FOTOGRAFIAS E CULTURAS ESCOLARES: UNIVERSO DIGITAL E PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOTOGRAFIAS E CULTURAS ESCOLARES: UNIVERSO DIGITAL E PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA"

Transcrição

1 FOTOGRAFIAS E CULTURAS ESCOLARES: UNIVERSO DIGITAL E PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA Marcus Levy Albino Bencostta - UFPR Antonia de Meira - CNPq UFPR INTRODUÇÃO O projeto A imagem fotográfica no estudo das instituições educacionais: os grupos escolares de Curitiba ( ) [Fase II: fotografias e culturas escolares: universo digital e preservação da memória] tem como um dos seus objetivos a organização de um conjunto de fotografias escolares com o propósito de construir um banco de dados que preserve fragmentos da memória dos Grupos Escolares de Curitiba, e com isto contribuir para os estudos da história da escolarização da infância no Brasil e sua relação com a cultura escolar primária. Desde o início, em 2001, o projeto tem contado com recursos financeiros do CNPq, através dos seguintes programas: Bolsa Produtividade, Edital Universal, PIBIC e Apoio Técnico a Projetos de Pesquisa Científica e Tecnológica. Esta parceria tem garantido a continuidade das investigações, assim como do processo de preservação das fotografias. Para construção deste banco de dados foi escolhido a programação ActionScript linguagem do Macromedia Flash que por sua funcionalidade permitiu desenvolver estruturas que minimizaram consideravelmente a perda da qualidade das imagens no modo digital, ao mesmo tempo que proporcionou uma maior agilidade na consulta dos repertórios. A estrutura do banco de dados está quase pronta, porém as imagens estão sendo inseridas em um banco de dados provisório, pois primeiramente é preciso digitalizar e tratar as imagens, de modo que se possa melhorar a qualidade das mesmas e padronizálas quanto ao tamanho e tipo de arquivo de imagem. Este banco de imagens prevê a organização e catalogação de um acervo digital com 2077 fotografias escolares a fim de facilitar à comunidade acadêmica o acesso a estas imagens e a suas respectivas fichas catalográficas.

2 PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ESCOLAR EM UNIVERSO DIGITAL As pesquisas em tecnologia de formação de imagens digitais têm afirmado que este novo formato não deve ser entendido apenas como a geração de uma imagem precisa sobre um novo suporte que é o digital. Temos que considerar que este avanço da ciência da informática proporcionou uma maior capacidade de organizar séries e coleções de fotografias, incrementando a qualidade da imagem e facilitando sua leitura, mas, também, contribuiu para novos conceitos acerca da preservação da memória. De acordo com Paul Conway (2001), o universo digital está sendo protagonista na transformação dos conceitos da preservação tradicional, qual seja, em vez de garantir a integridade física do objeto, passa a especificar a geração e manutenção do objeto cuja integridade intelectual é sua característica principal. Assim a integridade física diz respeito ao artefato, a fotografia em si. Quanto a preservação da integridade intelectual, esta se preocupa com a autenticidade do documento e as certezas das informações contidas na sua identificação, assegurada por cuidadosa pesquisa histórica, responsável por manter a integridade física. Algo que continuamente tem nos preocupado são estas duas integralidades, principalmente por ser toda esta documentação imagética aquela que sustenta a preservação física e intelectual do acervo desta pesquisa e que vem atuando como coresponsáveis no acesso à evidência história e suas problematizações acerca dos temas que representam. Nesse sentido, decidimos adotar três procedimentos que balizaram nossas ações na construção deste acervo. O primeiro foi construir uma programação que resultasse em uma estrutura que facilitasse a consulta do acervo pelos pesquisadores de modo ágil e seguro. O segundo, proteger as fotografias em seu modo original pelas quais foram geradas as cópias de alta qualidade no modo digital. O terceiro procedimento segue os conselhos da Preserving Digital Information (1995), que recomenda calcular o melhor meio de proteger as reproduções da deterioração através de um programa de preservação digital. Assim, desde o início do armazenamento das fotografias, temos pensado seriamente na expectativa de vida dos sistemas de formação de imagens digitais e nos preocupado com a migração dos arquivos digitais para futuros sistemas, de modo a garantir o acesso no futuro. O que nos remete a uma outra discussão que é a do próprio suporte. Como esta nossa pesquisa foi capaz de armazenar mais de duas mil fotografias escolares em um pequeno disco óptico, algo impossível na história da comunicação e da tecnologia de poucos anos atrás, sinaliza que mais à frente, em um futuro próximo, esta

3 capacidade de armazenamento será ainda maior diante do desenvolvimento deste conhecimento tecnológico. Contudo, a expectativa de vida desses novos suportes tem apresentado interessantes debates em torno do assunto da preservação, que levanta a discussão até que ponto o disco óptico tem uma durabilidade maior que suporte fotográfico físico (papel e/ou negativo). É provável, afirma Charles M. Dollar (1992, p. 45), que os suportes modernos de armazenagem óptica tenham uma sobrevida maior, porém, a fim de alcançar o grau de densidade de informação comum nos dias de hoje, as ações de preservação de acervos dependem de máquinas (que rapidamente atingem a obsolescência) para gerar a informação e depois torná-la legível e inteligível. Durante todo o processo de construção do banco de dados coube resolver o que deveria ser incorporado ao repertório digital, o que nos levou a determinar que nem todas as fotografias deveriam compor as séries/coleções. Inicialmente coletamos originais tanto quanto foi possível, para depois selecionar quais imagens deveriam ser preservadas de acordo com as escolhas temáticas que esta pesquisa se propôs investigar. Esta postura foi adotada por entendermos que a simples geração de uma imagem, de um suporte físico para o digital, não resulta em uma ação imediata de preservação (Normore, 2003), mesmo que partindo da idéia que o ato da digitalização estaria dificultando a perda ou destruição dos originais, nossa decisão acerca de quais imagens deveria compor a coleção foi pautada pelo interesse que estas fornecem à discussão sobre a memória do universo escolar. Talvez mais que outras mídias, a informação digital prevê requisitos de metadata que garantem a preservação dos objetos gravados e a sua acessibilidade no futuro. A idéia de metadata é adotada aqui na vertente do OCLC/RLG Working Group on Preservation Metadata (2001), que procura orientar como é possível preservar fontes de informações tradicionais, como fotos, livros, mapas etc, em plataforma digitais. Como as fotografias originais são físicas, suas fronteiras estão bem delineadas e seu conteúdo não deve ser alterado, sendo a própria existência física da fonte de informação, como já foi afirmado anteriormente, parte importante dentro do processo de preservação. Estamos atentos que a imagem digital contribui na preservação das fotografias escolares convencionais, pois uma vez digitalizadas, elas podem ser organizadas, acessadas e impressas com maior rapidez e facilidade por todos que utilizarem bancos de dados digitais como este. Se acrescentarmos outras linguagens como a textual e a auditiva, certamente as vantagens à consulta se sobressaem ainda mais se comparadas à tecnologia fotográfica convencional. Contudo, uma questão que precisa ser problematizada e posta em constante atenção é, qualquer que seja a vantagem imediata do uso de imagens

4 digitalizadas para a pesquisa nas ciências humanas, a segurança, a conservação e a preservação em longo prazo das fotografias originais deve ser mantida com o máximo de rigor pelos acervos e arquivos que as guardam, pois, sem uma preservação que assegure os materiais originais, não teremos nada a recorrer, caso a tecnologia digital de hoje venha a demonstrar imprevistas desvantagens no futuro (Mustardo, P.; Kennedy, N. 2001). Feita esta discussão inicial, apresentaremos a seguir a metodologia utilizada para organizar o acervo de imagens sob guarda desta pesquisa. Utilizamos os princípios da Gestão Eletrônica de Documentos (GED), que é um modelo de armazenamento e organização de dados sobre um suporte digital (a plataforma ou suporte digital escolhido foi o software Flash da Macromedia que utiliza programação ActionScript); este sistema de gerenciamento oferece maiores vantagens em termos de armazenamento, conservação, busca, acesso e difusão de arquivos digitais, neste caso, das imagens digitalizadas e suas respectivas fichas catalográficas (cada fotografia digitalizada é uma unidade documentária), isto porque as tecnologias de gerenciamento eletrônico permitem maior fluxo de arquivos (desde que estejam armazenados em sua plataforma), e facilitam o acesso e a difusão do banco de dados em meios eletrônicos (CD, DVD, Web, etc.). O uso desse sistema de gerenciamento eletrônico nesta pesquisa tornou-se essencial, pois a função primordial desse sistema de gestão de imagens digitais é facilitar a disponibilidade das imagens fotográficas para a comunidade de pesquisadores brasileiros por meio da produção de um meio eletrônico DVD, com o objetivo de preservar importante acervo histórico-cultural e educacional do Paraná. Os softwares utilizados para a construção do banco de dados foram escolhidos de acordo com as necessidades que surgiram ao longo de sua elaboração. A variedade de programas justifica-se pelas limitações de cada um, sendo necessária à utilização de softwares mais sofisticados para superá-las. Para a edição de imagens estamos utilizando os seguintes programas: MGI PhotoSuite 8.1. Programa utilizado na digitalização das fotografias através do scanner. Adobe Photoshop 6.0 Software utilizado para fazer pequenos reparos nas imagens já digitalizadas, como controlar luminosidade, cor e contraste. Macromedia Fireworks MX Software utilizado para a transformação dos arquivos de imagens JPEG (Joint Photographic Experts Group) para PNG (Portable Network Graphics) (esta permuta é necessária porque o Macromedia Flash aceita somente arquivos de imagem em PNG). A extensão JPEG ou JPG é mais usual em

5 ambientes web, por ter um nível de compactação bem maior do que em outros tipos de arquivos, porém esta compactação prejudica a qualidade da imagem pois a medida que ela é feita, a resolução da imagem diminui; por isso o uso de arquivos PNG vem se disseminando porque permite trabalhar com a imagem em altas resoluções, porém ocupando um espaço de armazenamento bem menor do que outros arquivos de imagem; no entanto, o uso de imagens em PNG ainda não é recomendado para web porque têm sido freqüente a ocorrência de vírus nestes arquivos. Para a construção do banco de dados: Macromedia Flash MX Esta plataforma permite desenvolver estruturas dinâmicas (banco de dados, filmes, apresentações, etc.) em programação ActionScript, com recursos de outras mídias (textos, sons, imagens) e animações. Os arquivos gerados por este software oferecem maior segurança contra cópias ilegais de textos e imagens e, além disso podem ser disponibilizados em diversos meios eletrônicos (páginas web, CD, DVD, etc.). Durante o aperfeiçoamento da estrutura do banco de dados, foi sugerido pelo pesquisador principal que o layout fosse alterado de maneira que o banco de dados não tivesse a aparência de uma página web (devido a imobilidade que a estrutura html proporciona nos objetos, a perda de qualidade das imagens e a estética da estrutura: a página web possui barras de ferramentas, navegação e endereço que para nossos fins se tornam desnecessárias.). Após algumas pesquisas acerca de uma programação que atendesse a tais exigências, foi encontrada a programação ActionScript que é especifica para Macromedia Flash. Esta programação permite ao usuário desenvolver estruturas com maior quantidade de objetos (imagens, textos e sons) sem perda de qualidade e agilidade, além disso proporciona maior estética no layout da estrutura pois é possível inserir animações em todos os objetos. FIGURA 1 Tela inicial do banco de dados

6 Na parte central da página encontram-se algumas informações sobre a pesquisa, a saber: título, imagem ilustrativa com legenda logo abaixo, nome do professor orientador e logomarcas das instituições apoiadoras (com links para seus respectivos sites), possui ainda um botão para entrar na página de acesso ao banco de dados. Ao clicar no botão Entrar da tela inicial, teremos acesso à segunda tela, onde encontra-se o menu principal, ao lado esquerdo da tela, como podemos ver na figura 2. FIGURA 2 Tela de acesso ao banco de dados (Menu esquerdo) Neste menu, encontram-se os seguintes botões: Home retorna a tela inicial; Apresentação nesta tela estará disponível um texto apresentando a pesquisa; Acervo tela que dá acesso a um sub-menu contendo as séries que classificam as imagens do acervo;

7 Artigos permite o acesso a uma tela onde estarão disponíveis alguns links para artigos sobre o assunto em formato PDF; Equipe encontram-se elencados os nomes de todos os bolsistas participantes do projeto desde seu início, também o nome do professor orientador com um link para seu currículo lattes; (ver figura 3). Contato este botão permite entrar em contato com o professor orientador através de seu ; Sair Encerra o banco de dados. Os botões do menu principal possuem um efeito animado: ao passar a seta do mouse sobre os mesmos eles acendem e emitem um som. Veremos na figura 3, o sub-menu que contém as séries onde foram classificadas as imagens do acervo: FIGURA 3 Tela da Equipe (acesso ao currículo lattes do professor orientador) FIGURA 4 Tela de acesso ao sub-menu do banco de dados (séries/coleções)

8 No sub-menu, aparecem os botões das séries/coleções do acervo, são eles: Alunos e Edifícios Escolares; Arquitetura e Espaço Escolar; Alunos e Professores; Rituais Escolares; Aula de Educação Física; Sala de Aula. Todos estes botões dão acesso a uma tela padrão, onde se pode navegar através de duas setas de direção (esquerda direita), pelas imagens e fichas catalográficas pertencentes ao acervo. Veremos a seguir um exemplo da série Alunos e Edifícios Escolares: FIGURA 5 Modelo da série Alunos e Edifícios Escolares Na figura observa-se a fotografia do Grupo Escolar Conselheiro Zacarias com a ficha catalográfica logo abaixo; a ficha contém informações sobre a fotografia: título, local, data, autor, responsável pela cópia, estúdio, arquivo, coleção, n.º do cadastro, cromia e anotações. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES FINAIS A organização, identificação e catalogação dos registros fotográficos de interesse desse estudo têm demonstrado que o conjunto de informações presente em cada uma das séries está se constituindo em um importante acervo iconográfico acerca da cultura escolar urbana pública de Curitiba.

9 Desde o início das atividades desta pesquisa tem-se claro seus objetivos, o que nos levou a adotar procedimentos de investigação que não se circunscrevem apenas ao levantamento e organização do material iconográfico, mas a um exercício contínuo de análise e interpretação que procura entender essa forma de representação visual e seu uso nos estudos históricos, em especial na história da educação escolar pública de Curitiba entre os anos de 1903 a Enquanto documentos, as fotografias escolares consistem em um testemunho e representação das escolas em determinada época. Elas revelam um modo de ser e de se conceber a escola, formas determinadas dos sujeitos se comportarem e representarem seus papéis professor, aluno, classe. Elas trazem informações sobre a cultura material escolar, os arranjos espaciais (arquitetura), as relações sociais, os contextos humanos (professores, alunos, diretores e suas respectivas posturas) e as práticas escolares (festas de encerramento do ano letivo, entrega de diplomas, desfiles e comemorações cívicas, solenidades, etc.). Dessa forma, a imagem fotográfica apresenta-se como um testemunho visual e como representação que requer, pois, uma leitura específica. Como fonte de informação, recordação e emoção, a imagem fotográfica associa-se à memória e introduz uma nova dimensão no conhecimento histórica, obtida tradicionalmente, através da linguagem escrita. O desafio para o pesquisador que busca utilizar a fotografia como objeto de estudo reside justamente na interpretação. Enquanto receptor da imagem, ele não pode desconsiderar os mecanismos implicados em sua recepção. Na memória das escolas públicas, as fotografias inscrevem-se na imanência do tempo presente, nos acontecimentos significativos para professores, alunos e funcionários, partícipes dessa temporalidade do agora, e assim, ela se constitui em um instrumento de memória institucional e de recordação. Neste estudo, entendemos que a potencialidade significativa das fotografias escolares é portadora de elementos para a compreensão das culturas manifestadas no universo escolar. Referências BAUMGARDT, M. Adobe Photoshop 6.0 web Design com Imageready. [S.I.] Ciência Moderna, 2001.

10 BOMFIM JR., F. T. Flash MX com ActionScript: orientados a objetos. São Paulo: Érica, CONWAY, P. Preservação no universo digital. Rio de Janeiro: Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos DOLLAR, C. M. Archival theory and information tecnologie s: the impact of information technologies on archival principles and methods. Marcerata: University of Marcerat Press, LE GOFF, J. Documento/Monumento. In: Enciclopédia Enaudi, Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1984, vol. 1 (Memória História), p MOREIRO GONZÁLEZ, J. A.; ARILLO, J. R. O conteúdo da imagem. Curitiba: Ed. da UFPR, MUSTARDO, P. KENNEDY, N. Preservação de fotografias: métodos básicos para salvaguardar suas coleções. Rio de Janeiro: Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos NORMORE, L. Studying special collections and the Web: An analysis of practice. First Monday. Peer-reviewed journal on the internet, volume 8, number 10 (October 2003). OCLC/RLG Working Group on Preservation Metadata. Preservation Metadata for Digital Objects: A Review of the State of the Art. OCLC Research publication, Preserving Digital Information: draft report of the task force on archiving of digital information. Version 1.0, Aug Research Libraries Group and Commission on Preservation an access. <URL:http://www.oclc.org> SHULZE, P. Macromedia Fireworks MX. [S.I.] Alta Books, 2002.

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED Preparação de documentos 1 Preparação de Documentos Quais documentos digitalizar? Eliminação: remoção e destruição de duplicatas, materiais sem importância

Leia mais

FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos

FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos Manual do Usuário Presidente Prudente, outubro de 2010 Índice 1. Introdução e Instruções

Leia mais

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes O Adobe Photoshop vem liderando o mercado de imagem digital há anos. Portanto, não podemos deixar de explorar essa ferramenta

Leia mais

Apresentação Figura 01:

Apresentação Figura 01: Apresentação O Sistema Online de Iniciação Científica da Universidade do Estado foi desenvolvido pela Pró- Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG) com a finalidade de agilizar o processo de

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação Universidade de São Paulo/Faculdade de Saúde Pública Curso de Saúde Pública Disciplina: HEP 147 - Informática Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação 1 Introdução ao Microsoft PowerPoint

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

MODELAGEM DO MUSEU VIRTUAL DO CESUMAR

MODELAGEM DO MUSEU VIRTUAL DO CESUMAR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 MODELAGEM DO MUSEU VIRTUAL DO CESUMAR Heinz Jefferson Vieira 1 ; Anderson de Lima 1 ; Luiz Fernando Braga Lopes 2 RESUMO: Este trabalho apresenta uma pesquisa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURTAS METRAGENS DOCUMENTÁRIOS REPORTAGENS JORNALÍSTICAS PARA VEÍCULOS IMPRESSOS (CDC) e TIRAS DE DESENHO EM QUADRINHOS (QCiência) - INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO

PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO 2 MOVIMENTO AMBIENTALISTA PRESERVAÇÃO DIGITAL OS DOCUMENTOS PROCESSADOS POR UM COMPUTADOR PODEM SER MANIPULADOS SEM DEIXAR QUALQUER VESTÍGIO, SENDO INSTÁVEIS

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

Este documento contém esclarecimentos para as dúvidas mais frequentes sobre portal e-saj.

Este documento contém esclarecimentos para as dúvidas mais frequentes sobre portal e-saj. Este documento contém esclarecimentos para as dúvidas mais frequentes sobre portal e-saj. Para melhor navegar no documento, utilize o sumário a seguir ou, se desejar, habilite o sumário do Adobe Reader

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO

PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO A partir do dia 17/09/2012 foi disponibilizado, no site da SJES, o acesso ao Portal Processual, que consolida as principais funcionalidades do sistema de acompanhamento

Leia mais

CPP. Sistema de Cadastro de Projetos de Pesquisa. Manual do Software

CPP. Sistema de Cadastro de Projetos de Pesquisa. Manual do Software CPP Sistema de Cadastro de Projetos de Pesquisa Manual do Software Maio 2015 1 Sistema de Cadastro de Projetos de Pesquisa Manual do Software Manual de uso do software SCPP Sistema de Cadastro de Projetos

Leia mais

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia.

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia. A Empresa A GDDoc é uma empresa especializada na gestão de documentos digitais e arquivos, auxilia as empresas a administrar através da tecnologia o uso de papel, para alcançar estes objetivos fazemos

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Preservação Digital. Documento Digital. Software (lógico) Hardware (físico) Informação (suporte + bits)

Preservação Digital. Documento Digital. Software (lógico) Hardware (físico) Informação (suporte + bits) Preservação Digital Documento Digital Hardware (físico) Software (lógico) Informação (suporte + bits) 1 Preservação Digital: introdução Efeitos negativos das tecnologias modernas Degradação ambiental Perda

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Manual de publicação de conteúdos no Joomla - Pós-Graduação

Manual de publicação de conteúdos no Joomla - Pós-Graduação Universidade Estadual do Oeste do Paraná Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) Divisão de Desenvolvimento/Sistemas Web Manual de publicação de conteúdos no Joomla da Unioeste Como incluir conteúdo na

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul

O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul O NDP Núcleo de Documentação e Pesquisa é um setor institucional e permanente da Fundação Bienal

Leia mais

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT.

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. PÁGINA: 2 de 21 Nenhuma parte deste documento pode ser utilizado ou reproduzido, em qualquer meio

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURTAS METRAGENS DOCUMENTÁRIOS REPORTAGENS JORNALÍSTICAS PARA VEÍCULOS IMPRESSOS (CDC) e TIRAS DE DESENHO EM QUADRINHOS (QCiência) - INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

MANUAL VERSÃO 2.13 1

MANUAL VERSÃO 2.13 1 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. O QUE É O EOL?... 3 2. ACESSANDO O EOL... 3 3. TELA INICIAL... 4 4. EXAMES ADMISSIONAIS... 4 5. MUDANÇA DE FUNÇÃO... 6 6. EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO AO TRABALHO... 7 7. EXAMES

Leia mais

Biblioteca digital: novo paradigma da informação

Biblioteca digital: novo paradigma da informação Biblioteca digital: novo paradigma da informação Murilo Bastos da Cunha Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Brasília, DF E-mail: murilobc@unb.br Introdução A Internet está revolucionando

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO - ALUNO

MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO - ALUNO MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO - ALUNO Passo a passo do Portal Acadêmico www.ucb.br - atende@ucb.br SUMÁRIO Objetivo Manual do Portal Acadêmico... 03 Navegadores... 03 Endereço Eletrônico (site)... 03 Bloqueador

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo

Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo Extensão de Arquivo Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo de arquivo salvo tem sua extensão.doc,.ppt,.xls...

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Aula: BrOffice Impress primeira parte

Aula: BrOffice Impress primeira parte Aula: BrOffice Impress primeira parte Objetivos Conhecer as características de um software de apresentação; Saber criar uma apresentação rápida com os recursos de imagem e texto; Saber salvar a apresentação;

Leia mais

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Bibliotecária Juliana Ribeiro de Campos Solla CRB-8 201/2013 Provisório Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00 h às 12:00 h e das 17:00 h às 21:00

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Página1 e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é Nota Fiscal de Serviço eletrônica

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

Este documento contém esclarecimentos para as dúvidas mais frequentes sobre portal e-saj.

Este documento contém esclarecimentos para as dúvidas mais frequentes sobre portal e-saj. Este documento contém esclarecimentos para as dúvidas mais frequentes sobre portal e-saj. Para melhor navegar no documento, utilize o sumário a seguir ou, se desejar, habilite o sumário do Adobe Reader

Leia mais

Manual do Usuário Network

Manual do Usuário Network Manual do Usuário Network Aluno Apresentação Apresentamos o manual de uso do site FGV Management Network. Espaço virtual criado com o objetivo de promover a integração, cooperação e convivência entre alunos,

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB Bons web sites necessitam de uma correta integração entre textos e imagens. Este artigo contém o mínimo que você precisa saber sobre imagens para a web. Introdução

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Página1 Certificado Digital e-cpf Manual do Usuário Página2 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?... 03 Instalando o Certificado... 04 Conteúdo do Certificado... 07 Utilização, guarda

Leia mais

Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox.

Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox. João Pessoa, 18 de Agosto de 2015. Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox. 1. Projeto Desenvolvimento

Leia mais

Manual e Normas Sistema Disciplina Online

Manual e Normas Sistema Disciplina Online Manual e Normas Sistema Disciplina Online 2011-2 1 SUMÁRIO Pág. 1. Sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.1. Acesso ao sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.2. Observações. 05 2. Sistema

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA Centro de Pós-Graduação

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA Centro de Pós-Graduação MANUAL DE INSCRIÇÃO Nesta primeira tela observar a inscrição referente ao CPG, que é o no primeiro quadro com descrição Abertos. Neste link é possível baixar o edital de inscrição antes de realiza-la.

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos esse manual, significa que você adquiriu um certificado digital AC Link. Manual do Usuário 1 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?...

Leia mais

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL MÓDULO 3 - PRESENCIAL CmapTools É um software para autoria de Mapas Conceituais desenvolvido pelo Institute for Human Machine Cognition da University of West Florida1, sob a supervisão do Dr. Alberto J.

Leia mais

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 1 - INTRODUÇÃO NEXCODE NOTE, também conhecido como NEXNOTE, é um conjunto de soluções de software desenvolvidas sob a plataforma

Leia mais

Desenvolvido: - Edson Gavazzoni - ECOEDUCAR Tecnologias Educacionais

Desenvolvido: - Edson Gavazzoni - ECOEDUCAR Tecnologias Educacionais [Versão Experimental] MANUAL DE INTERAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO Desenvolvido: - Edson Gavazzoni - ECOEDUCAR Tecnologias Educacionais 01. Apresentação O site está sendo construindo com base na Plataforma

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Manual de uso do RM Portal Acessando o portal

Manual de uso do RM Portal Acessando o portal Manual de uso do RM Portal Acessando o portal 1º) Deve-se abrir um browser de internet (Utilizar o Internet Explorer para uma melhor visualização do portal). Após o browser aberto, deve-se digitar o endereço

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 17 de setembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor (a) Médico (a) participante

Leia mais

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente Conceito ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente O Sagres Diário é uma ferramenta que disponibiliza rotinas que facilitam a comunicação entre a comunidade Docente e Discente de uma instituição,

Leia mais

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Kayo Delgado Medeiros de Almeida¹, Elon Gomes Vieira 2, Carlos Vitor de Alencar Carvalho 3, Magno Fonseca Borges 4, José

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO - SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL Vitória, 2011 GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

WordPress Institucional UFPel Guia Rápido

WordPress Institucional UFPel Guia Rápido GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NÚCLEO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SEÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA WEBSITES WordPress Institucional UFPel Guia Rápido Versão 2.0.1 Março de 2015 Introdução

Leia mais

Manual do Usuário Layout Novo CMS WordPress Versão atual: 3.5.1

Manual do Usuário Layout Novo CMS WordPress Versão atual: 3.5.1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA UFJF Secretaria de Sistemas de Informação SSI Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional CGCO Equipe de Desenvolvimento de Sites Manual do Usuário Layout Novo

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

Manual do Visualizador NF e KEY BEST

Manual do Visualizador NF e KEY BEST Manual do Visualizador NF e KEY BEST Versão 1.0 Maio/2011 INDICE SOBRE O VISUALIZADOR...................................................... 02 RISCOS POSSÍVEIS PARA O EMITENTE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA.................

Leia mais