Monografia Sobre: Controladores de disco. Evolução das Placas de Vídeo. Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monografia Sobre: Controladores de disco. Evolução das Placas de Vídeo. Redes de Computadores"

Transcrição

1 Monografia Sobre: Controladores de disco Evolução das Placas de Vídeo Redes de Computadores Realizado Por: Gisela Silva Rafael Pais

2 Índice: 1 Controladores de Disco 1.1 ST ESDI Controlador SCSI Controlador IDE Compressão de Ficheiros 2.1 Introdução CGA EGA VGA Super VGA 12 3 Redes de Computadores 3.1 LAN Ethernet Placas de Rede Cabos de Rede Bibliografia 28 Página 2

3 1 Controladores de Disco 1.1 ST506: Foi lançada em 1979 pela Seagate e foi a primeira linha de HDs (discos) destinados a computadores domésticos. Os discos mediam 5.25 polegadas, e armazenavam de 5 a 40 MB, dependendo do modelo. A interface destes discos, acabou sendo usada em discos de outros fabricantes. Estes discos antigos foram substituídos pelos discos de IDE a mais de uma década. 1.2 ESDI: Já não é fácil encontrar discos ESDI (Enhanced Small Device Interface) baseados nestes "velhos" interfaces. Estes interfaces tinham em comum a utilização de dois cabos, um para dados e outro para controlo e limitações na taxa de transferência (5 e 10M bits/segundo, respectivamente), devidas à concepção da própria unidade de controlo, distribuída pela unidade de disco e pelo sistema hospedeiro. 1.3 Controlador SCSI: Introdução: A maioria de PC S usa um Disco Duro IDE e têm um BUS PCI para adicionar componentes ao computador. Mas os muitos dos computadores, particularmente de estações de trabalho e um Apple mais antigos, Macintoshes, usam uma BUS SCSI Small Computer System Interface para conectar os componentes, que podem incluir: Discos Duros, Scanners, Drives de CD-ROM/RW, Impressoras. Página 3

4 Basicamente, SCSI (pronunciado "scuzzy") é um BUS rápida das comunicações que permita que conecte dispositivos múltiplos ao nosso computador O Básico do SCSI: SCSI é baseado em uma relação de BUS mais antiga, chamada Shugart Associates System Interface (SASI). Foi desenvolvido originalmente em 1981 por Shugart Associates conjuntamente com NCR Corporation. Em 1986, uma versão modificada de SASI que forneceu um sistema mais aberto foi ratificada pelo American National Standards Institute (ANSI) como SCSI. Há diversos benefícios de SCSI: É rápido até 160 megabytes por segundo (MBps). É de confiança. Permite que ponha dispositivos múltiplos sobre uma BUS. Trabalha na maioria de sistemas computorizados. Há também alguns problemas potenciais ao usar SCSI: Deve ser configurado para um computador específico. Limitação do BIOS do sistema. Suas variações (velocidades, conectores) podem ser diferentes. Não há nenhuma relação de software comum Os tipos de SCSI: SCSI-1 A especificação original tornou-se em 1986; SCSI-2 Uma actualização que se transforma um padrão do oficial em 1994, um componente chave de Scsi-2 era o inclusão do jogo de comando comum (CCS) os 18 comandos consideraram uma necessidade absoluta para a sustentação de todo o dispositivo de SCSI. Teve também a opção para dobrar a velocidade de pulso de disparo de 5 megahertz (milhão ciclos por o segundo) Página 4

5 a 10 megahertz (SCSI rápido), a à largura dobro da BUS de 8 bits a 16 bits e para aumentar o número dos dispositivos a 15 (SCSI largo), ou faça ambos (Fast/Wide SCSI). Finalmente, Scsi-2 adicionou o comando que se enfileira, que significa que um dispositivo Scsi-2 pode armazenar uma série dos comandos do computador de anfitrião e determinar que devem ser dados a prioridade. SCS-3 Rapidamente nos saltos de Scsi-2 veio Scsi-3, em A coisa interessante sobre Scsi-3 é que uma série de padrões menores esteve construída dentro de seu espaço total. Por causa desta série continuamente em desenvolvimento, Scsi-3 não é considerado ser um padrão completamente aprovado. Algumas das especificações desenvolvidas dentro deles foram adoptadas oficialmente. Estes padrões são baseados em variações da relação paralela de SCSI (SPI), que é a maneira que os dispositivos de SCSI se comunicam. A maioria de especificações Scsi-3 começa com o termo "ultra" (ultra para variações de SPI, Ultra2 para as variações Spi-2 e Ultra3 para as variações Spi-3). As designações rápidas e largas trabalham justo como suas contrapartes Scsi-2, com o significado rápido da designação que a velocidade de pulso de disparo é dobro isso da versão baixa, e o significado largo da designação que a largura da BUS é dobro isso da base Componentes: Existem 3 componentes num sistema SCSI: Controlador Dispositivo Cabo O controlador é o coração de SCSI. Serve como a relação entre todos os outros dispositivos na BUS de SCSI e no computador. Chamou também um adaptador anfitrião, o controlador pode ser um cartão que podemos inserir directamente na MotherBoard. Página 5

6 No controlador está o BIOS de SCSI. Esta é um chip de memória pequena da ROM ou flash que contém o software necessitado alcançar e controlar os dispositivos na BUS de SCSI. A maioria de dispositivos de SCSI, há um ajuste do hardware para configurar o dispositivo ID. Alguns dispositivos permitem que ajuste o ID através do software, quando a maioria de cartões Plug & Play SCSI auto-selecionam um ID baseado em o que está disponível. Esta auto-selecção é chamada SCSI configurado automaticamente (SCAM). É muito importante que cada dispositivo em uma BUS de SCSI tem um ID original, ou terá problemas. 1.4 Controladores IDE: Introdução: Não importa o que faz com o computador, o armazenamento é uma parte importante do sistema. No facto, a maioria de computadores pessoais têm um ou mais dos seguintes dispositivos de armazenamento: Drives de Disquete, Disco Duro, Drive de CD-Rom. Geralmente, estes dispositivos conectam ao computador através de uma Integrated Drive Electronics (IDE). Essencialmente, uma relação do IDE é uma maneira padrão para que um dispositivo de armazenamento conecte a um computador. O IDE não é realmente o nome técnico verdadeiro para o padrão de relação. O nome original, no acessório (ATA), significou que a relação esteve desenvolvida inicialmente para a IBM no computador A Evolução do IDE: O IDE foi criado como uma maneira estandardizar o uso de movimentações duras nos computadores. O conceito básico atrás do IDE é que a movimentação dura e o controlador devem ser combinados. O controlador é uma placa de circuito pequena com chips que fornecem a orientação a respeito Página 6

7 de exactamente como os discos duros guardam uso dados. A maioria de controladores inclui também alguma memória que age como um amortecedor para realçar o desempenho duro da movimentação. Antes do IDE, os controladores e os discos duros eram separados e frequentemente proprietários. Ou seja um controlador de um fabricante não pôde trabalhar com uma movimentação dura de um outro fabricante. A distância entre o controlador e a movimentação dura podia resultar na qualidade pobre do sinal e afectar o desempenho. Obviamente, isto causou muita frustração para usuários do computador Controladores, Drives e Host Controllers : A maioria das MotherBoards vem com uma relação do IDE. Esta relação é consultada frequentemente como um controlador do IDE, que esteja incorrecto. A relação é realmente um adaptador do anfitrião, significando que fornece uma maneira conectar um dispositivo completo ao computador (anfitrião). O controlador real está numa placa de circuito unida ao disco duro. Quando a relação do IDE foi desenvolvida originalmente conectando discos duros, evoluiu na relação universal para conectar drives de disquetes e cdroms. Embora seja muito popular para os discos duros, o IDE é usado raramente unindo um dispositivo externo. Há diversas variações de ATA, cada que adiciona ao padrão precedente e compatibilidade inversa manter: ATA-1 A especificação que original esse Compaq incluiu no Deskpro 386. Instituiu o uso de uma configuração master/slave. Ata-1 foi baseado num subconjunto do conector padrão dos 96-pinos de ISA que usa 40 ou 44 conectores e cabos de pino. Na versão dos 44-pinos, os quatro pinos extra são usados fornecer o poder a uma movimentação que não tenha um conector separado do poder. Adicionalmente, Ata-1 fornece o sincronismo do sinal para o acesso de memória directo (acesso directo da memória) e funções programadas do input/output (PIO). O acesso directo da memória significa que Página 7

8 a movimentação emite a informação directamente à memória, quando o PIO significar que a unidade central do processador do computador (processador central) controla transferência de informação. Ata-1 é sabido mais geralmente como o IDE. ATA-2 O acesso directo da memória era inteiramente executado com a versão Ata-2. As taxas de transferência padrão do acesso directo da memória aumentaram de 4,16 megabytes por segundo (MBps) em Ata-1 ao tanto como como 16,67 MBps. Ata-2 fornece a sustentação da gerência do poder, do cartão de PCMCIA e a sustentação removível do dispositivo. Ata-2 é chamado frequentemente EIDE (IDE realçado), ATA rápido ou Ata-2 rápido. O tamanho duro total da movimentação suportado aumentado a 137,4 gigabytes. Ata-2 forneceu métodos da tradução padrão para o sector da cabeça de cilindro (CHS) para movimentações duras até 8,4 gigabytes no tamanho. CHS é como o sistema determina onde os dados são situados em uma movimentação dura. A razão para a discrepância grande entre o tamanho duro total da movimentação e o CHS dirige duramente a sustentação é por causa dos tamanhos de bocado usados pelo sistema básico do input/output (BIOS) para CHS. CHS tem um comprimento fixo para cada parte do endereço. ATA-3 Com a adição da análise do self-monitoring e da tecnologia do relatório (SMART), as drives IDE foram feitas mais de confiança. Ata-3 adiciona também a protecção de senha às movimentações do acesso, fornecendo uma característica da segurança valiosa. ATA-4 Provavelmente as duas adições as mais grandes ao padrão nesta versão são ultra sustentação do acesso directo da memória e a integração do no padrão da relação do programa do acessório (ATAPI). ATAPI fornece uma relação comum para as drives de CD-Rom e outros dispositivos de armazenamento removíveis. Antes de Ata-4, ATAPI era um padrão completamente separado. Com a inclusão de ATAPI, Ata-4 melhorou imediatamente os meios que removíveis a sustentação de ATA. Ultra ACESSO DIRETO DA MEMÓRIA aumentou a taxa de transferência do acesso directo da memória de ATA-2's 16,67 MBps a 33,33 MBps. Além ao cabo existente que Página 8

9 usa 40 pinos e 40 condutores (fios), esta versão introduz um cabo que tenha 80 condutores. ATA-5 A actualização principal em Ata-5 é a auto detecção de que o cabo é usado: 40-conductor ou a versão 80-conductor. O acesso directo da memória é aumentado ultra a 66,67 MB/seg com o uso do cabo 80-conductor. Ata-5 é chamado também ultra ATA/66. Página 9

10 2 Estudo da evolução das Placas de Vídeo: Introdução: A função da placa de vídeo, é processar as imagens que serão exibidas no monitor. A quantidade de cores e a resolução da imagem, dependem quase que unicamente do trabalho da placa. Hoje em dia, todas as placas à venda são padrão Super VGA, isto significa, que elas podem exibir vários milhões de cores, e suportar resoluções superiores a 800x600 pontos CGA: Os primeiros PCs ofereciam apenas duas opções de vídeo, o MDA (Monocrome Display Adapter) e o CGA (Color Graphics Adapter). Entre os dois, o MDA era o mais primitivo e barato, sendo limitado à exibição de textos com uma resolução de 25 linhas por 80 colunas, permitindo mostrar um total de caracteres por tela. Como o próprio nome sugere, o MDA era um padrão de vídeo que não suportava a exibição de mais de duas cores. Para quem precisava trabalhar com gráficos, existia a opção do CGA, que apesar de ser mais caro, podia exibir gráficos numa resolução de 320 x 200. Apesar do CGA possuir uma paleta de 16 cores, apenas 4 podiam ser exibidas ao mesmo tempo. O CGA também pode trabalhar com resolução de 640 x 200, mas neste caso exibindo apenas textos no modo monocromático, como o MDA. Apesar de serem extremamente antiquados para os padrões actuais, o MDA e o CGA atendiam bem os primeiros computadores PC, que devido aos seus limitados recursos de processamento, eram restritos basicamente a interfaces somente texto. Página 10

11 2.3 - EGA (ENHANCED GRAPHICS ADAPTER) Para equipar o PC AT, lançado em 84, a IBM desenvolveu um novo padrão de vídeo, baptizado de EGA. Este novo padrão suportava a exibição de gráficos com resolução de até 640 x 350, com a exibição de até 16 cores simultâneas, que podiam ser escolhidas numa paleta de 64 cores. Apesar dos novos recursos, o EGA mantinha total compatibilidade com o CGA. Uma placa de vídeo e um monitor EGA são o requerimento mínimo a nível de vídeo para trabalhar o Windows Apenas o Windows 3.0 ou 3.11 aceitam trabalhar em sistemas equipados com vídeo CGA. Já para trabalhar o Windows 95/98, o requisito mínimo é um vídeo VGA. Tanto o CGA quanto o EGA são padrões completamente obsoletos, sendo uma placa de vídeo e monitor VGA o mínimo utilizável actualmente VGA (VIDEO GRAPHICS ADAPTER) O VGA foi uma grande revolução sobre os padrões de vídeo mais antigos, suportando a resolução de 640 x 480, com a exibição de 256 cores simultaneamente, que podiam ser escolhidas numa paleta de cores. Um pouco mais tarde, o padrão VGA foi aperfeiçoado para trabalhar também com resolução de 800 x 600, com 16 cores simultâneas. A IBM desenvolveu também outros 3 padrões de vídeo, chamados de MCGA, XGA e PGA, que apresentavam algumas melhorias sobre o VGA, mas que não obtiveram muita aceitação por serem arquitecturas fechadas. Apesar dos avanços, foi mantida a compatibilidade com os padrões de vídeo GCA e EGA, o que permite trabalhar aplicativos mais antigos sem problemas. Página 11

12 2.5 - Super VGA Uma evolução natural do VGA, o SVGA é o padrão actual. Uma placa de vídeo SVGA, é capaz de exibir 24 bits de cor, ou seja, vários milhões. Isto é o suficiente para o olho humano não conseguir perceber diferença nas cores de uma imagem exibida no monitor e de uma foto colorida por exemplo. Justamente por isso, as placas de vídeo SVGA são também chamadas de true-color ou cores reais. O padrão VESA 1 para monitores e placas de vídeo SVGA estabeleceu o suporte a vários modos de vídeo diferentes, que vão desde 320x200 pontos com 32 mil cores, até 1280 x 1024 pontos com 16 milhões de cores. O modo de vídeo pode ser alterado a qualquer momento pelo sistema operativo, bastando que seja enviado à placa de vídeo o código correspondente ao novo modo de exibição. Página 12

13 3 Redes de Computadores: 3.1 LAN: Introdução: A forma como os vários nós da rede estão ligados fisicamente e como a rede funciona na transmissão e recepção, tratamento dos pacotes, acesso ao meio etc Tipos de LAN: As LANs são geralmente classificadas em duas categorias: baseadas em servidor, ou cliente-servidor, e as peer-to-peer (ou par-a-par), muitas vezes erroneamente chamadas de ponto-a-ponto (rede ponto-a-ponto é quando a comunicação é feita de um computador directamente a outro e a multiponto quando é utilizado um meio compartilhado para difusão dos dados). A clienteservidor é formada normalmente por um ou mais computadores servidores e todos os outros computadores são estações de trabalho, mais especificamente, clientes. Uma peer-to-peer permite que cada computador na rede seja configurado como servidor não dedicado, de modo que qualquer computador na rede pode compartilhar seus recursos com qualquer outro, ao mesmo tempo, ficando qualquer computador disponível para operações locais. Uma LAN peer-to-peer oferece bem mais flexibilidade para compartilhamento de recursos que uma baseada em servidor, porque qualquer recurso de qualquer computador pode ser compartilhada. No entanto, gerenciar os recursos compartilhados numa LAN peer-to-peer é mais complicado, porque é preciso acompanhar e controlar os diversos recursos de cada computador na rede, em lugar de recursos de apenas alguns servidores. O que implica, também, em dificuldades em gerenciamento da segurança da rede. Assim, tipicamente, redes peer-to-peer são utilizadas para pequenos números de nós de rede e as cliente-servidor para grandes números de nós Cliente-Servidor: Página 13

14 Nesta arquitectura o processamento da informação é dividido em módulos ou processos distintos. Um processo é responsável pela manutenção da informação (o servidor), enquanto outro é responsável pela obtenção dos dados (cliente). Essa arquitectura é muito utilizada no meio corporativo sobre três componentes principais: gerenciadores de bancos de dados relacionais que funcionem como servidores, redes que funcionem como meio de transporte de dados e finalmente softwares para acesso aos dados (clientes). As principais características desta arquitectura estão associadas à interacção de cada módulo com os demais componentes do sistema. A parte cliente interage com o usuário, e a parte servidor, com os recursos que serão compartilhados pela rede. O software cliente exige recursos de hardware completamente diferentes do programa servidor. Além disso, como o ambiente normalmente é heterogéneo, na maioria das vezes o software e o hardware do cliente são completamente diferentes dos usados no servidor, sem que isso signifique nenhum problema. Estabilidade é uma característica importante. Um sistema cliente-servidor pode ser expandido verticalmente pela adição de mais recursos à máquina servidora ou aumento no número de servidores, ou horizontalmente, pelo aumento do número de máquinas clientes. O Processo Cliente é um programa que envia uma mensagem para o servidor solicitando que ele execute uma tarefa. Esses programas gerenciam a interface com o usuário, fazem a validação dos dados digitados pelo operador e requisitam tarefas ao servidor. O processo cliente é o que se chama de frontend da aplicação, ou seja, é o que o usuário vê e com que interage para obter informações aos bancos de dados. Actualmente, o processo cliente é dominado por programas com interfaces gráficas (GUIs), responsáveis pelo gerenciamento de atitudes do usuário e dos recursos de sua máquina. O Processo Servidor é um programa que responde às solicitações do cliente fazendo pesquisas, filtragens e actualizações de bases de dados. Em aplicações mais sofisticadas, o processo servidor gerencia as regras do negócio, que são directrizes ou normas a ser respeitadas na actualização ou recuperação de dados. Em um ambiente de rede, normalmente o processo Página 14

15 servidor roda numa máquina chamada de servidor de arquivos ou servidor de rede. O processo servidor é conhecido também como back-end da operação. Arquitectura de Duas Camadas (ou Two-Tier) é uma das implementações da arquitectura distribuída, em que o cliente conversa directamente com o servidor. As regras do negócio podem estar em qualquer uma dessas pontas. Esse tipo de arquitetura normalmente é usado em ambientes com até cinquenta clientes e é característico das ferramentas ou produtos clienteservidor criados para desktop. Arquitectura de Três Camadas (ou Three-Tier) é uma implementação mais sofisticada do ambiente cliente-servidor, na qual as regras do negócio são manipuladas por um "agente", cujo papel é servir de intérprete entre as duas pontas. Ele pode desempenhar muitas tarefas, entre as quais, gerenciar solicitações do cliente, mapear solicitações feitas a múltiplos servidores, colectar, sintetizar e distribuir respostas do servidor, etc. Uma das características da arquitectura cliente-servidor é a utilização de plataformas de hardware e software distintas. Assim, muitos processos são necessários para garantir a comunicação transparente entre o cliente e o servidor. O middleware é tudo o que existe entre o cliente e o servidor, em termos de software, para garantir a comunicação. O coração do middleware é o Sistema Operacional de Rede. Já o NOS depende de protocolos de comunicação que podem ser divididos em: protocolos de media, de transporte e protocolos de cliente-servidor. Os protocolos de media determinam o tipo de conexão física. Protocolos de transporte fornecem as regras para a movimentação de pacotes de dados (destacando-se o IPX e o TCP/IP). Os protocolos cliente-servidor regulam a forma pelo qual os clientes solicitam as informações e serviços do servidor. Vejamos alguns tipos de servidores: Servidor de Disco (Disk Server) nas redes locais, é um nó que funciona como unidade de disco remota compartilhada pelos usuários da rede. Ao contrário do servidor de arquivos, que se encarrega das tarefas Página 15

16 mais sofisticadas de gerenciamento das requisições de arquivos feitas pelos nós da rede, o servidor de disco funciona apenas como um meio de armazenamento no qual os usuários podem ler e gravar arquivos. Em um servidor de disco, os usuários são responsáveis pela administração das solicitações simultâneas de acesso aos arquivos, entre outras coisas. Os servidores de disco podem ser divididos em secções (volumes) que actuam, cada uma, como se fosse um disco separado. Servidor de Arquivos (File Server) controla todo o acesso de trabalho aos meios físicos de armazenamento de dados, como unidades de discos, compartilhando banco de dados, programas e qualquer outro tipo de tarefa que a partir destes dispositivos, gerem o processamento de dados. O servidor de arquivos é capaz de receber pedidos de transacções de estações de trabalho, utilizando os seus periféricos de armazenamento físico. No Servidor de Arquivos, estão concentrados o processamento físico, ou seja, quando as estações de trabalho necessitam rodar qualquer utilitário ou acessar uma informação, estas enviam o pedido do que desejam através dos meios de comunicação da rede, para os servidores que por sua vez acessam os dispositivos de armazenagem física e se possível enviam-no para as estações o que estas solicitaram. Servidor de Impressão (Print Server) controla todas as tarefas de impressão, ou seja, um servidor de impressão modelo tem conectado a si, vários modelos de impressoras, cada uma com velocidades e qualidade de impressos diferentes, podendo atender desta forma o mais variado tipo de serviço impresso. Quando uma estação faz um pedido de impressão ao sistema da rede, esta solicitação é enviada para o Servidor de Impressão, que verifica a possibilidade de execução imediata da impressão através da impressora em que a estação está conectada no sistema. Caso esta impressora já esteja sendo utilizada Página 16

17 por serviços solicitados por outra estação ou desconectada a rede, o pedido cai numa fila e lá permanece até que a impressora fique disponível. Servidor de Comunicação (Communications Server) controla a comunicação da Rede Local com outras redes de computadores. Este tipo de intercâmbio é necessário quando precisamos acessar recursos computacionais que não se encontram disponíveis na Rede Local. Neste caso, o servidor de comunicação oferece o serviço de interligação da Rede Local com meios externos de informação. Um tipo de servidor de comunicação pode ser o Servidor de FAX. Servidor de Banco de Dados (Database Server) um nó de uma rede de computadores dedicado principalmente ao armazenamento de um banco de dados compartilhado e ao processamento das requisições enviadas pelos usuários de outros nós. Quando o hardware do computador é projectado para a execução exclusiva de funções de bancos de dados, ele costuma ser chamado, também, de database machine (máquina de bancos de dados) Topologias: Topologia em Anel ou Token Ring: Nesta topologia todos os nós são ligados a um sistema de cabeamento central disposto em círculo, ou anel. A IBM desenvolveu o padrão do sistema de rede Token Ring para aproveitar esta topologia. Este tipo de rede utiliza uma série de pacotes vazios, chamados tokens, que estão sempre circulando na rede. Uma estação de origem simplesmente retira um pacote da rede, examina seu conteúdo e se estiver vazio introduz os dados necessários para a transmissão. Se o primeiro pacote estiver cheio, o Sistema Operacional da Rede devolve-o à Página 17

18 rede e selecciona outro. O endereço de destino e a sequência de identificação do pacote são afixados ao token antes que ele retorne à rede para entrega. A vantagem é que a colisão de dados fica eliminada e a velocidade de transmissão efetiva é muito alta, mesmo em rede de grande tráfego. O custo dos cabos e placas de rede para topologias Token Ring é elevado. Como, neste tipo de rede, para haver um correcto funcionamento o token tem sempre que dar uma volta completa, se houver qualquer problema com o cabeamento toda a rede "cai" Topologia em Barramento Este tipo de topologia é bem estruturado para redes locais de computadores e foi muito utilizado. Nesta topologia, não encontramos a necessidade de nós intermediários de comunicação. As estações e os servidores são interligados através de um único cabo, conhecido como Barra ou Bus. Qualquer estação ligada a barra de transmissão poderá receber as informações transmitidas, o que torna possível o método de transmissão em difusão (já que o meio é compartilhado), isto é, uma determinada transmissão poderá ser enviada para várias estações de uma única vez (broadcast). Se houver um problema de ruptura ou teminalização do cabo do Barramento, toda a rede "cai". Muitos confundem a topologia com a arquitectura e chamam-na de Rede Ethernet. O nome Ethernet, na realidade, descreve um grande conjunto de padrões, cuja base está definida pelo Institute of Electrical and Electronic Engineers (IEEE), através de seu comité de número O padrão IEEE descreve um sistema de meio de compartilhando com escuta antes de transmissão denominado Carrier Sense Multiple Access com Collision Detection (CSMA/CD). Em termos simples, as placas Ethernet compartilham o fio comum, transmitindo somente quando o canal está limpo, reagindo rapidamente na situação em que duas estações começam a transmitir simultaneamente por terem uma Página 18

19 mensagem a enviar e terem encontrado o canal desobstruído. Entre os teóricos de rede, isso é conhecido como protocolo de contenção. Alguns acadêmicos torcem o nariz para essa operação indisciplinada, embora os sistemas de controlo de acesso ao meio de contenção funcionem bem. Já no caso de uma rede com grande tráfego, um grande número de colisões pode mesmo inviabilizar a comunicação. Uma maneira utilizada para aumentar a velocidade efectiva de uma rede padrão Ethernet (com topologia em Bus) ocupada é dividir o cabeamento em segmentos e espalhar os nós ocupados entre eles. Dispositivos conhecidos como roteadores e pontes podem controlar o fluxo de tráfego entre os segmentos da LAN. Os padrões de cabos utilizados são a Ethernet fino (coaxial fino, ou Thinnet, padrão 10BASE2) e a Ethernet grosso (coaxial grosso, ou Thick, padrão 10BASE5) Topologia em Estrela Nesta topologia, também chamada de home-run, cada nó tem seu próprio fio partindo do gabinete de fiação central (concentrador ou hub). Se um fio romper-se ou entrar em curto, somente esse nó perde sua conexão com a rede (a rede não "cai"). O equipamento concentrador do gabinete isola o restante dos nós do rompimento. O esquema em estrela pode usar qualquer tipo de cabo, sendo o mais utilizado o par trançado (ou UTP, padrão 10BASET). O ponto focal da rede, ou seja, o centro da estrela geralmente é um hub, podendo até ser um computador fazendo o papel do hub. O hub deverá ser configurado para um esquema de controlo de acesso ao meio determinado e uma arquitectura, como Ethernet, Token Pass ou ARCnet (estes dois últimos muito pouco utilizados), bem como para um tipo específico de cabeamento. Por ser literalmente o centro da rede, o hub é um excelente local para instalar o software de monitorização e gerenciamento de rede. Página 19

20 Um concentrador é geralmente um dispositivo simples, de pouca flexibilidade e preço razoável. Normalmente, um hub só se conecta com nós de um tipo específico de cabeamento, embora não seja difícil haver um conector de cabo coaxial ou de fibra óptica separado para ligações de hub a hub. Este é o tipo de rede mais difundida hoje em dia, ou seja, topologia em estrela, usando cabo UTP e arquitectura Ethernet. Na prática, quando as LANs começam a crescer em número de nós e extensão, encontramos muitas redes de topologia e arquitectura mista Sistemas Operacionais de Rede em LAN: No PC, todas as funções do computador são controladas pelo seu sistema operacional, como já vimos anteriormente. Uma rede se compõe de dois ou mais computadores ligados por um meio de comunicação. Os meios de comunicação têm regras rigorosas, chamadas protocolos, para todos os dados enviados através do meio. Cada tipo de meio tem um conjunto diferente de protocolos. O protocolo adequado é implementado pelas placas de adaptação de rede (ou simplesmente, placas de rede) em cada computador e pelo driver de rede que controla a operação da placa. O NOS ("Network Operating System", ou Sistema Operacional de Rede), combina e aumenta as funções do Sistema Operacional (OS) do PC, fornecendo instruções adicionais e possibilitando que grupos de dados sejam enviados ao outro computador. Embora o OS controle as funções internas do computador, o NOS gerencia a preparação, transmissão e recepção de dados entre computadores na rede. Alguns fabricantes instalam um software especializado em um chip de suas placas de rede. Este software fica guardado no que se chama ROM da Placa de Rede (não confundir com a ROM do PC), e executa as funções de gerenciamento da ligação física. Então o NOS fica livre para executar outras funções com mais eficiência, resultando em transmissão mais rápida de dados através da rede. Para o operador, no entanto, tudo se passa como houvesse somente o seus Sistema Operacional e como se o seu computador tivesse todos os recursos fisicamente ligados à ele (é chamada transparência ao usuário). Uma LAN Página 20

21 permite acessar e usar os drives/directórios e impressoras em outros computadores (servidores) de modo semelhante à operação normal. Por exemplo, você pode criar um drive lógico (como um disco "K"), que quando acessado na realidade está acessando um drive/directório em outro computador. Isto é o mapeamento de rede. Neste exemplo, se eu copiar um arquivo do meu disco C: para o disco K: estou, na realidade, transferindo meu arquivo para outro computador, pois o drive lógico K: não existe fisicamente no meu computador. Os diferentes computadores na rede recebem nomes. O nome dado na rede para cada computador não pode ser usado por outros. Este nome é utilizado para identificar o computador que se deseja conectar ao estabelecer uma conexão de rede. Existem muitos Sistemas Operacionais de Rede disponíveis no mercado. O Windows 9x já vem pronto para trabalhar numa rede peer-to-peer, mas tem poucos recursos de gerenciamento e é pouco confiável com relação à segurança. Um NOS para peer-to-peer já consagrado é o LANtastic da Artisoft. Já para redes cliente-servidor temos o NetWare da Novell e o Windows NT Server da Microsoft. 3.2 Ethernet: Introdução: No mundo de hoje do negócio, o acesso de confiança e eficiente à informação transformou-se um recurso importante para conseguir uma vantagem do competidor. Os Arquivadores e as montanhas dos papéis deram a maneira aos computadores que armazenam e controlam a informação electronicamente. Os milhares dos colegas de trabalho das milhas distante podem compartilhar a informação instantaneamente, apenas enquanto as centenas dos trabalhadores em uma única posição podem simultaneamente rever os dados da pesquisa mantidos em linha. Página 21

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

CONTROLADORES DE DISCO PLACAS DE VIDEO REDES DE COMPUTADORES

CONTROLADORES DE DISCO PLACAS DE VIDEO REDES DE COMPUTADORES CONTROLADORES DE DISCO PLACAS DE VIDEO REDES DE COMPUTADORES TIAGO NUNO SILVA NUNO FILIPE SOARES 1. História... 3 1.1 Parâmetros do Disco Rígido... 3 1.2 Características dos discos rígidos... 5 2. Controladores

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token A Rede Token Ring Visão geral de Token Ring e de suas variantes A IBM desenvolveu a primeira rede Token Ring nos anos 70. Ela ainda é a principal tecnologia LAN da IBM e apenas perde para a Ethernet (IEEE

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial.

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial. Topologia É um diagrama que descreve como os elementos de uma rede estão interligados. Esses elementos são chamados de NÓS, e podem ser computadores, impressoras e outros equipamentos. 1 Topologias de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

Conceitos básicos sobre redes

Conceitos básicos sobre redes Capítulo 1 Conceitos básicos sobre redes Topologias de redes Colisão Clientes e servidores Redes ponto-a-ponto e clienteservidor Compartilhamentos Outras aplicações Cabos de rede Velocidades Os capítulos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Conheça melhor os equipamentos de Rede de Computadores

Conheça melhor os equipamentos de Rede de Computadores Conheça melhor os equipamentos de Rede de Computadores Organização Diego M. Rodrigues (diego@drsolutions.com.br) 1. Introdução Com o intuito de auxiliar clientes da drsolutions na compra de equipamentos

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

António Lopes Paulo Matos

António Lopes Paulo Matos António Lopes Paulo Matos ÍNDICE 1 REDES- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 2 2 LAN - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Ficha de trabalho Redes locais

Ficha de trabalho Redes locais Ficha de trabalho Redes locais 1.Arquitectura Ethernet, necessidade de um dispositivo concentrador, um switch para ligar os computadores. 2.Funciona como concentrador de tomadas, nao possui circuito electronico,

Leia mais

Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella

Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella Prof. Engº esp Luiz Antonio Vargas Pinto 21 de abril de 2001 Atualizado em 16 de Agosto de 2015 www.vargasp.com Redes

Leia mais

Computação Instrumental

Computação Instrumental Computação Instrumental Sistemas Operacionais Redes de Computadores Engenharia Ambiental 2º Semestre de 2013 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

Como montar sua Rede Doméstica

Como montar sua Rede Doméstica Como montar sua Rede Doméstica Você está indo para casa, no final do expediente, pensando em terminar ainda hoje aquela planilha de custos do seu setor. Esta tarefa se torna ainda mais empolgante, porque

Leia mais

Instalação e utilização de uma rede local

Instalação e utilização de uma rede local Instalação e utilização de uma rede local Aspectos genéricos sobre a instalação de redes locais Instalação dos componentes físicos (hardware) da rede A instalação de uma rede local (LAN) tem de começar,

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

TRABALHO SOBRE ETHERNET

TRABALHO SOBRE ETHERNET TRABALHO SOBRE ETHERNET Centro de Formação de Alcoitão UFCD 0831 Topologias de redes Ethernet Formador(a): Daniela Azevedo Formandos: António Rocha, Célia Silva e Rui Bárcia Índice Introdução Características

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Placas de Vídeo. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placas de Vídeo. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placas de Vídeo Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Dispositivo responsável pela comunicação entre a placa mãe e o monitor de vídeo para reproduzir imagens. Dispositivo básico de output. Converte

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Placas Adaptadoras e montagem de Redes

Placas Adaptadoras e montagem de Redes Placas Adaptadoras e montagem de Redes Objetivos da aula: 1 - Descrever a função da placa adaptadora de rede em uma rede. 2 - Descrever as opções de configuração para placas adaptadoras de rede. 3 - Listar

Leia mais

DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO

DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO AULA PRÁTICA DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO Objetivo: Apresentar o modo de operação Ad Hoc de uma rede padrão IEEE 802.11g/b e implementá-la em laboratório. Verificar os fundamentos de associação/registro

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Delfa M. HuatucoZuasnábar 2010 2 A década de 50 - Uso de máquinas complexas de grande porte operadas por pessoas altamente especializadas e o enfileiramento de usuários para submeter

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

Capítulo 3 Hardware de redes

Capítulo 3 Hardware de redes Capítulo 3 Hardware de redes Placa de rede Hub e Switch Equipamentos montados em rack KVM Switch Print server Bridge Ligação em cascata Placa de rede 3 A placa de rede Este é o primeiro requisito para

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

W A Y T E C H. http://sites.uol.com.br/waytech Sua Oficina Virtual. FREEWARE - Versão 1.0

W A Y T E C H. http://sites.uol.com.br/waytech Sua Oficina Virtual. FREEWARE - Versão 1.0 W A Y T E C H http://sites.uol.com.br/waytech Sua Oficina Virtual FREEWARE - Versão 1.0 1 Montando pequenas redes Qualquer usuário que tenha mais de um micro em casa ou no escritório já deve ter pensando

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

SISTEMAS INFORMÁTICOS

SISTEMAS INFORMÁTICOS SISTEMAS INFORMÁTICOS Nesta apresentação, aprenderá a distinguir Hardware de software, identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções. Hardware e Software Estrutura de

Leia mais

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede:

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede: Tipos de rede: Estritamente falando, uma rede local ou LAN (Local Area Network) é um grupo de computadores que estão conectados entre si dentro de uma certa área. As LANs variam grandemente em tamanho.

Leia mais

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas Definir: Identificar as diferentes Topologias Objetivos: Descrever Vantagens/Desvantagens Topologia Adequada A topologia impacta sobre: Tipo de equipamentos utilizados A capacidade de cada equipamento

Leia mais