SECRETARIA EXECUTIVA. Salomão Melo e Theopompo Siqueira SRE SRE - - Mona Lygia SPE - SCI SCI 01/04/ /12/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA EXECUTIVA. Salomão Melo e Theopompo Siqueira SRE SRE - - Mona Lygia SPE - SCI SCI 01/04/2015 01/12/2016"

Transcrição

1 Plo de Ação 1 Comuicção Iformr rotis d áre 2 Comuicção Iformr rotis d áre 3 Comuicção Iformr rotis d áre 4 Comuicção Iformr rotis d áre 5 Comuicção Iformr rotis d áre 6 Comuicção Iformr rotis d áre 7 Comuicção Divulgr s polítics de gestão iters 8 Comuicção Divulgr orgogrm Elborção, muteção e publicção itret de iformtivos semis idicdo ções pdroizds serem relizds e lterções de legislção que impctem o trblho ds AREs e Postos Fiscis. Os iformtivos poderão ser impressos e colocdos em locl de fácil cesso pr posterior cosult qudo ecessário. Evolver os servidores costrução ds mets por diretori e gerêci, pdroizdo ção do Gestão à Vist. Amplição do uso ds reuiões de desempeho por áre, utilizr como ilustrção o qudro do Gestão à Vist. Amplir dispoibilizção dos qudros do Gestão à Vist s áres comus dos setores específicos. Alisr vibilidde de persolizr s forms de divulgção de otícis relciods o trblho, como por exemplo tulizções de legislção, trvés do cesso do servidor itret, mostrdo um pop-up com otíci qudo o servidor se logr. Coorder e moitorr os grupos que tulizm s relciods à rotis de trblho o portl. Mter itret tulizd pr iserção e cetrlizção de tods s polítics de gestão iters, clssificds por tem. Dispoibilizr itret o orgogrm d SEFAZ com foto, perfil, locl de trblho e rmis dos respectivos gestores. Slomão Melo e Theopompo Siqueir SRE SRE - - Mo Lygi SPE - 01/04/ /12/2016 Mo Lygi SPE - 01/04/ /12/2016 Mo Lygi SPE - 01/04/ /12/2016 Michelie e Represette d STI ser defiido DICOM e STI - Iício Térmio Iício Rel Térmio Rel Sttus * * ARE: Roti já estbelecid com evio seml dos iformtivos. Ação em dmeto. Postos Fiscis: Roti já estbelecid. Ação em dmeto. de moderizção d itret ( licitção do projeto de moderizção em dmeto) Michelie DICOM - 01/03/ /03/2015 Ess ção será relizd em prceri com STI Michelie DICOM - * * Michelie DICOM - * * de moderizção d itret( licitção do projeto de moderizção em dmeto) de moderizção d itret ( licitção do projeto de moderizção em dmeto) 9 Comuicção Estimulr o evolvimeto dos servidores com SEFAZ Crir e divulgr um mteril trtivo, que coteh históri d SEFAZ, trzedo ssim um setimeto de pertecimeto pr os servidores. Michelie DICOM - 05/01/ /07/ Avlir vibilidde de colocr lih do tempo com os Secretários d Fzed e seu perfil itret. - Dispoibilizr o Edicio Sede Sefz um espço com históri d Secretri d Fzed. 10 Comuicção Divulgr, fortlecer e istituciolizr o uso do PSI, pós estudo de vibilidde do custos. Crlos Romão e Jiro Souz STI - 01/03/ /08/ Comuicção Atulizr itret list dos rmis e os telefoes istituciois. DILOG - Cristi Lim UNAT- Aluizio SAFI - 03/11/ /03/2015 Ess ção será relizd em prceri com SGP 12 Comuicção Reformulr dispoibilizção ds otícis d SEFAZ itret. Elborr um ovo lyout com formtção de jorl, utilizdo imges pr se torr mis trtivo o servidor. Michelie DICOM - * * de moderizção d itret( licitção do projeto de moderizção em dmeto) 13 Comuicção Alisr e vibilizr impltção ds recomedções sugerids o Digóstico d Cosultori de Comuicção cotrtd. Michelie DICOM - 06/07/ /12/2015 Ess ção já está em dmeto e já está detlhd o piel de moitormeto 14 Comuicção Defiir servidores de diversos setores (com bo comuicção e bom relciometo) pr turem meslmete como iterlocutores etre DICOM e s demis áres d SEFAZ (Rede de Colbordores d DICOM), com filidde de mter de form periódic o seu setor tulizdo ds sobre SEFAZ e trsmitir o setor de Comuicção quis são s lcus de iformção existetes. Michelie DICOM - 02/01/ /04/2015 Pr est ção será crido um Comitê de Comuicção com um represette de cd áre. Obs.: Já ocorreu primeir reuião em cojuto com Cosultori Audeti 15 Comuicção 16 Comuicção Impltr e divulgr prátic de Vídeo Coferêci e Tele Coferêci, utilizdo s sls d ATI distribuíds pels regiois. Reformulr o uso d itret lisdo vibilidde dest ser dispoibilizd detro do portl d SEFAZ com cesso restrito. Silv e Represette d STI ser defiido DICOM e STI - 04/01/ /12/2018 * * Ação prejudicd pel usêci ds referids sls por terem sido destivds. Sugestão: usr WEB (ecessidde de umetr o lik) de moderizção d itret

2 Plo de Ação ID DIMENSÃO ASSOCIADA INICIATIVA AÇÃO DE MELHORIA Desevolver e impltr projeto com o objetivo RESPONSÁVEL ÁREA de divulgr pr os servidores e pr 17 Imgem d SEFAZ Crir plo de divulgção d sociedde os beefícios do trblho d SEFAZ Imgem d SEFAZ pr os ciddãos. Utilizr s ções d Cosultori de Comuicção Audeti como suporte pr est ção. 18 Recohecimeto Vlorizção por resultdos/ produtividde 19 Recohecimeto Estímulo o Desempeho Icluir mtriz curriculr do Progrm Permete de Cpcitção ssutos referetes prátic de feedbck. Elborção de modelo de Estímulo o Desempeho Michelie DICOM - 02/01/ /12/ /07/ /08/2015 Deloitte SGP /01/ /05/2015 Est ção está cotempld o plo de comuicção e o mp estrtégico d DICOM/SEFAZ 20 Recohecimeto Estbelecer idicdores de performce Istituir e divulgr idicdores de performce setoriis e pessois como form de recohecimeto de bos resultdos, treldo estes idicdores o Plejmeto Estrtégico. Mo Lygi 04/01/ /12/ Recohecimeto Estbelecer ovs ções de recohecimeto Elborr e Impltr um Projeto pr premir servidores de destque d SEFAZ, itegrte de um Progrm de Recohecimeto, cosiderdo s ções sugerids pelos Represettes Setoriis: - Estbelecer pr os servidores premições (como jtr, lmoço, cursos, cogressos e workshops em outros estdos ou píses) pr s equipes que obtiverm mior destque, com o objetivo de motivr os servidores. O prêmio poderá ser etregue durte eveto presecil respectiv Diretori/ Superitedêci do servidor premido, e com prticipção de o meos um represette de cd um ds diretoris d SEFAZ/PE. Destc-se que etre os servidores dos Postos Fiscis o ível de stisfção em relção s forms de recohecimeto ão ficeirs d SEFAZ é bixo. - Premir os servidores de destque com cursos de curt durção escolhidos pelos próprios servidores com tem livre. O prêmio poderá ser etregue durte eveto presecil respectiv Diretori/ Superitedêci do servidor premido, e com prticipção de o meos um represette de cd um ds Diretori/ Superitedêci d SEFAZ/PE. Diretoris/ Superitedêci s em cojuto com SGP - 19/02/ /06/ Recohecimeto Ações de recohecimeto pr servidores prestes se posetr Elborr e cofeccior plc de grdecimeto (pdrão) pr etregr os servidores que estão se posetdo. Etregr plc juto com um crt de grdecimeto (pdrão) ssid pelo Secretário d Fzed. Está ção ão se plic os servidores que sofrerm/sofrem processos dmiistrtivos detro d Istituição, como por exemplo, demissão, suspesão, etc. SGP - 24/11/ /06/ Recohecimeto Ações de recohecimeto pr servidores prestes se posetr Crir espço de destque itret pr homeger os servidores que estão se posetdo, dispoibilizdo fotos e mesges dos colegs. Michelie/ DICOM e SGP - * * de moderizção d itret ( licitção do projeto de moderizção em dmeto) 24 Motivção Acomphmeto de servidores Formlizr detro do progrm de Qulidde de Vid um projeto estruturdo e cotiudo de tedimeto psicossocil os servidores (Assistêci Socil), ode sej possível relizr visits às Diretoris pr um comphmeto mis próximo os servidores. Divulgr mplmete o projeto detro d SEFAZ. Est ção é decorrete dos frequetes cometários dos servidores em relção problems de depressão e depedêci químic. SGP - 01/12/ /06/2015

3 Plo de Ação 25 Motivção Acomphmeto dos servidores os Postos Fiscis Relizr digóstico, trvés de ecotros de discussão com grupos específicos, buscdo idetificr o motivo de desmotivção dos servidores dos Postos Fiscis. Sugere-se formlizr prátic relizdo Mess Redods periódics. O resultdo dest prátic deve-se idetificção e otimizção dos processos pr miimizr desmotivção. Resslt-se que ess ção tem como objetivo o profudmeto do etedimeto quto os spectos levtdos o cometário: "extremmete repetitivo, desmotivte, rcico, improdutivo e que ão estimul o trblho em equipe e à crição de vículos do servidor com istituição". Geretes ds Uiddes Fiscis, sob coordeção de Slomão José Alves de Melo, Gerete d GTPTF/DOE Postos Fiscis - SRE SRE 04/12/ /12/ Dispoibilidde à Mudç Relizr plejmeto estruturdo pr efetivção de mudçs Formlizr e divulgr processo de plejmeto estruturdo d comuicção em ocsiões que ecessitem de mudçs Istituição. (Obs.: Qudo do plejmeto de um mudç sigifictiv istituição, cberá o gestor resposável pel mudç, etrr em cotto com DICOM pr iicir o plejmeto ds ções de comuicção) Michelie DICOM Est ção é potul, o objetivo é que s grdes mudçs relizds SEFAZ sejm comuicds mplmete. É importte que áre de comuicção sej visd com tecedêci pr que poss plejr estrtégi de comuicção. 27 Dispoibilidde à Mudç Gestão d mudç 28 Dispoibilidde à Mudç Gestão d mudç Crir comissões compost por servidores de diverss áres destids coduzir mudçs sigifictivs SEFAZ, focdo o impcto sobre os servidores (Rede de Mudç). Estbelecimeto de idicdores pr moitorr e vlir mudçs, bem como trduzir resultdos ão stisftórios em plos de ção pr que s mudçs desejds sejm lcçds e sustetds o logo do tempo. SGP - 23/02/ /09/2015 SGP - 23/02/ /09/2015

4 Plo de Ação Crir o "Coheç mih áre" relizdo reportges ode os servidores presetm Michelie e DICOM e SGP - 29 os servidores de áres su áre e o que fzem, cotedo fotos, resslt-se que est ção é de resposbilidde d DICOM os servidores de áres os servidores de áres os servidores d mesm áre e de áres os servidores d mesm áre e de áres os servidores de áres os servidores de áres os servidores de áres Sesibilizr Liderç e os servidores sobre importâci do trblho em equipe Promover um cofrterizção ul com todos os servidores fzedários. Promover cofrterizção jui com servidores fzedários. Icetivr os Gestores promoverem cfé-dmhã bimestrl ou trimestrl com objetivo de itegrr os servidores d mesm áre e de áres. Istituciolizr treimetos pr desevolvimeto d Competêci Gerl Trblho em Equipe, icluido spectos de relciometo iterpessol idetificdos como críticos, por meio de prceris e covêios TJPE e TCE (Escol). Trsformr em projetos, s iicitivs como Corrid e Cmihd d SEFAZ, ções de ssistêci em comuiddes cretes em dts especiis, etc., como form de itegrção. Adiciolmete, deve-se crir um toreio esportivo pr os servidores como s "Olimpíds d Fzed" com futebol, vôlei têis etre outros. Promover evetos de itegrção pr postos fiscis e ARE's. Crir um bco de tletos dos servidores d SEFAZ, comtempldo diversos tipos de tletos dos profissiois (ex.: istrumeto musicl, cto, etc.). Costituir progrms de icetivo o trblho em equipe, tis como: Divulgção e premição ds áres de mior destque, crtilhs iformtivs, etc. * * SGP - 23/02/ /05/2015 SGP - 23/02/ /05/2015 Diretoris/ Superitedêci s em cojuto com SGP - 23/02/ /05/2015 SGP - 04/01/ /12/2018 Itegrr o PPC SGP - 23/02/ /08/2015 Itegrr o PQV Diretores ds Regiões Fiscis DRR - RF SRE 01/01/ /12/2015 SGP - 01/07/ /05/2015 Diretoris/ Superitedêci s em cojuto com SGP - 19/02/ /06/2015 A SGP turá poido DICOM, sugerido ssocição com o Projeto de Itegrção d SEFAZ. de moderizção d itret (licitção em dmeto do projeto de moderizção) Elborr um Projeto de Evetos de Itegrção d SEFAZ e icluir est ção. Elborr um Projeto de Evetos de Itegrção d SEFAZ e icluir est ção. Compor projeto de evetos, pssdo ser ção diret e ão "icetivo" 38 Sesibilizr Liderç e os servidores sobre importâci do trblho em equipe Estbelecer comuicção cotíu com os líderes pr que eles icetivem sus equipes prticipr dos evetos de itegrção listdos. Deve ser crido um relção de e-mils de gestores pr que SGP evie lembretes respeito dos evetos. Adiciolmete SGP frá o moitormeto juto à liderç sobre qutidde de fucioários que irão prticipr. SGP - 23/02/ /05/2015 Compor o Projeto de Evetos. 39 Liderç Desevolvimeto de líderes Icluir mtriz curriculr do Progrm Permete de Cpcitção ssutos referetes o desevolvimeto dos gestores. 01/07/ /08/2015 Iclusão de form defiitiv o PPC, detro d mtriz curriculr ser propost pel Deloitte 40 Liderç Desevolvimeto de líderes 41 Liderç Desevolvimeto de líderes 42 Liderç Desevolvimeto de líderes 43 Liderç Acomphmeto ds liderçs Icluir mtriz curriculr do Progrm Permete de Cpcitção ssutos referetes o desevolvimeto de equipes. Promover workshop pr exposição de bos prátics de liderç Impltr um progrm de sucessão pr substituições evetuis. Estbelecer um progrm de Cochig. 01/07/ /08/2015 Iclusão de form defiitiv o PPC, detro d mtriz curriculr ser propost pel Deloitte 01/07/ /12/2015 Desevolver Projeto pr impltção dest ção. 01/07/ /05/2015 Cotempldo o Bco de Tletos 04/01/ /12/2016 Desevolvimeto de Projeto pr cotrtr cosultori. 44 Liderç Acomphmeto ds liderçs Crir um cl de escut pr os servidores se expressrem sobre tução dos líderes, semestrlmete/ ulmete. O trtmeto ds seri relizdo pel SGP. Ouvidori e SGP - 09/03/ /06//2015 Desevolver estrtégi pr divulgção dos cis de comuicção existetes.

5 Plo de Ação Estruturr comitê pr tur divulgção d Prticipção e Divulgr os progrms d 45 Aged Ambietl d Admiistrção Públic Comprometimeto A3P (A3P) o âmbito d SEFAZ. 46 Prticipção e Comprometimeto 47 Qulificção Profissiol 48 Qulificção Profissiol 49 Qulificção Profissiol 50 Qulificção Profissiol 51 Qulificção Profissiol Ambiete Físico e Tecológico Ambiete Físico e Tecológico Ambiete Físico e Tecológico Divulgr o código de étic Estbelecer progrm de desevolvimeto profissiol Estbelecer progrm de desevolvimeto profissiol Estbelecer progrm de desevolvimeto profissiol Estruturr progrm de muteção de cohecimeto Melhorr cpcitção do qudro fzedário Comuicção d polític de segurç de TI Atulizção do prque tecológico Atulizção do prque tecológico Implemetr o comitê previsto o próprio código. Impltr Mtriz Curriculr bsed o cojuto de Competêcis Comportmetis e Técics do Progrm Permete de Cpcitção. Icluir ções o Plo de Desevolvimeto Idividul pr dimiuição ds lcus idetificds s Avlições de Competêcis dos servidores, relciodo ests ecessiddes à Mtriz Curriculr. Istituir progrm de desevolvimeto de Competêcis Gereciis. Desevolver plejmeto pr muteção do cohecimeto, visdo gerir de form estruturd pssgem de cohecimeto dos mis experietes pr os ovos servidores d istituição. Impltr Progrm de Cpcitção com foco em cursos de pós-grdução (especilizção, mestrdo e doutordo). Dr cohecimeto os servidores d importâci e coteúdo d polític de segurç de TI d SEFAZ, comphdo ssimilção. Itesificr s ções de comuicção relizds e idetificr oportuiddes de melhori pr lcce do público. Atulizr o prque tecológico d SEFAZ, cotempldo s ções: -Levtr s ecessiddes de tecologi d SEFAZ; - Adquirir ovos hrdwres e softwres; - Amplir cpcidde d cix de e-mil corportivo; - Cpcitr os servidores pr melhor utilizção dos recursos tecológicos dispoíveis SEFAZ. Defiir polític permete de muteção e tulizção do prque tecológico d SEFAZ (Hrdwre e softwre), especificdo resposável pel plicção d polític. A Pul Xvier SGP - 14/11/ /04/2015 A Pul Xvier SGP - 02/01/ /06/ /07/ /08/ /05/ /08/ /05/ /08/2015 O comitê está sedo estruturdo com represettes ds diverss regiões fiscis. A su formlizção será trvés de decreto do goverdor. Iclusão de form defiitiv o PPC, detro d mtriz curriculr ser propost pel Deloitte SGP - 01/09/ /05/2015 Cotempldo prtir do Projeto de Metori 01/07/ /08/2015 Pulo Pcheco STI - 02/01/ /12/2015 Dielle Cmpelo STI - 01/02/ /12/2015 Dielle Cmpelo Comitê de TI 01/02/ /12/ Ambiete Físico e Tecológico Melhorr s codições de trblho dos servidores Relizr projeto de melhori do mbiete físico d SEFAZ, cotempldo s ções: - Relizr vlição d ergoomi do mbiete de trblho (Móveis, ilumição, ruído e etc); - Idetificr ecessiddes de mudçs estrutur (lyout) em decorrêci d diâmic de tividde ds áres (Exemplo: Sl pr motorists e depósitos os Postos Fiscis, Sls de Reuiões, Aproximção físic de áres com tividdes complemetres); - Costruir e executr projeto de melhori d estrutur físic ds uiddes com bse os levtmetos de ecessiddes relizdos e estrtégi d SEFAZ; - Defiir/revisr plo de segurç e policimeto ds uiddes; - Defiir/revisr form de dispoibilizção de veículos pr s uiddes d SEFAZ tetdo pr ecessidde de locomoção pr relizção do trblho. Segurç predil e Veículos: DILOG - Cristi Siqueir Ergoomi, Mudçs Estrutur-Físic e Lyout: DIENG - Cristi Nscimeto SAFI - 02/01/ /12/2015 Em relção o plo de segurç e policimeto, foi relizd reuião com SDS, que iformou sobre possibilidde de complemetção do qudro d gurd ptrimoil, com previsão pr Quto ecessidde de veículos ão dispomos de demd forml sobre o ssuto (Obs de Cristi Siqueir).

6 Plo de Ação 56 Ambiete Físico e Tecológico 57 Modelo de Gestão 58 Modelo de Gestão 59 Modelo de Gestão Cetrlizção d Estrutur Físic Desevolver progrm de gestão prticiptiv Moitormeto do Plejmeto Estrtégico Estbelecer prátic de Gestão de Cotrto de Serviços Elborr estudo de vibilidde de cetrlizção de tods s uiddes d SEFAZ em um Cetro Admiistrtivo, reduzido os custos de deslocmeto etre uiddes e focdo o melhor tedimeto o público extero. Amplir grdtivmete o evolvimeto dos servidores costrução do Plejmeto Estrtégico, com objetivo de relizr um gestão mis prticiptiv. Desdobrmeto dos objetivos estrtégicos em objetivos táticos trvés d costrução de mps estrtégicos setoriis Iformtizr o gerecimeto e moitormeto dos cotrtos de serviço, suportdo por um sistem de iformção gerecil e idicdores de qulidde. Resslt-se ecessidde de modelr o processo, estbelecedo s resposbilidde dos profissiois evolvidos gestão dos cotrtos. DIENG - Cristi Nscimeto SAFI - 02/ /12/2015 Diell Myri SPE - 01/03/ /12/2018 Diell Myri SPE - 01/04/ /12/2016 DILC- Mrcelo Sá SAFI - * * A Sefz frá prte do PE itegrdo (módulo gestão de cotrtos ). Está em fse de homologção d licitção.

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

ARA UMA EDUCAÇÃO P OBAL CIDADANIA GL CIDAC

ARA UMA EDUCAÇÃO P OBAL CIDADANIA GL CIDAC l o i c r e t I o t s e f i M M U R P O Ã Ç L C U B O ED L G I N D CID CIDC Este Mifesto foi relizdo com o poio ficeiro d Uião Europei, ms o coteúdo é pes d resposbilidde dos utores, e ão pode ser tomdo

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética 1.1 - ITODUÇÃO O termo ciétic está relciodo movimeto qudo se pes ele prtir de seu coceito físico. tretto, s reções químics, ão há movimeto, ms sim mudçs de composição do meio reciol, o logo d reção. Termodiâmic

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES UNVERSDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARA AGRÍCOLA HDRÁULCA APLCADA AD 019 Prof.: Rimudo Noto Távor Cost CONDUTOS LVRES 01. Fudmetos: Os codutos livres e os codutos forçdos, embor tem potos

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento Elemetos de Aálise Ficeir Fluxos de Cix Séries Uiformes de Pgmeto Fote: Cpítulo 4 - Zetgrf (999) Mtemátic Ficeir Objetiv 2ª. Ed. Editorção Editor Rio de Jeiro - RJ Séries de Pgmetos - Defiição Defiição:

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar)

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminr) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Governo do Estdo de Rorim Secretri Estdul

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade 17 LEADERSHIP AGENDA gnhr o futuro trvés d lidernç, gestão e inovção O sector ferroviário definiu um modelo estruturdo e inovdor pr umentr su competitividde O sector ferroviário português definiu um progrm

Leia mais

Amortização ótima por antecipação de pagamento de dívidas contraídas em empréstimos a juros compostos

Amortização ótima por antecipação de pagamento de dívidas contraídas em empréstimos a juros compostos XXVI ENEGEP - Fortlez, CE, Brsil, 9 de Outubro de 2006 Amortizção ótim por tecipção de pgmeto de dívids cotríds em empréstimos uros compostos Lucio Ndler Lis (UFPE) luciolis@ufpe.br Gertrudes Coelho Ndler

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Fundamentação Metodológica

Fundamentação Metodológica E M.Montessori Fundmentção Metodológic Mnuis Didáticos Progrms em Níveis Listgens de Ambientes Preprdos Progrms Anuis - Bimestris As crinçs, em contto com um mbiente dequdo desenvolvem s potenciliddes

Leia mais

Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS Edição 2015

Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS Edição 2015 Desfio INOVA Pul Souz IDEIAS NEGÓCIOS Edição 2015 É um competição de Modelo de Negócios, presentdos vi tel do Modelo de Negócios CANVAS, entre equipes formds por estudntes do ensino médio, técnico, tecnológico

Leia mais

INTRODUÇÃO À AVALIAÇÃO ECONÓMICA DE INVESTIMENTOS

INTRODUÇÃO À AVALIAÇÃO ECONÓMICA DE INVESTIMENTOS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEEC / Secção de Eergi Eergis Reováveis e Produção Descetrlizd INTRODUÇÃO À AVALIAÇÃO ECONÓMICA DE INVESTIMENTOS Rui M.G. Cstro (Com bse um texto

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS. PEDRO RUI BRANCO Presidente do Conselho Fiscal AAIPS

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS. PEDRO RUI BRANCO Presidente do Conselho Fiscal AAIPS INIU PLIÉCNIC ÚBL CL UPI CIÊNCI MPII P UI BNC Presidente do Conselho Fiscl IP NQUMN C/IP está inserid n ede Públic de nsino uperior. No ubsistem do nsino Politécnico: É um ensino com um missão diferente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais:

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais: ACTIVAR EM 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO ANUAL INTRODUÇÃO: A Animção de um território depende do conjunto de tores existentes e de cordo com missão de cd um deles. É fundmentl que exist um efetiv cooperção

Leia mais

Nanotutorial de comandos L A T E X para MOODLE

Nanotutorial de comandos L A T E X para MOODLE Notutoril de comdos L A T E X pr MOODLE Versão 1.9 Fev/2012 Je Pito-Goçlves jpito@dm.ufscr.br www.dm.ufscr.br/~jpito Notutoril de comdos LTeX pr MOODLE by Je Pito-Goçlves is licesed uder Cretive Commos.

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade ESTABILIDADE Pólo Zero Etbilidde Itrodução Um crcterític importte pr um item de cotrole é que ele ej etável. Se um etrd fiit é plicd o item de cotrole, etão íd deverá er fiit e ão ifiit, ito é, umetr em

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI)

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) 1) Servo de Cristo e legislção vigente O Servo de Cristo respeitndo legislção vigente, ns orientções do MEC em seu Precer nº

Leia mais

dados de rotina com filtro, 2011

dados de rotina com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011, vist d instlção / foto ricrdo bsbum performnce d curdori curdori dniel mttos (rj) pço ds rtes (SP) detlhe: crimbos imgem do folder / fotos

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação I Mdliddes Pós-grduçã strictu sens (mestrd e dutrd) Pós-dutrd de Cpcitçã Definiçã de Necessiddes de Cpcitçã de Pós-Grduçã O Ipe definirá sus necessiddes de cpcitçã em pós-grduçã nulmente, levnd em cnt:

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO ESTDO D PRIB PREFEITUR MUNICIPL DE LGO SEC GBINETE DO PREFEITO Lei nº 117/20, de 31 de dezembro de 20 INSTITUI O CENTRO DE TENÇÃO PSICOSSOCIL NO MUNICÍPIO DE LGO SEC-PB, CRI CRGOS DE PROVIMENTO EFETIVO

Leia mais

Programa Currículo e Prática Docente 2014

Programa Currículo e Prática Docente 2014 Pr sber mis sobre s ções de formção ofertds pel EFAP, cesse: www.escoldeformco.sp.gov.br Progrm Currículo e Prátic Docente Progrm Currículo e Prátic Docente 2014 *Versão revisd e tulizd em 11/06/2014:

Leia mais

Um parceiro com objectivos

Um parceiro com objectivos Um prceiro com objectivos Índice 1. Sistem de Automção scolr... 3 2. Portri... 5 3. Gestão Finnceir I... 6 4. Sls de Aul... 14 5. Internet... 15 6. Gestão de Alunos.. 16 7. sttístics. 17 8. Inforvist:

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA)

ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA) ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA). INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE ATERRAMENTO. MEDIÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO 3. ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO 4. SISTEMAS DE ATERRAMENTO 5. TRATAMENTO QUÍMICO DO SOLO 6.

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir i Sumário Uidde Revisão de Tópicos Fudmetis do Esio Médio... 0. Apresetção... 0. Simologi Mtemátic mis usul... 0. Cojutos Numéricos... 0. Operções com Números

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

UMA PROPOSTA DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA A VISUALIZAÇÃO DE SISTEMAS LINEARES

UMA PROPOSTA DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA A VISUALIZAÇÃO DE SISTEMAS LINEARES UMA PROPOSTA DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA A VISUALIZAÇÃO DE SISTEMAS LINEARES Adilso Gustvo do Espírito Sto - dilsogustvo@hotmil.com Cetro Uiversitário de Volt Redod, Sistems de Iformção Av. Pulo Erlei

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

Sistema Móvel de Levantamento Terrestre

Sistema Móvel de Levantamento Terrestre Sistem Móvel de Levtmeto Terrestre Sérgio Mdeir Uiversidde de Trás-os-Motes e Alto Douro José Alberto Goçlves Luís Cerqueir Bstos Uiversidde do Porto Sistem Móvel de Levtmeto (SML) - Um defiição Sistem

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 9 e Fse Professor Mri Atôi Gouvei. FASE _ 9 9. N décd de 96,com redução do úmero de bleis de grde porte,como blei zul, s bleis mike tártic pssrm ser o lvo preferêci

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização Gestão Itegrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regioalização Ceará 2011 Apoio Istitucioal Covêio SRHU/MMA/ º 003/2008 - Projeto Regioalização da Gestão Itegrada de Resíduos Sólidos do Estado do

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRDO EM SEGURNÇ EMPRESRIL CLIENTE UFPE - CIS - CENTRO INTEGRDO DE SÚDE - CT-SUDENE ESTUDO DNOS O PTRIMÔNIO Emitido em: 07/02/2013 SUMÁRIO 1. LISTGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLSSIFICÇÃO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

Gestão por Competências.

Gestão por Competências. Gestão por Competências. Pesquisa de Clima Organizacional SEFAZ/PE 2015Deloitte Touche Tohmatsu Introdução. 2 2015Deloitte Touche Tohmatsu Introdução A Pesquisa de Clima Organizacional, parte integrante

Leia mais

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = +

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = + Vléi Zum Medeios & Mihil Lemotov Resolução de Equções Difeeciis Liees po Séies Poto Odiáio (PO) e Poto Sigul (PS) Defiição: Sej equção difeecil lie de odem e coeficietes viáveis: ( ) ( ) b ( ) é dito poto

Leia mais

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 Pronto pr um câmer digitl de primeir com CCD de 6,0 meg piels?! A Genius gor nunci um câmer digitl de estilo único em su fmíli G-Shot: G-Shot P6533. Em um cbmento vermelho etrordinário, est DSC epress

Leia mais

Você SERVIDOR. Portal de Serviços. está de cara nova, com muito mais informação. O endereço do servidor na internet (www.portaldoservidor.ba.gov.

Você SERVIDOR. Portal de Serviços. está de cara nova, com muito mais informação. O endereço do servidor na internet (www.portaldoservidor.ba.gov. Publicção conjunt d Secretri Você d Administrção e d Assessori Gerl de Comunicção (Agecom) SERVIDOR n o 05 no 2 mio 2010 Ilustrção: Túlio Crpi FotO: Edgr Souz Portl de Serviços O endereço do servidor n

Leia mais