MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO"

Transcrição

1 Ano Base 2006 RELATÓRIO ANUAL DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL Exercício 2007 Ano Base 2006 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CADERNO 22 1

2

3 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS PLANO PLURIANUAL RELATÓRIO ANUAL DE AVALIAÇÃO Ministério do Trabalho e Emprego Caderno 22 EXERCÍCIO 2007 ANO BASE 2006 Brasília, setembro de 2007

4 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS ESPLANADA DOS MINISTÉRIOS, BLOCO K FONE: 55 (61) FAX: 55 (61) Site: CEP: Brasília DF 2007, Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Normalização Bibliográfica: DIBIB/CODIN/SPOA Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos - SPI. Relatório de Avaliação do Plano Plurianual : exercício ano base 2006 / Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Brasília: MP, p. : il - (Ministério do Trabalho e Emprego. Caderno 22) 1. Planejamento governamental - relatório. 2 Orçamento público. 3 Administração pública. I Título CDU: (047)

5 LISTA DE CADERNOS PUBLICADOS

6

7 LISTA DE CADERNOS PUBLICADOS 01 Avaliação do Plano Plurianual 02 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 03 Ministério da Ciência e Tecnologia 04 Ministério da Cultura 05 Ministério da Defesa 06 Ministério da Educação 07 Ministério da Fazenda 08 Ministério da Integração Nacional 09 Ministério da Justiça 10 Ministério da Previdência Social 11 Ministério da Saúde 12 Ministério das Cidades 13 Ministério das Comunicações 14 Ministério das Relações Exteriores 15 Ministério de Minas e Energia 16 Ministério do Desenvolvimento Agrário 17 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome 18 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior 19 Ministério do Esporte 20 Ministério do Meio Ambiente 21 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 22 Ministério do Trabalho e Emprego 23 Ministério do Turismo 24 Ministério dos Transportes 25 Presidência da República 26 Secretarias Especiais 27 Poderes Legislativo e Judiciário, TCU e Ministério Público da União

8

9 ÍNDICE Apresentação....9 Sumário Executivo...11 Avaliação dos Programas...15 Democratização das Relações de Trabalho Desenvolvimento Centrado na Geração de Emprego, Trabalho e Renda...22 Economia Solidária em Desenvolvimento...27 Erradicação do Trabalho Escravo Integração das Políticas Públicas de Emprego, Trabalho e Renda Microcrédito Produtivo Orientado Primeiro Emprego...48 Qualificação Social e Profissional...53 Rede de Proteção ao Trabalho...60 Segurança e Saúde no Trabalho...64 Anexo I - Execução Física e Financeira Anexo II - Ações em Programas Multissetoriais

10

11 Ano Base 2006 APRESENTAÇÃO A fim de atender o disposto no art. 9º da Lei nº , de 11 de agosto de 2004 e suas alterações, o Relatório Anual de Avaliação está estruturado em 27 cadernos, distribuídos da seguinte forma: a) caderno 1 - compreende a avaliação do comportamento das variáveis macroeconômicas que embasaram a elaboração do Plano Plurianual, mostrando as razões das eventuais discrepâncias verificadas entre o cenário previsto e a realidade econômica brasileira no exercício de 2006, e uma análise agregada das informações obtidas a partir da avaliação de programas e da gestão dos órgãos setoriais, incluindo um tratamento aos temas transversais relativos a raça, gênero, criança e juventude e pessoas com deficiência; b) cadernos 2 a 27 compreendem as avaliações de programas de tipo finalístico e o Sumário Executivo do respectivo setor, agrupados por órgão setorial. As avaliações referem-se a um conjunto de quesitos relativos aos resultados, concepção e implementação de cada programa, abrangendo, portanto, os resultados obtidos em 2006, os fatores que afetaram o desempenho dos programas e as recomendações para seu aperfeiçoamento. A análise apresentada é resultado da percepção dos gerentes de programas e suas equipes, dentro de uma perspectiva de auto-avaliação. No processo de desenvolvimento dos trabalhos atuam:gerências dos programas;subsecretarias de Planejamento, Orçamento e Gestão (SPOA); Unidades de Monitoramento e Avaliação (UMAs); Secretarias Executivas dos órgãos setoriais e equipes técnicas do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Departamento de Coordenação e Controle das Empresas Estatais DEST, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA, Secretaria de Gestão SEGES, Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos SPI e Secretaria de Orçamento Federal SOF). As informações para a elaboração do Relatório Anual de Avaliação são obtidas por meio de roteiros de questões respondidas no Sistema de Informações Gerenciais e Planejamento (SIGPlan). Os documentos incluem uma avaliação quanto à possibilidade de alcance dos índices finais previstos para cada indicador de programas e um demonstrativo de execução de ações orçamentária e não-orçamentária que compõem o Plano. Esse demonstrativo inclui os valores referentes às ações desenvolvidas tanto no âmbito do próprio órgão responsável quanto em outros Ministérios, no caso dos programas multissetoriais. As avaliações dos programas de cada Ministério e das Secretarias Especiais são precedidas de um Sumário Executivo que contém informações sintéticas dos resultados e dos principais aspectos da avaliação, da concepção e da implementação do conjunto de programas. A publicação do Relatório Anual de Avaliação do PPA por meio de cadernos específicos por órgão confere maior transparência sobre os resultados da aplicação dos recursos públicos federais. Além disso, facilita a compreensão, a divulgação e a prestação de contas à sociedade. 9

12

13 Ano Base 2006 SUMÁRIO EXECUTIVO Em 2006, do total previsto para o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), foram utilizados R$ ,00 para a execução dos programas e das ações sob sua responsabilidade, de acordo com o quadro* a seguir: Recursos orçamentários autorizados (LOA + Créditos): R$ ,00 Realizado orçamentário: R$ ,00 Recursos não-orçamentários previstos: R$ ,00 Realizado não-orçamentário: R$ ,00 Total previsto: R$ ,00 Total realizado: R$ ,00 * Os recursos orçamentários deste quadro incluem somente os valores das ações executadas pelo MTE não incluindo os valores previstos e realizados das ações de responsabilidade de outros órgãos (programas multissetoriais). Além disso, do total de R$ ,00 inscritos em restos a pagar, relativo ao exercício de 2005, foram executados R$ ,00. PRINCIPAIS RESULTADOS As políticas do MTE favoreceram a contínua recuperação do mercado de trabalho formal. Em 2006, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), foram criados 1,23 milhão de empregos com carteira de trabalho assinada. O estímulo ao investimento e à geração de emprego, trabalho e renda também são evidenciados por meio dos resultados da aplicação de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Em 2006, se consideradas apenas as linhas do Programa Desenvolvimento Centrado na Geração de Emprego, Trabalho e Renda, foram contratadas cerca de 2,3 milhões de operações de crédito, com investimentos da ordem de R$ 12,3 bilhões. Considerando-se todas as linhas disponíveis pelo FAT, foram contratadas cerca de 2,8 milhões de operações de crédito, como resultado da aplicação de R$ 25 bilhões. Destaque-se o Programa de Geração de Emprego e Renda no Meio Urbano (PROGER Urbano), cujo público-alvo é composto por micro e pequenos empreendimentos urbanos. Nesta modalidade, foram realizadas 2,2 milhões de operações de financiamento a estes empreendimentos, com a aplicação de R$ 7,1 bilhões. O apoio creditício também foi fortalecido pela operacionalização do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado por meio do qual foram realizados contratos de microcrédito, equivalentes a R$ 832 milhões em recursos financeiros emprestados/ concedidos, principalmente via Banco do Nordeste do Brasil (BNB). No âmbito do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda (SPETR), foram (re) colocados 878,3 mil trabalhadores no mercado de trabalho por meio de ações de orientação profissional e intermediação de mão-de-obra executadas pelos postos do SPETR, cuja rede de atendimento atingiu a marca de postos. Destaque-se a implantação de convênios únicos com Estados e Municípios, com periodicidade plurianual e que prevêem a execução integrada das ações de intermediação, qualificação social, profissional e habilitação ao 11

14 Relatório Anual de Avaliação seguro-desemprego. Também foram beneficiados cerca de 5,1 milhões de trabalhadores com o pagamento do seguro-desemprego e 11,1 milhões com o abono salarial. E por meio do Programa de Qualificação Social e Profissional foram qualificados 165 mil trabalhadores, sendo encaminhados 87,5% dos educandos pós-qualificação ao mundo do trabalho. No âmbito do Programa Primeiro Emprego foram qualificados 67 mil jovens e foram inseridos no mercado de trabalho por meio, principalmente, da regularização do contrato de aprendizagem, devido à ação de fiscalização do trabalho. Estabeleceu-se termo de cooperação com o Ministério da Cultura (MinC) para o desenvolvimento de ações de capacitação e inserção de jovens no mercado de trabalho por meio do Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania (CULTURA VIVA). Ao todo, jovens dos Pontos de Cultura receberam auxílios financeiros no âmbito desta parceria. No que tange às iniciativas voltadas para a Economia Solidária, foram apoiados empreendimentos, além da constituição do Conselho Nacional de Economia Solidária e da realização da I Conferência Nacional de Economia Solidária, que reuniu mais de delegados de todos os Estados da federação. Os resultados das ações de fiscalização trabalhista também foram consideráveis. Em 2006, foram registrados 670,03 mil trabalhadores pela ação da fiscalização do trabalho. Destaca-se que, do total de trabalhadores registrados sob ação fiscal, 110,16 mil eram trabalhadores rurais. O total de trabalhadores alcançados pelas ações da fiscalização do trabalho também foi expressivo: 30,68 milhões, superando em quase 11% os números de 2005, cujo total chegou a 27,65 milhões. Quanto às questões de saúde e segurança do trabalho, foram realizadas 162,05 mil ações fiscais específicas da área de segurança e saúde no trabalho, as quais alcançaram o conjunto de 19,45 milhões de trabalhadores e propiciaram a correção de 768,83 mil situações irregulares, as quais apresentavam risco à saúde e à integridade física dos trabalhadores. A fiscalização para prevenir e reprimir a prática de trabalho de crianças e adolescentes com idade inferior a 16 anos resultou, em 2006, no afastamento de crianças do trabalho. A fiscalização do trabalho de adolescentes na faixa etária de 14 a 18 anos resultou na contratação de adolescentes na condição de aprendizes e no registro de adolescentes de 16 a 18 anos. No que tange à fiscalização para erradicação do trabalho escravo foram libertados trabalhadores em condições análogas à escravidão e fiscalizadas 202 fazendas, número quase 10% maior que em 2005, tendo o número de ações fiscais aumentado em cerca de 25% - de 82 para 103. Destaca-se a concessão de assistência financeira ao trabalhador comprovadamente resgatado de regime de trabalho forçado ou da condição análoga à de escravo mediante percepção de três parcelas de seguro-desemprego no valor de um salário mínimo cada. Em 2006, a cobertura superou 80% dos trabalhadores libertados. Na área de relações de trabalho, destaca-se a implementação do Sistema Integrado de Relações do Trabalho (SIRT), que passou a dotar o MTE de uma base de dados atualizada e confiável de informações relativas às entidades sindicais, às negociações coletivas e a outros indicadores de relações de trabalho. O primeiro módulo deste sistema corresponde ao novo Cadastro Nacional de Entidades Sindicais, o qual foi construído com base em uma campanha de atualização das informações sindicais e, atualmente, conta com mais de 14 mil entidades sindicais atualizadas. Além disso, os subsistemas de pedido de registro sindical eletrônico e atualização continuada já estão disponíveis desde novembro de Outras 12

15 Ano Base 2006 iniciativas de valorização da negociação coletiva e composição voluntária de conflitos do trabalho são as capacitações de servidores públicos e de dirigentes sindicais na área de relações do trabalho. Em 2006 foram qualificados técnicos da área de relações de trabalho e houve incremento da mediação de conflitos realizada por auditores fiscais nas delegacias regionais do trabalho (DRTs). Em termos de efetividade, o número registrado de mediações que resultaram em acordo ou seja, não se transformaram em dissídios coletivos foi de (71,19% do total) superior aos 69,86% verificados em ANÁLISE DO CONJUNTO DE PROGRAMAS AVALIAÇÃO DA CONCEPÇÃO Ao avaliar o grau de aderência entre a atual estrutura programática e a estrutura organizacional do MTE percebe-se que a heterogeneidade e a diversidade do mundo do trabalho o desafiam a assumir novas funções refletidas na programação do órgão. No entanto, sua estrutura organizacional não tem acompanhado essa dinâmica, gerando problemas relacionados à inexistência/indefinição de unidades administrativas responsáveis pela execução de novas ações. Diante deste contexto, foi necessária a constituição de diversos arranjos informais, em caráter emergencial para minimizar as disfunções existentes. Ao final de 2006, em parceria com a Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP), foi elaborada a proposta de alteração de estrutura organizacional, a qual prevê a criação de novas unidades organizacionais e a reestruturação interna das existentes, adequando a estrutura organizacional do MTE à sua estrutura programática. O balanço da gestão, realizado ao final de 2006, confirmou este diagnóstico e explicitou a necessidade de realizar um esforço de planejamento estratégico, com ênfase no aprimoramento dos mecanismos de gestão - estruturas, processos e indicadores. Acredita-se que a aprovação da nova estrutura organizacional e a implementação do Plano Estratégico, ajustando estratégias, objetivos e metas, contribuirão para uma maior efetividade dos resultados institucionais e maior aderência da estrutura organizacional do MTE à estrutura programática, em um cenário ainda mais favorável ao cumprimento das metas do Plano Plurianual (PPA) em ASPECTOS RELEVANTES As principais restrições que dificultaram a implementação da programação do MTE estão relacionadas às seguintes questões: a) b) c) d) contingenciamento de recursos orçamentários; recursos financeiros liberados ao longo do exercício em fluxo incompatível com a programação; recursos humanos, materiais e de infra-estrutura insuficientes para o cumprimento do objetivo dos programas; inadequada integração/articulação entre ações, comprometendo a qualidade da informação, bem como a otimização dos recursos públicos, em prol do cumprimento do objetivo dos programas. Por fim, destaca-se o diálogo social, estimulado pelo MTE, para viabilizar o acordo entre o Governo Federal e as centrais sindicais, o qual estabeleceu as bases para uma 13

16 Relatório Anual de Avaliação política de valorização do salário mínimo para o período de 2007 a 2023, com revisões quadrianuais, por ocasião da elaboração dos PPAs. O referido acordo fixou o piso legal de remuneração em R$ 380,00 em abril de 2007 e, de 2008 até 2011, os reajustes serão definidos pela reposição da inflação somada ao crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB), com antecipação gradual, até 2010, da data-base para janeiro. O valor de R$ 380,00 deve significar um ganho real acumulado de 32,7% do salário mínimo no período de 2003 a Também foi acordada uma sistemática de correção da tabela e das deduções do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) com a previsão de reajuste de 4,5% ao ano, de 2007 até

17 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS

18

19 Ano Base 2006 DEMOCRATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO OBJETIVO Promover a democratização e a modernização do sistema brasileiro de relações de trabalho, por meio do diálogo e da negociação tripartite entre trabalhadores, governo e empregadores. PÚBLICO-ALVO Trabalhadores, empresas e organizações sindicais. EXECUÇÃO DO PROGRAMA Empenho Liquidado: R$ ,00 Autorizado (LOA + Créditos): R$ ,00 Pago Estatais: - Total: R$ ,00 Previsto não-orçamentário Realizado não-orçamentário - - INDICADORES 1. TAXA DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Unidade de medida: % Índice apurado em 2006: 71,1 Índice previsto ao final do PPA: 66 Viabilidade de alcance do índice do indicador ao final do PPA: Alta O índice originalmente previsto para o indicador ao final do Plano Plurianual (PPA) já foi alcançado. 2. TAXA DE EFICÁCIA DAS MEDIAÇÕES Unidade de medida: % Índice apurado em 2006: 82,39 Índice previsto ao final do PPA: 54,82 Viabilidade de alcance do índice do indicador ao final do PPA: Alta O índice originalmente previsto para o indicador ao final do PPA já foi alcançado. 17

20 Relatório Anual de Avaliação CONTEXTUALIZAÇÃO O Sistema Brasileiro de Relações de Trabalho tem origem na década de 1930 e disciplina as condições de contratação, uso e remuneração da força de trabalho por meio de extensa legislação trabalhista, sindical e de regulação do trabalho. As mudanças legais, ocorridas ao longo de décadas, e os avanços nos direitos políticos e sociais ainda não conduziram à plena democratização das relações de trabalho no Brasil. A atuação do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) deve ser a de promotor de um regime de liberdade e autonomia sindical, fundada no estímulo à composição direta dos conflitos de trabalho, compatível com as novas exigências do desenvolvimento nacional e com as características atuais do mercado e das relações de trabalho. PRINCIPAIS RESULTADOS Realizadas mediações coletivas de conflitos de trabalho número 17% superior aos registrados em Em termos de efetividade, o número registrado de mediações que resultaram em acordo ou seja, não se transformaram em dissídio foi de (71,19% do total) superior aos 69,86% verificados em Beneficiados 7,98 milhões de trabalhadores pelas mediações realizadas pelo MTE que resultaram em acordo, representando 82,39% do total de trabalhadores abrangidos pelas mediações. Este resultado supera em 52% o índice alcançado em 2005 (54,32%). O aumento deste índice evidencia a importância da mediação pública na solução de conflitos, uma vez que os conflitos solucionados não são transformados em ações judiciais de dissídio coletivo. DESEMPENHO DO PROGRAMA O Programa foi criado com o intuito de propiciar a modernização do sistema brasileiro de relações de trabalho, adequando-o às especificidades atuais do mundo do trabalho. Neste sentido, conta com uma ação-âncora: o Fórum Nacional do Trabalho (FNT), composto por representantes de trabalhadores, empregadores e governo. Como resultado dos debates do FNT, o Poder Executivo encaminhou ao Congresso Nacional a proposta de criação do Conselho Nacional de Relações do Trabalho (CNRT), por meio da Medida Provisória (MP) nº 294/06. Essa MP regulamenta termos previstos na Convenção nº 144 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ratificada pelo Brasil, que prevê mecanismos de consulta tripartite para as questões referentes às normas internacionais do trabalho e tem como principal objetivo a institucionalização do processo de diálogo social iniciado com o FNT. Outra proposta legislativa resultante dos debates do FNT foi a MP nº 293/06, a qual propõe critérios objetivos para a participação das centrais sindicais de trabalhadores em conselhos ou colegiados de órgãos públicos. Apesar destes atos normativos não terem sido aprovados pelo Congresso Nacional, devido à natureza complexa do tema, seu encaminhamento demonstra o amadurecimento do debate. Em convergência com as iniciativas de fortalecimento do diálogo social, foram assinados decretos presidenciais, resultantes do consenso firmado no âmbito do FNT e, 18

21 Ano Base 2006 posteriormente, ratificados no âmbito do Fórum do Sistema S. Estes decretos prevêem a inclusão das representações de trabalhadores nos Conselhos do Sistema S Serviço Social do Coméricio (SESC), Serviço Social da Indústria (SESI), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). Todas essas entidades são ligadas ao setor patronal brasileiro e, nesse sentido, os decretos viabilizam a composição tripartite desses conselhos, atendendo assim, a uma reivindicação histórica dos trabalhadores. Foram, ainda, realizadas reuniões do Grupo Especial sobre Trabalho aos Domingos, inclusive com ampla plenária, reunindo centenas de representações sindicais dos trabalhadores, a fim de analisar propostas legislativas referentes ao tema. O objetivo é o de construir uma normatização para regulamentar essa questão. Por fim, ainda no âmbito desta ação, a coordenação do FNT promoveu eventos de divulgação e sensibilização dos diferentes atores e do público em geral, quanto a temas relativos à reforma trabalhista e sindical. Esses eventos incluíram uma importante parceria com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), que teve como principal objetivo promover encontros de intercâmbio de informações das experiências nacionais e internacionais sobre legislação trabalhista e sistema de relações do trabalho. No que tange à capacitação de técnicos especializados na área de relações do trabalho, optou-se pela realização de apenas algumas ações de capacitação, de nível nacional, executadas diretamente pela Secretaria de Relações do Trabalho, ficando a maior parte das ações a serem realizadas pelas Seções ou Setores de Relações do Trabalho (SERETs) das delegacias regionais do trabalho (DRTs), observadas as diretrizes estabelecidas pela SRT, com recursos descentralizados. Assim, a ação pôde otimizar o número de técnicos capacitados 1.891, número muito superior à previsão de 171, com cerca de 58% da dotação prevista. Na LOA de 2007, novas metas foram apresentadas, objetivando-se a correção das distorções físico-financeiras apontadas. Destaca-se, também, a continuação da implantação do Sistema Integrado de Relações do Trabalho (SIRT). Ao longo de 2006, a SRT deu continuidade ao esforço de reorganização do módulo Cadastro Nacional de Entidades Sindicais, garantindo a adesão de mais de 3 mil entidades sindicais ao longo do ano, totalizando mais de 13 mil entidades atualizadas. Organizou-se, ainda, uma tabela padronizada para a classificação das categorias sindicais a partir dos dados obtidos pela atualização sindical, a qual permitirá o cruzamento com os demais módulos do SIRT e com outros sistemas de governo, como: Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) e Receita Federal. Também foram envidados esforços para a construção do módulo Sistema Mediador, um sistema eletrônico único para o cadastro dos instrumentos coletivos de trabalho, depositados e registrados no MTE - o qual substituiu todos os sistemas manuais ou eletrônicos utilizados pelas SERETs - acessível para a consulta de qualquer servidor do MTE, por meio da Intranet. A ação empreendida pela SRT resultou, assim, na criação do Sistema de Registro e Arquivamento de Acordo e Convenção Coletiva (SIRACC), que entrou em funcionamento em abril de 2006, e contemplou todos os instrumentos depositados no MTE a partir de janeiro do mesmo ano. 19

22 Relatório Anual de Avaliação Em relação à análise do conteúdo de instrumentos coletivos, foi acrescentado artigo à Instrução Normativa (IN) nº 1, de 2004, possibilitando a adoção de procedimentos administrativos, com o objetivo de sanar as irregularidades encontradas antes do encaminhamento da denúncia ao Ministério Público do Trabalho (MPT). Paralelamente à alteração da IN, a capacitação dos técnicos nas SERETs também favoreceu a análise de cláusulas, conferindo maior agilidade e eficiência ao combate à violação de normas trabalhistas. Isto porque, em vez de sanar de forma pontual uma irregularidade praticada, advertindo ou multando um único empregador, o procedimento de análise, de maneira preventiva, permite alterar ou mesmo excluir a cláusula irregular, evitando que a situação se perpetue em prejuízo de todos os alcançados pelo instrumento coletivo. Evita, também, o ajuizamento de diversas ações trabalhistas, com questionamento de tais irregularidades. Para aperfeiçoamento na aferição da eficácia do Programa, foram adicionados outros dois indicadores, por meio da revisão do PPA em 2006: o Número-Índice de Instrumento Coletivo relação entre o número de instrumentos coletivos (acordos e convenções) realizados no ano corrente e o número de instrumentos coletivos realizados no ano-base, multiplicado por 100 e a Taxa de Adesão à Atualização Sindical - relação percentual entre a freqüência absoluta de sindicatos atualizados no SIRT e a freqüência absoluta de sindicatos da pesquisa sindical do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O desempenho físico das ações do Programa é monitorado por meio de reuniões de trabalho trimestrais com os coordenadores da SRT, além de duas reuniões anuais com os chefes das SERETs das 27 Unidades da Federação para planejamento, monitoramento e avaliação das ações da SRT. Além disso, o monitoramento é realizado por sistema informatizado do Programa, por monitoramentos físicos das ações realizados por meio do Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento (SIGPlan) e por relatórios de gestão produzidos para o sistema de metas presidenciais e um relatório de gestão anual das atividades e ações do programa. As metas físicas estão dentro das expectativas, no que diz respeito ao seu cumprimento. Apenas a ação de mediação não conseguiu atingir a meta prevista, apesar do aumento apontado em relação a De fato, das mediações coletivas previstas, ocorreram alcance de mais de 83%. Os recursos orçamentários foram considerados insuficientes, principalmente quando considerados os destinados para o SIRT, pois se faz necessária a aquisição de infra-estrutura, certificação digital e recursos humanos para o desenvolvimento do sistema. Além disso, as ações FNT e SIRT sofreram com o contingenciamento, pois a liberação tardia dos R$ 900 mil provenientes do convênio com a Petrobras causou descontinuidade e a não-realização de algumas atividades previstas. Afora isso, a limitação para gastos com diárias e passagens comprometeram a realização de atividades de formação em nível nacional. As equipes executoras encontram restrições relativas a espaço físico inadequado; escassez de computadores, scanners e impressoras, além da necessidade de melhorar a infra-estrutura de informática para o desenvolvimento do sistema nos quesitos rede e certificação digital. No que concerne aos recursos humanos, a equipe gerencial se encontra 20

23 Ano Base 2006 limitada a cinco pessoas. Faz-se necessária a ampliação do quadro gerencial, bem como sua qualificação com cursos na área de gestão, negociação e mediação. Já nas equipes executoras, faz-se necessária uma reorganização das equipes com o objetivo de trazer técnicos mais qualificados e com menor rotatividade. A SRT está elaborando um plano de qualificação continuada para os servidores ligados às relações do trabalho, com o intuito de suprir esta necessidade, que permitirá a formação de técnicos em pelo menos três níveis: padronização de rotinas e procedimentos, gestão e relações do trabalho. OUTROS ASPECTOS RELEVANTES O Programa conta com parcerias não-governamentais para sua execução. O FNT é um espaço de negociação criado pelo Governo Federal para promover a mudança do Sistema Brasileiro de Relações de Trabalho por meio do diálogo social e da negociação tripartite, o que significa que todo o debate está sendo feito com as representações sindicais de trabalhadores e empregadores, principais parceiros e interessados nessa questão. Depois de formatadas as propostas de alteração na legislação, a Coordenação do FNT realizou encontros acerca dos aspectos jurídicos da reforma sindical, que contaram com a participação de dezenas de advogados atuantes na área de relações sindicais e do trabalho. Diversas reuniões foram realizadas também com as principais federações patronais brasileiras e centrais sindicais, além de outras associações de classe, representantes da academia, dos operadores do direito e representantes de outras instituições ligadas ao mundo do trabalho, tais como Ministério Público do Trabalho, TST, Fórum Nacional de Secretários de Trabalho (FNST) e Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), com o intuito de divulgação da proposta. Em termos de participação social, o Programa conta com Ouvidoria, além de promover reuniões com grupos de interesse. Assim, diversas reuniões foram realizadas com as principais federações patronais brasileiras durante todo o processo de discussão do projeto de reforma sindical, incluindo-se encontros com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP), Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) e Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG). A Coordenação do FNT também se reuniu com o Núcleo de Relações Trabalhistas e Sindicais do Rio de Janeiro, quando o projeto de reforma foi apresentado para importantes lideranças empresariais brasileiras, de empresas que atuam no Estado. Nesse encontro, estavam presentes representantes de empresas com forte expressão na economia nacional, tais como a Coca-Cola, BR Distribuidora, Vale do Rio Doce, TV Globo e Bayer, oportunidade em que foi verificada a receptividade quanto à proposta de reforma discutida no FNT. Dentre as contribuições da participação social para os resultados do Programa, destacam-se a elaboração da proposta de anteprojeto de lei e de emenda constitucional da reforma sindical, as quais foram possíveis pela participação das entidades sindicais, tanto de trabalhadores quanto de empregadores e de diversas outras entidades da sociedade civil que se envolveram no debate. RECOMENDAÇÕES Não há recomendações. 21

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Relatório de Avaliação do Plano Plurianual 2004-2007 Ano Base 2005. Caderno 22. Ministério do Trabalho e Emprego

Relatório de Avaliação do Plano Plurianual 2004-2007 Ano Base 2005. Caderno 22. Ministério do Trabalho e Emprego Relatório de Avaliação do Plano Plurianual 24-27 Ano Base 25 Caderno 22 Ministério do Trabalho e Emprego MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS

SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL SEGUNDO DADOS DA RAIS 2011 ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL SEGUNDO DADOS DA RAIS 2011 Em

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007

Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007 Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007 Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011 Superior Tribunal de Justiça PLANO PLURIANUAL 2008-2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Superior Tribunal de Justiça EXERCÍCIO 2011 ANO BASE 2010 Brasília 2010

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva EDITAL MDS/PNUD De 31/08/2005 (DOU) Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS e o Programa das Nações

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PAT 1. INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DO PAT 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DO PAT 1. INTRODUÇÃO O Programa de Alimentação do Trabalhador PAT foi criado pela Lei N. 6321, de 14 de abril de 1976, que faculta às pessoas jurídicas e pessoas físicas equiparadas em Lei a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO SEGURO-DESEMPREGO NO MUNICÍPIO DE CURITIBA 2008 E 1º BIMESTRE DE 2009 INTRODUÇÃO Este texto tem como objetivo apresentar um perfil do programa de Seguro-Desemprego no município de Curitiba no ano de 2008

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Políticas Públicas de Emprego e Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda Integrado e Participativo

Políticas Públicas de Emprego e Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda Integrado e Participativo Secretaria de Políticas Públicas de de Emprego - MTE - MTE Políticas Públicas de Emprego e Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda Integrado e Participativo 1ª Conferência Nacional de Educação Profissional

Leia mais

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS ROTEIRO DE VLIÇÃO DE PROGRMS valiação de Programas O roteiro de avaliação de programa constitui-se em um instrumento de coleta padronizado e utilizado, obrigatoriamente, para todos os programas do PP 2008-2011.

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Políticas públicas: a cultura como fator de desenvolvimento econômico

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento *

Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento * 1 Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento * Introdução Euclides André Mance Brasília, Abril, 2009 Respondendo ao convite realizado pela coordenação da

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL Dezembro de 2011 1 Missão do Ministério da Fazenda: Estruturar as políticas econômicas

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA COMO TRANSFORMAR OBRIGAÇÃO LEGAL EM VANTAGEM COMPETITIVA 2º FÓRUM SOU CAPAZ Araçatuba 28/08/13 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Contextualização da

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Municípios com alta incidência de trabalho infantil que apresentaram: a) mais de 250 casos de trabalho infantil ou com taxa

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA PROGRAMA DE CONSOLIDAÇÃO DAS LICENCIATURAS MEC/SESu/DEPEM 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu EDITAL Nº 05/2007 Brasília, 20 junho de 2007

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais