Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Como Exportar El Salvador MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Departamento de Promoção Comercial Brasília, dezembro de

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DADOS BÁSICOS I - Aspectos gerais 1. Geografia 2. População, centros urbanos e nível de vida 3. Transportes e comunicações 4. Organização política e administrativa 5. Organizações e acordos internacionais II - Economia, moeda e finanças 1. Conjuntura econômica 2. Principais setores de atividade 3. Moeda e finanças III - Comércio exterior 1. Evolução recente IV - Relações econômicas e comerciais Brasil - El Salvador 1. Intercâmbio comercial bilateral 2. Composição do intercâmbio comercial bilateral 3. Balanço de pagamentos bilateral 4. Investimentos bilaterais 5. Principais acordos econômicos e comerciais V - Acesso ao mercado 1. Sistema tarifário 2. Taxas e impostos sobre as importações 3. Organização Mundial de Comércio - OMC/SGP 4. Normas de importação 5. Regime cambial 6. Documentação e formalidades 7. Zonas Francas VI - Estrutura de comercialização 1. Canais de distribuição 2. Compras governamentais 3. Promoção de vendas 4. Feiras e exposições 5. Práticas comerciais 2

3 ANEXOS I - Endereços 1. Órgãos oficiais 2. Entidades de classe 3. Principais bancos 4. Companhias de transporte 5. Jornais 6. Emissoras de televisão 7. Principais rádios II - Informações práticas 1. Moeda 2. Pesos e medidas 3. Principais feriados 4. Fusos horários 5. Horário comercial 6. Corrente elétrica 7. Períodos recomendados para viagens 8. Visto de entrada 9. Câmbio 10. Hotéis III - Referências Bibliográficas 3

4 INTRODUÇÃO El Salvador é um país centro-americano, pouco conhecido dos empresários brasileiros, no qual as oportunidades de comércio vêm-se ampliando, na medida em que a economia essencialmente agrícola se transforma em mercado aberto, dotado de instituições modernas e a caminho da integração regional. O historicamente reduzido contato brasileiro com El Salvador foi ainda menor nas décadas de 70 e 80, em função dos conflitos internos, que provocaram uma guerra civil que durou doze anos, da qual o país emergiu, a partir de 1991, como uma economia ávida por recuperar os atrasos nos decênios imediatamente anteriores. Com efeito, o crescimento econômico anual do país foi superior a 5% de 1991 a Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), em 1995, a taxa de crescimento do PIB salvadorenho foi a terceira mais alta da região e, conforme os dados do Fundo Monetário Internacional, em 1996, o PIB de El Salvador cresceu 3% em relação a O fato de El Salvador importar cerca de 80% do que consome é possibilitado, em parte, pelas exportações de produtos agrícolas café, principalmente e pela remessa de divisas dos emigrantes salvadorenhos, que corresponde a cerca de 15% do PIB do país. A maior confiança na situação interna faz com que as elites estejam deixando de remeter suas poupanças para o exterior e passem a investir no país, recuperando seus negócios e patrimônio. Têm sido inúmeras as construções de novos imóveis e as restaurações dos antigos. Frotas de caminhões e ônibus, equipamentos industriais e bens de consumo duráveis vêm sendo reformados ou substituídos. Não se pode deixar de mencionar a importância das Zonas Francas (ZFs), áreas criadas exclusivamente para o estabelecimento de fábricas estrangeiras, cujos produtos destinam-se à exportação, sobretudo para os EUA e restante da América Central. Gozam elas de incentivos fiscais, facilidades de créditos e dispõem de mãode-obra barata. Muitas fábricas asiáticas e norte-americanas, basicamente de acabamento ( maquila ) funcionam nas seis Zonas Francas existentes em El Salvador. Embora El Salvador tenha uma população de apenas 5 milhões e meio de habitantes, uma análise mais profunda deixa bem claro que a América Central não pode ser vista como uma região composta de uma série de pequenos países, mas como um mercado em franco processo de integração, com cerca de 30 milhões de consumidores. Para reduzir a dependência econômica dos EUA, El Salvador tenta diversificar suas fontes de abastecimento. Em igualdade de condições, o país tem dado preferência aos fornecedores da América Latina. Espera-se que este Como Exportar venha a constituir um guia útil para que o empresário brasileiro encontre orientações práticas de como marcar sua presença, de maneira mais ampla e efetiva, no mercado não só de El Salvador, mas de toda a América Central. 4

5 DADOS BÁSICOS Superfície: km 2 População: 5,79 milhões (1996) Densidade demográfica: 277 hab/km 2 (1996) População economicamente ativa: 3 milhões (1995) Inflação: 7% a.a (1997) Principais cidades: São Salvador, Santa Ana, São Miguel Moeda: Colón salvadorenho ( ) 1 Cólon = 100 centavos Cotação: 8,8 = US$ 1,00 (Set./1997) PIB, a preços correntes: US$ 10,58 bilhões (1996) Agrícola 14,0% Indústria 22,0% Serviços 64,0% Crescimento real do PIB (1990/96): 6,3% Agricultura 1,2% Indústria 2,9% Agropecuário 1,8% Serviços 9,3% PIB per capita : US$ 1.807,00 (1996) Produção (principais produtos): 1. Produtos alimentícios Café Açúcar Camarões 2. Produtos químicos Cosméticos Inseticidas, fungicidas Medicamentos, sabões. 3. Manufaturas: Calçados Fios e tecidos de algodão Confecções Móveis. Comércio exterior (1996) Importações (cif) US$ 3.223,00 milhões Exportações (fob) US$ 1.789,00 milhões Taxa de crescimento das exportações: 12,1% a.a (1990/95) Taxa de crescimento das importações: 18,7% a.a (1990/95) Intercâmbio comercial Brasil/El Salvador Exportações brasileiras: US$ 26,4 milhões - fob (nov./1997) Importações brasileiras: US$ 1,3 milhões - fob (nov./1997) Balança comercial: US$ 25,1 milhões 5

6 I - ASPECTOS GERAIS 1. Geografia Localização e superfície A República de El Salvador conta com uma superfície de km² e é o menor país da América Central. Está localizada no istmo centro-americano que liga a América do Norte à América do Sul. Limita-se ao Norte e Leste com Honduras; a Oeste e Noroeste com a Guatemala e ao Sul com o Oceano Pacífico, com uma extensão litorânea de 296 km Principais cidades: São Salvador (capital), Santa Ana, San Miguel, Sonsonate, San Vicente, Usulután. Distâncias das cidades de Departamentos salvadorenhos em relação a São Salvador, em quilômetros: CIDADE DEPARTAMENTO DISTÂNCIA DE SÃO SALVADOR (km) Ahuchapan Ahuachapan 97 Chalatenango Chalatenango 83 Cojutepeque Cuscatlan 34 La Union La Union 184 San Francisco Gotera Morazan 167 San Miguel San Miguel 138 San Vicente San Vicente 58 Santa Ana Santa Ana 76 Santa Tecla La Libertad 12 Sensuntepeque Cabañas 83 Sonsonate Sonsonate 65 Usulután Usulután 110 Zacatecoluca La Paz Distâncias das capitais dos países vizinhos em relação a São Salvador Regiões geográficas e clima CIDADE PAÍS DISTÂNCIA DE SÃO SALVADOR Guatemala Guatemala km Manágua Nicarágua km São José Costa Rica km Tegucigalpa Honduras km O território salvadorenho divide-se em três regiões, chamadas Zonas, que agrupam Departamentos, com características semelhantes de clima, relevo, vegetação e hidrografia. a) Zona Ocidental Composta pelos Departamentos de Ahuachapán, Santa Ana e Sonsonate; b) Zona Central É formada pelos Departamentos de Cabañas, Chalatenango, Cuscatlán, La Libertad, La Paz, San Salvador e San Vicente; 6

7 c) Zona Oriental Formada pelos Departamentos de La Unión, Morazán, San Miguel e Usulután. Clima: Tropical Temperatura Média: 25ºC Mínima Máxima Zona Central e Ocidental: jan, fev, maio, jun, jul, agosto, set. e out. 20ºC 28ºC março, abril 25ºC 30ºC novembro e dezembro 15ºC 28ºC Zona Oriental Todo o ano 24ºC 32ºC Precipitação Pluvial: moderada (1.625 mm). Estação de Chuvas: de maio a outubro 2. População, centros urbanos e nível de vida 2.1. População De acordo com o Censo de 1996, a população salvadorenha era de 5,79 milhões de habitantes, com taxa de crescimento de 2.1% ao ano. População economicamente ativa: 3 milhões Participação (%) Homens 66 Mulheres 34 Fonte: World Development Indicators The World Bank Idioma 2.3. Religião O idioma oficial é o Espanhol. A maior parte da população é católica, com influência de diversas religiões evangélicas Principais indicadores sócio-econômicos PIB per capita : US$ 1.807,00 (1996) Número de aparelhos de TV por hab.: 241 (1995) Número de telefones por hab.: 53 (1995) Consumo energia elétrica: KW/H (1995) Crescimento do consumo e do investimento: Consumo privado: US$ 7,09 milhões (1995) Taxa de crescimento do consumo privado: 7,2% a.a (1995) Taxa de crescimento do consumo per capita: 4,9% a.a (1990/95) Taxa de crescimento do consumo do Governo: 2,3% a.a (1990/95) Taxa de crescimento do investimento bruto: 14,7% a.a (1990/95) Taxa de juros real: 4,3% a.a. (1993/95) 7

8 Estrutura da demanda Consumo privado: 86% do PIB Consumo do Governo: 8% do PIB Investimento bruto: 9% do PIB Exportações de mercadorias e de serviços: 20% do PIB Importações de mercadorias e de serviços: 34% do PIB 2.5. Educação A taxa de analfabetismo (na população de 10 anos e mais) mostra uma diminuição de 31,5% para 24% nos últimos quinze anos. Alfabetização: Alfabetizados: Analfabetos: Taxa de alfabetização em (%): 1979: : : : : 73.0 População estudantil: Primário Secundário Universitário Transportes e comunicações Transportes a. Rede rodoviária: El Salvador possui um sistema de rodovias com mais de km. A rodovia Panamericana atravessa o país de Oeste a Leste, estendendo-se desde a fronteira com a Guatemala até a fronteira com Honduras, interligando as capitais de toda a América Central. O transporte de carga é relativamente volumoso, se comparado com a extensão territorial. O transporte de passageiros ultimamente tem passado por modificações nas frotas de ônibus, tanto para o setor urbano quanto para o interurbano. Essas frotas foram recentemente renovadas, com modelos novos importados do Japão (microônibus) e do Brasil. b. Rede ferroviária A extensão ferroviária salvadorenha é de 602 km, ligando os portos salvadorenhos de Acajutla e Cutuco e as principais cidades, São Salvador, Santa Ana e São Miguel. O sistema ferroviário, é usado somente para o transporte de carga. A CEPA/FENADESAL (Ferrocarriles Nacionales de El Salvador) é a encarregada da manutenção das ferrovias. c. Transporte Marítimo O país possui uma costa com extensão de 296 km. O principal porto é Acajutla (Departamento de Sonsonate), um dos mais importantes da América Central, no Pacífico, a 85 km de San Salvador. É um porto de atraque direto e dispõe de 8 atracadouros distribuídos em 3 cais, com projeção de construção de terminal de contêineres. O porto de Cutuco, no Golfo de Fonseca (Departamento de La Unión), tem menor expressão. 8

9 d. Transporte aéreo O Aeroporto Internacional de El Salvador, moderno, a 40 km da capital salvadorenha, é servido por companhias aéreas internacionais tais como a American Airlines, a United Airlines e a Continental Airlines, bem como a nacional Taca International Airlines, associada às centro-americanas (Aviateca, Copa, Lacsa e Nica). Essas companhias operam em vôos internacionais, principalmente para países americanos. Existem agências das principais linhas aéreas internacionais, dentre as quais a VARIG, que fazem conexão com as companhias acima mencionadas. Em 1995, o Aeroporto Internacional de El Salvador registrou 20 mil decolagens, transportando mil passageiros. Os sistemas ferroviário, marítimo e aéreo são administrados pela autarquia Comissão Executiva Portuária Autônoma (CEPA) Comunicações O país está interligado, via satélite e microondas, com a maioria dos países. Conta com sistemas digitais, fibras ópticas, meios de transmissão instantânea de documentos, telefonia celular, TV a cabo, TV por rádio, teleconferências, discagem direta nacional e internacional, fax, telex, rádio-busca, repetidoras comunitárias, rádio-amador, saída áudio e vídeo por satélite, internet, etc. O serviço de comunicações, nacional e internacional, está sob a responsabilidade da Administração Nacional de Telecomunicações (ANTEL). Os correios de El Salvador apresentam dificuldades de distribuição. O país dispõe de serviço courier, com prazos de entrega de 3 a 4 dias úteis para os países americanos. São administrados pela Direção Geral de Correios, subordinada ao Ministério do Interior. O país possui 14 estações de televisão e de 174 radiodifusoras (AM e FM), concentradas na capital (90%), e nas principais cidades de Santa Ana e São Miguel (10%). 4. Organização política e administrativa 4.1. Organização política O Governo salvadorenho é republicano, democrático e representativo. O sistema político é pluralista, com nove partidos políticos. O Governo é exercido pelos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. O Executivo é formado pelo Presidente e o Vice-Presidente da República, eleitos por voto direto para um período de 5 anos. Os Ministros e os Vice-Ministros de Estado são indicados pelo Presidente. O Legislativo é constituído pela Assembléia Legislativa, unicameral, composta por 84 Deputados, eleitos pelo voto popular a cada 3 anos; e o Judiciário, pela Corte Suprema de Justiça, as Câmaras de Segunda Instância e os demais Tribunais. São os seguintes os Ministérios do Governo: MINISTERIO DE AGRICULTURA Y GANADERÍA (MAG) - Ministério da Agricultura e Pecuária MINISTERIO DE ECONOMÍA - Ministério da Economia MINISTERIO DE EDUCACIÓN - Ministério da Educação MINISTERIO DE HACIENDA - Ministério da Fazenda MINISTERIO DE JUSTICIA - Ministério da Justiça MINISTERIO DE LA DEFENSA NACIONAL - Ministério da Defesa Nacional MINISTERIO DE LA PRESIDENCIA - Ministério da Presidência MINISTERIO DE OBRAS PUBLICAS - Ministério de Obras Públicas MINISTERIO DE RELACIONES EXTERIORES - Ministério das Relações Exteriores MINISTERIO DE SALUD PUBLICA Y ASISTENCIA SOCIAL (MSPAS) - Ministério da Saúde Pública e Previdência Social MINISTERIO DE SEGURIDAD PUBLICA - Ministério de Segurança Pública MINISTERIO DE TRABAJO Y PREVISIÓN SOCIAL - Ministério do Trabalho e Previdência Social MINISTERIO DEL INTERIOR - Ministério do Interior 4.2. Organização Administrativa O País está dividido em 14 Departamentos e subdividido em 240 municípios. As cidades principais de cada Departamento são denominadas Cabeceras departamentais (capital de departamento). 9

10 5. Organizações e acordos internacionais El Salvador é membro da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização dos Estados Americanos (OEA), bem como de várias outras entidades multilaterais, dentre as quais se destacam: OMC - Organização Mundial do Comércio FAO - Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento SELA- Sistema Econômico Latino-Americano SICA - Sistema de Integração Centro-Americano SIECA - Secretaria Permanente do Tratado Geral de Integração Econômica Centro-Americana BCIE - Banco Centro-Americano de Integração Econômica BIRD - Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento FMI - Fundo Monetário Internacional 10

11 II - ECONOMIA, MOEDA E FINANÇAS 1. Conjuntura Econômica Nos últimos anos, o Produto Interno Bruto de El Salvador vem apresentando expressivas taxas reais de crescimento. Entre 1992 e 1996 a taxa média real de expansão do PIB foi da ordem de 6,8% ao ano. Em 1997, de acordo com dados da CEPAL, a variação real do Produto teria sido de 4,0%, taxa superior àquela verificada no ano anterior, que foi de 3,0%. Para 1998, as estimativas da publicação Country Report, da The Economist Intelligence Unit - EIU, são de que o PIB apresente expansão real de 3,5%. O dinamismo da economia tem sido influenciado pelo comportamento do setor externo, sobretudo pelo aumento dos preços internacionais do café e pelo incremento nas exportações de maquila (off-shore assembly for re-export), os dois principais produtos da pauta de exportações do país. O comportamento da economia foi marcado, nos últimos anos, pela implementação do Programa Monetário e Financeiro que estabeleceu como principais metas o controle do nível de preços, a diminuição da taxa de juros, a redução do déficit fiscal e a dinamização das exportações, de modo a eliminar o desequilíbrio no balanço de pagamentos. Anunciou-se, igualmente, uma série de medidas destinadas a aumentar a abertura da economia, fortalecer e melhorar a competitividade do sistema financeiro, acelerar a privatização de empresas e controlar o câmbio. No que diz respeito ao índice de preços ao consumidor, verifica-se comportamento bastante positivo em função, sobretudo, da rígida política financeira aplicada. A inflação em 1997 foi de 7,0%, enquanto que, em 1995, o índice registrado havia sido de 11,5%. Para 1998, entretanto, o EIU estima que a variação de preços ao consumidor seja da ordem de 9,5%. Tais resultados refletem avanços no quadro macroeconômico, particularmente no que diz respeito ao câmbio, às menores taxas de juros e aos adequados níveis de liquidez da economia. O índice de 1995 foi influenciado por uma política ativa de crescimento das receitas governamentais em conseqüência de alterações na administração da arrecadação e do aumento de alguns impostos e das tarifas elétricas. No primeiro semestre de 1995, aprovaram-se a elevação do Imposto sobre o Valor Agregado (IVA) e do imposto sobre cigarros, bebidas alcoólicas e refrigerantes, bem como a reforma do Imposto de Renda, provocando uma alta nos preços internos. Na área de comércio exterior, as exportações têm mostrado firme expansão, evoluindo de US$ 737 milhões em 1993 para US$ 2,258 bilhões em Tal desempenho, entretanto, não foi suficiente para compensar o forte crescimento das importações, que no período em análise passaram de US$ 1,9 bilhão para US$ 3,8 bilhões. Cumpre assinalar que o comportamento das importações tem sido influenciado pela retomada do crescimento econômico, pela valorização do colón e pela redução das tarifas alfandegárias. Segundo classificação da Heritage Foundation, a economia de El Salvador é considerada uma das mais abertas da América Latina, atrás apenas do Chile e do Panamá. Como parte da política de abertura da economia, a taxação sobre importação de matérias-primas e bens de capital foi reduzida a zero em dezembro de 1996 e, em julho de 1997, iniciou-se um processo de diminuição de um ponto percentual a cada seis meses para os bens intermediários e finais. A intenção do Governo é de que em julho de 1999 se tenha piso de 5% e teto de 10% para os bens intermediários, assim como piso de 15% para os bens finais. Quanto ao balanço de pagamentos, o país apresenta conta corrente tradicionalmente deficitária, tendo a movimentação de capitais dado contribuição decisiva para o saldo final do balanço. As transferências líquidas somaram US$ 1,3 bilhão (a maior parte dos quais correspondente a transferências de divisas por parte de emigrantes), contrabalançando o déficit da conta corrente e viabilizando o saldo global que, em 1997, teria sido de US$ 225 milhões, de acordo com dados da CEPAL. A exemplo de outros países da América Latina, El Salvador vem empreendendo esforços com vistas a privatizar alguns setores da economia. Nos primeiros meses de 1996, foi concluída a venda da primeira usina açucareira oferecida ao setor privado. A desestatização da empresa Administración Nacional de Telecomunicaciones, programada para abril de 1997, foi transferida para 1998, em função de redefinições jurídicas e das eleições para a Assembléia Legislativa em março daquele ano. Do mesmo modo, a privatização das distribuidoras de energia elétrica foi adiada para Quanto ao mercado de trabalho, não obstante o dinamismo da atividade produtiva, as estimativas preliminares são de que o desemprego aberto tenha atingido 8% em 1997, índice levemente superior ao registrado no ano anterior (7,7%). O desempenho econômico dos últimos anos tem permitido gerar aumentos na renda per capita (3,8% anual para o período de , contra 0,5% anual entre ). Este resultado explica-se não só por uma taxa maior de crescimento no PIB real, mas também por uma redução na taxa de natalidade. Entre as causas principais desses resultados estão a eliminação dos controles de preços, as reformas comercial e fiscal, a privatização do sistema bancário e a liberação das taxas de juros. 11

12 Quadro sintético Produto Interno Bruto, a preços correntes, PIB População PIB/Hab Ano (US$ milhões) (% cresc.real) (US$ mil) (% cres. anual) (US$) , ,5 985, , ,4 991, , , , , , , , , , , , , (*) , , ,46 Fontes: The Economist Intelligence Unit EIU: Country Profile 1996/97, 1994/95 FMI - IFS, International Financial Statistics, 1997 (*): Dados estimados Formação do PIB, a preços correntes, por principais setores de atividades, Setores de atividade Agricultura 14,2 8,9 13,9 13,6 13,6 Indústria emineração 24,3 19,0 22,7 22,5 21,7 Construção 4,4 2,9 4,6 4,6 4,3 Transportes e Comunicações (...) 7,6 8,5 7,2 7,4 Comércio 18,7 36,419,3 19,6 20,1 Finanças 2,42,8 2,6 3,0 3,4 Governo (...) 6,5 5,9 5,6 5,4 Fonte: The Economist Intelligence Unit EIU: Country Profile 1996/ / /95 (...) Dado não disponível Taxa de desemprego A taxa de desemprego em 1997 foi de 8,0%. Taxa de desemprego, 1992/97 (em %) ,7 9,9 7,7 7,6 7,7 8,0 Fonte: The Economist Intelligence Unit EIU: Country Profile, 1996/ / / Inflação/Índice de preços ao consumidor Índice de preços ao consumidor (inflação) Ano Variação % , , , , , ,0 Fontes: The Economist Intelligence Unit EIU: Country Profile, 1996/ / /95. Economic Information Central Reserve Bank of El Salvador. 12

13 Índice de preços, por setores selecionados: Alimentos 23,421,2 10,8 5,8 11,8 Vestuário 16,5 5,2 8,5 4,8 1,5 Construção 7,0 4,2 10,2 22,3 4,8 Diversos 22,9 6,8 5,1 13,0 5,1 Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR 2. Principais setores de atividade Agropecuária O setor de agropecuária de El Salvador apresentou, no período compreendido entre 1991 e 1996, taxa anual de crescimento oscilante, como pode ser observado na tabela abaixo: Taxa de crescimento do setor agropecuário ,3 8,0-1,4-2,4 4,3 1,8 Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR Observa-se elevado crescimento em 1992 que não se mantém nos anos de 1993 e O ano de 1995 apresenta reversão nesse quadro, tendo novamente a produção agropecuária demonstrado crescimento expressivo de 4,3%, obtido principalmente em decorrência da alta nos preços dos produtos de exportação, estabilidade econômica e maior disponibilidade de créditos para o plantio. O crescimento não manteve, contudo, os mesmos níveis em Em 1996, registrou-se um volume de importação de bens de capital no setor de US$ 12,5 milhões. El Salvador é exportador tradicional de café e de açúcar. A safra de café no período de 1995/96 foi de toneladas. As exportações alcançaram, em 1996, US$ 339 milhões, valor correspondente a aproximadamente 20% do total da pauta exportada no período. No que diz respeito à produção de açúcar, os números da safra de 1995/96 indicaram o volume de toneladas. As exportações em 1996 atingiram US$ 37 milhões. El Salvador é também produtor de grãos básicos. A produção desse setor registrou taxas negativas de 8% e 19% para as colheitas 1993/94 e 1994/95, respectivamente, em função da seca que afetou a região centro-americana. Na safra de 1995/96, foram plantados 525,22 mil hectares. O total da área cultivada de grãos diminuiu de 4,4% entre 1995/ 96 e 1996/97, causando uma redução de 2,5% nos lucros da safra. A agricultura contribuiu com 13,6% do PIB em Volume da produção agropecuária Em milhares de toneladas Ano Café Milho Feijão Arroz Sorgo Cana com de casca Açúcar 1992/ / / / /7 (...) (...) Fonte: The Economist Intelligence Unit EIU:, Country Profile 1997/98. (...) não disponível Silvicultura Apesar do corte indiscriminado de árvores, a flora salvadorenha conserva ainda ampla variedade de espécies, dentre as quais o bálsamo, utilizado como matéria-primana indústria química e farmacêutica e exportado para diversos países. Muitas dessas espécies, em vias de extinção, estão incluídas em programas de conservação e defesa do meio-ambiente, promovidos pelo Governo salvadorenho, com ajuda de organismos internacionais. Existem diversas florestas, localizadas principalmente na região noroeste do país, declaradas parques nacionais. O desmatamento acentuado representa grave perigo para a ecologia salvadorenha, com danos visíveis ao meio ambiente. 13

14 Mineração Esse setor é relativamente pobre e inexplorado, respondendo por apenas 0,4% do PIB em As reservas são pequenas, entre as quais figuram ouro, cobre, chumbo, cal e gesso Indústria Após o conflito armado que viveu o país, de 1980 a 1992, o setor industrial encontra-se atualmente em franca recuperação, sendo foco de atenção por parte de investidores estrangeiros. Verifica-se certo dinamismo nas áreas têxtil, de alimentos, produtos químicos e plástico. A indústria salvadorenha produz alimentos, bebidas, cigarros, cimento, produtos químicos e farmacêuticos, papel e embalagens de papel e cartão, têxteis, calçados, móveis, ferramentas manuais, geladeiras, materiais elétricos, entre outros. Com a criação de novas Zonas Francas, inúmeras empresas estrangeiras, sobretudo dos EUA, Taiwan e Coréia, instalaram-se em El Salvador. Algumas empresas brasileiras manifestaram interesse em se implantar na ZF de El Pedregal. Nas ZF são fabricados, sob a forma de acabamento/montagem (maquila/assembly) principalmente produtos têxteis, confecções e artigos de couro, que têm constituído item importante na pauta de exportações salvadorenhas Energia O sistema de geração de energia em El Salvador está integrado por quatro usinas hidrelétricas, duas geotérmicas e quatro térmicas (vapor e gás) que fornecem 97,2% da demanda nacional. O complemento é adquirido da Guatemala, aproveitando os benefícios da interligação elétrica da América Central. A capacidade de geração de energia elétrica instalada é de 909 MW e a capacidade disponível é de 604 MW (1996). Em razão da crescente demanda foi elaborado o Plano de Expansão do Setor Elétrico, que inclui projetos hidrelétricos, geotérmicos e térmicos, com o objetivo de aumentar a capacidade de produção para MW no ano 2.010, e que abre o setor à participação de empresas privadas. O órgão estatal responsável pela produção e distribuição da energia elétrica em El Salvador é a Comissão Executiva Hidrelétrica do Rio Lempa (CEL). Produção e consumo de energia elétrica (em milhares de kilowatts/hora) Ano Produção Consumo (1) (2) Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR (1) consumo residencial, comercial, industrial, Governo, municipalidades (incluindo iluminação). (2) Preliminar (janeiro a setembro) 3. Moeda e Finanças Moeda A moeda salvadorenha é o colón salvadorenho ( ), dividida em cem centavos. Colón: cotação média mês de dezembro para venda: (*) 1997/set. (*) Colón por US$ 8,77 8,80 8,79 8,76 8,8 Fontes: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR (*) The Economist Intelligence Unit - EIU. 14

15 Balanço de pagamentos Em 1996, registrou-se um déficit no balanço de pagamentos, no item conta corrente, de US$ 110 milhões, equivalente a 1,04% do PIB. A causa principal desse déficit foi o desequilíbrio da balança comercial, desfavorável em US$ milhões, compensado, em parte, pelas transferências familiares de emigrantes salvadorenhos nos Estados Unidos, cujo impacto atual na poupança e no investimento é significativo. Balanço de Pagamentos (em US$ milhões) Discriminação Transações correntes Balança comercial Exportações (fob) Importações (cif) Serviços (saldo líquido) Transferências (líquido) Saldo na conta corrente Transações de capital Ingresso líquido de capital Pagamentos diferidos Reservas internacionais Variações líquidas Nível das Reservas Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR Dívida Externa (em US$ milhões) Discriminação Dívida Total Setor Público Setor Bancário Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR Reservas internacionais Em 1996, o saldo positivo na conta capital, a exemplo do ocorrido nos últimos cinco anos, logrou cobrir o déficit em conta corrente e acumular reservas no valor de US$ 165 milhões, elevando o nível de reservas internacionais líquidas do Banco Central de US$ 934,6 milhões, em 1995, para US$ milhões em 1996, suficientes para cobrir quatro meses de importações e garantir o cumprimento dos compromissos de pagamentos internacionais. Reservas internacionais (em US$ milhões) ,8 554,3 644,9 788,0 934,6 Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR 15

16 Finanças Públicas Finanças públicas (em US$ milhões) Governo Central - Consolidado Receita total Despesa total l Déficit I - Receita corrente Tributos Imposto de renda Imposto sobre patrimônio, propriedades e territorial agropecuário Imposto de importação Imposto de exportação Imposto sobre café Imposto sobre consumo Imposto sobre serviços Estampilhas fiscais Outros impostos e gravames II - Não tributários e outros Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR Orçamento Público (em US$ milhões) Setores mais importantes Educação Serviços Públicos Defesa e Segurança Saúde Agricultura Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR Déficit Público (em US$ milhões) Interno Externo Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR Crédito, Investimento e Despesa % do PIB Investimento estrangeiro direto 0,4 Crédito ao setor privado 35,5 Despesa do governo 14,5 Fluxo de capitais privados (US$ milhões 1995) Fluxo líquido privado 8 Investimento estrangeiro direto 38 Investimento de portfólio 0 Bancos e empréstimos rel. comércio - 30 Fonte: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR 16

17 3.5. Sistema bancário O sistema bancário é composto pelas seguintes autoridades monetárias: a) Banco Central de Reserva de El Salvador. Autarquia autônoma, com as seguintes atribuições: emitir moeda; manter a estabilidade monetária e sua convertibilidade; prevenir ou moderar as tendências inflacionárias e deflacionárias; manter a liquidez e estabilidade do sistema financeiro; propiciar o desenvolvimento de um sistema financeiro eficiente, competitivo e solvente; regular a expansão do crédito do sistema financeiro; manter o processamento normal dos pagamentos internos e externos; adequar o nível dos meios de pagamento ao desenvolvimento da produção; administrar as reservas internacionais do país e o regime de operações de câmbios internacionais; ditar as políticas e normas monetária, creditícia e financeira; coordenar a política econômica do Governo; realizar as atividades, operações e serviços que estabelecem as leis e demais disposições compatíveis com a natureza do Banco Central. b) Superintendência do Sistema Financeiro de El Salvador. Instituição integrada ao Banco Central de Reserva de El Salvador, com autonomia nas atividades administrativas, orçamentárias e no exercício das atribuições que a lei lhe confere. São as seguintes suas atribuições: cumprir e fazer cumprir as leis, regulamentos e demais disposições legais aplicáveis ao Banco Central e demais entidades sujeitas à sua vigilância; ditar as normas para o funcionamento das instituições sob seu controle; autorizar a constituição, funcionamento e falência dos bancos, associações de poupança e empréstimo, instituições de seguros, bolsas de valores e demais entidades que a lei assinalar; vigiar e fiscalizar as operações das instituições financeiras; exercer as funções de inspeção e vigilância que lhe correspondem. c) Bancos comerciais, em ordem de importância e em milhares de dólares Ativos/1995 Banco Agrícola Comercial de El Salvador, S.A Banco Cuscatlán S.A Banco Salvadoreño S.A Banco de Comercio de El Salvador, S.A. (Ban Co) Banco de Desarrollo S.A Banco de Construcción y Ahorro S.A. (Bancasa) Banco Hipotecario de El Salvador S.A Banco de Fomento Agropecuario (BFA) Citibank (*) Banco Corporativo (Bancorp) Banco de Fomento, Inversión y el Desarrollo (Banfidex) Unibanco S.A. (*) Banco de Inversión Rural (Brinsa) Fonte:Superintendencia del Sistema Financiero (*) bancos estrangeiros Taxa de câmbio US$1,00 = 8.80 d) outras instituições de crédito: Banco Multisectorial de Inversiones (BMI), órgão público de crédito, criado em abril de 1994, com o objetivo de: a) promover o crescimento e desenvolvimento de todos os setores produtivos; b) promover o desenvolvimento e a competitividade das empresas; c) propiciar o desenvolvimento da micro e pequena empresa; d) gerar empregos ; e e) melhorar os serviços de educação e saúde. 17

18 Federación de Cajas de Crédito (FEDECREDITO), instituição pública, para a concessão de créditos a micro e pequenas empresas. Fondo de Financiamento e Garantía para la Pequeña Empresa (FIGAPE), instituição pública para a concessão de financiamento a pequenas e médias empresas. Fundación Salvadoreña de Desarrollo y Vivienda Mínima (FUNDASAL), Fondo Nacional de la Vivienda Popular (FONAVIPO), instituições criadas com o objetivo de financiar moradias à população de classe média e de baixa renda. e) Associações de crédito e poupança e financeiras: Ahorros Metropolitanos S.A. (Ahorromet), Atlacatl S.A., Crédito Imobiliario S.A. (Credisa), Financiera Calpia S.A., Credomatic (FICSA), Financiera de Inversiones y Desarrollo de Exportaciones S.A. (FIDEX), Financiera Industrial e Comercial S.A. (Fincomer), Financiera Insepro S.A. (FINSEPRO), Financiera Multivalores 18

19 III - COMÉRCIO EXTERIOR 1. Evolução recente Considerações gerais Os esforços do Governo, na presente década, têm-se orientado no sentido de criar condições favoráveis para incrementar as exportações e gerar fonte de divisas independentes das remessas dos emigrantes. No entanto, apesar da boa performance das exportações nos últimos anos, a balança comercial salvadorenha continua deficitária. O número de parceiros comerciais, tanto para as exportações quanto para as importações, é bastante reduzido. Os Estados Unidos são responsáveis por cerca de 55% das importações e 51% das exportações. Tanto as exportações quanto as importações apresentam taxas de crescimento altas. Destacam-se as exportações de maquila (produtos destinados exclusivamente à exportação, feitos em fábricas de montagem e acabamento instaladas nas Zonas Francas), que têm aumentado sua participação nas exportações totais, com crescimento de 52.6% em 1995, ou US$ 657 milhões. As exportações não-tradicionais para os países de fora da área centro-americana diminuíram, tendo participado com cerca de US$ 579 milhões. Já as vendas de produtos tradicionais contribuíram com US$ 425 milhões, destacando-se as de café. Com o crescimento da economia houve maior necessidade de importações de petróleo ( barris em 1995 contra em 1994), fertilizantes, material de construção e bens de capital. Assim, as importações totais elevaram-se de US$ 2,574 bilhões em 1994 para US$ 3,042 bilhões em Nesse ano, os insumos, combustíveis e bens de capital, em conjunto, representaram US$ 2,558 bilhões, equivalentes a 84% do total importado. O aumento nas importações decorreu em parte da redução das alíquotas de importação, a partir de abril de 1995, e da expansão do crédito ao setor privado. Comércio exterior, (em bilhões de dólares) Ano Exportações (fob) Importações (cif) Saldo ,796 1,855-1, ,032 2,145-1, ,249 2,574-1, ,652 3,329-1, (*) 1,789 3,223-1,434 Fontes: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR The Economist Intelligence Unit EIU, Country Profile, 1997/98. (*) Dados preliminares 1.2. Direção Importações por principais países, (US$ milhões-cif) Países (*) América Central Guatemala Costa Rica Honduras Nicarágua Outros países da América Estados Unidos Ásia Japão Europa Alemanha Demais países Total Fontes: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR FMI DOTS, Direction of Trade Statistics, Yearbook 1996; Quarterly, June (*) Dados preliminares 19

20 Exportações por principais países, (US$ milhões - fob) Países (*) América Central Guatemala Honduras Costa Rica Nicarágua Outros países da América Estados Unidos Ásia Japão Europa Alemanha Demais países Total Fontes: Central Reserve Bank of El Salvador - BCR FMI DOTS, Direction of Trade Statistics, Yearbook 1996; Quarterly June (*) dados preliminares 1.3. Composição Importações Importações cif por principais produtos e grupos de produtos, Estrutura em cifras absolutas e percentagens (US$ milhões) Part. Part. Part. Descrição 1993 % 1994 % 1995 (*) % Animais vivos e produtos do reino animal e vegetal 112,047 5,3 165,964 6,4 137,572 0,4 Trigo 25,768 1,2 42,939 1,7 22,824 0,1 Leites desidratados 25,605 1,2 25,341 1,0 25,994 0,1 Milho 9,490 0,4 22,074 0,9 25,582 0,1 Manteigas e óleos (animais e vegetais) 45,826 2,1 62,705 2,4 64,412 2,9 Sebos 13,343 0,6 22,950 0,9 20,129 0,9 Óleos vegetais 10,286 0,5 15,381 0,6 18,552 0,8 Produtos das indústrias alimentícias, bebidas e fumo 94,444 4,4 116,244 4,5 117,284 5,3 Produtos minerais 205,382 9,6 223,976 8,7 247,979 11,1 Petróleo cru e derivados 122,978 5,8 111,575 4,3 100,368 4,5 Produtos das indústrias químicas e conexas 272,847 12,8 301,068 11,7 325,474 14,6 Medicamentos 73,420 3,4 79,215 3,1 83,645 3,7 Sabões, preparados para lavar e detergentes 18,057 0,8 21,370 0,8 25,117 1,1 Matérias plásticas, resinas artificiais, borracha natural ou sintética e suas manufaturas 114,025 5,3 130,540 5,1 140,693 6,3 Matérias plásticas, resinas artificiais 75,888 3,6 92,201 3,6 99,105 4,4 Peles, couros, peleteria e suas manufaturas 9,955 0,5 9,869 0,4 9,614 0,4 Madeira e suas manufaturas 18,143 0,9 20,226 0,8 19,157 0,9 Matérias para fabricar papel e suas manufaturas 92,879 4,4 99,197 3,9 121,783 5,5 Papel e cartão 62,354 2,9 66,243 3,9 77,300 3,5 Matérias têxteis e suas manufaturas 110,864 5,2 109,626 4,3 119,985 5,4 Calçados,partes e componentes 13,003 0,6 15,361 0,6 16,722 0,7 Metais comuns e suas manufaturas 152,876 7,2 173,124 6,7 187,674 0,4 Ferro, aço e suas manufaturas básicas 73,094 3,4 80,696 3,1 87,431 3,9 Outras manufaturas básicas de ferro e aço 24,837 1,2 29,391 1,1 30,579 1,4 Alumínio e suas manufaturas básicas 12,108 0,6 15,979 0,6 19,313 0,9 Produtos das indústrias químicas e conexas 272,847 12,8 301,068 11,7 325,474 14,6 Medicamentos 73,420 3,4 79,215 3,1 83,645 3,7 Sabões, preparados para lavar e detergentes 18,057 0,8 21,370 0,8 25,117 1,1 Matérias plásticas, resinas artificiais, borracha natural ou sintética e suas manufaturas 114,025 5,3 130,540 5,1 140,693 6,3 Matérias plásticas, resinas artificiais 75,888 3,6 92,201 3,6 99,105 4,4 Peles, couros, peleteria e suas manufaturas 9,955 0,5 9,869 0,4 9,614 0,4 20

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS BULGÁRIA

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS R E P Ú B L I C A P O P U L A R D A C H I N A

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS R E P Ú B L I C A P O P U L A R D A C H I N A MRE - Ministério das Relações Exteriores DPR - Departamento de Promoção Comercial DIC - Divisão de Informação Comercial DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES R E P Ú B L I C A P O P U L A R D A C H I

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1

CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1 CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1 Silvio Miyazaki 2 1 - INTRODUÇÃO 1 2 A busca de mercados externos alternativos aos tradicionais - Estados Unidos, Europa

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0 Informação Geral sobre a Palestina População (milhões hab.): 4,5 (estimativa 2014) Unidade monetária: Shequel de Israel (ILS) e Língua oficial: Árabe Dinar Jordano (JOD) Chefe de Estado: Mahmoud Abbas

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial. Guia de Negócios.

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial. Guia de Negócios. Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios Eritreia Guia de Negócios Eritreia Guia de Negócios SUMÁRIO DADOS

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

França - Síntese País

França - Síntese País Informação Geral sobre França Área (km 2 ): 543 965 Primeiro-Ministro: Manuel Valls População (milhões hab.): 66,3 (estimativa janeiro ) - Insee Risco de crédito: (*) Capital: Paris Risco do país: A (AAA=risco

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007 M A C R O C H I N A Ano Nº 7 7 de fevereiro de 7 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Consolidado de. Em, a China registrou o maior crescimento anual

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas 1 de 7 13/07/2015 12:00 Menu Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa por Subsecretaria de Aduana e Relações Internacionais publicado 22/05/2015 16h36, última modificação 18/06/2015 15h00 Remessas

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. SARNEY FILHO) Dispõe sobre a criação de Zona Franca no Município de São Luís, Estado do Maranhão. O Congresso Nacional decreta: Estado do Maranhão. Art. 1º Esta Lei cria

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

BELIZE Comércio Exterior

BELIZE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BELIZE Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais