Palavras-chave: Migração Mista. Comunidade Internacional. Relações Internacionais.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Migração Mista. Comunidade Internacional. Relações Internacionais."

Transcrição

1 OS DESAFIOS DA COMUNIDADE INTERNACIONAL DIANTE DOS FLUXOS MIGRATÓRIOS MISTOS DO SÉCULO XXI 1 Isabelle Dias Carneiro Santos 2 José Paulo Gutierrez 3 RESUMO A comunidade internacional vem desde o final do século XX e o início do presente século tendo que lidar com os desafios que envolvem os fluxos migratórios mistos, isto é, rotas e procedimentos similares que englobam tanto a migração regular, como a irregular, a migração voluntária e a forçada, os deslocamentos internos, as migrações internacionais, estas tanto com a roupagem de migração econômica, quanto de solicitação do status de refúgio. Somente os migrantes internacionais já contabilizam em torno de 244 (duzentos e quarenta e quatro) milhões de pessoas em todo o globo 4, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU) no ano de 2016, sem contar as migrações internas em razão de guerras, situações climáticas, fome e aspectos econômicos e laborais que forçam os deslocamentos. Para lidar com a situação os Estados soberanos e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), com base em tratados e princípios internacionais, vem reunindo-se em conferências para debater formas de mitigar o crescimento de novos movimentos migratórios, desde o Estado de origem até o país de acolhida, tanto na forma continental como transnacional, com observância à proteção dos direitos da pessoa humana. O presente trabalho tem como objetivo, a partir de uma investigação descritiva, qualitativa e exploratória, calcado na doutrina, tratados internacionais e site, analisar como a comunidade internacional de Estados, mediante normas, agendas e fóruns internacionais podem superar os desafios atuais e futuros para os milhões de migrantes forçados. Palavras-chave: Migração Mista. Comunidade Internacional. Relações Internacionais. 1 Grupo de Trabalho 8 2 Professora Assistente no Curso de Direito da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Ciências Jurídico-Internacionais pela Universidade de Lisboa. Doutoranda em Direito Político e Econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Bolsista da Capes no Programa de Doutorado Sanduíche na Universidad Complutense de Madrid. 3 Professor Adjunto no Curso de Direito da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Direito e Economia pela Universidade Gama Filho (RJ). Doutor em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). 4 Dado obtido junto a Organização das Nações Unidas (ONU) na notícia intitulada: Número de migrantes internacionais chega a cerca de 244 milhões, revela ONU. Disponível em: < Acesso em: 07 jul. de 2017a

2 INTRODUÇÃO Os fluxos migratórios fazem parte da história humana, porém é no século XXI que distintas partes do planeta passam a experimentar um número elevado de deslocamentos de pessoas, tanto na seara nacional quanto internacional, em virtude de razões variadas, levando ao que a Organização das Nações Unidas (ONU) passou a denominar de fluxos migratórios mistos. Os fluxos migratórios são denominados de mistos, pois integram em uma mesma rota de deslocamentos grupos variados, que migram por distintas motivações, e que em comum têm o fato de vivenciarem problemas similares, fazerem jus a direitos iguais ou similares e, de terem seus direitos humanos mitigados. Desse modo, podem-se ter em um mesmo grupo de pessoas migrantes internacionais por motivos econômicos, solicitantes de refúgio, indivíduos que fogem de desastres ambientais, ou da pobreza extrema, além dos apátridas e dos deslocados internos, que podem se deslocar pelas mesmas razões dos demais migrantes. Hodiernamente segundo Rodolfo Alves Pena (2017), os fluxos migratórios ocorrem por fatores geográficos, culturais, políticos e econômicos desde o início da civilização e por dois condicionantes principais que são fatores de atração e de repulsão. Os fatores de atração se referem às vantagens que encontram no local a que se destinam como melhores condições de emprego e renda, melhores condições de vida e oportunidades de ascensão social, no caso das migrações econômicas e a proteção da própria vida e integridades física no que se refere aos solicitantes de asilo e refugiados. Já os fatores de repulsão ocorrem quando existem no país de origem do migrante (emigrante/imigrante) situações precárias de vida e de sobrevivência corroborados com conflitos de guerra, crises econômicas e políticas, catástrofes ambientais e ameaças aos direitos humanos do cidadão e de sua família. Independente da motivação, os fluxos migratórios mistos se tornaram um desafio a ser suplantado pela comunidade internacional, ou seja, Estados soberanos e organizações internacionais de cunho humanitário, tendo em vista que as migrações, sejam internas ou externas, não deixarão de existir, seja por motivos políticos, econômicos e/ou sociais.

3 1 FLUXOS MIGRATÓRIOS MISTOS Os fluxos migratórios passaram por diversas fases ao longo do processo histórico humano, tendo como motivações questões ecológicas, expansão de impérios, colonização, fugas religiosas, questões econômicas e laborais, guerras, dentre outros fatores que foram se alterando ou ocorrendo concomitantemente (BLANCO, 2000), em grande parte ocorrendo de maneira forçada. No início do século XX, com a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, documento internacional que inaugura o ramo do Direito Internacional dos Direitos Humanos (DIDH), houve a estipulação em seu artigo 14 de que: Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países. (ONU, 1948), situação no qual se engloba tanto o asilo político quanto o refúgio, e que também forma a chamada migração forçada, como veremos mais adiante. Quanto a migração, de acordo com a Organização Internacional de Migração (OIM), esta é considerada como, [...] o movimento de população, abrangendo qualquer movimento de pessoas, independentemente de sua duração, composição e suas causas, que inclui a migração de refugiados, pessoas deslocadas, migrantes econômicos, pessoas que se deslocam para outros fins, incluindo o de reagrupamento familiar. 5 (Tradução livre) (CSEM, 2017) Esses movimentos migratórios contabilizavam em 2006 a nivel mundial [...] en 200 millones, más del doble que la cifra estimada en 1970 (ACNUR, 2017e), número esse que saltou para 244 milhões dez anos depois, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ACNUR, 2017a), tendendo a crescer ainda mais nos próximos anos com a característica de serem cada vez mais heterogêneos. Esses fluxos migratórios, denominado de Mistos são, segundo a Organização Internacional de Migração (OIM), 5 Texto original: Migration is a population movement, encompassing any kind of movement of people, whatever its length, composition and causes; it includes migration of refugees, displaced persons, economic migrants, and persons moving for other purposes, including family reunification. (CSEM, 2017).

4 [...] movimentos de população complexos, que incluem refugiados, solicitantes de asilo, migrantes econômicos e outros migrantes. Além disso, ela ainda salienta que esse tipo de fluxo está relacionado com movimentos irregulares, nos quais há, com frequência, migração de trânsito, com pessoas que realizam o movimento sem a documentação necessária, atravessam fronteiras e chegam ao seu destino sem autorização. (OIM, 2009) Os movimentos migratórios podem ocorrer de maneira voluntária, como no caso de aposentados que decidem residir em outro país, ou no caso dos desplazamientos selectivos, esto es, de personal cualificado que se sigue del movimento de capitales y empresas (BLANCO, 2000, p. 54), também denominado de brain-drain ou fuga de cérebros. Também pode ser forçada a exemplo dos solicitantes de refúgio e refugiados, que de acordo com Quoc Dinh e Alain Pellet, São estrangeiros colocados numa situação especial face a um Estado de acolhimento que lhes concede a sua protecção por causa das perseguições de que são vítimas no seu próprio território. (DINH, PELLET, 1999, p. 615). A migração também pode ocorrer de modo regular ou documentado ou de maneira irregular ou indocumentada, situação essa última que se verifica cada vez mais diante das políticas migratórias de países desenvolvidos da Europa e dos Estados Unidos da América. A migração pode se dar com intenção apenas temporária, situação de estudantes e investigadores, ou definitiva, como é o caso de migrantes a trabalho não sazonal. Por fim, pode ocorrer no âmbito externo do Estado, isto é, de modo continental ou transcontinental, situação onde se encontram os refugiados, ou também na esfera interna do Estado de origem do migrante, com a presença dos deslocados internos. Porém, para evitar confusão entre os migrantes internacionais (econômicos e refugiados) e os deslocados internos, é mister definir cada uma das figuras jurídicas. O migrante, de modo geral, pode ser definido como aquele (s) que [...] escolhem se deslocar não por causa de uma ameaça direta de perseguição ou morte, mas principalmente para melhorar sua vida em busca de trabalho ou educação, por reunião familiar ou por outras razões. À diferença dos refugiados, que não podem voltar ao seu país, os migrantes continuam recebendo a proteção do seu governo. (ACNUR, 2017c)

