trabalham diretamente com o tema drogas, e também de multiplicadores de informações de prevenção, tratamento e reinserção social. Esse esforço tem permitido a formação e a articulação de uma ampla rede de proteção social, formada por conselheiros municipais, educadores, profissionais das áreas de saúde, de segurança pública, entre outros. A implantação de projetos estratégicos de alcance nacional que ampliam o acesso da população às informações, ao conhecimento e aos recursos existentes na comunidade. Também no cenário internacional, o Brasil além de participar dos principais fóruns de discussão sobre o tema vem fomentando a cooperação por meio de acordos com organismos internacionais e com países das Américas, Europa e África. (SENAD/ OBID) A Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, em parceria com as diversas Universidades Federais do País, tem executado cursos gratuitos, de extensão, na modalidade à distância, com vistas em formar pessoas capazes de disseminar a prevenção do consumo de drogas, como os relacionados na tabela abaixo. CURSO VAGAS 2010 INVESTIMENTO SUPERA 5 mil R$ ,00 Fé na Prevenção 5 mil R$ ,00 Curso de Conselheiros 15 mil R$ ,00 Curso Atividade Judiciária 15 mil R$ ,00 Curso para Educadores 25 mil R$ ,00 TOTAL 65 mil R$ ,00 Tabela de número de vagas ofertadas e investimento por curso. O Governo do Distrito Federal, consciente da problemática da violência e do agravante com as drogas, em 2008 criou o manual Violência e Escola: definição, encaminhamento e prevenção, com a intenção de orientar os gestores educacionais. O manual foi criado através de uma pesquisa, com 106 perguntas e respostas, todas relacionadas à violência escolar, e a Secretaria de Educação desenvolveu um

10 Plano de Convivência Escolar, de acordo com os fundamentos desta pesquisa, a qual foi executada pela RITLA Rede de Informação Tecnológica Latino Americana. Vale frisar que o Distrito Federal foi o primeiro, no Brasil, a desenvolver um estudo deste porte, com o intuito de melhorar a qualidade do processo de ensino / aprendizagem e na resolução de conflitos. Para as escolas públicas, a Secretaria de Educação oferece aos professores cursos relacionados à prevenção ao uso indevido de drogas, ao bullying e violência. Na Regional de Ensino de Ceilândia há um ciclo de palestras para os professores com temas variados, e todos relacionados à violência. Apesar de muito se falar e listar diversos fatores que abordam o assunto, por que as drogas ainda causam tantos estragos nas escolas do Distrito Federal? Qual o caminho que a escola precisa percorrer para evitar que tantos dos seus adolescentes se percam no mundo das drogas? Não há uma resposta pronta. Cada escola e cada adolescente é um ser único, não há generalização, mas ao analisar uma escola e os seus adolescentes, bem como a sua gestão, pode ser que algumas repostas apareçam ou comecem a surgir. 3. A Ceilândia e o Centro de Ensino Fundamental 24 A palavra Ceilândia vem de CEI Comissão de Erradicação de Invasões criada no ano de 1969, pelo então governador Hélio Prates, ao reconhecer a gravidade do problema de se haver, em Brasília, em torno de favelados, para uma população de 500 mil habitantes em todo o Distrito Federal. Hoje Ceilândia possui mais de habitantes (18% da população do DF). Localizada na periferia de Brasília, sabe-se que hoje, Ceilândia apresenta um dos maiores casos de desemprego, má distribuição de renda, desigualdade social, precariedade no acesso aos serviços públicos, mostrando sua dura realidade: violência em excesso, exclusão, drogas e baixo poder aquisitivo. O Centro de Ensino Fundamental 24 está localizado no setor QNQ, na Ceilândia Norte, próximo ao Setor de Indústria e abaixo da Expansão do Setor O. A escola foi construída em 1997 e está em funcionamento desde 1998, atendendo em média, 500 alunos por turno (até os dias atuais), sendo assim distribuídos: ensino fundamental, do 6º ao 9º ano, nos turnos matutino e vespertino; e o ensino médio e educação de jovens e adultos, no noturno. A escola é atendida pelos projetos assistencialistas do governo local (Renda Minha, Bolsa Escola, Reforço Escolar), os quais colaboram na frequência do aluno, mas não garante a ele a formação cidadã, a educação primordial, a consciência de ser humano merecedor de valor e de formação justa. Assim, encontramos alunos obrigados a irem à escola para não perderem os benefícios, mas onde a educação não consegue se fazer presente em sua vida. Desde a sua inauguração, o CEF 24 sempre pareceu ser um reflexo de sua cidade: excesso de violência, baixo rendimento, reprovação, indisciplina, desrespeito, agressão, vandalismo, uso de drogas, dentre outros problemas que generalizam para agravar as dificuldades do sucesso escolar. E como quase todas as escolas públicas do Distrito Federal, o Centro de Ensino Fundamental 24 de Ceilândia está envolvido em muitos casos relacionados à violência, e quase todos relativamente interligados ao consumo de drogas, tais como agressividade, roubos, gangs, e evasão escolar.

