PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática A FÍSICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS NA PERSPECTIVA DOS PCN Guia de orientação para professores Betty Carvalho Rocha Gonçalves do Prado Maria Inês Martins Belo Horizonte 2013

2 2 SUMÁRIO Apresentação... 3 Contextualização... 4 Conteúdos Conceituais, Procedimentais e Atitudinais... 5 A Física nos Livros Didáticos de Ciências...8 Análise das Coleções Recomendadas pelo PNLD Considerações Finais...94 Livros Analisados...96 Referências... 97

3 3 APRESENTAÇÃO Caro professor, sabemos o quão árdua é a tarefa de ensinar, e conhecemos o papel do livro didático nessa tarefa, tanto nas atividades em sala quanto no trabalho extra-classe. A escolha do livro didático deve ser feita criteriosamente, levando-se em consideração quais são os objetivos definidos para suas turmas, pois uma escolha equivocada pode prejudicar todo seu planejamento. O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) seleciona previamente os livros didáticos que serão enviados para as escolas públicas e os relaciona no Guia de Livros Didáticos (GLD). Nosso trabalho tem um enfoque específico nos conteúdos de Física trabalhados dentro da disciplina de Ciências Naturais, nos quatro últimos anos do ensino fundamental. Pretendemos auxiliá-lo nessa escolha, analisando o conteúdo de Física de cada obra segundo a sua tipologia: Conteúdos Conceituais e Factuais, Conteúdos Procedimentais e Conteúdos Atitudinais, sob a perspectiva dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Ao final da leitura desse texto, acreditamos que você poderá efetuar sua escolha de acordo com seu planejamento, seus objetivos e com o projeto político pedagógico de sua escola. Acreditamos que, para um ensino mais eficaz, o livro didático deve ser considerado como um recurso complementar ao seu trabalho, levando em consideração as particularidades de suas turmas, de sua escola e do seu trabalho, fundamentado pelos PCN. Sabemos que não existe um livro que atenda a todas as suas expectativas, portanto aconselhamos a escolha de outros recursos para o enriquecimento de suas aulas. Nossa pretensão é que você não precise fazer seu planejamento e definir seus objetivos de acordo como o livro escolhido, engessando suas aulas, mas que, ao escolher o livro didático, tenha em mãos a analise dos conteúdos de Física apresentados, segundo a tipologia, de acordo com os PCN. Os PCN de Ciências Naturais consideram a importância do conhecimento científico na elaboração de um currículo, destacando a relevância de conhecer e considerar o desenvolvimento cognitivo dos estudantes, seu conhecimento prévio, sua identidade social e cultural, sua idade e seus valores. Acreditamos que a escolha certa do LD, material único acessível a todos os alunos através do PNLD, proporciona ao professor uma ampla variedade de informações, procedimentos e atividades, inclusive atividades práticas, sem a

4 4 necessidade de avançados laboratórios de Ciências, disponíveis em poucas escolas. CONTEXTUALIZAÇÃO As resenhas das coleções recomendadas pelo MEC no PNLD, sua descrição e uma síntese avaliativa, ressaltando pontos positivos e negativos estão disponíveis no GLD que apresenta, ainda, um quadro comparativo das coleções, feito através da gradação de cor (quadro 6). Quadro 1 - Quadro comparativo das coleções de Ciências Naturais do PNLD 2011 Fonte: Guia de Livros Didáticos: PNLD 2011: Ciências Quadro 2 - Níveis de qualificação

5 5 Fonte: Guia de Livros Didáticos: PNLD 2011: Ciências CONTEÚDOS CONCEITUAIS, PROCEDIMENTAIS E ATITUDINAIS Os critérios de seleção de conteúdos, propostos pelos PCN reconhece a complexidade das Ciências Naturais. Os conteúdos devem privilegiar o entendimento do ser humano como agente de transformação do mundo, relacionando diferentes fenômenos naturais e objetos de tecnologia, reelaborando explicações científicas. Além disso, os conteúdos devem ser relevantes social, cultural e cientificamente, utilizando-se de temas transversais. Os conteúdos devem se constituir em fatos, conceitos procedimentos, atitudes e valores a serem promovidos de forma compatível com as possibilidades e necessidades de aprendizagem do estudante, de maneira que ele possa operar com tais conteúdos e avançar efetivamente nos seus conhecimentos. (BRASIL, 1998, p.35) Os PCN de Ciências Naturais para o ensino fundamental organizam-se em quatro eixos temáticos: Terra e Universo, Vida e Ambiente, Ser Humano e Saúde e Tecnologia e Sociedade. Os eixos temáticos representam uma organização articulada de diferentes conceitos, procedimentos, atitudes e valores para cada um dos ciclos de escolaridade... (BRASIL, 1998, p.35). Os PCN apresentam uma seleção de conteúdos centrais para o desenvolvimento de conceitos, procedimento e atitudes, separados por ciclo, sendo que o terceiro e o quarto ciclos do ensino fundamental correspondem, respectivamente, à 5ª e 6ª séries, atualmente 6º e 7º anos, e à 7ª e 8ª séries, atualmente 8º e 9º anos. Além do ciclo, há, ainda, uma separação de conteúdos por eixo temático. Em seu planejamento e em suas aulas, é importante que o professor de Ciências desenvolva a habilidade de dar atenção aos diferentes conceitos, procedimentos, atitudes e valores que trabalha com seus alunos, sendo necessário prever tempo para se trabalhar com eles, seja nas atividades práticas, seja nas atividades orientadas para a reflexão. Para tanto, a seleção e distribuição do tempo entre os conteúdos precisa ser cuidada e coerente com os objetivos propostos. (BRASIL, 1998, p.57) É através da abordagem dos conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais, identificados nos PCN, que fundamentamos nosso trabalho. Segundo Coll (1998), os conteúdos, que sempre desempenharam papel decisivo nos programas oficiais e currículos, nos planejamentos dos professores e na

6 6 organização das atividades de ensino e aprendizagem da sala de aula, passaram nas últimas décadas a ter sua importância minimizada. Em alguns casos, os conteúdos foram considerados como um mal-necessário, o que desencadeou a necessidade de retomada da importância dos conteúdos no processo ensino/aprendizagem. A ênfase nos conteúdos não significa a simples transmissão e acúmulo de conhecimentos. Uma concepção alternativa, tida como progressista ou centrada no aluno deve garantir condições ideais para que o aluno desenvolva suas potencialidades e capacidades cognitivas, afetivas, sociais e de aprendizagem. Essa concepção rejeita a importância dos conteúdos vinculada à transmissão e acúmulo de listas infindáveis de conhecimentos. A tentativa de ensinar conteúdos específicos não é intrinsecamente negativa; tudo depende de quais conteúdos se quer ensinar e, sobretudo, de como eles são ensinados e como eles são aprendidos. (COLL, 1998, p. 12) Assim, sem negar a importância dos conteúdos para a orientação do processo ensino/aprendizagem, considera-se uma visão diferenciada do significado dos conteúdos e de como devem ser trabalhados para que potencializem a aprendizagem significativa. Coll (1998) retrata que os conteúdos específicos no processo ensino/aprendizagem não são um fim em si mesmo, mas um meio indispensável para o desenvolvimento das capacidades dos alunos. Quando se afirma que os conteúdos têm um peso excessivo nos currículos, o que se deve ter em mente, na verdade, é que apenas um determinado tipo de conteúdos, relativos a fatos e conceitos, se apresenta de maneira desproporcional nas práticas educativas....considera-se que os fatos e conceitos são somente um tipo de conteúdos e que juntamente com eles devem ser levados em consideração os outros tipos de conteúdos aos quais pertencem os exemplos anteriores, ou seja, os procedimentos, e as atitudes, valores e normas. (COLL, 1998, p.14) Faremos, a seguir, uma breve apresentação da tipologia dos conteúdos educacionais: Conteúdos Factuais e Conceituais, Conteúdos Procedimentais e Conteúdos Atitudinais. Para Zabala (1998) a tipificação dos conteúdos é uma construção intelectual para compreender o pensamento e o comportamento das pessoas; faz-se a

7 7 diferenciação dos conteúdos de aprendizagem segundo a tipologia (Conteúdos Factuais e Conceituais, Conteúdos Procedimentais ou Conteúdos Atitudinais) para identificar mais precisamente as intenções educativas. Aprendizagem dos conteúdos segundo sua tipologia Os conteúdos factuais são aqueles ligados à memorização: fatos, dados, acontecimentos, datas, constantes físicas, etc. Essa memorização, muitas vezes, não tem um significado lógico em si mesmo; para conhecer um determinado número de telefone precisamos decorá-lo, sabendo que não há nenhum significado relevante entre os algarismos que o constituem. Avaliamos o conhecimento dos conteúdos factuais pelo aluno a partir do momento que o mesmo consegue reproduzi-lo. É um conteúdo de fácil esquecimento, em um espaço curto de tempo, desde que não seja utilizado. É necessário o conhecimento dos conteúdos factuais para a resolução de problemas. Na física, podemos citar como exemplos a constante eletrostática do vácuo, a constante de gravitação universal de Newton, a pressão atmosférica ao nível do mar, o valor da aceleração da gravidade média da Terra, etc. Os Conteúdos Conceituais são aqueles relacionados ao conjunto de fatos, objetos, conhecimentos, definições, princípios, leis, regras. É o entendimento do conhecimento científico acumulado. Para uma compreensão dos Conteúdos Conceituais deve-se tornar a aprendizagem o mais significativa possível. Os Conteúdos Conceituais podem, muitas vezes, ser melhor entendidos quando trabalhados em consonância com Conteúdos Procedimentais e Conteúdos Atitudinais. Conteúdos Procedimentais, de acordo com os PCN, correspondem aos modos de buscar, organizar e comunicar conhecimentos. O aluno deve ser levado à realização de ações na busca pela construção do próprio conhecimento, com a mediação do professor. A escolha dos métodos utilizados deve levar em conta o resultado almejado. São bastante variados: a observação, a experimentação, a comparação, a elaboração de hipóteses e suposições, o debate oral sobre hipóteses, o estabelecimento de relações entre fatos ou fenômenos e idéias, a leitura e a escrita de textos informativos, a elaboração de roteiros de pesquisa bibliográfica, a busca de informações em fontes variadas, a elaboração de questões para enquete, a organização de informações por meio de desenhos, tabelas, gráficos, esquemas e textos, o confronto entre

8 8 suposições e entre elas e os dados obtidos por investigação, a elaboração de perguntas e problemas, a proposição para a solução de problemas. (BRASIL, 1998, p.29) Os Conteúdos Atitudinais são aqueles relacionados com o ensino de atitudes, valores e normas. Entendemos por valores os princípios ou as ideias éticas que permitem às pessoas emitir um juízo sobre as condutas e seu sentido. São valores: a solidariedade, o respeito aos outros, a responsabilidade, a liberdade, etc. As atitudes são tendências ou predisposições relativamente estáveis das pessoas para atuar de certa maneira. São a forma como cada pessoa realiza sua conduta de acordo com valores determinados. Assim, são exemplos de atitudes: cooperar com o grupo, ajudar os colegas, respeitar o meio ambiente, participar das tarefas escolares, etc. As normas são padrões ou regras de comportamento que devemos seguir em determinadas situações que obrigam a todos os membros de um grupo social. As normas constituem a forma pactuada de realizar certos valores compartilhados por uma coletividade e indicam o que pode se fazer e o que não pode se fazer nesse grupo. (ZABALA, 1998, p.46) O aluno deve ser levado a refletir a partir de situações concretas. O aluno, tendo aprendido esse tipo de conteúdo, de acordo com os PCN (BRASIL, 1998), sabe se posicionar crítica e construtivamente diante de diferentes questões. Procuramos, em nosso trabalho, identificar os conteúdos apresentados nos LD de Ciências de 6º ao 9º anos, séries finais do ensino fundamental, e a tipologia de conteúdos na abordagem de cada grupo de conteúdos de Física. Dessa forma, você, professor de Ciências, poderá contar com mais um material de apoio, complementando o GLD, para auxiliá-lo na escolha do LD de Ciências. A FÍSICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS A escolha do livro didático, conhecendo a tipologia de conteúdos abordada em cada coleção remete o professor à sua visão do objetivo do curso que se pretende ministrar e da sua concepção do ensino da física, aqui entendida como parte integrante das ciências naturais no ensino fundamental. Analisamos cada livro procurando identificar, em cada página, o grupo de conteúdos abordado e a tipologia de conteúdo utilizada pelo(s) autore(s), assim identificados pela nossa tabela: Conteúdos Conceituais (C), Conteúdos Conceituais Atitudinais, (CA), Conteúdos Conceituais Procedimentais (CP), Conteúdos Conceituais Procedimentais Atitudinais (CAP).

9 9 Em relação aos conteúdos procedimentais, elaboramos um código de identificação desses conteúdos, devido à sua vasta forma de utilização, apresentada nos PCN, a saber: Conteúdos Procedimentais (CP) tipo 1 Observação; CP tipo 2 Experimentação; CP tipo 3 Comparação; CP tipo 4 Elaboração de hipóteses e suposições; CP tipo 5 Debate oral sobre hipóteses; CP tipo 6 Estabelecimento de relações entre fatos, ou fenômenos e ideias; CP tipo 7 Leitura e escrita de textos informativos; CP tipo 8 Elaboração de roteiros de pesquisa bibliográfica; CP tipo 9 Busca de informações em fontes variadas; CP tipo 10 Elaboração de questões para enquete; CP tipo 11 Organização de informações por meio de desenhos, tabelas, gráficos, esquemas e textos; CP tipo 12 Confronto entre suposições e entre elas e os dados obtidos por investigação; CP tipo 13 Elaboração de perguntas e problemas; CP tipo 14 Proposição para a solução de problemas. A utilização dessa codificação nos permitiu observar e classificar mais criteriosamente a tipologia de conteúdos utilizada em cada página de cada obra analisada. ANÁLISE DAS COLEÇÕES RECOMENDADAS PELO PNLD 2011 Apresentamos a análise de nove das onze coleções de Livros Didáticos de Ciências para as quatro últimas séries do ensino fundamental, aprovadas de acordo com os critérios de avaliação definidos no edital de convocação do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2011) elaborado pelo Ministério da Educação. Para análise das coleções, elaboramos um código próprio de identificação, indicado no quadro a seguir:

10 10 Quadro 3 - Código das coleções para análise Coleção / Código para Código no PNLD análise FG BP CF BJ FS LC JT CC RX 24835COL04 / PNLD COL04 / PNLD COL04 / PNLD COL04 / PNLD COL04 / PNLD COL04 / PNLD COL04 / PNLD COL04 / PNLD COL04 / PNLD2011 A seguir, apresentamos as coleções analisadas e seus respectivos códigos no PNLD 2011 e o código utilizado para a análise. Coleção FG código da coleção: 24835COL04 / PNLD2011. ü GEWANDSZNAJDER, Fernando. Ciências. 6º ano O planeta Terra, 7º ano A vida na Terra, 8º ano Nosso Corpo, 9º ano Matéria e energia. São Paulo: Editora Ática, 2010; o autor é licenciado em Biologia, Mestre em Educação e em Filosofa e Doutor em Educação. Coleção BP código da Coleção: 24837COL04 / PNLD2011. ü BARROS, Carlos e PAULINO, Wilson. Ciências. 6º ano O meio ambiente, 7º ano Os seres vivos, 8º ano O corpo humano, 9º ano Física e química. São Paulo: Editora Ática, 2010; o primeiro autor é licenciado em História Natural e o segundo é Engenheiro Agrônomo e licenciado em Biologia. Coleção CF código da Coleção: 24839COL04 / PNLD2011. ü CONDEIXA, Maria Cecília Guedes e FIGUEIREDO, Maria Terezinha. Ciências: Atitude e Conhecimento. São Paulo: FTD, 2009; a primeira autora é licenciada e bacharel em Ciências Biológicas e a segunda é licenciada em Ciências Biológicas.

11 11 Coleção BJ código da Coleção: 24840COL04 / PNLD2011. ü BIZZO, Nélio e JORDÃO, Marcelo. Ciências BJ. São Paulo: Editora do Brasil, 2009; o primeiro autor é licenciado e bacharel em Ciências Biológicas, Mestre em Ciências Biológicas e Doutor em Educação e o segundo é Engenheiro de Materiais e Mestre em Ensino de Ciências. Coleção FS código da Coleção: 24843COL04 / PNLD2011. ü FONSECA, Aníbal Fonseca de Figueiredo Neto e SANTANA, Olga Aguilar. Ciências Naturais. São Paulo: Editora Saraiva, 2009; o primeiro autor é licenciado em Física e Mestre em Ciências e Ensino de Física e a segunda autora é licenciada em Ciências Biológicas. Coleção LC código da Coleção: 24844COL04 / PNLD2011. ü CANTO, Eduardo Leite do. Ciências Naturais: aprendendo com o cotidiano. São Paulo: Editora Moderna, 2009; o autor é licenciado em Química e Doutor em Ciências. Coleção JT código da Coleção: 24845COL04 / PNLD2011. ü TRIVELLATO JÚNIOR, José; TRIVELLATO, Silvia Luzia Frateschi; MOTOKANE, Marcelo Tadeu; LISBOA, Júlio Cezar Foschini; KANTOR, Carlos Aparecido. Ciências, natureza e cotidiano: criatividade, pesquisa, conhecimento. São Paulo: FTD, 2009; o primeiro autor é licenciado em Ciências Biológicas, Mestre em Didática e Doutor em Educação, a segunda autora é licenciada em Ciências Biológicas, Mestre em Biologia e Doutora em Didática, o terceiro autor é licenciado em Ciências Biológicas, Mestre e Doutor em Educação, o quarto autor é licenciado m Química e Mestre em Ensino de Ciências, o quinto autor é bacharel em Meteorologia, licenciado em Física e Mestre em Ensino de Ciências. Coleção CC código da Coleção: 24850COL04 / PNLD2011. ü CARO, Carmem Maria De; PAULA, Helder de Figueiredo e; SANTOS, Mairy Barbosa Loureiro dos; LIMA, Maria Emília Caixeta de Castro; SILVA, Nilma Soares da; AGUIAR JR, Orlando; CASTRO, Ruth Schimitz de;

12 12 BRAGA, Selma Ambrozina de Moura. Construindo Consciências: Ciências. São Paulo: Editora Scipione, 2010; a primeira autora é licenciada e bacharel em Ciências Biológicas, Mestre em Biologia Vegetal e Doutora em Educação; o segundo autor é licenciado em Física, Especialista em Ensino de Ciências Física, Mestre em Educação Tecnológica e Doutor em Educação; a terceira autora é licenciada e bacharel em História Natural e Mestre em Ecologia; a quarta autora é licenciada em Química, Mestre e Doutora em Educação; a quinta autora é licenciada em Química e Mestre em Educação; o quinto autor é licenciado em Física, Mestre e Doutor em Educação, Pós-doutor em Educação em Ciências; a sexta autora é licenciada e bacharel em Física e Mestre em Ciências; a sétima autora é bacharel e licenciada em Ciências História Natural, Mestre e Doutora em Educação. Coleção RX código da Coleção: 24988COL04 / PNLD2011. ü ÂNGELO, Elisangela Andrade; SILVA, Karina Alessandra Pessôa da; FAVALLI, Leonel Delvai. Projeto Radix Ciências. São Paulo: Editora Scipione, 2011; a primeira autora é licenciada e bacharel em Ciências Biológicas, a segunda autora é licenciada em Matemática, pós-graduada em Educação Matemática, Mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática e o terceiro autor é licenciado e bacharel em Matemática e pós-graduado em Física. Ao concluirmos nossa análise, construímos um gráfico para cada coleção, que nos mostra quais conteúdos de Física são abordados em cada livro da coleção, como estão distribuídos e a quantidade de páginas destinadas a cada um deles. Selecionamos e apresentamos exemplos de cada tipologia de conteúdos nas coleções analisadas. Não aparecem exemplos de todas as formas de abordagem dos conteúdos procedimentais, pois nem todas são utilizadas na abordagem da Física nas coleções. Análise da Coleção FG Coleção Ciências

13 13 Figura 1 - Capa do livro do 6º ano, da coleção Ciências, de Fernando Gewandsznajder Gráfico 1 - Número de páginas destinadas à cada conteúdo de física em cada livro da coleção Ciências Coleção 1 - FG Número de páginas destinadas à cada conteúdo de física FG6ºano FG7ºano FG8ºano FG9ºano Mecânica Acústica Física Térmica Ótica Eletricidade Magnetismo Astronomia Física Moderna Energia Ótica/Acústica Eletricidade/Magnetismo Projetos/Oficinas A coleção conta com 290 páginas destinadas à Física, sendo 27,05% de um total de 1072 páginas. A concentração do Ensino de Física aparece no primeiro volume, destinado ao sexto ano, 89 páginas e no quarto volume, para o nono ano, 184 páginas. O autor aborda o tema energia no sexto ano, na Unidade II A água, no capítulo Nossos recursos naturais, apresentando os recursos renováveis e nãorenováveis e fontes alternativas de energia. Na Unidade III A água e Unidade IV O ar, aparecem a Física Térmica, mudança de estados de agregação da água, efeito

14 14 estufa, temperatura do planeta, aquecimento global, massas de ar e as correntes de convecção, temperatura, e a Mecânica dos fluídos, pressão nos líquidos e gases, pressão atmosférica e máquinas hidráulicas. Na Unidade V O universo, o autor apresenta o tema astronomia, dividida em três capítulos: Estrelas, constelações, galáxias, O sistema solar e A Terra e seu satélite. No sétimo ano aparecem apenas duas páginas de Física Térmica, abordando A influência do Sol no clima. No oitavo ano, o autor apresenta acústica e ótica da visão abordando a Física juntamente com a biologia, no capítulo intitulado Os sentidos, através de temas como formação da imagem, problemas da visão, lentes corretoras, problemas de audição, poluição sonora e níveis de ruídos e tempo de exposição, Em uma página, faz referências às alavancas em Como os músculos funcionam. As ondas sonoras e A luz e as lentes são tratadas através de leitura especial intitulada Som e luz. O volume destinado ao nono ano é dividido em três unidades: Unidade I O que a Física e a Química estudam, Unidade II A Química e Unidade III A Física. No início do volume, são apresentados os capítulos Matéria e energia: propriedades gerais e Propriedades específicas da matéria, como que indicando introdução a conteúdos de Física e Química, dando a impressão de que, neste ano, serão vistos pela primeira vez no ensino fundamental. A unidade III é dividida em doze capítulos ordenados tradicionalmente, da mecânica à eletricidade e magnetismo. São abordados, nessa ordem, mecânica, movimento uniforme e acelerado, queda livre, forças, leis de Newton, força centrípeta, movimento de satélites, empuxo, trabalho e energia, alavancas; física térmica, calor e sua transmissão, temperatura, dilatação, efeito estufa; acústica, as ondas e o som; ótica, natureza e propriedades da luz, espelhos e lentes, olho humano, instrumentos óticos; eletricidade, eletrostática, eletrodinâmica, potência e energia elétrica; magnetismo, ímãs, campo magnético, bússolas e eletromagnetismo, eletroímãs e motores elétricos. A seguir alguns exemplos da abordagem dos conteúdos, segundo sua tipologia, na referida coleção.

15 15 Figura 2 - Abordagem de conteúdos atitudinais (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 9º ano. p.152) Conteúdos atitudinais Figura 3 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 1 Observação (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 6º ano. p.202) Observação

16 16 Figura 4 - Abordagem de conteúdos conceituais (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 9º ano. p.156) Conteúdos conceituais

17 17 Figura 5 - Abordagem de conteúdos procedimentais atitudinais (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 9º ano. p.161) Conteúdos procedimentais atitudinais

18 18 Figura 6 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 2 Experimentação (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 6º ano. p.178) Experimentação Figura 7 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 11 Organização de infomações por meio de desenhos, tabelas, gráficos, esquemas e textos (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 6º ano. p.126) Organização de informações

19 19 Figura 8 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 7 Leitura e escrita de textos informativos (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 9º ano. p.176) Litura de textos Figura 9 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 9 Busca de informações em fontes variadas (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 9º ano. p.187) Busca de informações

20 20 Figura 10 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 4 Elaboração de hipóteses e suposições (GEWANDSZNAJDER, Coleção Ciências, 6º ano. p.120) Elaboração de hipóteses O gráfico a seguir mostra a abordagem da Física na coleção Ciências, segundo a tipologia de conteúdos utilizada. Gráfico 2 - Distribuição dos conteúdos de acordo com sua tipologia na coleção Ciências A tipologia de conteúdos é predominantemente do tipo C. Os conteúdos procedimentais são apresentados, na maioria das vezes através da leitura de pequenos textos informativos, em seções denominadas Ciência e tecnologia e Ciência no dia-a-dia, introduzidas no texto principal, em muitas delas, nos parece mais ser continuação do texto didático do que um texto informativo, como sugere a seção. São apresentados, ainda, na seção Aprendendo com a prática, em que

21 21 aparecem na forma de sugestões de experimentos, mas ocorrem em pequena quantidade e em poucos capítulos. Análise da Coleção BP Coleção Ciências Figura 11 - Capa do livro do 6º ano, da coleção Ciências, de Carlos Barros e Wilson Paulino Gráfico 3 - Número de páginas destinadas à cada conteúdo de física em cada livro da coleção Ciências Coleção 2 - BP Número de páginas destinadas à cada conteúdo de física BP6º BP7º BP8º BP9º Mecânica Acústica Física Térmica Ótica Eletricidade Magnetismo Astronomia Física Moderna Energia Ótica/Acústica Eletricidade/Magnetismo Projetos/Oficinas A coleção conta com 246 páginas destinadas à Física, sendo 24,6% de um total de 1000 páginas. A abordagem da Física se dá principalmente no último volume, onde os autores destinam 71,5% do volume a ela. O segundo volume, destinado ao sétimo ano, não faz menção a esse conteúdo em nenhuma das 256

22 22 páginas. No terceiro volume foram escritas apenas três páginas informativas para que o professor faça menção à Física, uma, na seção para ir mais longe, abordando problemas da visão e formação de imagens no olho humano e duas no anexo Evite acidentes, onde os autores dão alguns conselhos sobre cuidados a serem observados dentro de casa com eletricidade e física térmica, com a utilização de fogão, panela de pressão, quedas, etc. Os autores destinam 23,4% do primeiro volume para a Física. São cinco capítulos, em um total de vinte e três: A água e seus estados físicos abordando a física térmica através das mudanças de estado de agregação, Propriedades do ar discute a mecânica dos fluidos, o ar, seus movimentos e a pressão dos gases, A previsão do tempo apresenta a física térmica, temperatura, movimento dos ventos, A poluição ambiental discute efeito estufa e aquecimento global. A astronomia aparece nos capítulos Universo: galáxias, estrelas, planetas, satélites... e O Sistema Solar. Neste volume os autores iniciam os estudos da física térmica, mecânica dos fluidos e astronomia. No quarto volume, intitulado Física e química, encontramos uma Física abordada de maneira tradicional e conteudista. A distribuição do conteúdo segue o formato da maioria das coleções do ensino médio, iniciando com os capítulos Matéria e energia e Medições e unidades de medida, passando pela mecânica, com a cinemática, leis de Newton, dinâmica, gravitação universal, trabalho e máquinas simples, energia mecânica; física térmica; acústica, ondulatória; óptica, luz e cores, instrumentos ópticos, olho humano; eletricidade, eletrostática, eletrodinâmica, potência elétrica e magnetismo, ímãs, bússola, a Terra como um ímã. A física moderna não é abordada nessa coleção. A seguir alguns exemplos da abordagem dos conteúdos, segundo sua tipologia, na referida coleção. Figura 12 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 7 Leitura e escrita de textos informativos tipo 11 Organização de informações por meio de desenhos, tabelas, gráficos, esquemas e texto (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 9º ano. p.65) Leitura de textos Organização de informações

23 23 Figura 13 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 3 Comparação tipo 9 Busca de informações em fontes variadas tipo 11 Organização de informações por meio de desenhos, tabelas, gráficos, esquemas e texto (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 9º ano. p.24) Busca e organização de informações Comparação Figura 14 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 2 Experimentação (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 9º ano. p.90) Experimentação Figura 15 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 10 Elaboração de questões para enquete (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 6º ano. p.225) Elaboração de questões

24 24 Figura 16 - Abordagem de conteúdos conceituais (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 9º ano. p.86) Conteúdos conceituais

25 25 Figura 17 - Abordagem de conteúdos atitudinais (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 9º ano. p.64) Conteúdos atitudinais Figura 18 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 9 Busca de informações em fontes variadas tipo 14 Proposição para a solução de problemas (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 9º ano. p.51) Busca de informações Proposição para solução de problemas

26 26 Figura 19 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 4 Elaboração de hipóteses e suposições tipo 5 Debate oral entre hipóteses (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 9º ano. p.91) Elaboração e debate de hipóteses Figura 20 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 6 Estabelecimento de relações entre fatos ou fenômenos e idéias (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 9º ano. p.178) Estabelecimento de relações

27 27 Figura 21 - Abordagem de conteúdos procedimentais tipo 7 Leitura e escrita de textos informativos (BARROS e PAULINO, Coleção Ciências, 6º ano. p.223) Leitura de textos informativos

28 28 O gráfico a seguir mostra a abordagem da Física na coleção Ciências, segundo a tipologia de conteúdos utilizada. Gráfico 4 - Distribuição dos conteúdos de acordo com sua tipologia na coleção Ciências Há predominância da abordagem da Física através de conteúdos C. Os conteúdos CP são apresentados, na maioria das vezes, como leitura de textos informativos. No primeiro volume são apresentadas apenas duas atividades experimentais e no último volume são apresentadas doze atividades experimentais na seção Mãos à obra: atividade prática ou experimental. No início de cada capítulo, os alunos são levados a interagir através de questões apresentadas na seção Discuta estas idéias. No decorrer do texto são apresentados alguns mapas de conceitos interativos, devendo ser concluídos, em grupo, após o estudo do conteúdo. Conteúdos CA e CAP quase não aparecem. Análise da Coleção CF Coleção Ciências: Atitude e Conhecimento

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

Física Interação e Tecnologia

Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação as Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Betty Carvalho Rocha Gonçalves do Prado A FÍSICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS NA PERSPECTIVA

Leia mais

International Space Station - ISS

International Space Station - ISS International Space Station - ISS International Space Station - ISS Agenda O que é a Estação Espacial Internacional (ISS)? O kit da ISS: Propostas de integração no currículo do 3.º ciclo - Algumas questões

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE FÍSICA

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE FÍSICA PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE FÍSICA 9 ano 1 volume CONTEÚDOS OBJETIVOS 1.Movimento Grandezas e unidades - Unidades de medida - Conversão de unidades Conceitos iniciais - Movimento e repouso - Trajetória Posição

Leia mais

GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013. Plano de Ensino

GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013. Plano de Ensino Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS Turma: A / B / C / D /E SÉRIE/ANO: 8ª / 9º Turno: MATUTINO Bimestral: 1º / 2º / 3º / 4º Anual: 2013 Professor: MÁRIO CÉSAR CASTRO E-mail:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ FÍSICA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA 1 MECÂNICA COMPETÊNCIAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ FÍSICA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA 1 MECÂNICA COMPETÊNCIAS 1.1 Conceitos fundamentais: Posição, deslocamento, velocidade e aceleração. 1.2 Leis de Newton e suas Aplicações. 1.3 Trabalho, energia e potência. 1.4 Momento linear e impulso. UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Ciclo: 3º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química. Atividades / Estratégias. Nº aulas previstas. Avaliação

Ciclo: 3º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química. Atividades / Estratégias. Nº aulas previstas. Avaliação código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa Ciclo: º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química Conteúdos I - O Universo 1. O que existe no Universo 1.1 Estrutura

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 -

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 - TOTAL Outras Atividades Tema B: Terra em Transformação Tema A: Terra no Espaço Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANIFICAÇÃO 7º Ano de Ciências Físico-Químicas Ano Letivo 2011 / 2012

Leia mais

TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA

TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Ensino Médio Profissionalizante nas áreas de Eletricidade, Eletrônica, Eletrotécnica ou Mecânica ou Ensino

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC

COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2014 DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC PROFESSOR: CARLOS ALBERTO RAMOS DA SILVA

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 ANÁLISE DO TEMA ÁGUA EM LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL No Brasil, o livro didático está em praticamente todas as escolas públicas brasileiras, tanto do Ensino Fundamental quanto do

Leia mais

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 ENERGIA, SEMPRE MUDANDO DE FORMA...11 ENERGIA AO LONGO DA HISTÓRIA...16 NA VIDA MODERNA...18 Buscando a sustentabilidade...20

Leia mais

Proposta interdisciplinar de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Proposta interdisciplinar de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Disciplina de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Proposta

Leia mais

Física no Ensino Médio

Física no Ensino Médio CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA Ciências da Natureza e Matemática Física no Ensino Médio Autores: Carlos Eduardo M de Aguiar Eduardo A. Gama Sandro Monteiro Costa Janeiro de 2005 Física no Ensino Médio

Leia mais

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

O Ensino de Astronomia em Amargosa: uma reflexão sobre os livros didáticos utilizados no município

O Ensino de Astronomia em Amargosa: uma reflexão sobre os livros didáticos utilizados no município O Ensino de Astronomia em Amargosa: uma reflexão sobre os livros didáticos utilizados no município Edmilson dos Santos Macedo 1, Glênon Dutra 2, Simone Fernades 3. Introdução A Astronomia deve ser vista

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS 2015 IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO JALLES MACHADO ESCOLA LUIZ CÉSAR DE SIQUEIRA MELO PROFESSOR: ELIAS ALVES DE SOUZA SÉRIE: 6º ANO TURMA: A/B TURNO: MATUTINO OBJETIVOS GERAIS O

Leia mais

Projeto Escola Solar

Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Por Walder Antonio Teixeira Introdução O que vem a ser uma Escola Solar? Demos o nome de Escola Solar para o nosso projeto, pois utilizamos a prática com energia

Leia mais

Comunicação e informação...9 1. Produção, processamento, propagação e armazenamento da informação... 10

Comunicação e informação...9 1. Produção, processamento, propagação e armazenamento da informação... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O Comunicação e informação...9 1. Produção, processamento, propagação e armazenamento da informação... 10 ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES...10 O registro das informações...11

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL NOVA UNIÃO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FÍSICA

COLÉGIO ESTADUAL NOVA UNIÃO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FÍSICA COLÉGIO ESTADUAL NOVA UNIÃO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FÍSICA Apresentação da Disciplina O estudo da Física surgiu por meio do interesse das pessoas em conhecer e interagir

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (PAEBES). Discutir e elaborar estratégias

Leia mais

DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional

DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional Química Aprenda química de forma super interativa e inovadora. Explore diversos conteúdos da disciplina: os elementos químicos, tabela periódica, modelos atômicos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1 ano EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1 ano EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Manutenção e Suporte em Informática - Integrado FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( )

Leia mais

TEMAS DE ASTRONOMIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DEMONSTRATIVAS. Francelina Elena Oliveira Vasconcelos. Sala 2103 / Unipampa / Campus Bagé.

TEMAS DE ASTRONOMIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DEMONSTRATIVAS. Francelina Elena Oliveira Vasconcelos. Sala 2103 / Unipampa / Campus Bagé. TEMAS DE ASTRONOMIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DEMONSTRATIVAS Francelina Elena Oliveira Vasconcelos Sala 2103 / Unipampa / Campus Bagé É na busca de incentivar a abordagem de tópicos de Astronomia com alunos

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental.

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental. C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 35-336 - Fax (045) 3379-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: CIÊNCIAS

Leia mais

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira)

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) Constituição da Avaliação 5 perguntas de Astronomia; 3 perguntas de Astronáutica; 2 perguntas sobre Energia. Perguntas Práticas e/ou Observacionais

Leia mais

A ATIVIDADE LÚDICA COMO POSSIBILIDADE PARA DISCUTIR CIÊNCIAS: A GINCANA DA FÍSICA.

A ATIVIDADE LÚDICA COMO POSSIBILIDADE PARA DISCUTIR CIÊNCIAS: A GINCANA DA FÍSICA. A ATIVIDADE LÚDICA COMO POSSIBILIDADE PARA DISCUTIR CIÊNCIAS: A GINCANA DA FÍSICA. Aline de Lima Faustino¹, Bismarck de Araújo Freitas², Renaly Ribeiro Mendonça³, Alessandro Frederico da Silveira 4. 1.

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A abertura de unidade propõe atividades que estimulam os alunos a resolver situações cotidianas utilizando e valorizando os conhecimentos matemáticos

A abertura de unidade propõe atividades que estimulam os alunos a resolver situações cotidianas utilizando e valorizando os conhecimentos matemáticos A abertura de unidade propõe atividades que estimulam os alunos a resolver situações cotidianas utilizando e valorizando os conhecimentos matemáticos como ferramentas necessárias. Abertura de unidade Aprender

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURRICULO 20305/01036-FISICA LICENCIATURA HABILITAÇÃO: LICENCIADO EM FISICA RECONHECIDO: Portaria N 1030 D.O.U.

Leia mais

REFERÊNCIA EDIÇÃO EM APOIO AO PROFESSOR NOVA FÍSICA 1º ANO. Unidade 1 Introdução à Física...8. Unidade 3 Dinâmica... 116. Unidade 2 Cinemática...

REFERÊNCIA EDIÇÃO EM APOIO AO PROFESSOR NOVA FÍSICA 1º ANO. Unidade 1 Introdução à Física...8. Unidade 3 Dinâmica... 116. Unidade 2 Cinemática... REFERÊNCIA EM APOIO AO PROFESSOR FÍSICA 1º ANO Unidade 1 Introdução à Física...8 CAPÍTULO 1 Física, ciência da natureza... 10 1. Ciências da natureza... 11 2. Ciência e religião na sociedade... 13 3. Ciência,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital-SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL TEOTÔNIO VILELA EFM PROFESSOR: ALTAILSO JOSÉ RIBAS DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES

COLÉGIO ESTADUAL TEOTÔNIO VILELA EFM PROFESSOR: ALTAILSO JOSÉ RIBAS DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 S Termologia Termometria Dilatação de sólidos e líquidos Calorimetria Mudanças de estado Estudo dos gases Termodinâmic a S ESPECÍFICOS OBJETIVOS METODOLOGI A Temperatura

Leia mais

CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES Articulação com

CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES Articulação com PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 7ºANO Ano letivo 2012-2013 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES Articulação com Apresentação 1.1. O Universo 1.1.1. O que existe no Universo: Estrelas

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Qualidade ambiental Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Uso dos recursos naturais / ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável Conteúdos Lixo /

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO

Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO Cristiane Marina de Carvalho Jéssica Regina Romão Cabral Estudantes do curso de Licenciatura

Leia mais

JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA

JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA JOGO ENERGIA NA MEMÓRIA: UMA ALTERNATIVA PEDAGÓGICA Natale Figueiredo (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRJ), Ana Carolina Cunha (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES NO ENSINO DE GASES Helena Cristina Aragão de Sá 1 (FM) Roberto Ribeiro da Silva 2 (PQ) 1 SEEDF/E.C. 803 - Recanto das Emas, helenaaragaosa@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Conteúdo de Física - (1ª série)

Universidade Federal do Pará. Conteúdo de Física - (1ª série) 1. Compreender a ciência Física como uma representação da natureza baseada na experimentação e abstração. 2. Relacionar fenômenos naturais com os princípios e leis físicas que os regem. 3. Compreender

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: FÍSICA

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2,3 DE PEDROUÇOS ANO LETIVO 2012/2013. PLANIFICAÇÃO DIDÁTICA Ciências Físico-Químicas 7º Ano

ESCOLA BÁSICA 2,3 DE PEDROUÇOS ANO LETIVO 2012/2013. PLANIFICAÇÃO DIDÁTICA Ciências Físico-Químicas 7º Ano ESCOLA BÁSICA, DE PEDROUÇOS ANO LETIVO 0/0 PLANIFICAÇÃO DIDÁTICA Ciências Físico-Químicas 7º Ano Domínio / Subdomínio Meta Final Metas Intermédias Tempos Letivos Avaliação Terra no Espaço Universo O aluno

Leia mais

ELABORAÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS COMO UMA FERRAMENTA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE QUÍMICA 1

ELABORAÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS COMO UMA FERRAMENTA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE QUÍMICA 1 ELABORAÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS COMO UMA FERRAMENTA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE QUÍMICA 1 BRASIL, Robledo de Moraes 3 ; DALLA LANA, Regis 2 ; LIMA, Roberta Medianeira dossantos 2 ; PAGNONCELLI, Claudia 2

Leia mais

Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17

Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17 Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades:

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades: REDESCOBRINDO A ASTRONOMIA: UMA NOVA JANELA PARA O CÉU DO CERRADO SANTOS, Dener Pereira.; MARTINS, Alessandro.; PRADO, Valdiglei Borges.; LIMA, Thiago Oliveira. 1 Palavras-chaves: Divulgação científica,

Leia mais

ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR EM LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR EM LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 00849 ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR EM LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Juliana Biar (Grupo Formar-Ciências, Faculdade de Educação Unicamp) Marilac Luzia S. L. S. Nogueira

Leia mais

COMPREENDENDO CONCEITOS DE ELETRICIDADE BÁSICA: UMA PROPOSTA DE ENSINO COM USO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS E ENFOQUE CTSA

COMPREENDENDO CONCEITOS DE ELETRICIDADE BÁSICA: UMA PROPOSTA DE ENSINO COM USO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS E ENFOQUE CTSA COMPREENDENDO CONCEITOS DE ELETRICIDADE BÁSICA: UMA PROPOSTA DE ENSINO COM USO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS E ENFOQUE CTSA Flávio Pereira Moura 1 Maria Kamylla e Silva Xavier de Almeida 2, Nicleide Maria

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PONTOS PARA CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EDITAL 001/2009 Matéria/Área do Conhecimento: MATEMÁTICA 1. Transformações Lineares e Teorema do Núcleo

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS Aluno (a): 5º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos CONTEÚDOS ORIENTAÇÕES Releia os registros do seu caderno, os conteúdos dos livros e realize

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

TEIA TEIA DO DO SABER SABER

TEIA TEIA DO DO SABER SABER TEIA TEIA DO DO SABER SABER 2005 Fundação de Apoio às Ciências: Humanas, Exatas e Naturais GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 81/2011-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 20/06/2011 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 81/2011-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 20/06/2011 I RELATÓRIO: INTERESSADA: ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO - POLI ASSUNTO: RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES RELATOR: CONSELHEIRO ARNALDO CARLOS DE MENDONÇA PROCESSO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO

A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO I Simpósio Nacional de Educação em Astronomia Rio de Janeiro - 2011 1 A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO Andreza Concheti 1, Valéria

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PORTELA, Caroline Dorada Pereira UFPR cdp_fisica@yahoo.com.br HIGA, Ivanilda UFPR ivanilda@ufpr.br

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS Luciana Boemer Cesar 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Palavras-chave: formação de professores, ensino de estatística,

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO

FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO Área Temática: Educação: Educação Básica, Ensino Médio Equipe Executora: Antonio

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 8.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Cruzeiro do Sul e o Sul

Cruzeiro do Sul e o Sul Atividade de Aprendizagem 17 Cruzeiro do Sul e o Sul Eixo(s) temático(s) Terra e universo Tema Estrelas / constelações / galáxias Conteúdos Constelações / pontos cardeais Usos / objetivos Problematização

Leia mais

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno)

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) SEMESTRE 1 - Obrigatórias FAP0151 Fundamentos de Mecânica FAP0152 Introdução às Medidas em Física FEP0151 Fundamentos de Mecanica FEP0152

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

PROGRAMA DE FÍSICA. 10ª Classe

PROGRAMA DE FÍSICA. 10ª Classe PROGRAMA DE FÍSICA (NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS) 10ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Física - 10ª

Leia mais

Energia e Meio Ambiente

Energia e Meio Ambiente INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Energia e Meio Ambiente Rodrigo Valle Cezar O que é Energia INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Tudo o que existe no mundo é energia. A luz O calor A matéria Os Átomos As estrelas A

Leia mais

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO Andeson Lisboa de Oliveira AZEVEDO 1, Kleyfton Soares da SILVA 2 1 Departamento de Química, Instituto Federal da Paraíba-IFPB, João Pessoa-PB. E-mail:

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

CONTEÚDOS DE FÍSICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE FÍSICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE FÍSICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

PIBID-FÍSICA. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência. Relatório Semestral. Jéssica Regina Romão Cabral. Bolsista

PIBID-FÍSICA. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência. Relatório Semestral. Jéssica Regina Romão Cabral. Bolsista PIBID-FÍSICA Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência Relatório Semestral Jéssica Regina Romão Cabral Bolsista Prof(a). Angela Maria Braga de Castro Professor Supervisor da Escola Thalita

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 7º ano - UNIDADE 4 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 7º ano - UNIDADE 4 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 7º ano - UNIDADE 4 - CAPÍTULO 1 Questão 286. O que significa blecaute? Questão 287. Durante a revolução industrial, qual foi a grande transformação para os trabalhadores?

Leia mais

código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa

código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa código 7608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa Ciclo: º Ano: 8º Disciplina: Físico-Química Conteúdos. Reações Químicas..Tipos de reações Investigando algumas

Leia mais

Meio Ambiente: O Lúdico em Sala de Aula Gisélia Santana Ferreira Lima¹ Thaís Cortellini Abrahão²

Meio Ambiente: O Lúdico em Sala de Aula Gisélia Santana Ferreira Lima¹ Thaís Cortellini Abrahão² Meio Ambiente: O Lúdico em Sala de Aula Gisélia Santana Ferreira Lima¹ Thaís Cortellini Abrahão² ¹Especialista em Ciências Biológicas e Bióloga, professora das disciplinas de ciências e biologia. ²Mestre

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais