Internet e Programação Web 1 Técnico Prof. Cesar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Internet e Programação Web 1 Técnico Prof. Cesar"

Transcrição

1 COLÉGIO ESTADUAL PEDRO MACEDO Ensino Profissionalizante Internet e Programação Web 1 Técnico Prof. Cesar

2 INTRODUÇÃO A apostila tem como objetivo auxiliar os alunos no entendimento a origem da internet, seu funcionamento. Aprimorar a navegação, seja ela em qualquer navegador, na buscas e comunicação. Proporcionar ao aluno estudo dos conceitos e serviços oferecidos pela Internet, não apenas para ser um simples usuário da mesma, mas sim, mostrando a grande utilidade como meio de comunicação, transmissão e compartilhamento de dados e informações. Auxiliar os alunos a uma vivencia diretamente com a interface, criação de contas de . Conceituar e elaborar layouts para web. Introdução desenvolvimento web. INDICE 1 - Navegadores Mecanismo de busca Correio eletrônico Fórum de discussão Layout, desenvolvimento e design Introdução ao HTML

3 1 - Navegadores Um navegador é um software usado para visualizarmos as páginas da web. È atraves da janela do seu navegador que você visualiza o conteúdo da rede. Um navegador, também conhecido pelos termos ingleses web browser ou simplesmente browser, é um programa de computador que habilita seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet, também conhecidos como páginas da web. Os primeiros navegadores continham apenas texto depois de algum tempo foi aperfeiçoada. Com o advento da Internet, ampliou-se o campo da informação. A Internet é uma grande teia ou rede mundial de computadores. Para utilizarmos todos os recursos disponíveis nesta imensa ferramenta de informação, necessitamos de um software que possibilite a busca pela informação e para isso temos o Navegador. Exemplo de navegadore modo texto: * ELinks * Lynx * w3m * Links * Netrik Há vários tipos de navegadores diferentes, mas todos têm características muito semelhantes. Nós iremos ver as operações básicas do navegador Mozilla Firefox nesta lição, mas se você utiliza outro navegador, verá que as funções são bem 3

4 semelhantes. O navegador Mozilla Firefox pode ser baixado gratuitamente neste link externo aqui (http://br.mozdev.org/ ). Você pode conhecer a interface do navegador Mozilla Firefox na imagem a seguir: Quando você clica em um link, o navegador se conecta a um servidor de páginas da web, um outro computador onde os arquivos da página da web que você quer ver estão armazenados. O navegador passa o endereço URL que você digitou ao servidor de páginas da web, então o servidor manda as informações contidas naquela página para o navegador, assim o navegador pode mostrar aquela página da web para você. Há duas formas de você estabelecer esta conexão entre o seu navegador e um servidor de páginas da web: digitando um endereço URL no navegador ou clicando em um link. Digitando URLDigitando um endereço URL no seu navegador: 1 - Se um endereço URL já está sendo mostrado, apague-o; 2 - Digite o URL desejado no espaço em branco; 3 - Pressione a tecla ENTER do seu teclado, ou clique no botão Botão ir do navegador: Digitnado um endereço URL no seu navegador. 4

5 Algumas vezes você verá endereços de URL mostrados entre os sinais de < e >. Esses sinais são usados para desabilitar a URL, possibilitando que o endereço seja mostrado sem problemas. Quando você digitar os endereços de URL no navegador, deve sempre desconsiderar esses sinais de < e >, ou seja, se você ver o endereço <http://www.cinted.ufrgs.br> deve digitar somente em seu navegador. Na maioria dos navegadores, e também no Mozilla Firefox, você pode omitir o tipo de conexão, ou seja, a parte digitando somente O ideal, contudo, é que você sempre copie e cole os endereços, para evitar erros de digitação! Há diferentes tipos de navegadores com funções similares, mas a organização e a aparência da barra de ferramentas pode variar. Além disso, você pode customizar sua barra de ferramentas do navegador, adicionar e remover botões. Para mais informações sobre os botões da barra de ferramentas e outras funcionalidades do navegador. Navegadores atuais mais usado: Internet Explorer Firefox Safari Chrome 2 - Mecanismo de busca O que são Mecanismos de Busca, também chamados Sites de Busca ou Sites Buscadores ou ainda, Buscadores, são complexas ferramentas da internet, utilizadas pelo público em geral, que oferecem ampla gama de serviços online, tais como: buscar informações, armazená-las e apresentá-las aos usuários; s e outras formas de comunicação entre pessoas; entretenimento; propaganda. A expressão "sites de busca" é inadequada posto que esses mecanismos funcionam de maneira muito diferente e mais complexa do que os web sites, como veremos. Qualquer mecanismo de busca tem e/ou desempenha as seguintes tarefas/programas: 5

6 -- Robot Trata-se de um programa que percorre a rede em busca de conexões. Esse programa recebe um endereço, também chamado link, que é traduzido em instrução para que ele acesse uma área virtual. Ao localizar o endereço, o robot desempenha a tarefa de registrar o que encontra e transmitir os dados a uma central. -- Indexador Máquina ou conjunto de máquinas, existentes na central, encarregadas de processar os dados recolhidos pelos robots. Os dados recebidos são organizados segundo critérios previamente preparados. -- Banco de Dados Os dados organizados pelo indexador são armazenados em um local chamado banco de dados. Esse banco de dados obedece a certos comandos para emitir dados ou informações. -- Programa de Busca Programa que permite ao(à) usuário(a) acessar o banco de dados e extrair dele o que precisa. A "chave" para abrir essa porta é chamado palavra-chave ou frase-chave, dependendo de ele(ela) usar apenas uma palavra ou duas (ou mais) palavras. Assim, aplica-se a expressão palavrachave quando se digita, por exemplo, a palavra "calçados"; e aplica-se a expressão frase-chave quando se digita, por exemplo, "calçados femininos". Outros serviços são oferecidos através de programas específicos e podem variar de um mecanismo de busca para outro. Mecanismos de Busca vs Sites de Busca A expressão "sites de busca" é inadequada, por dar uma idéia restrita dos serviços prestados. Observa-se que a página que o mecanismo de busca apresenta na tela com uma lista de sites ou páginas, é muito parecida com qualquer página de um site. Entretanto, ela é extraída de um número muito grande de dados (trilhões de palavras, nos grandes mecanismos de busca), naquele momento em que o usuário dá a ordem de "procurar" ou "buscar" ou "achar". Para apresentar os sites ou páginas, o mecanismo de busca junta, em frações de segundo, dados que estão separados, e os exibe na tele em ordem, segundo critérios préestabelecidos. E apresenta pelo menos duas frases ou segmentos de frases que contêm as palavras procuradas. Esta busca é chamada de busca na Web. Por outro lado, um site tradicional ou uma página da web se consitue em um conjunto de dados fixos que são acessados quando se digita um endereço na internet. Mesmo quando esses dados são apresentados de forma "dinâmica", eles são a reprodução de dados 'fixos', ou seja, não há nenhum programa para ajuntar dados separados para cada instrução do usuário existe uma resposta prevista. Por isso a expressão "sites de busca" é inadequada. Uma busca na Web é muito mais complexa do que a exibição da página de um site. Por fim, embora os mecanismos de busca tenham, como carro-chefe dos serviços, a busca na Web, eles oferecem muitos outros serviços que os sites tradicionais não o fazem. 6

7 Interface - Diretórios Os diretório são uma interface da busca na Web. Neles, as informações básicas, como título, descrição e palavras/frases-chave de uma página (mais comumente a home page ou página principal) são, em geral, compilados manualmente. Mas, com o passar do tempo eles estão se tornando cada vez mais automatizados. Entretanto, o banco de dados de um diretório é diferente do banco de dados de um mecanismo de busca ele contém dados fixos (páginas de web sites) que são apresentados quando se digita uma palavra/frase-chave. Cada item de uma lista apresentada traz título, descrições e link de acesso, todos previamente determinados. Devido a essa "rigidez", os diretórios são cada vez menos procurados. Outras Interfaces Imagens, músicas, mapas, informações locais, são outras interfaces da busca. Elas são usadas para objetivos bem específicos. As buscas na Web, nos diretórios, nas imagens, nas músicas, etc. são feitas da mesma forma, com o uso de palavras/frases-chave. Entretanto, a quantidade de buscas na Web supera as que são feitas nas interfaces, de tal sorte que quando nos referimos a uma busca efetuada no Google, Yahoo, MSN, etc. todos entendem que ela foi feita na Web. Ademais, o uso da expressão "busca" já está associado à busca na Web e, portanto, em mecanismos de busca. Busca na Web e Busca em um País ou Língua A busca na Web é uma busca de caráter mundial. A busca em um país ou língua é uma busca localizada. Por exemplo, podemos colocar qualquer palavra ou expressão na busca na web que os resultados aparecerão por um sistema automático o mecanismo de busca seleciona os resultados na língua em que foi feita a busca. Se escolhemos o país ou língua, possívelmente haverá a apresentação de um número menor de resultados porque a seleção é mais rigorosa. A busca na Web, além de apresentar os resultados da língua ou do país, poderá apresentar outros que, a despeito de serem em outra língua, apresentam palavras semelhantes à da busca. O Que São Os mecanismos de busca, também conhecidos no Brasil como sites de busca e em Portugal como motores de busca, são programas que efetuam buscas em um índex e as apresentam aos usuários. Os programas são específicos de cada empresa. Essas empresas funcionam como elo de ligação entre o local onde alguém armazena dados, chamado servidor, e o computador do usuário. Os mecanismos de busca vão a essas máquinas chamadas servidores, recolhem o conteúdo de cada página do site, leva-o para seu índex ou banco de dados, e os organiza para apresentação aos usuários. O mecanismo de busca se apresenta ao usuário como uma página normal da web por exemplo, você digita a URL e cai na home page ou página inicial do Yahoo no Brasil; se você digita cai na home page do Yahoo nos Estados Unidos. 7

8 Significado das Últimas Letras da URL As duas últimas letras de qualquer URL identificam o país; por exemplo, br é Brasil, ca é Canadá, fr é França. A exceção fica para os Estados Unidos, onde começou a internet, em que as últimas letras são.com ou.net ou.info, etc. De vez em quando a URL de um dado país sofre alguma modificação. Recentemente os americanos lançaram a extensão.us, destinada a empresas sediadas dentro do território dos Estados Unidos. Ao se acessar a home page de um determinado mecanismo de busca em um país, cai-se na home page daquele mecanismo, no país, se a empresa estiver estabelecida nele. Na home page são apresentados os serviços oferecidos por aquele mecanismo de busca. Serviços que Oferecem Se você digita a URL na área do endereço, cai na página inicial do Google Brasil e pode observar que ela é muito simples. Entretanto, cada link dali acessa um mundo de informações e opções. Se você digita cai numa home page com mais detalhes sobre o que encontrar neste mecanismo de busca no Brasil. Entretanto, o serviço mais utilizado pelos visitantes é a busca de sites ou páginas que se encontram na rede da internet, indicados nos menus das home pages como web. (A palavra Web é usada como sinônimo de World Wide Web.) Se não fossem os mecanismos de busca nós teríamos de carregar listas no bolso sobre os endereços que queremos acessar e ficaríamos restritos a um número muito limitado de endereços. Os mecanismos de busca nos poupam esse transtorno e essa limitação, e mais, colocam à nossa disposição bilhões de endereços com descrições do que cada endereço oferece. Os mecanismos de busca oferecem outros serviços de muita utilidade no dia-a-dia. Esses serviços vão desde simples s a comunicação em viva voz, passando por informações sofisticadas, como por exemplo, a localização de áreas no planeta através das coordenadas geográficas. Principais Serviços O principal serviço que os mecanismos de busca oferecem para o grande público é a busca. Ela pode ser feita na web ou no diretório. A busca na web expõe todos os sites e páginas que cada mecanismo de busca consegue encontrar na internet. A busca no diretório expõe os sites ou páginas que os proprietários voluntariamente cadastram no mecanismo de busca, em formulário próprio. Critérios para Indexação Quando um site ou página entra no banco de dados de um mecanismo de busca, e é aceito por preencher certos requisitos mínimos, dizemos que ele foi indexado. Para ser indexado, o dono do site deve acessar uma área própria do mecanismo de busca e preencher um formulário. Entretanto isso não é garantia de indexação e tampouco de que ela ocorrerá rapidamente. Colocar um link em outro site com o endereço do novo site pode ser muito mais eficaz e rápido do que preencher o formulário do mecanismo de 8

9 busca. Entretanto, se alguém deseja aparecer no diretório, é indispensável preencher um formulário próprio. Existem diferenças nos critérios de indexação dos diretórios. Busca na Web A busca na web expõe sites e páginas encontrados pelos robots dos mecanismos de busca em todo o mundo. Exibe-se a página e não o site, embora a exibição da home page possa ser semelhante à exibição do site no diretório. Tal exibição consta do título da página, tal como se acha na tag título, e uma descrição, feitas com dois ou três segmentos de frases, "escolhidos" pelo mecanismo de busca, onde aparecem as palavras e/ou frases-chave pesquisadas pelo usuário. É possível fazer buscas mais circunscritas - por exemplo, só na língua portuguesa ou só no Brasil, as quais são úteis quando buscamos por palavras encontradas em outras línguas. Existem basicamente dois tipos de busca - simples e avançada. A maioria dos usuários que estão começando na internet ou estão nela há pouco tempo e, quase só usam a pesquisa simples. Entretanto, a busca avançada é aquela que exibe o verdadeiro potencial, o potencial extraordinário, diga-se de passagem, dos mecanismos de busca para exibirem resultados condizentes com o que procuramos. Buscadores globais são buscadores que pesquisam todos os documentos na rede, e a apresentação do resultado é aleatória, dependendo do ranking de acessos aos sites. As informações podem referir-se a qualquer tema. Google, Yahoo, MSN são os buscadores globais mais acessados. Buscadores verticais são buscadores que realizam pesquisas "especializadas" em bases de dados próprias de acordo com suas propensões. Geralmente, a inclusão em um buscador vertical está relacionada ao pagamento de uma mensalidade ou de um valor por clique. Trovit, BizRate, AchaNoticias, Oodle, Catho, SAPO, BuscaPé, Zura e Become.com são alguns exemplos de buscadores verticais. Guias locais são buscadores exclusivamente locais ou regionais. As informações se referem a endereços de empresas ou prestadores de serviços. O resultado é priorizados pelo destaque de quem contrata o serviço. Listão, GuiaMais, AcheCerto, EuAcheiFácil entre outras. Geralmente são cadastros e publicações pagas. É indicado para profissionais e empresas que desejam oferecer seus produtos ou serviços em uma região, Estado ou Cidade. Diretórios de websites são índices de sites, usualmente organizados por categorias e sub-categorias. Tem como finalidade principal permitir ao usuário encontrar rapidamente sites que desejar, buscando por categorias, e não por palavras-chave. Os diretórios de sites geralmente possuem uma busca interna, para que usuários possam encontrar sites dentro de seu próprio índice. Diretórios podem ser a nível regional, nacional (como o Achei no Brasil) ou global, e até mesmo especializados em determinado assunto. Open Directory Project é exemplo de diretórios de sites. 9

10 3 - CORREIO ELETRONICO A história do correio postal é a primeira menção à transmissão de mensagens têm origem na Grécia antiga, em 190 a.c., quando um general da cidade de Atenas enviou um mensageiro para comunicar aos atenienses a vitória de seu exército sobre os Persas. É justamente daí que se origina a palavra "correio" do original: correr. Diz a história que o mensageiro de Atenas correio, correu aproximadamente 39 quilômetros para levar a mensagem, mas morreu de exaustão e apenas balbuciou "Vitória" antes de cair morto. Deixando os fatos históricos, O correio eletrônico é anterior ao surgimento da Internet. Os sistemas de foram uma ferramenta crucial para a criação da rede internacional de computadores. O primeiro sistema de troca de mensagens entre computadores que se tem notícia foi criado em 1965, e possibilitava a comunicação entre os múltiplos usuários de um computador do tipo mainframe. Apesar da história ser um tanto obscura. O sistema eletrônico de mensagens transformou-se rapidamente em um " em rede", permitindo que usuários situados em diferentes computadores trocassem mensagens. Também não é muito claro qual foi o primeiro sistema que suportou o em rede. O sistema AUTODIN, em 1966, parece ter sido o primeiro a permitir que mensagens eletrônicas fossem transferidas entre computadores diferentes, mas é possível que o sistema SAGE tivesse a mesma funcionalidade algum tempo antes. OBS - O AUTODIN foi originalmente desenvolvida em meados dos anos 1960 e desde funções de mensagens de comutação para os militares dos EUA. AUTODIN handled military record communications and communications support for special intelligence communities. AUTODIN manipulados registro comunicações militares e de comunicações de suporte para as comunidades de inteligência especial. AUTODIN sobreviveu espera-se a vida útil e acabou por ser substituído com a rede de comutação de pacotes MILNET (O "original" dos componentes da Internet), através do início de A rede de computadores ARPANET fez uma grande contribuição para a evolução do . Existe um relato que indica a transferência de mensagens eletrônicas entre diferentes sistemas situados nesta rede logo após a sua criação, em A data de 29 de Outubro de 1969 é a da primeira mensagem enviada para computadores situados em locais distantes. O texto dessa primeira mensagem continha apenas duas letras e um ponto - "LO.". O investigador da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) Leonard Kleinrock queria escrever "LOGIN", mas o sistema foi abaixo a meio da transmissão. A mensagem seguiu do computador do laboratório de 10

11 Kleinrock na UCLA para o de Douglas Engelbart no Stanford Research Institute, utilizando como suporte a recém-criada rede da ARPA (Advanced Research Projects Agency). Sistema de O envio e recebimento de uma mensagem de é realizada através de um sistema de correio eletrônico. Um sistema de correio eletrônico é composto de programas de computador que suportam a funcionalidade de cliente de e de um ou mais servidores de que, através de um endereço de correio eletrônico, conseguem transferir uma mensagem de um usuário para outro. Estes sistemas utilizam protocolos de Internet que permitem o tráfego de mensagens de um remetente para um ou mais destinatários que possuem computadores conectados à Internet. Características do Mensagens de consistem basicamente de duas seções principais: * cabeçalho (header) é estruturado em campos que contém o remetente, destinatário e outras informações sobre a mensagem. * corpo (body) contém o texto da mensagem. O corpo é separado do cabeçalho por uma linha em branco. restrito Alguns sítios restringem alguns tipos de . Esse tipo de restrição normalmente é usado a fim de evitar a atuação de um spammer ou divulgador não autorizado de mensagens em massa. Normalmente esse tipo de mensagem eletrônica é mais usado em empresas. s gratuitos e WebMail Com a popularização da Internet através dos provedores gratuitos (cujos usuários ganhavam também uma caixa de correio eletrônico grátis), muitos sítios começaram a oferecer endereços de gratuitos desvinculados de qualquer outro serviço. Essas mensagens de podem ser lidas com o uso do próprio navegador, sem a necessidade de um programa específico, sendo por isso também chamados webmail. Popularidade O correio eletrônico se tornou tão popular devido a sua grande facilidade em quebrar barreiras geográficas. Pessoas que estão em diferentes continentes podem se comunicar, desde que possuam computadores ou qualquer outro dispositivo com tal funcionalidade conectados a Internet, eles 11

12 podem enviar e receber mensagens a qualquer hora do dia e para qualquer parte do mundo. Observa-se que o correio eletrônico deixa de ser apenas um meio de troca de mensagens entre pessoas para se tornar um grande fator na produtividade das empresas. Grandes empresas estão cada vez mais usando o correio eletrônico para desempenhar papéis decisivos em suas negociações. A Intranet pode ser usada para tornar a comunicação de funcionários com outros grupos tornando assim mais fácil o trabalho e eliminando mensagens em massa e outras mensagens indesejadas. A interface de um cliente de , Thunderbird. As aplicações de correio eletrônico normalmente oferecem ao usuário uma série de facilidades. A maior parte delas fornece um editor de textos embutido e a possibilidade do envio de arquivos anexados a correspondência. Além disso, a maioria das aplicações permite o envio de correspondências para um único destinatário ou o envio para mais de uma pessoa ou para um grupo de pessoas. Embora não tenha sido desenvolvida como uma ferramenta de trabalho cooperativo, os serviços de correio eletrônico adaptaram-se muito bem ao ambiente de grupos de trabalho onde se tornaram indispensáveis nas organizações, agilizando processos, democratizando o acesso as informações e diminuindo os custos. Esta é uma das formas mais usadas para o estabelecimento de comunicações por meio do computador. Muitas organizações também usam o correio eletrônico como forma de troca de mensagens, mas se quiserem usar recursos de groupware poderão incluí-los de forma simples e com baixo custo, com uma boa segurança. Fraudes Com o grande aumento do uso da Internet e do correio eletrônico na vida das pessoas, tornou-se grande o número de pessoas maliciosas que tentam utilizar esses meios para realizar fraudes. O grande foco desses fraudadores são pessoas que utilizam sítios de instituições financeiras na Internet. Os fraudadores eletrônicos utilizam a grande facilidade com que uma caixa de correio pode ser forjada e falsificada. Eles utilizam listas e programas para envio de spam em grande escala juntamente com arquivos executáveis e serviços de hospedagem gratuitos e que não necessitem de identificação legítima. Esses fraudadores enviam mensagens de se passando por bancos e outras instituições financeiras, solicitando dados pessoais, número de conta corrente, cartão bancário e, às vezes, até mesmo o número de senhas de clientes. Esses clientes desavisados enviam esses dados pensando se 12

13 tratar realmente de um pedido dessas instituições, sem saberem que estão a se tornar vítimas de fraudadores. Cada vez mais cresce o número de pessoas que tem suas contas fraudadas, compras através de seus cartões e outros tipos de fraudes. A falta de legislação e meios de segurança que controlem esse tipo de ação tem se tornado um fator positivo para que esses fraudadores continuem a atuar. Além disso não há nenhum mecanismo que permita rastrear, identificar e coibir a ação desses fraudadores tornando assim cada vez mais difícil a atuação das autoridades nesses casos. Mensagens de indesejadas de instituições que queiram solicitar dados pessoais devem ser ignoradas, pois essas não enviam tais mensagens para seus clientes. A melhor maneira de se prevenir contra fraudes ao utilizar o correio eletrônico é mesmo procurar o máximo de informações sobre sua origem e desconfiar de qualquer indício que possa levantar alguma suspeita. Mensagens de que foram enviadas por pessoas ou empresas desconhecidas encabeçam essa lista. Deve-se ter uma atenção especial com estes tipos de mensagem, pois podem instalar programas-espiões maliciosos, que podem capturar dados que estejam ou foram digitados no computador em que tais programas sejam executados, tornando assim fácil a obtenção de dados de seus usuários. Cliente de Cliente de é um programa de computador que permite enviar, receber e personalizar mensagens de . Exemplo: Outlook, Thunderbird. Vantagens * Ler e escrever offline; * Armazenar o no disco rígido; * Utilizar múltiplas contas de correio electrónico ao mesmo tempo; * Criar uma lista de contactos detalhada; * Enviar e receber mensagens encriptadas; * Travar o SPAM; * Configurar newsgroups facilmente; * Enviar em formato HTML (que permite criar mensagens mais práticas e visualmente aprazíveis) Desvantagens 13

14 * Ocupam algum espaço no disco rígido (este agora já não é um grande problema); * As mensagens recebidas também ocupam espaço no disco; * Alguns clientes de cobram; * Nem sempre são compatíveis com todos servidores de correio electrônico. 4 - FÓRUM DE DISCUSSÃO Um fórum de discussão (em inglês bulletin board ) é um espaço web dinâmico que permite a diferentes pessoas comunicar, é uma ferramenta para páginas de Internet destinada a promover debates através de mensagens publicadas abordando uma mesma questão. O fórum de discussão é composto geralmente por diferentes fios de discussão (o termo fio de discussão é às vezes substituído por assunto de discussão, post, thread, enfilade ou topic) que correspondem cada um a um intercâmbio sobre um assunto específico. A primeira mensagem de um thread define a discussão, e as mensagens seguintes (situadas geralmente abaixo) tentam responder. Pseudônimo Não é aconselhável mostrar num fórum o seu nome real porque as discussões de um fórum são assíncronas, o que significa que uma mensagem deixada um dia num fórum tem vocação para aí permanecer eternamente. Assim, se postar com o seu nome verdadeiro, é possível encontrar os vestígios de todas as discussões sobre o conjunto dos fóruns que freqüentou. A lei informática e de liberdades prevê um direito de acessos e retificação a todos os dados pessoais que se relacionam consigo. Contudo, pode ser difícil contatar o conjunto dos responsáveis dos sites nos quais postou um dia e extremamente vinculativo para estes últimos suprimir os vestígios das suas discussões. Por conseguinte, é aconselhável escolher um pseudônimo (pseudo ou nickname), permitindo aos seus vossos interlocutores reconhecê-lo de uma discussão para outra, mas protegendo de certa maneira o seu anonimato. Noção de carta Cada fórum de discussão tem um funcionamento que lhe é próprio e possui às vezes os seus Usos e costumes. Estes são freqüentemente tácitos e às vezes inscritos num documento chamado carta de utilização que precisa as condições nas quais uma mensagem pode ser acrescentada ao fórum e os critérios que podem conduzir à moderação de uma mensagem. 14

15 Antes de postar uma mensagem num fórum de discussão, é sempre aconselhável ver o seu funcionamento e, se for caso disso, ler a sua carta de utilização. Moderação O conjunto das discussões presentes num fórum de discussão compromete a responsabilidade dos seus autores, bem como a do responsável de publicação, ou seja, o editor do site que aloja o fórum. Assim, para garantir o bom funcionamento do fórum de acordo com os termos da carta de utilização e para se proteger juridicamente, os sites que propõem um fórum de discussão instalam geralmente um sistema de moderação, ou seja, um dispositivo humano e técnico que permite supervisionar e suprimir as mensagens não conformes à carta ou podendo provocar processos jurídicas. As pessoas encarregadas desta tarefa são chamadas moderadores. Existe dois tipos de moderação : * A moderação a priori : as mensagens devem ser validadas por um regulador para serem publicadas e por conseguinte aparecer em linha; * A moderação a posteriori : as mensagens acrescentadas são publicadas automaticamente (aparecem em linha). O site reserva-se a possibilidade de suprimir as mensagens a posteriori. Permissões de usuários e moderação Os status de usuários registrados num fórum geralmente variam em quatro níveis de permissão: * Usuários * Moderadores * Administradores * Banidos O membro com status de usuário possui liberdade para publicar mensagens em tópicos abertos ao debate e respondê-los independentemente de quem os publicou. O membro com status de moderador tem a permissão de editar, mover, deletar, adequar o que for necessário na sala de tópicos a que tem permissão 15

16 de moderação. Na maioria dos fóruns, cada assunto possui um ou mais moderadores os quais possuem funções diversas que variam de fórum para fórum, mas basicamente eles podem editar mensagens postadas, eliminar publicações, moderar e eliminar tópicos, como também, trocar uma mensagem que foge do assunto (chamadas de off-topic) e postá-lo no lugar correto e comunicar o usuário, entre outros. Resumindo, é um usuário cuja função é corrigir tudo o que não está bem e alertar para esses mesmos erros. O membro com status de administrador é o que agrega as funções de administração e configuração do fórum, criação de adequação de novas salas, é quem tem permissão para enviar s em massa, é quem pode bloquear, suspender ou expulsar outros membros, entre inúmeras outras funções administrativas. Às vezes, também pode-se encontrar moderadores com algumas funções de administradores (como bloquear usuários), ou administradores com permissões menores que outros. O membro com status de banido é aquele que foi expulso do fórum por desrespeitar as regras do mesmo. Ele não pode postar nada e não pode alterar seu perfil. Geralmente os banidos não podem voltar ao fórum, mas existem fóruns em que há regras para permitir que um membro banido volte ao fórum. Há muitos fóruns hoje em dia que possuem muito mais níveis de permissão que não se restringem apenas aos membros, administradores, moderadores ou banidos. Esses quatro níveis são apenas os essenciais. Censor de palavras Um censor de palavras é comumente incluído na plataforma do fórum. Como o próprio nome já diz, ele pega as palavras de um post de um usuário e as substitui por outras palavras, por asteriscos ou por qualquer outra coisa. Geralmente é usado para censurar palavrões, mas pode ser usado para censurar outros tipos de palavras. E nem todos os fóruns usam o censor de palavras. Tipos de Fórum Existem dois tipos de fórum: o público e o privado. No fórum de discussão público, provedores, empresas ou instituições disponibilizam espaços para discussão sobre os mais variados tópicos de interesse geral, durante um determinado período de tempo; o acesso e a participação nesse tipo de fórum é livre e irrestrito, sem limite de tempo ou espaço para a troca de mensagens escritas. Em contrapartida, no fórum de discussão privado, uma empresa ou instituição abre espaço para discussão sobre tópicos específicos relacionados à área de interesse, durante um período de tempo determinado; o usuário 16

17 apenas precisa ter acesso ao sistema do fórum na web, por meio de cadastramento prévio para obtenção da senha competente. 5 - LAYOUT, DESENVOLVIMENTO E DESIGN Layout Layout da página é a parte de design gráfico que lida com o arranjo e tratamento estilo dos elementos (conteúdo) em uma página. O layout precisa transmitir a informação desejada com eficiência. É preciso que o layout seja um elo de comunicação com o usuário, que sua linguagem seja condizente com o objetivo do site. Conhecer heurísticas de usabilidade é fundamental para se gerar layouts para a web. Cada elemento inserido em um web site deve ter um objetivo, a perfeição de um web site se atinge quando não há nada a ser retirado e não quando não há nada mais a ser inserido. A maioria dos layouts antigos dos sites da Web eram feitos com tabelas na linguagem HTML, porém esta forma é inapropriada pois tabelas devem ser utilizadas apenas para exibir dados tabulados. Entretanto existem layouts que são completamente produzidos sem a presença de tabelas, são os famosos "tableless" e esta sim é a melhor forma de estrutura para layouts. Navegadores São programas responsáveis por interpretar o conteúdo de um web site, disponibilizando assim a interface com a qual o usuário final irá interagir. O navegador está para o web design assim como o papel está para o jornal. A grande variedade de navegadores e discrepância entre os recursos fez seus próprios criadores caminharem em direção a um padrão comum. Atualmente é indispensável criar sites seguindo os padrões da W3C. No desenvolvimento do site, o HTML deve ser criado seguindo os padrões do W3C (Web Standards) de forma que fique funcional, independente dos dispositivos (TV, celular, impressora, monitor etc). Apesar de em tese não haver a necessidade de testar em diversos navegadores, é um bom hábito testar em mais de um navegador (Firefox, Internet Explorer, Netscape, Opera, Safari, Chrome e outros), pois o layout do site pode apresentar diferenças em determinados navegadores, e o usuário que navega não entenderá o que está acontecendo. 17

18 Como todo trabalho de design, ele é um projeto, e necessita uma análise informacional. Detectar corretamente o objetivo do projeto é essencial para um bom planejamento, de modo que as ações sejam tomadas de forma correta. É sempre necessário definir o público alvo do site, o objetivo, os serviços oferecidos, o diferencial para o público. A partir desses e de outros elementos que sejam especificamente relevantes ao projeto, será definida a estrutura do site (Arquitetura de informação), a tecnologia empregada e o layout. De uma forma geral, embora usualmente possa parecer que a primeira impressão que se tem de um site é o visual, na verdade o visitante busca o conteúdo, por esse motivo o primeiro passo estratégico é definir bem todas as informações que o site terá, definir claramente a arquitetura de informação do site e por último, o design visual do site, que não precisa pular, girar e piscar, a não ser que o que se esteja vendendo é design/imagem (que não se aplica ao meio informacional que é a Web), mas ter um aspecto profissional seguindo pelo menos os conceitos básicos do design como aproximação, contraste, alinhamento, dentre outros. Há uma diferença conceitual marcante entre design nos meios tradicionais, como no gráfico e o design aplicado na web. Na web, a estética deve ser moldada ao dispositivo que acessa ao site ou mesmo desabilitada caso não seja necessária no contexto de utilização. No meio gráfico é possível prever como o usuário final verá a estética do produto, já na web isto não é possível, pois a aparência pode e deve mudar radicalmente de acordo com o sistema operacional utilizado, configurações pessoais, navegadores, resoluções de tela e dispositivos, como celular, TV, impressora, leitores de telas etc. Por este motivo, a estrutura (HTML) com a qual a informação será exposta deve trabalhar independentemente da formatação estilística (CSS) e do comportamento (scripts), que são recomendações do W3C. Desenvolvimento Criar um site não é só organizar textos e imagens em páginas HTML. Alguns detalhes são muito importantes, e se não forem bem definidos antes do desenvolvimento começar podemos perder muito tempo refazendo o trabalho até chegar ao que o cliente deseja. Na maioria das vezes, o cliente já tem um logotipo, e a identidade visual do site deve seguir à risca a identidade visual da empresa, mesmo que o desenvolvedor deixe seu estilo estampado no projeto. Muitas vezes, quando precisamos desenvolver um layout, corremos para o computador e esperamos a idéia chegar - quando nossas ferramentas se resumem ao que o computador 18

19 oferece, nossa criatividade é limitada por elas. Por isso, o melhor jeito de planejar um site é no papel. Literalmente. Rabisque, ouse, liberte sua imaginação. Mantenha uma lista de sites que você gosta e como inspiração, visite-os constantemente e mantenha-se atualizado a respeito de novas tecnologias, novas formas de se usar o que já existe e, principalmente, tendências de layout. Conheça seu cliente, entenda o que ele quer promover Imagem um site de cursos de Informática. O planejamento de um site também é muito importante para conhecer o cliente e seu produto. Precisamos definir o foco do projeto antes de tudo. Se você não tiver contato de maneira suficiente com o seu cliente, terá mais dificuldades para entender suas necessidades. É fundamental definir as expectativas do cliente e o objetivo do site *antes* de começar o desenvolvimento. Quando definimos o foco do site, podemos estabelecer prazos, recursos, informações necessárias e até mesmo custos, se você já desenvolveu outros sites do mesmo porte. Mesmo o layout é desenvolvido mais facilmente a partir disso. Quais serviços o site vai prestar e qual o público-alvo são alguns dos fatores que devem estar muito bem esclarecidos. Só assim podemos projetar uma identidade visual adequada, que tenha "a cara" da empresa ou do serviço que está sendo divulgado na internet. Por isso, mesmo que o seu trabalho seja terceirizado, tente entender "quem" é esse site. Seu trabalho ficará mais fácil e seu cliente, mais satisfeito. Desenvolvimento do site: backup, testes e feedback A Lei de Murphy diz que "se alguma coisa pode dar errado, dará". O profissional de informática sabe o quanto isso é verdade, especialmente quando se está no meio de um projeto com o prazo apertado. Imagine a seguinte situação: você passou os últimos dois meses desenvolvendo o site do seu cliente. O layout ficou maravilhoso, as animações deram um trabalho enorme para chegar ao resultado desejado e... seu computador pifa. Sim, porque computadores pifam, numa grande empresa ou na sua casa, e essa é uma realidade. Nessa hora eu realmente espero que você tenha um backup (cópia de segurança). Sabe, um backup *fora* do seu computador, porque a versão do site que você já publicou para o cliente aprovar está lá, mas se o seu 19

20 computador pifou, as chances do login e senha do FTP estarem, por exemplo, em um cliente de inacessível, agora são grandes. Faça backups - semanais ou a cada grande mudança no projeto - em um CD para cada cliente. Às vezes, também uso uma conta de GMail para backup, mas com a plena consciência de que se o problema estiver na falta de conexão eu vou precisar dos arquivos offline. Teste seu site, e depois teste mais um pouco!!! Durante o desenvolvimento, espera-se que o site seja testado: * Obrigatoriamente em mais de um navegador; * Em variadas resoluções de tela; * Em computadores com configurações diferentes; * De preferência, em mais de um sistema operacional; * Se possível, em dispositivos móveis e computadores adaptados para usuários com necessidades especiais. Mas ter a certeza de que o seu site funciona em qualquer dispositivo não garante que ele seja funcional para qualquer usuário. Se puder, peça para amigos ou parentes que tenham conhecimento básico em informática para navegarem e, em voz alta, dizerem o que estão pensando. Às vezes, o que parece óbvio para o desenvolvedor não faz sentido para o usuário final, e nós sabemos como é fácil deixar um site desinteressante para trás. Se for possível, faça também alguns testes com o público alvo do seu cliente. Quando o site estiver pronto, faça uma checagem final testando links, imagens e procurando pequenos erros de português. No caso das páginas dinâmicas, é importante testar os scripts em todas as situações possíveis. Aqui também é interessante ter a ajuda de alguém de fora do projeto: às vezes você não consegue enxergar o próprio erro porque já se acostumou a ele, e você não quer que um erro seja apontado pelo seu cliente. Ou pior, pelo cliente do cliente! Depois de publicar seu site, continue fazendo testes para ter certeza de que suas páginas se comportam da maneira esperada, se as imagens estão no lugar certo e se as páginas dinâmicas (especialmente com banco de dados) funcionam. Finalizando Seu trabalho não acaba com a publicação! Ou seja, não pense que publicar o site é a parte final do seu trabalho. Atualizar um site é tão importante quanto desenvolvê-lo. Sites que ficam sem atualização por um longo período 20

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL

Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL Universidade de São Paulo Centro de Informática de Ribeirão Preto TUTORIAL HOTMAIL Tutorial Hotmail Sobre o MSN Hotmail Acessando o Hotmail Como criar uma conta Efetuando o login Verificar mensagens Redigir

Leia mais

Sistemas Enturma: Manual de Ferramentas do Usuário

Sistemas Enturma: Manual de Ferramentas do Usuário versão do manual: 1 1 Apresentação A evolução da tecnologia vem provocando uma revolução no ensino. O acesso à Internet e a disseminação do uso do computador vêm mudando a forma de produzir, armazenar

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Checklist para ações de email marketing

Checklist para ações de email marketing Checklist para ações de email marketing Publicado em: 15/01/2008 Planejamento Quais os objetivos da campanha (atrair mais visitantes ao site, aumentar as vendas de produtos, conquistar a fidelidade dos

Leia mais

Apostilas OBJETIVA - Concurso Público 2015 MTE Ministério do Trabalho e Emprego Cargo: Agente Administrativo. 4º Caderno. Índice

Apostilas OBJETIVA - Concurso Público 2015 MTE Ministério do Trabalho e Emprego Cargo: Agente Administrativo. 4º Caderno. Índice 4º Caderno Índice Programas de navegação: Internet Explorer, Mozilla Firefox e Google Chrome... Exercícios pertinentes... 02 48 Programas de correio eletrônico Outlook Express, Mozilla Thunderbird... 58

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br INFORMÁTICA.

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br INFORMÁTICA. INFORMÁTICA Aula Gratuita (clique aqui e assista a aula) INTERNET (Navegadores) NAVEGADORES Para que possamos explorar todos os recursos que a Web nos oferece, precisamos de um programa chamado navegador.

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET

INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET Profª Danielle Casillo SUMÁRIO O que é Internet Conceitos básicos de internet

Leia mais

MÓDULO 1 - xhtml Básico

MÓDULO 1 - xhtml Básico MÓDULO 1 - xhtml Básico 1. Introdução xhtml significa Extensible Hypertext Markup Language (Linguagem de Marcação Hipertextual Extensível) e é a linguagem de descrição de documentos usada na World Wide

Leia mais

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 1 Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 HTML BÁSICO: O que é uma página WEB? Uma página WEB, também conhecida pelo termo inglês webpage, é uma "página" na World Wide Web, geralmente em formato

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Webdesign HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza

Webdesign HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza Webdesign HTML Introdução a HTML e as principais tags da linguagem Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Objetivos Apresentar a HTML

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Manual do usuário Desenvolvendo páginas em Drupal Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Conteúdo Primeiro Passo... 3 1.1 Login... 3 1.2 Recuperando a Senha...

Leia mais

Copyright 2010, MundoClick Produtora de Internet. Todos os Direitos Reservados

Copyright 2010, MundoClick Produtora de Internet. Todos os Direitos Reservados 1 Apresentação Este manual tem o intuito de orientar a utilização da ferramenta Loja Virtual. Através de descrições, passo a passo e imagens o objetivo é facilitar o uso, oferecer dicas e mostrar os pontos

Leia mais

Checklist para ações de E-mail Marketing

Checklist para ações de E-mail Marketing Checklist para ações de E-mail Marketing Os tópicos abordados neste checklist são úteis antes de começar e depois de concluir o desenvolvimento de uma mensagem de email marketing, pois abrange desde os

Leia mais

> Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com

> Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com Curso HTML & CSS > Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com Sumário > Apresentação > Introdução ao HTML História Começando a Programar > Tags em HTML Headings (Cabeçalhos) Parágrafos Formatação

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Conheça Melhor a Loja Virtual ASP

Conheça Melhor a Loja Virtual ASP Proposta para Instalação da Loja Virtual Grátis no mês de junho 2011 O comércio eletrônico não é um bicho de 7 cabeças Ter sua loja virtual, agora ficou mais fácil ainda! Sem necessidade de saber programação

Leia mais

Apresentação. Estamos à disposição para quaisquer dúvidas e sugestões! Atenciosamente, Equipe do Portal UNESC

Apresentação. Estamos à disposição para quaisquer dúvidas e sugestões! Atenciosamente, Equipe do Portal UNESC Sumário Apresentação... 1 1. Orientações Iniciais... 2 2. Recursos... 4 2.1 Rótulos... 4 2.2 Página de Texto Simples... 8 2.3 Página de Texto Formatado... 12 2.4 Site... 16 2.5 Arquivo... 21 2.6 Pasta

Leia mais

Noções de Informática

Noções de Informática Noções de Informática 2º Caderno Conteúdo Microsoft Excel 2010 - estrutura básica das planilhas; manipulação de células, linhas e colunas; elaboração de tabelas e gráficos; inserção de objetos; campos

Leia mais

Tutorial de HTML. O que é HTML? Aprendendo

Tutorial de HTML. O que é HTML? Aprendendo Tutorial de HTML Tutorial: O que é HTML? Aprendendo Títulos Textos Imagens Links Imagens Clicáveis Explorando o TAG BODY Música de Fundo Gifs Animados Tabelas Testando sua Página O que é HTML? HTML é uma

Leia mais

Treinamento para Sistema de Loja Virtual ou Catálogo Eletrônico

Treinamento para Sistema de Loja Virtual ou Catálogo Eletrônico Treinamento para Sistema de Loja Virtual ou Catálogo Eletrônico Índice Atenção: O termo utilizado loja serve para Loja Virtual ou Catálogo Eletrônico, bem como o termo produto serve para produtos ou serviços

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

4.14 - Imagens: src único atributo que não pode ser omitido neste TAG Nota: img

4.14 - Imagens: <img src=...> src <img src=tecnologia.jpg> único atributo que não pode ser omitido neste TAG Nota: img 4.14 - Imagens: O TAG utilizado para a inclusão de imagens em páginas html é o: O atributo src especifica o local onde está a imagem e o seu nome. Nas páginas pessoais é mais comum o uso

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RENATO DA COSTA

INFORMÁTICA PROF. RENATO DA COSTA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO FCC 2012 NOÇÕES DE : 1 Conceitos de Internet e intranet. 2 Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados à Internet e

Leia mais

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados Construtor Iron Web Manual do Usuário Iron Web Todos os direitos reservados A distribuição ou cópia deste documento, ou trabalho derivado deste é proibida, requerendo, para isso, autorização por escrito

Leia mais

Passa a passo para construir uma página pessoal - Parte 1

Passa a passo para construir uma página pessoal - Parte 1 Passa a passo para construir uma página pessoal - Parte 1 Quais ferramentas são necessárias? - Editor de texto básico (sem formatações): use o Bloco de Notas (não use o MS Word e WordPad) - Navegador (browser):

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Correio Eletrônico Outlook Express. Prof. Rafael www.facebook.com/rafampsilva rafampsilva@yahoo.com.br

Correio Eletrônico Outlook Express. Prof. Rafael www.facebook.com/rafampsilva rafampsilva@yahoo.com.br Correio Eletrônico Outlook Express Prof. Rafael www.facebook.com/rafampsilva rafampsilva@yahoo.com.br O Microsoft Outlook é o principal cliente de mensagens e colaboração para ajudá-lo a obter os melhores

Leia mais

MPRS SECRETÁRIO DE DILIGÊNCIAS

MPRS SECRETÁRIO DE DILIGÊNCIAS Ola pessoal, PROF MÁRCIO HOLLWEG Segue abaixo os comentários da prova realizada dia 23/02 para o cargo de Secretário de Diligências do Ministério Público do Rio Grande do Sul, uma cobrança boa apresentando

Leia mais

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 13/AGO/2012 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

Material didático Projeto Web Prof. Carlos 1 PROJETO WEB

Material didático Projeto Web Prof. Carlos 1 PROJETO WEB Material didático Projeto Web Prof. Carlos 1 PROJETO WEB Em dupla: (se sobrar um aluno poderemos ter apenas um trio). Construir um site de 10 páginas, no mínimo, sendo a primeira o INDEX; O site deverá

Leia mais

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Elaboração: Equipe de Suporte Avançado do CPD SA/SRS/CPD/UnB suporte@unb.br Universidade de Brasília Brasília / 2014 Resumo A

Leia mais

NAVEGANDO NA INTERNET

NAVEGANDO NA INTERNET UNIDADE 2 NAVEGANDO NA INTERNET OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Definir a forma de utilizar um software de navegação; Debater os conteúdos disponibilizados

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

Flex. MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo

Flex. MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo 2011 MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo Aprenda como é simples utilizar a ferramenta Flex como seu gerenciador de conteúdo online. Flex Desenvolvido pela ExpandWEB 31/01/2011

Leia mais

Apostila da Ferramenta AdminWEB

Apostila da Ferramenta AdminWEB Apostila da Ferramenta AdminWEB Apostila AdminWEB SUMÁRIO OBJETIVO DO CURSO... 3 CONTEÚDO DO CURSO... 4 COMO ACESSAR O SISTEMA... 5 CONHEÇA OS COMPONENTES DA PÁGINA... 6 COMO EFETUAR O LOGIN... 9 MANTER

Leia mais

INTRODUÇÃO INICIANDO O WORD INSERIR TEXTO

INTRODUÇÃO INICIANDO O WORD INSERIR TEXTO SUMÁRIO 01 - INTRODUÇÃO 02 - INICIANDO O WORD 03 - INSERIR TEXTO 04 - SALVAR UM DOCUMENTO 05 - FECHAR UM DOCUMENTO 06 - INICIAR UM NOVO DOCUMENTO 07 - ABRIR UM DOCUMENTO 08 - SELECIONAR TEXTO 09 - RECORTAR,

Leia mais

Mini manual para editar as informações no Portal bibliotecas.uff

Mini manual para editar as informações no Portal bibliotecas.uff Mini manual para editar as informações no Portal bibliotecas.uff Sumário 1.Sobre o Drupal 2.Como se logar 3.Inserindo conteúdo 4.Editando conteúdo 5.Alterando as notícias 6.Incluindo um serviço 7.Criando

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEBMAIL SBC

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEBMAIL SBC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEBMAIL SBC SUMÁRIO 1 - Tela de Login...03 2 - Caixa de Entrada...04 3 - Escrever Mensagem...06 4 - Preferências...07 4.1 - Configurações Gerais...07 4.2 - Trocar Senha...07 4.3

Leia mais

MANUAL WEBMAIL HORDE-V.01 IBILCE/UNESP

MANUAL WEBMAIL HORDE-V.01 IBILCE/UNESP MANUAL WEBMAIL HORDE-V.01 IBILCE/UNESP ÍNDICE 01 - COMO UTILIZAR SEU EMAIL...02 02 CONFIGURANDO PARA SEMPRE QUE ABRIR O EMAIL ABRIR A CAIXA DE ENTRADA...03 03 - COMO LER OS EMAILS...05 04 - COMO RETIRAR

Leia mais

Professor Paulo Najar www.aprenderdigital.com.br

Professor Paulo Najar   www.aprenderdigital.com.br ~ 1 ~ O QUE É O BROFFICE? Broffice.org é o nome de um conjunto de programas de escritório livre (free software), disponível na internet gratuitamente (no site www.broffice.org) que oferece ferramentas

Leia mais

Enviar Para (Destinatário do Email - Para Revisão) > Botão Office Opções do Word Personalizar Todos os Comandos Enviar para Revisão

Enviar Para (Destinatário do Email - Para Revisão) > Botão Office Opções do Word Personalizar Todos os Comandos Enviar para Revisão Word 2003: Arquivo Novo > Botão Office Novo Abrir... > Botão Office Abrir Fechar > Botão Office Fechar Salvar > Barra de Ferramentas de Acesso Rápido Salvar Salvar > Botão Office Salvar Salvar como > Botão

Leia mais

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes ALUNES MANUAL DO USUÁRIO Guia rápido Alunes 1 Manual de Instruções Versão 2.0 Alunes Informática 2 Sumário Introdução... 5 Pré-requisitos... 5 Principal/Home... 6 Como editar texto do home... 7 Desvendando

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Criação e Desenvolvimento de Cursos Online via Moodle Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Produção de Páginas Web para Professores de Matemática Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção de páginas de internet e é responsável

Leia mais

Expresso Livre Correio Eletrônico

Expresso Livre Correio Eletrônico Expresso Livre Correio Eletrônico 1. EXPRESSO LIVRE Para fazer uso desta ferramenta de correio eletrônico acesse seu Navegador de Internet e digite o endereço eletrônico expresso.am.gov.br. Figura 1 A

Leia mais

Orientações básicas para a produção de conteúdo no Site dos NREs

Orientações básicas para a produção de conteúdo no Site dos NREs SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO DE APOIO AO USO AS TECNOLOGIAS Orientações básicas para a produção de conteúdo

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Thunderbird e Terra Nesta terceira edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos do webmail

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

Gerenciador e Editor de Conteúdo

Gerenciador e Editor de Conteúdo Gerenciador e Editor de Conteúdo Manual do Usuário Versão 1.0 2 Sumário 1. Introdução... 4 2. Referência Rápida... 4 Funções do Gerenciador de conteúdo... 4 Funções comuns da barra de ferramenta... 5 Funções

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

4.14 - Imagens: SRC único atributo que não pode ser omitido neste tag Nota: img

4.14 - Imagens: <IMG SRC=...> SRC <IMG SRC=tecnologia.jpg> único atributo que não pode ser omitido neste tag Nota: img 4.14 - Imagens: O tag utilizado para a inclusão de imagens em páginas html é o: O atributo SRC especifica o local aonde está a imagem e o seu nome. Nas páginas pessoais é mais comum o uso

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME Apresentação Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE POWER POINT 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha.

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 Acessando endereços simultaneamente Parte 2 Um recurso interessante e extremamente útil é o de abrir várias janelas ao mesmo tempo. Em cada janela você poderá acessar um endereço diferente na

Leia mais

1. Como criar uma conta

1. Como criar uma conta Tutorial MediaWiki 1. Como criar uma conta Para criar uma conta clique no botão, disponível canto superior direito, "Entrar". Será então mostrada a página de entrada na conta onde terá de introduzir os

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

administração Guia de BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1

administração Guia de BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia de administração Publicado: 16/01/2014 SWD-20140116140606218 Conteúdo 1 Primeiros passos... 6 Disponibilidade de recursos administrativos... 6 Disponibilidade

Leia mais

Tutorial do administrador do HelpCenterLive (Sistema de Ajuda)

Tutorial do administrador do HelpCenterLive (Sistema de Ajuda) Tutorial do administrador do HelpCenterLive (Sistema de Ajuda) Sumário Introdução...3 Entrar (Login)...3 Página Inicial (Home Page)...4 Ajuda...5 Conversação (Chat)...6 Mensagens Registradas...7 Registros...8

Leia mais

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico).

FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico). FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico). CLIENTE DE EMAIL - OUTLOOK (Microsoft Office). - Outlook Express (Windows). - Mozilla Thunderbird (Soft Livre). - Eudora. - IncredMail.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

QUEM FEZ O TRABALHO?

QUEM FEZ O TRABALHO? Introdução a Linguagem HTML: Conceitos Básicos e Estrutura ANA PAULAALVES DE LIMA 1 QUEM FEZ O TRABALHO? Com as tagsaprendidas hoje, faça uma página HTML sobre você com as seguintes informações: Seu nome

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA INTRANET INSTITUTO COMPARTILHAR

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA INTRANET INSTITUTO COMPARTILHAR MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA INSTITUTO COMPARTILHAR A DO INSTITUTO COMPARTILHAR TEM O OBJETIVO DE FACILITAR A INTEGRAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS ENTRE OS COLABORADORES DOS DIVERSOS PROJETOS SÓCIOESPORTIVOS

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta sexta e penúltima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes

Leia mais

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante:

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante: Módulo A Introdutório - Bases legais, ao Curso políticas, e ao conceituais Ambiente Virtual e históricas da educação Apresentação Este módulo tem por objetivo promover o conhecimento do Ambiente Virtual

Leia mais

MANUAL DO BLOG. Blog IBS

MANUAL DO BLOG. Blog IBS MANUAL DO BLOG Blog IBS Seja bem vindo! O Blog é um website dinâmico, um espaço virtual que usa a internet para compartilhar informações. Por meio do blog você pode publicar textos, opiniões, notícias,

Leia mais

Manual do Ambiente Virtual Moodle

Manual do Ambiente Virtual Moodle Manual do Ambiente Virtual Moodle versão 0.3 Prof. Cristiano Costa Argemon Vieira Prof. Hercules da Costa Sandim Outubro de 2010 Capítulo 1 Primeiros Passos 1.1 Acessando o Ambiente Acesse o Ambiente Virtual

Leia mais

Publicação de uma pesquisa na web

Publicação de uma pesquisa na web Publicação de uma pesquisa na web Pré-requisitos: Lista das questões Formulário multimídia A publicação de pesquisas na web possibilita que pesquisas sejam respondidas de qualquer computador com acesso

Leia mais

UFPel Departamento de Informática. Tutorial Google Docs. Profa. Lisane Brisolara de Brisolara

UFPel Departamento de Informática. Tutorial Google Docs. Profa. Lisane Brisolara de Brisolara UFPel Departamento de Informática Tutorial Google Docs Profa. Lisane Brisolara de Brisolara Sumário O que é o Google Docs Seus principais recursos Editor de textos/documentos Editor de planilhas eletrônicas

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Resumão Writer ( Broffice.org)

Resumão Writer ( Broffice.org) Resumão Writer ( Broffice.org) Resumo BrOffice.org Cespe O Broffice.org é um pacote de programas para escritório, do mesmo nível do pacote Microsoft Office. Os dois pacotes trazem programas parecidos e

Leia mais

Manual de utilização do Portal Entrelace.org.br. William Oyama www.evisionbrasil.com.br

Manual de utilização do Portal Entrelace.org.br. William Oyama www.evisionbrasil.com.br Manual de utilização do Portal Entrelace.org.br William Oyama www.evisionbrasil.com.br Índice do tutorial 1 Portal entrelace.obr.br 2- Painel Administrativo 3- Informações Restritas 4- Acervo 5- Notícias

Leia mais

APOSTILA DE FRONTPAGE 2000

APOSTILA DE FRONTPAGE 2000 APOSTILA DE FRONTPAGE 2000 Pagina 1 de 14 Introdução A cada dia verificamos que a informação é uma ferramenta de extrema necessidade em qualquer negócio. Sabendo disto, diversas empresas investem em tecnologias

Leia mais

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer o controle de exibição do documento; Fazer a correção ortográfica do documento

Leia mais

Capítulo 12 Criando Páginas Web

Capítulo 12 Criando Páginas Web Guia do Iniciante Capítulo 12 Criando Páginas Web Salvando documentos como arquivos HTML Direitos Autorais Este documento é protegido por Copyright 2010 por seus contribuidores listados abaixo. Você pode

Leia mais