SAPOTEC Soluções Ambientais LTDA. Part of Zech Group BIORREMEDIAÇÃO. PAINEL: Tecnologias de Avaliação e Remediação. Dr. Thomas M.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SAPOTEC Soluções Ambientais LTDA. Part of Zech Group BIORREMEDIAÇÃO. PAINEL: Tecnologias de Avaliação e Remediação. Dr. Thomas M."

Transcrição

1 SAPOTEC Soluções Ambientais LTDA. Part of Zech Group BIORREMEDIAÇÃO PAINEL: Tecnologias de Avaliação e Remediação Dr. Thomas M. Berger

2 Índice Biorremediação Conceito Aplicação Técnicas In-situ versus ex-situ e off-site versus on-site Mercado da Biorremediação Na Alemanha No Brasil Estudo de caso

3 Remediação Definição (Segundo USEPA, 1998): Mudança de uso definido da área para minimizar o risco; Remoção ou destruição dos contaminantes para eliminação do risco; Redução da concentração dos contaminantes ou contenção desses para eliminar ou minimizar riscos. A escolha do método de remediação depende: Do uso pretendido para a área (CONAMA 420) Das características do meio contaminado; Das características dos contaminantes; Dos objetivos da remediação (metas); Da localização da área (infra-estrutura e acesso); Do tempo e dos recursos disponíveis;

4 Conceito da Biorremediação BIORREMEDIAÇÃO Utilização de seres vivos ou de seus componentes na eliminação ou redução de poluentes no ambiente. Geralmente são processos que empregam microrganismos ou suas enzimas para degradar compostos poluentes. Pode ser aplicado tanto no solo quanto na água ou em resíduos industriais ou urbanos.

5 Conceito da Microorganismos Água Nutrientes Biorremediação do Solo CO 2 + H 2 O + Biomassa Estrutura Oxigênio

6 Processo da Biorremediação Possíveis processos da eliminação microbiana de contaminantes Mineralização Transformação (Real eliminação dos contaminantes) Degradação parcial com ganho energético Degradação parcial sem ganho energético, Transformação Ganho energético, Aumento de biomassa, Metabólitos com alto grau de oxidação Ganho energético, Aumento de biomassa, produtos intermediários degradação sem ganho energético, sem Aumento de biomassa, produtos intermediários degradação sem ganho energético, sem aumento de biomassa, metabólitos

7 Processo da Biorremediação Solo/Resíduo Contaminado + Microrganismos CO 2 + H 2 O + Biomassa Redução na concentração do poluente

8 Processo da Biorremediação Fatores limitantes: Obtenção de alta taxa de degradação Aumento da População microbiana Tipo microrganismo (bactérias, fungos e leveduras) O 2, ph, Temperatura, Umidade Nutrientes (N 2, K, P) Contaminante ([] e toxicidade)

9 Processo da Biorremediação Microrganismos envolvidos: Mais de 100 colônias conhecidas como Degradadores de Hidrocarbonetos BACTÉRIAS FUNGOS/LEVEDURAS Acinetobacter, Klebsiella, Pseudomonas, Actinomycetes, Leucothrix, Sphaerotilus, Alcaligenes, Micrococcus, Spirillium, Athrobacter Micromonospora... Aspergillus, Fusarium, Phomas, Aureobasidium, Gliocladium, Scolecobasidium, Beauveria, Graphium, Scopulariopsis, Candida, Sporobolomyces... Biorremediação no Brasil, Dr. Thomas Berger

10 Processo da Biorremediação Influência do ph: ph ph Fungos Bactérias Crescimento de vários tipos Crescimento de alguns tipos possíves

11 Processo da Biorremediação Influência da Temperatura: Microrganismos Temperatura ótima Termofílicos ótimo Mesofílicos ótimo Psicrofílicos ótimo ( C) Compostagem Biopilhas Lençol freático Solo (natural, não escavado)

12 Processo da Biorremediação Influência do solo: Partícula poluente Filme líquido Adsorvida Absorvida Água nos poros Líquido ou sólido nos poros

13 Processo da Biorremediação Contaminantes Tratáveis: Contaminantes Hidrocarbonetos / produtos de óleos minerais (TPH) Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAH) Hidrocarbonetos clorados voláteis Hidrocarbonetos aromáticos (BTEX) Bifenilos policloretados Outros compostos orgânicos halogenados Cianetos (também com ligações complexas) Compostos orgânicos nitrogenados Agrotóxicos/ pesticidas Metais pesados Dioxinas e furanos Não apropriado X X parcial Apropriado Desconhecido X X X X X X X X X

14 Técnicas de Remediação Técnicas de Remediação MÉTODOS DE REMEDIAÇÃO In-situ (sem escavação) Ex-situ (com escavação) Pump and Treat Air-Sparging, Extr. de Vapores Bioventing; MPE; Biorremediação in-situ; Oxidação Química; Atenuação Natural Monitorada, etc Biológico; Físico químico; Térmico. On-site Off-site

15 Técnicas de Remediação Técnicas de Remediação: In-situ Aplicações Remediação da zona saturada (lençol freático) e não saturada; Inviabilidade de escavação (edificações, tubulações, transito, produção, clima, área e volume elevados de escavação, etc.); Condições favoráveis de aplicação (condutividade hidráulica ideal dos solos) Características dos contaminantes; Disponibilidade de tempo para alcance das metas;

16 Projeto de Remediação Técnicas de Remediação: In-situ Injetar: In-situ (sem escavação) Sondagem Poços de Extração / Injeção Interligação / Registros Unidade de Tratamento Vala de Infiltração... Oxidante Ar Nutrientes Extrair: Ar / Vapor do solo Água contaminada (fase diluida) Fase livre (Produto sobrenadante)

17 Técnicas de Remediação Bioventilação Nutrientes Ar Fluxo da água subterrânea

18 Técnicas de Remediação Técnicas de Remediação: Ex-situ Aplicações Basicamente remediação da zona não saturada; Profundidade da contaminação permite a escavação (rebaixamento do lençol freático, medidas geotécnicas); Características dos contaminantes; Necessidade de alcançar rapidamente as metas (liberação!); Possibilidade de casamento da escavação com o projeto construtivo (garagem subterrânea, corte de terreno)

19 Técnicas de Remediação Técnicas ex-situ de tratamento biológico Landfarming Tratamento em biopilhas Tratamento em bioreatores

20 Técnicas de Remediação Biorremediação ex-situ Processos de Biorremediação ex-situ On-site Off-site BIOPILHAS

21 Técnicas de Remediação Técnicas de Remediação: Ex-Situ Terraferm ESTÁTICAS BIOPILHAS DINÂMICAS Sistema de aeração ativa Pilhas baixas Revolvimento periódico Pilhas - 3 a 5m altura

22 Técnicas de Remediação Fluxograma do Processo TERRAFERM: Biorremediação no Brasil, Dr. Thomas Berger (12/03/2009)

23 EX-SITU ON-SITE

24 Técnicas de Remediação Etapas de tratamento Biorremediação off-site Pesagem Recebimento do solo Retirada do solo da doca Trituração e homogeneização Solo em tratamento Tratamento dos HC volatilizados

25 Mercado da Biorremediação Na Alemanha 93 Unidades de Biorremediação off-site com: Capacidade de > 6.5 Milhões de toneladas por ano (2007); 76% de utilização.

26 Mercado da Biorremediação Resíduos tratados na Alemanha Código do resíduo (CR)¹ Nome do resíduo * Resíduos sólidos provenientes de desarenadores e de separadores óleo/água * Mistura de resíduos provenientes de desarenadores e de separadores óleo/água * Solos e pedras, contendo substâncias perigosas Solos e pedras com exceção dos enquadrados em * Material de dragagem, contendo substâncias perigosas * Brita, contendo substâncias perigosas Brita com exceção daquela enquadrada em Minerais (por exemplo, areia, rochas) * Resíduos sólidos provenientes do processo de remediação de solos, contendo substâncias perigosas Resíduos sólidos provenientes do processo de remediação de solos com exceção daqueles enquadrados em * Lodo do processo de remediação de solos, contendo substâncias perigosas * Lodo do processo de remediação de água subterrânea, contendo substâncias perigosas Varreduras Resíduos da limpeza de sistema de esgotos *Resíduos perigosos ¹Europäischer Abfallkatalog BRA Ganderkesee (ZECH Umwelt)

27 Mercado da Biorremediação Regras técnicas para reuso de resíduos minerais LAGA -TR BODEN Valores de Orientação (limite superior da classe de reaterro)

28 Mercado da Biorremediação Destinação final do solo tratado na Alemanha Uso como solo com sua multifuncionalidade: Retorno do solo tratado ao local de origem; Solo para jardinagem, barreiras acústicas; Recuperação de áreas degradadas. Uso em obras de engenharia: Cobertura de fechamento de aterros sanitários; Recuperação de áreas degradadas Obras rodoviárias, estacionamentos, etc.

29 Mercado da Biorremediação No Brasil Informações gerais: Até o ano 2000 não havia registros de planos de remediação através de técnicas ex-situ no Brasil; Primeiro projeto de biorremediação exsitu de grande porte (55.000t de solo contaminado) : REPLAN (2002/03).

30 Mercado da Biorremediação Biorremediação no Brasil Fonte: ABETRE (Ass.Bras.de Empresas de Tratamento de Resíduos)

31 Mercado da Biorremediação Biorremediação no Brasil Resíduos Industriais Quantidades Processadas por Tecnologia de Tratamento Fonte: ABETRE, 2011

32 Mercado da Biorremediação Destinação final do solo tratado no Brasil Retorno do solo tratado ao local de origem; Destinado para aterro Classe II.

33 Estudo de Caso Hanseatic Trade Center (HTC) localizado na maior área de revitalização da Europa GRASSBROCK, Hamburgo

34 Estudo de Caso

35 Estudo de Caso

36 Estudo de Caso

37 Estudo de Caso

38 Estudo de Caso Proprietário: HTC GmbH & Co. KG

39 Estudo de Caso Área total: cerca de m 2

40 Estudo de Caso General Contractor: Kurt Zech GmbH (Hamburgo)

41 Estudo de Caso Inauguração: Julho de 2002

42 CONCLUSÃO Projetos de remediação ex-situ podem viabilizar em um relativo curto prazo a liberação de uma área contaminada para implementação de projetos por ex. imobiliários. O tratamento ex-situ de solos contaminados via biorremediação é considerada mais sustentável quanto comparado com tecnológicas de tratamento térmico (emissão de CO 2 ) A remediação biológica tem como objetivo principal reduzir de forma eficaz e barata o risco potencial de uma contaminação, buscando atingir os valores limites dos contaminantes.

43 Mercado da Biorremediação Normativos para o reuso de solos tratados e outros resíduos: CONAMA 307?? NBR ?? CONAMA 420??...?? Necessidade de regulamentações técnicas e legais!!

44 SAPOTEC Ltda. OBRIGADO PELA ATENÇÃO! Dr. Thomas M. Berger

Recuperar é possível.

Recuperar é possível. Recuperar é possível. Conheça a SAPOTEC. 1 O desafio da SAPOTEC é viabilizar negócios com benefícios ao meio ambiente, oferecendo soluções tecnológicas personalizadas e de acordo com todas as diretrizes

Leia mais

TRATAMENTO IN SITU: o material contaminado é tratado no local, sem se recorrer à sua mobilização e remoção.

TRATAMENTO IN SITU: o material contaminado é tratado no local, sem se recorrer à sua mobilização e remoção. O que fazemos? GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS Abrange um conjunto de técnicas e metodologias aplicadas com o objetivo de avaliar as reais condições de um dado local, caracterizando o passivo ambiental

Leia mais

BIORREMEDIAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS E DEGRADADAS

BIORREMEDIAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS E DEGRADADAS BIORREMEDIAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS E DEGRADADAS Utilizações Limitações Avanços Flávio A. O. Camargo : : Departamento de Solos : : UFRGS (fcamargo@ufrgs.br) CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL O preço do progresso

Leia mais

Instituto Federal do Piauí Disciplina: Microbiologia dos alimentos Prof. Regiane Gonçalves. Gabriella Magalhães Gislayne Bianca Teresa Raquel Brito

Instituto Federal do Piauí Disciplina: Microbiologia dos alimentos Prof. Regiane Gonçalves. Gabriella Magalhães Gislayne Bianca Teresa Raquel Brito Instituto Federal do Piauí Disciplina: Microbiologia dos alimentos Prof. Regiane Gonçalves Gabriella Magalhães Gislayne Bianca Teresa Raquel Brito BIORREMEDIAÇÃO Aspectos gerais e aplicação O que é Biorremediação?

Leia mais

Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados

Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados Prof. Dr. José Roberto de Oliveira jroberto@cefetes.br DEFINIÇÃO Define-se por "tratamento de resíduos sólidos" qualquer processo que altere as

Leia mais

Técnicas Empregadas na Remediação de Solos Contaminados

Técnicas Empregadas na Remediação de Solos Contaminados Técnicas Empregadas na Remediação de Solos Contaminados Anderson Fonini, José Waldomiro Jiménez Rojas Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS

Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS Zilda Maria Faria Veloso Gerente de Resíduos Perigosos Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Trasix Soluções Ambientais

Trasix Soluções Ambientais A Empresa A Empresa A Trasix Soluções Ambientais surge da união de grandes expertises das empresas Trimap Business Management, especializada em representação de marcas estrangeiras para a comercialização

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES www.comambio.com.br Bióloga Resp.: HANY SAHLE - CRBIO 43312/01-D COMAM BIORREMEDIAÇÃO EMPRESA - COMAM Industria, Comercio e Serviços

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011

Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011 Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011 Manipulação e armazenamento inadequados de resíduos e matéria prima; Vazamentos de linhas e tanques

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Descomissionamento e Remediação Integrada de Uma Antiga Área Industrial com Foco em Mudança de Uso Brasil - São Paulo

Descomissionamento e Remediação Integrada de Uma Antiga Área Industrial com Foco em Mudança de Uso Brasil - São Paulo Descomissionamento e Remediação Integrada de Uma Antiga Área Industrial com Foco em Mudança de Uso Brasil - São Paulo Eng. Lucas Silva Fonseca, ARCADIS Logos Eng. Diego Marcondes, ARCADIS Logos Eng. Bruno

Leia mais

Técnicas Inovadoras de Remediação

Técnicas Inovadoras de Remediação Técnicas Inovadoras de Remediação Dr. Sander Eskes FEAM, Belo Horizonte Agosto, 2011 Abordagens de remediação Contaminação Contenção Contaminação Remoção Destruição Contaminação Aplicação de tecnologias

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais A atuação do IPT no diagnóstico ambiental e o desenvolvimento de pesquisas em remediação sustentável em áreas com passivos

Leia mais

Química e Derivados - maio - 2008. Ilustração Sueli Rojas

Química e Derivados - maio - 2008. Ilustração Sueli Rojas A o mesmo tempo em que evolui comercialmente, o mercado de empresas de diagnóstico e remediação de áreas contaminadas também vê seus problemas crescerem de forma proporcional. A grande aceleração dos negócios

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

A Utilização de Avaliação Multicritério para Tomada de Decisão na Gestão Ambiental

A Utilização de Avaliação Multicritério para Tomada de Decisão na Gestão Ambiental A Utilização de Avaliação Multicritério para Tomada de Decisão na Gestão Ambiental Msc. Eng. Luciano Braga Souto Orientadora: Profa. Dra. Carmen Belderrain Co-orientadora: Msc. Rosele de Felippe Wittée

Leia mais

POLUIÇÃO DE SOLOS: CONTAMINAÇÃO, REMEDIAÇÃO E PREVENÇÃO

POLUIÇÃO DE SOLOS: CONTAMINAÇÃO, REMEDIAÇÃO E PREVENÇÃO ANA PAULA GENERATO DOS SANTOS POLUIÇÃO DE SOLOS: CONTAMINAÇÃO, REMEDIAÇÃO E PREVENÇÃO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com

Leia mais

Contaminantes orgânicos e inorgânicos em SOLOS Elaboração de valores orientadores (Geral, Alemanha e Europa) 02 de abril de 2007 Thomas Kerl

Contaminantes orgânicos e inorgânicos em SOLOS Elaboração de valores orientadores (Geral, Alemanha e Europa) 02 de abril de 2007 Thomas Kerl Contaminantes orgânicos e inorgânicos em SOLOS Elaboração de valores orientadores (Geral, Alemanha e Europa) 02 de abril de 2007 Thomas Kerl O que são SOLOS SOLOS são: Produtos de substâncias minerais

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS O QUE É RESÍDUO? De acordo com o Dicionário de Aurélio Buarque de Holanda, resíduo é tudo aquilo que não se quer mais e

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Impacto das Condições GeoAmbientais em Projetos de Obras. Subterrâneas

Impacto das Condições GeoAmbientais em Projetos de Obras. Subterrâneas III Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo 1 a 3 Outubro de 2013 Impacto das Condições GeoAmbientais em Projetos de Obras Subterrâneas Arsenio Negro Bureau de Projetos e Consultoria bureau@bureauprojetos.com.br

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Passivos ambientais Clarissa de Oliveira Arend Joseane Machado de Oliveira Luciano Ávila SENAI-RS Centro Nacional de Tecnologias Limpas - CNTL Agosto 2011 1 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA 001/2009-CONPLAM

DELIBERAÇÃO NORMATIVA 001/2009-CONPLAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA 001/2009-CONPLAM Dispõe sobre a identificação e o gerenciamento de áreas suspeitas de contaminação e contaminadas por substâncias químicas no Município de Natal. O Conselho Municipal

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

Investigação Confirmatória

Investigação Confirmatória MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Procedimentos para postos e sistemas retalhistas Licenciamento Ambiental Recebimento de Denúncia ou Reclamação Medidas Emergenciais Nenhuma intervenção necessária

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem, de seus constituintes e características, e a comparação

Leia mais

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano

Leia mais

DIVISÃO AMBIENTAL. Nosso diferencial:

DIVISÃO AMBIENTAL. Nosso diferencial: A EMPRESA Apoiada em sólidas parcerias, a VIP Soluções é uma empresa de gerenciamento ambiental, provedora de soluções tecnológicas integradas. Nosso diferencial: Ética e segurança para nossos clientes,

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

José L. C. Tomita, Sakae Kinjo, Tania O. Nosse, Domiedson A. D. Santos, Bruna F. Albertti, Naomi Akiba, Elicarlos A. Sales.

José L. C. Tomita, Sakae Kinjo, Tania O. Nosse, Domiedson A. D. Santos, Bruna F. Albertti, Naomi Akiba, Elicarlos A. Sales. Teste da eficiência do produto EMBIOTIC LINE - BIORREMEDIADOR HDM para a aceleração do processo de degradação de Material Orgânico Líquido e Resíduo Orgânico Sólido. José L. C. Tomita, Sakae Kinjo, Tania

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Remediação de Área Contaminada Visando a Mudança de Uso do Solo Evolução da Cidade de São Paulo Um Breve Resumo

Remediação de Área Contaminada Visando a Mudança de Uso do Solo Evolução da Cidade de São Paulo Um Breve Resumo Remediação de Área Contaminada Visando a Mudança de Uso do Solo Evolução da Cidade de São Paulo Um Breve Resumo Consultoria e Engenharia Ambiental Legislação Ambiental para Gestão e Remediação de Áreas

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO,

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO, JohnsonDiversey SAFE BIO C 520 Remediador para Estação de Tratamento de Efluentes em geral e com a Presença de Contaminantes Tóxicos. Indicado para indústrias em geral. Descrição: Benefícios: Este produto

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas

Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas Mesa Redonda N O 2 - Certificação

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final. Gersina N. da R. Carmo Junior

Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final. Gersina N. da R. Carmo Junior Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final Gersina N. da R. Carmo Junior Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final INCINERAÇÃO Tratamento Incineração É um processo de queima do lixo em unidades

Leia mais

Tratamento e Disposição Final dos RSS

Tratamento e Disposição Final dos RSS Tratamento e Disposição Final dos RSS ANVISA 306 / CONAMA 358 Nível I Nível II Nível III Nível IV Inativação de bactérias vegetativas, fungos e vírus lipofílicos com redução igual ou maior que 6Log 10

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Tecnologia EM no Meio Ambiente

Tecnologia EM no Meio Ambiente Tecnologia EM no Meio Ambiente Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar a amenizar impactos ambientais. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia Tratamento Biológico de Efluentes DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS # em corpos d água # na rede pública de esgotos # no solo # no mar # em poços profundos

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS PROVENIENTES DOS DERIVADOS DE PETRÓLEO EM OFICINAS MECÂNICAS DA CIDADE DE NATAL/RN

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS PROVENIENTES DOS DERIVADOS DE PETRÓLEO EM OFICINAS MECÂNICAS DA CIDADE DE NATAL/RN GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS PROVENIENTES DOS DERIVADOS DE PETRÓLEO EM OFICINAS MECÂNICAS DA CIDADE DE NATAL/RN Gedson Bezerra NUNES 1, Andrea Francisca Fernandes BARBOSA 1 1 Escola de Engenharias e Ciências

Leia mais

O solo é um sistema aberto que sofre continua troca de matéria e energia com a atmosfera, hidrosfera e biosfera.

O solo é um sistema aberto que sofre continua troca de matéria e energia com a atmosfera, hidrosfera e biosfera. A poluição do solo é causada pelos lixos que as pessoas deixam no chão da sua casa, da sua rua, do jardim da sua cidade, do pinhal ou das matas quando fazem um piquenique da berma das estradas quando vão

Leia mais

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Produção Segura de Hortaliças Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Alimentos seguros Antes de mais nada, um direito do consumidor!! Práticas que buscam a Segurança do Alimento geralmente contribuem

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Sinopse Descrição de descarte dos resíduos originados dos ensaios por líquidos penetrantes por meio de processo físico

Leia mais

Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar. Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente

Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar. Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar Nome da Empresa: Natura Cosméticos S/A CNPJ da Empresa: 71.673.990/0001-77 Categoria em que o Projeto concorre: Meio

Leia mais

ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO.. Qualificação Profissional. Qualificação profissional da empresa QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REQUISITOS ELIMINATÓRIOS Cinco trabalhos envolvendo investigação

Leia mais

1º Encontro Regional sobre. "Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

1º Encontro Regional sobre. Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS 1º Encontro Regional sobre "Política Nacional de Resíduos Sólidos - Desafios e Oportunidades. COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS José Luiz Choiti Tomita¹, Naomi Akiba 1 jlctomita@kmambiente.com.br, nakiba@kmambiente.com.br

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

RESÍDUOS INDUSTRIAIS MÉTODOS DE TRATAMENTO E ANÁLISE DE CUSTOS

RESÍDUOS INDUSTRIAIS MÉTODOS DE TRATAMENTO E ANÁLISE DE CUSTOS RESÍDUOS INDUSTRIAIS MÉTODOS DE TRATAMENTO E ANÁLISE DE CUSTOS Rafael Guimarães Corrêa Lima 1 Osmar Mendes Ferreira 2 Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental Av.

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL Prof. Camila Costa de Amorim INTRODUÇÃO Atividades humanas Utilização dos recursos naturais Consumo de Energia Geração de Efluentes Líquidos Geração de Poluentes Atmosféricos Geração

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Resíduos Sólidos Geração de Resíduos Solídos nas de

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 02 Resíduos Conceitos Gerais. Prof. Renata Romagnolli Basso Arq. Me / Universidade Norte do Paraná 2012.

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 02 Resíduos Conceitos Gerais. Prof. Renata Romagnolli Basso Arq. Me / Universidade Norte do Paraná 2012. GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 02 Resíduos Conceitos Gerais Prof. Renata Romagnolli Basso Arq. Me / Universidade Norte do Paraná 2012. Resíduos Sólidos Domésticos: EUA 720Kg/ hab.ano Japão 410Kg/ hab.ano

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental III-093 - TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE VIA ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR ÚMIDO E ALTO VÁCUO ASSOCIADO A MICROONDAS - ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO PROCESSO EM UM ESTABELECIMENTO HOSPITALAR Vania Elisabete

Leia mais

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Setembro, 2010. Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

Biodegradação de plásticos com Eco-One. Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos:

Biodegradação de plásticos com Eco-One. Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos: Biodegradação de plásticos com Eco-One Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos: Biodegradação Biodegradação em Aterros Sanitários Os plásticos biodegradáveis Mecanismo de Biodegradação

Leia mais

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila:

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila: Universidade Estadual Paulista Campus de e Dracena Curso Zootecnia Disciplina: Solos Composição do Solo Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Introdução O Solo é composto por três fases: Sólido (matéria orgânica

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS SISTEMA AERÓBICO X SISTEMA ANAERÓBICO AERÓBICO SISTEMA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO COM INGESTÃO DE OXIGÊNIO PURO OU EM FORMA DE AR COMPRIMIDO HAVENDO SELEÇÃO DE ORGANISMOS AERÓBICOS. ANAERÓBICO SISTEMA DE

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA

COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMPOSTAGEM ORGÂNICA UTILIZANDO COMO SUBSTRATO RESÍDUOS DA PODA URBANA COM LODO DE ETA Caroline Graciana Morello 1, Danielli Casarin Vilela Cansian 2,

Leia mais