ARMANDO HENRIQUE PACANARO JAIRO DA SILVA LEITE TECNOLOGIA DE COMUNICAÇÃO CLIENTE SERVIDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARMANDO HENRIQUE PACANARO JAIRO DA SILVA LEITE TECNOLOGIA DE COMUNICAÇÃO CLIENTE SERVIDOR"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO CAMPUS ENGENHEIRO COELHO ARMANDO HENRIQUE PACANARO JAIRO DA SILVA LEITE TECNOLOGIA DE COMUNICAÇÃO CLIENTE SERVIDOR ENGENHEIRO COELHO 2012

2 ARMANDO HENRIQUE PACANARO JAIRO DA SILVA LEITE TECNOLOGIA DE COMUNICAÇÃO CLIENTE SERVIDOR Trabalho de Conclusão de Curso do Centro Universitário Adventista de São Paulo do curso de Tecnólogo em Sistema Para Internet, sob orientação do professor Me. Percival Lucena. ENGENHEIRO COELHO 2012

3

4 Dedicamos aos nossos familiares por nos ter apoiado e nos ter ajudado nos momentos que mais precisamos. E a Deus pela oportunidade de estar aqui nos formando.

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos primeiramente a Deus pela oportunidade de estarmos nos formando e de estar tendo privilégio de estudarmos em uma instituição abençoada e com ensino de qualidade. Também agradecemos aos professores por ter sempre nos apoiados. Também pelos nossos familiares que sempre ajudou-nos, obrigado a todos que nos apoiaram para que este trabalho fosse realizado.

6 Desejar é o primeiro passo para a conquista de nossos sonhos. Autor desconhecido.

7 RESUMO A popularização dos dispositivos móveis como smartphones e tablets e o amplo acesso a redes 3G tem criado um grande mercado para aplicações móveis. A evolução dos processadores presentes em aparelhos móveis permite executar os mesmos aplicativos presentes em computadores pessoais, exceto pela resolução diminuta do display. Um exemplo de uso de tecnologia mobile são os sistemas de autoatendimento. Algumas redes de cinema permitem comprar ingressos através de dispositivos móveis evitando filas e aumentando a satisfação dos clientes. Este trabalho visa atender a área de controle de acesso a estacionamentos, onde a disponibilidade de um serviço de autoatendimento pode aumentar a eficiência operacional da empresa. O projeto também visa facilitar o acesso dos clientes a estes estabelecimentos. O protótipo de aplicativo será um aplicativo Java Wi-Fi cliente servidor, baseado na linguagem Java e o framework ZK. Palavras Chave: Wi-Fi; Estacionamento; computação Móvel.

8 ABSTRACT The popularity of mobile devices like smart phones and tablets and wide access to 3G and 4G networks has created a huge market for mobile applications. The evolution of cell phone processors allows running the same applications found in personal computers, except for the tiny display resolution. The new technology available and the new applications created allows immediate access to personal and business information enabling to search for information at any time any place quickly and effectively. Examples of use of mobile technology are self-service systems. Some movie theaters allow purchasing movie tickets via mobile devices avoiding queues and increasing customer satisfaction. This work aims to create a self-service solution to parking lots, increasing its operational efficiency. The project also aims to facilitate customers' access to such facilities. The prototype application is a Java App Wi-Fi client server based on Java and ZK framework. Keywords: Wi-Fi, Parking, Mobile.

9 LISTA DE FIGURAS Figura Astah Community Figura Servidor Glassfish Figura Sistema de Controle de Rede WIFI Figura Diagrama de Classes Figura Diagrama de Casos de Uso Figura Banco de Dados Modelo (MER) Figura Telas de login Figura Telas de Cadastro de login Figura Telas do Administrador Figura Telas de Cadastro do Cliente... 32

10 LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS OU TERMOS OPERACIONAIS. UNASP-EC Centro Universitário adventista de São Paulo Campus Engenheiro Coelho WI-FI Wireless Fidelity App Applications CSS - Cascading Style Sheets CPF - Cadastro de Pessoa Física OOP - Object Oriented Programming UML - Unified Modeling Language OMT - Object Modeling Technique JDBC - Java Database Connectivity RMI - Remote Method Invocation JMS - Java Message Service JMX - Java Management Extensions JSF - JavaServer Faces PHP - Personal Home Page DB Banco de Dados Free Livre, gratis. IrDA - Infrared Data Association WPAN - Wireless Personal Area Network WLAN - Wireless Local Area Network WMAN - Wireless Metropolitan Area Network

11 TAGS Linguagem de Marcação HTML - HyperText Markup Language EJB - Enterprise JavaBean J2EE - Java 2 Enterprise Edition IBM - International Business Machines HP - Hewlett-Packard Company JCP - Java Community ProcessSM XML - Extensible Markup Language PC Computadores ZK Programa Framework ZK URL - Uniform Resource Locator ID - Chave de Identificação

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualizações Temáticas Problemática da pesquisa Hipóteses Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos METODOLOGIA Métodos Materiais REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Unified Modelling Language (UML) Java Enterprise Edition e Framework ZK HTML, CSS, AJAX EJB Java beans Servidores de aplicação Glassfish Banco de Dados e Modelagem Conexões via Wireless DESENVOLVIMENTO Arquitetura do Sistema Diagramas de Classes Diagramas de Casos de Uso Mapeamentos de Banco (MER Modelo de Entidade de Relacionamento) Telas do Sistema CONCLUSÃO Trabalhos Futuros REFERÊNCIAS... 33

13 13 1 INTRODUÇÃO Hoje existem mais de um bilhão de telefones celulares no mundo e esse número cresce a cada dia. (EQUIPE DEVMEDIA, 2011). Dispositivos móveis com acesso a Internet como smartphones e tablets, permitem aos usuários manter-se informados a qualquer hora e em qualquer lugar. Os dispositivos mais modernos podem executar os mesmos aplicativos disponíveis em computadores, potencializando o desenvolvimento de aplicativos para fins de entretenimento, serviços e também de trabalho. (EQUIPE DEVMEDIA, 2011). Os aplicativos móveis costumam depender de informações armazenadas em servidores de aplicação. No caso de um sistema de autoatendimento o servidor é responsável por armazenar todas as transações do estabelecimento. Existem diversas linguagens e tecnologias maduras disponíveis para o desenvolvimento das aplicações mobile. O protótipo desta aplicação de estacionamento optou por utilizar um servidor Glassfish com a ferramenta framework ZK, adaptado ao desenvolvimento de clientes com seus aplicativos móveis de vários dispositivos, baseado em HTML 5. O projeto do protótipo envolveu um ciclo completo de desenvolvimento incluindo as fases de análise de requisitos, modelagem, implementação, testes e validação, integrando conceitos de programação, modelagem, bancos de dados e redes de computadores. Quais as vantagens de se usar o framework ZK? Facilidade de utilização: simplicidade é um dos valores de base do ZK; Independência de plataforma: O ZK Móbile possui vários componentes já de bandeja: listbox, listitem, textbox, image, label, command, datebox, decimalbox, intbox, frame e etc; Facilita Incorporação de AJAX nas aplicações Web; Dispensa conhecimentos em Java script; Possui uma linguagem de marcação similar ao HTML de denominação ZUML. 1.1 Contextualizações Temáticas

14 14 Este trabalho visa criar uma solução móvel para o uso em estacionamento de veículo. O cliente chegará ao estabelecimento onde existirá uma rede Wifi disponível para o seu acesso. Os clientes cujo CPF estejam pré-cadastrados no sistema, poderão ser direcionados para a autenticação via usuário e senha, podendo assim acessar o sistema. A tela inicial do sistema exibirá o nome e os dados do devido cliente além do tempo gasto pelo cliente no estacionamento. O administrador do estacionamento poderá visualizar os automóveis cadastrados que se encontram no estacionamento, seu tempo de uso e valor devido Problemática da pesquisa A maioria dos estacionamentos possui apenas um funcionário para controlar a entrada dos veículos e o caixa. Nos horários de maior movimento, formam-se filas para atendimento e os novos clientes que chegam precisam esperar a entrada manual dos dados do veículo, acarretando perda de tempo e espera desnecessária para os clientes Hipóteses Estivemos observando os problemas enfrentados nos estacionamentos da região de campinas, são recorrentes de muitas carências: a principal delas, flexibilidade no atendimento. A entrada e saída de veículos do estabelecimento e o processo de pagamento são processos que mesmo automatizados tomam tempo dos clientes e funcionários. Uma solução de autoatendimento poderia ser mais eficiente provendo maior agilidade e menor custo. 1.4 Objetivos O protótipo do sistema desenvolvido pretende eliminar os problemas decorrentes do atendimento ao cliente em horários de pico e a facilidade de controle das operações do estacionamento.

15 Objetivo geral O objetivo deste trabalho é desenvolver um aplicativo cliente servidor que apresente soluções para tentar sanar as deficiências observadas no controle de acesso e do caixa nos estacionamentos. É esperada a melhoria dos trâmites no mecanismo de entrada e saída de fluxo caixa, evitando-se o excesso de notas e reduzindo-se o número de funcionários no local. O projeto visa auxiliar o autoatendimento do cliente, provendo velocidade na geração de notas e pagamentos pontuais ou mensais através de boletos Objetivos específicos Auxiliar o autoatendimento, obtendo velocidade para emissão de notas para pagamentos; Melhoria na entrada e saída dos clientes no estabelecimento; Acesso do Cliente aos seus dados via Wi-Fi; Ganho de tempo no estabelecimento (estacionamento).

16 16 2 METODOLOGIA A realização deste projeto segue a mesma metodologia empregada aos trabalhos científicos. O conhecimento cientifico não é algo acabado, permite que os contextos já interpretados e utilizados tenham jeitos e modos diferentes para cada pessoa ou estabelecimento conforme o projeto que o cliente pedirá. A modelagem de dados é a primeira etapa de um projeto que envolva banco de dados e tem como seu principal objetivo o desenvolvimento de um modelo que contenha entidades e relacionamentos, e que com isso seja possível representas as especificações das informações do negócio (OLIVEIRA, 2002) Métodos O desenvolvimento seguiu um modelo simples do tipo cascata incluindo as fases de análise de requisitos, modelagem, implementação, testes e validação. 2.2 Materiais O projeto foi desenvolvido em 1 PC com sistema operacional Windows 7. O protótipo utilizou as ferramentas de modelagem Astah Community e BrModelo A IDE de programação escolhida foi o Eclipse Indigo Service Release 2. O desenvolvimento do banco de dados relacional utilizou o MYSQL , versão 2008.

17 17 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Auto Atendimento O Sistema de autoatendimento ajuda a melhorar a produtividade e o serviço ao usuário dos diversos softwares e com grande circulação. O sistema continuará funcionando automaticamente mesmo os estabelecimentos com seus servidores ficando off-line. (REVISTA 3M, 2009). Temos Exemplos de alguns tipos de site que são de autoatendimentos como Sky, Ingresso Fácil, MercadoLivre, Netshoes entre outros. Estes sites utilizam muito sua parte de autoatendimento, o Netshoes, por exemplo, destaca muito esta parte, sendo um site de loja virtual voltada para autoatendimento, pois ali o cliente pode ter certeza que a qualquer momento que ele entra no site e utilizar as ferramentas de compra isso estará disponível pelo atendimento automático. 3.1 Unified Modelling Language (UML) Segundo a OMG, a Unified Modeling Language é uma linguagem visual para especificação, construção e documentação de artefatos de software. O propósito da modelagem (criação de esquemas UML) é, principalmente, para entender e não para documentar. UML sozinha não resolve nada. Ela deve ser usada dentro de um processo de desenvolvimento, serve para desenvolver documentação do sistema. No projeto proposto, a utilização da UML tem como função descrever a arquitetura e requisitos do sistema. Foram desenvolvidos diagramas de classe e casos de uso utilizando a ferramenta Astah Comunitty (Queiroz, Gilberto Ribeiro de; 2008).

18 18 Figura Astah Community 3.2 Java Enterprise Edition e Framework ZK Java é uma linguagem de programação orientada a objeto desenvolvida na década de 90, por uma equipe de programadores chefiada por James Gosling, na empresa Sun Micros systems. Diferentemente das linguagens convencionais, que são compiladas para código nativo, a linguagem Java é compilada para bytecodes executados por uma máquina virtual. (J2EE WEB SERVER OR CONTAINER, 2012). A arquitetura inovadora do ZK fornece os meios para maximizar completamente todas as tecnologias disponíveis tanto no lado do servidor quanto do cliente. Você pode acessar os widgets do lado do cliente diretamente se quiser. Esta seção esclarece alguns dos benefícios da arquitetura de fusão servidor + cliente do ZK. (J2EE WEB SERVER OR CONTAINER, 2012). O Zk tem sua facilidade de utilização, simplicidade é um dos valores de base do ZK, ele também facilita Incorporação de AJAX nas aplicações Web, dispensa conhecimentos em Java script.

19 HTML, CSS, AJAX. HTML é uma linguagem com a qual se definem as páginas web. Basicamente trata-se de um conjunto de etiquetas (tags) que servem para definir a forma na qual se apresentará o texto e outros elementos da página. O HTML é a linguagem base da internet. Foi criada para ser de fácil entendimento por seres humanos e também por máquinas, como por exemplo, o Google ou outros sistemas que percorrem a internet capturando informação. (MIGUEL ANGEL ALVAREZ, 2004). O Cascading Style Sheets (CSS) é uma "folha de estilo" composta por camadas e utilizada para definir a apresentação (aparência) em páginas da internet que adotam para o seu desenvolvimento linguagens de marcação (como XML, HTML). O CSS define como serão exibidos os elementos contidos no código de uma página da internet e sua maior vantagem é efetuar a separação entre o formato e o conteúdo de um documento. (ANA PAULA PEREIRA, 2009). Em meados dos anos 90, época na que Internet apenas assomava em nossas vidas cotidianas, e muitos eram os que ainda poderiam prescindir dela, era muito comum ouvir falar da linguagem Java. Nenhuma publicação especializada escapava ao fenômeno: as revistas se enchiam de artigos elogiando aquela tecnologia, e prevendo como guru, que, no futuro, a linguagem de programação que mudaria nossas vidas seria o homônimo de um café típico de uma desconhecida ilha de Indonésia. (SERVIWEB, 2008) 3.4 EJB Java beans EJB é um dos principais componentes da plataforma J2EE (Java 2 Enterprise Edition). Os principais objetivos da tecnologia EJB são fornecer um rápido e simplificado desenvolvimento de aplicações Java baseado em componentes distribuídos, transacionais, seguros e portáveis. Atualmente ele encontra-se na versão 3.1 e o seu futuro é definido pelo JCP. A grande mudança entre a versão 2.1 e a versão 3.0 é a introdução de anotações Java.

20 20 As anotações facilitam o desenvolvimento diminuindo a quantidade de código e o uso de arquivos de configuração XML. A plataforma J2EE providencia algumas facilidades dedicadas à camada de lógica de negócio e para o acesso a banco de dados. Através do EJB o programador utiliza a infraestrutura do servidor de aplicação voltada para o desenvolvimento de aplicações de missão crítica (de alta importância para a empresa) e de aplicações empresariais em geral. (BILL BURKE & RICHARD MONSON Titulo: Enterpirse Java Beans 3.0, Editora: Prentice-Hall ano: 2007) 3.5 Servidores de aplicação Glassfish As duas últimas décadas o conceito de rede transformou-se em uma alternativa prática de organização, possibilitando processos capazes de responder às demandas de flexibilidade, conectividade e descentralização das esferas contemporâneas de atuação e articulação social (FOROUZAN, 2006). Um programa Servidor é um software executado na máquina remota oferecendo serviços aos clientes. Quando este programa é inicializado este abre portas para que os clientes possam fazer suas solicitações ao servidor. O programa servidor funciona de forma passiva atendendo requisições de seus clientes (FOROUZAN, 2006). Glassfish é um servidor de aplicação open source disponibilizado pela Oracle para a plataforma Java EE. Glassfish é software livre, sendo duplamente licenciado sob duas licenças de software livre: Common Development and Distribution License (CDDL) e GNU General Public License (GPL) alterada exceção para classpath. Glassfish suporta todas as especificações da API Java EE, tais como JDBC, RMI, JavaMail, JMS, JMX etc. e define como coordená-las. Glassfish também suporta algumas especificações específicas para componente Java EE, como Enterprise JavaBeans, conectores, servlets, portlets, JSF e diversas tecnologias de web service. Isto permite que desenvolvedores criem aplicações corporativas portáveis, escaláveis e fácies de integrar com código legado. O servidor Glassfish utiliza uma variante do Apache Tomcat como Server, com um componente adicional chamado Grizzly.

21 21 Figura: Servidor com Glassfish. 3.6 Banco de Dados e Modelagem O MySQL foi criado na Suécia por David Axmark, Allan Larsson e Michael Widenius, que têm trabalhado juntos desde a década de O banco de dados MySQL tornou-se banco de dados do mundo open source mais popular por causa de seu alto desempenho, alta confiabilidade e facilidade de uso. É também o banco de dados de escolha para uma nova geração de aplicativos criados na pilha LAMP (Linux, Apache, MySQL, PHP / Perl / Python.) Muitas das organizações maiores e que mais cresce no mundo, incluindo Facebook, Google, Adobe, Alcatel Lucent.(Mysql oficial, 2007) Mysql é executado em mais de 20 plataformas, incluindo Linux, Windows, Mac, Solaris, IBM AIX, dando-lhe o tipo de flexibilidade que coloca você no controle. Se você é

22 22 novo na tecnologia de banco de dados ou um desenvolvedor experiente ou DBA, MySQL oferece uma gama abrangente de ferramentas de banco de dados, serviços de treinamento, suporte e consultoria para fazer sucesso. (Mysql oficial, 2007) 3.7 Conexões via Wireless As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível, de fácil configuração e com boa conectividade em áreas prediais ou de campus. Dependendo da tecnologia utilizada, rádio frequência ou infravermelho, e do receptor, as rede WLANs podem atingir distâncias de até 18 metros. Sendo assim, as WLANs combinam a mobilidade do usuário com a conectividade a velocidades elevadas de até 155 Mbps, em alguns casos. (ADAILTON J. S. SILVA, 1998). O funcionamento de uma rede wireless é bastante simples, é necessário apenas a utilização de um aparelho chamado Acess Point, assim, ele transforma os dados da rede em ondas de rádio e o transmite por meio de antenas. Quando nos referimos a aplicações, existem dois grupos: as chamadas aplicações indoor e aplicações outdoor. Assim sendo, se a rede precisa de comunicação entre dois ambientes, a comunicação é feita por uma aplicação outdoor. Diferentemente é o caso da aplicação indoor, que acontece dentro de um local. Da mesma forma que as redes movidas a cabo, as redes sem fio podem ser de dois tipos: LAN e WAN. (RAFAELA POZEBOON, 2012) Sistema de controle de rede Wifi

23 23 Existem 3 padrões principais para as Redes Wireless: a, b, g e a n. Cada padrão tem vantagens e desvantagens. Ao escolher um padrão, alcance, estrutura do local, custos, deve ser considerada a - Opera numa frequência de 5Ghz, o que oferece grande confiabilidade, por ser uma frequência menos utilizada. Fornece uma velocidade mais rápida que o padrão b (até 54 Mbps), porém com um alcance operacional menor. A partir de 30 metros há redução de velocidade, mas em alcances menores fica entre 22 e 40 Mbps b - é o tipo de rede wireless mais popular, com velocidade máxima de 11 Mbps e alcance máximo operacional de 100 metros em ambiente fechado e 180 metros em área aberta. A velocidade de acesso depende bastante da distância ao ponto de acesso. A 20 metros a velocidade gira em torno de 11 Mbps. Em alcances de 80 a 100 metros a velocidade pode cair para 1 Mbps ou menos, o que pode causar perda de sinal e lentidão na conexão. A frequência é de 2.4 Ghz, o que pode ocasionar problemas com telefones sem fio ou fornos de micro-ondas; g - é uma linha de produtos de fabricantes de rede sem fio que combina conceitos das a e b, conhecida como tecnologia G, apresenta velocidade dos a, mas é totalmente compatível com redes b existentes. É mais barato que a tecnologia a, mas ainda usa a frequência de 2.4 Ghz, o que ainda pode ocasionar interferências de outros dispositivos. É uma ponte entre a e b ao mesmo tempo em que fornece uma versão melhorada para uma rede b. O alcance é o mesmo que b, não são compatíveis com o padrão a ; n - O IEEE aprovou oficialmente a versão final do padrão para redes sem fio n em Vários produtos n foram lançados no mercado antes de o padrão IEEE n ser oficialmente lançado, e estes foram projetados com base em um rascunho (draft) deste padrão. Há a possibilidade de equipamentos IEEE n que chegaram ao mercado antes do lançamento do padrão oficial ser incompatíveis com a sua versão final. Basicamente todos os equipamentos projetados com base no rascunho 2.0 serão compatíveis com a versão final do padrão n. Além disso, os equipamentos n possivelmente precisarão de um upgrade de firmware para ser 100% compatíveis com o novo padrão. As principais especificações técnicas do padrão

24 n incluem: - Taxas de transferências disponíveis: de 65 Mbps a 300 Mbps. - Método de transmissão: MIMO-OFDM - Faixa de frequência: 2,4 GHz e/ou 5 GHz. (RAFAELA POZEBOON, 2012).

25 25 4 DESENVOLVIMENTO Um exemplo de autoatendimento é um caixa eletrônico de bancos. 4.1 Arquitetura do Sistema O mecanismo wireless predominará por toda a área do estacionamento, gerado por um roteador, onde esse sinal será disponibilizado para cada dispositivo móvel dos clientes. Todos os dados estarão armazenados no servidor do próprio estacionamento, juntamente com o banco de dados utilizando (MYSQL), o servidor por sua vez utilizara o (GLASSFISH) que aceitará conexões HTTP dos browsers dos dispositivos móveis. Para as pessoas que não são cadastradas o acesso a pagina de login será visualizada normalmente, mas terá uma senha para o acesso ao sistema, por tanto quem for cliente obterá a senha para utilizá-la. O cadastro será efetuado com o administrador do sistema onde os campos necessários para o cadastro poderão ser inseridos obtendo o CPF como campo base para a identificação. O administrador será responsável por todas as movimentações dos clientes em termo de entrada no estacionamento e saída sendo assim função do próprio estabelecer, o controle por a placa e nome de cada cliente cadastrado no estacionamento. Após os clientes estarem no perímetro do estacionamento, estando seu cadastro efetuado poderá acessar a sua conta com seus dados e suas respectivas ações registradas no estabelecimento.

26 Diagramas de Classes A figura Diagrama de Classes apresenta funcionalidades de uso gerado do sistema a partir do programa Astah Community 6.6.3, onde as 3 classes como Cliente, administrador, login, onde cada classe tem seus atributos e seus métodos gerados na execução do sistema. Figura Diagrama de Classes. Atributo: Guarda informações do estado do objeto, simbolizado pelo (-). Método: A ação em que a classe será submetida, simbolizado pelo (+). Existem três classes que compõe o sistema de estacionamento, contendo assim a classe cliente com seus respectivos métodos e atributos: nome, idade, telefone, cidade e CPF. Os métodos cadastrar cliente e selecionar cliente será apresentado ao solicitar o cadastro.

27 27 Segunda classe pendências que fará relação direta com cliente, todos os clientes terão suas pendências contendo como atributo conta data da pendência, atraso, e tempo. E como métodos visualizar pendência e pendência por cliente. Terceira classe login que corresponde a todos os logins do cliente com o atributo: foreign key (chave estrangeira da linguegem de banco de dados) do cliente para identificar de quem é aquele login. 4.3 Diagramas de Casos de Uso A figura Diagrama de Casos de Uso apresenta funcionalidades de uso gerado do sistema a partir do programa Astah Community 6.6.3, onde o autor como Cliente e administrador obtém suas funcionalidades e suas atividades dentro do Sistema. Figura Diagrama de Casos de Uso. Ator Cliente: Cliente do estacionamento Ator Administrador: Administrador do estacionamento

28 28 o Caso de uso fazer login: O usuário digitará o CPF e senha; o Caso de uso Visualizar conta: Visualização da conta do cliente e suas respectivas informações; o Caso de uso cadastrar cliente: Inserir nome, idade, telefone, cidade, CPF. Logo após clicar em salvar para cadastrar o cliente; o Caso de uso Visualiza processos Hora data: Visualiza horas e datas de acesso ao estacionamento; o Caso de uso visualizar pendências: Visualiza todas as respectivas datas pendentes de cada cliente do estacionamento. 4.4 Mapeamentos de Banco (MER Modelo de Entidade de Relacionamento) O Mapeamento do banco (MER) contém três entidades: cliente, pendências e login ambos relacionados. O cliente contêm seus atributos sendo eles: nome, idade, telefone cidade e CPF. O cliente é relacionado com o login e as pendências, cada cliente possui várias pendências e cada pendência sendo de um só cliente, por sua vez o cliente poderá ter um login e cada login será respectivamente de um cliente. O id (Chave de identificação) do cliente será obtido pelo login e pendência, tendo assim para cada login seu respectivo cliente, e todas as pendências também seus respectivos clientes. Onde pendência pode ser de um ou mais cliente finalizando assim o ciclo de relacionamento entre: Cliente, Login e Pendências. FIGURA Banco de Dados Modelo MER

29 Telas do Sistema o Tela de login Usuário irá logar no sistema, obtendo dois campus para ele digitar login e senha que será o (cpf). Tela Cadastro Cadastro dos clientes colocando seus campos bases. FIGURA Telas do Sistema o Tela do Cadastro de Login Cadastro de senha e login sendo o a senha o CPF do cliente. FIGURA Telas do Sistema

30 30 o Tela do Administrador O administrador terá acesso a essa tela e o cliente a parte dela, só para visualização. Podendo assim o administrador cadastrar a hora de entrada e saída dos clientes, visualizará automaticamente os que estiverem com a entrada cadastrada. FIGURA Telas do Sistema

31 31 o Tela de cadastro de Cliente Cadastro de cliente, para os que já não são cadastrados, podendo também passar para tela de cadastro de senha e login. FIGURA Telas do Sistema

32 32 5 CONCLUSÃO Constatamos a evolução da comunicação móvel bem como o crescente aumento na utilização de dispositivos móveis em conjunto com sistemas distribuídos. A agilidade de um sistema móvel permite reduzir custos e melhorar a eficiência dos processos produtivos. As novas tecnologias apresentadas estão começando a ser aplicadas no dia a dia das pessoas e negócios. Existem grandes oportunidades para novos sistemas nesta área. É esperado que o protótipo desenvolvido contribuísse com uma solução útil e possa apresentar recursos que possam ser utilizadas também em outras áreas de negócio. Foram declarados alguns métodos de transmissão como Wi-Fi, foram apresentados métodos de rede como um Servidor que ficará locado dentro do estabelecimento. E apresentamos a evolução da tecnologia mobile até o presente momento, enfatizando que estão saindo várias linguagens de programação para sistemas móbile, mas o Java hoje tem sido a mais utilizada, porém no nosso trabalho utilizou também o Framework ZK. Com esse sistema o cliente pode fazer uso da tecnologia que ele tem disponível em suas mãos. Com um simples aparelho celular ou outro tipo de tecnologia disponível obtendo a conexão Wi-Fi ele pode acessar sua conta e desfrutar do sistema obtendo o horário de entrada e saída e suas consultas básicas. Chegamos à conclusão definitiva de que nossas experiências adquiridas durante o processo de desenvolvimento deste trabalho será de fundamental uso para a vida social e a satisfação dos clientes, pois podendo ainda atribuir mais coisas ao sistema.

33 Trabalhos Futuros Como opção e observação, para trabalhos futuros podem-se desenvolver meios de pagamentos por cartão ou mesmo um estacionamento que tenha sensores para as vagas de alocadas no estabelecimento. Os sensores podem acusar se a vaga no local estando verde ou não havendo vaga no local ficar em vermelho. Existem variações de trabalhos futuros e com a tecnologia só aumentando o crescimento de ideias vão cada vez mais crescendo e com isso os estabelecimentos vão ganhando cada vez mais. Podem ainda ser ainda a parte de segurando de dados e do estacionamento, obtendo mais segurança para o local e inibindo roubos de veiculou ate de dados do Servidor. Um exemplo são shoppings aderindo cada vez mais às tecnologias apresentadas de estacionamentos, o shopping Morumbi-SP aderiu um sistema de controle de estacionamento via sensores, assim podendo avisar aos clientes quando há vaga no local com uma luz verde visualizada na parede enfrente à vaga.

34 34 6 REFERÊNCIAS ANA PAULA PEREIRA, Disponível em: O que é CSS? <http://www.tecmundo.com.br/programacao/2705-o-que-e-css-.htm>. Acesso em: 1 maio BURKE, Bill; MONSON, Richard. Enterprise JavaBeans ª Ed.: CAMARGO, Vicente Paulo de. Ria com Framework ZK. 1ª Ed.: EQUIPE DEVMEDIA. Título: DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS PARA CELULAR JAVA 2 MICRO Disponível em:< Data de acesso: 24/05/2012. Gilberto Ribeiro de Queiroz Disponível em: UML visão Geral <http://www.dpi.inpe.br/~gribeiro/apresentacoes/uml_2008_02_29.pdf>. Acesso em: 09 junho Título: J2EE WEB SERVER OR CONTAINER, Disponível em: Página visitada em 27 de maio de MIGUEL ANGEL ALVAREZ, 2004) Disponível em: O que é HTML? <http://www.criarweb.com/artigos/7.php>. Acesso em: 10 junho 2012.

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://blog.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Conteúdo Programático Instalação e configuração básica do Eclipse Indigo e do

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

Introdução a Servlets

Introdução a Servlets Linguagem de Programação para Web Introdução a Servlets Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta aula os

Leia mais

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet Programação para Web Artefato 01 AT5 Conceitos da Internet Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 24/10/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Instrutor Hélio Engholm Jr Livros publicados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition CURSO DE GRADUAÇÃO J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition Antonio Benedito Coimbra Sampaio Junior abc@unama.br OBJETIVOS DO CURSO Capacitar os alunos no desenvolvimento de aplicações para a WEB com

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO: Julho, 2013. DIREITOS DE USO: Publicação de uso exclusivo, classificada quanto ao nível de sigilo como RESERVADA. A presente documentação é propriedade da Tellfree Brasil

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

VERSÃO: DIREITOS DE USO: Tellfree Brasil Telefonia IP S.A Tellfree Brasil Telefonia IP S.A

VERSÃO: DIREITOS DE USO: Tellfree Brasil Telefonia IP S.A Tellfree Brasil Telefonia IP S.A VERSÃO: Março, 2015. DIREITOS DE USO: Publicação de uso exclusivo, classificada quanto ao nível de sigilo como RESERVADA. A presente documentação é propriedade da Tellfree Brasil Telefonia IP S.A., tem

Leia mais

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Disciplina: Computação Móvel Professor: Mauro Nacif Rocha Data: 27/02/2007 Hadriel Toledo Lima 50290 Juliana Pinheiro Campos 47683 Luis Felipe Hussin Bento

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) J2EE () Sumário Introdução J2EE () APIs J2EE Web Container: Servlets e JSP Padrão XML 2 J2EE é Uma especificação para servidores

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens:

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens: Introdução: Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível montar uma rede sem fio em casa ou no escritório sem usar um roteador de banda larga ou um ponto de acesso (access point),

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 2 Testes de verificação SWD-980801-0125102730-012 Conteúdo 1 Visão geral... 4 2 Tipos de telefones e contas de usuário... 5 3 Verificando a instalação

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Nextel 2014 http://nextelcloud.nextel.com.br 1 Nextel Cloud... 4 2 Nextel Cloud Web... 5 2.1 Página Inicial... 6 2.1.1 Meu Perfil... 7 2.1.2 Meu Dispositivo...

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

AS VERSÕES DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES

AS VERSÕES DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES Controle de Clientes para Servidores Linux O controle de clientes é um programa para controle de clientes, controle de tráfego e de conexões, desenvolvido em plataforma Linux e está disponível nas versões:

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Manual Integra S_Line

Manual Integra S_Line 1 Introdução O é uma ferramenta que permite a transmissão Eletrônica de Resultado de Exames, possibilitando aos Prestadores de Serviços (Rede Credenciada), integrarem seus sistemas com os das Operadoras

Leia mais

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Remote Desktop

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS PARA APLICAÇÃO COMERCIAL. Java Peristence API 1.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS PARA APLICAÇÃO COMERCIAL. Java Peristence API 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS PARA APLICAÇÃO COMERCIAL Java Peristence API 1.0 Salvador-Ba Março/2009 1 RAMON PEREIRA LOPES Java Peristence API

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR INTRODUÇÃO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR INTRODUÇÃO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR EM SISTEMAS WEB INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Visão Geral 1 2 3 4 Apresentação Programação Servidor? O que é Java? Grupos de Trabalho Apresentação Quem é o professor?

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 6 EJB Enterprise Java

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Access Point Router 150MBPS

Access Point Router 150MBPS Access Point Router 150MBPS Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Como melhorar o sinal da rede sem fio mudando o canal Wi-Fi do roteador

Como melhorar o sinal da rede sem fio mudando o canal Wi-Fi do roteador Como melhorar o sinal da rede sem fio mudando o canal Wi-Fi do roteador Em poucos minutos você pode configurar seu roteador para obter mais velocidade e estabilidade durante a transmissão massiva de dados

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Java & OpenJDK Thiago S. Gonzaga Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Tópicos Sobre a Sun Microsystems Algumas tecnologias da Sun Linguagem de Programação Ciclo de Desenvolvimento O que é Java?

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

Daniel Paulo de Assis

Daniel Paulo de Assis Daniel Paulo de Assis Brasileiro, solteiro, 32 anos Rua Dr. Seng, 100 Bela Vista - São Paulo SP Telefone: (11) 9-4991-5770 / (18) 9-9119-2006 E-mail: daniel@dpassis.com.br WebSite: dpassis.com.br Linkedin:

Leia mais

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009 Rafael Polo e Sabrina Arêas Contexto 60 s - Primeiros sistemas de informação corporativos. 70 s Desenvolvimento e comercialização

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Lucas Nascimento Santos

Lucas Nascimento Santos Lucas Nascimento Santos Mobile Application Developer lucassantoos56@gmail.com Resumo Lucas Nascimento Santos (@ll_ucasn), engenheiro de software. Estudante de Ciência da Computação na Universidade Salvador

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS CORPORATIVOS

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS CORPORATIVOS PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS CORPORATIVOS SUA EMPRESA PRECISA DE SOLUÇÕES MÓVEIS? O NOVO PERFIL DO CLIENTE Aumento do número de Smartphones com acesso a dados;" Migração de Buscas no PC

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO

DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO AULA PRÁTICA DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO Objetivo: Apresentar o modo de operação Ad Hoc de uma rede padrão IEEE 802.11g/b e implementá-la em laboratório. Verificar os fundamentos de associação/registro

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0 Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho Florianópolis - SC 2005/1 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Denição do Problema 3 3 Trabalhos Correlatos 4 4 Solução

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco. Ciclo Profissional. Banco de Dados NF

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco. Ciclo Profissional. Banco de Dados NF Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Ciclo Profissional Banco de Dados NF Projeto de Banco de Dados Parking Manager Recife, maio de 2012. Projeto realizado pelos discentes André

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP VitorFariasCoreia INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Vitor Farias Correia Graduado em Sistemas de Informação pela FACITEC e especialista em desenvolvimento de jogos

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

Instalação do TOTVS ESB. Guia de Instalação do TOTVS ESB

Instalação do TOTVS ESB. Guia de Instalação do TOTVS ESB Guia de Instalação do TOTVS ESB Copyright 2011 TOTVS S.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada, reproduzida, traduzida ou transmitida por qualquer meio eletrônico

Leia mais