DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN"

Transcrição

1 DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN 17

2 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição. O Descritivo Técnico consiste no seguinte: 1. INTRODUÇÃO COMPETÊNCIAS REQUERIDAS PROJETO TESTE GERENCIAMENTO E COMUNICAÇÃO AVALIAÇÃO REQUISITOS DE SEGURANÇA E SAÚDE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS ÁREA DE TRABALHO INFORMAÇÕES ADICIONAIS MARKETING DA OCUPAÇÃO PARA OS VISITANTES E MÍDIA Coordenação Técnica da OC2014 Data: Descritivo Técnico 1 de 19

3 1. INTRODUÇÃO 1.1 Nome da Ocupação O nome da ocupação é Web Design. 1.2 Descrição da Ocupação Web Design engloba várias habilidades e disciplinas diferentes na produção e manutenção de websites. A diversidade de habilidades necessárias para um desenvolvedor web (web developer) são muitas, de maneira que torna-se difícil que um web designer se sobressaia em todos os aspectos relacionados. Como resultado disso, é comum que uma equipe seja responsável pelo processo relativo ao design para web, onde cada um dos membros tem suas próprias habilidades, forças e especialidades para cada disciplina envolvida no processo de desenvolvimento para web. Web Design envolve implementar soluções específicas que sigam regras de negócios e objetivos definidos pelo cliente. Web Designers desenvolvem uma relação profissional com seus clientes, interagindo com eles com o objetivo de obter um entendimento profundo de suas necessidades e converte-las à um Website. Um design diferenciado e habilidades de comunicação, juntamente com técnicas de pesquisa e foco no público alvo adequado, mercado e tendências, garantem a satisfação do cliente e a credibilidade do Web Designer. Após ter completado o planejamento e design, o Web Designer integra o website à plataformas e aplicações. Durante o processo de desenvolvimento, o Web Designer deve desenhar e desenvolver bases de dados, criar programas, testar e depurar o website. A tendência atual é de, também, integrar ao website mídias sociais, tirando vantagem do fruto que estas modernas plataformas trazem. Todas estas habilidades devem ser aplicadas de maneira igual para um redesign ou a atualização de um website existente. Um Web Designer tem muitas oportunidades empregatícias. Desde um profissional liberal, como um Web Designer Freelancer, até ser empregado por empresas de publicidade e agências de design e propaganda. O Web Designer pode ter uma atuação ampla, ou atuar em áreas específicas como Design Gráfico, Desenvolvimento Front-End, Desenvolvimento Back End/Desenvolvimento Server Side e Design de Interfaces. Independente do papel que o Web Designer escolha para se especializar, ele deverá ter acesso a bibliotecas de desenvolvimento, bibliotecas open source e frameworks de desenvolvimento a fim de facilitar seu trabalho. Data: Descritivo Técnico 2 de 19

4 Um Web Designer de alta performance deve ter conhecimentos especializados na área de internet. Porém, para sobressair-se, ele deve entender sobre leis de direito autoral e um, bem estabelecido, código de ética. Ele deve entender de valores artísticos, e estar sempre à frente de tendências estéticas e de novas tecnologias. Ele deve, também, saber lidar com clientes e ter a habilidade de trabalhar com equipes e grupos de trabalho. Estas qualidades permitem que um Web Designer possa contribuir e tirar vantagem deste meio que, em constante evolução, é a tecnologia de comunicação moderna. 1.3 Escopo da Aplicação Todo Avaliador e Competidor deve conhecer este Descritivo Técnico. 1.4 Documentos Associados Como este Descritivo Técnico contem somente informações relativas à esta Ocupação em específico, ele deve ser usado juntamente com os seguintes: Regras da Competição Recursos Online como indicados neste documento. Regulamento de Saúde Ocupacional 2. COMPETÊNCIAS REQUERIDAS A Competição é uma demonstração e avaliação das competências associadas à esta Ocupação. O Projeto Teste, consiste em trabalho prático somente. 2.1 Organização de Trabalho e Autocontrole O competidor deve conhecer e entender: o princípios e práticas que permitam um trabalho produtivo em equipe o os princípios e comportamentos dos sistemas o os requisitos do sistema que contribuem para produtos, estratégias e práticas sustentáveis o como tomar iniciativa com o objetivo de identificar, analisar e avaliar informações de variadas fontes. O competidor deve ser capaz de: Data: Descritivo Técnico 3 de 19

5 o diagnosticar e resolver problemas comuns de web design e desenvolvimento o entender limitações de tempo e prazos o Depurar erros o Usar computador e dispositivos móveis e uma variedade de pacotes e bibliotecas de software o Aplicar técnicas de pesquisa e habilidades para se manter atualizado junto às ultimas tendências da indústria o Planejar a agenda de produção de cada dia de acordo com o tempo disponível o Incluir links, imagens, fontes, mídias e arquivos de produção na entrega do produto. 2.2 Comunicação e habilidades interpessoais O competidor deve conhecer e entender: o Como resolver problemas de comunicação incluindo identificar o problema, pesquisar, analisar, gerar soluções, prototipar, fazer testes e avaliar resultados o Os princípios que envolvem coletar e apresentar informações o desenhar conceitos e técnicas, incluindo wireframing, storyboarding e criar fluxogramas o Princípios e técnicas para arquitetura da informação O competidor deve ser capaz de: o entregar um produto que responda aos requerimentos e especificações do cliente o coletar, analisar e validar informação o Ler e interpretar normas técnicas e padrões o Planejar e realizar analises de sistemas o Senso crítico em suas próprias propostas de esboço, cores e técnicas o Desenvolver wireframing, storyboarding e fluxogramas 2.3 Website Design O competidor deve conhecer e entender: o contextos cognitivos, sociais, culturais, tecnológicos e econômicos do design o como criar gráficos para web o como criar um design usando o briefing e especificações o Como seguir principios e padrões de design o O uso de paletas de cores, tipografia e composição Data: Descritivo Técnico 4 de 19

6 o Princípios e técnicas para editar e adaptar gráficos e imagens para o uso em layouts para web o Diferentes públicos alvo e os elementos de design que atendam à cada publico o Protocolos para manter identidades corporativas, marcas e guias de estilo o As limitações de dispositivos com acesso à internet e com tamanhos de tela diferentes o Como prover consistência e um design bem acabado o Princípios de um design com apelo visual o Tendências atuais do design O Competidor deve ser capaz de: o Entender a hierarquia, tipografia, conceitos estéticos e composição o Criar, manipular e otimizar imagens para internet o Analisar o público alvo e o produto que será entregue o Selecionar uma ideia que é o mais apropriada para o público alvo o Levar em consideração o impacto de cada elemento que será usado no processo de design o Usar todos os elementos requeridos para criar o design o Respeitar as diretrizes de identidade corporativa e guias de estilo o Criar designs responsivos que funcionem de maneira correta em múltiplas resoluções e/ou dispositivos (Exemplo: smart phones, tablets, navegadores) o Manter o conceito do design original e ampliar seu apelo visual o Transformar uma ideia em um design criativo e com apelo visual. 2.4 Website Layout O competidor deve saber e entender: o Melhores práticas de acessibilidade e comunicação com pessoas com deficiência o Padrões da World Wide Web Consortium (W3C) para HTML e CSS o Métodos de layout para website e padrões de estrutura de websites o web accessibility initiative (WAI) o Como identificar as regras e seletores apropripados do CSS para alcançar resultados desejados o Como identificar os requerimentos para pessoas com deficiência, incluindo deficiências visuais, auditivas, físicas, de fala, cognitiva e neurológicas. o Melhores práticas para Search Engine Optimisation (SEO) o Como embutir e integrar animações, áudio e vídeo O competidor deve ser capaz de: o Solucionar problemas envolvidos para acomodar grupos de pessoas com deficiência Data: Descritivo Técnico 5 de 19

7 o Usar CSS da maneira mais eficiente para que haja consistência entre os navegadores de internet o Criar páginas da web que funcionem em variados tipos de dispositivos e resoluções de tela o Manter a consistência de layouts em múltiplas resoluções de tela o Criar websites que estejam de acordo com os atuais padrões W3C (http://www.w3.org) o Usar CSS ou outros arquivos externos para modificar a aparência de um website o Criar e atualizar websites otimizados para motores de busca o Criar códigos que atendam e validem de acordo com os padrões W3C 2.5 Client Side O competidor precisa conhecer e entender: o Como integrar e desenvolver código em Javascript o Como programar usando bibliotecas Open Source e Frameworks O competidor deve ser capaz de: o Criar animações no website que ajudem na contextualização e aumentem o apelo visual o Criar e atualizar códigos em JavaScript para aumentar a funcionalidade e estética de websites o Adicionar Interatividade em websites 2.6 Server Side O competidor precisa conhecer e entender: o Como criar códigos em PHP (Hypertext Pre-Processor) o Como utilizar bibliotecas Open Source e Frameworks server side o Técnicas de modelagem de dados para modelar e implementar bancos de dados em MySQL o Uso de FTP (File Transfer Protocol) entre cliente e servidor e pacotes de software relacionados o Como implementar web services usando PHP, SOAP, XML (Extensible Markup Language) e JSON o Programar estruturas de controle e programação orientada a objetos o como desenvolver código seguindo recomendações de design pattern (Ex: MVC (Model View Controller (Modelo visão controlador))) o como criar aplicações seguras para web Data: Descritivo Técnico 6 de 19

8 O competidor deve estar apto a: o desenvolver e projetar consultas a bancos de dados e web services de acordo com os requisitos do cliente o entregar soluções robustas para criação de banco de dados com os requisitos especificados o traduzir um diagrama ER (Entidade-Relacionamento) em um banco de dados funcional o criar comandos SQL (Structured Query Language) usando a sintaxe correta o proteger bancos de dados contra ataques externos o integrar códigos existentes utilizando APIs (Application Programming Interfaces), bibliotecas e frameworks o desenvolver código orientada a objetos 2.7 Conhecimento Teórico Conhecimento teórico é requerido mas não testado explicitamente. Conhecimento das regras e regulementos não serão examinados. 2.8 Trabalho Prático O desenvolvimento de um website envolve uma sequência de fases: Planejamento Criação de elementos para o website Codificação client side (codificação do lado cliente) Programação server side (programação do lado servidor) O processo de desenvolvimento pode variar envolvendo a ordem diferente das fases. O Web Designer deve ser capaz de desenvolver e utilizar elementos completos de um website como um banco de dados completo ou uma sugestão de interface (UI User interface) 3. PROJETO TESTE 3.1 Formato / Estrutura do Projeto Teste Modular com avaliações separadas para tarefas distintas 3.2 Requisitos do Projeto Teste Data: Descritivo Técnico 7 de 19

9 Os módulos do Projeto Teste a ser desenvolvido seguem os critérios de avaliação descritos no paragrafo 5.1 Critérios para Atribuição de Notas. Avaliadores com Responsabilidade Especial (ARE) lideram outros avaliadores no desenvolvimento dos módulos do projeto teste que serão utilizados na competição. O Avaliador Líder e o Avaliador Líder Adjunto escolhem os AREs o mais brevemente possível assim que as informações dos avaliadores participantes é definida. 3.3 Desenvolvimento do Projeto Teste O Projeto Teste deve ser enviado utilizando-se dos templates providos pela organização da. Tempo Atividade 7 meses antes da competição Avaliadores são divididos em grupos para o desenvolvimento dos módulos pelo Avaliador Líder e pelo Avaliador Líder Adjunto. Cada grupo de avaliadores desenvolverá um módulo específico em um fórum exclusivo liderado por um Avaliador com Responsabilidades Especiais (ARE). 5 meses antes da competição Primeiro rascunho de cada módulo deve ser postado no respectivo fórum exclusivo. 3 meses antes da competição Os módulos do Projeto Teste são enviados à Coordenação da para publicação e divulgação no website do evento. Os módulos do Projeto Teste enviado devem conter: Fichas de Avaliação Módulos do Projeto Teste Todos os arquivos de mídia necessários ao desenvolvimento total do módulo Data: Descritivo Técnico 8 de 19

10 Tempo Atividade 3 meses antes da competição Após o Projeto Teste ser enviado à Coordenação da para divulgação inicia-se o trabalho na modificação mínima de 30% do Projeto Teste divulgado. Os grupos de avaliadores continuarão a trabalhar nas modificações em seus respectivos fóruns exclusivos. A mudança de 30% no Projeto Teste divulgado deverá ser mantida confidencial e não poderá ser apresentada a outros avaliadores de fora do grupo de avaliadores que desenvolveu o módulo ou a qualquer competidor. 1 mês antes da competição Cada grupo de avaliadores deve finalizar a mudança mínima de 30% em seus respectivos módulos do Projeto Teste. Deverão ser postados no fórum exclusivo de cada grupo os seguintes documentos: Fichas de Avaliação Atualizadas Módulos do Projeto Teste Atualizados Documento de Alterações Todos os arquivos de mídia necessários ao desenvolvimento total do módulo Um projeto teste demonstração com todas as funcionalidades desenvolvidas (DEMO) Durante a competição O Avaliador com Responsabilidades Especiais responsável pelo módulo apresentará as modificações mínimas de 30% de seu módulo para os demais avaliadores. Todos os arquivos referentes aos módulos deverão estar finalizados e entregues para o início da competição Quem desenvolve os Módulos do Projeto Teste Os módulos são desenvolvidos por grupos de avaliadores. Cada grupo desenvolve um módulo e cada grupo é liderado por um Avaliador com Responsabilidades Especiais (ARE) Como e onde os módulos do Projeto Teste são desenvolvidos Através dos grupos de avaliadores no fórum de discussão da ocupação. Data: Descritivo Técnico 9 de 19

11 3.3.3 Quando o Projeto Teste é desenvolvido As versões para divulgação de cada módulo devem estar prontas para serem enviadas à Coordenação da para publicação no website 3 meses antes da competição. Os módulos do Projeto Teste serão alterados em no mínimo 30%, pelos grupos de avaliadores antes da competição, através do fórum de discussão. 3.4 Fichas de Avaliação do Projeto Teste Cada módulo do Projeto Teste deve ser acompanhado por uma proposta de ficha de avaliação baseada nos critérios definidos no capítulo A proposta de ficha de avaliação para cada módulo é desenvolvida pelo respectivo grupo de avaliadores, liderados pelo Avaliador com Responsabilidades Especiais (ARE) e com a assistência do Avaliador Líder e do Avaliador Líder Adjunto. Avaliadores terão a oportunidade de dar e solicitar maiores explicações sobre as fichas de avaliação divulgadas através do fórum de discussão da ocupação. As informações e explicações providas ajudarão no desenvolvimento da versão final das fichas de avalição, desenvolvidas pelo respectivo grupo de avaliadores no fórum antes da competição As fichas de avaliação finalizadas devem estar no formato Excel adequado para ser importadas no CIS antes da competição. 3.5 Validação do Projeto Teste Os módulos do Projeto Teste final serão validados pelo respectivo grupo de Avaliadores antes da competição. O Avaliador Líder e o Avaliador Líder Adjunto auxiliam os grupos de avaliadores na validação. Os grupos de avaliadores devem garantir que: o O módulo do projeto possa ser completado no limite de tempo especificado o O módulo do projeto possa ser completado com os arquivos e mídias providos o As fichas de avaliação estejam desenvolvidas apropriadamente o O Projeto Teste siga o Descritivo Técnico Data: Descritivo Técnico 10 de 19

12 3.6 Seleção do Projeto Teste Cada grupo de avaliadores, liderado por um Avaliador com Responsabilidades Especiais (ARE), desenvolverá um módulo do Projeto Teste. Os avaliadores deverão trabalhar colaborativamente no desenvolvimento de seus módulos do Projeto Teste. Os avaliadores são solicitados a participar no fórum de discussão da ocupação para: discutir e/ou votar questionar responder ou fornecer informações desenvolver seus módulos do Projeto Teste Se um avaliador se abstiver de participar do fórum de discussões da ocupação durante a discussão e/ou votação sobre um assunto em particular, este não terá a oportunidade de questionar e/ou votar novamente, de acordo com as Regras da Competição. 3.7 Divulgação e Circulação do Projeto Teste O Projeto Teste será divulgado através do website da 3 meses antes da competição. 3.8 Coordenação do Projeto Teste (Preparação para a Competição) A coordenação do Projeto Teste será feita pelo Avaliador Líder e pelo Avaliador Líder Adjunto. A coleta dos dados do Projeto Teste são de responsabilidade do Avaliador Líder e do Avaliador Líder Adjunto e podem ser auxiliados pelo Chefe de Oficina, 1 mês antes da competição. 3.9 Alterações do Projeto Teste para a Competição Cada grupo de avaliadores faz a modificação de no mínimo 30% nos módulos de sua responsabilidade antes da competição. Os 30% de alterações podem ser, por exemplo: remoção de uma das tarefas do módulo, alterações nas mídias providas para a tarefa, criação de uma nova versão para a tarefa ou adição de tarefas extras ao módulo. Quaisquer decisões tomadas pelos avaliadores no fórum durante o período de preparação devem ser tomadas de acordo com as Regras da Competição. Data: Descritivo Técnico 11 de 19

13 3.10 Especificações de material Cada grupo de avaliadores desenvolve os arquivos de mídia necessários à solução de seu módulo. 4. GERENCIAMENTO E COMUNICAÇÃO 4.1 Fórum de Discussão da Ocupação Antes da competição, toda discussão, comunicação, colaboração e decisões sobre a ocupação devem ser realizadas no fórum de discussão da ocupação. Todas as decisões e comunicações relacionadas à ocupação somente serão válidas se realizadas no fórum. O Avaliador Líder (ou um avaliador nomeado pelo Avaliador Líder) será o moderador do fórum. 4.2 Informações ao Competidor Todas as informações aos competidores registrados estarão disponíveis através do website da. Estas informações incluem: Regras da Competição Descritivos Técnicos Projetos Teste Outras informações relacionadas à competição 4.3 Projetos Teste O Projeto Teste divulgado estará disponível no website da Olimpíada do Conhecimento. 4.4 Gerenciamento Diário O gerenciamento diário é definido no Plano de Gerenciamento da Ocupação que é criado em mantido pelo Time de Gerenciamento da Ocupação liderado pelo Avaliador Líder. O Time de Gerenciamento da Ocupação é composto pelo Juri Presidente, pelo Avaliador Líder e pelo Avaliador Líder Adjunto. O Plano de Data: Descritivo Técnico 12 de 19

14 Gerenciamento da Ocupação e progressivamente desenvolvido nos 6 meses que antecedem a competição e finalizado antes da competição para que seja apresentado aos avaliadores. O Plano de Gerenciamento da ocupação pode ser acessado através do website da. 5. AVALIAÇÃO Esta seção descreve como os avaliadores avaliarão o Projeto Teste / Módulos. Também especifica a atribuição de notas e os procedimentos e requisitos para avaliação. 5.1 Critérios Esta seção define o critério para atribuição de notas e o número de aspectos (subjetivos e objetivos) avaliados. A soma das notas de todos os critérios de avaliação deve ser 100. Seção Critério Notas Subjetivo Objetivo Total A Organização do trabalho autocontrole B Comunicação e habilidades interpessoais C Website Design D Website Layout E Client Side F Server Side Total = Formulário subjetivo Para a avaliação subjetiva deve-se utilizar a pontuação de referência de 1 (um) a 10 (dez) conforme o modelo. Caso o competidor não tenha realizado/desenvolvido a tarefa avaliada pelo aspecto julgado, este aspecto deverá receber a pontuação 0 (zero). Neste caso em específico todos os avaliadores devem utilizar a mesma pontuação em concordância com a falta de execução da tarefa por parte do competidor. Data: Descritivo Técnico 13 de 19

15 Item de avaliação Pontos Perfeito 10 Muito bom 9 Bom 8 Razoavelmente bom 7 Suficiente 6 Média 5 Pobre 4 Insatisfatório 3 Muito ruim 2 Inaceitável Formulário objetivo Pode haver quatro diferentes tipos de critérios objetivos no Projeto Teste. A tabela abaixo explica estes tipos. Tipo Exemplo Pontuação Máxima Correto Incorreto Sim ou Não. Dedução de pontos. Adição de pontos. O Website desenvolvido possui rodapé Código valida em XHTML 1.0 Strict [deduzir 0.5 pontos para cada tipo de erro] Documentação do CSS (0.5) Documentação do XHTML (0.5) de 0 a ou 0.5 Data: Descritivo Técnico 14 de 19

16 5.4 Especificação de avaliação da ocupação Deve haver um mínimo de 10 e um máximo de 60 aspectos em cada módulo. A pontuação atribuída a um aspecto de avaliação não pode ser inferior a 0,25 nem superior a 2,00 pontos. 5.5 Procedimentos de avaliação da ocupação Cada avaliador será membro de um grupo de avaliação do projeto final. Os avaliadores serão divididos em grupos de avaliação e cada grupo avaliará um número igual de critérios objetivos e subjetivos, sempre que for possível. A composição dos grupos de avaliação será decidida pelo Avaliador Líder e o Avaliador Líder Adjunto, com o equilíbrio entre avaliadores novos e os mais experientes. Para os aspectos subjetivos serão criados grupos de avaliadores com integrantes de diferentes regiões do país sempre que possível. 6. REQUISITOS DE SEGURANÇA E SAÚDE Todos os participantes da ocupação deverão seguir as regras de saúde e segurança do trabalho impostas pela organização da competição e divulgadas em documentos específicos. É recomendado aos competidores fazerem pausas freqüentes em seu período de trabalho, para relaxar os olhos. É recomendado aos competidores o uso de teclados e mouses ergonômicos para evitar lesões por esforço repetitivo, devem também seguir as regras de ergonomia para evitarem problemas. 7. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS 7.1 Lista de Infraestrutura A lista de infraestrutura detalha os materiais e equipamentos fornecidos pela organização da competição e que estarão disponíveis para a execução do Projeto Teste nos dias de ambientação e competição. Data: Descritivo Técnico 15 de 19

17 A lista de infraestrutura é um documento divulgado pela organização da competição e disponível no portal da olimpíada do conhecimento (http://www.senai.br/olimpiada). Cada competidor e avaliador deve revisar a lista de infraestrutura da ocupação em preparação para a competição. O Avaliador Líder deve ser comunicado em caso de sugestões de atualização da lista de infraestrutura da ocupação. A lista de infraestrutura não inclui itens que precisam ser trazidos para a competição por avaliadores e competidores. Estes itens são de única responsabilidade dos avaliadores e competidores. A lista de infraestrutura especifica os itens e as quantidades requisitadas pelos avaliadores para a competição. A Organização da competição irá progressivamente atualizar a Lista de Infraestrutura especificando a quantidade, tipo, marca / modelo dos itens, versões. Ítens fornecidos pela Organização são mostrados em uma área separada. Os avaliadores, através do Avaliador Líder, devem comunicar a Coordenação sobre qualquer aumento de espaço e / ou equipamentos. Em cada competição, a Coordenação fará uma análise na Lista de Infraestrutura usada na competição. 7.2 Materiais e Equipamentos de Responsabilidade dos Competidores Competidores podem trazer os seguintes ítens: Materiais de desenho Mouse Teclado ergonômico. Nota: caso o teclado trazido pelo competidor não funcione, será fornecido pela organização um teclado padrão. Driver dos dispositivos trazidos pelo competidor Mesa digitalizadora Fone de ouvido / headset Nota: Os equipamentos trazidos pelos competidores não podem conter memória de armazenamento interna nem portas USB. O grupo de avaliadores e o chefe de Data: Descritivo Técnico 16 de 19

18 oficina têm o direito de não permitir o uso de equipamentos trazidos pelos competidores fora das normas Música Os competidores podem trazer no dia da ambientação um dispositivo de armazenamento contendo arquivos no formato mp3. Os arquivos trazidos pelos competidores serão examinados e convertidos para garantir a autenticidade do formato e serão distribuídos a todos competidores. 7.3 Materiais e equipamentos fornecidos pelos avaliadores Durante a competição, os competidores não terão acesso a Internet em suas estações de trabalho. Será disponibilizado um computador para acesso a Internet, em que os competidores podem fazer apenas um acesso a Internet em cada módulo, com duração de até dez minutos. O tempo não usado não será realocado. Durante este acesso, o competidor não pode conversar com os outros, fazer download ou copiar arquivos, instalar programas e fazer anotações. Este acesso será supervisionado pelos avaliadores, com controle de tempo e registro do nome do competidor, módulo, dia, hora e duração. Durante o período de acesso a Internet, não será permitida a utilização de redes sociais e ferramentas de comunicação ( , Skype, Facebook, Twitter, etc). 7.4 Materiais e equipamentos proibidos na área de competição Programas adicionais Telefones celulares Tablets Dispositivos de vídeos / fotos / áudio Dispositivos de armazenamento Equipamentos com memória de armazenamento interno Nota: os avaliadores e o chefe de oficina têm o direito de proibir o uso, e reter certos equipamentos trazidos pelos competidores que estejam em desacordo com as regras da competição. Data: Descritivo Técnico 17 de 19

19 8. ÁREA DE TRABALHO O competidor deve desenvolver seu trabalho, utilizando os materiais, equipamentos e programas disponibilizados, devendo estes estar instalados e configurados de acordo com a documentação fornecida. Cada competidor terá direito a uma área de trabalho contendo uma cadeira com rodízio e uma mesa de computador com espaço suficiente para a colocação do computador, monitor, teclado e mouse, além de espaço disponível para realização de trabalho manual. A configuração das áreas de trabalho sugerida é a seguinte: Mesa principal 100 cm x 80 cm; Mesa auxiliar 200 cm x 100 cm; Computador completo (CPU, 2 monitores, teclado e mouse); Cadeira com rodízio. Estarão disponíveis impressoras compartilhadas para uso dos competidores. Haverá computadores com acesso à internet disponíveis para a realização de pesquisas on-line. Estes computadores terão seu uso compartilhado por todos os competidores que poderão utilizar um momento de pesquisa por módulo com no máximo 10 minutos de duração. Nenhum conteúdo da internet poderá ser utilizado para a realização das tarefas do Projeto Teste. 9. INFORMAÇÕES ADICIONAIS Deverá ser fornecido aos competidores todo o material necessário à execução do módulo antes do início de sua execução. Todo material fornecido aos competidores deve ser previamente avaliado e aprovado pelos avaliadores. É responsabilidade do competidor verificar se o material fornecido para execução de cada módulo está de acordo com o especificado na lista de infraestrutura da ocupação, em caso de discordância, o competidor deve comunicar o problema aos avaliadores antes do início da execução do módulo. Os competidores terão um período, estabelecido no regulamento da competição, para familiarização com materiais, equipamentos e processos da ocupação. Data: Descritivo Técnico 18 de 19

20 Os competidores devem manter sua área de trabalho limpa e livre de qualquer material, equipamentos ou itens que possam causar algum tropeço, escorregão ou queda. 10. MARKETING DA OCUPAÇÃO PARA OS VISITANTES E MÍDIA 10.1 Maximizando o envolvimento dos visitantes e mídia Sugerem-se algumas técnicas para promover o envolvimento do público com a ocupação: Test-drive da ocupação Telas exibindo uma combinação do perfil do competidor e uma captura do andamento do trabalho Descrições dos módulos e do Projeto Teste Promover um melhor entendimento da atividade do competidor Oportunidades de carreira Votação popular dos trabalhos desenvolvidos durante a competição 10.2 Sustentabilidade Sugerem-se algumas técnicas para promover a sustentabilidade na ocupação: Redução no uso de papel sem impressora nas estações de trabalho dos competidores Reciclagem de todo material descartado durante a competição Uso de materiais ecologicamente corretos Uso dos Projetos Teste finalizados após a competição Limitação da quantidade de programas a serem instalados nas estações de trabalho dos competidores a fim de reduzir custos Uso de Softwares Livres Data: Descritivo Técnico 19 de 19

DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN

DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN 17 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição.

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA (CEGOS)

DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA (CEGOS) DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CEGOS) P4 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO

DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO 40 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição.

Leia mais

Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO

Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO 40 Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES

DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES 09 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO

Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO 30 Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com a Constituição, os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem

Leia mais

Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO

Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO 09 Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO

DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO 44 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com a Constituição, os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo Desenvolvimento de Sites Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Motivação Motivação Motivação Roteiro Introdução Papéis e Responsabilidades Construindo um site

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Acessibilidade na Web

Acessibilidade na Web Acessibilidade na Web Departamento de Computação - UFS Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Lucas Augusto Carvalho lucasamcc@dcomp.ufs.br Prof. Rogério Vídeo Custo ou Benefício? http://acessodigital.net/video.html

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE PROJETO DE WEB SITE EAP Estrutura Analitica de Projeto Preparação Estudar as particularidades do serviço e do cliente; Observar projetos semelhantes (Beanchmark); Definir metas e estratégias; Elaborar

Leia mais

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Apresentação, Fluxo de Desenvolvimento e Arquitetura da Informação Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

Tecnologia em Midia Digital

Tecnologia em Midia Digital Tecnologia em Midia Digital Programa Certificado IV Marketing em Web e Media Social Australian College of Information Technology Gold Cost Brisbane AUSTRALIA www.acit.edu.au VISAO GERAL Digital Media Technologies

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Curso de Joomla na Prática

Curso de Joomla na Prática Curso de Joomla na Prática Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Júlio Coutinho Consultor Web Webdesign & Joomla! SEO for Joomla! Joomla! Security Web development. http://www.juliocoutinho.com.br

Júlio Coutinho Consultor Web Webdesign & Joomla! SEO for Joomla! Joomla! Security Web development. http://www.juliocoutinho.com.br Júlio Coutinho Consultor Web Webdesign & Joomla! SEO for Joomla! Joomla! Security Web development WEB E WEB APPLICATION CMS JOOMLA PROPOSTA WEBSITE Página:1 Índice Tópico Página 1. Introdução 3 1.1 Finalidade

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Plano de Parcerias BuenitStore

Plano de Parcerias BuenitStore Plano de Parcerias Agências, Desenvolvedores e Designers 18.03.2015 v.2 Objetivo Apresentar ao mercado de criação digital a nossa proposta de parceria e colaboração técnica para criação de projetos de

Leia mais

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C Roteiro Oficina de Aula 10 s Selos de conformidade Prof. Vinícius Costa de Souza www.inf inf.unisinos..unisinos.br/~vinicius outubro de 2006 W3C São um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico de Informática para

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

Ementário das Disciplinas

Ementário das Disciplinas Ementário das Disciplinas As ementas das disciplinas estão agrupadas em semestres para uma melhor visualização da organização da matriz curricular. As referências bibliográficas serão especificadas no

Leia mais

Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior Definição Interação homem-computador é o conjunto de processos, diálogos, e ações através dos quais o usuário humano interage com

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE

PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE Através do presente documento, a agência ACNBRASIL tem como objetivo apresentar uma proposta de criação e desenvolvimento de Website para COOPERATIVA DE

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP VitorFariasCoreia INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Vitor Farias Correia Graduado em Sistemas de Informação pela FACITEC e especialista em desenvolvimento de jogos

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas

CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas Empreendedorismo o O que é empreendedorismo? o Síndrome do empregado o Os mandamentos do empreendedor de sucesso o E o que não é empreendedorismo? Traçando o perfil

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Sistemas Operacionais. Jéssica Mendes. Thiago Mendes

Sistemas Operacionais. Jéssica Mendes. Thiago Mendes Sistemas Operacionais Jéssica Mendes Thiago Mendes Conheça o Windows 8 Requerimentos de Hardware 32 bits 64 bits Processador 1 GHz 1 GHz Memória RAM 1 GB 2 GB Placa de vídeo Com suporte a Direct X - 9

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2013

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. REFERENTE AO CONVÊNIO MDIC nº 39/2012 SICONV 781212/2012. Tipo: Menor Preço e Melhor Técnica

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. REFERENTE AO CONVÊNIO MDIC nº 39/2012 SICONV 781212/2012. Tipo: Menor Preço e Melhor Técnica ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA REFERENTE AO CONVÊNIO MDIC nº 39/2012 SICONV 781212/2012 Tipo: Menor Preço e Melhor Técnica Este documento contém a descrição detalhada do objeto a ser contratado, os serviços

Leia mais

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Prof.: Salustiano Rodrigues de Oliveira Email: saluorodrigues@gmail.com Site: www.profsalu.wordpress.com Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

PROJETO BÁSICO A) ORGÃO INTERESSADO E LOCALIZAÇÃO

PROJETO BÁSICO A) ORGÃO INTERESSADO E LOCALIZAÇÃO LICITAÇÃO PARA A CONTRATAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CRIAÇÃO E GESTÃO MANUTENSIVA, POR PRAZO DETERMINADO, DE DOIS PORTAIS VOLTADOS PARA PROFISSIONAIS DA NUTRIÇÃO INSCRITOS NO CRN3 E PÚBLICO GERAL,

Leia mais

< BRIO - Prêmio Brasil Digital >

< BRIO - Prêmio Brasil Digital > 001 002 003 004 005 006 007 008 009 010 011 012 013 014 015 016 017 018 019 020 021 022 023 024 025 026 027 028 029 030 031 032 033 034 035 036 037 038 039 040 041 042 043 044 045 046 047 048 REGULAMENTO

Leia mais

Sumário. O que fazemos 3. Conversão para ebooks 5. Criação de ebooks 8. Transforme em ebook ou revista 11. Serviços de editoração 14

Sumário. O que fazemos 3. Conversão para ebooks 5. Criação de ebooks 8. Transforme em ebook ou revista 11. Serviços de editoração 14 Produção de ebooks Produção de ebooks Sumário O que fazemos 3 Conversão para ebooks 5 Criação de ebooks 8 Transforme em ebook ou revista 11 Serviços de editoração 14 Serviços de marketing e distribuição

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES

APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES Mateus Provesi 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este projeto propõe o desenvolvimento de uma

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

6 Infraestrutura de Trabalho

6 Infraestrutura de Trabalho 6 Infraestrutura de Trabalho Este capítulo tem como objetivo fornecer uma visão geral do ambiente de trabalho encontrado na organização estudada, bem como confrontá-lo com a organização ideal tal como

Leia mais

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário São Paulo, junho de 2007 1º Versão SUMÁRIO 1 Introdução... 3 2 Autor... 5 2.1 Cadastro no sistema (http://submission.scielo.br),

Leia mais

A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012.

A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012. quem SOMOS A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012. Nossa agência surgiu com o conceito de atender as micro, pequenas e médias empresas de

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

D E S E N V O L V I M E N T O D E W E B S I T E. P r o j e t o M a s s a p ê. 2 4 d e j a n e i r o d e 2 0 1 3

D E S E N V O L V I M E N T O D E W E B S I T E. P r o j e t o M a s s a p ê. 2 4 d e j a n e i r o d e 2 0 1 3 D E S E N V O L V I M E N T O D E W E B S I T E P r o j e t o M a s s a p ê 2 4 d e j a n e i r o d e 2 0 1 3 A Empresa: CRISEPE - UFRPE Projeto Massapê Responsável: Caroline Biondi E-mail: carolinebiondi@yahoo.com

Leia mais

Mitos da Acessibilidade Web

Mitos da Acessibilidade Web SAPO Codebits 2008 Magda Joana Silva magdajoanasilva@gmail.com Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com limitações Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com

Leia mais

R.A. MKT. Soluções em Mídias Sociais, E-Marketing, Branding e Design

R.A. MKT. Soluções em Mídias Sociais, E-Marketing, Branding e Design R.A. MKT Soluções em Mídias Sociais, E-Marketing, Branding e Design Soluções em Mídias Sociais, E-Marketing, Branding e Design Principais serviços que realizamos: Criação da Identidade Visual, desde Logo

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes

Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes Em Abril de 2005, as duas maiores gigantes em desenvolvimento de software de web, gráfico e multimídia design se juntaram: a Adobe

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Proposta de Reformulação do Site do Conselho de Transparência da Administração Pública

Proposta de Reformulação do Site do Conselho de Transparência da Administração Pública Proposta de Reformulação do Site do Conselho de Transparência da Administração Pública Análise e propostas realizadas, levando-se em conta: arquitetura da informação, layout, navegabilidade e estruturação

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com,

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 Alex de Andrade Catini¹, Tiago Piperno Bonetti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Alex.catini@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo:

Leia mais

Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos

Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANA MINISTERIO DA EDUCAÇÃO Câmpus Santa Helena Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos Prof. Me. Arlete

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação e Design para Web A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

AGÊNCIA VIRTUAL SAP GUIA DE INTRODUÇÃO

AGÊNCIA VIRTUAL SAP GUIA DE INTRODUÇÃO GUIA DE INTRODUÇÃO CONTEÚDO Introduction 3 Como Começar 5 Como Criar Campanhas E Material Promocional 8 Como Personalizar E Executar Uma Campanha Pré- Empacotada 10 Como Criar Suas Próprias Campanhas 12

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Curso Online Macromedia Dreamweaver 8 Desenvolvimento de Websites

Curso Online Macromedia Dreamweaver 8 Desenvolvimento de Websites Curso Online Macromedia Dreamweaver 8 Desenvolvimento de Websites Informações sobre o curso Objetivo No curso Macromedia Dreamweaver 8 Desenvolvendo de Websites, você aprenderá as técnicas mais utilizadas

Leia mais

Consultoria sobre Joomla!

Consultoria sobre Joomla! Consultoria sobre Joomla! Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

Zend Framework. Elton Luís Minetto

Zend Framework. Elton Luís Minetto Zend Framework Elton Luís Minetto O que? Ambiente Web PHP Problemas Frameworks Padrões Zend Framework Vantagens Componentes Cases Quem? Graduado e pós-graduado em Ciência da Computação. Cursando MBA em

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Guilherme Miranda Martins 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais