GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA INDÚSTRIA CANAVIEIRA NO SETOR DE FEREMENTAÇÃO E DESTILAÇÃO RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA INDÚSTRIA CANAVIEIRA NO SETOR DE FEREMENTAÇÃO E DESTILAÇÃO RESUMO"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA INDÚSTRIA CANAVIEIRA NO SETOR DE FEREMENTAÇÃO E DESTILAÇÃO Diego Pinheiro Fatarelli Ariane Comparetti Silva Amanda Comparetti Silva Prof. M.Sc. Olayr Modesto Junior RESUMO A água é um recurso natural infinito, porém, a parcela de água que pode ser utilizada pelo homem esta cada vez mais escassa. Os efeitos climáticos e a poluição dificultam cada vez mais o seu uso. Entende-se que a melhor forma de preservar os recursos hídricos e diminuir a geração de efluentes é através do gerenciamento dos recursos hídricos disponíveis. Com as observações do processo, notou se que são tomadas ações a fim de economizar grande quantidade de água no setor de fermentação e destilação da indústria canavieira, principalmente as ações de reciclo de água com tratamento básico desta. As observações in locu forneceram conhecimentos sobre os processos o que possibilitou a visualização de pontos de reaproveitamento de água. Com referência a tudo que foi abordado, pode-se, por fim, concluir que o gerenciamento dos recursos hídricos é indispensável para a preservação dos mananciais, através dele haverá menor captação de água e consequentemente menor geração de efluentes. Palavras chave: Química ambiental. Gerenciamento de recursos hídricos. Indústria canavieira. Geração de efluentes. Captação de água. INTRODUÇÃO Por muito tempo se teve a água como um recurso natural renovável e inesgotável, hoje se percebe uma modificação nesse paradigma. A escassez de água em algumas regiões é reflexa de fatores climáticos, elevada concentrações populacionais e econômicas, poluição de mananciais, ocupação desordenada do solo, entre outros. Os recursos hídricos podem ser descritos como a parcela de água doce disponível e que pode ser utilizada para alimentação e realização de trabalhos pelo homem, a um custo acessível. Pode se dizer que o gerenciamento de recursos hídricos nada mais é do que adotar medidas a fim de se minimizar os impactos da ação do homem sobre estes recursos. O gerenciamento de recursos hídricos na indústria canavieira é necessário tanto para benefício da empresa quanto para população local. Administração adequada dos recursos hídricos utilizados no processo, bem como o aproveitamento dos rejeitos gerados, além de diminuir custos para a empresa também evita a poluição dos mananciais, sendo que estes geralmente também abastecem a população, sendo assim, com o gerenciamento dos recursos hídricos a contaminação das fontes de água será minimizada. 1/11

2 Através de referencial bibliográfico e de visitas para conhecimento de plantas industriais se demonstrou que a gestão ambiental consciente é primordial para que não acabe com a fonte da vida faunística, florística, flora e seres humanos de modo que a natureza sobreviva com o desenvolvimento industrial sustentável. Pensando dessa forma estabeleceram-se como objetivos para esse trabalho demonstrar o que é gerenciamento de recursos hídricos e como ele é feito na indústria canavieira nos setores de fermentação e destilação. Para tal buscou-se entre as usinas da região a que economizava mais água e através do conhecimento do processo de utilização dos recursos hídricos na planta industrial, foi possível a visualização de ponto onde podem ser desenvolvidas ações de reuso dos recursos. 1 GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA INDÚSTRIA Em todos os ramos da atividade industrial a água vem sendo reaproveitada através de projetos de reuso. Alguns desses projetos são simples, prevendo apenas o reciclo para reuso, e outros já mais elaborados, mais sofisticados, que envolvem tratamentos antes do reuso. Além dos apelos ambientais, outro fator que vem impulsionando esses projetos é o custo. Na região da grande São Paulo, por exemplo, o custo médio do metro cúbico de água é de oito reais, enquanto o custo das águas de reuso então em pouco mais de quatro reais em média, lembrando que esse valor pode variar devido ao custo e tipo de tratamento feito no efluente. As principais formas de reuso dentro da indústria são o uso de efluentes tratados nas torres de resfriamento, para a preparação e cura de concreto, compactação do solo, irrigação de áreas verdes, lavagens de pisos e peças, entre outros. O potencial para o reuso dentro da indústria e muito amplo. Tudo vai depender da qualidade e do tratamento que serão feitos no efluente. O custo de alguns projetos ainda é um problema, que certamente será superado com o desenvolvimento de novas tecnologias mais baratas. Porem na maioria das vezes os resultados mais expressivos são obtidos com medidas de combate ao desperdício e reuso em cascata de efluentes. (HESPANHOL, 2003) 2 METODOLOGIA DE CONSERVAÇÃO E USO DE ÁGUA NA INDÚSTRIA Para o uso racional da água na indústria, gerando condições para sua preservação, deve ser criada uma comissão capaz de avaliar e identificar os principais pontos onde há um potencial de economia e reaproveitamento de água. O que vai determinar o sucesso ou o fracasso do projeto dentro da indústria é o apoio da gerencia. As atividades podem ser desenvolvidas conforme o seguinte cronograma: levantamento hídrico; diagnostico hídrico; plano de racionalização; estudos de viabilidade técnica, ambiental e econômica; gestão e monitoramento. (MARTINS, 2006) A primeira parte para uma boa gestão da água é o levantamento hídrico. Está etapa consiste na coleta de todos os dados referentes ao sistema hídrico da empresa. Podem ser feitos levantamentos através das plantas, mais também deve ser feitos checagens de campo a fim de verificar se os dados do papel são o que realmente ocorre na prática. E nessa hora, com o levantamento hídrico, que é feita uma primeira avaliação do uso e do custo da água na indústria. O levantamento de dados dentro de uma indústria nem sempre é uma tarefa fácil, pois a planta industrial é complexa. Uma setorização da indústria pode ajudar a identificar e monitorar 2/11

3 melhor os usos e as possíveis perdas de água. O sucesso da gestão e reaproveitamento dos recursos hídricos vai depender do correto levantamento e das interpretações dos dados. (HESPANHOL, 2004) O diagnóstico hídrico vai interpretar todos os dados coletados e fazer as considerações de onde estão os principais pontos consumidores de água e os pontos geradores de efluentes. Também nessa hora são identificados os pontos de desperdício, que na indústria geralmente são causados por desatenção ou falhas humanas. O não fechamento de torneiras é um exemplo disso. Nessa hora também são avaliados os efluentes a respeito de suas qualidades e possíveis reutilizações; conforme a qualidade de cada efluente ele pode ser reutilizado em determinadas fases do processo produtivo sem causar danos. (MARTINS, 2006) Fonte: MARTINS, 2006 Figura 1. Fluxograma do gerenciamento de água na indústria. O plano de racionalização da água envolve medidas de economia, e combate ao desperdício de água bem como planos de reutilização. Como e onde economizar ou reutilizar também são pontos para ser avaliados. Metas de consumo de água também são um fator interessante nessa hora. O reuso da água conforme sua qualidade e quantidade são as principais formas de racionalização da água. Esse reuso pode ocorrer de duas formas, reuso em cascata e reuso pós tratamento. O reuso em cascata é o reuso do efluente de um setor diretamente em outro. Esse reuso vai depender da quantidade e principalmente da qualidade do efluente. As características do efluente devem ser compatíveis com as necessidades do processo seguinte. O reuso pós tratamento ocorre quando o efluente é encaminhado para outro processo após tratamento total ou parcial para se adequar as características necessárias do processo seguinte. Na maioria dos casos um tratamento parcial já é o suficiente, como a correção do ph, por exemplo. Sempre deve se preferir o reuso em cascata ao reuso pós tratamento visto que este ultimo 3/11

4 sempre levara a geração de um resíduo do tratamento e também levara a um maior custo. As técnicas de reuso são as mais vantajosas dentro da indústria e somente depois de esgotadas todas as possibilidades de reuso é que serão adotados outros métodos. A readequação de processos e utilização de equipamentos que consomem menos água são exemplos que podem ser adotados, porem essas medidas muitas vezes envolve alto custo. Devem ser muito bem avaliados quais processos e quais equipamentos sofrerão interferência a fim de se verificar a viabilidade econômica do projeto. Todas essas medidas irão refletir numa rede hidráulica otimizada. (MARTINS, 2006) Em indústrias petroquímicas, por exemplo, são feitos programas de reuso de efluentes e águas do processo industrial. Varias são as formas de reaproveitamento. O reuso de água de purgas de sistemas de vapor é um exemplo. Fontes de reciclo como sistemas de refrigeração em sistemas fechado contribuem para a economia de água. Também para a indústria petroquímica fator importante é analisar a qualidade do efluente, para ver em qual processo ele pode se adequar com o menor custo possível. No que diz respeito a troca de equipamentos por aqueles que consomem menos água, na indústria petroquímica é um problema a parte. A maioria dos equipamentos tem um custo elevado o que dificulta essa troca. O desperdício e os vazamentos também são fatores que podem ser evitados. Os vazamentos são muitos comuns nesse tipo de indústria devido a grande quantidade de válvulas, retenções e flanges que há nas instalações hidráulicas. Alguns tratamentos também podem ser implementados para melhorar a qualidade da água a fim de melhorar sua qualidade possibilitando o reuso em outros processos. Porem, quando tratamentos desse tipo são feitos são gerados resíduos sólidos que devem ser descartados de forma correta. Outros fatores importantes que são notados com o reaproveitamento dos recursos hídricos são a minimização do descarte de efluentes e diminuição da captação de água, que vai gerar um menor custo operacional e uma melhor qualidade do meio ambiente local. (MUSTAFÁ, 1998) O estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental fornece as bases para se decidirem quais serão as medidas tomadas com base nos dados coletados no processo. É através desses estudos que será feito um planejamento da implantação do projeto de reutilização dos recursos hídricos. Além dos aspectos técnicos e econômicos os benefícios sociais também devem ser levados em conta. (HESPANHOL, 2004) A gestão e o monitoramento do projeto devem ser continua a fim de garantir a eficiência. Palestras e treinamentos para a conscientização devem ser permanentes a fim de promover o uso consciente e evitar o desperdício. O diagnostico hídrico também deve ser constantemente renovado a fim de se verificar novas oportunidades de reuso e readequação de processos de reuso que já eram utilizados. O fluxograma mostrado na figura 1 demonstra as medidas que podem ser tomadas para otimização, gerenciamento e reutilização da água nas indústrias conforme tudo que foi descrito anteriormente. (MARTINS, 2006) 3 GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NO SETOR DE FERMENTAÇÃO E DESTILAÇÃO A indústria canavieira vem buscando um aperfeiçoamento nos seus processos a fim de gerar meios para a implantação de um programa de gestão 4/11

5 ambiental e se enquadrar nas exigências do mercado interno e externo. Isto está sendo implantado com a aquisição de novos equipamentos e implantação de procedimentos viáveis para a utilização mínima de água e redução de efluentes. (HESPANHOL, 2006) O consumo da água na produção de etanol se tornou alarmante visto que alguns fatores passaram a ser preocupantes como a redução de reservas naturais, a exigência de órgãos públicos e organizações não governamentais (ONGs) pela conservação ambiental, a exigência de licenciamentos ambientais entre outros. (CARMO, 2008) Como decorrência do crescimento do setor sucroalcooleiro no estado de São Paulo, este já representa 12 % da utilização de todo recurso hídrico disponível. Para o gerenciamento dos recursos hídricos, aplica-se uma utilização racional e um reuso adequado, isto é imprescindível pelo fato da água ser um recurso finito, que expressa uma preocupação para que não se torne escassa, consolidando a indústria sucroalcooleira como inovadora e sustentável. (HESPANHOL, 2006) O gerenciamento de recursos hídricos na indústria canavieira inicia-se com analise de vários aspectos como levantamento de dados em campo; identificação de opções de otimização do uso e reuso da água, aproveitamento de águas pluviais e recarga de aquíferos. Com todas essas informações é possível reduzir o consumo de água e aperfeiçoar o processo, gerando uma produção de etanol mais econômica tanto para a indústria quanto ao meio ambiente. (CARMO, 2008) A partir da identificação de perdas físicas e desperdícios, através de monitoramento, dos processos em cada setor e subsequente comparação de consumo de água com e sem essas perdas a empresa viabilizará substituições ou manutenção de equipamentos que não estão operando com a eficácia desejada, gerando ônus desnecessário para a empresa. Ao final dessa análise algumas ideias se tornarão soluções para os indicadores negativos em relação ao consumo de água na produção de etanol. (HESPANHOL, 2006) 4 SETOR DE FERMENTAÇÃO A fermentação é o processo mais delicado dentro de uma usina de açúcar e álcool, pois é realizado por microrganismos, fungos do tipo leveduras, que inspiram uma serie de cuidados para que não morram ou percam produtividade. A função básica da levedura é quebrar a sacarose em glicose e frutose e em seguida promover a transformação em dióxido de carbono e etanol. Para que essa reação seja efetuada a sacarose é fornecida para levedura através do mosto. O mosto é uma mistura de água, caldo de cana, méis e outros produtos que fornecem o alimento e condições de vida para as leveduras. O mosto deve ter seu teor de sacarose controlado para não produzir no meio reacional uma alta dosagem de álcool, o qual é tóxico é poderá causar a morte das leveduras, por outro lado um teor baixo de sacarose ira provocar um alto custo de destilação. Quando a unidade faz a opção pelo uso de caldo para formação do mosto deve se ter um controle no tratamento, para que o caldo chegue o mais limpo possível a fermentação para evitar contaminações do ambiente da levedura e possíveis infecções. Esse problema é menor quando se trabalha com um mosto de mel, pelo fato do mel já ter passado por um processo de cozimento que elimina possíveis fontes de infecção. A diluição do mosto é feita com água quente, fato que facilita esse processo. Após essa diluição o mosto é resfriado a uma temperatura 5/11

6 inferior a 30ºC, para beneficiar a proliferação das leveduras. Para o processo de fermentação continua, como é apresentado, após o mosto pronto ele será enviado para a primeira dorna de fermentação juntamente com o fermento que foi previamente tratado. Nesse momento deve-se encontrar a relação exata entre o fermento tratado e o mosto. Esse equilíbrio é medido pelo brix do vinho levedurado da dorna. Em valores acima de 12 já há um excesso de alimento que pode provocar uma floculação da fermentação pelo fato de stress. Os valores mais indicados estão em torno de 10 a 11 graus brix. Valores inferiores a estes já implicam em perdas no processo. Figura 2. Fluxograma do processo de fermentação. Na continuidade do processo, o vinho levedurado e levado de uma dorna para outra chegando a ultima dorna fermentativa, durante este trajeto a levedura vai consumindo a sacarose e produzindo etanol. Esse também é um importante ponto de medição, pois aí se verifica o quanto de sacarose sobrou. O interessante é que esse valor não se mostre zerado, o que indicaria uma falta de alimento, e também não se mostre muito alto o que indica fermentação incompleta. 6/11

7 Durante todas as passagens entre as dornas, o vinho fermentado é resfriado para que a temperatura não exceda 35 ºC o que tornaria o ambiente desfavorável à levedura. Também durante todo o processo, o dióxido de carbono gerado é retirado das dornas e enviado para a coluna de recuperação. Essa recuperação é importante porque junto com o dióxido de carbono evapora etanol que é recuperado nessa lavagem. Esse etanol recuperado é enviado para a dorna volante para ser destilado. (ANA, 2009) No final do processo fermentativo se obtém o vinho levedurado, o ideal é que a sacarose da dorna esteja quase zerada e o teor de etanol em torno de 9,5 a 10 ºGL (Graus Gay Lussac, porcentagem em volume de etanol em água). Esse vinho em seguida é enviado para as centrifugas de levedo. Lá o vinho é separado do fermento e é enviado para dorna volante onde fica aguardando para ser destilado. (ANA, 2009) Da centrifuga de separação o fermento sai concentrado, então passa por uma diluição e um tratamento com acido sulfúrico, para baixar o ph em torno de 2 a 2,5, que é uma faixa onde a levedura não chega a ser afetada, porem, há uma destruição de microrganismos que causam as infecções. Nesse momento também ocorre um período onde o fermento já tratado descansa numa cuba onde recebe nutriente antes de voltar às dornas de fermentação para novo ciclo de trabalho. 5 ÁGUA NO PROCESSO DE FERMENTAÇÃO O setor de fermentação é um setor que somente consome água na indústria, não ha nenhum ponto de recuperação de água. Há quatro processos de utilização de água no setor de fermentação, diluição do mosto, diluição do fermento, lavagem de gases e refrigeração de mosto e dornas. A água para diluição do mosto inspira cuidados especiais, visto que essa água entrara e contato com o fermento tratado. Normalmente é utilizada água condensada quente, em torno de 80ºC, o que facilita a dissolução do mel no brix desejado. Essa água não deve conter impurezas, o que pode causar entupimento de trocadores de calor e também pode trazer infecções para fermentação. Apos diluído o mel e formado o mosto este ainda esta quente, e passa por um trocador de calor para ser resfriado. A água para diluição do fermento deve ser uma água em temperatura ambiente e deve ser tratada para se evitar contaminações da fermentação. Poderia se resfriar água condensada para essa utilização, a água condensada tem vantagens por ter uma probabilidade nula de trazer infecções, ou seja, é uma água de boa qualidade, não requer tratamento. O ponto principal para implantação desse sistema é compatibilizar o custo de tratamento convencional, com o custo de resfriamento da água condensada. A água de lavagem dos gases das dornas de fermentação não é uma água que inspira muitos cuidados, visto que ela só é utilizada para retirar o etanol que é arrastado com o gás carbônico. Pode-se usar água tratada ou ate mesmo água bruta, pois essa água será enviada a dorna volante e será destilada em seguida. O maior volume de água é utilizado para refrigeração do mosto e das dornas, porem, é utilizado em forma de reciclo. Esta água passa por trocadores de calor com o vinho fermentado e com o mosto e em seguida vai para as torres de refrigeração. La esta água perde calor para o ambiente e em seguida é bombeada novamente para os trocadores de calor. Deve-se fazer um controle sobre essa água quanto à presença 7/11

8 de algas. As algas formam placas na torre de refrigeração o que diminui a troca de calor com o ambiente. Outro problema das algas é que podem provocar entupimento dos trocadores de calor caso sejam sugadas pelas bombas. 6 SETOR DE DESTILAÇÃO DO ETANOL Apos todo o processo fermentativo e separação da levedura do vinho, este fica estocado numa dorna volante aguardando para ser destilado. A dorna volante atua de forma a manter ininterrupto o processo de destilação. A vazão de vinho pode oscilar, devido a sujeira nas centrifugas de levedo, paradas para manutenção, parada para limpeza. Desta forma a dorna volante trabalha de forma que não falte vinho e os destiladores precisem ser desligados. Quando sai da dorna volante a vinho passa por trocadores de calor, onde troca calor com a vinhaça. Essa troca aquece o vinho melhorando a eficiência da coluna de destilação que é onde o vinho vai entrar. O vinho entra por uma parte intermediária da coluna e o vapor na parte inferior, enquanto o vinho vai descendo o vapor vai subindo e aquecendo o vinho ainda mais e evaporando o etanol. Figura 3. Fluxograma do processo de destilação. 8/11

9 O etanol sai pela parte superior da coluna e na parte inferior, próximo à entrada de vapor, sai o resíduo da destilação, que é denominado vinhaça. Essa vinhaça por ser rica em potássio, após resfriada, é enviada para lavoura para realização da fertirrigação. O etanol que sai pelo topo da coluna ainda ira passar por condensadores, e em seguida ira para outra coluna de destilação, chamada coluna de retificação, deixando ele nos padrões de mercado. Na parte inferior dessa coluna se tem outro resíduo, que é chamado flegmassa. Ha dois tipos de coluna de destilação, uma que reaproveita essa flegmassa, juntando-a com o vinho na primeira coluna, o que elimina perdas, mais gera um refluxo muito alto, e outra coluna que despreza essa flegmassa junto com a vinhaça, o que proporciona um melhor rendimento da coluna, porem gera perdas maiores de etanol. O etanol que sai na parte superior da coluna de retificação ainda passará por condensadores novamente e por mais uma coluna de reciclo. Apos esse processo o etanol passa por um trocador de calor para chegar à temperatura ambiente e então é colocado em pequenos tanques de medição, dali é bombeado para os tanques de armazenagem. 7 ÁGUA NO SETOR DE DESTILAÇÃO No caso do setor de destilação, a água é usada para um único caso, o de resfriamento e condensação dos vapores de etanol produzido. Trata-se da troca de calor entre a água e o etanol durante o processo e no final dele, antes do etanol ser armazenado. A troca é feita em condensadores verticais ou horizontais, onde o etanol passa por uma casca cilíndrica de aço inox, e a água passa por tubos que ficam dentro dessa casca. A quantidade de água vai depender do tipo de etanol, para o etanol hidratado varia de 50 a 70 litros de água por litro de etanol produzido, no etanol anidro vai de 80 a 100 litros de água por litro de etanol produzido. (ANA, 2009) Como essa água é utilizada em forma cíclica a temperatura dela não chega à temperatura ambiente, se mantém sempre um pouco a cima, isso faz com que tenha que ser usado um volume ainda maior de água. Esta água se não for monitorada pode trazer alguns prejuízos. Se não houver um acompanhamento do ph, para mantê-lo em torno de 7 a 8, podem ocorrer corrosões de tubulações. Também deve ser feito um controle sobre as algas que podem causar incrustações e diminuir o efeito de troca de calor da água do sistema. Deve ser feito um monitoramento sobre a limpeza tanto das torres de resfriamento quanto dos trocadores de calor, quaisquer impurezas nesses equipamentos prejudica a eficiência do sistema. CONCLUSÃO Após este estudo sobre gerenciamento de recursos hídricos, pode-se concluir que embora a indústria canavieira consuma grandes quantidades de água nos processos de fermentação e destilação, ela esta ciente de que deve buscar meios para minimizar seus impactos no ambiente, se quiser tem esse recurso natural em quantidade e qualidade por muito tempo para seu uso. O que este tipo de indústria esta fazendo, e que é primordial, é que sejam feitos circuitos fechados de água, somente com esse tipo de trabalho é que se consegue a redução da captação, porém, foi visto também que para os circuitos fechados funcionarem bem, devem-se 9/11

10 realizar tratamentos na água a cada reciclo para impedir o acumulo de impurezas. Também no caso das águas utilizadas para resfriamento deve-se fazer um tratamento da água para que possa voltar ao processo. Verificou, também, que a água utilizada em um dado processo tem sua característica própria que possibilita ou não seu uso em outro setor, como é o caso dos condensados dos pré-evaporadores que podem ser utilizados, pelas suas características, no abastecimento das caldeiras. Com referência a tudo que foi abordado, pode-se, por fim, concluir que o gerenciamento dos recursos hídricos é indispensável para a preservação dos mananciais, através dele haverá menor captação de água e menor geração de efluentes. REFERÊNCIAS ANA Agência Nacional de Águas. Manual de conservação e reuso da água na agroindústria sucroenergética. Brasília: ANA, CARMO, Vadson Bastos do. Uso da água na produção de etanol de cana-deaçúcar: fase industrial. In: Workshop: Projeto Programa de Pesquisa em Políticas Públicas. Anais eletrônicos... UNICAMP Disponível em: <http://www.apta.sp.gov.br/cana/anexos/position_paper_painel3_vadson.pdf dedine 2008>. Acesso em: 15 mar HESPANHOL, Ivanildo (Coord.) Manual de conservação e reuso de água na indústria. Rio de Janeiro: DIM, Disponível em: <http://www.siamfesp.org.br/novo/downloads/cartilha_reuso.pdf>. Acesso em: 03 set HESPANHOL, Ivanildo. Potencial de reuso de água no Brasil: agricultura, indústria, municípios, recarga de aquíferos. BAHIA ANÁLISE & DADOS Salvador, v. 13, n. ESPECIAL, p , Disponível em: <http://www.hidro.ufcg.edu.br/twiki/pub/chuvanet/chuvatrabalhospublicados/poten cialdereusodeguanobrasilagriculturaindstriamunicpiosrecargadeaqferos.pdf> Acesso em: 10 jun MARTINS, M. V. L.; ASTORGA, O. A. M.; SIKLVEIRA, J. L. Conservação de água na indústria. Ciências exatas. N 1. Vol. 12. P Disponível em: <http://periodicos.unitau.br/ojs-2.2/index.php/exatas/article/viewfile/378/471>. Acesso em: 10 jun MUSTAFÁ, George. Reutilização de efluentes líquidos em indústria petroquímica. Salvador, Bahia Brasil, junho de Disponível em: <http://www.teclim.ufba.br/site/material_online/dissertacoes/dis_george_de_s_musta fa.pdf> Acesso em: 10 jun /11

11 HESPANHOL, Ivanildo (Coord.) Manual de Conservação e Reuso de Água Para a Indústria. São Paulo, DIM Disponível em: <http://www.fiesp.com.br /publicacoes/pdf/ambiente/reuso.pdf> Acesso em: 03 jul /11

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim Fermentação 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010 Henrique Amorim SEDE FERMENTEC SEDE FERMENTEC Nossos Serviços CONSULTORIA (TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA) CURSOS E TREINAMENTOS

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP Optinal Industrial Fermentation Silvio Roberto Andrietta Plantas de produção de etanol Etapas Preparo da matéria prima Preparo da cana (abertura

Leia mais

Produção Integrada de Álcool Combustível em Sistema Cooperativo

Produção Integrada de Álcool Combustível em Sistema Cooperativo CAPÍTULO II Produção Integrada de Álcool Combustível em Sistema Cooperativo Juarez de Sousa e Silva Roberta Martins Nogueira Introdução Em 1975, o governo brasileiro estabeleceu o PRÓ-ALCOOL, um programa

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA i REDUÇÃO E REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA NO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ETANOL:

Leia mais

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos Descrição atualizada em junho/2014 www.piracicabaengenharia.com.br 1 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA

Leia mais

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015 Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão Maio /2015 A empresa produtora de aço Número um no mundo PERFIL Líder nos principais mercados, entre eles o de automóveis, construção, eletrodomésticos e embalagens.

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

USINA DE RESULTADOS. Redução do consumo de vapor x Cogeração. Saúde, segurança e meio ambiente na indústria. Reginaldo Carvalho

USINA DE RESULTADOS. Redução do consumo de vapor x Cogeração. Saúde, segurança e meio ambiente na indústria. Reginaldo Carvalho USINA DE RESULTADOS Redução do consumo de vapor x Cogeração Aproveitamento da água Saúde, segurança e meio ambiente na indústria Reginaldo Carvalho A LDCSEV - Números 2 A LDCSEV - Unidades 3 A LDCSEV -

Leia mais

5.1.2.6. Água para condensador barométrico do filtro rotativo

5.1.2.6. Água para condensador barométrico do filtro rotativo 5.1.2.6. Água para condensador barométrico do filtro rotativo Utiliza-se água, nesta seção, para a condensação dos vapores do filtro rotativo com vácuo e na coluna barométrica do condensador, selando o

Leia mais

Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências

Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências João Paulo Moretti Leandro Corazzini Rafael Pagan Stefan Camargo Wilson Domingues Resumo Este trabalho procura apresentar

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

Introdução. Efluentes. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias.

Introdução. Efluentes. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias. Introdução São comuns as aplicações industriais em que há presença de vapores, mudança de densidade e temperatura do processo,

Leia mais

Projeto: DESSALINIZAÇÃO À PARTIR DE DESTILADOR SOLAR

Projeto: DESSALINIZAÇÃO À PARTIR DE DESTILADOR SOLAR PRÊMIO JOVEM CIENTISTA Categoria: ESTUDANTE DO ENSINO MÉDIO Tema: TECNOLOGIAS PARA DESSALINIZAÇÃO DA ÁGUA Projeto: DESSALINIZAÇÃO À PARTIR DE DESTILADOR SOLAR Aluno: Breno de Mello Dal Bianco Professor

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS.

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. Dágon Manoel Ribeiro¹, Hânia Cardamoni Godoy 3, Gustavo

Leia mais

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN A ENGENHO NOVO, sempre atenta ao desenvolvimento de novas tecnologias para produção de etanol, pesquisou e desenvolveu um processo simples e eficiente

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica Trocadores de calor a placas A otimização da troca térmica Um amplo conhecimento para otimizar seus processos As atividades da Alfa Laval têm um único objetivo: oferecer a você cliente tecnologias que

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Scarllet O hara de Oliveira Moraes 1, Wellington da Silva Rodrigues 2, kelson Carvalho

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

COLETA E REUSO DE ÁGUA DO DRENO DO APARELHO DE AR CONDICIONADO PARA UM SISTEMA AUTOMATIZADO DE IRRIGAÇÃO

COLETA E REUSO DE ÁGUA DO DRENO DO APARELHO DE AR CONDICIONADO PARA UM SISTEMA AUTOMATIZADO DE IRRIGAÇÃO COLETA E REUSO DE ÁGUA DO DRENO DO APARELHO DE AR CONDICIONADO PARA UM SISTEMA AUTOMATIZADO DE IRRIGAÇÃO Michele Catherin Arend 1 ; Jefferson Krebs 2 ; Raphael Santana Amaral 3 RESUMO O artigo apresenta

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03. Palestra TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO. Carlos A.

UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03. Palestra TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO. Carlos A. Palestra UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03 TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO Carlos A. Tambellini TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚA ÇÚCAR Sulfitação ou

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Exemplos de projetos e políticas públicas Pegada ecológica Imagem: Jornal Bahianorte Evolução da Pegada Ecológica Imagem: miriamsalles.info Nosso padrão de produção Imagem:

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR Thatiane Rodrigues Mota 1 ; Dyoni Matias

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto Conger S.A. Equipamentos e Processos Departamento de Engenharia do Produto A Empresa 1962 2012 = 50 Anos Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Química/Petroquímica/Papel

Leia mais

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Carlos C. Silva, Humberto A. P. Silva, José Aquiles B. Grimoni O século passado

Leia mais

Palavras-Chave Indústria Sucro-Álcooleira, Demanda de água, Reuso.

Palavras-Chave Indústria Sucro-Álcooleira, Demanda de água, Reuso. DEMANDA DE ÁGUA NOS PROCESSOS INDÚSTRIAIS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL Torquato Jr, H. 1 ; Callado, N. H. 2 ; Pedrosa, V. A. 3 ; Pimentel, I. M. C. 4 ; Menezes, A. C. V. 5 ; Omena, S. P. F 6 Resumo Com a escassez

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

Soluções em Equipamentos Industriais

Soluções em Equipamentos Industriais Soluções em Equipamentos Industriais QUEM SOMOS Com atuação a nível nacional e internacional, a Jemp Equipamentos é a maior empresa brasileira na área de equipamentos industriais, acumulando uma experiência

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY Evandro Oliveira Araujo Bacharel em Química - UNISALESIANO Flávio Policarpo Bacharel em Química - UNISALESIANO Rodolfo Correia da Silva

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR.

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. Roberta Daniela da Silva Santos Universidade Federal do Vale do São Francisco,

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco. Garantia de eficiência do seu sistema

Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco. Garantia de eficiência do seu sistema Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco Garantia de eficiência do seu sistema O time que você quer ao seu lado Conheça a equipe A Spirax Sarco proporciona Conhecimento, Serviços e Produtos em todo o mundo

Leia mais

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA Carla Sautchúk 21/06/2011 1 Cenário da água PANORAMA DA ÁGUA NO BRASIL Detém 12% da água do mundo e 53% da água do continente sul americano; 90% dos recursos hídricos são utilizados

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico

Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico Matéria de Capa Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico Este sistema de tratamento de efluentes desenvolvido pela empresa constitui um passo importante rumo ao reuso não-potável de água, com baixos

Leia mais

REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA

REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA REÚSO DA ÁGUA REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA Resolução nº 54, de 28/11/05 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos -CNRH - Estabelece modalidades, diretrizes e critérios gerais para a prática de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Thatiane Rodrigues Mota 1 Dyoni Matias de Oliveira 2 ; Paulo Inada 3 Desenvolvimento

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar por refrigeração A importância do ar comprimido como um gerador de energia para os processos industriais modernos é largamente

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE REÚSO DE ÁGUA NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS E BEBIDAS

BOAS PRÁTICAS DE REÚSO DE ÁGUA NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS E BEBIDAS BOAS PRÁTICAS DE REÚSO DE ÁGUA NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS E BEBIDAS Os passos para implantar um programa de reúso de água em sua indústria com os cases que deram certo no setor ÍNDICE 03 Introdução 05 Benefícios

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos.

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos. REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS Gilsâmara Alves Conceição 1 João José Cerqueira Porto 2 1 Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica. Av. Cardeal da Silva, 132, Federação, 40210-630. Salvador-BA,

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA TÍTULO: SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE ALTA CARGA ORGANICA EM DUAS FASES (ANAEROBIO/AEROBIO) PARA A REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA EM PROCESSOS INDUSTRIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

Leia mais

Aproveitamento da energia da água de chillers

Aproveitamento da energia da água de chillers Aproveitamento da energia da água de chillers Gessen Souza Teixeira¹ Michel Brondani 2 Ademar Michels³ Flávio Dias Mayer 4 Ronaldo Hoffmann 5 Resumo: Apesar de grande parte da matriz energética brasileira

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

10ª Edição do Prêmio FIESP de Conservação e Reúso de Água. Uso Sustentável da Água na Indústria de Bebidas CRS BRANDS

10ª Edição do Prêmio FIESP de Conservação e Reúso de Água. Uso Sustentável da Água na Indústria de Bebidas CRS BRANDS 10ª Edição do Prêmio FIESP de Conservação e Reúso de Água Uso Sustentável da Água na Indústria de Bebidas CRS BRANDS 2015 1 Uso Sustentável da Água na Indústria de Bebidas CRS BRANDS Categoria: Roteiro

Leia mais

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation Körting para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation No mercado de hoje em dia, o sistema de vácuo ICE Condensation Körting faz sentido! Como todos

Leia mais

A sobrevivência a partir da inovação Prosugar S.A - Tecnologias inovadoras

A sobrevivência a partir da inovação Prosugar S.A - Tecnologias inovadoras A sobrevivência a partir da inovação Prosugar S.A - Tecnologias inovadoras 15º SBA Outubro 2014 TÓPICOS A ABORDAR A PROSUGAR COMO EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO ESTRUTURA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DAS

Leia mais

Tecnologia e tradição. Parceria imbatível

Tecnologia e tradição. Parceria imbatível Tecnologia e tradição Destilaria ZS Zanini Sermatec, instalada na Bioenergética Vale do Paracatu (Bevap) Capacidade: 1.000m3 por dia. Parceria imbatível Com o objetivo de oferecer ao mercado o que há de

Leia mais

Déficit hídrico e consumo de água para processamento da cana-deaçúcar: o caso da bacia do PCJ (UGRHI 5)*

Déficit hídrico e consumo de água para processamento da cana-deaçúcar: o caso da bacia do PCJ (UGRHI 5)* Déficit hídrico e consumo de água para processamento da cana-deaçúcar: o caso da bacia do PCJ (UGRHI 5)* Sérgio Alves Torquato 1 Katia Regina E. de Jesus 2 RESUMO A região de Piracicaba é tradicional produtora

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Sistema de Aproveitamento Térmico Dinâmico.

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Sistema de Aproveitamento Térmico Dinâmico. Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Sistema de Aproveitamento Térmico Dinâmico Áreas Mecânica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores

Leia mais

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO . . A SITUAÇÃO DA ÁGUA NO BRASIL. O Brasil detém 11,6% da água doce superficial do mundo. Os 70 % da água

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

O uso da termografia como ferramenta de análise de processos Industriais

O uso da termografia como ferramenta de análise de processos Industriais O uso da termografia como ferramenta de análise de processos Industriais Dagoberto José dos Santos (UNIMEP) djsantos@unimep.br Rubens Gedraite (UNIMEP) rgedrait@unimep.br Abstract: Este trabalho apresenta

Leia mais

Dimensionamento dos Transformadores

Dimensionamento dos Transformadores BEV.LAS.00..0 Data execução.0.0 Revisão 00 Dimensionamento dos Transformadores Localização: Geral Cliente: Aliança Engenheiros Associados S/S Ltda Projetista: CEA Av. de Maio,, andar, salas 0/0 Eng. Resp.:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Comunicado Técnico nº 5

Comunicado Técnico nº 5 Comunicado Técnico nº 5 O Uso do Vapor e das Caldeiras na Gestão da Umidade nas Algodoeiras Giancarlo Goldoni Jr. 1. O que é vapor? O vapor pode ser definido como um gás resultante da mudança de estado

Leia mais

Proposta de Indicadores para Avaliação do Desempenho Ambiental dos Processos Produtivos de Usinas Sucroenergéticas

Proposta de Indicadores para Avaliação do Desempenho Ambiental dos Processos Produtivos de Usinas Sucroenergéticas Proposta de Indicadores para Avaliação do Desempenho Ambiental dos Processos Produtivos de Usinas Sucroenergéticas REBELATO, M. G. a, MADALENO, L. L. b, RODRIGUES, A. M. c a. Universidade Estadual Paulista

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool

Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool Caso de Sucesso Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool Eng. Evaristo Orellana Alves Gerente de Produto - Divisão de Marketing - SMAR evaristo@smar.com.br

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

AQUECIMENTO SOLAR PISCINA RESIDENCIAL GRANDE PORTE CDT

AQUECIMENTO SOLAR PISCINA RESIDENCIAL GRANDE PORTE CDT CONHECENDO O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR CENTER SOL Componentes do Sistema de Aquecimento Reservatório de Água Fria: É o reservatório principal de água que possui uma ligação direta com o Reservatório

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

TANQUE DE PULVERIZAÇÃO ( SPRAY-POND ) OU TORRE DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA? Por: Engº Carlos von Wieser * Rev. 4 Agosto/2002 E Q U IP A M E N T O S

TANQUE DE PULVERIZAÇÃO ( SPRAY-POND ) OU TORRE DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA? Por: Engº Carlos von Wieser * Rev. 4 Agosto/2002 E Q U IP A M E N T O S E Q U IP A M E N T O S TANQUE DE PULVERIZAÇÃO ( SPRAY-POND ) OU TORRE DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA? Por: Engº Carlos von Wieser * Rev. 4 Agosto/2002 UMA ANÁLISE COMPARATIVA As características fisioquímicas

Leia mais

Uso Sustentável e Conservação de Água na Indústria de Bebidas AmBev Filial Jaguariúna

Uso Sustentável e Conservação de Água na Indústria de Bebidas AmBev Filial Jaguariúna Uso Sustentável e Conservação de Água na Indústria de Bebidas AmBev Filial Jaguariúna Miguel Borduque (1) Geólogo - cgmbo@ambev.com.br (12) 3954-3343 Fax + 55 (019) 3954 3286 Marcio Roberto Maran (2) Gerente

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

POTENCIAL E DESAFIOS

POTENCIAL E DESAFIOS IV Seminário Regional sobre os Usos Múltiplos M da Água e Gestão Integrada de Recursos HídricosH Seminários Regionais Tema: Uso da água na indústria e tratamento de águas residuárias rias REÚSO DE ÁGUA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Princípios de reúso de água na indústria Ministrante: Química Industrial Ana Elisa S. Caravetti Gerente de projetos especiais da Kurita do Brasil Contatos:

Leia mais