A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial"

Transcrição

1 A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial Jorge Avila INPI Presidente Florianópolis, 12 de maio de 2009

2 Cenário Geral Aprofundamento do processo de globalização e a institucionalização dos mercados globais A aceleração continuada do desenvolvimento tecnológico A consolidação da centralidade das transações envolvendo o conhecimento A importância crescente dos regimes abertos de produção da inovação e dos mercados de conhecimento O aperfeiçoamento e o aumento da importância dos marcos institucionais que regulam a apropriação e as transações envolvendo conhecimentos, conjugados no assim denominado sistema de propriedade intelectual

3 O Aprofundamento da Globalização A progressiva institucionalização de mercados globais para todo o tipo de transações Abertura dos mercados para bens e serviços, intermediários ou finais Dinâmica transnacional de cooperação e competição nos campos tecnológico, industrial e comercial Integração institucional em escala global

4 Economia do Conhecimento Conhecimento gera mais conhecimento: a aceleração tecnológica A valorização do conhecimento como (o principal) recurso produtivo Oferta organizada de conhecimento: conhecimento - mercadoria transacionável Mercados organizados de conhecimento tenológico Mercados transnacionais de conhecimento tecnológico O sistema global de inovação aberta

5 Aceleração da dinâmica tecnológica A matéria prima do conhecimento novo é o conhecimento pré-existente. Quanto mais conhecimento há, mais conhecimento se pode gerar

6 O conhecimento como ativo ou recurso produtivo Informação globalizada: o aquecimento das expectativas do consumidor, e sua dispersão, determinam aumento na complexidade e sofisticação dos mercados O conhecimento dos mercados e das tecnologias para atendê-los melhor emerge como recurso essencial

7 O conhecimento como bem ou ativo transacionável O conhecimento tecnológico é gerado, desde sempre e cada vez mais, de modo descentralizado Empresas e outros atores econômicos geram conhecimentos úteis para si e para terceiros O conhecimento tecnológico é e será cada vez mais constituído como objeto de troca Alocação eficiente: o conhecimento tecnológico deve chegar a quem possa lhe conferir maior valor

8 Os mercados de conhecimento Os mercados de conhecimento serão mais completos As empresas buscarão adquirir o conhecimento de que necessitam onde quer que ele seja produzido As empresas procurarão meios eficientes de proteção do conhecimento por elas gerado, e transacionarão nesses mercados de modo a construir mecanismos de isolamento e diferenciação Os mercados de conhecimento são e serão seletivos, vocacionados, especialmente, à constituição de parcerias tecnológicas e ao estabelecimento do equilíbrio das trocas entre detentores de propriedade intelectual

9 A propriedade intelectual na economia do conhecimento Se institucionaliza um sistema de PI que se destina a promover a geração a circulação do conhecimento e a propiciar a sua transformação em valor para empresas, consumidores e cidadãos. Seus objetivos são: Constituir o conhecimento como bem transacionável Viabilizar a constituição de mercados de conhecimento Regular e promover a eficiência dos mercados de conhecimento

10 Inovação Aberta O processo de inovação se constitui em transações que envolvem compartilhamento seletivo da informação e do conhecimento que existe, assim como a conjugação dos esforços de diferentes naturezas de atores para gerar o novo e ofertá-lo aos mercados Para acessar os mercados de conhecimento e participar dos processos e redes de inovação aberta, as empresas precisarão desenvolver estratégias adequadas de gestão de propriedade intelectual

11 Institucionalização da Propriedade Intelectual em escala global Ambiente institucional cada vez mais integrado visa conferir maior segurança jurídica e reduzir custos de transação na cooperação tecnológica entre atores econômicos de diferentes países e regiões

12 A internacionalização do sistema de propriedade intelectual Responde a demandas empresariais pela constituição de um mercado integrado de conhecimento tecnológico Propicia a constituição de potfólios negociáveis de propriedade intelectual reconhecida em diferentes países Requer a compreensão das empresas quanto ao funcionamento desses mercados

13 Integração progressiva no nível regional Ambiente integrado para consulta de marcas, patentes e outras formas de PI Ambiente cooperativo de exame e concessão de títulos de propriedade Desenvolvimento de mercado regional integrado para ativos intangíveis, paralelo à abertura dos mercados para bens tangíveis

14 O aprofundamento dos acordos de cooperação globais em matéria de PI PCT Madrid Haia Lisboa Budapeste Se intensifica a intercomunicação dos sistemas de propriedade intelectual em escala global

15 A Propriedade Intelectual na Política de Desenvolvimento Produtivo A Propriedade Intelectual a serviço da consolidação de um ambiente de negócios favorável à inovação

16 Concluir a reestruturação do INPI Triplicar a capacidade anual de exame marcas e patentes com relação a 2004 automação acesso a bancos de dados expansão do quadro de examinadores adequação da estrutura e das condições institucionais

17 Promover a eficácia do sistema nacional de PI Garantir a eficiência operacional do INPI Fazer do INPI porta de acesso ao sistema internacional de marcas, patentes e outras formas de PI Adesão ao Protocolo de Madri Autoridade Internacional PCT Promover a segurança jurídica das decisões do INPI diretrizes de exame claras e juridicamente seguras Engajar o INPI no esforço de combate à pirataria

18 A PI como dinamizadora do sistema nacional de inovação Contribuir para o êxito na aplicação da Lei de Inovação: fazer da PI instrumento efetivo nos sistemas abertos de inovação Favorecer a cooperação universidadeempresa por meio da incentivo à geração de patentes e ao seu licenciamento para empresas Fomentar a cooperação empresa-empresa reduzindo custos de transação e aumentando a segurança dos contratos Contribuir para a atração de investimentos em P&D

19 Articulação internacional Cooperação sul-americana no exame de marcas e patentes mercado integrado de PI na América do Sul Cooperação com países emergentes: estratégias convergentes entre os BRICs Cooperação com grandes escritórios de marcas e patentes: acesso à informação e visibilidade Agenda para o Desenvolvimento na OMPI: sistema internacional de inovação amigável para novos entrantes

20 Conciliar catching-up e política de inovação Promover o uso dos bancos de patentes como ferramenta de acesso ao conhecimento e instrumento de prospecção tecnológica Promover a cooperação entre novos inovadores e inovadores experientes Fomentar a inovação incremental e incentivar a geração de porta-fólios de patentes Difundir conhecimentos sobre gestão de PI e fomentar a participação de brasileiros nas redes cooperativas de inovação aberta

21 Comentários finais As empresas deverão desenvolver estratégias cada vez mais sofisticadas para atender aos mercados. Para isso, elas intensificarão seus processos de inovação e os organizarão de modo mais eficiente Estratégias de inovação serão estratégias integradas de acesso, apropriação, desenvolvimento e oferta seletiva de conhecimento a terceiros Estratégias de inovação se basearão cada vez mais no binômio cooperação-competição, e se darão num ambiente institucional cada vez mais integrado pelo processo da globalização.

22 Comentários finais O INPI estará à disposição das empresas e instituições de pesquisa para ajudá-las a enfrentar os desafios impostos pela globalização e pela economia doconhecimento Os serviços de exame do INPI são cada vez mais ágeis e oferecerão cada vez mais segurança jurídica aos detentores dos títulos que deles resultem Os serviços de fomento são e serão cada vez mais próativos, ao tempo em que se fortalece a capacidade de sua Academia de ouvir aos usuários e oferecer serviços adequados às suas necessidades.

23 MUITO OBRIGADO

Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde

Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Em Busca da Articulação entre Inovação, Acesso e Desenvolvimento Industrial Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde Jorge Avila INPI Presidente Sede

Leia mais

Jorge Ávila INPI. Mesa 2 - Open Innovation e o sistema nacional de inovação

Jorge Ávila INPI. Mesa 2 - Open Innovation e o sistema nacional de inovação 16 de junho de 2008 São Paulo/SP Jorge Ávila INPI Mesa 2 - Open Innovation e o sistema nacional de inovação Pannel 2 - Open Innovation and the Brazilian national innovation system Open Innovation Seminar

Leia mais

Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde

Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde Seminário Valor Economico Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde Jorge Avila INPI Presidente São Paulo, 7 de junho de 2009 A missão do sistema de propriedade intelectual Favorecer o desenvolvimento,

Leia mais

PI Brasil e BRICS: A Construção de uma Agenda de Inserção Internacional do Sistema Brasileiro de PI

PI Brasil e BRICS: A Construção de uma Agenda de Inserção Internacional do Sistema Brasileiro de PI PI Brasil e BRICS: A Construção de uma Agenda de Inserção Internacional do Sistema Brasileiro de PI Jorge de P. C. Avila Presidente do INPI FIERGS Novembro de 2011 1. Contexto A institucionalidade da PI

Leia mais

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Introdução aos debates Jorge de Paula Costa Avila VII REPICT Rio de Janeiro 14 de julho de 2004 Política Industrial, Competitividade

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

A Propriedade Intelectual e as ICTs. Jorge de P. C. Avila São José dos Campos, 06 de julho de 2006

A Propriedade Intelectual e as ICTs. Jorge de P. C. Avila São José dos Campos, 06 de julho de 2006 A Propriedade Intelectual e as ICTs Jorge de P. C. Avila São José dos Campos, 06 de julho de 2006 1.Contexto: a economia do conhecimento Comportamentos típicos Global outsourcing Obter insumos de maior

Leia mais

Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados - USP. Senado Federal Comissão de infra-estrutura Brasília, 10.08.

Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados - USP. Senado Federal Comissão de infra-estrutura Brasília, 10.08. No mundo mundo de hoje, é preciso preciso correr muito pra ficar no mesmo mesmo lugar. (Rainha (Rainha Vermelha Vermelha para a Alice) Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação Sanitária no Contexto da Política Tecnológica e de Inovação Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 Eixo 1: Complexo Produtivo e de Ciência,

Leia mais

Inovação e Tecnologia

Inovação e Tecnologia Inovação e Tecnologia INOVAÇA O E TECNOLOGIA ALTERNATIVAS PARA APOIAR A CIÊNCIA, A INOVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NO RS Em uma época identificada como a era do conhecimento e da informação, é

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Parceria ANPEI e REDETEC

Parceria ANPEI e REDETEC Parceria ANPEI e REDETEC Mecanismos de Apoio para Obtenção de Financiamento para o Desenvolvimento da Propriedade Intelectual no Brasil: Recursos para Inovação Apresentação na REPICT 2013. A Origem do

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

UK Intellectual Property Office:

UK Intellectual Property Office: UK Intellectual Property Office: Agenda no Brasil Propriedade Intelectual no Reino Unido O Reino Unido é um dos países que mais se baseiam na economia do conhecimento em todo mundo. Estima-se que metade

Leia mais

industrielle industrielle Rio de Janeiro 19 de agosto de 2013 Institut national de la propriété Direito Internacional da Propriedade

industrielle industrielle Rio de Janeiro 19 de agosto de 2013 Institut national de la propriété Direito Internacional da Propriedade Institut national Direito Internacional da Propriedade Intelectual: Novos Caminhos Christine CABUZEL, Conselheira Regional América Latina - Embaixada da França Rio de Janeiro 19 de agosto de 2013 Direito

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT. Coordenadoria de Projetos e Inovação. Marcelo Gomes Cardoso

Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT. Coordenadoria de Projetos e Inovação. Marcelo Gomes Cardoso Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Coordenadoria de Projetos e Inovação Marcelo Gomes Cardoso Maio / 2013 Coordenadoria de Projetos e Inovação A Coordenadoria de Projetos e Inovação é um órgão suplementar

Leia mais

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Virgilio Almeida Secretário de Política de Informática Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasilia Setembro de 2015 Elementos

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável. Prof. Dr. Nivaldo dos Santos. Faculdade Alfredo Nasser. nivaldodossantos@bol.com.

Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável. Prof. Dr. Nivaldo dos Santos. Faculdade Alfredo Nasser. nivaldodossantos@bol.com. Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável Prof. Dr. Nivaldo dos Santos Faculdade Alfredo Nasser nivaldodossantos@bol.com.br A importância de um sistema de patentes forte para incentivar

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Aluysio Asti Superintendente da Área de Planejamento- BNDES Abril/2006 Marcos

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 12.08.2015 Henrique Frizzo 2015 Trench, Rossi e Watanabe Advogados 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

3 º D i á l o g o s d a M E I. P r o p r i e d a d e I n t e l e c t u a l Acordos Internacionais de Cooperação para Exame de Patentes

3 º D i á l o g o s d a M E I. P r o p r i e d a d e I n t e l e c t u a l Acordos Internacionais de Cooperação para Exame de Patentes 3 º D i á l o g o s d a M E I P r o p r i e d a d e I n t e l e c t u a l Acordos Internacionais de Cooperação para Exame de Patentes CICLO VIRTUOSO DA I N O VA Ç Ã O Investimento em pesquisa e desenvolvimento

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Instituto Serzedello Corrêa - ISC É uma unidade de apoio estratégico ligada à Presidência do TCU. Criado pela Lei Orgânica do

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA APRESENTAÇÃO À CCT&I - SAÚDE 17.09.2014 IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA APRESENTAÇÃO À SES 29.05.2014 Apoio técnico

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34 TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL, COOPERAÇÃO E FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL INTRODUÇÃO 34.1. As tecnologias

Leia mais

Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores. Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012

Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores. Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012 Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012 Apresentação A OMPI O Brasil Formação de Gestores de Tecnologia e PI no Brasil parcerias

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior.

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. Ainda articula ações específicas na estruturação de cadeia produtivas

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Estratégias de Proteção e Comercialização dos Resultados de Pesquisas de Universidades e Centros de P&D: Redação de Patentes Avançado

Estratégias de Proteção e Comercialização dos Resultados de Pesquisas de Universidades e Centros de P&D: Redação de Patentes Avançado P FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA GESTÃO DE ATIVOS DE PI WIPO/PI/BR15 ORIGINAL: ENGLISH DATA: MAIO, 2015 Estratégias de Proteção e Comercialização dos Resultados de

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

PARQUES TECNOLÓGICOS VISÃO DE NEGÓCIOS

PARQUES TECNOLÓGICOS VISÃO DE NEGÓCIOS PARQUES TECNOLÓGICOS VISÃO DE NEGÓCIOS Novembro 2006 ARC PARQUES TECNOLÓGICOS OBJETIVO Discutir a estrutura de negócio de Parques Tecnológicos sob a ótica de desenvolvimento urbano e de negócios imobiliários.

Leia mais

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário.

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 05 a 09 de abril de 2010 Centro de Treinamento do INPI- Praça Mauá, 07/ 10 o andar, RJ Informações: cursos@inpi.gov.br

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA Ms.Lucimara C. Toso Bertolini. Gerente PD&I OURO FINO AGRONEGÓCIOS DIVISÃO SAÚDE ANIMAL 1987: Nasce a Ouro Fino

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

Formação de Recursos humanos em Propriedade Intelectual e Inovação a experiência do INPI

Formação de Recursos humanos em Propriedade Intelectual e Inovação a experiência do INPI Formação de Recursos humanos em Propriedade Intelectual e Inovação a experiência do INPI Araken Alves de Lima Coordenador-Geral da Academia da Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento Instituto

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a Política Nacional de Trânsito, seus fins e aplicação, e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a regulamentação do Programa de Incentivo à Pesquisa,

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal e a dinâmica das inovações no setor público

O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal e a dinâmica das inovações no setor público Escola Nacional de Administração Pública ENAP O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal e a dinâmica das inovações no setor público Elisabete Ferrarezi e Sônia Amorim Congresso de Gestão Pública -

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings

Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings Summary in Portuguese Patentes, Inovação e Desempenho Econômico: Procedimentos da Assembléia da OCDE Sumário em Português As invenções

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA ESEPF

POLÍTICA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA ESEPF POLÍTICA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA ESEPF 1. Política de investigação científica da ESEPF para 2015-2017: objetivo prioritário Compreendendo-se que a promoção da investigação científica orientada e

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Apresentações Técnicas. ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS

Apresentações Técnicas. ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS Apresentações Técnicas ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS Seminário IV Novos Modelos Organizacionais de Ciência e Tecnologia Apresentações Técnicas São Paulo, 2007 APRESENTAÇÃO A área de

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais