Banco de Dados do Departamento de Terra e Agua

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco de Dados do Departamento de Terra e Agua"

Transcrição

1 A SERIE TERRA E AGÜA DO INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGACAO AGRONOMICA J DOCUMENTO INTERNO No. 4 Banco de Dados do Departamento de Terra e Agua Composipao e Utilizapao ISÏIC LIBRARY KI Maputo, Mozambique Vagecicgen The Netherlands

2 I3RIC LIBRARY Ü2, Wa.flnninnon* Tha Netherlands SERIE TERRA E AGUA DO INSTITUTO NACIONAL DE INVRSTICACAO AGRQNOMICA Documento Int en 10 Mo- 4 BANCO DE DADOS DO DSPARTAMSNTO DE TERM E AGUA DO I.NIA Composicao s Utilizacao Scanned from original by ISRIC - World Soil Information, as ICSU World Data Centre for Soils. The purpose is tb make a safe depository for endangered documents and to make the accrued information available for consultation, following Fair Use Guidelines. Every effort is taken to respect Copyright of the materials within the archives where the identification of the Copyright holder is clear and, where feasible, to contact the originators. For questions please contact indicating the item reference number concerned. Maputo, Mozambique, 1984 >léï

3 ; Esta comunicacao foi baseada no trabalho dos técnicos do Departamento de Terra e Agua do INIA, Durante os anos de 1982, 1983, 1984 forara estabelecidas uraa cartoteca, biblioteca e fototeca. A compilacao deste guia foi feita por F. Beernaert (cartoteca, C. Roeper (biblioteca), B. Spiers e M.C. Bronsveld (fototeca).

4 INDICE Pag. INTRODUgRO 1 A UTILIZAgAO DA CARTOTECA DO DEPARTAMENTO DE TERRA E AGUA DO INIA As cartas fcopograficas As cartas geológicas Os mapas tematicos Primeiro nivel de classificacao dos mapas tematicos por assuntos Segundo nivel de subdivisao - as esoalas Terceiro nivel de subdivisao - sequência cronológica Simbolos adicionais ficheiro da cartoteca Notas explicativas sobre a classificacao tematica da cartoteca 5 GÜIA PARA USO DA BIBLIOTECA DO DEPARTAMENTO DE TERRA E AGUA Conteüdo da biblioteca Ficheiro da biblioteca uso da biblioteca 10 COMPOSIgAO E UTILIZAgAO DA FOTOTECA Conteüdo da fototeca As coberturas de fotografias aereas em Mozambique Os mosaicos de fotografias aereas e o sistema de enumeracao registro e enumeracao das fotografias aereas nos mosaicos registro e enumeragao das fotografias aereas nos planos de voo A organizacao da coleccao de fotografias aereas e mosaicos no Departamento A preparacao duma requisicao de fotografias aereas ou mosaicos A coleccao de imagens via satélite 14

5 cont. Anexo A: Mapas Xndice n das coberturas fctograficas de Mogambic Anexo B: Exemplo cium pedido para fotografias aêreas, ü

6 i T O BANC» CS DADOS DO aspabxamgnto E8 TERRA BÜGÜA DO IHIA - CCMKiSICAO E OTILIZAgAO gammmmmmmdllmi 1» Introdugao 0 Departamento de Terra e Agua flo INIA dispioe dum banco de dados que deserapenha um papel fundamental ha execucao de levantamentos de recursos naturais e como fonte de informacao para o put>li*o» Este banco de dados é unico no Pals e consiste de* - Cartoteca de cartas tematicas relacionadas com recursos da terra e seu aproveitamento «Biblioteca dos levantamentos de recursos naturais executados no Pais - Coleccao de imagens via satêlite de todo o Pais, com coberturas repetidas entre Banco de dados computarizados de dados agro-ecoi6gicos do Inventario Nacional de Recursos Agro-EcolSgicos - Docuftentagao das observacoes feitas durante os levantamentos de solos executadas antes e ap6s a Independência, com descricoes de perfis e analises quxmicas de solos» Aléra disto» o banco de dados dispoe det -v - Uma coleccao de cartas geolégicas, publicadas pela Direcgao Nacional de Geologia e Minas - u»a coleccao de cartas topograficas do Pais - uma coleccao de mosaicos de fotografias aereas do Pais (em preparacao) Nos seguintes capftulos apresenta-se os guias para o nsot - da cartoteca «da biblioteca e - da fototeca»(imagene via satélite, mosaicos e fotografias aêreas) A utilizacao do banco de dados computarizados do "Inventario Nacional de Recursos Agro-Ecol6gicos% sera explicada nuraa nota ainda a ser preparada» Igualmente ser eleborado um guia que dara acesso aos dados basicos» tais como descri- 9P«s de perfis, analises etc», existentes no Departamento de Terra e Agua. 2. A utilizacao da cartoteca tdo Departamento de Terra e Agua do INIA A cartoteca consiste de tres seccoes: - cartas topograficas - cartas geologic as - cartas tematicas, outras do que geológicas.

7 -2- As cartas topograficas e geológic&s sao mapas publicados em séries de escalas definidas Os mapas tematicos incluera cartas com grande nsisero de diferentes assuntos e escalas. Por este motlvo esta categoria de cartas tematicas foram classificadas em separado das categorias anteriores. 2*1* As cartas topograficas As séries de cartas topograficas do Pais sao na escala 1:50*000» 1$ e 50Q«000» Para aïgumas zonas existera tarabêm cartas de escalas dife~ rentes» as foto-inapas de escala 1 $ de Cabo Delgado e mapas em escalas 1.25*000, 1: , Para cada série de mapas topograficas, existe urn pequeno mapa fndice no interior do arquivo que indica qua! o numero de map a que cobre uma deterainada zona. 0s mapas 1» sao todos feitos na base de fotografias aéreas, e consequentemente sao exactas do ponto de vista geosëtrico» A coleccao do Bepartamento nessa escala nao esta completa para todo o Pa s s foram arquivadcs os mapas que foraw acuinulados para as areas dos levant amen tos executados. Na utilizacao da coleccao de mapas era escala ls e Is500«000 deve-se notar que ha uma coleccao de mapas antigos (a) e raapas noyos («)* Os mapas de escalas mehores» COffl 1*250,000 e 1: , nao sao todos derivados de fotografias aêreas.cs mapas antigos foram elaborados entre era base de trabalhos no campo, sem utilizacao de fotografias aéreas» Estes mapas antigos mostram erros consideraveis na localizacao de rios e povoacoes, Os prinseiros voos de fotografias aéreas forara realizados a partir de 1956i em base destas fotografias, foi elaborada uma nova edicao de cartas topograficas Is250«000. Infelizmente, esta edicao ainda nao esta publicada. era todo o Pa s e é disponrtvel s6 para partes do Pa s, muitas vezes s6 em preto-branco. A cartoteca inclue a série antiga. e a série nova* Alêffl destas séries de mapas topograficas 1* , a cartoteca dispoe tambêai duma série de mapas de Mo~ cambique obtidos nos Estados Unidos na mesma escala* Este mapas também nao sao derivados de fotografias aéreas, e consequentemente sao em parte erradas» 2.Z* As cartas geological Esta série ê na escala ls e inclue todas as folhas publicadas pela Bireccao Nacional de Geclogia e Min as e nao ê ccmpleto para todo o Pais. A enumeracao das folhas corresponde com o aapa indice no interior do arquivo de mapas* Alëm das folhas publicadas, existem folhas provisérias, mas estas ainda nao foram entregues para divulgacao.

8 -3-2.3* Os rnapa» tematicos 0 arquivo de mapas tematicos é subdividido em tres niveis: 18 segundo o assunto 2 2 segundo a escala 3 9 conforme a sequéncia cronol6gica 2.3«l» Primeiro nivel de classificacao dos mapas tematicos» assuntos As 14 classes que foram definidas sao as seguintes: Ii Mapas de solos lit Mapas fisiograficos Ills Mapas geológicos IV: Mapas de vegetagao e ecologia V: Mapas de utilizacao da terra VI: Mapas de aptidao da terra VII: Mapaa climaticos VIII: Mapas integrados IX: Mapas "miscellaneos" X: Mapas de topografia XI: Mosaicos e fotografias XII: Fotografias satélite XIII: Mapas provisórios do campo XIV: Mapas de local izacao de observacoes 2*3*2. Segundo nivel de subdivisao - as escalas Para cada categoria teffiatica foi definida uma subdivisao com base na escala dos mapas foram distinguidas as seguintes categories : D Mapas detalhados escalas até" 1: SD Mapas semi-detalhados escalas 1: atê 1: R Mapas de reconhecimento escalas 1: até 1: RE Mapas de escala 1: _ E Mapas exploratorios escalas raenor de 1: *3* Terceiro nivel de sub-divisao: sequéncia cronológica Num terceiro nivel de subdivisao. os mapas foram classificados segundo o ano de producao. Mapas do mesmo assunto tematico, da mesnia escala e feito no mesmo ano, receberam uma enumeracao consecutdtva depois da indicagao do ano. Ftor exemplo: tres mapas de solos, era escala 1:50.000, feitos era 1979» receberam nóraeros respectivamente:

9 -4- I - SD , I - SD , I - SD Neste caso, os numeros significant I SD assunto tematico escala ano, numero dentro do ano. 2»3*4* Sfmbolos adicionais: na olas&ificacao dos mapas Num mapa podem aparecer os seguintes sxmbolos adicionais: o prefixo e - : 'externa'» refere a mapas de outros pauses For exemplo: e - I - SD o sufixo(l): 'legenda'» refere a legenda em separado dura certo mapa 2«4«0 ficheiro da cartoteca Cada mapa no arquivo aparece com uma facha propria no ficheiro. 0 numero na cabe9a do mapa, aparece tambéra na ficha ao lado superior esquerdo. No caso de o mapa ter tafflbêm um numero antigo, ultrapassado, éste numero aparece no lado superior direito. Na ficha esta indicada* a localisêie&o do mapa e a provincia, seguido pela esca lat o titulo do mapa e a forma em que foi publicada. As categorias que indicam a forma de publicacao sao as seguintes: M»I«Mapa imprenso MIC Mapa imprenso em cor MO Mapa ozalid M0C Mapa ozalid colorido MT Mapa em transparente MTC Mapa em transparente, colorido Quando um mapa forma parte dum jogo de diferentes cartas tematicas da mesma zonaf o numero dèstes outros mapas esta indicado na margem inferior da ficha. ïbr exemplb, se um mapa se»i-detalhado de solos de numero I«SD-7000l ê acorapanhado por uraa mapa de avaliacao da terra da mesma zona* sera indicado na fichat Veja IV-SD Mapas que aparecem em reiatórios da biblioteca do Departamento, mas que nao foram arquivados em separado na cartoteca, tambéra foram incluidos no ficheiro. Neste caso, o numero e o nome do levantaraento foram indiicados na ficha.

10 -5-2»5» Notas explicativas sobre a classificagao tematica da cartoteca I* Mapas de solos Esta categoria refere a mapas de solos puros; Serapre quando a informagao dos solos e combinado na legenda com outros aspectos, como vegetacao ou o uso da terra» este maps ê inclufdo na categoria VIII - Mapas integrados. Se esta indicado no mapa de solos a localizacao de observacoes, tambêra uia cópia do mesrao mapa encontra-se na categoria XEV - localizacao de observances. 0 mapa final do cawpo deste mesmo mapa tambêm deveria ser incluido na categoria XIII - Mapas definitivos do caropo. II. Mapas fisiograficos Esta categoria indue: mapas geomorfológicos, mapas de relevo, mapas de rede hidrografica, etc. Sempre quando a fisiografia ê combinada com o outro assunto na legenda, o mapa ê tranöferido para categoria VIII-Mapas integrados. III» Mapas geológicos - veja acima IV. Mapas de vegetacao e ecologia de vegetacao. V. Mapas de uso da terra -v Estes mapas mostram o uso actual da terra» como observado no terreno,. Mapas do uso da terra recomendado pertencem a categória VI-4!apas da aptidao da terra» VI. Mapas de aptidao da terra Esta categoria inclue mapas nos quais a aptidao ê definida com base nos dados agro-climaticos» nos solos» na ecologia» etc. Bor isto, os raapas nesta categoria podem ter urn titulo como; 'aptidao agro-climatica para milho' ou 'aptidao das terras para implementacao de rega', etc. VII. Mapas climaticos Todos os mapas mostrando pluviosidade, temperatura» localizacao de estacoes meteorológicas. VIII. Mapas integrados Sempre quando duas ou mals disciplinas sao integradas num só mapa» o mapa é incluido nesta categoria. Um exemplo sao os mapas chamados 'zonas naturals e uso da terra', nos quais solo, vegetacao e uso da terra foram integrados. Também mapas com o tltulo» 'Mapa de unidades de terra' foram incluidos nesta categoria»

11 -6- IX» Mapas miscellaneos Assuntos que naö correspondera com algiunas das categorias anteriores» X. Mapas topograficos Alëm dos próprios mapas topograficos foram incluidos nesta seccao, também mapas de base cobrindo certas zonas de levantamentos executados no campo. XI. Fotografias aéveas e raosaicos Explicacao dada no capftulo 4 XII» Im«gens via satêlite Explicacao dada no capitulo 4 XIII. Mapas provisórios de carapo Xs vezes, depois da publicacao dum relatério com mapa em forma defi~ nitiva, o mapa provisorio do campo muitas vezes perde-se. Esta categoria e per- AT fis ou localizacao das zonas estudadas.

12 3. GDIA PARA ÜSO DA BIBLIOTECA DO DEPARTAMENTO DE TERRA S AGUA 7 3*1 " Conte&io da biblioteca A biblioteca do Departaraento de Terra e Agua consiste dunsa coieccao de livros, publicacoes e trabalhos relatives a qualquer disciplina, que seja do interesse para os têcnicos e trabalhadores do Departamento A coieccao esta classifi cada conforme as seguintes categorias principals: a) Relatórios de estudos e trabalhos sobre recursos naturais em geral» aas especialmente agrupados geograficamente da seguinte maneira: - as dez provfnoias de Mozambique; - o Vale do Zambeze; - Mozambique geral; - palses estrangeiroso b) Os trabalhos publicados numa série, quer do proprio Departamento ou do INIA, quer de outras instituicoesj - Comunicacoes do ïlamf - Informacoes Técnicas do HAM; - Agronomia Mocafflbicanas - Comunicacoes do INIA, Série Pedologia - Comunicacoes do INIA, Série Agrohidrologia -- *. Publicacoes do Projecto FAO/MOZ/Oll - FAO Soils Bulletins - FAO World Soil Resource Reports - FAO Irrigation and Drainage Papers - ILRI Publications and Bulletins c) Manuals e livros têcnicos sobre pedologia, geomorfologia, agronomia, vegetacao, teledeteccao, etc. d), Revistas Dentro das categorias a), b) e d) as publicacoes sao classificadas cronologicamente, quer dizer conforme a data de publieacao, enquanto que na categoria c) sao classificadas conforme assuntos. 3»2 - Ficheiros da biblioteca 0 acesso a coieccao I possivel através de dois sistemas de fichas, num terceiro sistema estao juntados os titulos de publicacoes, que sao de importancia para o Departamento,raasque nao se encontram na biblioteca. i) 0 sistema principal, que abrange todas as publicacoes, segue aproximadamen

13 te a claasificacao tal corao esta apresentada no capitulo. 3.^, - Todas as puhlica9oes da categoria a) e aquelas publieacoes de categoria b), que tratam - de estudos de recursos naturals dalguraa parte de Mozambique, ou de qualquer pais estrangeiro, sao agrupados geograficamente. Estao marcadas com um cédigo geografico que i,ndica a sua localizagao e o seu ano de publicacao: p.e. MAF 78 represent a uma publicacao do ano de 1973» que refere a uma area da provxncia de Maputo. Os cödigos geograficos usados sao; MAP «Maputo GAZ «Gaza INH *» Inhamabane NIA * Niassa CAB * Cabo Delgado TET» Tete NAM * Nampula MAN «Manica SOF «Sofala ZAM» Zambezia VZA» Vale do Zarabeze MOC» Mozambique Geral EST» Paf ses estrangeiros Do ano da publicacao apenas os ultimos dois algarismos aparecein no código» - As restantes publieacoes da categoria b) estao agrupados (sem código) da seguinte maneira no ficheiro» - Publieacoes da FAO - Publieacoes do ILRI - As publicasoes das categorias c) e d) sao agrupados (sem código) no ficheiro como segue t - Livros têcnicos e manuals - Revist as Nas fichas apresenta-se as seguintes informacoes: - titulo do trabalho - autor ou entidade executora - ano da publicacao do trabalho - c6digo do sistema geografico (se houver) - cédigo do sistema de tipos de estudos ( ver a seguir no ponto ii)

14 ii) 0 segundo sistema de fichas que da acesso a. coleccao refere-se apen as a maior parte das publicacoes, que no sistema anterior foram classificadas conforme critêrios geograficos, quer dizer todas as publicacoes que se referem aos trabalhos sobre levantamentos de solos e, avaliagao de terras dalguma parte de Mocambique» Base deste sistema de fichas I a pubiicacao: 'Inventario dos estudos de solos efectuados na Repüblica Popular de Mozambique' C.Roeper, 19Ö3, Comunicacoes do INIA, Série Pedologia n fi 7 Nesta pubiicacao alistou-se todos os estudos e trabalhos de solos, feitos em Mozambique, agrupando~os em 4 categorias conforme o nxvel de detalhe do estudo* estudos exploratorios, código E estudos de reconhecimento, código R estudos semi-detalhados, código S estndos detalhados, código D «9- Para cada categoria foi preparado um raapa do Pais com a localizacao e o numero do estudo. -v Corresponden do o n&aero do estudo ao código para este sistema de fichas, a consulta dos quafrro mapas, que se encootra» na biblioteca, permite encontrar a ficha do estudo procurado. Nas fichas deste segundo sistema indica-se, além de todos os dados, que aparecara nas fichas do sistema principal (geografico), t&rabéra a instituicao ou a entidade, quem possui a pubiicacao, visto que neia todas as publicacoes encontra»-se na biblioteca do Departamento. Erabora a maior parte das publicacoes sejam marcados com ua código do sistema principal (geografico), tambêra stto marcados com o código deste sistema, p«e»s MAP 78 R 60 refere-se a uma pubiicacao de 1978 localizada na provincia de Maputo, que ê um estudo do nfvel de reconhecimento e que leva o numero 60 desta categoria* iii) Finalmente nos ficheiros encontra se um sistema de fichas, que abrange todos os estudos e trabalhos sobre recursos naturais dalguma parte de Mo cambique, dos quais o tftulo ê conhecido, mas que nao se encontra na biblioteca do Departamento.

15 -10- As fichas sao classificadas geograficamente, da mesma maneira como o sistema principal (geografico), e apresentam os mesmos dados que as fichas do sisfeema de tipos de estudos. - 0 uso da biblioteca i) As varias publicacoes presentes na biblioteca so podem ser consultadas nos prêdios do INIA. Excepcionalmente e apenas com previa autorizacao do Chef e do Departamento de Terra e Agua» ou do seu substituto as publicacoes podem ser 1evadas fora dos prêdios do INIA para urn perfodo breve, p.e. para fotocopiar a publicacao» ii) Apenas na presenca do bibliotecario ou do seu substituto, as publicacoes podem ser tiradas da biblioteca iii) Para emprestar uma publicacao o bibliotecario aponta no livro de registro a data» o tftulo da publicacao e o nome do emprestador» Quando a publicacao é devolvida o bibliotecario aponta no mesmo livro de registro a data, na qual a publicacao foi devèlvida* iv) Publicacoes podem ser emprestadas apenas por urn perfodo de quinze dias e devem ser devolvidas antes do técnico ou trabaihador sair para o campo por um perfodo superior a uma semana. v) A biblioteca esta aberta das 7, h e des h. Actualmente o bibliotecario ê o sr Raimundo Tembe, e os tlcnicos responsaveis pela biblioteca sao o sr Luc Touber e a Sr a Corrie Roeper*

16 -11-4«Composicao e utilizacao da fototeca 4»1» Conteudo da fototeca A fototeca do Departamento consiste de: - Mosaicos de fotografias aéreas de todo o Pais - Fotografias aéreas. Esta coleccao nao é compieta para todo o P a fs, mas consiste de fotografias acumuladas durante os anos passados nas zonas onde foram executados leyantamentos- pelo INIA. - Coleccao de planos de voo de todo o P a s e raapas indices de todos os trabalhos feitos era Mocambique - Coleccao de iraagens via s a télite, qu e consiste de coberturas repetidas das entre Ö0, p a ra todo o Pafs. 4,2# As coberturas de fotografias aéreas em Mocambique Nos primeiros anos da dêcada 1950 for a m realizados os primeiros voos de fotografias aéreas do Pafs. Nos anos a seguir, foi completada a cobertura de todo o Pais. Estas fotografias sao na m a ior parte em escala 1: e serviram para elaborar séries de m a p a s topogr a fic as 1: A entidade que con*- trola a divulgacao e utilizacao de fotogr a fi as aêreas e mapas topograficas ê a Direecao Nacional de Geografia e Cadastro (DINAGECA)* Depois da Independencia, forara iniciadas novas coberturas de fotografias aéreas. Estes voos nao s a o fieitos numa maneira sistem a tic a em grandes blocos, mas conforme, os pedidos de clientes que pretendem util izar estas fotografias para levant amentos de recursos naturais. Os mapas irdices anexos, mostrara os trabalhos f eit os era Mocambique. Mapas 1 até 3 mostram as coberturas das grandes zonas em diferentes perfodos. Era cada mapa esta indicadoj - os nümeros das coberturas, cham a dos 'trabalhos' - o ano da aquisicao - a escala das fotografias aéreas. ' Exist em tambêm coberturas e locals com fotografias de grande escala» Mapas indice da localizacao destes trabalhos pode ser consultados na DINAGECA. 4 * 3 * Os mosaicos de fotografias aéreas e o sistema de enumeracao Em base dos grandes voos sistem a ticos foram elaborados os mosaicos de fotografias aéreas. Estes mosaicos s a o nao-cont rol ados, quer dizer nao sao sempre geometricamente correctos. Estes mosaicos podem ser obtidos atravês da DINAGECA em du a s escalas: na escala das fotografias aéreas e num a escala reduzida. A coleccao de mosaicos do Depart amento corresponde com esta ultima categoria.

17 A enumeragao das folhas dos mosaicos sao corao segue: Ao canto superior a direita de cada folha encont;ra-se um numero, por exemplo Ae-5/7 6 6., Estes numeros referem ao seguinte: Ae-5/7 C 6 Numero do trabalho letra da fiada numero consecutive conforme os mapas fndice horizontal dentro da fiada A figura seguinte mostra a enumeragao dum conjunto de mosaicos A* Ai A3 AH AS At, *! a. %» \% M hs- Bfc TJ? CI 'i C3 CH C«a Cl -X3-4»4» Oregisto e enumeragao das fotografias alreas nos mosaicos Os mosaicos acima mencionados mostram as fiadas de fotografias consecutivas» Na raargem de cada fotografia podemos distinguir o numero da propria ffctografia e a data da aquisigao. O numero de cada fotografia consiste de dois numeross o priraeiro refere ao nöraero do filme e o segundo numero refere a. po~ sigao da fotografia dentro da fiada» Assim, os mosaicos sao um documento muito conveniente para obter os numeros de referencia para as fotografias duma ceirta zona» 4»5» 0 registro e enumeragao de fotografias aéreas no$ pianos de voo Um piano de voo existe para cada um dos trabalhos indicados nos mapas Indices an«xos» Estes pianos de voo mostram as linhas de voo do aviao e a localizagao do centro de cada fotografia ao longo desta linha» Os planos mostram: - os numeros das fiadas - os nüraeros dos filmes no qual as fiadas foram registradas»

18 -0- O numero do f il we nao é igual ao numero da fiada» 0 numero do filme aparece em cada fotograf ia» 0 numero da fiada. aparece somente no piano de voo. - os numeros consecutivos das fotografias nura fiada No plano de voo aparece tambéra a localizacao de mosaicos. Estes sao indicados com um padrao de riscos» 4.6. A organizacao da coleccao de fotografias aéreas e mosaicos no Departamento As fotografias aéreas sao arruraadas em caixas» Cada caixa tem o nu"- mero do trabalho e da fiada. A procura duma certa fotografia numa zona só* pode ser realizado atravês dum plano de voo, porque somente este mostra o nflaero da fiada. Nua jogo de planos de voo est a registrada a presenca de fotografias aêr as na fototeca do Departaoento. Os mosaicos sao organizados em caixas conforme o numero do trabalho» As folhas dos mosaicos foram ligadas em fiadas Este-Leste» A escala destes raosaicos ê para a maior parte de cerca de 1*90.OCX). 4.7» A preparacao duma requisicao de fotografias aéreas ou mosaicos A requisicao de fotografias aéreas da DINAGECA ê efectuada atravês dura pedido a ser dirigido ao Director desta Direccao acional. As listas de numeros de fotografias e mosaicos requeridos podem ser elaborados a partir dos planos de voo ou dos mosaicos. Uraa cequisi?ao deve incluirï i. para os mosaicos: <- numero do trabalho - numero da folha do mosaico requerido - escala (se for na escala reduzida ou na escala da fotografia aérea) ii. para a aquisicao de fotografias aéreast - numero do trabalho - numero do filme - numero consecutivo dentro filme - escala

19 -14-0 pedido deve incluir uma especificacao des - numero de cópias requeridas - a finalida.de da utilizacao das fotografias ou mosaicos - quera fornece o papel fotografie - a quern deve ser enviada a factura Um exemplo desta carta encontra-se no anexo.g 4»&» A coleccao de imagens via satélite A coleccao de imagens via satélite do Departamento consiste de co» berturas repetidas emtre 1972 e 1980 efectuados pelo satélite Landsat» Os tipos de imagens saot ^ ~ imagens 'faleo-cor' em escala 1* do sistema MSS Landsat.,Es~ tas imagens disponfveis representam uma escolha das melhores imagens disponfveis para Mocawbique* Da mesma regiao forara adquiridas varias imagens de épocas do ano diferente ou de anos diferentes, isto para an al isar mudancas de êpoca para êpoca do ano e mudancas na ocupacao da terra de uma ano para um outro. Era prinefpio tentavamos obter uma cobertüra completa para todo o Pais dos anos 1972, 1973 e nos anos 1979» 1980, Estas imagens sao imagens convencionais que se pode obter do NASA, nos Estados ünidos. Para algumas zonas foram adquiridas imagens tratadas por computador, que mostra» maior pormenor» - imagens preto-branco em escala 1* e em parte 1: do sistema RBV do satélite Landsat. Estas imagens existem para partes do território nacional. Todas as imagens existentes sao incluidas nesta coleccao» - imagens em filme positivo na escala Isl, do sistema MSS Landsat o Todas as imagens disponfveis atê 1980 com cobertüra de mivens menos de 50$ foi comprado na banda espectral 4,5»7» - i»agens em filme negativo na escala lil do sistema MSS Landsat. Estes negativos sao as mesra&s imagens como a categoria anterior, nas ban das 5 e 7* - imagens em filme negativo, escala , do sistema RBV Landsat» Estes negativos correspondent com as cópias positivas era papel, raencionado no segundo ponto acima*

20 15- O mapa fndice de imagens via satêlite mostra a cobertura de Mozambique» Fbde- BOS distinguir fiadas no sentido vertical» com nismeros 176» 177» etc» Estes nómeros referem ao numero da órbita do satêlite» Dentro de cada fiada, cada imagem tem um numero consecutive. Este sisterna de enumeracao faz parte dum sistema mundial de enumeracao de imagens via satêlite. 0 numero da órbita e numero dentro da êrbita esta indicado em cada imagem. Este numero chama-se o numero da passagem/fil a* ('pass/row number*). Existe um ficheiro para a coleccao de imagens via satêlite. Cada ficha refere a uma determinada zona (nómero/passagein/fila)» no qual ê registrada todas as diferentes datas e tipos de imagens disponiveis na coleccao do Departamento. Para uma explicacao dos aspectos récnicos destas imagens ê referido para um documento em separado»

21 Fig. 1 Exempio durca parte du;n plano de voo,»16~ EscaloliWOO , * OS MA0U1MA P9T06. (5*C«5 - esca>.a M FoT I' CAT* DO VOO ' S*»»ra«ro W OiitiAr* *» 1969 QË3 II J/ 77" J T Jj*_«^a_*(S^. M T _«_,,. h? d» Motu/co* rsü?] u~.^ *y -i^isu ngsrt^jr^jej-. _je. -*,_i _ J*^-v. -«- ^^..-E- J. /JL_

22 -1> Fig. 2 Hapa Indice de iniagens via satélite 52 34" 36 PED/S3152

23 18 Mapo Indies * Primeiro cobertura Fotogroficc Systematica Aoïyo A-ficitü 'Je Dociel do Otportrj.-neitlo d» Ï'.TIQ a Acua 0«. P ISGIUS Ptn/0315'ï

24 19 Mopo Indies 2- Mowolcoa rnois recent*» ate Novsmbro 83 Escoia l:s00o.ooo R>,-.. 1:50.000»..-_ : Art«so A- Bancfj de Quóss tfc Oaprriaroenio O*'!.' ;..lessiss. PSOr 83153

25 20 Mopo Indice 3 primeira Coberturo Fotogrofico Sistemdlica (nflo complet o) Escalo 1: Aneva A- Bonco de Dados do Oeportoirenlo d«terra e Agvo 0*» f- Ilcos PEO'SJ'Sl.

26 Mope Indies L 1 1 MAPA DE MOZAMBIQUE H S ïli»:sqooooo W»*l Anexo A-Banco de óxtos ds Deportomento «to T <HTC 9 Aguo.

27 MMKCjav» iiioiiiidhiiiimiimmnua-. Mapa Indite 5 MAPA DE MOCAMBIQUE OVISAO «DMMSTIWTtV* Esc»la1:S0OCOO0 10 <> U WO 130 fcv. H-43 19?2 - Kwrt: 1 r-n Pa3fi«jra p-ie 19B? - Pasb* v-t vitamine K-M 1V82 - fiegadlo Kerels <i«kar?acuene K-5J S3o liepopo B-» Rio Chlre S Sable t-15 1S81 - lisanfilene 'T-1S i«ej - Tet»

28 23 ANEXO B - Exemplo dum pedido para fotografias aéreas ( ) Ao: Exrao Senhor Chefe do Gabinete Ministério da Agricultura MAPUTO Departamento de Terra e Agua Pedido de fotografias aéreas Para executar o levantamento dos solos na zona..., o Departamento de Terra e Agua solicita a reproducao das seguintes fotografias aéreas e mosaicos: Fotografias eéreas; cópias de contacto de cada Trabalho N2 do filme Fotografias Escala Ano C C C C atê 146 1: até 56 1: e 179 1: e 179 1: Mosaicos, escala 1:70.000,..cópias de cada Trabalho N 8 do mosaico Ano C N C N A 1 até A 7 B 1 até B papel fotografico sera fornecido pelo e a factura deve ser enviada para o INIA. Os tecnicos responsaveis pela utilizagao deste material sao os senhores.., UNIDABE,TRABALHO,VIGILANCTA 0 Chefe do Departamento de Terra e Agua

Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique

Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique Apresentado pelo Director do Centro de Promoção da Agricultura Abdul Cesar Mussuale Turino, Fevereiro 2012 Estrutura de Apresentacao I. Informacao

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE ABRIL, 2015 Estrutura da Apresentação 2 I. Papel do CEPAGRI II. III. IV.

Leia mais

Internet Como um Serviço Essencial

Internet Como um Serviço Essencial Internet Como um Serviço Essencial [O Desenvolvimento da Banda Larga e o Crescimento da Economia Digital ] 20 de Nov de 2015 americo@incm Pontos de Apresentação 1. Banda larga em Moçambique; 2. Como desenvolver

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 0 / 0 I Unidade: A Terra: estudos e representações II Unidade: Meio Natural Conteúdos Conceitos Estruturantes Competências Essenciais Estratégias Recursos/Materiais

Leia mais

Fórum da Conectividade Rural

Fórum da Conectividade Rural FUNDO DO SERVIÇO DE ACESSO UNIVERSAL (FSAU) Fórum da Conectividade Rural O Fundo do Serviço de Acesso Universal e o seu papel na promoção de parcerias Público- Privadas para a conectividade rural Apresentado

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE

L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE TANZÂNIA Mocimboa da Praia MALAWI Lichinga NIASSA CABO DELGADO NAMPULA Pemba Nacala TETE TETE ZAMBEZIA PEMBA MANICA SOFALA Quelimane CHIMOIO BEIRA para Hararre GAZA INHAMBANE

Leia mais

MIC REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DIRECÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO

MIC REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DIRECÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO INFOCOM MIC REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DIRECÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO Boletim Especial/Setembro de 7 DNC/MIC BOLETIM ESPECIAL DO BALANÇO ALIMENTAR ABRIL DE 7 A MARÇO DE 8

Leia mais

Atlas de Energias Renováveis de Moçambique. Estoril, 25 de Junho de 2015

Atlas de Energias Renováveis de Moçambique. Estoril, 25 de Junho de 2015 Atlas de Energias Renováveis de Moçambique Estoril, 25 de Junho de 2015 Sistema de Gest\ao de Qualidade com o Certificado N 26INNOQ/13 Sistema de Gestão da Qualidade com Certificado Nº PT08/02280 Sistema

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique "Tendências do Investimento Privado em Moçambique: questões para reflexão" Nelsa Massingue da Costa Maputo, Setembro 2013 TENDÊNCIAS

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ ções espaciais, geraçã ção o de saídas na forma de mapas, relatórios, rios, arquivos digitais, etc; Deve prover recursos

Leia mais

RELATÓRIO DA 1ª CAMPANHA NACIONAL DE SAÚDE ORAL NAS ESCOLAS

RELATÓRIO DA 1ª CAMPANHA NACIONAL DE SAÚDE ORAL NAS ESCOLAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA MÉDICA PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE ORAL RELATÓRIO DA 1ª CAMPANHA NACIONAL DE SAÚDE ORAL NAS ESCOLAS PROMOVENDO A HIGIENE ORAL

Leia mais

NÚCLEO DA LITOTECA REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS, EQUIPAMENTOS E ARQUIVOS DAS LITOTECAS

NÚCLEO DA LITOTECA REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS, EQUIPAMENTOS E ARQUIVOS DAS LITOTECAS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS, EQUIPAMENTOS E ARQUIVOS DAS LITOTECAS Maio 2012 ÍNDICE REGULAMENTO DA LITOTECA... 3 Instalações e equipamentos... 4 Objectivos... 6 1. Utilizadores / Consultores...

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS)

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Este Regulamento aplica-se a todos os utilizadores do Serviço

Leia mais

Direcção do Registo Académico

Direcção do Registo Académico Direcção do Registo Académico EDITAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES PARA OS INGRESSOS DO ANO LECTIVO DE 2015 1. INTRODUÇÃO 1.1. A Direcção do Registo Académico (DRA) da Universidade Eduardo Mondlane (UEM),

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013 Instituto Nacional de Irrigação 31 de Maio de 2013 Estrutura da apresentação I. Reforma do subsector de irrigação em Moçambique II. O INIR - Instituto Nacional de Irrigação 1. Objectivos 2. Organização

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Workshop sobre Homologação de cartografia

Workshop sobre Homologação de cartografia Workshop sobre Homologação de cartografia Parte I Legislação e Conceitos João Cordeiro Fernandes jcordeiro@dgterritorio.pt Regulação do exercício de atividades de produção de cartografia 2014 06 05 Produção

Leia mais

Moldura Digital para Fotografias

Moldura Digital para Fotografias DENVER DPF 741 Manual do Utilizador Moldura Digital para Fotografias ATENÇÃO O cabo de alimentação com adaptador/dispositivo para desligar o aparelho deve estar facilmente acessível e deve poder ser desligado

Leia mais

(s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior

(s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior Area Profissional: 0004 - BIBLIOTECA Area de Atuacao: 0042 - ACERVO/BIBLIOTECA Analisar e processar

Leia mais

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Instituto Geográfico Português Direcção-Geral dos Recursos Florestais Paulo Patrício Inventário Florestal Nacional A Direcção-Geral dos Recursos Florestais

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Informação 2007/2008 Pág. 1

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Informação 2007/2008 Pág. 1 DESENVOLVIMENTO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO PRÁTICO DE 2007/2008 4º ANO: LESI Entrega: SETEMBRO de 2008 AEROGEST Sistema de Gestão de Voos O problema centra-se na modelação e implementação do AEROGEST

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX 1 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX MOÇAMBIQUE Informação Geral IPEX Instituto para a Promoção de Exportações POTENCIAIS SECTORES DE EXPORTAÇÃO Por Provincia

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Aula 3 - Registro de Imagem Registro é uma transformação geométrica que relaciona as coordenadas da imagem (linha e coluna) com as coordenadas geográficas (latitude e longitude)

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO. Departamento de Ciência e Tecnologia. Diretoria de Serviço Geográfico. MundoGEO#Connect Latin America 2014

EXÉRCITO BRASILEIRO. Departamento de Ciência e Tecnologia. Diretoria de Serviço Geográfico. MundoGEO#Connect Latin America 2014 EXÉRCITO BRASILEIRO Departamento de Ciência e Tecnologia Diretoria de Serviço Geográfico MundoGEO#Connect Latin America 2014 PRODUZINDO GEOINFORMAÇÃO BÁSICA PARA A DEFESA E SOCIEDADE Gen Bda PEDRO SOARES

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Cadeia de Comercialização de Carvão para cidade de Maputo

Cadeia de Comercialização de Carvão para cidade de Maputo Cadeia de Comercialização de Carvão para cidade de Maputo Situação actual e possíveis soluções Nilza Puna, INBAR Maputo, 16 de Junho de 2008 Objectivo: 1. Mapear a cadeia de comercialização de carvão 2.

Leia mais

INFORMATICOS PARECER N2 4/96 RECURSOS DO TRIBUNAL DE CONTAS RELATIVO À GESTÄO DOS. Europeas DO PARLAMENTO EUROPEU. Comunità Europee.

INFORMATICOS PARECER N2 4/96 RECURSOS DO TRIBUNAL DE CONTAS RELATIVO À GESTÄO DOS. Europeas DO PARLAMENTO EUROPEU. Comunità Europee. De Europèiske Fsllesskaber REVISIONSRETTEN Europäische Gemeinschaften RECHNUNGSHOF EupCÔIKXÏKêÇ KOLVÔTVieÇ EAErKTIKO ZYNEAPIO European Communities COURT OF AUDITORS Comunidades Europeas TRIBUNAL DE CUENTAS,NRA7yç

Leia mais

RAPPORT WORKSHOP SUR STATISTIQUE ENVIRONMENTAL GUINE-BISSAU. 1. Situação da Estatística Ambiental na Guiné-Bissau

RAPPORT WORKSHOP SUR STATISTIQUE ENVIRONMENTAL GUINE-BISSAU. 1. Situação da Estatística Ambiental na Guiné-Bissau RAPPORT WORKSHOP SUR STATISTIQUE ENVIRONMENTAL GUINE-BISSAU 1. Situação da Estatística Ambiental na Guiné-Bissau Introdução A conciliação entre Ambiente e Desenvolvimento é cada vez mais imperiosa, por

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

ACADEMIA DE PILOTAGEM

ACADEMIA DE PILOTAGEM ACADEMIA DE PILOTAGEM 1 ACADEMIA DE PILOTAGEM RG A formação da Academia de Pilotagem RG é dirigida a todos os que procuram iniciar e também aos que procuram desenvolver aptidões de pilotagem e de captação

Leia mais

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Pedro Nuno Gomes Venâncio Licenciatura

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES da empresa da pessoa de contacto Data: Detalhes de contacto País: Data de preenchimento: Telefone: Fax: e-mail: Caixa Postal: 1. CONSULTORES Os consultores

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2013 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Uso de Imagens de Satélite e VANT como Ferramenta de Gestão na Cultura da Cana de Açúcar

Uso de Imagens de Satélite e VANT como Ferramenta de Gestão na Cultura da Cana de Açúcar Uso de Imagens de Satélite e VANT como Ferramenta de Gestão na Cultura da Cana de Açúcar Luciano Rosolem Gerente Regional de Vendas luciano.rosolem@geoagri.com.br (65) 9683-9102 Julho de 2015 Necessidade

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS Qualquer tipo de tratamento de imagens deve ser efetuado antes de seu registro, ou seja, com a imagem original. As imagens CBERS aparecem com aspecto

Leia mais

Direcção do Registo Académico

Direcção do Registo Académico 1 Direcção do Registo Académico EDITAL MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES PARA OS NOVOS INGRESSOS ANO LECTIVO DE 2016 1. Introdução A Universidade Eduardo Mondlane (UEM) informa ao público que a matrícula para os

Leia mais

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 7º ANO TRABALHO DE GRUPO HYPERPAISAGENS PROFESSORA: CRISTINA CÂMARA ANO LECTIVO 2002/03 FOTOGRAFIA AÉREA (1 E 2) A Fotografia Aérea é: a) Uma fotografia digital, tirada na vertical

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

IVA - REGIME ESPECIAL DE EXIGIBILIDADE DO IVA DOS SERVI<;OS DE TRANSPORTE RODOVIARIO NACIONAL DE MERCADORIAS

IVA - REGIME ESPECIAL DE EXIGIBILIDADE DO IVA DOS SERVI<;OS DE TRANSPORTE RODOVIARIO NACIONAL DE MERCADORIAS Classifica9i.io: 000.01.09 DIRECCAo DE SERVICOS DO IVA Oficio n.o: 30110 2009-05-15 Processo: F051 2009029 Entrada Geral: N.o Identifica9i.io Fiscal (NIF): 770004407 Sua Ref." Tecnico: Cod. Assunto: F051A

Leia mais

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria guião de exploração dos serviços SIG na web Associação de Municípios da Ria 02 GUIA WEB ÍNDICE Introdução O que é um SIG? 03 O que é SIGRia?

Leia mais

CARTOGRAFIA E CADASTRO Cadastros Temáticos / SIG FICHEIRO VITIVINÍCOLA COMUNITÁRIO

CARTOGRAFIA E CADASTRO Cadastros Temáticos / SIG FICHEIRO VITIVINÍCOLA COMUNITÁRIO Cadastros Temáticos / SIG FICHEIRO VITIVINÍCOLA COMUNITÁRIO DESCRIÇÃO FICHEIRO VITIVINÍCOLA COMUNITÁRIO EM. Regiões do Minho, Trás-os-Montes, Ribatejo, Estremadura e Terras do Sado Cliente: Instituto do

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002)

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002) Tutorial do Sistema GeoOffice Todos os direitos reservados (1999-2002) Sistema GeoOffice Sistema Topográfico Solution Softwares Tutorial Passo a Passo Conteúdo I Tabela de Conteúdos Foreword 0 Parte I

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO NOVO SITE DO CETAC.MEDIA (CENTRO DE ESTUDOS DAS TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO) http:// blogs.ua.pt/cetacmedia (URL temporário) MANUAL DE UTILIZAÇÃO ÍNDICE Apresentação geral do site 3 Menus 3 Post:

Leia mais

Folha de Cálculo TECNOLOGIAS DA T IINF CO RM 1 A 0 ÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC 10

Folha de Cálculo TECNOLOGIAS DA T IINF CO RM 1 A 0 ÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC 10 Folha de CálculoC TECNOLOGIAS DA TIC INFORMAÇÃO 10 E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO À Exemplo Era uma vez um profissional de saúde que tinha 20 doentes de quem recolhia

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE 1 O CEPAGRI (1-3) 2 Criado através do Decreto nº 20/2006 de 29 de Junho como instituição subordinada ao Ministério da Agricultura Criado com objectivo de: Estimular

Leia mais

itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter parceiro dos sectores de cadastro e de florestas do país.

itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter parceiro dos sectores de cadastro e de florestas do país. itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter Caros leitores, Estamos de volta com a 3 a edição do newsletter da itc. Esta e as próximas edições do nosso newsletter, vão partilhar os resultados alcançados

Leia mais

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Para cumprimento do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 51.º e alíneas d). f) e g) do n.º 2

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Tópicos de Estatística Espacial Visualização de Dados

Tópicos de Estatística Espacial Visualização de Dados Tópicos de Estatística Espacial Visualização de Dados Anderson Castro Soares de Oliveira Visualização de Dados Espaciais Visualizar os dados é uma primeira ferramenta descritiva para gerar hipóteses ao

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

VALORIZAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA VULGARIZAÇÃO AGRICOLA: O CASO DE POWER POINT, INTERNET, EMAILS E TELEMOVEIS

VALORIZAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA VULGARIZAÇÃO AGRICOLA: O CASO DE POWER POINT, INTERNET, EMAILS E TELEMOVEIS SEMINARIO SOBRE AS NOVAS FORMAS DE VULGARIZAÇÃO (Iemberem, 24 a 26 de Novembro de 2009) VALORIZAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA VULGARIZAÇÃO AGRICOLA: O CASO DE POWER POINT, INTERNET, EMAILS E

Leia mais

O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO

O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO Marcos Roberto Martines mmartines@ufscar.br 2045 Curso: Geografia Ricardo Vicente Ferreira rcrdvf@gmail.com Curso: Geografia Resumo O uso de imagens de satélites e

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

7/1/14. Conteúdos da Apresentação

7/1/14. Conteúdos da Apresentação Conteúdos da Apresentação República de Moçambique Ministério da Agricultura Ins:tuto do Algodão de Moçambique XII Reunião do SEACF A. Banze IAM Agronomist Maputo, 7-8 de Junho de 04 Piloto de Seguro Agrário

Leia mais

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Introdução Com a atual popularização dos sistemas CAD, ficou muito fácil para usuários de cartografia carregarem um arquivo vetorial, oriundo de

Leia mais

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de:

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: 1) - Imagens de satélite Landsat MSS, TM e ETM+; 2) - Cartas produzidas pela Junta de Investigações do Ultramar (JIU, 1962-1963); mapa de

Leia mais

GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE

GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE Parte 1- Informação geral e elegibilidade dos custos Parte 2 Opção dos custos simplificados Parte

Leia mais

28 de Agosto de 2002. Destaques

28 de Agosto de 2002. Destaques Famine Early Warning Systems Network 28 de Agosto de 2002 Destaques Uma avaliação rápida de necessidades alimentares foi levada a cabo de 22 de Julho a 11 de Agosto de 2002 por equipas do PMA, FEWS NET,

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Introdução Equipamentos de entrada de dados são dispositivos que convertem dados analógicos e mapas impressos no papel em mídia m eletrônica ou digital para serem

Leia mais

A perspectiva bilateral de coordenação/mobiliza. o/mobilização o dos intervenientes externos. Ferruccio Vio

A perspectiva bilateral de coordenação/mobiliza. o/mobilização o dos intervenientes externos. Ferruccio Vio A perspectiva bilateral de coordenação/mobiliza o/mobilização o dos intervenientes externos Ferruccio Vio Estudo de caso: Moçambique 1 Moçambique ambique: Apoio dos doadores e Recursos Humanos Diferentes

Leia mais

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003 L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia DECISÃO N. o 190 de 18 de Junho de 2003 relativa às características técnicas do cartão europeu de seguro de doença (Texto relevante para efeitos do EEE e do

Leia mais

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Pág.: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO A fotogrametria é um método de levantamento baseado na observação do mesmo objecto de dois ou três ângulos diferentes, possibilitando a reconstituição de uma imagem espacial a

Leia mais

ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0

ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 Código Descrição 1830-0/03-00 REPRODUCAO DE SOFTWARE EM QUALQUER SUPORTE 6190-6/01-00 PROVEDORES DE ACESSO AS REDES

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT

Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais -INPE Centro Regional do Nordeste CRN (II Simpósio de C&T de Natal) Manoel Jozeane Mafra de Carvalho Localizando o CRN

Leia mais

Cursos Profissionais. Prova de Aptidão Profissional

Cursos Profissionais. Prova de Aptidão Profissional Escola Secundária de S. João do Estoril Cursos Profissionais Normas para a apresentação do relatório Professora Orientadora: Apresentação As normas que se apresentam têm por objectivo uniformizar a apresentação

Leia mais

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s REPUBLICA DEMOCRÁTICA WÍ DE SÃO TOME E PRÍNCIPE ( U nidade'disciplina-trabalho) GOVE RN O DECRETO-LEl N.' 029/2014 No âmbito do p roje cto de "Ap o io ao Desenvolvimento urbano em São Tomé e Príncìpe",

Leia mais

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Processo Nº / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

Internacionalização de PME. Mercado de MOÇAMBIQUE

Internacionalização de PME. Mercado de MOÇAMBIQUE Internacionalização de PME Mercado de MOÇAMBIQUE 12 de Junho de 2013 Mercado de MOÇAMBIQUE ÍNDICE Índice Introdução MOÇAMBIQUE Sociedades Comerciais e Representações Comerciais Estrangeiras Lei de Investimentos

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

sigtedmss Edition versão 2.70

sigtedmss Edition versão 2.70 sigtedmss Edition versão 2.70 Integração MSS com ERP Primavera Abril 2012 15 Novembro 2010 v.1.2 sigted MSS Edition O sigted MSS Edition é a solução para integração entre o MSS e o ERP Primavera, disponibilizando

Leia mais

Aqui u sição ã d e e ima m g a en e s n de sat a él é ite Suely Franco S. Lima

Aqui u sição ã d e e ima m g a en e s n de sat a él é ite Suely Franco S. Lima Aquisição de imagens de satélite Suely Franco S. Lima http://www.dsr.inpe.br/vcsr http://www.dsr.inpe.br/vcsr/ /apresentacoes.html apresentacoes.html Formatos JPEG e TIF Dois formatos mais comuns: JPEG

Leia mais

CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR

CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR Índice Noções Básicas 3 Workflow 4 Permissões 5 Acessos 5 Layout 5 Autenticação 6 Homepage 8 Contactos 8 Upload 11 Relatórios 15 Verbatins 18 Utilizadores

Leia mais