CRIAÇÃO DE INDICADORES SOBRE O SERVIÇO DE COMUTAÇÃO BIBLIOGRÁFICA DA BCO/UFSCAR em , ATRAVÉS DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA AUTOMATIZADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRIAÇÃO DE INDICADORES SOBRE O SERVIÇO DE COMUTAÇÃO BIBLIOGRÁFICA DA BCO/UFSCAR em 2004-2005, ATRAVÉS DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA AUTOMATIZADA"

Transcrição

1 CRIAÇÃO DE INDICADORES SOBRE O SERVIÇO DE COMUTAÇÃO BIBLIOGRÁFICA DA BCO/UFSCAR em , ATRAVÉS DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA AUTOMATIZADA Roniberto Morato do Amaral Ronildo Santos Prado - 1 Lígia Maria Silva e Souza - 1 Leandro Innocentini Lopes de Faria - 23 Wanda Aparecida Machado Hoffmann - 23 José Angelo Rodrigues Gregolin 3 1 Biblioteca Comunitária BCo/UFSCar Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Rodovia Washington Luís, km 235 CEP São Carlos - SP - Brasil (16) Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais - NIT/Materiais Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Rodovia Washington Luís, km 235 CEP São Carlos SP - Brasil (16) ou Departamento Ciência da Informação - DCI Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Rodovia Washington Luís, km 235 CEP São Carlos - SP - Brasil (16) ou Departamento de Engenharia de Produção - DEP Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Rodovia Washington Luís, km 235 CEP São Carlos - SP - Brasil (16) ou

2 RESUMO: Este trabalho apresenta um estudo dos atendimentos e solicitações realizados pelo Serviço de Comutação Bibliográfica da Biblioteca Comunitária da Universidade Federal de São Carlos BCo/UFSCar em O objetivo do estudo foi analisar os atendimentos e solicitações feitos pela BCo/UFSCar através do Programa de Comutação Bibliográfica COMUT para construir indicadores sobre esse serviço. Para a construção dos indicadores foi utilizada a análise bibliométrica automatizada. Como dados iniciais, foram utilizados 1460 formulários, entre atendimentos e solicitações realizados pela BCo/UFSCar em , obtidos no site do COMUT. Os formulários foram tratados com o software Vantagepoint para construção de indicadores a partir dos campos "Situação do pedido", "data do pedido", "data do atendimento", "biblioteca" e "periódico", entre outros. Entre a coleta e a análise, foi necessário preparar os dados, o que envolveu consolidar os formulários em um arquivo, incorporar as datas de pedido e atendimento nos formulários, padronizar nomes e reorganizar os dados em campos adequados para análise. Como resultados, foram construídos indicadores relacionados ao tempo de atendimento, à freqüência de solitação e atendimento, aos periódicos solicitados e aos usuários. Como o procedimento desenvolvido é automatizado, será possível atualizar periodicamente os indicadores para seu acompanhamento ao longo do tempo. PALAVRAS-CHAVE: COMUT; comutação bibliográfica; bibliometria; indicadores. 1 INTRODUÇÃO A comutação bibliográfica é um sistema cooperativo que permite a localização e recuperação de documentos não existentes no acervo das bibliotecas conveniadas. Seus objetivos, segundo o COMUT (2006), são facilitar o acesso aos documentos requerido nas tarefas de pesquisa, ensino e gerenciamento independentemente de sua localização, sob a égide de um sistema de comutação bibliográfica descentralizado, desburocratizar o processo administrativo e contábil nas transações

3 de compra e venda de cópias de documentos, contribuir para o aperfeiçoamento do ensino e da pesquisa, criando condições para a transferência e uso cooperativos de informações interdisciplinares armazenadas nas instituições depositárias dos acervos bibliográficos. Propõe-se por meio deste estudo dar continuidade ao trabalho apresentado por AMARAL et al (2005; 2006), de analise dos serviços prestados pela BCo/UFSCar, através do uso de métodos de estudos bibliométricos e tratamento automatizado dos dados extraídos a partir da base de dados do serviço de Empréstimo Entre Bibliotecas da BCo/UFSCar, focando a criação de indicadores. Com a visibilidade das informações sobre o serviço foi possível identificar, através da construção de gráficos e quadros, quais as instituições que mais atenderam e solicitaram material bibliográfico a BCo/UFSCar, quais os principais usuários do serviço, qual a tipologia do material solicitado, a freqüência de solicitações por periódico. Os estudos bibliométricos combinados a outros indicadores podem ajudar tanto na avaliação do estado atual da ciência como na tomada de decisão e no gerenciamento da pesquisa, importantes em estudos para a área acadêmica (WORMELL, 1998). 2 REFERENCIAL TEÓRICO Atualmente a informação é matéria-prima para o desenvolvimento tecnológico. A informação assume um novo papel como fator de produção que, aliado ao trabalho, matéria-prima e capital se torna o elemento indutor das mudanças tecnológicas essenciais para as empresas que lutam por sua sobrevivência (FUJINO, 1994). A valorização da informação trouxe benefícios para o desenvolvimento e emprego de técnicas voltadas para a análise da informação, entre elas a bibliometria, que possibilita realizar estudos a organização dos setores científicos e tecnológicos a partir de fontes bibliográficas para identificar os autores, suas relações e tendências (SPINAK, 1998).

4 A bibliometria analisa a comunicação escrita, através da contagem de palavras. Atualmente está relacionada à contagem não apenas de elementos textuais presentes no suporte de papel, mas principalmente de informações extraídas de base de dados bibliográficos. TARAPANOFF (1995) define a bibliometria como o estudo de aspectos quantitativos da produção, distribuição e uso da informação registrada, a partir de modelos matemáticos, para o processo de tomada de decisão. Alguns pesquisadores observaram que a distribuição de freqüência dos dados em um texto ou em um conjunto de referências bibliográficas segue certos padrões. Essas observações deram origem às leis bibliométricas: Lei de Lotka determina a contribuição de cada autor para o avanço da Ciência; Lei de Bradford, um método para selecionar os periódicos mais representativos para uma área da ciência; e a Lei de Zipf, verificou que se as palavras que ocorrem em um texto forem contadas e classificadas em ordem decrescente de número de ocorrências, a multiplicação do número de ocorrências pela posição no ranking para cada palavra é uma constante. A lei de Zipf é valida para todas as contagens feitas em textos, conjunto de textos ou referências bibliográficas, tanto para contagem de palavras, como de elementos bibliográficos como: autores, data de publicação, fonte da publicação entre outros (WORMELL, 1998). Em geral, a bibliometria busca conhecer a variação de um elemento em relação a um outro elemento fixo. Por exemplo, quais são os autores que publicam em uma revista específica, quais são as palavras-chave que descrevem um assunto focalizado, quais as palavras utilizadas em um texto, quais os autores citados por um autor em particular, dentre outras possibilidades. Esse fato implica em que as distribuições bibliométricas apresentem sempre uma "dispersão" de elementos. Além da bibliometria, há outras áreas que se ocupam da medição das informações. A cientometria consiste na aplicação das mesmas técnicas da bibliometria, mas estritamente a documentos científicos e com o objetivo de estudar

5 a ciência e seus processos de comunicação. Existe também o termo informetria, empregado para o estudo dos aspectos quantitativos da informação em qualquer formato (e não apenas registros referenciais e textos completos, como na bibliometria) e a qualquer grupo social (e não apenas a cientistas, como a cientometria). As fronteiras entre bibliometria, cientometria e informetria não são bem definidas e existe um certo caos terminológico na área (FARIA, 2001). A analise bibliométrica é uma importante ferramenta para a síntese e análise da informação que auxilia em processos decisórios. Através da bibliometria, conjuntos de centenas ou milhares de registros bibliográficos de artigos científicos, patentes, notícias e outros documentos podem ser analisados para dar origem a novas informações bastante sintéticas e de alto valor agregado, chamados indicadores, que não dizem respeito a um documento em particular, mas ao conjunto dos documentos analisados. Os indicadores bibliométricos podem ser usados para estudos de prospecção tecnológica, inteligência competitiva e análise da produção cientifica. Indicadores é uma forma indireta de avaliar algo intangível, como ciência e tecnologia. Considerando a ciência e tecnologia como sistema gerador de informação, conhecimento e inovação, que requer insumos para funcionar e produz resultados, podem-se construir indicadores de ciência e tecnologia a partir da medição dos insumos aplicados e os resultados obtidos (SPINAK, 1998). Os indicadores bibliométricos são classificados em indicadores de uma ou de duas dimensões. Os indicadores de duas dimensões são chamados de indicadores de ligação e os indicadores de uma dimensão são divididos em indicadores de atividades (contagem de publicações) e indicadores de impacto (contagem de citações recebidas. Os indicadores de ligação têm sido aplicados para elaboração de mapas descritivos do conhecimento e de redes de relacionamento entre pesquisadores, instituições e países (FARIA, 2001). Eles são de fundamental importância, pois contam os relacionamentos entre os diversos campos de uma base de dados. Por exemplo, são importantes para a identificação das parcerias entre

6 autores ou entre instituições e para mostrar ligações entre temas ou áreas de pesquisa. Os indicadores de atividade são criados a partir da contagem de publicações e visam à elaboração de listas de freqüência ou ranking de pesquisadores, instituições, empresas, países, e outros (FARIA, 2001). Este tipo de indicador permite identificar os autores mais produtivos de uma determinada área, analisar sua evolução no decorrer dos anos e mapear quais são os temas de pesquisa prioritários de cada país, dentre outras possibilidades. Os indicadores de impacto, que são criados a partir da contagem de citações. O Indicador de impacto mais conhecido é o Fator de Impacto. Calculado freqüentemente pelo Institute for Scientific Information (ISI, 2005) para os periódicos indexados na base Science Citation Index, com base nas citações recebidas pelos artigos publicados nesses periódicos nos últimos anos. O fator de impacto é uma medida da qualidade dos periódicos, é freqüentemente e erroneamente utilizado para medir a qualidade dos pesquisadores. Cabe aqui ressaltar que o impacto, que é o que efetivamente as citações medem, não é sinônimo de qualidade (RINIA, 1998). Comumente costumase atribuir valor a um artigo que foi publicado em uma revista indexada em bases de dados internacionais e também pelo número de citações que o artigo recebeu, porém, convém destacar que, no plano de análise absoluta, o fato de um conjunto particular de trabalhos ser momentaneamente ou temporariamente ignorado não significa baixa qualidade (STREHI, 2002). Na década de 80, começaram a ser desenvolvidas ferramentas (softwares) para permitir automatização da análise bibliométrica, que consiste em produzir os indicadores bibliométricos a partir de dados extraídos de base de dados eletrônicas com o auxilio do computador. A análise automatizada conta com as etapas: a) recuperação dos dados; b) preparação dos dados; c) tratamento bibliométrico dos dados para a contagem de ocorrências de palavras nos registros recuperados e criação de listas e matrizes; d) tratamento estatístico; e e) representação gráfica para facilitar o entendimento da análise (FARIA, 2001). Em grande parte das aplicações do tratamento automatizado, a estrutura da informação recuperada das bases de

7 dados é incompatível com o padrão necessário para o uso de softwares. A preparação dos dados deve se ajustar às condições em que o tratamento é realizado. Para estudos sistemáticos e de duração mais longa, como a produção de indicadores para a avaliação da produção cientifica, a preparação dos dados tornase um processo contínuo e sistemático que visa à criação de um sistema de informação perene, aprimorado ao longo do tempo com a experiência resultante de sucessivas aplicações (VAN RAAN, 1997). Diversos pesquisadores brasileiros já desenvolveram estudos a cerca da bibliometria, HOFFMAN (1999), desenvolveu um interessante trabalho, onde aplicarou a bibliometria para o mapeamento da intersecção entre a área de materiais metálicos e o setor aeronáutico, a partir da recuperação de informações da base de dados Compendex. Após o tratamento dos dados foi possível caracterizar as tecnologias de materiais para o uso na aeronáutica, bem como identificar os principais temas, especialistas, empresas, instituições e fontes de informação ligadas à área de materiais e aeronáutica. QUONIAM (2001) mostrou em seu trabalho, de análise das teses brasileiras inseridas na base de dados francesa Doc Thèses, que é possível obter conhecimento, a partir do tratamento automatizado, para auxiliar o processo decisório em todos os níveis, pois oferece subsídios para a consolidação, investimento e desenvolvimento de ações políticas e cientificas. 3 MÉTODO Para analisar os atendimentos e solicitações de material bibliográfico feitos pela BCo/UFSCar, através do EEB, e construir indicadores sobre esse serviço, foi utilizado o método desenvolvido por Amaral et al (2005). Como dados iniciais foram utilizados os 638 formulários de atendimentos e solicitações realizados pela BCo/UFSCar em , obtidos no site do EEB. Optou-se por extrair registros referentes aos formulários, pela quantidade de informações presentes a respeito do serviço de EEB que são disponibilizados aos seus parceiros. Para a análise dessas

8 informações foi necessária a recuperação de 638 formulários em , tendo em vista que os dados relevantes sobre cada operação (solicitação ou atendimento) (Dia atendimento; Usuário; Dia do pedido; Biblioteca; Titulo do material bibliográfico; e etc.). O sistema informatizado de gestão do EEB, fornece informações em um formato bibliométrico, adequado para o tratamento automatizado, conforme visualizado no quadro 1. QUADRO 1 Formato bibliométrico. SITUACAO DO PEDIDO- ATENDIDO FORMA DO DOC ORIGINAL- PAPEL NUMERO DE PAGINAS- 431 MOTIVO- OBSERVACAO- AS PAGINAS SAO FICTICIAS. POR FAVOR ENVIAR OS DOIS VOLUMES DA TESE. GRATA, SHEILA. TIPO DE DOCUMENTO- TESE BIBLIOTECA BASE- USP/ECA/SBD - SERVICO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTACAO "MARIA LUIZA M. DA CUNHA" NUMERO DO PEDIDO- TE /2004 ANO DO PEDIDO NOME DO USUARIO- CRISTIANE MARIA RIBEIRO CPF DO USUARIO TITULO- VALORIZACAO DA CULTURA NEGRO-AGRICANA NO ENSINO DE ARTE: ANALISE DAS FACULDADES DE ARTE NO BRASIL EM BUSCA DE RAIZES AFRICANAS UNIVERSIDADE DE DEFESA- USP-ECA ANO GRAU DA TESE- DOUTORADO BONUS UTILIZADOS- 87 FORMA DE ENVIO- CORREIO NORMAL NACIONAL DATA DE PEDIDO- 07/01/2004 DATA DE ATENDIMENTO- 28/01/2004 DIAS ATE ATENDIMENTO- 21 As informações obtidas sobre o EEB foram processadas pelo software VantagePoint (capaz de, a partir de um arquivo texto contendo registros bibliográficos, produzir indicadores de uma ou duas dimensões, além de representar gráficos através de mapas estatísticos). O software Vantagepoint foi usado para fazer o tratamento bibliométrico, que resultou na criação de listas de freqüência, matrizes de relacionamentos e mapas. Por fim, o software Microsoft Excel foi utilizado para importar os dados obtidos com o Vantagepoint e representar

9 graficamente os indicadores bibliométricos. A figura 1 abaixo sintetiza todas as etapas do trabalho. FIGURA 1 Síntese do método (AMARAL et al, 2005). Este estudo foi realizado em parceria com o Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais NIT/Materiais e o Departamento de Ciência da Informação DCI/UFSCar. A estrutura utilizada para desenvolver o trabalho, tanto hardware como software, foi disponibilizada pelo NIT/Materiais. O núcleo é especializado em Inteligência Competitiva (NIT, 2007). 4 RESULTADOS As nomenclaturas utilizadas neste trabalho referentes às instituições poderão ser encontradas no Catalogo Coletivo Nacional (CCN), através do site do IBICT (www.ibict.br). O quadro 3 apresenta o total de solicitações de comutação efetuadas pela BC0/UFSCar no período de , as dez instituições que mais receberam solicitações em 2004 e em QUADRO 2 Ranking. Ano 2004 Ano 2005 Biblioteca Base Solicitações Biblioteca Base Solicitações UNICAMP/FCM/BT 45 BUSCA MONITORADA* 38 FIOCRUZ/BT 29 FIOCRUZ/BT 30 USP/ESALQ/BC 28 USP/CQ/DBD 29 UNICAMP/IQ/BT 27 UNICAMP/IQ/BT 15

10 USP/CQ/DBD 25 UNESP/BIQ 10 USP/FM/SBD 17 UNICAMP/BAE/BT 10 UFRGS/MED/BT 12 FUB/BC 10 UNICAMP/IB/BT 11 UNICAMP/FCM/BT 10 UNESP/BFA 10 USP/ESALQ/BC 10 PUC/RS/BC 10 USP/BCRP/SBD 9 Todas as 127 Todas as 119 instituições 589 instituições 432 * A Busca Monitorada tem o objetivo de buscar documentos em instituições não participantes do Programa COMUT no Brasil e no Exterior. Este ranking é constituído pelas instituições que receberam mais de 9 solicitações no período do estudo, em um universo total de 127 instituições em 2004 e de 119 instituições em É possível constatar a grande concentração de solicitações junto às bibliotecas da UNICAMP em Em 2005 há concentração de solicitações a FIOCRUZ/BT. Também em 2005 começou a operar a busca monitorada no COMUT (busca por documentos não encontrados no Brasil). A redução no número de solicitações pode ser vista como um dos resultados das ações de melhoria proposta por Amaral et al (2005), por exemplo, cursos de orientação ao usuário ministrados pelos bibliotecários da BCo/UFSCar, visando o auto-atendimento. O quadro 3 apresenta os principais motivos de cancelamento das solicitações de comutação da BCo/UFSCar, sendo que o principal motivo de cancelamento é a falta de documentos, isto representou um total de 62,5% dos motivos de cancelamento em 2004 e de 35,85% em Um dado preocupante a respeito da confiabilidade das informações disponibilizadas no CCN e nos demais catálogos bibliográficos. Essas informações podem estar desatualizadas ou incompletas, dificultando assim o acesso ao documento primário. QUADRO 3 Motivo do cancelamento no período. Motivo de cancelamento Biblioteca não possui o documento Dados incorretos 12 7 Biblioteca em greve

11 Publicação extraviada 5 7 Biblioteca de ferias, inventario ou reforma 3 10 Proibido copias / direitos autorais Publicação danificada 2 1 Publicação em uso 2 2 Busca monitorada não esta atendendo Difícil tirar copia encadernação apertada 1 1 Material não localizado apos pesquisa exaustiva 1 3 Obra rara 1 1 Ultrapassado prazo para aceitação de novo valor Mudança na forma de envio A figura 2 apresenta a tipologia dos materiais solicitados pela BCO/UFSCar, é possível constatar que em 2004, 90,66% dos materiais solicitados são periódicos. Dos 38 materiais classificados como tese, 28 são dissertações de mestrado e 10 de doutorado. Já em 2005, 94,44% dos materiais solicitados são periódicos. A BCo/UFSCar no ano de 2005 realizou 440 atendimentos, desses foram: 403 periódicos, 32 teses, 4 anais de congresso e 1 parte de documento. A maior utilização de periódicos enfatiza a importância desta fonte de informação para a formação dos alunos de pós-graduação e o desenvolvimento das pesquisas. Ano Periódico Periódico Ano Tese 11 - Tese 9 - Parte de documento 8 - Anais 8 - Parte de documento 5 - Anais FIGURA 2 Material solicitado no período. O total de títulos de periódicos visualizados na amostra de solicitações foi de 451 em 2005 e de 333 em Os títulos que se repetem no período podem ser visualizados no quadro 4. A partir dessas informações é possível visualizar demandas futuras do acervo de periódicos.

12 QUADRO 4 Periódicos que tiveram artigos solicitados em 2004 e em Título do periódico PHYTOCHEMICAL ANALYSIS POLYMER AQUATIC TOXICOLOGY PHYTOCHEMISTRY REVISTA BRASILEIRA DE CIENCIAS FARMACEUTICAS TRANSACTIONS OF THE INSTITUTE OF METAL FINISHING ANALYST CHEMICAL & PHARMACEUTICAL BULLETIN INORGANIC MATERIALS NATURE PLANTA MEDICA TOXICON ZEOLITES O quadro 5 apresenta o tempo que as dez instituições mais solicitadas pela BCo/UFSCar no período, levaram para atender as solicitações, é possível verificar que as instituições procuraram atender as solicitações nos primeiros 4 dias, com isso é possível calcular qual instituição é mais eficiente. A FIOCRUZ/BT aumentou a sua eficiência no atendimento de 2004 para 2005 e as bibliotecas da UNESP apresentam um ótimo padrão de atendimento no período. A média de atendimento em porcentagem do quarto dia (% 4º dia) das instituições foi de 69.86% no período. A média de atendimento da BCo/UFSCar é de 43,40% bem abaixo da media apresentada pelas demais instituições. Isto se deve a rotina de trabalho adotada na instituição, que primeiro atende aos pedidos e depois, com certo tempo de atraso, da baixa no sistema. QUADRO 5 Tempo de atendimento. Dias até atendimento Ano Instituição Solicitações % 4º Dia >10 UNICAMP/FCM/BT , FIOCRUZ/BT ,76 USP/ESALQ/BC ,86 UNICAMP/IQ/BT ,74

13 2005 USP/CQ/DBD ,00 USP/FM/SBD ,35 UFRGS/MED/BT ,33 UNICAMP/IB/BT ,73 UNESP/BFA ,00 PUC/RS/BC ,00 BUSCA MONITORADA ,21 FIOCRUZ/BT ,00 USP/CQ/DBD ,07 UNICAMP/IQ/BT ,33 UNESP/BIQ ,00 UNICAMP/BAE/BT ,00 FUB/BC ,00 UNICAMP/FCM/BT ,00 USP/ESALQ/BC ,00 USP/BCRP/SBD ,56 UFSCar/BCo ,40 Outros resultados foram obtidos com o trabalho como os principais usuários do serviço de comutação, o total de bônus utilizado e o número de paginas enviado eletronicamente e pelo serviço de correios. 5 CONCLUSÃO Com os resultados foi possível a BCo/UFSCar melhorar o seu serviço de comutação bibliográfica junto aos usuários, promovendo treinamentos direcionados aos seus principais usuários e visando novos usuários. Os resultados permitiram uma melhor seleção das instituições na hora de efetuar as futuras solicitações, pois é possível visualizar o tempo de atendimento de cada instituição. Também foi possível um melhor controle do acervo de periódicos, já que algumas publicações solicitadas encontram-se em nosso acervo com algum tipo de problema e outras puderam ser indicadas para aquisição devido ao seu volume de solicitações.

14 As iniciativas de treinamento começam a dar resultados, haja a vista na redução das solicitações realizadas pela BCo/UFSCar e pelo volume de atendimentos. Os usuários da BCo/UFSCar estão adquirindo a competência de realizar o auto atendimento, aproveitando ao máximo as vantagens do serviço COMUT. Conforme foi citado no referencial teórico, os trabalhos desenvolvidos com o tratamento bibliométrico tendem a evoluir conforme a sua aplicação. O presente artigo é compreende uma série de trabalhos que abordam o desenvolvimento do serviço de Comutação Bibliográfica da BCo/UFSCar. O trabalho se caracteriza por seus resultados, em um mecanismo de verificação e controle do desenvolvimento do serviço de comutação. Como o procedimento desenvolvido é automatizado, é possível atualizar periodicamente os indicadores para seu acompanhamento ao longo do tempo. 6 REFERÊNCIAS COMUT. Programa de Comutação Bibliográfica. Disponível em: <http://comut.ibict.br/comut>. Acesso em: 31 maio de FARIA. L. I. L. Prospecção tecnológica em Materiais: aumento da eficiência do tratamento bibliométrico. 225 f Tese (Doutorado em Engenharia de Materiais) Universidade Federal de São Carlos, São Carlos: UFSCar FUJINO, A. A informação e o lucro da empresa. Palavra-Chave, São Paulo, n.7, p.15, GREGOLIN, J. A. R., et al. Criação de base de dados para análise bibliométrica a partir do conteúdo da Web of Science. In: KM BRASIL WORKSHOP BRASILEIRO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E GESTÃO DE CONHECIMENTO, 3., São Paulo. Anais... São Paulo: [s.n.], HOFFMANN, W. A. M. ; FARIA, L. I. L, ; GREGOLIN, J. A. R. Mapeamento de informações por bibliometria em metais e aeronáutica. In: WORKSHOP BRASILEIRO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA & GESTÃO DO CONHECIMENTO, 1., 1999, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Finep, CD-ROM. ISI. Institute for Scientific Information. Disponível em: <http:// Acesso em 12 de abril de 2005.

15 LELLIS, V. M. et al. Análise bibliométrica automatizada de acervos como suporte à política de aquisição desenvolvimento de coleções. In: SEMINÁRIO SOBRE AUTOMAÇÃO EM BIBLIOTECAS E CENTROS DE DOCUMENTAÇÃO, 6., 1997, Águas de Lindóia: Anais... Águas de Lindóia: INPE, 1997, p NIT. Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais. Disponível em: <http://www.nit.ufscar.br> Acesso em 04 de maio de QUONIAM, L., et al. Inteligência obtida pela aplicação de data mining em base de teses francesas sobre o Brasil. Ciência da Informação, Brasília, v.30, n.2, p.24, maio/ago RAVICHANDRA RAO, I. K. Métodos quantitativos em biblioteconomia e ciência da informação. Associação dos bibliotecários do Distrito Federal / Organização dos Estados Americanos, RINIA, E. J. et al. Comparative analysis of a set of bibliometric indicators and and central peer review criteria: evoluation of condensed matter physics in the Netherlands. Resarch Policy, Amsterdã, v.27, n.1, p , maio SPINAK, E. Indicadores cienciometricos. Ciência da Informação, Brasília, v.27, n.2, p , maio/ago, TARAPANOFF, K.; MIRANDA, D. M.; ARÁUJO JÚNIOR, R. H. Técnicas para tomada de decisão nos sistemas de informação. Brasilia: Thesaurus, p.86, VAN RAAN, A. F. J. Scientometrics: state-of-the-art. Scientometrics, v. 38, n. 1, p , WORMELL, I. Informetria: explorando bases de dados como instrumentos de análise. - Ciência da Informação, v.27, n.2, p , 1998.

XXII CBBD CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. BRASILIA, 2007.

XXII CBBD CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. BRASILIA, 2007. ÁREA: GESTÃO SUB-ÁREA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA TíTULO: CRIAÇÃO DE INDICADORES SOBRE O SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO ENTRE BIBLIOTECAS DA BCO/UFSCAR ATRAVÉS DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA AUTOMATIZADA

Leia mais

ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP

ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP 1 ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP ANA PAULA SANTULO CUSTÓDIO DE MEDEIROS UNESP - Instituto de Biociências Av. 24-A, 1515 Bela Vista 13506-900 - Rio Claro SP / Brasil asantulo@rc.unesp.br

Leia mais

LISTA DE AUTORIDADES DE INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS DE ENSINO E PESQUISA PARA APOIO À ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA

LISTA DE AUTORIDADES DE INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS DE ENSINO E PESQUISA PARA APOIO À ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 LISTA DE AUTORIDADES

Leia mais

Uso de patentes para o monitoramento tecnológico

Uso de patentes para o monitoramento tecnológico Uso de patentes para o monitoramento tecnológico Leandro Innocentini Lopes de Faria Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais - NIT/Materiais Depto Eng Materiais - Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

Título: SISTEMÁTICA PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE BIBLIOTECAS: CASO BIBLIOTECA COMUNITÁRIA DA UFSCAR

Título: SISTEMÁTICA PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE BIBLIOTECAS: CASO BIBLIOTECA COMUNITÁRIA DA UFSCAR Área Temática: ACESSO À INFORMAÇÃO Sub-área: Acesso à informação e competitividade Título: SISTEMÁTICA PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE BIBLIOTECAS: CASO BIBLIOTECA COMUNITÁRIA DA UFSCAR Roniberto Morato

Leia mais

As etapas de automação

As etapas de automação As etapas de automação NEGREIROS, Leandro Ribeiro. Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação. Dissertação (mestrado em Ciência

Leia mais

Experiências do NIT/Materiais UFSCar em Prospecção Tecnológica e Gestão do Conhecimento

Experiências do NIT/Materiais UFSCar em Prospecção Tecnológica e Gestão do Conhecimento Experiências do NIT/Materiais UFSCar em Prospecção Tecnológica e Gestão do Conhecimento José Angelo Rodrigues Gregolin Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais Departamento de Engenharia de Materiais

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD Luciane Meire Ribeiro STRAUD Biblioteca FCAV (Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação) 1. Introdução: Definição de FI (em

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA DISCIPLINA METODOLOGIA DA PESQUISA E REDAÇÃO CIENTÍFICA EM DISSERTAÇÕES E TESES DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP

A INFLUÊNCIA DA DISCIPLINA METODOLOGIA DA PESQUISA E REDAÇÃO CIENTÍFICA EM DISSERTAÇÕES E TESES DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP A INFLUÊNCIA DA DISCIPLINA METODOLOGIA DA PESQUISA E REDAÇÃO CIENTÍFICA EM DISSERTAÇÕES E TESES DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP Maria Isabel Santoro - santoro@bestway.com.br Universidade

Leia mais

Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia

Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia Elaborado por: Rosa Maria Fischi São Paulo 2008 Coordenação: Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Biblioteca Virginie

Leia mais

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Seção de Acesso a Bases de Dados Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Sumário 1. Instrumentos de Busca 2. Bom atendimento ao usuário 3. Conhecimento

Leia mais

Cooperação e intercâmbio em bibliotecas universitárias

Cooperação e intercâmbio em bibliotecas universitárias Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Cooperação e intercâmbio em bibliotecas universitárias Roniberto Morato do Amaral (UFSCar) - roniberto@nit.ufscar.br Aline Grasiele Cardoso de Brito (UFSCAR) - aline.brito@gmail.com

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca PROPLAN Tutorial SisRAA Biblioteca Ana Carla Macedo da Silva Jaciane do Carmo Ribeiro Diego da Costa Couto Mauro Costa da Silva Filho Dezembro 2014 SUMÁRIO 1. Menu: Acessibilidade... 3 1.1 Opção de menu:

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

O espaço físico da Biblioteca da Unidade Santo Agostinho I possui 407 m2, distribuído nos seguintes setores:

O espaço físico da Biblioteca da Unidade Santo Agostinho I possui 407 m2, distribuído nos seguintes setores: 19 BIBLIOTECAS DA FACULDADE NOVOS HORIZONTES 19.1 Espaço Físico 19.1.1 Biblioteca da Unidade Santo Agostinho I O espaço físico da Biblioteca da Unidade Santo Agostinho I possui 407 m2, distribuído nos

Leia mais

Documentos produzidos pelo Prossiga

Documentos produzidos pelo Prossiga Documentos produzidos pelo Prossiga CHASTINET, Yone. Prossiga: Programa de Trabalho para o exercício do 2º semestre de 1999 e 1º semestre de 2000. Rio de Janeiro, p.1-20, maio 1999. (MCT/CNPq/Prossiga

Leia mais

SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE.

SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE. 1 SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE. LIDIANE DOS SANTOS CARVALHO (lidianebiblio@hotmail.com) ELAINE R. DE OLIVEIRA LUCAS (lani@udesc.br) Contextualiza as Bibliotecas Universitárias

Leia mais

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para o desenvolvimento

Leia mais

AULA 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

AULA 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA AULA 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O que é uma fundamentação teórica É uma visão crítica da pesquisa existente que é significante para o trabalho que o aluno/pesquisador está desenvolvendo. Identifica e organiza

Leia mais

Análise da produção científica dos docentes do Departamento de Ciência da Informação da UFPE indexada no portal de periódicos da capes.

Análise da produção científica dos docentes do Departamento de Ciência da Informação da UFPE indexada no portal de periódicos da capes. Análise da produção científica dos docentes do Departamento de Ciência da Informação da UFPE indexada no portal de periódicos da capes. Natanael Vitor Sobral (UFPE) natan_sobral@yahoo.com.br Ielma Costa

Leia mais

HISTÓRICO. Horário de funcionamento. De 2ª feira a 6ª feira das 8:00 h às 22:00 h Sábados, das 8:00 h às 13:00 h. Espaço físico

HISTÓRICO. Horário de funcionamento. De 2ª feira a 6ª feira das 8:00 h às 22:00 h Sábados, das 8:00 h às 13:00 h. Espaço físico HISTÓRICO A Biblioteca central da Faculdade de Medicina de Petrópolis e Faculdade Arthur Sá Earp Neto foi criada em 17 de agosto de 1967, tendo sido o seu acervo inicial constituído de obras de referência

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA DA ÁREA DE MATERIAIS

PANORAMA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA DA ÁREA DE MATERIAIS 7º CBECIMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 5 a 9 de Novembro de 26, Foz do Iguaçu, PR, Brasil. PANORAMA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA DA ÁREA DE MATERIAIS W. A. M. Hoffmann;

Leia mais

ANÁLISE DE CITAÇÕES EM LITERATURA INGLESA NAS DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE MESTRADO EM BIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

ANÁLISE DE CITAÇÕES EM LITERATURA INGLESA NAS DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE MESTRADO EM BIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANÁLISE DE CITAÇÕES EM LITERATURA INGLESA NAS DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE MESTRADO EM BIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Eixo temático: Análise de Citação Modalidade: Apresentação oral 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília.

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. Eixo Temático: Livre Nome: Etiene Siqueira de Oliveira - Bolsista: PIBIC/CNPq

Leia mais

ESTUDOS MÉTRICOS DA INFORMAÇÃO: primeiras aproximações. METRIC STUDIES OF INFORMATION: first approaches

ESTUDOS MÉTRICOS DA INFORMAÇÃO: primeiras aproximações. METRIC STUDIES OF INFORMATION: first approaches ESTUDOS MÉTRICOS DA INFORMAÇÃO: primeiras aproximações METRIC STUDIES OF INFORMATION: first approaches Daisy Pires Noronha - daisynor@usp.br Professora Doutora. Departamento de Biblioteconomia e Documentaçào.

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA FAHESA - Faculdades de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda BIBLIOTECA DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA Araguaína Março / 2014 1.

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Acesso a Bases de Dados (Web of Science)

Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Helder Rodrigues da Silva Biólogo Mestre em Bioenergia-UEL Doutorando em Agronomia-UEL ISI Web of Knowledge Histórico Histórico 1958- fundação do Institute for

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015. 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015. 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015 O INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA (IBICT), Unidade de Pesquisa do Ministério

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia Fabio Sampaio Rosas (UNESP) fabiosrosas@hotmail.com Maria Cláudia Cabrini

Leia mais

TUTORIAL DE ACESSO AO FATOR IMPACTO ATRAVÉS DO WEB OF SCIENCE JOURNAL CITATION REPORTS (JCR) SIBI/PUCPR Biblioteca Virtual

TUTORIAL DE ACESSO AO FATOR IMPACTO ATRAVÉS DO WEB OF SCIENCE JOURNAL CITATION REPORTS (JCR) SIBI/PUCPR Biblioteca Virtual TUTORIAL DE ACESSO AO FATOR IMPACTO ATRAVÉS DO WEB OF SCIENCE JOURNAL CITATION REPORTS (JCR) SIBI/PUCPR Biblioteca Virtual Objetivo Este tutorial tem a finalidade de orientar sobre o uso das ferramentas

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Palavras-chave: Estágio em Serviço de Referência. Biblioteca Universitária e Comunitária. Seção de Acesso às Bases de Dados

Palavras-chave: Estágio em Serviço de Referência. Biblioteca Universitária e Comunitária. Seção de Acesso às Bases de Dados XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 PERÍODO DE ESTUDOS PRÁTICOS

Leia mais

A Biblioteca Escolar Digital Gildenir Carolino Santos

A Biblioteca Escolar Digital Gildenir Carolino Santos INTRODUÇÃO A Biblioteca Escolar Digital Gildenir Carolino Santos Historicamente já possuímos três períodos principais que retratam a evolução das bibliotecas, iniciamos com as bibliotecas tradicionais,

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas 2da. Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria JBD2004 Buenos Aires, 17-18 de junio de 2004 BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação

Leia mais

Estratégias de busca e recuperação de informação online em

Estratégias de busca e recuperação de informação online em Estratégias de busca e recuperação de informação online em Engenharia Química Eliane Colepícolo São Carlos, Março/2013 Sumário 1. Requisitos de Busca e Recuperação de Informação 1. Conhecimento sobre temas

Leia mais

Estratégias de busca e recuperação de informação online em

Estratégias de busca e recuperação de informação online em Estratégias de busca e recuperação de informação online em Estatística Eliane Colepícolo São Carlos, Março/2011 Sumário 1. Requisitos de Busca e Recuperação de Informação 1. Conhecimento sobre temas pesquisados

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: estudo bibliométrico para avaliação da coleção

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: estudo bibliométrico para avaliação da coleção CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES: estudo bibliométrico para avaliação da coleção Wesley Rodrigo Fernandes 1, Beatriz Valadares Cendón 2 1 Mestrando ECI/UFMG e Bibliotecário da Faculdade

Leia mais

MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA

MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA Adriana Domingos Santos 1, Ana Maria de Castro Badiali

Leia mais

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 22 a 24 de julho de 205 A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Eva Dayane Jesus dos Santos Bibliotecária da Universidade do Estado da Bahia eva@uneb.br Marivaldina

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

Sumário. 1. Requisitos de Busca e Recuperação de Informação. 2. Fluxos da busca e recuperação da informação

Sumário. 1. Requisitos de Busca e Recuperação de Informação. 2. Fluxos da busca e recuperação da informação Sumário 1. Requisitos de Busca e Recuperação de Informação 1. Conhecimento sobre temas pesquisados 2. Padronização da Linguagem 3. Tesauros 4. Critérios de Confiabilidade da Informação Online 5. Bom Senso

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD Luciane Meire Ribeiro STRAUD Biblioteca FCAV (Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação) Out./2014 Este material foi elaborado

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

BIBLIOMETRIA UMA ABORDAGEM PRÁTICA

BIBLIOMETRIA UMA ABORDAGEM PRÁTICA BIBLIOMETRIA UMA ABORDAGEM PRÁTICA Apresentação: M.Sc. Sandra Miranda Neves (doutoranda UNESP) Apoio: M.Sc. Aneirson Francisco da Silva (Doutorando UNESP) Julio Estanislau Caovila de Melo (IC UNESP) SUMÁRIO.

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO CRIAÇÃO DO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Gestão do conhecimento e inteligência Corporativa Conceitos fundamentais Aplicações do

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Setorial Campus COGEAE Consolação (BCC)

Regulamento da Biblioteca Setorial Campus COGEAE Consolação (BCC) 1 Regulamento da Biblioteca Setorial Campus COGEAE Consolação (BCC) Disposições Gerais A BCC Biblioteca COGEAE Consolação tem por objetivo desenvolver e disponibilizar à comunidade acadêmica serviços e

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas Diretoria de Programas - CAPES Como deveria ser a infra-estrutura de TI das nossas bibliotecas? A infra-estrutura de TI de uma

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 023/2008

ATO NORMATIVO Nº 023/2008 EDIÇÃO Nº: 4600 DATA DE PUBLICAÇÃO:1/11/2008 SEXTA-FEIRA ANO:18 ATO NORMATIVO Nº 023/2008 Aprova o Regulamento do Sistema de Bibliotecas do Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

Perguntas frequentes sobre a Biblioteca

Perguntas frequentes sobre a Biblioteca Perguntas frequentes sobre a Biblioteca Como funciona o Sistema de Bibliotecas da UFPI? O sistema de Bibliotecas SIBI/UFPI é formado por 01(uma) biblioteca comunitária e 09 (nove) bibliotecas setoriais:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO, BASEADO NA INTERAÇÃO UNIVERSIDADE E SOCIEDADE: O CASO DO UFSCAR

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO, BASEADO NA INTERAÇÃO UNIVERSIDADE E SOCIEDADE: O CASO DO UFSCAR DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO, BASEADO NA INTERAÇÃO UNIVERSIDADE E SOCIEDADE: O CASO DO UFSCAR Roniberto Morato do Amaral 1, Pedro Ivo Silveira Andretta 2,

Leia mais

PROCESSO DE REENGENHARIA DA INFORMAÇÃO

PROCESSO DE REENGENHARIA DA INFORMAÇÃO A EXPERIÊNCIA DO SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO ODONTOLÓGICA OLÓGICA DA FACULD CULDADE DE ODONTOL OLOGIA OGIA DA USP, NO PROCESSO DE REENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Rosal osaly y Faver ero o Krzyzanowski Telma de

Leia mais

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares de Paula Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número

Leia mais

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde MANUAL DO CURRÍCULO LATTES Atualização 2014 Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde 1 Equipe: Este tutorial faz parte da programação de treinamentos da Biblioteca

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB Relatório Biblioteca Penha Shopping 2015 SUMÁRIO 1 SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS - SIBi... 02 2 NÚCLEO DE COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - NCB... 02 3 UNIDADE

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Sandra Lopes Coelho (UFF. SDC. Coordenadora de Bibliotecas)

Sandra Lopes Coelho (UFF. SDC. Coordenadora de Bibliotecas) Projeto de modernização do sistema de automação das bibliotecas da Universidade Federal Fluminense: uma questão de oportunidade... 1 INTRODUÇÃO Sandra Lopes Coelho (UFF. SDC. Coordenadora de Bibliotecas)

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco Universidade Alto Vale do Rio do Peixe UNIARP 82.798.828/0001-00 Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro - Cx. Postal 232 CEP 89500-000 - Caçador - SC Fone/Fax: (49)3561-6200/3561-6202 Política de Desenvolvimento

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO: 2002-2007

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO: 2002-2007 TRABALHO ORAL A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA E O CONTEXTO INSTITUCIONAL Acesso livre e repositórios institucionais: maior visibilidade da produção científica institucional ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA ASSESSORIA PARA DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Biblioteca Universitária

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA ASSESSORIA PARA DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Biblioteca Universitária Regulamento de Empréstimo entre Bibliotecas Art. 1º O presente documento contém as disposições básicas que regulamentam o serviço de Empréstimo entre Bibliotecas na Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica

MBA em Gestão Estratégica MBA em Gestão Estratégica Disciplina Extra Metodologia Científica Profa. Dra. Sonia Valle W. B. Oliveira Parte 1-23/03/2012 Parte 2-30/03/2012 1 Aula Extra Parte 2 Metodologia Científica 2 Agenda Dados

Leia mais

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Janise Silva Borges da Costa, Beatriz Helena de Souza Cestari, Carla Metzler

Leia mais

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 7 5 Diretrizes... 9 6 Responsabilidades...12 7 Disposições Gerais...15 2 1 Objetivo

Leia mais

GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Sueli Angelica do Amaral, CRB 1-1044 * Tatiara Paranhos Guimarães ** Maira Murrieta Costa *** RESUMO: A promoção em unidades de informação

Leia mais

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA Daniel Gonzaga dos Santos 1 Faculdade Cidade de João Pinheiro Resumo: Este artigo aborda as etapas para

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001 FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES, no uso das

Leia mais

Inteligência Competitiva II

Inteligência Competitiva II Inteligência Competitiva II P R O F A L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Contexto de Surgimento Tomada de

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Curso de Biblioteconomia CIN5018 Informatização em Unidades de Informação Professora: Ursula Blattmann PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE

Leia mais

Razões que contribuíram para o processo de automação das bibliotecas, citado por Cardoso (2003):

Razões que contribuíram para o processo de automação das bibliotecas, citado por Cardoso (2003): No que diz respeito ao mundo do trabalho, profundas transformações aconteceram (e acontecem!) tanto no nível estrutural transformação de postos de trabalho, surgimento, extinção e transformação de profissões,

Leia mais

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace A Biblioteca Digital do Senado Federal eo DSpace André Luiz Lopes de Alcântara Chefe do Serviço de Biblioteca Digital Simone Bastos Vieira Diretora da Biblioteca do Senado Federal BIBLIOTECA DO SENADO

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 4 - ATRIBUIÇÕES DO PCM Luiz Carlos Dorigo As quatro funções fundamentais do PCM, quais sejam, Planejamento, Programação, Coordenação e Controle devem

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Estrutura do INPI Propriedade Intelectual Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial,

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

I Oficina de Pesquisa Científica na Pós- Graduação (OPC-PG) Prof. Dr. Sidnei Alves de Araújo saraujo@uninove.br

I Oficina de Pesquisa Científica na Pós- Graduação (OPC-PG) Prof. Dr. Sidnei Alves de Araújo saraujo@uninove.br I Oficina de Pesquisa Científica na Pós- Graduação (OPC-PG) Prof. Dr. Sidnei Alves de Araújo saraujo@uninove.br Programa de Pós-Graduação em Informática e Gestão do Conhecimento Setembro/2015 MÓDULO I

Leia mais

Temática I: Informação, Conteúdos e Conhecimento na Sociedade da Informação.

Temática I: Informação, Conteúdos e Conhecimento na Sociedade da Informação. Temática I: Informação, Conteúdos e Conhecimento na Sociedade da Informação. ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA BIODIVERSIDADE AMAZÔNICA: O CASO DO GUARANÁ Angela Emi Yanai 1 Danielly Oliveira

Leia mais

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Alessandro Mueller alessandro@univali.br UNIVALI Luiz Gonzaga Ferreira

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

SB-FAJ - Sistema de Bibliotecas da FAJ

SB-FAJ - Sistema de Bibliotecas da FAJ SB-FAJ - Sistema de Bibliotecas da FAJ Normas - O Sistema de Bibliotecas da FAJ - SB-FAJ Faculdade de Jaguariúna, tem como missão dar suporte informacional às atividades educacionais e científicas da Instituição,

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais