O HOMICÍDA E A PERVERSÃO: UMA ANÁLISE MOTIVACIONAL SOBRE O CRIME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O HOMICÍDA E A PERVERSÃO: UMA ANÁLISE MOTIVACIONAL SOBRE O CRIME"

Transcrição

1 O HOMICÍDA E A PERVERSÃO: UMA ANÁLISE MOTIVACIONAL SOBRE O CRIME Renato Bruno de Oliveira Ferreira 1 RESUMO Trata este trabalho de uma análise bibliográfica de vários autores que estudam e pesquisam as faculdades da mente criminosa, dos fatores motivacionais e do surgimento do fator criminógeno. O entendimento dos fatores motivacionais é importantíssimo para a compreensão e a descoberta do surgimento da criminalidade, das tendências homicidas e da frieza que caracteriza estas pessoas. Palavras-chave: Homicida. Criminologia. Serial Killer. Psicopata. Transtorno de personalidade anti-social. Fatores Motivacionais. ABSTRACT This work comes from a literature review of several authors who study and research the colleges of the criminal mind, the motivational factors and the emergence of criminogenic factor. Understanding of motivational factors is especially important for the understanding and discovery of the emergence of crime, tendencies and murderous coldness that characterizes these people. Keywords: Homicidal. Criminology. Serial Killer. Psychopath. Personality disorder antisocial. Motivational Factors. 1. INTRODUÇÃO Em um mundo como o atual, pergunta-se diariamente, o porquê crimes hediondos vivem acontecendo, homicídios diariamente sendo noticiados em telejornais e periódicos. Filhos matando seus próprios pais, netos que matam avós para a obtenção de drogas, jovens que cometem um assassino em massa, crianças sendo mortas. Quais são os motivos que uma pessoa pode ter, para transgredir os valores da sociedade? O que leva o ser humano a se 1 Graduando em psicologia pela faculdade UNIME Lauro de Freitas - Bahia

2 tornar frio, calculista, e sem sentimentos a ponto de cometer atrocidades contra a sua própria raça? De acordo com a UNESCO, 44% das pessoas na grande São Paulo matam por problemas pessoais, 24% em negócios ilícitos, 14% em roubos e assaltos, 8% por questões familiares e 8% por outros motivos. Mas os conceitos e preconceitos que temos não são os únicos fatores que levam ao surgimento do crime. (SUPER, 2006, p. 81) Alguns autores defendem que a hereditariedade e o biótipo têm grande influência na criminalidade, sendo os mais celebres estudiosos da criminologia Lombroso e Kretschmer. No Brasil tivemos Berardinelli estudando a biotipologia criminal. Existem dezenas de motivos explicados pela ciência, filosofia e antropologia do porque uma pessoa mata, rouba, furta, estupra entre outras atividades que vão de encontro com as leis éticas, morais e religiosas impostas por toda a sociedade, sendo que, a mesma, é um grande fator para o surgimento da criminalidade. Os fatores de âmbito social e econômico, os fatores culturais entre outros explicam tais atitudes consideradas hediondas. Como objetivo primordial, esse trabalho tentara explicar alguns dos principais fatores motivacionais que levam ao surgimento da criminalidade, o porquê todo ser humano tem dentro de si um potencial homicida e o que desencadeia uma fúria titânica que pode vir a causar dezenas ou milhares de mortes. Uma fúria que traz tristeza e dor para todos os parentes das vitimas que por uma pessoa fria e cruel foram assassinadas de formas cruéis, horrendas e desumanas, sendo colocadas muitas vezes em cárcere privado, sendo humilhadas e obrigadas a ter relações sexuais com seus algozes. Muitas dessas pessoas foram caçadas como verdadeiros animais, tentando fugir em busca de liberdade, não conseguindo fugir, eram eliminadas e seus corpos eram feitos de troféus para esses seres desumanos. Foram estudados e analisados livros, artigos e revistas que se relacionam com criminologia, psicologia jurídica, assassinos em série, psicopatia e transtornos psiquiátricos e de personalidade que com todos os

3 seus dados, nos levam a uma maior compreensão sobre os reais motivos que trazem a criminalidade à tona. 2. A PSICOLOGIA E O ESTUDO CRIMINÓGENO Comportamento é aquilo que caracteriza ações do ser humano, como falar, caminhar, ler, nadar etc. Processos mentais são experiências internas, como sentimentos, lembranças, afetos, desejos e sonhos. (TRINDADE, 2009, p. 19) Realmente a psicologia é um dos estudos no qual se podem dar maior auxilio no estudo da criminalidade. Precisamos saber realmente, o que se passa na mente de um criminoso, mesmo sendo muito difícil conseguirmos compreender, é fato dizer que apenas 5% dos assassinos em série estavam realmente doentes no momento de seus crimes, ou seja, se eles estavam em plena consciência do que estavam fazendo, por que faziam? Na psicologia, temos duas ciências que explicam os motivos prováveis do surgimento da delinqüência: o behaviorismo, que é a ciência comportamental, e a psicanálise, a ciência que estuda o inconsciente. Existem outras escolas psicológicas e filosóficas que auxiliam no estudo do perfil do criminoso. Cada escola contem seu fator inicial para o surgimento do fator criminógeno na sociedade e na personalidade humana, mas as mais importantes e utilizadas são as teorias psicanalíticas e behavioristas. Mas qual é o papel do psicólogo no estudo criminal? A psicóloga Fabiana Saffi (PSIQUE ESPECIAL, 2007, p. 55) diz: O psicólogo criminal, tenta construir o percurso de vida do individuo criminoso e todos os processos psicológicos que o possam ter conduzido à criminalidade. Pretende se entender o criminoso numa perspectiva biopsicossocial, sem deixar de lado a interface com a área jurídica, pois esta é a particularidade do trabalho desse profissional. Entendemos assim que o papel do psicólogo na área jurídica e criminal é entender os fatores biopsicossociais que levam ao ser humano ingressar no mundo da criminalidade.

4 2.1 TEORIA DA PSICANÁLISE NA CRIMINALIDADE Os estudos da psicanálise influenciaram bastante na criminologia, pois de acordo com Freud a mãe é um fator muito importante para a formação da personalidade da criança. Albergaria divide então 3 fases na criminologia: Fase das primeiras relações da criança com os pais Nessa fase, o instinto sexual começa a evoluir, passando da fase oral (0 18 meses), anal (18 meses 2/3 anos), fálica (2 3/5 anos) para terminar no período de latência (3 5/12 anos). A criança começa a se socializar, porem se prejudica por faltas educativas da mãe, como excessos de indulgência, frustração e repressão. Até os 4 anos a ligação com a mãe é forte podendo provocar mudanças em suas tendências instintivas. Depois a criança percebe a presença do pai, dando origem ao primeiro conflito, o complexo de Édipo. A adaptação social posterior dependerá da solução ou liquidação desse conflito. A fase da formação do superego Nessa fase, após a liquidação do Édipo, a criança tende a indentificar-se com as exigências dos pais e imita-los. O superego surge desse processo de imitação. A fase de formação do grupo no seio da família Nessa fase a criança tende a adquirir sua formação a priori na família, a posteriori na sociedade. (ALBERGARIA apud FREUD, p. 135) Na psicanálise, os estudos do inconsciente, nos levam a perceber que os desejos mais íntimos da humanidade, sejam eles bons ou ruins, acabam muitas vezes sendo liberadas, por um motivo intrínseco, que fazem a pessoa ser ou não um criminoso, A presença da mãe da criança também é uma influência deixada pelo legado da psicanálise, a falta de cuidados da mãe e do pai podem acarretar a dezenas de transtornos. A criança ate os seus 12 anos de idade necessita do pai e da mãe para a formação de sua personalidade, se estes não forem presentes, poderemos estar lidando com um futuro criminoso ou homicida. O criminoso Ted Bundy conhecido como o Picasso dos Serial Killers alegava que cometia apenas seus assassinatos pelo fato de elas se parecerem

5 com sua mãe na juventude, clara alusão que a mãe era causadora de seus tormentos e de sua personalidade homicida. Ted Bundy matou mais de 22 mulheres em vários estados dos EUA, utilizando a tática da pessoa indefesa, fingia estar com o braço ou a perna quebrada, forçando assim as suas vitimas a lhe ajudarem, mal sabendo que em breve estariam mortas. Bundy foi preso e condenado a cadeira elétrica. Morreu em 24 de janeiro de 1989, aos 42 anos. (CASOY, 2008, p ), 2.2 PSICOSE, NEUROSE E PERVERSÃO Por que será que, quando falamos com Deus, dizem que estamos rezando, e quando Deus fala conosco dizem que somos esquizofrênicos? (Autor desconhecido) De acordo com a psicanálise, o ser humano é dividido em 3 tipos, os neuróticos, os perversos e os psicóticos. O neurótico é aquele se submete demais as leis, de acordo com Freud, a grande maioria das pessoas é neurótica, o psicótico não conhece as leis, é o dito louco e o perverso conhece as leis e não as segue pelo simples fato de sentir prazer nisso, burlar as regras é um prazer enorme para o perverso. A definição de cada um seria basicamente a seguinte: Neurótico é aquele que tem pensamentos normais, porem diante da sociedade adoece, o neurótico foi sadio enquanto a sua necessidade de amor foi satisfeita por um objeto real no mundo externo, tornando-se neurótico assim que esse objeto é afastado dele sem que um substituto tome o seu lugar. Sendo assim, a felicidade coincide com a saúde e a infelicidade com a neurose. O psicótico é aquele que não tem acesso as leis e que quando criança a mãe não deixa o pai entrar com o ensino das leis, o psicótico é aquele que não percebe o mundo exterior de forma alguma ou sua percepção não possui nenhum efeito. A psicose tem como fundamento criar uma nova realidade para a pessoa, já que a sua realidade foi abandonada, ou seja, a psicose remodela a realidade, pois esta acaba sendo repudiada. O perverso é aquele que tem o pai acima da lei,

6 um pai tirânico. Não existem pessoas com dois transtornos, ou se é perverso, ou se é um psicótico ou se é perverso, porem existem neuróticos que são fascinados pela perversão, tentando se tornar perverso e cometendo atos perversos, porém em um dado momento esse ato afetará ainda mais o psicológico da pessoa. Os três tipos são subdivididos em: 1. Neuroses 1.1 Neuroses de transferência - Histeria - Neurose obsessiva - Fobia 1.2 Neuroses atuais Neurose de guerra - Neurastenia/Psicastenia - Hipocondria (Síndrome) 1.3 Neuroses narcísicas Depressão 2. Psicose - Adicções - Transtornos de auto-imagem 2.1 Paranóias Com delírio de perseguição - Com delírio de grandeza -Com delírio místico-religioso - etc. 2.2 Esquizofrenias Hebefrênica - Catatônica - Paranóica - Residual - Esquizoafetivo (Depressão pós-esquizofrenia) - Outros 2.3Transtornos do humor - Depressão Episódio/Transtorno 3. Perversões - Mania Episódio 3.1 Psicopatias Voyerismo/Exibicionismo - Transtorno afetivo bipolar (TAB) - Transtorno

7 - Masoquismo/Sadismo - Fetichismo - Filias 3.2 Sociopatias Serial Killer - Franco atirador - Unabomber - Piromaníaco - Estripadores 2.3 O BEHAVIORISMO E A CRIMINALIDADE J. B. Watson (SCHULTZ, 2009, p.262),foi considerado o pai do behaviorismo defendendo que o comportamento das crianças poderiam ser condicionados, poder-se-ia colocar medos onde os mesmo não existiam. Watson defendia que os pais não deveriam demonstrar afeto, nem passar a mão na cabeça quando uma tarefa fosse cumprida perfeitamente, nem beijar, nem abraçar. Com esse tratamento a criança acaba crescendo e se tornando uma pessoa fria, muitos casos de homicídio são derivados a traumas causados na infância, maus tratos dos pais, ausência de carinho e de afeto. B. F. Skinner (SCHULTZ, 2009, p.293) veio em seguida com seus estudos sobre a influência que o meio exerce na criação da personalidade da criança. Dizia que através de reforços e estímulos o homem poderia ser modelado, sendo influenciado também pelo meio em que vive. A criação da criança, sendo acompanhada do meio em que se vive, poderia ser um dos fatores motivacionais maiores para o surgimento da delinqüência. Um caso muito famoso foi do Edmund Emil Kemper III, assassino em série que matou 10 pessoas entre elas seus avôs e sua mãe. Kemper teve sua infância com diversos problemas, suas irmãs o consideravam louco, sua mãe sempre o maltratava e gritava com ele, foi colocado para dormir no porão de sua casa, é depois mandado para a casa dos avôs onde cometeu seu primeiro crime. Kemper não gostava da avó por ela viver implicando com ele,

8 até que um dia ele deu um tiro de espingarda na cabeça dela, matando o avô em seguida apenas para o proteger de um ataque cardíaco ao ver a esposa morta. Foi internado numa instituição psiquiátrica e depois de ser considerado curado matou mais pessoas, sua mãe e colegiais. Esse é apenas um caso de muitos no qual o comportamento da família e o ambiente repressivo onde vivia influenciou em seu comportamento homicida, sendo que ele tinha um QI de 145. (CASOY, 2008, p ), Não podemos dizer assim que uma pessoa que vive em um ambiente repressor, perigoso ou com diversas influências criminais, desenvolvera em si um aspecto criminal ou homicida, simplesmente afetara sua vida de alguma forma, algumas pessoas conseguiram superar tais influências, porém outras com a formação psicológica fraca, não conseguirá se proteger e acabará por adentrar no mundo do crime. 3 FATORES MOTIVACIONAIS Casos de indivíduos acusados de assassínio, em que por um requinte de ferocidade as vitimas são feitas em pedaços tem sido bastantes vezes falados, não se compreendendo como esses indivíduos houveram podido cometer tais horrores. (FIORE, P.89) Fiore (2005. P.89) tem um questionamento válido, de onde surge tanto ódio, como e porque a pessoas cometem tais atos horrendos? Valoração social e estimulo ideológico são fatores que levam muitas pessoas a saírem dos padrões da sociedade. Porem será que realmente só se deseja crescer financeiramente? Ilana Casoy (2008, p. 17), diz que o surgimento da mente de um homicida serial deve-se a diversos fatores, e diversas escolas dariam motivos diferentes, como a escola freudiana ao dizer que a agressão nasce dos conflitos internos. A escola clássica diria que é pelo fato de existir o livre arbítrio, ou seja, se a recompensa é maior que o risco vale a pena corrê lo. Se a punição for

9 extrema, não haverá crimes. Não se pode especificar o porquê do homicida cometer tal delito. Uma pesquisa feita por David Buss, chefe do Departamento de Psicologia Evolutiva da Universidade do Texas, mostrou que 91% dos homens e 84% das mulheres pelo menos uma vez na vida já tiveram vontade de matar alguém ou pensaram em minúcias como se livrar de um desafeto. (SUPER, 2006, p. 79) Esses dados provam que o ser humano nasce potencialmente um homicida, porem graças a um único motivo que podemos chamar de estopim, ele deixa de lado as regras e leis da sociedade, e libera toda a sua fúria. Myra y Lopez (2008, p ), cita dois motivos principais para o delito ocorrer que são os motivos Exógenos e os motivos Endógenos. Os motivos exógenos são os motivos alheios ao ser individual e atuando sobre eles como os justiceiros. E os motivos endógenos são os motivos que foram criados através de traumas ou situações do momento, como latrocínio. Dados estatísticos comprovam que homens matam mais que mulheres, no meio urbano ocorrem mais crimes que no meio rural, os crimes ocorrem mais na época de inflação do que nas fases onde há mais dinheiro. Os fatores culturais influenciam em grande intensidade no surgimento do fator criminógeno. Sutherland (FERNANDES, 2002, P.), sustenta em sua tese que há relação, mesmo que sendo ela vaga, entre a religião e a criminalidade. A ausência da educação religiosa influência no aumento da criminalidade. 4 FATORES PATOLÓGICOS Ele conquista nossa confiança como amigo, parceiro sexual, colega de trabalho, médico, consultor financeiro. Até que caia sua máscara de normalidade e ele mostre que, ao contrário de sua encenação, não sente remorso nem vergonha ao agir de forma imoral. É indiferente ao bem estar alheio e, sem freios morais, é capaz de pôr em prática qualquer plano para atingir seus desejos. (SUPER, 2009, p. 10)

10 Lombroso dizia que pode - se perceber quando uma pessoa é criminosa através das características corporais: Protuberância occipital, órbitas grandes, testa fugidia, arcos superciliares excessivos, zigomas salientes, prognatismo inferior, nariz torcido, lábios grossos, arcada dentária defeituosa, braços excessivamente grossos, anomalia dos órgãos sexuais, orelhas grandes e separadas, polidactilia. As características anímicas, segundo o autor, são: insensibilidade à dor, tendência à tatuagem, cinismo, vaidade, crueldade, falta de senso moral, preguiça excessiva, caráter impulsivo. (ALBERGARIA, 1999, p. 132) De acordo com Sutherland, Lombroso atrasou os estudos da criminologia em 50 anos. (ALBERGARIA, 1999, p. 132) Se nos preocuparmos em apenas analisar o exterior da pessoa, morreremos procurando criminosos psicológicos e não encontraremos nenhum, pois muitos criminosos têm pensamentos malignos, mas não demonstram isso, sendo difícil calcular de onde pode vir um verdadeiro homicida. Um psicopata para muitos é um ser comum, atraente, simpático, conquistador, genial, mas por trás da máscara, existe um homem frio e calculista que visa apenas o seu lucro. Na atualidade, existem dezenas de transtornos psiquiátricos e de personalidade que são considerados grandes influências no surgimento de um homicida: Esquizofrenia, síndrome de Münchausen, psicopatia, transtorno de conduta, transtorno de personalidade anti-social, a paranóia, transtornos bipolares etc. Será dado foco apenas a psicopatia e ao transtorno de personalidade anti-social. Não podemos confundir os transtornos, de acordo com Trindade, a psicopatia e o transtorno de personalidade anti-social, não são transtornos mentias e sim transtornos de personalidade. O termo psicopata foi utilizado pela primeira vez no ano de 1941 pelo psiquiatra americano Hervey M. Cleckley, do Medical College da Geórgia. Normalmente o psicopata é encantador no inicio, conseguindo conquistar todos ao seu redor, porem é egocêntrico, mentiroso e indigno de confiança. O porquê do comportamento do psicopata tem poucas respostas.

11 Desde os primórdios do tempo tentamos definir e explicar a psicopatia, mas não sabermos ao certo de onde ela vem. Se existe de fato um kit de moralidade instalado em nosso hardware cerebral (nossa composição biológica), como explicar o comportamento desumano dos psicopatas? Tudo indica que esses indivíduos apresentam uma desconexão dos circuitos cerebrais relacionados à emoção. Só podemos ter senso moral quando manifestamos um mínimo de afeto em relação às pessoas e ás coisas ao nosso redor. Dessa maneira, o comportamento frio e perverso dos psicopatas não pode ser atribuído à má criação ou educação. (SILVA, 2008, p, 89). A psicopatia afeta cerca de 3% dos homens e 1% das mulheres, sendo um transtorno que tem tido diversos estudos. O psicopata normalmente tem o grande intuito de conseguir benefícios, independente do que seja preciso fazer para obter tais benefícios, mas para tais atos acontecerem, a vantagem tem que ser apenas dele. O numero de psicopatas que chega a cometer homicídios é pequeno, perante o numero deles que existem no mundo. (SUPER, 2009) O psicopata normalmente segue um padrão de valores que não coincide com os valores da humanidade, não internaliza as leis, transgressões ou culpa, ele se sente acima da lei. Em 1980, Hare desenvolveu o PCL (Psychopathy Checklist) e em 1991, o PCL-R (Psychopathy Checklist Revised), muito utilizado hoje em dia para definir o nível de psicopatia, consistindo em diversas perguntas que serem respondidas, darão ao pesquisador, noção do nível da psicopatia do criminoso. Hermann Rorschach em 1921 criou um teste para denominar o nível psicótico e criminal de cada pessoa, seu teste consiste em pequenas telas com borrões de tinta que obedecem a características especificas, quanto à proporção, angularidade, luminosidade, equilíbrio espacial, cores e pregnância formal. (TRINDADE, 2009, p.226), O psiquiatra Michael Stone da universidade de Columbia nos EUA criou o índice de maldade, onde são colocados os criminosos e assassinos em série.

12 O índice contém 22 níveis em que cada tipo de ação durante o crime, explicaria o nível mórbido de prazer de cada criminoso. (BENDER, 2008), (ANEXO A). O transtorno de personalidade anti-social é um transtorno que já teve diversos nomes como insanidade sem delírio (PINEL, 1806); insanidade moral (PRICHARD, 1837); delinqüência nata (LOMBROSO, 1911); psicopatia (KOCH, 1891); sociopatia (LYKKEN, 1957), atualmente foi denominado como transtorno de personalidade anti-social, oficialmente descrito no DSM IV. (DSM IV, 2008) (ANEXO B) As pessoas com o transtorno costumam ser destrutivas e não sentir remorsos, por esse motivo é comparado com a psicopatia. Causam maior sofrimento as pessoas que estão ao seu redor, principalmente a sua família. O sintoma mais presente nesse transtorno é o fato das pessoas sempre dizerem que o ato criminal foi feito sem consciência. Após o crime ter sido efetuado, a pessoa conversa sem sinal de culpa ou remorso. O transtorno de personalidade anti-social também é caracterizado por falta de apegos emocionais aos outros e sentimentos superficiais, fazendo com que o mesmo professe o seu amor rapidamente por alguém mesmo que não demonstre isso podendo assim ter vários relacionamentos, sem que isso venha a lhe prejudicar. O transtorno atinge cerca de 4,5% dos homens e 1% das mulheres (HOLMES, 1997), atingindo no final da adolescência ou no inicio da fase adulta, tendo seu declínio aos 40 anos. O surgimento de tal transtorno se deve a combinação de fatores genéticos e fatores ambientais, podendo surgir em uma criança com predisposição genética para impulsividade, que pode ser causada pela disfunção da região frontal e límbica do cérebro combinado com o contexto social e familiar. (TRINDADE, p. 217) É caracterizado charme superficial, superestima, mentira patológica, ausência de remorso ou culpa, insensibilidade afetivo-emocional.

13 5 ASSASSINOS EM SÉRIE Nós serial killers, somos seus filhos, nós somos seus maridos, nós estamos em toda a parte. E haverá mais de suas crianças mortas no dia de amanhã. Você sentirá o último suspiro deixando seus corpos. Você estará olhando dentro de seus olhos. Uma pessoa nesta situação é Deus. (Ted Bundy) Antes de falarmos dos assassinos em série, temos que saber diferenciar os tipos de crime, pois uma pessoa que mata dezenas de outras tem três divisões: (CASOY, 2008) Matador em massa (Genocida): Mata quatro ou mais pessoas em um mesmo local e no mesmo evento. Ex. Hitler Serial Killer: Individuo que comete uma série de crimes com um determinado intervalo de tempo, podendo ser de meses ou anos ate que seja preso ou morto. Ex. Pedrinho matador. Spree Killer (matador impulsivo): Suas vitimas estão no lugar errado na hora errada. O criminoso mata várias pessoas num período de horas, dias ou semanas e não para ate se acalmar. Ex. Cho Seung-Hui (matou 32 pessoas na Universidade Estadual de Virgínia, EUA). Perguntamos-nos diariamente o que leva a um ser humano a matar seu semelhante. Essa pergunta seria ate simples de se responder, mas se perguntarmos o porquê ele mata dezenas de pessoas da mesma forma, a resposta se torna mais complexa. Os assassinos em série são denominados por Serial Killers e o seu método é chamado de Modus Operandi, a primeira vez que o termo foi utilizado foi pelo FBI (Federal Bureau Of Investigation) para designar assassinos que matam mais de suas pessoas, com o mesmo Modus Operandi. Ilana Casoy (2008, p. 19) distribui tais assassinos da seguinte forma: Visionário: Um indivíduo completamente insano, psicótico. Ouve vozes dentro de sua cabeça e as obedece. Pode também sofrer de alucinações ou ter visões.

14 Missionário: Socialmente não demonstra ser um psicótico, mas em seu interior tem necessidade de livrar o mundo do que julga imoral ou indigno. Emotivo: Mata por pura diversão. Dos quatro tipos é o único que tem prazer de matar e utiliza de requintes sádicos e cruéis, obtendo prazer no próprio processo de planejamento do crime. Sádico: É o assassino sexual. Mata por desejo. Seu prazer será diretamente proporcional ao sofrimento da vítima sob tortura. Cada assassino passa por seis fases do ciclo de mortes de acordo com o ph. D em psicologia, Dr.Joel Norris. (CASOY apud NORRIS, 2008 p.19-20), 1. Fase áurea: Quando o assassino começa a perder a compreensão da realidade; 2. Fase de pesca: Quando o assassino procura a sua vítima ideal; 3. Fase galanteadora: Quando o assassino seduz ou engana a vítima; 4. Fase de captura: Quando a vítima cai na armadilha; 5. Fase do assassinato ou totem: Auge da emoção para o assassino 6. Fase da depressão: Que ocorre após o assassinato. Após a fase da depressão o assassino volta ao inicio. Para chegar ao nível de assassino em série, o homicida tem que ter um espaço de tempo entre as vítimas e ter matado pelo menos duas pessoas seguindo um padrão. O Dr. Kim Rossmo ainda divide o assassino em série como caçador que realiza especificamente a busca de suas vítimas baseado no seu local de residência; o furtivo que também faz a busca da vítima, mas a partir do local de uma atividade diferente de seu local de residência, viajando para outro lugar durante a caçada; o oportunista que encontra suas vítimas enquanto realiza outras atividades; e o ardiloso que fica numa posição exercendo uma profissão ou criando uma situação que lhe permite encontrar as suas vitima dentro de um local sob seu controle.

15 Ainda divide os atacantes em três tipos: O raptor que ataca suas vitimas quase que imediatamente ao encontrá-la; o perseguidor que persegue sua vitima depois de encontrá-la e se aproxima gradativamente ate encontrar o momento certo para atacar e o predador que ataca sua vítima depois que a leva para um local específico, como uma residência ou local de trabalho controlado pelo agressor. O Dr. Rossmo é detetive em Vancouver, Brittish Columbia. A divisão que Rossmo faz é parte de seu sistema de perfis geográficos. (INNES, p. 16 VOL. 3) Na análise do comportamento homicida existem diversos estudiosos, entre eles está o psicólogo britânico Hans Eysenck. Através dos estudos de Jung sobre extrovertidos e introvertidos, Eysenck criou um diagrama em forma de diamante, de um lado as escalas vão de estável ate extrovertido e dou outro de instável ate introvertido. Os quatro lados do diamante recebem nomes que foram descritos há 500 anos atrás: Sanguíneo, colérico, fleumático e melancólico. (INNES, p.66 VOL. 3) Estável Fleumático Sanguíneo Introvertido Extrovertido Melancólico Colérico Instável

16 Com esse gráfico podemos analisar em qual dos perfis um homicida se encaixa, dando assim mais espaço e caminhos para se estudar sua personalidade e seus fatores motivacionais e emocionais durante o crime. 6 O CINEMA E OS SERIAIS KILLERS Se esses caras soubessem o quanto me diverti (...). Matar não é como a TV onde em três segundos a vítima já era. A coisa leva três, quatro minutos... Você tem que ter muita força. (Richard Speck) O cinema americano tem a cultura de fazer filmes sobre assassinos sejam eles reais ou apenas fantasiosos, existem séries de filmes como a de Sexta feira 13, Halloween, Pânico e A hora do pesadelo que falam de assassinos que não morrem, dando assim uma alusão de que muitos têm pactos com seres das trevas, ou até séries de assassinos como Dexter que conta a história de um serial killer missionário que mata apenas pessoas que foram ou não acusadas de homicídio. Existem inúmeros filmes que retratam a vida de assassinos célebres, como Bundy, Gacy, Dahmer, Monster: Desejo assassino (Aileen Wournos), que falam dos assassinos que marcaram a história dos EUA. Nos filmes fantasiosos de assassinos, muitas vezes é deturpada a visão do psicopata e do sociopata, mostrando uma versão do transtorno que não é real, um psicopata não é um assassino maligno que ama matar, é apenas um homem que gosta de burlar as regras, independente do que seja preciso fazer para isso (visão psicanalítica), um psicopata sente um prazer em burlar e não matar. O psicopata é um maníaco sexual, já o sociopata é o dito serial killer, sniper ou incendiário. Esse sim tem um prazer em ver o sofrimento de outro ser. No cinema não só americano, mas no cinema de uma forma geral, o assassino é visto como um psicopata maníaco que sente um prazer imenso em matar, e essa não é a verdade. Normalmente o cinema tende a fantasiar sintomas, doenças, síndromes, e até mesmo os nomes que fizeram história, o cinema tende a modificar para ter

17 mais lucro. Não se tem nomes de filmes que passem a realidade 100% verídica. Na América, quase todos os assassinos em série que viveram, não só lá como em outros países, foram retratados em filmes, desde os mais sanguinários, como os mais cruéis e mais sádicos maníacos sexuais que a história já viu, entre eles os mais conhecidos são os filmes do Zodíaco, Ted Bundy, Jack, o Estripador, O estrangulador de Boston, Edmund Kemper III, John Wayne Gacy entre outros assassinos que marcaram de uma forma horrorosa a história dos EUA. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Por mais que existam dezenas de pessoas que estudem o fator motivacional de um criminoso e suas faculdade mentais, nunca conseguiremos aceitar que existem pessoas frias e sem sentimentos que são capazes de cometer crimes horrendos para obtenção de benefícios, justiça ou atenção. Se déssemos atenção ao que o ser humano precisa realmente, conseguiríamos lutar para acabar com tamanha dor. Se perguntássemos se seriamos capaz de curar essas pessoas, a resposta seria não, pois para isso levaríamos anos de estudo, e gastariam milhões em dinheiro. O que podemos obter inicialmente é dar mais atenção aos nossos filhos, cuidar mais do próximo, pois se um dia ajudamos alguém aqui, amanhã ele ajudara outro ali e isso se tornará uma corrente que por mais que seja quebrada, não se acabará. Existem dezenas de motivos para se cometer um crime, mas será que realmente será compensador matar alguém para obter o que queremos? Se todos pensassem assim, o mundo estaria mais perdido. Resta-nos apenas estudar, e tentar compreender qual é o verdadeiro intuito de um homicida, seja esse fator apenas psicológico ou pelas forças das circunstâncias.

18 8 REFERÊNCIAS ALBERGARIA, Jason. Noções de criminologia. Belo Horizonte, Mandamentos, SCHULTZ, Duane P., SCHULTZ, Sydney Ellen. História da psicologia moderna 9ºed., tradução Suely Sonoe Murai Cuccio, São Paulo: Cengage Learning, MAYRA Y LOPEZ, Emilio. Manual de psicologia jurídica, São Paulo: Impactus, FERNANDES, Newton, FERNANDES, Valter. Criminologia integrada, 2º Ed., São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, RIGONATTI, Sérgio Paulo (coord.) SERAFIM, Antônio de Pádua (org.). Temas em psiquiatria forense e psicologia jurídica, Editora Vetor, São Paulo, TRINDADE, Jorge. Manual de psicologia jurídica para operadores do direito, 3º Ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora CASOY, Ilana. Serial Killer: Louco ou Cruel? 8º Ed. São Paulo, Editora Ediouro, FIORE, Umberto. Manual de psicologia judiciária. Sorocaba SP, Editora Minelli, SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Mentes perigosas: o psicopata mora ao lado. Rio de Janeiro, Editora Objetiva, 2008.

19 Edição Standart Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, SADOCK, Benjamin James e SADOCK, Virginia Alcott. Compêndio de psiquiatria. Porto Alegre, Editora Artmed, INNES, Brian. Perfil de uma mente criminosa. Vol.1 e 3. São Paulo, Editora Escala CAMARGO, Heitor. Instinto assassino. Revista Super Interessante n 222, Janeiro/2006. Editora Abril. São Paulo. SAFFI, Fabiana. Quando o criminoso é o paciente. Revista Psique edição especial n 5, Editora Escala. São Paulo. SZKLARZ, Eduardo. Rituais macabros. Mentes psicopatas Super Interessante Edição especial n 267 A, Editora Abril. São Paulo. LILIENFELD, Scott. O, ARKOWITZ, Hal. O que é um psicopata.. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/vivermente/artigos/o_que_e_um_psicopata imprimir. html> Acesso em: 04 jun BENDER. Índice da maldade do Dr. Michael Stone. Disponível em: <http://www.benderblog.com/interessante/o-indice-da-maldade-do-dr-michaelstone/> Acesso em: 04 jun DSM IV. Personalidade anti-social. Disponível em: <http://virtualpsy.locaweb.com.br/dsm_janela.php?cod=197> Acesso em: 04 jun KICH, Martin. Filmes sobre assassinos em série (em inglês). Disponível em: <http://www.wright.edu/~martin.kich/murder/skfil.htm> Acesso em: 01 dez. 2010

20 9 ANEXO A - INDICE DA MALDADE 01 Matam em defesa própria e não tem tendências psicopatas (pessoas normais); 02 Amantes ciumentos sem tendências psicopatas (também pessoas normais); 03 Cúmplices de assassinos: personalidade distorcida e com problemas antisociais; 04 Matou em autodefesa, mas provocou a vítima de forma extrema; 05 Pessoas desesperadas com traumas que matam parentes abusivos ou outras pessoas para sustentar vícios. Sem tendências psicopatas e mostram remorso genuíno; 06 Pessoas impetuosas que matam em acessos de fúria, sem tendências psicopatas; 07 Narcisista psicótico, não-psicopata, que mata as pessoas próximas por um motivo (seja lá qual for); 08 Pessoas que matam em acessos de fúria; 09 Amantes ciumentos psicopatas; 10 Matadores de pessoas que estavam em seu caminho ou testemunhas. Ou seja, egocêntricos, mas não psicopatas; 11 Psicopatas assassinos de pessoas em seu caminho ; 12 Psicopatas megalomaníacos que mataram quando ameaçados; 13 Pessoas com problemas de personalidades cheios de ódio em crise; 14 Psicopatas egoístas que montam esquemas; 15 Psicopatas a sangue frio ou assassinos múltiplos; 16 Psicopatas cometendo vários atos criminosos; 17 Assassinos sexualmente pervertidos, torturador-matadores (o estupro é o principal motivo, não a tortura); 18 Torturador-matadores onde o principal motivo é o assassinato; 19 Psicopatas que fazem terrorismo, subjugação de vítimas (tortura), intimidação e estupro (sem assassinato); 20 Torturador-matadores onde a tortura é o principal motivo, mas em personalidades psicóticas; 21 Psicopatas que torturam até o limite, mas sem nunca terem cometido um assassinato; 22 Psicopatas que torturam, onde a tortura é o principal motivo (e matam).

Prof.Dr. Jorge Trindade PSICOPATIA. a máscara da justiça. Escola Superior do Ministério Público de Sergipe. Jorge Trindade, Ph.D.

Prof.Dr. Jorge Trindade PSICOPATIA. a máscara da justiça. Escola Superior do Ministério Público de Sergipe. Jorge Trindade, Ph.D. Prof.Dr. Jorge Trindade PSICOPATIA a máscara da justiça Escola Superior do Ministério Público de Sergipe Referência TRINDADE, J. Manual de Psicologia Jurídica. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 5ª. Edição,

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A figura do delinquente / transtornos da personalidade Vania Carmen de Vasconcelos Gonçalves* 1. INTRODUÇÃO Atualmente é comum nos depararmos diariamente com casos e relatos de violência,

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

Dr. Eduardo Henrique Teixeira

Dr. Eduardo Henrique Teixeira Dr. Eduardo Henrique Teixeira CONCEITO Personalidade normal: Maneira (única) de cada indivíduo de reagir e de se relacionar com outros e com o ambiente. CONCEITO Personalidade anormal: Disposição, inata,

Leia mais

Criminologia Autocrítica (por Fernando Chiozzotto)

Criminologia Autocrítica (por Fernando Chiozzotto) Criminologia Autocrítica (por Fernando Chiozzotto) A criminologia costuma ser entendida como o ramo das ciências criminais voltado, dentre outros objetivos, para o estudo empírico do fenômeno do crime.

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente?

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente? REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. ALUNA: KETLY LORRAINY R. DE OLIVEIRA PROFESSORA: MARIA PEREIRA DE CALDAS TEMA: CORRUPÇÃO : O QUE EU POSSO FAZER PARA COMBATE-LA

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Revisão Continente Psiquiátrico Neurótico (Patologia da experiência ) (TOC Transtorno

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA Noções introdutórias em psicologia e direito. Conhecimentos básicos em psicologia para os alunos do direito. Definição e histórico da psicologia jurídica. Relações da psicologia com a justiça, a

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Preparando meu filho para a liberdade

Preparando meu filho para a liberdade Preparando meu filho para a liberdade Marcos Rezende Fonte: www.insistimento.com.br Você parou para observar o que está passando na televisão quando o seu filho a está assistindo? Ou já parou para refletir

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil Violência Física contra Crianças e

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura.

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura. QUESTÕES ÉTICAS EM PSICOTERAPIA Dilemas éticos para o século XXI Roberto Faustino de Paula ÉTICA O termo ética vem do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa), significando um conjunto de valores

Leia mais

Tirado do website: www.spiritlessons.com

Tirado do website: www.spiritlessons.com Tirado do website: www.spiritlessons.com A artista foi levada para o inferno pelo proprio senhor Jesus. Essa artista vinha atendendo as reuniões de oração desde Abril de 2009 e continua a faze-lo. Nisso

Leia mais

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira Metodologia da Catequese com Crianças Ligia Aparecida de Oliveira O que é ser Criança? Watson, Piaget ou Freud? Eis a Questão. John B. Watson, psicólogo americano, é o principal responsável pela teoria

Leia mais

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR Jane Kelly de Freitas Santos (apresentador) 1 Maria Cecília Braz Ribeiro de Souza (orientador) 2 1 Curso de Pedagogia

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

O CONCEITO DE PSICOPATIA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS

O CONCEITO DE PSICOPATIA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O CONCEITO DE PSICOPATIA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS Camila Luciane Nunes 1 ; Josiane de Paula Jorge 2 ; Maria Teresa Claro Gonzaga 3 RESUMO: Esta pesquisa

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba) Altera a Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984, Lei de Execução Penal, para criar comissão técnica independente da administração

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO:

ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO MORAL Aspectos gerais Definição de moralidade Perspectiva psicológica da moralidade Desenvolvimento

Leia mais

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Personalidade Personalidade é uma totalidade relativamente estável e previsível de traços emocionais e comportamentais que

Leia mais

Curso Bíblico. Lição 5. Restituição & Perdão

Curso Bíblico. Lição 5. Restituição & Perdão Curso Bíblico Lição 5 Curso Bíblico Para Novos Discípulos de Jesus Cristo Devemos a ndar de tal forma que sejamos dignos de ser chamados discípulos de Jesus. Restituição & Perdão No Antigo Testamento,

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

Transtornos do Comportamento da Criança

Transtornos do Comportamento da Criança Transtornos do Comportamento da Criança 01 ... Para aquele que não sabe como controlar seu íntimo, inventar-se-á controle Goethe 02 Definição Comportamento é o conjunto de atitudes e reações do indivíduo

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais

Argumento para Série Não Conte a Ninguém

Argumento para Série Não Conte a Ninguém UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1069/432 - Curso Superior De Tecnologia Em Produção Audiovisual Disciplina: Roteiro para Televisão Professor: Ricardo J. Sekula Turma: Período: 2 Ano/Semestre

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito

ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito CRIMINALIDADE causas e soluções Juruá Editora Curitiba, 2006 CATALOGAÇÃO NA FONTE S237 Santos, Alberto Marques dos. Criminalidade: causas e soluções./ Alberto

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta)

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Leila Maria Amaral Ribeiro 1, Marina Janzen Kassab 2, Samantha Lemos Ferreira da Silva 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - MONITORIA

MATERIAL DE APOIO - MONITORIA MATERIAL DE APOIO - MONITORIA Índice 1. Artigos Correlatos 1.1 Criminologia 2. Simulados 1. ARTIGOS CORRELATOS 1.1 Criminologia A criminologia é uma ciência empírica que se ocupa do crime, do delinqüente,

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL INTRODUÇÃO A cada hora, dez mulheres foram vítimas de violência no Brasil em 2012 Violência é: 1 É o uso intencional da força física ou poder, real ou em ameaça contra

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL

ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL CHAVES, LINDÉIA RESUMO O presente trabalho traz maior enfoque a analise da lei nº 12.318/10 que trata do Instituto da Alienação Parental através da

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

Por favor, preencha os nomes e telefones das pessoas que você ama.

Por favor, preencha os nomes e telefones das pessoas que você ama. Nome Completo: Número RG: Nasc.: / / Idade: Endereço: Bairro: Telefone Casa: Celular: Trabalho: Estado Civil: [ ] Casado [ ] Solteiro [ ] Viúvo [ ] Divorciado [ ] Amasiado Sexo: [ ]Masculino [ ] Feminino

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

Traços de personalidades no ambiente de trabalho. Curitiba Set. 2014

Traços de personalidades no ambiente de trabalho. Curitiba Set. 2014 Traços de personalidades no ambiente de trabalho Curitiba Set. 2014 MD. GABRIEL MONICH JORGE Formação médica na FEPAR Formação residência psiquiatria HC-UFPR Psiquiatra assistente da UNIICA. Atuação em

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Educar filhos: cuidar mais do que proteger. Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br

Educar filhos: cuidar mais do que proteger. Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br Educar filhos: cuidar mais do que proteger Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br As 4 principais tarefas dos pais DESENVOLVER: 1. Independência emocional 2. Autodisciplina 3. Capacidades 4. Moral Educar

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Deficiência e Agressividade

Deficiência e Agressividade Deficiência e Agressividade Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 Temperamento e Agressividade Uma percentagem elevada de crianças, especialmente as que se encontram em idade escolar, desenvolve problemas

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Imputabilidade José Luiz Junior ANÁLISE JURÍDICA O termo imputar significa atribuir culpa ou delito a outro, portanto, imputar é o mesmo que atribuir à outro, diferentemente do simples

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Segurança pública e a minha bicicleta Gildo Dalto Junior* Já dizia Hans Kelsen, sobre esta inversão de valores, que é certo que a vida humana é mais importante do que um relógio,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ALMASAN, Daisy Ariane Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG Garça/SP - Brasil e-mail: daisyalmasan@yahoo.com.br

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

Violência e doença mental: fato ou ficção?

Violência e doença mental: fato ou ficção? EDITORIAL 1 Violência e doença mental: fato ou ficção? Wagner F. Gattaz O episódio recente envolvendo os crimes de Francisco de Assis Pereira, o maníaco do parque, despertou na população e nos profissionais

Leia mais