11 Além de informações visuais cotidianas (relatos de professores e servidores) sobre os mais variados episódios ocorridos no CEF 24 nos últimos tempos, encontramse na escola, registros que constam a partir do ano de 2007, dos quais foram selecionados os mais comuns e mais freqüentes e relacionados na tabela abaixo: Problemas Ameaças (funcionários, alunos, etc.) X X X X Assédio (entre alunos) X X X Brigas (em sala, dentro e fora da escola) X X X X Bullying X X X Danos ao Patrimônio e Pichações X X Desacato (aos funcionários) X X X Fugir da escola (matar aula) X X X X Fumar (dentro e fora da escola) X X Furto (em sala de aula e nas proximidades) X X X X Não fazer atividades X X X X Não trazer o material escolar X X X X Não usar o uniforme X X X X Porte de arma (dentro da escola) X X Porte de bebidas alcoólicas (dentro e fora) X Problemas familiares X X X X Uso de drogas (dentro e fora da escola) X X X X É perceptível que os problemas da escola não se alteram, muitos acabaram, como a pichação e o vandalismo, mas em compensação, os casos de brigas, ameaças, desrespeito, furto e consumo de drogas se mantiveram ou intensificaram gradativamente. Parece haver uma mudança ou variação na intensidade dos conflitos. Outro fator a ser considerado é que os casos que se mantiveram até o ano de 2010, como: ameaças, brigas, matar aulas, furtos, não fazer as atividades escolares e porte de armas, podem estar relativamente relacionados ao uso de drogas, ou seja, são exemplos de violência que podem ser (ou não) geradas pelo uso de drogas. Hoje, no Centro de Ensino Fundamental 24, existem vários projetos, os quais fazem toda a diferença, há uma maior participação dos alunos e uma total preservação do aspecto físico da escola, e principalmente, melhoria no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, como se pode ver no quadro abaixo: CEF Meta para 2021 IDEB Observado 1,8 3,6 4,6 (INEP) Desde o ano de 2007 a escola participa do Programa Escola Aberta (parceria entre SEEDF, Ministério da Educação e UNESCO); e desde este ano de 2010 desenvolve o Programa Escola Integral, proporcionando aos alunos, em turno contrário às suas atividades curriculares, outras atividades pedagógicas para seu aprimoramento, e o melhor, retira-os das ruas em períodos de ociosidade. Porém existe, ainda, uma coisa que incomoda o CEF 24, o uso indevido de drogas, dentro e em suas proximidades. Durante o ano de 2010, houve muita evasão, bem como muitas transferências sendo algumas relacionadas à problemática das drogas, em que os alunos, ou largam a escola para se entregarem ao vício, ou a

12 instituição não sustenta a permanência do adolescente usuário de drogas no ambiente escolar. A escola, através dos seus gestores, procura modificar esta situação, mas ainda sabemos que educação só dá resultados em longo prazo, neste caso, é fundamental que se faça uma série de trabalhos e projetos em conjunto com pais de alunos e comunidade, visando a formação integral do cidadão, construindo e promovendo a aprendizagem no exercício consciente da cidadania. (Proposta Pedagógica CEF 24, 2010) O CEF 24 A Comunidade e as Possibilidades de Atuação Quase sempre em um contexto meio problemático, o CEF 24 vem construindo estratégias de intervenção que abarquem as suas deficiências, como por exemplo, a implementação de projetos com vistas a envolver toda a comunidade escolar em um bem comum. Projetos da Instituição Projetos da SEEDF Cidadania Ciência em Foco Escola Integral: Gincana do Conhecimento Matemática em Foco Inclusão Digital Intervalo Dirigido Português em Foco Oficina de Matemática Feira Cultural Olimpíadas da Matemática Horta Bullying Olimpíadas da Língua Letramento Portuguesa Superação Jovem Escola Integral Escola Aberta Portal do Aluno (MEC)* (*Projeto experimental do Ministério da Educação, desde setembro de 2010). Apesar de tantas iniciativas, é perceptível que a sobrecarga causada pelos projetos da Secretaria de Educação, que além de não oferecerem uma boa formação aos profissionais, também não contribuem, suficientemente, com o suporte físico e material, gerando um detrimento nas expectativas e no andamento relacionado às programações internas que podem não ser devidamente desenvolvidas. Observa-se uma efetiva participação da comunidade, principalmente, do Projeto Escola Aberta, porque tem um reflexo imediato em sua vida, porém são poucos os participantes que aparecem nas convocações da escola para reuniões, palestras, etc. É notável, em boa parte, o desinteresse por parte dos familiares, pois a maioria dos adolescentes desta comunidade é educado por parentes mais próximos, como avós e tios, e também são poucos os que convivem com o pai e/ou a mãe, muitos nem conhecem um dos genitores, além de existirem vários casos de pais/mães presidiários (por assaltos e/ou tráfico). Muitos destes aspectos são explicitamente refletidos na vida de um adolescente, ele não se percebe como um ser sociável, amado, responsável e merecedor. É nítido o quanto ele é menosprezado e ignorado, mesmo em sua convivência doméstica. A escola seria seu último recurso, e que normalmente, não tem muito a oferecer, então ele recorre às ruas, às drogas e consequentemente, à violência, entre tantas outras coisas A Gestão e a Construção do Fazer Compartilhado

13 A questão das drogas, como se sabe, é um problema que abrange o mundo inteiro. Os usuários de drogas ilegais correspondem a uma pequena parcela se comparados aos usuários de drogas legais como o álcool e o cigarro, matando em torno de milhões de pessoas por ano, e as drogas ilegais matam aproximadamente 200 mil usuários no mesmo período. Cerca de 208 milhões de pessoas-- 4,9% da população mundial-- usaram drogas ao menos uma vez nos últimos 12 meses, e 26 milhões --0,6% da população-- são dependentes de drogas.. (Folha.com, 2008.) Pelos dados da UNODC United Nations Office on Druggs and Crime, o Brasil é o segundo maior mercado de cocaína das Américas, perdendo apenas para os EUA e a maior concentração de usuários se concentra nas regiões Sul e Sudeste do país. Além disso, o Brasil é responsável pelo maior volume de maconha apreendido na América do Sul, no último ano, e essa maconha produzida aqui é apenas para uso doméstico, mesmo assim, seu consumo duplicou, entre os anos de 2001 e 2005, pelos dados do CEBRID - Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. Um estudo realizado em São Paulo revelou que as drogas lideram quando o assunto é violência, e mesmo com capacitação e cursos para os professores, muito pouco tem se resolvido, tanto na escola pública, quanto na escola particular, pois os adolescentes continuam cada vez mais envolvidos com as drogas, sejam as mais baratas ou as mais caras dependendo do seu poder aquisitivo. (...) A Secretaria Municipal de Educação disse que mantém um curso de formação para professores de prevenção sobre o uso de drogas. Os sindicatos dos professores e das escolas particulares não se manifestaram. Na rede pública, são encontradas as drogas mais baratas. Uma pedra de crack pode custar R$ 5,00. Na particular, as mais caras, entre elas as sintéticas. Um comprimido de ecstasy sai por R$ 50,00. 'Aqui na escola, o que mais vemos é o pessoal fumando maconha. Sempre que eu vejo, procuro ir para o lado oposto', contou um aluno, que pediu para não ser identificado, de uma escola pública da Zona Oeste. (...). (O Estado de São Paulo, 2007.) Desta forma, percebe-se que o Centro de Ensino Fundamental 24 de Ceilândia não é o único, mas apenas mais um que enfrenta a cruel realidade das drogas, algo que está latente, dentro e fora do país, bem como, dentro e fora da escola. Para começar, é preciso que a escola pública, assim como toda a população, realmente compreenda o real significado da Gestão Democrática, pois apesar de falar tanto, pouco é utilizado. A gestão compartilhada gere de forma mais participativa e dinâmica, com atitudes colaborativas como solução organizacional. Ela investe nas relações entre todos os membros da comunidade escolar, em que se favorece a concretização do processo educativo. O CEF 24, já foi considerado uma das piores escolas desta localidade e, apesar de melhorar em vários aspectos, até mesmo o seu IDEB, como já demonstrado neste artigo, mantém contínua a problemática relacionada às drogas, mas modifica este quadro através de um empenho constante e da busca incessante de fazeres compartilhados.

14 Muitos problemas já foram solucionados na escola desde o ano de 2007, como relatado anteriormente, não há mais vandalismo, depredação e pichações. A escola permanece limpa e organizada nestes três anos, porém, os casos de consumo de drogas se tornam cada vez mais críticos. Antes, o uso de drogas limitava-se apenas às proximidades da escola, hoje os alunos levam a droga para a escola, inclusive para a sala de aula, e é neste sentido que se precisa estabelecer um trabalho em conjunto, pois somente focar a violência não é o suficiente para estabelecer a paz em um ambiente escolar. Quando se tem acesso às informações de advertências, suspensões e transferências dos alunos, variados são os motivos (como analisados anteriormente neste artigo) mas o que depreende é que, os registros com relação às drogas, modificaram, se intensificaram, como observado-se na tabela abaixo: Fumar na escola Porte de drogas na escola Bebida Alcoólica na escola Uso de drogas na sala de aula Uso de drogas na escola Uso de drogas na escola Uso de drogas na escola Uso de drogas na escola Uso de drogas nas proximidades Uso de drogas nas proximidades Uso de drogas nas proximidades Uso de drogas nas proximidades No ano de 2007, o adolescente se limitava a fumar escondido no banheiro e/ou escondia a bebida alcoólica para ser consumida nos passeios da escola; a maconha era usada na quadra de esportes, nos fundos da escola ou fora do ambiente escolar muito diferente do ano de 2010, em que o aluno não se importa em levar a droga para dentro da escola, repassá-la aos colegas e ainda consumi-la perante os amigos e do professor. Essa análise foi feita, não apenas pelos registros da escola, mas pela vivência e observação dos professores e coordenadores, os quais já conseguem, de certa forma, perceber qual o aluno que chega alterado na sala de aula, tanto na entrada do turno, quanto após o intervalo. Apesar de toda luta em busca de soluções, o CEF 24 ainda não conseguiu estabelecer, efetivamente, um caminho de luta contra as drogas, ainda é preciso reformular uma infinidade de papéis e posturas selecionar, organizar e saber como desenvolver os projetos determinados, mobilizando efetivamente o corpo docente, para que se possa colher os frutos, o mais rápido possível. Não há como desenvolver bem os projetos da escola se a mesma encontra-se deficitária em seu ambiente físico ou se há uma alta rotatividade no corpo técnicopedagógico fatores que contribuem para a ruptura da qualidade da educação e dificultam a construção de um trabalho crítico, construtivo e duradouro. Projetos de não violência, cultura da paz, uso indevido de drogas e educação sexual, de preferência inseridos de forma inter e multidisciplinar, mas com a participação dos pais e da comunidade, fariam toda a diferença em um sistema educacional sem muitas perspectivas, como no caso da maioria das escolas públicas do DF, sobretudo o CEF 24. É importante lembrar que gerar a paz não é apenas excluir conflitos, construir a paz é ter consciência da verdadeira educação, ter amor ao que se faz, efetivar diálogos, debater ideias, respeitar o próximo e saber estabelecer vínculos sobre as relações humanas nas suas mais complexas situações de amor e de risco.

15 (...) se por um lado chama-nos à responsabilidade, também funda uma esperança: a violência não é uma fatalidade inexorável, mas colocada pelos humanos, pode ser retirada e trabalhada pelos mesmos humanos que a construíram. (...) (Guimarães, Marcelo Rezende I Seminário Nacional de Educação. P. 40). Portanto, não basta apenas que a direção de uma escola queira fazer todas as mudanças necessárias, o sucesso escolar está muito além disso antes de tudo é preciso o envolvimento coletivo, a participação efetiva da comunidade escolar, principalmente dos pais e professores. A gestão compartilhada, bem compreendida e aplicada, transcende ao simples gerir, ela implementa fazeres educacionais que constroem as relações interpessoais, resgata crianças e adolescentes em situações de risco, e principalmente, favorece o desenvolvimento do processo de ensino/aprendizagem.

16 DESFECHO Não há como não abordar o assunto, as drogas estão em todos os lugares mesmo no cotidiano das pessoas que não usam, pois os fatos aparecem na mídia, na rua, nos semáforos, nas esquinas e até mesmo nas escolas, principalmente porque os adolescentes são os mais suscetíveis e vulneráveis às drogas. Por carência afetiva, medo, abandono, busca por novos grupos, busca por prazer, mudanças no corpo e na personalidade, insegurança e uma infinidade de características expõem os alunos aos fatores de risco ao uso indiscriminado de drogas. Neste pensamento, o que a escola pode e deve fazer para reparar danos e reverter este quadro, em um momento tão conflituoso, sob prismas tão individualistas, em que a sociedade concentra suas energias no consumo, nos padrões de beleza, na falta de intelectualidade, e na falta de perspectivas? Assim, em uma existência em que não há espaço para o amor, a cultura, a compreensão, a solidariedade, os jovens são facilmente seduzidos pelas drogas, como se pode ver no relato abaixo. (...) O medicamento, conhecido como Rohypnol, passou a fazer parte da conversa de crianças e adolescentes há cerca de um ano. Ultrapassou os muros das escolas e é o combustível para festas que recebem o nome de frevo ou bolo doido em que, além do remédio, há bebida, maconha, cocaína e sexo em grupo denunciadas pelo Correio em 13 de abril deste ano. Diretores de três escolas de Ceilândia confirmaram que os comprimidos invadiram as instituições.(...) (Notícia PMDF, 2008.) A escola analisada, apesar de ainda vivenciar sérios problemas relacionados às drogas, já obteve uma melhora considerável em relação aos seus anos anteriores, mas ainda faz-se necessária a busca de soluções para o enfretamento dos males do século: a violência e as drogas. Foi perceptível quão ampla se faz uma gestão educacional, quantos envolvidos e quantos podem realmente ajustar o foco às pequenas, e quase limitadas, ações do dia a dia e, consequentemente, buscar atingir os objetivos estabelecidos pela educação de qualidade. O papel de uma gestão inovadora é fundamental, contanto com a possibilidade do diálogo e todos abertos às mudanças necessárias; uma direção que zele pelos relacionamentos e pelo respeito, tanto do meio educacional quanto de toda a comunidade. Uma liderança capaz de criar um elo de confiança e de valorização do professor e do aluno, sobretudo através do trabalho coletivo. É necessário também remodelar o espaço físico das escolas, permitindo que a escola seja um lugar para todos, e assim, efetivar o projeto de Escola Integral, possibilitando, em turno contrário, cursos de línguas, reforço escolar, informática e esportes tirar, literalmente, os adolescentes das ruas As escolas precisam que a sociedade perceba sua real existência e o seu verdadeiro valor, esgotando suas possibilidades e de uma participação mais efetiva em todas as áreas; precisam de conselhos escolares mais ativos; e de políticas públicas que realmente olhem por elas. Muitas ações no CEF 24 já foram realizadas, mas ainda vale à pena aperfeiçoar os projetos em andamento e incentivar os profissionais, faz-se necessário também resgatar e orientar os pais e a comunidade local para que haja a permanência dos jovens

17 na escola, bem como para a aquisição de novos conhecimentos, pois muitos ignoram os acontecimentos ou não sabem lidar com a situação. A articulação e desenvolvimento dos projetos devem ser acompanhados mais intensamente, assim como oferecer, em alguns aspectos, uma maior participação da comunidade e dos alunos no planejamento, sobretudo ao que diz respeito aos seus reais interesses como aluno participante. É de fundamental importância que a relação professor / aluno ocorra de forma saudável, criativa e coerente com o contexto, permeada de respeito, limites, crescimento e aprendizagem para ambos bem como a relação entre o corpo docente e os gestores da escola, que deve facilitar o processo de comunicação / relação. Porém, para prevenir o uso indevido de drogas, principalmente em escolas públicas que lidam com elas em seu cotidiano, não basta apenas informar, é preciso ir muito além buscar intervir nos fatores de riscos agir identificar os adolescentes vulneráveis e buscar ajuda especializada, para ao menos, tentar reverter os processos complexos a que esse aluno se expõe. As escolas públicas do Distrito Federal, inseridas no sistema de Gestão Compartilhada, possuem em suas mãos, a chave para estabelecer uma educação de qualidade, com foco para a formação de cidadãos conscientes, com a promoção da aprendizagem e das relações sociais, banindo de seu meio as drogas e a violência. O CEF 24, como muitas escolas públicas do Distrito Federal, é apenas mais uma das muitas relegadas, que se sustentam pelas mãos de quem ainda acredita que a educação vale a pena, que educação move o mundo e transporta sabedoria, pessoas que amam o que fazem e fazem com carinho, simplesmente em busca de uma escola de qualidade uma escola sem violência, livre de drogas, e em busca da paz.

18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ABRAMOVAY, M. e RUA, Mª das Graças. Violência nas Escolas. Brasília: UNESCO, CASTRO, M. Garcia e ABRAMOVAY, Miriam. Cultivando Vida Desarmando Violências. Brasília: UNESCO, Curso de Prevenção ao Uso Indevido de Drogas para Educadores de Escolas Públicas. Vários Colaboradores. Brasília: SENAD. 4. I Seminário Nacional de educação Escola Reflexiva: Educação para e na Cidadania. SMED. Rio Grande do Sul, Wold Health Organization. Global Status report on alcohol. Genebra: Wold Health Organization, UNODC. Texto de referência disponível em: ooldrug_imp.pdf 7. Wikipédia. Texto de referência disponível em: 8. SENAD / OBID. Texto de referência disponível em: pdf 9. INEP. Texto de referência disponível em: 10. Folha.com. Texto de referência disponível em: 11. O Estado de São Paulo. Texto de referência disponível em: 12. PMDF. Texto de referência disponível em: 13. CEBRID. Texto de referência disponível em: http// /sitenovo/default.aspx 14. Projeto Político Pedagógico do Centro de Ensino Fundamental 24 de Ceilândia, 2010.

19 5. ANEXOS: CEF 24 - Janeiro de 2007 CEF 24 Julho de 2010

O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, 1 O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, A atual posição do Brasil no que se refere ao consumo de drogas ilícitas é assustadora.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas Maria Izabel Azevedo Noronha Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas SEGUNDO PESQUISA, VIOLÊNCIA EM ESCOLAS DE SP ATINGE 4 EM 10 PROFESSORES E REVELA QUE MAIS DA METADE CONSIDERA SUA

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens O que é o PSE? O PSE é uma política intersetorial do Saúde e do, instituído em 2007, por decreto presidencial.

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Violência, escola e segurança

Violência, escola e segurança Violência, escola e segurança diagnóstico para diretores(as) Prezado(a) diretor(a), A 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (CONSEG), realizada pelo Ministério da Justiça (MJ), representa um marco

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 E como está a juventude HOJE aos olhos da sociedade? - 22% perderam a virgindade antes dos 15 anos - 18%

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO

GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO Autoras: Elisane Cristina Kolz Rieth Lisandra Schneider Scheffer Marilan de Carvalho Moreira Observatório

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

LISTAS DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS

LISTAS DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS LISTAS DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS FIGURAS Figura A Distribuição das porcentagens da amostra total e população total por sexo. 41 Figura B Distribuição das porcentagens da amostra e da população, para

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO ALENCAR 1, Islany Costa BATISTA 2, Lais Duarte CRUZ 3, Pedro José Santos Carneiro Cruz SIMON 4, Eduardo

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

SENADO FEDERAL DIGA NÃO ÀS DROGAS SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL DIGA NÃO ÀS DROGAS SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL DIGA NÃO ÀS DROGAS SENADOR CLÉSIO ANDRADE Diga não às drogas apresentação A droga oferece um único caminho: começa pela busca do prazer e da euforia e acaba no inferno para manter o vício.

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF META 4 Universalizar o atendimento educacional aos estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, independente da idade, garantindo a inclusão na

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Projeto de banda de fanfarra o SALVADOR

Projeto de banda de fanfarra o SALVADOR Projeto de banda de fanfarra o SALVADOR Alexander Santos Silva Projeto de implantação de uma atividade sócio educacional apresenta a Prefeitura Municipal de Salvador do Estado da Bahia. Salvador Fevereiro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Implantar o Plano Diretor. Implantar o Orçamento participativo. Valorização pessoal do funcionário público municipal. Implantação

Leia mais

Ações do Ministério da Educação no enfrentamento ao Trabalho Infantil

Ações do Ministério da Educação no enfrentamento ao Trabalho Infantil MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação em Direitos Humanos e Cidadania Ações do Ministério da Educação no enfrentamento

Leia mais

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 3 Você já deve ter percebido que a família é a base de tudo, tendo papel decisivo na formação do sujeito e da própria sociedade. Sabendo da relevância do

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar

As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar CAMARA DOS DEPUTADOS As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar Lúcio Henrique Xavier Lopes XII Encontro da Associação dos Secretários- Gerais dos Parlamentos de Língua Portuguesa CAMARA

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ TEMA PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES Educação para a Paz Aplicadores:

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013 PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013 PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 3 a 30 de junho de 013 PROJETO BRA/04/09 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. TRILHAS Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS A Política Estadual sobre Drogas em Minas Gerais Conferencista: Dr. Cloves Eduardo Benevides

Leia mais

I PRINCIPAIS RESULTADOS GERAIS DO BRASIL - 2005

I PRINCIPAIS RESULTADOS GERAIS DO BRASIL - 2005 32 Brasil I PRINCIPAIS RESULTADOS GERAIS DO BRASIL - 2005 I Dados Gerais 1. População brasileira: 169.799.170 habitantes* (atualmente quase 180 milhões) 2. População das 108 cidades brasileiras pesquisadas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO EE PROF.ª MARIA IGNÊS ARAÚJO PAULA SANTOS" PLANO DE GESTÃO QUADRIÊNIO 2014/2018 1. Identificação e Caracterização da Escola 1.1 - Identificação EE Profª. Maria Ignês Araújo

Leia mais

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Um mundo sem droga ONU, 1998 - Uma Utopia? José Mauro Braz de Lima Professor Associado da Faculdade de Medicina UFRJ. Diretor Geral do HESFA Hospital Escola São Francisco

Leia mais

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Introdução. O abuso de drogas é considerado, atualmente, um dos maiores problemas da nossa sociedade. A situação vem se agravando cada

Leia mais