PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, J. Silva Lopes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes"

Transcrição

1 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de

2 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa Base: Documento do FMI sobre o apoio do FEEF/FMI a Portugal de 7 de Junho de 2011 Exposição árida, apoiada em estatísticas. A minha dificuldade em falar de forma que eu considere convincente sem me apoiar em dados estatísticos, mesmo com elevadas margens de erro, e sem recorrer a análises baseadas na técnica económica. Projecções falíveis. Há grande probabilidade de a evolução real vir a ser diferente das projecções. Esperemos que não seja pior, mas isso pode muito bem acontecer. 2

3 EVOLUÇÃO DO PIB, DA PROCURA INTERNA E DO DESEMPREGO EVOLUÇÃO DO PIB E DA PROCURA INTERNA Milhares de milhões de a preços de EVOLUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO (%) PIB registado Procura interna registada PIB projectado Procura interna projectada Taxas registadas Taxas projectadas 3

4 EVOLUÇÃO DO PIB E DA PROCURA Taxas anuais médias Variação de crescimento (%) total PIB 0,7-2,0 2,0 3,8 Consumo privado 1,3-4,4 0,4-7,1 Consumo público 1,7-5,8-0,2-11,8 Investimento -2,8-8,7 2,4-8,3 Procura interna 0,5-5,3 0,6-8,0 Exportações 2,7 6,1 6,5 44,8 Importações 1,8-4,2 3,2 4,1 4

5 INDICADORES DE COMPETITIVIDADE ÍNDICES DE QUOTAS DE MERCADO NAS EXPORTAÇÕES: 2000= COEFICIENTES DE PENETRAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES NA PROCURA TOTAL (%) Export performance (OECD) Export performance (EC) Penet. Importações (OECD) Penet. Importções (CE e FMI) Índices de quotas de mercado: rácio entre o Coeficientes de penetração das importações= índices de volume das exportações portuguesas cocientes entre o volume das importações e o volume e do tamanho do mercado para onde vão essas da procura total (procura interna+ exportações) exportações. Índice do tamanho do mercado: média dos índices do volume das importações nos principais países para onde vão as exportações pprtuguesas, ponderados pela importância relativa de tais países como mercados para as referidas exportações 5

6 POUPANÇA, INVESTIMENTO E BALANÇA CORRENTE Percentagens do PIB Poupança nacional Investimento bruto Balança corrente Bal.corrente projectada Necessiddades de financiamento externo A balança corrente é igual à diferença entre poupança nacional e investimento 6

7 OBJECTIVOS PARA A BALANÇA DE TRANSACÇÕES CORRENTES As necessidades de financiamento externo são praticamente iguais aos défices da Balança de Transacções correntes. Défices da Balança de Transacções Correntes Os défices da Balança de Transacções Correntes andaram perto dos 10% do PIB entre 2000 e. Em termos comparativos, a média desses défices tem sido a mais elevada da União Europeia, com a Grécia muito perto. Défices como os dos últimos 10 anos serão completamente insustentáveis no futuro próximo. Essa é a principal causa da crise económica que estamos e vamos continuar a atravessar. O FMI projecta a descida acelerada do défice da BTC de 9,9% do PIB em para 2,2% em. Apesar de essa descida ser considerável, não está garantido que haja financiamentos externos suficientes para aguentar essa trajectória e para evitar que tenhamos que passar por outra que implique consequências recessivas ainda mais graves.. Mesmo a trajectória do FMI exige a persistência de níveis baixos de investimento ( média de 17,5% do PIB de 2011 a 2015) e a subida espectacular da poupança nacional (de 9,2% do PIB em para 17,3% em ). Se a poupança não subir tanto como está projectado, os níveis de investimento terão de ser ainda menores, pondo em risco o crescimento económico futuro. 7

8 NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO EXTERNO POUPANÇA, INVESTIMENTO E NECESSIODADES DE FINANCIAMENTO EXTERNO % do PIB Poupança pública 0,5-3,0-6,6-2,4 0,0 Poupança privada 17,3 16,3 15,7 12,8 17,2 Poupança total 17,8 13,3 9,2 10,4 17,3 Investimento bruto 28,5 23,6 19,0 17,1 17,5 Balança corrente -10,7-10,4-9,9-6,7-2,2 Necessidades financº. externo -9,2-8,9-8, POUPANÇA, INVESTIMENTO E NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO EXTERNO (%do PIB) Poupança pública Poupança total Balança corrente Poupança privada Investimento bruto Necessidades financº. externo 8

9 AS PROJECÇÕES DA POUPANÇA A taxa de poupança nacional tem vindo a cair progressivamente de 17,8% do PIB em 2000 para 9,2% em e o FMI projecta agora que nos próximos anos ela suba aceleradamente e venha a atingir 17,3 % do PIB em. Para essa subida tão rápida conta-se sobretudo com o aumento considerável da taxa de poupança do Sector Público (de -6,6% do PIB em para 0% em ). A contribuição do Sector Privado será também importante: segundo as projecções ela descerá de 15,7% do PIB em pra 12,1% em, mas subirá com rapidez nos anos seguintes, de forma a atingir 17,3% do PIB em. Em princípio, os objectivos de poupança para o Sector Público, embora ambiciosos, poderão ser conseguidos se o nosso país cumprir os objectivos fixados para as Finanças Públicas no Acordo com a Troika. E a poupança do Sector Privado? Com a evolução do rendimento nacional projectada parece extremamente difícil Conseguir os aumentos projectados para o período -. Poderão vir a ser necessárias medidas de Poupança compulsiva. 9

10 AS PROJECÇÕES DO INVESTIMENTO O FMI projecta que de 2011 a 2013, as taxas de Investimento Bruto se situem à volta de 17,5% do PIB. No Sector Público projecta-se que, através da maior contenção orçamental, essas taxas desçam ligeiramente de 2,5% do PIB em 2011 para 1,7% em, Trata-se de taxas significativamente inferiores às da última década, que se situaram em regra acima de 3% do PIB (provavelmente sem incluir as Parcerias Público-Privadas)? Taxas inferiores a 2% do PIB implicam que o essencial do Investimento Bruto público terá de concentrar-se essencialmente na conservação e nas reparações nos equipamentos públicos (estradas, pontes, portos, escolas, hospitais) e que pouco se poderá investir em novas infraestruturas. No Sector Privado projecta-se a quase estabilização da taxa de Investimento Bruto em níveis da ordem de15 a 16% do PIB. Com a contracção do crédito (que só se aliviará se de facto a poupança nacional aumentar muito e se não houver cortes acentuados nos financiamentos externos) e com as perspectivas pouco animadoras do mercado interno, poderá haver dúvidas a respeito da possibilidade de evitar quedas adicionais na taxa de Investimento Bruto privado (casas de habitação, edifícios e fábricas para empresas). Será que se pode contar essencialmente com a expansão nos investimentos privados nos sectores de Bens e Serviços Transaccionáveis (de exportação ou de substituição de importações)? 10

11 SERÁ POSSÍVEL FINANCIAR OS DÉFICES DA BALANÇA CORRENTE PROJECTADOS? Para financiar os défices da balança de transacções correntes projectados pelo FMI no triénio de 2011 a 2013,serão necessários 34 b. de. Se Portugal cumprir as condições do Acordo com o FEEF/FMI, receberá 78 b. nesses três anos. Todavia, dessa verba uma grande parte será utilizada para pagar dívidas ao exterior que se vão vencendo. Será que os mercados renovarão as dívidas externas existentes em condições sustentáveis e em montantes suficientes para permitir evitar dificuldades na obtenção dos financiamentos externos necessários á trajectória prevista para a balança de pagamentos? Uma resposta positiva á esta questão é altamente duvidosa em face do que se tem estado a observar desde há cerca de um ano A Dívida Pública total aumentou 20,6 b. entre o início e o fim de ; a apesar das subidas das taxas de juro, a dívida pública externa caiu 4,1 b. (de 105,6 b. para 101,5 b. ); desse modo, a dívida pública interna subiu 24,7 b., tendo o sector bancário contribuído com 17,4 b. ; por outro lado, a dívida pública a curto prazo aumentou 2,5 b. e estava em quase 40 b. no fim de. A dívida externa dos bancos nos mercados caiu, entre Abril de e Abril de 2011, cerca de 22 b. (de 143,5 para 121,8 b. ). Em contrapartida os financiamentos obtidos junto do BCE aumentaram cerca de 30 b. no mesmo período, tendo dois terços desse montante servido para reembolsar credores estrangeiros e tendo o restante sido utilizado para financiar os aumentos do crédito interno, que se encaminharam na sua maior parte para o Estado português. Considerando o que assim se passou e persistente agravamento das taxas de juro da dívida externa portuguesa mesmo depois de assinado o Acordo com a Troika,, há razões para dúvidas muito fortes sobre a possibilidade de nos próximos 3 anos os reembolsos em termos líquidos aos credores dos mercados financeiros internacionais não irem além de uns 30 a 40 b. de como seria necessário para que Portugal escapasse até ao fim de 2013 ao agravamento dos seus problemas de endividamento externo e a ajustamentos da despesa interna ainda mais recessivos 11 do que os que estão programados..

12 SERÁ POSSÍVEL FINANCIAR OS DÉFICES DA BALANÇA CORRENTE PROJECTADOS? (2) NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO EXTERNO Milhares de milhões de Média anual Balança de pagamentos -25,2-7,5-1,0 Financimentos nos mercados -11,3-21,2 11,4 Total -36,5-28,7 10,4 Financiamento oficial BCE 36,5 4,4-9,0 EU-FMI 0,0 24,3-1,4 Total 36,5 28,6-10,4 VARIAÇÕES NO ENDIVIDAMENTO NOS MERCADOS Milhares de milhões de Médias anuais Posição Médio prazo Entradas 131,7 23,8 12,2 26,5 Saídas -28,9-26,9-19,1 Entradas líquidas -5,1-14,7 7,4 Curto prazo Entradas 185,0 110,3 91,4 98,5 Saídas -116,5-97,9-94,5 Entradas líquidas -6,2-6,5 4,0 Financiamento líquido total nos mercados Entradas 316,7 134,1 103,6 125,0 Saídas -145,4-124,8-113,6 Entradas líquidas -11,3-21,2 11,4 12

13 PRINCIPAIS RISCOS NAS PROJECÇÕES PARA OS PRÓXIMOS ANOS - 1 As projecções do FMI não são nada animadoras quanto ao crescimento do PIB e á marcha do desemprego. Mas há riscos elevados de a evolução ser ainda mais negativa do que essas projecções. Principais riscos: 1. Dificuldades no financiamento da dívida da Grécia, não resolvidas adequadamente pelos auxílios da União Europeia. Efeitos de contágio sobre Portugal que daí venham a derivar (Risco muito alto e muito perigoso); 2. Dificuldades de Portugal em conseguir, dentro de um ou dois anos, voltar na obter financiamentos nos mercados internacionais em condições sustentáveis e em evitar que o volume da sua dívida externa para com credores privados continue a cair de forma muito pronunciada (Risco muito alto); 3. Riscos de incumprimento adequado das condições impostas no acordo com a Troika provocados por Oposição e bloqueamentos por grupos de interesse poderosos (risco muito alto) Perturbações sociais originadas pelas enormes dificuldades que as medidas de austeridade inevitavelmente provocarão e por eventual instabilidade política (espera-se que o risco seja inferior ao da Grécia, mas mesmo assim é provavelmente alto) insuficiências da máquina do Estado para assegurar os controlos necessários e para promover as reformas estruturais programadas (risco bastante alto) 4. Risco de os efeitos contraccionistas sobre a Procura Interna e o PIB dos ajustamentos nas finanças públicas impostos pelo Acordo com a Troika e pela escassez do crédito bancário virem a ser ainda mais fortes do que o admitido nas projecções do FMI (Risco alto) 13

14 PRINCIPAIS RISCOS NAS PROJECÇÕES PARA OS PRÓXIMOS ANOS Risco de as projecções do FMI de crescimento rápido das exportações não serem verificadas e de daí resultar um crescimento económico ainda mais desfavorável do que o projectado. Esse risco resulta de: Grandes incertezas quanto à evolução da economia mundial, e nomeadamente da economia europeia, nos próximos anos (Risco alto) Dificuldades em melhorar rapidamente a competitividade internacional das Produções portuguesas de bens e serviços transaccionáveis (Risco alto); 6. Risco de a taxa de poupança do Sector Privado (empresas e particulares) não melhorar tanto como se admite nas projecções do FMI e de por conseguinte haver mais dificuldades com o financiamento da balança de pagamentos corrente. Assim a redução de consumo que a melhoria da poupança exigiria acabará na mesma por ter se verificar, em virtude dos constrangimentos da balança externa. (Risco muito alto) 7. Risco de as medidas de ajustamento programadas, nomeadamente os cortes nas despesas públicas e os agravamentos fiscais, terem sérias consequências negativas sobre a equidade social e a eficiência produtiva, em virtude de: Incapacidade, insuficiências e limitações administrativas e legais (por exemplo, cortes em despesas públicas essenciais e manutenção de outras menos necessárias; maiores agravamentos na tributação dos rendimentos do trabalho do que nos do capital; ausência de maior tributação sobre alguns bens e importados, que ajudaria a reduzir dificuldades da produção nacional). ( Risco muito alto), Força de grupos de interesse que continuarão a lutar para que os sacrifícios impostos pelo ajustamento não caia sobre eles, ainda que com isso se prejudique a situação de largos segmentos da população mais desfavorecida (Risco muito alto) Opções políticas muito discutíveis à luz de critérios de eficiência produtiva e de equidade social (Risco alto) 14

15 CONCLUSÃO Foram apontados aqui riscos extremamente sérios no que respeita à evolução da economia portuguesas que, mesmo com hipóteses optimistas, enfrentará forçosamente problemas de grande gravidade nos próximos anos. A evolução da economia portuguesa nos próximos anos não depende apenas do cumprimento do Acordo com a Troika. Esse cumprimento é uma condição absolutamente necessária, mas não suficiente. Se, mesmo com cumprimento satisfatório do Acordo por parte de Portugal evolução nos próximos anos for pior do que a que está projectada, o mais importante é que as entidades que compõem a Troika se mostrem abertas a conceder auxílios adicionais ao nosso país em condições sustentáveis sem lhe imporem novas condições excessivamente drásticas. Eu faço votos de a minha apresentação desses riscos esteja fortemente influenciada pela minha tendência para o pessimismo e que consequentemente tais riscos acabem por trazer muito menos dificuldades do que as que eu receio. Apesar desse pessimismo, não procuro concluir que o desastre é inevitável. O panorama traçado, mesmo que ameaçador, não pode ser motivo para fugirmos ao ajustamentos radicais que teremos de encarar na economia e na vida social e política do nosso país. É pelo contrário a razão para que tais ajustamentos tenham que ser concretizados com a mais firme determinação possível, apesar dos pesados sacrifícios que envolvem. Além da determinação precisaremos também de sorte, nomeadamente no que se refere á vontade da União Europeia de ajudar as economias periféricas com maiores dificuldades de endividamento externo a saírem da crise sem perturbações e rupturas económicas. sociais e políticas de gravidade excessiva 15

16 16

17 EVOLUÇÃO DO PIB E DA PROCURA Há sempre margens de erro nas previsões e projecções Nas projecções do FMI: PIB de mais baixo do que o de e a descer ainda mais depressa em 2011 e. Razão: queda acentuada na Procura Interna PIB a subir desde 2013 a, a taxas crescentes, que de a excederão substancialmente a média de Razão: aumento da contribuição do Sector Externo (diferença entre as exportações e as importações de bens e serviços). Com a projecção do FMI, que poderá vir a revelar-se optimista, o PIB de só viria a ser alcançado em 2015 e seria muito provável que o PIB per capita de equivalesse ao de 8 anos antes A primeira década do Século XXI foi uma década perdida, com progressivo alargamento do atraso do nível de vida dos portugueses em relação à média europeia. A primeira metade da segunda década do Século será quase pela certa ainda pior. 17

18 EVOLUÇÃO DAS COMPONENTES DA PROCURA ÍNDICES DE EVOLUÇÃO DAS COMPONENTES DA PROCURA Base: =100 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0-8,0 CONTRIBUIÇÕES PARA AS TAXAS DE VARIAÇÃO DO PIB Pontos de percentagem do PIB PIB Exportações Procura interna Importações Procura interna Balança externa Variações do PIB Contribuições para a taxa de variação do PIB= Aumentos da procura interna e da balança externa em relação ao PIB do ano anterior, tudo a preços constantes 18

19 EVOLUÇÃO DAS COMPONENTES DA PROCURA INTERNA 120 ÍNDICES DE EVOLUÇÃO DA PROCURA INTERNA E DAS SUAS COMPONENTES Base: =100 4 CONTRIBUIÇÕES DAS COMPONENTES DA PROCURA INTERNA PARA AS VARIAÇÕES DESSA PROCURA Pontos de percentagem do PIB PIB Consumo público Procura interna Consumo privado Investimento Consumo privado Investimento Consumo público Procura interna Contribuições das componentes da procura interna para as variações do PIB:variações do valor de cada uma dessas componentes, em relação ao PIB do ano anterior, tudo a preços constantes 19

20 AS CONTRIBUIÇÕES DA PROCURA INTERNA E DA BALANÇA EXTERNA PARA O CRESCIMENTO DO PIB Impulsos dados ao crescimento o PIB: Pela balança externa de bens e serviços: fracos ou negativos de 2000 a ; fortemente positiva em 2011 e ; e moderadamente positiva nos anos seguintes Pela procura interna: razoáveis ou fracos de a ; negativos em 2003, 2009 e 2011-; e baixos em Projecções para Queda acentuada da procura interna; Explosão das exportações desde até ; Queda acentuada das importações em 2011 e e recuperação lenta de 2013 a

21 CONTRIBUIÇÕES DAS EXPORTAÇÕES, DAS IMPORTAÇÕES E DA BALANÇA EXTERNA PARA AS VARIAÇÕES DO PIB ,0 4,0 CONTRIBUIÇÕES DAS EXPORTAÇÕES, DAS IMPORTAÇÕES E DA BALANÇA EXTERNA PARA AS VARIAÇÕES DO PIB Pontos de percentagem do PIB 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0 Exportações Importações Balança Externa 21

22 O ESFORÇO FEITO NA GRÉCIA Taxas de crescimento do PIB grego: -2,3 % em 2009; - 3,9% em ; Redução do défice público em : 5 p.p. do PIB Cortes: nos salários públicos: 15%; nas pensões 10%; número de funcionários 10 %; cortes grandes em despesas militares Aumento do IVA: 4 p.p; impostos especiais de consumo: 30% Reformas estruturais: mercado do trabalho, idade da reforma; indemnizações por despedimentos, redução do número de municipalidades de 1034 para 325; maiores facilidades à criação de empresas; liberalização dos transportes de carga e das profissões fechadas 22

23 COMPOSIÇÃO DA POUPANÇA NACIONAL E DO INVESTIMENTO BRUTO 30 INVESTIMENTO PÚBLICO E PRIVADO Percentagens do PIB 20 POUPANÇA PÚBLICA E PRIVADA Percentagens do PIB FBCF pública Variação stocks FBCF privada Investimento total -10 Poup. pública Poup. Nacional Poup. Privada 23

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0 Textos de Política e Situação Económica Verão 26 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 26-27 1. INTRODUÇÃO Neste artigo apresenta-se o cenário macroeconómico para a economia portuguesa projectado pelo

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 10-04-2014 Nº 9 Sustentabilidade da dívida pública: afinal em que ficamos? O debate sobre a dívida chegou finalmente ao espaço público. O que está a ser discutido? A sustentabilidade

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

INDUZIR CRESCIMENTO. Financiar o Investimento

INDUZIR CRESCIMENTO. Financiar o Investimento INDUZIR CRESCIMENTO Financiar o Investimento Crescimento e Investimento Salvo em períodos de curta duração, não é possível crescimento económico, medido geralmente pela taxa anual de evolução do Produto

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação

4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação 4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação Portugal face à crise da economia global António Mendonça Economista. Professor catedrático do ISEG-UTL. 1 DIMENSÕES DA

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

preta. Não telemóveis

preta. Não telemóveis Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2012 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Adoptada no Comité Executivo a 13-14 de Outubro de 2010 Governação económica europeia e a U.E.2020: As propostas da Comissão 1. Um Pacto de Estabilidade

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Resumo Quatro anos após o início da Grande Recessão, a zona euro permanece em crise. O PIB e o PIB per capita estão abaixo do seu nível

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca Ana Tavares Lara Pereira José Gomes Armindo Fernandes Dezembro de 2011 COMO TUDO COMEÇOU

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012 1. Pela 12 ª vez relatamos atividades e prestamos contas. Este é dos actos mais nobres de um eleito, mostrar o que fez, como geriu o dinheiro dos cidadãos, dar transparência à governação. Constitui um

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis Maria Luís Albuquerque 25 de agosto de 2015 Universidade de Verão do PSD Castelo de Vide 25 de agosto de 2015 Tema: Portugal com Futuro: Finanças Públicas

Leia mais

ESPIRAL RECESSIVA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO

ESPIRAL RECESSIVA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO ESPIRAL RECESSIVA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO O setor da Construção vive num contexto de espiral recessiva, com uma queda prolongada da produção nos últimos 10 anos, que abrange o conjunto dos segmentos de

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado I. As raízes

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates 11.02.2009 1. A execução da Iniciativa para o Investimento e o Emprego A resposta do Governo à crise económica segue uma linha de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Objetivo Crescimento DISCRIMINAÇÃO POSITIVA PARA BENS E SERVIÇOS TRANSACIONÁVEIS

Objetivo Crescimento DISCRIMINAÇÃO POSITIVA PARA BENS E SERVIÇOS TRANSACIONÁVEIS Objetivo Crescimento DISCRIMINAÇÃO POSITIVA PARA BENS E SERVIÇOS TRANSACIONÁVEIS Em Portugal, a integração na Zona Euro tem beneficiado mais as produções não transacionáveis do que as transacionáveis As

Leia mais

Caso BCP esteve parado mais de dois anos por questões processuais

Caso BCP esteve parado mais de dois anos por questões processuais .pt SEGUNDA-FEIRA, 17 DE MARÇO 2014 Nº 5883 PREÇO (IVA INCLUÍDO): CONTINENTE 1,60 EUROS Caso BCP esteve parado mais de dois anos por questões processuais DIRECTOR ANTÓNIO COSTA DIRECTOR EXECUTIVO BRUNO

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL O crescimento económico e a redução do desemprego são hoje os grandes desafios que a Europa enfrenta. Em Portugal, a situação económica e social é hoje

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais