Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Business Administration - CBA. Daniel Eiji Mautari

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Business Administration - CBA. Daniel Eiji Mautari"

Transcrição

1 Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Business Administration - CBA Daniel Eiji Mautari MELHORIA DE PROCESSOS: REVISÃO DO MODELO DE REPASSE DOS CUSTOS DE PROCESSAMENTO DE SERVIDORES São Paulo 2014

2 Daniel Eiji Mautari MELHORIA DE PROCESSOS: REVISÃO DO MODELO DE REPASSE DOS CUSTOS DE PROCESSAMENTO DE SERVIDORES TCC apresentado ao curso CBA, como requisito parcial para a obtenção do Grau de Especialista de Gestão de Negócios do Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Orientador: Prof. Leonardo Fabris Lugoboni São Paulo 2014

3 Resumo MAUTARI, Daniel. Melhoria de Processos: REVISÃO DO MODELO DE REPASSE DOS CUSTOS DE PROCESSAMENTO DE SERVIDORES. São Paulo, p. TCC Certificates in Business Administration, CBA. Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. O presente trabalho tem como objetivo abordar o projeto de melhoria de processo de um dos 20 maiores bancos do mundo, e que busca sempre alcançar novos patamares, incluindo a entrada no mercado de diversos países. O projeto de revisão do modelo de custeio de servidores resultou em um novo cenário para viabilização de novos produtos e serviços da empresa, além de trazer transparência e controle em relação aos custos de TI para as unidades de negócios e garantir melhor gestão financeira do parque de servidores pela equipe de TI. O estudo relata como a área responsável por estes custos organizou-se, definiu metas, buscou novas soluções e implantou as melhores propostas. Palavras-Chave: modelo de custeio de TI, melhoria de processos, processamento de servidores

4 Sumário 1 Introdução Fundamentação teórica Metodologia de Custeio: Sistema ABC Descrição e análise do processo atual Contexto do processo Motivação para melhoria Análise do desempenho do processo Desempenho atual Análise do desempenho atual Causa raiz e seus efeitos no desempenho Proposição de novo processo Pesquisa de Alternativas Soluções para causas Mapeamento do processo proposto Desempenho esperado Conclusão Principal contribuição da proposta Limitações da proposta Melhorias futuras Referências bibliográficas... 24

5 5 1 Introdução 1 O Banco São Paulo 2 é uma empresa brasileira, atuante em mais de 10 países, com diversos segmentos de atuação e inúmeros produtos e serviços oferecidos aos seus milhões de clientes espalhados pelo Brasil e pelo mundo. Desde a sua fundação, vem crescendo ano a ano, através de aquisições, fusões e incorporações para se destacar neste setor altamente competitivo. Mesmo com o crescimento dos lucros ano a ano, há uma grande preocupação do CEO (Chief Executive Officer) com a sustentabilidade e perenidade destes resultados. Ser um banco com esta importância e grandeza não é tarefa fácil, e mantê-lo neste patamar se torna cada vez mais difícil. Com a economia do país crescendo cada vez menos, cada Unidade de Negócio intensificou seus acompanhamentos em relação a suas receitas e principalmente despesas, buscando reduções de custos em cada serviço recebido. E uma das principais áreas funcionais (suporte) é a TI, que cobra valores expressivos das Unidades de Negócio, especialmente quando trata-se de processamento de dados. Portanto, o objetivo do presente estudo será demonstrar como a Área de TI atuou frente aos questionamentos constantes em relação ao seu alto custo de processamento de dados. Representada principalmente por sua área de controladoria e planejamento financeiro, a TI mapeou seus processos atuais, identificou os problemas existentes, buscou soluções e desenvolveu um projeto de melhoria deste processo, com a meta de reduzir os custos de processamento de servidores, garantir maior transparência na cobrança de seus serviços para os negócios, melhorar sua gestão financeira sobre o seu Data Center, tornando-se cada vez mais eficiente. Os principais problemas identificados neste processo foram: processos não bemdefinidos (sem maturidade), baixo engajamento entre as equipes na própria Área de TI e baixo nível de conhecimento do modelo atual, enquanto as soluções encontradas foram: implantação de um processo estruturado e documentado para gestão do parque de servidores, disseminação do conhecimento financeiro as 1 Caso desenvolvido pelo aluno do programa Certificate in Business Administration sob orientação do Prof. Leonado Fabris Lugoboni. Nenhuma parte deste caso pode ser reproduzida ou transmitida por qualquer meio eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópia, gravação ou qualquer outro sistema de armazenamento, sem autorização por escrito do Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Aos infratores aplicam-se as sanções previstas nos artigos 102, 104, 106, 107 da lei 9610 de 19/02/ Nomes de empresas e pessoas, assim como dados utilizados, são fictícios para preservar confidencialidade dos envolvidos.

6 6 demais áreas de TI, e uma revisão pontual com resultado rápido, que serão detalhadas no decorrer do trabalho.

7 7 2 Fundamentação teórica Para manter a atual infraestrutura de TI, o banco gasta milhões de reais anualmente e este valor vai crescendo cada vez mais. Como a área de TI não gera receitas de forma direta para a empresa, todas as despesas dessa infraestrutura disponibilizada devem ser repassadas para as unidades de negócio que a utiliza. Dessa forma, tais despesas com TI são alocadas a determinados produtos e/ou serviços que o banco presta, para assim ser considerado no cálculo do demonstrativo de resultado deste produto/serviço. Para Leone (1997 p. 266), o sistema de custos ideal é aquele que tem capacidade de fornecer informações úteis para que os usuários internos das empresas possam avaliar os desempenhos tanto da empresa como de seus diversos setores, controlar os próprios custos, diagnosticar com facilidade as disfunções, os desequilibrios, as superposições e os desperdicios, traçar planos e tomar as melhores decisões, e que possa ser implantado e operacionalizado com o emprego mínimo de recursos. Há diversos modelos de custeio teóricos conhecidos e utilizados por diversas empresas. O modelo a ser adotado deve-se adequar ao tipo de produto e/ou serviço prestado pela empresa e ao que se espera do controle. Segundo artigo de Gomoslki (2005), a escolha do modelo mais apropriado deve considerar as prioridades das unidades de negócio da empresa. Há 4 drivers que devem ser analisados para indicar qual modelo será utilizado: Simplicidade: Unidades de negócio procuram um modelo de custeio que seja fácil de gerenciar e de entender. Este driver normalmente é utilizado em empresas que os custos de TI são baixos, ou a organização da TI é altamente confiável; Justiça: Unidades de negócio desejam pagar apenas pelo que consumem e evitar a subsidiação de custos de outros negócios. Utilizado quando não há uma relação forte entre a TI e os negócios, quando os negócios acreditam que os custos de TI não estão sob controle ou quando a empresa é descentralizada. Previsibilidade: as unidades de negócio precisam garantir que haja pouca ou nenhuma variação de custos de TI em relação ao seu orçamento previsto.

8 8 Muito utilizado quando tais variações de custos podem prejudicar criticamente as metas de performance do negócio. Controle: unidades de negócio procuram uma estrutura de custos de TI que possam atuar ativamente. Tal driver é utilizado sempre que há uma mudança muito grande dos resultados do negócio (queda de receita, ou crescimento acima do esperado), quando há uma incerteza quanto ao futuro deste negócio. 2.1 Metodologia de Custeio: Sistema ABC Atualmente, a metodologia utilizada no banco São Paulo é o ABC (Activity-Based Costing). O custeio baseado em atividades, conhecido como ABC, surgiu por volta de década de 80 quando Kaplan e Cooper desenvolveram uma importante ferramenta para as decisões gerenciais e estratégicas, através da qual as companhias cortavam desperdício, melhoravam os serviços, avaliavam as iniciativas de qualidade e impulsionam para o melhoramento contínuo. De acordo com Leone (1997, p. 255), o sistema ABC corresponde ao custeio baseado em atividades. Esse sistema parte da premissa de que as diversas atividades desenvolvidas pela empresa geram custos, e os diversos produtos consomem/utilizam essas atividades. Na operacionalização do sistema, procura-se estabelecer a relação entre atividades e produtos, utilizando-se o conceito de cost drivers, ou direcionadores de custos. Apuram-se os custos das diversas atividades, sendo esses custos alocados aos produtos via direcionadores. Para Nakagawa (2001, p. 42), uma atividade seria "um processo que combina, de forma adequada, pessoas, tecnologias, materiais, métodos e seu ambiente, tendo como objetivo a produção de produtos", Complementando o conceito, segundo Martins (2010, p.96), para atribuir custos as atividades e produtos devemos utilizar direcionadores, sendo eles de dois tipos: direcionador de custos de recursos e direcionador de custos de atividades. O primeiro identifica a maneira como as atividades consomem recursos e serve para custear as atividades, sendo que o segundo identifica a maneira como os produtos consomem atividades e serve para custear produtos. Considerando os conceitos citados pelos autores acima, podemos entender que este sistema fundamenta-se na procura do princípio da causa e ação que busca

9 9 esclarecer o agente causador do custo, para assim lhe atribuir o valor. Primeiramente faz-se o rastreamento dos custos que cada atividade causou, atribuindo-lhes estes custos, e posteriormente verificam-se como os portadores finais de custos consumiram serviços das atividades, atribuindo-lhes os custos definidos. Porém, Leone (1997, p. 266) ressalta que em muitas vezes encontraremos dificuldades de encontrar uma alta correlação entre as atividades e seus direcionadores, pois é muito comum o emprego do achismo ou do todos usam, fato esse que pode levar a distorções no modelo de cada empresa. Portanto, assim como em qualquer sistema de custeio, teremos pontos fortes e fracos do modelo, e devemos sempre nos atentar a eles, para evitar que estes pontos fracos já conhecidos não prejudiquem a análise dos custos da empresa. Baseado nos conceitos demonstrados pelos autores citados, podemos ressaltar as seguintes vantagens : adequa-se mais facilmente as empresas de serviços, pela dificuldade de definição do que seja custos, gastos e despesas nessas empresas; menor necessidade de rateios arbitrários; obriga a implantação, permanência e revisão de controles internos; identifica, de forma mais transparente, onde os itens em estudo estão consumindo mais recursos; identifica o custo de cada atividade em relação aos custos totais da entidade; pode ser empregado em diversos tipos de empresas; possibilita a eliminação ou redução das atividades que não agregam valor ao produto. Por outro lado, temos como principais desvantagens: alto nível de controles internos a serem implantados e avaliados; necessidade de revisão constante; leva em consideração muitos dados; dificuldade de envolvimento e comprometimento dos empregados da empresa;

10 10 dificuldade na integração das informações entre departamentos; Enfim, conforme Leone (1997, p. 279), as qualidades do sistema ABC somam-se as qualidades de outros sistemas e técnicas de custeio. Porém, é preciso que seja testado, seja utilizado e que seus resultados sejam analisados para que, em um processo gradativo, sejam ajustadas as imperfeições e distorções que possam surgir.

11 11 3 Descrição e análise do processo atual 3.1 Contexto do processo Atualmente, a empresa utiliza o modelo de custeio por atividade (ABC), isto é, todas as despesas diretas e indiretas das áreas funcionais (suporte) são alocadas (absorvidas) às unidades de negocios/produtos da empresa através de atividades/serviços. A Área de TI possui diversas atividades/serviços que são fornecidas as demais unidades de negócio da empresa, tais como desenvolvimento de sistemas, helpdesk e processamento de dados. Portanto, o custo de cada atividade é composto basicamente pelos seguintes itens: Custos de Pessoal: Salarios, horas extras, beneficios, encargos, etc; Custos de facilities: instalações, segurança, energia, agua, luz, etc; Custos com TI: licenças e manutenção de softwares e hardwares, depreciação de equipamentos de TI, serviços terceirizados de suporte; Custos indiretos absorvidos de outras áreas: RH, Juridico, Auditoria, Administração predial, etc; Após a composição dos custos de cada atividade, é utilizado um driver para sua distribuição aos negócios/produtos da empresa, como por exemplo a quantidade de minutos de helpdesk utilizado, ou a quantidade de horas de desenvolvimento de sistemas. Já os custos de processamento de servidores tem como driver a quantidade de processadores (Core) que cada servidor utiliza, onde cada um deles está dedicado a uma ou mais unidades de negócio do banco. A distribuiçao correta destes custos é de suma importância para as unidades de negócios, pois tratam-se de valores importantes a serem considerados quando se avalia a viabilidade de determinados produtos, como é o caso do Banco São Paulo, que possui diversos segmentos e centenas de produtos abrangendo esses negócios. Com todas as mudanças estruturais da organização, criação de novos segmentos de negócios, descontinuação de outros, com centralização e descentralização de áreas e processos, a distribuição destes custos cada vez mais se desatualizava, pois cobrava de áreas que não existiam, ou não cobrava de novas áreas, entre outros exemplos.

12 Motivação para melhoria A cobrança indevida estava gerando um desconforto muito grande das unidades de negócios, pois não havia clareza no repasse dos custos de TI, especificamente de processamento de servidores. A percepção dos controllers das diversas áreas do banco era que estavam pagando muito caro por determinados serviços, ou até mesmo não sendo cobrados em alguns casos. Tal incerteza gerava questionamentos importantes sobre a viabilidade de novos projetos e produtos, e também pode ter causado o encerramento de determinados produtos, por não serem rentaveis, devido ao alto custo gerado por eles. Dessa forma, o vice-presidente de TI do banco era constantemente cobrado pelos demais executivos para que algo fosse feito, e tais problemas deixassem de existir, garantindo qualidade e transparência no serviço. 3.3 Mapeamento do processo (AS IS) O processo de custeio da infraestrutura de servidores inicia-se dia primeiro de cada mês, capturando assim, a base vigente de processadores do mês anterior. Esta base contém as informações detalhadas de todos os servidores existentes em nosso parque, para que assim seja feita a cobrança das Unidades de Negócio de acordo com a utilização deste parque. A controladoria de TI processa as informações desta base, gerando arquivos que serão enviados para controladoria central do banco e utilizados para o fechamento daquele mês. Porém, o maior problema existente atualmente é que essa base não está refletindo as informações completas e atualizadas do parque de servidores. Atualmente, há um processo para a solicitação de novos servidores para atendimento de projetos da empresa. A criação de novos servidores virtuais no Datacenter é feita somente através de duas possibilidades: Necessidade de aumento da infraestrutura de algum servidor devido ao crescimento de volume de transações efetuadas neste servidor; Novos projetos de negócios;

13 13 No caso de aumento de infraestrutura, a própria área de TI verifica a necessidade e disponibiliza mais processadores ou cria novas partições para o serviço / produto alocado neste servidor. Porém, após criar este novo servidor virtual, a TI não informa quais as áreas deveriam ser cobradas, ficando assim uma defasagem de informações. Outra possibilidade de aumento de infraestrutura é uma solicitação da própria área de negócio, para garantir maior disponibilidade de seus sistemas, ou maior rapidez de seus serviços. Assim, caso haja um aumento na quantidade de processadores, a grade de rateio se mantém a mesma da que estava cadastrada, porém caso seja criado uma nova partição, esta também não possuirá uma grade de rateio, portanto a Unidade de Negócio não pagará por este servidor. Figura 1 Fluxograma do processo atual. Fonte: Elaborado pelo autor 3.4 Análise do desempenho do processo Desempenho atual Os KPIs que serão medidos, trabalhados no projeto e medidos novamente para comprovar a melhoria alcançada são três, todos ligados a custos e produtividade:

14 14 1. Valor de Mercado Distribuído / Valor Mercado do Parque: é o percentual do parque de servidores do Data Center que está sendo distribuído para as unidades de negócios no mês. Ele é utilizado para verificar quão eficiente está a distribuição de custos do parque. Este indicador é medido mensalmente, pela equipe de Infraestrutura de TI. 2. Custo unitário por unidade de processamento: os custos de cada servidor são calculados pela quantidade de processadores alocados ao mesmo, multiplicado pelo valor de mercado de cada processador (considerado 46 mil reais por processador). Este calculo resultará em um indicador chamado de Unidades de Processamento (UPs). O cálculo é baseado no total de despesas das estruturas que fazem a gestão deste ambiente - considera despesas de pessoal, manutenções de hardware e software, depreciação de equipamentos, instalações (água, energia, espaço) entre outros dividido pela quantidade total de Unidades de Processamento daquele mês. É apurado mensalmente pela controladoria central do banco, e é baseado neste unitário que a utilização dos servidores é cobrada dos negócios. Este indicador é de extrema importância para o sucesso do projeto, pois através da redução deste indicador, a viabilização de negócios e projetos será facilitada, pois os custos de processamento de servidores serão cada vez mais baratos. 3. Quantidade de Processadores livres/quantidade total de Processadores: este indicador demonstrará a disponibilidade atual para suportar crescimento de negócios e/ou novos projetos, sem que haja a necessidade de aguardar a compra de novas máquinas. Indiretamente, demonstra também a ociosidade do parque. Sua apuração é mensal, e de responsabilidade da equipe de Infraestrutura de TI Análise do desempenho atual Atualmente, os indicadores escolhidos estão com o seguinte desempenho: 1) Valor de Mercado Distribuído / Valor de Mercado do Parque = 53%

15 15 Isto significa que apenas 53% do parque está sendo cobrado dos negócios, fazendo com que os 47% demais tenham seu processamento feito sem cobranças. 2) Custo Unitário de Processamento = R$ 0,3025 / Ups Este valor vem apresentando um leve crescimento ao longo dos ultimos meses, sendo que em 12 meses, o valor aumentou cerca de 5% (R$0,2881) 3) Processadores Livres / Total de Processadores = 32% Este valor demonstra uma ociosidade acima do esperado pelos gestores deste parque. É esperado que haja uma capacidade livre de 20% para atender demandas urgentes de espaço e processamento nos servidores. 3.5 Causa raiz e seus efeitos no desempenho Para identificar as principais causas do problema, foi elaborado um diagrama de Ishikawa partindo de quatro elementos considerados essenciais para a melhor distribuição de custos aos negócios em qualquer empresa: pessoas, sistemas, processos e modelo de custeio. Figura 2 Diagrama de Ishikawa Fonte: Elaborado pelo autor

16 16 Segue na tabela abaixo, uma breve drescrição das principais causas identificadas no diagrama de Ishikawa: Causas Sub-Causa Descrição Pessoas (a) Sistema (b) (a.1) Falta de Conhecimento do Modelo (a.2) Equipe que gerencia o parque tem visão apenas técnica (b.1) Ferramenta não adaptada corretamente para visão de custos (b.2) Ferramenta pouco customizável O conhecimento do modelo atual é baixo devido ao alto índice de turnout na gerência nos últimos anos. Os gestores do parque de servidores não tem o conhecimento da visão financeira, não se importando assim com o impacto em custos que este ambiente traz as unidades de negócio O sistema (Asset) que armaneza todas as informações importantes em relação ao servidores não possui visões consistentes quando o assunto é custo, portanto acaba não sendo o principal foco da equipe que o gerencia. O sistema é gerenciado apenas por uma equipe de três pessoas, e toda customização é por parte da própria. Processo (c) (c.1) Cadastro de grade de rateio para novos servidores não obrigatório no sistema (c.2) Falta de engajamento da controladoria com as equipes técnicas (c.3) Grades de rateio do parque atual desatualizadas No processo atual, o cadastramento de grade de rateio para a entrada de novos servidores no parque não é obrigatório, fazendo com que diversos negócios não sejam cobrados pela utilização do mesmo. A comunicação entre a controladoria de TI e a equipe técnica é fraca, onde cada uma nao se envolve nos processos da outra, não sabendo os impactos que cada uma de suas ações têm no processo da outra. Como não há um processo estruturado para alocação de grades de rateio aos servidores, e não há envolvimento da equipe com a visão de custos, com o passar do tempo, grande parte das grades de rateio do parque atual já estão desatualizadas. Modelo (d) (d.1) Modelo de Custeio definido pela controladoria central As controladorias das unidades de negócio devem seguir um modelo único, definido pelo controladoria central. Assim, não há grande flexibilidade para alterarmos nossos modelos atuais Tabela 1 Causas do problema e comparação com a fábrica Fonte: Elaborado pelo autor

17 17 4 Proposição de novo processo 4.1 Pesquisa de Alternativas Para definir as possiveis mudanças que possam solucionar os problemas encontrados, foram realizadas diversas reuniões entre a controladoria da TI e a gerência responsavel pela gestão do ambiente de servidores, durante um periodo de 3 meses. Além disso, diversos estudos foram feitos pela controladoria durante este perído, visando buscar soluções que possam efetivamente contribuir ao processo positivamente. Primeiramente, a controladoria de TI mergulhou no dia a dia da Gestão de Infra, entendendo como funciona o sistema deles, os conceitos de cada campo das bases geradas deste sistema, como chegam as demandas de novos servidores, etc. Dessa forma, a Controladoria conseguiria conversar de uma forma mais clara e adequada com a equipe de Infra de TI. Após o entendimento do fluxo e das informações existentes no sistema da Infra, a Controladoria iniciou alguns estudos de impactos financeiros, analisando que seria causado a cada unidade de negócio do banco em diversos cenários, melhorando cada um dos KPI s em valores hipotéticos. Além disso, tais estudos foram compartilhados junto aos demais controllers de negócio, de forma a compartilhar as possíveis alterações e seus respectivos impactos. Dessa forma, seria necessário um alinhamento de expectativas muito grande com todas as unidades do banco. 4.2 Soluções para causas Após algumas reuniões entre as equipes envolvidas, diversos pontos foram levantados considerando as causas descritas no Ishikawa, e duas ações foram desenvolvidas e escolhidas como entregas para o projeto: 1. Revisão da distribuição do parque atual; 2. Criação de um processo estruturado que garanta que haja grade de rateio em cada novo servidor; A ação 1 terá foco na resolução da causa identificada em 5.1 como (c) Processo e sua sub-causa (c.3) Grades de rateio do parque atual desatualizadas. Essa ação é

18 18 de extrema importância para o que é desejado como resultado deste projeto, pois diversas unidades de negócio que atualmente não são cobradas pelo uso dos servidores passarão a fazer parte da cobrança deste parque de servidores, fazendo com que diminua o custo cobrado das demais áreas. Um exemplo simples: considere uma mesa de jantar em um restaurante onde há 10 pessoas e 10 pratos diferentes foram pedidos. Todos comem aquilo que solicitaram, porém 5 pessoas vão embora antes de pagar. Assim que o garçom traz a conta, ela refere-se a 10 pratos, porém apenas 5 pessoas terão que pagá-la, fazendo com que cada pessoa tenha que gastar mais do que deveria. O que estamos fazendo com essa revisão é trazer essas 5 pessoas para pagar a conta também. Este exemplo (muito utilizado durante esta revisão para explicar de forma mais fácil aos demais envolvidos) ilustra a necessidade de cobrarmos de todos aqueles que utilizam o parque de servidores atualmente, pois aqueles que já o fazem estão sendo prejudicados. Esta ação consiste em 5 etapas sendo: 1) Identificação dos gestores de cada um dos mais de 8000 mil servidores (físicos e virtuais) no parque; 2) Solicitar ao gestor de cada servidor (de forma estruturada) que identifique os principais produtos e serviços processados neste ambiente, apontando as unidades de negócio responsável por eles; 3) Consolidar todas as informações e cadastra-las no sistema Asset; 4) Comunicar a todas as unidades de negócio, o resultado desta revisão, alertando-os sobre os impactos financeiros que ocorrerão a partir do final desta revisão; 5) Processar as informações e efetuar o novo rateio dos custos de servidores; Ao término desta revisão, é esperado uma melhora considerável em todos os KPI definidos para este processo, sendo o KPI Valor de Mercado Distribuído x Valor Mercado Total o mais impactado. A ação 2 tratará da criação de um processo estruturado, visando estabelecer papéis e responsabilidades bem definidas de cada área envolvida. Portanto, terá foco na resolução da causa identificada como (a) Pessoas, pois todos os envolvidos terão que analisar detalhadamente o processo atual, inclusive a equipe técnica que deverá

19 19 entender a visão financeira que o processo exige. Será criado também um documento, com toda a explicação do modelo e do novo processo desenvolvido, garantindo que o conhecimento não se perca com o passar dos anos. A causa (b) Sistema terá também pontos de atuação e melhoria, pois com a definição do novo processo, a ferramenta será adaptada para atender a demanda. Por último e mais importante, a causa (c) Processo, e a subcausa (c.1), que é o grande foco desta ação. O novo processo deverá garantir que todo crescimento do parque de servidores do Data Center deverá passar por validações técnicas e financeiras, e necessáriamente terá uma grade de rateio para que a alocação dos custos do processamento seja feita corretamente. A ação deverá ter 4 entregas: 1) Mapa do novo processo, com papéis e responsabilidades bem definidos entre as equipes envolvidas (controladoria, equipe gestora do sistema Asset e a equipe que efetua a gestão técnica do ambiente de servidores); 2) Norma divulgada para toda a empresa, divulgando o novo processo; 3) Adaptação da ferramenta Asset para possuir todos os campos e informações necessárias para se obter transparência as unidades de negócio; 4) Documento interno, com mapeamento e detalhes do novo processo, garantindo a sustentabilidade do processo. Esta ação não fará com que haja melhora em curto prazo nos KPI s escolhidos, porém garantirão que os mesmos não piorem ao longo dos meses e anos, pois trará maior controle sobre ele. Durante ambas as ações do projeto de melhoria, haverá reuniões de posicionamento aos superintendentes e diretores responsáveis, pois assim evita-se de ocorrer um desalinhamento entre as expectativas e o resultado gerado pelas ações responsáveis pela melhoria do processo 4.3 Mapeamento do processo proposto O novo processo de custeio de servidores possui quatro novos pontos em relação ao modelo anterior:

20 20 1) A partir da solicitação de um novo servidor, a Gestão de Infra solicitará a informação de qual Unidade de Negócio deverá cobrar a utilização deste novo recurso. Na ausencia desta informação, não será efetivado a disponibilização deste novo servidor; 2) As unidades de negócio deverão identificar qual será a grade de rateio e informar a Gestão de Infra; 3) A Gestão de Infra será responsável pelo cadastramento desta grade no sistema Asset. 4) A controladoria de TI deverá acompanhar os KPI s mensalmente, e sempre que os mesmos apresentarem alguma piora, comunicar e auxiliar a Gestão de Infra a verificar o motivo. Após as melhorias, o processo deverá funcionar da maneira representada abaixo: Figura 3 Fluxograma do processo atual Fonte: Elaborado pelo autor

21 Desempenho esperado Após o projeto, é esperado que os indicadores escolhidos estejam com o seguinte desempenho: 1) Valor de Mercado Distribuído / Valor de Mercado do Parque = 90% Com o projeto, é esperado que este indicador atinja os 90%, sendo que os 10% restante poderá ser atingido após o projeto, com a reeducação que acabará acontecendo com todos os envolvidos. Dessa forma, garantiremos uma distribuição mais justa para os negócios. 2) Custo Unitário de Processamento = R$ 0,2000 / Ups Este valor será um grande beneficio para a empresa apresentando um leve crescimento ao longo dos ultimos meses, sendo que em 12 meses, o valor cresceu cerca de 5% (R$0,2881). 3) Processadores Livres / Total de Processadores = 32% Este valor demonstra uma ociosidade acima do esperado pelos gestores deste parque. É esperado que haja uma capacidade livre máxima de 20% para atender demandas urgentes de espaço e processamento nos servidores.

22 22 5 Conclusão 5.1 Principal contribuição da proposta O presente estudo buscou demonstrar como a Área de TI de um dos maiores bancos do Brasil atuou frente aos questionamentos e pressão das Unidades de Negócio, em relação ao seu alto custo de processamento de dados. Tais custos estavam até mesmo inviabilizando produtos e serviços da empresa. A partir deste cenário, a TI, representada pela sua controladoria, envolveu todas as equipes necessárias, explicando a situação e compartilhando o desafio com cada um. Através do mapeamento de suas atividades, foi possível identificar os principais problemas existentes, como por exemplo processos não bem-definidos (sem maturidade), baixo engajamento entre as equipes na própria Área de TI e baixo nível de conhecimento do modelo atual. Representada principalmente por sua controladoria, a TI mapeou seus processos atuais, identificou e entendeu os problemas, buscou soluções e desenvolveu um projeto de melhoria destes processos com a meta de reduzir os custos de processamento de servidores, garantir maior transparência na cobrança de seus serviços para os negócios e melhorar sua gestão financeira sobre o seu Data Center, para tornar-se cada vez mais eficiente, sendo de extrema importância para as metas de eficiência definidas pelo CEO. Através deste projeto, as Unidades de Negócio representas pelas suas controladorias, puderam avaliar o novo nível de transparência e assertividade na cobrança do processemento de seus produtos e serviços, sendo possível reconhecer cada custo cobrado por isso. Com o banco almejando um crescimento maior a cada ano, era de extrema importância que esse projeto acontecesse, pois para crescer é necessário controlar seus custos e lançar novos produtos e serviços no mercado. O projeto irá trazer benefícios tanto em relação ao controle de custos de cada área (controle esse muito exigido pelos vice-presidentes), quanto em relação a estimativa de custos de processamento para estes novos produtos e serviços, evitando que haja surpresas e distorções no que se refere ao resultado que tal produto irá trazer.

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING Métodos de Custeio Os métodos de custeio são as maneiras de alocação dos custos aos produtos e serviços. São três os métodos mais utilizados: Custeio por absorção

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação Catálogo de Serviços Conceitos, Maturidade Atual e Desafios 2012 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Esta publicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA Diego Leal Silva Santos RESUMO Nos dias atuais têm surgido vários trabalhos que versam sobre custos, tais como, artigos, livros, monografias,

Leia mais

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Resumo CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Ana Paula Ferreira Azevedo Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e da Computação Dom Bosco Associação Educacional Dom Bosco E-mail: apfazevedo@ig.com.br

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS A disciplina está dividida em 02 unidades. Unidade I 1. Custos para Controle 2. Departamentalização 3. Custo Padrão Unidade II 4. Custeio Baseado

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

BPC - ORÇAMENTO. Sistema. Objetivo SAP BW SAP BO SAP BPC SAP DASHBOARDS. Descrição do Produto Implanta BPC Orçamento

BPC - ORÇAMENTO. Sistema. Objetivo SAP BW SAP BO SAP BPC SAP DASHBOARDS. Descrição do Produto Implanta BPC Orçamento Sistema SAP BW SAP BO SAP BPC SAP DASHBOARDS Objetivo Descrição do Produto Implanta BPC Orçamento SUMÁRIO 1. DESCRIÇÃO DO P RODUTO...2 2. SISTEMAS...3 3. ARQUITETURA...3 4. FLUXO DA INFORMAÇÃ O...4 5.

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail

Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail Engenharia de Negócios 1 Agenda 1 Sobre a TIVIT 2 IT Outsourcing 3 Parceria TIVIT & Symantec 4 Projeto

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC

APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC Leo Brunstein Universidade Paulista UNIP Rua Dr. Bacelar 1212 CEP 04026-002 São Paulo SP Fone/Fax (0xx11) 5586-4145 lbab@bol.com.br

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC Lara Pessanha e Vanessa Saavedra A utilização de indicadores de desempenho é uma prática benéfica para todo e qualquer tipo

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto Slice Management Controlando o que você não vê Direto ao assunto O Slice Management (SM) é uma prática de gerenciamento que consiste em colocar um sistema de inteligência em todas as áreas da empresa.

Leia mais

Sistema de Gestão de Telecomunicações - Corporativo

Sistema de Gestão de Telecomunicações - Corporativo Sistema de Gestão de Telecomunicações - Corporativo O que é SGTC? O SGTC - Sistema de Gestão de Telecomunicações > Software 100% próprio, desenvolvido pela equipe da TeleGestão que possibilita o gerenciamento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Ciências Contábeis Nome do projeto: LEVANTAMENTO E APLICAÇÃO DO OS MÉTODOS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Implantação de solução de armazém de dados, denominada SIJUD Sistema de Informações Estratégicas do Judiciário, seguindo os conceitos estabelecidos para esse tipo

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

TI em Números Como identificar e mostrar o real valor da TI

TI em Números Como identificar e mostrar o real valor da TI TI em Números Como identificar e mostrar o real valor da TI João Maldonado / Victor Costa 15, Outubro de 2013 Agenda Sobre os Palestrantes Sobre a SOLVIX Contextualização Drivers de Custo Modelo de Invenstimento

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 13 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PADRONIZAÇÃO DOS RECURSOS DE T.I. 4 5. AQUISIÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT Governança de TI Governança de TI 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT TI precisa de Governança? 3 Dia-a-dia da

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Emanuel R. Junqueira (FAESA-ES) ejunqueira@faesa.br Gilberto Aurino Silva Neto (FAESA-ES) professorgilberto@terra.com.br

Leia mais

XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Maria da Paz Dantas (1) Engenheira Civil, Universidade de Brasília. Analista Operacional da Superintendência de Operação

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais