Empresários procuram fontes alternativas de financiamento para os seus projectos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresários procuram fontes alternativas de financiamento para os seus projectos"

Transcrição

1 Quarta-feira 13 Julho 2011 Empresários procuram fontes alternativas de financiamento para os seus projectos Especialistas dizem que fundos comunitários e sistemas de incentivos fiscais existentes podem ser alternativa válida para quem procura financiamento Página 04 BelaVista Office visa dar resposta a vários utilizadores O BelaVista Office é o primeiro centro de escritórios low-cost em Portugal. Junta tudo o que os normais centros de escritório têm, por um preço a partir de 9 euros/m², proporcionando a título gratuito aos seus clientes o uso de água, electricidade, ar condicionado, limpeza das áreas comuns, segurança 24h e ainda o uso dos serviços de recepção e secretariado nas horas de expediente. As palavras são de Manuel Ferrão, sócio do projecto Bela Vista Office, que está situado no eixo IC19-A5 junto do nó rodoviário com ligação à A1, A2 e CREL e que representou um investimento de 1,5 milhões de euros, a grande maioria canalizados para as obras de recuperação de um antigo edifício de escritórios que serve hoje de morada à nova estrutura. Segundo Manuel Ferrão, em entrevista ao PÚBLICO Imobiliário, o BelaVista Office, que integra o portfólio da Salam, foi concebido para dar resposta a uma ampla variedade de utilizadores, dispondo de salas entre os 10 e os 300 m², 92 lugares de estacionamento e diversos pequenos armazéns de apoio às empresas, com áreas entre os 30 e os 60 m². No total são m² de área coberta, organizados para as empresas poderem desenvolver as suas actividades a preços abaixo do mercado, garante este responsável, que dá ainda conta de que, além dos escritórios tradicionais, encontram-se disponíveis neste projecto o serviço de escritório virtual que permite, por apenas 30 euros/ mês, alojar a empresa, usar os serviços da recepção e o lobby do edifício. De notar também que, neste momento, está a ser oferecido o conceito officeshare que, pelo valor de 60 euros/mês, permite ao cliente utilizar um posto de trabalho numa sala em comum com outros clientes e aceder aos serviços de recepção, lobby e Internet gratuita. Questionado sobre o perfil de clientes a que se destina este projecto, Manuel Ferrão revela que o BelaVista Office, foi desenvolvido a pensar nas dificuldades que as empresas passam em períodos conturbados como este. Quem o procura são micro e pequenas empresas que precisam de boas condições para trabalhar com um orçamento reduzido. A taxa de ocupação deste centro de escritórios é actualmente de 80 por cento, estando aqui alojadas 75 empresas, entre as quais a Live it Well Events, Planner, Azkoyen, Bergfone, Egor ou Essencial Words. A Salam pondera avançar para outros projectos, na mesma área geográfica, mas com enfoque nas áreas comercial e logística. Está a ser desenvolvido o projecto do BelaVista Park que pretende igualmente transpor o conceito low-cost para aquelas actividades empresariais, constata Manuel Ferrão. Pedro Farinha

2 % 8% 6% 4% 2% 0% -2% -4% NEWSLETTER IMOBILIÁRIA IÁR IA IBÉRICAICA Ricardo Guimarães Novembro 2010 Desde 1988 Após desvalorizar em Setembro, registaram-se perdas de 0,7% nos novos e de 0,1% nos usados. s Mercado Residencial na AM Lisboa Vendas de usados 30% abaixo do preço médio dos novos, segundo Arrendamento Habitacional Rendas em Lisboa perdem mais 0,4% no 3º trimestre, acumulando uma descida anual de 1,0%. Mercado de Retalho Artigo da Jones Lang lasalle, sobre as perspectivas e tendências no mercado de retalho para o ano Projectos em Carteira Os projectos residenciais em carteira superam os 10 mil fogos na AM Lisboa, segundo dados Ci/ADENE. Tendências e Parcerias Retalho nos centros urbanos e a recuperação económica, em artigo do Urban Land Institute. Mercado Angolano Oportunidades e riscos do investimento em Angola, por Patrícia Viana e Berta Grilo da Abreu Advogados. 2 Público Imobiliário Quarta-feira 13 Julho 2011 Opinião Antologia poética breve para uma eterna e pouco saudosa memória das agências de notação Luís Lima Neste fim-de-semana, um amigo meu enviou-me, por , três pequenos poemas cuja leitura me incomodou particularmente. Talvez por não ser um leitor que privilegie a poesia. O primeiro de Brecht, um poeta e um dramaturgo alemão pelo qual não nutro qualquer simpatia ideológica, mas a quem reconheço grande talento, dizia que começaram por levar os negros sem que ele se importasse, pois não era negro, e depois levaram alguns operários e de seguida os miseráveis, mais tarde uns desempregados, e, por fim, ele próprio. Neste ponto, disse o poeta, já era tarde, como não se importara com ninguém, ninguém se importou com ele. O segundo poema, anterior ao primeiro, é de um poeta russo, Maiakovski, e é talvez ainda mais perturbador. Na primeira noite eles aproximam-se // e colhem uma flor de nosso jardim. // E não dizemos nada. // Na segunda noite, já não se escondem, // pisam as flores, matam nosso cão. // E não dizemos nada. // Até que um dia, o mais frágil deles, entra // sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua e, // conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. // // E porque não dissemos nada, já não podemos dizer nada. Por fim, nesta antologia breve, o poema mais directo, de Martin Niemoller, poeta que se apresenta também como um intelectual ligado á resistência contra o regime no nacional socialismo alemão de Adolfo Hitler. Cito: um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. // Como não sou judeu, não me incomodei. // No dia seguinte, vieram e levaram // meu outro vizinho que era comunista. // Como não sou comunista, não me incomodei. // No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. // Como não sou católico, não me incomodei. // No quarto dia, vieram e me levaram; // já não havia mais ninguém para reclamar.... No comentário que acompanhava esta antologia, o meu amigo lembrava que primeiro atacaram a Irlanda, esse país que já protagonizou um cantado milagre celta e que, por via das ligações privilegiadas que sempre manteve com os Estados Unidos da América, iria, muito provavelmente, resistir aos ataques, quiçá injustos. Depois atacaram a Grécia, naquela Europa que toca na Ásia Menor, encostada aos turcos. Berço da Democracia, é certo, mas vizinha de uns fundamentalistas barbudos que pouca confiança nos inspiram. Problema deles, terão dito alguns de nós, antes daquele murro no estômago que nos fez vomitar as tripas para um enorme balde de lixo. E nem sequer podemos reagir porque eles fogem logo e vão bater noutros, na Itália, talvez também na Bélgica. Desconfio que esse bando voltará a aproximar-se quando atacar a Espanha. Talvez aí possamos retaliar a sério. Presidente da APEMIP Se a Construção e o Imobiliário continuar em declínio, Portugal não conseguirá crescer e gerar emprego Reis Campos Tal como é defendido pela Confederação da Construção e Imobiliário, para que a estratégia da recuperação do nosso País resulte, é fundamental que, no âmbito do programa de auxílio externo que se encontra em execução, o Governo actue sobre os factores de competitividade e, à semelhança do que sucedeu na generalidade dos Países desenvolvidos, reconheça que o peso social e económico das actividades da construção e do imobiliário é determinante para o sucesso de qualquer plano de crescimento. De facto, estamos perante um Sector que representa 18,6% do PIB, 60,6% do Investimento nacional, 15,8% do emprego, o que corresponde a cerca de postos de trabalho e 20% do tecido empresarial português, isto é, empresas, pelo que, para além do reequilíbrio das contas públicas, a política económica deve igualmente impedir a desagregação do nosso tecido empresarial e o agravamento do problema do desemprego. Neste enquadramento, defendo uma intervenção urgente do Governo em quatro áreas vitais para o desenvolvimento económico e social: a programação do Investimento, através do reajustamento das verbas do QREN, assegurando a utilização imediata, designadamente em projectos de proximidade, dos cerca de 15 mil milhões de euros de fundos por executar, a dinamização do Mercado Reabilitação Urbana/ arrendamento, a promoção da internacionalização, para além da actuação sobre os constrangimentos financeiros, garantindo-se que os apoios concedidos à banca sejam reflectidos nas empresas e, ainda, a regularização dos atrasos nos pagamentos. O País tem carências graves e em diversos domínios. Assim, impõe-se que o Governo tome consciência do carácter estratégico dos investimentos de proximidade e da reabilitação urbana, atendendo a que são obras intensivas em mão-de-obra e permitem envolver a generalidade das empresas do sector, propiciando inclusivamente externalidades positivas para outras actividades, como é o caso do Comércio e do Turismo. No que respeita aos incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e ao apoio ao financiamento deste mercado, o Governo deve garantir a disponibilização de Linhas de Financiamento específicas e a criação de taxa liberatória de IRS, no máximo, de 21,5%, aplicável aos rendimentos do arrendamento, equiparando-os ao investimento em instrumentos financeiros como depósitos bancários. Por outro lado, urge modificar o actual modelo de relacionamento da banca com o tecido empresarial, e considero inadmissível que, a par de restrições na concessão de crédito, se verifiquem drásticos e injustificados aumentos das exigências de garantias e dos spreads praticados relativamente aos créditos em curso. Além do mais, o atraso nos pagamentos, que, no caso das Autarquias, atinge um montante superior a 830 milhões de euros, agrava ainda mais as dificuldades de tesouraria de milhares de empresas, pondo mesmo em risco a sua sobrevivência. Também a aposta deste sector nos mercados internacionais, deve merecer um sinal claro por parte do Estado, efectuando uma diplomacia económica dinâmica, e criando incentivos fiscais capazes de promover, em especial, a internacionalização das PME s do sector da Construção e do Imobiliário. A concluir, e tal como tenho defendido, para que Portugal ultrapasse a crise, o Governo deve adoptar uma politica que reflicta a verdadeira importância do sector para a economia e aplicar as medidas adequadas para suster a queda da actividade das nossas empresas, condição imprescindível para superarmos o desafio do crescimento e do emprego. Presidente da Direcção da CPCI Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário PUBLICIDADE Subscreva a Confidencial Imobiliário! J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O Índice Confidencial Imobiliário (2005=100) Taxa de Variação Homóloga N E W S L E T T E R I M O B I L I Á R I A I B É R I C A Mercado Residencial na AM Lisboa Índice Ci acumula ula duas quedas consecutivas Director Ricardo Guimarães Novembro 2010 Desde 1988 Vendas de usados 30% abaixo do preço médio dos novos, segundo a base de dados do SIR. Arrendamento Habitacional Rendas em Lisboa perdem mais 0,4% no 3º trimestre, acumulando uma descida anual de 1,0%. Mercado de Retalho Artigo da Jones Lang lasalle, sobre as perspectivas e tendências no mercado de retalho para o ano Projectos em Carteira Os projectos residenciais em carteira superam os 10 mil fogos na AM Lisboa, segundo dados Ci/ADENE. Tendências e Parcerias Retalho nos centros urbanos e a recuperação económica, em artigo do Urban Land Institute. Mercado Angolano Índice Ci acumula duas quedas consecutivas Após desvalorizar em Setembro, registaram-se perdas de 0,7% nos novos e de 0,1% nos usados. Oportunidades e riscos do investimento em Angola, por Patrícia Viana e Berta Grilo da Abreu Advogados. A unidade de inteligência sobre imobiliário em Portugal. Assine já! Com a subscrição da Ci, aceda gratuitamente* ao Geo-Ci, a plataforma estatística da Confidencial Imobiliário! Com o Geo-Ci configure as suas tabelas, construa os seus cartogramas de dados, com elevada flexibilidade. Saiba mais sobre o Geo-Ci em *Acesso a dados Ci/LardoceLar e Ci/ADENE para um concelho.

3 Mercados Público Imobiliário Quarta-feira 13 Julho Estatísticas Confidencial Imobiliário LardoceLar.com Tempo de absorção da habitação na AM Lisboa decresce no 1º trimestre de 2011 TEMPO DE ABSORÇÃO (MESES) AM LISBOA 2006 A INTELIGÊNCIA DE IMOBILIÁRIO INFORMAÇÃO SOBRE INVESTIMENTO E VENDAS, PARA PROFISSIONAIS As estatísticas Ci-Confidencial Imobiliário/LardoceLar.com referentes à Área Metropolitana de Lisboa (AM Lisboa) no 1º trimestre de 2011, revelam que o tempo de médio absorção decresceu quer para a habitação nova quer para a usada. No primeiro caso, nos primeiros três meses do ano, o tempo médio de absorção reduziu de 18 meses (no 4º trimestre de 2010) para os 15 meses. Já na habitação usada, o tempo médio de absorção passou de 16 para 14 meses, tendo como referência o mesmo período de comparação. De acordo com os mesmos dados, este decréscimo inverte a tendência registada desde inicio de 2008, período desde o qual se tem vindo a verificar uma subida neste indicador que analisa o tempo que media entre a entrada e saída dos fogos do stock da oferta. Em termos da habitação nova, no 1º trimestre de 2011, mais de um terço dos concelhos da AM Lisboa registava um tempo de absorção superior aos 15 meses da média metropolitana, com o indicador a ascender a 23 meses na Amadora e em Palmela. Para os imóveis usados, cerca de metade da área metropolitana excedeu o tempo médio de absorção da região, destacando-se os concelhos de Alcochete e Montijo, a com absorção a rondar os 19 meses. No 1º trimestre de 2011, esta base de dados contabilizava 128 mil fogos em oferta na AM Lisboa, com Lisboa, Sintra e Cascais a concentrarem entre 15% a 11% do total regional. Segmentando a oferta entre imóveis novos e usados, encontra-se uma maior predominância de imóveis usados no total do stock em quase toda a AM Lisboa, excetuando os casos de Mafra, Montijo e Cascais. Destacam-se os concelhos de Sintra e Lisboa, nos quais a diferença entre o volume de fogos novos e usados ascende a mais de alojamentos. Em termos de tipologia, a oferta é dominada pelos imóveis T2, seguidos dos T3, que representam, 35% e 29% do stock em oferta, respetivamente. 0 1T 06 2T 06 3T 06 4T 06 1T 07 2T 07 3T 07 4T 07 1T 08 2T 08 3T 08 4T 08 1T 09 2T 09 3T 09 4T 09 1T 10 2T 10 3T 10 4T 10 1T 11 Fogos Novos Fogos Usados TEMPO DE ABSORÇÃO (MESES) AM LISBOA 2006 A Fogos Novos Fogos Usados FONTE Ci/LardoceLar.com 1T 06 2T 06 3T 06 4T 06 1T 07 2T 07 3T 07 4T 07 1T 08 2T 08 3T 08 4T 08 1T 09 2T 09 3T 09 4T 09 1T 10 2T 10 3T 10 4T 10 1T 11 TEMPO DE ABSORÇÃO (MESES) AM LISBOA 2006 A FONTE Ci/LardoceLar.com 1T 06 2T 06 3T 06 4T 06 1T 07 2T 07 3T 07 4T 07 1T 08 2T 08 3T 08 4T 08 1T 09 2T 09 3T 09 4T 09 1T 10 2T 10 3T 10 4T 10 1T 11 Fogos Novos Fogos Usados FONTE Ci/LardoceLar.com PUBLICIDADE Lisbon Prime index Edifícios com maior dinâmica de mercado encontre o seu novo escritório Desde o inicio de 2011, o edifício situado na Ave- zona 6, foi o que registou o maior número de operações. Até Maio de 2011, este edifício registou 5 negócios, seguido pelos edifícios do Lagoas Park - Um grupo de 3 edifícios registaram 3 negócios e o Monumental na zona 1 e o Edifício Duque de Ávila 185 na zona 2. No entanto, em termos de volume de área transacionada, o edifício com Nações com cerca de 1.200m² arrendados. Tam- Visite para saber mais sobre o Lisbon Prime index. Proibida a reprodução. The World of Property m m m m m 2 0 m 2 Lisboa Novo LN DEZ 10 JAN 11 FEV 11 MAR 11 ABR 11 MAI 11 Área Renda Média Renda Máximo 20 /m 2 15 /m 2 EDIFÍCIO 5 DE OUTUBRO 202 ZONA 2: EIXO DA PRAÇA DO SALDANHA A ENTRECAMPOS E AMOREIRAS Este edifício está localizado numa das principais zonas de escritórios da cidade de Lisboa. Em 2010, o imóvel foi alvo de uma remodelação de forma a oferecer condições O imóvel é composto por 9 pisos acima do solo. Os primeiros 8 são destinados a escritórios, com uma área bruta de cerca de 221m². O 9º piso tem 137m² de área bruta e um terraço com 84 m². Possui ainda 3 caves de estacionamento. Caracterização da zona envolvente (a menos de 500 metros): Banco; Centro Comercial; Estação de Metro; Paragem de Autocarro; Cinema; Farmácia. EDIFÍCIO MULTITECH O Ed. MULTITECH está inserido no conjun- Lisboa - LISPOLIS, junto ao INETI na zona do Paço do Lumiar. O edifício é composto por 3 pisos destinados a escritórios e uma cave destinada a estacionamento. O átrio de entrada é vazado até à cobertura, e os dois elevadores que fazem a interligação dos pisos são panorâmicos para o átrio. A área disponível encontra-se ao nível do primeiro piso, com orientação nascente/sul, usufruindo de uma excelente iluminação natural. O Ed. MULTITECH oferece ainda uma grande visibilidade para a Estrada envolvente de Carnide, com possibilidade de sinalética exterior na fachada principal. O escritório possui uma área em open-space, e outra com gabinetes. Está equipado com pavimento técnico sobrelevado com caixas equipadas, climatização por zonas e tecto falso com iluminação embutida. De referir também que já possui bastidor e rede estruturada já distribuída. EDIFICIO D. JOÃO II EDIFICIO D. JOÃO II ZONA 5: RECINTO DO PARQUE DAS NAÇÕES Edifício localizado na zona central do Parque das Nações. Os espaços de escritórios estão em Open Space. Cada espaço possui IS e Copa. Excelentes acessibilidades e junto ao interface da Gare do Oriente e Centro Comercial Vasco da Gama. Características: Pavimento técnico; tectos falsos; climatização; segurança 24h.; Estacionamentos. Caracterização da zona envolvente (a menos de 500 metros): Banco; Centro Comercial; Polícia; Estação de Metro; Paragem de Autocarro; Cinema; Complexo Desportivo; Creche; Escola Primária; Universidade; Farmácia; Hospital; Ginásio; Parque de Estacionamento; Rio; Jardim Público. Tel.: (+351) Residencial Escritórios SHOPPING Áreas disponíveis: de 137 m² a 221 m² Pisos disponíveis: 1 a 9 Data disponibilidade: imediata Preço arrendamento desde: 14 /m² Tel Áreas disponíveis: de 220 m² Número de estacionamentos: 20 Data disponibilidade: imediata Preço arrendamento desde: /m² Tel Áreas disponíveis: de 192 m² a 488 m² Pisos disponíveis: 1, 2, 3 e 6 Data disponibilidade: imediata Preço arrendamento desde: 15,5 /m² Tel

4 4 Público Imobiliário Quarta-feira 13 Julho 2011 Actualidade Financiamento comunitário poderá ser alternativa ao crédito bancário Fernando Marcelino, director-geral da F-Iniciativas, falou em possíveis soluções para a escassez de crédito que existe actualmente no mercado Rui Pedro Lopes PÚBLICO Imobiliário A que é que se deve a aposta da vossa consultora no nosso país e, sobretudo, no mercado turístico português? Fernando Marcelino A F-Iniciativas tem procurado crescer em mercados que apostem e apoiem o tecido empresarial nacional no âmbito da Investigação, Desenvolvimento e Inovação. Portugal é, neste momento, um dos países europeus com programas mais competitivos e aliciantes e, como tal, passou desde 2006 a ser uma das apostas do grupo. Relativamente ao mercado turístico, é um nicho que acabámos por abarcar pela natureza e grande oferta do país, sendo que temos, cada vez mais, programas e soluções inovadoras, assim como incentivos e soluções específicas. Que tipo de mais-valias é que poderão dar às empresas nacionais que pretendam recorrer a financiamentos comunitários? Propomo-nos oferecer uma solução integral, que vai desde o enquadramento e candidatura ao acompanhamento do projecto, de forma a garantir o recebimento efectivo das verbas alocadas por parte das empresas. Para este serviço, a F-Iniciativas trabalha lado-a-lado com os seus parceiros, assumindo todo o risco e facturando sob Success-Fee (Facturação em caso de Sucesso). No caso do QREN, é conhecida a baixa taxa de execução deste quadro de apoio no nosso país. O que é que tem faltado para que as empresas possam recorrer mais a este tipo de instrumentos financeiros? Existem, a nosso ver, vários problemas a apontar: passando pela burocracia inerente aos processos, ao descrédito nos próprios organismos e às más experiências passadas com estes programas. O que tem faltado, efectivamente, é a dedicação aos projectos de pessoas com conhecimento profundo dos regulamentos e enquadramentos gerais assim como dos concursos específicos. O objectivo final será garantir, não só, a sua aprovação mas também o acompanhamento necessário para os pedidos de pagamento, eventuais reformulações e toda a burocracia necessária. A solução que temos para oferecer é, efectivamente, esse acompanhamento aliado aos 21 anos de experiência nesta tipologia de projectos. Num momento em que o nosso país e os seus empresários vivem sob severas restrições no acesso ao crédito bancário, este género de financiamentos comunitários poderá ser a solução? Efectivamente poderá ser um bom apoio e que deverão, sem dúvida, considerar, apesar de ser necessário ter sempre em linha de conta que estes apoios não vêm a 100 por cento e que, por isso, deverão conseguir fazer face à parte não financiada. Além disso, e comparando estes apoios com a banca temos a realçar que muitos deles vêm como Incentivos Não Reembolsáveis (ou seja, a fundo perdido) e os que têm a natureza de reembolsável continuam a ser bastante diferenciadores das soluções da banca: períodos de carência alargados, possibilidade de perdão de dívida mediante cumprimento de projecto e zero por cento de juros a aplicar ao montante a devolver. Nem todas as empresas estarão em condições de aceder a este tipo de financiamentos comunitários. Há mais alguma solução para elas, sem ser o recurso à banca? Efectivamente, e dependendo do tipo de empresa, poderão existir outras soluções a recorrer. A F-Iniciativas trabalha, por exemplo, com o SIFIDE (Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial) e que é uma forma de financiamento indirecto, ou seja, através de benefício fiscal. O SIFIDE permite uma dedução directa à colecta de até 82,5 por cento das despesas afectas à I&D Empresarial, minimizando o pagamento de IRC e podendo até criar um crédito fiscal que poderá ser utilizado até ao sexto exercício fiscal posterior. A F. Iniciativas está presente em três países e, em 2009, facturou 28 milhões de euros. Quais são os vossos objectivos para este ano, designadamente em Portugal? A F-Iniciativas está actualmente em seis países (França, Espanha, Portugal, Bélgica, Canadá e Brasil) e, para o exercício fiscal de 2010 (a encerrar final Junho 2011), temos previsto em Portugal um crescimento nos resultados de cerca de 20 por cento. Escola dos Sentidos adapta ciclo da vida ao ensino básico Sotheby's com novo espaço em Lisboa Marc Barros Desafio colocado ao arquitecto Joaquim Massena pela autarquia de Vila Nova de Gaia A Escola dos Sentidos, em Vila Nova de Gaia, é a materialização de um desafio colocado ao arquitecto Joaquim Massena pela autarquia local, para o desenvolvimento de um projecto inovador e, de certa forma, arrojado, capaz de induzir a um tipo de ensino dirigido aos mais novos, baseado nos cinco sentidos. O projecto escolar, que abrange jardim-de-infância e ensino básico, é assim destinado a reflectir a escola do futuro, juntando as vertentes estética, técnica e social para lançar uma experiência-piloto em termos pedagógicos. Segundo o arquitecto Joaquim Massena, a ideia do projecto nasceu em 2007, num conceito que abrange o que pretende ser o ciclo da vida. Os cinco sentidos constituem o cerne do projecto desta Escola dos Sentidos, localizada na Avenida D. João II, entre a ponte do Infante e os armazéns da Real Companhia Velha. A visão é o primeiro sentido a ser posto à prova quando colocados perante a obra. Não só o projecto em si se destaca pelo seu arrojo mas também pela sua localização, tendo o rio Douro e a paisagem urbana do Porto como recorte visual de grande beleza. O ciclo da vida pode ser desde logo encontrado nos espaços exteriores. Estes serão povoados com uma horta biológica e pomar, com árvores de frutos, de onde as crianças podem retirar frutos e vegetais, prepará-los e confeccioná-los. Isto porque a cozinha será um laboratório de aprendizagem, disse Massena. A arquitectura ao serviço da comunidade e das pessoas é como Joaquim Massena entende o projecto. Os sentidos das crianças serão estimulados através de novas formas, como a luz e as sombras, as texturas, as cores, os sons, a degustação e os aromas, revelou. Atenção à comunidade A Escola dos Sentidos conta com uma área coberta de m², na qual se destaca um pavilhão desportivo e multiusos com cerca de m², localizado a uma profundidade de 12 metros, no sentido de aproveitar ao máximo a distribuição dos espaços. Este pavilhão será um outro elemento de ligação à comunidade, pois permitirá albergar espectáculos diversos, desde os organizados pela escola, como também concertos, teatro, dança, desporto ou outros. A própria sala de refeições, que permite receber 200 refeições em simultâneo, com o objectivo de que os pais também participem, a biblioteca para 150 crianças, o museu, com uma exposição permanente com a memória do país do ponto de vista educativo e histórico, mas também exposições temporárias para contar ou antecipar o futuro, com trabalhos não só das crianças mas também dos pais, todas estas valências visam reforçar os laços com a envolvente, criando um sentimento de pertença e partilha. A Escola dos Sentidos resulta de um investimento que ascende a cerca de seis milhões de euros e está preparada para receber um total de 500 crianças, das quais 150 no jardim infantil e 350 no ensino básico. A Sotheby's International Realty abriu um novo espaço na zona do Príncipe Real, em Lisboa. Este é o quinto escritório que a empresa abre, desde que chegou a Portugal, em 2007, estando prevista a inauguração de mais três espaços do género até ao final do próximo ano. Os clientes que se dirijam a este espaço da Sotheby s Realty têm o atendimento personalizado e discreto que caracteriza a marca, podendo escolher um imóvel de alta qualidade, com características diferenciadoras, anuncia a empresa em comunicado. Num conceito único em Portugal, os clientes terão também a oportunidade de visitar, na porta ao lado, a Design Store BCT da Baseado no Conceito, empresa que representa marcas como a Kvadrat, Mater e Muuto (Dinamarca), Skitsch (Itália), especializada em têxtil, mobiliário e acessórios, ou a Parrot (França) e Heimdal (Itália). Ou seja, num conceito integrado, os clientes podem escolher a sua casa ideal, exclusiva e única, e a seguir, escolher peças de decoração de excelência de entre a vasta oferta das marcas que a Baseado no Conceito representa, acrescenta o mesmo documento.

5

6 6 Público Imobiliário Quarta-feira 13 Julho 2011 Actualidade Programa de Governo com medidas positivas em relação à reabilitação urbana Fundação para o Desenvolvimento da Zona Histórica do Porto VENDE IMÓVEIS 1. A Fundação para o Desenvolvimento da Zona Histórica do Porto, com sede na rua da Reboleira, n.º 47, Porto, torna pública a sua intenção de venda dos seguintes imóveis, localizados na zona histórica do Porto: Código Localização Base de Licitação Edifícios 32 Rua do Monte dos Judeus 1 / ,00 32 Rua do Monte dos Judeus 9 / ,00 49 Rua S. Pedro de Miragaia 26 / ,00 55 Rua Tomás Gonzaga 3 / ,00 Fracções de Habitação 13 Rua da Bainharia 62 / 64-1.º Dto - D (T2) ,00 29 Rua dos Mercadores º - B (T0) ,00 38 Rua do Outeirinho 7 e Muro dos Bacalhoeiros º Dto - B (T0) ,40 38 Rua do Outeirinho 7 e Muro dos Bacalhoeiros º Esq - C (T0) ,30 38 Rua do Outeirinho 7 e Muro dos Bacalhoeiros º Esq - G (T0) ,60 Espaço Comercial 35 Rua do Monte dos Judeus ,20 2. As propostas devem ser apresentadas em sobrescrito fechado, identifi - cando-se no exterior do mesmo o concorrente e o imóvel a que respeita, sendo por sua vez esse sobrescrito encerrado num outro, dirigido à Presidente do Conselho de Administração e endereçado ao local indicado no anúncio de abertura do concurso, devendo nele constar, ao lado do endereço, a menção Concurso de Venda. 3. As propostas devem ser entregues até às 18 horas do dia 20 de Julho de 2011, ou enviadas pelo Correio, registado e com aviso de recepção, desde que sejam recebidas até ao fi nal deste prazo, na Sede da Fundação. 4. A abertura das propostas ocorrerá às 10,30 horas do dia 21 de Julho de 2011, na Sede da Fundação. 5. A proposta seleccionada será a do preço mais elevado, não podendo este ser inferior ao valor-base de licitação. A FDZHP, reserva-se no direito de, se assim achar conveniente, não proceder à venda a nenhum dos concorrentes, independentemente do preço proposto. 6. O interessado deverá declarar a qualidade em que concorre, nomeadamente, em nome próprio ou em representação de sociedade ou cooperativa, ou ainda como mandatário, gestor de negócios ou representante de outrem. 7. As condições de pagamentos serão as seguintes: 10% no prazo máximo de 5 dias após comunicação ao adquirente da adjudicação provisória e o valor remanescente no acto da escritura de compra e venda, no prazo máximo de 90 dias. 8. Os interessados poderão consultar o processo de cadastro e restantes documentos relativos à situação patrimonial do edifício, na sede da FDZHP. 9. Estarão à disposição dos interessados fi chas individuais dos imóveis com a respectiva planta de localização, bem como o Regulamento de Venda de Imóveis da FDZHP, podendo estes ser solicitados na sede da FDZHP ou por Todos os imóveis são licitados livres de qualquer ónus. FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA ZONA HISTÓRICA DO PORTO Venda de Imóveis Rua da Reboleira PORTO Telefone Rui Pedro Lopes António Saraiva, presidente da CIP Confederação Empresarial de Portugal, analisou o documento programático do novo Executivo PÚBLICO Imobiliário A CIP tem pugnado pela aposta na reabilitação urbana como meio de inverter o actual cenário económico. As medidas previstas, para esta área, no programa de Governo vão nesse sentido? António Saraiva Como tem sido amplamente divulgado, a CIP considera fundamental a aposta e mesmo o reforço da estratégia associada à dinamização da regeneração urbana. Consideramos que o programa do XIX Governo Constitucional contempla medidas que consideramos positivas neste sentido ao considerar como objectivos estratégicos promover um território inteligente, actualizando as políticas de urbanismo e ordenamento do território e promover um território facilitador da mobilidade social, actualizando os regimes de arrendamento e de reabilitação urbana e ao pretender promover o envolvimento do sector privado na governança competitiva das cidades e dos sistemas urbanos. Em concreto, o Governo constata que o mercado do arrendamento urbano funciona há décadas de forma deficiente e inclui um conjunto de medidas nesta área interligada com a promoção da reabilitação urbana e do desenvolvimento das cidades. No âmbito de uma nova abordagem da política de cidades, o Governo apresenta várias medidas como sejam: a dedução aos rendimentos prediais das despesas de reparação de edifícios; a simplificação dos procedimentos para o licenciamento de obras de reabilitação urbana; o estímulo à constituição de Fundos Imobiliários de Reabilitação Urbana; A Pinto & Cuz vai integrar na sua estrutura uma nova área de negócio: equipamentos para o tratamento de águas de piscinas, Spa, termas e para a potabilização. Com esta nova área, a empresa prevê facturar, no primeiro ano de actividade, 500 milhões de euros, um orçamento realista, segundo referiu José Frias, do Departamento de Tubos e Válvulas. Para este responsável, apesar de ser uma nova área de negócio, a Pinto & Cruz tem uma equipa comercial bastante madura que está a integrar com o aperfeiçoamento da Política de Reabilitação Urbana, para que seja socialmente mais justa, bem como ao repovoamento dos centros urbanos; a simplificação do regime da reabilitação urbana, no que se refere à criação e delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana (ARU); a implementação de um mecanismo extrajudicial de despejo do arrendatário em caso de incumprimento do contrato de arrendamento, nomeadamente em caso de falta de pagamento de rendas; a introdução de um mecanismo de actualização de renda (dependente das condições de habitabilidade do imóvel), que permita a sua convergência para valores mais actualizados; a promoção de um quadro fiscal, tanto quanto possível, favorável ao arrendamento. Acha que a simplificação do Regime da Reabilitação Urbana, no que se refere à criação e delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana, prevista no programa de Governo, pode ser positiva? Esta medida pode ser positiva e vem no seguimento do que foi preparado pelo anterior Governo, nomeadamente na sequência do Segundo Memorando de Entendimento entre o Governo e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP), em que um dos objectivos era acelerar a execução das acções no âmbito da Política das Cidades, bem como reforçar a articulação dos instrumentos do QREN com a política de reabilitação urbana. A Comissão Ministerial de Coordenação dos Programas Operacionais do Continente (QREN) já aprovou um regulamento específico «Reabilitação Urbana». O Governo vai agravar o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para as casas e edifícios devolutos e permitir a dedução dos rendimentos prediais das despesas de reparação. Estas são medidas que parecem ir ao encontro daquilo que defendiam no plano «Fazer Acontecer a Reabilitação Urbana»? A proposta apresentada pela CIP em relação aos devolutos era começar por tipificar os diferentes tipos de devolutos e a partir daí implementar as soluções mais adequadas a cada caso. Quanto à dedução aos rendimentos prediais, pretendemos que seja possível deduzir uma percentagem a título de despesas de conservação e reparação. A CIP disse que poderia avançar com o anúncio de mais medidas, até ao fim do Verão, para acelerar a reabilitação urbana. Mantêm esse objectivo ou as linhas programáticas apresentadas pelo Governo não carecem de medidas adicionais? De facto, a CIP quando apresentou as suas propostas em Novembro de 2010 considerou que numa segunda fase poderia apresentar novas medidas. No entanto, é preciso criar as condições para rapidamente implementar as medidas necessárias e que ainda não estão no terreno, sem perder de vista o carácter estratégico da regeneração urbana. Considera que as medidas previstas para o mercado de arrendamento, no programa de Governo, vão permitir que a reabilitação urbana possa tornar-se numa solução mais apetecível para os empresários e profissionais deste sector? As medidas previstas para o mercado do arrendamento vão, em geral, no sentido positivo, embora não sejam todas as necessárias e muitas careçam de concretização como a introdução de um mecanismo de actualização de renda e a promoção de um quadro fiscal, tanto quanto possível, favorável ao arrendamento. Pinto & Cuz tem nova área de negócio sucesso esta aposta. Além disso, a procura neste mercado está a crescer apesar da conjuntura desfavorável, visto que há uma preocupação cada vez maior em gerir com qualidade os nossos recursos naturais. O avanço para este sector, num momento em que o restante mercado se retrai, é justificado pela Pinto & Cruz pela necessidade de contrariar as dificuldades sentidas nos últimos dois anos nesta área, que tem sofrido um notório decréscimo, sendo a palavra crise a que melhor define este mercado. José Frias acrescenta: Apesar destas dificuldades, mantemos rácios de vendas e resultados que nos motiva a fazer novas apostas, como esta

7 Actualidade Convergência das rendas antigas para valores actuais é positiva Público Imobiliário Quarta-feira 13 Julho Espazo tem nova unidade de Self-Storage Pedro Farinha Paulo Silva, director-geral da Aguirre Newman, elogia algumas das medidas previstas no programa de Governo PÚBLICO Imobiliário Que opinião lhe merecem as medidas inscritas no programa de Governo, no que ao arrendamento urbano diz respeito? Paulo Silva São dignas de registo e destaque a intenção de alterar as rendas antigas com vista à sua convergência para valores de mercado e a introdução de um mecanismo extrajudicial para a resolução de incumprimentos contratuais. A primeira, que se tem apresentado por governos sucessivos como sendo susceptível de ser alterada, tem encontrado nas questões sociais que levanta uma forte restrição à sua alteração. Esperemos que seja desta que se irá rever esta situação com a sensibilidade que ela merece e que deve ponderar igualmente a questão social dos senhorios (por vezes esquecida). A segunda, pela diminuição do risco associado ao arrendamento, irá incrementar as intenções de investimento na compra de habitação para arrendamento e aumentar a incipiente oferta destes activos e permitir responder às necessidades de habitação das famílias que não conseguem financiar a compra de habitação. Ambas as medidas destacadas serão extremamente benéficas para a dinamização desejada do mercado de habitação. A reabilitação urbana também é uma das áreas que mereceu especial atenção. As medidas previstas no programa de Governo poderão permitir que este mercado fique mais dinâmico e interessante para quem pretende investir nele? As medidas previstas não serão suficientes para a dinamização do mercado. De uma forma geral, a falta de financiamento e os valores de aquisição dos imóveis apontam para cenários de comercialização (arrendamento ou venda) desencorajadores. Para aqueles que já são possuidores de imóveis e que os têm registado por valores historicamente baixos ou que os conseguiram adquirir a preços baixos as medidas previstas trarão certamente o dinamismo e interesse esperados. A Espazo inaugurou recentemente uma nova unidade de Self-Storage, em Alfragide, com m², divididos em cerca de 170 boxes, com áreas entre os dois e os 40 metros quadrados. Esta nova unidade representou um investimento de euros, prevendo-se uma receita anual na ordem dos 150 mil euros. De acordo com João Vala, gerente da Espazo, esta nova unidade visa dar uma cobertura geográfica mais abrangente, servindo a zona Ocidental de Lisboa e concelhos limítrofes. A Espazo Alfragide surge na sequência da estratégia comercial montada pela empresa e junta-se assim aos dois outros centros de Self-Storage que a Espazo detém actualmente na cidade de Lisboa, mais precisamente em Alvalade e na Alta de Lisboa. Estas unidades de armazenamento funcionam como um complemento de casas ou empresas, surgindo como a solução ideal para armazenar objectos ou materiais que necessita de guardar, mas que não tem espaço ou necessita optimizar, reaproveitando as áreas utilizadas na sua casa ou empresa. Os espaços de armazenagem encontramse integrados num edifício equipado, com um moderno e seguro sistema de segurança e detecção de incêndios, em ambiente seco, limpo e ventilado, tendo disponíveis diversos serviços de apoio à logística do cliente, explicou a empresa em comunicado. João Vala não tem dúvidas de que numa conjuntura económica desfavorável, o Self-Storage surge como a solução ideal para empresas e particulares minimizarem os seus custos de armazenagem, optimizando os seus recursos. E acrescenta: Em todas as unidades da Espazo Self-Storage cada pessoa arrenda o espaço que necessita, pelo período de tempo que pretender, sendo o período mínimo de 15 dias e se, a dada altura, necessitar de mais ou menos espaço, pode mudar-se para outro espaço à medida das suas necessidades. P.F. PUBLICIDADE QUER COMPRAR CASA DE FORMA SEGURA? No imobiliário... Mediador Associado APEMIP = Mediação de Confiança Consulte esta e mais informações em Se contactar com um mediador oficial APEMIP, terá acesso à informação predial simplificada à distância de um clique. Poderá verificar a quem pertence um imóvel, se está hipotecado ou se tem algum tipo de ónus ou encargos de forma mais rápida, mais segura e mais barata, através das empresas associadas APEMIP. uma parceria: ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS E EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILÁRIA DE PORTUGAL

8

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES Resultado da cimeira "particularmente positivo para Portugal" A cimeira europeia de quinta-feira

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

Promover a Reabilitação Urbana Regenerar as Cidades. Dinamizar o País

Promover a Reabilitação Urbana Regenerar as Cidades. Dinamizar o País Promover a Regenerar as Cidades. Dinamizar o País Paulo Alexandre de Sousa Direcção de Financiamento Imobiliário 19 Outubro 2011 Centro de Congressos EXPONOR Portugal Indicadores de confiança e de clima

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu março 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3. O Contexto Atual... 3 4. Objetivos

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

A atratividade dos territórios e a dinâmica imobiliária: Evolução e perspetivas para o Alto Minho Ricardo Guimarães

A atratividade dos territórios e a dinâmica imobiliária: Evolução e perspetivas para o Alto Minho Ricardo Guimarães A atratividade dos territórios e a dinâmica imobiliária: Evolução e perspetivas para o Alto Minho Ricardo Guimarães Ricardo Guimarães, rguimaraes@confidencialimobiliario.com www.confidencialimobiliario.com

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Gestão Integral de Recuperação de Créditos Imobiliários - GIRCI

Gestão Integral de Recuperação de Créditos Imobiliários - GIRCI Gestão Integral de Recuperação de Créditos Imobiliários - GIRCI A atual conjuntura do mercado imobiliário é uma janela de oportunidade para criar novas soluções. Soluções que tragam eficiência e optimização.

Leia mais

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 18 de maio de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Minhas Senhoras

Leia mais

Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas

Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas Nota Introdutória A existência de um Regulamento de cedência de lotes para a Zona Industrial de Moura,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO 08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO Aprovação do Relatório de Execução de 2010 Estrutura do Relatório de Execução 2010 Estrutura do Relatório de Execução de 2010 do PORL: 1. Apresentação

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

PROMOVER A REABILITAÇÃO URBANA Regenerar as Cidades, Dinamizar o País -------- A Cidade enquanto Pólo de Desenvolvimento

PROMOVER A REABILITAÇÃO URBANA Regenerar as Cidades, Dinamizar o País -------- A Cidade enquanto Pólo de Desenvolvimento Conferência da CPCI PROMOVER A REABILITAÇÃO URBANA Regenerar as Cidades, Dinamizar o País -------- A Cidade enquanto Pólo de Desenvolvimento Eng.º Carlos Cardoso Vice-Presidente da CIP Confederação Empresarial

Leia mais

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros AHETA - Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros Abril de 2013 Alojamento local AHETA Oportunidades de poupança fiscal Reafectação

Leia mais

1. ANALISAR O MERCADO E A PROCURA

1. ANALISAR O MERCADO E A PROCURA Investimento ito regras para investir no Brasil Vários especialistas explicam, em oito passos, o que tem de fazer para financiar e avançar com um projecto imobiliário no Brasil. Brasil tornou-se numa das

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA 1 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ACTA Nº 26/2006 - DEZEMBRO --- DATA DA REUNIÃO: Sete de Dezembro de dois mil e seis. ------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

Comprar: Deixe-se guiar!

Comprar: Deixe-se guiar! Está prestes a comprar um imóvel e tem numerosas perguntas bem legítimas. Quais as diferentes etapas e as formalidades a efetuar, antes, durante e após a compra? Siga o guia! Antes da compra Se está a

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 7 V Outras informações 8 NEWSLETTER

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886 IAPMEI - Legislação - Legislação Nacional - Incentivos-Portaria 1102/2010 de 25 de... Page 1 of 24 Portaria nº 1102/2010 de 25 de Outubro de 2010 DR 207 - SÉRIE I Emitido Por Ministério da Economia, da

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE Nos termos do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 215/2007, de 29 de Maio, são atribuições do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, IP promover

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

MUNICÍPIO DE MELGAÇO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO BAR DA ALAMEDA. ANÚNCIO N.º 1/DDE/2012, de 06 de JANEIRO

MUNICÍPIO DE MELGAÇO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO BAR DA ALAMEDA. ANÚNCIO N.º 1/DDE/2012, de 06 de JANEIRO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO BAR DA ALAMEDA ANÚNCIO N.º 1/DDE/2012, de 06 de JANEIRO Índice CAPÍTULO I ANÚNCIO DE CONCURSO... 3 1. IDENTIFICAÇÃO DO CONCURSO... 4 2. IDENTIFICAÇÃO E CONTACTOS DA ENTIDADE

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Galleon Capital Partners. Relatório de Gestão Exercício de 2011

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Galleon Capital Partners. Relatório de Gestão Exercício de 2011 Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Galleon Capital Partners Relatório de Gestão Exercício de 2011 Navegando Pacientemente no Mar Salgado / Sailing Paciently in the Salty Sea Comité de Investimentos

Leia mais

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO Começo por saudar os presentes e agradecer a disponibilidade demonstrada pelos distintos oradores que

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

SI QUALIFICAÇÃO DE PME

SI QUALIFICAÇÃO DE PME SI QUALIFICAÇÃO DE PME SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (AVISOS DE CANDIDATURA MAIO 2010) TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA

Leia mais

Iniciativa Competitividade e Emprego. Medidas de Reforço da Competitividade Económica

Iniciativa Competitividade e Emprego. Medidas de Reforço da Competitividade Económica Iniciativa Competitividade e Emprego Medidas de Reforço da Competitividade Económica 15/12/2010 Apresentação A Iniciativa para a Competitividade e o Emprego, aprovada a 15 de Dezembro de 2010 em Conselho

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr. JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.ª Guadalupe Tel. e Fax: 266 781 165 Tel.: 266 747 916 email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Rússia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Fevereiro 2010 Índice 1. Oportunidades 3 1.1 Comércio 3 1.2 Investimento de Portugal na Rússia 4 1.3 Investimento da Rússia

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento:

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento: 2012 Reforma Fiscal Estimado Cliente, O presente documento tem por finalidade dar a conhecer a publicação no Suplemento do Diário da República, I Série Nº 252 de 30 de Dezembro de 2011, onde foram divulgados,

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - IV Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais