Ana Carolina Simionato 1 Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa Santos 2. Eixo Temático: Novos rumos da catalogação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ana Carolina Simionato 1 Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa Santos 2. Eixo Temático: Novos rumos da catalogação."

Transcrição

1 O PROCESSO DE MODELAGEM CONCEITUAL (ENTIDADE RELACIONAMENTO) NA CATALOGAÇÃO: A CRIAÇÃO DOS REQUISITOS FUNCIONAIS PARA DADOS IMAGÉTICOS DIGITAIS (RFDID) Eixo Temático: Novos rumos da catalogação. Ana Carolina Simionato 1 Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa Santos 2 Resumo: A quantidade de informação produzida cresce proporcionalmente à necessidade de um tratamento informacional, sendo que as imagens digitais exigem um tratamento diferenciado para a sua representação. A metodologia exploratória e descritiva permitiu verificar que a potencialidade das imagens digitais não está devidamente explorada nas estruturas de descrição que contemplam apenas o conteúdo apresentado no recurso informacional, como vem ocorrendo até o momento. O objetivo é divulgar que a concepção dos atributos e os relacionamentos dos dados podem ser incorporados ao processo de descrição do recurso imagético na construção de formas para representação de informações imagéticas por meio de uma estrutura conceitual tendo como base os fundamentos da Catalogação. Como resultados, apresenta-se o modelo conceitual Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais RFDID e os apontamentos de que a persistência dos dados descritivos, a flexibilidade, a consistência e a integridade são requisitos essenciais para a representação da imagem digital. Palavras-chave: Imagem digital. Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais RFDID. Requisitos funcionais. Modelagem conceitual. Catalogação. Abstract: The amount of generated information increases proportionally to the need for an informational treatment, and digital images require differential treatment for their representation. The exploratory and descriptive methodology allowed verifying that the potential of the digital images are not activity in the description of structures that contemplate only the content displayed on informational resource, as it has so far. The objective is to promote the concept of attributes and relationships of the data can incorporated into the process of resource description imagery in the construction of forms for representing information imagery through a conceptual framework based on the fundamentals of cataloging. As results, we present the conceptual model Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais RFDID and notes that the persistence of descriptive data, flexibility, consistency and integrity are essential requirements for the representation of the digital image. Keywords: Digital image. Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais - RFDID. Functional requirements. Conceptual modeling. Cataloging. Resumen: La cuantía de información generada aumenta en proporción a la necesidad de un tratamiento informativo, y las imágenes digitales requieren un tratamiento diferente para su representación. La metodología exploratoria y descriptiva ha demostrado que el potencial de las imágenes digitales no es 1 Contato: Universidade Estadual de Londrina. 2 Contato: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. 1

2 explotado apropiadamente en la descripción de estructuras que incluyen sólo el contenido que aparece en la fuente de información, como lo ha hecho hasta ahora. El objetivo es promover el concepto de atributos y relaciones de los datos se pueden incorporar en el proceso de descripción de recursos de las imágenes en la construcción de formas de representación de las imágenes la información a través de un marco conceptual basado en los fundamentos de la catalogación. Como resultados, se presenta el modelo conceptual Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais - RFDID y señala que la persistencia de los datos descriptivos, la flexibilidad, la coherencia y la integridad son requisitos esenciales para la representación de la imagen digital. Palabras clave: Imagen digital. Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais - RFDID. Requisitos funcionales. Modelado conceptual. Catalogación. 1 INTRODUÇÃO Ao longo da história da Catalogação, muitos debates e discussões foram realizados para construção de orientações de descrições bibliográficas, resultando em revisões dos esquemas de descrição, como o que está acontecendo com o Resource Description & Access (RDA) e na proposta implementação do modelo conceitual para registros bibliográficos Functional Requirements for Bibliographic Records (FRBR). Entretanto, a descrição para os recursos imagéticos é pouco explorada e as atualizações dos instrumentos de trabalho da catalogação não contemplam esse tipo de recurso. Em contrapondo, a produção desse tipo de material informacional cresce imensuravelmente, pois os recursos imagéticos podem ser gerados por qualquer pessoa, a qualquer instante e por meio de muitos tipos de aparatos sensíveis e capazes de capturar momentos da vida cotidiana fazendo com que o recurso imagético seja cada vez mais popularizado. Entretanto, o problema não está na explosão da informação imagética, mas sim, no despreparo técnico de muitos bancos, bases e diretórios de imagens para o armazenamento desse tipo de recurso e na ausência de registros descritivos eficientes para o acesso aos dados e a recuperação desse tipo de informações. Além disso, os modelos conceituais, esquemas de codificação, padrões de metadados para imagem digital refletem aspectos tecnológicos e representacionais 2

3 na determinação padronizada dos metadados para imagem digital, e quanto mais específica e detalhada for à descrição do recurso, mais completas serão as informações apresentadas ao usuário final. Utilizando como metodologia uma observação sistemática qualitativa da bibliografia coletada sobre o tema em estudo e como método a modelagem conceitual Entidade-Relacionamento (E-R), proposta por Peter Chen na década de 90, esse trabalho tem como objetivo: divulgar que a concepção dos atributos e os relacionamentos dos dados podem ser incorporados ao processo de descrição do recurso imagético na construção de formas para representação de informações imagéticas por meio de uma estrutura conceitual tendo como base os fundamentos da Catalogação. Apresentando para tanto, o modelo conceitual Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais (RFDID), modelo que se propõe a suportar uma estrutura conceitual de entidade, em que a concepção dos atributos e relacionamentos já estará incorporada ao processo de representação do recurso imagético. 2 MODELAGEM CONCEITUAL DE DADOS IMAGÉTICOS A imagem digital é um recurso iconográfico que necessita de orientações mais precisas e específicas em seu tratamento descritivo. As orientações desse tipo de tratamento descritivo informacional compreendem: a análise sistemática e a descrição dos elementos de uma imagem para sua recuperação e utilização, tornando possível ao usuário ter acesso à informação que procura. A descrição da imagem digital deve obedecer a padrões determinados que permitam que cada elemento seja um ponto de acesso tanto ao objeto isoladamente, quanto aos relacionamentos entre outros objetos, nomes entidades, locais e outra série de elementos ontológicos e contextuais que ampliam, de forma significativa, o potencial de acesso e recuperação sobre determinado assunto e recurso. Nesse sentido, importante é considerar a atividade específica do catalogador, como sendo o sujeito institucional que tem conhecimento estratégico para utilizar as novas linguagens proporcionadas pelas tecnologias de informação e comunicação na construção de formas descritivas de recursos que atuarão na camada de 3

4 apresentação da informação e darão o encaminhamento às operações de busca e de recuperação de recursos informacionais em um cenário composto pelas necessidades de informação dos usuários, a visão de interligação dos sistemas (interoperabilidade), a consistência e completude na modelagem (atributos descritivos persistidos na base) e a facilidade do acesso garantida por uma interface amigável na camada de apresentação ao usuário. Assim, os detalhes de cada cenário específico e a modelagem dos dados permitem uma maior economia processual, com a reutilização de componentes e aumento da flexibilidade e automatização do sistema, do ponto de vista informacional e tecnológico. A partir desse contexto, as regras e práticas de modelagem devem ser planejadas pelo catalogador que atua como projetista do catálogo fazendo com que algumas anomalias (exemplo: campos de catalogação repetidos), sejam retiradas do projeto e a qualidade da informação seja homologada no modelo. O conceito da Catalogação necessita de ampliação acrescentando a esse processo a [...] modelagem das estruturas bibliográficas no desenvolvimento de modelos conceituais que servirão de base para a construção de esquemas de banco de dados. (FUSCO, 2011, p. 20). A partir desse pressuposto, percebe-se que a necessidade da consistência da representação do recurso imagético digital se dá pela especificidade e detalhamento de descrição do material. O termo persistência [...] refere-se ao armazenamento não volátil de dados. O dado é armazenado de modo que a informação não desapareça facilmente [...] (ALVES; SANTOS, 2013, p. 12), além dos padrões de conteúdo de dados, padrões externos, códigos e regras que auxiliam a descrição e, consequentemente, o estabelecimento dos metadados, determinam não só a sintaxe e a padronização dos metadados, mas também, os valores e a padronização de sua representação. (ZENG; QIN, 2008, tradução nossa) O desenvolvimento do modelo conceitual FRBR (Functional Requirements for Bibliographic Records) consolida essa percepção, pois eles direcionam os catalogadores ao desenvolvimento de projetos de modelagem de catálogos na exigência do conhecimento prévio sobre o tratamento da informação e a definição de processos metodológicos para a construção de formas de representação. 4

5 O Functional Requirements for Bibliographic Records foi publicado em 1998 pela International Federation of Library Association (IFLA) e ilustra um novo modelo de referência do universo bibliográfico. O FRBR é resultante de um estudo, encomendado pela IFLA, empreendido no período de 1992 a 1997 por um grupo de especialistas e consultores de várias nacionalidades. Em resposta às necessidades dos usuários, o FRBR foi definido a partir da tarefas genéricas realizadas pelos usuários quando fazem buscas em bibliografias, as chamadas user tasks: uso dos dados para encontrar materiais que correspondam aos critérios estabelecidos na busca do usuário; uso dos dados recuperados para identificar uma entidade; uso dos dados selecionar uma entidade adequada às necessidades do usuário e o uso dos dados encomendar, adquirir ou obter acesso à entidade descrita. (IFLA, 1998, p. 8). O objetivo do estudo do FRBR [...] era produzir uma estrutura (framework) que proporcionasse uma compreensão clara, definida com precisão e comumente compartilhada de como o registro bibliográfico pode proporcionar informação sobre o que se espera que o registro possa arquivar em termos de resposta às necessidades do usuário [...] (LE BOEUF, 2005, p. 01). Assim sendo, o modelo E-R (Entidade-Relacionamento) advindo da Ciência da Computação, no estabelecimento de conceitos para a modelagem de banco de dados é utilizado para melhorar o design das bases de dados e para torná-las úteis e mais bem sucedidas em suas buscas (FUSCO, 2010). O modelo conceitual FRBR E-R estabelece alguns conceitos sobre os muitos tipos de materiais descritos nas bases de dados pertencentes a uma biblioteca ou a uma unidade de informação, tornando os catálogos automatizados mais amigáveis para os usuários, e universais, pois têm como propósito favorecer compatibilidades internacionais sobre seus usos, de modo a tornar o processo de busca e de recuperação cada vez mais eficientes. Segundo Le Bouef (2005, p. 1), o FRBR [...] é um modelo que define um número de classes gerais ( entidades ) de coisas que são julgadas relevantes no contexto específico de um catálogo de biblioteca, seguidas de características ( atributos ) que pertencem a cada uma dessas classes gerais, e os relacionamentos que podem existir entre instâncias dessas várias classes. 5

6 A adoção da metodologia de modelagem conceitual de dados permite ao catalogador atuar no processo de construção de banco de dados utilizando os conceitos da catalogação, possibilitando uma visão não linear dos elementos descritivos de um item imagético. É importante esclarecer que a modelagem se faz pelos elementos descritivos. Como aponta Peter Chen (1990), idealizador do modelo E-R, a determinação de como organizar os dados maximiza a utilidade e se torna um problema, assim, sempre haverá o imperativo de uma modelagem complexa, para que se visualizem as características essenciais de um domínio de abstração. Diante de todos os grupos modelados com o FRBR, esse trabalho apresenta uma modelagem para o desenvolvimento e o planejamento de catálogos para registros imagéticos digitais tendo como foco o atendimento das tarefas do usuário. 3 REQUISITOS FUNCIONAIS PARA DADOS IMAGÉTICOS DIGITAIS (RFDID) Na concepção de novas propostas e projetos voltados para a recuperação da imagem não se espera do catalogador a definição de algoritmos ou de modelos computacionais para recuperação recursos informacionais, mas sim, estudo e a análise de teorias e práticas sobre o desenvolvimento e a aplicação das tecnologias de informação e comunicação (TIC) que envolvem os processos de acesso aos dados e de recuperação da informação em ambientes digitais, além dos processos de geração, representação, armazenamento, disseminação, (re)uso, gestão, segurança e preservação. Nesse sentido, Jonsson (2002, p. 6) aponta o FRBR como um marco conceitual que possibilita aos estudiosos da catalogação descritiva, uma maneira de juntar harmoniosamente as diferentes regras de catalogação, promovendo assim, o aperfeiçoamento da interoperabilidade, tão necessária em ambientes digitais. Cada uma das entidades dos FRBR está associada a uma série de propriedades ou características atributos e esses atributos são responsáveis por descrever as entidades e permitir que as questões dirigidas ao sistema sobre esta entidade sejam respondidas com êxito. A Entidade, no modelo E-R, é entendida como uma coisa ou um objeto no 6

7 mundo real que pode ser identificada de forma unívoca em relação a todos os outros objetos. Uma entidade pode ser concreta ou abstrata. Por sua vez, atributos são as diversas características que um tipo de entidade possui, ou propriedades descritivas de cada membro de um conjunto de entidades. Um relacionamento [...] é uma associação entre uma ou várias entidades [...] (CHEN, 1990, p ). Por esse motivo, os diagramas baseados no modelo FRBR já são compostos com os elementos descritivos. O modelo está integralmente apresentado na figura 1, denominado como Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais - RFDID, apresentando os três grupos conceituais e seus relacionamentos e atributos. 7

8 Figura 1 - Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais Fonte: Adaptação de Simionato (2012, p. 123). 8

9 O modelo apresentado na figura 1 define um número de entidades relevantes para a descrição de recursos imagéticos em contextos específicos, com atributos de cada uma dessas entidades e os relacionamentos que podem existir entre instâncias dessas várias entidades. A contribuição do RFDID se insere tanto na área de descrição dos recursos informacionais quanto para área da imagem digital. Pois, o modelo estabelece um nível de organização dos dados nos sistemas digitais e um grau de padronização que favorece a interoperabilidade entre sistemas e possibilitar o compartilhamento de dados e de serviços informacionais. Cada grupo e seu diagrama para os Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais RFDID estão apresentados a seguir. Grupo 1 O Grupo 1 representa a base conceitual do modelo, referindo-se ao trabalho intelectual ou artístico, suas entidades são: obra, expressão, manifestação e item. Como apresentado o Grupo 1, no quadro 1. Entidade Obra Expressão Manifestação Item Descrição É definida como a criação intelectual subjetiva de quem irá capturar uma imagem. Realização intelectual ou artística específica e ainda subjetiva, que assume uma obra ao ser elaborada, ou seja, a expressão no contexto imagético é o processo de criação intelectual a ser transformada em imagem digital, ou seja, a transformação em pixels. Forma física e concreta da expressão de uma obra. Imagem que o usuário busca em um catálogo, é a imagem que se vê e a sua representação deve conter atributos que a tornem única a partir de uma descrição de dados persistidos no sistema que garantam o seu instanciamento. Quadro 1 - Entidades do Grupo 1 do RFDID Fonte: Elaborado pelas autoras. A principal dificuldade do Grupo 1 está em delimitar os conceitos de obra e de expressão, como as propriedades de uma nova obra ou uma nova expressão, nesse sentido, a Figura 2 apresenta os limites entre obra e expressão em relação à imagem digital. 9

10 Figura 2 - Limites entre as entidades obra e expressão para o recurso imagético digital Fonte: Adaptação de Tillett (2003, p. 04). Com base nas quatro entidades do grupo 1 e os limites entre as entidades de obra e expressão, os relacionamentos entre as entidades e entre eles, é apresentado o primeiro grupo de entidades do RFDID na figura 3. Figura 3 - RFDID - Primeiro Grupo de entidades e seus relacionamentos Fonte: Elaborado pelas autoras. 10

11 Grupo 2 No segundo grupo, as entidades são Pessoa e Entidade Coletiva explicitadas no quadro 2, elas estruturam a base das entidades do primeiro grupo: pessoa e entidade coletiva: Entidade Pessoa Entidade coletiva Descrição Indivíduo responsável pela criação ou realização de uma obra, ou seja, o responsável pela captura da imagem digital ou por sua realização. Organizações ou grupos de indivíduos responsáveis pelo conteúdo intelectual da imagem digital, inclusive grupos temporários (encontros, conferências, reuniões, festivais, etc.) e autoridades territoriais como uma federação, um estado, uma região, entre outros. Quadro 2 - Entidades do Grupo 2 do RFDID Fonte: Elaborado pelas autoras. Com base nas entidades do Grupo 2 do RFDID e seus relacionamentos, segue a ilustração do segundo grupo de entidades do RFDID na figura 4. Figura 4 - RFDID - Segundo grupo de entidades e seus relacionamentos Fonte: Elaborado pelas autoras. 11

12 Grupo 3 O terceiro grupo, por sua vez, corresponde às entidades que representam o conjunto de temas que caracterizam uma obra, ele abarca os dois outros grupos anteriormente descritos e programa mais quatro novas entidades conforme demonstra o quadro 3. Entidade Conceito Objeto Evento Lugar Descrição Uma noção abstrata ou uma ideia que podem ser amplas ou específicas, abrangendo abstrações de uma obra e podem ser temáticas: áreas de conhecimento, disciplinas, escolas de pensamento, teorias; ou ainda as técnicas fotográficas que podem ser incorporadas nas imagens digitais. A coisa material, que abrange uma completa categoria de coisas materiais que podem ser as temáticas de uma obra: objetos da natureza, objetos da criação humana ou objetos que já não existam. Inclui uma variedade de ações, ocorrências ou acontecimentos: momento histórico, época, período de tempo. Uma localização ou uma série de localizações como: terrestres e extraterrestres, históricas ou contemporâneas, características geográficas e jurisdições geopolíticas. Quadro 3 - Apresentação de Entidades do Grupo 3 do RFDID Fonte: Elaborado pelas autoras. na figura 5: O relacionamento das entidades do terceiro grupo do RFDID estão descritas Figura 5 - RFDID - Terceiro grupo de entidades e seus relacionamentos Fonte: Elaborado pelas autoras. 12

13 A modelagem conceitual de dados proposta nos Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais RFDID pressupõem um sistema de recuperação da imagem digital que envolve a extração de características específicas da imagem indo além do conteúdo da informação extraído da leitura da imagem e a sua descrição em texto, normalmente baseada na interpretação do assunto da imagem, ou até mesmo como uma imagem técnica. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os recursos imagéticos se apresentam como grande atrativo no processo de transmissão e intercâmbio de informações e sua comunicação e leitura se configuram, na maioria das vezes, como de rápida e de fácil interpretação. Dessa forma, a gestão desses recursos exige necessários catálogos mais eficientes, acessíveis e amigáveis para o usuário. A potencialidade está contida na consistência de sua descrição e na persistência dos dados na base. Ou seja, a potencialidade embutida na descrição adequada do recurso imagético pode influenciar o desenvolvimento de novos sistemas para captura e ampliar acesso aos dados dos recursos imagéticos facilitando sua recuperação, uso, acesso, compartilhamento e preservação. Portanto, a modelagem conceitual e os requisitos funcionais são abordagem que precisam estar presentes nos estudos e práticas da Catalogação, pois se configuram como auxiliares potenciais no tratamento da informação em ambientes digitais, na visualização dos relacionamentos entre as entidades e os seus atributos, explicitando as relações construídas por meio de associações entre um ou mais atributos. Entretanto, há que se considerar que a representação de imagens digitais em um ambiente dinâmico como a Web é uma tarefa árdua e complexa, que exige maior cooperação entre as instituições fornecedoras de metadados no desenvolvimento de um trabalho estratégico no uso de esquemas, de linguagens e de codificações para construção de formas de representação estruturadas com o foco na persistência de dados e principalmente na apresentação da informação. Estruturas essas, responsáveis pelo encaminhamento de operações de acesso aos dados, de busca de informações, de localização e de recuperação de recursos informacionais. 13

14 Nesse sentido, o modelo conceitual para a descrição de imagens digitais, Requisitos Funcionais para Dados Imagéticos Digitais RFDID aqui apresentado se configura em uma proposta na configuração da modelagem de banco de dados e catálogos, e que se propõe como uma forma de organização para representação de recursos imagéticos. Dessa forma, a utilização dos RFDID na modelagem de dados permitirá uma maior economia no processo de representação de recursos imagéticos favorecendo a reutilização de componentes e o aumento da flexibilidade da construção do próprio registro bibliográfico. Essa reutilização, promove um relacionamento de valores conectivos de entidades previamente definidas pelo modelo conceitual, permitindo que os dados imagéticos sejam descritos somente uma vez. A flexibilidade, por sua vez, contemplará as mudanças que possam ocorrer em diferentes ambientes digitais. Conclui-se que o RFDID oferece contribuições para quebra na estrutura rígida dos registros descritivos elaborados até então, facilitando a interoperabilidade e intercâmbio de informações; transformando as descrições em estruturas de dados mais flexíveis, e que podem se relacionar a partir de suas entidades e atributos; otimizando os processos de descrição, de acesso, e os de localização e de recuperação dos recursos informacionais imagéticos; e ainda, favorecendo a interoperabilidade entre sistemas de informação e catálogos. REFERÊNCIAS ALVES, R. C. V.; SANTOS, P. L. V. A. C. Metadados no domínio bibliográfico. Rio de Janeiro: Intertexto, CHEN, P. Modelagem de dados: a abordagem entidade-relacionamento para projeto lógico. São Paulo: Mcgraw Hill, FUSCO, E. Modelos conceituais de dados como parte do processo da catalogação: perspectiva de uso dos FRBR no desenvolvimento de catálogos bibliográficos digitais. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, IFLA. Study Group on the Functional Requirements for Bibliographic Records. Functional Requirements for Bibliographic Records: final report Disponível em: <http://www.ifla.org/vii/s13/frbr/>. Acesso em: 19 jul

15 JONSSON, G. Las bases para un registro en la mayoría de las reglas de catalogació y la relación a FRBR. IFLA Council General Conference, 68, Glascow, Scotland Aug Disponível em: <http://www.ifla.org/iv/ifla68/papers/ e.pdf>. Acesso em: 02 maio LE BOEUF, P. O Admirável mundo novo do FRBR. Reunião da IFLA de especialistas para um código de catalogação internacional (Ime Icc 5), de agosto, 2007, Pretória, África do Sul. Anais... Tradução de Fernanda Moreno; Revisão de Márcia Rosetto. Disponível em: <http://www.imeicc5.com/download/portuguese/presentations2c_bravenewfrbrwo rld(pr)_port.pdf>. Acessado em: 10 jun SIMIONATO, A. C. Representação, acesso, uso e reuso da imagem digital. 142f Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília/SP, TILLET, B. B. FRBR: Functional requirements for bibliographic records. In: Technicalities, [s.l], v.23, no. 5, p , set/out ZENG, M. L.; QIN, J. Metadata. New York: Neal-Schuman Publishers,

WEB SEMÂNTICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CATALOGAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURAS DE METADADOS E FRBR

WEB SEMÂNTICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CATALOGAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURAS DE METADADOS E FRBR PÔSTER WEB SEMÂNTICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CATALOGAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURAS DE METADADOS E FRBR Renata Eleuterio da Silva, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa Santos Resumo: Os avanços

Leia mais

METADADOS: ORGANIZAÇÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO NO DOMÍNIO BIBLIOGRÁFICO

METADADOS: ORGANIZAÇÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO NO DOMÍNIO BIBLIOGRÁFICO METADADOS: ORGANIZAÇÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO NO DOMÍNIO BIBLIOGRÁFICO Eixo Temático: Novos rumos da catalogação. Rachel Cristina Vesu Alves 1 Plácida L. V. A. da C. Santos 2 Resumo: Os metadados são apontados

Leia mais

A MODELAGEM DE DADOS NO PROCESSO DA CATALOGAÇÃO SOB A PERSPECTIVA DO USO DOS FRBR

A MODELAGEM DE DADOS NO PROCESSO DA CATALOGAÇÃO SOB A PERSPECTIVA DO USO DOS FRBR A MODELAGEM DE DADOS NO PROCESSO DA CATALOGAÇÃO SOB A PERSPECTIVA DO USO DOS FRBR DATA MODELING IN CATALOGING PROCESS UNDER THE PERSPECTIVE OF FRBR'S APPLICATION Elvis Fusco elvisfusco@marilia.unesp.br

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação XIII ENANCIB 2012. GT 8: Informação e Tecnologia

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação XIII ENANCIB 2012. GT 8: Informação e Tecnologia XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação XIII ENANCIB 2012 GT 8: Informação e Tecnologia AS CONTRIBUIÇÕES DA WEB SEMÂNTICA PARA A CATALOGAÇÃO: ARQUITETURAS DE METADADOS E FRBR EM FOCO

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento

Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento 1 Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento DESENVOLVIMENTO DO PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: AS CONTRIBUIÇÕES DA DCMI INTERNATIONAL CONFERENCE ON DUBLIN CORE AND METADATA

Leia mais

DESCRIÇÃO DE RECURSOS IMAGÉTICOS DIGITAIS: APRESENTAÇÃO DE UM MODELO CONCEITUAL

DESCRIÇÃO DE RECURSOS IMAGÉTICOS DIGITAIS: APRESENTAÇÃO DE UM MODELO CONCEITUAL DESCRIÇÃO DE RECURSOS IMAGÉTICOS DIGITAIS: APRESENTAÇÃO DE UM MODELO CONCEITUAL Ana Carolina Simionato Universidade Estadual de Londrina UEL, Brasil. Plácida L. V. Amorim da Costa Santos Universidade Estadual

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

Falando sobre RDA. O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação

Falando sobre RDA. O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação VII Seminário Brasileiro de Bibliotecas das Instituições da Rede de Educação Profissional Cientifica e Tecnológica III Encontro de Bibliotecários no IFSuldeMinas Falando sobre RDA O que é e o que podemos

Leia mais

PERSPECTIVAS DA CATALOGAÇÃO COMO DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA E INSTRUMENTO DE RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO

PERSPECTIVAS DA CATALOGAÇÃO COMO DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA E INSTRUMENTO DE RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO XXII CBBD Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação Brasília DF, 8-11 de julho de 2007 ÁREA: COMUNICAÇÃO Sub-área: Memória e história da biblioteconomia e ciência da

Leia mais

RENATA ELEUTERIO DA SILVA AS TECNOLOGIAS DA WEB SEMÂNTICA NO DOMÍNIO BIBLIOGRÁFICO

RENATA ELEUTERIO DA SILVA AS TECNOLOGIAS DA WEB SEMÂNTICA NO DOMÍNIO BIBLIOGRÁFICO RENATA ELEUTERIO DA SILVA AS TECNOLOGIAS DA WEB SEMÂNTICA NO DOMÍNIO BIBLIOGRÁFICO Marília 2013 RENATA ELEUTERIO DA SILVA AS TECNOLOGIAS DA WEB SEMÂNTICA NO DOMÍNIO BIBLIOGRÁFICO Dissertação apresentada

Leia mais

CATALOGAÇÃO DESCRITIVA NO SÉCULO XXI: MODELO FUNCIONAL PARA A DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA

CATALOGAÇÃO DESCRITIVA NO SÉCULO XXI: MODELO FUNCIONAL PARA A DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA CATALOGAÇÃO DESCRITIVA NO SÉCULO XXI: MODELO FUNCIONAL PARA A DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA Eixo Temático: Novos rumos da catalogação Fabiano Ferreira de Castro 1 Plácida L. V.

Leia mais

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 1 Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 Bill Alexander Santos da Silva 2 Juliana Marques do

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a indexação e resumos, julgue os itens a seguir. Julgue os itens subsecutivos, referentes à gestão da informação e do conhecimento. 51 Coerência intraindexador refere-se

Leia mais

A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1)

A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1) A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1) Mariana de Oliveira Inácio 1, Mariângela Spotti Lopes Fujita 2 1 Mestranda,

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies Ricardo de Almeida Falbo Engenharia de Ontologias Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Preocupações Principais do

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

FRBR REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS: primeiro estudo investigativo da USP

FRBR REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS: primeiro estudo investigativo da USP TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária FRBR REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS:

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO INTRODUÇÃO A Declaração de Princípios conhecida geralmente por Princípios de Paris foi aprovada pela Conferência Internacional sobre Princípios de

Leia mais

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Leonardo Mota, Jobson Massollar, Guilherme Horta Travassos Federal University of Rio de Janeiro/COPPE/PESC Caixa Postal

Leia mais

universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse

universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse Abel L. Packer BIREME/OPS/OMS, Diretor Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

Leia mais

GT 8. Informação e Tecnologia

GT 8. Informação e Tecnologia GT 8 Informação e Tecnologia O GT 8 aborda Estudos e pesquisas teórico- -práticos sobre e para o desenvolvimento de tecnologias de informação e comunicação que envolvam os processos de geração, representação,

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

Weslley da Silva Fernandes Mathias

Weslley da Silva Fernandes Mathias Weslley da Silva Fernandes Mathias 1 Biblioteca digital é a biblioteca constituída por documentos primários, que são digitalizados sob a forma material (disquetes, CD-ROM, DVD), ou online através da internet,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NO BRASIL: ENSINO E PESQUISA

REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NO BRASIL: ENSINO E PESQUISA REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NO BRASIL: ENSINO E PESQUISA Eixo temático: Novos rumos da catalogação Valéria Alves Ferreira 1 Marcia Regina Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é refletir sobre o ensino

Leia mais

Banco de Dados Multimídia

Banco de Dados Multimídia Banco de Dados Multimídia Nomes: Ariane Bazilio Cristiano de Deus Marcos Henrique Sidinei Souza Professor Mauricio Anderson Perecim Conteúdo Banco de Dados Multimídia... 3 Conceitos... 3 Descrição... 3

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

APLICAÇÕES SINTÁTICAS E SEMÂNTICAS NA CONVERSÃO DE REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS AO FORMATO MARC21 BIBLIOGRÁFICO

APLICAÇÕES SINTÁTICAS E SEMÂNTICAS NA CONVERSÃO DE REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS AO FORMATO MARC21 BIBLIOGRÁFICO APLICAÇÕES SINTÁTICAS E SEMÂNTICAS NA CONVERSÃO DE REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS AO FORMATO MARC21 BIBLIOGRÁFICO Zaira Regina Zafalon Plácida L. V. A. da C. Santos UNESP - BRASIL Introdução Uso de novas tecnologias

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

REPOSITÓRIOS DIGITAIS: UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL FRBR NA ESTRUTURAÇÃO DESCRITIVA

REPOSITÓRIOS DIGITAIS: UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL FRBR NA ESTRUTURAÇÃO DESCRITIVA REPOSITÓRIOS DIGITAIS: UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL FRBR NA ESTRUTURAÇÃO DESCRITIVA Eixo temático: Novos rumos da catalogação Elisabete Gonçalves de Souza 1 Wellington Freire Cunha Costa

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico

XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico Recuperação de Informação em Infraestruturas de Dados Espaciais usando Mecanismos de Representação do Conhecimento Autores

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Profª Drª Simone Sayuri Sato Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT 2 - Organização e Representação do Conhecimento.

XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT 2 - Organização e Representação do Conhecimento. XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT 2 - Organização e Representação do Conhecimento Comunicação Oral APLICAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL FRBR EM REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS:

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

RESOUCE DESCRIPTION AND ACCESS (RDA) E AS MUDANÇAS NA CATALOGAÇÃO

RESOUCE DESCRIPTION AND ACCESS (RDA) E AS MUDANÇAS NA CATALOGAÇÃO RESOUCE DESCRIPTION AND ACCESS (RDA) E AS MUDANÇAS NA CATALOGAÇÃO Eixo Temático: Novos rumos da catalogação Iuri Noimann Hatsek 1 Araci Isaltina Andrade Hillesshein 2 Resumo: A diversidade informacional

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo BANCO DE DADOS I AULA 3 Willamys Araújo Modelo Conceitual Descreve quais dados serão armazenados no banco de dados as relações que existem entre eles. Independe do SGBD e da abordagem do banco de dados

Leia mais

ELVIS FUSCO. Orientação: Profa. Dra. Plácida L. V. A. da Costa Santos. Linha de Pesquisa: Informação e Tecnologia MARÍLIA 2010

ELVIS FUSCO. Orientação: Profa. Dra. Plácida L. V. A. da Costa Santos. Linha de Pesquisa: Informação e Tecnologia MARÍLIA 2010 0 ELVIS FUSCO MODELOS CONCEITUAIS DE DADOS COMO PARTE DO PROCESSO DA CATALOGAÇÃO: PERSPECTIVA DE USO DOS FRBR NO DESENVOLVIMENTO DE CATÁLOGOS BIBLIOGRÁFICOS DIGITAIS MARÍLIA 2010 1 ELVIS FUSCO MODELOS

Leia mais

Engenharia de Software-2003

Engenharia de Software-2003 Engenharia de Software-2003 Mestrado em Ciência da Computação Departamento de Informática - UEM Profa. Dra. Elisa H. M. Huzita eng. de software-2003 Elisa Huzita Produto de Software Conceitos Software

Leia mais

O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web

O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web Rodrigo S. Prudente de Aquino rodrigo@wpage.com.br É bacharel em Ciência da Computação pela PUC-SP e MBA em Engenharia de Software pela USP. Foi analista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Nome do Projeto: Revisão do processo de Homologação de Modelo de Dados Tema: Tecnologia da Informação Responsável: SEAD

Nome do Projeto: Revisão do processo de Homologação de Modelo de Dados Tema: Tecnologia da Informação Responsável: SEAD Apresentação TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENADORIA DE LOGÍSTICA SEÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DE DADOS E-mail: sead@tse.jus.br Nome do Projeto: Revisão do processo de

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

ACERVO DIGITAL INTEGRADO AO MOODLE

ACERVO DIGITAL INTEGRADO AO MOODLE / ACERVO DIGITAL INTEGRADO AO MOODLE Curitiba,05/2010 Sandramara Scandelari Kusano de Paula Soares, UFPR/CIPEAD, sskusano@ufpr.br Mario de Paula Soares Filho UFPR, paulasoares@ufpr.br Dieval Guizelini

Leia mais

Modelo de Governança

Modelo de Governança Nome do Projeto Subproduto Responsável do Projeto / Área E-mail Desenvolvimento do Centro Nacional de Terminologia Moacyr Esteves Perche - DATASUS moacyr.perche@saude.gov.br Telefone (61) 3315-2915 Responsável

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil Gestão de uma Farmácia Solidária a partir de um Aplicativo Pautado em Normas, Padrões e Requisitos preconizados pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde Osmani José Sadzinski 1, Fabio Duarte 1,4,

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br

Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br 1. A comunicação científica

Leia mais

Construção de Teorias em Engenharia de Software

Construção de Teorias em Engenharia de Software Construção de Teorias em Engenharia de Software Métodos de Pesquisa Experimental em Engenharia de Software 1 Construção de Teorias Deve começar o mais cedo possível no processo de investigação. Teorias

Leia mais

(FAPESP). 2 Universidade Estadual Paulista - assumpcao.f@gmail.com. Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons ARTIGO

(FAPESP). 2 Universidade Estadual Paulista - assumpcao.f@gmail.com. Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons ARTIGO ARTIGO Recebido em: 26/09/2012 Aceito em: 26/04/2013 Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 18, n. 37, p. 203-262, mai./ago., 2013. ISSN 1518-2924. DOI: 10.5007/1518-2924.2013v18n37p265

Leia mais

Expandindo o conceito de biblioteca: interoperabilidade, personalização, curadoria digital e novos documentos

Expandindo o conceito de biblioteca: interoperabilidade, personalização, curadoria digital e novos documentos II ENCONTRO DE BIBLIOTECÁRIOS DA AERONÁUTICA - FAB Expandindo o conceito de biblioteca: interoperabilidade, personalização, curadoria digital e novos documentos ou a Biblioteca na Porta da Geladeira Luana

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML DICOM - XML Introdução aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML Introdução Até a década de 70, maioria dos dispositivos armazenava imagens em formatos

Leia mais

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica.

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica. Bibliotecas digitais: possibilidades da utilização de Softwares livres para disponibilização de trabalhos acadêmicos. Cristina Maria de Queiroz Valeria Ferreira de Jesus Lauriano Resumo Com a evolução

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação

Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação Natali Silva Honda 1, Bruno Bogaz Zarpelão 1 1 Departamento de Computação Universidade

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

Introdução à Curadoria Digital

Introdução à Curadoria Digital 2º Curso técnico de Preservação Digital MSc. Thayse Natália Cantanhede Santos Introdução à Curadoria Digital INTRODUÇÃO Na Ciência da Informação, o fundamental é a existência do conhecimento registrado,

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Escola de Informática Aplicada Curso: Bacharelado em Sistemas

Leia mais

ARTIGO REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA E TEMÁTICA DE RECURSOS DE INFORMAÇÃO NO SISTEMA AGÊNCIA EMBRAPA: USO DO PADRÃO DUBLIN CORE

ARTIGO REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA E TEMÁTICA DE RECURSOS DE INFORMAÇÃO NO SISTEMA AGÊNCIA EMBRAPA: USO DO PADRÃO DUBLIN CORE REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA E TEMÁTICA DE RECURSOS DE INFORMAÇÃO NO SISTEMA AGÊNCIA EMBRAPA: USO DO PADRÃO DUBLIN CORE Marcia Izabel Fugisawa Souza Maria das Dores Rosa Alves Resumo: O artigo relata a experiência

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados CONCEITOS Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados Tipos de dados, relacionamentos e restrições Operações dinâmicas alto nível: ou modelo

Leia mais

Customização do DSpace para Sincronizar com Diferentes Fontes de Dados e Padrões de Atualização: o Caso do Repositório Digital da UFRGS

Customização do DSpace para Sincronizar com Diferentes Fontes de Dados e Padrões de Atualização: o Caso do Repositório Digital da UFRGS Customização do DSpace para Sincronizar com Diferentes Fontes de Dados e Padrões de Atualização: o Caso do Repositório Digital da UFRGS Janise Silva Borges da Costa,Manuela Klanovicz Ferreira, Afonso Comba

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS Aluno: Luiza Cavalcanti Marques Orientador: Silvio Hamacher Introdução A modelagem e a utilização de bancos de dados em atividades gerenciais têm sofrido um aumento significativo

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Banco de Dados Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Processo de Projeto de Banco de Dados Minimundo Projeto Lógico (Mapeamento do Modelo de Dados) 1 4 Esquema Lógico (Modelo do SGBD)

Leia mais