QUALIDADE METODOLÓGICA DAS REVISÕES SISTEMÁTICAS E METANÁLISES BRASILEIRAS DA ÁREA MÉDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE METODOLÓGICA DAS REVISÕES SISTEMÁTICAS E METANÁLISES BRASILEIRAS DA ÁREA MÉDICA"

Transcrição

1 FIOCRUZ FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EM SAÚDE Programa de Pós-graduação em Informação e Comunicação em Saúde PROJETO DE PESQUISA QUALIDADE METODOLÓGICA DAS REVISÕES SISTEMÁTICAS E METANÁLISES BRASILEIRAS DA ÁREA MÉDICA MARTHA SILVIA MARTÍNEZ-SILVEIRA BERBERT Rio de Janeiro 2010

2 MARTHA SILVIA MARTINEZ SILVEIRA BERBERT QUALIDADE METODOLÓGICA DAS REVISÕES SISTEMÁTICAS E ME- TANÁLISES BRASILEIRAS DA ÁREA MÉDICA Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós-graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS) do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT) como requisito parcial do processo seletivo para o curso de Doutorado. Rio de Janeiro 2010

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO BUSCA E FONTES DE INFORMAÇÃO A IMPORTÂNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE BUSCA INSTRUMENTOS PARA AVALIAÇÃO DAS REVISÕES SISTEMÁTICAS OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METODOLOGIA REVISÃO SISTEMÁTICA Pergunta da revisão sistemática Amostra Localização dos estudos em fontes de informação Estratégias de busca Seleção dos estudos: Instrumentos para análise Extração dos dados Análise estatística ESTUDO EXPLORATÓRIO REFERÊNCIAS... 29

4 3 1. INTRODUÇÃO A sociedade atual está marcada pelas profundas transformações tecnológicas ocorridas nas últimas décadas. Tais transformações implicaram mudanças generalizadas em diferentes aspectos da vida em sociedade, levando a informação e o conhecimento a ser elementos estratégicos tanto do ponto de vista econômico, político e social como científico (LEGEY; ALBAGLI, 2000). As tecnologias de informação (TI) modificaram a forma de trabalho da maioria das profissões e não foi diferente com os profissionais de saúde. Na área médica as TI estão muito desenvolvidas e têm influenciado sobremaneira as atividades do médico, as pesquisas, as políticas e as decisões de saúde. A produção da informação científica assim como o processo de comunicação em saúde também sofreram modificações influenciadas pelos modernos fenômenos (BJORK; TURK, 2000). Um desses fenômenos está associado ao formato adotado na comunicação dos resultados da pesquisa científica. Tradicionalmente o artigo científico foi considerado peça-chave na transferência de informação entre os cientistas e seu formato consagrado como muito eficiente. Hoje, favorecido pelas TI, e mais especificamente pelo avance da publicação digital, o artigo passa a ter, praticamente, vida própria uma vez que publicam-se independentes dos periódicos, ou mesmo fazendo parte de um periódico, circulam de forma ampla, são lidos, estudados, criticados e citados até por quem não tem acesso ao periódico (RENEAR; PALMER, 2009). Por outro lado este processo está também influenciado pelo avanço do movimento do acesso aberto à publicação científica que facilitou ainda mais a comunicação e a difusão da informação. Este impacto positivo no processo, porém, ocasionou também alguns problemas, como por exemplo a dificuldade de obter certezas sobre a validade e confiabilidade das informações. O excesso da produção e veiculação de informação científica em meio digital, assim como a facilidade do acesso proporcionado pelas bases de dados, os periódicos eletrônicos, os portais de recursos informacionais, os periódicos open access e os repositórios, entre outros, trouxeram novas preocupações em relação à qualidade, aplicabilidade e ao impacto da informação (HARNAD et al., 2004; CRAIGH et al., 2007; DAVIS et al., 2008). Uma inovação em particular trouxe mudanças na comunicação dos resultados das pesquisas em saúde e mais especificamente trouxe uma forma de avaliação do valor desses resultados e das evidências científicas, foram as Revisões sistemáticas e as metanalises. As Revisões Sistemáticas (RS) e Metanálises (M) são um tipo de publicação científica que vem sendo muito utilizada na área de saúde, e que se caracterizam por reunir, avaliar criticamente

5 4 e sintetizar resultados das pesquisas originais, dos ensaios clínicos, focando um tópico específico. As RS e M têm sido preconizadas como a literatura do mais alto nível de evidência científica para a tomada de decisões na prática médica e estabelecimento de políticas de saúde pública (COOK; MULROW; HAYNES, 1997; BERO; JADAD, 1997). Surgiram no âmbito da medicina baseada em evidência cujo conceito formaliza teoricamente a prática da consulta à literatura em busca de informações para solucionar os questionamentos e embasar as decisões da prática médica. Ela promove a coleta, a interpretação e a integração das evidências conhecidas, válidas e aplicáveis segundo as circunstâncias e preferências dos pacientes (SACKETT et al. 1996; AKOBENG, 2005). A explosão das publicações na área de saúde na segunda metade do século XX, onde se contabiliza cerca de 20 mil periódicos científicos e 2 milhões de artigos por ano inviabiliza a tomada de decisões com base nos estudos primários (HEMINGWAY; BRERETON, 2009). Mesmo em uma única área de conhecimento grande numero de estudos pode resultar em informações pouco claras, confusas ou contraditórias. Este excesso de informação levou à elaboração de revisões de literatura que, de forma sistemática e através de métodos rigorosos, visavam rever e avaliar os procedimentos adotados. A RS é um método científico eficiente, mais rápido e barato que novas pesquisas. É útil a profissionais, pesquisadores e aos que determinam políticas de saúde pública e que necessitam conhecer os resultados rapidamente. Muitas vezes os estudos primários são pequenos para detectar diferenças, outras vezes os resultados são contraditórios. Por exemplo, foi emblemático o caso da vacina MMR (tríplice viral), quando em 1998 um estudo publicado (WAKEFIELD et al., 1998) com base em apenas 12 crianças lançou dúvidas quanto a segurança da vacina e a probabilidade de desenvolver a doença de Crohn e autismo. Espalhou-se um medo mundial que resultou na redução da vacinação da população. Em 2005 uma revisão sistemática (DEMICHELI et al., 2005) proporcionou conclusões definitivas com evidencias de que a vacina MMR não estava associada a estas nem a outras doenças. As RS também resultam eficientes para avaliações de tecnologias em saúde e para avaliações econômicas de procedimentos ou utilização de medicamentos, matéria de insumo para os gestores de saúde que necessitam acesso eficiente às melhores evidências para a tomada de decisões. As agencias de avaliação de tecnologias em saúde estão em atividade ao redor do mundo produzindo evidencias através das avaliações econômicas e de RS e M para identificar custo-efetividade das tecnologias utilizadas (GLAINVILLE, 2009). No Brasil, o Ministério da Saúde, através do Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT), criou em 2004 a Coordenação Geral de Avaliação de Tecnologias em Saúde e, como parte da Política

6 5 Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde foi recomendada a constituição de redes de pesquisa para realização de estudos estratégicos e estabelecimento do programa de avaliação de tecnologias com base em evidências científicas, buscando eliminar o uso das tecnologias que não dispõem de eficácia constatada; outras sem efeito, ou com resultados deletérios, que continuam sendo utilizadas; e as eficazes que apresentam baixa utilização (BRASIL, 2006). Em 2006 surge então a Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde (REBRATS) com o objetivo de elaborar Pareceres Técnico-Científicos - PTC, Revisões Sistemáticas e Avaliações Econômicas, análises de impacto orçamentário e estudos no campo da gestão de tecnologias em saúde (BRASIL, 2010). A RS têm substituído em grande parte as revisões narrativas tradicionais e comentários de experts muito utilizados anteriormente como forma de sintetizar evidências de pesquisas. As revisões tradicionais, freqüentemente sustentam idéias ou crenças pessoais dos autores e raramente são explícitas quanto à seleção, avaliação e integração dos estudos citados. As RS, no entanto, tentam trazer o mesmo nível de rigor que deve existir na produção de evidências primárias de pesquisas, sendo elaboradas com base em protocolos avaliados por pares de modo que possam ser replicados, se necessário (HEMINGWAY; BRERETON, 2009). O método da RS se inicia a partir de uma pergunta muito específica sobre questões relacionadas, em sua maioria, ao tratamento, diagnóstico, prognóstico, etiologia e prevenção das doenças. Os revisores devem localizar estudos realizados nas mais diversas regiões do mundo através de uma metódica e exaustiva pesquisa bibliográfica. Todos os trabalhos recuperados são então avaliados do ponto de vista metodológico e, em seguida, incluídos ou excluídos da revisão (COOK; MULROW; HAYNES, 1997; AKOBENG, 2005). A análise conjunta dos resultados dos diversos estudos incluídos é submetida a testes estatísticos e matemáticos (metanálise) para produzir evidências científicas que servem de base às decisões médicas. Em suma, as RS de alta qualidade têm como objetivos: identificar todas as evidências relevantes, publicadas ou não; selecionar os estudos; avaliar a qualidade de cada estudo; sintetizar os achados dos estudos individuais de forma não enviesada e interpretar os achados e apresentar síntese balanceada e imparcial dos achados, considerando devidamente as deficiências das evidencias. As RS podem ainda avaliar evidencias quantitativas e qualitativas (HOOPER-LANE; COMBS; FELDSTEIN, 2005). Devido ao êxito e a credibilidade desta literatura científica, sua produção aumentou drasticamente nos últimos anos. A Colaboração Cochrane, uma das principais organizações dedicadas à realização de RS, conta em sua base de dados com mais de 20 mil registros de RS

7 6 concluídas e avaliadas. Na base de dados PubMed podem ser recuperados mais de 140 mil registros de RS e M. Porém, nem todas as revisões foram produzidas com meticuloso cuidado, por tanto os achados podem ser enganosos ou as análises podem ser deficientes. O método seguido nas RS e M está sendo submetido a uma permanente avaliação, enfatizando que na qualidade do método reside o valor dos seus resultados. Às RS e M produzidas pelas equipes da Colaboração Cochrane, reconhecidas como excelentes na aplicação do método, ainda são a- pontados problemas, inconsistências e defeitos na sua elaboração (JADAD et al., 1998; OLSEN et al., 2001; SHEA et al., 2002; DELANEY et al., 2007;). Diferentes variáveis foram testadas para identificar a causa das inconsistências metodológicas das RS (MOHER et al., 1999; WALKER; HERNANDEZ; KATTAN, 2008), e a maioria detectou de forma reincidente limitações no processo de busca da informação, ou seja, a identificação e acesso aos ensaios clínicos existentes (EGGER; SMITH, 1998; GERBER et al., 2007; HEMINGWAY; BRERETON, 2009; SAMPSON et al., 2009). Mas a verdade é que os estudos não chegaram a resultados conclusivos, não está provado até agora, se seria a inabilidade dos pesquisadores no manejo das BD, ou estratégias de busca ineficientes, ou critérios inadequados de seleção dos estudos, por exemplo, aquilo que (prioritariamente) provocaria as inconsistências nas RS e M. É freqüente que ao avaliar estas questões (informação interação home-máquina), os estudos focalizam o ser humano em seus diferentes papéis, e tratam de entender o seu comportamento, suas habilidades e como pode este ser modificado e melhorado para obter um resultado ótimo desta interação (HERSH; HICKMAN, 1998; BRETTLE, 2003; GARG; TURTLE, 2003; ALPI, 200; MARTINEZ-SILVEIRA; ODDONE, 2008). Este estudo, no entanto, propõe testar a hipótese de que para além da questão homem-máquina o design, a arquitetura da informação, as estruturas de armazenamento e recuperação, os mecanismos de coleta e registro das BD, o entorno da sua produção e em definitiva, sua qualidade, são fatores preponderantes para evitar as inconsistências e obter resultados satisfatórios em RS e M na área médica. Diversos trabalhos investigaram a forma de garantir a inclusão dos estudos primários nas RS a partir de estratégias eficientes e uso das bases de dados (SCHLOSSER et al., 2006; GLANVILLE et al., 2009; BRADLEY, 2010). Porém até o momento a qualidade das BD não foi sugerida ou testada como variável que afeta este fenômeno. Esta pesquisa pretende confrontar duas questões fundamentais do processo de produção desta peça informacional: a qualidade das RS versus a qualidade das BD.

8 7 O trabalho proposto neste projeto abrange dois grandes aspectos. O primeiro envolve questões relacionadas à origem dos dados quando publicados os estudos científicos deveriam trazer informações relevantes de maneira clara, agilizando o registro desses dados nas BD; os produtores das BD, por sua vez, deveriam ser sensibilizados para a necessidade de estipular formas de registro dos dados que facilitassem sua recuperação com as menores margens de erro possíveis. Esses produtores também deveriam estar atentos à funcionalidade e à usabilidade das interfaces das BD. O segundo aspecto envolve questões relacionadas à equipe de revisores como esses revisores enfrentam a busca, como constroem as estratégias, quais são essas estratégias, o quanto são exaustivas as buscas, quais os limites a que se subordinam (por exemplo quanto ao acesso às BD, que é limitado no Brasil), o acesso ao texto completo, o orçamento da aquisição de artigos e a necessidade de tradução de textos.. Desse modo projetamos realizar através de uma RS um estudo que analise a qualidade metodológica das RS e M brasileiras da área médica na etapa de busca, identificação e localização dos estudos primários e relacionar a qualidade das revisões com a qualidade do produto básico para realizar as buscas, que são as BD bibliográficas. As BD mais utilizadas nestas revisões serão estudadas em profundidade em diversos aspectos que interessam aos revisores e a obtenção de resultados confiáveis. A finalidade deste estudo é produzir informações que evidenciem a importância dos registros da informação, da qualidade dos dados e dos recursos informacionais na produção de informação relevante nos temas de saúde a partir da hipótese de que não existe um claro elo entre a produção destas tecnologias e seus usuários finais, o que neste caso pode redundar em informações de baixa qualidade e, em definitiva, decisões de saúde embasadas em informações insuficientes. 2. JUSTIFICATIVA O tema proposto tem alta relevância para a área de informação e comunicação em saúde, e se alinha com o grupo que tem entre suas preocupações os assuntos relacionados com a difusão do conhecimento científico e as plataformas tecnológicas: Informação, Comunicação e Inovação em Saúde. Este projeto tem implicações para diversas áreas da medicina e da saúde, pois em primeiro lugar estuda a literatura médica em seu formato mais moderno e relevante que são as RS e M, consideradas fontes da informação do mais alto nível na produção de evidências ci-

9 8 entíficas em saúde. Em segundo lugar a produção das RS se apóia em plataformas tecnológicas do mais alto interesse, como são os recursos informacionais eletrônicos, as bases de dados bibliográficas, os periódicos eletrônicos, os repositórios, entre outros. Este projeto poderá também ter implicações importantes na área de saúde pública, pois as RS são consideradas ferramenta balizadora para as decisões de saúde pública dentro do âmbito do Ministério da Saúde. O Ministério da Saúde, como foi dito, devido aos problemas detectados com a utilização de procedimentos que não dispõem de eficácia comprovada, ou que ocasionam custos maiores que os benefícios, tem recorrido às evidências científicas para decidir sobre a incorporação de tecnologias ao SUS. Através do Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT) instituiu o Conselho de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde que em conjunto com importantes instituições brasileiras trabalham na sistematização dos estudos em Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) que incluem, entre outros, revisões sistemáticas (BRASIL, 2006). O estudo mesmo que analisando a produção brasileira, tem potencial para produzir impacto não somente a nível nacional como internacional, uma vez que a maioria e as mais consultadas BD pertencem a editoras estrangeiras. Devido ao meu trânsito na área de Ciência de informação, disciplina ligada ao tema deste projeto, poder-se-á estabelecer parceria na execução deste projeto entre o ICICT e especialistas e instituições diversas como: Centro Latino- Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME); Instituto de Ciência da Informação da UFBA (Grupo de Pesquisa: INFOCIÊNCIA História, Epistemologia e Políticas de Informação Científica do qual faço parte), Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Campus de Ribeirão Preto (grupo de pesquisa de Informação em Saúde, através da Dra. Cristiane Galvão, com a qual tenho relacionamento profissional), National Institute of Health Library (USA) através da Dra. Pamela Sieving, informacionista, com a qual trabalho no desenvolvimento de estratégias, Institut de Santé Publique, d'épidémiologie et de Développement, ISPED/INSERM (Bordeaux, França), através da Bibl. Evelyne Mouillet com a qual desenvolvemos cursos à distância de treinamentos para o uso de bases de dados. Para a elaboração de uma ferramenta de avaliação da qualidade das estratégias de buscas pretende-se investir um período no exterior, sob supervisão do Prof. Dr. Gregório Caetano do Departamento de Economia da University of Rochester (NY-USA), com o qual mantenho contato e que desenvolve pesquisas na área de Economia e Saúde. Este projeto poderá produzir diversos artigos que tem potencial para serem aceitos em periódicos, tanto da área de saúde, epidemiologia, métodos científicos da pesquisa em saúde,

10 9 como também da ciência da informação e tecnologias da informação. Poderá também apresentar resultados preliminares em diversos eventos das mesmas áreas. Os artigos abordarão o tema em partes, como por exemplo: a) revisão sistemática sobre a qualidade metodológica das RS sistemáticas brasileiras; b) estudo sobre as estratégias de busca em BD utilizadas na elaboração de RS no Brasil; c) avaliação da qualidade das BD bibliográficas mais citadas nas RS brasileiras; d) produção de RS e M no Brasil. Finalmente, estudar o problema aqui exposto faz parte da minha atividade profissional há mais de dez anos. Partindo do trabalho desenvolvido no Hospital Sarah-Salvador, onde assistia às equipes de saúde com informação qualificada para os cuidados do paciente, me ocupei mais tarde no ensino do manejo de informação científica para médicos e estudantes de medicina. Ancorada ainda na pesquisa de mestrado, que mostrou as dificuldades enfrentadas pelos médicos-residentes na utilização dos recursos informacionais, planejo agora observar o problema com outro olhar ainda não bem explorado. Um olhar que quer responder os seguintes questionamentos: porque deveriam os médicos e pesquisadores da área médica investir seu escasso tempo em dominar recursos informacionais que, em princípio, teriam sido criados para assisti-los e para complementar sua prática, mas que acabam trazendo preocupação a esses profissionais?. Estariam esses recursos informacionais dimensionados para necessidades, habilidades e tarefas dos pesquisadores da área médica? Não seria mais sensato produzir recursos de informação cuja estrutura contribuísse mais de perto para a satisfação das necessidades informacionais dos médicos e cientistas e não aos interesses dos produtores e administradores de BD? Isto é, em lugar de continuar a estudar as carências e dificuldades dos médicos no uso desses recursos, não seria o momento de investigar e apontar as deficiências, inconsistências e barreiras introduzidas por esses recursos e assim influenciar a busca de soluções? 3. REFERENCIAL TEÓRICO Grande parte da temática deste projeto transita dentro da área das tecnologias de informação: bases de dados; publicação científica; softwares; informação digital e repositórios de informação científica. Teoricamente o problema levantado envolve de forma ampla o tema do comportamento informacional. Wilson (2000) definiu comportamento informacional como todo comportamento humano relacionado às fontes e canais de informação, incluindo a busca ativa e passiva de informação e o uso da informação. Mas especificamente o estudo se embasa

11 10 na questão da busca informacional, entendendo-a como a tentativa intencional de encontrar informação como conseqüência da necessidade de satisfazer um objetivo (WILSON, 2000), neste caso, a realização de RS. O processo da busca inclui também a interação com sistemas de informação, e ainda que não seja o único objetivo deste projeto, pensar e analisar teoricamente como se processa esse manejo efetivo da tecnologia com a finalidade de obter de resultados ótimos para as RS conduzirá esta pesquisa pelo conceito de competência informacional. A competência informacional que foi definida pela American Medical Library Association (2009, p. 1) como o conjunto de habilidades que permitem reconhecer uma necessidade de informação; identificar fontes de informação associadas e usá-las para buscar informação relevante e aplicá-las em uma situação específica requer também uma compreensão da arquitetura da informação, da habilidade de explorar uma variedade de ferramentas eletrônicas e, efetivamente, acessar, buscar e criticamente avaliar recursos e sintetizar a informação (VINCENT, 2010). 3.1 BUSCA E FONTES DE INFORMAÇÃO A etapa de busca dos estudos (information seeking), também chamada de pesquisa bibliográfica, é de fundamental importância na confecção de uma RS. Erros cometidos nesta fase podem ocasionar resultados incompletos e com vieses (EGGER et al., 2003; SAMPSON et al., 2009). São três passos claramente identificados na sua metodologia: 1) identificação das fontes de informação 2) estratégias de busca nas BD 3) recuperação e acesso ao texto completo. Como se pode extrair do antes exposto grande parte do resultado e da qualidade das RS e M está ligada à questão do tratamento da informação em saúde. Os revisores dependem de recursos informacionais que não são desenvolvidos para esta finalidade ou não contemplam ferramentas adequadas a esta finalidade e muitas vezes resultam incompletos, imprecisos e insuficientes. Focando mais percebe-se que o assunto está ligado às Bases de Dados. As BD bibliográficas (BD) (que tem sua origem no controle da literatura científica) (PEREIRA et al., 1999) são os mais modernos recursos de registro da produção científica publicada (ROWLEY, 2002). Compõem-se de um software estruturado para reunir e fornecer informação e constituem coleções de registros de documentos que, segundo sua finalidade, são reunidos de acordo com uma temática (BD de periódicos de medicina, por exemplo) ou pertencentes a uma instituição (base de dados da coleção de documentos da OMS, por exemplo). Estes

12 11 registros, elaborados numa estrutura de campos, podem ser recuperados (achados) através de mecanismos de busca pelas diferentes especificações desses campos. Os trabalhos referenciados podem ser livros, artigos e documentos variados em todo tipo de suporte, impresso ou eletrônico, dependendo da especialização da base de dados (ROWLEY, 2002). A importância crescente das bases de dados bibliográficas está relacionada com a produção de indicadores em ciência e tecnologia assim como também com os estudos estratégicos das diversas áreas do conhecimento (PEREIRA et al, 1999). No Brasil não existe uma grande tradição de produção de bases de dados bibliográficas, e, ao longo dos anos, segundo estes mesmos autores, a base de dados em ciências da saúde Lilacs representa uma das poucas bem sucedidas bases de dados bibliográficas brasileiras. É por esta razão que, infelizmente, para efetuar buscas bibliográficas no Brasil, utilizam-se freqüentemente as bases de dados estrangeiras. As BD bibliográficas da área médica de maior abrangência, uso e difusão internacional são: MEDLINE e EMBASE. A base Medline, com mais de periódicos indexados é elaborada pela National Library of Medicine, dos Estados Unidos. Atualmente possui mais de 20 milhões de registros desde 1947 e pode ser acessada através do PubMed (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed). O PubMed um recurso de alta qualidade tecnológica desenvolvido pelo National Center for Biotechnology Information que permite pesquisas altamente sofisticadas do seu conteúdo através da interação com o vocabulário de indexação MeSH (Medical Subject Headings), com os filtros de pesquisa de qualidade (Clinical Queries), com recursos de proximidade semântica (Related citations), com delimitação por campos de busca (Limits), entre outros. Um recurso exclusivo e de grande valor nas buscas para RS no PubMed está em detalhes da pesquisa (Details) que permite verificar (e alterar se necessário) como os termos da estratégia rodada foram traduzidos pelo PubMed, estes podem ter sido modificados ou ainda adicionados termos para otimizar a busca usando o mapeamento automático de termos (Automatic term mapping) (NCBI, 2010). Devido a reconhecida qualidade desta base e ao fato de ser de acesso livre em qualquer parte do mundo é a mais consultada e presente em praticamente 100% das RS. A base de dados EMBASE (http://www.embase.com/info/what-is-embase) é produzida pela Elsevier e indexa mais de periódicos, dos quais aproximadamente não são indexados no MEDLINE. Abrange o período compreendido entre 1974 até o presente e contêm mais de 23 milhões de registros. Atualmente indexa também anais de congressos e através do EMBASE Classic podem ser pesquisados artigos desde 1947.Aos registros são

13 12 associadas palavras-chave do vocabulário controlado EMTREE. As principais áreas do conhecimento que cobre esta base são: Pesquisas sobre Medicamentos, Farmacologia, Farmácia, Medicina Humana, Pesquisas em Ciências Biológicas, Políticas de Saúde e Administração, Saúde Pública, Saúde Ocupacional e do Meio Ambiente, Psiquiatria, Medicina Legal, entre outros. O EMBASE não está disponível gratuitamente na Internet, sendo comercializada por fornecedores como Ovid, por exemplo. O conteúdo do EMBASE pode ser acessado através do SCOPUS no Portal Capes. Existem também outras importantes BD para a área médica: WEB OF SCIENCE, CINAHL, SCOPUS, PsycINFO e BIOSIS, estas disponíveis no Brasil através do Portal da Capes (http://www.periodicos.capes.gov.br). Especializada na área de RS e M e ensaios clínicos existe THE COCHRANE LIBRARY, disponível gratuitamente no Brasil através da Cochrane BVS (http://cochrane.bvsalud.org/portal/php/index.php?lang=pt). Na Cochrane Library além de poderem ser encontradas as RS feitas pelos grupos da Colaboração Cochrane, se a- cessa também uma base de dados de estudos clínicos com qualidade avaliada (CENTRAL) e uma base de dados de RS com qualidade avaliada não-cochrane (DARE). A depender do tema todas têm sido identificadas como fontes úteis para as buscas de estudos para a realização das RS e M (PETTICREW et al., 1999; SUAREZ-ALMOZAR et al., 2000; CRUMLEY et al., 2005). As buscas através de ferramentas de pesquisa próprias da internet (search engines) muito popularizadas como o Google, por exemplo, contribuíram para a modificação do processo de busca. No entanto, apesar de ter sido preconizado que 56,4% das buscas por informação médica são realizadas no Google, contra apenas 8,7% no PubMed (STEINBROOK, 2006), é evidente que, num trabalho como uma RS, onde o rigor do método requer certezas na etapa da busca, o uso de uma ferramenta de busca universal não satisfaz por si só. O Google, e o Google Acadêmico são fáceis de utilizar e, a depender dos termos utilizados podem se obter resultados amplos e diferentes, mas é impossível construir estratégias sofisticadas e principalmente de filtrar os resultados. Não obstante o Google Acadêmico apareça cada vez mais citado como fonte consultada nas RS (REHM et al., 2010), mesmo porque através dele pode-se acessar o conteúdo da base do PubMed. O PubMed e as outras bases de dados bibliográficas podem ter resultados mais confiáveis, mas aprofundados, porém sua utilização requer muito mais esforço (STEINBROOK, 2006). Um estudo (ISLAMAJ DOGAN et al., 2009) que investigou a forma de pesquisa no PubMed em 58 milhões de estratégias rodadas detectou a importância desta base para os usuários de informação biomédica, qualificando-os como usuários persistentes nas buscas dispostos a reformular as consultas para obter resultados ótimos,

14 13 diferentes dos usuários de ferramentas de pesquisa da web, que não utilizam estratégias sofisticadas, apenas perguntas curtas e freqüentemente verificam os resultados apenas da primeira página (PRICE, 2002). Uma das exigências do método da RS, como foi visto, é a busca ampla, isto implica a utilização da maior quantidade de fontes, sejam estas BD, catálogos de bibliotecas, material impresso, consulta a especialistas ou ferramentas de busca da Internet. A utilização limitada a grandes bases de dados como Medline e Embase tem sido identificada como insuficiente em algumas pesquisas (ROYLE; WAUGH, 2003; BETRAN et al., 2005; GLANVILLE, 2009). A finalidade é recuperar a maior quantidade de estudos pertinentes para poder avaliá-los, e incluí-los na RS, e nessa exaustividade é que reside a qualidade do processo de identificação dos estudos, assim como também um dos pontos fracos das RS (BETRAN et al., 2005; DIJKERS, 2009). Alguns estudos parecem indicar que o esforço na localização de estudos deve ser avaliado de acordo com a área da pesquisa, o orçamento e o tempo disponível, pois os resultados mostram que estudos que são difíceis de localizar freqüentemente também são de baixa qualidade, e que as RS que se basearam em buscas de estudos apenas na língua inglesa disponíveis nas maiores BD produziram resultados muito próximos daquelas em que se realizaram as buscas sem limitação de idioma (EGGER et al, 2003). De todas formas fica evidente o papel das BD na recuperação de informações no processo da RS, do que se desprende a validade de investigar a qualidade e acurácia dos resultados das RS e M tomando como elemento de análise central as Bases de Dados da área médica. Segundo Pereira et al.(1999) é possível avaliar a qualidade das BD estudando-lhes as estruturas de armazenamento e recuperação da informação assim como o conteúdo. É importante estudar o cuidado dispensado pelos editores das BD com o conteúdo e o registro dos dados (dados errados podem trazer prejuízos) e há que se preocupar também com a funcionalidade das interfaces de busca. 3.2 A IMPORTÂNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE BUSCA Toda busca requer uma estratégia. Esta prática envolve não somente a combinação de termos e operadores booleanos, mas também o domínio dos diferentes desenhos e arquiteturas das BD (SUAREZ-ALMOZAR et al., 2000; YOSHII et al., 2009). Devido à dificuldade na identificação de estudos para as RS, alguns autores têm analisado e testado formas de incrementar as buscas (WILCZYNSKI; HAYNES, 2002; SHAW et al., 2004; SAMPSON et

A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS

A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS Competência informacional é um conjunto de competências de aprendizagem e pensamento crítico

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Como fazer uma Revisão Bibliográfica

Como fazer uma Revisão Bibliográfica Como fazer uma Revisão Bibliográfica Objetivos da Revisão Bibliográfica Aprendizado sobre uma determinada área Levantamento dos trabalhos realizados anteriormente sobre o mesmo tema Identificação e seleção

Leia mais

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades , URL: http://www.ecmal.br/metodologia Página 1 de 5 Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades A iniciação científica é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação

Leia mais

CONCEITOS ELEMENTARES: BUSCA BIBLIOGRÁFICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE NA INTERNET

CONCEITOS ELEMENTARES: BUSCA BIBLIOGRÁFICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE NA INTERNET CONCEITOS ELEMENTARES: BUSCA BIBLIOGRÁFICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE NA INTERNET São Paulo, 2008 2008 INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA ARMÊNIO CRESTANA Superintendente: Dra. Norma Araujo Assessor Executivo: Clóvis

Leia mais

Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org

Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org Que evidência utilizar? Depende do tipo de pergunta (necessidade) que se quer responder e o tempo

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1.

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para atualização

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

PRÊMIO ABF- AFRAS. Destaque em Responsabilidade Social WWW.DEPYLACTION.COM.BR. Elaborado por:

PRÊMIO ABF- AFRAS. Destaque em Responsabilidade Social WWW.DEPYLACTION.COM.BR. Elaborado por: PRÊMIO ABF- AFRAS Destaque em Responsabilidade Social Elaborado por: Depyl Action Franchising Av. Bias Fortes, 932 sl. 304 Lourdes CEP: 30170-011 Belo Horizonte / MG Fone: 31 3222-7701 Belo Horizonte,

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

Capítulo 1. Introdução a Cochrane. Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane

Capítulo 1. Introdução a Cochrane. Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane Capítulo 1 Introdução a Cochrane Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane Objetivo Ajudar na tomada de decisão sobre à saúde preparando, mantendo e promovendo revisões sistemáticas. Ciência

Leia mais

A venda do conceito Outer. está acima da venda de nossos produtos. Breno Bulus - sócio e designer

A venda do conceito Outer. está acima da venda de nossos produtos. Breno Bulus - sócio e designer Tudo começou a partir do sonho de desenvolver uma marca sólida e de personalidade única no cenário carioca, com o objetivo de fornecer lazer e bem estar. E foi com essa ideia na cabeça que em 2004 foi

Leia mais

Pesquisa e formação docente: possibilidades das metapesquisas para sistematização do conhecimento

Pesquisa e formação docente: possibilidades das metapesquisas para sistematização do conhecimento Pesquisa e formação docente: possibilidades das metapesquisas para sistematização do conhecimento O CASO DAS META-ANÁLISES seu uso na área da saúde e as possibilidades na pesquisa e formação docente Prof

Leia mais

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Seção de Acesso a Bases de Dados Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Sumário 1. Instrumentos de Busca 2. Bom atendimento ao usuário 3. Conhecimento

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Av. Av. Prof. Moraes Rego s/n - Cidade Universitária - CEP: 50739-970 Recife PE Fone: (81)21268538

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Plano de Trabalho 2014-2016

Plano de Trabalho 2014-2016 Plano de Trabalho 2014-2016 Indicação das Prioridades da Rede para a BVS Brasil http://brasil.bvs.br/reuniao-redebvs-2014/ #bvsbrasil2014 Equipe MIP Modelo.bvs@bireme.org Produção de Fontes de Informação

Leia mais

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz 1 Evidence brief Introdução Pay-for-performance (P4P): transferência

Leia mais

O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL

O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL ANAIS DA 67ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - SÃO CARLOS - SP - JULHO/2015 O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL Antes de entender qual a diferença entre educação formal e não formal é preciso entender

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse

universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse Abel L. Packer BIREME/OPS/OMS, Diretor Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

Leia mais

Como fazer um levantamento bibliográfico na internet?

Como fazer um levantamento bibliográfico na internet? Como fazer um levantamento bibliográfico na internet? Material de Apoio ao TCC UFMA/SUS Pesquisa na Internet A Web oferece recursos de busca sobre tópicos atuais que seriam difíceis encontrar em bibliotecas

Leia mais

Centro Cochrane Brasil

Centro Cochrane Brasil Centro Cochrane Brasil ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS SEM FINANCIAMENTOS DE EMPRESAS NACIONAIS OU INTERNACIONAIS Representante no Brasil da Cochrane Collaboration Internacional Membro da Assembléia Mundial

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais

http://www.bvs.br Biblioteca Virtual em Saúde Acesso às fontes de informação Serviços Cooperativos de Informação BIREME/OPAS/OMS online@bireme.

http://www.bvs.br Biblioteca Virtual em Saúde Acesso às fontes de informação Serviços Cooperativos de Informação BIREME/OPAS/OMS online@bireme. http://www.bvs.br Acesso às fontes de informação Serviços Cooperativos de Informação online@bireme.br A BVS como fonte para tomada de decisão em saúde Apresentação e organização Navegação e recursos de

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

BIREME / OPAS / OMS. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

BIREME / OPAS / OMS. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde BIREME / OPAS / OMS Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde Acesso às fontes de informação da Biblioteca Virtual em Saúde Versão 2 São Paulo - Março 2008 Copyright Março

Leia mais

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para o desenvolvimento

Leia mais

18 e 19 de agosto no Campus Itapina

18 e 19 de agosto no Campus Itapina 18 e 19 de agosto no Campus Itapina PROGRAMA 18/09 19/09 Os ventos não sopram na direção daqueles que não sabem para onde vão Busca integrada Descritores ISSN ISBN Periódico Base de dados bibliográfica

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4007 EDITAL Nº 3/2010 1. Perfil: no. 1 Sol e Praia 3. Qualificação educacional: Pós-graduação em turismo, geografia, educação ambiental, recreação

Leia mais

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed TUTORIAL PARA ACESSO BIBLIOTECA ON-LINE da MEDLINE/PUBMED CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed Este tutorial faz parte do curso de extensão da UNIFESP sobre acesso on-line às publicações

Leia mais

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília.

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. Eixo Temático: Livre Nome: Etiene Siqueira de Oliveira - Bolsista: PIBIC/CNPq

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

Versão Preliminar Quatro artigos fundamentais Aldemar Araujo Castro

Versão Preliminar Quatro artigos fundamentais Aldemar Araujo Castro Recomendações Vancouver, resumos estruturados, recomendações CONSORT e QUOROM: quatro itens fundamentais para melhorar a qualidade de publicações na área da saúde A literatura científica estará sujeita

Leia mais

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO:

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA MILHOMEM, André Luiz Borges; GENTIL, Heloisa Salles; AYRES, Sandra Regina Braz. Balanço de Produção Científica: A utilização das TICs como ferramenta de pesquisa acadêmica. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

XII ENANCIB. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Brasília, 23-26 out. 2011. GT 11: Informação e Saúde. (Apresentação oral)

XII ENANCIB. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Brasília, 23-26 out. 2011. GT 11: Informação e Saúde. (Apresentação oral) 1 XII ENANCIB ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Brasília, 23-26 out. 2011 GT 11: Informação e Saúde (Apresentação oral) Características da Busca de Literatura Científica para Revisões

Leia mais

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Portal CAPES www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Estrutura da apresentação 1. Breve histórico 2. Conceitos básicos 3. Finalidade do Portal 4. Informações

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

Características das revistas científicas da área de saúde pública

Características das revistas científicas da área de saúde pública Características das revistas científicas da área de saúde pública Fórum de Editores Científicos da Área de Saúde Pública 8º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva º Congresso Mundial de Saúde Pública Rio

Leia mais

Métodos de Síntese e Evidência: Revisão Sistemática e Metanálise

Métodos de Síntese e Evidência: Revisão Sistemática e Metanálise Métodos de Síntese e Evidência: Revisão Sistemática e Metanálise Mirian Carvalho de Souza Divisão de Epidemiologia Coordenação de Pesquisa Populacional Coordenação Geral Técnico-Científica Estudos Revisão

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: HISTÓRIA Coordenador: Raquel Glezer TRIÊNIO 2007-2010 2010 Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Curso de Pesquisa Bibliográfica (CPB): uma experiência da UFSM/RS para competência em informação na área de saúde

Curso de Pesquisa Bibliográfica (CPB): uma experiência da UFSM/RS para competência em informação na área de saúde Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Curso de Pesquisa Bibliográfica (CPB): uma experiência da UFSM/RS para competência em informação na área de saúde Eliana Rosa Fonseca (UFRJ) - elianarosa@hucff.ufrj.br

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008)

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) 1 INTRODUÇÃO 1.1Compete à Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel atuar com publicidade na adoção das medidas necessárias para

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

Elaboração do Projeto de Pesquisa

Elaboração do Projeto de Pesquisa Elaboração do Projeto de Pesquisa Pesquisa Pesquisa é um conjunto de atividades, que tem como finalidade solucionar e esclarecer dúvidas e problemas; comprovar hipóteses; Utiliza procedimentos próprios,

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO)

3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO) 3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO) 2 cm (arial / times roman 12 ) TIRAR NUMERAÇÃO PARA IMPRESSAO CAPA CIDADE/ESTADO 2 c m ANO (NOME) TÍTULO DO PROJETO) (arial / times roman

Leia mais

SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia

SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP 27ª Reunião Anual da SBPqO Águas de Lindóia, 9 setembro 2010 Apresentação

Leia mais

Revista Brasileira de Farmacognosia Sociedade Brasileira de Farmacognosia www.sbfgnosia.org.br

Revista Brasileira de Farmacognosia Sociedade Brasileira de Farmacognosia www.sbfgnosia.org.br 1 Prezados Colegas, usuários da Revista Brasileira de Farmacognosia, Gostaria de tomar um minuto da atenção de vocês. Por favor leiam até o final do conteúdo desta mensagem de alta prioridade, trata-se

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica Manual dos Serviços de Informação Tecnológica Passo-a-passo para os clientes CEDIN INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ÍNDICE 1 - Apresentação 02 2 - Por quê

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

Recursos Hídricos. Análise dos dados do Programa Prospectar. Anexo IV. Prospecção Tecnológica

Recursos Hídricos. Análise dos dados do Programa Prospectar. Anexo IV. Prospecção Tecnológica Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Anexo IV Recursos Hídricos Análise dos dados do Programa Prospectar 1 Apresentação Este documento traz o resultado de análise realizada

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco Universidade Alto Vale do Rio do Peixe UNIARP 82.798.828/0001-00 Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro - Cx. Postal 232 CEP 89500-000 - Caçador - SC Fone/Fax: (49)3561-6200/3561-6202 Política de Desenvolvimento

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás

CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás Como utilizar a PB - PLATAFORMA BRASIL para se cadastrar e submeter projetos de pesquisa ao CEP/HC/UFG: Entrar

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 REUNIÕES DE GRUPO CO/CRA-DF SE/CRA-SP INSUMOS

O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 REUNIÕES DE GRUPO CO/CRA-DF SE/CRA-SP INSUMOS Metodologia da Pesquisa O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: 1ª ETAPA PESQUISAS EXPLORATÓRIAS 2ª ETAPA PESQUISA QUANTITATIVA FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 DESK RESEARCH ENTREVISTAS

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de SUMÁRIO ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. CONCEITOS SOBRE A INTERNET... 4 3. ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Página1 1. APRESENTAÇÃO INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Os indicadores Cork Services contemplam os principais números de referência para a gestão de frotas, incluindo índices de inflação e variação

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

Pesquisa Bibliográfica em Ciência da Computação. Avanilde Kemczinski, Dra. Marcelo da Silva Hounsell, PhD

Pesquisa Bibliográfica em Ciência da Computação. Avanilde Kemczinski, Dra. Marcelo da Silva Hounsell, PhD Pesquisa Bibliográfica em Ciência da Computação Avanilde Kemczinski, Dra. Marcelo da Silva Hounsell, PhD 1 Nenhuma descoberta científica é obra de uma única pessoa (Louis Pasteur apud Thorpe 2000:144)

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Este texto visa a registrar as principais diretrizes dos Sumários Executivos do Programa de Avaliação

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

Introdução à Revisão Sistemática da Literatura. Fernando Kenji Kamei @fkenjikamei

Introdução à Revisão Sistemática da Literatura. Fernando Kenji Kamei @fkenjikamei Introdução à Revisão Sistemática da Literatura Fernando Kenji Kamei @fkenjikamei Quais são as razões para conduzirmos uma Revisão da Literatura? Algumas possíveis razões... Delimitar o problema de pesquisa;

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Rio de Janeiro, em 06 de outubro

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais