FOTOGRAFIA DIGITAL EM ORTODONTIA PARTE I - CONCEITOS BÁSICOS DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART I - BASIC CONCEPTS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOTOGRAFIA DIGITAL EM ORTODONTIA PARTE I - CONCEITOS BÁSICOS DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART I - BASIC CONCEPTS"

Transcrição

1 FOTOGRAFIA DIGITAL EM ORTODONTIA PARTE I - CONCEITOS BÁSICOS DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART I - BASIC CONCEPTS André Wilson MACHADO* Eugênio Batista LEITE** Bernardo Quiroga SOUKI*** *Mestrando em Ortodontia pelo COP - PUC/MG Av. Dom José Gaspar, 500, prédio 46, Coração Eucarístico, BH/MG Tel: (31) **Prof. da Disciplina de Fotografia do Mestrado em Ortodontia do COP - PUC/MG Rua Itutinga, 20, apto B, Minas Brasil, BH/MG Tel: (31) ***Prof. do Curso de Mestrado em Ortodontia do COP - PUC/MG Rua Sebastião Fabiano Dias, 210, sala 1307, Belvedere, BH/MG Tel: (31)

2 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 2 A importância da Fotografia em Ortodontia é indiscutível. Além de ser indispensável na documentação inicial, auxilia no diagnóstico e plano de tratamento. Embora a maioria dos ortodontistas tenha conhecimentos básicos sobre Fotografia, quando esta se torna digital o assunto passa a ser complexo, principalmente pela necessidade de se ter conhecimentos elementares sobre informática. O objetivo dessa série de artigos é ser uma porta de entrada para o mundo digital em Ortodontia. Este tema será abordado em quatro artigos. No primeiro, serão apresentados alguns dos principais conceitos básicos relacionados à fotografia digital para capacitar o leitor a entender a terminologia utilizada nessa área, bem como os artigos subseqüentes. Em seguida, será realizada uma comparação entre o sistema digital e o analógico tradicional, demonstrando assim as vantagens e desvantagens de ambos. No terceiro, serão abordados os critérios que devem ser avaliados antes da seleção e compra de um equipamento digital. Por último, serão sugeridos alguns equipamentos e os ajustes que devem ser realizados, para a aquisição de fotografias clínicas em Ortodontia com excelência. Palavras-chave: Fotografia em Ortodontia, Fotografia Digital, Câmera Digital.

3 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 3 INTRODUÇÂO A Fotografia é uma área de fundamental importância em Ortodontia. Este é um recurso indispensável para a documentação ortodôntica inicial, para a elaboração do diagnóstico e do planejamento do caso, além de ser uma excelente ferramenta para auxiliar na comunicação entre profissionais, bem como com os pacientes. Além disso, as fotografias podem servir para publicações científicas, conferências e cursos, levando informações a um grande número de profissionais com riqueza de detalhes (HUTCHINSON et al., 1999; TREVISAN et al., 2003). E por fim, do ponto de vista legal, as fotografias têm grande valor, pois constituem provas materiais das condições bucais dos pacientes (HUTCHINSON & WILLIAMS, 1999; ZAMPIERE, 2003). Atualmente, é impossível falar de fotografia sem se enveredar pela captura digital de imagens. O assunto é amplo, complexo e necessita de um conhecimento específico sobre tecnologia digital e informática. Este tema é relativamente novo para a Odontologia e a literatura, além de escassa, retrata temas específicos como: opiniões pessoais (CAMPBELL, 1997; HOELTZEL, 1997; NIAMTU, 1997), comparação entre câmeras digitais (DOLDO et al., 1999), adaptação em câmera digital com finalidade ortodôntica (TREVISAN et al., 2003), arquivo digital (REDMOND et al., 2000; SANDLER et al., 2002), manipulação de imagens (HALAZONETIS et al., 2000; SANDLER & MURRAY, 2002), legalidade das fotografias digitais (MODAFFORE & CALVIELLI, 2003; PEREIRA, 2003; ZAMPIERE, 2003) e sugestões de equipamentos (SCHOLZ, 1998; COIMBRA & LOMHEIM, 1999; HUTCHINSON & WILLIAMS, 1999; SANDLER & MURRAY, 2001). Como a utilização do sistema digital por ortodontistas e estudantes de pós-graduação cresce a cada dia, tem-se a intenção de levar informações básicas sobre a fotografia digital, permitindo às pessoas a aquisição de um equipamento que

4 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 4 seja compatível com a sua expectativa profissional. Serão apresentados quatro artigos. Neste, serão abordados alguns dos principais conceitos básicos relacionados à fotografia digital. No segundo, será realizada uma comparação entre o sistema digital e o analógico tradicional, demonstrando assim as vantagens e desvantagens de ambos. No terceiro, serão abordados alguns critérios que devem ser avaliados antes da seleção e compra de um equipamento digital. E por último, serão sugeridos alguns equipamentos e os ajustes que devem ser realizados, para a aquisição de fotografias clínicas em Ortodontia com excelência. A IMAGEM DIGITAL A fotografia digital foi inicialmente utilizada pelos Estados Unidos e Rússia na Guerra Fria (1960 à 1970), para registrar imagens do território inimigo em discos rígidos e posteriormente em Compact Disks (CDS) e Digital Video Disks (DVDS) (FOTOGRAFE MELHOR, 2003b; RAMALHO, 2003). A imagem digital nada mais é do que uma série de dígitos binários (0 e 1) (FOTOGRAFE MELHOR, 2003b). Ou seja, o que a câmera captura é uma longa seqüência destes dois números que, então, se transformam em quadrinhos minúsculos (FOTOGRAFE MELHOR, 2003b). Cada quadrinho, denominado pixel, representa uma intensidade de luz e de cor que todos estes, em conjunto, irão formar a imagem digital. De acordo com SILVER (2003), as imagens digitais podem ser produzidas por diversos aparelhos, incluindo câmeras de vídeo e fotográficas digitais, scanners, aparelhos de raios-x, microscópios eletrônicos, aparelhos de ultra-som e radares. Dessa forma, devese diferenciar a terminologia imagem digital de fotografia digital. Esta última é somente um tipo de imagem digital que é adquirida com o uso de câmeras fotográficas digitais.

5 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 5 PIXEL (PICTURE X ELEMENT) A palavra pixel é a contração de picture X element (em português seria pix para pintura ou imagem e el para elemento). Como foi descrito anteriormente, pixel é um ponto virtual de luz e de cor, que em conjunto forma a imagem digital (BRANCO & AZZI, 2002; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). A resolução (qualidade) da imagem obtida pela câmera é diretamente proporcional a quantidade de pixel. Ou seja, quanto maior a quantidade de pixel (quantidade de pontos na imagem), maior a definição dos detalhes da imagem (FIORELLI et al., 1998; HUTCHINSON et al., 1999; HUTCHINSON & WILLIAMS, 1999; SANDLER et al., 2002; FITTIPALDI, 2003; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). Para visualizar como a imagem é formada por pixels, basta dar um zoom (ou seja, aproximar a imagem) em qualquer imagem no computador (ABELSON, 1999; COIMBRA & LOMHEIM, 1999). Feito isso, será observado que a imagem é formada por pequenos pontos (pixels) que têm um aspecto de vários quadrados. Isto ocorre devido ao próprio formato retangular do pixel (FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). Este fenômeno é chamado de pixelização (Figura 1). Mais uma vez, quanto mais pixels tiver a imagem, ou seja, quanto maior a resolução, menor as chances de aparecer a pixelização, que retrata a péssima qualidade da imagem (FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). Mas é preciso ter em mente que, quanto maior a quantidade de pixel, e assim uma imagem com melhor resolução, maior será o tamanho do arquivo (em bytes) a ser salvo na câmera, no seu cartão de memória ou no computador (COIMBRA & LOMHEIM, 1999; FITTIPALDI, 2003). Ao tirar uma fotografia com uma câmera digital, esta não informa a quantidade exata de pixels da imagem. Por exemplo, se possui 1, 2, 3, 4, 5 ou mais megapixels (1 megapixel equivale a um milhão de pixels). A câmara digital informa o número de pixels na horizontal e

6 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 6 na vertical (FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). Para se obter a quantidade total de pixels da imagem basta multiplicar a horizontal pela vertical (Figura 2) (SWARTZ, 2000; FITTIPALDI, 2003; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a; RAMALHO, 2003). PPI (PIXELS PER INCH) e DPI (DOTS PER INCH) FIGURA 2 Toda imagem, quando capturada digitalmente, é formada por ppi (ou pixels per inch, que quer dizer pixels por polegada). Quando impressa passa a ser definida por dpi (dots per inch, ou pontos por polegada), que deixa de ser virtual e passa a ser físico, como qualquer impressão. Portanto, é correto dizer que tal imagem foi impressa em dpi. Mas se estiver na tela de um computador, deve ser definida como ppi. Embora estes dois termos sejam teoricamente diferentes, na prática são utilizados com o mesmo objetivo (ABELSON, 1999). Quanto maior a resolução da câmera, maior a sua capacidade de capturar pixels por polegada. Como o padrão é 72 ppi (resolução de tela de computador que é erroneamente chamada de dpi), uma câmera com maior resolução produz uma imagem gigantesca em 72 ppi. Quando convertida para qualquer programa de edição de imagens para impressão em 300 dpi (padrão de revista) essa imagem diminui drasticamente (FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). Portanto, toda câmera digital captura imagens em 72 ppi, pois a maioria das imagens geradas serão visualizadas em telas de computadores. As que têm maior resolução produzem imagens maiores e as que têm menos, menores. Dependendo do padrão de conversão para impressão, essa imagem terá um tamanho limite para ser impressa com qualidade. Por exemplo, para ser impressa em jornal é 150 dpi e em revista é 300 dpi (ABELSON, 1999; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). Por outro lado, a resolução utilizada por imagens na Internet pode ser de baixa qualidade, algo em torno de 72 dpi (B & H, 2003; BOCK, 2003). FIGURA 1

7 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos Portanto, o número de megapixels de uma câmera não tem relação direta com quantos dpi tem a imagem, pois esta será capturada em 72 ppi. O que importa é o tamanho da imagem que, quando convertida para determinado dpi, gerará uma impressão de qualidade. Assim, o número de megapixels da câmera é que determina qual o tamanho máximo que a imagem pode ser ampliada em papel com qualidade fotográfica (FOTOGRAFE MELHOR, 2003b) (Quadro 1). Por exemplo, uma câmera de 4 Megapixels, consegue uma imagem com qualidade fotográfica até o tamanho máximo de 13 x 18 cm. Isso quer dizer que a imagem capturada com x pixels (padrão de câmeras de 4 Megapixels) terá de um tamanho muito maior que 13 x 18 cm em 72 ppi. Mas quando convertida para 300 dpi, sua qualidade se adequará aos 300 pontos por polegada, o que faz com que o tamanho diminua para se obter qualidade. O processo é o mesmo na fotografia tradicional. Qualquer foto se ampliada além do tamanho que um filme suporta revelará pontos de cor. Quanto maior a ampliação, maior os pontos e menor a qualidade da imagem. De acordo com ABELSON (2000b), o termo qualidade fotográfica pode ser definido como uma imagem com qualidade equivalente àquelas produzidas e processadas por filmes fotográficos convencionais. O importante é ter em mente que o padrão para proporcionar impressões com tal qualidade é a resolução de 300 dpi (ABELSON, 1999; ABELSON, 2000b; RITTO, 2002; FOTOGRAFE MELHOR 2003a). Tamanho 10x15 13x18 20x25 1Mp (1.280 x 960) Excelente Boa Ruim 2Mp (1.600 x 1.200) Qualid. Fotográfica Excelente Boa 3Mp (2.048 x 1.536) Qualid. Fotográfica Qualid. Fotográfica 4Mp (2.240 x 1.680) Qualid. Fotográfica Qualid. Fotográfica Muito Boa Excelente 5Mp (2.560 x 1.920) Qualid. Fotográfica Qualid. Fotográfica Qualid. Fotográfica QUADRO 1 - Resolução e tamanho de impressão de fotos 7

8 CCD (CHARGE COUPLED DEVICE) Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 8 Este é um componente de fundamental importância para a câmera digital, pois é o dispositivo encarregado pela captura da imagem (FOTOGRAFE MELHOR, 2003b). O CCD (ou chip) captura os impulsos luminosos e os convertem em impulsos elétricos que posteriormente serão convertidos na imagem (Figura 3) (BOCK, 2001; BRANCO & AZZI, 2002; ASKEY, 2003a; FITTIPALDI, 2003; FOTOGRAFE MELHOR, 2003b). Em outras palavras, o CCD gera os pixels. Por isso, quanto maior a capacidade do CCD da câmera, maior quantidade de pixels por esta será capturada, gerando imagens muito mais ricas em detalhes e com cores mais fiéis. Porém, este chip captura apenas a intensidade da luz, gerando imagens monocromáticas, (ou seja, cada pixel com um único tom de cinza) e por isso, necessita de um sistema de filtros nas cores básicas vermelho, verde e azul (de onde vem à terminologia RGB, do inglês red, green and blue) para proporcionar cor à imagem final (ASKEY, 2003a; FOTOGRAFE MELHOR, 2003b). A tecnologia dos CCDs, assim como todos os componentes da câmera digital, estão em constante evolução. A Fujifilm desenvolveu o Super CCD que se caracteriza pela criação de pixels artificiais na imagem para aumentar a sua resolução final (FOTOGRAFE MELHOR 2003a). E mais recentemente, foi lançado um novo CCD, pela Foveon X3 Technology, que já captura a imagem com as três cores, ou seja, cada pixel possui três cores. Este novo sistema promete revolucionar ainda mais o mundo da Fotografia Digital. FIGURA 3 MONITOR ou LCD (LIQUID CRYSTAL DISPLAY) É a tela de cristal líquido (Figura 4), parecida com aquelas utilizadas por telefones celulares, que serve para visualizar a cena a ser fotografada (BRANCO & AZZI, 2002; ASKEY, 2003b; FITTIPALDI, 2003; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a) (diferente do pequeno

9 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 9 visor óptico utilizado pelas câmeras analógicas), observar o resultado imediato (FIORELLI et al., 1998; SANDLER & MURRAY, 2001; BRANCO & AZZI, 2002; SANDLER et al., 2002; SANDLER & MURRAY, 2002; TREVISAN et al., 2003), alterar as configurações da câmera e ainda serve para realizar vídeos digitais (ASKEY, 2003b). FIGURA 4 ZOOM ÓPTICO E DIGITAL O zoom óptico é a ampliação da imagem produzida através da alteração da distância focal da objetiva (conjunto de lentes) da câmera (FIORELLI et al., 1998; ABELSON, 1999; ASKEY, 2003c; FITTIPALDI, 2003; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). Com este tipo de recurso, a fotografia pode ser registrada com a máxima resolução do CCD sem alterar a qualidade final da imagem (ABELSON, 1999; ASKEY, 2003c; B & H, 2003). O zoom digital recorta uma parte central da imagem e a amplia por um processo (interpolação) que preenche os espaços entre os pontos (pixels) da imagem, gerando outros pontos (pixels) de forma artificial (Figura 5). O grande problema deste recurso é que diminui sensivelmente a qualidade final da imagem, não reproduzindo de forma fiel pequenos detalhes e informações (ABELSON, 1999; ASKEY, 2003c; B & H, 2003; FITTIPALDI, 2003; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). Ao optar pela compra de uma câmera digital, deve-se optar pelo zoom óptico da câmera. Além disso, é necessário senso crítico no momento da compra. Muitas vezes, algumas empresas costumam estampar nas embalagens dos produtos e em anúncios a quantidade total de zoom da câmera, e não o zoom óptico. Por exemplo, informam que a câmera possui 21x zoom, e que na verdade esta só possui 3x de zoom óptico associado a 7x de zoom digital. FIGURA 5 - A FIGURA 5 - B

10 FORMATOS DE ARQUIVOS Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 10 O formato de arquivo é a forma como a imagem será armazenada na câmera (ou no cartão de memória) e posteriormente transferida para o computador. Existem inúmeros formatos, porém os mais utilizados são o GIF, o JPEG e o TIFF (ABELSON, 1999; BRANCO & AZZI, 2002). GIF (Graphic Interface) - Formato com apenas 256 cores, utilizado em páginas da Internet e pequenas imagens animadas (BRANCO & AZZI, 2002; COSOI, 2002; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). JPEG (Joint Photographic Experts Group) - Este é o formato mais popular e amplamente utilizado pelas câmeras digitais. A grande desvantagem desse formato é que a qualidade final da imagem é diminuída através de sua compressão. Em alguns casos, esta perda é progressiva, pois, sempre que este tipo de arquivo é alterado em qualquer programa de edição de imagens, este é submetido a um grau de compressão. Por outro lado, este tipo de formato é o mais rápido e fácil de trabalhar nos diversos programas de edição de imagens, além de ocupar pouco espaço (em bytes * ) no cartão de memória (explicado posteriormente) e no disco rígido do computador (BRANCO & AZZI, 2002; COSOI, 2002; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). TIFF (Tagged Image File Format) - Formato utilizado para salvar imagens com a mínima perda de qualidade (ABELSON, 1999; BRANCO & AZZI, 2002; COSOI, 2002; FOTOGRAFE MELHOR, 2003). A grande desvantagem é que ocupa muito espaço nos cartões de memória e no disco rígido do computador (BRANCO & AZZI, 2002; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). * A informação digital é armazenada em um código binário. A menor unidade desse código é representado por um bit, que pode ser o número 0 ou 1. Byte é a unidade de medida utilizada para mensurar o tamanho de arquivos e cada byte é composto por 8 bits. 1 Kilobyte (KB) equivale a bytes. 1 Megabyte (MB) representa KB e 1 Gigabyte (GB) possui MB.

11 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 11 O formato de escolha vai estar diretamente relacionado com a finalidade da fotografia. Devido a sua facilidade de uso e a melhor relação qualidade - tamanho de arquivo, o formato JPEG é mais comumente utilizado, e este deve ser o de escolha em Odontologia. Segundo ASKEY (2003e), a ampla utilização desse tipo de formato está relacionado com a sua capacidade de reduzir o tamanho do arquivo de uma fotografia, de 8 a 10 vezes, sem nenhum tipo de perda da qualidade final da imagem que possa ser detectada pelo olho humano a uma distância normal. Por exemplo, uma fotografia com 3 Megapixels, que no formato JPEG possui 1,5 MB será dificilmente diferenciada da mesma fotografia no formato TIFF que ocupa 9.2 MB. Em alguns casos, porém, como a fotografia com finalidade de pesquisa científica, para a edição de painéis (posters ou banners), ou quando o fator qualidade é primordial, pode-se optar pelo formato TIFF. O formato GIFF deve ser descartado para fotografias clínicas devido a sua baixa qualidade. CARTÃO DE MEMÓRIA De acordo com ASKEY (2003d), o cartão de memória de uma câmera digital é o seu filme fotográfico (Figura 6). Consiste de um componente removível que armazena todas as imagens e vídeos digitais registrados pela câmera (ASKEY, 2003d; FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). A grande vantagem deste recurso é a possibilidade de reutilizá-lo, ou seja, após tirar várias fotografias, pode-se simplesmente apagá-las e voltar a registrar imagens novamente (HUTCHINSON et al., 1999). FIGURA 6 Os principais cartões utilizados são os seguintes: PCMCIA PC Card, Compact Flash I e II, Smart Media, Memory Stick, Multimedia Card e Secure Digital. (ASKEY, 2003d, FOTOGRAFE MELHOR, 2003a, RAMALHO, 2003).

12 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 12 O tipo de cartão utilizado não afeta a qualidade da fotografia. As diferenças básicas entre estes são: tamanho, peso, compatibilidade com o sistema digital utilizado, capacidade de armazenamento e o custo. Para acompanhar a evolução das câmeras, os cartões de memória não param de aumentar de capacidade e diminuir de tamanho (FOTOGRAFE MELHOR, 2003b). A capacidade de armazenamento dos cartões é expressa em Megabytes (MB). Atualmente, a capacidade dos cartões de memória variam de 8, 16, 32, 64, 128, 256, 512 MB, podendo chegar até 5 GB (5.000 MB) e a tendência é aumentar mais ainda. O importante é ter o conhecimento que quanto mais Megabytes tiver o cartão maior será a quantidade e a qualidade das fotografias por este armazenada. TRANSFERÊNCIA DE IMAGENS (DOWNLOAD) É a forma como as imagens são transferidas da câmera para o computador. Equipamentos antigos utilizavam a porta serial - RS232 - (mesma utilizada por algumas impressoras mais antigas) para realizar o download das imagens. Esta era sem dúvida uma das principais desvantagens do sistema digital devido à lenta taxa de transferência (ABELSON, 1999). Atualmente, a grande maioria das câmeras digitais possui conexão USB (Universal Serial Bus) com o computador, que é significativamente mais rápida do que a antiga porta serial (ABELSON, 1999). A transferência das imagens pode ser realizada conectando a própria câmera com o computador através de um cabo USB. Outra forma é através de um leitor de cartão. Este é um dispositivo que permite a leitura de um ou mais cartões de memória e a transferência de seu conteúdo para o computador (FITTIPALDI, 2003, FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). A grande vantagem deste último recurso é que não é necessária a câmera para a transferência das imagens para o micro (ABELSON, 2000a).

13 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 13 Foi lançado no mercado, recentemente, uma nova forma de conexão da câmera com o computador: a porta Firewire (IEEE 1394). Esta se encontra um passo à frente da USB, devido à maior velocidade de transferência (FOTOGRAFE MELHOR, 2003a). É importante lembrar que, como foi descrito anteriormente, quanto maior a resolução da imagem (em Megapixel), mais espaço na memória esta irá ocupar. Como conseqüência, a taxa de transferência para o computador também será mais lenta. Como exemplo, podemos citar as imagens no formato TIFF, que como a resolução é alta, irá ocupar mais espaço no cartão de memória e a sua taxa de transferência para o micro será mais lenta. CONSIDERAÇÕES FINAIS A história das câmeras digitais é semelhante à dos computadores, videocassetes e DVDs. Inicialmente o preço era altíssimo e poucas pessoas faziam uso. Como o mundo digital está em constante evolução e o acesso cada vez mais universalizado, o custo desses equipamentos foi caindo gradualmente e atualmente já faz parte do cotidiano de milhões de pessoas. A utilização do sistema digital em Odontologia e, especificamente em Ortodontia, tem sido assunto de grande interesse nos últimos anos. Entretanto, antes de adquirir um equipamento digital e abandonar o analógico convencional, o leitor deve se familiarizar com a terminologia utilizada que é ampla, complexa e pouco conhecida. Espera-se que este artigo possa contribuir na familiarização dos principais conceitos básicos da linguagem utilizada pelo mundo digital, permitindo, juntamente com os próximos artigos, a serem publicados, a escolha mais acertada de um equipamento digital para a obtenção de fotografias clínicas em Ortodontia com excelência.

14 Abstract: Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 14 The importance of Photography in Orthodontics is unquestionable. They not only are an essential part of clinical documentation but also are an important tool to improve the diagnosis and treatment planning. Although the majority of orthodontists have some knowledge regarding general photography, when it becomes digital, the issue becomes confusing and complex. The aim of this sequence of articles is to introduce the digital world to the clinician. This issue will be discussed in four papers. The intent of the first paper is to provide a review of the basic concepts regarding the digital photography to enable the reader to understand the terminology used in this new field and understand the further articles. In a second article, it will be performed a comparison between the traditional analogical and the new digital system addressing the advantages and drawbacks of both systems. In the third article, we will describe the criteria that should be assessed before the selection and purchase of a digital photography equipment for the orthodontists need. At last, we will suggest a list of different digital cameras and the proper adjustments, in order to obtain pictures with excellence in Orthodontics standards. Keywords: Photography in Orthodontics, Digital Photography, Digital Camera.

15 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABELSON, M. N. Digital Imaging Update. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 116, n. 5, p , Nov ABELSON, M. N. Parameters for digital imaging. Part 1. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 118, n. 5, p , Nov. 2000a. ABELSON, M. N. Parameters for digital imaging. Part 2. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 118, n. 6, p , Dec. 2000b. ASKEY, P. Learn: Glossary: Camera System: Sensor (CCD/CMOS). Disponível em : <http://www.dpreview.com/learn/glossary/camera_ System/Sensor_01.htm>. Acesso em 21 fev. 2003a. ASKEY, P. Learn: Glossary: Camera System: LCD. Disponível em : < Acesso em 21 fev. 2003b. ASKEY, P. Learn: Glossary: Digital Imaging: Digital Zoom. Disponível em:< zoom_01.htm>. Acesso em 21 fev. 2003c. ASKEY, P. Learn:Glossary:Camera System: Storage Card. Disponível em:< /Storage _Card_01.htm>. Acesso em 13 mar. 2003d. ASKEY, P. Learn:Glossary:Camera System: Storage Card. Acesso em 25 abr. 2003e. Disponível em:< B & H. Photo Vídeo Pro Áudio. The Digital Photography SourceBook, New York, 2ª ed BOCK, M. Filme X Digital. Fotografe Melhor, São Paulo, n. 58, p , BOCK, M. Laboratórios Digitais. Guia Prático Digital, Fotografe Melhor, São Paulo, ano 7, n. 3, p , BRANCO, S.; AZZI, T. Entrada para o mundo das digitais. Fotografe Melhor, São Paulo, n. 65, p , BUENO, M. R. Recursos de informática aplicados ao ensino e à pesquisa. In: ESTRELA, C. Metodologia Científica: ensino e pesquisa em odontologia, 1. ed. São Paulo: Artes Médicas, 2001, Cap. 17. p CAMPBELL, M. A. Digital Imaging: Ortho Bytes Readers Comment. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 112, n. 5, p , Nov

16 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 16 COIMBRA, O; LOMHEIM, C. Digital imaging and orthodontics. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 115, n. 1, p , Jan COSOI, P. E. Fotografía digital: (I) Archivo de Imágenes. Rev. Chil. Pediatr, Santiago, v. 73, n. 4, p , Jul DOLDO, T.; FIORELLI, G.; PATANÈ, B. A Comparison of Three Digital Cameras for Intraoral Photography. J Clin Orthod, Boulder, v. XXXIII, n. 10, p , Oct FIORELLI, G.; PUPILLI, E.; PATANE, B. Digital Phtotography in the Orthodontic Practice. J Clin Orthod, Boulder, v. XXXII, n. 11, p , Nov FITTIPALDI, M. Por dentro da câmera digital. Guia Prático Digital, Fotografe Melhor, São Paulo, ano 7, n. 3, p , FOTOGRAFE MELHOR. Guia Prático Digital, Glossário, São Paulo, n. 3, p , 2003a. FOTOGRAFE MELHOR. Guia Prático Digital, Um mundo em evolução, São Paulo, 2003, n. 3, p , 2003b. HALAZONETIS, D. J.; ABELSON, M. N. Digital image processing: How to retouch your clinical photographs. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 118, n. 4, p , Oct HUTCHINSON, I.; IRELAND A. J.; STEPHENS, C. D. Digital Cameras and Orthodontics: An Overview. Dent Update, Guildford, v. 26, p , May HUTCHINSON, I.; WILLIAMS, P. Digital Cameras. Br J Orthod, Oxford, v. 26, n. 4, p , Dec HOELTZEL, G. R. Digital Imaging: Ortho Bytes Readers Comment. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 112, n. 5, p , Nov MODAFFORE, P. M.; CALVIELLI, I. T. P. A validade dos arquivos digitais como meio de prova processual. Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent., São Paulo, v. 57, n. 1, p , jan/fev NIAMTU, J., 3rd. Digital Imaging: Ortho Bytes Readers Comment. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 112, n. 5, p , Nov PEREIRA, C. B. Arquivos digitais autenticados são legais. Informática: Jornal da APCD, São Paulo, fev RAMALHO, J. Informática: Foto Digital, Estado de Minas, Belo Horizonte, 13 fev. 2003, p. 1-5.

17 Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 17 REDMOND, W. R.; REDMOND, W. J.; REDMOND, M. J. Clinical implications of digital orthodontics. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 117, n. 2, p , Feb RITTO, A. K. Imaging in Orthodontics: Present and Future. J Clin Orthod, Boulder, v. XXXVI, n. 11, p , Nov SANDLER, J.; MURRAY, A. Digital Photography in Orthodontics. J Orthod, Oxford, v. 28, p , Sept SANDLER, J.; MURRAY, A.; BEARN, D.; Digital Records in Orthodontics. Dent Update, Guildford, v. 29, p , Jan/Feb SANDLER, J.; MURRAY, A. Manipulation of digital photographs. J Orthod, Oxford, v. 29, p , Sept SCHOLZ, R. P. Considerations in selecting a digital camera for orthodontic records. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 114, n. 5, p , Nov SILVER, B. An introduction to digital image processing. Cognex Corporation, Modular Vision Systems Division. Disponível em: < https://www.machinevisiononline.org/public /articles/cognex1.pdf>. Acesso em 25 mar SWARTZ, M. L. Managing digital images. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 118, n. 3, p , Sept TREVISAN, F. et al. Adaptações em Câmera Digital Compacta para Obtenção de Fotografias Intrabucais. R Clin Ortodon Dental Press, Maringá, v. 1, n.6, p.81-86, dez. 2002/jan ZAMPIERE, F.S.R. Legalidade das fotos digitais. Arquivos digitais: legalidade Brasil.Disponível em: <http://www.cleber.com.br/felici.html>. Acesso em 22 mar 2003.

18 LEGENDAS Fotografia Digital em Ortodontia - Parte I - Conceitos Básicos 18 FIGURA 1 - Efeito visual que consiste na distinção dos pixels de uma imagem com baixa resolução, conhecido como pixelização. Esta característica também pode ser visualizada quando aproximamos (zoom) uma determinada imagem na tela do computador. FIGURA 2 - Esquema demonstrando como a câmera informa a quantidade de pixels existente em uma determinada imagem. Para descobrir a quantidade total de pixels na imagem, multiplica-se a quantidade horizontal pela vertical e obtêm-se o resultado. FIGURA 3 - O CCD converte a energia luminosa em impulsos elétricos (pixels). Após passar por um filtro de cor (RGB), é formada a imagem digital. FIGURA 4 - Visor de cristal líquido (LCD) localizado na parte posterior de uma câmera fotográfica digital. FIGURA 5 - A. O zoom digital seleciona uma parte central da imagem e aproxima através de um sistema que cria novos pixels artificialmente. B. Aproximação obtida através deste recurso, que pode alterar pequenos detalhes na qualidade final da imagem. FIGURA 6 - Cartão de memória SmartMedia localizado em um compartimento lateral de uma câmera fotográfica digital. QUADRO 1 - Relação entre o número de megapixels da foto e sua máxima ampliação em papel com qualidade fotográfica (Adaptado de: FOTOGRAFE MELHOR, 2003b).

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART IV - EQUIPMENT SUGGESTION

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART IV - EQUIPMENT SUGGESTION FOTOGRAFIA DIGITAL EM ORTODONTIA PARTE IV - SUGESTÃO DE EQUIPAMENTO DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART IV - EQUIPMENT SUGGESTION André Wilson MACHADO* Eugênio Batista LEITE** Bernardo Quiroga SOUKI***

Leia mais

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART III - THE DIGITAL EQUIPMENT

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART III - THE DIGITAL EQUIPMENT FOTOGRAFIA DIGITAL EM ORTODONTIA PARTE III - O EQUIPAMENTO DIGITAL DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART III - THE DIGITAL EQUIPMENT André Wilson MACHADO* Eugênio Batista LEITE** Bernardo Quiroga SOUKI***

Leia mais

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART II - DIGITAL SYSTEM X ANALOGIC SYSTEM

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART II - DIGITAL SYSTEM X ANALOGIC SYSTEM FOTOGRAFIA DIGITAL EM ORTODONTIA PARTE II - SISTEMA DIGITAL X SISTEMA ANALÓGICO DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART II - DIGITAL SYSTEM X ANALOGIC SYSTEM André Wilson MACHADO* Eugênio Batista LEITE**

Leia mais

Simplificando a obtenção e a utilização de imagens digitais - scanners e câmeras digitais

Simplificando a obtenção e a utilização de imagens digitais - scanners e câmeras digitais T Ó P I C O E S P E C I A L Simplificando a obtenção e a utilização de imagens digitais - scanners e câmeras digitais André Wilson MACHADO*, Bernardo Quiroga SOUKI** Resumo Um dos grandes benefícios que

Leia mais

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS:

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: EXISTEM TRÊS TIPOS DE SENSORES UTILIZADOS NAS CÂMARAS DIGITAIS: CCD - Charge Coupled Device CMOS - Complimentary

Leia mais

Como escolher a melhor câmera digital

Como escolher a melhor câmera digital Como escolher a melhor câmera digital Entre outros equipamentos a utilização de uma câmera digital tornou-se fundamental e estratégica para o corretor de imóveis. Os modelos de câmeras digitais estão cada

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Fotografia Digital em Ortodontia Parte II: Sistema Digital X Sistema Analógico

Fotografia Digital em Ortodontia Parte II: Sistema Digital X Sistema Analógico TRABALHO DE PESQUISA Fotografia Digital em Ortodontia Parte II: Sistema Digital X Sistema Analógico Digital Photography in Orthodontics Part II: Digital System X Analogic System André Wilson Machado* Eugênio

Leia mais

Fotografia digital x analógica: a diferença na qualidade é perceptível?

Fotografia digital x analógica: a diferença na qualidade é perceptível? A r t i g o I n é d i t o Fotografia digital x analógica: a diferença na qualidade é perceptível? André Wilson Machado*, Dauro Douglas Oliveira**, Eugênio Batista Leite***, Ângela Maria Quintão Lana****

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

Disciplina de Telemedicina Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo http://www.saudetotal.com/prevencao

Disciplina de Telemedicina Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo http://www.saudetotal.com/prevencao TREINAMENTO DE TELE-TRIAGEM DERMATOLÓGICA Disciplina de Telemedicina Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo http://www.saudetotal.com/prevencao SAÚDE DA PELE 1) Fotoproteção O uso do protetor

Leia mais

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica Diferenças entre Mídia Impressa e Eletrônica Resolução Web >> 72dpi Impressão >> 300dpi Padrão de cores Web >> RGB Impressão >> CMYK Tipos de Arquivos Web >> GIF / JPEG Impressão >> TIF / EPS Tamanho dos

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica A natureza da imagem fotográfica PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital - 1 Antes do desenvolvimento das câmeras digitais, tínhamos a fotografia convencional, registrada em papel ou filme, através de um processo

Leia mais

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Fundamentos da fotografia digital: Câmeras digitais CCD e CMOS Resolução Armazenamento Softwares para edição e manipulação de imagens digitais: Photoshop e Lightroom

Leia mais

Fotografia Digital Básica

Fotografia Digital Básica Escola de Belas Artes EBA UFMG Cursos de Extensão Alexandre Cruz Leão www.fotodearte.com.br/cursos/fotodigital e-mail: alexandre@fotodearte.com.br Maio 2014 Lançamento de câmeras digitais / ano 178 172

Leia mais

Tamanho e resolução da imagem

Tamanho e resolução da imagem Tamanho e resolução da imagem Para se produzir imagens de alta qualidade, é importante compreender como é que os dados dos pixels da imagem são medidos e mostrados. Dimensões dos pixels O número de pixels

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUATRO MÉTODOS DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS DIGITAIS EM ODONTOLOGIA

AVALIAÇÃO DE QUATRO MÉTODOS DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS DIGITAIS EM ODONTOLOGIA ARTIGO AVALIAÇÃO DE QUATRO MÉTODOS DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS DIGITAIS EM ODONTOLOGIA EVALUATION OF FOUR METHODS OF DIGITAL IMAGE DISPLAY IN DENTISTRY* Machado, André Wilson** Souki, Bernardo Quiroga***

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5 A cor e o computador Introdução A formação da imagem num Computador depende de dois factores: do Hardware, componentes físicas que processam a imagem e nos permitem vê-la, e do Software, aplicações que

Leia mais

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo Manual Sistema MLBC Manual do Sistema do Módulo Administrativo Este documento tem por objetivo descrever as principais funcionalidades do sistema administrador desenvolvido pela MLBC Comunicação Digital.

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA.

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. Imagem digital é a representação de uma imagem bidimensional usando números binários codificados de modo a permitir seu armazenamento, transferência, impressão ou reprodução,

Leia mais

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO 1.1. A Fotografi a é Necessária 1.2. Problema Léxico: Câmera ou Câmara Fotográfica? 1.3. Da Prata ao Silício 2. DICAS 2.1. 25 Questões Básicas sobre Fotografi a Digital

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br.

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação Apresentação & Introdução Condicionamento www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Mensurando Dados Sistemas de numeração Conceitos

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução.

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução. Apresentação www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Apresentação & Introdução Condicionamento Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Conceitos Iniciais 1 Mensurando Dados Sistemas

Leia mais

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta TRATAMENTO DE IMAGENS Elisa Maria Pivetta CATEGORIAS DE IMAGENS Distinguem-se geralmente duas grandes: Bitmap (ou raster) - trata-se de imagens "pixelizadas", ou seja, um conjunto de pontos (pixéis) contidos

Leia mais

FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007

FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007 FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007 1 Doutorando em Artes pela UFMG 2 Professor do Departamento de Fotografia, Teatro

Leia mais

Fotografia Digital no Brasil

Fotografia Digital no Brasil 1 Fotografia Digital no Brasil Hoje temos uma grande variedade de câmaras digitais, mas como elas captam a imagem e a transformam em informação digital é o que vamos ver a seguir. Um Pouco de História

Leia mais

SISTEMAS DE UNIDADES DO COMPUTADOR

SISTEMAS DE UNIDADES DO COMPUTADOR SISTEMAS DE UNIDADES DO COMPUTADOR Sistemas de unidades do computador Unidade de Armazenamento e informação Unidade de Frequência Unidade de Transmissão Unidade de velocidade de transmissão Unidade de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA / PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA A OPTICA E A FOTOGRAFIA DIGITAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA / PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA A OPTICA E A FOTOGRAFIA DIGITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA / PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA A OPTICA E A FOTOGRAFIA DIGITAL MESTRANDO PATRESE VIEIRA PORTO ALEGRE / JULHO DE 2013 FISICA

Leia mais

Aula 01 Introdução à Informática. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br www.profbrunogomes.com.br

Aula 01 Introdução à Informática. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br www.profbrunogomes.com.br Aula 01 Introdução à Informática Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br www.profbrunogomes.com.br Agenda da Aula Introdução à Informática; Dados x Informação; O Computador (Hardware); Unidades de medida.

Leia mais

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros Utilização do Sistema Multimédia 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens 2.1. Compressão Formatos com e sem compressão Técnicas de compressão (reduzem tamanho) de 2 tipos: Compressão

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático.

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. Prof. Reginaldo Brito Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA Joseph-Nicéphore Niepce * França, (1765-1833) James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. 1826,

Leia mais

Como enviar fotos de câmeras digitais

Como enviar fotos de câmeras digitais Como enviar fotos de câmeras digitais Se as fotos que você deseja enviar para o Geo-Obras foram capturadas com uma câmera digital, será necessário copiá-las para o computador. A maioria dos modelos utiliza

Leia mais

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Conteúdo s: Aspetos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais. Imagens computacionais e programas que criam ou manipulam esse tipo de imagens.

Leia mais

Conceitos Básicos de Fotografia Digital. Marcus Ramos marcus@marcusramos.com.br www.marcusramos.com.br

Conceitos Básicos de Fotografia Digital. Marcus Ramos marcus@marcusramos.com.br www.marcusramos.com.br Conceitos Básicos de Fotografia Digital Marcus Ramos marcus@marcusramos.com.br www.marcusramos.com.br Compreender as características, as possibilidades e as limitações da fotografia digital e seus instrumentos;

Leia mais

Computadores e Informação Digital

Computadores e Informação Digital Computadores e Informação Digital Sérgio Nunes Comunicações Digitais e Internet Ciências da Comunicação, U.Porto 2011/12 Computadores Computador O que é um computador? Um computador é uma máquina programável,

Leia mais

Capítulo 31. Câmeras digitais

Capítulo 31. Câmeras digitais Capítulo 31 Câmeras digitais Câmeras digitais produzem fotos sem utilizar filmes. As imagens captadas são armazenadas na sua memória, podendo ser posteriormente transferidas para um computador. Uma vez

Leia mais

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS ELEMENTOS GRÁFICOS Parte 4 José Manuel Russo 2005 24 A Imagem Bitmap (Raster) As imagens digitais ou Bitmap (Raster image do inglês) são desenhadas por um conjunto de pontos quadrangulares Pixel alinhados

Leia mais

Especificações / SCANNER

Especificações / SCANNER Especificações / SCANNER S.O. Windows 7 (32 bits e 64 bits) Windows 8 (32 bits e 64 bits) Windows 8 (32 bits e 64 bits) Volume diário recomendado A partir de 12.000 páginas por dia (varia com volume de

Leia mais

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br ARMAZENAMENTO DE DADOS Introdução Vários periféricos podem ser usados para permitir o armazenamento e interface do computador.

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 2 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Índice Continuação aula anterior... Memória Barramento Unidades de armazenamento Periféricos Interfaces

Leia mais

Dispositivos de entrada, saída, entrada e saída

Dispositivos de entrada, saída, entrada e saída Dispositivos de entrada, saída, entrada e saída Classificação dos dispositivos (ou periféricos) ricos) Entrada Teclado Rato, touchpad, pointing device, track ball Scanner Câmaras digitais (fotográficas

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Conceitos Aula 2 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2013 Esquema Geral do Computador HARDWARE; SOFTWARE. Prof. Walteno Martins Parreira

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Orthodontic Science and Practice. 2010; 3(10). 102 Artigo Original (Original Articles)

Orthodontic Science and Practice. 2010; 3(10). 102 Artigo Original (Original Articles) 102 Artigo Original (Original Articles) Avaliação de quatro métodos de digitalização de slides 35 mm em ortodontia Evaluation of four methods to digitally convert 35 mm slides in orthodontics André Wilson

Leia mais

Manual do. Peticionamento Eletrônico

Manual do. Peticionamento Eletrônico Manual do Peticionamento Eletrônico Este documento contém orientações sobre como gerar documentos para o serviço de Peticionamento Eletrônico no Portal e-saj Tribunal de Justiça de São Paulo. Resumo Os

Leia mais

Entenda as diferenças entre câmeras de vídeo analógicas e digitais

Entenda as diferenças entre câmeras de vídeo analógicas e digitais PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 1 MOURA LACERDA Entenda as diferenças entre câmeras de vídeo analógicas e digitais As câmeras de vídeo ganharam popularidade muito rápido. A primeira foi patenteada nos

Leia mais

KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING

KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO KIP 720 Scanner de imagens KIP 720 O scanner monocromático e colorido KIP 720 apresenta

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS GED MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM

GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Padrões de Proporção... 3 3. Qualidade das Imagens... 6 4. Fotos Panorâmicas... 7 5. Youtube... 8 Página 2 de 9 1. Objetivo

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento

Dispositivos de Armazenamento Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Dispositivos de Armazenamento A memória do computador

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS

PROCESSAMENTO DE DADOS PROCESSAMENTO DE DADOS Aula 1 - Hardware Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari 2 3 HARDWARE Todos os dispositivos físicos que constituem

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação INFORMÁTICA -É Ciência que estuda o tratamento automático da informação. COMPUTADOR Equipamento Eletrônico capaz de ordenar, calcular, testar, pesquisar e

Leia mais

Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123

Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina A mais nova câmera digital CMOS de 5,0 mega pixels a G-Shot D5123, foi lançada pela Genius. Este novo estilo tem uma aparência preta nobre, e a G-Shot

Leia mais

Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais

Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais A Genius agora lança uma câmera de vídeo inovadora de desenho horizontal, a G-Shot DV5122. Este dispositivo oferece clipes de vídeo de 640 x 480 pixels

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 8 - Periféricos de armazenamento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO... 3 DISCO RÍGIDO (HD)... 3 TECNOLOGIAS DE TRANSFERÊNCIA... 3 IDE/ATA/PATA...

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Introdução A possibilidade de utilizarmos imagens, gráficos, desenhos e textos artísticos

Leia mais

FOTOGRAFIA. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui

FOTOGRAFIA. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui FOTOGRAFIA Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui 1500-1800 A evolução da câmera obscura Conhecida pelos árabes desde a antiguidade, a câmera obscura evoluiu de maneira constante a partir do

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sumário Gráficos e imagens bitmap Tipos de dados para gráficos e imagens Imagens de 1-bit Imagens de gray-level

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Também conhecido por digitalizador Scanner é um periférico de entrada Leitura de textos e imagens

Leia mais

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização Disciplina Bases Computacionais Aula 03 Informação, Dados, Variáveis, Algoritmos Roteiro da Aula: - Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento 1 Antes de mais nada, é extremamente necessário lembrar que para tratar uma imagem é necessário que o monitor de seu computador esteja calibrado

Leia mais

Gestão, metodologia e digitalização de documentos:

Gestão, metodologia e digitalização de documentos: Gestão, metodologia e digitalização de documentos: resultados de um projeto conjunto entre o Arquivo da Cidade e a Câmara Municipal de Belo Horizonte Vilma Camelo Sebe Yuri Melo Mesquita O Arquivo Público

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

Prof a. Lillian Alvares. Curso de Arquivologia

Prof a. Lillian Alvares. Curso de Arquivologia Prof a. Lillian Alvares Curso de Arquivologia Universidade id d de Brasília Datasul Collecta Gartner Group Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Ciência da Informação Estatísticas Estatísticas

Leia mais

Partes da Câmara. Vantagens. Características mais Importantes. Especificações. Versão Portuguesa. Versão Portuguesa WWW.SWEEX.COM.

Partes da Câmara. Vantagens. Características mais Importantes. Especificações. Versão Portuguesa. Versão Portuguesa WWW.SWEEX.COM. Partes da Câmara JB000120 Sweex 3.2 Megapixel digital camera Frente Flash Visor de imagem Vantagens Câmara multi-funcional 5 em 1: Câmara digital com a possibilidade de efectuar gravações vídeo e áudio,

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Registro Digital. E Padrões de Digitalização

Registro Digital. E Padrões de Digitalização Registro Digital E Padrões de Digitalização INTRODUÇÃO... 1 SELECIONAR UM SCANNER... 2 PADRÕES DE FORMATOS DE ARQUIVOS... 4 DIRETRIZES PARA DIGITALIZAÇÃO... 5 NOMEAR E ORGANIZAR ARQUIVOS DIGITAIS...11

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 2 Unidades de Medida Curso Técnico em Informática SUMÁRIO UNIDADES DE MEDIDAS DE ARMAZENAMENTO... 3 CONVERTENDO AS UNIDADES DE MEDIDAS... 4 BIBLIOGRAFIA E REFERÊNCIAS...

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA COMPUTADOR QUANTO AO TIPO COMPUTADOR SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO o Analógico o Digital o Híbrido o Hardware (parte física)

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO

COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA RESOLUÇÃO Associada à quantidade e a qualidade de

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage FormatosdeImagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger FormatosdeImagens Índice 1 FORMATOS

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 4.1 HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS Qualquer PC é composto pelos mesmos componentes básicos: Processador, memória, HD, placa-mãe, placa de vídeo e monitor

Leia mais

Fluxo Digital e Processamento RAW

Fluxo Digital e Processamento RAW Fluxo Digital e Processamento RAW Recomendações do UPDIG Guia Prático Universal para Imagens Fotográficas Digitais Fluxos Digitais: Alto Volume, Pouco Tempo Alto Volume, Tempo Médio Baixo Volume, Alta

Leia mais

Placas de Vídeo. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placas de Vídeo. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placas de Vídeo Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Dispositivo responsável pela comunicação entre a placa mãe e o monitor de vídeo para reproduzir imagens. Dispositivo básico de output. Converte

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao hardware de PCs

Capítulo 1. Introdução ao hardware de PCs Capítulo 1 Introdução ao hardware de PCs Hardware para principiantes Entender hardware a fundo é uma tarefa árdua. São tantos detalhes que o aprendizado pode se tornar bastante difícil. Vamos então facilitar

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva

Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva Técnicas de fotografia Objetivos Conhecer a fotografia Reconhecer tipos de câmeras Aprender técnicas Conhecer assessórios

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA Editores vetoriais são frequentemente contrastadas com editores de bitmap, e as suas capacidades se complementam. Eles são melhores para leiaute

Leia mais