Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 2004, 1.ª edição. Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 2004, 1.ª edição. Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português"

Transcrição

1 Ficha Técnica Título: Gestão de E-Bussiness Autor: Luís Martins Editor: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. Edifício World Trade Center, Avenida do Brasil, n.º 1-2.º, LISBOA Tel: ; Fax: / Entidades Promotoras e Apoios: Coordenador: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. e Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado Português e pela União Europeia, através do Fundo Social Europeu. Ministério da Segurança Social e do Trabalho. Ana Pinheiro e Luís Ferreira Equipa Técnica: Revisão, Projecto Gráfico, Design e Paginação: SBI Consulting Consultoria de Gestão, SA Avenida 5 de Outubro, n.º 10 8.º andar, , LISBOA Tel: ; Fax: sbi-consulting.com e-ventos CDACE Pólo Tecnológico de Lisboa Lote 1 Edifício CID Estrada do Paço do Lumiar LISBOA Tel Fax Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 2004, 1.ª edição GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português Todas as marcas ou nomes de empresa referidos neste manual servem única e exclusivamente propósitos pedagógicos e nunca devem ser considerados infracção à propriedade intelectual de qualquer dos proprietários.

2 Índice ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 EXERCÍCIOS CONTACTOS BIBLIOGRAFIA ACONSELHADA LISTA DE OUTROS RECURSOS PEDAGÓGICOS APRESENTAÇÕES / TRANSPARÊNCIAS GUIÃO DE APRESENTAÇÕES EXERCÍCIOS ANEXOS BIBLIOGRAFIA ACONSELHADA CONTACTOS ÚTEIS Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 2

3 Enquadramento ÁREA PROFISSIONAL Este manual enquadra-se no desenvolvimento de competências tecnológicas na área de gestão, nomeadamente no que toca à gestão de projectos de implementação de sistemas de informação. CURSO / SAÍDA PROFISSIONAL Todos os participantes poderão reunir competências no âmbito desta área e obter saídas profissionais a desempenhar funções de Gestor de ebusiness, Chief Information Officer, Gestão de Sistemas de Informação ou Gestor no Mercado das Novas Tecnologias, Telecomunicações ou em departamento relacionados com estes mercados. As competências adicionadas com este manual complementam igualmente a formação profissional em gestão, programação e redes, pelo que constituem um forte factor de diferenciação dos profissionais com estes conhecimentos. PRÉ-REQUISITOS Para frequentar uma acção auxiliada por este manual, deve ser colocado como pré-requisito alguma familiaridade com browsers, preferencialmente com o Internet Explorer, familiaridade com redes de computadores. O formando deve ter um projecto de comércio electrónico, negócio electrónico ou de gestão de conhecimento em implementação. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 3

4 A familiaridade com servidores web, como APACHE, bases de dados MySQL e ferramentas de planeamento de projecto (ex.ms Project) são factores preferenciais. COMPONENTE DE FORMAÇÃO Através deste manual poderão ser leccionado cursos como: Gestão de ebusiness Business Intelligence Application Service Providers A Formação a decorrer, tendo este manual como auxiliar, pretende criar competências ao nível de técnicas de datawarehousing, datamining e webmarketing para profissionais de empresas com interacção diária ao nível da gestão de informação. NÍVEL DE FORMAÇÃO/QUALIFICAÇÃO Esta acção está direccionada para participantes com nível 5, ou seja, possuidores de grau de bacharel ou licenciado ou equivalente, dentro da União Europeia. UNIDADES DE FORMAÇÃO E DURAÇÃO Introdução ao ebusiness (8h) ERP, B2B e eprocurement (8h) Business Intelligence (8h) Planeamento do enegócio (8h) ASP s e CRM (8h) Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 4

5 OBJECTIVOS GLOBAIS No final da formação, o formando deve estar apto a: Definir o impacto da tecnologia na cadeia de valor da sua empresa; Indicar múltiplos canais de acesso à Internet; Apontar as diferenças e constrangimentos para o utilizador, em cada um dos acessos referidos; Definir Business Intelligence; Definir Datawarehouse; Identificar várias necessidades para a criação de um datawarehouse na empresa; Analisar e sugerir diversas arquitecturas de datawarehouse, consoante o caso; Distinguir entre Datawarehouse e Datamart; Definir DataMining Distinguir vantagens e desvantagens entre as diversas ferramentas de DataMining disponíveis no mercado; Apontar os principais problemas na implementação de um projecto de CRM numa empresa; Apontar os principais constrangimentos na implementação de um ERP; Planear metodicamente a implementação de um projecto de website na sua empresa. Adaptar a utilização de Application Service Providers como fonte de redução de custos para a sua empresa. CONTEÚDOS TEMÁTICOS Introdução ao ebusiness Enquadramento Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 5

6 Conceitos e Protocolos Participantes no ebusiness ERP, B2B e eprocurement Gestão Integrada e B2B eprocurement Mercados Internacionais Business Intelligence Definição de Business Intelligence Aplicações de Business Intelligence Definição de Datawarehouse Segurança de dados num Datawarehouse Distinção entre Datawarehouse e Datamart Definição de Datamining KDD (Knowledge Discovery in Databases) Planeamento do enegócio Enquadramento do Empreendedor Plano de Negócio Planeamento de websites ASP s e CRM O que é uma ASP Vantagens e desvantagens competitivas das ASP CRM Implementação de CRM Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 6

7 PLANIFICAÇÃO TEMÁTICA Conteúdos Organização das Actividades Estratégias/ Actividades Recursos Calendarização Sugestões de Avaliação Individualmente O Formador deverá fomentar o espírito Manual, Avaliação preliminar crítico na apresentação de novos quadro, quantitativa conceitos, de forma a conciliar a área técnica com a área de negócio. datashow, flipchart, - Exercícios 1. Introdução ao ebusiness Esta é uma fase mais expositiva e o formador deve privilegiar o debate e esclarecimento de dúvidas basilares dos formandos O Formador deve promover o debate de ideias, sobretudo em relação à temática do planeamento de sucesso computador, ligação à Internet. Software: Windows 2000 ou superior, Browser (IE5 Recomenda-se uma observação cuidada da dinâmica do grupo, de forma a identificar líderes e necessidades específicas em cada formando. de negócio. +) Recomenda-se ainda É essencial para o decurso da uma análise do nível Grupo formação que a área técnica e a área de negócio encontrem as suas técnico dos formandos, de forma clivagens e as debatam. 1ª sessão a definir o tipo de exercícios a aplicar Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 7

8 Conteúdos Organização das Actividades Estratégias/ Actividades Recursos Calendarização Sugestões de Avaliação O Formador: deve sempre recorrer a Manual, Avaliação diária de Individualmente exemplos práticos, na explanação de todas as matérias. A exemplificação de quadro, datashow, desempenho na aula e nos trabalhos de cada um dos sistemas propostos, bem flipchart, grupo. como do modelo de negócio business computador, to business, deve ser apresentada, ligação à 2. tendo em conta o recurso de Powerpoint respectivo. Internet. Sugere-se Método Interrogativo e ERP, B2B e e- Procurement Tendo em conta a análise prévia, o formador deve insistir ou relegar para segundo plano os conceitos técnicos ou de negócio. Software: Browser (IE5 +) apresentações como vectores de avaliação qualitativa; exercícios como vectores de avaliação quantitativa. A discussão da necessidade de sistemas de Gestão integrada, bem como os exercícios de eprocurement, devem ser os mais evidenciados. Grupo 2ª sessão Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 8

9 Conteúdos Organização das Actividades Estratégias/ Actividades Recursos Calendarização Sugestões de Avaliação Individualmente O Formador: deve sempre recorrer a Manual, Avaliação diária de exemplos práticos, na explanação de quadro, desempenho na todas as matérias. Estes exemplos datashow, aula e nos práticos deverão ser, sempre que flipchart, trabalhos de grupo. possível, sites ligados à experiência computador, profissional de um ou mais dos ligação à formandos. Internet. Avaliação qualitativa 3. Devem ser debatidas as várias Software: constante da dinâmica de grupo. Business Intelligence Em Grupo arquitecturas de datawarehouse, segundo situações propostas tanto pelos exercícios como pelo formador. A opção por DataMarts por parte de Grandes empresas deve igualmente ser esclarecida, pois essa explica a principal diferença entre Datawarehouses e Datamarts. Browser (IE5 +) 3ª sessão Aplicação de exercícios e avaliação quantitativa de conhecimentos através destes. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 9

10 Conteúdos Organização das Actividades Estratégias/ Actividades Recursos Calendarização Sugestões de Avaliação Individualmente O Formador: deve sempre recorrer a Manual, Acompanhamento do exemplos práticos, na explanação de quadro, preenchimento dos todas as matérias. Deverá sempre datashow, espaços em branco abordar casos práticos em cada ponto flipchart, do capítulo. de design ou usabilidade focados. A análise de websites de empresas dos participantes da formação pode ser computador, ligação à Internet. Apresentação, por parte dos formandos, de cada um dos 4. Planeamento do enegócio uma grande mais-valia. Software: Browser (IE5 +) negócios, tendo em conta modelos de negócio e de receita subjacentes. O preenchimento, por parte dos formandos, dos espaços em branco constantes neste capítulo poderá contribuir para uma percepção mais Grupo real das necessidades latentes no empreendimento de um e-business. 4ª sessão Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 10

11 Conteúdos Organização das Actividades Estratégias/ Actividades Recursos Calendarização Sugestões de Avaliação Individualmente O Formador deve motivar os Manual, Avaliação da formandos, mesmo aqueles sem quadro, interacção com conhecimentos técnicos, para esta datashow, outros formandos. 5. ASP s e CRM actividade. O resultado final será extremamente útil para todos os participantes. O Formador deve fomentar a ajuda mútua entre formandos, não deixando de focar o trabalho numa perspectiva individual. flipchart, computador, ligação à Internet. Software: Browser (IE5 Avaliação da capacidade de adaptação e aplicação de novos conceitos, sobretudo técnicos. É importante, nesta altura, concentrar +), os esforços dos formandos na análise Groupmail crítica das vantagens competitivas de (www.infacta ASP s e sistemas de CRM..com) Deve ainda o formador privilegiar interacções individuais, de forma a preparar os fundamentos para a sua 5ª sessão avaliação quantitativa do formando. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 11

12 PERFIL DO FORMADOR O Formador que irá monitorizar uma acção decorrente deste manual deverá possuir: Certificação Pedagógica enquanto Formador Profissional ou equivalente; Conhecimento aprofundado e comprovado de gestão de informação, gestão de bases de dados, implementação de datawarehouses ou de ferramentas de DataMining. Para uma formação avançada, o conhecimento de algoritmos de pesquisa como redes neurais e árvores de decisão é igualmente ponto forte num formador. CONJUNTO DE INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Os critérios de avaliação mais significativos para esta formação são: Assiduidade e Pontualidade Assertividade Interesse demonstrado Conhecimentos Adquiridos Conhecimentos integrados no seu desempenho profissional. A avaliação poderá ser efectuada através de: Qualitativa Trabalhos de Grupo Role-Plays Jogos Didácticos Apresentações Participação Respostas (Método Interrogativo) Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 12

13 Quantitativa Testes Trabalhos práticos individuais Autoscopia Resolução da Totalidade de Actividades / Exercícios ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS Propõe-se que seja sempre privilegiado o método interrogativo ao método expositivo, de forma a envolver todos os participantes na formação. Entendemos o método expositivo como aquele em que a comunicação é unidireccional e não se motiva a participação dos estudantes Entendemos método interrogativo como aquele em que existe uma troca de perguntas-respostas entre a audiência e o formador. É recomendado, sempre que possível, exercícios recorrendo ao uso da Internet e da visita a sites de comércio electrónico, mais especificamente, como forma de motivar os formandos para a matéria em mãos. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 13

14 Exercícios EXERCÍCIOS INICIAIS 1. Roleplay WWW vs. Internet OBJECTIVOS: Estabelecer e consolidar as diferenças entre WWW e Internet. Ice Breaker. EXERCÍCIO: Este exercício visa simular uma situação abstracta, onde advogados da WWW defendem que esta pode sobreviver perfeitamente sem a Internet, enquanto outros defendem exactamente o contrário. Devem ser criados grupos de 3 advogados para cada lado. Este exercício visa sobretudo proporcionar conhecimento entre os formandos, da sua dinâmica interna. SOLUÇÃO: Em termos absolutamente técnicos, a WWW nunca subsistirá sem a Internet, pois a Intranet é o sustentáculo de conectividade da Web. Contudo, o exercício serve sobretudo para testar a capacidade de argumentação dos formandos, quem são os líderes e quem permanece calado, na discussão. Serve igualmente de Ice-breaker, para informalizar o contacto, e para evidenciar a inutilidade da tecnologia sem o conteúdo que é veiculado através dela. 2. Enterprise Resource Planning OBJECTIVOS: Este exercício visa aplicar os conhecimentos de detecção e análise de possíveis necessidades de gestão integrada na empresa. EXERCÌCIO: A empresa Áxis possui um armazém de bens em Valladolid e vende em 50 pontos da península ibérica equipamento de mergulho. Neste momento, existe uma lista de espera de clientes para a aquisição de óculos de mergulho, bem como um stock acumulado e parado de três marcas de botijas. A loja de Barcelona adoptou uma estratégia de venda porta-a-porta, enquanto as lojas de Lisboa, Faro e Huelva lançaram o seu negócio online. Quais os potenciais desafios para a gestão na situação descrita? Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 14

15 SOLUÇÃO: A Gestão integrada ajudaria a: Realizar previsões de fluxos de stocks e impedir assim listas de espera; Pelo mesmo motivo, rentabilizar o espaço de armazém nos três produtos com stock parado; Não existe uma estratégia comercial concertada logo, não existe uma comunicação única; A criação de várias lojas online, ao invés de uma única, causará uma maior dispersão dos dados. A Gestão integrada poderia ajudar a prever e a concentrar esta medida; Os resultados das várias estratégias adoptadas não são comparados e serão dificilmente comparáveis, ao contrário de uma situação onde houvesse um sistema integrado. 3. Datawarehouse vs. Datamarts OBJECTIVOS: Estabelecer uma distinção clara entre o conceito de Datawarehouse e DataMart e sua aplicabilidade prática. EXERCÍCIO: Cada formando deverá realizar uma apresentação, com um Powerpoint de 10 slides, onde deverá dar a conhecer a opção da sua empresa, a motivação e as razões para optarem por uma estratégia de implementação de Datawarehouse ou DataMart. SOLUÇÃO: A opção de DataMart será, decerto, a preferida pelos seus formandos, que nela verão a possibilidade de, gradualmente, apresentar as vantagens da Gestão da Informação à chefia, sem incorrer em grandes custos. Para além disso, o processo de implementação de um DataMart será sempre mais fácil, tendo em conta que está disperso pelo tempo e, assim, garante uma maior disponibilidade dos seus gestores para controlar excepções. Contudo, deverá frisar que um Datawarehouse comporta custos menores e é um processo único, eliminando muitos dos erros possíveis, e que a empresa passaria imediatamente a beneficiar das vantagens de ter dados centralizados. Serve a apresentação para colocar os formandos em contacto com a simbologia mais utilizada na indústria 4. Actividade de Grupo Bilhetes LusoMundo (ver apresentação de apoio) OBJECTIVOS: Os formandos devem adquirir, com este exercício, o conceito prático de ebusiness, enquanto conceito integrador no Negócio e não o Negócio em si. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 15

16 EXERCÍCIO: Tendo em conta o sistema de bilhética online utilizado pelos cinemas LusoMundo através do seu site e de sites parceiros, quais os impactos a nível operacional e estratégico desta funcionalidade web? SOLUÇÃO: 1) Operacional: compra do bilhete é realizada online, pelo que o balcão já não necessita de tantos operacionais redução de custos; Interacção necessária com Unicre a nível de pagamento com MBNET e Cartões de Crédito; criação de terminais ópticos na entrada dos cinemas. 2) Estratégico: maior diversidade, maior comodidade e maior segurança à disposição do cliente permitem um enfoque comercial e de marketing. Redução de pessoal através da automatização garantida pela funcionalidade self-service; Pagamento é efectuado via cartão de crédito, evitando problemas de fraude nos pagamentos. A centralização de dados permite um maior acompanhamento dos comportamentos de consumo do cliente, de forma a melhorar a comunicação com ele. 5. O que é um ASP? OBJECTIVOS: Os formandos devem adquirir, com este exercício, o conceito de ASP (Application Service Provider), bem como de distinguir as vantagens e desvantagens deste. EXERCÍCIO: O formando deve analisar individualmente os seguintes sites: E identificar as virtudes e defeitos, para o seu negócio, da utilização indicada. SOLUÇÃO: Neste exercício, importa que o formando siga unicamente as instruções do formador e entre em contacto com as aplicações e suas principais funcionalidades de igual forma, é importante que, na análise realizada, se evidenciem as vantagens em termos de custos fixos e de manutenção e desvantagens ao nível da integração da informação e de dependência da empresa em relação aos serviços de um fornecedor. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 16

17 EXERCÍCIOS INTERMÉDIOS. 6. Projecto Canal de Crianças (Ver apresentação de apoio) OBJECTIVO: Os formandos devem identificar, no final deste exercício, as forças e fraquezas deste projecto, através de uma análise SWOT. Dessa forma, poderão aperceber-se de quais os factores comerciais decisivos nas apresentações a realizar a potenciais clientes ou patrocinadores. EXERCÍCIO: Ver apresentação Canal de Crianças.ppt SOLUÇÃO: 1. Objectivos Estratégicos da empresa, ao abrir este canal de crianças, estão em: Fidelizar o público-alvo com idade entre 5-15 anos Criar um veículo publicitário, que viabilize de novas e diferentes formas o PORTAL; Complementar a oferta familiar disponível. Criar serviços de valor acrescentado 2. Elabore uma análise SWOT Forças: Fraquezas: Portal com marca estabelecida; Capacidade de comunicação em massa; Experiência na Internet; Experiência de outros na Internet, a partir dos quais é possível extrair observações importantes, através de Benchmarking. Público muito selectivo e pouco fiel; Critérios de utilização e de usabilidade diversos dos utilizados em outros canais; Dependência do modelo de receita publicitário. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 17

18 3. Pontos fortes comerciais Capacidade de segmentar o público a comunicar, o que inevitavelmente torna a comunicação mais eficaz; Um patrocinador poderá permitir que a sua marca esteja sempre presente junto dos utilizadores do Portal; Este espaço poderá ser um óptimo laboratório de testes a novos produtos ou serviços do patrocinador, junto do seu público. 7. e-reader (Ver apresentação de Apoio) OBJECTIVO: O objectivo deste exercício está em os formandos identificarem os factores críticos de sucesso, através de uma análise cuidada dos vários aspectos do negócio. EXERCÍCIO: Ver e-reader.ppt Cada formando deve apresentar as suas questões por escrito. SOLUÇÃO: Rápida divulgação do ereader Conteúdos interessantes e diversificados disponíveis à partida. Usabilidade e facilidade no interface. 8. Data Quality OBJECTIVO: Os formandos devem adquirir, com este exercício, o hábito de standardizarem registos, mediante a função e formato de cada um deles na base de dados. EXERCÍCIO: Tendo em conta os departamentos de contabilidade (informações em formato XLS), de logística (EDI), de Recursos Humanos (DOC) e a informação decorrente do servidor web (LOG e XML), o formando deve desenhar e apresentar à turma uma arquitectura onde a informação esteja centralizada num datawarehouse ou DataMart. SOLUÇÃO: É importante, neste exercício, para o formando dominar o conceito de MediaWare, mediação de dados e meta dados. Estes últimos devem estar contemplados no desenho da referida arquitectura, bem como se a opção é pela criação de DataMarts ou Datawarehouses. A opção correcta, neste caso, deverá ser o Datawarehouse, tendo em conta que a multiplicidade de dados impediria que dados em dois ou mais DataMarts pudessem ser facilmente cruzados, caso se pretendesse. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 18

19 9. Implementação de CRM OBJECTIVO: Os formandos devem adquirir, com este exercício, método de resolução de problemas na implementação de um sistema de CRM na empresa. EXERCÍCIO: Tendo em conta três situações fictícias, os formandos devem, individualmente, propor soluções e discuti-las: 1) Equipa comercial não é consultada na fase inicial e inicia um rol de queixas à Direcção de Recursos sobre como já não conseguem ter tempo para os seus contactos comerciais e como as vendas têm caído, juntamente com as suas comissões; 2) Equipa Técnica queixa-se de abuso de pesquisas por parte da equipa de Marketing, sobretudo pela solicitação constante de pesquisas na BD por parte desta à equipa técnica, o que lhe retira tempo para as suas tarefas quotidianas. 3) Poucos são os funcionários da empresa que realmente utilizam o sistema de CRM SOLUÇÃO: 1) Deve ser dado um incentivo à equipa comercial para a inserção da informação no sistema (fundamental) e negociar directamente com estes alterações possíveis à aplicação de CRM, numa segunda fase. 2) A equipa de Marketing deve estabelecer os modelos das análises pretendidos, de forma a padronizar e a permitir automatismos, por parte da equipa técnica. 3) Deve ser leccionada uma formação e distribuído material de apoio, que expliquem e envolvam as equipas no processo de CRM. É importante, em cada apresentação, não insistir no planeamento a priori, tendo em conta que o exercício pressupõe uma implementação já realizada. 10. Layout de site OBJECTIVO: Os formandos devem adquirir, com este exercício, o hábito de analisarem e avaliarem a cadeia de valor de um negócio, bem como a valência de um site no negócio. EXERCÍCIO: Tendo em conta três sites (à escolha do formador), deve o formando indicar potenciais problemas no layout de cada um dos sites, mediante as regras abordadas ao longo do manual. SOLUÇÃO: Deve ser o formador a escolher os sites a analisar, tendo em conta a variação constante que o design e layout de sites sofre ao longo do tempo. Deve privilegiar análises às várias peças de design constantes num layout de Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 19

20 site, bem como regras de usabilidade. É importante que o formador, teste inicialmente, a priori, os sites a analisar, de forma a obter a solução devida. EXERCÍCIOS AVANÇADOS. 11. Marketplaces de Serviços OBJECTIVO: Os formandos devem adquirir, com este exercício, aliar a prática do BenchMarking a uma gestão de sucesso, permitindo-lhes ainda verificar a importância de fontes externas para uma gestão integrada de sucesso. EXERCÍCIO: Cada formando deve analisar os seguintes sites: E identificar os factores críticos de sucesso. SOLUÇÃO: Comuns: Necessidade de angariar projectos Necessidade de credibilizar todos os profissionais participantes da bolsa de trabalhadores Necessidade de angariar um modelo de receitas credível Falta de segmentação leva a descoordenação na comunicação Necessidade de melhoria da usabilidade presente em cada um Segmentação ao público nacional limita utilização internacional Necessidade de maior automatização nas funcionalidades web disponíveis. Limitado a profissionais de formação Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 20

21 12. Perdidos no ebusiness (Ver Apresentação de Apoio) OBJECTIVO: A estruturação do processo de planeamento de gestão em ebusiness é aqui privilegiada, permitindo que os formandos possam encaixar todos os passos referidos na formação num único processo. EXERCÍCIO: Ver documento anexo Perdidos no ebusiness.doc. O debate deve ser promovido, na correcção, através do método interrogativo, de forma a esclarecer as possíveis dúvidas que os formandos possam ter. SOLUÇÃO: Ver documento anexo Perdidos no ebusiness.doc. 13. Arquitecturas de Datawarehouse OBJECTIVO: Os formandos devem adquirir, com este exercício, o hábito de analisar as condições presentes na empresa e de sugerir soluções técnicas para problemas de negócio. EXERCÍCIO: Cada formando deve escolher uma arquitectura de Datawarehouse (em pirâmide ou top-down) e apresentá-la aos seus colegas, explicando as razões da escolha. SOLUÇÃO: Não existe uma solução pré-definida, tendo em conta que este exercício depende da experiência de cada profissional. Deve-se ter sempre em conta as características de cada arquitectura referenciada no manual do formando, como vectores da justificação da arquitectura proposta. 14. B2emp OBJECTIVO: Os formandos devem aplicar, com este exercício, a noção do modelo de negócio B2Emp (Business-to-employee) no âmbito da sua empresa, numa lógica de ebusiness integrada no seu negócio. EXERCÍCIO: Os formandos devem analisar os sites: E apresentar as potenciais mudanças que cada um deles pode infligir na estrutura de processos de trabalho estabelecida. SOLUÇÃO: Não existe uma solução pré-definida, tendo em conta que este exercício depende da experiência de cada profissional. Deve-se ter sempre em conta as características de cada empresa, como vectores da justificação da arquitectura proposta. Contudo, genericamente, aqui ficam alguns exemplos orientadores para o formador: Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 21

22 possibilidade de teletrabalho facilitada, em caso de doença súbita; acesso facilitado a informação comercial e de cliente; a partir de um acesso móvel. computação distribuída; gestão de projecto de teletrabalho; gestão de e-teams; elearning e Formação à Distância; Apresentações remotas; reuniões virtuais e em teleconferência. 15. eprocurement prático OBJECTIVOS: Os formandos devem adquirir, com este exercício, a noção de modelo de negócio B2B e de como este pode representar uma oportunidade para a redução de custos para empresas, bem como de aumento de receitas. EXERCÍCIO: Os formandos devem pesquisar e encontrar dez fornecedores de telemóveis e dez fornecedores de grão, utilizando a seguinte lista de sites: ng.htm Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 22

23 SOLUÇÃO: O Formador deverá verificar a disponibilidade, na altura da formação, dos produtos e quantidades solicitadas nos marketplaces referidos, dado que é possível que estes se alterem. Contudo, à altura da redacção deste texto, poderão ser encontrados fornecedores para todos estes produtos nas ofertas de Buy do Alibaba.com e do EcPlaza.net. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 23

24 Contactos INTRODUÇÃO AO E-BUSINESS NovaBase Tel Fax Correio Electrónico: Alta Lógica Tel Fax Correio Electrónico: ERP, B2B E E-PROCUREMENT Tradecom Tel Correio Electrónico: Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 24

25 BizDirect Tel Tel Correio Electrónico: BUSINESS INTELLIGENCE Datawarehouse.com Tel Correio Electrónico: Nome de Responsável: Shawn Rogers Datawarehouse Brasil Correio Electrónico: PLANEAMENTO DO E-NEGÓCIO Advantis Tel Fax Correio Electrónico: Nome de Responsável: Dr. Franco Figueira, Director Comercial Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 25

26 DataMining.com Correio Electrónico: ASP S E CRM Claritas Portugal Precision Marketing Tel Fax Correio Electrónico: TecniData Tel Fax Correio Electrónico: Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 26

e-ventos CDACE Pólo Tecnológico de Lisboa, Lote 1 Edifício CID Estradado Paço do Lumiar, 1600 546 LISBOA

e-ventos CDACE Pólo Tecnológico de Lisboa, Lote 1 Edifício CID Estradado Paço do Lumiar, 1600 546 LISBOA Ficha Técnica Título: Marketing de Serviços Autor: Luís Martins Editor: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. Edifício World Trade Center, Avenida do Brasil, n.º 1-2.º, 1749 008 LISBOA Tel: 217

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social DISCIPLINA Controlo Informático da Gestão LICENCIATURA Informática

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda, 2004, 1.ª edição. Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda, 2004, 1.ª edição. Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português Ficha Técnica Título: Comércio Electrónico Autor: Luís Martins Editor: Companhia Própria Formação e Consultoria, Lda. Edifício World Trade Center, Avenida do Brasil, n.º 1-2.º, 1749 008 LISBOA Tel: 217

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal.

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. Adoptada por diversas empresas líderes de mercado em vários sectores

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas Programa da Unidade Curricular Gestão de Sistemas de Informação I

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development luanda www.letstalkgroup.com 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE Gestão da Formação 14

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação

2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ FMH - Instituto de Motricidade Humana 2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação Conceitos SI II - 1 Agenda O Impacto do Computador na Sociedade

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: NOVAS TENDÊNCIAS EM CONTABLIDADE DE GESTÃO Semestre 1º ECT s 6 Área Científica: Docente: CONTABILIDADE HUMBERTO RIBEIRO

Leia mais

E-Business (Opção) vários cursos 1º Ciclo 2012/2013. Fernando Angelino e Sandrina Berthault Moreira. Obrigatória Opcional

E-Business (Opção) vários cursos 1º Ciclo 2012/2013. Fernando Angelino e Sandrina Berthault Moreira. Obrigatória Opcional E-Business (Opção) vários cursos 1º Ciclo 2012/2013 PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Responsável: Docente: Sandrina Berthault Moreira Fernando Angelino e Sandrina Berthault Moreira Duração: Tipo: Carga Horária:

Leia mais

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto Os Sistemas de Informação nas PME s José Pinto José Ângelo Costa Pinto Licenciado em Gestão Empresas Pós-Graduação em Sistemas de Informação (PM) Pós Graduação em Economia e Gestão Mestre em Sistemas de

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Identificar um Sistema de Gestão da Formação Online; Analisar as diversas

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Marketing e Publicidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Competitividade, Planeamento e Controlo nos Serviços de Saúde MESTRADO

Leia mais

Big enough to do the job small enough to do it better!

Big enough to do the job small enough to do it better! Big enough to do the job small enough to do it better! Conteúdos 1 Competências 2 Case studies 3 Quero mais Competências > Assistência Informática > Outsourcing > Web ' ' Webdesign Hosting Email ' Webmarketing

Leia mais

F M H. Sistemas de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. X - Mestrado Gestão do Desporto OBJECTIVOS:

F M H. Sistemas de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. X - Mestrado Gestão do Desporto OBJECTIVOS: X - Mestrado Gestão do Desporto F M H Sistemas de Informação SISTEMAS DE INFORMAÇÃO OBJECTIVOS: Clarificar os conceitos e definições fundamentais associadas aos sistemas de informação; Apresentar as diferentes

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem uma

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento 1 Gestão do conhecimento Inteligência empresarial Aproveitar o saber-fazer organizacional Apoio ao desempenho Interacção com as bases de dados operacionais Construção de redes periciais Criação, partilha

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8

Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8 Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

Como tornar o seu. Maribel Yasmina* Isabel Ramos*

Como tornar o seu. Maribel Yasmina* Isabel Ramos* Os sistemas de Business Intelligence são imprescindíveis a decisores dinâmicos e motivados para aproveitar as oportunidades que uma sociedade em transformação rápida pode oferecer Maribel Yasmina* Como

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ARCHICAD 15 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ARCHICAD 15 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ARCHICAD 15 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Archicad 15. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER No final da formação o formando deverá ser capaz de criar a simulação de um edifício

Leia mais

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha:

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha: Projecto GTBC Portugal: Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 2º 1000-081 Lisboa Tel.: +351 217 921 920 Fax: +351 217 921 929 www.gtbc.pt info@gtbc.pt Espanha: CalleAtocha, 20, 2ªIzq 28012 Madrid Tel.: +34

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 New Standards for Business SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 Quem Somos A SCORE INNOVATION é uma empresa que tem como objecto social a prestação de serviços em consultoria,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

[Formação Avançada em Marketing Digital para PME s Como gerar oportunidades de negócio através da Internet] Reprodução Proibida

[Formação Avançada em Marketing Digital para PME s Como gerar oportunidades de negócio através da Internet] Reprodução Proibida ENQUADRAMENTO O QUE É O MARKETING DIGITAL? O Marketing Digital é a utilização das novas tecnologias como as redes sociais, os blogs, os podcasts, os sites de partilha de vídeo e outros media digitais para

Leia mais

Sistemas de Informação na Organização

Sistemas de Informação na Organização Sistemas de Informação na Organização Tipos de Sistemas de Informação TPS, KMS, MIS, DSS, ESS Perspectiva funcional dos SI Exemplos Perspectiva dos processos de negócio CRM SCM ERP Sistemas de Informação

Leia mais

DR. MARCOS SOUSA. www.highskills.pt geral@highskills.pt Telf: 00351 217 931 365 ou 00244 94 112 60 90

DR. MARCOS SOUSA. www.highskills.pt geral@highskills.pt Telf: 00351 217 931 365 ou 00244 94 112 60 90 DR. MARCOS SOUSA Índice Designação do Curso... 2 Duração Total do Curso de Formação... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objetivo Geral... 2 Objetivos Específicos... 2 Estrutura

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Negociação comercial Saber negociar com eficácia

Negociação comercial Saber negociar com eficácia Executive Revolution Programs Negociação comercial Neste curso serão abordadas as melhores práticas de negociação aplicadas para a rentabilidade das empresas. Porquê fazer este curso? O mundo actual é

Leia mais

Your Partner for a Safe IT Operation

Your Partner for a Safe IT Operation Your Partner for a Safe IT Operation is Integrated Systems AG Öschlestrasse 77 78315 Radolfzell Germany Tel. +(49) (0) 7732/9978 0 Fax +(49) (0) 7732/9978 20 info@integratedsystems.de www.integratedsystems.de

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004 AberdeenGroup O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo Agosto de 2004 Aberdeen Group, Inc. 260 Franklin Street Boston, Massachusetts 021103112 USA Telefone: 617 723 7890 Fax: 617 723 7897 www.aberdeen.com O

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral Sistemas de Apoio à Decisão Vocabulário e conceitos Vista geral Decisão A escolha de uma entre várias alternativas Processo de tomada de decisão (decision making) Avaliar o problema Recolher e verificar

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

CURSO DE DATAWAREHOUSE TRABALHO FINAL

CURSO DE DATAWAREHOUSE TRABALHO FINAL CURSO DE DATAWAREHOUSE TRABALHO FINAL GRUPO I &- COMMERCE 1 REVISÃO 2 1/6/2000 Foram revistos os itens : Introdução Problemas e soluções propostas REVISÃO 3/4 19/6/2000 E 27/04/2000 versão final Foram

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR DATA MINING - EXTRAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE CONHECIMENTO.

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR DATA MINING - EXTRAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE CONHECIMENTO. INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR DATA MINING - EXTRAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE CONHECIMENTO. Lúcia Helena de Magalhães 1 Márcio Aarestrup Arbex 2 Resumo Este artigo tem

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO. Prof. Doutora Maria José Silva

COORDENAÇÃO DO CURSO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO. Prof. Doutora Maria José Silva COORDENAÇÃO DO CURSO Prof. Doutora Maria José Silva PORQUÊ O CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO? Numa realidade onde a transposição do conhecimento científico e tecnológico gerado

Leia mais

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE LINKEDIN FACEBOOK TWITTER GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE PAY PAL SEO UNICRE 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE ACTUALIZE O SEU SITE VENDAS ONLINE MARKETING ONLINE A PLATAFORMA GCM

Leia mais

Revolução digital Da estratégia à gestão do risco

Revolução digital Da estratégia à gestão do risco Revolução digital Neste curso serão abordadas as melhores práticas a adoptar, da estratégia à gestão de risco, perante os desafios dos diferentes meios digitais. Porquê participar neste curso? O impacto

Leia mais

O Franchising City School

O Franchising City School O Franchising City School O negócio da City School é a formação Profissional. A formação de línguas e informática na óptica do utilizador são uma componente essencial dos produtos City School. A formação

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2008/2009 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Profª Ana Lucas (Responsável) Mestre Cristiane Pedron

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Marketing de Serviços

Marketing de Serviços Marketing de Serviços Distribuição de Serviços 1 Objectivos Discutir as formas de distribuição de serviços e os seus desafios Avaliar as implicações da distribuição de serviços através de canais físicos

Leia mais

Candidatar-se como Microsoft Certified ou Gold Certified Partner Guia de inscrição passo-a-passo

Candidatar-se como Microsoft Certified ou Gold Certified Partner Guia de inscrição passo-a-passo Candidatar-se como Microsoft Certified ou Gold Certified Partner Guia de inscrição passo-a-passo O Microsoft Partner Program oferece três níveis de programa Registered Member, Microsoft Certified Partner

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fotografia Digital e Pós-produção de imagem. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER O "Curso de Fotografia

Leia mais

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC 1999/2000 Cap. 6. As etapas do projecto 1 6.1. As etapas básicas CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO IDEIA!!! FORMULAÇÃO ANÁLISE DE VIABILIDADE DECISÃO PLANIFICAÇÃO EXECUÇÃO

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos

MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objetivo Geral... 2 Objetivos Específicos...

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

ECTS Total Horas de contacto semestral 4 T TP PL TC S E OT 6 60 10 20 30. Jorge Miguel Calha Rainho Machado/jmachado@estgp.pt

ECTS Total Horas de contacto semestral 4 T TP PL TC S E OT 6 60 10 20 30. Jorge Miguel Calha Rainho Machado/jmachado@estgp.pt Ano Lectivo 2008/09 Curso Engenharia Informática Unidade Curricular Arquitecturas Tecnológicas dos Sistemas de Informação (6º Semestre) Objectivos gerais da Unidade Curricular 1 O objectivo desta unidade

Leia mais

O que é a Rede Gestus?

O que é a Rede Gestus? O que é a Rede Gestus? A Rede Gestus é uma união estratégica que tem em vista a revitalização e dinamização do comércio local das zonas de Bragança, Chaves e Viseu. A Rede destina-se às Pequenas e Médias

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 COMMERCIAL & MARKETING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

ALTA PERFORMANCE NAS VENDAS

ALTA PERFORMANCE NAS VENDAS Pós-Graduação ALTA PERFORMANCE NAS VENDAS [ Pós-Graduação na Área Comportamental e Inteligência Emocional ] 9ª Edição Atribuição de créditos (ECTS) a todas as unidades curriculares. Processo de Bolonha

Leia mais

Programa Futuro Connosco. Para empreendedores à procura de uma oportunidade

Programa Futuro Connosco. Para empreendedores à procura de uma oportunidade Programa Futuro Connosco Para empreendedores à procura de uma oportunidade Quer integrar uma rede de negócios de sucesso, com presença em vários mercados? Na conjuntura empresarial atual, associar-se a

Leia mais

15 de Junho a 7 de Julho Lisboa MOTIVAÇÃO Conhecer a informação que utilizamos diariamente, os seus processos de gestão e procedimentos directamente com ela associados, constituem formas de melhor compreendermos

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário A Internet: Modelos de Negócio, Publicidade e Meios

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução GUIA PEDAGÓGICO Introdução O objectivo deste documento é ser um condutor para os formandos que frequentam os cursos em elearning ministrados através da plataforma NetForma. Os cursos serão sempre orientados

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais