INFORMAÇÃO ESCRITA DO PRESIDENTE 16 FEV ABR 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÃO ESCRITA DO PRESIDENTE 16 FEV 2012 15 ABR 2012"

Transcrição

1 INFORMAÇÃO ESCRITA DO PRESIDENTE 16 FEV ABR 2012 Câmara Municipal de Lisboa ABRIL

2

3 Informação Escrita do Presidente Informação Escrita do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa 16 fevereiro a 15 de abril de 2012 Nos termos da alínea e), do nº 1, do artigo 53º, da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, na redacção dada pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de Janeiro, o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa deve entregar, em cada Sessão Ordinária da Assembleia Municipal, uma informação escrita sobre a actividade do Município. Assim, importa levar ao conhecimento da Assembleia Municipal de Lisboa, na sua Reunião Ordinária de abril, a referida Informação Escrita, no período de 16 de fevereiro a 15 de abril de Sem prejuízo de informação e dados mais pormenorizados remetidos pelos serviços da CML, gostaria de destacar, neste período, na ação da CML, o que segue: 1. Reunião da COTER em Lisboa Em 5 de março de 2012 Lisboa acolheu a 11ª Reunião da Comissão de Política de Coesão Territorial (COTER) do Comité das Regiões, a qual contou com uma elevada participação de autarcas dos 27 países da União Europeia. Os trabalhos debruçaram-se sobre as Propostas de Regulamentos da Comissão Europeia relativas aos Fundos Estruturais, constantes do Quadro Financeiro Plurianual 2014/2020, que terão especial impacto na Estratégia de Lisboa 2014/2020, atendendo à relevância dada ao Desenvolvimento Urbano Sustentável Integrado. Destaca-se o consenso relativamente às questões chave para o sucesso do futuro da política de coesão: flexibilidade, simplificação, total envolvimento das regiões e das cidades na definição e implementação dos contrato-programa e dos programas operacionais. Foi ainda objeto de debate e parecer a Proposta de Regulamento sobre a revisão do quadro legislativo da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T). No dia seguinte, 6 de março, realizou-se o Seminário dedicado ao tema O futuro dos transportes na Europa, numa organização conjunta da Câmara Municipal de Lisboa e da COTER. Das conclusões finais destaca-se o alerta para a necessidade da integração multimodal entre as infraestruturas da rede transeuropeia de transportes e as ligações regionais e locais em toda a UE com vista a permitir que todos os cidadãos europeus beneficiem do mercado único europeu, acolhendo favoravelmente a vontade da Comissão Europeia de acelerar a RTE-T; a relevância do contributo que transportes eficientes, eficazes e sustentáveis dão para a concretização da Estratégia 2020, em especial ao promoverem a mobilidade sustentável nas zonas urbanas; a necessidade de deverem ser utilizados novos I

4 Informação Escrita do Presidente instrumentos de financiamento, nomeadamente obrigações europeias para financiamento de projetos (project bonds), atendendo às restrições orçamentais que atualmente limitam as finanças públicas dos Estados-Membros e dos órgãos de poder local e regional. 2 Último Troço do túnel do Marquês O ramo de saída para a Avenida António Augusto de Aguiar, designado túnel T4, foi o último troço do Túnel do Marquês de Pombal a ser construído. Este ramo de saída do Túnel do Marquês para a Avenida António Augusto de Aguiar tinha ficado por concluir quando os trabalhos pararam, por falta de pagamento, em Em março 2010, a Câmara Municipal de Lisboa estabeleceu um acordo judicial com o consórcio constituído pelas empresas Construtora do Tâmega e CME Construção e Manutenção Eletromecânica, que permitiu reiniciar a obra mediante o pagamento de 22, 2 milhões de euros que estava em dívida. A obra de construção do túnel T4 foi retomada em fevereiro de 2011, após um período de paragem, motivado pela necessidade de execução de um reforço da Galeria da linha Amarela do Metropolitano de Lisboa que se apresentava particularmente fissurada. Concluiu-se assim uma obra importante para a Cidade de Lisboa, que veio contribuir para uma melhoria significativa da fluidez do tráfego à superfície. 3. Entrada em funcionamento da Segunda fase da ZER Zona de Emissões reduzidas na cidade de Lisboa Após a implementação da 1ª Fase da Zona de Emissões Reduzidas (ZER) em julho de 2011, foi implementada no passado dia 1 de abril a 2ª fase da ZER, honrando os compromissos assumidos pelo Município de Lisboa em 2008 e pelo Estado Português, constituindo esta medida um sinal claro no cumprimento da legislação em vigor sobre a qualidade do ar (nacional e europeia). Com a 2ª fase da ZER, o município aumentou para 26km2 a área restrita à circulação de carros poluentes em Lisboa (aproximadamente 44x superior à área da 1ª Fase da ZER correspondendo hoje a 1/3 da área cidade), passando esta a ser constituída por duas zonas e a vigorar num horário mais alargado nos dias úteis (7h-21h): Zona 2 (zona a sul do eixo que vai desde Alcântara ao poço do Bispo, passando pelas Avenidas de Ceuta e Estados Unidos da América) - onde passou a ser restrita a circulação a veículos que não respeitem a norma de emissões EURO 1 (veículos fabricados antes de Jan.1992); Zona 1 (eixo Liberdade/Baixa) onde aumentou a exigência ambiental, podendo apenas circular veículos que respeitem a norma de emissões Euro 2 (veículos ligeiros fabricados antes de Jan.1996 e pesados antes de Out.1996). II

5 Informação Escrita do Presidente Os transportes públicos não serão excecionados e terão cerca de 3 meses para se adaptarem às novas exigências ambientais, cumprindo pelo menos a norma EURO1, sendo que até ao fim do ano de 2012 todos terão de respeitar EURO Protocolos Táxis elétricos No passado dia 29 de março, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) e a Autocoope Cooperativa de Táxis de Lisboa, celebraram um protocolo, com vista à emissão de duas licenças temporárias e à isenção do pagamento de taxas municipais, no âmbito do projeto experimental de utilização de veículos elétricos no transporte em táxi. Com este projeto, pretende-se testar a utilização de veículos elétricos no serviço de transporte em táxi na cidade de Lisboa, com vista à verificação da capacidade de resposta deste tipo de veículos e a avaliação de eventuais limitações resultantes desse sistema de energia no tipo de utilização em causa. Este projeto experimental tem a duração de 60 dias e visa constituir um incentivo à renovação da frota automóvel ao serviço da atividade de transporte em táxi, com evidentes benefícios para a cidade, atentos aos respetivos impactos no ambiente, na economia e no turismo. Este tipo de ação apresenta um elevado interesse para a cidade de Lisboa, dado que, em conjugação com outras medidas em curso, como sejam a implementação de Zonas 30 e o desenvolvimento da mobilidade elétrica, promovem a melhoria da qualidade do ar e aposta numa mobilidade mais sustentável. 5- Obras de qualificação urbana no Bairro do Bom Nome A Câmara Municipal de Lisboa deu início às obras de qualificação do espaço público do Bairro da Quinta do Bom Nome, na freguesia de Carnide. O projeto prevê a construção de novas áreas de lazer, zonas de estadia e grandes relvados de desporto informal, plantação de árvores e implementação de medidas de acalmia de tráfego e foi um dos vencedores da edição de 2010/11 do Orçamento Participativo da CML. A intervenção irá atuar em duas frentes: qualificação do espaço urbano dos arruamentos, reorganizando as circulações viárias e pedonais; qualificação de zonas verdes envolventes ao Bairro, com oferta de novas áreas de estadia e equipamentos de recreio, bem como o enquadramento viário da Av. Condes de Carnide e o Nó da CREL. Os novos equipamentos vão estar articulados com a pista ciclável ali existente - que liga a Quinta da Granja ao Bairro Padre Cruz e que é parte integrante do Corredor Verde do Parque Periférico -, estabelecendo um contínuo com os espaços verdes do Bairro, numa estrutura verde de dimensão considerável que funcionará como zona de tampão, minimizando os impactes ambientais dos eixos viários de grande capacidade que delimitam esta área residencial. III

6 Informação Escrita do Presidente O reperfilamento das vias existentes no interior do Bairro, que atualmente induzem a velocidades de circulação excessivas para uma zona residencial, com um separador central arborizado e estacionamento longitudinal, vai permitir aumentar a segurança rodoviária e a área de sombra. Será também instalado um novo equipamento juvenil, composto por uma peça para escalada e ainda uma área lúdica para bicicletas, skate e patins; e um equipamento infantil, com escorrega, baloiço, molas de balançar e zonas de escalar. Uma das premissas de projeto foi a sustentabilidade dos espaços verdes. Para tal, com vista à redução das necessidades hídricas dos espaços, bem como de manutenção, reduziramse as áreas de prado regado às zonas planas, que correspondem às áreas com maior capacidade de carga para atividades, apostando no prado de sequeiro para as zonas de talude. Estas zonas planas funcionarão simultaneamente como bacias de retenção. Noutras áreas é ainda proposta a plantação de arbustos e herbáceas variadas, que serão regados por sistema gota a gota, reduzindo também, desta forma, o consumo hídrico dos espaços verdes. A obra deverá estar concluída num prazo estimado de 210 dias. 6. Reabilitação da Fonte Monumental da Alameda Afonso Henriques A Câmara Municipal de Lisboa está a proceder à reabilitação da Fonte Monumental da Alameda D. Afonso Henriques, com vista a retomar os jogos de água que caracterizam esta fonte emblemática da cidade, e a, no futuro, abrir este edifício monumental ao público. Nesse sentido, a intervenção no interior do edifício visa reparar os sistemas eletromecânicos e repor o equipamento danificado. Para permitir a abertura do edifício ao público, foi estabelecido o respetivo percurso de visita. As estruturas de apoio a visitantes e a entrada de público serão efetuadas pelo torreão sul, onde serão instalados alguns equipamentos de apoio: receção, instalações sanitárias, arrumos e acesso à galeria. Este acesso estará dotado de meio mecânico para garantia da acessibilidade, sendo que a galeria ficará livre, constituindo o percurso de ligação à área central do complexo que é uma zona de especial interesse para os visitantes. Nesta área será colocada uma plataforma que funcionará como miradouro. Especial cuidado mereceu o projeto de iluminação decorativa da área dos visitantes, em particular a galeria, uma vez que foi prevista a sua ocupação por exposições permanentes ou temporárias. O conjunto da Fonte Monumental da Alameda Afonso Henriques foi objeto de reparações profundas, no interior e exterior, há cerca de sete anos. Esta obra terá a duração estimada de 180 dias e tem financiamento do PIPARU (Programa Prioritário em Ações de Reabilitação Urbana). IV

7 Informação Escrita do Presidente 7- Instalação de sistema de rega automática no Parque Eduardo VII e Jardim Amália Rodrigues A Câmara Municipal de Lisboa está a proceder à instalação de um novo sistema de rega automática no Parque Eduardo VII e no Jardim Amália Rodrigues. A obra, cujos trabalhos têm início esta semana, consiste na substituição do sistema de rega existente, maioritariamente manual, que exige um dispêndio de mão de obra muito elevado e grandes consumos de água. O novo sistema permite a programação da rega em horários mais adequados, o que se traduz na otimização dos recursos, quer humanos quer de consumo de água e na redução dos custos de manutenção daqueles espaços verdes. A obra tem a duração estimada de 170 dias. 8- Aprovação da proposta de Modelo Urbano do Plano de Pormenor do Eixo Urbano Luz Benfica Foi deliberado na reunião da Câmara Municipal de Lisboa, de 31 de março de 2010, proceder à alteração do Plano de Pormenor do Eixo Urbano Luz Benfica e aprovar os respetivos Termos de Referência. Depois de decorrido o período de participação pública preventiva, entre 11 de junho a 08 de julho de 2010, foram elaborados os estudos de caracterização e avaliação das condicionantes existentes, e desenvolvido o Projeto de Plano, que configura um Modelo Urbano para a área de intervenção e que dá cumprimento à 1ª fase, conforme estabelecido nos Termos de Referência aprovados pela Câmara Municipal. Foi assim aprovado em Reunião Pública Extraordinária da CML de a proposta de Modelo Urbano do Plano de Pormenor do Eixo Urbano Luz Benfica. A área de intervenção do Plano é de aproximadamente 113 ha. Os objetivos da alteração do plano, de acordo com os Termos de Referência aprovados, e a sua concretização, na atual proposta de alteração do PPEULB, operam em torno dos seguintes propósitos: Avaliação das necessidades de Equipamentos a implementar na globalidade do plano tendo como enquadramento as cartas de equipamentos em vigor (Carta Educativa de Lisboa, Carta de Equipamentos de saúde, Carta de Equipamentos Sociais/Rede de Creches, Carta Desportiva e todas as carências que incidem sobre a faixa etária de maior idade (ainda não contemplada em nenhuma destas cartas); Reavaliação das Infraestruturas, atualizando e ponderando os traçados das obras existentes e as não realizadas; Reavaliação do enquadramento urbano e jurídico da listagem dos compromissos do plano que não se concretizaram; Retificações e acertos ao plano que deverão ser integrados no âmbito desta alteração; V

8 Informação Escrita do Presidente Estrutura Verde - Quinta da Granja; Manutenção do principal objetivo do PP anterior: Mantem-se válido na presente proposta o objetivo de criação na área em estudo de condições que permitam o desenvolvimento de um núcleo terciário de qualidade com um ambiente de eleição, onde o espaço verde integrado no tecido urbano tenha lugar de relevo. A quinta da Granja assume assim uma enorme importância. Este espaço, único pelas suas características, comporá, com o bosque do palacete do Conde de Carnide e os espaços exteriores da área das escolas um conjunto de elementos que proporcionarão a ligação do parque periférico a Monsanto. 9. Aprovação da Proposta de versão final do Plano de Pormenor da Pedreira Alvito O Plano de Pormenor da Pedreira do Alvito esteve em discussão pública entre 1 e 30 de setembro de Deste período resultaram 7 participações que, após o estudo do seu enquadramento, determinaram a versão final do Plano de Pormenor da Pedreira do Alvito. Depois de preparados os documentos que integram o Plano de Pormenor e considerados todos os objetivos definidos nos Termos de Referência aprovados pela Câmara Municipal, foi submetido e aprovado em Reunião Pública da CML de a Proposta do Plano de Pormenor da Pedreira do Alvito, para efeitos de envio à Assembleia Municipal. O PPPA disciplina o uso, ocupação e transformação do solo na área aproximada de 20,9 ha correspondente a parte da Unidade Operativa de Planeamento 18 do PDM de Lisboa, localizada na freguesia de Alcântara. O Plano tem como objetivos: Promover o reordenamento da área de intervenção; Permitir a requalificação da atual área consolidada industrial, reconduzindo a uma categoria de área de reconversão urbanística mista, definida no PDM quanto aos princípios, parâmetros e regras; Integrar as opções estratégicas, orientações e determinações definidas no PROT-AML para as áreas industriais desativadas no interior das cidades; Dotar a zona de equipamentos sociais, de apoio ao lazer e recreio; Reforçar a estrutura ecológica da Cidade através, designadamente, da articulação com a envolvente dos espaços verdes de utilização coletiva a criar, designadamente com a Tapada da Ajuda e com o Parque de Monsanto; Estruturar a rede viária local em articulação com a rede viária principal, de forma a melhorar as acessibilidades e os índices de mobilidade interna e externa, bem como definir o traçado e as condições para implementação de um troço do sistema de ciclovias. O Plano de Pormenor da Pedreira do Alvito aguarda aprovação na Assembleia Municipal. VI

9 Informação Escrita do Presidente 10 - Aprovação da abertura de período de discussão pública da alteração ao Plano de Urbanização do Núcleo Histórico de Alfama e da Colina do Castelo, do Núcleo Histórico da Mouraria, do Núcleo Histórico do Bairro Alto e Bica e do Núcleo Histórico da Madragoa A Câmara Municipal de Lisboa em reunião de 21 de julho de 2010, deliberou dar início ao procedimento de Alteração dos Planos de Urbanização dos Núcleos Históricos: Mouraria, Madragoa, Alfama e Colina do Castelo e Bairro Alto e Bica. Decorrido o período de participação pública preventiva para a formulação de sugestões e para a apresentação de informações e concluído o período de elaboração de proposta de alteração do plano, foi submetida e aprovada, em Reunião Pública de , a abertura do período de discussão pública da alteração dos referidos 4 Planos. Ao fim de catorze anos de vigência, as disposições dos Regulamentos dos planos em questão, vêm revelando, na sua aplicação, algum desajustamento relativamente aos objetivos que se pretendiam prosseguir, bem como à evolução da dinâmica urbana, social e económica registada, que urge alterar em conformidade. Não se pretende, por esta via, proceder nem à reconsideração ou reapreciação global das opções estratégicas dos planos, nem dos princípios e objetivos do modelo territorial e morfológico definido ou dos regimes de salvaguarda e valorização dos recursos e valores territoriais, nem alterar a filosofia de intervenção sobre o mesmo território em tudo aquilo que assente nos Planos em vigor. No entanto, a nova legislação do ordenamento do território [Decreto-Lei n.º 46/2009, de 20 de fevereiro, RJIGT], da reabilitação urbana [Decreto-Lei n.º 307/2009, de 23 de outubro, RJRU] e do controlo prévio das operações urbanísticas [Decreto-Lei n.º 26/2010, de 30 de março, RJUE], prosseguindo a desburocratização e a simplificação administrativa longamente reivindicada pelos cidadãos e pelas empresas, abre campo a alguma inovação na intervenção e administração municipal sobre estes territórios (ainda) deprimidos, como é o caso da Mouraria, Alfama e Colina do Castelo. É neste âmbito que está em curso a avaliação e ponderação das medidas previstas nos recentes regimes jurídicos já referidos, para fundamentar a proposta de um novo instrumento de gestão territorial (IGT) para cada área, designadamente sob a forma de Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana (PPRU) e recorrendo a todas as novas estratégias, cujo prazo de elaboração, no entanto, não se compadece com a premência das medidas a adotar, estritamente para efeitos de gestão urbanística. A conjuntura macroeconómica vem também reforçando esta necessidade e esta prioridade. 11- Início da 5ª edição do Orçamento Participativo No passado dia 1 de abril teve início a V edição do Orçamento Participativo de Lisboa. Durante dois meses, até ao final de maio, os cidadãos de Lisboa poderão apresentar as suas VII

10 Informação Escrita do Presidente propostas para a cidade, quer através da plataforma online disponibilizada para o efeito o Portal da Participação de Câmara Municipal de Lisboa quer através das Assembleias Participativas que serão realizadas. O ciclo de participação do OP Lisboa 2012 inicia-se com o período de apresentação de propostas que decorre entre 1 de abril e 31 de maio. Depois, seguir-se-á um período de análise das propostas por parte dos serviços municipais começa a 1 de junho e termina a 31 de agosto. Da tomada de posição dos serviços, os cidadãos podem reclamar entre os dias 1 e 9 de setembro. A decisão acerca dessas reclamações é divulgada até 16 de setembro e, finalmente, a votação dos projetos decorrerá entre 17 de setembro e 31 de outubro de A edição de 2012 quer continuar o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido com a comunidade mas quis também inovar de modo a poder adaptar-se aos contributos que foram chegando à autarquia no momento de avaliação do processo e à própria realidade. Este ano, destacam-se quatro novidades principais: o alargamento do período de votação de 30 para 45 dias, a alteração do montante global para 2,5 milhões de euros, a nova metodologia de votação - o montante global do Orçamento Participativo será dividido em dois grupos de projetos, sendo atribuído 1,5 milhões de euros para um primeiro conjunto de projetos de valor igual ou inferior a euros, bem como o valor de 1 milhão de euros para um segundo conjunto de projetos de valor igual ou inferior a euros que não caibam no grupo anterior. Os cidadãos terão, por isso, direito a dois votos, um por cada conjunto de projetos e a diminuição dos prazos de concretização dos projetos. Destacam-se, ainda, dois momentos importantes da atividade da Câmara Municipal associados ao processo de participação de Lisboa. O primeiro diz respeito à realização do concurso para a nova imagem do Orçamento Participativo de Lisboa. Tendo em vista o refrescamento da imagem do OP de Lisboa, foi lançado um concurso aberto a todos os cidadãos, incentivando a apresentação de propostas para o novo rosto gráfico do Orçamento Participativo. O prazo de apresentação de propostas esteve aberto durante dois meses e, findo esse tempo, foi possível contabilizar mais de 200 propostas, que foram analisadas por um júri de reconhecido mérito, que escolheu cinco propostas que passaram para a fase de votação pública aberta numa página da rede social Facebook criada para o efeito. A votação decorreu de modo muito participado e, no final, após a votação de cidadãos, foi escolhido o novo logotipo do OP de Lisboa, distinção que atribuiu ao autor um prémio no valor de euros. A última nota desta temática vai para a realização do Orçamento Participativo Escolar 2012 que alarga a experiência efetuada no ano transato na Escola EB 2,3 de Marvila. Este ano o projeto chega a mais cinco escolas - Escola Secundária de Eça de Queirós, Escola Secundária Josefa de Óbidos, Escola Secundária Marquês de Pombal, Escola Secundária Filipa de Lencastre e a Escola Secundária do Lumiar - e conta com um orçamento global de euros ( euros por cada estabelecimento). A sessão de VIII

11 Informação Escrita do Presidente apresentação dos vencedores do OP Escolar 2012 decorrerá no próximo dia 1 de junho, Dia Mundial da Criança. 12- Espaço de COWORKING e FAB LAB no Mercado do Forno de Tijolo A CML lançou um concurso público de concessão de parte delimitada da Nave Central do Mercado Municipal do Forno do Tijolo o qual permitirá a construção de um novo ESPAÇO DE COWORKING. O respetivo período de inscrições de interessados terminou no final do mês de março, tendo sido escolhida a proposta liderada pela AIP-CCI. Também no Mercado do Forno de Tijolo será implementado um FAB LAB, disponibilizando um novo laboratório de prototipagem rápida ao serviço das empresas de Lisboa, passando a dotar a cidade de mais uma importante ferramenta ao serviço da inovação. Neste âmbito o projeto foi apresentado publicamente no passado dia 30 de março de 2012, tendo estado presentes os responsáveis máximos das entidades parceiras, respetivamente, a CML, a Iberomoldes, o CENTIMFE e a AIP-CCI. 13. Prémio Academia Lx Conscientes da necessidade de orientar o conhecimento científico para dar respostas concretas a problemas concretos da vida da cidade de Lisboa o Executivo Municipal aprovou a realização do projeto Academia LX, que tem por objetivo construir um novo quadro para parcerias estratégicas entre o Município e as Universidades para o desenvolvimento de investigação e estudos sobre temas e questões com relevância prática para a cidade de Lisboa. Com esta iniciativa, pretende o Executivo trabalhar com as Universidades e os Centros de Investigação de Lisboa no sentido de promover o interesse de alunos de mestrado e doutoramento e investigadores pelas grandes questões que a vida da cidade coloca. O Prémio Academia LX tem, assim, como objetivo, selecionar e premiar projetos de investigação cientifica que tenham um objeto de trabalho orientado para a obtenção de respostas inovadoras aos problemas que se colocam à cidade de Lisboa. Os desafios são muitos e em muitas áreas, desde o ambiente, a cultura, a mobilidade ou a educação, até às questões de natureza estratégica, como os modelos de governação da cidade, ou questões de natureza operacional, associadas a modelos inovadores de gestão pública utilizados na estrutura administrativa municipal. Podem concorrer ao Prémio todos os estudantes que frequentem estabelecimentos de ensino superior na cidade de Lisboa, de acordo com os princípios mencionados, sendo que o valor do prémio fixado por deliberação camarária é de 5000 Euros. No âmbito da divulgação do prémio Academia LX foram organizados eventos de discussão das questões concretas que a cidade coloca. Assim, a primeira destas sessões, designada Pensar Lisboa com Amor, foi no dia 15 de fevereiro, na Pensão Amor, no Cais do Sodré. IX

12 Informação Escrita do Presidente O objetivo desta iniciativa foi, num ambiente aberto, promover o encontro de reflexões, a partir do testemunho de algumas pessoas que, pelo trabalho já efetuado, podem servir de inspiração para outros. O prazo de apresentação de candidaturas terminou no passado dia 31 de março o prazo, tendo sido rececionados 29 trabalhos de investigação, que serão submetidos à análise do júri designado para o efeito ª edição da Modalisboa De 8 a 11 de março decorreu no Pátio da Galé, nos Paços do Concelho e no BPI da Praça do Município mais uma edição da Modalisboa com a apresentação das coleções de inverno Durante 4 dias realizaram-se 22 desfiles representativos da vitalidade e criatividade deste importante setor para a economia nacional. Estiveram presentes diversos jornalistas estrangeiros que contribuíram para a projeção internacional da marca Lisboa. 15. Fundo de Emergência Social em Lisboa Aprovação do Fundo de Emergência Social, vertente de Apoio a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), o qual possibilitará o apoio a Instituições cuja atividade de intervenção social esteja comprovadamente comprometida por razões imputáveis à atual situação de crise. O montante total anual desta vertente é de um milhão de euros. Na sequência desta decisão foi aprovada a atribuição de um apoio a uma situação de emergência já analisada, estando entretanto em preparação 4 novos pedidos para decisão em abril. 16. Segunda edição do concurso BIP-ZIP Terminado o prazo para apresentação de candidaturas ao Programa BIP-ZIP Lisboa 2012 (que decorreu entre 7 de março e 2 de abril de 2012, devido a prorrogação do prazo inicial que terminava em 30 de março), foram recebidas 106 candidaturas, mais 29 que na edição de A submissão de candidaturas foi feita exclusivamente online, onde as entidades candidatas tiveram de se registar previamente. Em comparação com o ano passado, o valor total dos projetos candidatados quase duplicou: as 106 candidaturas têm agora um orçamento total estimado em 4,688 milhões de euros. As candidaturas cobrem todos os 67 BIP-ZIP de Lisboa Novo quadro regulamentar da Habitação Municipal Uma das prioridades da política de habitação municipal é a necessidade de definir regras claras para a gestão da habitação municipal, num quadro normativo único, através de novos regulamentos relativos à gestão, às operações de realojamento e às desocupações. Assim, foram aprovados, publicados e estão em vigor 4 novos Regulamentos: X

13 Informação Escrita do Presidente Regulamento de Gestão do Parque Habitacional do Município de Lisboa (publicação no 1º Suplemento ao BM nº 943 de 15 de março de 2012) Este Regulamento vem responder a necessidades decorrentes da gestão quotidiana do Parque Habitacional Municipal, regulamentando com transparência as especificidades contratuais do arrendamento, assim como os critérios e procedimentos de gestão, incluindo disposições inovadoras em matéria de participação dos moradores e de resolução de conflitos. Abrange todas as habitações municipais, atribuídas quer através de cedência precária, quer mediante contrato de arrendamento celebrado no regime de renda apoiada (Decreto-Lei nº 166/93, de 7 de maio), contemplando ainda as habitações particulares arrendadas pelo Município de Lisboa para realojamento, atribuídas de acordo com respetivo regime, ou sujeitas ao regime de arrendamento urbano. Regulamento das Desocupações de Habitações Municipais (publicação no nº 939 do Boletim Municipal, de 16 de fevereiro de 2012) Este Regulamento define os critérios e procedimentos a aplicar pela GEBALIS e pela Câmara Municipal de Lisboa para controlar e combater a ocupação abusiva de habitações municipais. Quando alguém ocupa um fogo municipal que não lhe foi atribuído, a regra é a da desocupação. Trata-se de um ato ilegal e as desocupações são efetuadas pela Polícia Municipal. As situações sociais mais graves são encaminhadas para a Rede Social (Câmara, Misericórdia e Juntas de Freguesia). Toda a ocupação abusiva pode ser alvo de uma queixa-crime por parte do Município. Existindo dano provocado pelo ocupante, o Município avalia o valor do dano e notifica o seu autor para pagamento, sob pena de pedido de indemnização através de tribunal. As ocupações anteriores a 2009, data em que entrou em vigor o regime de acesso à habitação municipal por concurso, são verificadas caso a caso e decididas em conformidade com as regras do Regulamento das Desocupações. Regulamento de Operações de Realojamento (publicação no BM nº 939, de 16 de fevereiro de 2012) Este Regulamento junta num único documento as regras e critérios a cumprir sempre que a Câmara Municipal tiver de realojar famílias, clarificando as responsabilidades sobre o dever de realojar e as condições para ter direito ao realojamento. A Câmara tem o dever de promover o realojamento de emergência sempre que houver uma catástrofe, quando precise de fazer obras em prédios municipais que obriguem ao despejo dos inquilinos, quando promova demolições de prédios municipais ou quando realize outras operações urbanísticas de interesse público. Em prédios particulares, o dever de realojar quando há obras cabe ao proprietário, exceto se a Câmara tiver tomado posse administrativa do prédio, caso em que a obrigação passa para a Câmara. XI

14 Informação Escrita do Presidente Quando há um processo de realojamento que envolva muitas famílias podem ser criados critérios complementares, prevendo-se para o efeito a participação das organizações de moradores e das juntas de freguesia. Para incentivar a reabilitação urbana por particulares, a Câmara pode disponibilizar fogos municipais devolutos, intitulados volantes de realojamento, a promotores públicos e privados, que se responsabilizarão pelas respetivas obras para o realojamento temporário requerido pela realização de obras de reabilitação de edifícios ocupados. Regulamento do Conselho Municipal de Habitação (publicação no 1º Suplemento do Boletim Municipal n.º 930, de 15 de dezembro de 2011) O Regulamento do Conselho Municipal de Habitação estabelece as regras de criação e funcionamento do Conselho Municipal de Habitação, um órgão consultivo do município com representação dos principais parceiros sociais com ação no setor da Habitação no Município de Lisboa. O Conselho tem representantes da Câmara, da Assembleia Municipal, da Comissão Arbitral Municipal e de entidades associativas, nomeadamente representantes de inquilinos, proprietários, setores da construção, da promoção e da mediação imobiliária, cooperativas de habitação e associações de moradores de bairros municipais e de bairros e zonas de intervenção prioritária de Lisboa, num total de cerca de 30 membros. O Conselho Municipal de Habitação foi instalado e teve a sua primeira reunião em 27 de fevereiro de 2012 para debater a proposta de lei do arrendamento urbano. 18-Apresentação do relatório da 3ª fase do PLH O Relatório da 3ª Fase do PLH (Concretizar) faz o ponto da situação do trabalho desenvolvido para dar corpo à nova política municipal de habitação consagrada na Proposta Estratégica do PLH durante os primeiros dois anos de implementação. O principal objetivo deste Relatório é mostrar a tradução das metas do PLH nas políticas municipais, de forma transversal, e na política municipal de habitação em particular. O Relatório aborda os novos programas nascidos do PLH no âmbito do pelouro da Habitação, com destaque para o programa BIP-ZIP. Mostra ainda como o PLH se insere no PDM em revisão, e na Estratégia para a Reabilitação Urbana para Lisboa Explicita os instrumentos financeiros de suporte (QREN e PIPARU) e apresenta uma síntese do cruzamento do PLH com os principais programas e projetos do Plano Plurianual de Investimentos da CML e respetivo grau de execução. Com este Relatório encerra-se o processo de elaboração e introdução do PLH nos documentos estratégicos e de gestão da CML, devendo-se daqui em diante estabelecer um conjunto de indicadores que permitam a monitorização regular da política municipal de habitação. XII

15 Informação Escrita do Presidente 19 - Aprovação da Estratégia para as Pessoas Sem Abrigo ao nível da Rede Social Aprovação da Estratégia de Lisboa para as pessoas em abrigo, com especial referência às unidades de atendimento a criar e às unidades de alojamento temporário a reestruturar e a implementar, ao Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo (NPISA), às equipas de rua e outros recursos, designadamente a disponibilização de refeitórios para o fornecimento da alimentação em situação de maior segurança e dignidade. 20. Workshop Seniores de lisboa Capital social e qualidade de vida A organização do Workshop Seniores de Lisboa: Capital Social e Qualidade de Vida, que decorreu a 1 de março de 2012, contou com a participação da CML e do Instituto do Envelhecimento no âmbito do Protocolo celebrado em 26 maio de Foram apresentados os dados de um inquérito (da responsabilidade do Instituto de Ciências Sociais ) à população do concelho de Lisboa, focando em particular as condições de vida e participação cívica das pessoas de 50 e mais anos residentes na cidade. Questão importante no âmbito da implementação do Plano Gerontológico Municipal, em especial em termos de planeamento da intervenção a médio prazo, considerando que os dados apresentados são reveladores do impacto da evolução socio económica das últimas décadas na situação presente das pessoas com 50 e mais anos, sendo especialmente relevante a diferenciação entre o grupo anos (melhor escolaridade, melhores condições habitacionais, melhores qualificações,) e os subgrupos em que podemos subdividir a população 65 e mais anos. O esforço de adaptação da cidade ao envelhecimento da população foi evidenciado com a apresentação dos projetos e ações em curso quer da responsabilidade da CML e Juntas de Freguesia, quer da responsabilidade de Instituições que trabalham nesta área. 21. Inauguração do Pavilhão Tailandês O Pavilhão Tailandês foi inaugurado no dia 21 de fevereiro, no Jardim Vasco da Gama (Belém) na presença de Sua Alteza Real a Princesa Maha Chakri Sirindhorn, numa cerimónia no âmbito dos 500 anos de relações entre a Tailândia e Portugal. O pavilhão, que em tailandês se designa sala (uma das várias palavras portuguesas que entraram no vocabulário thai), foi oferecido à cidade de Lisboa pelo governo real da Tailândia, ao abrigo de um memorando de entendimento assinado entre as duas entidades, como forma de assinalar as comemorações dos 500 anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre Portugal e aquele país asiático. 22- Filme Comboio Noturno para Lisboa O filme Night Train to Lisbon ( Comboio Noturno Para Lisboa ), do conceituado realizador dinamarquês Bille August, está a ser rodado em Lisboa, cidade que é o principal cenário desta grande produção cinematográfica internacional. XIII

16 Informação Escrita do Presidente O filme, baseado no romance de Pascal Mercier Night Train to Lisbon, tem argumento de Greg Latter e Ulrich Hermann e é uma coprodução internacional entre Portugal, Alemanha e Suíça com os produtores Ana Costa e Paulo Trancoso, Peter Reichenback, Michael Lehmann, Kerstin Ramcke, Gunter Guss e Benjamin Seikel. Conta com a participação de um elenco de prestígio internacional que inclui Jeremy Irons, Bruno Ganz, Melanie Laurent, Jack Huston, Martina Gedeck, August Diehl, Lena Olin, Christopher Lee e Charlotte Rampling, entre outros, e de atores portugueses com destaque para Nicolau Breyner, Beatriz Batarda, Marçal Godinho, José Wallenstein, Joaquim Leitão, também entre outros. A equipa técnica é constituída por 59 portugueses e 3 estrangeiros, num total de investimento de 7,7 mihões de euros, prevendo-se que deste montante seja aplicado em Portugal/Lisboa o valor de 4,1 milhões de euros. A Câmara Municipal de Lisboa participa através da atribuição de um apoio não financeiro no âmbito da isenção de taxas de ocupação de via pública, do apoio logístico com a participação de vários serviços municipais como Iluminação Pública, Espaços Verdes, Bombeiros, Projetos e Obras, Higiene Urbana e EMEL e, ainda com a cedência do Palácio de Santa Catarina como principal local das filmagens, divulgação e cedência do Cinema S. Jorge para a estreia do filme. 23- Lisboa, Quem És Tu? Estreou no passado dia 30 de março, e terá lugar todas as noites até ao final de outubro nas muralhas do Castelo de S. Jorge, o espetáculo de música e imagem Lisboa, quem és tu?. Trata-se de uma experiência sensorial única que recorda a história de Lisboa através de uma projeção multimédia que, ligando passado e presente, tecnologia e criatividade, história e património, conta a história da capital de Portugal de uma forma que não vai deixar ninguém indiferente. Durante 35 minutos, revela-se a alma de Lisboa, numa viagem pelos lugares de hoje e as histórias do passado, com músicos portugueses que vão desde os Buraka Som Sistema, a Carlos Paredes, Madredeus, Cool Hipnoise, Danças Ocultas, Dead Combo, Luís Freitas Branco e Amália Rodrigues, que canta um poema de Alexandre O Neill. 24 Inauguração do B leza Cinco anos volvidos desde o fecho do B.Leza no Palácio Almada de Carvalhais no Largo do Conde Barão, o carismático clube de música cabo-verdeana renasceu agora no Cais da Ribeira, ao Cais do Sobré, reabriu as suas portas ao público no dia 2 de março. O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa António Costa XIV

17 Informação Escrita Unidade de Coordenação Territorial INFORMAÇÃO DOS SERVIÇOS Relatório de Actividades 16 FEV ABR 2012 ABRIL

18 Informação Escrita Unidade de Coordenação Territorial 2

19 Índice 1 Secretaria Geral Unidade de Coordenação Territorial Direção Municipal de Finanças Direção Municipal de Recursos Humanos Direção Municipal de Planeamento, Reabilitação e Gestão Urbanística Direção Municipal de Projetos e Obras Direção Municipal de Proteção Civil e Socorro Regimento de Sapadores Bombeiros Policia Municipal Direção Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social Direção Municipal de Ambiente Urbano Direção Municipal de Mobilidade e Transportes Direção Municipal de Cultura Direção Municipal de Economia e Inovação Direção Municipal de Educação, Juventude e Desporto Departamento de Modernização e Sistemas de Informação Departamento de Auditoria Interna

20 Informação Escrita Unidade de Coordenação Territorial 4

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Normas de Acesso e Apoio Enquadramento A atividade de criação e programação exercida por entidades, grupos e pessoas singulares no

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho (1ª alteração)

Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho (1ª alteração) Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho () PREÂMBULO A Câmara Municipal de Montemor-o-Velho tem vindo a desenvolver esforços consideráveis na requalificação dos

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

O que é o concurso EUemPT?

O que é o concurso EUemPT? O que é o concurso EUemPT? O concurso EUemPT, uma atividade educativa sobre a UE, é uma iniciativa da Comissão Europeia, promovida pelo Centro de Informação Europeia Jacques Delors, concebida e implementada

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem Projetoo Nós Propomos! Cidadania, Sustentabilidadee e Inovação na Educação Geográfica 2014/15 Quem o promove? Nesta sua 4ª edição, o Projeto Nós Propomos! Cidadania, SustentabiliS idade e Inovação na Educação

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

Gestão da mobilidade urbana

Gestão da mobilidade urbana Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade C. M. Lisboa Fernando Nunes da Silva OE Coimbra JAN 2013 JAN 13 Gestão da mobilidade urbana - dificuldades e soluções uma política de mobilidade para Lisboa:

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Sessão de Capacitação Apoios Financeiros para a área social João Boavida - Maio 2013 Entrou em vigor em Fevereiro de 2009 com os seguintes objetivos: Sistematização

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO)

REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO I REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO REDES E EQUIPAMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO Em 1986 a Organização Mundial de Saúde (OMS) lança o projeto Cidades Saudáveis em 11 cidades europeias. O propósito desta iniciativa visou fortalecer

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore A Junta de Freguesia de Silvares em parceria com a Comissão Representativa do Movimento Associativo da Freguesia

Leia mais

EUemPT EUROPEUS EM PORTUGAL Regulamento do Concurso

EUemPT EUROPEUS EM PORTUGAL Regulamento do Concurso EUemPT EUROPEUS EM PORTUGAL Regulamento do Concurso 1. Apresentação O concurso EUemPT, uma atividade educativa sobre a UE, é uma iniciativa da Comissão Europeia, promovida pelo Centro de Informação Europeia

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO DA ABBC ABBC A atuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores, com o escrupuloso respeito das regras deontológicas que presidem ao exercício

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

Aviso - ALG-28-2015-11

Aviso - ALG-28-2015-11 Eixo Prioritário 5 Investir no Emprego OT 8 Promover a Sustentabilidade e a Qualidade do Emprego, e Apoiar a Mobilidade dos Trabalhadores PI 8.9 Apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento

Leia mais

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL Reabilitação Urbana Sustentável o caso do Centro Histórico e da Baixa da cidade do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Porto, 13 de Julho de 2015 Porto Vivo, SRU Sociedade

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS 1.OBJETO O presente programa tem como objeto a alienação de prédios e/ou frações municipais para reabilitação 2. OBJECTIVOS O Programa Reabilita Primeiro

Leia mais

PVP Programa de Valorização de Património. Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012

PVP Programa de Valorização de Património. Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012 PVP Programa de Valorização de Património Apresentação à CML Helena Roseta 14.12.2012 Objectivos genéricos do PVP garantir a função social do município no apoio ao acesso à habitação; promover a adequação

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações A revisão do regime do arrendamento urbano foi finalmente aprovada pela Lei nº 31/2012, de 14 de Agosto, a

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

Normas do Orçamento Participativo

Normas do Orçamento Participativo Normas do Orçamento Participativo Município de Braga 16 O Orçamento Participativo, cujas regras aqui se apresentam, pretende incentivar o exercício de uma cada vez mais ativa, qualificada e concreta intervenção

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento define as normas de participação e intervenção no Orçamento Participativo do Município da

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

- Realizar uma ação de formação "Técnicos de Jardinagem e Espaços Verdes"

- Realizar uma ação de formação Técnicos de Jardinagem e Espaços Verdes EIXO 3 DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ECONÓMICO OPERAÇÃO 8 ZAMBUJAL MELHORA! Entidades responsáveis "A Partilha" - Associação de Moradores do Bairro do Zambujal, Buraca; Escola Intercultural das Profissões e

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

«atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio. REGULAMENTO Preâmbulo

«atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio. REGULAMENTO Preâmbulo «atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio REGULAMENTO Preâmbulo A Universidade de Évora, através da Divisão de Projetos e Informação (SCC-DPI), enquanto parte integrante do Serviço de Ciência e Cooperação,

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa Uma Experiência em Realojamentos Sociais XXXI Programa Iberoamericano de Formación Municipal de la UCCI L i s b o a, 30 de Junho de 2009 Índice de Apresentação 00 Estrutura da

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Mandato Autárquico 2013-2017

Mandato Autárquico 2013-2017 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PENICHE (Regimento) Mandato Autárquico 2013-2017 PREÂMBULO A democraticidade de um sistema ou de um modelo organizacional traduz-se pelo nível/grau de participação que

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Fevereiro de 2014 Índice Pág. 1. Introdução 2 2. Objetivos da delimitação da ARU Viana do Alentejo Poente 3 3. Enquadramento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

EDITAL VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade

EDITAL VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade EDITAL VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Nos termos e com fundamento no n.º 1 e alíneas e) e m) do n.º 2 do artigo 23º e alíneas o) e u) do n.º 1 do artigo 33º do Anexo

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Considerando a necessidade de apoiar a criação e a consolidação de cooperativas residentes no concelho. Considerando a necessidade de incentivar a expansão

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03 AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-53-2015-03 SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS QUALIFICAÇÃO Nos termos do artigo 8.º do Regulamento Específico do Domínio da Competitividade

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Considerando que: 1. A experiência do Conselho Local de Educação em Palmela procurou fomentar a valorização da educação como motor de desenvolvimento do local,

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

Reabilitação Urbana: oportunidades do novo regime jurídico

Reabilitação Urbana: oportunidades do novo regime jurídico Reabilitação Urbana: oportunidades do novo regime jurídico 8 Março 2013 O QUE MUDOU NO ÚLTIMO ANO Alteração do RJRU da Lei das Rendas Publicação do PDM Agravamento / escassez do crédito Insolvências na

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA HABITAÇÃO JOVEM NOS CENTROS HISTÓRICOS

CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA HABITAÇÃO JOVEM NOS CENTROS HISTÓRICOS CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA HABITAÇÃO JOVEM NOS CENTROS HISTÓRICOS Tendo como objetivo a revitalização dos Centros Históricos e Núcleos de Formação Histórica, a Câmara Municipal de Oeiras tem vindo a

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Projeto Viva a Alameda

Projeto Viva a Alameda Projeto Viva a Alameda Janeiro 2012 I. Enquadramento a. Política de Cidades o instrumento PRU b. Sessões Temáticas II. A PRU de Oliveira do Bairro a. Visão b. Prioridades Estratégicas c. Área de Intervenção

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 06 DE AGOSTO DE 2008 ORDEM DO DIA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 06 DE AGOSTO DE 2008 ORDEM DO DIA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 06 DE AGOSTO DE 2008 ORDEM DO DIA A Câmara deliberou, por unanimidade, justificar a falta dos Vereadores Senhores Dr. José Polido, Alberto

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

ANEXO I REGRAS CONCURSAIS DO PRÉMIO MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO DA CIDADE DE LISBOA

ANEXO I REGRAS CONCURSAIS DO PRÉMIO MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO DA CIDADE DE LISBOA ANEXO I REGRAS CONCURSAIS DO PRÉMIO MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO DA CIDADE DE LISBOA Nota Introdutória A progressiva implementação de boas práticas e o reconhecimento do impacto do voluntariado na sociedade

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES A Microsoft deu a conhecer a Plataforma LinkCities propriedade da Link Think. Esta Plataforma liga as cidades e autarquias locais, através das suas

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA Paula Morais mail@paulamorais.pt O REGIME LEGAL DA REABILITAÇÃO URBANA Alguns aspectos da sua evolução Decreto Lei n.º 307/2009, de 27 de Outubro Decreto Lei n.º

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais