Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?"

Transcrição

1 Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4) das Diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) propõe alterações nas informações sobre formas de gestão, novas orientações para a definição dos limites dos relatórios e novas informações a serem divulgadas em áreas-chave, como governança e cadeia de fornecimento. A terceira geração das Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade foi lançada pela Global Reporting Initiative (GRI) em Desde então, houve uma expansão significativa na publicação de relatórios de sustentabilidade (ou de responsabilidade social corporativa) 1 e maior a conscientização de que informações sobre temas que influenciam o valor de uma empresa no longo prazo são importantes tanto para os investidores e mercados de capitais quanto para as demais partes interessadas da organização. No contexto dessa missão, a GRI está elaborando a quarta geração de diretrizes com o objetivo de promover melhorias em aspectos técnicos, como clareza e uniformidade, bem como ajudar os relatores a atender à necessidade de contemplar todos os seus públicos interessados. Após a fase inicial de consulta em 2011, e incorporando contribuições de Grupos de Trabalho representativos das diversas partes interessadas, foi emitido uma minuta para consulta (Exposure Draft) em junho de Contudo, muitos dos atuais e potenciais usuários das Diretrizes da GRI, ao analisarem o Documento Inicial da G4 pela primeira vez, tiveram dificuldade em entender seu sentido geral. Com tantas diretrizes novas e revisadas, era difícil identificar o seu real significado para relatores e usuários de relatórios de sustentabilidade. Assim, o objetivo desta sinopse é resumir os principais objetivos, princípios e alterações propostos na minuta da G4. A GRI e o desenvolvimento da G4 - processo com representação das diversas partes interessadas Sociedade civil O desenvolvimento da G4 está sendo realizado de acordo com a estrutura de governança da GRI e com seus procedimentos. Para desenvolver o conteúdo foram construídos Grupos de Trabalho com representação dos diversos públicos interessados sob a coordenação da Secretaria da GRI. As alterações propostas estiveram sujeitas à consulta pública e devem ser submetidas à aprovação do Conselho de Stakeholders, do Comitê de Assessoria Técnica e do Conselho de Administração da GRI antes de serem finalizadas e lançadas. Os Grupos de Trabalho compreendem representantes de um amplo leque de públicos interessados, mostrados ao lado, incluindo grandes organizações relatoras. Empresas Instituições mediadoras Poder público Trabalhadores Mercados financeiros Missão da GRI Fazer com que a publicação de relatórios de sustentabilidade se torne uma prática padrão, oferecendo orientação e apoio às organizações. 1 KPMG International Survey of Corporate Responsibility Reporting 2011, KPMG International, 2011.

2 Quais os principais objetivos das novas diretrizes da GRI? A principal finalidade da G4 é ampliar a adesão, por organizações de todos os tipos, à prática de publicar relatórios de sustentabilidade. Para isso foi necessário aumentar a facilidade de uso, uniformidade e qualidade técnica (incluindo referências atualizadas) da versão anterior das Diretrizes, a G3 (3.1), incorporando alterações na metodologia geral de relatório e comunicação utilizada nos últimos seis anos, inclusive divulgação de novas informações em áreas-chave, como governança corporativa e gestão da cadeia de fornecedores. A tendência dos relatórios, baseados nas diretrizes do G3, de dar ênfase à quantidade de informações (número de indicadores) e não à qualidade (foco em temas relevantes) levou à proposição de novas diretrizes sobre materialidade e limites dos relatórios e maior destaque às informações sobre formas de gestão (Disclosure on Management Approach - DMA). Além disso, a G4 busca um maior alinhamento com outros modelos de relatório, como os do Pacto Global da Organização das Nações Unidas e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), bem como com as propostas atuais para um modelo de relatório integrado (IIRC). Junto com o conteúdo revisado e melhorias técnicas, a GRI está desenvolvendo para a G4 um formato on-line que deve tornar mais fácil para relatores novos e existentes seguirem as diretrizes G4, além de facilitar o acesso para os usuários das informações divulgadas. Lançada em março de 2012 para as diretrizes do G3.1, a Taxonomia XBRL GRI será atualizada para a G4. Finalmente, para atender à necessidade de se ter informações comparáveis entre empresas de um mesmo setor, a GRI está desenvolvendo diretrizes sobre temas relevantes por setor. As novas diretrizes serão lançadas em maio de Quais os principais conteúdos novos e revisados na minuta? As principais alterações e os novos conteúdos foram destacados na minuta emitida para comentário público. Estão resumidos no quadro na página 3. As principais áreas em que a minuta propõe aumentar a quantidade de informações divulgadas referem-se à governança e cadeia de valor, reflexo da maior atenção dada a esses tópicos por investidores e pela sociedade em geral nos últimos anos. Qualidade técnica Conteúdos novos/revisados Harmonização G4 on-line Taxonomia XBRL GRI Diretrizes setoriais Mas para alguns, à primeira vista a G4 dá a impressão de que a quantidade de informações a ser divulgada é muito maior em relação à G3.1. É possível que a divisão da minuta em Conteúdo e Orientações não tenha ficado clara para o leitor. O Conteúdo refere-se às informações a serem divulgadas, enquanto que as Orientações oferecem notas explicativas sobre o possível teor dessas informações. Em algumas partes, o Conteúdo propriamente dito se perde entre extensas explicações e exemplos. Por exemplo, o Conteúdo 3 na categoria Forma de Gestão prevê que a organização relatora deve Descrever a forma de gestão do tópico relevante. Em seguida há três páginas de orientações, apresentando sete possíveis componentes do modelo de gestão (políticas, compromissos, etc.), que podem ou não serem aplicáveis à organização relatora, seguidos por notas explicativas sobre cada um desses componentes.

3 Qualidade técnica Foco na relevância e limites Principais conteúdos novos Informação sobre Formas de Gestão (DMA) Indicadores "Revisão" geral para maior clareza técnica e uniformidade. Divisão do documento entre Conteúdo e "Orientações". Alinhamento da terminologia com as normas de contabilidade. Referências globais para os indicadores, quando houver (ex.: OCDE, IUCN, OIT). Aperfeiçoamento das diretrizes: Protocolo Técnico Revisado - Definição do Conteúdo e Limites do Relatório. Ampliação do processo de avaliação da materialidade (conteúdo do relatório), contemplando impactos em toda a cadeia de valor. Definição de limites com base no impacto (por tópico), e não na condição de propriedade ou controle. Novas informações de "perfil": cadeia de valor, forma de definição do conteúdo e limites do relatório. Cadeia de fornecimento: informações de perfil, informações gerais e específicas sobre Formas de Gestão e indicadores essenciais. Governança: fortalecimento do vínculo entre governança e sustentabilidade e alinhamento com modelos existentes de governança. Aplica-se aos "tópicos relevantes". Foco no nível em que o tópico é gerido pela organização, por exemplo, se a gestão ambiental é feita no nível "Categoria" (Forma de Gestão geral) via certificação ISO, por exemplo ou se são adotadas medidas mais específicas de combate às emissões de gases de efeito estufa ou de racionalização do uso da água (nível "Aspecto"). Uniformização do conteúdo em todas as "Categorias" (grupos de tópicos/aspectos). Alguns dos indicadores de gestão foram transferidos para DMA. Revisão dos indicadores de emissões de gases de efeito estufa e (anti)-corrupção. Outros tópicos que estão sendo considerados para melhorias ou desenvolvimento futuro (ex: água, biodiversidade). Alinhamento do suplemento setorial com a minuta da G4.

4 Níveis de aplicação ou critérios de conformidade Um dos aspectos das Diretrizes G3 que desde 2006 gera muita discussão entre organizações que divulgam relatórios de sustentabilidade, suas partes interessadas, acadêmicos, consultores, agências de classificação de risco e a imprensa foi a introdução de níveis de conformidade com as Diretrizes GRI, na forma de Níveis de Aplicação. Um dos critérios para a classificação em cada nível era o número de indicadores divulgados (10 para "C", 20 para "B" e todos os indicadores essenciais para "A"). Como resultado, houve uma tendência de interpretar os Níveis de Aplicação como medida da qualidade do relatório ou até do desempenho em sustentabilidade. Os Níveis de Aplicação levaram à divulgação de indicadores sobre tópicos sem relevância exclusivamente com o intuito de atender aos critérios, inclusive indicadores sem relevância ao modelo de negócios ou aos impactos na cadeia de valor. O resultado tende a ser uma redução no foco e a divulgação de informações excessivas (quantidade e não qualidade), com relatórios extensos e dados de baixa qualidade. Além disso, os Níveis de Aplicação avaliavam apenas se algum dado era divulgado, sem dar qualquer garantia da qualidade das informações. A minuta da G4 propõe adotar um único conjunto de critérios de conformidade, que incluem a obrigatoriedade de divulgar todas as Informações de Perfil, informações sobre Formas de Gestão e indicadores essenciais para todos os tópicos relevantes, além dos indicadores do suplemento setorial (se aplicável) e uma declaração de conformidade da presidência ou órgão superior de governança. Para empresas que estão reportando pela primeira vez, são permitidos dois períodos de publicação do relatório para atender aos critérios. Muitos dos envolvidos no processo de produção de relatórios de sustentabilidade concordam que os Níveis de Aplicação da G3 devem ser substituídos, seria compreensível se organizações considerassem que esses critérios foram longe demais. Os critérios não pareciam condizer com os princípios de materialidade, nem de "relatar ou explicar". O desafio para os órgãos de governança da GRI será encontrar o meio termo com base nos comentários públicos recebidos. Qual o impacto da G4 no processo atual de elaboração do relatório? Enquanto os tópicos acima enfocam as propostas factuais da minuta, convém inserir essas mudanças no contexto do processo de elaboração do relatório de uma organização. Embora não seja imediatamente perceptível em suas extensas revisões e novos conteúdos, um dos objetivos da G4 é promover a publicação de relatórios de sustentabilidade mais focados, que se concentrem nos impactos materiais, riscos e oportunidades da organização em toda a sua cadeia de valor. Uma interpretação proposta está ilustrada ao lado. Partindo de inputs como estratégia, atividades operacionais, considerações sobre a cadeia de valor e o engajamento de stakeholders, a organização identifica e prioriza os tópicos materiais para o relatório (e os limites de cada tópico) e inclui informações sobre esses processos e seus resultados. O objetivo é detalhar as informações (forma de gestão e indicadores) sobre os tópicos relevantes e reduzir as informações em áreas não geridas por não serem relevantes à organização ou às suas partes interessadas. A organização deve destacar também as áreas em que, gera impactos relevantes (na economia, sociedade ou meio ambiente) em algum ponto da sua cadeia de valor, mas que não estejam sendo gerenciadas, e estas podem gerar um risco significativo ao desempenho e à viabilidade no curto ou longo prazo. Espera-se que esse processo permita maior comparabilidade não apenas dos relatórios, como também do desempenho em sustentabilidade das empresas de um mesmo setor. As diretrizes propostas sobre tópicos relevantes por setor devem facilitar o processo. Princípios de qualidade da GRI Informações de perfil (padrão) Princípios de conteúdo da GRI Informações por tópico RELEVANTE INPUTS Perfil organizacional Cadeia de valor Governança Engajamento de stakeholders Processo de definição do conteúdo e limites do relatório RELAÇÃO DE TÓPICOS RELEVANTES Forma de gestão Indicadores essenciais Indicadores setoriais Protocolo Final

5 Próximos passos A minuta da G4 atraiu a atenção de organizações relatoras, dos seus públicos interessados e de quem atua em serviços de consultoria e asseguração relacionados aos relatórios de sustentabilidade e anuais. Nos dois períodos de consulta, cada um com duração de 90 dias, a GRI recebeu um total de respostas formais. Os workshops realizados em todo o mundo atraíram mais de participantes. Com a conclusão do processo e publicação da G4 na conferência da GRI em Amsterdã, em maio de 2013, todos os envolvidos poderão avaliar se foi alcançado o seu objetivo: Diretrizes de fácil utilização que promovem o foco e a qualidade dos relatórios de sustentabilidade. CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE E COMUNICAÇÃO Informação, Integração, Inovação Amsterdã, 22 e 23 de maio de 2013 Participação da KPMG no desenvolvimento da G4 A KPMG International está envolvida no desenvolvimento da G4 por meio do Consórcio G4. Conta também com a participação de um profissional sênior na Secretaria da GRI, onde acompanha intensivamente a evolução deste processo e contribui formal e informalmente para aprimorar os aspectos técnicos das Diretrizes. Contatos Sidney Ito Risk Consulting Sócio-líder de Sustentabilidade e Governança Corporativa da KPMG Carlos Alberto Silva Gerente-sênior de Sustentabilidade da KPMG Ricardo Zibas Gerente-sênior de Sustentabilidade da KPMG kpmg.com/br 2013 KPMG Risk Advisory Services Ltda., uma sociedade simples brasileira, de responsabilidade limitada, e firmamembro da rede KPMG de firmas-membro independentes e afiliadas à KPMG International Cooperative ( KPMG International ), uma entidade suíça. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. O nome KPMG, o logotipo e cutting through complexity são marcas registradas ou comerciais da KPMG International. Todas as informações apresentadas neste documento são de natureza genérica e não têm por finalidade abordar as circunstâncias de uma pessoa ou entidade específica. Embora tenhamos nos empenhado em prestar informações precisas e atualizadas, não há garantia de sua exatidão na data em que forem recebidas nem de que tal exatidão permanecerá no futuro. Essas informações não devem servir de base para se empreenderem ações sem orientação profissional qualificada, precedida de um exame minucioso da situação em pauta.

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate Building, Construction & Real Estate Uma abordagem integrada para o investimento imobiliário Financial Services kpmg.com/br Como podemos ajudar Com uma equipe focada no setor de Real Estate, a KPMG no

Leia mais

Pesquisa Ambiente Regulatório 2015. kpmg.com/br

Pesquisa Ambiente Regulatório 2015. kpmg.com/br Pesquisa Ambiente Regulatório 2015 kpmg.com/br Sobre a Pesquisa Sumário Executivo O Ambiente Regulatório no Brasil - 2015 O ambiente regulatório no Brasil é marcado por contínuas transformações de exigências

Leia mais

Relatório de asseguração limitada dos auditores independentes

Relatório de asseguração limitada dos auditores independentes KPMG Risk Advisory Services Ltda. R. Dr. Renato Paes de Barros, 33 04530-904 - São Paulo, SP - Brasil Caixa Postal 2467 01060-970 - São Paulo, SP - Brasil Central Tel 55 (11) 2183-3000 Fax Nacional 55

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Centro de Excelência de Cidades. Construindo novas cidades para um novo mundo. kpmg.com/br

Centro de Excelência de Cidades. Construindo novas cidades para um novo mundo. kpmg.com/br Centro de Excelência de Cidades Construindo novas cidades para um novo mundo kpmg.com/br O ser humano habita o planeta, mas VIVE NA CIDADE Estamos enfrentando novos tempos, que determinam novos termos

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Global Reporting Initiative Diretrizes G4 para Relato de Sustentabilidade. Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil

Global Reporting Initiative Diretrizes G4 para Relato de Sustentabilidade. Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil Global Reporting Initiative Diretrizes G4 para Relato de Sustentabilidade Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil ONG sediada em Amsterdã Criada em 1997 no Estados Unidos a partir da idéia de que

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

Pesquisa de Auditoria Interna

Pesquisa de Auditoria Interna Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 1 Pesquisa de Auditoria Interna IARCS kpmg.com/br 2 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS PREFÁCIO A Auditoria Interna tem sido considerada nas companhias como sua

Leia mais

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos AUDITORIA GOVERNAMENTAL Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos KPMG no Mundo A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Regulatory Practice Insurance News Janeiro 2014 SUSEP Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Esta Circular dispõe sobre instruções complementares necessárias à execução

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

Cyber Security. Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) Security University 2014. kpmg.com/br/cyber

Cyber Security. Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) Security University 2014. kpmg.com/br/cyber Cyber Security Security University 2014 Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) kpmg.com/br/cyber Sistema de Controle Industrial (ICS) é um termo geral que engloba diversos tipos de

Leia mais

Informações Integradas

Informações Integradas Informações Integradas IMPLANTAÇÃO DO RELATO INTEGRADO: O CASE DA SANASA REUNIÃO TÉCNICA DE NORMAS INTERNACIONAIS Tatiana Gama Ricci São Paulo, 22 de maio de 2015 Evolução das Informações não financeiras

Leia mais

Resultados da pesquisa

Resultados da pesquisa Resultados da pesquisa Promoção de saúde no Brasil, nossos hospitais relatam a realidade de 2014 Divulgação oficial dos resultados 29 de janeiro de 2015. 1 O que motivou a pesquisa? Nossos clientes e colegas

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

IFRS em Destaque Agosto 2011. Destaques. Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida deve ser consolidada.

IFRS em Destaque Agosto 2011. Destaques. Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida deve ser consolidada. IFRS em Destaque Agosto 2011 Consolidação: um novo modelo de controle único Departamento de Práticas Profissionais - DPP Destaques Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Diretrizes para Relato de Sustentabilidade GRI Medição, monitoramento, prestação de contas e mudanças positivas

Diretrizes para Relato de Sustentabilidade GRI Medição, monitoramento, prestação de contas e mudanças positivas Diretrizes para Relato de Sustentabilidade GRI Medição, monitoramento, prestação de contas e mudanças positivas Fiesp 11/06/15 O que é a GRI? Organização internacional sem fins lucrativos sediada na Holanda

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas

Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas IMPOSTOS INDIRETOS Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas tax As empresas sempre conviveram com a preocupação de manter organizadas as suas

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas CONTABILIDADE EM DESTAQUE Outubro de 2015 Edição: 001/15 Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas Esta edição da Contabilidade em Destaque tem como objetivo explicar mais profundamente

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

Global Reporting Initiative Relato de Sustentabilidade. Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil

Global Reporting Initiative Relato de Sustentabilidade. Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil Global Reporting Initiative Relato de Sustentabilidade Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil Piracicaba, 15 de Agosto de 2013 Muito obrigada!! Conteúdo: Desafio da Sustentabilidade Relato de Sustentabilidade

Leia mais

TAX. esocial. kpmg.com/br

TAX. esocial. kpmg.com/br TAX esocial kpmg.com/br 1 esocial O que é o esocial? O Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas esocial é um projeto desenvolvido pelo Governo Federal,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Pelas lentes de Cyber Security

Pelas lentes de Cyber Security Pelas lentes de Cyber Security 2015 Global Audit Committee Survey kpmg.com/br/cyber O que a pesquisa de 2015 nos conta Os problemas no radar de um Comitê de Auditoria não mudam radicalmente de um ano para

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Sustentabilidade Workshops

Sustentabilidade Workshops www.pwc.pt/academy Workshops PwC s Academy Portefólio de soluções formativas de profissionais para profissionais Workshops As empresas do futuro devem ser capazes de garantir a gestão dos seus pilares

Leia mais

COP 2011 - Visão Sustentável

COP 2011 - Visão Sustentável COP 2011 - Visão Sustentável A Visão Sustentável é uma consultoria brasileira especializada em Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade, trabalhando com o desenvolvimento de ferramentas e

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

Termo de Referência Grupos de Trabalho dos Indicadores Ethos 3ª Geração

Termo de Referência Grupos de Trabalho dos Indicadores Ethos 3ª Geração Termo de Referência Grupos de Trabalho dos Indicadores Ethos 3ª Geração O projeto A Terceira Geração dos Indicadores Ethos (IE-3) visa construir, por meio da criação de um espaço multistakeholder de troca

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DIRETRIZES G4 DA GRI UM NOVO CAMINHO PARA A SUSTENTABILIDADE

SUSTENTABILIDADE DIRETRIZES G4 DA GRI UM NOVO CAMINHO PARA A SUSTENTABILIDADE DIRETRIZES G4 DA GRI UM NOVO CAMINHO PARA A SUSTENTABILIDADE 48 REVISTA RI Junho Julho 2013 Entre os dias 22 e 24 de maio, em Amsterdã (Holanda), a Global Reporting Initiative (GRI) realizou sua Conferência

Leia mais

Life Sciences Cyber Security

Life Sciences Cyber Security Life Sciences Cyber Security Março de 2015 kpmg.com/br 2X ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE RELATAM PERDA DE DADOS E INCIDENTES DE ROUBO A DUAS VEZES A TAXA DE OUTRAS INDÚSTRIAS Fonte: Verizon s 2014 Data Breach Investigations

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto dos Guias Ambientais 2005 Aprovação da Política Ambiental

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

ENEGEP 2013. Relatórios de Sustentabilidade GRI

ENEGEP 2013. Relatórios de Sustentabilidade GRI ENEGEP 2013 Relatórios de Sustentabilidade GRI 11 de Outubro 2013 1 Sustentabilidade, Sociedade e Mercado Recursos Ambientais Recursos Sociais SUS TENTA BILIDADE Recursos Econômico- Financeiros Adaptado

Leia mais

Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade Glaucia Terreo

Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade Glaucia Terreo Global Reporting Initiative Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade Glaucia Terreo O que é relatório de Sustentabilidade? t d Ambiental Econômico Social Mas como medir e Monitorar esses impactos?

Leia mais

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI)

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº xx, de XX de XXXXXXX de 2011.

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ISO 14001 - Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso 06 /10/ 2015 www.abnt.org.br Tópicos Processo de Normalização Histórico da

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Instrumentos financeiros - A norma completa

Instrumentos financeiros - A norma completa Instrumentos financeiros - A norma completa Mudanças nos fundamentos requerem planejamento cuidadoso Setembro de 2014, Edição 04/2014 IFRS EM DESTAQUE kpmg.com/br A nova norma irá ter um impacto significativo

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Companhia Energética de Minas Gerais S.A (Cemig),

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

Desafios do IFRS para empresas brasileiras

Desafios do IFRS para empresas brasileiras Desafios do IFRS para empresas brasileiras Estamos em consonância com o mundo? 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 16 de setembro de 2013 Ramon D. Jubels 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 1

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Informação para a imprensa não atribuível. As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation

Informação para a imprensa não atribuível. As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation Março de 2006 Informação para a imprensa não atribuível As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation De Políticas de Salvaguarda Ambiental e Social para Política e Normas

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Sustentabilidade em Bolsas de Valores Estímulo à transparência e ao desempenho socioambiental das empresas listadas Critérios mínimos de listagem.

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

INDEPENDENTE DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO ESCOPO DO TRABALHO METODOLOGIA BUREAU VERITAS CERTIFICATION

INDEPENDENTE DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO ESCOPO DO TRABALHO METODOLOGIA BUREAU VERITAS CERTIFICATION Relatório 2014 Novo Olhar para o Futuro DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Fibria Celulose

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA GOVERNANÇA CORPORATIVA: PONTOS RELEVANTES PARA EVOLUÇÃO DOS SEGMENTOS ESPECIAIS DA BM&FBOVESPA

CONSULTA PÚBLICA GOVERNANÇA CORPORATIVA: PONTOS RELEVANTES PARA EVOLUÇÃO DOS SEGMENTOS ESPECIAIS DA BM&FBOVESPA CONSULTA PÚBLICA GOVERNANÇA CORPORATIVA: PONTOS RELEVANTES PARA EVOLUÇÃO DOS SEGMENTOS ESPECIAIS DA BM&FBOVESPA QUESTÕES I. IDENTIFICAÇÃO 1. Assinale a alternativa que identifica seu perfil como respondente

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

Workshops de Revisão Março 2015

Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de Revisão Março 2015 Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) GVces Criado em 2003, o GVces é uma iniciativa da

Leia mais

Gerenciamento de ativos de software - SAM

Gerenciamento de ativos de software - SAM ADVISORY Gerenciamento de ativos de software - SAM Serviços de Compliance de Contratos (CCS) kpmg.com/br Gerenciando ativos de software de forma eficaz O Gerenciamento de Ativos de Software Software Asset

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Projeto BRA 06/024 - PREMEF 1 I. INTRODUÇÃO A missão do Tesouro Nacional é

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa São Paulo, 03 de setembro de 2013 VI SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS - SHS 2013 EMISSÕES

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Planejamento Tributário O debate sobre a carga tributária brasileira é incessante desde os tempos em que esta não ultrapassava 25% do PIB nacional.

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto

Leia mais

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) abre inscrições para o curso elearning:

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR

EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR A Universidade Federal do Paraná, por meio da Comissão

Leia mais

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 ELABORAÇÃO DE PLANOS DE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA PARA EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS ORGANIZADOS EM REDES DE COOPERAÇÃO NOS TERRITÓRIOS DA MATA SUL/PE, MATA

Leia mais