5 Os refugiados, de acordo Convenção de Genebra de 1951, relativa ao Estatuto dos Refugiados, artigo 1º, 1º, alínea c, é aquele que: 6 [...] temendo ser perseguida por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas, se encontre fora do país de sua nacionalidade e não possa ou, em virtude desse temor, não quer valer-se da proteção desse país, ou que, se não tem nacionalidade e se encontra fora do país no qual tinha sua residência habitual em consequência de tais acontecimentos, não pode ou, devido ao referido temor, não quer voltar a ele. (ONU, 1951) Já a definição de deslocado interno é trazida pelo Manual formulado pelo Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários de 1999, que define os deslocados internos como: [...] pessoas ou grupo de pessoas, forçadas ou obrigadas a fugir ou abandonar suas casas ou seus locais de residência habituais, particularmente em consequência de, ou com vista a evitar, os efeitos dos conflitos armados, situações de violência generalizada, violações dos direitos humanos ou calamidades humanas ou naturais, e que não tenham atravessado uma fronteira internacionalmente reconhecida de um Estado. (ONU, 1999) Com relação aos deslocados internos, do mesmo modo que os migrantes internacionais ou transnacionais, o número de migrações também cresceu nas últimas décadas em distintas partes do planeta, chegando a uma majoração de 62,5%, dos quais seis são os países com o maior número de deslocados internos no mundo, isto é, o Sudão (quase 5 milhões), a Colômbia (entre 3,3 e 4,9 milhões), o Iraque (2,8 milhões), a República Democrática do Congo (quase 2 milhões), a Somália (1,5 milhões) e o Paquistão (1,2 milhões). (UNRIC, 2017) Os indivíduos que compõem esse grupo buscam o mesmo que os demais migrantes, isto é, uma maior segurança e melhores condições de vida, porém dentro de seus próprios países, ficando à mercê da legislação de seus próprios Estados no que se refere aos seus direitos humanos. No que diz respeito ao apátrida, a Convenção sobre o Estatuto dos Apátridas de 1954 define em seu artigo 1º, 1, que o termo apátrida designará toda pessoa que não seja 6 A definição trazida pela Convenção de Genebra de 1951 foi ampliada pelo seu Protocolo Adicional de 1967 em nível global, e regionalmente pela Carta da Organização da Unidade Africana de 1969 e pela Declaração de Cartagena de 1984, com vigência na América Latina.

6 considerada como nacional seu por nenhum Estado, conforme a sua legislação. Apesar da proteção já trazida pelo Artigo XV, nº 1 e 2 da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, que estipula em seu bojo que: Todo homem tem direito a uma nacionalidade. 2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do direito de mudar de nacionalidade (ONU, 1948) os indivíduos que formam esse grupo, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), já contabilizam cerca de 15 milhões de pessoas. (ONUBR, 2017) A verdade é que se tornou cada vez mais comum os fluxos migratórios que mesclam situações distintas em uma mesma rota migratória em que a diversidade de categorias migratórias usadas, configuram um panorama de grande confusão em que se torna realmente difícil elaborar um claro diagnóstico migratório que nos permita conhecer a realidade de cada tempo e lugar. (BLANCO, 2000) Desse modo, diante de uma realidade cada vez mais complexa e muldimensional, a Organização das Nações Unidas passou a denominar de Fluxos Migratórios Mistos, os deslocamentos nos quais os refugiados utilizam as mesmas rotas e procedimentos que migrantes, enfrentando perigos semelhantes e viajando com outras pessoas cujos motivos para deixar seus países não estão relacionados com a necessidade de proteção internacional. (ACNUR, 2017) Assim, pode-se ter em um mesmo fluxo migratório a existência de migrantes econômicos, refugiados ambientais, estes ainda não reconhecidos juridicamente, solicitantes de refúgio por perseguições maciças aos seus direitos humanos, refugiados de guerra, dentre outros grupos que se vêm forçados a se deslocarem, sobretudo, além das fronteiras de seus países. Vale dizer que todas essas situações migratórias podem se confundir e se alterar na prática, de acordo com cada caso concreto. Assim, um indivíduo ou grupo de indivíduos, a priori deslocados internos, e que são forçados a migrar para outro país, podem se ver numa possível condição solicitante de refúgio ou de refugiado ou, um migrante econômico pode tornar-se, em razão de um conflito armado ou separação de seu território estatal, um apátrida.

7 2 A PROTEÇÃO JURÍDICA DE MIGRANTES, APÁTRIDAS, DESLOCADOS INTERNOS E REFUGIADOS Nos fluxos migratórios tanto os migrantes quanto os refugiados podem ser vítimas de tráfico de pessoas, exploração sexual, dentre outras violências que ferem seus direitos como pessoa humana, tendo como um dos exemplos dessa realidade o uso das mesmas rotas, traficantes de pessoas e riscos experimentados nas travessias de milhares de pessoas pelo mar mediterrâneo saindo da África em direção ao continente Europeu. Outras localidades consideradas como preocupantes também são a América Central e o Sudeste Asiático. Um dos pontos que irá diferir esses grupos no processo de deslocamento diz respeito à proteção jurídica, pois todo refugiado é migrante, mas nem todos migrante é um refugiado. Desse modo, enquanto os migrantes são protegidos pela legislação dos países onde se encontram, devendo cumprir os procedimentos em matéria de imigração, aos refugiados aplica-se tanto leis nacionais como de direito internacional consubstanciado em tratados e declarações para a sua proteção, abarcando assim tanto o Direito Internacional dos Direitos Humanos (DIDH), como o Direito Internacional dos Refugiados (DIR). Quanto aos deslocados internos e apátridas, apesar de por vezes se encontrarem em situações muito próximas, e de proteção do Alto Comissariado para Refugiados das Nações Unidas (ACNUR) os mesmos deslocados internos não ultrapassam as fronteiras estatais de seus países e os apátridas podem ou não permanecer dentro ou além um determinado território estatal. Com base nessa primeira distinção, verifica-se que enquanto ao refugiado aplica-se o princípio do non refoulement, isto é, de não-devolução, ao país de origem ou terceiro Estado onde possam correr risco de vida ou a sua dignidade humana, o migrante não faz jus a esse mesmo direito, podendo ser deportado em caso de irregularidade no território do Estado em que se encontra. Isso se dá em virtude da proteção aos refugiados ser jurídica, o que não ocorre com os demais migrantes, sejam nacionais ou internacionais. Outro princípio de proteção elencado na Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados (1951) baseia-se na não-discriminação de qualquer natureza, isto é, seja quanto à raça, religião ou país de origem. Mas independentemente da situação em que encontra o migrante, o deslocado interno e internacional, os refugiados, solicitantes de refúgio e apátridas, o que se verifica muitas vezes é um rechaço à migração como um direito humano. Um exemplo dessa realidade é

8 trazido por Rodolfo Alves Pena, segundo o qual os casos de protecionismo envolvem as fronteiras de países como os Estados Unidos e México onde foi construído um longo muro, com forte esquema de segurança em algumas áreas, para evitar a entrada de imigrantes latino-americanos. No entanto, mesmo com essa barreira, um grande número de pessoas entram ilegalmente atravessando essa área sob as mais diversas formas e estratégias. A Europa recebe, todos os dias, inúmeras pessoas oriundas da África e do Oriente Médio, sendo o Mar Mediterrâneo uma das principais portas de entrada, ao mesmo tempo em que é um dos lugares onde mais se perdem vidas de pessoas que tentam mudar de país a fim de encontrarem melhores condições de vida. (PENA, 2017) Desse modo, percebe-se que em muitos casos os migrantes, em situação de refúgio ou não, conseguem erguer e sustentar a economia dos países para onde migraram, visando desta forma contribuir com o desenvolvimento econômico e quebrar o preconceito xenofóbico dos nacionais que muitas vezes não toleram as pessoas de outras nacionalidades e utilizam atos de violência e repúdio contra os migrantes. 3 DESAFIOS PARA OS ESTADOS DIANTE DOS FLUXOS MIGRATÓRIOS MISTOS Os desafios para os países produtores de deslocados internos, migrantes internacionais e/ou refugiados, bem como para os receptores ou mesmo o que são apenas Estados de transito são muitos e variados. Segundo Cristina Blanco (2000), [...] la motivación prioritária de los desplazamientos internacionales contemporáneos sigue siendo la de carácter económico, esto es, la busqueda de mejores condiciones de vida, de ingresos más altos o simplemente de un trabajo del que no se dispone en origen en los últimos años están aumentando considerablemente otras formas de migrar que antes, o no existían, o eran numericamente marginales. Uno de esos casos es el de los refugiados y desplazados (BLANCO, 2000, p. 50) Outras motivações, no entanto, também podem desencadear os fluxos migratórios, como a fome e pobreza, as mudanças e desastres climáticos, conflitos armados, perseguições

9 étnicas, religiosas, de gênero, isto é, mulheres e grupos LGBTTI (ACNUR, 2017) e de modo geral violações aos direitos da pessoa humana. Nesse sentido, a Organização Internacional para Migração (OIM) salienta que [...] apesar de Direitos Humanos, no plano internacional e regional, o direito dos refugiados, o direito penal e o direito do trabalho proveem uma sólida base para o desenvolvimento e o fortalecimento dos marcos jurídicos existentes [em distintos níveis] subsistem, sem embargo, importantes desafios estabelecidos pela migração irregular e os fluxos mistos relativos à aplicação efetiva dessas normas nas complexas situações de gestão da migração. (OIM, 2009, p. 3) Isso é mais visível diante das migrações tidas como irregulares, indocumentadas ou sem papel, pois os Estados desenvolvidos e centrais vêm criando políticas migratórias cada vez mais restritivas e acordos com países periféricos de origem ou de trânsito para os migrantes econômicos, políticos e/ou que se encaixam na condição de refugiados. Como exemplo tem-se o acordo firmado entre a União Europeia (UE) e a Turquia, no qual permite à Grécia enviar todas as pessoas recém-chegadas a suas ilhas de volta à Turquia, incluindo os sírios que estão a fugir da guerra civil em seu país. (MSF, 2017) De modo similar a Itália também firmou acordo com a Líbia, no qual o governo italiano auxilia financeiramente e/ou com outros recursos, além de dar treinamento para que a guarda costeira Líbia com o escopo de que os líbios impeçam que os migrantes oriundos do norte africano (Nigéria, Etritreia, Mali, Niger etc.) cheguem a Europa, evitando assim um maior fluxo migratório pelo mediterrâneo. (FRANCE 24, 2017) A preocupação maior de muitos Estados, como se verifica, é com a segurança nacional e econômica e não com a proteção da pessoa humana, permitindo assim que os direitos humanos desses indivíduos, sejam migrantes econômicos, refugiados, solicitantes de asilo, apátridas ou deslocados internos ou por outras razões, continuem a ser violados de modo reiterado. Essa realidade não se resume apenas aos Estados europeus, englobando também outros países e regiões do planeta, tais como os Estados Unidos da América, Austrália e países do Golfo pérsico. No Caso do Brasil, além de se ter uma das legislações de refúgio mais avançadas da atualidade (Lei nº 9.474/1997), recentemente teve a aprovação de uma

10 nova Lei de Migração Lei nº /2017 7, em que ambos documentos legais tendem a uma maior proteção aos indivíduos que se englobam na condição de migrantes, solicitantes de asilo e refugiados dentro do território nacional. Com relação aos apátridas o país também faz parte da Declaração de Brasília Sobre a Proteção de Refugiados e Apátridas no Continente Americano, sendo signatário também de outros tratados de proteção ao migrante e aos direitos de proteção à pessoa humana. Mas independente do fator desencadeante da migração e as ressalvas estatais e, mesmo da sociedade civil, as migrações podem trazer, de modo geral, benefícios tanto para os Estados emissores, quanto países receptores de migrantes, seja no campo demográfico, em que muitos países, sobretudo da Europa, estão com uma população cada vez mais envelhecida e os a taxa de natalidade vem decaindo, seja na seara econômica, em que países ricos necessitam da mão de obra de trabalhadores de Estados subdesenvolvidos e/ou em desenvolvimento. (BLANCO, 2000) Contudo, alerta que no que tange as questões sociais e culturais, que existe uma dificuldade maior na acolhida pelos países de destino dos migrantes, bem como para os próprios indivíduos que se deslocam, uma vez que estão à mercê de terem seus direitos violados com maior regularidade, a exemplo de exploração laboral ou mesmo sexual, além de casos de intolerância e racismos em função da origem, cultura e mesmo religião, situações que criam um maior desafio para os Estados de acolhida, no que se refere à integração local. (BLANCO, 2000) Essa dificuldade Estatal se verifica justamente na elaboração de estratégias e políticas, realidade que não se reduz a apenas poucos países, mas há quase totalidade da comunidade internacional, dificuldade essa que se dá em função dos interesses internos de cada país e da não observância do princípio da solidariedade. A verdade é que os enfoques efetivos para os dilemas dos movimentos mistos dependerão inevitavelmente da cooperação dos atores chave envolvidos: os Estados afetados, as instituições governamentais, as organizações regionais, as organizações internacionais com mandatos relevantes (por exemplo, ACNUR, ACNUDH, UNICEF e OIM), assim como as ONGs locais e internacionais. (ACNUR, 2017) 7 A nova Lei de migração brasileira - Lei nº /2017, elaborada com uma visão mais humanística, entrará em vigor em novembro de 2017, substituindo o Estatuto do Estrangeiro Lei nº 6.815/80, criado durante o regime militar calcado na ideia de segurança nacional.

11 Se de um lado as políticas migratórias dos Estados por vezes violam os direitos do ser humano, tendo-se como exemplos a discriminação, o subemprego, dentre outras questões a não observância da dignidade humana, no que tange aos refugiados, a sua proteção se efetiva no âmbito da Sociedade das Nações em 1919 e tem continuidade com o pós Segunda Guerra Mundial e advento da Organização das Nações Unidas em (MELLO, 2008) Não obstante a existência de proteção aos direitos dos migrantes, refugiados ou não, deslocados internos ou internacionais, o problema dos fluxos migratórios é recorrente na Europa e nos Estados Unidos, e ultimamente também vem ocorrendo em menor escola no Brasil. Assim, quando além da intolerância cultural, praticam-se ato de violência e repúdio contra os migrantes em ambientes de trabalho e escolas. Em alguns casos, Organizações não Governamentais (ONGs) e militantes de direitos humanos verificam que a política de determinados governos contribui para práticas xenófobas, como a restrição violenta a imigrantes ou a sua sumária expulsão, o que fere os direitos humanos desses cidadãos, situação cada vez mais visível em países alvos de ataques terroristas, como é o caso dos Estados Unidos da América. Para fazer frente a essa realidade, o Alto Comissariado das Nações Unidas (ACNUR) visa algumas boas práticas, tais como: Asesoría técnica para la revisión y adopción de legislación en materia de refugiados y migración; Apoyo para el establecimiento de procedimientos justos y eficientes para la determinación de la condición de refugiado, Capacitación regional a los funcionarios de frontera y migración para la identificación de personas necesitadas de protección dentro de los flujos migratorios mixtos, Mayor diálogo y cooperación entre el ACNUR y la OIM [y el] Fortalecimiento de las redes nacionales y regionales de protección. (ACNUR, 2017f) Mas para que essas boas práticas possam se efetivar e os direitos humanos de milhões de indivíduos possam ser observados e protegidos, mister que os Estados possam agir de modo solidário, o que ainda não ocorre, cuidando cada país tão somente de seus interesses, realidade que pode dentro em pouco agravar a atual crise migratória.

12 CONSIDERAÇÕES FINAIS Verifica-se que a intensificação dos fluxos migratórios internacionais das últimas décadas provocou no mundo o aumento do número de países orientados a regulamentar e até reduzir a imigração impedindo as pessoas de se deslocarem de um local para outro. Isso ocorre porque o volumoso contingente de migrantes que se deslocam pelo mundo pelos mais diversos motivos é resultado de graves problemas políticos e econômicos, de convulsões sociais como guerras que os obrigam a buscar países com melhor condição de lhes proporcionar uma vida digna, emprego e segurança de acordo com os direitos humanos. Conclui-se que os argumentos alegados pelos governantes não são novos pois na ótica deles se houver uma onda de invasões migratórias, isso resultará no medo de que os nacionais tenham em perder seus empregos nas cidades e campos, que haverá a perda da identidade nacional do país pois haverá uma mistura de etnias e, até poderia haver o despertar para o espetro do terrorismo. Não temos aqui o espaço suficiente para derrubar a legitimidade desses equivocados argumentos. O que podemos perceber é que em muitos casos os migrantes quando adentram em determinado país ajudam a estruturar a economia, ocupam uma certa quantidade de postos de trabalho que muitas pessoas não querem e realizam serviços com mão de obra total abaixo de custo. Essas pessoas deveriam ser totalmente integradas à nova sociedade, pois geram transformações e enriquecimento recíproco na construção de uma cultura de esperança e justiça social. Contudo, ainda se verifica a tentativa dos Estados mais ricos e desenvolvidos, sobretudo, em rechaçar a entrada e permanência de migrantes em seus territórios, seja na condição de migrantes econômicos, solicitantes de asilo, apátridas ou refugiados, criando cada vez mais políticas migratórias restritivas e/ou firmando acordos para combater ou dificultar os deslocamentos, fatores que dificuldade os fluxos mistos e minam a proteção aos migrantes em geral.

13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACNUR. Movimentos migratórios mistos mudam perfil do refúgio as Américas. Disponível em: < Acesso em: 13 jun. de 2017a.. A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos, p. 1. Disponível em:< _protecao_dos_refugiados_e_a_migracao_mista_o_plano_de_acao_de_10_pontos.pdf>. Acesso em: 07 jul. de 2017b.. Refugiado ou Migrante? A diferença é importante. Disponível em:< Acesso em 12 de jul. de 2017c.. Relatos de violência sexual contra mulheres e crianças refugiadas preocupam ACNUR. Disponível em:< Acesso em 11 jul. 2017d.. Los flujos migratorios mixtos y la protección internacional de refugiados en las Américas: avances y buenas prácticas. Disponível em:< >. Acesso em: 14 de jul. de 2017e.. Los flujos migratorios mixtos y la protección internacional de refugiados en las américas: avances y buenas prácticas. Disponível em:< Acesso em 15 de jul. de 2017f. BLANCO, Cristina. Las Migraciones Contemporáneas. Madrid: Alianza Editorial, BRASIL. Lei nº de 22 de julho de Disponível em:< Acesso em: 15 de jul. de Lei nº de 24 de maio de Disponível em:< Acesso em: 15 de jul. de 2017.

14 . Lei nº de 19 de agosto de Disponível em:< Acesso em: 15 de jul. de CSEM. Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios. Conceitos básicos de migração segundo a Organização Internacional de Migração OIM. Disponível em: < Acesso em: 12 jun DINH, Nguyen Quoc et al. Direito Internacional Público. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, France 24. Crise des migrants: l impossible accord UE-Libye. Disponível em:< >. Acesso em: 16 de jul. de MELLO, Celso D. de Albuquerque. Curso de Direito Internacional Público. Rio de Janeiro: Renovar, 2002 e REZEK, Francisco. Direito Internacional Público. Saraiva: São Paulo, MSF. Médicos Sem Fronteiras. Acordo entre UE e Turquia pode agravar crise. Disponível em:< Acesso em: 15 de jul. de OIM. Organização Internacional para as Migrações. Migración irregular y flujos migratorios mixtos: enfoque de la OIM. Genebra, Disponível em: < ch/policy_documents/mc-inf-297-flujos-migratorios-mixtos_es.pdf>. Acesso em: 14 jul. de ONU. Convenção de Genebra sobre Refugiados de 28 de julho de Disponível em: < Acesso em: 19 jun. de Convenção sobre o Estatuto dos Apátridas de 28 de setembro de Disponível em:< Nacionalidades-e-Ap%C3%A1tridas/convencao-sobre-o-estatuto-dos-apatridas.html>. Acesso em 21 de jun. de Manual de aplicação dos princípios orientadores relativos aos Deslocados Internos Declaração Universal dos Direitos Humanos de Disponível em: < Acesso em 15 de jun. de Número de migrantes internacionais chega a cerca de 244 milhões, revela ONU. Disponível em: < Acesso em: 07 jul. de 2017a

15 PENA, Rodolfo Alves. Fluxos Migratórios Internacionais. Disponível em: < Acesso em: 13 jul. de ONUBR. Os Excluídos: O Mundo Desconhecido dos Apátridas. Disponível em:< Acesso em 14 de jul. de UNRIC. Centro Regional das Nações Unidas sobre Informação. Número de deslocados internos é o mais elevado desde meados da década de 90. Disponível em:< Acesso em: 15 de jul. de 2017.