SISTEMA EMBARCADO PARA SUPERVISÃO E GERENCIAMENTO OPERACIONAL DE COMPANHIAS DE SANEAMENTO UTILIZANDO MICROCONTROLADORES, GPRS E JAVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA EMBARCADO PARA SUPERVISÃO E GERENCIAMENTO OPERACIONAL DE COMPANHIAS DE SANEAMENTO UTILIZANDO MICROCONTROLADORES, GPRS E JAVA"

Transcrição

1 Anais do XIX Congresso Brasileiro de Automática, CBA SISTEMA EMBARCADO PARA SUPERVISÃO E GERENCIAMENTO OPERACIONAL DE COMPANHIAS DE SANEAMENTO UTILIZANDO MICROCONTROLADORES, GPRS E JAVA MÁRCIO F. J. COSTA, FERNANDO H. S. SANTOS, ROGER R. DA SILVA Instituto de Estudos Superior da Amazônia - IESAM Av. José Malcher, 1148, CEP: Bairro: Nazaré - Belém Pará - Brasil s: Abstract This study aimed to develop a data supervisory and management system to operational control of a sanitation company. The system consists of an embedded system with a microcontroller that digitalizes the signals from measurement instruments of flow, pressure and level, which are converted and processed in order to provide the state of the water distribution processes. Furthermore, the data are sent over a modem with GPRS technology which transmits to a supervisory system located in an operation center, where an operator visualizes the whole process in real-time so that operational decisions can be made prudently and quickly. This supervisory system was developed in Java with a relational database built-in, which allows for a history of measurements. Keywords Sanitation Company, Embedded System, Remote Communication, Supervisory System. Resumo Este trabalho teve como objetivo desenvolver um sistema de supervisão e gerenciamento de dados para o controle operacional de uma Companhia de Saneamento. O sistema é composto por um sistema embarcado com um microcontrolador responsável em digitalizar sinais provenientes de instrumentos de medição de vazão, pressão e nível, os quais são convertidos e processados a fim de disponibilizar o estado dos processos de distribuição de água. Além disso, os dados são enviados por um modem com tecnologia GPRS que transmite a um sistema supervisório localizado em um centro de operação, onde um operador visualiza todo o processo em tempo real para que possam ser tomadas as decisões operacionais de forma prudente e rápida. Este sistema supervisório foi desenvolvido em Java com um banco de dados relacional incorporado, o qual permite que haja um histórico das medições. Palavras-chave Companhia de Saneamento, Sistema Embarcado, Comunicação Remota, Sistema supervisório. 1 Introdução As empresas de saneamento enfrentam uma grande dificuldade para monitorar e consequentemente gerenciar sua distribuição de água partindo da estação de tratamento para os diversos setores de abastecimento que fornecerão o produto até o consumidor final. Tais dificuldades são decorrentes da ausência de ferramentas de controle confiáveis para analisar o processo operacional. Esse gerenciamento é necessário tendo em vista o desperdício gerado pela falta de um controle operacional do fornecimento hidráulico (Gomes, 2009), além da falta de informação imediata quando ocorre falha no abastecimento por qualquer motivo que seja, provocando a demora na detecção e correção do problema, bem como a insatisfação do consumidor. No Brasil, são comuns sistemas de distribuição de água para abastecimento com elevados índices de perdas, nos quais parcela significativa das denominadas perdas físicas é devida ás perdas por vazamento. Dessa maneira, o controle efetivo das perdas por vazamento e do comportamento do sistema, sob as mais diversas condições operacionais, é de fundamental importância, não só do ponto de vista financeiro, no que diz respeito ao desperdício da água bombeada e quimicamente tratada, mas principalmente da preservação deste recurso natural. (Soares, 2003). Atualmente, para verificação desses desequilíbrios são efetuadas medições nas estações de tratamento, nas estações de água tratada e nas redes de distribuição de água, obtendo-se dados de vazão, pressão e nível de determinados pontos do sistema, os quais são todos coletados localmente. Os dados dessas medições são usualmente armazenados em equipamentos eletrônicos com a necessidade de intervenção humana para realização de coleta e verificação de seu funcionamento. Esta tarefa é realizada em intervalos de tempo que não permitem uma garantia efetiva da confiabilidade desses dados, exatamente pela falta de um monitoramento eficiente. Hoje, no mercado, encontram-se muitas soluções para aplicar em indústrias que necessitam supervisionar seus processos. Porém, a escolha deste produto, necessita de características especiais como tipo de transmissão, devido ao tamanho da planta, interoperabilidade com a macromedição do sistema e principalmente com um custo acessível à empresa. As empresas de saneamento sempre tiveram dificuldade para investir em seu quadro operacional e tecnologias de controle. Principalmente pela falta de recursos próprios devido aos seus frequentes problemas de faturamento. Durante duas décadas a agenda do saneamento básico no Brasil ficou parada, não houve praticamente nenhum investimento significativo nos anos 80 e 90, o que acarretou um enorme déficit em praticamente todas as cidades brasileiras. (Carlos, 2012). Com este sistema proposto é possível monitorar o comportamento hidráulico de toda a rede desde a produção, nas estações de tratamento, até a distribuição feita nas estações de água tratada. Com isso, é 2692

2 possível controlar o equilíbrio hidráulico necessário para uma correta distribuição de todo o processo operacional. O principal objetivo do sistema é possibilitar que o operador visualize todo o processo de forma dinâmica e em tempo real para que ele tome as decisões operacionais mais prudentes e rápidas. O processo inicia-se na captura de informações de sensores, localizados na área de macromedição, através de um microcontrolador integrado em um circuito impresso. Este dispositivo envia esses dados, por modem através de General Packet Radio Service (GPRS), para um software localizado em uma central de operação, conforme ilustrado na Figura 1. Todo o processo de coleta desses dados é feito através de instrumentos de medição permanente, que são chamados de macromedidores. A Figura 2 ilustra os pontos de medição. Tem-se como exemplos de macromedidores de vazão o ultrassônico, que tem como finalidade detectar a velocidade média da água através de ondas sonoras que cortam transversalmente o tubo. Com a obtenção desta informação e com o conhecimento da área da circunferência do tubo, o medidor pode disponibilizar o valor instantâneo da vazão do fluido. Figura 1. Estrutura do Sistema de Supervisão O software desenvolvido possui recursos de monitoramento em tempo real, e de uma forma amigável ao operador, demonstra o funcionamento de toda a planta do sistema, com uma visão geral ou individual de cada setor específico, disparando alarmes através de lógicas de controle. Além dos dados em tempo real, o operador pode analisar todas as informações recebidas anteriormente através de uma conexão com um banco de dados, visualizando pelo meio de tabelas e gráficos de tendências. Com a supervisão operacional, as empresas podem diminuir a falta de abastecimento em determinado setor, gerado pelo mau equilíbrio de sua distribuição, além de quantificar sua produção, monitorar a operação e realizar ações de controle. Figura 2. Pontos de medição Na medição de nível são utilizadas sondas hidrostáticas que podem ser mergulhadas em reservatórios de água. Para medição de pressão, os mais usados são os transdutores de pressão, com princípio capacitivo, piezoresistivo e piezoelétrico, que são instalados em adutoras e sub-adutoras para análise da pressão absoluta de distribuição do sistema. A Figura 3 ilustra um exemplo de um medidor de nível. 2 Macromedição Segundo Frangipani (Frangipani, 2007), a macromedição é todo o processo inerente à medição e estimação dos parâmetros operacionais hidráulicos de sistemas de abastecimento, com ênfase na distribuição de água com medições de vazão, nível e pressão. A macromedição é fundamental dentro das empresas de saneamento, pois é ela a responsável pela quantificação do volume de água produzido e fornecido pela companhia, bem como fornecer dados de nível de reservatórios e as pressões nos dutos. Estes dados são muito importantes para o controle das estações, evitando o desperdício de água e de energia elétrica por extravasamento dos reservatórios, rompimentos nas redes de distribuição, ou ainda por um baixo rendimento de um motor. Figura 3. Medidor de Nível Para a escolha do macromedidor, é necessário um estudo prévio do local de medição, com o intuito de conhecer todos os aspectos físicos do ponto, como a qualidade da água, velocidade do fluxo, tamanho, material da tubulação e outros. Estes cuidados são importantes não só para alcançar uma medição confiável, como também garantir a vida útil do equipamento. 2693

3 Outro ponto importante na escolha do equipamento é a interface de comunicação externa. Através dela, os dados que foram medidos são disponibilizados para o sistema embarcado. O mercado disponibiliza vários tipos de comunicação, onde neste projeto utilizou-se instrumentos com saída 4 a 20 ma. 3 Sistema Embarcado O uso de sistemas embarcados tem como principal objetivo a otimização do projeto, minimizando custo, tamanho e utilizando uma tecnologia hoje disponível no mercado que está em grande crescimento comercial. Segundo Morimoto (Morimoto, 2007), o uso de sistemas embarcados tem como principal vantagem o baixo consumo de energia, o custo incrivelmente barato e seu processamento possui tarefas dedicadas, diferente de computadores de propósito geral, alcançando sua funcionalidade sem travamentos e panes. Para a integração do sistema embarcado ao sistema de macromedição, utilizou-se de um microcontrolador com entradas analógicas e digitais e porta serial. Além disso, foi confeccionada uma placa de circuito impresso com reguladores de tensão, resistores para o condicionamento dos sinais, filtros, liquid crystal display (LCD) e diversos componentes eletrônicos necessários ao funcionamento do sistema. A placa confeccionada está presente na Figura Microcontrolador Figura 4. Sistema Embarcado O microcontrolador utilizado é o PIC18F452 fabricado pela Microchip, que oferece todos os periféricos necessários para o funcionamento do sistema, como Analogic-Digital Converter (ADC), porta serial, entre outros, com um custo razoavelmente barato. O microcontrolador está em uma placa que fora confeccionada para a integração de diversos componentes que o sistema necessita. A Figura 5 ilustra com mais detalhes a placa. A linguagem escolhida para fazer o firmware utilizado juntamente com o microcontrolador é o C, devido a sua facilidade na programação. A eficiência e a portabilidade também são características positivas da linguagem (Pereira, 2007). Os sensores utilizados fazem uso de saída à corrente (4 a 20 ma). Essa corrente de saída é convertida em tensão através de resistências e ligada à entrada do ADC. Após o microcontrolador converter essa tensão para o domínio digital, esses dados são tratados de acordo com a curva pré-configurada para aquele sensor em particular. Figura 5. Placa com microcontrolador Após processados os dados são exibidos localmente através de um LCD, onde são mostrados, de forma alternada. Os sensores são lidos em intervalos menores que 1 ms. Ligado ao microcontrolador está um modem GPRS através de uma interface serial (RS232). A comunicação entre o microcontrolador e o modem ocorre através de comandos AT, padrão de comunicação baseado numa série de comandos criados pela empresa Hayes (Arthur, 2007). O mesmo é responsável por prover a funcionalidade de telemetria requerida pelo projeto. 3.2 Telemetria Telemetria é uma tecnologia amplamente empregada em processos onde as distâncias ultrapassam dezenas, e até mesmo centenas de metros entre os componentes que necessitam de comunicação. Esta técnica vem sido buscada por muitas empresas que tem como foco o que é chamado de Automatic Meter Reading (AMR) (Rozas e Prado, 2002). Normalmente este recurso é usado em medições onde a instalação de cabos seria muito dispendiosa ou até mesmo inviável, e utiliza um sistema de rádio ou mesmo o sistema de telefonia celular Global System for Mobile Communications (GSM). A tecnologia GSM agrega ao sistema certas funcionalidades que a rede de telefonia celular oferece, como o envio de mensagens de texto e acesso à Internet. Neste trabalho empregou-se a telemetria de duas formas. A primeira forma ocorre quando qualquer 2694

4 linha celular realiza uma chamada para a linha celular utilizada pelo modem GPRS ligado ao sistema embarcado. O sistema então desliga a chamada e envia para a linha de origem da chamada uma mensagem de texto contendo os dados disponíveis. A segunda forma ocorre periodicamente num intervalo de tempo pré-determinado (6 minutos), onde os dados são enviados, através da Internet, utilizando um protocolo próprio, para um servidor dedicado, que fica ligado 24 horas por dia, localizado no datacenter da companhia. Na ocorrência de um congestionamento da rede GSM ou outro problema que inviabilize a comunicação, é sinalizado um erro no envio. Em caso de três erros consecutivos o modem é reiniciado forçando uma reentrada na rede. Com o intuito de visualizar de forma amigável e armazenar os dados recebidos no servidor, foi desenvolvido um sistema supervisório. 4 Sistema Supervisório Com os pontos de acesso instalados por toda a planta, coletando e transmitindo as informações imprescindíveis para o controle do sistema, é necessário a construção de uma ferramenta que possa gerenciar esses dados, centralizando e exibindo através de uma Interface Homem Máquina (IHM), para o operador do sistema. Chama-se esta interface de supervisório e sua principal função é a recepção, codificação, exibição e armazenamento dos dados. Com essas características alcançadas, podem ser criadas no sistema ferramentas para gerenciar estas informações com estatísticas, lógicas de controle e uma infinidade de recursos. A interface do sistema supervisório desenvolvido é mostrada na Figura 6. Dentro das principais características da linguagem Java, destaca-se duas que foram decisivas na sua escolha para esse projeto. A primeira é o fato de ser gratuita, isto é, ter em mãos uma linguagem poderosa sem gerar custos com licenças de desenvolvimento (Deitel, 2003). A segunda característica fundamental é a extensa biblioteca de rotinas que facilitam a cooperação com o protocolo Transmission Control Protocol/Internet Protocol (TCP/IP). Sendo esse protocolo quase que onipresente em redes, esta característica é importante, pois o sistema utiliza comunicação remota, que é baseada em redes (Internet). Para o desenvolvimento desse projeto foi utilizado o pacote Java.net, para construção de um servidor de dados utilizando socket. Esta aplicação abstrai o nível baixo da construção de um servidor, e fornece a interface de rede necessária para que a aplicação possa funcionar como um servidor TCP, bastando informar ao sistema a porta de comunicação para entrada e saída dos dados. Além da exibição dos dados para o operador, o sistema possui lógicas de controle, que monitora as conexões e os parâmetros pré configurados de todas as variáveis do sistema. Este controle permiti que alarmes sejam disparados para alertar o operador mediante a possíveis desequilíbrios em sua planta, como um extravasamentos de reservatório. Na Figura 7 um alarme é exibido através da mudança de cor no nome de um reservatório, indicado ao operador uma falha na conexão da rede GPRS. Figura 7. Visão parcial dos Setores no Supervisório Uma vez que os dados foram adquiridos pelo sistema, é necessário gravar para que sejam disponibilizados futuramente. Para alcançar isso, usou-se o banco de dados relacional MySQL, sendo um software livre com base na Licença Pública Geral (GPL). Graças a esse recurso o operador do sistema pode visualizar o histórico dos dados através de tabelas ou de gráficos de tendência. A Figura 8 apresenta um gráfico de tendência disponibilizado pelo sistema. Figura 6. Interface do Sistema Supervisório Esta interface foi desenvolvida em Java utilizando a plataforma NetBeans e integrado com o banco de dados MySQL. 2695

5 Data Tabela 1. Uso da Operadora A. Tentativas de Conexão Conexões Realizadas Eficiência % 30/03/ ,17 31/03/ ,92 01/04/ ,59 02/04/ ,59 03/04/ ,5 Tabela 2. Uso da Operadora B. Figura 8. Gráfico de Tendência 5 Resultados Obtidos O sistema foi implantado na Companhia de Saneamento do Pará para testes de confiabilidade e desempenho, desde agosto de Atualmente conta-se com 12 módulos instalados por toda a área metropolitana de Belém. O sistema mostrou ser capaz de manipular o volume de dados requisitado, tanto na geração (sensores e microcontrolador), como no recebimento e gravação no banco de dados (supervisório). A funcionalidade dos gráficos se mostrou muito útil para detectar, por exemplo, o histórico de operação dos conjuntos motor-bomba, a variação do consumo de água durante todos os turnos do dia e quando e quanto um reservatório extravasou. O numero de deslocamentos dos técnicos para vistoriar os instrumentos e os dados registrados localmente em cada setor, que antes era de pelo menos uma vez por semana, agora passou a ser uma vez ao mês para realizar manutenção preventiva nos instrumentos. A escolha da operadora que presta serviço de trafego de dados via GPRS é de fundamental importância para o processo, onde nos testes, algumas apresentaram maior confiabilidade do que outras, variando de acordo com cada ponto de transmissão. As tabelas 1 e 2 abaixo, apresentam a dinâmica de transmissão de dados referentes a duas operadoras de telefonia. A tabela 1 é referente a operadora A e os dados são referentes ao período de 30 de março de 2012 a 03 de abril de A tabela 2 é referente a operadora B do período de 05 de abril de 2012 a 08 de abril de Pode-se notar que a segunda operadora apresentou bons resultados, acima de 98%, validando a eficiência do sistema apresentado. Data Tentativas de Conexão Conexões Realizadas Eficiência % 05/04/ ,75 06/04/ ,17 07/04/ ,92 08/04/ ,58 Em certas áreas da cidade, mais próximo da periferia, eventualmente ocorre o congestionamento da rede GPRS, impedindo que os dados sejam transmitidos pela Internet do dispositivo para o servidor, gerando registros de erro. Porém, esses erros ocorrem em poucos lugares, em intervalos sucintos, não comprometendo o desempenho do sistema como um todo. De forma geral, o sistema se comportou bem e apresentou ótima escalabilidade, sendo limitado pela capacidade da rede GSM e pelo numero de conexões simultâneas, suportadas pelo servidor. O numero de estações que necessitam ser monitoradas em uma companhia, não alcançaria esses limites, bastando apenas a instalação de novos dispositivos e atualização do software supervisório, para expandir o sistema. 6 Conclusão Este projeto se mostrou de baixo custo, onde os componentes mais onerosos são os sensores, que em sua maioria já fazem parte do corpo de equipamentos das empresas. Ao passar a usar o sistema a empresa diminui os gastos, principalmente, com transporte e telefonia que antes eram suas únicas ferramentas de controle. As manobras ainda continuam, porém o operador só precisa se deslocar para operar o sistema caso os pontos monitorados necessitem de alguma intervenção humana. Com o projeto, o profissional da área de saneamento, detém o total controle de supervisão operacional. Sua arquitetura possui expansão para inclusão de lógicas 2696

6 computacionais e telecomandos para que o sistema possa alcançar um nível de controle automatizado. Consequentemente, benefícios sócio-econômicos e ambientais serão obtidos, afinal a água esta cada vez mais cara, na sua captação e tratamento (Lamon, 2005). A diminuição do desperdício de água tratada, leva à contenção de energia elétrica e produtos químicos que são usados no tratamento. Essa economia tem impacto direto tanto para as empresas de saneamento como para a população em geral e o meio ambiente. Agradecimentos Agradecemos a Companhia de Saneamento do Pará pela oportunidade de fazermos parte de seu quadro funcional. Agradecemos ao Engº Haroldo Ramos Martins, Engº Ronald Kelley, Engº Marco Antonio Paradella e ao Sr. Antonio Rodrigues da Silva Braga, presidente da Companhia de Saneamento do Pará, pela oportunidade que nos foi concedida, onde investiram confiança, responsabilidades e recursos para a implantação deste projeto em sua área operacional. Agradecemos a todos os nossos parceiros que não só forneceram os componentes necessários para o desenvolvimento deste projeto, como também sempre estiveram à disposição para compartilhar suas experiências. Pereira, F. (2007). Microcontroladores PIC: Programação em C. Érica, 7ª ed., São Paulo - SP. Soares, Alexandre Kepler (2003). Calibração de Modelos de Redes de Distribuição de Água para Abastecimento Conciderando Vazamentos e Demandas Dirigidas pela Pressão. São Paulo:Universidade de São Paulo, 178 p. Rozas, N.; Prado, R. T. A. (2002). Implatação de Sistemas de Leitura Automática de Medidores de Insumos Prediais. São Paulo-Sp. Referências Bibliográficas Arthur, R.; Figueiredo, R. (2007). Nascimento, L. H. B. Projeto de um controlador de alarme de carro Via SMS. Carlos, É. (2012). Saneamento: Duas décadas de atraso. Trata Brasil: Saneamento é Saúde. [Acesso em: 22 de fevereiro de 2012]; Disponínel em: =122. Deitel, H. M. (2003). Java, Como Programar. Tradução de Carlos Arthur Lang Lisbôa. Bookman, 4. ed., Porto Alegre - RS. Frangipani, M. (2007). Técnicas de operação em sistemas de abastecimento de água: Macromedição. Ministério das Cidades, SNSA, Brasília - DF. Gomes, H. P. (2009). Eficiência Hidráulica e Energética em Saneamento: Análise Econômica de Projetos. Editora Universitária/UFPB, 2ª ed., João Pessoa - PB. Lamon, G. P. S. (2005). Pitometria e Macromedição nas Empresas de Saneamento. Unigraf, 1ª ed., Belo Horizonte - MG. Morimoto, C. E. (2007). Entendendo os Sistemas Embarcados. Hardware.com.br [Acesso em: 09 de março de 2012]; Disponível em: 2697

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento 2 Uma Única Solução para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios Soluções ICS A ICS desenvolve soluções que utilizam hardware com tecnologia de ponta. Os softwares

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO SCAI Automação Ltda. INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL PRESSÃO VAZÃO GRANDEZAS

Leia mais

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS Eng. Gustavo Lamon JULHO DE 2015 TÓPICOS ABORDADOS NESTA APRESENTAÇÃO PRINCIPAIS NÚMEROS NO BRASIL PITOMETRIA SETORIZAÇÃO MACROMEDIDOR

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados

PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados AVL s (Automatic Vehicle Location), nos veículos das empresas que realizam

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CURITIBA JULHO DE 2008 ANDRÉ GELASCO MALSCHITZKY JOFFER JOSE NOVAK DE ALBUQUERQUE INTEGRAÇÃO DE MÓDULOS ELETRÔNICOS

Leia mais

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS Resumo O transporte público atualmente vem passando por diversas mudanças e uma delas é a qualidade nos

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL DE LICITAÇÃO Pregão Eletrônico nº 019/2015

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL DE LICITAÇÃO Pregão Eletrônico nº 019/2015 ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL DE LICITAÇÃO Pregão Eletrônico nº 019/2015 A Fundação de Apoio a Pesquisa ao Ensino e a Cultura, através de seu Presidente de Licitação, designada pelo Ato Administrativo nº

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional); Características Fabricada em aço-carbono, com pintura em epóxi preto; Tratamento anticorrosivo; Acabamento em aço inox; Fechadura para acesso aos componentes eletrônicos; Iluminação frontal, com chave

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

APLICAÇÕES DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA SUPERVISIONAR DIFERENTES AUTOMAÇÕES DO PARQUE FABRIL DA RANDON

APLICAÇÕES DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA SUPERVISIONAR DIFERENTES AUTOMAÇÕES DO PARQUE FABRIL DA RANDON APLICAÇÕES DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA SUPERVISIONAR DIFERENTES AUTOMAÇÕES DO PARQUE FABRIL DA RANDON Este case apresenta a utilização do E3 para monitorar os processos de abastecimento de água, tratamento

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Exclusivo sistema de hibernação quando o equipamento encontra-se sem energia vinda da rede elétrica, o

Leia mais

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS 1 AR AUTOMAÇÃO EMPRESA & SOLUÇÕES A AR Automação é uma empresa especializada no desenvolvimento de sistemas wireless (sem fios) que atualmente, negocia comercialmente seus produtos e sistemas para diferentes

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Os dados são gravados em um cartucho USB. Este modo de gravação oferece total proteção contra a perda

Leia mais

Características. São Paulo: (11) 4063-5544 Campinas: (19) 4062-9211 Campo Grande: (67) 4062-7122 Cuiabá: (65) 4052-9722. MPEBrasil

Características. São Paulo: (11) 4063-5544 Campinas: (19) 4062-9211 Campo Grande: (67) 4062-7122 Cuiabá: (65) 4052-9722. MPEBrasil Características - Único com este conceito no mercado e com preços atraentes; Iluminação frontal, com chave liga/desliga, em quatro opções de cores (azul, verde, vermelho e amarelo); - Possui sistema de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE GRÁFICA PARA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR EM UM KIT DIDÁTICO MICROCONTROLADO

DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE GRÁFICA PARA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR EM UM KIT DIDÁTICO MICROCONTROLADO DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE GRÁFICA PARA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR EM UM KIT DIDÁTICO MICROCONTROLADO Luiz Gustavo C. Machado gu-castilho@live.com Bruno A. Angélico bangelico@utfpr.edu.br Arthur

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

Manual de Instruções Sistema Aqualarme AQL-380

Manual de Instruções Sistema Aqualarme AQL-380 Manual de Instruções Sistema Aqualarme AQL-380 APRESENTAÇÃO DA AQUASAVE A Aquasave atua desde 2003 disponibilizando soluções práticas para a redução do consumo de água em instalações hidráulicas prediais.

Leia mais

Centro de Monitoramento de Perdas

Centro de Monitoramento de Perdas Apresentação Metering JUL/04 Centro de Monitoramento de Perdas Gerência de Medição e Perdas Grandes Clientes Apresentador: Fabio Toledo Gerente do Departamento Epower Análise Conceitual Remota de Telemetria

Leia mais

Parte 02 O Controlador Lógico Programável

Parte 02 O Controlador Lógico Programável Parte 02 O Controlador Lógico Programável 2.0 Introdução: Para controlar uma planta industrial, seja a mais simples ou complexa, necessitamos de um sistema de controle, obviamente que quanto mais complexa

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Zelio Logic & Zelio Alarm. Exemplo de configuração GSM/SMS

Zelio Logic & Zelio Alarm. Exemplo de configuração GSM/SMS Zelio Logic & Zelio Alarm Exemplo de configuração GSM/SMS Comunicação Zelio Logic I. Introdução Zelio Logic e ZelioCom II. Configurações de Hardware III. Configurações de Software IV. Zelio Alarm 2 Comunicação

Leia mais

Gestão de Perdas. Glauco Montagna

Gestão de Perdas. Glauco Montagna Gestão de Perdas Glauco Montagna Agenda 1. A perda de água 2. Gestão de perda de água 3. Redes de água inteligentes 4. Caso de Sucesso Componentes (1) Componentes (2) A perda de água é a somatória de:

Leia mais

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Gil Augusto de Carvalho gilaugusto@uol.com.br UBM Orlando Moreira Guedes Júnior engorlandojunior@yahoo.com.br

Leia mais

Para o futuro, padronizado e com plataforma cruzada

Para o futuro, padronizado e com plataforma cruzada Para o futuro, padronizado e com plataforma cruzada Rede é a resposta! O que muitos acreditavam ser uma tendência atual foi padronizado na HEUFT há muito tempo: nós introduzimos uma família de equipamentos

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR P25 Fase 1 Requisitos Gerais Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na

Leia mais

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Desenvolvimento Interno de Soluções AMI/AMR Advanced Metering

Leia mais

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO AUTOMAÇÃO PREDIAL 1 INTRODUÇÃO A evolução da computação e dos sistemas digitais tem viabilizados aplicações, que se tornam presentes no cotidiano das pessoas, sendo hoje referenciais de conforto e praticidade

Leia mais

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Bose, R.C. 1 ; Kolm, D. 1 ; Paim, F. 1 ; Caetano,C.D.C. 2 ; Garbelotto,L.A. 2 ; Moraes, R. 1 1 - Engenharia Elétrica

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

X-004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

X-004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO -004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Celso J. Munaro Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre e Doutor em Automação

Leia mais

Seminário Nacional AESBE 30 anos

Seminário Nacional AESBE 30 anos Experiências de Sucesso nas Empresas Estaduais de Saneamento TELEMETRIA 26/08/2015 Silvana Corsaro Candido da Silva de Franco, Gerente do Departamento de Planejamento, Gestão e Operação da Produção Seminário

Leia mais

FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR

FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR Uiliam Nelson Lendzion Tomaz Alves 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: O grande número de

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Rua da Várzea 379 CEP 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br 1.

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Controle de Nível Automatizado Através da Pressão no Recalque em Elevatórias com Reservatório Superior.

Controle de Nível Automatizado Através da Pressão no Recalque em Elevatórias com Reservatório Superior. Controle de Nível Automatizado Através da Pressão no Recalque em Elevatórias com Reservatório Superior. Tema 1: Abastecimento de Água Autores: Jean Carlos Esser, técnico em eletrônica pelo CEDUP-Blumenau,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Fabricada em aço-carbono, com pintura em epóxi preto; Tratamento anticorrosivo e acabamento em aço inox; Fechadura para acesso aos componentes eletrônicos; Sistema de amortecimento de giros

Leia mais

KIT EDUCACIONAL PARA CONTROLE E SUPERVISÃO APLICADO A NÍVEL

KIT EDUCACIONAL PARA CONTROLE E SUPERVISÃO APLICADO A NÍVEL KIT EDUCACIONAL PARA CONTROLE E SUPERVISÃO APLICADO A NÍVEL Jonathan Paulo Pinheiro Pereira Engenheiro de Computação UFRN 2005, Especialista em Engenharia Elétrica UFRN 2008. E-mail: jonathan@cefetrn.br

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133 Capítulo 5 Conclusões 133 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES Neste capítulo são abordadas as conclusões traçadas no desenvolvimento e validação do SMD, e indicação de estudos futuros. Ressalta-se o atendimento aos

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

Quadro de Comando 24V SMD CAN ISO 9001. 32 bits. A modernização necessária para seu elevador! 240m/min. Até 48. Componentes. Alimentação.

Quadro de Comando 24V SMD CAN ISO 9001. 32 bits. A modernização necessária para seu elevador! 240m/min. Até 48. Componentes. Alimentação. Quadro de Comando Componentes SMD Processador 32 bits Alimentação 24V Até 48 Comunicação CAN pavimentos Velocidade até Apenas conexões* 240m/min 27 Empresa com Duplex, Triplex e Quadriplex ISO 9001 A modernização

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

Manual de Instalação. GPRS Universal

Manual de Instalação. GPRS Universal Manual de Instalação GPRS Universal INTRODUÇÃO O módulo GPRS Universal Pináculo é um conversor de comunicação que se conecta a qualquer painel de alarme monitorado que utilize o protocolo de comunicação

Leia mais

Sistema de controles e alarmes hospitalar ISO 9001:2008

Sistema de controles e alarmes hospitalar ISO 9001:2008 Sistema de controles e alarmes hospitalar ISO 9001:2008 Alarme BHP Sistema Telemedica Desenvolvidos para uma ampla gama de utilizações no setor hospitalar. Todos os produtos são fabricados conforme 93/42/EEC

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO 1 OBJETIVO... 2 2 REMOTA... 2 2.1 DESCRIÇÃO GERAL... 2 2.2 ALIMENTAÇÃO... 2 2.3 RELÓGIO INTERNO... 2 2.4 ENTRADA DE PULSOS... 2 2.5 ENTRADA DIGITAL AUXILIAR... 2 2.6 REGISTRO DA CONTAGEM DE PULSOS (LOG)

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA Controle disponibilizado pela solução da Elipse Software contribuiu para que a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos - COGERH

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NO INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NO INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NO INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) Apresentamos neste case a implantação do software E3 no Laboratório de Eficiência

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas SM51 Telecomando Principais Características Construção Robusta Estrutura pintada com pintura eletrostática ou em aço inox. Sistema de Monitoramento Remoto utilizando a tecnologia GSM/GPRS/SMS Monitoramento

Leia mais

Pergunta 1: Um datalogger poderá comunicar-se com mais de uma VRP?

Pergunta 1: Um datalogger poderá comunicar-se com mais de uma VRP? PREGÃO ELETRÔNICO N. 2014/262 PROTOCOLO N. 2014/72.368 OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE IMPLANTAÇÃO DE ESTRUTURAS REDUTORAS DE PRESSÃO, COM CONTROLE AUTOMÁTICO DE PRESSÃO, NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, COM

Leia mais

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto Boletim Técnico de Produto InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento As aplicações de água e processo geram ou afetam diretamente grandes quantidades de dados operacionais, que podem ser de natureza

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento ABIMAQ / SINDESAM ABIMAQ Fundada em 1937, com 4.500 empresas representadas em 26 Câmaras Setoriais.

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO R. B. SANTOS 1, M.M. de F. SILVA e A. M. F. FILETI Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Redução de Custos com a Automação da Dosagem de Coagulante Setembro - 2012 Organograma Unidade

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal PT ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal Amigável ao cliente e comprovado Com a implementação do ACS2000 há alguns anos, foram estabelecidos novos

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto GRUPO V ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E COMUNICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA (GPC) PROJETO CEB A INTEGRAÇÃO COMPLETA ENTRE COS, EMS, DMS, REDE CORPORATIVA, CORs, SUBESTAÇÕES E CHAVES DE POSTE Robson

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS GPRS STUDIO V3.03 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo - SP Brasil

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER Alex Lage de Morais 1 ; Wilson Cabral de Sousa Jr. 2 ;Elaine Nolasco Ribeiro 3 RESUMO - Uma parte do projeto

Leia mais

Monitoramento de manobras de navios No Documento: 2015/016 REV 1

Monitoramento de manobras de navios No Documento: 2015/016 REV 1 Página 1 Sismar Software O SISMAR, sistema de monitoramento de manobras de navios com dados ambientais integrados, tem objetivo de monitorar os processos de atracação, desatracação e ainda fornecer informações

Leia mais

Sistema para Gerenciamento de

Sistema para Gerenciamento de Sistema para Gerenciamento de Dosagem Getinge 2 Sistema para Gerenciamento de Dosagem Getinge Sistema para Gerenciamento de Dosagem Getinge (CMS) UM PROCESSO APRIMORADO, UMA SOLUÇÃO ÚNICA A Getinge pode

Leia mais

TECNOLOGIA INOVADORA DA GCTBIO APOIADA PELA FINEP EMPREGA SISTEMA SUPERVISÓRIO DA ELIPSE

TECNOLOGIA INOVADORA DA GCTBIO APOIADA PELA FINEP EMPREGA SISTEMA SUPERVISÓRIO DA ELIPSE TECNOLOGIA INOVADORA DA GCTBIO APOIADA PELA FINEP EMPREGA SISTEMA SUPERVISÓRIO DA ELIPSE Este case apresenta a utilização do E3 para controlar o processo de tratamento de efluentes provenientes das estações

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision Software de gerenciamento de impressoras MarkVision O MarkVision para Windows 95/98/2000, Windows NT 4.0 e Macintosh é fornecido com a sua impressora no CD Drivers, MarkVision e Utilitários. 1 A interface

Leia mais

Utilizando Modems GSM Guia Prático. Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM.

Utilizando Modems GSM Guia Prático. Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM. Utilizando Modems GSM Guia Prático Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM. Luiz Henrique Corrêa Bernardes Cada vez mais estamos envolvidos

Leia mais