Plano de Actividades 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Actividades 2010"

Transcrição

1 Plano de Actividades 2010

2 2

3 Vice-Presidência do Governo Regional Direcção Regional da Administração Pública e Local Região Autónoma da Madeira Edifício do Governo Regional, Av. Zarco, 3.º andar Funchal Telf Fax: Janeiro de

4 Nota Introdutória Jorge Paulo Antunes de Oliveira Director Regional O planeamento é uma ferramenta de gestão, que possibilita perceber a realidade, avaliar os caminhos, construir um referencial futuro e estruturar os processos. Ao planearmos, organizamos acções, antecipamos resultados, definimos metas e procuramos atingir objectivos. O acto de planear deve ser entendido como um processo cíclico, que garanta continuidade, havendo um constante e dinâmico ajustamento entre propostas, resultados e soluções. 4

5 O Plano de Actividades tem sido entendido pela DRAPL como um documento de gestão, fundamental na definição de projectos a prosseguir e na assunção de responsabilidades a nível de objectivos a alcançar. O referido documento, desde a sua elaboração à concretização, tem procurado reflectir uma renovada abordagem, passando a elencar a especificação de objectivos estratégicos e operacionais, a concretização de responsáveis pela sua prossecução e a fonte da avaliação dos respectivos resultados. O presente Plano de Actividades reflecte o encontro de opiniões, a troca de perspectivas e de informações entre os colaboradores da DRAPL. Esta metodologia tem-se revelado veículo propulsor da introdução de novas práticas de trabalho, principalmente ao nível da troca e partilha de conhecimentos, bem como da circulação de informação. Nas páginas que se seguem, elencam-se e descrevem-se os projectos que a DRAPL pretende levar a cabo em Oxalá o engenho e a arte nos permitam concretizá-los a todos com sucesso. Direcção Regional da Administração Pública e Local, Janeiro de

6 Índice Nota Introdutória, pág. 4 Cap. I 1. Apresentação, pág Organograma, pág Legislação Aplicável, pág Ambiente Externo e Interno, pág Metodologia Utilizada na Elaboração do Plano, pág. 14 Cap. II 1. Objectivos Estratégicos, pág Estratégia, pág. 17 Cap. III Objectivos, Acções, Metas e Prazos, pág. 20 Cap. IV PIDDAR 2010, pág. 29 Cap. V Anexos, pág. 39 6

7 Capítulo I Apresentação 1. Apresentação A DRAPL A Direcção Regional da Administração Pública e Local (DRAPL) é o órgão executivo do Governo Regional, dependente da Vice-Presidência, a quem compete prosseguir as atribuições relativas ao sector da Administração Pública. Missão Concepção e promoção de medidas conducentes à harmonização jurídica e inovação nos serviços da Administração Pública Regional, e à qualificação dos respectivos recursos humanos, contribuindo, através da prestação de serviços de elevada qualidade, para o reconhecimento público de uma administração dinâmica, aberta e transparente ao serviço da Região Autónoma da Madeira. 7

8 Visão A DRAPL pretende assumir-se como centro de conhecimento e referência na qualificação e inovação da Administração Pública Regional. Política da Qualidade Satisfazer as expectativas dos Clientes, garantindo o cumprimento integral da legislação aplicável; Investir no desenvolvimento dos colaboradores, reforçando as suas competências, fomentando o espírito de equipa e a focalização na Qualidade e no Cliente; Inovar e Modernizar de modo a melhorar continuamente os serviços prestados; Desenvolver parcerias entre os Serviços da Administração Pública Regional e destes com as Partes Interessadas relevantes; Medir e desenvolver a performance nos vários domínios da sua actividade; Melhorar continuamente a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. 8

9 Atribuições A actividade da DRAPL consiste no exercício das seguintes atribuições: Estudar, coordenar e promover a execução de medidas respeitantes à gestão dos recursos humanos na administração pública regional; Estudar e propor a implementação de medidas que contribuam para a modernização administrativa e qualidade nos serviços públicos regionais; Contribuir para a definição de medidas de apoio às autarquias locais da Região; Prestar o apoio técnico-jurídico solicitado pelas autarquias da Região; Conceber e promover a realização de acções de formação e aperfeiçoamento profissional destinadas à administração pública regional e à administração local; Desempenhar as tarefas necessárias ao exercício da tutela inspectiva não financeira sobre as autarquias locais e entidades equiparadas; Pronunciar-se sobre as estruturas orgânicas, mapas e carreiras de pessoal e respectivas alterações de todos os departamentos sob tutela ou jurisdição do Governo Regional; Emitir parecer sobre projectos de diplomas que versem matéria das suas atribuições; 9

10 Realizar estudos no domínio das suas atribuições, propondo as medidas adequadas e elaborando os correspondentes projectos de diplomas; Realizar todo o processo afecto à emissão dos passaportes comuns e especiais; Emitir licenças nos termos do Regulamento Policial da Região Autónoma da Madeira; Organizar o registo das associações cuja constituição e estatutos sejam comunicados ao abrigo do n.º 2 do artigo 168.º do Código Civil; Organizar os processos relativos ao exercício do direito de reunião quando o local das aglomerações se situe na capital da Região Autónoma, nos termos do Decreto-Lei n.º 406/74, de 29 de Agosto. 10

11 2. Organograma Legenda: GEPJ - Gabinete de Estudos e Pareceres Jurídicos GEPE - Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística NID - Núcleo de Informação e Documentação DSFP - Direcção de Serviços da Função Pública 11

12 DSAL - Direcção de Serviços da Administração Local DSDAA - Direcção de Serviços de Desenvolvimento e Avaliação da Administração GITAP - Gabinete de Inovação Tecnológica na Administração Pública DRH - Divisão de Recursos Humanos DOG - Divisão de Organização e Gestão DATAL - Divisão de Apoio Técnico às Autarquias Locais DGPAP - Divisão de Gestão de Pessoal e Assuntos Eleitorais DMA - Divisão de Modernização Administrativa DOPA - Divisão de Organização e Planeamento Administrativo 12

13 3. Legislação Aplicável A DRAPL rege-se pelo seu estatuto orgânico constante do Decreto Regulamentar Regional n.º 25/99/M, de 23 de Dezembro, alterado pelo Decreto Regulamentar Regional n.º 14/2001/M, de 9 de Julho e pela legislação aplicável aos serviços que compõem a Administração Regional Autónoma. 4. Ambiente Interno e Externo 4.1. Ambiente Interno Na prossecução das suas atribuições a DRAPL opera, internamente, com as Direcções de Serviços, Conselho da Qualidade, Inspecção Regional Administrativa e departamentos administrativos, no âmbito das respectivas competências. O relacionamento entre estas unidades orgânicas, dependentes do Director Regional é de flexibilidade, havendo, internamente, um relacionamento de carácter informal entre hierarquias e estruturas Ambiente Externo Externamente, a DRAPL relaciona-se com: Gabinete da Vice-Presidência do Governo Regional; Autarquias locais da Região; Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP); 13

14 Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL); Instituto Nacional de Administração (INA); Inspecção-Geral da Administração Local (IGAL); Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano (DGOTDU); Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR); Centro de Estudos e Formação Autárquica (CEFA); Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna (MAI); Administração Eleitoral - MAI; Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF); Instituto Português da Qualidade (IPQ); Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira (DTIM); Associação dos Técnicos Administrativos Municipais (ATAM); Instituto Europeu de Administração Pública (EIPA), Maastricht; Instituto Europeu de Administração Pública Centro Europeu de Regiões (EIPA-ECR), Barcelona. 5. Metodologia Utilizada na Elaboração do Plano A elaboração do presente documento teve por base a realização de duas reuniões de discussão entre pessoal dirigente, chefias administrativas e técnicos superiores, pertencentes ao Conselho da Qualidade da DRAPL, a 30 de Novembro e a 7 de Dezembro de 2009, respectivamente, nas quais se consensualizaram os objectivos estratégicos e operacionais, responsáveis pela sua prossecução e avaliação respectiva para o ano de Tendo por base as orientações da tutela, a audição dos clientes e partes interessadas, os indicadores, as metas alcançadas, a Missão, a Visão e os Objectivos Estratégicos, bem como 14

15 o PSQ-01 e a IT do Sistema de Gestão da Qualidade, procedeu-se à actualização do Mapa Estratégico da DRAPL (Imp 01-03). Foi igualmente revisto o Plano de Comunicação para 2010 (Imp 02-07), após análise do cumprimento relativo a 2009, adequando-se o conteúdo, origem, meios de suporte, frequência e prazos respectivos. Analisaram-se os indicadores de performance da DRAPL presentes no mapa relativo a 2009 (Imp 01-04), tendo sido comparadas as metas estabelecidas, os desvios verificados e identificadas as respectivas causas. A elaboração do Balanced ScoreCard relativo a 2010 (Imp 01-04) teve por base o documento/proposta submetido à tutela, conforme ofício expedido a 30 de Novembro de 2009 com o n.º 1573, relativo aos objectivos a prosseguir pela DRAPL em 2010, devidamente hierarquizados, indicadores de desempenho e respectivas fontes de verificação, na sequência do disposto no n.º 1 do artigo 74.º do DLR n.º 27/2009/M, de 21 de Agosto. Por último procedeu-se à análise do Plano de Acções da DRAPL de 2009 (Imp 01-08), bem como a respectiva eficácia das acções previstas. 15

16 Capítulo II Objectivos e Estratégias 1. Objectivos Estratégicos A DRAPL tem, em 2010, a seguinte orientação para a prossecução da sua actividade: Objectivo Estratégico 1 Assegurar elevada satisfação dos clientes e stakeholders; Objectivo Estratégico 2 Reforçar as competências e participação dos colaboradores; Objectivo Estratégico 3 Reforço da comunicação externa. 16

17 2. Estratégia Em 2009 a DRAPL optou por reduzir os objectivos estratégicos, passando a constar os seguintes: assegurar elevada satisfação dos clientes e stakeholders, reforçar as competências e participação dos colaboradores e reforçar a comunicação externa. Para o ano de 2010 a DRAPL procurará exercer a sua actividade no sentido de desenvolver uma cultura de Administração Pública que sirva de base para a qualidade na prestação de serviços ao utente. A aproximação da Direcção Regional aos cidadãos/clientes é uma área que se continuará a privilegiar. Neste âmbito serão novamente aplicados questionários de satisfação dos colaboradores, dos clientes do serviço de passaportes da Loja do Cidadão, da área de apoio técnico-jurídico e da formação profissional ministrada e a continuação da publicação da newsletter da DRAPL e da conta no Twitter. Com o amadurecimento do Sistema de Gestão da Qualidade, a DRAPL procederá, sempre num espírito de debate de opiniões, à troca de perspectivas e informações entre todos os colaboradores. Face às ferramentas actualmente disponíveis no mercado e às suas potencialidades, é estratégico para a DRAPL em 2010 proceder à renovação da estrutura do seu sítio da Internet, facilitando assim a interacção com o público, a actualização dos conteúdos disponibilizados e a criação de novos modos de comunicação com o seu público-alvo. De igual forma revela-se essencial a manutenção das aplicações informáticas de suporte ao projecto formulários/serviços on-line, bem como o incremento do número de serviços públicos electrónicos disponibilizados pelo Governo Regional A formação profissional é um pilar fundamental de qualquer organização moderna, inclusive dos serviços que compõem a Administração Pública Regional e Local. Sectores como as autarquias locais da Região (câmaras municipais e juntas de freguesia) dependem 17

18 quase na totalidade da DRAPL para a formação dos seus trabalhadores. O Governo Regional depende das acções de formação organizadas pela DRAPL para a constante actualização profissional dos seus trabalhadores. E, numa perspectiva de eficácia de gestão dos escassos recursos financeiros disponíveis, não deixa de ser lógica a concentração numa única entidade governamental da gestão de toda a formação de carácter genérico, ficando a formação específica a cargo das respectivas secretarias regionais. Para 2010, e tendo como pano de fundo a recente reforma da Administração Pública, será desenvolvido um amplo plano de formação profissional, para apoio indispensável a todos os serviços da administração pública regional e local. A revisão do regime de vínculos, carreiras e remunerações, bem como da avaliação do desempenho (SIADAP), o regime jurídico do contrato de trabalho em funções públicas, o Código dos Contratos Públicos, para referir apenas alguns dos diplomas com maior impacto na Administração Pública, obrigarão à realização de mais formação, para além da que tem sido ministrada ao longo dos últimos anos. Refira-se que no ano de 2009 a DRAPL obteve a acreditação enquanto entidade formadora, reforçando dessa forma as competências nessa área, com vista a tornar-se na principal entidade formadora da Administração Pública, o que lhe permitirá abalançar-se à organização de acções de formação noutros moldes, no que constitui um objectivo estratégico para o Governo Regional, fundamental para aumentar a eficácia e eficiência nesta área. Igualmente em 2009 foi aprovado o Plano Estratégico da Formação Profissional para a Administração Pública Regional e Local da RAM, documento que contém as linhas mestras nesta matéria até A DRAPL procurará desenvolver um projecto que assegure a realização, até Maio de 2011, da auto avaliação CAF 2006 em 60 % dos organismos da Administração Pública Regional e 18

19 Local, bem como a obtenção por, pelo menos, 12 Organismos Públicos da Região Autónoma da Madeira do reconhecimento Committed to Excellence da EFQM. Acresce que não pode ser descurada a importância daquelas que são as actividades próprias da DRAPL advindas da solicitação externa, naquilo em que a própria DRAPL funciona como prestadora de serviços, num processo reactivo aos seus clientes: é o caso, designadamente, da emissão de passaportes, da prestação de inúmeros pareceres e estudos jurídicos e da organização dos processos de registo de associações. 19

20 Capítulo III Objectivos, Acções, Metas e Prazos 1. Explorar Parcerias Responsável: Director Regional 1.1 Realização de contactos com o EIPA tendo em vista a realização de parceria/seminário na RAM Data prevista: 1.º trimestre de Definição da temática Data prevista: Março de Preparação logística Data prevista: Abril de Realização da parceria/seminário Data prevista: Maio de 2010 Balanced ScoreCard Número de Eventos Realizados Meta: 1 20

21 2. Implementação da Auto-Avaliação CAF em 60% dos Organismos Públicos da RAM e o 1.º Nível de Excelência em 12 daqueles Organismos 2.1 Preparação da Adjudicação Responsáveis: Director Regional e GITAP Data prevista: Abril de Adjudicação do projecto Responsável: Director Regional Data prevista: Abril de Início dos trabalhos Responsável: Empresa adjudicada Data prevista: Abril de 2010 Balanced ScoreCard Número de Organismos envolvidos Meta: Monitorização 21

22 3. Dinamizar os canais de comunicação com o exterior 3.1 Produzir a Newsletter da DRAPL trimestralmente Responsável: Director Regional e GITAP Balanced ScoreCard Número de edições Meta: Manter o sítio da DRAPL actualizado promovendo novos conteúdos Responsável: GITAP Balanced ScoreCard Número de acessos Meta: Produzir e registar na intranet e Internet da DRAPL os entendimentos harmonizados e FAQ s Responsáveis: DSFP, DSAL e GITAP Balanced ScoreCard Número de circulares emitidas e FAQ s Meta: > Compilar diplomas anotados considerados de interesse Responsável: GITAP 22

23 3.5 Manter versões dos diplomas constantes do site actualizadas. Responsável: GITAP Balanced ScoreCard Número de diplomas anotados Meta: Colocar pareceres relevantes no site da DRAPL Responsável: GITAP Balanced ScoreCard Número de pareceres colocados no site Meta: 20 23

24 4. Realização de acções de formação e seminários para a Administração Pública da RAM segundo o Plano Estratégico 4.1 Preparação da Adjudicação Responsáveis: Director Regional e GITAP Data prevista: Abril de Adjudicação do projecto Responsável: Director Regional Data prevista: Abril de Realização das acções de formação e seminários previstos Responsável: Empresa adjudicada Data prevista: até o final do ano de Efectuar a audição da satisfação dos formandos Responsável: Empresa adjudicada Data prevista: até o final do ano de 2010 Balanced ScoreCard Número de acções de formação realizadas Meta: 40 Número de horas realizadas Meta: 1000 Número de formandos abrangidos Meta: 1000 Taxa de satisfação dos clientes da oferta formativa Meta: 75% Taxa de adesão aos seminários Meta: 75% 24

25 5. Emissão de pareceres jurídicos 5.1 Realização da consultadoria jurídica por escrito Responsáveis: DSFP, DSAL e GITAP 5.2 Realização da consultadoria jurídica por telefone Responsáveis: DSFP, DSAL e GITAP 5.3 Efectuar a audição da satisfação dos clientes da consultadoria jurídica por escrito Responsável: Gestor da Qualidade 5.4 Efectuar a audição da satisfação dos clientes da consultadoria jurídica por telefone Responsável: Gestor da Qualidade Balanced ScoreCard Taxa de satisfação dos clientes da consultadoria jurídica por escrito Meta: 75% Taxa de satisfação dos clientes da consultadoria jurídica por telefone Meta: 75% Taxa de cumprimento do prazo máximo para informação (<= 8 dias úteis) Meta: 85% 25

26 6. Concessão de passaportes 6.1 Concessão de passaportes Responsável: Departamento de Passaportes 6.2 Efectuar a audição da satisfação dos clientes dos passaportes Responsável: Gestor da Qualidade Balanced ScoreCard Taxa de satisfação dos clientes dos passaportes Meta: 85% Prazo médio de concessão dos Passaportes (Normais, Urgentes e Expreso) Monitorização 7. Exploração da intranet 7.1 Manter intranet de acordo com regras aprovadas Responsável: GITAP 7.2 Auditar a utilização da intranet e realizar correcções, se necessário Responsável: GITAP Balanced ScoreCard Taxa de satisfação dos clientes da intranet Meta: 90% 26

27 8. Certificação ISO Efectuar revisão do sistema Responsável: Director Regional/Gestor da Qualidade/Conselho da Qualidade Data prevista: Até Abril de Realização de auditorias internas ao SGQ da DRAPL Responsáveis: Director Regional e Gestor da Qualidade 8.3 Monitorizar os boletins de melhoria Responsável: Gestor da Qualidade Balanced ScoreCard Número de Não Conformidades detectadas em auditorias internas Meta: monitorização 27

28 9. Garantir o reforço de competências e participação dos colaboradores através de reuniões de estrutura, formação interna e reuniões técnicas 9.1 Elaborar, aprovar e comunicar o Plano de Formação Interno Responsável: Director Regional 9.2 Actualizar as matrizes de competências Responsável: Director Regional e Chefias 9.3 Realizar acções de formação internas e avaliar a sua eficácia Responsáveis: Director Regional e Chefias 9.4 Efectuar audição da satisfação e motivação dos colaboradores e tomar decisões sobre os resultados Responsável: Gestor da Qualidade Balanced ScoreCard Taxa de satisfação dos clientes dos colaboradores Meta: 85% N.º de reuniões de estrutura Meta: 1 N.º de reuniões técnicas Meta:1 Taxa de cumprimento do plano de formação interna Meta:70% 28

29 Capítulo IV PIDDAR 2010 O PIDDAR da DRAPL para 2010 é composto por 4 projectos: 1. Manutenção da área de serviços electrónicos do portal do Governo Regional; 2. Actualização do layout do sítio da DRAPL na Internet e reforço de meios tecnológicos; 3. Formação profissional para os serviços e organismos do Governo Regional e das autarquias locais; 4. Auto avaliação CAF em 60% dos organismos públicos da RAM e reconhecimento segundo o 1.º nível de excelência da EFQM em 12 daqueles organismos. 29

30 1. Manutenção da área de serviços electrónicos do portal do Governo Regional Enquadramento Manutenção das aplicações informáticas de suporte ao projecto formulários/serviços online. Incremento do número de serviços públicos electrónicos disponibilizados pelo Governo Regional PDES: PE05, PT04, P18, M54 PE05 Coesão territorial e Desenvolvimento equilibrado PT04 Governação Regional e sub-regional P18 Aperfeiçoamento e modernização do sistema administrativo M 54 Modernização administrativa e governo electrónico O projecto formulários/serviços on-line, materializado na área de serviços electrónicos disponibilizada no portal do Governo Regional, encontra-se desde Julho de 2009 sem contrato de manutenção da sua infra-estrutura técnica, não tendo o contrato sido renovado devido a falta de verba. Contudo, considerando o número de organismos que já utilizam a plataforma, a sua dependência em relação à fiabilidade de funcionamento e disponibilidade permanente, é de todo aconselhável que o portal do Governo Regional esteja coberto por contrato de manutenção, de modo a acautelar qualquer quebra no seu normal funcionamento. Por outro lado, importa não esquecer o número crescente de utilizadores do portal, cidadãos e empresas, e o facto do portal do Governo Regional prestar já, de modo agregado, mais de 40 serviços distintos. Assim, propõe-se a inclusão de uma dotação de euros para garantir a prestação de serviços de manutenção preventiva, correctiva e evolutiva do portal do Governo Regional no ano de

31 2. Actualização do layout do sítio da DRAPL na Internet e reforço de meios tecnológicos Enquadramento Actualização do layout do sítio da DRAPL na internet; informatização dos serviços da DRAPL; reforço de meios tecnológicos PDES: PE05, PT04, P18, M54 PE05 Coesão territorial e Desenvolvimento equilibrado PT04 Governação Regional e sub-regional P18 Aperfeiçoamento e modernização do sistema administrativo M 54 Modernização administrativa e governo electrónico A DRAPL, na sequência do seu processo de certificação tem procurado aumentar os canais de comunicação com o exterior, bem como melhorar e refrescar os que já usa actualmente. O sítio da DRAPL, desenvolvido por entidade externa, data de 2001, sendo notória a necessidade de evoluir o seu grafismo, estrutura e tecnologia de construção de páginas, que se mantém desde essa data e se encontram obsoletas. Considerando que a DRAPL não possui entre os seus trabalhadores pessoal de informática, nem tem os conhecimentos técnicos e a experiência necessária à construção de um sítio de raiz, torna-se necessária a aquisição de serviços especializados que permitam a concretização do objectivo pretendido, ou seja, dar uma nova imagem à DRAPL e modernizar o modo como comunicamos com os nossos clientes, tudo através de uma nova página Web, com renovadas funcionalidades. Face às ferramentas actualmente disponíveis no mercado e às suas potencialidades, é estratégico para a DRAPL a renovação da estrutura do seu sítio da Internet, facilitando 31

32 assim a interacção com o público, a actualização dos conteúdos disponibilizados e a criação de novos modos de comunicação com o seu público-alvo. No que concerne aos PC s, trata-se de completar o ciclo de renovação de equipamentos, substituindo as máquinas mais antigas e obsoletas (5 PC s), com tempo de utilização de 5 ou mais anos, por máquinas novas e que garantam um desempenho mais eficaz. A aquisição deste material permitiria que a DRAPL renovasse integralmente os computadores pessoais em uso na instituição, pois ficaria com um parque informático com uma idade média a rondar os dois anos e meio. Estima-se um valor de euros para proceder à implementação deste projecto, correspondendo euros à componente de renovação do sítio da DRAPL e euros respeitantes à componente de renovação do material informático. 32

33 3. Formação profissional para os serviços e organismos do Governo Regional e das autarquias locais Enquadramento Propiciar formação contínua aos trabalhadores da Administração Regional Autónoma e Local, fomentando a melhoria constante da qualidade dos serviços públicos prestados aos cidadãos e às empresas. PDES: PE05, PT04, P18, M54 PE05 Coesão territorial e Desenvolvimento equilibrado PT04 Governação Regional e sub-regional P18 Aperfeiçoamento e modernização do sistema administrativo M 53 Qualificação e valorização dos recursos humanos A formação profissional é um objectivo estratégico de qualquer organização moderna, inclusive dos serviços que compõem a Administração Pública Regional e Local. Sectores como as autarquias locais (câmaras municipais e juntas de freguesia) dependem quase na totalidade da DRAPL para a formação dos seus trabalhadores. O Governo Regional depende das acções de formação organizadas pela DRAPL para a constante actualização profissional dos seus trabalhadores. E, numa perspectiva de eficácia de gestão dos escassos recursos financeiros disponíveis, não deixa de ser lógica a concentração numa única entidade governamental da gestão de toda a formação de carácter genérico, ficando a formação específica a cargo das respectivas secretarias regionais. Nessa conformidade, cortes orçamentais neste Projecto afectam todo o Governo Regional e as autarquias locais da Região. Para 2010, e tendo como pano de fundo a recente reforma da Administração Pública, há que acautelar o financiamento da formação profissional, apoio indispensável a todos os serviços da administração pública regional e local. 33

34 A revisão do regime de vínculos, carreiras e remunerações, bem como da avaliação do desempenho (SIADAP), o regime jurídico do contrato de trabalho em funções públicas, o Código dos Contratos Públicos, para referir apenas alguns dos diplomas com maior impacto na Administração Pública ainda com pouco tempo de aplicação, obrigarão à realização de mais formação, para além da que tem sido ministrada ao longo dos últimos anos. Refira-se, também, que no ano de 2009 a DRAPL obteve a acreditação enquanto entidade formadora, reforçando dessa forma as competências nessa área, com vista a tornar-se na principal entidade formadora da Administração Pública, o que lhe permitirá abalançar-se à organização de acções de formação noutros moldes, no que constitui um objectivo estratégico para o Governo Regional, fundamental para aumentar a eficácia e eficiência nesta área. Igualmente em 2009 foi aprovado o Plano Estratégico da Formação Profissional para a Administração Pública Regional e Local da RAM, documento que contém as linhas mestras nesta matéria até Assim, encontra-se prevista uma dotação global de euros para a concretização de um Plano de Formação para o universo dos trabalhadores do Governo Regional e da administração local da Região para

35 4. 4. Auto avaliação CAF em 60% dos organismos públicos da RAM e reconhecimento segundo o 1.º nível de Excelência da EFQM em 12 daqueles organismos Enquadramento No Programa do Governo Regional da Madeira ( ) podemos encontrar no âmbito das iniciativas visando Incentivar a qualidade e a certificação dos serviços públicos, entre outras, a seguinte formulação: Apoio à implementação de metodologias de gestão da qualidade nos organismos da administração pública regional visando sensibilizar e incentivar os serviços públicos a apostarem em estratégias de gestão que permitam a aplicação do modelo da CAF, da certificação ISO 9001:2000 ou do modelo EFQM, com a consequente definição de objectivos a atingir, sua quantificação e respectiva medição de resultados atingidos, orientados para a satisfação do cidadão/cliente ; E ainda, no que diz respeito à Qualidade: Desenvolvimento da Estratégia Regional para a Qualidade, que visa colocar a Região Autónoma da Madeira na liderança da Qualidade em Portugal até PDES: PE05, PT04, P18, M54 PE05 Coesão territorial e Desenvolvimento equilibrado PT04 Governação Regional e sub-regional P18 Aperfeiçoamento e modernização do sistema administrativo M55 Qualificação e certificação dos serviços públicos e melhoria do atendimento a cidadãos e empresas 35

36 Descrição do Projecto O projecto que aqui se propõe realizar numa perspectiva de coaching terá as seguintes componentes: Criação de Grupo Dinamizador da Auto Avaliação CAF 2006 nos Organismos Públicos Regionais e Locais; Realização de acção de formação na metodologia de realização da auto avaliação destinada ao Grupo Dinamizador da Auto Avaliação CAF 2006, segundo o método de estudo de caso adoptado pela EFQM; Apoio ao Grupo Dinamizador da Auto Avaliação CAF 2006 na definição da metodologia de realização da auto avaliação; Apoio ao Grupo Dinamizador da Auto Avaliação CAF 2006 na realização das acções de auto avaliação; Apoio ao Grupo Dinamizador da Auto Avaliação CAF 2006 na prioritização das acções de melhoria; Apoio ao Grupo Dinamizador da Auto Avaliação CAF 2006 no planeamento das acções de melhoria e na utilização da metodologia RADAR da EFQM; Apoio ao Grupo Dinamizador da Auto Avaliação CAF 2006 na avaliação das acções de melhoria e da existência de condições para a obtenção do reconhecimento Committed to Excellence da EFQM. 36

37 Objectivos Assegurar a realização, até Maio de 2011, da auto avaliação CAF 2006 em 60 % dos organismos da Administração Pública Regional e Local; Assegurar que, até Maio de 2011, a Região Autónoma da Madeira possui, pelo menos, 12 Organismos Públicos com o reconhecimento Committed to Excellence da EFQM; Realização, na RAM, de Conferência Internacional do EIPA sobre a aplicação da CAF O processo deverá estar concluído em meados de 2011, prevendo-se um custo de euros. 37

38 Face aos projectos apresentados, as dotações orçamentais da DRAPL para o PIDDAR 2010 são as seguintes: Projectos Dotação ( ) 1. Manutenção da área de serviços electrónicos do portal do Governo Regional 2. Actualização do layout do sítio da DRAPL na Internet e reforço de meios tecnológicos 3. Formação profissional para os serviços e organismos do Governo Regional e das autarquias locais 4. Auto avaliação CAF em 60% dos organismos públicos da RAM e reconhecimento segundo o 1.º nível de excelência da EFQM em 12 daqueles organismos , , , ,00 Total ,00 38

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Cooperação, Comunicação e Modernização Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Governo Regional Vice Presidência PLANO DE ACTIVIDADES DA DIRECÇÃO REGIONAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E LOCAL ANO DE 2004 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Governo Regional Vice Presidência

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 1 ÍNDICE 1. A Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Missão 1. Ministério da Comunicação Social é o órgão do Governo encarregue de organizar e controlar a execução da

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Capital Humano e Desenvolvimento Sustentável Potencial Humano Populações com saúde, educação e bem estar Desenvolvimento Capital Humano Capital Social Democracia

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Estrutura de Gestão do Programa Rumos

Estrutura de Gestão do Programa Rumos Estrutura de Gestão do Programa Rumos Modelo de Gestão do Programa Rumos Comissão Europeia Orientações Fundamentais IGF Autoridade de Auditoria Observatório do QREN Comissão Técnica de Coordenação Comissão

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO A criação de um sistema integrado de gestão da qualidade para as instituições de ensino superior resulta das melhores

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DA FORMAÇÃO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL E LOCAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

PLANO ESTRATÉGICO DA FORMAÇÃO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL E LOCAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PLANO ESTRATÉGICO DA FORMAÇÃO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL E LOCAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 1 Introdução A modernização da Administração Pública, adaptando a a um novo paradigma em que é

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 Conteúdo da apresentação Enquadramento da CAF Características gerais da CAF Estrutura da CAF Processo de aplicação da CAF (10 Passos) Enquadramento da CAF

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Newsletter Número. Plano de Actividades 2009. Direcção Regional da Administração Pública e Local. Nesta edição: com maior celeridade e eficiência.

Newsletter Número. Plano de Actividades 2009. Direcção Regional da Administração Pública e Local. Nesta edição: com maior celeridade e eficiência. Newsletter Número Direcção Regional da Administração Pública e Local Trimestral 3 Abril de 2009 Nesta edição: Plano de Actividades 1 Questões colocadas à Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público,

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS INTRODUÇÃO O CARAM CENTRO DE ABATE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E.R.A.M. ( CARAM ) é uma entidade pública empresarial, que integra o Sector

Leia mais

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública 4º Congresso Nacional da Administração Pública 2 e 3 Novembro de 2006 José Alberto Brioso Pedro Santos Administração Pública Contexto Perspectiva

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

MODELO EUROPEU DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS SOCIAIS EQUASS ASSURANCE. Qualidade nos Serviços Sociais

MODELO EUROPEU DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS SOCIAIS EQUASS ASSURANCE. Qualidade nos Serviços Sociais MODELO EUROPEU DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS SOCIAIS EQUASS ASSURANCE Qualidade nos Serviços Sociais 2 Iniciativa da EPR - European Platform for Rehabilitation, Certificação da qualidade ao nível dos serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO 8 PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Focalização no cliente Relações com fornecedores mutuamente benéficas Liderança Decisão baseada em factos Princípios da Qualidade

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Revisão Data Alterações na Revisão Elaborado Aprovado 0 07-06-2010 Edição original GQA CDIR Pág. 1 de 6 Índice Capítulo Assunto

Leia mais

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS APLICAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS -1- AGENDA Quem somos Modelo de Gestão Gestão por Objectivos - BSC Conclusões e Resultados -2- AGENDA Quem somos -3- O QUE FAZEMOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Gestão da Qualidade. Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1

Gestão da Qualidade. Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Gestão da Qualidade Identificação e Quantificação de Indicadores de Desempenho nos SGQ 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Indicador de Desempenho definição Um Indicador de Desempenho é uma

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

Publicado em 2013-02-27 14h:28m N.º 257 http://www.cm-oaz.pt/boletimmunicipal/257.html

Publicado em 2013-02-27 14h:28m N.º 257 http://www.cm-oaz.pt/boletimmunicipal/257.html Manutenção da Comissão de Serviço Divisão Municipal de Auditoria interna, Planeamento e Sistemas de Informação Considerando - Que as Câmaras Municipais devem promover a adequação dos serviços até 31 de

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 07 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO Nos termos do Regulamento do SI Qualificação

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 31 de março de 2014 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 34/2014 Aprova a organização

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Inovar em rede A cidadania na Gestão Pública Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351) 213

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais