Escolas em Grande Plano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escolas em Grande Plano"

Transcrição

1 Escolas em Grande Plano Integração do Vídeo na Educação e na Escola Trabalho realizado por: Elisa Castro e Fátima Chavarria Mestrado em Educação Tecnologia Educativa Tecnologia do Vídeo Docente: Doutor Bento Silva UM 2004/2005

2 Escolas em Grande Plano Integração do vídeo na educação e na escola Elisa Castro 1, Fátima Chavarria 2 Universidade do Minho, Portugal Maio 2005 Resumo A escola por si só, não tem muitas vezes capacidade para manter actividades que promovam uma verdadeira Educação para os media. Não necessita porém de ser isoladamente o garante de aprendizagens diversificadas, podendo estabelecer ligações com outras instituições. A Ao Norte Associação de Produção e Animação Audiovisual de Viana do Castelo, através de um projecto denominado Escolas em Grande Plano, tem vindo a estabelecer uma ponte com as escolas do distrito de Viana do Castelo, de modo a criar uma dinâmica consistente e coerente de Educação para os Média. Introdução A nossa sociedade é fortemente marcada por uma cultura dos media. A escola deve, por isso, integrar essa linguagem para enriquecer e tornar mais significativas as aprendizagens. Pensamos que ela não necessita, no entanto, de trabalhar sozinha nesse sentido, nem de limitar as suas actividades ao espaço sala de aula. A escola por si só, não tem muitas vezes capacidade para manter actividades que promovam uma verdadeira Educação para os media, cada vez mais necessária. As dificuldades prendem-se com vários factores, dos quais se destacam, segundo António Moderno (1993), a desmotivação dos professores face à formação insuficiente na área e à dificuldade em gerir o equipamento necessário para este tipo de projectos (quando existe esse equipamento). A investigação aponta para a manutenção desta situação de apatia, pontuada por alguns projectos que vão remando contra a maré. 1 Licenciada em ensino de Português e Francês pela Universidade do Minho. 2 Licenciada em P.E.B. Variante Matemática e Ciências da Natureza pela ESE de Viana do Castelo. 1

3 Talvez seja a altura de deixar de pedir à escola que, sozinha, seja o garante de aprendizagens diversificadas e se passe a contribuir para uma escola aberta, colaborativa com as instituições do seu meio. Escolas áudio ou visuais? A escola mantém ainda hoje o princípio da transmissão oral do saber e da prática da escrita. As resistências às inovações da expressão e da comunicação são ainda grandes e, por isso, as escolas são, na grande maioria, do tipo áudio, onde a transmissão do conhecimento se faz segundo o esquema da fala à escrita. Pensamos que é essencial integrar o cinema nos programas escolares, mas a aprendizagem do cinema na escola deve ser o resultado de vontades dessa mesma escola e também da comunidade. Desafios à integração da linguagem audiovisual na escola A sociedade actual é caracterizada por uma multiplicidade de linguagens. O professor deve entender a linguagem do audiovisual e identificar nela potencialidades, de forma a desenvolver com os alunos uma alfabetização visual. O vídeo, inicialmente concebido como um meio de divulgação do cinema, é hoje a base de divulgação do audiovisual como um todo. Ele tornou possível o registo e a documentação das produções audiovisuais, a facilidade de ver e rever, a possibilidade de intervir pausando e parando e até de alterar uma sequência de imagens. Sabemos que o vídeo por si só não garante uma aprendizagem significativa. A presença do professor na sala de aula torna-se indispensável, já que é ele que com a sua criatividade e habilidade, percebe ocasiões adequadas ao uso do vídeo. O vídeo permite a visualização de factos que falam por si mesmos, mas a presença do professor é essencial para dinamizar a leitura do que se vê. Tal como refere Gadotti, a educação sendo essencialmente a transmissão de valores, necessita do testemunho de valores em presença. Por isso, os meios de comunicação e a tecnologia não podem substituir o professor. 2

4 Audiovisual e o vídeo na escola A palavra audiovisual "resulta da aglutinação dos termos" "audio" e "visual" e refere-se: a) "a tudo o que pertence ou é relativo ao uso simultâneo e/ou alternativo do visual e auditivo; b) a tudo que tem características próprias para a captação e difusão mediante imagens e sons" (Cebrián Herreros, 1995). Na linguagem audiovisual, a visão e a audição são os principais sentidos no processo de comunicação. O meio que nos rodeia é principalmente audiovisual e espacio-temporal, uma vez que ele transmite informações perceptíveis simultaneamente pelos olhos e pelos ouvidos. O movimento é o elemento fundamental do audiovisual e é graças a ele que a fusão da imagem com o som é perfeita e que o continuum espaciotemporal é reconstituído. O audiovisual refere-se a toda a forma de comunicação sintética destinada a ser percebida ao mesmo tempo pelo olho e pelo ouvido. Esta linguagem está perfeitamente integrada no tempo e no espaço - o movimento acrescenta a dimensão temporal e casase com o som (Cloutier, 1975). Escolas em Grande Plano A Ao Norte Associação de Produção e Animação Audiovisual de Viana do Castelo, através de um projecto denominado Escolas em Grande Plano, tem vindo a estabelecer uma ponte com as escolas do distrito de Viana do Castelo, de modo a criar uma dinâmica consistente e coerente de Educação para os Média. O projecto Vídeo na Escola é uma acção orientada para esse fim e visa promover, em diferentes dimensões, o contacto participado dos alunos com a linguagem audiovisual. A ideia chave é então, educar para a imagem através do contacto participado de toda a comunidade escolar com o cinema e a linguagem audiovisual. Este contacto permite despertar o seu olhar, desmistificando a imagem, ou como diz Roland Biernaux (1992)...propõe-se pois 3

5 banalizar os meios audiovisuais para que a criança ao tomar o hábito de analisar e criticar o faça instintivamente. Descrevemos de seguida o projecto Vídeo na Escola: Vídeo na Escola Com esta iniciativa pretende-se promover o contacto dos alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico com a linguagem audiovisual. Propõe-se que os alunos participem na realização de um pequeno vídeo sobre uma história criada pela turma. Essa história será desenvolvida de modo a criar um guião, e daqui parte-se para o registo das imagens e sua posterior montagem. Os alunos e professores serão parte activa ao longo da realização desta iniciativa, desde a criação do guião, passando pelo casting para selecção dos actores, distribuição de tarefas, criação de adereços, etc. É reforçado com este projecto a interdisciplinaridade, o sentido de equipa e de responsabilidade, dentro de um espírito lúdico essencial para esta faixa etária. Conclusão Educar com as novas tecnologias é um desafio que deve ser enfrentado com optimismo. Os modelos de educação tradicional já não dão resposta às solicitações da escola, por isso, torna-se fundamental experimentar coisas novas. Pensamos que propostas inovadoras contribuem para a mudança. Experimentar e avaliar são as palavras-chave para a inovação e mudança necessárias, já que vivemos numa sociedade na qual os desafios são constantes, e onde novos caminhos do humano e do tecnológico se descobrem todos os dias. Propostas deste género vão de encontro à abertura que a escola deve ter, através de projectos orientados para crianças e jovens para que, num trabalho colaborativo se possa, de facto, educar para os media, educando o olhar. 4

6 Bibliografia ANTÓNIO, Lauro (coord.). O ensino, o cinema e o audiovisual. Comunicações do 1º encontro nacional O ensino do audiovisual, o audiovisual no ensino. Colecção Mundo de Saberes. Porto Editora BIERNAUX, Roland. Educar para o Cinema... educando para a imagem. Figueira da Foz: Associação do Festival Internacional da Figueira da Foz CALDAS, José. SILVA, Bento. O vídeo na Escola em Portugal. Braga: Universidade do Minho. S/d CLOUTIER, Jean. A era de EMEREC. Ministério da Educação e Investigação Científica Instituto de Tecnologia Educativa FERRÉS, Joan. Como integrar el vídeo en la escuela. Aula Práctica. Ediciones CEAC, SA. Barcelona GADOTTI, M. A Escola e a Pluralidade dos meios. Revista Escola e Comunicação, nº 6. Rio de Janeiro HERREROS, M. Cebrián. Información Audiovisual: Concepto, Técnica, Expresión y Aplicaciones. Madrid: Editorial Sintesis MODERNO, António. A comunicação Audiovisual nas Escolas Portuguesas. Braga: Revista Portuguesa de Educação, 6 (3), VÁRIOS. Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais. Lisboa: Ministério da Educação Departamento de Educação Básica

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012

Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012 Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012 Nome do professor avaliado Departamento Grupo de Recrutamento NIF Nome do professor relator Departamento Grupo de Recrutamento

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1 Novos Programas: Outras Práticas Pegógicas 1 Maria Conceição Antunes Num estudo sobre os professores de no Ensino Secundário, em que participei (e que foi apresentado neste mesmo local, em 1996, no I Encontro

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com

Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com sumário 1- Projeto -Como surgiu o projeto WR -Quais os objetivos do estudo -Principais conclusões

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

APRENDENDO A CONVERTER VÍDEOS

APRENDENDO A CONVERTER VÍDEOS Professor-tutor/Assessor da CRTE: Nilton Sérgio Rech Nome do Cursista: Claudia Gasperin Colégio: Escola Estadual do Campo Zulmiro Trento Unidade: 03 Data: 15/09/2011 Atividade: Atividade a ser Implementada

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS

LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS MARTINS 1, ISABEL P.; COUCEIRO 2, FERNANDA; RODRIGUES 3, ANA; TORRES 4, ANA CRISTINA; PEREIRA 5, SARA;

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes Como fazes os teus trabalhos escritos? Há dois métodos para fazer trabalhos 1-Vais à Net copias a informação, colas num novo documento, imprimes e já está! 2-Pesquisas informação em fontes diversas, retiras

Leia mais

VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL. ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO APOIO

VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL. ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO APOIO VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 APOIO VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL As mensagens

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 (Resposta Social de Creche) DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS Setembro Integração/adaptação das Crianças Reunião de Pais 24/09/2014 Outono - Promover a integração

Leia mais

Conhecer e partilhar para inovar na Educação. Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas

Conhecer e partilhar para inovar na Educação. Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas Conhecer e partilhar para inovar na Educação Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas Missão da escola Não perdendo de vista o contexto da sociedade actual em constante

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO Ano Lectivo 2008/2009 TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO Em nenhuma época histórica o homem teve tantas possibilidades de transportar e comunicar ideias. Francisco Gutierrez Na

Leia mais

PROJETO PEQUENOS CIENTISTAS AO LEME Sessões Experimentais

PROJETO PEQUENOS CIENTISTAS AO LEME Sessões Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ZONA URBANA DA FIGUEIRA DA FOZ DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PROJETO PEQUENOS CIENTISTAS AO LEME Sessões Experimentais

Leia mais

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Ano Letivo: 2014/2015

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA

PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA OLHAR PARA VER OBJECTIVOS O desafio passa por analisar o meio construído segundo as suas

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés.

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés. O estudo do desenvolvimento musical da criança é um campo de trabalho privilegiado pela CMT, tendo em conta o perfil curricular de alguns dos seus elementos, com ligações ao meio universitário. Um pouco

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007 ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS PLANO DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2006 / 2007 Escola EB 2,3/S Dr. Isidoro de Sousa BE/CRE Pl de Actividades Ano Lectivo

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS

CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS Portugal, 2010 Documento elaborado pelo grupo de trabalho designado como Formação com base em orientações determinadas no encontro nacional de profissionais

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Ação Campos Eletromagnéticos - Escola Secundária de Ponte de Lima Clipping

Ação Campos Eletromagnéticos - Escola Secundária de Ponte de Lima Clipping Ação Campos Eletromagnéticos - Escola Secundária de Ponte de Lima Clipping Revista de Imprensa 1. REN e Sociedade Portuguesa de Física promovem aula prática sobre campos eletromagnéticos para alunos de

Leia mais

Saiba como tirar partido de. Ana Leitão

Saiba como tirar partido de. Ana Leitão Saiba como tirar partido de Ana Leitão O que pode correr mal numa apresentação? Descubra o que mais o assusta, conheça as suas fragilidades para as superar. Prévios Definição de metas/objectivos Selecção

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular Curso de Design Cerâmico e Vidro

Ficha de Unidade Curricular Curso de Design Cerâmico e Vidro Ficha de Unidade Curricular Curso de Design Cerâmico e Vidro Unidade Curricular Designação: Desenho II Área Científica: Desenho (DES) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 2º ECTS:

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

2-6 anos Oo CATCGAM_20141558_CP.indd 1 5/9/14 10:48 AM

2-6 anos Oo CATCGAM_20141558_CP.indd 1 5/9/14 10:48 AM 2-6 Oo É através da ação e das interações com os outros que a criança explora o mundo que a rodeia e vai construindo as suas aprendizagens. Torna-se, por isso, importante criar e estimular diferentes experiências

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2015/2016 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA

Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido).

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço Valores Educacionais Aula 2 Alegria do Esforço Objetivos 1 Apresentar o valor Alegria do Esforço. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Alegria do Esforço. Introdução As próximas aulas

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 148 Janela 1750 Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA 1º PERÍODO TEMAS / CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS O ALUNO DEVERÁ SER CAPAZ DE: BLOCOS (90 min) ALGUMAS SUGESTÕES DE EXPERIÊNCIAS

Leia mais

A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE

A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE Érica C. A. Dell Asem & Silvia L. F. Trivelato Universidade de São Paulo/ Instituto de Física erica.asem@gmail.com

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Multimédia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Projecto e Produção Multimédia Escolas Proponentes / Autores Direcção-Geral de Formação

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Maria Luísa de Solla Mendes da Fonseca Data de nascimento: 7 de Novembro de 1950 BI nº 6065179 Lisboa Rua Sacadura Cabral, 76, 1ºEsq.- Cruz Quebrada 1495-713 Lisboa Telefone: 965009978

Leia mais

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Nº 171303109 Mestrado em Ciências da educação Informática educacional Online Learning Communities.

Leia mais

Liderança e Gestão- Intervenção do diretor

Liderança e Gestão- Intervenção do diretor Liderança e Gestão- Intervenção do diretor A escola é, por definição, um espaço de ensino e de aprendizagem. Um palco onde os atores principais, alunos e professores, protagonizam a aventura do saber.

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO Modalidade: Oficina de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-79411/14 Duração: 25 horas presenciais + 25 horas não presenciais Destinatários:

Leia mais

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Criar ambientes de partilha; Proporcionar momentos de incentivo à leitura e ao relevo das ilustrações; Facilitar e promover a criatividade e imaginação;

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS Jéssica Ayumi Uehara Aguilera 1 j.ayumi@hotmail.com Alessandra Querino da Silva 2 alessandrasilva@ufgd.edu.br Cintia da Silva

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): O piado da coruja 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O piado da Coruja

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos Ano letivo 2015/2016 «Onde nos leva uma obra de arte» Fundamentação teórica (justificação do projeto): As crianças nesta faixa etária (1-2 anos) aprendem com todo o seu

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Laboratório de Psicologia Experimental O primeiro Laboratório de Psicologia Experimental foi fundado por Wundt, em Leipzig, na Alemanha,

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4.

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. Índice 1. Introdução... p.2 2. Orientações programáticas do 1º Ciclo do Ensino Básico... p.4 2.1. Finalidades... p.4 2.2. Princípios Orientadores... p.4 2.3. Propostas de operacionalização curricular...

Leia mais

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação Maria José Madeira Silva 1, Jorge Simões 2, Gastão Sousa

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PÓS-PRODUÇÃO E EFEITOS ESPECIAIS Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PÓS-PRODUÇÃO E EFEITOS ESPECIAIS Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular PÓS-PRODUÇÃO E EFEITOS ESPECIAIS Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

3.ª Conferência Regional Açores 10.Fevereiro.2012 Microsoft Corporation

3.ª Conferência Regional Açores 10.Fevereiro.2012 Microsoft Corporation 3.ª Conferência Regional Açores 10.Fevereiro.2012 Microsoft Corporation Local: Escola Secundária de Lagoa Tema: Como continuar a Inovar em Educação? Agenda 9h00 09h30 09h45 11h00 11h30 12h15 13h00 14h00

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Projeto: CLUBE DA MATEMÁTICA 1

Projeto: CLUBE DA MATEMÁTICA 1 ESCOLA ESTADUAL DE GUARAITUBA ENSINO FUNDAMENTAL Rua Carlos Alberto Dugonski, 76. Jardim Viviane. Colombo. Paraná. Tel./Fax: (41) 3666 33 35 /e-mail: guaraituba-colombo@netescola.pr.gov.br Projeto: CLUBE

Leia mais

Análise estrutural do webfolio da participante A

Análise estrutural do webfolio da participante A Análise estrutural do webfolio da participante A Notas da Investigadora Investimento nos projectos em que se envolve em notória evidência. O associativismo também é importante. As suas leituras assumem

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Planificação Anual Educação para a Cidadania

Planificação Anual Educação para a Cidadania Agrupamento de Escolas de Monforte Ano letivo - 2014-2015 Planificação Anual Educação para a Cidadania Departamento do 1º Ciclo Introdução Rua Professor Dr. Rosado Correia A escola ocupará sempre um papel

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014 Curso Profissional Técnico Multimédia Planificação Disciplina: Design, Comunicação e Audiovisuais Ano: 11º Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividas

Leia mais

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012 Regulamento Interno Introdução A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas é parte integrante do processo educativo

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

António Dias de Figueiredo

António Dias de Figueiredo COMO RENOVAR A QUALIDADE DO ENSINO? por António Dias de Figueiredo Departamento de Engenharia Informática UNIVERSIDADE DE COIMBRA A. Dias de Figueiredo, 1998 Como Estudar? Auditório da Reitoria, Coimbra

Leia mais