UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR Superintendência de Pesquisa e Pós-Graduação Mestrado em Políticas Sociais e Cidadania MARIA DO CARMO DE MACÊDO CADIDÉ CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO: o Regime Especial de Direito Administrativo - REDA e sua utilização no âmbito do Executivo da Administração Pública do Estado da Bahia, no período de 2005 a Salvador 2012

2 UCSal. Sistema de Bibliotecas C124 Cadidé,Maria do Carmo de Macêdo. Contratação portempo determinado: o Regime Especialde Direito Administrativo - REDA e sua utilização no âmbito do Executivo da Administração Pública do Estado da Bahia,no período de 2005 a 2010/ Maria do Carmo de Macêdo Cadidé. Salvador, f. Dissertação (Mestrado)- Universidade Católica do Salvador. Superintendência de Pesquisa e Pós-Graduação. Mestrado em Políticas Sociais e Cidadania. Orientação: Profa. Dra. Ângela Maria Carvalho Borges. 1. Administração Pública 2. Interesse público 3. Servidorpúblico 4. Contrato temporário I. Título. CDU35:

3 MARIA DO CARMO DE MACÊDO CADIDÉ CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO: o Regime Especialde Direito Administrativo - REDA e sua utilização no âmbito do Executivo da Administração Pública do Estado da Bahia,no período de 2005 a Dissertação apresentada ao Mestrado em Políticas Sociais e Cidadania da Universidade Católica do Salvador UCSAL como requisito parcialpara a obtenção do grau de Mestre. Orientadora: Prof.ª Dra. Ângela Maria Carvalho Borges Salvador 2012

4 TERMO DE APROVAÇÃO MARIA DO CARMO DE MACÊDO CADIDÉ CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO:o Regime Especialde Direito Administrativo - REDA e sua utilização no âmbito do Executivo da Administração Pública do Estado da Bahia,no período 2005 a Dissertação aprovada como requisito parcialpara obtenção do grau de mestre em Políticas Sociais e Cidadania da Universidade Católica do Salvador. Salvador,19/06/2012 Banca Examinadora: Profª. Dra. Ângela Maria Carvalho Borges (orientadora) UCSAL Profª. Dra. Isabela Fadulde Oliveira UFBA Prof. Dr. André Alves Portela UCSAL

5 5 Ao sentimento maior do amor, a André,Tiago, aos meus pais W ilson e Cletina (in memorian) e a Zenilde.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus,a Fonte criadora que nos impulsiona na construção do novo. Aos meus filhos,em cujos olhos me virefletida com aprovação e amor. À professora Dra. Ângela Maria Carvalho Borges,minha orientadora que se colocou na linha de frente quando me sentisó diante da bifurcação do caminho e quando tive que escolhernovo rumo de pesquisa. À Dra. Isabela Fadule ao Dr. André Portela pelas importantes contribuições. Aos amigos da Assessoria Jurídica do TCE/BA,a RaulCésar,Elisa Lucas e Valéria Café, ao serviço de Arquivo do TCE, na pessoa de Alfredo Freitas, à Sexta Coordenadoria de Controle Externo do TCE,na pessoa de Mara Pessoa,a Ane Araújo da Biblioteca do TCE/BA,a Cristiano Rodrigues,a Rita Mura e a todos que contribuíram para concretização deste trabalho. Ao Tribunalde Contas do Estado da Bahia que me concedeu a oportunidade de crescimento para ampliar a visão sobre a matéria objeto de sua atuação constitucional. À UCSAL e seus mestres do mestrado de Políticas Sociais e Cidadania,pelos conhecimentos transmitidos e pelo apoio concedido. 6

7 A vida que pulsa na alma, nos atos, na lida, no abraço, no trabalho permanente no trabalho temporário, no coração de quem estende a mão e que constrói o belo com o que tem. É só a vida que dá e tira. M.C.Cadidé

8 RESUMO As mudanças produzidas no mundo do trabalho,como consequência do livre mercado,inspiradas pelo pensamento neoliberal,atingiram as relações contratuais não somente na esfera privada,mas,também,na esfera pública. Esta pesquisa teve como propósito analisaro avanço e as características do processo de contratação temporária no Serviço Público do Estado da Bahia,no âmbito do PoderExecutivo, através das formas atípicas de admissão de pessoal,como o Regime Especialde Direito Administrativo REDA. A análise empírica foidelimitada ao período de 2005 a Numa vertente inicialprocurou-se verificar na práxis administrativa de admissão de pessoal,a adequação às situações excepcionais e o interesse público que autorizam a contratação temporária. Num segundo momento demonstrou-se os resultados dos registros no tocante aos direitos e benefícios que são oferecidos aos admitidos temporariamente face aos servidores permanentes e aos trabalhadores contratados pelo regime celetista e as áreas do serviço público onde se concentram os contratos REDA que são: a Educação e a Saúde,bem como a evolução dessa modalidade de contratação. Concluiu-se que a recorrência à contratação temporária pela Administração Pública nos últimos anos demonstra que o número de processos seletivos simplificados é superiorao número de concursos públicos,transformando a exceção em regra alterando a forma de admissão de pessoal Palavras chaves: Administração Pública,interesse público,servidorpúblico, contrato temporário.

9 ABSTRACT The neo-liberal-inspired changes through which the world ofwork has passed among them the flexibilization ofthe hiring forms as a resultoffree market have afected the contractualrelationships notonly in private,butalso in the public sphere. This research aimed to analyze the increase and the characteristics ofthe temporary hiring process in the public service in the State ofbahia - specificaly in the executive branch - by means ofatypicalforms like the so-caled REDA - contracts [special public-law work contracts]. The empiricalanalysis was restricted to the period from 2005 to The firsteforts were aimed to verify the realexistence ofexceptional situations and public interestthatwould justify the placing oftemporary contracts. In its second part,the research was focussed on the rights and benefits o fered to the temporary workers compared to those enjoyed by the regularcivilservants as welas the employees whose contracts are submited to the laborlaws. The focus was also on the areas ofpublic service where these REDA contracts concentrate: education and health,as welas on the evolution ofthis kind ofhiring. The analysis led to the conclusion thatthe preponderance oftemporary work contracts in governmentand public bodies in recent years proves that simplified selective procedures for temporary workers outnumberentrance examinations forregularpublic servants. Thus whatused to be an exception has become the rule. contract. Key words: Public administration,public interest,civilservant,temporary work 14

10 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Evolução do REDA contratos acumulados no período Gráfico 2 Gastos públicos com o REDA 2005 a 2010 (em milhares de reais) 89 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Regulação do REDA e seus ajustes 73 Quadro 2 - Comparativo entre os regimes estatutário,celetista e REDA 82 Quadro 3 - Quantitativo de REDA no PoderExecutivo Administração Direta Quadro 4 - Comparativo de Direitos entre: estatutário,reda e CLT 96 Quadro 5 - Comparativo de Direitos na Extinção do vínculo laboral entre: estatutário REDA e CLT 97 Quadro 6 - Comparativo de benefícios entre: estatutário REDA e CLT 98 Quadro 7 - Comparativo de vantagens trabalhista entre: estatutário,reda e CLT 100 Quadro 8 - Comparativo de vedações e exceções entre: estatutário,reda e CLT 101 Quadro 9 - Número de processos REDA e síntese de decisões do TCE 103 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Número de Editais de seleção REDA,com estimativa de vagas poreditalno Governo Estadualda Bahia Tabela 2 Número de Editais de Concurso Público e vagas previstas 88 Tabela 3 Amostra de processos de contratação REDA porfunção (ano 2010) 91 15

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ADAB Agência Estadualde Defesa Agropecuária da Bahia ADIN Ação Direta de Inconstitucionalidade AGERBA Agencia Estadualde Serviços Públicos do Estado da Bahia ART Artigo BAHIAFARMA Empresa de Produtos Farmacêuticos da Bahia CF Constituição Federal CEB Constituição do Estado da Bahia C E T Condições Especiais de Trabalho CLT Consolidação das Leis do Trabalho COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia DASP Departamento Administrativo do Serviço Público D.O.E Diário Oficialdo Estado EC Emenda Constitucional FAPESB Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FMI Fundo Monetário Internacional FUNDAC Fundação Estadualda Criança e do Adolescente FUNPREV Fundo Financeiro da Previdência Socialdos Servidores Públicos do Estado da Bahia IBAMETRO Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade INTERBA Instituto de Terras da Bahia IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IRDEB Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia LRF Leide Responsabilidade Fiscal MARE Ministério da Administração Federale Reforma do Estado MP Ministério Público OCDE Organização para Cooperação do Desenvolvimento Econômico OMC Organização Mundialdo Comércio PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PGE Procuradoria Geraldo Estado PLANSERV Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos Estaduais PRDRAE Plano Diretorda Reforma do Aparelho do Estado 16

12 PROJOVEM PST REDA RTI SAEB SEAGRI SEC SICM SECTI SECULT SEDIR SEDUR SEPROMI SJDH SESAB SETRAS SETUR SSP STF TCU TCE/BA Programa Nacionalde Inclusão de Jovens Prestação de Serviço Temporário Regime Especialde Direito Administrativo Regime de Tempo Integral Secretaria da Administração do Estado da Bahia Secretaria da Agricultura,Irrigação e Reforma Agrária Secretaria da Educação Secretaria da Indústria,Comércio e Mineração Secretaria Extraordinária de Ciência,Tecnologia e Inovação Secretaria da Cultura Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional Secretaria do Desenvolvimento Urbano Secretaria de Promoção da Igualdade do Estado da Bahia Secretaria da Justiça e Direitos Humanos Secretaria da Saúde Secretaria do Trabalho e Ação Social Secretaria de Turismo Secretaria da Segurança Pública Supremo TribunalFederal Tribunalde Contas da União Tribunalde Contas do Estado da Bahia 17

13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 20 1 A REFORMA DO ESTADO NO CONTEXTO DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA A reforma administrativa dos anos de 1990 no Brasil A reforma administrativa dos anos de 1990 na Bahia 44 2 ASPECTOS DA REFORMA ADMINISTRATIVA NAS RELAÇÕES DE TRABALHO ENTRE O ESTADO E SEUS SERVIDORES E ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO REDA Aspectos da dualidade de regimes de trabalho na Administração Pública: estatutário e não estatutário Formas de acesso aos postos de trabalho no serviço público Concurso Público Cargo comissionado Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias Membros dos Tribunais de Contas Quintos constitucionais Outras formas de acesso ao serviço público Terceirização Cooperativa e pejotização no serviço público Prestação de Serviço Temporário PST Aspectos normativos do regime REDA na Administração Pública do Estado da Bahia As situações de excepcionalidades previstas para o regime REDA As características do REDA 2.6 Os ritos do REDA 2.7 O período entre os regimes REDA 2.8 Comparativo entre os regimes REDA,estatutário e o contrato CLT A EVOLUÇÃO DAS CONTRATAÇÕES REDA NO GOVERNO DA BAHIA ENTRE 2005 a Evolução do número de editais de processo seletivo,de vagas e de despesas com as contratações REDA 3.2 A distribuição do REDA porsetores de ocupações/funções em 2010 e sua fundamentação 3.3 O regime REDA: as desvantagens trabalhistas em relação aos regimes estatutário e celetista 3.4 REDA em pauta de discussão no TCE/BA CONSIDERAÇÕES FINAIS

14 REFERÊNCIAS 115 ANEXOS Anexo 1 Minuta padrão de Contrato REDA 125 Anexo 2 Minuta Padrão de Termo Aditivo ao Contrato portempo Determinado 127 Anexo 3 Resolução nº85/ Anexo 4 Decisões da 1ªCâmara do TCE/BA 133 Anexo 5 Relação de Processos REDA consultados período

15 INTRODUÇÃO As transformações do capitalismo no finaldo século XX foram marcadas pelo esforço do capitalem alcançar o máximo de flexibilidade em várias dimensões, inclusive no plano do trabalho. Tais transformações têm resultado em profundas mudanças nas condições e relações de trabalho, trazendo perdas para os trabalhadores,questionando as regulações preexistentes e colocando desafios para as instituições,inclusive aquelas que têm o deverde asseguraro cumprimento das normas estabelecidas. Esta dissertação lança seu foco no regime de trabalho temporário firmado no serviço público do Estado da Bahia,sob a modalidade de Regime Especialde Direito Administrativo (REDA),com análise das características de uma forma de admissão de pessoaldistinta do rito próprio do regime das relações de trabalho entre servidores e empregados públicos. A linha de pesquisa que agrega é,portanto,a de Trabalho,Questão Sociale Cidadania. Muito embora o regime REDA venha sendo utilizado,também,na esfera municipale nos outros poderes,destacou-se,neste estudo,o PoderExecutivo do Estado da Bahia,onde se concentra o maiornúmero de servidores com este tipo de contratação. O questionamento lançado sobre o regime único deu-se no contexto da Reforma do Estado, que forçava a introdução de formas mais flexíveis de contratação. Mais especificamente no governo de Fernando Henrique Cardoso ( )coube ao Ministério da Administração Federale da Reforma do Estado (MARE)a condução da reestruturação do Estado,sobre a qualo Ministro Bresser Pereira promoveu estudos e debates em todo o País. Nesses debates,o governo defendeu a Reforma do Estado com ênfase na flexibilização da gestão pública,da previdência do funcionalismo,bem como na flexibilização da estabilidade e, consequentemente, do regime estatutário considerado rígido,na concepção que orientou a Reforma,como será demonstrado, 20

16 pautada nas diretrizes dos organismos de cooperação internacional em especialo Banco Mundial e nas proposições do que ficou conhecido na literatura crítica como Consenso de W ashington. Estudos sobre as mudanças no mundo do trabalho nas últimas décadas do século XX,produzidos porvários autores - dentre outros,sennet(2009),singer (1977),Pochmann (2008),Antunes (2009)e Filgueiras (1997)- foram utilizados como fonte para contextualização das transformações aquianalisadas. A experiência e a lida com os processos que tramitam no Tribunalde Contas do Estado da Bahia (TCE/BA),desde as contas anuais de Governo,aos processos rotineiros de admissão de pessoal,tornaram-se fundamentais para a escolha do tema,porquanto na condição de auditora do quadro de pessoaldo mesmo TCE/BA, a autora participa e acompanha a instrução de inúmeros processos,bem como as decisões aliproferidas. Torna-se uma questão inquietante para estudo a forma de admissão de pessoalsob o regime REDA adotada em grande escala no setorpúblico do Estado da Bahia. Do ponto de vista do setorpúblico,o regime especialreda aparece como item permanente de gasto público,o que deve seravaliado tendo em conta o limite imposto pela Leide Responsabilidade Fiscal(LRF). 1 Do lado do servidor,a proposta contida no regime temporário delineia uma segunda classe de servidorsem as garantias daqueles da primeira classe,isto é,dos estatutários e ocupantes de cargos permanentes. Para a sociedade,o tema não é menos importante,porquanto a ela interessa tanto o equilíbrio das contas públicas,quanto à modalidade de emprego que garanta a igualdade de tratamento,a retribuição aos trabalhadores e, em especial,a prestação dos serviços públicos de qualidade. O objetivo geraldeste estudo foiconheceras características do REDA,a sua implementação pelo governo do Estado da Bahia e suas principais implicações para os servidores submetidos a este regime. 1 LeiComplementar101,de4 demaiode

17 Como objetivos específicos colocam-se: 1) Quantificaro número de contratos REDA do período analisado ( ),destacando o último ano da pesquisa (2010); 2) Identificar as principais atividades no Poder Executivo da Bahia afetadas pelo recurso da contratação temporária; 3) Comparar,os direitos,as vantagens,e os benefícios entre os regimes laborais estatutário,celetista e REDA; 4) Observar se no período analisado as situações de contratação temporária ocorridas no Executivo Estadualse incluem nos casos permitidos pela Constituição; 5) Analisaro posicionamento do Tribunalde Contas do Estado da Bahia diante do grande número de contratações do tipo REDA. Para o estudo desse processo de utilização do regime REDA pelo Poder Executivo da Bahia aquiempreendido,recorreu-se ao método dedutivo e,como técnica, a análise da legislação e dos documentos produzidos no âmbito da administração pública do Estado da Bahia e do órgão de controle,o TCE/BA,com vistas a dimensionaro volume de contratos,os setores onde eles se concentram e a função pública assumida pelos contratados. Os dados coletados em Relatórios, Editais de concurso e em processos examinados pelo TCE/BA,bem como listagem elaborada pela Gerência de Arquivo do mesmo TCE/BA,foram sistematizados em tabelas,gráficos e quadros,com base na legislação vigente. Para tanto foram analisados os processos de admissão de pessoalna modalidade REDA oriundos dos diversos órgãos da Administração Pública, no âmbito do PoderExecutivo,e que são sistematicamente apreciados pelo TCE/BA para fins de registro, no tocante à legalidade. Foram, também, analisadas as decisões prolatadas pelo mesmo TCE/BA e pareceres de seus órgãos técnicos, 22

18 inclusive do Ministério Público de Contas,para conhecero posicionamento do órgão de controle nesses processos. O levantamento e análise dos dados para a pesquisa relativos a essas contratações consideraram o espaço temporalcompreendido entre 2005 a A escolha deste período decorreu da necessidade de assegurara exequibilidade da pesquisa e, ao mesmo tempo, assegurar a possibilidade de cobrir, ainda que parcialmente,diferentes governos: Paulo Ganem Souto (período de 2003 a 2006)e Jaques W agner(período de 2007 a 2010). A dissertação está estruturada da seguinte forma: O primeiro capítulo trata da Reforma do Estado no Brasil,no contexto da reestruturação produtiva,destacando o caso brasileiro e a reforma administrativa dos anos de 1990 no Estado da Bahia. O segundo capítulo versa sobre os aspectos da Reforma que remetem às relações de trabalho entre o Estado e seus servidores,acentuando a dualidade de regimes de trabalho existente na administração pública: estatutário e não estatutário, bem como as formas paradigmáticas de acesso (concurso público, função comissionada e outras formas). O terceiro capítulo revela os resultados da pesquisa de campo desenvolvida com a análise do regime temporário na Bahia na modalidade REDA,no período de 2005 a 2010, numa perspectiva de identificar as situações que permitiram a realização dos vínculos laborais porprazo determinado na Administração Pública do Estado da Bahia. As considerações finais trazem a síntese do trabalho de pesquisa,que se propôs a dar respostas às questões preliminares formuladas, quanto à excepcionalidade aberta no texto da Constituição para contratação temporária (somente para atendera necessidade temporária de excepcionalinteresse público e nas nomeações para cargo em comissão)e que não tem sido observada pela administração pública do Estado pesquisado. Registra-se, por inevitável, as 23

19 limitações de uma pesquisa de Mestrado,com tempo exíguo,apresentando-se como ponto de partida para um trabalho a seraprofundado que possa abrangersituações nos outros poderes (Legislativo e Judiciário),em outros Estados da Federação e também na esfera municipal. 24

20 1 A REFORMA DO ESTADO NO CONTEXTO DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA A relação entre modelo de desenvolvimento e perfildo Estado nos remete à origem do capitalismo e às mudanças pelas quais passou este Estado,desde o período do Absolutismo,no século XV Iaté os dias atuais. O conceito expresso no Dicionário de Política porbobbio,mateuccie Pasquino traz o traço marcante do absolutismo como poderilimitado e arbitrário, em que a autoridade soberana não tinha limites constitucionais,configurando um Estado patrimonialista,no qualo patrimônio público e o patrimônio do monarca não comportavam separação. (BOBBIO,MATTEUCCI;PASQUINO,2010,p. 2). A passagem para o Estado burocrata,no século XIX,esteve pautada no modelo weberiano, cujo conceito de burocracia pressupõe a existência de um sistema de racionalidade legale organização administrativa. Para W eber(2009)o significado de administração burocrática era de dominação em virtude do conhecimento de fatos adquiridos na execução das tarefas. Do ponto de vista social,a burocracia tinha para W ebera seguinte acepção: 1. uma tendência ao nivelamento no interesse da possibilidade de recrutamento universal a partir dos profissionalmente qualificados; 2. a tendência à plutocratização 2 no interesse de um processo muito extenso de qualificação profissional; 3. a dominação da impessoalidade formalista: sem ódio e paixão e, portanto,sem amor e entusiasmo,sob a pressão de simples conceito de dever, sem considerações pessoais, de modo formalmente igual para cada qual, isto é, cada qual dos interessados que efetivamente se encontra em situação igual é assim que o funcionário idealexerce o seu cargo. (W EBER,2009, p. 147). A burocracia, do ponto de vista weberiano, continha uma organização constituída de regras;de relações de autoridade entre posições hierárquicas;de pessoalocupando cargo,compreendendo carreira numa estrutura administrativa e recompensada com salário. É de notarque o conceito de burocracia não comportava o sentido depreciativo como conhecido hoje. Na ótica de Schwartzman,a burocracia 2 Plutocracia:1.influênciapreponderantedosricosnogovernodeumanação.2.Classeinfluenteoudominante dehomensricos.3.sociol.dominação exercidaporumaclassequederivaseu poderdariquezamaterial.(dicionário M ICHAELIS,1998). 25

21 para W eber representaria a forma mais eficiente de exercício de governo,se vista em comparação com outras formas de administração (como porexemplo,a do tipo patrimonial). Todavia,quando o Estado se tornou mais complexo,e as tarefas a executar se avolumaram, o modelo burocrático deixou de corresponder às necessidades do sistema. Os planos de organização para um novo Estado surgem com ideologias que impactam nos sistemas vigorantes. A ideologia liberalclássica defendia a liberdade individualplena,mediante o exercício dos direitos,afastava o Estado de intervenção na economia deixando o mercado livre nessa condução. O pensamento liberal condensado porbobbio,mateuccie Pasquino,estava na defesa das liberdades naturais. Lutavam os liberais pela liberdade econômica,na qualo Estado era visto como um Estado natural,ou ainda como uma sociedade civil,fundamentada em contratos entre particulares. Aceitava-se o Estado somente na figura de guardião, deixando totalliberdade (lassez faire, laisser passer)na composição dos conflitos entre empregados e empregadores,ao podercontratual. (BOBBIO;MATTEUCCI; PASQUINO,2010,p. 693). O perfildo Estado reguladorsurgiu após a profunda depressão - a crise de 1929,assumido pelo Estado capitalista desde aquela crise até meados dos anos 70. O Estado reguladorda vida social,política e econômica,denominado Estado do Bem-EstarSocial(Welfare State),foiimplementado na Europa e nos países nórdicos (Dinamarca,Suécia,Noruega e Finlândia). Antes da crise,os Estados Unidos se encontravam no patamarda hegemonia econômica e em pleno desenvolvimento industrial,como fornecedorde armamentos para a Europa em tempos de guerra. Após a crise era preciso enfrentaro panorama da pobreza que se espalhou. O Estado do Bem-EstarSocialfoitambém provocado pela pressão das massas e seus movimentos sindicais. Denominou-se de Estado-Providência,porquanto continha políticas sociais de auxílio à pobreza e focado nos princípios da cidadania. Para Mishra (1995),o Estado-Providência simbolizava um novo acordo ou a concertação do pós-guerra não só entre o capitale o trabalho,mas também entre a democracia capitalista e os seus cidadãos em termos de certas garantias de direitos gerais. Estes direitos gerais (sociais)compreendiam: o direito ao trabalho;o direito à 26

22 proteção socialem caso de desemprego temporário ou permanente;acesso em condições de igualdade a uma série de serviços essenciais,nomeadamente a educação e os cuidados médicos,que favorecessem as oportunidades e facilitassem a participação do indivíduo no mercado. (MISHRA,1995,p. 22). O Welfare State, fruto do pensamento keynesiano,resultou nos Estados Unidos na política do New Deal, acolhida pelo Presidente Rooseveltem 1933 e que continha programa de obras estatais para absorver os desempregados. Esse desenvolvimento,entretanto,não levou ao desaparecimento das idéias liberais. O traço neoliberaldespontado na Inglaterra no governo Thatcher (1979), encontrou ressonância nos Estados Unidos com Reagan (1981) e depois se espalhou pelo mundo,impondo mudanças para um novo modelo de gestão -new public management. A ideologia neoliberalera tida como a ideologia do mercado. Mesmo aqueles países de democracias sociais que adotaram o Estado de Bem- EstarSocial,a exemplo da Suécia e Nova Zelândia,aderiram às idéias neoliberais. A crise do Welfare State era tida como uma crise de caráterfinanceiro-fiscal. Na avaliação dos neoliberais,que se tornou dominante nos organismos multinacionais Banco Mundial,FMIe OMC não haveria mais condição para manterou financiaros programas sociais, ou preocupar-se com a proteção do emprego. O governo empreendedorera a marca do novo gerencialismo do Estado,que substituía o modelo de governo burocrático até então dominante. No finaldo século XX,na década de 1970,o mundo se depara com a crise do capitalismo,com declínio do crescimento econômico,período de enfraquecimento do fordismo,o modelo de organização de produção e de trabalho criado porhenry Ford nos idos de 1913,para substituiro tipo artesanalde fabricação de veículos poruma organização taylorista considerada mais científica, automatizada, visando a produção em massa a preço acessívela todos. No sistema fordista os trabalhadores possuíam um serviço socialque acompanhava até a sua conduta,num propósito de fazersurgirum novo homem,e a eles era oferecido salário dobrado,o dia de oito horas a cinco dólares. No comentário de Bauman (2001) a fábrica fordista foi,sem dúvida,a maiorrealização,até hoje,da engenharia socialorientada pela ordem. A observação já era feita porgramsci(1978)de que o americanismo e o fordismo 27

23 derivam da necessidade imanente de organizaruma economia programática. Mas, apesarda automatização das fábricas Ford com o modelo do taylorismo,a indústria automobilística caminhou para o declínio,com queda da demanda. O fordismo do pós-guerra envolveu questão internacional, com sua implantação na Europa e no Japão,criando um novo internacionalismo,o mercado de massa global,mas,com o enfraquecimento da produtividade e da lucratividade, teve inicio um problema fiscalnos Estados Unidos,como observou Harvey (1989): De modo mais geral,o período de 1965 a 1973 tornou cada vez mais evidente a incapacidade do fordismo e do keynesianismo de conter as contradições inerentes ao capitalismo [...] A rigidez dos compromissos do Estado foi se intensificando à medida que programas de assistência (seguridade social,diretos de pensão,etc.) aumentavam sob pressão de mantera legitimidade num momento em que a rigidez da produção restringia expansões da base fiscal para gastos públicos. [...]A forte deflação de indicou que as finanças do Estado estavam além dos recursos,criando uma profunda crise fiscale de legitimação. (HARVEY,1989,p.136). O modelo toyotista implantado no Japão pela Toyota nas décadas de 1950 a 1970,com seu just-in-time, compreendia um sistema no quala empresa somente produzisse o que fosse vendido,flexibilizando a produção. Num sistema assim,o trabalho se tornou mais exaustivo porque ocupava todo o tempo do trabalhador,o que não era compensado com melhorsalário. Como afirma GOUNET (2002) o toyotismo reduz salários e degrada a proteção socialnas fábricas,apoiando-se na terceirização. Os trabalhadores eram divididos em várias pequenas empresas e seus sindicatos eram controlados pelos dirigentes das fábricas. O sistema de produção da Toyota era,pois,o da flexibilização máxima,para competirna crise econômica. O mundo assistiu a luta concorrencialdas empresas automobilísticas em busca de acumulação que para isso,se valiam de métodos para aumentara maisvalia o que para Marx se origina de um excedente quantitativo de trabalho,da duração prolongada do mesmo processo de trabalho, incluindo no método a exploração dos trabalhadores, aumentando seu ritmo de trabalho ou se automatizando. 28

24 Na visão de Gounet(2002): Estes três elementos internacionalização,concorrência e crise explicam porque o just-in-time é uma necessidade para as empresas que queiram desempenharum papelsignificativo no mercado;e por que assistiremos brevemente à impiedosa exploração da classe operária e à robotização extremada na indústria automobilística. (GOUNET,2002,p. 51). Identifica Harvey (2007), nesta época, uma violenta maré de reformas institucionais marcadas pelo neoliberalismo,o que implicou em muita destruição. Pontua o mencionado autorque as crises financeiras proliferaram em todo o mundo em desenvolvimento e,em alguns casos,como o Brasile o México,repetidas ondas de ajuste estruturale de austeridade fiscal 3 levaram à paralisia econômica,nos anos de 1980 e Para compreenderesse traço que liga Estado e economia,castelenfatiza o pensamento de Clauss O fe,assinalando que,num Estado de crescimento, a autoridade do Estado está mergulhada na economia pela gestão da demanda global,ao passo que as coerções do mercado estão introduzidas no Estado. Estampa o papeldo Estado regulador,que dirige a economia,com o seguinte comentário: As pretensas leis da economia não são mais vividas como um destino. Por suas políticas de novo lançamento, o papel que desempenha para garantiros salários,as escolhas industriais que efetua,o Estado intervém não só como produtor de bens,mas também,poder-se-ia dizer,como produtorde consumidores,isto é de assalariados solváveis. [...]O papelreguladordo Estado atua sobre um terceiro registro,o das relações entre os parceiros sociais. Tal ambição é contemporânea da emergência das primeiras veleidades de intervenção do Estado social. (CASTEL,1995,p. 487). 3 Sobreasondasdeajusteestrutural,importantelembrarqueesteajustetornou-sepermanenteerecrudesceem contextosdecrise.nestesentido,aexperiênciavividahojenagrécia,espanhaeoutrospaísesdaeuropa,por exemplo,repete a experiência latino americana do finaldo século XX,no contexto de uma crise cuja explicaçãonãoseencontranoperfildagestãopúblicadospaísesdosubcontinentenaqueleperíodo,masnos movimentosmaisamplosdocapitalismo. 29

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS

ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS Wagner Rabello ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS É pela perspectiva weberiana que podemos ver que o Estado brasileiro tem como característica

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Fórum Região Sul Curitiba 7 a 9 de julho de 2015 EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Para lembrar... A Reforma Sanitária Brasileira, ao postular

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ICMS-SP PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS. Prova Comentada

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ICMS-SP PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS. Prova Comentada Prezados, alunos! Prova Comentada Seguem abaixo os comentários da prova de Administração Pública do ICMS-SP, que ocorreu neste final de semana. Não vejo possibilidade de recursos. Abraço, Rafael Encinas.

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Questões de Administração Pública Brasileira I ESAF - 2012 - CGU - Analista de Finanças e Controle 1. O foco das atividades de monitoramento e avaliação na Administração Pública é a) garantir a legalidade

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2013. Cargos: Agente Administrativo do CRAS e Auxiliar Administrativo do CREAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2013. Cargos: Agente Administrativo do CRAS e Auxiliar Administrativo do CREAS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2013 NOME: Cargos: Agente Administrativo do CRAS e Auxiliar Administrativo do CREAS INSTRUÇÕES 1.1. A prova é individual 1.2. Leia cuidadosamente cada questão, escolha

Leia mais

Breve sumário da apresentação do artigo redigido de Emanuel Rocha Sousa Severino

Breve sumário da apresentação do artigo redigido de Emanuel Rocha Sousa Severino Breve sumário da apresentação do artigo redigido de Emanuel Rocha Sousa Severino A Configuração do Sector Empresarial do Estado Português O novo papel do Estado, aspectos normativos e breve comparação

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO

APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Salve salve mais uma vez meus amigos concurseiros! O Curso de Direito Administrativo que terá início na primeira semana de julho (08/07) voltará sua atenção

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

Minuta PARECER Nº, DE 2011. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA

Minuta PARECER Nº, DE 2011. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA Minuta PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 189, de 2010 (Projeto de Lei nº 3.077, de 2008, na origem), do Poder Executivo, que altera a Lei nº 8.742,

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA 60 horas 4 créditos

ECONOMIA BRASILEIRA 60 horas 4 créditos EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EAD (Currículo iniciado em 2010) ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA 60 horas 4 créditos (D0100) Evolução do pensamento estratégico. Frentes de desenvolvimento

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO 001858/2011 ORIGEM Prefeitura Municipal de Umbaúba NATUREZA Consulta INTERESSADO Anderson Fontes Farias RELATOR Conselheiro REINALDO MOURA FERREIRA AUDITOR Parecer nº 204/2011 Alexandre Lessa

Leia mais

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial Tipos de Administração Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Tipos de Administração Pública BUROCRÁTICA 1 - Administração 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial lac.consultoria@gmail.com

Leia mais

Programa Urgente de Combate à Precariedade Laboral na Administração Pública

Programa Urgente de Combate à Precariedade Laboral na Administração Pública PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei nº 481/XII 3.ª Programa Urgente de Combate à Precariedade Laboral na Administração Pública Exposição de Motivos I O recurso ilegal à precariedade

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar.

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 518, DE 26 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a organização e o funcionamento da Assessoria Jurídica Estadual, estrutura a Carreira e o Grupo Ocupacional dos titulares

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.350, DE 5 DE OUTUBRO DE 2006. Regulamenta o 5 o do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

Apresentação. Acompanhe a Plenária Extraordinária do VI Congresso Interno em: www.fiocruz.br/congressointerno

Apresentação. Acompanhe a Plenária Extraordinária do VI Congresso Interno em: www.fiocruz.br/congressointerno Apresentação O Guia Prático do VI Congresso Interno (Plenária Extraordinária, maio de 2012), na forma de perguntas e respostas, visa facilitar a compreensão sobre os diversos elementos que compõem o processo

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seguridade Social e Projeto Ético Político Profissional: desafios aos Assistentes Sociais da Previdência Social Ana Maria Baima Cartaxo Professora

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012.

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. (Do Sr. Irajá Abreu) Altera a redação do art. 611 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovado pelo Decreto-lei nº 5452, de 1º de maio de 1943, para dispor sobre a eficácia

Leia mais

Curso: Administração Disciplina: Administração Pública Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA

Curso: Administração Disciplina: Administração Pública Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA 1 Curso: Administração Disciplina: Administração Pública 6º Semestre Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA Na verdade, o que existe é a junção de duas classificações distintas: a

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL

CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL ALINE OLIVEIRA DA CRUZ 440398 DAIANE MENEZES DA SILVA 412736 ESTER GONÇALVES DA SILVA 431653 FABIANA ESPÍNDOLA RODRIGUES 429013 TÁSSIA CRUZ DO NASCIMENTO 420298 Gestão

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta 1 DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta O Estado, enquanto

Leia mais

Bresser- Pereira: O carro na frente dos bois

Bresser- Pereira: O carro na frente dos bois Bresser- Pereira: O carro na frente dos bois Entrevista de Luiz Carlos Bresser- Pereira a Hélio Batista Barboza em 2006 e revisada em 2014. Destinava- se a uma publicação sobre a história da administração

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988

CONSTITUIÇÃO DE 1988 CONSTITUIÇÃO DE 1988 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BUROCRÁTICA VERSUS GERENCIAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BUROCRÁTICA VERSUS GERENCIAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BUROCRÁTICA VERSUS GERENCIAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA Marco Antonio Henrique 1, Fábio Ricci 2 (orientador) UNITAU - Universidade de Taubaté. Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação.

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

SOBRE A PROFISSÃO DE ASSISTENTE SOCIAL

SOBRE A PROFISSÃO DE ASSISTENTE SOCIAL SOBRE A PROFISSÃO DE ASSISTENTE SOCIAL A profissão de Assistente Social é uma das primeiras profissões da área social no Brasil a ter aprovada sua lei de regulamentação profissional: a lei 3252 de 27 de

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. (Do Supremo Tribunal Federal) Altera dispositivo da Lei nº 11.416, de 15 de dezembro de 2006, Plano de Carreira

Leia mais

cabaleiro.dcs@gmail.com GESTÃO PÚBLICA Professor Daniel Cabaleiro Saldanha, M. Sc.

cabaleiro.dcs@gmail.com GESTÃO PÚBLICA Professor Daniel Cabaleiro Saldanha, M. Sc. cabaleiro.dcs@gmail.com GESTÃO PÚBLICA Professor Daniel Cabaleiro Saldanha, M. Sc. Plano de Curso ( 4h/aula) Conceitos Preliminares Evolução da Administração Pública Administração Patrimonialista Administração

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

Comunidade no Orkut: Administração Pública - concursos. Grupo no Yahoo: enviar e-mail para: professor_wagner_rabellosubscribe@yahoogrupos.com.

Comunidade no Orkut: Administração Pública - concursos. Grupo no Yahoo: enviar e-mail para: professor_wagner_rabellosubscribe@yahoogrupos.com. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA _ Prof. Wagner Rabello Jr. Currículo resumido: Wagner Leandro Rabello Junior é pós-graduado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e bacharel em Biblioteconomia

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

Gestão de Carreiras e a Ascensão Funcional. Uma contribuição ao debate do III Fórum Nacional das Comissões Internas de Supervisão Carlos Maldonado

Gestão de Carreiras e a Ascensão Funcional. Uma contribuição ao debate do III Fórum Nacional das Comissões Internas de Supervisão Carlos Maldonado Gestão de Carreiras e a Ascensão Funcional Uma contribuição ao debate do III Fórum Nacional das Comissões Internas de Supervisão Carlos Maldonado Advertências e premissas necessárias ao debate Para debater

Leia mais

Disciplina: Políticas Públicas

Disciplina: Políticas Públicas AVALIAÇÃO PRESENCIAL DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL TARDE Aluno (a): Tutor (a): Polo: Data: / / Disciplina: Políticas Públicas 1) Com relação à definição do termo policy (políticas

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais