SISTEMAS ADESIVOS: CONCEITOS ATUAIS E APLICAÇÕES CLÍNICAS. Dental Adhesives: new concepts and clinical applications

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS ADESIVOS: CONCEITOS ATUAIS E APLICAÇÕES CLÍNICAS. Dental Adhesives: new concepts and clinical applications"

Transcrição

1 SISTEMAS ADESIVOS: CONCEITOS ATUAIS E APLICAÇÕES CLÍNICAS Naiara Araújo de Oliveira 1 Lilian Shitomi Matsunaga Diniz 2 Nádia da Rocha Svizero 3 Paulo Henrique Perlatti D Alpino 4 Cássia Aparecida Covre Coimbra Pegoraro 5 Dental Adhesives: new concepts and clinical applications Resumo O objetivo desta revisão de literatura foi realizar um levantamento bibliográfico a respeito dos sistemas adesivos existentes atualmente no mercado, buscando compreender seu mecanismo de ação nos diferentes substratos dentários e a correta forma de aplicação clínica. O surgimento de novos sistemas adesivos que buscam a simplificação de passos, nem sempre vem acompanhado de qualidade adesiva e longevidade clínica, constituindo-se ainda um grande desafio a ser superado. Contudo, novas técnicas de adesão têm sido estudadas e sugeridas para melhorar a durabilidade da interface adesiva. Esta revisão teve o intuito de ajudar o cirurgião-dentista a atuar em clínica com maior conhecimento quanto à forma de utilização correta dos agentes de união, utilizando subsídios para que o procedimento adesivo apresente durabilidade e sucesso clínico em longo prazo. Palavras chave: agentes de união à dentina, união dental, sistemas adesivos. Abstract The aim of this paper is to review the literature regarding the current dental adhesives present on the market, their mechanism of adhesion on dental tissues and their clinical application. The development of new adhesive systems with simplified clinical steps represents a great challenge for researchers since these materials have not prove dental adhesion and longevity over time. However, new bonding techniques have been proposed to improve the durability of adhesive interface. This review had also the purpose of improve the clinician s knowledge about the correct use of dental adhesives to make the adhesion durable and successful. Keywords: dentin-bonding agents, dental bonding, adhesive systems. Introdução A evolução da Odontologia tem proporcionado o surgimento de novas técnicas restauradoras e materiais inovadores. Com o desenvolvimento e aprimoramento dos materiais restauradores estéticos, os sistemas adesivos tornaram-se elementos fundamentais em diversas aplicações clínicas, sendo responsáveis pela união do material restaurador às estruturas dentárias (CARVALHO, et al.2004). Enquanto a adesão ao esmalte é duradoura e efetiva (FRANKENBERGER, KRAMER, PETSCHELT, 2000), a união resina-dentina constitui-se um desafio para os pesquisadores, uma vez que este substrato é intrinsecamente úmido, tornando o procedimento adesivo altamente sensível (HALLER, 2000, CECCHIN, et al.2008). Desta forma, a união adesiva só será confiável quando executada sob rigoroso controle e um protocolo bem definido e executado (HILGERT, et al.,2008). Diversos tipos de sistemas adesivos encontramse disponíveis no mercado, o que torna difícil selecionar o material ideal frente aos diferentes passos clínicos e cuidados a serem observados durante a sua utilização. Com o objetivo de simplificar as técnicas de aplicação, as formulações dos sistemas adesivos foram sendo modificadas de modo que se tornassem altamente hidrofílicas e compatíveis com o substrato dentinário úmido. A crescente tendência de simplificação reflete o desejo do profissional por eficiência e redução de tempo clínico, porém não tem vindo acompanhada de uma genuína evolução tecnológica (CARVALHO, et al. 2004), uma vez que tem induzido a piores resultados em termos de durabilidade das ligações adesivas (PEUMANS, et al. 2005). Os procedimentos adesivos implicam na aplicação de substâncias (ácidos, solventes, monômeros) que modificam a morfologia e fisiologia do esmalte e da dentina (CARVALHO et al., 2004). A composição dos diferentes sistemas adesivos, seu mecanismo de ação nos substratos dentários, a forma de aplicação clínica e suas implicações frente à incorreta utilização e aos desafios existentes no ambiente bucal, constituem-se tópicos essenciais para o sucesso e durabilidade das ligações adesivas. Recentemente, novas técnicas de adesão têm sido sugeridas com o intuito de prolongar a longevidade das restaurações adesivas. O objetivo desta revisão de literatura é oferecer ao clínico subsídios para o melhor conhecimento sobre os sistemas adesivos e seus mecanismos de união com os substratos dentários, visando a obtenção de melhores resultados e a escolha de materiais mais adequados que supram as suas necessidades clínicas.

2 Adesão aos substratos dentários Adesão é a propriedade pela qual átomos ou moléculas de duas superfícies semelhantes ou diferentes se unem, mantendo-se em íntimo contato devido às forças intermoleculares existentes (FONSECA, 2008 ). O mecanismo básico de união dos materiais restauradores estéticos ao esmalte e à dentina ocorre essencialmente por um processo de troca, o qual envolve a substituição dos minerais removidos dos tecidos dentais duros por monômeros resinosos, que se infiltram e são polimerizados nas porosidades criadas, promovendo uma adesão micromecânica (NAGEM FILHO, et al., 2000; NAKABAYASHI, et al., 1982). No entanto, o sucesso clínico das restaurações depende da efetividade e durabilidade dessa interface de união, o que torna necessário o conhecimento sobre os substratos dentários nos quais os sistemas adesivos serão aplicados (MARTINS et al., 2008) e o mecanismo pelo qual ocorre esta união. Adesão ao esmalte O esmalte é um substrato altamente mineralizado, constituído por 96% de mineral e 4% de substância orgânica e água. O conteúdo inorgânico do esmalte é composto principalmente de cristais de hidroxiapatita e a matéria orgânica forma uma fina rede que aparece entre os cristais (TEN CATE, R. 2001b). A adesão ao esmalte é conseguida através do condicionamento deste substrato com ácido fosfórico em concentrações que variam entre 30 a 37%, durante um tempo de aplicação de 15 a 30 segundos. Este procedimento aumenta as porosidades da superfície exposta mediante a desmineralização seletiva dos prismas de esmalte, criando microporosidades onde o sistema adesivo se infiltrará e será fotopolimerizado (TEN CATE, 2001b; NAGEM FILHO, et al., 2000; CARVALHO, 1998). O aumento da concentração e do tempo de aplicação do agente condicionador promove a formação de microporosidades mais evidentes, no entanto isso não influencia de forma significante com a adesão dos compósitos à superfície do esmalte (NEVES, et al, 1999). Uma vez que o esmalte é um substrato homogêneo, a adesão fundamenta-se no preparo mecânico e químico da superfície, o que a torna duradoura e confiável (FRANKENBERGER, KRAMER, PETSCHELT, 2000). Adesão à dentina: A dentina é um tecido duro, elástico e avascular que envolve a câmara pulpar. É composta por aproximadamente 70% de material inorgânico, 20% de material orgânico e 10% de água, o que a caracteriza como um substrato heterogêneo (CECCHIN, et al.2008; HALLER, 2000; CARVALHO, 1998; PASHLEY, 1997), com alterações fisiológicas e patológicas que tornam o mecanismo de adesão mais complexo. Seu componente inorgânico consiste, principalmente, de cristais de hidroxiapatita e a fase orgânica é constituída pelas fibrilas de colágeno (TEN CATE, 2001a). Além disso, a dentina caracteriza-se pela presença de múltiplos túbulos dentinários, preenchidos pelo fluido dentinário, dispostos muito próximos e que se estendem desde a junção amelodentinária até a polpa, tornando-a um substrato naturalmente úmido (HALLER, 2000). Diante disso, a dentina requer uma técnica úmida de adesão, o que favoreceu o desenvolvimento de sistemas adesivos com formulações cada vez mais hidrofílicas possibilitando a retenção dos compósitos de resina à dentina e garantindo o sucesso imediato do procedimento adesivo neste substrato, o que até então não havia sido alcançado (CARVALHO, 2004; KANCA, 1992). Porém, em médio e longo prazo muitas das restaurações perdem a capacidade de selar e proteger os tecidos dentários íntegros, levando à microinfiltração marginal e à recorrência de cárie, o que caracteriza o insucesso das restaurações adesivas (CHERSONI, et al., 2004). Apesar da constante evolução dos sistemas adesivos, a heterogeneidade da estrutura dentinária e a presença natural de umidade neste substrato dificultam o procedimento adesivo, constituindo-se ainda um desafio clínico a ser superado. Adesão à dentina afetada por cárie A dentina acometida por cárie apresenta alterações em sua estrutura morfológica e histológica decorrentes do processo de desmineralização (FONSECA, 2008). Os componentes minerais de fosfato e carbonato de cálcio diminuem na região da dentina afetada por cárie quando comparada à dentina normal devido ao ciclo de des-remineralização. Estas diferenças de estrutura e composição encontradas não interferem apenas no procedimento de condicionamento ácido, mas também na penetração dos monômeros resinosos na dentina desmineralizada, o que induz a grandes diferenças na interface adesiva quando comparada à encontrada em dentina sadia (WANG et al.; 2007). Alguns estudos mostraram que a força de união dos sistemas adesivos à dentina cariada é menor quando comparada à dentina normal (SAY, 2005; PASHLEY, 1997). A dentina afetada por cárie apresenta maior permeabilidade na dentina intertubular e baixa permeabilidade na dentina intratubular. A melhor permeabilidade da dentina intertubular está associada ao fato de que o condicionamento ácido ataca mais profundamente este substrato, o qual já está parcialmente desmineralizado (devido à ação do processo carioso de des - remineralização) e é mais poroso que a dentina normal (PASHLEY, 1997), levando a uma maior infiltração do sistema de união. Já a infiltração do adesivo na dentina intratubular é dificultada pela presença de depósitos de minerais nos túbulos dentinários, que são resistentes ao ataque ácido (WANG, et al; 2007; SAY, 2005), atuando como uma barreira que diminui a infiltração do ácido e do sistema adesivo (OMAR,et al. 2007). O uso do ácido fosfórico é muito agressivo para a dentina afetada por cárie, a qual já se encontra parcialmente desmineralizada. Entretanto, ácidos fortes ou longos períodos de condicionamento foram sugeridos 7

3 para solubilizar os depósitos de minerais presentes na luz dos túbulos dentinários, permitindo assim a formação dos tags de resina, o que aumentaria a força de união dentinaresina. Mas, mesmo após longos períodos de exposição, observou-se que os cristais ainda são resistentes à dissolução. O longo período de condicionamento apenas produz uma camada desmineralizada mais profunda na dentina intertubular. Assim, alguns autores relataram que a união à dentina afetada por cárie requer tratamentos específicos de condicionamento ácido que não foram ainda bem definidos (WANG, et al.; 2007). Adesão à dentina esclerótica A dentina esclerótica é um substrato alterado fisiologicamente e patologicamente por estímulos do próprio organismo, por mecanismos naturais de defesa e, em parte, como conseqüência da colonização da microflora bucal, tornando-se cristalina e translúcida (TAY e PASHLEY, 2004), geralmente encontrada nas lesões cervicais não cariosas. É caracterizada pela obliteração parcial ou completa dos túbulos dentinários (TAY e PASHLEY, 2004), a qual ocorre pela produção de dentina peritubular ou pela presença de uma camada hipermineralizada (dentina esclerótica), o que compromete a formação dos tags de resina. Conseqüentemente, estes obstáculos de superfície impedem a infiltração do sistema adesivo na dentina subjacente (KWONG, et al., 2002), tornando a força de união dos adesivos a este substrato cerca de 30% inferior à dentina normal (PASHLEY, 1997). KWONG, et al (2002) sugeriram que a união à dentina esclerótica pode ser melhorada removendo-se a camada de superfície hipermineralizada com pequenas brocas esféricas que irão promover uma retenção mecânica, ou pelo uso de ácidos fortes. A remoção desta camada de superfície hipermineralizada pode ser benéfica para a obtenção de um condicionamento mais uniforme e para a infiltração da resina na dentina intratubular. Outra opção seria a utilização do cimento de ionômero de vidro sobre esta camada hipermineralizada, o qual propicia maiores forças de união à dentina esclerótica por apresentar adesão química e mecânica à estrutura dentária (DE MUNCK, et al, 2005). Sistemas adesivos Os sistemas adesivos são os materiais responsáveis por produzir a adesão do material restaurador às estruturas dentais. São a combinação de monômeros resinosos de diferentes pesos moleculares e viscosidades, diluentes resinosos e solventes orgânicos (acetona, etanol ou água) (CARVALHO, 2004). Os monômeros resinosos podem ser hidrofílicos, os quais permitem que o adesivo seja compatível com a umidade natural do substrato dentinário, ou hidrofóbicos, que apresentam maior peso molecular, são mais viscosos e conferem maior resistência mecânica e estabilidade ao material (CARVALHO, 2004). O surgimento dos sistemas de união na Odontologia possibilitou o desenvolvimento de inúmeras técnicas clínicas objetivando a maior conservação da estrutura dental hígida, sem necessidades de se confeccionar preparos cavitários com grande desgaste dos tecidos mineralizados (LAXE et al., 2007). Atualmente, os sistemas adesivos são indicados para restaurações estéticas de lesões cariosas, alteração de forma, cor e tamanho dos dentes, colagem de fragmentos, adesão de restaurações indiretas, selantes de fóssulas e fissuras, fixação de braquetes ortodônticos, reparo de restaurações, reconstrução de núcleo para coroas, cimentação de pinos intra-radiculares e para dessensibilização de raízes expostas (REIS et al., 2006). De acordo com a classificação, os sistemas adesivos podem ser divididos em convencionais e autocondicionantes. Tabela 1- Sistemas adesivos existentes no mercado (amostragem) Adesivos convencionais de três passos Adesivos convencionais de dois passos Adesivos autocondicionantes de dois passos Adesivos autocondicionantes de passo único Nomes comerciais/ fabricante Scothbond Multi uso (3M ESPE) All Bond 3 (Bisco) All Bond 2 (Bisco) Single Bond 2 (3M ESPE) Prime &Bond 2.1 (Dentsply) XP Bond (3M ESPE) Clearfil New Bond (Kuraray) Magic Bond DE (Vigodent) One Coat Bond SL (Coltene) Tetric N Bond (Ivoclar/ Vivadent) One Step (Bisco) One Step Plus (Bisco) Multi Bond Uno (DFL) Adpter SE Plus (3M ESPE) Clearfil Liner Bond 2V (Kuraray) Clearfil SE Bond (Kuraray) AdheSE DC (Ivoclar/Vivadent) Clearfil S3 Bond (Kuraray) Clearfil DC Bond (Kuraray) Adesivo GO! (SDI) Ace All Bond SE (Bisco) All Bond SE (Bisco) 8

4 Sistemas adesivos convencionais Adesivos convencionais são os sistemas que empregam o passo operatório de condicionamento ácido da superfície do esmalte ou dentina separadamente dos outros passos clínicos. Podem ser de dois passos (condicionamento ácido e combinação de primer e agente adesivo em um único frasco) ou três passos (condicionamento ácido, primer e agente adesivo em frascos separados). Estes adesivos consistem na remoção completa da smear layer e desmineralização da subsuperfície dentinária intacta através da utilização do condicionamento ácido (TAY e PASHLEY, 2001). PRIMER: solução de monômeros resinosos diluídos em solventes orgânicos. Corresponde à função hidrofílica do material. ADESIVO: função hidrofóbica, não contém solventes orgânicos nem água em sua formulação. É composto por monômeros mais viscosos do que aqueles presentes nos primers, porém com baixa viscosidade, garantindo fluidez suficiente para que o adesivo possa penetrar na superfície preparada pelo primer. Procedimento Adesivo 1 passo- condicionamento ácido do esmalte e dentina Concomitante ao condicionamento ácido do esmalte (30 segundos), para uma adequada adesão à dentina, a mesma deve ser condicionada com ácido fosfórico em concentrações entre 30% e 37% durante 15 segundos, o qual irá solubilizar a smear layer e desmineralizar a matriz de dentina subjacente, expondo as fibrilas de colágeno. 2º passo- Lavagem e secagem O ácido deve ser lavado pelo menos pelo dobro do tempo de condicionamento para assegurar a completa remoção dos subprodutos de reação e do mineral solubilizado na superfície (CARVALHO, 2004). Para que ocorra uma eficiente hibridização do tecido dentinário é fundamental que, após a desmineralização com ácidos, as fibrilas de colágeno expostas se mantenham expandidas pela presença de água, preservando os espaços interfibrilares para a posterior infiltração do agente adesivo (CARVALHO, 2004; PASHLEY 1994). Para isso, a remoção do excesso de água não deve ser realizada com jatos de ar da seringa tríplice, o que pode ocasionar o ressecamento demasiado da estrutura dentinária levando a um colapso da rede colágena. Com o intuito de deixar a superfície levemente úmida e prevenir o colapso das fibrilas de colágeno (PASHLEY, 1997), devem ser utilizadas bolinhas de algodão hidrófilas ou pedaços de papel absorvente colocados nas margens do preparo. O passo de secagem do substrato dentinário requer ainda alguns cuidados clínicos, levando em consideração o sistema de união a ser utilizado. Para adesivos que contêm água na sua composição, a superfície da dentina deve ser mantida ligeiramente mais seca, sem que se perceba a presença de uma lâmina de água sobre ela (sem brilho). Mas caso a secagem seja excessiva e haja colapso das fibrilas de colágeno, a água presente no adesivo se encarregará de re-expandir as fibrilas aumentando o tamanho dos espaços entre as mesmas e devolvendo a condição ideal para a infiltração dos monômeros resinosos (CARVALHO, 2004; PASHLEY, 1997). Para adesivos que não contêm água na sua composição, a superfície dentinária deve ser mantida visivelmente úmida, com a presença de uma lâmina de água sobre a mesma (com brilho). Caso a secagem seja excessiva e haja o colapso das fibrilas de colágeno, não haverá fonte de água para re-expansão, pois o solvente anidro presente não é capaz de re-expandir a dentina colapsada (CARVALHO, 2004). 3 passo- aplicação do primer (convencional 3 passos) ou primer/adesivo (convencional 2 passos) A água presente nos espaços interfibrilares deverá ser removida para que ocorra a infiltração dos monômeros resinosos. A remoção da água presente no substrato dentinário ocorre por um processo de desidratação química, liderada pelos solventes anidros contidos nos sistemas adesivos. Quando aplicados sobre a superfície úmida da dentina, os solventes (etanol, acetona) rapidamente se misturam com a água e carregam para a intimidade da matriz os monômeros hidrofílicos. Após a saturação da superfície, a mistura de solventes com água será eliminada por evaporação (CARVALHO, 2004). A eliminação da água e dos solventes residuais é fundamental para garantir adequada polimerização e conseqüente desempenho do material e isso é válido para todos os sistemas adesivos. Desta forma, quanto maior o tempo de espera para a fotoativação, maior quantidade de solvente e água irá evaporar e melhor será a qualidade de união (HILGERT, et al., 2008; CARVALHO, 2004). Após a aplicação do primer (convencional 3 passos) ou primer/adesivo (convencional 2 passos), recomenda-se esperar 30 segundos antes da fotoativação, para permitir a evaporação da água e do solvente, e durante este tempo, pode-se aplicar um leve jato de ar, com aproximadamente cm de distância do preparo, o que favorece a circulação de ar na área e a evaporação. Após 30 segundos, verificar a presença de brilho no preparo, o que indica a camada de adesivo existente, porém, caso esteja opaca, deve-se aplicar uma nova camada e aguardar mais 30 segundos previamente à fotoativação (HILGERT, et al., 2008; CARVALHO, 2004). Para os sistemas convencionais de 3 passos, devese ainda realizar a aplicação do adesivo (hidrofóbico), o qual não contém solventes orgânicos nem água em sua formulação. É composto por monômeros mais viscosos do que aqueles presentes nos primers, mas ainda assim sua baixa viscosidade garante fluidez suficiente para que o adesivo possa penetrar na superfície preparada pelo primer. Deve ser fotoativado por 20 segundos. Deve-se considerar que os adesivos que contém água na sua formulação e que, conseqüentemente, se evaporam mais lentamente, devem ser aplicados de forma 9

5 ativa, de modo a favorecer a evaporação da água já no momento da aplicação, realizando movimentos suaves de espalhamento do adesivo sobre as paredes cavitárias. Estes apresentam menor sensibilidade em relação à umidade de superfície e modo de aplicação (CARVALHO, 2004). Já os adesivos que não contém água e que, normalmente, contém solventes altamente voláteis como a acetona ou o etanol, não devem ser aplicados de forma ativa. Se esses adesivos forem aplicados de forma ativa, corre-se o risco de que os solventes se evaporem precocemente e não exerçam sua função de deslocar a água residual presente entre as fibrilas, comprometendo a infiltração dos monômeros resinosos. Esses adesivos devem ser simplesmente dispensados sobre a superfície, sem espalhamento (HILGERT, et al., 2008; CARVALHO, 2004). Com aplicação do adesivo, tem-se o procedimento conhecido como hibridização, ou seja, formação de uma camada híbrida (DE MUNCK, 2005), a qual pode ser definida como a impregnação de um monômero à superfície dentinária desmineralizada, formando uma camada ácido-resistente de dentina reforçada por resina (NAKABAYASHI, et al. 1982). Atualmente, os sistemas de união de 3 passos à base de água e etanol são considerados os melhores padrões em termos de durabilidade de união, especialmente em preparos cavitários que apresentam margens em dentina (DE MUNCK, et al., 2005.) Considerações clínicas Quando o adesivo é aplicado no preparo cavitário em excesso e tenta-se espalhá-lo com a aplicação de jatos de ar para diminuir a espessura da sua camada, tal procedimento resulta na incorporação de oxigênio, o que pode comprometer a sua polimerização e, conseqüentemente, a adesão. Adicionalmente, a espessura de adesivo não será uniforme, havendo acúmulo de material nos ângulos internos do preparo e extravasamento de adesivo para além dos limites cavitários (CARVALHO, 2004). Se o sistema adesivo for aplicado e prontamente fotoativado, sem aguardar um tempo suficiente para sua correta evaporação, o mesmo não irá polimerizar adequadamente, podendo trazer conseqüências negativas que comprometam a união, com efeitos na resistência adesiva e selamento, sensibilidade pós-operatória e degradação precoce da interface adesiva (HILGERT, et al., 2008; CARVALHO, 2004; PASHLEY, 1997). Problemas associados aos sistemas adesivos convencionais A finalidade do procedimento adesivo é a completa infiltração e recobrimento das fibrilas de colágeno pela resina de união, protegendo-as da degradação (BRESCHI, et al., 2008). Idealmente, o adesivo deveria penetrar toda a extensão da dentina desmineralizada pelo condicionamento ácido, formando uma zona de interdifusão entre dentina e resina, conhecida como camada híbrida (HILGERT, 2008; PASHLEY, 1997). No entanto, quando a profundidade de desmineralização da dentina é maior que a infiltração dos monômeros resinosos, as fibrilas de colágeno desmineralizadas e não envoltas por resina, ou seja, expostas, tenderão a sofrer uma lenta hidrólise pela penetração de fluidos externos ou dentinários, comprometendo a durabilidade da união (PASHLEY, 1994). Alguns autores têm mostrado que a extensão do tempo de aplicação do ácido fosfórico na dentina (acima de 15 s) também pode resultar em fibrilas de colágeno mais expostas e desmineralizadas, o que leva a uma reduzida impregnação da resina adesiva, aumentando as chances de degradação da interface adesiva (BRESCHI et al.,2008). Clinicamente, a degradação desta interface pode enfraquecer a adesão e conduzir à formação de fendas entre o dente e o material restaurador (AMARAL et al., 2007). Outro fato a ser considerado é que os solventes orgânicos (etanol ou acetona) têm a função de promover a desidratação química (evaporação da água) da dentina desmineralizada para que os monômeros resinosos possam ocupar os espaços entre as fibrilas de colágeno, previamente preenchidos pela água (CARVALHO, 1998). Portanto, outra preocupação relacionada aos atuais adesivos hidrófilos é que, à medida que a mistura de solvente e água evapora, ocorre um aumento proporcional da concentração de monômeros resinosos na mistura, reduzindo a capacidade de evaporação tanto dos solventes como da água, em função da gradativa redução na pressão de vapor desses fluidos (PASHLEY, et al., 1998 e 2007). Conseqüentemente, resíduos de água e do solvente podem permanecer no interior da dentina desmineralizada, comprometendo a conversão dos monômeros e contribuindo com a formação de polímeros frágeis e permeáveis (YIU et al. 2005; ITO et al., 2005; TAY et al., 2002,), com restrita capacidade de selar e proteger a dentina sadia remanescente (CARRILHO et al., 2007; CHERESONI et al., 2004; BOUILLAGUET et al., 2000). A retenção de água na matriz da dentina desmineralizada pode, ainda, impedir a completa infiltração dos monômeros resinosos nos espaços interfibrilares localizados nas regiões mais profundas da matriz desmineralizada (SPENCER e SWAFFORD, 1999). Como visto, a água desempenha papel fundamental na obtenção da adesão, mas também estabelece as situações que determinam os mecanismos de degradação da interface adesiva (CARVALHO, 2004). Sistemas Adesivos Autocondicionantes Uma das principais causas de falhas no processo de adesão ao substrato dentinário é a discrepância entre a área desmineralizada e a área infiltrada pelo agente de união (PASHLEY, 1994). Na tentativa de se eliminar este inconveniente foi proposta uma técnica adesiva com sistemas de união denominados de autocondicionantes, os quais não requerem a aplicação isolada de um ácido para produzir porosidades no substrato. Embora os sistemas autocondicionantes apresentem como vantagem a ausência do passo 10

6 operatório de condicionamento ácido, tal fato não é totalmente verdadeiro quando se trata de adesão ao esmalte (especialmente do esmalte não instrumentado). Diversos trabalhos (HILGERT, et al, 2008; WATANABE, et al, 2008) mostraram que o condicionamento ácido somente do esmalte, previamente à aplicação destes tipos de adesivos, está indicado para melhorar seu desempenho clínico neste substrato. Desta forma, recomenda-se o condicionamento do esmalte com ácido fosfórico por 15 segundos, lavagem, secagem com jatos de ar e aplicação do sistema autocondicionante. A incorporação de monômeros resinosos ácidos na sua formulação permite a dissolução da camada de detritos, a desmineralização da porção mais superficial da dentina subjacente (SWIFT, 2002) e, simultaneamente, a infiltração da resina adesiva nos tecidos dentais, ou seja, a smear layer é incorporada na interface de união (CARVALHO, 1998). TAY et al. (2000) verificaram que os primers autocondicionantes utilizados (Clearfil SE Bond e Clearfil Liner Bond 2V) penetravam de 3 a 4 µm pela smear layer e foram capazes de desmineralizar a dentina intertubular a uma profundidade de 0,4 a 0,5 µm. Nesses sistemas ocorreu a difusão do agente resinoso por entre as fibrilas de colágeno na porção mais superficial da dentina (0,1 a 0,2 µm), formando uma camada híbrida pouco espessa. No entanto, apesar da pequena espessura desta camada, geralmente abaixo de 2 µm, alta resistência adesiva inicial foi obtida. Os sistemas adesivos autocondicionantes podem ser de dois passos, onde o agente condicionador e o primer estão combinados em um mesmo frasco e o adesivo é aplicado separadamente; ou de passo único, que combina ácido, primer e adesivo em uma mesma aplicação. Alguns autores relataram que esses materiais são menos sensíveis às questões de umidade superficial da dentina, evitando a sensibilidade pós-operatória quando comparados aos sistemas convencionais (LAXE et al., 2007). Isto ocorre porque o primer é acidificado, ou seja, ao mesmo tempo em que condiciona a estrutura dentária, promove junto com o adesivo, um embricamento micromecânico, o que elimina uma etapa, o condicionamento com ácido fosfórico e sua posterior lavagem e secagem, resultando em uma área de menor desmineralização da estrutura dentária (AHID, et al.; 2009) e significativa redução da sensibilidade pósoperatória (CUNHA, et al., 2007). Estes primers ácidos apresentam capacidade tampão, com um ph entre 1.5 e 4.5 na superfície dentinária um minuto após a aplicação, o que preserva o ataque da dentina mineralizada sadia subjacente (PASHLEY, 1997). Procedimento adesivo: Adesivos autocondicionantes de dois passos (primer autocondicionante) 1 passo- aplicação do primer ácido (caráter ácido e fluido, responsável pela formação da camada híbrida com os tecidos dentais). O primer autocondicionante é aplicado em todo o preparo (esmalte e dentina) de forma ativa por 20 a 30 segundos, seguida de leves jatos de ar. 2 passo- aplicação do adesivo (resina de baixa viscosidade, com características hidrofóbicas e que não contém solventes ou água, garantindo resistência e estabilidade). Aplica-se uma camada uniforme do adesivo, seguida de leves jatos de ar e fotoativação por 20 segundos. Adesivos autocondicionantes de passo único (adesivo autocondicionante) Uma única solução contém monômeros ácidos, solventes, diluentes e água, que são aplicados diretamente sobre o substrato dental não condicionado e desempenha a função de desmineralização, infiltração e posterior ligação com o material restaurador. A simplificação dos passos operatórios determinou maior complexidade da formulação e o comprometimento da eficiência desses adesivos. Este sistema adesivo é aplicado de forma ativa por, no mínimo, 15 segundos em todo o preparo cavitário, seguido de leves jatos de ar. Uma nova camada é aplicada, seguida de novos jatos de ar, e a fotopolimerização realizada por 40 segundos (o tempo precisa ser longo devido ao caráter hidrofílico do sistema adesivo). Para seu melhor desempenho, alguns trabalhos (HILGERT et al., 2008; BRESCHI et al., 2008) recomendam a aplicação de uma camada de resina adesiva hidrofóbica sobre os sistemas autocondicionantes de passo único, o que os transformaria em autocondicionantes de dois passos. Implicações clínicas dos Sistemas Adesivos Adesivos simplificados funcionam como membranas permeáveis Estudos realizados in vitro e in vivo mostraram que os adesivos convencionais de dois passos e os autocondicionantes de passo único, tornam-se membranas semi-permeáveis após a polimerização, pois são susceptíveis à sorção de água e se degradam mais rapidamente que os adesivos que apresentam o passo de aplicação da resina hidrofóbica (convencional 3 passos e autocondicionantes de 2 passos). Com a aplicação de uma camada de resina hidrofóbica, esta membrana semipermeável é neutralizada (BRESCHI, et al., 2008; DE MUNCK 2005). A capacidade da água em permear tais sistemas adesivos após a polimerização está diretamente relacionada à sua característica hidrofílica, permitindo o rápido fluxo de água da dentina hidratada através da camada de adesivo polimerizada. Na presença de monômeros hidrofílicos, solvente e água residual presentes após a polimerização, a água do meio externo é absorvida com facilidade e migra para áreas de porosidade interna e sítios do polímero onde se localizam as moléculas hidrofílicas. Imediatamente após a polimerização, a exposição dos adesivos ao meio aquoso inicia o processo de absorção de água. A água exerce de imediato um efeito plastificador das moléculas, 11

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens Adper Easy One Adesivo Autocondicionante Um adesivo Um frasco Muitas vantagens Um adesivo. Uma camada. Uma única etapa. Rápido! PRATICIDADE EM UM FRASCO Com o Adper Easy One, você precisa de apenas um

Leia mais

Quando inicio um novo

Quando inicio um novo A r t i g o s Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Entendendo a química dos cimentos e adesivos: você está cimentando suas peças estéticas corretamente? Quando inicio um novo artigo,

Leia mais

Single Bond Universal Adesivo. Single Bond. Universal. O adesivo que você. sempre quis

Single Bond Universal Adesivo. Single Bond. Universal. O adesivo que você. sempre quis Universal Adesivo Universal O adesivo que você sempre quis Chegou o Universal O adesivo mais versátil e confiável do mundo O Universal é o primeiro e único adesivo que pode ser utilizado sob qualquer técnica

Leia mais

SISTEMAS ADESIVOS: CONCEITO, APLICAÇÃO E EFETIVIDADE

SISTEMAS ADESIVOS: CONCEITO, APLICAÇÃO E EFETIVIDADE SISTEMAS ADESIVOS: CONCEITO, APLICAÇÃO E EFETIVIDADE Ellen Oliveira de Souza Silva 1 Fernanda Carolina Beltrani 1 Ricardo Shibayama 2 Edwin Fernando Ruiz Contreras 2 Márcio Grama Hoeppner 2 SILVA, E. O.

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL RESTAURAÇÕES EM RESINAS COMPOSTAS SEQUÊNCIA CLÍNICA São Paulo - SP PREFEITURA DA

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

No último século pesquisadores vêm enfrentado um desafio de formular

No último século pesquisadores vêm enfrentado um desafio de formular ARTIGO ORIGINAL Influência da camada híbrida na resistência à microtração de sistemas adesivos após armazenamento Hibrid layer influence in bond systems microtensile test after storage Leonardo Vieira

Leia mais

SISTEMAS ADESIVOS - ATUALIDADES E PERSPECTIVAS

SISTEMAS ADESIVOS - ATUALIDADES E PERSPECTIVAS SISTEMAS ADESIVOS - ATUALIDADES E PERSPECTIVAS André Figueiredo Reis Professor Adjunto, Área de Dentística, Centro de Pós-Graduação Pesquisa e Extensão, Universidade Guarulhos Patrícia Nóbrega Rodrigues

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

Aplicação clínica e conceitos atuais

Aplicação clínica e conceitos atuais CAPÍTULO? SISTEMAS ADESIVOS Aplicação clínica e conceitos atuais OSWALDO SCOPIN DE ANDRADE * SIDNEY KINA ** RONALDO HIRATA *** INTRODUÇÃO O conceito de adesão dos materiais odontológicos ao substrato elemento

Leia mais

Uso da microscopia eletrônica de varredura para visualizar a camada hibrida, tags resinosos e nanoinfiltração

Uso da microscopia eletrônica de varredura para visualizar a camada hibrida, tags resinosos e nanoinfiltração Uso da microscopia eletrônica de varredura para visualizar a camada hibrida, tags resinosos e nanoinfiltração FERNANDO SOUZA SIMIONI 1 CELSO AFONSO KLEIN-JUNIOR 2 RESUMO O objetivo deste estudo foi observar

Leia mais

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm;

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm; DEFINIÇÃO AJUSTES E CIMENTAÇÃO Desgaste e polimento necessários para o correto assentamento da peça protética sobre o preparo, garantindo o vedamento marginal e um adequado equilíbrio de contatos proximais

Leia mais

Entrevista. Nobuo Nakabayashi

Entrevista. Nobuo Nakabayashi Nobuo Nakabayashi Quando se pensa na popularidade da Odontologia adesiva, o nome mais referenciado na literatura é do químico japonês que mudou o modo de tratar e selar a dentina e, por conseqüência, a

Leia mais

RESTAURAÇÕES DIRETAS EM DENTES POSTERIORES

RESTAURAÇÕES DIRETAS EM DENTES POSTERIORES RESTAURAÇÕES DIRETAS EM DENTES POSTERIORES 3M ESPE Ionômero de Vidro Vitrebond MR Prepare o dente e isole. Aplique um material forrador, se desejado: Misture uma colher nivelada do pó do Vitrebond com

Leia mais

Adesivos dentinários REVISÃO REVIEW RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO. Dentin-bonding agents

Adesivos dentinários REVISÃO REVIEW RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO. Dentin-bonding agents REVISÃO REVIEW Adesivos dentinários Dentin-bonding agents Gislaine Cristine MARTINS 1 Ana Paula Gebert de Oliveira FRANCO 2 Eloísa de Paula GODOY 2 Daniel Rodrigo MALUF 2 João Carlos GOMES 2 Osnara Maria

Leia mais

Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato

Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato ... vedar... obliterar... isolar do meio externo SELANTE É: Barreira Física Os selantes oclusais são reconhecidos como uma medida efetiva na PREVENÇÃO

Leia mais

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil Enforce - Sistema Multiuso de Cimentação Adesiva, com Flúor Desde que foi lançado no Brasil, o sistema de cimentação adesiva Enforce com Flúor passou a fazer parte do dia-adia dos profissionais que realizam

Leia mais

ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA

ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA Rua Itapicuru, 495 Perdizes CEP 05006-000 São Paulo SP Fone (11) 3670-1070 www.oraltech.com.br INFORMAÇÕES GERAIS ALL BOND 3

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE.

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. VOCÊ RESOLVENDO O PROBLEMA DO SEU PACIENTE. CONTÉM NANO- HIDROXIAPATITA Pasta Dessensibilizante e Remineralizante AF. folder 40x7 nano p.indd 6/6/0 :40:49

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V

RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V Indicações: Cavidades de Classe V, casos de erosão cervical/lesões de abrasão e lesões cariosas de raiz. Cavidades de Classe III. Preparo do Dente: Selecione

Leia mais

RETENÇÃO PROPORCIONADA ATRAVÉS DE ADESIVOS DENTINÁRIOS EM RESTAURAÇÕES A AMÁLGAMA

RETENÇÃO PROPORCIONADA ATRAVÉS DE ADESIVOS DENTINÁRIOS EM RESTAURAÇÕES A AMÁLGAMA RETENÇÃO PROPORCIONADA ATRAVÉS DE ADESIVOS DENTINÁRIOS EM RESTAURAÇÕES A AMÁLGAMA José Benedicto de MELLO* Maria Amélia Máximo de ARAÚJO* Maria Filomena Rocha Lima HUHTALA* Ana Cristina ISHIKAWA** RESUMO:

Leia mais

Utilização do Sistema adesivo autocondicionante em restauração direta de resina composta Protocolo clínico

Utilização do Sistema adesivo autocondicionante em restauração direta de resina composta Protocolo clínico Artigo de Pesquisa Utilização do Sistema adesivo autocondicionante em restauração direta de resina composta Protocolo clínico Victor Grover Rene Clavijo*, Niélli Caetano de Souza**, William Kabbach***,

Leia mais

REPARO EM PORCELANA. 3M ESPE Adper Single Bond TM 2 Adesivo Fotopolimerizável

REPARO EM PORCELANA. 3M ESPE Adper Single Bond TM 2 Adesivo Fotopolimerizável REPARO EM PORCELANA Preparação: Isole e limpe a superfície. Deixe a superfície metálica rugosa com uma broca ou através da técnica de jateamento. Remova toda porcelana enfraquecida. Bisele as margens.

Leia mais

Utilização do Sistema adesivo autocondicionante em restauração direta de resina composta Protocolo clínico

Utilização do Sistema adesivo autocondicionante em restauração direta de resina composta Protocolo clínico Artigo de Pesquisa Utilização do Sistema adesivo autocondicionante em restauração direta de resina composta Protocolo clínico Victor Grover Rene Clavijo*, Niélli Caetano de Souza**, William Kabbach***,

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico Dr Saul Antunes Neto Desde o surgimento das resinas compostas, das técnicas de condicionamento ácido, das estruturas

Leia mais

SISTEMAS ADESIVOS ATUAIS: CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E APLICABILIDADE EM ODONTOPEDIATRIA

SISTEMAS ADESIVOS ATUAIS: CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E APLICABILIDADE EM ODONTOPEDIATRIA SISTEMAS ADESIVOS ATUAIS: CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E APLICABILIDADE EM ODONTOPEDIATRIA CURRENT ADHESIVE SYSTEMS: PHYSICAL CHEMISTRY CHARACTERISTICS AND APPLICATIONS IN PEDIATRIC DENTISTRY Maria

Leia mais

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM HIPERSENSIBILIDADE Produto em processo de aprovação junto à ANVISA www.colgateprofissional.com.br Apresentando Pro-Argin

Leia mais

Profilaxia. Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio. Bifluorid 12 em embalagens Single Dose. Indicações: Indicações:

Profilaxia. Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio. Bifluorid 12 em embalagens Single Dose. Indicações: Indicações: Bifluorid 12 Bifluorid 12 Single Dose Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio Bifluorid 12 em embalagens Single Dose Reparação de cerâmica directa Tratamento de hipersensibilidade

Leia mais

Reconstrução do sorriso em dentes tratados endodonticamente

Reconstrução do sorriso em dentes tratados endodonticamente Reconstrução do sorriso em dentes tratados endodonticamente Este caso apresenta o tratamento a um paciente em que foi utilizada uma associação de pinos de fibra de vidro, de cimento auto-adesivo e de resina

Leia mais

Aplicação de um novo sistema adesivo universal: relato de caso

Aplicação de um novo sistema adesivo universal: relato de caso Relato de caso clínico KOSE C; PAULA EA; SERRANO APM; TAY LY; REIS A; LOGUERCIO AD; PERDIGÃO J Aplicação de um novo sistema adesivo universal: relato de caso Recebido em: jul/2012 Aprovado em: jun/2013

Leia mais

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40 PROTECTO GLASS 90 é uma série de revestimentos monolíticos termofixos, que têm sido utilizados intensamente nos Estados Unidos e Brasil como uma excelente alternativa técnica para recuperação de equipamentos

Leia mais

Instruções de utilização

Instruções de utilização Instruções de utilização Prime&Bond NT Adesivo Dentário de Nano-Tecnologia Português O Prime&Bond NT é um adesivo dentário auto-activador estudado para cimentar materiais fotopolimerizáveis e materiais

Leia mais

RESINOMER. Bisco CE0459. Instructions for Use. Dual- Cured. Amalgam Bonding/Luting System

RESINOMER. Bisco CE0459. Instructions for Use. Dual- Cured. Amalgam Bonding/Luting System Bisco CE0459 RESINOMER Dual- Cured Amalgam Bonding/Luting System Instructions for Use PT IN-029R7 Rev. 11/14 BISCO, Inc. 1100 W. Irving Park Road Schaumburg, IL 60193 U.S.A. 847-534-6000 1-800-BIS-DENT

Leia mais

MILHÕES P O O S A I S O M E N I T M U 8DE SORRISOS. www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES.

MILHÕES P O O S A I S O M E N I T M U 8DE SORRISOS. www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES. MILHÕES 8DE SORRISOS M U I T M U O I T M A I S O M E N P O O S R BRINDES DESCONTOS ECONOMIA QUALIDADE www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES. LEVE AGORA! WHITE CLASS

Leia mais

ESTUDO DO CONDICIONAMENTO ÁCIDO DO ESMALTE HUMANO. AVALIAÇÁO PELO MICROSC~PIO ELETRONICO DE VARREDURA

ESTUDO DO CONDICIONAMENTO ÁCIDO DO ESMALTE HUMANO. AVALIAÇÁO PELO MICROSC~PIO ELETRONICO DE VARREDURA ESTUDO DO CONDICIONAMENTO ÁCIDO DO ESMALTE HUMANO. AVALIAÇÁO PELO MICROSC~PIO ELETRONICO DE VARREDURA Flávia Magnani BEVILACQUA* Sizenando de Toledo PORTO NETO** RESUMO: Anteriormente ao desenvolvimento

Leia mais

Instruções de utilização. Adesivo dentário de tripla acção

Instruções de utilização. Adesivo dentário de tripla acção Instruções de utilização Português 54 Adesivo dentário de tripla acção O Xeno III 1 é um adesivo dentário universal concebido para cimentar materiais de restauração fotopolimerizáveis a esmalte e dentina.

Leia mais

Resinas compostas: o estado da arte

Resinas compostas: o estado da arte Caso Selecionado Resinas compostas: o estado da arte Maurício U. Watanabe Na Odontologia atual, a resina composta é o material de eleição quando se trata de reconstruções de coroas fraturadas de dentes

Leia mais

Degradação das interfaces resina-dentina: uma revisão da literatura

Degradação das interfaces resina-dentina: uma revisão da literatura Revista de Odontologia da UNESP. 2006; 35(3): 191-99 2006 - ISSN 1807-2577 Degradação das interfaces resina-dentina: uma revisão da literatura André Figueiredo REIS a, Alessandra CASSONI a, Marcos KIRIHATA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Odontólogo (Unidade Móvel) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. I N S T R

Leia mais

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico rtigo Inédito Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico Oswaldo Scopin de ndrade*, José Carlos Romanini** RESUMO literatura científica atual preconiza para a dentição anterior a opção

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Especialistas debatem os procedimentos de cimentação no t ratamento restaurador

Especialistas debatem os procedimentos de cimentação no t ratamento restaurador Especialistas debatem os procedimentos de cimentação no t ratamento restaurador O ADVENTO DOS SISTEMAS ESTÉTICOS ADESIVOS OU METAL-FREE TROUXE PARA A CIMENTAÇÃO MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NOS PROCESSOS PROTÉTICOS.

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

Instruções de utilização. Adesivo universal de acondicionamento total

Instruções de utilização. Adesivo universal de acondicionamento total Instruções de utilização Português 52 Adesivo universal de acondicionamento total XP BOND é um adesivo universal monocomponente, especialmente desenhado para adesão de materiais de restauração de resina

Leia mais

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE MÓDULO Tema: O papel da ASB nas especialidades de Prótese e Dentística. Trabalho

Leia mais

O uso de materiais resinosos e estéticos em dentes posteriores é. crescente na prática odontológica, apesar desses apresentarem custo mais

O uso de materiais resinosos e estéticos em dentes posteriores é. crescente na prática odontológica, apesar desses apresentarem custo mais 1- INTRODUÇÃO: O uso de materiais resinosos e estéticos em dentes posteriores é crescente na prática odontológica, apesar desses apresentarem custo mais elevado e longevidade inferior quando comparados

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

Avaliação da resistência de união de dois sistemas adesivos autocondicionantes Revisão de literatura e aplicação do ensaio de microcisalhamento

Avaliação da resistência de união de dois sistemas adesivos autocondicionantes Revisão de literatura e aplicação do ensaio de microcisalhamento ISSN 1806-7727 Avaliação da resistência de união de dois sistemas adesivos autocondicionantes Revisão de literatura e aplicação do ensaio de microcisalhamento Bond strength of two self-etching adhesive

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone + H 2 O Ivone Umidade (%) Colagem 100 Líquido Plástico Semi-Sólido Índice de Plasticidade - IP Limite de Liquidez - LL Limite de Plasticidade - LP COLAGEM EXTRUSÃO Sólido Limite de Contração - LC PRENSAGEM

Leia mais

Clinical Update. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico. Introdução.

Clinical Update. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico. Introdução. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico PEREIRA, Marcelo Agnoletti Especialista em Dentística restauradora FUNBEO-FOB-USP Mestre em Dentística

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

Avaliação in vitro da microinfiltração em cavidades classe II de molares decíduos utilizando diferentes sistemas adesivos

Avaliação in vitro da microinfiltração em cavidades classe II de molares decíduos utilizando diferentes sistemas adesivos Revista de Odontologia da UNESP. 2006; 35(3): 119-123 2006 - ISSN 1807-2577 Avaliação in vitro da microinfiltração em cavidades classe II de molares decíduos utilizando diferentes sistemas adesivos Veruska

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml.

LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml. LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml. O Limpador Lexol-pH é ideal para todos os cuidados necessários

Leia mais

Efeito da Clorexidina 2% na Resistência de União de Dois Sistemas Adesivos à Dentina Humana

Efeito da Clorexidina 2% na Resistência de União de Dois Sistemas Adesivos à Dentina Humana ISSN - 1519-0501 DOI: 10.4034/1519.0501.2008.0081.0010 Efeito da Clorexidina 2% na Resistência de União de Dois Sistemas Adesivos à Dentina Humana Effect of 2% Chlorhexidine on the Bond Strength of Two

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

Adesivo universal fotopolimerizável. Toda a força que você precisa em uma gota!

Adesivo universal fotopolimerizável. Toda a força que você precisa em uma gota! Adesivo universal fotopolimerizável Toda a força que você precisa em uma gota! ONE COAT BOND: Superconcentrado. Um componente. Um passo. Isto é o que o faz único: 100% adesivo, 0% acetona, 0% etanol! O

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS ADESIVOS DENTINÁRIOS NA MICROINFILTRAÇÃO MARGINAL DE RESINAS COMPOSTAS*

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS ADESIVOS DENTINÁRIOS NA MICROINFILTRAÇÃO MARGINAL DE RESINAS COMPOSTAS* ARTIGO AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS ADESIVOS DENTINÁRIOS NA MICROINFILTRAÇÃO MARGINAL DE RESINAS COMPOSTAS* EVALUATION OF USE OF DENTIN BOND ON THE MARGINAL MICROLEAKEGE OF COMPOSITES Peixe, Simone** Firoozmand,

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICOS MERIDIONAL - CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA CARLA BATTISTON MAIA

FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICOS MERIDIONAL - CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA CARLA BATTISTON MAIA 0 FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICOS MERIDIONAL - CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA CARLA BATTISTON MAIA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA ADESIVA EM DENTINA UTILIZANDO SISTEMAS

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO QUESTÃO 21 Assinale a alternativa CORRETA quanto à obtenção da analgesia (anestesia regional): a) O método do bloqueio de nervo é aplicado para a obtenção

Leia mais

PREVENÇÃO DA FORMAÇÃO DE ESTRIAS

PREVENÇÃO DA FORMAÇÃO DE ESTRIAS PREVENÇÃO DA FORMAÇÃO DE ESTRIAS Existem fatores extrínsecos e intrínsecos que predispõem a ocorrência das estrias. O principal fator extrínseco é o trauma mecânico ( estresse mecânico), porém, ainda mais

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

Gislaine Adams Sabrine Louise Souza

Gislaine Adams Sabrine Louise Souza Caso Clínico Clínica Integrada IV Necropulpectomia Gislaine Adams Sabrine Louise Souza Universidade Positivo 5º período Anamnese Paciente M.M. Sexo feminino 21 anos Fumante Procurou o serviço de emergência

Leia mais

TRATAMENTO ESTÉTICO DE DENTE COM ALTERAÇÃO CROMÁTICA: FACETA DIRETA COM RESINA COMPOSTA

TRATAMENTO ESTÉTICO DE DENTE COM ALTERAÇÃO CROMÁTICA: FACETA DIRETA COM RESINA COMPOSTA CDD: 617.67 TRATAMENTO ESTÉTICO DE DENTE COM ALTERAÇÃO CROMÁTICA: FACETA DIRETA COM RESINA COMPOSTA ESTHETIC TREATMENT OF A TOOTH PRESENTING COLOR ALTERATION: DIRECT APPLICATION OF COMPOSITE RESIN VENEER

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

LUÍSA ALEXANDRA ASENSIO LEITÃO

LUÍSA ALEXANDRA ASENSIO LEITÃO LUÍSA ALEXANDRA ASENSIO LEITÃO SISTEMAS ADESIVOS: CONDICIONAMENTO TOTAL VS. AUTO CONDICIONAMENTO UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PORTO 2008 LUÍSA ALEXANDRA ASENSIO LEITÃO SISTEMAS

Leia mais

CELI DE CAMARGO DA SILVA SISTEMAS ADESIVOS AUTOCONDICIONANTES

CELI DE CAMARGO DA SILVA SISTEMAS ADESIVOS AUTOCONDICIONANTES CELI DE CAMARGO DA SILVA SISTEMAS ADESIVOS AUTOCONDICIONANTES Londrina 2012 CELI DE CAMARGO DA SILVA SISTEMAS ADESIVOS AUTOCONDICIONANTES Trabalho Apresentado à disciplina 6TCC501 Trabalho de Conclusão

Leia mais

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C O sistema reembasador para qualquer aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c O sistema reembasador para qualquer aplicação A atrofia do osso alveolar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO DE REPARO DE COMPÓSITOS APÓS DIFERENTES MÉTODOS DE TRATAMENTOS DE SUPERFÍCIE (2011) 1

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO DE REPARO DE COMPÓSITOS APÓS DIFERENTES MÉTODOS DE TRATAMENTOS DE SUPERFÍCIE (2011) 1 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO DE REPARO DE COMPÓSITOS APÓS DIFERENTES MÉTODOS DE TRATAMENTOS DE SUPERFÍCIE (2011) 1 SINHORI, Bruna Salamoni 2 ; BALBINOT, Carlos Eduardo Agostini 3 1 Trabalho de Iniciação

Leia mais

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond Grandio SO Heavy Grandio SO Heavy Aprovados sem restrições para cavidades oclusais Com o lançamento do compósito compactável, a VOCO introduziu no mercado um material de restauração semelhante ao dente

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

Estética Dental: Clareamento e Resina Composta Dental Aesthetic: bleaching and composite resin

Estética Dental: Clareamento e Resina Composta Dental Aesthetic: bleaching and composite resin Estética Dental: Clareamento e Resina Composta Dental Aesthetic: bleaching and composite resin Frederico dos Reis GOYATÁ Doutor em Prótese UNITAU Taubaté-SP. Pós Doutorando em Prótese UNITAU Taubaté-SP.

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

APLICAÇÃO DE SISTEMAS ADESIVOS À DENTINA IRRADIADA COM LASER DE Nd:YAG: ESTUDO DA DURABILIDADE DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO

APLICAÇÃO DE SISTEMAS ADESIVOS À DENTINA IRRADIADA COM LASER DE Nd:YAG: ESTUDO DA DURABILIDADE DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO ALEXANDRE RODRIGUEZ HEREDIA APLICAÇÃO DE SISTEMAS ADESIVOS À DENTINA IRRADIADA COM LASER DE Nd:YAG: ESTUDO DA DURABILIDADE DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2012;2(2):12-9. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Use of fluoride toothpaste by preschoolers: what pediatricians should know? ; Ana Paula Pires dos Santos pré-escolar. Resumo Resultados e conclusões:

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

ORIGAMI Manual de conservação

ORIGAMI Manual de conservação R e s p e i t a r o s l i m i t e s d e p e s o. T r a n s p o r t a r c o m c u i d a d o. TECIDO S LIMPE SEMANALMENTE A POEIRA DEPOSITADA SOBRE O TECIDO COM UM ASPIRADOR DE PÓ E REALIZE UMA ESCOVAÇÃO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1. O que é limpeza É o ato de remover todo tipo de sujidade, visível ou não, de uma superfície, sem alterar as características originais do local a ser limpo. 1.1 Limpeza

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág. CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA PRÉ-CLÍNICA I Código: ODO-021 Pré-requisito: ANATOMIA

Leia mais

SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA

SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA Painel Energia Eólica + Construção Civil Vinicius Serves Dow.com AGENDA Deteriorização de Estruturas Proteção da Estrutura Proteção de Estruturas de Concreto

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais