LOGÍSTICA EMPRESARIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGÍSTICA EMPRESARIAL"

Transcrição

1 Instituto de Engenharia de Produção e Gestão LOGÍSTICA EMPRESARIAL (35) Conceituacão Canais de Distribuição Propriedades Projeto Estudo de Caso: Empresa Bom Frio Distribuição Física Sistemas de Distribuição Sistema de Distribuição um para um Sistema de Distribuição um para muitos Roteirização e Programação de Veículos 1 1

2 Conceituação 2 Logística de Suprimento (Inbound Logistics) Abastecimento da manufatura com MP e componentes Varejo: desloca produtos acabados da manufatura ao consumidor final Distribuição (Outbound Logistics) Diferentes perspectivas Logística: Distribuição Física Marketing: Canal de Distribuição Conceituação 3 Distribuição Física Processos que permitem transferir produtos desde o ponto de fabricação ao consumidor final (ou varejo) Depósitos, veículos de transportes, estoques, equipamentos de carga, etc. Canal de Distribuição Aspectos ligados à comercialização de produtos e aos produtos associados Intermediários (fabricante, atacadista, varejista) 2

3 Conceituação Canal de Distribuição Elementos que formam a cadeia de suprimentos, da parte que vai da manufatura ao varejo Definição: Conjunto de organizações interdependentes envolvidas no processo de tornar o produto ou serviço disponível para uso ou consumo Paralelismo Atividades logísticas relacionadas a DF definidas a partir da estrutura planejada dos CD 4 Cadeia de Suprimentos Típica índice Distribuição Física Canal de Distribuição 5 Depósito da Fábrica Fabricante Transporte Depósito (Centro de Distribuição) Atacadista Transporte Depósito Varejista Varejista CONSUMIDOR FINAL 3

4 Canais de Distribuição Estrutura dos Canais Complexo agrupamento de instituições Meio através do qual um sistema de livre mercado realiza a transferência de propriedade de produtos e serviços Diversidade/complexibilidade de relações Arranjos dinâmicos( busca por aprimoramento) Melhor estrutura do canal resulta em real vantagem competitiva 6 Definição Canal de Distribuição Estrutura de unidades organizacionais dentro da empresa, e agentes e firmas comerciais fora dela, atacadistas e varejistas, por meio dos quais uma mercadoria, um produto ou um serviço são comercializados 7 (American Marketing Association) 4

5 Definição 8 Canal de Distribuição Tecnicamente: Grupos de entidades interessadas que assume a propriedade de produtos ou viabiliza sua troca durante o processo de comercialização, do fornecedor inicial até o comprador final. Estrutura genérica: Canais Genéricos de Distribuição 9 Fabricantes e usuários industriais Fazendas e Matériasprimas Atacadistas Varejistas Consumidores e governo 5

6 Estrutura dos Canais índice 11 6

7 Propriedades dos Canais de Distribuição Extensão e Amplitude Extensão: nro. de níveis intermediários na cadeia de suprimentos desde a manufatura até o consumidor final Cada intermediário: um nível Canal nível zero: sem intermediários (Avon) Canal nível um: grandes varejistas Canal nível dois: atacadistas Amplitude: nro. de empresas que atuam em cada segmento do canal 12 Propriedades dos Canais de Distribuição Amplitude: Múltipla (aberta) Distribuição intensiva Produtos de conveniência, uso freqüente Competição Maiores custos de distribuição Alto nível de serviço ao cliente (acessibilidade e disponibilidade) 13 7

8 Propriedades dos Canais de Distribuição Amplitude: Controlada Distribuição seletiva (múltipla, mas controlada) Produtos de comparação (aumentar acesso e garantir competição) Pesquisa antes da compra Custos de distribuição e nível de serviço médios 14 Propriedades dos Canais de Distribuição Amplitude: Unitária Distribuição exclusiva Produtos de especialidade Criação de preferência de marca Custos de distribuição mais baixos Baixa acessibilidade / flexibilidade 15 8

9 Propriedades dos Canais de Distribuição índice Encurtando os canais Tendência de encurtamento dos canais (Tecnologia de Informação, Comércio Eletrônico) Atacadistas mais sujeitos à eliminação Pedidos de varejistas diretos ao fabricantes Atacadistas: artificio para atingir mercados geograficamente distantes Aumento da competição: postura PROATIVA Atacadistas: estoque e credito financeiro Busca: enxugamento do canal de distribuição 16 Projeto de Canais de Distribuição Etapa 1: Identificação dos segmentos homogêneos de Clientes Agrupar clientes (consumidor final) com necessidades e preferências semelhantes dentro de canais específicos IMPORTANTE: atender ao consumidor final Muitas vezes já definido pelo mercado (petróleo) Problema: definir a partir do zero 17 9

10 Projeto de Canais de Distribuição Etapa 2: Identificação e priorização das funções Função a ser associada a cada canal Agrupadas em 8 categorias: Informações sobre o produto Customização do produto Afirmação da qualidade do produto Tamanho do lote Variedade Disponibilidade Serviços de Pós Venda Logística 18 Projeto de Canais de Distribuição Etapa 3: Benchmarking Preliminar Sob a ótica dos clientes Etapa 4: Revisão do Projeto Etapa 5: Custos e Benefícios Etapa 6: Integração com as atividades atuais da empresa 19 índice 10

11 Empresa Bom Frio Empresa Bom Frio Sendo instalada em Joinville, SC Produção de aparelhos de ar-condicionado Grupo de analistas para definir analisar os canais de distribuição Gerente de marketing Representante de vendas Engenheiro de produto Especialista em logística 20 Empresa Bom Frio Identificação preliminar de dois segmentos de clientes: 1. Clientes institucionais (lotes grandes, pedidos grandes, licitação) 2. Famílias e pequenas empresas (1 ou 2 unidades, pedidos pequenos sem licitação) Proposta inicial: Grupo 1: atendimento direto pelo setor de vendas do fabricante (nível 0) Grupo 2: varejo por distribuição seletiva, abastecido pela industria (nível 1) 21 11

12 Empresa Bom Frio Logística: Abastecimento direto p/ varejistas em todo Brasil exigiria muitos recursos Antieconômico (mercado localizado no Sul e Sudeste) Proposta: distribuidor exclusivo da Bom Frio por região, exceto Sul/Sudeste (abastecimento direto para varejistas) Proposta da logística aceita Varejo dividido geograficamente em canal de um nível (Sul/Sudeste) e dois níveis (demais regiões) 22 Empresa Bom Frio 23 Marketing: Ressalva: encurtamento dos canais de dois para um nível a medida que a região aumente o volume de demanda Vendas: Preocupado com atendimento às pequenas empresas Vendedores da Bom Frio se concentrarão nos grandes clientes Sugere representantes regionais (dealers), sem lojas (mais um canal de 1 nível) 12

13 Canais de Distribuição Propostos 24 INDÚSTRIA X Regiões Sul e Sudeste Y Outras regiões Y Setor de vendas do fabricante X Distribuidor regional Representantes (dealers) Varejistas Varejistas Grandes clientes Clientes pequenas empresas Consumidor pessoa física Consumidor pessoa física Canal A Canal B Canal C Canal D Empresa Bom Frio 25 Funções associadas aos Canais Informações sobre o produto: Gerente de Marketing Sem ruido, base especial Informar clientes sem afugentar consumidores (gasto extra) Logística sugere que os dealers podem oferecer o serviço de instalação da base Varejistas não fariam o mesmo serviço 13

14 Empresa Bom Frio 26 Funções associadas aos Canais Variedade 110 e 220 volts 3 capacidades (BTUs/hora) Tratamento especial contra ferrugem em unidades para regiões litorânes Dificuldades apresentadas pelo Eng. Produto Alteração para todos os produtos Questão complexa (benchmarking, subgrupo de trabalho) Empresa Bom Frio índice 27 Questões propostas para discussão: 1. Explicitar as seguintes funções: a) customização; b) afirmação da qualidade do produto; c) variedade; d) serviços pósvendas; e) serviços logísticos. Foram explicitados pelo grupo da Bom Frio de forma completa e adequada? 2. De uma forma geral, os resultados definidos até o momento são satisfatórios? Por exemplo, onde entra a visão do cliente? Faltou algo ou algo poderia ser simplificado? 14

15 Distribuição Física 28 Distribuição Física no Supply Chain Saída do produto da fábrica até entrega ao consumidor final Esquemas de distribuição mais comuns Fábrica Atacadista Fábrica CD Varejista Fábrica Loja Varejista Entregas ao cliente No ato da compra (diretamente) Posteriormente (volume, peso, Internet) Fabrica Fabrica Fabrica CD Atacadista CD Varejista Loja Varejista Loja Varejista Loja Varejista Consumidor Consumidor Consumidor 15

16 Fabrica Fabrica Fabrica CD Atacadista CD Varejista Loja Varejista Loja Varejista Loja Varejista Consumidor Consumidor Consumidor Fabricante Fabricante Fabricante Atacadista Varejista CD Varejista Varejista Loja Varejista Varejista Consumidor Consumidor Consumidor 16

17 Fabrica Fabrica Fabrica CD Atacadista CD Varejista Loja Varejista Loja Varejista Loja Varejista Consumidor Consumidor Consumidor Conceituação 33 Distribuição Física: objetivo geral Levar produtos certos, para lugares certos, no momento certo e com o nível de serviço desejado, pelo menor custo possível Antagonismo (custo nível de serviço) Racionalização dos processos logísticos 17

18 Componentes do Sistema de Distribuição Instalações fixas Estoque Veículos Informações Hardware e software Custos Recursos humanos 34 Componentes do Sistema de Distribuição Instalações fixas Espaço para abrigar mercadorias Arranjos para carga e descarga Equipamentos de movimentação interna Estoque Raiz de todo o mal Custo de capital dos produtos estocados Oferta muito grande (variedade) Aumento do custo de capital (juros) Redução de estoques (MRP, MRP II, ERP, JIT) Varejo: ECR, QR 35 18

19 Componentes do Sistema de Distribuição Veículos Deslocamento espacial das mercadorias Fábrica CD Varejista: veículos maiores, lotação plena CD Varejista Lojas: veículos menores, maior freqüência Informações Necessárias para operar o sistema de distribuição Vários pontos de varejo: coordenadas geográficas p/ roteirização Quantidades, janelas de tempo etc. 36 Componentes do Sistema de Distribuição Software e Hardware Roteirização, controle de pedidos, monitoramento da frota, devoluções Computadores, computadores de bordo, scanners, GPS Custos Tradicional: distância e quantidade Tempos perdidos parados (carga/descarga) Enfoque específico, estrutura de custos mais eficaz Custeio ABC 37 19

20 Componentes do Sistema de Distribuição 38 Recursos humanos Sofisticação de equipamentos Tecnologia da informação Pessoal capacitado e treinado Funcionários mal treinados no cantato com o cliente: imagem negativa da empresa Conhecimento dos conceitos básicos de logística Tarefas individuais em sintonia com a empresa índice Sistemas de Distribuição 39 Duas condições básicas: Distribuição um para um Veículo carregado no ponto de origem (fábrica, CD), lotação completa, e transporta a carga para um ponto de destino (outro CD, loja varejo) Carregamento por lotação, aproveitando máximo possível da capacidade do veículo Transferência de produtos 20

21 Sistemas de Distribuição índice 40 Distribuição um para muitos (compartilhada) Veículo carregado no ponto de origem (fábrica, CD), com produtos destinados a diversas lojas/clientes, executando um roteiro de entregas pré-determinado Freqüentemente não se consegue um bom aproveitamento do espaço do veículo Carregamento na ordem inversa das entregas Sistema de Distribuição um para um fatores logísticos: Distância (origem-destino) Velocidade operacional Tempo de carga e descarga Tempo porta a porta Quantidade/volume Disponibilidade de carga de retorno Densidade da carga 21

22 Sistema de Distribuição um para um fatores logísticos: Dimensões/morfologia das unidades transportadas Valor unitário Acondicionamento Grau de fragilidade Grau de periculosidade Compatibilidade entre produtos diversos Custo global Sistema de Distribuição um para um 43 Distância origem-destino Elemento chave Condiciona: seleção do tipo de veículo, dimensionamento da frota, custo, frete a ser cobrado de cada usuário Velocidade operacional Velocidade média entre a origem e destino descontado tempos de carga e descarga, tempos de espera etc. Fortemente condicionada à condição das estradas (aumento de custos operacionais) 22

23 Sistema de Distribuição um para um Tempo de Carga e Descarga Carga, descarga, pesagem, conferência, emissão de documentos Mais importantes quanto menor for a distância Percurso 100 km 3000 km Velocidade 40 km/h 40 km/h Tempo Operacional 2,5 h 75 h Tempo de C/D inicial 16 h 16 h Tempo de C/D final 12 h 12 h Aumento km média potencial mensal 27,6 % 4,6% 44 Sistema de Distribuição um para um Acondicionamento Meio de reduzir tempo de carga e descarga Unitização: pallet Diminuição no tempo de C/D (carreta) 3h, 4 funcionários s/ pallet 25 min, 1 funcionário, 1 empilhadeira, c/ pallet Brasil: padronização, acordos de troca, parceria no Supply Chain 45 23

24 Sistema de Distribuição um para um 46 Tempo porta a porta Não adianta velocidade de avião se mercadoria ficar parada no solo Transporte marítimo (cabotagem): tempo parado no solo Variabilidade: baixo nível logístico Quantidade transportada Elemento chave Volume alto pode condicionar a distribuição própria (frota própria) Sazonalidade Sistema de Distribuição um para um 47 Disponibilidade de carga de retorno Densidade da carga Dimensões e morfologia Valor unitário Fragilidade Periculosidade índice 24

25 Sistema de Distribuição um para um 48 Valor unitário Uso de veículos especiais, segurança Rastreadores (monitoramento) Seguro de carga (aumento no frete) Fragilidade Cuidados extras no processo de embalagem, manuseio e transporte Periculosidade Implicações (paises mais desenvolvidos) Rotas especiais para produtos especiais Custos na Distribuição um para um VER NOVAES (2007) CAPT. DISTRIB. FÍSICA Economias de escala Exemplo Fábrica de eletrodomésticos, Porto Alegre peças/ano p/ varejista em SP 1120 km, 4 dias (ida e volta) 44 kg/peça 10 alternativas de veículo Custo fixo/ variável Variação do custo unitário 49 25

26

27 Custos na Distribuição um para um Melhor veículo p/ Transportadora Caminhão 27 t Fabricante/ Varejista: Custo de estoque Formulação matemática (Novaes, 2001) Estoque X 2 (fábrica varejo) Melhor veículo: VW Saveiro Soma dos dois custos Melhor veículo: Caminhão 10,6 t índice 27

28 Sistema de Distribuição um para muitos 54 Esquema típico de distribuição Sistema de Distribuição um para muitos fatores logísticos: Divisão da região em zonas ou bolsões de entrega Distância d entre o CD e o bolsão de entrega Velocidades operacionais médias V 1 entre depósito e bolsão V 2 dentro do bolsão Tempo de parada em cada cliente Tempo de ciclo Completar o roteiro e voltar ao depósito Freqüência de visitas aos postos de atendimento (diária, semanal etc.) 28

29 Sistema de Distribuição um para muitos fatores logísticos: Quantidade de mercadoria a ser entregue Densidade da carga Dimensões/morfologia das unidades transportadas Valor unitário Acondicionamento Grau de fragilidade Grau de periculosidade Compatibilidade entre produtos diversos Custo global Sistema de Distribuição um para muitos 57 Escolha do tipo de veículo Distância do depósito até o bolsão Densidade do bolsão Nro. de pontos visitados por km 2 Tempo médio de parada por cliente Quantidade média de mercadoria entregue por visita Velocidade média no percurso Limitação: Capacidade do veículo Tempo disponível para jornada de trabalho 29

30 Sistema de Distribuição um para muitos Outros condicionantes: Aleatoriedade das variáveis Tempo CD/bolsão; tempos de parada; quantidade de mercadoria; sazonalidade Análise estatística (média e desvio padrão) Nível de confiança em distribuição normal Ex: NC=98%; T med =7,6 h; σ=1,3h T máx =7,6 +2,05x1,3= 10,36 h Jornada de trabalho: 9 h Reduzir área servida por veículos 58 Sistema de Distribuição um para muitos Equilíbrio: horas normais de trabalho e horas extras Limite baixo: ociosidade da frota Horas extras controladas Mesmas condições para capacidade Nível de serviço logístico: Restrição de tempo mais severa que de capacidade Excesso de carga: problema prévio (redistribuição) Excesso de tempo: mercadoria não entregue (não deve ocorrer no SCM) 59 índice 30

31 Custos na Distribuição um para muitos VER NOVAES (2007) CAPT. DISTRIB. FÍSICA Primeiro exemplo: Entrega de bebidas Distância (d) e densidade (δ) variáveis 2,5 km d 30 km (incrementos de 2,5 km) 5 δ 15 pontos/km 2 (incrementos de 5 km) Quantidade por visita: 160 kg Tempo médio por entrega: 12 minutos Velocidade média até o bolsão (V 1 ) 35 km/ h tráfego urbano 55 km/h tráfego intermunicipal 60 Custos na Distribuição um para muitos Veículo com menor custo unitário em cada situação Restrições de tempo e capacidade para se definir a área A do bolsão Todas as situações restritas por tempo Dois veículos: 6 (caminhão 7,8 ton); 4 (caminhão 3,9 ton) Restrição de tempo: Veiculo maior: bolsões próximos depósito Veículo menor: bolsões mais distantes Baixa densidade: menores veículos Custos unitários: R$2,45 a R$3,73 p/visita 61 31

32 Custos na Distribuição um para muitos Segundo exemplo: distribuição de pacotes Quantidade por visita: 5 kg Tempo médio por entrega: 7 minutos Demais parâmetros iguais Melhor veículo em todas as situações VW Saveiro (550 kg) Custos unitários: R$0,95 a R$1,55 p/visita IMPORTANTE: foco no método e não nos resultados 63 Distribuição Logística Física de Distribuição 32

33 Roteirização 64 Distribuição Física Aproximações extensão percurso ótimo do roteiro de entregas Fase de planejamento logístico Análise/dimensionamento de bolsões de entrega e frota de veículos Roteirização de veículos Enfoque operacional Sistema já dimensionado anteriormente nos seus contornos gerais Localização específica: clientes e demandas Roteirização 65 Problema real de roteirização: Decisões Objetivos Restrições Decisões Alocação de grupo de clientes que devem ser visitados a um conjunto de veículos e motoristas Programação e seqüenciamento das visitas 33

34 Roteirização 66 Objetivos Propiciar um serviço de alto nível aos clientes Custos operacionais e de capital mais baixos possíveis Restrições Completar rotas com recursos disponíveis, cumprindo os compromissos com os clientes Respeitar os limites de tempo impostos pela jornada de trabalho (motoristas) Respeitar restrições de trânsito (velocidade máxima, carga/descarga, tamanho veículo) Exemplos 67 Transporte rodoviário de cargas Entrega em domicílio (varejo/internet) Distribuição CDs / Varejo Distribuição de bebidas Dinheiro em caixas eletrônicos Coleta de lixo urbano Correios (entrega domiciliar) 34

35 Problemas básicos de distribuição Um ponto de origem e um de destino diferentes Caminho mínimo em rede Múltiplos pontos de origem e de destino Problema do Transporte Pontos de origem e destino são os mesmos Problema do Caixeiro Viajante Roteirização 68 Caminho mínimo em rede ORIGEM A C B F E Caminho mínimo H I tempos em minutos D 48 G 150 J DESTINO 35

36 Problema do transporte Múltiplos pontos de origem que podem servir a múltiplos pontos de destinos Atribuir destinos às fontes Encontrar a melhor rota entre eles Pesquisa Operacional (Programação Linear) Mais de um fornecedor, planta ou armazém para atender mais de um cliente Restrições Demanda total por cliente/fornecedor Condições de contorno 70 Problema do transporte Fornecedor A Fornece Taxa de transporte (US$/tonelada) Planta 1 Necessidade = Fornecedor B Fornece Planta 2 Necessidade = 500 Fornecedor C Fornece Planta 3 Necessidade =

37 Problema do transporte Software (TRANLP da LOGWARE) total A B C total Unidades totais transferidas = 1400 Custo total mínimo = 6600 Problema do Caixeiro Viajante (PCV) Roteirização Ponto de origem = destino Entrega atacadista/varejista; varejo/cliente Objetivo Encontrar seqüência de pontos a serem visitados que minimize o tempo ou a distância total do percurso 73 37

38 Problema do Caixeiro Viajante (PCV) 74 C D Software STORM Rota: W-D-C-B-A A Tempo total: 156 minutos B tempos em minutos 47 W Roteirização e programação de veículos Extensão do problema da roteirização Restrições mais realistas Cada parada pode ter volume a ser coletado e entregue Múltiplos veículos podem ser utilizados (diferentes capacidades) Tempo máximo da rota (8 horas, horários de descanso) Horário de entrega/coleta restritos (Janelas de Tempo) 75 38

39 Roteirização e programação de veículos Grande complexidade ao problema Dificuldade em se obter solução ótima Boas soluções: Principios para boas roteirizações Heurísticas Problema Geral Caminhões começam em um depósito Múltiplas paradas para entregas Retornar ao depósito no mesmo dia 76 Roteirização 39

40 Roteirização Seqüênciamento da rota 79 40

41 Seqüênciamento da rota 80 41

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Distribuição Física. Introdução

Distribuição Física. Introdução Distribuição Física Introdução Canais de Distribuição Tipos de Mercados Operadores Logísticos Componentes do Sistema de Distribuição Física Configurações do Sistema de Distribuição Física Planejamento

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

Aula 03 - Modelagem em PPLIM

Aula 03 - Modelagem em PPLIM Thiago A. O. 1 1 Universidade Federal de Ouro Preto 1 Componentos do modelo 2 3 4 5 6 Componentes de uma modelagem matemática Elementos; Conjuntos; Parâmetros; Variáveis; Objetivo; Restições; Elementos

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

7 Pr gramaçã Otimizada

7 Pr gramaçã Otimizada Command Alkon 7 Pr gramaçã Otimizada BOOKLETS 1 Visão Corporativa 2 Concreto 3 Materiais a Granel e Automação 4 Automação de Central de Concreto 5 Controle de Qualidade 6 Serviços de Integração de Negócios

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

DECISÕES EM TRANSPORTES

DECISÕES EM TRANSPORTES TOMANDO DECISÕES SOBRE TRANSPORTE NA PRÁTICA DECISÕES EM TRANSPORTES Professor ALINHAR AS ESTRATÉGIAS COMPETITIVA E DE TRANSPORTE CONSIDERAR O TRANSPORTE FEITO PELA PRÓPRIA EMPRESA E O TERCEIRIZADO (OPERADOR)

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Planejamento da Movimentação de Mercadorias

Planejamento da Movimentação de Mercadorias Planejamento da Movimentação de Mercadorias Engenharia Logística II Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar as maneiras pelas quais produção e demanda devem ser compatibilizadas

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

WMS e TMS. A integração entre os sistemas de gerenciamento de armazéns e transportes é fundamental para a otimização dos fluxos de trabalho

WMS e TMS. A integração entre os sistemas de gerenciamento de armazéns e transportes é fundamental para a otimização dos fluxos de trabalho WMS e TMS A integração entre os sistemas de gerenciamento de armazéns e transportes é fundamental para a otimização dos fluxos de trabalho O que um jogador de futebol e uma bailarina profissional têm em

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PRIMEIRA FASE 01 ECONOMIA Definições e conceitos de economia; macroeconomia; microeconomia; a organização econômica; a atividade de produção; a moeda; a formação de preços; economia de mercado: consumo,

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen Logística Empresarial Aula 2 Evolução da Disciplina O papel da Logística Empresarial Aula 1 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Aula 2 Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

Nova geração do FleetBoard reduz custos operacionais e assegura maior controle sobre os veículos

Nova geração do FleetBoard reduz custos operacionais e assegura maior controle sobre os veículos Veículos comerciais Nova geração do FleetBoard reduz custos operacionais e assegura maior controle sobre os veículos Informação à imprensa 27 de janeiro de 2015 Agora disponível para toda a linha de caminhões

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA

GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA Gestão da Cadeia de Suprimento Compras Integração Transporte Distribuição Estoque Tirlê C. Silva 2 Gestão de Suprimento Dentro das organizações, industriais,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais