SISTEMA BASEADO EM SOFTWARE LIVRE PARA AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES UTILIZANDO REDES DE SENSORES INTELIGENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA BASEADO EM SOFTWARE LIVRE PARA AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES UTILIZANDO REDES DE SENSORES INTELIGENTES"

Transcrição

1 SISTEMA BASEADO EM SOFTWARE LIVRE PARA AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES UTILIZANDO REDES DE SENSORES INTELIGENTES P. S. Sausen, M. A. Spohn, A. C. Oliveira F. Salvadori*, M. de Campos, E. L. Padoin e R. Strieder Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Brasil RESUMO Neste trabalho é apresentado um sistema para automação de subestações de energia elétrica. Para o desenvolvimento deste sistema fez-se uso dos conceitos de Módulos de Sensores Inteligentes (MSInt) estruturados numa Rede de Sensores Sem Fio (RSSF) e em um conjunto de Unidades Remotas de Aquisição de Dados (URADs). A comunicação da RSSF e das URADs com o Controlador Supervisório (CS) pode ser realizada via rádio (Wi-Fi), RS232, RS485 ou através de redes com infraestrutura cabeada (e.g., ethernet). Todas as rotinas em software implementadas para os processos de aquisição, tratamento das grandezas adquiridas, transmissão e apresentação dos dados (Interface Homem Máquina IHM) foram desenvolvidas utilizando ferramentas de software livre e com código aberto. Esta estrutura apresenta características que, entre outras, mostraram-se interessantes: mobilidade, robustez, versatilidade, confiabilidade. PALAVRAS CHAVE Sensor Inteligente, Padrão IEEE 1451, Redes de Sensores, Controle Supervisório. *Departamento de Tecnologia (DeTec) Grupo de Automação Industrial e Controle GAIC Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul Unijuí Rua do Comércio, 3000 Bairro Universitário CEP Ijuí RS - Brasil.

2 Introdução A automação de processos sempre esteve intimamente ligada a Instrumentação e Controle. Usualmente, a estratégia convencional utilizada para a aquisição de grandezas no controle de um processo é a de alocar sensores próximos à fonte da grandeza de interesse. Os dados coletados pelos sensores são então transmitidos para o local de processamento através de uma estrutura cabeada de comunicação de dados. Com a evolução da tecnologia de sensores e das redes de comunicação, surge um novo conceito através da introdução do uso dos sensores inteligentes que, agrupados, formam as Redes de Sensores Sem Fio (RSSF). Estas permitem o processamento das grandezas adquiridas próximas ao local de aquisição, transmitindo os resultados através do uso de sinais de rádio e, conseqüentemente, eliminando a necessidade de cabeamento e dos problemas apresentados em decorrência da utilização desta solução, como por exemplo, alto custo de instalação e manutenção, além de possibilitar sua implementação em plantas já existentes. Em decorrência do uso dessa nova estratégia de aquisição, onde os dados são pré-processados localmente, otimiza-se o uso do canal de transmissão, além de permitir gerar informações mais representativas dos dados coletados. Pode-se, por exemplo, enviar o valor RMS ou médio de uma grandeza ao invés de todos os valores coletados. Os sistemas mais recentes de automação de subestações utilizam meios de comunicação baseados em fibra ótica e, na sua maioria, baseados em plataformas proprietárias (geralmente Microsoft Windows ). Entre os sistemas proprietários mais conhecidos estão o da ABB (Asea Brown Boveri) que é modular em hardware e software denominado Substation Monitoring System SMS530. Focado em automação de subestações, a Siemens possui o SICAM uma evolução do sistema SIMATIC. Considerando os sistemas já instalados, muitos utilizam comunicação serial padrões RS232 e RS485, que utilizam meios cabeados (com par trançado) para tráfego de dados e comandos. A utilização de sistemas proprietários (hardware e software) também foi analisada por pesquisadores. Em [1], apresenta-se um sistema de monitoramento que utiliza como padrão de comunicação a porta serial RS232 e fibra ótica. Desenvolvido sobre a plataforma Windows NT a comunicação da subestação com a central de controle é realizada através de uma linha discada. Em [2], apresenta-se um esquema de controle de segurança para uma subestação de 440kV aplicado à correção de distúrbios. O esquema é baseado em Controladores Lógicos Programáveis (CLPs), os quais possuem um alto custo de implementação principalmente quando são utilizadas entradas analógicas, as quais normalmente são multiplexadas. Essas soluções são baseadas em sistemas dedicados e soluções proprietárias, que apresentam alto custo de instalação e manutenção. Isto torna as alterações e adequações do projeto/sistema uma tarefa trabalhosa e de alto custo financeiro, sobretudo devido ao cabeamento utilizado pelos sensores e pela falta de flexibilidade dos sistemas proprietários. No que se refere ao software implementado em sistemas de controle supervisório, algumas alternativas são apresentadas em [3], [4] e [5]. Uma nova abordagem para transmissão de dados em sistemas de automação é apresentada em [6], onde é utilizado o conceito de transmissão sem fio (wireless) em conjunto com a adoção do conceito de software livre tanto em nível da aplicação como em Sistema Operacional (SO). Este trabalho estende a solução apresentada em [6] incorporando ao sistema módulos sensores inteligentes de baixo custo. O sistema é desenvolvido para automação de subestação de energia elétrica utilizando o conceito de sensores inteligentes estruturados numa RSSF [7]. O sistema de supervisão foi totalmente desenvolvido sobre plataforma de software livre. Esta alternativa une, em um mesmo sistema de supervisão, os conceitos dos sensores inteligentes (i.e., mobilidade) com o conceito de software livre (i.e., baixo custo). 2

3 Descrição do Sistema Este sistema é resultado de dois projetos de P&D desenvolvidos em parceria com a CEEE-D/RS no âmbito dos fundos setoriais. O primeiro deles, denominado Sistema para Automação de Subestações, define as tecnologias adequadas, ou a adequar, para a aquisição dos sinais de interesse, processamento e transmissão dos sinais de maneira a implementar um sistema de aquisição de dados e controle supervisório, fundamentado basicamente em termos de custo e confiabilidade. Além disso, desenvolver procedimentos, ferramentas de software e equipamentos que tornem mais barato o custo de atualização das subestações já existentes, sem perda de confiabilidade, com tecnologia aberta e que possibilite a inclusão de outros sistemas. Deste projeto resultou o sistema apresentado em [6] e que passou, nos anos subseqüentes, por melhorias. O segundo projeto, denominado Projeto e implementação de sensores inteligentes, implementa um módulo de transdução inteligente, totalmente compatível com o Padrão IEEE , em um microcontrolador dedicado de baixo custo. Portanto, destes dois projetos resulta o sistema ora apresentado. Entre as características do sistema podemos citar algumas que o diferenciam dos demais sistemas de automação de subestações: (a) facilidade de implementação de sistemas microprocessados (microcontroladores e/ou DSPs); (b) utilização de um sistema operacional, e plataforma de desenvolvimento não proprietária e livre de licença; (c) baixo custo de implementação (hardware e software); (d) portabilidade e mobilidade; (e) facilidade de implementação de múltiplas rotas de comunicação (i.e., segurança); e, (f) possibilidade de utilização de estruturas de rede já existentes. O sistema foi dividido em três subsistemas conforme apresentado na Figura 1: Subsistema de Aquisição de Dados; Subsistema Servidor Remoto (SR); Subsistema Controlador Supervisório (CS). Figura 1 Arquitetura do Sistema. 3

4 2.1. Subsistema de Aquisição de Dados Esse subsistema é formado pelos dispositivos responsáveis pela aquisição e pré-processamento dos dados coletados. Dois dispositivos são utilizados para realizar essas funções. O primeiro deles é a Unidade Remota de Aquisição de Dados (URAD) e o segundo dispositivo é o Módulo Sensor Inteligente (MSInt). A URAD (ver Figuras 2 e 3) é uma unidade de aquisição estática, projetada inicialmente para aquisição de três tensões e três correntes da subestação de energia. A URAD pode se comunicar com o Servidor Remoto (SR) via RS 232, RS 485 ou via rádio. No caso da utilização da RS 485 é possibilitada a conexão de múltiplas URADs para cada SR. Neste momento o sistema opera ponto-aponto utilizando apenas RS232. A Figura 3 apresenta o diagrama de blocos da URAD. Os transdutores de tensão e corrente são responsáveis pela aquisição das grandezas elétricas. Os sinais de tensão e corrente no secundário dos transformadores de medição são acessíveis em níveis muito menores do que no primário, mas, embora isto facilite na medição, transientes na rede ainda são transmitidos ao secundário. Estes transientes podem facilmente destruir circuitos que trabalham em baixas tensões e correntes, como os circuitos de controle da URAD. De modo a evitar estes transientes, são utilizados transdutores de tensão LV20-P e corrente LA25-NP da LEM (sensor de efeito Hall). Figura 2 Unidade Remota de Aquisição de Dados (URAD): Sensores de Tensão (LV20) e Corrente (LA20); Conector barramento de dados; Conector da alimentação; Saída RS 232; Saída RS 485; DSP TMS320F2812; e, Transceiver TRW 2.4G. A URAD é controlada através de um Processador Digital de Sinal (DSP), modelo TMS320F2812. Com 64 KB de memória para programas e 64 KB para dados. Opera na freqüência de 150 MHz e utiliza linguagem C/C++ na sua programação. O conversor Analógico-Digital (A/D) é de 12 bits e opera na freqüência de 25 Mhz com tempo de conversão de 80 ns. Os 16 canais de entrada (ou os 2 canais multiplexados de 8 entradas) podem ser configurados em modo seqüencial ou simultâneo. A URAD além de possuir interface serial de comunicação (RS232 ou RS485) para comunicação com o Servidor Remoto, também possui um módulo de comunicação por RF (modelo TRW 2.4G) utilizado para realizar a comunicação com os dispositivos MSInt Gateway. 4

5 Figura 3 Representação da URAD em diagrama de blocos. O segundo dispositivo, o MSInt, foi desenvolvido a partir de componentes de baixo custo. Utiliza microcontrolador PIC18F4520 com encapsulamento SMD do tipo TQFP de 44 pinos e um transceiver TRW 2.4G para se comunicar, via RF, com os demais MSInt. Desenvolvido pela Laipac, utiliza o nrf2401 da Nordic Semiconductor e modulação GFSK para a transmissão dos dados a uma taxa no LINK RF que pode chegar a 1 Mbps. Figura 4 MSInt Sensor. Foram desenvolvidas duas estruturas de MSInt: MSInt Sensor e o MSInt Gateway (Figuras 4 e 5, respectivamente). A primeira é responsável pela aquisição, processamento e transmissão das grandezas adquiridas. Por padrão, os MSInt Sensor vem equipados com um sensor de temperatura, porém, novos sensores podem ser adicionados conforme a necessidade da aplicação através dos conectores de uma das 12 entradas digitais ou 12 analógicas. O MSInt Sensor possui fonte de alimentação externa composta por quatro pilhas recarregáveis do tipo AAA que propicia mobilidade e autonomia ao nó sensor. A segunda categoria, o MSInt Gateway, é responsável pela comunicação dos MSInt e da URAD com o CS via SR, ou diretamente com o CS bastando para isso conectá-lo utilizando uma das portas de comunicação (RS 232 ou USB) (ver Figura 5). O software de comunicação foi desenvolvido em C++ utilizando programação orientada a objeto. Fig. 5 MSInt Gateway (USB/RS232). 5

6 Subsistema Servidor Remoto SR Para desempenhar as funções de SR, utiliza-se uma Soekris modelo Net4521 (ver Figura 6). Apropriada para trabalhar em lugares inóspitos sob severas condições de funcionamento, tem como principais características: processador AMD 133 MHz, 64 MB SDRAM, socket CompactFlash tipo I/II, duas interfaces FastEthernet, uma portal serial DB9, dois slots PC-Card/Cardbus, e alimentação via fonte externa de 12V DC. Figura 6 Servidor Remoto (SR): (1) Placa adaptadora PCMCIA Orinoco; (2) Conexão SR com a rede Ethernet; (3) Conexão SR com a URAD ou com o MSInt Gateway; (4) Alimentação do SR e (5) Cartão de memória. O SO escolhido foi o Voyage Linux, uma distribuição Linux baseada em Debian e customizada para trabalhar em plataformas voltadas para sistemas embarcados. A escolha por essa distribuição deve-se ao fato de sua fácil instalação e pelo bom desempenho no hardware utilizado pelo projeto. A comunicação entre o subsistema de Aquisição de Dados e o subsistema CS é função do SR, sendo realizada por dois módulos, desenvolvidos em linguagem C: URADServer e o URADClient. O módulo URADServer permanece residente nos SRs recebendo dados originários da(s) URAD(s) e pela RSSF (ver Figura 1). A partir dos dados recebidos, o URADServer realiza ações de préprocessamento nos dados antes de transmiti-los para o CS. Essas ações são referentes ao cálculo, em RMS, das potências aparente, ativa e reativa, e o fator de potência. O módulo URADServer realiza a compactação dos dados e coloca-os em formato aceito pelo protocolo MODBUS. Essa última funcionalidade permite que o sistema de aquisição de dados comunique-se com sistemas que utilizam o padrão MODBUS (sistemas SCADA). Está em desenvolvimento o módulo de criptografia dos dados transmitidos pelo módulo URADServer, objetivando-se maior segurança ao sistema. O módulo URADClient permanece residente no CS. É responsável pela recepção dos dados enviados pelo módulo(s) URADServer(s), descompactação e disponibilização para o módulo EletroPlot. Como mencionado anteriormente, existe a possibilidade do módulo URADServer transmitir no padrão MODBUS, neste caso o módulo URADClient disponibiliza um arquivo texto que pode ser lido por qualquer sistema que utiliza padrão MODBUS. O CS pode ser qualquer computador que possuir uma conexão com a Internet. No que se refere à rede o SR desempenha o papel de gateway. Para desempenhar esta função foram incorporadas as seguintes 6

7 opções de comunicação: porta serial (RS232/RS485), RF ou USB com possibilidades de entrada convertendo para TCP/IP (sem fio e cabeada) utilizando ou não MODBUS (i.e., protocolo de comunicação utilizado na automação industrial). Futuramente, pretende-se incorporar um modulo GPRS (General Packet Radio Service) para facilitar a comunicação utilizando a estrutura GSM de telefonia celular, em lugares inóspitos e de difícil acesso. Esse conjunto de alternativas para transmissão dos dados, disponibilizada pelo SR, permite agregar segurança ao sistema de automação. Qualquer falha numa forma de comunicação, imediatamente outro módulo de comunicação pode ser ativado em tempo de execução. Subsistema Controlador Supervisório - CS O sistema pode ser gerenciado por qualquer computador que possuir o módulo supervisório (IHM) instalado e tiver acesso a Internet. A IHM foi desenvolvida, inicialmente, para apresentar os dados coletados em tempo real, restringindo-se em ser a Interface Gráfica para o Usuário final (Graphical User Interface (GUI)) e, em uma versão futura, adicionar-se-á à parte de atuação (controle) do sistema. O módulo supervisório denominado EletroPlot foi desenvolvido em linguagem C++ sobre a plataforma Linux utilizando objetos da biblioteca gráfica QWT v A Figura 7 apresenta as duas possibilidades de visualização dos dados, através de gráficos (à esquerda) ou de tabelas (à direita). A visualização dos dados pode ser a partir de dados coletados em tempo real ou armazenados em arquivos. Na opção on-line os dados são lidos diretamente do subsistema de Aquisição de Dados numa periodicidade definida pelo usuário e apresentados na forma de gráficos, tabelas ou de ambos a partir de parâmetros definidos pelo usuário. A versão em desenvolvimento do EletroPlot integra o banco de dados MySQL. Nesta opção, o banco de dados é alimentado pelos dados coletados do sistema de medições on-line a partir de parâmetros estipulados pelo usuário. Com esta estrutura é possível, além da opção de visualização de intervalos determinados, utilizar os dados armazenados para definição de estratégias de manutenção preditiva e implementação de sistemas de diagnóstico e detecção de falhas. Figura 7 Módulo EletroPlot: gráficos (esquerda) e tabelas (direita). Conclusão Este trabalho apresenta os resultados obtidos no desenvolvimento de uma plataforma aplicada à automação de subestações. O sistema apresenta como grandes diferenciais a utilização do conceito de Módulos de Sensores Inteligentes e o fato de todas as rotinas de software (aquisição, processamento, 7

8 transmissão e IHM) terem sido desenvolvidas utilizando ferramentas de software livre e de código aberto. Estes diferenciais conferem ao sistema: mobilidade, robustez, versatilidade, confiabilidade e baixo custo (implantação e manutenção). Os testes preliminares realizados demonstraram que, no que se refere às URADS e ao monitoramento dos sinais de interesse, em um primeiro caso (i.e., correntes e tensões) o sistema atende aos requisitos demandados pela Resolução 505 de 2001 da ANEEL (i.e., um número mínimo de 16 amostras/ciclo, 12 bits de conversão e 1% de precisão). Em relação ao MSInt, até o presente momento, sua configuração básica de conversão é de 10 bits e a capacidade de processamento de 8 bits, o que não permite sua utilização para o monitoramento de tensões e correntes, mas apenas para grandezas que tenham alta constante de tempo (e.g., temperatura e umidade). Novos testes estão sendo desenvolvidos buscando determinar pontos de estrangulamento do sistema proposto, tais como: (i) distância para transmissão sem fio; (ii) perdas de pacotes; (iii) interferência eletromagnética; e, (iv) máxima freqüência de transmissão (URADs e MSInt). A principal contribuição deste trabalho é mostrar a possibilidade de desenvolver um sistema completo utilizando componentes de baixo custo e software livre de código aberto. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem o apoio financeiro fornecido pela Companhia Estadual de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul (CEEE-RS). BIBLIOGRAFIA [1] G. L. d Castro Neto, A.G. Kanashiro, C.V.S. Malagodi, Desenvolvimento e Implantação de Sistema de Monitoramento de Subestações, Eletricidade Moderna, pp. 286 a 297, Abril, [2] J.A.C. Moreira, A.R.C.D. Carvalho, P.C. Almeida, A. C. Pereira, Bauru Security Control Scheme, IEEE Porto Power Tech Conference, Porto, Portugal, [3] D. Li, Y. Serizawa and M. Kiuchi, Concept Design For A Web-Based Supervisory Control And Data-Acquisition (SCADA) System, Transmission And Distribution Conference And Exhibition 2002: Asia Pacific. IEEE/PES volume 1, 6-10 Oct Page(s):32-36 vol.1. [4] D. Zimmer and D. Rhodes, Human Machine Interfaces, Industry Applications Magazine, IEEE Volume 12, Issue 2, March-April 2006 Page(s):29 35 [5] D. Gracek, O. Geynisman, D. Proudfoot, K. Minnik, Migrating From Scada To Automation, Transmission And Distribution Conference And Exposition, 2001 IEEE/PES, Volume 1, 28 Oct.-2 Nov Page(s): vol.1. [6] F. Salvadori, P.S. Sausen, L.V. Hartmann, M. de Campos, E.L. Padoin and G.V. Leandro, Acquisition And Transmission Data Monitoring System Applied To Energy Substation, Industrial Informatics, INDIN Proceedings. IEEE International Conference on Aug Page(s):60 64, Banff, Alberta, Canada. [7] E. H. CALLAWAY, Wireless Sensor Networks: Architectures And Protocols. CRC Press LLC, New York,

Mobilidade no Monitoramento de Subestações Elétricas através de Serviços Web

Mobilidade no Monitoramento de Subestações Elétricas através de Serviços Web Mobilidade no Monitoramento de Subestações Elétricas através de Serviços Web Edson L. Padoin, Fabiano Salvadori, Maurício de Campos, Paulo S. Sausen, Sérgio Dill, Tiago A. Idalencio Grupo de Automação

Leia mais

Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 7, n. 1, p. 73-83, 2006. 73

Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 7, n. 1, p. 73-83, 2006. 73 Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 7, n. 1, p. 73-83, 2006. 73 ISSN 1981-2841 MOBILIDADE NO MONITORAMENTO DE SUBESTA- ÇÕES ELÉTRICAS POR MEIO DE SERVIÇOS WEB MOBILITY

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais

Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais Heber A. Scachetti RA 004933 heber_augusto@yahoo.com.br RESUMO Este artigo apresenta algumas das principais características encontradas em

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS 1 AR AUTOMAÇÃO EMPRESA & SOLUÇÕES A AR Automação é uma empresa especializada no desenvolvimento de sistemas wireless (sem fios) que atualmente, negocia comercialmente seus produtos e sistemas para diferentes

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS Descrição As necessidades de telemedição (ou telemetria) e telecomando têm sido cada vez mais utilizadas nas mais variadas aplicações, principalmente onde o volume

Leia mais

Entenda as principais tecnologias necessárias para desenvolver sistemas de aquisição de dados embarcado em veículos

Entenda as principais tecnologias necessárias para desenvolver sistemas de aquisição de dados embarcado em veículos Entenda as principais tecnologias necessárias para desenvolver sistemas de aquisição de dados embarcado em veículos Luciano Borges Engenheiro de Vendas National Instruments Principais tecnologias Para

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

S i s t e m a s d e E n e r g i a

S i s t e m a s d e E n e r g i a S i s t e m a s d e E n e r g i a c a t á l o g o d e p r o d u t o s 2 0 1 0 A Analo oferece soluções completas, software e equipamentos para: Supervisão Telemedição Comunicação de dados Supervisão A

Leia mais

Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone

Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone VX-8CH-240C-H 8 Canais de Vídeos e 1 Canal de Audio Suporta 1 (um) Disco Rígido (HD SATA) Compressão de Vídeo H.264 Integração com PTZ Hexaplex -

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO REMOTO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO REMOTO DE ENERGIA ELÉTRICA PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO REMOTO DE ENERGIA ELÉTRICA Eurípedes Araújo Júnior, Thiago Santhiago Borges A medição de energia elétrica é um processo de medida efetuado

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas SYNCHROTACT 5 Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas Aplicação SYNCHROTACT 5 é a quinta geração dos equipamentos para sincronização produzidos pela ABB Switzerland

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX. Manual V2.2

Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX. Manual V2.2 Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX Manual V2.2 Parabéns! Você acaba de adquirir o Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200, orgulhosamente desenvolvido e fabricado no Brasil. Este é um produto de alta confiabilidade

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA

1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA Conteúdo 1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA... 2 1.1. UMG 103... 2 1.2. UMG 104... 2 1.3. UMG 96L e UMG 96... 3 1.4. UMG 96S... 3 1.5. UMG 96RM... 4 1.6. UMG 503... 4 1.7. UMG

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAÇÃO DE DISTÚRBIOS E DA DINÂMICA DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

SISTEMA DE MONITORAÇÃO DE DISTÚRBIOS E DA DINÂMICA DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA GPC / 03 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE DE SISTEMAS DE POTÊNCIA (GPC) SISTEMA DE MONITORAÇÃO DE DISTÚRBIOS E DA DINÂMICA DE SISTEMAS ELÉTRICOS

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais

METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais ISA Distrito 4 Seção Vale do Paraíba Jacareí SP Setembro de 2009 Ciro Medeiros Bruno Especialista em Desenvolvimento de Mercado Mettler Toledo

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: (Não preencher) Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: (Não preencher) Maceió, Brasil, Agosto de 2005 PALAVRAS-CHAVE: medições em subestações previsor de energia protocolo DNP perdas de energia COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio

Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio Edson Taira Procopio, PUC-Campinas SÃO PAULO Brasil ed_taira@hotmail.com Jose Luis Pagotto, PUC-Campinas SÃO

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas.

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas. .. CES-0545 Conversor Ethernet-Serial Sistema de Gestão da Qualidade Certificado por Bureau Veritas. ----------ISO 9001:2008------------ Conversor Ethernet-Serial Descrição geral O CES-0545 oferece uma

Leia mais

PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011. Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO

PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011. Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011 Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO Projeto: Placa mãe STD-7100 UAC (unidade de Aquisição e Controle).

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

Sistema de Supervisão da Tensão Secundária de Transformadores de Distribuição

Sistema de Supervisão da Tensão Secundária de Transformadores de Distribuição Sistema de Supervisão da Tensão Secundária de Transformadores de Distribuição U. H. Bezerra, ESC/UFPA; J.. Garcez, ESC/UFPA; J. C. W. A. Costa, ESC/UFPA; M.. A. Moscoso, ESC/UFPA; J. A. S. Sena, ESC/UFPA;

Leia mais

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios. Sistemas Endereçáveis Analógicos Módulos e Cartões de Comunicação Dispositivo de Análise de Laço

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência AEC Access Easy Controller Guia de Referência Índice 3 1. AEC - Vista Geral do Sistema 4 2. AEC - Componentes Principais 6 3. AEC - Configuração 7 4. AEC - Benefícios 8 5. AEC - Como encomendar? 10 6.

Leia mais

CGW-PX1 Gateway SIP GSM

CGW-PX1 Gateway SIP GSM Interface de conexão SIP entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch SIP com a rede celular GSM O gateway CGW-PX1 é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Redes Industriais ModBus RTU

Redes Industriais ModBus RTU Padrão EIA RS-232 O padrão RS (Recommended Standart) é uma padronização de interface para comunicação de dados criada nos anos 60 por um comitê da Electronic Industries Association (EIA). O equipamento

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via GPRS 1.0

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via GPRS 1.0 Data Autor Descrição Revisão 06/05/2009 Barbarini Configuração HX600 via GPRS 1.0 Page 1 / 13 Procedimento de Instalação 1 O módulo deverá ser fixado próximo ao medidor. Para alimentá-lo é necessária uma

Leia mais

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES Sistemas de visão Visão geral da linha de produtos Série SIMATIC VS720A - As câmeras inteligentes

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO FOLHAS DE DADOS Todas as folhas de dados para os equipamentos mencionados deverão ser devidamente preenchidas conforme determinado a seguir. Deverá ser preenchida uma folha de dados para cada tipo de equipamento

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAÇÃO DE DISTÚRBIOS E DE OSCILAÇÕES EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

SISTEMA DE MONITORAÇÃO DE DISTÚRBIOS E DE OSCILAÇÕES EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA Rodrigo Mussatto Fábio Petrassem de Sousa Mauro Pacheco Ferreira Tiago César Busatta Daniel Maurício Kamers Ângelo Mibielli Gustavo Ghedin Ditzel João Marcos Castro Soares Carlos Matias Billo REIVAX Automação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS Pedro Luis Antonelli Pós-Graduando em Telecomunicações na Escola Superior Aberta do Brasil - ESAB Hudson Ramos- Mestre em Engenharia

Leia mais

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul Pablo Humeres Flores Eletrosul Brasil Diogo Vargas Marcos Eletrosul RESUMO O trabalho apresenta uma aplicação do protocolo SNMP na gerência

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores.

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. PROJETO DE PESQUISA 1. Título do projeto Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. 2. Questão ou problema identificado Controlar remotamente luminárias, tomadas e acesso

Leia mais

SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3

SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3 SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3 Por favor, leia totalmente estas instruções antes de ligar o equipamento. Manual de Operação Descrição do Sistema O equipamento MLCON-RF3 é parte integrante

Leia mais

Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone

Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone VX-16CH-C-H 16 Canais de Vídeos e 1 Canal de Audio Suporta 1 Disco Rígido (HD SATA) Compressão de Vídeo H.264 480 FPS (Frames por Segundo) Integração

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais

Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais A grande versatilidade da nossa família deinterfaces Homem-Máquina (IHM)permite que a mesma seja utilizada nas mais diversas

Leia mais

Solução Acesso Internet Áreas Remotas

Solução Acesso Internet Áreas Remotas Solução Acesso Internet Áreas Remotas Página 1 ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL... 1 1. ESCOPO... 2 2. SOLUÇÃO... 2 2.1 Descrição Geral... 2 2.2 Desenho da Solução... 4 2.3 Produtos... 5 2.3.1 Parte 1: rádios

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy.

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. Monitoramento altamente confiável com valor agregado ACM avançado ACM básico Contadores

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

CLP - IHM. Solução Completa em Automação. Controladores Lógicos Programáveis - Interfaces Homem Máquina

CLP - IHM. Solução Completa em Automação. Controladores Lógicos Programáveis - Interfaces Homem Máquina Solução Completa em Automação CLP IHM Controladores Lógicos Programáveis Interfaces Homem Máquina Software de programação GRATUITO para toda linha + de 80 protocolos diferentes entre 30 fabricantes mundiais

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

RC10. Guia do Produto. Acessórios da Cabine de Controle & Comunicação RC10

RC10. Guia do Produto. Acessórios da Cabine de Controle & Comunicação RC10 RC10 Guia do Produto Acessórios da Cabine de Controle & Comunicação RC10 1. Guia do Produto acessórios da Cabine de Controle & Comunicação RC10 Introduction Introdução O religador OSM é fornecido com o

Leia mais