REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - FACTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - FACTO"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - FACTO COORDENAÇÃO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO VICE DIRETORIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Palmas - Tocantins 2011

2 1 FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS União Brasiliense de Educação e Cultura UBEC Mantenedora Clarete de Itoz Diretora Geral Maria Rosa Arantes Pavel Vice Diretora de Ensino, Pesquisa e Extensão Galileu Marcos Guarenghi Vice Diretor de Planejamento e Desenvolvimento Rudinei Spada Vice Diretor de Administração e Finanças Claudemir Andreaci Coordenador de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação

3 2 REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - FACTO TÍTULO I Da Natureza Dos Cursos Art. 1º - A Faculdade Católica do Tocantins FACTO, através da Vice Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão e da Coordenação de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação, poderá ofertar em Cursos de Pós-Graduação, Lato Sensu, em caráter eventual ou permanente nas seguintes modalidades: I - Aperfeiçoamento; II - Master Business Administration MBA; e, III - Especialização. 1º - Os Cursos de Aperfeiçoamento terão estrutura curricular composta por disciplinas/módulos, objetivando a complementação, ampliação e desenvolvimento do conhecimento em determinada área do saber. 2º - Os Cursos de Master Business Administration MBA terão estrutura curricular composta por disciplinas/módulos, objetivando a capacitação, ampliação e desenvolvimento do conhecimento em determinada área do saber, possibilitando a formação técnico-profissional específica, com apresentação de Trabalho de Conclusão de Curso TCC, no formato de monografia ou artigos, de acordo com o Projeto Pedagógico do Curso. 3º - Os Cursos de Especialização terão estrutura curricular composta por disciplinas/módulos, objetivando capacitar, ampliar e desenvolver conhecimentos e habilidades em áreas específicas do saber, possibilitando melhorar a formação profissional, técnica e acadêmica em nível superior, incrementando a produção científica por meio de apresentação de Trabalho de Conclusão de Curso TCC, no formato de monografia ou artigos, de acordo com o Projeto Pedagógico do Curso. TÍTULO II Dos Objetivos Art. 2º - Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu têm por objetivo: I - Cooperar para a melhoria e aprofundamento teórico e/ou prático dos conhecimentos adquiridos na graduação bem como para os segmentos da comunidade em geral; II -Desenvolver e aprimorar campos epistemológicos delimitados e/ou técnicos pertinentes à prática profissional específica. III - Cooperar para a qualificação de docentes e profissionais das diferentes áreas do saber, sensibilizando-os para o desenvolvimento de atividades de ensino e pesquisa, com domínio científico.

4 3 Parágrafo único: de acordo com a realidade de cada curso, poder-se-á distinguir os seus objetivos, não sendo obrigatório contemplar ambos num mesmo projeto. TÍTULO III Da Criação e Organização dos Cursos Art. 3º - Os cursos de pós-graduação serão presenciais, exigindo-se a presença simultânea de professores e alunos, com a seguinte carga horária mínima: I Aperfeiçoamento: 180 h/a (cento e oitenta horas aula); II MBA: 360 h/a (trezentas e sessenta horas aula) e mais 45 h/a (quarenta e cinco horas aula) para orientação do TCC. III Especialização: 360 h/a (trezentas e sessenta horas aula) e mais 45 h/a (quarenta e cinco horas aula) para orientação do TCC. 1º - Não será computado o tempo de estudo individual ou em grupo, sem assistência docente. 2º - A hora aula será equivalente a 60 (sessenta) minutos, podendo, de acordo com o projeto pedagógico e com o público alvo de cada curso ministrar aulas, totalizando no máximo 12 h/a (doze horas aula) por dia letivo. Art. 4º - Os cursos deverão obedecer, no que couber, o disposto na Resolução CNE/CES nº 1, de 08 de junho de 2007, que estabelece as normas para o funcionamento de curso de pós-graduação. Art. 5º - Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu deverão prever: I. Auto sustentabilidade. II. Reserva de 10% (dez por cento) na forma de repasse para a mantenedora; III. Integração com a sociedade. Art. 6º - Nos projetos dos cursos lato sensu poderá prever a aquisição de equipamentos e acervo bibliográfico, desde que os recursos provenientes do curso sejam suficientes para essa finalidade. Art. 7º - Os projetos de cursos deverão ser encaminhados à Vice Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão para análise e apreciação no prazo de 30 (trinta) dias antes da realização do 1º (primeiro) Módulo. 1º - Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu oferecidos pela FACTO, bem como aqueles conveniados com outras instituições, deverão ter autorização expressa da Direção Geral para início de atividades e funcionamento. 2º - A Vice Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão encaminhará o projeto analisado a Direção Geral para autorização de início do curso, designação do Coordenador, indicado no projeto.

5 4 3º - As propostas de novos cursos de pós-graduação lato sensu deverão ser aprovadas pelo Conselho Ensino Pesquisa e Extensão CEPE. 4º - Após encerrado, o curso será avaliado em todos os seus aspectos pela Coordenação de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação que emitirá parecer submetendo o mesmo a Vice Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão para homologação e encerramento do curso. 5 - Supridas todas as fases, novas turmas poderão ser abertas, com as devidas alterações acadêmicas e financeiras, as quais deverão ser submetidas à Direção Geral para análise. 6º - Para a abertura de nova turma de um curso já autorizado não será necessária a aprovação do CEPE, mas será indispensável a autorização da Direção Geral para o início das atividades da nova turma, precedido do Parecer Vice Diretoria de Ensino Pesquisa e Extensão. Art. 8º - A proposta de curso novo ou de novas turmas deverá seguir o Roteiro para Apresentação de Projeto de Curso Lato Sensu (Formulário 1). Art. 9º - Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu serão acompanhados pelo respectivo Coordenador de Curso, com o apoio da Coordenação de Pesquisa, Extensão e Pós- Graduação. Art Os cursos de pós-graduação poderão ser programados: I - Pelas coordenações de cursos de Pós-Graduação Lato Sensu; II Pela coordenação de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação; III Pela direção da FACTO, quando houver interesse específico. Art Os projetos dos cursos de Pós-Graduação deverão conter as seguintes informações: I - Dados de identificação: a) Nome do Curso; b) Modalidade; c) Área do conhecimento; d) Proponente; e) Operacionalização (carga horária, período de realização, início e término das disciplinas, horários,...); f) Público-alvo; g) Coordenação; h) Histórico da instituição; i) Infra-estrutura física; II - Objetivos III - Justificativa IV Metodologia de organização do curso:

6 5 a) Clientela; b) Número de vagas, mínimo e máximo; c) Requisitos para inscrição e documentação necessária; d) Processo de seleção, período, critérios e divulgação dos selecionados; e) Critérios de avaliação do rendimento; e f) Calendário. V Estrutura curricular, por disciplina constando: a) Nome da disciplina; b) Carga horária; c) Professor(es) responsável(is); d) Ementa; e) Sistema de avaliação; e f) Bibliografias. VI Curriculum Vitae ou Lattes do corpo docente; VII Planos de ensino de cada disciplina; e VIII Planilha orçamentária. Parágrafo único: no caso de reedição de curso, um resumo do projeto, com as alterações propostas, deverá ser encaminhado à Coordenação de Pesquisa, Extensão e Pós- Graduação para aprovação e posterior homologação da direção. Art A participação de professores especialistas poderá ser de, no máximo, 30% (trinta por cento) do número de docentes do curso. 1º - O coordenador do Curso, preferencialmente terá que ser mestre ou doutor, e nos casos excepcional, no mínimo especialista na área do Curso oferecido e deverá ser integrante do corpo administrativo e/ou docente desta IES. 2º - Nenhum Curso poderá iniciar seu funcionamento sem a garantia dos requisitos especificados neste artigo. 3º - Nas áreas em que o número de mestres e especialistas for insuficiente para atender exigência legal, poderão lecionar profissionais de alta competência e experiência em áreas específicas do curso, desde que aprovado pela Vice Direção de Ensino, Pesquisa e Extensão. 4 - Todos os docentes do curso, internos ou externos, deverão assinar Contrato de Prestação de Serviços (Formulário 2) e apresentar Curriculum. 5 - Todos os docentes do curso, externos a FACTO, deverão preencher Cadastro no RH (Formulário 3). Art Os projetos de cursos novos tramitarão na seguinte ordem: a) Coordenação de curso; b) Coordenação de Pesquisa, Extensão e Pós-graduação; c) Vice Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão; e,

7 6 d) Direção Geral da Faculdade. TÍTULO IV Do Currículo dos Cursos Art Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu poderão ser ministrados regularmente ou em módulos, não extrapolando o prazo máximo de 24 (vinte e quatro) meses consecutivos para a efetivação da carga horária total prevista, incluindo o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC, e encaminhamento do Relatório Final. Art A critério do Coordenador do Curso poderá ser aceito aproveitamento em disciplinas obtidas em outros Cursos de Pós-Graduação legalmente instituídos, para fins de integralização curricular. Parágrafo Único: Os alunos matriculados deverão assinar Contrato de Prestação de Serviços Educacionais conforme Formulário 4. Art. 16 O aproveitamento/equivalência de disciplinas poderá ser concedido quando: I. For protocolizada solicitação de Equivalência de Disciplina requerimento (Formulário 5) na Central de Atendimento, dirigido ao Coordenador do curso, anexando o histórico, a ementa da disciplina e o conteúdo programático do curso; II. A carga horária, o conteúdo e o conceito de avaliação, da disciplina cursada corresponder ao da disciplina a ser cursada; III. O tempo entre o término da disciplina cursada e o início da Pós-Graduação não exceder a 03 (três) anos; IV. O aluno estiver regularmente matriculado. Art. 17 Poderão ser admitidos nos cursos de pós-graduação alunos especiais e ouvintes, assim compreendidos os alunos que frequentarão as aulas em disciplinas/módulos isoladas para complementação curricular ou atualização de conhecimentos, desde que haja disponibilidade de vagas. 1º - A matrícula de aluno especial em disciplina isolada, dará direito a certificação desde que atingida a freqüência e média exigida. 2º - A participação de aluno ouvinte, quando deferida, dará direito à certificação de aperfeiçoamento, desde que atingida a freqüência e média exigida. 3º - Os alunos especiais deverão, obrigatoriamente, ser portadores de diploma de nível superior. TÍTULO V Da Inscrição, Seleção e Matrícula

8 7 Art Será admitida inscrição nos cursos de pós-graduação (especialização e MBA) dos portadores de diploma de curso superior ou comprovante de conclusão de curso de graduação reconhecidos pelo MEC, que preencham os requisitos exigidos no projeto de cada curso. 1º - Poderão ser admitidas inscrições de alunos em fase de conclusão da graduação, desde que, no ato da matrícula, apresentem o documento pertinente. 2º - No ato da inscrição, o candidato deverá apresentar: I formulário de inscrição, fornecido pela Secretaria, devidamente preenchido; II histórico escolar de curso superior; III comprovante de conclusão de curso de graduação ou comprovante de estar cursando a última fase do curso de graduação; IV outros documentos exigidos no projeto do curso. Art A seleção dos candidatos será realizada por comissão indicada pela Vice Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, de acordo com os critérios estabelecidos no projeto do curso. Art Serão aceitas matrículas dos candidatos portadores de diplomas de graduação, expedido por instituição de outro país, desde que o curso esteja devidamente reconhecido no país de origem. Art Os alunos matriculados serão classificados nas seguintes categorias: I - Aluno regular - aprovado no exame de seleção, matriculado no curso e atendendo a todos os requisitos necessários à obtenção do certificado correspondente; II - Aluno especial - matriculado em disciplina(s)/módulo(s) isolada(s) do curso; III - Aluno ouvinte - matriculado em disciplina(s)/módulo(s) isolada(s) do curso. Art Serão aceitas matrículas para o curso de Pós-Graduação de alunos especiais e ouvintes, os quais não poderão, nesta condição, cursar/participar do módulo Trabalho de Conclusão de Curso - TCC, e farão o pagamento por disciplina/módulo cursada, com valor a ser definido pela direção da FACTO. 1º - Cada disciplina poderá ter no máximo 15 (quinze) alunos na categoria de aluno especial e/ou ouvinte. 2º - Os alunos matriculados, na condição de alunos especiais, deverão assinar Contrato de Prestação de Serviços Educacionais conforme Formulário 5. 3º - Os alunos matriculados, na condição de alunos ouvintes, deverão assinar Contrato de Prestação de Serviços Educacionais conforme Formulário 6.

9 8 Art O aluno especial poderá concluir o curso, após ingresso como aluno regular, por meio de processo de seleção, quando houver reoferta do curso, sendo que receberá certificação por disciplina/módulo, na condição de aluno especial. Art O aluno ouvinte, que não for portador de diploma de curso superior receberá certificação de aperfeiçoamento, por disciplina/módulo. Art. 25 Nos cursos será permitido o aproveitamento de disciplinas realizadas em outros cursos de pós-graduação, a critério de comissão especial, designada pela Vice Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, que avaliará o Plano de Ensino da disciplina cursada. TÍTULO VI Do Sistema De Avaliação De Aproveitamento e Da Freqüência Art. 26 A avaliação em cada disciplina será de responsabilidade do docente, através de verificações de aprendizagem, as quais receberão notas de 0 (zero) a 10 (dez), cujos critérios deverão ser divulgados aos alunos. Os instrumentos utilizados para tal verificação deverão estar previstos no projeto de cada curso. Parágrafo único: A nota para avaliação da aprendizagem em cada disciplina e no TCC será apresentada da seguinte forma: - de 7,0 a 10,0 aprovado; - inferior de 7,0 reprovado. Art. 27- Os alunos, para serem aprovados, deverão: I ter, em cada disciplina constante do currículo do curso, freqüência mínima de 75% (setenta e cinco por cento); II ter, em cada disciplina do currículo do curso, nota final mínima 7 (sete); III - obter nota mínima 7 (sete) na Trabalho de Conclusão de Curso. IV - O aluno reprovado por freqüência ou por aproveitamento, em até três (3) disciplinas, poderá cursá-las em outro curso de mesma natureza ofertado pela FACTO ou por instituição, desde que haja compatibilidade de carga horária e de ementa/conteúdo programática, enquanto seu curso estiver em período de realização e/ou num prazo nunca superior a 2 (dois) anos. a) entende-se por período de realização do curso o tempo compreendido entre a data de seu início e o prazo de entrega do TCC. b) a FACTO não se obriga a ofertar disciplinas em que alunos tenham sido reprovados. Art. 28 Os requerimentos de revisão das verificações de aprendizagem deverão ser encaminhados ao Coordenador do Curso, através de protocolo na Central de Atendimento.

10 9 Parágrafo único Deferido o requerimento do caput deste artigo, este será analisado por comissão composta de 2 (dois) docentes designados pelo Coordenador do curso, além do professor da disciplina. TÍTULO VII Do Trabalhos De Conclusão De Curso Art Os Trabalhos de Conclusão de Curso deverão cumprir com as seguintes formalidades: I a coordenação de curso disponibilizará relação com o nome dos docentes disponíveis para orientação do Trabalho de Conclusão de Curso, com titulação mínima de mestre e, no máximo, 8 (oito) orientandos para cada docente; II - será admitida, excepcionalmente, a orientação por professor especialista, desde que, este integre o corpo docente do curso e que comprove experiência profissional ou produção intelectual, técnica ou científica, relacionadas com o tema de orientação, mediante aprovação da Vice Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão; III - os orientadores, sendo do interesse de uma das partes, poderão ser substituídos até 60 (sessenta) dias antes do prazo final de entrega do TCC, mediante pedido justificável ao coordenador do curso; IV - o tema do Trabalho de Conclusão de Curso deverá possuir relação com os conteúdos do curso e consonância com o projeto pedagógico; V os Trabalhos de Conclusão de Curso deverão ser redigidos no idioma nacional, em conformidade com as normas estabelecidas pela FACTO e, sua versão final, entregue no prazo estabelecido em edital ou resolução própria; VI o aluno, quando autorizado por seu orientador por escrito, enviará 3 (três) exemplares de seu Trabalho de Conclusão de Curso, acompanhados de requerimento, ao Coordenador do Curso, solicitando ser avaliado; VII a avaliação ou defesa do TCC, será realizada até 30 (trinta) dias após sua entrega, perante uma banca examinadora composta pelo orientador e, por no mínimo, mais dois membros, sendo, pelo menos um deles, professor da FACTO, cujo presidente será designado pelo coordenador de curso; VIII o tempo de apresentação do trabalho e de argüição para cada membro da banca será definido pelo coordenador do curso, em edital específico; IX será considerado(a) aprovado(a) no Trabalho de Conclusão de Curso, o aluno(a) que obtiver a média final mínima 7,0 (sete), o que conduzirá a uma das seguintes situações: a) aprovado sem correções; b) aprovado com correções; c) reprovado. 1 - No que se refere ao item b, o aluno deverá reformular seu trabalho final e entregá-lo na Secretaria Acadêmica, em 2 (duas) cópias nos 30 (trinta) dias subseqüentes ao dia da defesa ou solicitação feita pela banca que o avaliou.

11 10 2 os Trabalhos de Conclusão de Curso reformulados serão avaliados pelo orientador no prazo de 30 (trinta) dias, após sua devolução à secretaria acadêmica, quando será verificado o atendimento às exigências de mudança reportadas pela banca examinadora e registrado com o parecer final; 3 - Nas bancas examinadoras, a que se referem os incisos VII e VIII, deste artigo, será admitida a participação de professor portador de título de especialista, desde que comprove experiência profissional ou produção intelectual na área ou afim; 4º- O prazo de entrega do Trabalho de Conclusão de Curso poderá ser prorrogado até sessenta (60) dias, mediante solicitação formal ao orientador do projeto e parecer da Coordenação do Curso; 5º- Durante a prorrogação de prazo para a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso o orientador não disporá de carga horária. TÍTULO VIII Dos Certificados e Registros Art. 30 Os certificados de conclusão de curso serão emitidos e registrados pela Secretaria Acadêmica da FACTO. Art O aluno, de curso de especialização, que deixar de entregar o Trabalho de Conclusão de Curso, ou nele for reprovado, terá direito a histórico escolar e Certificado de Curso de Aperfeiçoamento, de acordo com os Artigos 23 e 24 deste Regimento. 1º - Os certificados expedidos deverão mencionar claramente a área específica do conhecimento a que corresponde o curso oferecido e conter obrigatoriamente: I - currículo do curso e sua modalidade, relacionando para cada disciplina a duração em horas, o nome do docente responsável e respectiva titulação; II - percentagem de freqüência obtida; III - notas obtidas; IV - critério adotado para avaliação do rendimento escolar; V- título do Trabalho de Conclusão de Curso; VI - período em que o curso foi ministrado; VII - declaração de que o curso cumpriu as disposições legais da Resolução CNE/CES nº 01, de 8 de junho de 2007, no caso de Cursos de Especialização e MBA; VIII - assinatura da Secretaria Acadêmica, da Vice Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão e do Direção Geral da FACTO; IX - atender ao disposto no item IX do Artigo 29. 2º - os certificados estarão à disposição dos alunos concluintes do curso 60 (sessenta) dias após a entrega do relatório final, pelo coordenador do curso, na Secretaria Acadêmica; 3º - Ao Coordenador e Docentes do curso serão conferidas declarações, assinadas pela Direção Geral da FACTO.

12 11 TÍTULO IX Da Coordenação e Colegiado Art. 32 A gerência do curso de Pós-graduação será feita por um Coordenador. Art O Coordenador Pedagógico do Curso será indicado pela Vice Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, com anuência da Direção Geral da FACTO para executar o projeto do curso e será o presidente do Colegiado de curso. Art São atribuições do Coordenador Pedagógico do Curso: I - coordenar os trabalhos referentes ao desenvolvimento pedagógico e administrativo do curso; II - tomar as medidas necessárias à divulgação do curso; III - compatibilizar os planos de Ensino com os objetivos do curso; IV - promover a integração curricular; V - proceder a avaliação do curso em todas as suas fases; VI - realizar a avaliação final do curso e do trabalho desenvolvido pelos professores; VII - elaborar o relatório final do curso e submetê-lo aos órgãos competentes. TÍTULO X Do Corpo Docente Art O corpo docente dos cursos de Pós-Graduação será constituído preferencialmente por professores da FACTO, cuja titulação seja compatível com as normas deste regimento. 1º - Poderão fazer parte do corpo docente dos cursos de Pós-Graduação, professores convidados, desde que habilitados na disciplina ou linha de pesquisa proposta para o curso. 2º - Havendo a necessidade de substituição de professor no decorrer do curso, por motivo justificável, a coordenação do curso deverá contratar novo professor, com no mínimo, a mesma titulação. TÍTULO XI Das Disposições Gerais Art A instituição reserva-se o direito de não oferecer o curso quando o número mínimo de vagas previsto no projeto do curso não for preenchido. Art A Instituição não é obrigada a oferecer as disciplinas em que o aluno tenha sido reprovado.

13 12 Art. 38 A Instituição poderá ofertar cursos de Pós-Graduação em parceria com outras Instituições de Ensino Superior ou Institutos, desde que resguardadas as condições deste regimento, na sua proporcionalidade. Art Os casos omissos serão resolvidos pela Vice Direção de Ensino, Pesquisa e Pós- Graduação e/ou a Direção Geral da FACTO. Art Este Regulamento entra em vigor na data da assinatura da presente Resolução, revogando-se as disposições em contrário. Art Regulamento aprovado aos vinte e cinco dias do mês de outubro do ano de dois mil e dez, em reunião ordinária do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão CEPE e pela Resolução CEPE Nº 23/10 de 26 de outubro de Regulamento reestruturado em dezesseis dias do mês de maio do ano de dois mil e onze, em reunião ordinária do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão CEPE. Palmas/TO, 12 de abril de CLARETE DE ITOZ Diretora Geral

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da FERLAGOS orientam-se pelas normas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação.

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Resolução nº. 035/12-COPPG Curitiba, 09 de abril de 2012 O CONSELHO PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU"

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO  LATO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ REITORIA ACADÊMICA ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU" CAPÍTULO I DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 009/92 Autoriza a criação do Curso de Especialização em Orientação Educacional. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA, no uso da competência que

Leia mais

Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco

Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco Resolução CEPE N XXX/200 Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CEPE,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO RESOLUÇÃO CONSU Nº 031 - A/2009, DE 01 DE SETEMBRO DE 2009, A Reitora do Centro Universitário Euro - Americano no, no uso de suas atribuições estatutárias, considerando a necessidade de atualizar as normas

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

Alexandre de Souza Ramos Diretor da Escola Estadual de Saúde Pública

Alexandre de Souza Ramos Diretor da Escola Estadual de Saúde Pública SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA (SESAB) ESCOLA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA (EESP) RESOLUÇÃO Nº. 01/2010 - Regulamenta o desenvolvimento de Cursos de Pós-Graduação lato sensu Especialização na EESP.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE EXTENSÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE EXTENSÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE EXTENSÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2011

RESOLUÇÃO Nº 32/2011 RESOLUÇÃO Nº 32/2011 Regulamenta a Pós-Graduação Lato Sensu da O, da Universidade Federal de Juiz de Fora, no exercício de suas atribuições e tendo em vista o que consta do Processo 23071.014937/2010-12

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADES FEDERAIS INTEGRADAS DE DIAMANTINA COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU A Coordenadoria Geral de Pesquisa

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1º. O Instituto Federal de Educação,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 150/2010 EMENTA: Aprovação do Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense.

Leia mais

NORMAS DISCIPLINADORAS DA OFERTA DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU NO ÂMBITO DA INSTITUIÇÃO. CAPÍTULO I Das disposições preliminares

NORMAS DISCIPLINADORAS DA OFERTA DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU NO ÂMBITO DA INSTITUIÇÃO. CAPÍTULO I Das disposições preliminares NORMAS DISCIPLINADORAS DA OFERTA DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU NO ÂMBITO DA INSTITUIÇÃO. A FACULDADE ARAGUAIA, no uso de suas atribuições legais resolve: CAPÍTULO I Das disposições preliminares

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS TÍTULO I DOS FINS Programa de Pós-Graduação em Odontologia / PPgO Áreas de concentração em Estomatologia, Clínica Odontológica, Periodontia e Implantodontia, em nível de Mestrado Profissional. REGIMENTO

Leia mais

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade Resolução nº 200/CONSEA, de 19 de fevereiro de 2009. Altera normas para o oferecimento de cursos de pós-graduação Stricto Sensu e lato sensu, pelos Departamentos da Fundação Universidade Federal de Rondônia

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 07/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

COORDENAÇÃO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

COORDENAÇÃO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2015 SUMÁRIO TITULO I - DA CONCEITUAÇÃO... 3 Capítulo I - Dos Objetivos... 3 TITULO II - DA ESTRUTURA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

RESOLUUÇÃO Nº 295/2014-CEPE, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. ALTERADA PELA RESOLUÇÃO Nº 152/2015-CEPE, DE 24 DE SETEMBRO DE 2015

RESOLUUÇÃO Nº 295/2014-CEPE, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. ALTERADA PELA RESOLUÇÃO Nº 152/2015-CEPE, DE 24 DE SETEMBRO DE 2015 RESOLUUÇÃO Nº 295/2014-CEPE, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. ALTERADA PELA RESOLUÇÃO Nº 152/2015-CEPE, DE 24 DE SETEMBRO DE 2015 Aprova Normas para Cursos de Especialização da Universidade Estadual do Oeste

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003/2007 CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 003/2007 CONEPE RESOLUÇÃO Nº 003/2007 CONEPE Aprova o Regimento dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade do Estado de Mato Grosso. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONEPE, da Universidade

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

lato sensu na modalidade de educação a

lato sensu na modalidade de educação a DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 122/2011 Regulamenta os Cursos de Pós-graduação lato sensu na modalidade de educação a distância (EAD) na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01 1 FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01 CAPÍTULO II... 01 DO PROCESSO DE ABERTURA DE CURSOS... 01 DO ENCAMINHAMENTO...

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 001, DE 05 DE MARÇO DE 2013. APROVA NOVO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO "LATO SENSU" DA UEPG.

RESOLUÇÃO CEPE Nº 001, DE 05 DE MARÇO DE 2013. APROVA NOVO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UEPG. RESOLUÇÃO CEPE Nº 001, DE 05 DE MARÇO DE 2013. APROVA NOVO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO "LATO SENSU" DA UEPG. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que RESOLUÇÃO Nº 263 PÕE EM VIGÊNCIA O REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU O Reitor da Universidade Católica de Pelotas, no uso de suas atribuições, considerando os termos da proposta encaminhada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos. CAPÍTULO II Da Estrutura Acadêmica

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos. CAPÍTULO II Da Estrutura Acadêmica UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MIDIAS NA EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º. A Especialização em Mídias na Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2011

RESOLUÇÃO Nº 01/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Aprova as Normas Complementares para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO 1972 REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A Pós-Graduação do Centro Universitário de Goiás (UNI-ANHANGÜERA)

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº PRPPG-036/2006, aprovou e eu

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA Resolução Unesp-95, de 26/10/05 Seção I Dos Objetivos Artigo 1º - O programa

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

TÍTULO I DAS ENTIDADES

TÍTULO I DAS ENTIDADES RESOLUÇÃO Nº 444 DE 27 DE ABRIL DE 2006. 1205 Ementa: Dispõe sobre a regulação de cursos de pós-graduação lato sensu de caráter profissional. O Conselho Federal de Farmácia, no uso das atribuições que

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do curso de pósgraduação

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE 2011 (Publicada no D.O.E. de 18/10/11 Seção I, pág. 99) (Republicada no D.O.E. de 10/01/12 Seção I, pág. 78) Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP.

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL N o 3.476. Ano XXIII - Estado do Tocantins, sexta-feira, 30 de setembro de 2011

DIÁRIO OFICIAL N o 3.476. Ano XXIII - Estado do Tocantins, sexta-feira, 30 de setembro de 2011 52 REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO Lato sensu. Dispõe sobre o Regimento dos Cursos de Pós-Graduação Lato sensu na esfera da Fundação Universidade do Tocantins - Unitins. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, DA CONSTITUIÇÃO,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais.

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. SIC 01 /05 - CEE/MG Belo Horizonte, 25 de maio de 2005. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. Estabelece normas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu)

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do

Leia mais

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO N º 013/2008

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO N º 013/2008 DELIBERAÇÃO N º 013/2008 Autoriza a reformulação do Curso de Especialização em PRÓTESE DENTÁRIA. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o artigo 11, parágrafo

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - Este REGULAMENTO rege as normas e disciplina, nos planos pedagógico, didático, científico, administrativo, disciplinar

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

ROTEIRO PARA MONTAGEM DE CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO

ROTEIRO PARA MONTAGEM DE CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA ROTEIRO PARA MONTAGEM DE CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO i:\latosens\rot_esp.doc Pelotas, março de 1996 PROCEDIMENTOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 004/06 AUTORIZA A REFORMULAÇÃO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA ITALIANA-TRADUÇÃO O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA e EXTENSÃO, no uso

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Belém-PA 2013 SUMÁRIO TÍTULO I. DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU... 3 CAPÍTULO I. DO REGULAMENTO, NATUREZA E FINALIDADE DOS CURSOS... 3 CAPÍTULO II. DA CRIAÇÃO E DURAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos de Pós-Graduação ofertados pela FAP na modalidade Lato Sensu atendem a todas as finalidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 024/09 Autoriza a criação do Curso de Especialização em Direito e Negócios do Petróleo, Gás e Energia O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

AVISO Nº 003/2014 RESOLUÇÃO Nº002/2013 CTP-ESMP/PE

AVISO Nº 003/2014 RESOLUÇÃO Nº002/2013 CTP-ESMP/PE AVISO Nº 003/2014 A Diretora da ESMP/PE, Dra. Deluse do Amaral Rolim Florentino, nos termos do Art.8º, VII, da Resolução RES-CSMP-001/00, de 31.03.2000, torna público o Regulamento da terceira turma do

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do Espírito Santo, bem

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC),

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais