Fármacos que atuam nos distúrbios degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fármacos que atuam nos distúrbios degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA)"

Transcrição

1 degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA) Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015

2 Distúrbios degenerativos: Perda progressiva e irreversível dos neurônios localizados em regiões específicas do cérebro Mais comuns: e Alzheimer (DA) Geralmente ocorrem nos estágios avançados da vida DP (1% da população acima de 65 anos) DA (10% da população acima de 65 anos). Tratamento sintomático 2

3 Vulnerabilidade seletiva e estratégias de neuroproteção Genética Mutações genéticas predispõem a distúrbios neurodegenerativos Casos geneticamente determinados para essas doenças não são comuns 3

4 Vulnerabilidade seletiva e estratégias de neuroproteção Fatores ambientais Agentes infecciosos Toxinas ambientais Lesões cerebrais adquiridas 4

5 Vulnerabilidade seletiva e estratégias de neuroproteção Excitotocicidade Excesso de glutamato no cérebro Abertura de canais de cálcio Receptor NMDA (N-metil-D-aspartato) Comum no AVE e traumatismo craniano 5

6 Vulnerabilidade seletiva e estratégias de neuroproteção Metabolismo energético e envelhecimento Diminuem o bloqueio do NMDA pelo Mg Anormalidade no metabolismo energético Diminuição do metabolismo energético mitocondrial dos neurônios dopaminérgicos Estresse oxidativo Formação de compostos reativos do oxigênio O metabolismo pela MAO gera radicais livres 6

7 Manifestações clínicas Bradicinesia (lentidão e pobreza nos movimentos) Rigidez muscular Tremor em repouso Desequilíbrio postural Causa mais comum é a idiopática Paralisia agitada Achados patológicos Perda de neurônio dopaminérgico pigmentados na substância negra 7

8 O envelhecimento gera perda de neurônio contendo dopamina Na DP essa perda pode chegar a 80% Sem tratamento a DP em 5 a 10 anos progride para um estado de rigidez e acinesia Perda da capacidade do auto cuidado Morte por causas secundárias Pneumonia por aspiração Embolia pulmonar 8

9 Tratamento adequado eleva a expectativa de vida Outras causas de Parkinsonismo Antagonistas dopaminérgicos AVE Antipsicóticos Antieméticos 9

10 10

11 Fisiopatologia Perda dos neurônios da parte compactada da substância negra Reduções superiores a 80% da concentração de dopamina 11

12 Terminações dopaminérgicas 12

13 Metabolismo da levodopa 13

14 SNpc: Parte compactada da substância negra 14

15 15

16 Tratamento Levodopa Precursor da dopamina Pró-fármaco Meia vida de 1 a 3h Compete com alimento na absorção Atravessa a BHE Associado a carbidopa (inibidor do DAA periférico)» Aumenta significativamente a biodisponibilidade cerebral 16

17 Tratamento Levodopa Flutuações nas concentrações plasmáticas geram alternância de efeitos» Fenômeno liga/desliga Propostas farmacotécnicas para resolver o problema?? Excesso de dopamina pode causar aumento de radicais livres (metabolismo pela MAO) Uso quando os sintomas da DP causam limitações funcionais 17

18 Tratamento Levodopa Podem causar alucinações» Uso de antipsicóticos (antagonistas D2)» Piora dos sintomas de DP» Uso de antipsicóticos atípicos Pode causar hipotensão ortostática Arritmias cardíacas (ação nos receptores alfa e beta) Inibidores inespecíficos da MAO podem ocasionar crise hipertensivas» Suspender o uso 14 dias antes do início da levodopa 18

19 Tratamento Levodopa Inibidores inespecíficos da MAO podem ocasionar crise hipertensivas» Suspender o uso 14 dias antes do início da levodopa Interrupção súbita pode desencadear síndrome neuroléptica maligna 19

20 Tratamento Agonistas da dopamina Não dependem de conversões enzimática Meia vida maior que a levodopa (comodidade posológica) Não forma radicais livres associado ao metabolismo da dopamina Disponíveis» Bromocriptina» Pergolida» Ropinirol» Pramipexol 20

21 Tratamento Bromocriptina Agonita total D2 e Agonista parcial D1 Pergolida Agonista D1 e D2 Ropinirol e pramipexol Agonistas D2 seletivos Todos possuem boa biodisponibilidade oral 21

22 Tratamento Agonistas da dopamina Reduz a liberação da dopamina por ação présináptica Duração de ação variando entre 8 a 24horas Eficazes para o tratamento de pacientes com efeito liga/desliga da levodopa Causam alucinações, confusão mental e hipotensão ortostática 22

23 Tratamento Agonistas da dopamina Bromocriptina e pergolida» Hipotensão grave» Náuseas e fadiga» Doença cardíaca valvar Ropinol e pramipexol» Sonolência» Mais bem tolerados 23

24 Tratamento Pacientes jovens Agonistas da dopamina Pacientes idosos Carbidopa/Levodopa 24

25 Tratamento Inibidores da COMT Tolcapona Entacapona Inibem o metabolismo periférico e central da dopamina Prolonga o efeito da levodopa Tolcapona pode causar hepatotoxicidade fatal» Uso monitorado Usados associados à carbidopa/levodopa 25

26 Tratamento Inibidores seletivos da MAO-B MAO-A e MAO-B estão presentes no intestino MAO-B é a isoforma constante no cérebro Selegilina: Inibidor irreversível da MAO-B» Não inibe o metabolismo periférico» Pode ser associada à levodopa» Acima de 10mg/dia perde a seletividade» Pode causar neuroproteção (retarda o metabolismo da dopamina)» Seus metabólitos podem causar ansiedade e insônia 26

27 Tratamento Antagonistas dos receptores muscarínicos Muito utilizado antes da descoberta da levodopa Usado atualmente como coadjunvante na fase inicial Efeitos colaterais anticolinérgicos Representantes» Triefenidil» Benzitropina» Difenidramina 27

28 Tratamento Amantadina Antiviral usado como profilático e tratamento da Influenza A Possui atividade antiparkinsoniana ainda não bem explicada Possui atividade anticolinérgica Efeito brando e usado nas fases iniciais Dose de 100mg 2 vezes ao dia é bem tolerada Coenzima Q10 é um antioxidante que pode retardar a evolução da doença. 28

29 29

30 30

31 Doença de Alzheimer (DA) Inicio gradativo, e de progressão inexorável Manifestação clínica inicial Redução da memória de curto prazo Não há fraqueza motora Diagnóstico clínico Conceitua-se como síndrome da deficiência colinérgica. 31

32 Doença de Alzheimer (DA) Caracteriza-se pela atrofia acentuada do córtex cerebral e perda dos neurônios corticais e subcorticais A deficiência de acetilcolina é marcante e desproporcional Atrofia e degeneração dos neurônios colinérgicos subcorticais Hipótese colinérgica: Anticolinérgicos podem induzir um estado confusional semelhante à DA 32

33 Doença de Alzheimer (DA) Estratégias de tratamento Melhora da função colinérgica do cérebro Precursores da ACh (fosfatidilcolina e cloridrato de colina)» Sem sucesso clínico Inibidores da AChE» Fisioestigmina: inibidor irreversível» Fisioestigmina tem meia vida curta e causa hiperatividade colinérgica 33

34 Doença de Alzheimer (DA) Estratégias de tratamento Inibidores da AChE Tacrina» Potente inibidor da AChE de ação central» Tacrina + lecitina produz efeitos significativos na memória» 33% apresentam distúrnios no Tgi» 50% tem aumento das transaminases hepáticas» Uso limitado 34

35 Doença de Alzheimer (DA) Estratégias de tratamento Inibidores da AChE Donepezila» Inibidor seletivo da ACHE central sem muitos efeitos periféricos» Boa resposta na DA» Meia vida longa» Dose única diária 35

36 Doença de Alzheimer (DA) Estratégias de tratamento Inibidores da AChE Rivastigmina e galantamina» Duas doses diárias» Boa resposta na DA» Menores incidências de efeitos colaterais» Não causam toxicidade hepática 36

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa.

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. DOENÇA DE PARKINSON INTRODUÇÃO A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. Acomete homens e mulheres de diferentes etnias

Leia mais

ANTIPARKINSONIANOS. FARMACOLOGIA II Prof. Ana Alice Universidade Nove de Julho

ANTIPARKINSONIANOS. FARMACOLOGIA II Prof. Ana Alice Universidade Nove de Julho ANTIPARKINSONIANOS FARMACOLOGIA II Prof. Ana Alice Universidade Nove de Julho MAL OU DOENÇA DE PARKINSON (DP) Caracterizado: Bradicinesia Rigidez muscular Tremor em repouso Desequilíbrio postural - distúrbios

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Tratamento Farmacológico das Doenças Neurodegenerativas

Tratamento Farmacológico das Doenças Neurodegenerativas Tratamento Farmacológico das Doenças eurodegenerativas Prof. Dr. Gilda Ângela eves - 2015 Doenças eurodegenerativas Caracterizadas pela perda neuronal em determinadas áreas do Sistema ervoso Central Doença

Leia mais

Farmacologia clínica do Sistema Nervoso central: Antipsicóticos e Lítio

Farmacologia clínica do Sistema Nervoso central: Antipsicóticos e Lítio Farmacologia clínica do Sistema Nervoso central: Antipsicóticos e Lítio Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Antipsicótico ou neuroléptico

Leia mais

DOENÇAS DEGENERATIVAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL

DOENÇAS DEGENERATIVAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de Saúde Curso de Ciências Farmacêuticas DOENÇAS DEGENERATIVAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Prof. MSc. Manoelito Coelho dos Santos Jr. Feira de Santana

Leia mais

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

Doença de Parkinson. A atividade física é parte fundamental na preservação das funções motoras dos pacientes parkinsonianos.

Doença de Parkinson. A atividade física é parte fundamental na preservação das funções motoras dos pacientes parkinsonianos. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Doença de Parkinson Prof. Dr. Luiz Augusto Franco de Andrade 1) Como é feito o tratamento? Como é

Leia mais

Farmacoterapia dos distúrbios neurodegenera3vos. Parkinsonismo

Farmacoterapia dos distúrbios neurodegenera3vos. Parkinsonismo Farmacoterapia dos distúrbios neurodegenera3vos Parkinsonismo Mal de Parkinson Caracterizado dentro dos distúrbios de movimento É um distúrbio progressivo do movimento que ocorre mais comumente no indivíduo

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

Farmacologia Colinérgica

Farmacologia Colinérgica União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Farmacologia Colinérgica Profa. Dra. Narlize Silva Lira Setembro /2014 Farmacologia Colinérgica Trata

Leia mais

Demografia de patologias do SNC (USA)

Demografia de patologias do SNC (USA) Demografia de patologias do SNC (USA) - Insônia (60 milhões) - Enxaqueca (40 milhões) - Depressão (20 milhões) - Distúrbios de ansiedade (19 milhões) - Alzheimer (4 milhões) - (3 milhões) e Epilepsias

Leia mais

CURSO DE NEUROLOGIA. Prof. Dr. Vitor Tumas. Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto -USP

CURSO DE NEUROLOGIA. Prof. Dr. Vitor Tumas. Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto -USP CURSO DE NEUROLOGIA 2010 Prof. Dr. Vitor Tumas Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto -USP II A SÍNDROME DE PARKINSON A síndrome de Parkinson,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth

RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO 0074..144137-2 DATA 31/03/2014 dra. Sônia Helena Tavares de Azevedo Comarca de Bom Despacho SOLICITAÇÃO Boa Tarde,

Leia mais

Funcionamento básico dos neurônios do SNC = SNA. Existem várias diferenças entre os neurônios do SNA periférico e os neurônios no SNC

Funcionamento básico dos neurônios do SNC = SNA. Existem várias diferenças entre os neurônios do SNA periférico e os neurônios no SNC Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 10- Doenças Neurodegenerativas e Psicofármacos Neurotransmissão no SNC Funcionamento básico dos neurônios do SNC = SNA Ambos sistemas envolvem

Leia mais

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina FACULDADE DE MEDICINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA VIDA PUC-Campinas DISCIPLINA DE BASES MORFOFISIOLÓGICAS DO SISTEMA NERVOSO, SENSORIAL E LOCOMOTOR BIOQUÍMICA A 2012 Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Objetivos:

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO GRANDE PROCESSO SELETIVO Nº 01/2015 FMS

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO GRANDE PROCESSO SELETIVO Nº 01/2015 FMS CADERNO DE PROVAS CARGO FARMACÊUTICO Conhecimentos Gerais Questão 01 Recentemente a França foi alvo de um sangrento atentado terrorista que feriu e matou mais de uma centena de pessoas. A autoria do referido

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

Principais Enfermidades Neurológicas no processo de envelhecer

Principais Enfermidades Neurológicas no processo de envelhecer Principais Enfermidades Neurológicas no processo de envelhecer Distúrbios Neurodegenerativos Demência Doença de Alzheimer DA Demência de corpos de Lewy - DCL Fundamentos de Geriatria e Gerontologia Profa:

Leia mais

O DNA DAS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS

O DNA DAS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS O DNA DAS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto - SP www.ciencianews.com.br Dezembro de 2009 Entre todos os mamíferos, a espécie humana

Leia mais

Clínica Neurofuncional

Clínica Neurofuncional II Curso de Verão Clínica Neurofuncional Dr. Clynton Correa e Dra. Paula Chaves da Silva Laboratório de Neurobiologia Comparativa e do Desenvolvimento p.chaves@bf.ufrj.br DOENÇA DE PARKINSON II Curso de

Leia mais

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação?

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Apresentação: Daniele Istile (2º ano) Maria Gabriela Cavalheiro (4ºano) Orientação: Doutoranda Thaís dos Santos Gonçalves Local: Anfiteatro da Biblioteca

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

Distúrbios Neurodegenerativos

Distúrbios Neurodegenerativos Distúrbios Neurodegenerativos Mecanismos de Morte Neuronal Excitotoxicidade Apoptose Estresse oxidativo Excitotoxicidade Os aminoácidos excitatórios (EAA), por ex glutamato podem causar morte neuronal.

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA PSICOMOTRICIDADE EM PACIENTES COM SÍNDROME DE PARKINSON COM IDADE ENTRE 60 E 70 ANOS

OS BENEFÍCIOS DA PSICOMOTRICIDADE EM PACIENTES COM SÍNDROME DE PARKINSON COM IDADE ENTRE 60 E 70 ANOS UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOMOTRICIDADE PROJETO A VEZ DO MESTRE OS BENEFÍCIOS DA PSICOMOTRICIDADE

Leia mais

Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa.

Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa. Colinérgicos Sinapses Colinérgicas Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor Neurônio pré e pós ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio e músculo

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Demência Aspesi e Ferreira (2008) consideram deficiência, todas as doenças que provocam alteração da memória, seja ela de curta ou longa duração,

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NIAR cloridrato de selegilina APRESENTAÇÕES: MODELO DE BULA PARA O PACIENTE NIAR (cloridrato de selegilina) comprimido 5 mg: embalagem com 30 ou 60 comprimidos (Lista nº

Leia mais

ALOIS. cloridrato de memantina APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 10 mg. Caixas contendo 15, 30, 50, 60 e 120 comprimidos revestidos.

ALOIS. cloridrato de memantina APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 10 mg. Caixas contendo 15, 30, 50, 60 e 120 comprimidos revestidos. ALOIS cloridrato de memantina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos revestidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 10 mg. Caixas contendo 15, 30, 50, 60 e 120 comprimidos revestidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO

Leia mais

DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON

DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON 1 DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON Aliandro Mesquita Lisboa Instituto Pharmacológica aliandroml@hotmail.com Edson Negreiros dos Santos- Mestre em Farmacologia 1- INTRODUÇÃO O Brasil há muito perdeu suas

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

Diagnóstico diferencial da sonolência diurna excessiva

Diagnóstico diferencial da sonolência diurna excessiva V Curso de Ventilação Mecânica II Curso de Sono Novotel Jaraguá - São Paulo/SP 22 a 24 de março de 2012 Diagnóstico diferencial da sonolência diurna excessiva Stella Marcia A. Tavares Coordenadora do Laboratório

Leia mais

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar DEMÊNCIAS Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar Conceitos básicos Inteligência Cognição Memória Transtornos cognitivos Quadro confusional agudo Demência Inteligência Totalidade das funções cognitivas

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Deficiência Mental O QUE É A DEMÊNCIA?

Deficiência Mental O QUE É A DEMÊNCIA? Deficiência Mental Nesta publicação trataremos de um tema de grande importância para toda a comunidade que é o Estudo das Demências. Graças à melhora das condições sanitárias e de cuidados com a saúde,

Leia mais

Doença de. Parkinson. Recomendações. Elza Dias-Tosta Carlos Roberto de Mello Rieder Vanderci Borges Ylmar Correa Neto e colaboradores

Doença de. Parkinson. Recomendações. Elza Dias-Tosta Carlos Roberto de Mello Rieder Vanderci Borges Ylmar Correa Neto e colaboradores Doença de Parkinson Recomendações Elza Dias-Tosta Carlos Roberto de Mello Rieder Vanderci Borges Ylmar Correa Neto e colaboradores Doença de Parkinson Recomendações Elza Dias-Tosta Carlos Roberto de Mello

Leia mais

Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília

Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília PARALISIA PERIÓDICA Constitui um grupo heterogêneo de doenças genéticas pertencente ao grupo das canalopatias. Ocorre distúrbio nos canais iônicos

Leia mais

abcd SI FROL dicloridrato de pram ipexol Comprimido 0,25 mg Comprimido 1,0 mg .com.br Wikibula: Consulta de medicamentos e bulas de remédios

abcd SI FROL dicloridrato de pram ipexol Comprimido 0,25 mg Comprimido 1,0 mg .com.br Wikibula: Consulta de medicamentos e bulas de remédios SI FROL dicloridrato de pram ipexol Comprimido 0,125 mg Comprimido 0,25 mg Comprimido 1,0 mg SIFROL PACIENTE Sifrol dicloridrato de pramipexol APRESENTAÇÕES Comprimidos de 0,125 mg, 0,25 mg e 1,0 mg: embalagens

Leia mais

Todos sabemos a importância de uma boa noite de sono. O que nem todos sabem é que alternância entre o dormir e estar acordado resulta da ação

Todos sabemos a importância de uma boa noite de sono. O que nem todos sabem é que alternância entre o dormir e estar acordado resulta da ação QUÍMICA DO SONO Todos sabemos a importância de uma boa noite de sono. O que nem todos sabem é que alternância entre o dormir e estar acordado resulta da ação combinada de diversas substâncias químicas

Leia mais

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Distúrbios do tônus Prof a. Ana Karolina Pontes de Lima

Leia mais

Esclerose Lateral Amiotrófica Tratamento Convencional e Perspectivas

Esclerose Lateral Amiotrófica Tratamento Convencional e Perspectivas Esclerose Lateral Amiotrófica Tratamento Convencional e Perspectivas O que é Esclerose Lateral Amiotrófica? Esclerose: Endurecimento Lateral: Cordões laterais da medula Amiotrófica: Atrofia muscular Esclerose

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO MAL DE PARKINSON

OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO MAL DE PARKINSON 1 OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO MAL DE PARKINSON FLÁVIA DANIELLE LOPES EXAMY SANTOS SILVA VIVIAN FLORIANO KAREN NAYANA FERNANDA FERREIRA JETRO MEDEIROS RESUMO: A Doença de Parkinson é caracterizada pela

Leia mais

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO...

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... NT 102/2013 Solicitante: Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 21/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Nº do processo: 1.0433.13.014383-0/001 TEMA: Trazodona e Cloridrato

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON AS SUAS BASES BIOQUÍMICAS

DOENÇA DE PARKINSON AS SUAS BASES BIOQUÍMICAS Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte Projecto Tutorial DOENÇA DE PARKINSON AS SUAS BASES BIOQUÍMICAS Projecto Tutorial Tutora: Professora Odília Queirós Trabalho Elaborado por: Inês Jales Sousa

Leia mais

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Profa. Elisabeth Maróstica I.Introdução

Leia mais

Primeira droga em cápsula foi lançada agora no país e outras estão em teste.

Primeira droga em cápsula foi lançada agora no país e outras estão em teste. ESCLEROSE MÚLTIPLA GANHA NOVAS OPÇÕES DE TRATAMENTO. (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5682929915348274548, em 09/05/2012) Primeira droga em cápsula foi lançada agora

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1280-8 DATA 18/06/2014 SOLICITAÇÃO Solicito

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Jumexil cloridrato de selegilina

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Jumexil cloridrato de selegilina IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Jumexil cloridrato de selegilina APRESENTAÇÕES Comprimidos. Cada comprimido contém 5 mg de cloridrato de selegilina. Cartuchos com 20 comprimidos. Drágeas. Cada drágea contém

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Doença de Alzheimer. Pedro Schestatsky MD, PhD. Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS

Doença de Alzheimer. Pedro Schestatsky MD, PhD. Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS Doença de Alzheimer Pedro Schestatsky MD, PhD Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS DEFINIÇÃO Piora adquirida e persistente da função intelectual com comprometimento de pelo menos três das seguintes esferas:

Leia mais

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. AKINETON cloridrato de biperideno

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. AKINETON cloridrato de biperideno I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO AKINETON cloridrato de biperideno APRESENTAÇÕES AKINETON (cloridrato de biperideno) 4 mg comprimido revestido retard: embalagem com 30 comprimidos revestidos. VIA ORAL USO

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011)

Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011) Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011) Draijer LW, Eizenga WH, Sluiter A traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem fins

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO EBIX TM cloridrato de memantina APRESENTAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO EBIX TM cloridrato de memantina APRESENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO EBIX TM cloridrato de memantina APRESENTAÇÃO EBIX TM 10 mg comprimidos: cartuchos de cartolina com 1 ou 2 cartelas com 14 comprimidos cada. USO ADULTO ADMINISTRAÇÃO VIA ORAL

Leia mais

Difenidrin (cloridrato de difenidramina)

Difenidrin (cloridrato de difenidramina) Difenidrin (cloridrato de difenidramina) Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução injetável 50 mg/ml ampola de 1 ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: DIFENIDRIN cloridrato

Leia mais

EPÉZ. cloridrato de donepezila. Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg

EPÉZ. cloridrato de donepezila. Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg EPÉZ cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 EPÉZ cloridrato de donepezila I- IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Entarkin EMS SIGMA PHARMA LTDA. Comprimido revestido. 200mg

Entarkin EMS SIGMA PHARMA LTDA. Comprimido revestido. 200mg Entarkin EMS SIGMA PHARMA LTDA Comprimido revestido 200mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Entarkin entacapona APRESENTAÇÕES Comprimido revestido de 200 mg: Embalagem contendo 20, 30, 40, 60 e 100* comprimidos

Leia mais

Farmacologia da Neurotransmissão Dopaminérgica

Farmacologia da Neurotransmissão Dopaminérgica 12 Farmacologia da Neurotransmissão Dopaminérgica David G. Standaert e Joshua M. Galanter Introdução Caso Bioquímica e Biologia Celular da Neurotransmissão Dopaminérgica Armazenamento, Liberação, Recaptação

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA QUESTÃO 21 Crises convulsivas, hemiplegias, afasia e hemianopsias como sinais isolados ou em associação, sugerem patologia neurológica de topografia:

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Síndromes Neurológicos

Síndromes Neurológicos Síndromes Neurológicos Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron O Monstro Neurológico... Os 4 Passos do Diagnós?co Neurológico Elicitação dos fatos clínicos Anamnese Exame Clínico Diagnóstico Síndrômico

Leia mais

TERAPIA FARMACOLÓGICA DOS SINTOMAS MOTORES NA DOENÇA DE PARKINSON: LEVODOPA

TERAPIA FARMACOLÓGICA DOS SINTOMAS MOTORES NA DOENÇA DE PARKINSON: LEVODOPA 68 TERAPIA FARMACOLÓGICA DOS SINTOMAS MOTORES NA DOENÇA DE PARKINSON: LEVODOPA PHARMACOLOGICAL THERAPY FOR MOTOR SYMPTOMS OF PARKINSON S DESEASE: LEVODOPA 1 2 1 Raquel de Oliveira Vilhena ; Marco Andre

Leia mais

cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg

cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 cloridrato de donepezila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

STABIL. Aché Laboratórios Farmacêuticos Comprimidos 0,125 mg, 0,25 mg e 1 mg. .com.br. Wikibula: Consulta de medicamentos e bulas de remédios

STABIL. Aché Laboratórios Farmacêuticos Comprimidos 0,125 mg, 0,25 mg e 1 mg. .com.br. Wikibula: Consulta de medicamentos e bulas de remédios STABIL Aché Laboratórios Farmacêuticos Comprimidos 0,125 mg, 0,25 mg e 1 mg MODELO DE BULA Bula de acordo com a Portaria n 47/09 STABIL dicloridrato de pramipexol Comprimidos FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

TEMA: Cloridrato de Memantina para tratamento de Alzheimer

TEMA: Cloridrato de Memantina para tratamento de Alzheimer NTRR 80/2013 Solicitante: Juiz de Direito: Alexsander Antenor Penna Silva Número do processo: 0091428-11.2013.8.13.0183 Data: 30/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado

Leia mais

Risperidona, Clozapina, Quetiapina, Ziprasidona e Olanzapina

Risperidona, Clozapina, Quetiapina, Ziprasidona e Olanzapina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Risperidona, Clozapina, Quetiapina, Ziprasidona e Olanzapina Eu, ( nome do(a) paciente), abaixo identificado(a) e firmado(a), declaro ter sido informado(a) claramente

Leia mais

Sinalização mediada por aminas biogénicas:

Sinalização mediada por aminas biogénicas: Sinalização mediada por aminas biogénicas: Histamina, Serotonina e Dopamina 09/06/2015 Aurora Raquel Barros Barbosa Farmacologia Molecular e Celular Aminas biogénicas Aminas biogénicas São biologicamente

Leia mais

ENCEFALOPATIA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA. Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia Curitiba, Abril de 2006

ENCEFALOPATIA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA. Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia Curitiba, Abril de 2006 Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia Curitiba, Abril de 2006 DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ENCEFALOPATIA HEPÁTICA MÁRIO REIS ÁLVARES DA SILVA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 63

PROVA ESPECÍFICA Cargo 63 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 63 QUESTÃO 26 São alterações cardiovasculares associadas ao envelhecimento, EXCETO: a) Dilatação miocárdica. b) Hipertrofia miocárdica. c) Comprometimento da função endotelial.

Leia mais

FAR A MAC A OL O OG O I G A I A AP A L P IC I AD A A

FAR A MAC A OL O OG O I G A I A AP A L P IC I AD A A ELA FARMACOLOGIA APLICADA A FISIOTERAPIA Clarissa Franco - Afeta os neurônios motores superior e inferior - A desmielinização e a gliose dos tratos corticoespinhais e corticobulbares levam aos sintomas

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

Dr. Mauricio de Miranda Ventura Diretor do Serviço de Geriatria. Estadual Francisco Morato de Oliveira

Dr. Mauricio de Miranda Ventura Diretor do Serviço de Geriatria. Estadual Francisco Morato de Oliveira Demências Dr. Mauricio de Miranda Ventura Diretor do Serviço de Geriatria do Hospital do Servidor Público Estadual Francisco Morato de Oliveira Definição Demência não é uma doença, é uma síndrome Caracteriza-se

Leia mais

O uso de benzodiazepínicos em idosos

O uso de benzodiazepínicos em idosos O uso de benzodiazepínicos em idosos Rafael C Freire Doutor em psiquiatria Laboratório do Pânico e Respiração IPUB UFRJ INCT Translacional em Medicina Declaração de conflito de interesse Emprego Financiamento

Leia mais

Doença de Parkinson e Distúrbios do Movimento

Doença de Parkinson e Distúrbios do Movimento Doença de Parkinson e Distúrbios do Movimento Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Carlos Caron Parkinsonismo Diagnós6co da Sd. Parkinsoniana Síndrome neurodegenera6vo progressivo e crônico que se manifesta

Leia mais

Miguel Gago Coordenador do Manual Em representação da Sociedade Portuguesa das Doenças do Movimento (SPDMov)

Miguel Gago Coordenador do Manual Em representação da Sociedade Portuguesa das Doenças do Movimento (SPDMov) Ao fim de décadas de investigação e experiência clínica na área da doença de Parkinson adquiriram-se conhecimentos que, apesar da contínua investigação e transformação científica, se têm mantido relativamente

Leia mais

Roberto Satler Cetlin R2 CLN ANCP

Roberto Satler Cetlin R2 CLN ANCP Roberto Satler Cetlin R2 CLN ANCP Aspectos Históricos Final do século XIX: primeiras descrições da associação entre SNC e anemia megaloblástica (Leichtenstern e Lichtheim). Início do séc. XX: descritas

Leia mais

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE Página 1 de 6 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LÁBREA cloridrato de

Leia mais

DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS: DOENÇA DE PARKINSON E SÍNDROME DE PRADER WILLI

DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS: DOENÇA DE PARKINSON E SÍNDROME DE PRADER WILLI DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS: DOENÇA DE PARKINSON E SÍNDROME DE PRADER WILLI 2013 Elen Moraes Nascimento de Oliveira Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário Jorge Amado de Salvador (Brasil) E-mail

Leia mais

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos 1 Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito

Leia mais

caixas com 25 ampolas de 1 ml

caixas com 25 ampolas de 1 ml AROVIT Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas) VITAMINA A IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO - AROVIT Nomes genéricos Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas)

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON 1. DEFINIÇÃO

DOENÇA DE PARKINSON 1. DEFINIÇÃO DOENÇA DE PARKINSON 1. DEFINIÇÃO A doença de Parkinson (DP) ou Mal de Parkinson, é uma doença degenerativa, crônica e progressiva, que acomete em geral pessoas idosas. Ela ocorre pela perda de neurônios

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

Tratamento Farmacológico. das Dependências

Tratamento Farmacológico. das Dependências Tratamento Farmacológico das Dependências Clique para editar o estilo do subtítulo mestre CURSO DE CAPACITAÇÃO AO TRATAMENTO DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS 2006 CID 10 Substâncias Psicoativas F10

Leia mais

Envelhecimento Cerebral e Demências

Envelhecimento Cerebral e Demências Envelhecimento Cerebral e Demências Thiago Monaco thiagomonaco@ yahoo.com Envelhecimento Cerebral e Demências Envelhecimento Cerebral D. Comuns D. Menos Comuns D. potencialmente tratáveis Envelhecimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml.

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. Hixizine cloridrato de hidroxizina Uso adulto e pediátrico Uso oral APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. COMPOSIÇÃO

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON: ASPECTOS FISIOPATOLÓGICOS E TERAPÊUTICOS

DOENÇA DE PARKINSON: ASPECTOS FISIOPATOLÓGICOS E TERAPÊUTICOS DOENÇA DE PARKINSON: ASPECTOS FISIOPATOLÓGICOS E TERAPÊUTICOS Flávio Dias Ferreira Especialista em Farmacologia pelo Centro Universitário de Maringá CESUMAR. E-mail: fflavio_ddias@hotmail.com Francine

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1)

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) Redução dos sintomas de esquizofrenia. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C 21 H 25 N 3 O 2 S) 2,C 4 H 4 O 4 Peso Molecular: 833,09 g/mol DCB: 07539 CAS: 111974-72-2

Leia mais

O Monstro Neurológico... Síndromes Neurológicos. Afasias. Afasias. Afasias 17/08/15. Neurologia - FEPAR. Os 4 Passos do Diagnóstico Neurológico

O Monstro Neurológico... Síndromes Neurológicos. Afasias. Afasias. Afasias 17/08/15. Neurologia - FEPAR. Os 4 Passos do Diagnóstico Neurológico O Monstro Neurológico... Síndromes Neurológicos Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron Os 4 Passos do Diagnóstico Neurológico Elicitação dos fatos clínicos Anamnese Exame Clínico Diagnóstico Síndrômico

Leia mais

ACETILCOLINA. A. Professor Luís Figueira

ACETILCOLINA. A. Professor Luís Figueira A. Professor Luís Figueira ACETILCOLINA 1. Um agricultor é trazido ao S.U. por exposição a um insecticida ("605 forte") durante a lavoura. Queixa-se de dispneia intensa e apresenta-se hipersudorético,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica

RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1606-4 DATA 25/07/2014 Ao NATS, SOLICITAÇÃO

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Bisoltussin Tosse Seca, 2 mg/ml, solução oral Bromidrato de dextrometorfano Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este

Leia mais