COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Recinto Sagrado MANUAL DO ALUNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Recinto Sagrado MANUAL DO ALUNO"

Transcrição

1 COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Recinto Sagrado MANUAL DO ALUNO Este manual contém informações importantes para quem estuda ou tem filhos estudando no Colégio Militar de Salvador

2 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 2) Sumário 1. PROPOSTA PEDAGÓGICA (PP) 1.1 Objetivos da Proposta Pedagógica 1.2 Fundamentos Educacionais da Proposta Pedagógica 1.3 Implementação da Proposta Pedagógica 2. AVALIAÇÃO EDUCACIONAL DO CMS 2.1. Modalidades de Avaliação Educacional 2.2. As Avaliações Parciais de Recuperação (APR) 2.3. Segunda Chamada de Provas 2.4. Procedimentos para a Segunda Chamada 3. RECUPERAÇÃO DA APRENDIZAGEM 3.1. Absorção de Pré-requisitos 3.2. Funcionamento das Aulas de Recuperação 4. CONDIÇÕES GERAIS DE APROVAÇÃO 5. TRABALHO ACADÊMICO 5.1 de 6º a 9º ano do Ensino Fundamental 5.2 de 1º a 2º ano / Ensino Médio 5.3 Ensino Médio 3º ano 5.4 Frequência 5.5 Atrasos 5.6 Saídas Antecipadas 5.7 Faltas e Atestados 5.8 Atribuições do Chefe e Subchefe de Turma Missões do Chefe de Turma Missões do Subchefe de turma 6. ATENDIMENTO MÉDICO 7. ATIVIDADES ESPORTIVAS 8. TRABALHOS EM DOMICÍLIO E MATERIAL ESCOLAR 9. LIVRARIA, TRANSPORTE E CANTINA ESCOLAR 9.1 Livrarias e Material Escolar 9.2 Transporte Escolar 9.3 Cantina Escolar 10. ENTRADA E SAÍDA DO COLÉGIO 11. ASSISTÊNCIA SOCIAL 11.1 Pedido de Isenção da Quota Mensal Escolar 11.2 Doações de Uniformes 12. APRESENTAÇÃO INDIVIDUAL DO(A) ALUNO(A) Fl 06 Fl 07 Fl 08 Fl 09 Fl 10 Fl 10 Fl 10 Fl 11 Fl 11 Fl 12 Fl 12 Fl 13 Fl 13 Fl 13 Fl 14 Fl 14 Fl 15 Fl 16 Fl 16 Fl 16 Fl 17 Fl 17 Fl 18 Fl 18 Fl 19 Fl 19 Fl 20 Fl 20 Fl 20 Fl 20 Fl 21 Fl 21 Fl 21 Fl 23 Fl 23 Fl 23

3 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 3) 12.1 Cabelo Cabelo Masculino Cabelo Feminino 12.2 Adornos 12.3 Unhas e Maquiagem 12.4 Uniforme Composição dos Uniformes Masculinos Composição dos Uniformes Femininos 13. CURSO DE FORMAÇÃO DE RESERVISTAS (CFR) 14. ORIENTAÇÕES DE SEGURANÇA DENTRO E FORA DO COLÉGIO 14.1 Segurança comunicativa 14.2 Relacionamento com a imprensa 14.3 Responsabilidades no uso educativo da mídia 15. POSTURAS DENTRO E FORA DO COLÉGIO 16. FUMO E DEMAIS DROGAS 17. VEÍCULOS 18. TELEFONE CELULAR, OBJETOS DE VALOR ETC 19. COMUNICAÇÃO OFICIAL 19.1 Reuniões de Responsáveis e Mestres 19.2 Circulares/Memorandos 19.3 Entrevistas/Atendimento Individual 19.4 Comunicação Virtual 20. PARCERIA FAMÍLIA CMS 20.1 Sugestões aos responsáveis para acompanhamento no estudo domiciliar de seus dependentes 20.2 Direitos dos Responsáveis 20.3 Compromissos dos Responsáveis 21. ORIENTAÇÕES PARA O ESTUDO 21.1 Estudar para quê? 21.2 Sugestões para maior êxito nos estudos 21.3 Características necessárias ao aluno bom leitor 22. O REGIME DISCIPLINAR 22.1 Disciplina 22.2 O Perfil do Aluno Cola Comportamento Social Higiene e Asseio do Colégio 23. COMPORTAMENTO DOS ALUNOS 23.1 Classificação Fl 23 Fl 23 Fl 24 Fl 25 Fl 26 Fl 26 Fl 26 Fl 30 Fl 33 Fl 33 Fl 34 Fl 34 Fl 35 Fl 35 Fl 36 Fl 36 Fl 38 Fl 38 Fl 38 Fl 38 Fl 39 Fl 39 Fl 39 Fl 40 Fl 40 Fl 41 Fl 41 Fl 42 Fl 42 Fl 42 Fl 45 Fl 45 Fl 45 Fl 46 Fl 46 Fl 47 Fl 48 Fl 50 Fl 50

4 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 4) 23.2 Valor numérico das punições 23.3 Melhoria de comportamento 23.4 Exclusão disciplinar 23.5 Transgressões disciplinares 24. ESTÍMULOS 24.1 A Hierarquia 24.2 Recompensas Aluno destaque Legião de Honra 24.3 As Promoções (Organização do Batalhão Escolar) Normas para concessão do grau de incentivo Critérios para a seleção dos alunos para o Quadro de Honra 25. BANDA DE MÚSICA / CORAL 25.1 Recrutamento 25.2 Promoção na Banda de Música 27. CONCLUSÃO 28. ANEXOS 28.1 Calendário 28.2 Cálculo de Notas Fl 50 Fl 51 Fl 51 Fl 51 Fl 55 Fl 55 Fl 55 Fl 55 Fl 56 Fl 58 Fl 61 Fl 62 Fl 63 Fl 63 Fl 64 Fl 64 FL66 FL66 FL67

5 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 5) Prezados Pais, Responsáveis e Alunos, É com muita satisfação que apresento o Manual do Aluno. Peço-lhes que façam uma leitura cuidadosa de seu conteúdo, pois, apesar de parecer uma simples repetição de normas e orientações feitas em anos anteriores, aborda em seu conjunto detalhes que visam a facilitar a relação colégio- aluno-família. Desde 1957, o Colégio Militar de Salvador se orgulha em participar da sociedade brasileira, particularmente, da sociedade baiana. Sua história de amor à Pátria é escrita por intermédio da formação de cidadãos baseada, principalmente, na fidelidade à tradição e aos valores mais caros ao Exército Brasileiro. O sucesso e a qualidade do desempenho dos alunos, dos profissionais do Corpo Docente e dos responsáveis no processo ensino-aprendizagem dependem da atenção e do cuidado com que serão levadas em consideração as exigências e os pormenores do procedimento do dia a dia escolar. A necessidade da excelente apresentação dos uniformes, a exigência da pontualidade, as atitudes, os procedimentos com relação aos professores, aos colegas, ao patrimônio e tudo o mais, levam à linguagem do entendimento e das responsabilidades que possibilita superar as divergências explícitas tão prejudiciais à formação daqueles que a vida nos confiou. Educar deve ser uma ação dinâmica, irreversível em suas conquistas. A realidade nos obriga a rever conceitos e práticas ultrapassadas. A evolução conduz naturalmente à absorção de novas ideias. O maior objetivo do Colégio Militar de Salvador é a busca da qualidade do saber, do querer e do viver em uma opção consciente e comprometida com a verdade. Propósito este que deve ser compartilhado com a boa vontade dos que desejam formar pessoas cultas, solidárias e preparadas para enfrentar os desafios do porvir. O Colégio Militar de Salvador sente-se honrado em poder contar com a companhia de todos nessa jornada de realizações e ensinamentos que, com certeza, engrandecerá o aluno, a família e a escola. Sejamos felizes. Salvador BA, 20 de janeiro de 2013 CARLOS ALBERTO MANSUR Cel Cmt EsFCEx/CMS

6 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 6) 1. PROPOSTA PEDAGÓGICA (PP) Os pais que optam pelo CMS para realizar a educação de seus filhos acreditam nos valores que orientam a escola e desejam que seus filhos absorvam a cultura, a tradição, o modo de fazer e de agir do Exército Brasileiro num ambiente hierarquizado e disciplinado. A participação dos responsáveis é fundamental para o êxito da educação que objetiva à formação autônoma de indivíduos éticos, solidários e atuantes social e politicamente. O comparecimento em reuniões de responsáveis e mestres (RRM) é condição essencial para que o CMS possa ouvir das famílias críticas construtivas sobre sua proposta pedagógica, visando a seu aperfeiçoamento e modernização. O aluno do CMS deve se destacar pela consciência que tem de sua dignidade como pessoa; por sua postura de respeito para com os mais velhos, superiores e semelhantes; por sua conduta no Colégio e em vias públicas; por sua solidariedade; por seu espírito patriótico e por sua participação cívica. O Colégio deve proporcionar ao aluno um ambiente sadio e agradável para o júbilo da desejada simbiose, visando à construção do saber em um sentido bastante amplo por intermédio do estabelecimento e consolidação de relações interpessoais que irão acompanhá-lo por toda sua vida. 1.1 Objetivos da Proposta Pedagógica A ação educacional do CMS tem como objetivos gerais em sua proposta pedagógica: a. permitir ao aluno DESENVOLVER ATITUDES E INCORPORAR VALORES familiares, sociais e patrióticos que lhe assegurem um futuro de cidadão patriota, cônscio de seus deveres, direitos e responsabilidades, qualquer que seja o campo profissional de sua preferência; b. propiciar ao aluno A BUSCA E A PESQUISA CONTINUADAS DE INFORMAÇÕES RELEVANTES; c. desenvolver no aluno a visão crítica dos fenômenos políticos, econômicos, históricos, sociais e científico-tecnológicas, ensinando-os, pois, a APRENDER PARA A VIDA e não mais, simplesmente, para fazer provas; d. preparar o aluno para REFLETIR E COMPREENDER OS FENÔMENOS e não, meramente, memorizá-los; e. capacitar o aluno à ABSORÇÃO DE PRÉ-REQUISITOS FUNDAMENTAIS AO PROSSEGUIMENTO DOS ESTUDOS ACADÊMICOS e não de conhecimentos supérfluos que se encerrem em si mesmos;

7 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 7) f. estimular o aluno à SAUDÁVEL PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA, buscando o seu desenvolvimento físico e incentivando a prática habitual do esporte; e g. despertar VOCAÇÕES PARA A CARREIRA MILITAR. 1.2 Fundamentos Educacionais da Proposta Pedagógica Para atingir essas metas, a proposta pedagógica do Sistema Colégio Militar do Brasil é composta dos seguintes fundamentos educacionais: a. oferecer ao aluno condições de acesso ao conhecimento sistemático universal, considerando a realidade de sua vida, proporcionando uma FORMAÇÃO INTEGRAL PARA O SEU DESENVOLVIMENTO NAS ÁREAS COGNITIVA, AFETIVA E PSICOMOTORA; b. oferecer educação integral, em tempo integral, vigorando desde 2011 a partir do 6º ano, continuando sua implementação até que todos os anos do Fundamental e Médio sejam contemplados de forma progressiva; c. capacitar o aluno à absorção de conteúdos programáticos qualitativos e de pré- requisitos essenciais ao prosseguimento de seus estudos, com base no domínio da leitura, da escrita e das diversas linguagens utilizadas pelo homem, permitindo-lhe ANALISAR, SINTETIZAR E INTERPRETAR DADOS, FATOS E CÁLCULOS, para resolver situações-problema simples ou complexas, valorizando o seu desenvolvimento pessoal; d. utilizar procedimentos didáticos e técnicas metodológicas que conduzam o aluno a OCUPAR O CENTRO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM E A CONSTRUIR COM A MEDIAÇÃO DO PROFESSOR, O PRÓPRIO CONHECIMENTO, fruto de abordagens seletivas, contextuais, interdisciplinares, contínuas e progressivas; e. estimular no aluno o desenvolvimento de atitudes crítico reflexivas, espírito de investigação, criatividade, iniciativa e respeito às diferenças individuais, conduzindo-os a APRENDER A APRENDER e APRENDER A PENSAR; f. conduzir o aluno a compreender o significado das áreas de estudo e das disciplinas, enquanto participante do processo histórico da transformação da sociedade e da cultura, desenvolvendo a sua autonomia, valorizando o conhecimento prévio, suas experiências e as relações professor-aluno e aluno-aluno, conscientizando-os de que A APRENDIZAGEM ADQUIRIDA É MAIS IMPORTANTE QUE A AVALIAÇÃO EDUCACIONAL DE AFERIÇÃO ESCOLAR; e g. desenvolver no aluno atitudes, valores e hábitos saudáveis à vida em sociedade, num

8 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 8) ambiente no qual todos possam: 1) COMPREENDER E RESPEITAR OS DIREITOS E DEVERES da pessoa humana, do cidadão patriota, da família, dos grupos sociais, do estado e da nação brasileira; 2) acessar e dominar recursos científicos relevantes que lhes permitam SITUAR-SE CRITICAMENTE DIANTE DA REALIDADE, assumindo responsabilidades sociais; 3) preparar-se para PARTICIPAR PRODUTIVAMENTE DA SOCIEDADE, no exercício responsável de sua futura atividade profissional; e 4) praticar a atividade física buscando o seu DESENVOLVIMENTO FÍSICO E A CRIAÇÃO DE HÁBITOS SAUDÁVEIS PARA O CORPO, inclusive com a prática de esporte. 1.3 Implementação da Proposta Pedagógica A aprendizagem só será significativa à medida que o discente conseguir estabelecer uma relação não arbitrária e substantiva entre os conteúdos escolares e os conhecimentos previamente construídos por ele, num processo de articulação dos significados. Para atingir tais propósitos, na implementação da PP é necessário: a. manter o envolvimento de toda comunidade escolar no exercício da ação educacional, dentro e fora da sala de aula; b. realizar contínua análise dos diferentes instrumentos pedagógicos que possibilitem uma visão integrada do discente e docente, bem como, da validação de currículos, da avaliação de desempenho de docentes e discentes, dos indicadores de qualidade dos cursos e dos instrumentos de avaliação, visando à correção de eventuais desvios educacionais; c. buscar intenso uso de recursos técnicos para a implementação das diversas propostas metodológicas nos diversos campos do conhecimento dos Ensinos Fundamental e Médio; d. planejar contínua atualização dos educadores por meio de estágios, simpósios, reuniões de coordenação, palestras e capacitação de educadores; e e. manter atualizado o controle do processo de avaliação das variáveis externas como: resultados em exames seriados, em vestibulares, em concursos, em pesquisas, no IDEB, no ENEM, nas escolas militares e em competições científicas culturais e desportivas. A proposta pedagógica deverá estar conectada com a execução de projetos educacionais aprovados pela DEPA e desenvolvidos nos demais Colégios Militares. No Sistema Colégio Militar do Brasil, educar é mais importante que avaliar.

9 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 9) 2. AVALIAÇÃO EDUCACIONAL DO CMS O sistema de avaliação educacional do Colégio Militar Salvador realiza análise sistemática de dados relevantes do processo ensino-aprendizagem nas diversas atividades relacionadas com as séries do Ensino Fundamental e Médio. A avaliação do rendimento da aprendizagem é a elaboração de juízos de valor sobre o discente de determinada série, quando submetido às modalidades de avaliações educacionais adotadas pelo CMS, conforme prescrições dos R 126, R 69, das Normas de Planejamento e Gestão Escolar (NPGE) e Normas Internas de Avaliação Escolar (NIAE). 2.1 Modalidades de Avaliação Educacional São três as modalidades de avaliação educacional, com objetivos distintos e desenvolvidos em diferentes momentos durante o processo ensino-aprendizagem: Diagnóstica Avaliação que tem por objetivo verificar o nível mínimo de pré-requisitos, em uma ou mais disciplinas ou atividades, indispensáveis à continuidade dos estudos na série pretendida, quando serão aplicados testes de avaliação antes da efetivação da matrícula, os quais servirão de base para elaboração dos programas de recuperação da aprendizagem. Formativa Visa ao acompanhamento do desenvolvimento do aluno, promovendo desempenhos mais eficientes e integrais. Tem como principais instrumentos os diversos tipos de exercícios e testes aplicados pelo professor que poderão compor as notas das Avaliações Parciais (AP) e a FRAD (Ficha de Registro e Acompanhamento do Discente) que serve para registro de todas as informações relevantes sobre os discentes. Poderá ser concedido até um ponto de grau de incentivo à participação (GIP) na média de AP das áreas de estudo ou disciplinas, em que o aluno estiver envolvido, a título de bonificação, se o discente participar efetivamente das atividades extraclasse, tais como: monitoria, banda de música, coral, teatro, atletas e outras atividades a critério do Diretor de Ensino. Somativa Os critérios para a avaliação cognitiva somativa são definidos nos PSD (Planos de Sequência Didática). São as provas formais - Avaliações de Estudo (AE) que poderão ser escritas, gráficas ou mistas, realizadas individualmente, de acordo com calendário previsto no Plano Geral de Ensino (PGE). O Trabalho Interdisciplinar (TI), proposto aos discentes no início do ano, com etapas intermediárias, prazos e apresentação dos trabalhos acertados pelos docentes após a formação dos diversos grupos.

10 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 10) As Avaliações Parciais (AP) poderão ser aplicadas ao término de uma unidade didática (UD) ou um conjunto de UD, a critério do coordenador da disciplina. As Provas de Recuperação Final (PRF) serão realizadas após o término do ano letivo com data fixada no PGE, com duração normal de 2 (duas) horas, para o aluno que não conseguir aprovação por média com nota final igual ou superior a 5,0 (cinco). Destinam-se a avaliar os assuntos, por disciplina, considerados pré-requisitos fundamentais para que o aluno prossiga os estudos nos anos seguintes. 2.2 As Avaliações Parciais de Recuperação (APR) A recuperação dos alunos será composta de uma atividade não-presencial (atividade preparatória) e outra presencial (avaliação da recuperação). Essas avaliações, tanto a atividade preparatória como a avaliação de recuperação, terão valores estabelecidos pela Seção Técnica de Ensino do Colégio Militar de Salvador de acordo com as normas vigentes. As APRs abrangerão sempre conteúdos do bimestre anterior, ocorrerão conforme calendário específico. O cálculo da NOTA PERIÓDICA RECUPERADA (NPR) é feito de acordo com a fórmula constante no anexo de cálculo de notas. As aulas de recuperação são obrigatórias. 2.3 Segunda Chamada de Provas Os alunos que por motivo justificado não comparecerem à Avaliação de Estudo (AE) terão direito de fazer uma segunda chamada. A segunda chamada será autorizada nos casos de doença comprovada por atestado médico apresentado às Companhias de Alunos em até 48 (quarenta e oito) horas, desde que homologado pela Seção de Saúde do CMS; para os atletas convocados pela Seção de Educação Física do CMS por motivo de competição e também por ocasião de luto comunicado pela família. Outros casos deverão ser submetidos à aprovação do Subdiretor de Ensino do CMS. A falta à segunda chamada na data marcada pela Seção Técnica acarretará nota zero na prova considerada. Não são considerados motivos para realizar segunda chamada: atraso, falta de preparação e viagens de passeio. Se não houver a comunicação do responsável à Companhia de Alunos, o aluno poderá ser sancionado por falta a trabalho previsto, sem a devida justificativa, sendo-lhe atribuída a nota zero

11 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 11) na atividade em questão. Não haverá segunda chamada para trabalhos escolares que compõem a AP, pois se considera que o professor aplicará diversas avaliações, podendo, desta forma, calcular a média. Não haverá segunda chamada para a prova de recuperação (APR). 2.4 Procedimentos para a Segunda Chamada O aluno que faltar à realização da AE deverá apresentar ao Comandante de Companhia suas justificativas, dentro do prazo de 48 (quarenta e oito) horas. Findo este prazo, o Comandante de Companhia terá 24 horas para informar ao Comandante do CA se há necessidade ou não da aplicação de segunda chamada dentro do calendário previsto. E este informará ao Chefe da Divisão de Ensino. Para ter o direito de realizar a segunda chamada de AE e PRF, por motivo justificado, o aluno deverá: a. preencher o requerimento disponível na Companhia de Alunos (Cia Al) com a devida justificativa. O próprio aluno pode retirar a folha de requerimento na Sargenteação da sua Cia Al, que deverá ser preenchida e assinada pelos pais ou responsáveis; b. pagar a taxa correspondente a 15% de QME relativa ao mês considerado, através GRU; c. entregar o requerimento e a taxa paga na Sargenteação da Cia Al; e d. a prova de segunda chamada será realizada em período determinado pela Subdireção de Ensino, em horário diferente ao das aulas e segundo o calendário de provas organizado pela Seção Técnica de Ensino. 3. RECUPERAÇÃO DA APRENDIZAGEM A Recuperação da Aprendizagem é uma atividade diferenciada em que o aluno tem a oportunidade de desenvolver e consolidar hábitos de trabalho, superar suas dificuldades e construir sua própria autonomia. 3.1 Absorção de Pré-requisitos Aulas do Apoio Pedagógico (absorção de pré-requisitos). Aos alunos considerados inaptos e aptos com restrição na avaliação diagnóstica realizada no ato de seu ingresso no Colégio Militar e aos discentes aprovados em conselho de classe, será oferecido um programa intensivo de aulas de absorção de pré-requisitos realizado no Apoio Pedagógico.

12 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 12) Ao término das aulas de absorção de pré-requisitos, os discentes nela empenhados poderão ser submetidos a uma avaliação que deverá compor a nota de AP do 1º bimestre, nas disciplinas de Português e Matemática. O Apoio Pedagógico é uma atividade escolar oferecida obrigatoriamente pelo Colégio Militar de Salvador. São aplicadas, em qualquer momento do ano letivo, avaliações diagnósticas aos alunos e, caso sejam detectadas dificuldades de aprendizagem e falta de pré-requisitos, os alunos avaliados serão inseridos na atividade de Apoio Pedagógico para que possam continuar seus estudos no referente bimestre e nos subsequentes. Esta atividade visa à capacitação imprescindível para o progresso escolar. O Apoio Pedagógico programado constitui-se em atividade escolar obrigatória para o aluno, salvo em caso de expressa solicitação contrária feita pelo responsável do mesmo, assumindo a responsabilidade por tal ato. A saída do aluno da atividade de apoio pedagógico não está vinculada à obtenção de nota, mas à avaliação diagnóstica que ateste sua capacidade em prosseguir nos estudos regularmente. 3.2 Funcionamento das Aulas de Recuperação A recuperação dos alunos será realizada de forma presencial, devendo os professores fornecerem atividades preparatórias para prova formal. Estas atividades comporão parte do valor da APR e o restante do valor será verificado por meio de prova formal, conforme critérios da Seção Técnica de Ensino. A entrega das atividades obedecerá ao calendário da Divisão de Ensino. Todas as disciplinas poderão utilizar os tempos destinados à recuperação de prérequisitos para desenvolver atividades visando à recuperação de conteúdos. Os alunos de nota periódica (NP) inferior a cinco serão obrigados a realizar as atividades de recuperação e prova formal (APR) na disciplina. Os alunos que obtiverem nota periódica (NP) entre 5,0 (cinco) e 5,5 (cinco e meio), inclusive, poderão participar do processo de recuperação para melhorar seu grau. Para isso, deverão fazer sua inscrição na Companhia de Alunos até 02 (dois) dias úteis após a divulgação da nota da AE do bimestre. O Cmt do CA deverá informar à DE a relação de voluntários da APR até 04 dias úteis após divulgação do resultado da AE do bimestre. Cabe salientar que, a nota obtida na recuperação visa somente à aprovação no ano e não influenciará na formação do Batalhão Escolar e na concessão de alamar.

13 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 13) A frequência às aulas de recuperação tem caráter obrigatório. As inscrições deverão ser feitas pelos responsáveis interessados, que deverão assumir os compromissos de alimentação e transporte de seus responsabilizados. Com o intuito de haver uma maior integração do binômio família escola, o CMS disponibilizará salas de aula e docentes para a realização das aulas de recuperação e fará a conferência das presenças/faltas dos alunos inscritos. O Colégio não terá a obrigação de colocar o aluno em sala de aula. Ao responsável, caberá o compromisso de fazer com que seu responsabilizado compareça à aula, bem como o acompanhamento de sua frequência. Os alunos que não realizarem as atividades preparatórias não terão direito à nota referente à respectiva atividade, mas permanecerão com o direito de realizar a APR, desde que o responsável tenha feito sua inscrição para tal no período previsto. 4. CONDIÇÕES GERAIS DE APROVAÇÃO Considerar-se-á habilitado para promoção ao ano seguinte o aluno que: a. obtiver, em cada área de estudo ou disciplina, nota final (NF), no mínimo, igual ou superior a 5,0 (cinco) ou após a Prova de Recuperação Final (PRF), o aluno que obtiver Nota Final Recuperada (NFR) igual ou superior a 5,0 (cinco); b. possuir a frequência mínima de setenta e cinco por cento do total das horas letivas para aprovação, de acordo com o inciso VI do Art 24 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN); e c. após a realização da PRF, o aluno que tiver alcançado NF ou NFR igual ou superior a 4,5 (quatro e meio) em 01 (uma) área de estudo no Ensino Fundamental, ou em 02 (duas) disciplinas no Ensino Médio, e não tiver faltado à prova de recuperação final poderá ser submetido ao Conselho de Classe de Recuperação. O aluno que não obtiver aproveitamento escolar suficiente em qualquer disciplina será considerado repetente, respeitando o disposto no R TRABALHO ACADÊMICO 5.1 Do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental A euforia da admissão no CMS e as transformações naturais, próprias da entrada na

14 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 14) adolescência, fazem com que o aluno deste segmento busque sua autonomia e método de estudo, aprendendo a conciliar os novos interesses com o aumento de solicitações e trabalhos. O aluno precisa crescer em sua capacidade de gerenciar seus diferentes compromissos escolares, de saber explicitar suas dificuldades para os professores, de trabalhar em cooperação produtiva com os colegas. Paralelamente, precisa ter elementos de estímulo e apoio para a descoberta de si próprio e para a descoberta do outro. Assim como novas habilidades e recursos pessoais serão descobertos, novas dificuldades vão aparecer. Mesmo que nessa etapa os responsáveis não sejam mais tão solicitados pelos alunos, é preciso que a família mantenha uma atitude atenta ao delineamento da personalidade, dos hábitos, das habilidades e das dificuldades, atuando, sobretudo na construção de valores de referência. É importante a família manter os vínculos com o Colégio, utilizando-se da Companhia de Alunos e da Seção Psicopedagógica. 5.2 Do 1ª ao 2ª ano do Ensino Médio A maioria dos alunos desse segmento tem o CMS como uma extensão de sua casa. O mesmo vale para as famílias, que devem encontrar no Colégio ecos dos valores e objetivos de formação que desejam para seus filhos. É importante que os alunos tenham ciência de seus talentos e interesses mais específicos, reunindo elementos para que as decisões que serão tomadas nos próximos anos sejam vivenciadas com autonomia e segurança. O aluno do CMS é preparado para poder superar os desafios dessa fase da adolescência. É muito importante aprender a gerir uma quantidade maior de disciplinas, compromissos de estudo e os conflitos éticos e pessoais pelos quais se passa entre os 14 e 17 anos em um colégio exigente. Por outro lado, é uma idade de descobertas, de experimentação e principalmente de muita energia vital. É importante que, tanto escola quanto família possam atuar, criando possibilidades de canalização positiva de toda essa vontade de viver. Nessa etapa, fatos e decisões aparentemente pequenos podem ter impacto para toda a vida. Logo, é importante que a família e a escola estejam atentas àquilo que tange à dedicação e à responsabilidade no tratamento das obrigações pessoais, à formação dos círculos de relacionamento e aos padrões de conduta social e cultural. 5.3 Ensino Médio 3º ano O último ano do Ensino Médio é um ano especial. As exigências próprias dos diversos concursos, principalmente a EsPCEX e exames vestibulares, a organização de estudo diferenciada e a iminência da escolha da carreira profissional levam os alunos a um amadurecimento ainda maior.

15 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 15) Mais do que qualquer outra época de sua vida, o aluno estará sendo desafiado a concentrar seu esforço e sua atenção no objetivo imediato, devendo aprender a assumir os riscos e sacrifícios exigidos pela opção que está fazendo. O aluno do 3º ano do Ensino Médio estará, em muitos momentos, sendo exigido em seus limites, tendo de tomar atitudes e comportamentos que a vida não lhe permite mais adiar. Isso não se dá sem esforço e sem que se pague um preço psicológico e, muitas vezes, físico. O sacrifício de noites de sono, dias de lazer, momentos de convívio, contudo, é de alguma forma recompensada pela conquista que se aproxima e pelos fortes laços que se formam com a turma em seu último ano juntos. É um momento em que se torna fundamental encontrar apoio no Colégio e em casa para que se crie um ambiente emocional e afetivo propício a sua vitória. 5.4 Frequência É obrigatória a frequência aos trabalhos escolares, isto é, a todas as atividades programadas para alunos, inclusive às representações em solenidades cívico-militares. Sempre que houver o interesse do ensino ou da instrução do aluno, poderão ser realizadas sessões, instruções ou atividades escolares cuja presença do aluno também será obrigatória, no CMS ou em outro local pré-determinado, nos contraturnos, feriados, pontos facultativos ou finais de semana. Quando o aluno não puder comparecer ao CMS, seu responsável deverá comunicar o fato ao Comandante da Cia Al no mesmo dia, ainda que por telefone. Depois de comunicada a falta, sua justificativa deverá ser entregue na Cia Al, por escrito, pelo responsável ou pelo aluno no prazo de 03 (três) dias úteis após a ocorrência, findo o qual não será considerada para todos os efeitos, inclusive para a realização de provas em segunda chamada. Haverá apenas uma prova de segunda chamada para os alunos que faltarem à AE por motivo justificado. As faltas dos alunos às atividades implicam perda de pontos e sanções disciplinares nos casos não justificados. Para cada trabalho que o aluno não compareça ou aula que não assista integralmente, corresponderá perda de 01 (um) ponto, quer seja justificada ou não. A justificativa da falta libera o aluno das sanções disciplinares devidas, mas os pontos perdidos continuam lhe sendo atribuídos. O aluno que faltar a um dia de aula, perderá um ponto por aula. Cada tempo de aula ou de sessão tem a duração de 45 (quarenta e cinco) minutos. O limite máximo de faltas corresponde a 25% (vinte e cinco por cento), da carga horária.

16 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 16) Ultrapassando este limite, o aluno será excluído do Corpo Discente do Colégio. A quantidade de pontos perdidos pelo aluno será divulgada, mensalmente, pelo Corpo de Alunos. O CMS informará ao Conselho Tutelar, ao Juizado da Infância e da Adolescência e ao representante do Ministério Público quando o aluno atingir quantidade acima de 12,5% de faltas constantes da grade curricular. O Cmt Cia Al deverá orientar o monitor a retirar a falta da sua turma. Caso haja falta, o monitor deverá entrar em contato com o responsável, informando a falta. Para isso, cada monitor deverá ter um livro registro de ligações para documentar o dia, a hora e a pessoa que recebeu a informação. 5.5 Atrasos A pontualidade é questão de disciplina pessoal e respeito aos compromissos. Os casos especiais que impliquem atraso ou falta às aulas devem ser encaminhados pelos responsáveis ao Corpo de Alunos, por intermédio da respectiva Companhia de Alunos. Os alunos que chegarem ao colégio atrasados estarão sujeitos às sanções disciplinares previstas. Nas atividades em sala, haverá tolerância de 5 minutos de atraso, passado este período perderá o ponto relativo à atividade. Decorridos 10 minutos do início da atividade, o aluno será encaminhado para a seção Psicopedagógica para as orientações cabíveis. O atraso de até 5 minutos, desde que justificado, é tolerado e não acarreta perda de pontos e sanção disciplinar. 5.6 Saídas Antecipadas Somente serão permitidas saídas antecipadas com a presença dos responsáveis ou com solicitação escrita ou por telefone destes. As Companhias de Alunos emitirão papeletas de autorização que deverão ser entregues pelos alunos ao pessoal de serviço nos portões do colégio para atestar a permissão para saída fora do horário previsto. As saídas antecipadas só devem ocorrer devido a sérias motivações de ordem médica ou familiar. 5.7 Faltas e Atestados No caso de o estudante estar impossibilitado de comparecer às aulas, é necessário que o responsável entre em contato com a respectiva Companhia de Alunos, se possível, com antecedência. Em último caso, no mesmo dia da falta. No caso de apresentação de justificativas de faltas, estas devem ser providenciadas pelos responsáveis e apresentadas nas Companhias de Alunos. Para dispensa das aulas de Educação Física e outras atividades por motivos médicos, deve ser

17 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 17) providenciado um atestado junto ao médico que realizou o atendimento, que deverá ser levado pelo aluno para homologação junto à Seção de Saúde. O aluno dispensado deverá acompanhar a atividade física de sua modalidade com o uniforme de educação física e sua presença será notificada. O aluno sem dispensa da Educação Física, que não apresente momentaneamente condições de executá-la e não seja caso de dispensa médica, realizará uma atividade alternativa a ser promovida pela Seção de Treinamento Físico. O prazo de entrega das justificativas de faltas ao colégio e/ou às atividades físicas é de até 72 (setenta e duas) horas após a ocorrência da falta. 5.8 Atribuições do Chefe e Subchefe de Turma Missões do Chefe de Turma - S er o primeiro aluno a chegar ao local de formatura, colocando a turma em forma, por própria iniciativa, nos horários previstos ou determinados e fazendo a chamada para apurar as faltas, cuidando para que isso não implique atraso na apresentação da turma. - Apresentar a turma de aula para o professor, instrutor ou monitor no início de cada aula ou instrução militar, devendo dizer: Al Fulano, chefe da turma.., apresento a turma com (ou sem) faltas. - Apurar as faltas verificadas na turma por ocasião de aulas ou formaturas. - Retransmitir ordens gerais aos alunos da turma, zelando pelo seu cumprimento no que for de sua responsabilidade. - Não permitir que sejam conduzidos para as salas de aulas objetos desnecessários. - Cumprir prescrições particulares dos professores, relativas às aulas ou matérias. - Quando solicitado pelo Professor, alertá-lo sobre a aproximação do término da aula. - Diariamente, por ocasião das vistorias obrigatórias realizadas pelos monitores nas salas de aulas de suas turmas, apresentar o responsável ou responsáveis por danos ocorridos no material da sala de aula, como carteiras, cestos, vidros e outros na própria sala de aula. - Dar conhecimento das presentes normas ao Subchefe de Turma, a quem cabe substituí-lo nas eventualidades. - Manter a disciplina na ausência do professor, instrutor ou monitor. Assinalar, na Ficha de Observações, os alunos que se atrasarem para as aulas, instruções ou formaturas. - No caso de aluno retirado de sala, lançar na ficha de observações e solicitar ao professor, ao término de aula, que escreva o motivo no verso da ficha datando e assinando.

18 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 18) - Exigir, durante as formaturas, a mais perfeita correção de atitudes. - Apresentar a turma ao Sgt monitor, comunicando-lhe as faltas e informando-lhe, se possível, os motivos. - Em caso de deslocamento da turma, fazê-lo sempre em forma, passo sem cadência, atentando para todos os detalhes aprendidos na Ordem Unida. Procurar constituir-se sempre em exemplo aos seus camaradas, enquadrando-se nas normas e regulamentos do Colégio Militar, sem descuidar dos elevados princípios de educação e moral. Manter as salas limpas e arrumadas, devendo ter como auxiliar nesse encargo o subchefe de turma Missões do Subchefe de Turma - Substituir o Chefe de Turma na sua ausência, para o que deverá inteirar-se das atribuições normais do cargo. - Zelar pela manutenção da limpeza e conservação da sala de aula, fiscalizando-a no final do turno. - Manter sempre adequada a disposição das carteiras. - Acionar os alunos para que se dirijam ao local de formatura matinal logo que tenham deixado o material na sala de aula. - Entregar aos monitores, diariamente, ao término das aulas, o material esquecido pelos alunos. - Entregar a papeleta de faltas, diariamente, ao Sgt monitor, cuidando para que todos os períodos tenham sido assinados pelo professor. - Ajudar o chefe de turma na apuração das faltas. 6. ATENDIMENTO MÉDICO O Colégio dispõe de uma Seção de Saúde com serviço médico-odontológico e de enfermagem que atende os alunos em casos de emergência (mal súbito e acidentes). Os alunos que forem atendidos, em razão de mal-estar (dores em geral, estados febris, etc), somente serão liberados com a presença do responsável, se for o caso, após contato telefônico realizado pela Companhia de Alunos. A direção do colégio julga ser de extrema importância que o aluno enfermo não se desloque desacompanhado do responsável legal.

19 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 19) Casos de consulta médica devem ser resolvidos pelos responsáveis com seus planos de saúde próprios. É importante manter atualizada a Ficha de Informações Médicas do Aluno, que é entregue no ato da matrícula. Os pais devem dar especial atenção às informações sobre alergias, medicação especial e outras particularidades de saúde do estudante, bem como informar sobre planos de saúde a que seus filhos estejam vinculados e contatos de emergência. Todos os alunos deverão ser aprovados nos exames médicos por ocasião da matrícula e serão submetidos a revisões nos anos subsequentes, a fim de serem acompanhados quanto à sua capacidade de executarem as exigências físicas do Colégio e atualizarem o prontuário médico com os dados necessários para casos de emergência. 7. ATIVIDADES ESPORTIVAS A Seção de Educação Física (Seção de Ensino E) oferece horários de treinamento específico em várias modalidades, visando à formação de equipes para a participação em competições externas. Há também as eletivas, que são oferecidas para os alunos do turno integral. As modalidades e horários são organizados e divulgados pela Seção de Educação Física de acordo com a disponibilidade de professores e locais para funcionamento. 8. TRABALHOS EM DOMICÍLIO E MATERIAL ESCOLAR Os exercícios, tarefas e deveres de casa são fundamentais como complementos do que acontece em sala de aula. Contribuem para a fixação da aprendizagem e permitem esclarecer dificuldades com o professor ou os colegas posteriormente. O estudo em casa deve ser acompanhado pela família que, com apoio e motivação, desempenha papel essencial no processo ensino-aprendizagem. É fundamental a orientação familiar na organização e no acompanhamento do tempo destinado ao estudo, bem como na execução dos trabalhos de pesquisa. O auxílio de familiares é bom no sentido da abertura de possibilidades, mas nunca pela realização dos trabalhos no lugar do aluno. O uso da Internet deve ser observado a fim de se evitar que o aluno simplesmente recorte e cole informações sem trabalhá-las de forma criteriosa e crítica. É indispensável que o estudante

20 (Manual do Aluno do Colégio Militar de Salvador... Fl 20) não se limite apenas a executar procedimentos mecânicos de copiar colar. A não realização de trabalhos domiciliares poderá implicar sanção disciplinar. Um problema ainda de difícil solução é o excesso de peso nas mochilas. Por isso, é importante que o responsável faça com que seu dependente leve somente o indispensável para cada dia de aula. 9. LIVRARIA, TRANSPORTE E CANTINA ESCOLAR 9.1 Livrarias e Material Escolar As listas de material e livros estarão à disposição dos pais e responsáveis no ato da matrícula. Serão divulgadas por meio da Ajudância do Corpo de Alunos, estando também disponível no site do CMS. O Colégio não tem compromisso com nenhuma livraria ou loja para material e uniforme escolar, ficando a critério da família a compra no estabelecimento de sua preferência. Vale ressaltar, no entanto, que a APM (Associação de Pais e Mestres) terá os livros para venda direta, pelo preço da editora, aos pais que optarem por serem associados. 9.2 Transporte Escolar O Colégio não possui transporte próprio para seus alunos nem possui convênio com empresas, portanto, não indica e nem se responsabiliza pelos transportes escolares de terceiros, contratados pelos responsáveis. Com o intuito de facilitar o dia a dia dos responsáveis, o Colégio tem permitido que algumas empresas divulguem seus serviços por ocasião da matrícula. Entretanto, os responsáveis devem atentar criteriosamente para itens de segurança, cuidados e trato com as crianças no interior do transporte escolhido, bem como se a viatura tem autorização para transportar crianças, se foi realizada vistoria junto ao DETRAN e se está com a documentação em dia. 9.3 Cantina Escolar Os serviços das cantinas são terceirizados, sendo prestados por empresas de confiança, cujos proprietários se colocam à disposição e estão abertos às sugestões das famílias, principalmente em relação ao atendimento às crianças do Ensino Fundamental. O Colégio sugere que as famílias orientem seus filhos, sobretudo os menores, quanto à qualidade e aos benefícios para a saúde na escolha dos alimentos consumidos. O consumo excessivo de doces, balas e refrigerantes é sabidamente prejudicial. Qualquer sugestão, crítica ou ocorrência no que tange aos serviços deverá ser comunicada

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12. Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br M I S S Ã O O Colégio São Francisco Xavier, da Rede Jesuíta de Educação, tem como

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO

PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO São Paulo, 26 de novembro de 2014. PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO O Colégio Santa Maria acredita que responsabilidade social e liberdade se aprendem e se exercitam na interação

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 18 de junho de 2015, Processo 016/2015

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO FUNDAÇÃO OSORIO. Fundação Osorio - Formando hoje o cidadão do amanhã

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO FUNDAÇÃO OSORIO. Fundação Osorio - Formando hoje o cidadão do amanhã MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO FUNDAÇÃO OSORIO Fundação Osorio - Formando hoje o cidadão do amanhã Senhores Pais / Responsáveis, A Educação na Fundação Osorio tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS AVANÇADO SÃO JOÃO DEL-REI MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Técnico em Informática APRESENTAÇÃO O objetivo do presente

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar o Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantenedora Faculdade Cenecista de Sinop Facenop/FASIPE Mantida REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO SINOP / MATO GROSSO 2014

Leia mais

REGULAMENTO DE UNIFORMES

REGULAMENTO DE UNIFORMES POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS ANEXO III REGULAMENTO DE UNIFORMES TÍTULO I Generalidades Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 094/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 16/12/2010. Éder Rodrigo Gimenes Secretário Aprova Regulamento do componente

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008.

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL CENTRO UNIVERSITÁRIO PAULISTANO UniPaulistana Departamento de Pedagogia MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL PEDAGOGIA GESTÃO EDUCACIONAL São Paulo 2008 R. Madre Cabrini, 38 Vila Mariana

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESCOLAR E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Capítulo I Das disposições preliminares

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESCOLAR E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Capítulo I Das disposições preliminares DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESCOLAR E ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO 02 / 2012. DEEAS Regula o uso de uniformes do Colégio Tiradentes da Policial Militar de Minas Gerais. Capítulo I Das disposições preliminares

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CRITÉRIOS E NORMAS A Coordenadora Institucional do Programa Institucional de

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO PRAÇA DAS PROFISSÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO PRAÇA DAS PROFISSÕES Edital Praça das Nº 1-2015 Seleção de Bolsistas e Voluntários -2016 Aos estudantes dos Cursos de Graduação da UFCG: A Unidade Suplementar Praça das, desta Universidade, nos termos das disposições normativas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO. Das Definições e Finalidades

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO. Das Definições e Finalidades CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO Das Definições e Finalidades Art. 1º. O Programa de Bolsa de Trabalho do Centro Federal

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011.

RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011. RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011. Revoga a Resolução CEPEX 003/2010 e aprova o Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação da Universidade Estadual do Piauí

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO NORMAS SOBRE O REGIME DIDÁTICO DAS VERIFICAÇÕES DAS NOTAS

FACULDADE DE DIREITO NORMAS SOBRE O REGIME DIDÁTICO DAS VERIFICAÇÕES DAS NOTAS NORMAS SOBRE O REGIME DIDÁTICO DAS VERIFICAÇÕES DAS NOTAS Art.1º A avaliação do aproveitamento dos alunos será feita por disciplina, abrangendo, além da assiduidade, provas de verificação de conhecimentos.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA Capítulo I Definições e Finalidade Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência:

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência: SUMÁRIO Apresentação... 5 O Locus da Prática Profissional...6 Fundamentação Legal... 7 Objetivos... 8 Planejamento... 9 Competência: Da Coordenação Geral de Estágios do Curso... 10 Do Supervisor/Preceptor

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Subcomando Geral - Nº 012-12 de agosto de 2003 LEGISLAÇÃO JURISPRUDÊNCIA E NORMAS GERAIS LJNG

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Subcomando Geral - Nº 012-12 de agosto de 2003 LEGISLAÇÃO JURISPRUDÊNCIA E NORMAS GERAIS LJNG POLÍCIA MILITAR DA BAHIA Subcomando Geral - Nº 012-12 de agosto de 2003 LEGISLAÇÃO JURISPRUDÊNCIA E NORMAS GERAIS LJNG SUMÁRIO SUPLEMENTO LJNG N.º 012 06 DE AGOSTO DE 2003 QUARTA - FEIRA 1 - PORTARIA N.º

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

RESOLUÇÃO FAMES 09/2010

RESOLUÇÃO FAMES 09/2010 Dispõe sobre as formas de ingresso e sobre o Processo Seletivo para admissão de alunos nos cursos de graduação, na Faculdade de Música do Espírito Santo Maurício de Oliveira. RESOLUÇÃO FAMES 09/2010 O

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos:

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: REGULAMENTO I DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: I incentivar a aderência ao Programa de indivíduos que atendam aos requisitos exigidos neste

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSAC 003/2012

RESOLUÇÃO CONSAC 003/2012 Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães, 222 Ponto Central CEP 44.032-620 RESOLUÇÃO

Leia mais

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL N 15 2016 PROCESSO SELETIVO 2016.1 A Diretora Geral do Instituto Florence de Ensino Superior, no uso de suas atribuições regimentais, torna

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM Belo Horizonte 2013 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 FINALIDADE... 3 3 DEVERES DO COORDENADOR EM RELAÇÃO AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 4 DEVERES

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

PORTARIA UNIVESP PR nº 14/2015, de 25 de março de 2015

PORTARIA UNIVESP PR nº 14/2015, de 25 de março de 2015 PORTARIA UNIVESP PR nº 14/2015, de 25 de março de 2015 Estabelece normas para concessão de bolsas no âmbito da Modalidade 1 Treinamento Técnico, para ingresso no 1 o semestre de 2015, cria cadastro de

Leia mais

RESOLUÇÃO N 92/13 CEPE

RESOLUÇÃO N 92/13 CEPE RESOLUÇÃO N 92/13 CEPE Aprova normas de dispensa de Disciplinas, de Equivalência de Disciplinas, de Exames de Adiantamento e Aproveitamento de Conhecimento nos cursos de graduação da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade

Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade Edital Processo Seletivo Programa Formare Aprendiz Santos Brasil 2016 1 Edital Processo Seletivo Programa Formare

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade estatuir a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), do Curso

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º- O presente Regulamento destina-se a fixar diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU Título I Do objeto Art. 1º. A Agência Experimental é um laboratório vinculado ao Curso de Comunicação Social - com habilitação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE GUAIRACÁ CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINS

REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE GUAIRACÁ CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINS REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE GUAIRACÁ CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINS Este regulamento serve como instrumento informativo e orientador

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE Regulamento do Programa de Monitoria Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Orientações 2012 1. HORÁRIO DE INÍCIO E TÉRMINO DAS AULAS

Orientações 2012 1. HORÁRIO DE INÍCIO E TÉRMINO DAS AULAS COLÉGIO CAETANO CAPRÍCIO Rua Manoel Valim, 639 - Vila Aparecida CEP 14401-255 Franca /SP Telefone: (16) 3724-2999 www.caetanocapricio.com.br caetanocapricio@caetanocapricio.com.br Orientações 2012 Nossa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 01 DE 12 DE AGOSTO DE 2015 EMENTA: Estabelece critérios para a operacionalização da Monitoria Voluntária, com vistas ao ano

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II Santa Maria, RS, Brasil 2015 Conforme Processo Nº 253/2015, aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE IBITURUNA FASI DIRETORIA DE EXTENSÃO

FACULDADE DE SAÚDE IBITURUNA FASI DIRETORIA DE EXTENSÃO FACULDADE DE SAÚDE IBITURUNA FASI DIRETORIA DE EXTENSÃO EDITAL PARA SELEÇÃO DE MONITORIA ACADÊMICA 05/23 A Diretoria de Extensão e a Coordenação do Curso de Graduação em Farmácia, no uso de suas atribuições

Leia mais

Norma para utilização das bolsas de monitoria PIB no Centro Universitário Norte do Espírito Santo CEUNES/UFES

Norma para utilização das bolsas de monitoria PIB no Centro Universitário Norte do Espírito Santo CEUNES/UFES 1 Norma para utilização das bolsas de monitoria PIB no Centro Universitário Norte do Espírito Santo CEUNES/UFES 1. BREVE HISTÓRICO O PIB Programa Integrado de Bolsas de monitoria é regulamentado pelo Conselho

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais