É PRECISO ACREDITAR NO FUTURO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É PRECISO ACREDITAR NO FUTURO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS"

Transcrição

1 nº 44/ JANEIRO / FEVEREIRO / MARÇO / 2012 Editorial António Nunes É PRECISO ACREDITAR NO FUTURO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS A conjuntura internacional continua a ser marcada por uma miríade de notícias que põem em causa a estabilidade dos mercados financeiros e consequentemente da economia global. A sensação de insegurança e desconfiança que se sente acerca da capacidade dos governos europeus e americano para conseguirem tomar as medidas atempadas e adequadas para garantir uma inversão positiva da economia continua bem presente todos os dias. Tal facto, e a importância que entidades privadas, como as empresas de rating, parecem ter assumido no panorama mundial, contribuem ativamente para uma sensação de que não existe a capacidade política de avaliar o problema, e tomar as decisões que resolvam o mesmo. O protelar desta situação vai criando incerteza nos consumidores e nos investidores, bem como a mensagem constante de que os próximos tempos serão de grandes dificuldades, sem se definir claramente o que esperar, agravando a contração de todos os intervenientes económicos. Mas sendo certo que assim é, não é também menos certo de que a economia existe para fazer face às necessidades dos consumidores de bens e serviços, e que essa necessidade continuará a subsistir, pelo que as empresas e os empresários terão que fazer os ajustes necessários e deverão continuar a acreditar no futuro das suas atividades empresariais. Nesse sentido, entendemos que é essencial que a informação de gestão produzida pelos serviços de contabilidade seja, e deverá ser cada vez mais, uma ferramenta importante e útil para a tomada de decisão dos empresários em geral, e neste caso particular dos nossos Clientes, pelo que tudo faremos para que esta esteja disponível, de forma atempada e fiável. Complementarmente, iremos lançar um conjunto de ações de formação em gestão e consultoria de apoio aos nossos Clientes, para que deste modo possam tirar o melhor partido da informação que disponibilizamos e que contem com os conhecimentos das empresas do Grupo NUCASE para tomarem as melhores decisões para a sua atividade. Por outro lado, e para reforçar a oferta de serviços aos nossos Clientes, criámos recentemente a empresa mediadora de seguros, NUCASE Seguros, que irá apoiar todos os que desejem a redução dos custos associados à cobertura de riscos empresariais e pessoais. Estamos certos de que o momento que se vive é um grande desafio para todos, e que apenas o rigor, o acesso à informação e a decisão atempada pode garantir o futuro das nossas empresas. Com o Grupo NUCASE e toda a sua equipa, poderá contar com a sua disponibilidade de forma profissional e madura na procura de soluções que se ajustem às necessidades dos tempos atuais. >p.3 CRIAÇÃO DA NUCASE SEGUROS/AS MELHORES OFERTAS DE MERCADO >p.4 SOBRETAXA EXTRAORDINÁRIA EM SEDE DE IRS >p.6/7 NUNO MATIAS/COUNTRY MANAGER DA AMEN PORTUGAL >p.8 NOVAS FERRAMENTAS DE AJUSTAMENTO DO CAPITAL HUMANO >p.9 A CONTABILIDADE NAS DECISÕES DE GESTÃO DA EMPRESA >p.11 PAULO SALGUEIRO SUPERVISOR DA NUCASE SEGUROS

2 eventos / nucase Eventos EVENTOS REALIZADOS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES FISCAIS NO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 No passado dia 23 de novembro, em parceria com a AERLIS, a NUCASE realizou um seminário destinado a empresários e técnicos oficiais de contas, com o objetivo de esclarecer as principais alterações que o Orçamento do Estado para 2012 irá implicar. Nesta sessão, realizada na sede da AERLIS em Oeiras, estiveram presentes cerca de 100 interessados em saber em primeira mão as novidades sobre este tema, que contou com a participação do Dr. Abílio Sousa, economista e Chefe de Divisão dos Serviços de IRC e do Eng. º Mira Amaral. A sessão contou ainda com a participação do Presidente da Direção da AERLIS, Sr. António Ferreira de Carvalho e a Diretora do Departamento de Assessoria Técnica da NUCASE, Dra. Maria Mestra. CAMPANHA DE APOIO À UNIÃO ZOÓFILA Ao longo dos anos a NUCASE tem apoiado ativamente um conjunto de instituições de solidariedade, de apoio social e de defesa dos direitos humanos e dos animais. No âmbito desse espírito de responsabilidade social, realizámos no passado mês de outubro uma coleta de comida para apoio à União Zoófila, com a participação de mais de uma dezena de colaboradores. NUCASE participa no JOBSHOP África A convite da Universidade Lusófona, o grupo NUCASE participou na JOBSHOP África, realizado no auditório desta instituição de ensino no passado dia 7 de dezembro. Com o objetivo de dar a conhecer as oportunidades de emprego no mercado africano e de permitir o contacto das empresas portuguesas com os estudantes africanos que se encontram a estudar em Portugal, esta iniciativa reuniu cerca de uma dezena de empresas. SOMOS O SEU PORTO SEGURO TEMOS 8 BOAS RAZÕES PARA NOS PROCURAR

3 A NUCASE Seguros disponibiliza ainda um serviço de consultoria financeira Criação da NUCASE Seguros proporciona as melhores ofertas de mercado De forma a consolidar os serviços que têm vindo a ser prestados aos nossos Clientes, na área de mediação de seguros, foi criada recentemente a NUCASE Seguros. Esta empresa é uma sociedade de mediação especializada na consultoria, gestão de carteiras e sinistros empresariais e/ou particulares. A NUCASE Seguros oferece como principais vantagens a economia de tempo e de dinheiro, a quem recorra aos nossos serviços e a garantia de que serão pesquisadas as melhores soluções de seguros que o mercado pode oferecer. Estamos sempre atentos às novidades do mercado segurador, proporcionando aos nossos clientes os seguros mais atuais e evoluídos. Seleccionamos o melhor serviço e as melhores seguradoras, minimizando o tempo dispendido pelos nossos Clientes no processo de consulta e comparação de propostas entre as várias seguradoras existentes no mercado. Para tal, temos parcerias formalizadas com diversas companhias de seguros, o que permite ter acesso a condições especiais com: Tranquilidade Império Bonança Liberty Seguros A NUCASE Seguros está preparada para apresentar soluções para todo o tipo de risco (ramos Vida e Não Vida) e todos os segmentos (empresas e particulares): VIDA SAÚDE AUTOMÓVEL MULTIRRISCOS ACIDENTES PESSOAIS ACIDENTES TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL A NUCASE Seguros disponibiliza ainda um serviço de consultoria financeira na área dos seguros e banca. Este serviço de apoio destina-se a particulares e empresas que pretendam poupar ou investir em segurança no mercado financeiro e segurador. Para os clientes com necessidades de financiamento oferecemos também um serviço financeiro de crédito bancário com as melhores taxas de juro e produtos que o mercado pode oferecer. No mercado financeiro contamos com o Banco Espírito Santo e o Barclays Bank como principais parceiros. A redução de custos é essencial na presente conjuntura e uma gestão do tempo dispendido na seleção das melhores opções também. Com a NUCASE Seguros, tem a garantia de que fez a melhor opção. Olhamos para os nossos clientes como parceiros e disponibilizamos uma estrutura com 33 anos para os apoiar.

4 nucase / informação Serviços QREN-Programa Operacional de Fatores de Competitividade Concursos abertos > Sistema de Incentivos à Qualificação de PME - Projeto Individual - Propriedade Industrial Objetivo: Apoiar projetos com investimentos em proteção de direitos no domínio da Propriedade Industrial nacional e internacional (registo de patentes, modelos de utilidade e marcas que correspondam à comercialização futura da matéria a proteger no âmbito da patente), estimulando desta forma a atividade inventiva, a criatividade e a inovação das empresas. Âmbito territorial: Portugal Continental. Duração: De 23.Dez.2011 a 02.Abr.2012 > Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico - Projeto Individual Objetivo: Apoiar projetos de I&DT visando a intensificação do esforço nacional de I&DT e a criação de novos conhecimentos que reforcem a competitividade das empresas. Atividades de investigação industrial ou de desenvolvimento experimental desenvolvidos por empresas, conducentes à criação de novos produtos, processos ou sistemas ou à introdução de melhorias significativas em produtos, processos ou sistemas existentes. Âmbito territorial: Portugal Continental. Duração: De 23.Dez.2011 a 26.Mar.2012 > Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico - Núcleos de I&DT Objetivo: Apoiar a intensificação do esforço nacional de I&DT e inovação, com vista ao aumento da competitividade das empresas. Criação e consolidação de unidades ou departamentos permanentes, dedicadas exclusivamente a atividades de I&DT, dotandoas das competências humanas e materiais indispensáveis à sua intervenção, realizando desta forma um upgrade das PME para patamares mais elevados de desenvolvimento tecnológico e de inovação. Âmbito territorial: Portugal Continental. Duração: De 23.Dez.2011 a 17.Fev.2012 > Sistema de Incentivos à Qualificação de PME - Vale inovação Objetivo: Apoiar a intensificação do esforço nacional de I&DT e inovação, com vista ao aumento da competitividade das empresas. Incluem-se atividades de consultoria de gestão, assistência tecnológica, serviços de transferência de tecnologia, consultoria para aquisição, proteção e comercialização de direitos de propriedade intelectual, entre outras. Aquisição de serviços de consultoria e de inovação prestados por uma entidade selecionada a partir da lista de entidades qualificadas no âmbito do SCT. Âmbito territorial: Portugal Continental, exceto NUTS II Lisboa. Duração: De 23.Dez.2011 a 03.Fev.2012 > Sistema de Incentivos à Inovação - Novos bens e serviços - Novos processos e expansão Objetivo: Estimular o surgimento de iniciativas de promoção da competitividade, estrategicamente justificadas e integradas num programa de ação (PROVERE). Fomentar a competitividade dos territórios de baixa densidade, através da dinamização de atividades económicas inovadoras e alicerçadas na valorização de recursos endógenos, tendencialmente inimitáveis do território (recursos naturais, património histórico, saberes tradicionais ou outros). Âmbito territorial: Portugal Continental, exceto NUTS II Lisboa. Duração: De 23.Dez.2011 a 11.Abr.2012 Para mais informações sobre estes programas de incentivo contatar: PRONUCASE Irlando Lélis

5 consultoria / nucase Informação Com um investimento muito reduzido, e num espaço curto de tempo, pode contar que terá como resultado final um conjunto de medidas concretas e objetivas para melhor orientar a sua empresa e antecipar alguns riscos que podem estar no horizonte Análise de informação de gestão e reflexão estratégica Porque alguns clientes nos questionam sobre as soluções que a PRONUCASE pode disponibilizar, decidimos apresentar alguns exemplos do tipo de situações em que a nossa equipa pode ser útil, de uma forma rápida, com um baixo investimento e trazendo à empresa resultados imediatos. Assim, identificámos alguns casos típicos no dia a dia de muitas empresas, e sobre as quais a PRONUCASE tem competências para intervir e apresentar soluções num curto espaço de tempo. O momento de parar para analisar a situação da empresa e qual a estratégia a seguir Por norma, os empresários são confrontados com a pressão diária do funcionamento das suas organizações, tendo por isso grande dificuldade em se distanciar para melhor compreender a evolução da empresa e das decisões que são necessárias tomar. Infelizmente, com demasiada frequência, quando a tomada das decisões estratégicas se torna uma prioridade, é porque já é tarde demais, e já não existe a margem de manobra para as implementar, por falta de recursos financeiros ou outros. Por outro lado, a realização da análise estratégica de uma empresa, pode ser entendida como algo muito demorado ou complexo e um pouco alheio das preocupações reais e práticas da empresa. Mas tal não é necessariamente verdade, bem pelo contrário, e uma intervenção rápida de dois, três dias da nossa equipa de Consultoria de Gestão, pode ajudar o empresário e sua equipa a fazer as perguntas certas sobre o futuro da sua organização. No momento que atravessamos, em que todas as decisões devem ser tomadas com a melhor informação possível, e reduzindo os seus riscos ao mínimo, a equipa da PRONUCASE pode auxiliar efetivamente, trazendo uma visão de fora das preocupações diárias da empresa e com a experiência na análise da situação de empresas de várias dimensões e realidades. Com um investimento muito reduzido, e num espaço curto de tempo, pode contar que terá como resultado final, um conjunto de medidas concretas e objetivas para melhor orientar a sua empresa e antecipar alguns riscos que podem estar no horizonte. Para mais informações sobre estes programas de incentivo contatar: PRONUCASE Irlando Lélis AJUDAMOS NO ARRANQUE DO SEU NEGÓCIO NUCASE CONTAPartida

6 Entrevista Nuno Matias, Country Manager da AMEN Portugal Pretendemos duplicar a nossa base de clientes em 2012 Temos mais de domínios registados, em mais de 250 extensões, registamos mais de 35 mil novos domínios por mês, gerimos mais de um milhão de endereços por e temos mais de 500 mil sites alojados na nossa plataforma A AMEN Portugal, pertence ao Grupo DADA, líder europeu em registo de domínios, alojamento, e-commerce e soluções de presença online que conta com quase 500 mil clientes. Líder incontestável em Portugal no que respeita ao registo de domínios, segue o lema Keep it simple e propõe aos clientes um processo automatizado de compra, seguimento e gestão online. Nada mais simples Nesta edição da NUCASE NEWS, damos-lhe a conhecer melhor esta empresa com uma entrevista ao Country Manager, Nuno Matias. Como apresenta a AMEN Portugal aos clientes da NUCASE? A AMEN Portugal é uma empresa portuguesa criada em 2004 no seio de um grupo internacional. O seu ADN está ancorado numa plataforma continental, europeia de um grupo internacional. Atualmente pertence ao grupo DADA, líder europeu em registo de domínios, aplicações ecommerce e também soluções de presença online. Em termos de domínios.pt; alojamentos e de soluções de ecommerce é líder a nível nacional. Temos mais de domínios registados, em mais de 250 extensões, registamos mais de 35 mil novos domínios por mês, gerimos mais de um milhão de endereços por e temos mais de 500 mil sites alojados na nossa plataforma. Estamos também perto dos 500 mil clientes. Já contamos também com mais 1800 revendedores apenas em Portugal que utilizam a nossa plataforma para revender serviços de alojamento. Em vez de comprarem serviços de alojamento partilhado, compram máquinas dedicadas que são divididas em multidomínios. Quantos colaboradores tem a empresa no momento? Em Portugal, temos uma equipa de outsourcing que nos faz uma parte do atendimento. No total, para além do outsourcing, são 12 colaboradores no escritório. As funções relativas a Portugal são: customer care, alguma atividade comercial para apoio dos revendedores ou mais personalizado a um tipo de cliente com necessidades específicas, uma estrutura minúscula que desempenha funções administrativas, uma pessoa que desenvolve a área de design e criatividade e mais duas pessoas de suporte de 2º nível. Como é que a empresa se dá a conhecer a potenciais clientes? Temos o processo muito apurado. A publicidade boca a boca é importante mas investimos imenso em Google AdWords tendo dezenas de campanhas e de anúncios constantemente automatizados com mais de 100 mil palavras-chave. Sabemos que o cliente é atraído por vários anúncios de texto que nós criamos e que estão relacionados com o nosso target. Sabemos que o que investimos é muito relevante e que está constantemente a ser automatizado. Temos uma equipa centralizada que está a gerir as campanhas no Google, quer em Portugal, quer noutros países com apoios locais. Desenvolvemos ações de aquisição de clientes, de retenção ou de upselling através da promoção de novas ferramentas consoante o perfil de cada cliente. Contamos ainda com algumas parcerias; publicidade offline; alguma presença nas redes sociais e notoriedade na imprensa. A crise afetou de algum modo a evolução da empresa ou o vosso core business continua a correr bem e a empresa tem evoluído? A loja online é a única forma que temos de venda. É um serviço automatizado e totalmente online. Isto significa que 80% dos nossos clientes são empresas. Temos depois algumas organizações não empresariais ou entidades públicas como a esmagadora maioria das Juntas de Freguesia, Câmaras Municipais, Institutos Públicos, PME S, entidades em nome individual e micro empresas (representando os restantes 20%). São serviços pré comprados e os clientes têm acesso a uma área de cliente. A partir dessa altura, criam s, ativam os mesmos e gerem o seu alojamento. Podem inclusive comprar mais domínios através deste processo. Esse

7 Julgo que pela simplicidade da compra e pela competitividade dos preços, é incontornável a escolha da AMEN quando determinada empresa pondera numa presença online serviço tem a validade de um ano e pode ser revalidado pelo próprio cliente também de forma online. A gestão é total por parte do cliente. É ele quem compra, supervisiona e gere. O nosso customer care recebe aproximadamente 5 mil chamadas e mais tickets por mês dando apoio a dúvidas de gestão comercial, financeira e de marketing conferindo um suporte administrativo a este serviço. As próprias faturas, os pedidos de renovação e outros assuntos são inseridos na área de cliente com alertas sucessivos. O processo é o mesmo de registo de marcas. Quer dar exemplo de algum pacote de serviços que o cliente possa adquirir? O Web Domain, por exemplo, custa ao cliente 12,00 euros + IVA e dá acesso a uma conta de de 2GBs; a 1GB de alojamento, uma ferramenta para criar um site gerido através da plataforma online. Este é o serviço mais barato que temos. Não são necessários grandes conhecimentos para gerir a área de cliente e aceder aos vários serviços. Conforme as necessidades, pode aumentar o pack dos serviços. Esse cliente tem um portfolio de serviços à sua disposição. Todo o processo é user friendly. Este novo conceito leva a que milhares de empresas dependam dos nossos serviços estando no pilar da sua atividade económica. Muitas outras empresas estão agora a aproximar-se de um pilar profissional de serviço Web. Como caracteriza a situação de Portugal face a outros países relativamente a estes serviços? Portugal está ainda numa fase muito inicial apesar de no primeiro ano termos crescido 170%. Atualmente estamos em valores de crescimento interessantes no que respeita a número novos de clientes adquiridos por ano e valores mais elevados no que concerne ao número de domínios vendidos de um ano para o outro. O ano de 2011 relativamente ao ano anterior representou mais de 30% de domínios vendidos e chegou aos 12% de novos clientes. Os nossos objetivos foram cumpridos. Na nossa área de negócio não é concebível haver um decréscimo. Ainda assim, Portugal está longe de atingir os valores de outros países europeus sobretudo no que respeita à efetiva utilização técnica e profissional de internet para negócios. Ainda temos de dar passos largos na realização de negócios online retirando daqui as empresas de mainstream. Na nossa dimensão, as PME S ainda não têm uma maturidade de evolução que sejam os power users do serviço Web. Falta ainda alguma maturidade e capacidade de utilização e de potenciação de negócios por parte destas empresas. O gasto médio de uma empresa portuguesa quando comparada com a congénere espanhola é muito menor no que respeito aos domínios registados. Em Portugal, a preocupação de proteger uma marca é ainda muito relativa pois ainda não existe a consciencialização devida. Estamos longe de atingir a maturidade que já foi alcançada a níveis mundiais. Tudo se reinventa todos os dias. Que mensagem daria a clientes da NUCASE para escolha da AMEN em caso de necessidade? Em primeiro lugar, é uma empresa líder de mercado e que tem um dos principais players mundiais neste tipo de serviços. Julgo que pela simplicidade da compra e pela competitividade dos preços, é incontornável a escolha da AMEN quando determinada empresa pondera numa presença online. Temos uma oferta muito especial de servidores dedicados com uma enorme qualidade de suporte e apoio técnico. Damos também formação gratuita através da realização de workshops (ver caixa). Quando é que surgiu a parceria com a NUCASE? A parceria surgiu em 2008 com a integração no grupo DADA. A partir do momento em que ficámos isolados do grupo ao qual pertencíamos e standalone em Portugal, tive necessidade de ter um serviço de outsourcing ao nível da contabilidade. Foi a própria diretora financeira de um Grupo de uma Telco que referenciou a NUCASE e decidimos avançar com a sugestão. Como tem corrido a experiência ao longo destes anos? Todo o apoio da NUCASE tem sido exemplar. É uma empresa muito proativa em tudo o que se relaciona com as nossas entidades fiscais e muito atenta a tudo. A NUCASE é um parceiro que nos deixa tranquilos relativamente às questões da contabilidade. Quais são os desafios eminentes para este ano? Pretendemos duplicar a nossa base de clientes. Workshops em breve 29 de fevereiro (data a confirmar) Ecommerce, logística e Google AdWords com a presença da Google. Será realizado em Lisboa. /checkin Finais de março Ecommerce e logística na área de soluções logísticas personalizadas em parceria com a Adicional. Para mais informações, contacte

8 legislação/ laboral Legislação Dra. GRAÇA PENHA GONÇALVES Nas modalidades de cessação de contratos de trabalho apontadas, a indemnização está limitada a 20 dias por cada ano de antiguidade e no total o seu montante não pode exceder 1 ano de remunerações NOVAS FERRAMENTAS DE AJUSTAMENTO DO CAPITAL HUMANO Em contexto de crise económica, a reflexão empresarial converte-se em imperativo e obriga a equacionar o binómio volume de negócio/ volume de capital humano. Com a entrada em vigor da Lei n.º 53/2011 de 14 de Outubro, torna-se menos onerosa para as empresas a racionalização do respectivo quadro de pessoal. As indemnizações devidas pelo empregador por extinção do posto de trabalho, despedimento coletivo ou despedimento por inadaptação observam agora as seguintes regras e limites: A compensação a abonar pelo empregador passa a ser correspondente a 20 dias de remuneração por cada ano de antiguidade; O limite máximo de remuneração a considerar para o cálculo de compensação é de 20 vezes o ordenado mínimo nacional cujo valor actual se cifra em 485 euros; O excedente remuneratório não se considera; O montante máximo global da compensação não pode exceder 12 vezes o ordenado do trabalhador. Em síntese, nas modalidades de cessação de contratos de trabalho apontadas, a indemnização está limitada a 20 dias por cada ano de antiguidade e no total o seu montante não pode exceder 1 ano de remunerações. Tal significa, que as antiguidades superiores a 18 anos não relevam para o cálculo indemnizatório, porque excedem o limite máximo de compensação. Por consequência, registase uma desoneração significativa de encargos para o empregador, uma vez que se abandona o critério de pagamento de um mês de remuneração base acrescida das diuturnidades, a multiplicar pelo número total de anos de trabalho. Contudo, esta última regra de cálculo ainda se mantém em vigor para os contratos celebrados antes de 1 de Novembro de No que respeita aos contratos a termo certo e incerto, o cálculo indemnizatório da caducidade está igualmente dependente da data da respectiva celebração. Para contratos celebrados até 30 de Outubro de 2011, a compensação de caducidade corresponde ao pagamento de 2 ou 3 dias de retribuição consoante a duração do vínculo até 6 meses ou superior a 6 meses. O regime que vigora a partir de 1 de Novembro e 2011 proporcionaliza a compensação de caducidade de acordo com a seguinte fórmula: Compensação = 20 dias x nº de meses contratuais 12 meses Quanto à revogação do contrato de trabalho, ou noutra formulação, à cessação por mútuo acordo, a eventual compensação a abonar continua a contemplar todos os créditos salariais vencidos e vincendos. Não obstante, nos termos da proposta de Orçamento do Estado para 2012, se a revogação der origem a prestações de desemprego a respetiva compensação fica sujeita a Taxa Social Única na parte que exceder o valor médio das remunerações auferidas nos últimos 12 meses de vigência do contrato, multiplicado pelo número de anos ou fração de antiguidade. Enquanto aguardamos nova legislação sobre esta matéria cujo objectivo se perdiz venha a reduzir ainda mais os rácios das indemnizações por cessação dos contratos de trabalho, é recordar que se é certo que o ajustamento do capital humano comporta a imediata redução dos custos empresariais, não é menos verdade que a médio prazo acarreta inexoravelmente pesados encargos sociais do desemprego que serão suportados pelos agentes empresariais e pela população ativa. SOMOS O SEU PORTO SEGURO TEMOS 8 BOAS RAZÕES PARA NOS PROCURAR

9 contabilístico-fiscal / área técnica Dra. MARIA MESTRA Legislação É cada vez mais necessário o apoio de bons profissionais, que ajudem a ter uma contabilidade que reflita a verdade da empresa, e que o apoiem na leitura dos números e nas tomadas de decisão A CONTABILIDADE NAS DECISÕES DE GESTÃO DA EMPRESA A frase não é minha, ouvi-a no outro dia a um colega. Um cliente ter-lhe-á dito que «o contabilista é o sócio invisível da empresa». Confesso que, apesar de há muitos anos estar ligada à área da contabilidade, nunca tinha pensado no papel do contabilista numa forma tão precisa. É um facto que cada vez mais as empresas têm de se rodear de bons profissionais, capazes de serem os seus «sócios». Temo que durante muito tempo as empresas tenham visto a contabilidade como um mal necessário e uma obrigação para dar cumprimento às obrigações fiscais. Espero que esta atitude tenha vindo a desaparecer, para dar lugar à opinião de que a contabilidade é uma ferramenta imprescindível na gestão de uma organização. Como em todas as atividades, existem bons e maus profissionais, mas será importante para o gestor, na hora da decisão, saber escolher aqueles que, por provas dadas ou historial na profissão, sejam capazes de o acompanhar e ajudar. Avizinhando-se tempos menos auspiciosos, terá o empresário de saber analisar a informação que a contabilidade lhe presta e projetar o futuro da sua empresa. Para que esta simbiose entre empresário e contabilista funcione em pleno, há que primeiro fornecer todos os elementos disponíveis; uma fatura que fica na gaveta durante meses, porque ainda não houve tempo para a conferir, ou porque se tem de esclarecer um preço com um fornecedor pode deturpar significativamente as contas. Antes de uma tomada de decisão importante, por exemplo um investimento, o empresário deverá poder basear-se nas contas da sua empresa, para que estas possam ser o suporte quanto à forma em que deverá ser utilizada: um leasing ou uma aquisição com financiamento. Vale a pena refletir Quais são os gastos fixos da empresa? Aqueles que, mesmo que não produzam qualquer rendimento, têm de suportar? Se a sua empresa tem várias áreas de negócio, a sua contabilidade tem de estar devidamente estruturada, de modo a poder aferir quais as que se mantêm rentáveis ou as que têm de ser reestruturadas, sob pena de comprometerem parte ou mesmo toda as outras. Pode parecer-lhe que a sua empresa é pequena, ou mesmo tendo já alguma dimensão, a sua gestão não necessita de apoio. A sua sensibilidade é certamente muito importante, mas não é tudo. É cada vez mais necessário o apoio de bons profissionais, que ajudem a ter uma contabilidade que reflita a verdade da empresa, e que o apoiem na leitura dos números e nas tomadas de decisão. Não descurando, como é óbvio, uma execução adequada ao cumprimento dos normativos contabilísticos e fiscais. A introdução do Sistema de Normalização Contabilística veio obrigar-nos a uma maior exigência: aos empresários, na informação que tem que ser fornecida ao contabilista, e a nós contabilistas, na preparação como técnicos que temos de estar à altura desta responsabilidade. A informação final, que resulta da prestação de contas da empresa, tem que refletir, duma forma verdadeira e adequada, a realidade da mesma. Esta informação vai ser de extrema importância, não só para o empresário, mas para todos os outros utilizadores, desde fornecedores a clientes até aos bancos. Sabendo-se como cada vez é mais difícil o recurso ao crédito, se as contas da sua empresa não estão devidamente organizadas, ou não refletem a verdade da mesma, os técnicos que as vão analisar terão, seguramente, em conta esse facto, que até pode ser decisivo na deliberação. Poderemos também falar da gestão da situação fiscal da empresa. É cada vez mais necessário que o cumprimento das obrigações fiscais, que neste momento são imensas, seja feito de acordo com a legislação em vigor. Pagar multas por desconhecimento, ou incorreto preenchimento das declarações fiscais, não é, certamente, uma situação muito agradável, e pode causar alguns dissabores. Ter atempadamente conhecimento de quais os encargos fiscais que lhe advirão pode ser importante para uma tomada de decisão. Saber, por exemplo, que uma despesa confidencial, para além de não ser considerada um custo na empresa, ainda tem uma taxa adicional de IRC de 50%? Ou que as despesas, amortizações incluídas, com uma viatura de turismo de valor de aquisição superior a euros, são tributadas a uma taxa de 10%, mas que se a sua empresa apresentar prejuízos no exercício esse valor sobe para 20%? Em resumo, concordo plenamente com a afirmação com que iniciei este texto «O contabilista é o sócio invisível da empresa». AJUDAMOS NO ARRANQUE DO SEU NEGÓCIO NUCASE CONTAPartida

10 calendário fiscal / 1º trimestre >> Até dia 10 IVA - Envio da declaração periódica modelo A, relativa ao mês de Novembro de 2011, e pagamento do Imposto. >> Até dia 13 SISTEMA INTRASTAT - Envio ao Instituto Nacional de Estatística dos Formulários de Chegada e/ou Expedição, contendo a informação estatística sobre as transacções de mercadorias efectuadas com outros Estados-membros da União Europeia referente ao mês de Dezembro de >> Até dia 16 IRS - Entrega da declaração de alterações pelo sujeito passivo de IRS que até ultrapassou o limite dos ,00 euros em dois anos consecutivos ou os ,00 euros em um só exercício (2011) ficando abrangido pela contabilidade organizada por obrigação legal. >> Até dia 20 SEGURANÇA SOCIAL - Pagamento das contribuições para a segurança social relativas aos vencimentos do mês de Dezembro. IVA - Envio da Declaração Recapitulativa referente ao mês de Dezembro de 2011, pelos sujeitos passivos enquadrados no regime normal de tributação, com periodicidade mensal. Envio da Declaração Recapitulativa referente ao mês de Dezembro de 2011, pelos sujeitos passivos enquadrados no regime normal de tributação, com periodicidade trimestral. IRS - Entrega das quantias retidas no mês de Dezembro, por entidades que disponham ou devam dispor de contabilidade organizada, referentes a rendimentos de propriedade intelectual ou industrial e prestações de serviços (Categoria B), rendimentos de capitais e prediais. Entrega, pelos devedores de rendimentos obrigados à retenção total ou parcial de imposto, aos sujeitos passivos, de documento comprovativo das importâncias pagas no ano de 2011, do imposto retido na fonte e das deduções a que eventualmente tenha havido lugar. IRC - Entrega das importâncias retidas no mês de Dezembro sobre os rendimentos sujeitos a IRC. IMPOSTO DO SELO - Entrega do imposto cobrado no mês de Dezembro. >> Até dia 31 IVA - Os sujeitos passivos isentos que, durante o ano de 2011, atingiram o volume de negócios de ,00 euros deverão entregar, durante o mês de Janeiro, a declaração de alterações no respectivo Serviço de Finanças, ou através do sítio da internet. IUC - Decorre até final do mês o prazo de liquidação, por transmissão electrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da matrícula ocorra no presente mês. Envio da modelo 39 por transmissão electrónica de dados pelas entidades que paguem ou coloquem à disposição dos respectivos titulares pessoas singulares residentes em território português de rendimentos de capitais sujeitos a retenção na fonte a título definitivo (taxas liberatórias) de montante superior a 25 euros. Os sujeitos passivos de IVA que estejam obrigados a entregar a declaração periódica de IVA trimestral, e que pretendam passar para regime mensal, deverão entregar durante o mês de Janeiro uma declaração de alterações por via do site do portal das finanças Os sujeitos passivos que exercerem esta opção ficam obrigados a permanecer neste regime por um período mínimo de três anos. >> Até dia 10 IVA - Envio da declaração periódica modelo A, relativa ao mês de Dezembro de >> Até dia 14 SISTEMA INTRASTAT - Envio ao Instituto Nacional de Estatística dos Formulários de Chegada e/ou Expedição, contendo a informação estatística sobre as transacções de mercadorias efectuadas com outros Estados-membros da União Europeia referente ao mês de Janeiro de >> Até dia 15 IVA - Envio da declaração periódica modelo A, relativa ao quarto trimestre de >> Até dia 20 SEGURANÇA SOCIAL - Pagamento das contribuições para a segurança social relativas aos vencimentos do mês de Janeiro. PEQUENOS RETALHISTAS - Pagamento do IVA relativo ao 4.º trimestre de 2011, através da declaração Modelo P2. IVA - Envio da Declaração Recapitulativa - referente ao mês de Janeiro de 2012, pelos sujeitos passivos enquadrados no regime normal de tributação, com periodicidade mensal. Envio da Declaração Recapitulativa - referente ao mês de Janeiro de 2012, pelos sujeitos passivos enquadrados no regime normal de tributação, com periodicidade trimestral. Envio da Declaração Recapitulativa - Por parte dos sujeitos passivos isentos ao abrigo do art.º 53.º do CIVA, que tenham efectuado prestações de serviços noutros Estados Membros, no mês de Janeiro. IRS - Entrega das quantias retidas no mês de Janeiro, por entidades que disponham ou devam dispor de contabilidade organizada, referentes a rendimentos de propriedade intelectual ou industrial e prestações de serviços (Categoria B), rendimentos de capitais e prediais. IRC - Entrega das importâncias retidas no mês de Janeiro sobre os rendimentos sujeitos a IRC. IMPOSTO DO SELO - Entrega do imposto cobrado no mês de Janeiro. >> Até dia 29 IUC - Decorre até final do mês o prazo de liquidação, por transmissão electrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da matrícula ocorra no presente mês. IRS/IRC - Entrega da declaração mod. 10 relativa aos rendimentos pagos a residentes e das retenções efectuadas no ano de Modelo 37 - Decorre até final do mês o prazo de entrega da declaração modelo 37 pelas instituições, incluindo as associações mutualistas e as instituições sem fins lucrativos que tenham por objecto a prestação de cuidados de saúde, e as demais entidades que possam comparticipar em despesas de saúde. Modelo 25 - Entrega da Declaração Modelo 25, por transmissão electrónica de dados, pelas entidades beneficiárias de donativos fiscalmente relevantes no âmbito do regime consagrado no Estatuto dos Benefícios Fiscais e do Estatuto do Mecenato Científico. Comunicação Semestral das Transacções Imobiliárias Efectuadas - As pessoas singulares ou colectivas que exerçam a actividade de mediação imobiliária, bem como a actividade de compra, venda, compra para revenda ou permuta de imóveis, devem comunicar junto do Instituto da Construção e do Imobiliário, IP., os elementos sobre cada transacção efectuada referente ao último semestre de 2011: IVA - Pedido de restituição IVA pelos sujeitos passivos cujo imposto suportado, no ano civil anterior, noutro Estado Membro ou país terceiro quando o montante a reembolsar for superior a 400 euros e respeitante a um período de três meses consecutivos ou, se o período inferior, desde que termine em 31 de Dezembro do ano civil imediatamente anterior e o valor não seja inferior a 50 euros, tal como se refere o DL 186/2009 de 12 de Agosto. >> Até dia 12 IVA - Envio da declaração periódica modelo A, relativa ao mês de Janeiro de 2012, e pagamento do imposto >> Até dia 14 SISTEMA INTRASTAT - Envio ao Instituto Nacional de Estatística dos Formulários de Chegada e/ou Expedição, contendo a informação estatística sobre as transacções de mercadorias efectuadas com outros Estados-membros da União Europeia referente ao mês de Fevereiro de >> Até dia 20 SEGURANÇA SOCIAL - Pagamento das contribuições para a segurança social relativas aos vencimentos do mês de Fevereiro. IVA - Envio da Declaração Recapitulativa - referente ao mês de Fevereiro de 2011, pelos sujeitos passivos enquadrados no regime normal de tributação, com periodicidade mensal. Envio da Declaração Recapitulativa - referente ao mês de Fevereiro de 2011, pelos sujeitos passivos enquadrados no regime normal de tributação, com periodicidade trimestral. Envio da Declaração Recapitulativa - Por parte dos sujeitos passivos isentos ao abrigo do art.º 53.º do CIVA, que tenham efectuado prestações de serviços noutros Estados Membros, no mês de Março. IRS - Entrega das quantias retidas no mês de Fevereiro, por entidades que disponham ou devam dispor de contabilidade organizada, referentes a rendimentos de propriedade intelectual ou industrial e prestações de serviços (Categoria B), rendimentos de capitais e prediais. IRC - Entrega das importâncias retidas no mês de Fevereiro sobre os rendimentos sujeitos a IRC. IMPOSTO DO SELO - Entrega do imposto cobrado no mês de Fevereiro. >> Até dia 30 IRS - DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - Apresentação da declaração de rendimentos, em papel, pelos sujeitos passivos que, durante o ano de 2011, auferiram rendimentos de trabalho dependente (Categoria A) e/ou pensões (Categoria H). >> Até dia 31 IUC - Decorre até final do mês o prazo de liquidação, por transmissão electrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da matrícula ocorra no presente mês. Como o último dia do mês coincide com um sábado o pagamento pode ser efectuado até dia 2 de Abril Modelo 30 - Entrega da declaração destinada a comunicar o pagamento ou a colocação à disposição, de entidades não residentes de rendimentos obtidos em território nacional durante o mês de Janeiro. Nota : esta declaração era entregue anualmente no mês de Julho IRC - PAGAMENTO ESPECIAL POR CONTA - Entrega da primeira prestação devida por entidades sujeitos a IRC que exerçam a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola e entidades não residentes com estabelecimento estável em território português. PEQUENOS RETALHISTAS - Entrega da declaração anual Modelo 1074, relativa às aquisições efectuadas durante o ano de SOCIEDADES COMERCIAIS - Devem aprovar ou modificar o balanço respeitante ao exercício de Declaração de alterações - Entrega da declaração de alterações, pelos sujeitos passivos de IRS que pretendam alterar o regime de determinação do rendimento (simplificado ou contabilidade organizada) e que reúnam os pressupostos para exercer essa opção. Declaração de alterações - Entrega da declaração de alterações, por transmissão electrónica de dados, para opção pelo regime especial de tributação de grupos de sociedades, ou para comunicação de inclusão ou de saída de sociedades do perímetro ou ainda de renúncia ou cessação de aplicação do regime nos casos em que o período de tributação coincida com o ano civil. SOMOS O SEU PORTO SEGURO TEMOS 8 BOAS RAZÕES PARA NOS PROCURAR

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

Calendário fiscal 2015

Calendário fiscal 2015 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Calendário fiscal 2014

Calendário fiscal 2014 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2015 Dia 12: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2015 e anexos. IVA: Pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), a

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2014. www.moneris.pt

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2014. www.moneris.pt CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2014 www.moneris.pt O grupo Moneris Como já é habitual no início de cada ano fiscal, o grupo Moneris tem o prazer de lhe disponibilizar um completo Calendário Fiscal para

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2015. www.moneris.pt

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2015. www.moneris.pt CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 20 www.moneris.pt O grupo Moneris Como já é habitual, o grupo Moneris tem o prazer de lhe disponibilizar um completo Calendário Fiscal para o corrente ano, de fácil consulta,

Leia mais

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal Classificação: 0 0 0. 0 1. 0 9 Seg.: Pública Proc.: 2 0 1 2 / 5 9 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO Of.Circulado N.º: 20 156/2012 2012-02-02 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF):

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2009

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2009 PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12: Pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), a efectuar nos balcões das correspondente ao imposto apurado na declaração respeitante

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente:

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente: Parceiro Certificado DEFIR RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório

Leia mais

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Março 2016 139 - - - - - Visitas Portal AIRO Fevereiro www.airo.pt

Março 2016 139 - - - - - Visitas Portal AIRO Fevereiro www.airo.pt Março 2016 139 - Formação Ação PME - Editorial - Caldas Empreende - Cartão de Saúde AIRO - Missão Empresarial Multisectorial - Fiscalidade - Programa SOU MAIS - Formação em Gestão para a Agro-Indústria

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12

JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12 JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos do trabalho dependente sujeitos a IRS, ainda

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO -

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO - CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO - Artigo 1.º Objecto O presente regulamento enquadra e estabelece as regras de funcionamento do curso de pós-graduação em fiscalidade, organizado pelo

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Ao longo do nosso percurso

Ao longo do nosso percurso A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA P o r E l s a M a r v a n e j o d a C o s t a A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA possui algumas características que, muitas vezes, não são

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2010

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2010 PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2010 JANEIRO / 2010 Até ao dia 11: Pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), a efectuar nos balcões das correspondente ao imposto apurado na declaração respeitante

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

www.airo.pt geral@airo.pt

www.airo.pt geral@airo.pt Fevereiro 2016 138 - Formação Ação PME - Editorial - Caldas Empreende - Cartão de Saúde AIRO - Fiscalidade - Prémios Europeus de Promoção Empresarial Visitas Portal AIRO Janeiro 1.9964,723 Hits 64.889

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer Soluções PRIMAVERA Para empresas que vão crescer 02 Soluções PRIMAVERA Soluções Para empresas que vão crescer A legislação relativa à utilização de programas informáticos de faturação certificados tem

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Sobretaxa extraordinária

Sobretaxa extraordinária Sobretaxa extraordinária Por Elsa Marvanejo da Costa Departamento de Consultoria da OTOC Atualizado em 30 11 2011 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através da sua Pasta TOC ou para

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Cada vez mais a abolição das

Cada vez mais a abolição das Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes P o r M a r i a M a n u e l a V i e i r a R e i n o l d s d e M e l o As retenções na fonte de rendimentos obtidos por não residentes obedecem

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 13:38 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 14:13 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 3º - Rendimentos da categoria B nº 3 - Para efeitos do disposto nas alíneas h) e i) do

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

VATWorld - Consultores Fiscais, S.A. Av. António Augusto de Aguiar, 130. 5º 1050-020 Lisboa. Portugal T. (+351) 213 104 040 F. (+351) 213 104 045 portugal@vatcompany.com vatcompany.com ESPECIALISTAS EM

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Calendário de Concursos

Calendário de Concursos Calendário de Concursos Resumo dos Principais Programas Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Inovação Empresarial Qualificação e Internacionalização PME s Promoção da Eficiência Energética e da Utilização

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015 Nº 58 Novembro 2015 IRC Informação Vinculativa Despacho de 17 de abril 1 Processo 750/2015 Tributação autónoma dos encargos com viaturas ligeiras de mercadorias referidas na alínea b) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social.

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social. I - NOTA PRÉVIA INFORMATIVA AO ASSOCIADO BENEFICIÁRIO / POTENCIAL BENEFICIÁRIO O Montepio Geral - Associação Mutualista (MGAM) informa que o beneficio associativo de se encontra regulado pelo Regulamento

Leia mais

Entrega da contribuição sobre o setor bancário. ES EP

Entrega da contribuição sobre o setor bancário. ES EP JANEIRO / 2015 ATÉ AO DIA 12 balcões dos serviços de finanças ou dos CTT ou ainda (para importâncias não superiores a 100 000,00), através do multibanco, correspondente ao imposto apurado na declaração

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS (SIALM) Nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas

Leia mais

A equipa da PREVISÃO deseja a todos os madeirenses, em especial, aos seus clientes, parceiros e amigos um Santo e Feliz Natal!

A equipa da PREVISÃO deseja a todos os madeirenses, em especial, aos seus clientes, parceiros e amigos um Santo e Feliz Natal! M E N S A L N E W S L E T T E R N. º 0 1 8 N E S T A E D I Ç Ã O : Obrigações Fiscais e Parafiscais Coeficiente de actualização anual Correcção extraordinária das rendas Recibos Verdes 3 Compensação pela

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DOCUMENTOS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com 1987-2013 CentralGest - Produção de Software S.A. T: (+351) 231 209 530 Todos os

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais