Balanço de Potência em Enlaces FSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balanço de Potência em Enlaces FSO"

Transcrição

1 Balanço de Potência em Enlaces FSO A pesquisa sobre um sistema de comunicação óptico tecnologicamente inovador, com LASER's e receptores ópticos, mas substituindo a fibra óptica convencional pelo próprio ar livre como meio de transmissão de dados, voz e imagens é objeto de estudo deste tutorial. Esta tecnologia é conhecida como FSO (Free Space Optics) e se utiliza da luz emitida por um LASER para estabelecer comunicação com um receptor óptico devidamente alinhado. A principal contribuição do tutorial é o desenvolvimento de um programa, com interface gráfica amigável para o usuário, utilizando a plataforma do aplicativo MATLAB, para balanço de potência em enlaces FSO. No programa desenvolvido, parâmetros como potência do LASER, sensibilidade do receptor, visibilidade, perdas de cintilação, etc, são avaliados no ambiente das principais cidades brasileiras. José Francisco Meireles Aleixo Júnior Bacharelando em Engenharia de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM), está cursando atualmente o Cisco Networking Academy para obter o Cisco Certified Network Associate (CCNA). Atuou como Técnico em Informática na de serviços no Instituto Evandro Chagas (Belém e Ananindeua), sendo responsável pela manutenção e configuração de Roteadores, Computadores e Impressoras, e pelo suporte interno e externo aos funcionários do instituto. Atuou também como Tecnólogo em Informática no IESAM, sendo responsável manutenção, instalação e suporte de equipamentos informáticos e rede de computadores do instituto, nos ambientes Linux e Windows. Atualmente, através de empresa própria, presta serviços para empresas e pessoas físicas nas áreas de Redes (física e lógica), de manutenção de computadores e impressoras, e na instalação e suporte de programas de computadores. 1

2 Marcus Anthonius Santana da Fonseca Engenheiro Elétrico pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM). Possui conhecimentos nas áreas de telefonia fixa, telefonia móvel, telefonia a longa distância, rádio e televisão, tendo atuado como auxiliar administrativo e técnico em informática na Petrobrás. Atualmente é monitor do curso de engenharia, sendo responsável pelo planejamento estratégico de atividades pertinentes aos cursos de engenharia elétrica e de telecomunicações. Duração estimada: 20 minutos Publicado em: 21/08/

3 Balanço de Potência FSO: Introdução A maturidade da tecnologia Free Space Optics (FSO) não está realmente estimada ou prevista, devido a um desconhecimento de quanto tempo ela esteve sendo desenvolvido às escondidas. Historicamente, a comunicação óptica sem utilização da fibra óptica (FSO) foi demonstrada por Graham Bell no século XIX, antes mesmo dele ter demonstrado o funcionamento do telefone. Ele tentou converter sinais de voz em sinais telefônicos e transmitiu os mesmos entre receptores através do ar livre, num feixe de luz, a uma distância de 180m. Ele chamou este experimento de photophone, e considerou isto uma transmissão óptica e não telefônica, porque não precisava de fios para transmissão. Embora a invenção de Bell nunca tenha se tornado comercialmente viável, foi ela que deu fundamento às comunicações ópticas. Contudo, grande parte da tecnologia FSO atual vem sendo desenvolvida a 40 anos, sendo utilizada em grande parte pelos militares. Em comunicações ópticas no espaço livre, a transmissão de feixes é feita por infravermelho modulado transmitido através do ar. Assim como em sistemas ópticos que utilizam fibra óptica com meio de comunicação, as comunicações ópticas no espaço livre também se utilizam de LASER's para transmitir informação, mas ao invés dos sinais trafegarem pela fibra de sílica (SiO 2 ), o tráfego é estabelecido pelo ar livre. A tecnologia trabalha utilizando princípios semelhantes aos dos controles remotos infravermelho de alguns televisores, teclados sem fio e outros equipamentos atualmente encontrados no mercado mundial. 3

4 Balanço de Potência FSO: Tecnologia O FSO trabalha com transmissão de feixes luminosos através de diodos LASER's, enviando estes feixes através de um aparelho para outro, sendo eles semelhantes a telescópios, denominados transceptores, isto é, transmissor e receptor ao mesmo tempo, usando LASER's de baixa potência na faixa de freqüência de THz (Tera Hertz - 10+e12). Os feixes são transmitidos pelo LASER focado em receptores altamente sensíveis. Estes receptores possuem lentes telescópicas capazes de coletar as informações contidas nos fótons. Velocidades típicas já alcançadas estão na faixa de 100 Mbit/s a 2,5 Gbit/s, mas já há testes em que taxas de 160 Gbit/s foram obtidas. Os sistemas ópticos que utilizam o espaço livre como meio de comunicação, podem funcionar para distâncias de diversos quilômetros, tendo melhor desempenho quando não há obstáculo algum entre os transceptores. A potência transmitida pelo LASER e a sensibilidade do receptor são dois parâmetros importantes para determinar o comprimento de um enlace FSO, isto é, a maior distância possível entre os transceptores que ainda permita desempenho satisfatório do sistema, este normalmente medido em termos da BER (Bit Error Rate). Uma vantagem da tecnologia FSO é que não se torna necessário o licenciamento ou reserva de espectros de freqüência, ou até mesmo o fracionamento do espectro de freqüência com outros serviços, porque o LASER não interfere em outros equipamentos, e na transmissão de feixes LASER ponto a ponto é extremamente difícil ocorrer interceptação, tornando-se assim uma tecnologia bastante segura. Atualmente, as taxas de dados praticadas em fibras ópticas podem ser comparadas com as obtidas com FSO onde se observam taxas de erro (BER) muito baixas. Estes valores reduzidos da BER se devem, em grande parte, à reduzida quantidade de pares de transceptores, o que torna pouco provável a interceptação de feixes de luz. Contudo, a utilização de um número pouco mais elevado destes equipamentos, ou seja, centenas de transceptores num só local elevariam a BER dos sistemas envolvidos. Em síntese, algumas das vantagens apresentadas pela tecnologia FSO apresentadas a seguir: Não requer licença de espectro RF; É de fácil atualização e suas interfaces abertas suportam equipamentos de uma variedade de fabricantes, o que ajuda empresas e fornecedores serviços a proteger seus investimentos nas estruturas de telecomunicações; Não requer atualização de segurança no software; É imune à interferência de freqüências de radio ou saturação; Pode ser posicionado atrás de janelas, eliminando a necessidade de telhados caros. Velocidade de Fibra com Flexibilidade Sem Fio Comunicação óptica sem fio, quando baseada na tecnologia FSO, se apresenta na categoria de produto sem fio que fornece a mesma velocidade da fibra, com a flexibilidade sem fio, garantindo transmissão óptica à taxas acima de 1,25 Gbit/s e possibilitando no futuro taxas de 10 Gbit/s ou acima, pelo uso da técnica WDM. Isso não é possível com qualquer tecnologia sem fio ou tecnologia RF. A tecnologia óptica sem fio também elimina a necessidade de adquirir concessão de espectros caros (não requer FCC ou licença de aprovação mundial), o que acaba por se distinguir de tecnologias sem fio. Produtos de óptica sem fio podem ser integrados às soluções ópticas convencionais, facilitando o acesso às redes ópticas. 4

5 Os sistemas FSO são vulneráveis a fenômenos atmosféricos, como atenuação ou cintilação, o que limita seu alcance e disponibilidade. No Brasil foram realizados estudos em algumas cidades e foi desenvolvido um modelo numérico baseado no conceito de transmissão da potência do LASER [1]. A disponibilidade de sistemas FSO é calculada como função do alcance onde diferentes parâmetros que contribuem para a perda total de potência são descritos e avaliados. Diversos resultados são apresentados considerando várias cidades brasileiras, cada uma delas com condições atmosféricas próprias [2]. 5

6 Balanço de Potência FSO: Variáveis Importantes Enquanto os cabos de fibra óptica e tecnologia FSO dividem diversos dos mesmos atributos, os mesmos enfrentam diferentes desafios devido à forma como transmitem informações. A fibra óptica está sujeita a uma gama de distúrbios causados por construções descontroladas, roedores, e mesmo tubarões quando colocadas no mar. Já a tecnologia FSO está sujeita ao seu próprio potencial quando colocada sob distúrbios ao ar livre. As redes ópticas sem fio fundamentadas na tecnologia FSO devem ser projetadas para combater mudanças na atmosfera, que podem afetar a capacidade de desempenho do sistema. Devido a esta tecnologia necessitar de visada direta, todos os pontos de interconexão devem estar livres de obstruções físicas e devem ser capazes de "enxergar" um ao outro. Todos os distúrbios em potencial podem ser evitados através de planejamento e projeto apropriados de uma rede. Apresentam-se a seguir alguns dos aspectos importantes a serem considerados quando se utilizam sistemas com a tecnologia FSO. Neblina O primeiro desafio das comunicações FSO é a neblina densa. Chuva e neve têm pouco efeito na tecnologia FSO, mas neblina é diferente. Neblina é vapor composto de gotas de água, que possuem apenas algumas centenas de mícrons de diâmetro, mas que podem modificar as características da luz ou atrapalhar por completo a passagem da luz por absorção, reflexão ou mesmo divisão. O problema da neblina pode ser contornado quando se diminui a distância do enlace. A instalação do FSO em cidades com neblina forte como São Francisco tem sido bem sucedida e alcançado bons resultados. Absorção A Absorção ocorre quando moléculas de água suspensas na atmosfera terrestre extinguem os fótons. Isso causa uma diminuição da densidade de potência (atenuação) dos raios e afeta diretamente a disponibilidade do sistema FSO. A Absorção ocorre mais facilmente em alguns comprimentos de onda do que outros. Entretanto, o uso apropriado da potência, considerando as condições atmosféricas, e o uso de diversidades espaciais (múltiplos raios além de unidade base de FSO) ajudam a manter o nível exigido de disponibilidade da rede. Espalhamento O espalhamento é causado quando ondas colidem com dispersos (partículas espalhadas pelo ar). O tamanho físico dos dispersos determina o tipo de espalhamento. Quando o disperso é menor que o comprimento de onda, ocorre o assim chamado espalhamento Rayleigh. Se o disperso for de tamanho comparável ao comprimento de onda, tem-se o espalhamento Mie. Se o tamanho do disperso é muito maior do que o comprimento de onda de comprimento do LASER, ocorre o chamado espalhamento não seletivo. No espalhamento - diferente da absorção - não há perda de energia, mas sim uma redistribuição que pode provocar redução significativa na intensidade dos raios por longas distâncias. 6

7 Obstruções Físicas Pássaros voando ou construções podem temporariamente bloquear a visada direta de um sistema FSO, mas isso tende a causar somente pequenas interrupções, embora as transmissões possam ser automaticamente refeitas. Produtos ópticos sem fio de determinados fabricantes usam sistemas de múltiplos raios LASER (diversidade espacial) para endereçar obstruções temporárias, assim como outras condições atmosféricas desfavoráveis, para fornecer uma maior disponibilidade do serviço. Atividades sísmicas O movimento das construções pode prejudicar a transmissão/recepção de feixes LASER por conta da perda de alinhamento. Uma das formas de suavizar este problema é através da utilização de múltiplos raios FSO. Cintilação O ar quente proveniente do solo ou de aparelhos desenvolvidos pelo homem, como é o caso dos dutos de aquecimento, propiciam variações de temperatura entre em diferentes trechos por onde o feixe FSO possa trafegar. Isso pode causar flutuações em amplitude que provocam dificuldades de detecção do sinal na base receptora FSO. Segurança Para quem não está familiarizado com a tecnologia FSO, a segurança pode ser uma preocupação, pois a tecnologia usa LASER's para transmissão. A utilização correta e segura de LASER's tem sido discutida desde que os primeiros aparelhos FSO apareceram nos laboratórios há mais de três décadas. As maiores preocupações envolvem a exposição do olho humano aos raios de luz de alta densidade de potência. Padrões internacionais restritos foram criados para desempenho e segurança. 7

8 Balanço de Potência FSO: FSO x FIBRA Os sistemas de comunicações ópticos que utilizam o espaço livre como meio de transmissão têm se mostrado uma alternativa viável para substituir sistemas clássicos que utilizam fibra óptica em diversas aplicações, tais como em redes locais (LAN) e redes metropolitanas (MAN). Estima-se que em áreas metropolitanas um enlace de fibra óptica pode custar aproximadamente US$ ,00 por quilômetro, sendo que 85% desse valor é gasto em escavação e instalação. Por outro lado, o custo de instalação de um sistema FSO é cerca de 20% dos sistemas desenvolvidos para a aplicação em projetos baseados em soluções com fibra. Atualmente as fibras ópticas utilizadas nos diversos sistemas podem operar com taxas de transmissão que ultrapassam 620 Mbit/s. Fazendo-se uma comparação entre os sistemas de telefonia e fibra, apenas como uma idéia de grandeza, esta taxa é aproximadamente dez mil vezes maior que as taxas do MODEM's comumente utilizados pela maioria dos usuários da Internet, quando nos referimos à conexão discada. O FSO é caracterizado como tecnologia de visada direta dependente totalmente do uso de raios de luz, invisíveis ao olho humano, que permitem conexões de longa distância entre transceptores para transmissão de voz, vídeo e dados. Atualmente, a presença desta nova tecnologia permitiu o desenvolvimento de uma nova categoria de produtos sem fio com taxas acima de 1,25 Gbit/s. Essa conectividade óptica não requer cabos caros de fibra óptica ou licenças de espectro de radio freqüência seguras (RF). No espectro eletromagnético, os sistemas FSO operam próximos à região do infravermelho com comprimentos de onda típicos de 750 nm, 810 nm e 852 nm, devido à disponibilidade de fontes LASER de baixo custo trabalhando nesses comprimentos de onda. Receptores PIN e APD com boa sensibilidade também estão disponíveis nesses comprimentos de onda. Entretanto, as constantes demandas por distância, especialmente em aplicações de telecomunicações, empurraram a operação desses sistemas para comprimentos de onda maiores, principalmente 1550 nm, onde fontes LASER podem fornecer maior potência óptica. Amplificadores de fibra dopada a érbio (EDFA - Erbium Doped Fiber Amplifier) podem ser usados nos transceptores, possibilitando amplificação de potência e, consequentemente, aumentando o alcance do sistema. Os equipamentos de comunicação ópticas atualmente disponíveis operam com LASER's de 850 nm ou 1550 nm. Todavia, o LASER de 1550 nm, embora mais caro, possui melhor desempenho para alcances maiores, exige potência reduzida e, portanto, não agride a retina dos olhos humanos. Em termos de desempenho, um sistema de comunicação, por definição, deve apresentar uma taxa de erro não superior a apenas um bit para cada dez bilhões que ele transmite, isto é, BER <= 10-e10. 8

9 Balanço de Potência FSO: Formulação A formulação adotada é semi-empírica, com a parte empírica desenvolvida na atmosfera de algumas regiões brasileiras. A caracterização do sistema FSO é feita a partir do balanço de potência: (1) Onde: P(0) = potência transmitida (dbm); P(R) = sensibilidade do receptor (dbm); = perda total no enlace do espaço livre (db). M = margem de segurança do sistema (db). O conceito de balanço de potência se aplica para estabelecer a distancia máxima de operação (alcance) de um enlace os transceptores. A perda total em um enlace FSO possui diversos componentes, como perda óptica no receptor, perda devida a erros de alvo (ou alinhamento), perda devido ao alargamento geométrica do raio LASER, e perdas devido aos efeitos atmosféricos. Relatos encontrados na literatura sugerem que valores típicos para perdas ópticas do receptor e por erros de alvo são 9,0 db e 3,0 db; respectivamente. A perda por alargamento geométrico do LASER pode ser avaliada através da comparação entre a área iluminada na superfície do receptor e a área de superfície do raio que sai do transmissor. Esta perda depende da divergência geométrica do raio e do comprimento do enlace FSO. Efeitos atmosféricos como absorção, dispersão e cintilação são os que mais contribuem para elevação da perda total no enlace. Tais efeitos podem prejudicar consideravelmente o desempenho dos sistemas FSO e reduzir sua disponibilidade. A atenuação da potência LASER na atmosfera é descrita pela lei de Beer [4][5]: (2) Onde: R = alcance do enlace (m); P(R) = potência LASER à distância R da fonte; P(0) = potência do LASER na fonte; s = coeficiente de atenuação total ou coeficiente de extinção (m**-1). 9

10 O coeficiente de atenuação total s é composto por quatro parcelas: m = coeficiente de absorção molecular; a = coeficiente de absorção aerossol; m = coeficiente de espalhamento molecular ou espalhamento Rayleigh ; a = coeficiente de espalhamento aerossol ou Mie. Na faixa de comprimento de onda de interesse, entre 780 nm e 1550nm, as dimensões das partículas em suspensão na atmosfera são da mesma ordem ou maiores que o comprimento onda, tornando os coeficientes de absorção atmosférica e aerossol desprezíveis (m aprox. = 0 e a aprox. = 0) [1][2]. O coeficiente de espalhamento molecular, ou espalhamento Rayleigh, que varia com o inverso da quarta potência do comprimento de onda do LASER (1/4) também pode ser negligenciado (m ~ 0) para a mesma faixa de comprimentos de onda. Dessa forma, o coeficiente de espalhamento aerossol ou Mie torna-se o coeficiente de atenuação total (s aprox.= ßa). O espalhamento Mie é fortemente evidenciado quando os diâmetros das partículas em suspensão são da ordem do comprimento de onda LASER, e se torna praticamente independente do comprimento de onda à medida que o diâmetro dessas partículas cresce. A eficiência do espalhamento Mie também depende da visibilidade atmosférica, definida como a distância em que a intensidade da luz decresce 2% do seu valor inicial. A atenuação devido ao espalhamento Mie varia com a visibilidade e com o comprimento de onda LASER de acordo com: (3) Onde: V = = q = visibilidade (km); comprimento de onda do LASER (nm); distribuição de tamanho das partículas espalhadas, sendo: A avaliação completa da perda no enlace requer estimativa da perda por cintilação. Resultados experimentais[2] indicam que as perdas por cintilação podem ser reduzidas com o uso de sistemas com múltiplos raios e/ou receptores com abertura larga. Os resultados também indicam que o efeito da cintilação é mais severo à tarde e no verão. Outros resultados sugerem que a perda por cintilação aumenta com o comprimento de onda de operação. A interpolação linear é aplicada aos dados obtidos em outro trabalho [2] com o propósito de estimar a perda por cintilação para diferentes alcances FSO, de acordo com a fórmula empírica: 10

11 (4) onde R é dado em km e os valores das constantes a e b dependem do tipo de sistema FSO: Raio único e/ou sistemas com receptor de pequena abertura (diâmetro = 10 cm ): a = 13 / 9,2 e b = 67,2 / 9,2. Raios múltiplos e/ou sistemas com receptor de pequena ampla (diâmetro > 10 cm): a = 8 / 9,2 e b = 27,2 / 9,2. 11

12 Balanço de Potência FSO: Software O ambiente oferecido pela ferramenta GUIDE do MATLAB foi escolhido por sua simplicidade no que diz respeito ao desenvolvimento da interface gráfica para o usuário e também porque o MATLAB possui uma linguagem de programação bastante simples, com diversas funções já definidas e que dispensa a declaração de variáveis observada na maioria das linguagens de programação. O programa dispõe tópicos de ajuda, como é o caso da exibição de gráficos com valores práticos de visibilidades em cidades brasileiras, e também apresenta resumos teóricos acerca de determinados assuntos vinculados à tecnologia FSO, como por exemplo, espalhamento Rayleigh, espalhamento Mie, divergência do raio, etc. No programa desenvolvido é realizado o balanço de potência para enlaces FSO levando em consideração os diversos parâmetros descritos nos tópicos anteriores. Assim, os seguintes parâmetros são usados com entrada de dados para o programa: Potência média na saída do transmissor: PT (dbm); Comprimento de onda do LASER: (nm); Divergência do raio LASER: (mrad); Sensibilidade óptica do receptor para a taxa de transmissão e BER de interesse: Srx (mrad); Área de abertura da superfície do receptor: AR (m2); Perdas ópticas no receptor: PLRx (db); Perdas ópticas por desalinhamento: Pdes (db). Margem de segurança do sistema: M (db). Para avaliar o correto funcionamento do software foram usados valores práticos apresentados em outro trabalho [2]. Os seguintes valores foram usados com entrada de dados: PT = 13 dbm, = 780 nm, PR = -46 dbm, = 1 mrad, AR = m2, PLRx = 9 db, Pdes = 3 db e M = 0 db. A figura 1 a seguir apresenta a interface gráfica desenvolvida com o GUIDE do MATLAB quando se pretende calcular o alcance máximo R(km) de acordo com os dados fornecidos. 12

13 Figura 1: Aspecto da interface gráfica do software desenvolvido. Na figura 2 é apresentado o gráfico dos valores práticos de visibilidade [2] de acordo com a opção selecionada na interface. Figura 2: Gráfico para estimativa da visibilidade na região sudeste. 13

14 A proposta de desenvolvimento deste software é facilitar o entendimento e o projeto de sistemas FSO em cidades brasileiras, estimando-se de forma rápida o alcance máximo de enlaces FSO de acordo com parâmetros diversos inerentes ao sistema. Problemas de degradação atmosférica, dificuldade de visada devido à influência de neblina ou presença de fumaça, bem como a própria poluição em si são, de certa forma, contemplados no software quando seguidas sugestões de valores de visibilidade apresentados no software. O layout do programa é bastante simples e objetivo, proporcionado facilidade de alteração dos parâmetros do sistema por parte de qualquer usuário. Os textos estáticos presentes na interface apresentam de forma objetiva os dados fornecidos e o que se necessita obter. O software também pode ser perfeitamente adaptado para calcular qualquer outro parâmetro do sistema desde que todos os demais parâmetros sejam fornecidos. Assim, por exemplo, é possível calcular o comprimento de onda, a área mínima do receptor, a potência mínima a ser transmitida, etc., desde que todos os demais parâmetros sejam fornecidos. Para isto, basta que o usuário preencha com um traço ou ponto de interrogação a caixa de texto correspondente ao parâmetro que se deseja calcular. Se mais de uma caixa de texto for preenchida com interrogação ou traço, ao acionar o botão calcular o software exibirá uma mensagem de erro. O software apresentado é perfeitamente sugerido como ferramenta didática para aproximar a tecnologia de comunicações ópticas de acadêmicos em potencial. É verdade que as fibras ópticas estão em alta e, portanto, são mais divulgadas, contudo, progressivamente a tecnologia FSO vem ganhando espaço em aplicações diversas, inclusive se integrando às redes com infra-estrutura de cabos ópticos. 14

15 Balanço de Potência FSO: Considerações Finais A realização do trabalho de pesquisa de sistemas de transmissão modulados por LASER que se utilizam do espaço livre como meio de transmissão se justifica por aspectos diversos: comunicação em alta velocidade por meio de LASER, tecnologia de transmissão em espaço livre, gerenciamento que pode ser feito através de softwares, investimento e retorno mais rápidos quando comparados com sistemas de comunicações ópticas com fibra, por se tratar de uma tecnologia que utiliza o espaço livre como meio de transmissão, podendo estabelecer enlaces de comunicação de 5 km ou acima. O FSO é ainda uma tecnologia que oferece segurança na transmissão de dados pelo ar livre e banda larga para prover serviços de Internet, intranet, telefonia fixa e celular, e possui ótima relação custo/beneficio para atendimento de grande demanda de banda. Além de salientar suas qualidades e vantagens, nosso estudo também procurou analisar as deficiências do FSO, no caso de névoa o sinal pode ser atenuado, o que também pode ser ocasionado pela chuva bastante presente em nossa região. Com planejamento, sistemas FSO podem atender a uma gama de empresas que necessitem de serviços de telecomunicações com conectividade em alta velocidade, oferecendo baixo custo (aproximadamente 1/5 do custo de um sistema similar que utiliza fibra óptica) e em um curto período de tempo. Certamente o FSO constituirá, no futuro breve, uma boa alternativa tecnológica para de telecomunicações em nosso país. Referências [1] L. E. da S. Moura, et al. "Da viabilidade da tecnologia óptica no espaço livre". Revista de Ciência e Tecnologia. Piracicaba, v. 1, n. 1, [2] P. B. Harboe, "Free Space Optical Communication Systems: a feasibility study for deployment in Brazil". Journal of Microwaves and Optoelectronics, v. 3, n. 4, abr [3] I. I Kim, B. Mcarthur, Eric Korevaar, Comparison of LASER beam propagation at 785 nm and 1550 nm in fog and haze for optical wireless communications. San Diego [4] D. Johnson: Optical Through the Air Communications Handbook, [5] I. I. Kim, R. Stieger, J. Koontz, C. Moursund, M. Barclay, P. Adhikari, J. Schuster, and E. Korevaar, "Wireless optical transmission of Fast Ethernet, FDDI, ATM, and ESCON protocol data using the TerraLink laser communication system," Optical Engineering, Vol. 37, pp ,

16 Balanço de Potência FSO: Teste seu Entendimento 1. A tecnologia FSO (Free Space Optics) utiliza emissores e receptores de luz do tipo LASER para enviar informações através de: Fibras Ópticas. Guias de Ondas. Ar livre. Cabos de cobre. 2. Quais das alternativas abaixo representam algumas das vantagens apresentadas pela tecnologia FSO? Não requer licença de espectro RF. É de fácil atualização e suas interfaces abertas suportam equipamentos de vários fabricantes. É imune à interferência de freqüências de radio ou saturação. Pode ser posicionado atrás de janelas, eliminando a necessidade de telhados caros. Todas as anteriores. 3. Qual das alternativas abaixo não representa um componente a ser considerado no cálculo do Balanço de Potência de um enlace FSO? Perda devido ao raio de curvatura da Terra. Perda óptica no receptor. Perda devida a erros de alvo (ou alinhamento).perdas devido aos efeitos atmosféricos. Perdas devido aos efeitos atmosféricos. 16

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

Free Space Optics (FSO): Nova Versão de Software para Enlaces Ópticos

Free Space Optics (FSO): Nova Versão de Software para Enlaces Ópticos Free Space Optics (FSO): Nova Versão de Software para Enlaces Ópticos Este tutorial apresenta a continuação do estudo de um sistema de comunicação óptico tecnologicamente inovador, com lasers e receptores

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Capítulo 1. Introdução aos Sistemas de Comunicação Óptica em Espaço Livre

Capítulo 1. Introdução aos Sistemas de Comunicação Óptica em Espaço Livre 16 Capítulo 1 Introdução aos Sistemas de Comunicação Óptica em Espaço Livre 1.1. Introdução O recente interesse demonstrado pelas comunidades acadêmica e industrial internacionais nas comunicações ópticas

Leia mais

Estudos Teórico e Experimental da Viabilidade da Tecnologia Óptica no Espaço Livre

Estudos Teórico e Experimental da Viabilidade da Tecnologia Óptica no Espaço Livre Estudos Teórico e Experimental da Viabilidade da Tecnologia Óptica no Espaço Livre Theoretical and Experimental Feasibility Studies of the Free-Space Optical Technology LUCIANO EUGÊNIO DA SILVA MOURA Programa

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

5 Utilização de grafeno em domínio óptico

5 Utilização de grafeno em domínio óptico 84 5 Utilização de grafeno em domínio óptico 5.1 Introdução O presente capítulo descreve como o grafeno interage com o meio optico e destaca os procedimentos realizados para a introdução de grafeno em

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA THIAGO VIEIRA NOGUEIRA COELHO

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA THIAGO VIEIRA NOGUEIRA COELHO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA THIAGO VIEIRA NOGUEIRA COELHO ESTUDO DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO UTLIZANDO ÓPTICA NO ESPAÇO LIVRE Dissertação de Mestrado apresentada ao curso de Mestrado em Engenharia Elétrica

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Free Space Optics (FSO): Uso da tecnologia no Brasil

Free Space Optics (FSO): Uso da tecnologia no Brasil Free Space Optics (FSO): Uso da tecnologia no Brasil O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do José Francisco Meireles Aleixo Júnior para a etapa de classificação do II Concurso Teleco

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Fibra Óptica Mas afinal de onde veio essa ideia de transmitir dados no vidro? Isso é coisa de Extraterrestre! 1 O termo Fibra

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

3. Disponibilidade do FSO

3. Disponibilidade do FSO 3. Disponibilidade do FSO No capitulo 2 foram exibidos os diversos parâmetros que conformam o balanço de potência do FSO. Este capitulo do trabalho irá descrever a disponibilidade do enlace, oferecendo

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Análise do Enlace de Comunicação

Análise do Enlace de Comunicação Análise do Enlace de Comunicação Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Wireless Network: Comunicação sem fio

Wireless Network: Comunicação sem fio Wireless Network: Comunicação sem fio Objetivos: Identificar os tipos de redes sem fio e a utilização de cada uma delas. Descrever as técnicas de transmissão utilizadas. Descrever as características da

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos.

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos. Conceitos Básicos de Fibra Óptica (Módulo III) Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre Perdas e Tipos de Fibra Óptica. É o terceiro de uma série contendo conceitos básicos de fibra óptica preparada

Leia mais

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz,

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, Capítulo 1 1. INTRODUÇÃO AS FIBRAS ÓPTICAS 1.1 Histórico 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, através de uma experiência que consistia em injetar luz em um jato

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

EXERCÍCIOS Introdução

EXERCÍCIOS Introdução FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores REDES SEM FIO Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Introdução Belo Horizonte/MG 2015 1. A tecnologia

Leia mais

O REFLECTÔMETRO ÓPTICO. Funcionamento e aplicações

O REFLECTÔMETRO ÓPTICO. Funcionamento e aplicações O REFLECTÔMETRO ÓPTICO Funcionamento e aplicações Introdução Freqüentemente é necessário executar procedimentos de manutenção em redes utilizando cabos de par metálico ou fibra óptica para avaliar suas

Leia mais

2 Fundamentos de Propagação

2 Fundamentos de Propagação 15 2 Fundamentos de Propagação 2.1.Propagação em Espaço Livre As ondas de rádio em propagação são afetadas pela presença da terra e da atmosfera. Para enlaces de microondas ponto a ponto a camada da atmosfera

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Prof.: Roberto Franciscatto CRIMPANDO CABOS DE REDE Crimpagem de cabos de rede Valor aproximado R$ 50,00 CRIMPANDO CABOS

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Emprego Militar de Comunicação Óptica em Espaço Livre FSO

Emprego Militar de Comunicação Óptica em Espaço Livre FSO Emprego Militar de Comunicação Óptica em Espaço Livre FSO Braulio Fernando R. Sakamoto 1, Willian Fegadolli 2 e José Edimar Barbosa Oliveira 2 1 Centro Integrado de Guerra Eletrônica Rodovia Parque do

Leia mais

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2 Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt Ulbra Canoas - 2012-2 Apresentação Professor: Dissertação de Mestrado: Uma Plataforma para Integrar Dispositivos

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE Prof. MSc. Sandro M Malta Satélite Definição É chamado de satélite todo objeto que gira em torno de outro objeto. Ele é classificado em dois tipos: satélite natural satélite artificial.

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007).

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007). Antena Dipolo Planar O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Christian Pinheiro Garcias, do Edson dos Santos Souza e do Jean Almeida Cordeiro para a etapa de classificação do III Concurso

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais