SOBRE AS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOBRE AS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE RESUMO"

Transcrição

1 1 SOBRE AS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE Solange Rubim de Pinho 1, Vicente Dunningham 2, Carla Pirajá Gonçalves 2, Tiara Rubim de Pinho Almeida 3, Francisco Magalhães 4, Wania Márcia de Aguiar 5, William Dunningham 6 Eu sustento que a finalidade da ciência é aliviar a miséria humana. Brecht RESUMO Este estudo propõe uma reflexão sobre o processo da institucionalização dos menores infratores que cumprem medidas socioeducativas no Brasil, acentuando a necessidade de estabelecer diretrizes mais promissoras e efetivas no seu tratamento. Além de registrar dados históricos das instituições brasileiras destinadas a acolher crianças e jovens transgressores, ele evidencia os instrumentos legais que definem os direitos fundamentais do cidadão, em especial o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o qual assegura a ambos proteção jurídica e social. O diagnóstico precoce e o encaminhamento adequado são requisitos fundamentais nos casos de infratores que apresentam distúrbios psiquiátricos, desde a sua chegada ao Ministério Público. Pôr em prática propostas educativas e profissionalizantes, bem como dar acesso ao mercado de trabalho, são metas a serem perseguidas para a reintegração dos menores em conflito com a lei na sociedade. Palavras-chave: Delinqüência juvenil; Psiquiatria forense. 1 Pós-graduanda em Medicina Interna da Fundação Bahiana para o Desenvolvimento da Ciência, psiquiatra, Professora de Psiquiatria da Infância e da Adolescência da Faculdade de Medicina da UFBa 2 Graduando(a) de Psicologia da Faculdade de Tecnologia e Ciências de Salvador Bahia; 3 Graduanda de Comunicação Social da Faculdade Jorge Amado Bahia; 4 Médico Psiquiatra; 5 Doutora em Psiquiatria, Professora de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da UFBa 6 Professor Doutor em Psiquiatria e Livre Docente da Faculdade de Medicina da Ufba, Professor de Psiquiatria Faculdade de Medicina da UFBa.

2 2 ABSTRACT The present research proposes a reflexion about the institutinalization process of the trangressor minors that are performing social-educative punishments in Brazil, emphasizing the necessity of establish a guideline more promising and effective in their treatment. Besides registering historical data of the Brazilian institutions toward to shelter transgressor children and youngsters, this research also make evident the legal instruments that define the basics citizens rights, ins especial the The Children and Adolescents Statute, that assures to both legal and social protection. The precocious diagnosis and the adequate direction are fundamental requirement in the case of transgressors that presents psychiatric disorders since their arrival at the Public Ministery. To put in practice educative and professionalizing proposals, as well as give access to the work market are the goal to be pursuited to the social reintegration of the minors in conflict with the law. Key-words: Juvenile Deliquency; Forensic Psychiatry. INTRODUÇÃO O presente estudo tem o objetivo de refletir sobre modelos para o atendimento ao menor infrator, trazendo uma discussão acerca das instituições responsáveis pela recuperação de crianças e adolescentes autores de atos anti-sociais. Em A questão da violência, Faleiros (1998) 1 reúne conceitos de violência e demonstra a complexidade desse fenômeno, estudado em diferentes áreas do conhecimento. Numa ampla abordagem de teorias psicossociais, econômicas e políticas, ele apresenta a concepção de que privatização gera desigualdade social, e esta desperta apreensão no cotidiano, deflagrando assaltos, seqüestros e assassinatos. Do ponto de vista político, o autor considera a violência como um efeito da colonização, caracterizada pelo poder do dominador sobre o dominado. Acredita que a ordem política se articula à econômica, comprometendo a vida das pessoas e grupos pela desigualdade econômica e ideológica. Acrescenta: o econômico, o cultural, o político, o social se entrecruzam dialeticamente na disputa pelo território, poder, [...] posse do outro, liberdade, pois a violência coloca todas essas questões em jogo na prática cotidiana.

3 3 Segundo o sociólogo Júlio Jacob Waiselfisz 2, a origem da violência está na concentração de renda: o problema é a pobreza dentro da riqueza. Jacob exemplifica dizendo que, nos Estados em que existe desigualdade, ainda que a escola seja garantida e a renda familiar alta, a taxa de crime é elevada. A Organização das Nações Unidas para Educação Ciência e Cultura (Unesco), num estudo desenvolvido em 27 Estados brasileiros, entre jovens de 15 a 24 anos, estabeleceu o Índice de Desenvolvimento Juvenil (IDJ). O IDJ resulta dos seguintes indicadores: taxa de analfabetismo de jovens, nível de escolaridade, qualidade do ensino, taxa de mortalidade por causas violentas com mortalidade por causas internas, além da renda per capita familiar dos jovens. Entre os jovens do Nordeste, encontram-se os menores níveis de renda do País, ocupando a Bahia o 16ª lugar, e observa-se que, nos Estados em que existe maior desigualdade, ainda que a escola seja garantida e a renda familiar alta, a taxa de crime é elevada. O Estatuto da Criança e do Adolescente, em vigor a partir da Lei 8.069, de 13 de julho de , mesmo considerando a completa desigualdade econômica e social no Brasil, introduziu o sistema de garantia e proteção integral ao menor, assegurando-lhe todas as oportunidades, a fim de lhe facultar desenvolvimento físico, moral e social. A privação de liberdade prevista pela lei tem o objetivo de concretizar o princípio de reparação do ato cometido, numa perspectiva oposta à noção de castigo. Segundo os dados da Subsecretaria dos Direitos da Criança e do Adolescente 4, jovens, entre 12 e 18 anos, cumprem medidas socioeducativas. Desse total, encontram-se em regime fechado e em regime aberto: semiliberdade, liberdade assistida e prestação de serviço à comunidade. O Estado com maior número de infratores é São Paulo, que responde por 50% do total. A Bahia aparece em 11ª colocação, situando-se atrás de São Paulo, Paraná, Ceará, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Goiás, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Pará. Os números divulgados não refletem a realidade do momento presente, tendo em vista que alguns Estados não atualizaram suas estatísticas. Constata-se, na prática, uma contradição entre a proclamada finalidade de proteção e as medidas adotadas para a recuperação do adolescente e sua reinserção na sociedade. É

4 4 pertinente aqui um questionamento, ao analisar as instituições responsáveis pela execução das referidas medidas. As instituições geram, tratam ou mantêm a identidade do infrator? Não cabe a defesa da impunidade dos jovens que executam contravenções; contudo, é preciso buscar mecanismos que possibilitem a diminuição da violência. A superpopulação das instituições, a inexistência de uma estrutura que leve em conta a idade, o tipo de delito cometido, o número de entradas nas instituições, a existência ou não de patologia física e/ou psiquiátrica, entre outras, são questões que devem ser avaliadas no momento de definir a indicação das medidas de privação de liberdade para o menor infrator. O planejamento institucional deve estabelecer a formação de grupos homogêneos, distinguindo os portadores de doença mental dos demais e possibilitando aos enfermos o acesso não apenas à assistência psicossocial, mas também a um adequado tratamento psiquiátrico. O método de repressão isolado não reeduca o indivíduo. Medidas dirigidas apenas à melhoria das instituições não serão suficientes para diminuir a violência, elas precisam estar aliadas à implementação de políticas que defendam a sobrevivência digna e os direitos da cidadania. DADOS DA HISTÓRIA DAS INSTITUIÇÕES NO BRASIL Atos de violência vêm sendo descritos no Brasil desde o século XIX. O Código Criminal do Império, de 1830, indicava internação para menores de 14 anos que realizassem atos considerados anti-sociais 5. Alguns documentos mostram que, por volta de 1895, as leis já recomendavam a criação de instituições para menores infratores. Publicações do final do século XIX ainda apontavam para crianças pobres que cometiam furtos e roubos sendo conduzidas para cadeias públicas, onde eram mantidas junto aos adultos criminosos. No século XX, os projetos legislativos trataram com veemência o direito do menor, e o Instituto Sete de Setembro foi criado em 1913, com a perspectiva de acolher menores abandonados e infratores. Em 1917, foi instituída a primeira lei considerando não criminosos os jovens que cometiam delitos, na faixa etária de 12 a 17 anos. O Código de Menores 6 vigorou a partir de 1927, sendo o Brasil o primeiro país da América Latina a

5 5 implantar medidas próprias para menores. Aqueles com idade inferior a 14 anos não seriam submetidos a processo penal de natureza alguma, enquanto os que tivessem entre 14 e 18 anos se submeteriam a processos específicos. Em 1941, foi criado o Serviço de Assistência ao Menor (SAM) para receber os menores abandonados e/ou infratores, substituindo o Instituto Sete de Setembro, que ficou marcado por uma política repressora e rígida. Há relatos de que as crianças ficavam amontoadas, cuidadas por uma equipe sem preparo, sendo, portanto, aquele sistema reconhecido como desumano e ineficaz. A partir da década de 1960, aconteceram mudanças no tratamento dispensado à infância abandonada. Foi criada a Fundação Nacional do Bem Estar do Menor (Funabem), pela Lei 4.513, de 1º de dezembro de 1964, seguida da instalação, em vários Estados, de unidades desta Instituição, com projetos de pesquisas e objetivos de reintegração do menor à família e à comunidade. Seu autoritarismo, no entanto, motivou o novo Código de Menores, dispositivo da Lei 6.697, de 10 de outubro de Assim como o SAM, a Funabem também foi extinta por maus-tratos aos menores e condições físicas insalubres 7. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS A Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948) estendeu os direitos fundamentais a todas as pessoas. A positivação de tais preceitos demonstra o cuidado de amparar o homem legalmente, de forma a protegê-lo. "Os direitos do homem nascem como direitos naturais universais, desenvolvem-se como direitos positivos particulares, para finalmente encontrarem sua plena realização como direitos positivos universais." 8 No entanto, é evidente que não se atingiu tal meta até o momento. A situação hoje vivida ainda é de busca não apenas de consecução, mas de implementação dos meios pelos quais se chegará aos fins já estabelecidos. Nesse sentido, vários documentos foram elaborados, a exemplo de: Convenção sobre os Direitos Políticos da Mulher (1952), Convenção para a Prevenção e Repressão do Genocídio (1958), Declaração dos Direitos da Criança (1959), Declaração sobre a

6 6 Concessão da Independência aos Países e Povos Coloniais (1960), Declaração sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial, particularmente o apartheid (1963), Pacto sobre os Direitos Econômicos e Culturais (1966), Pacto sobre o Deficiente Mental (1971), Declaração dos Direitos Civis e Políticos (1966) e Declaração dos Direitos dos Deficientes Físicos (1975). Os direitos sociais (saúde, educação, trabalho e lazer) surgem como meio, ou instrumento, para que se alcancem os fins almejados, que são os direitos individuais: liberdade, igualdade e direito à vida digna de cidadão. Para Lima (2002) 9, a garantia do direito à saúde da população infanto-juvenil é resultante de múltiplos fatores de ordem política, socioeconômica, jurídica, cultural, ambiental, e não exclusivamente de natureza física. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Em 1990, promulgou-se o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), ratificando a Declaração Universal dos Direitos da Criança e do Adolescente, da Organização das Nações Unidas, seguindo o princípio da cidadania, e revogando o Código de Menores de O ECA 10 é uma legislação especial que regulamenta as normas, definindo quais medidas devem ser adotadas aos adolescentes de 12 a 18 anos que cometem atos infracionais: I) advertência; II) obrigação de reparar os danos; III) prestação de serviço à comunidade; IV) liberdade assistida; V) semiliberdade; VI) internação. A diferença dessas medidas em relação às do Código Penal é o seu caráter socioeducativo. Os jovens menores de 18 anos são penalmente inimputáveis, e as medidas de internação, que colocam o menor infrator sob a custódia do Estado, privando-o de liberdade total ou parcialmente, são reservadas a menores que cometem infrações graves. Apesar de não estar estabelecido o tempo dessa privação, este não deverá ultrapassar três anos. A liberdade é compulsória aos 21 anos. Obedecendo ao ECA, o Brasil aderiu formalmente à concepção da criança como sujeito detentor de direitos, de potencialidades a serem desenvolvidas em sintonia com as normas internacionais. Concebe-se a criança como um ser em desenvolvimento, diferente

7 7 do adulto, e que traz em si uma gama de possibilidades de aprimoramento para a nossa sociedade. Com o ECA surgiram os primeiros centros de defesa do menor, que assumem a linha política indicada no art. 87 inciso V do Estatuto, assegurando "a proteção jurídícosocial por entidades de defesa dos direitos da criança e do adolescente". Na estrutura administrativa do Estado, o Ministério Público passou a ter funções diversas e co-relacionadas à garantia dos direitos desse segmento. E, para formular políticas e controlar ações, o ECA criou o Conselho Nacional de Direitos da Criança (Conanda) os Conselhos Estaduais e os Conselhos Municipais. ASSISTÊNCIA AO MENOR INFRATOR NA BAHIA No momento da promulgação da Lei 8.069, de 13 de junho de 1990, a Fundação de Assistência aos Menores do Estado da Bahia (Fameb) apresentava uma estrutura operacional deficiente para atender às exigências da nova lei. Para tal, a Fameb foi reordenada, tendo como metas mínimas a superação do seu enfoque assistencialista e dar abertura de espaço para as abordagens socioeducativas, cujo alicerce era o princípio de igualdade entre os seres humanos. Em 22 de maio de 1991, pelo artigo 23 da Lei Estadual 6.079, foi efetivada a transformação da Fameb em Fundação da Criança e do Adolescente (Fundac). O adolescente, autor de ato infracional no Estado da Bahia, é encaminhado a Delegacias Especiais; Centro de Liberdade Assistida (Celiba); Centro de Atendimento Socioeducativo (Case I, em Salvador; Case II, em Simões Filho); e Casa de Acolhimento ao Menor (CAM), em Tancredo Neves. O processo do adolescente é da competência da Segunda Vara da Infância e da Juventude, e as unidades para a execução das medidas estão ligadas à Fundação da Criança e do Adolescente (Fundac), órgão da Secretaria do Trabalho e Ação Social. O Celiba acompanha com equipe técnica especializada os jovens que cumprem medidas em meio aberto, o Case I assiste exclusivamente aqueles que cumprem medidas de semiliberdade, enquanto o Case II comporta 120 jovens sujeitos a medidas socioeducativas de privação de liberdade.

8 8 A CAM é uma instituição destinada a receber jovens para internação provisória durante 3 a 6 meses e para cumprir medidas de privação de liberdade. Foi programada para 60 adolescentes, e hoje acolhe mais de 200. Oliveira (1995) 11, em Um mundo social específico Casa de Acolhimento do Menor CAM: Medida socioeducativa de internação ou medida de privação de liberdade?, estudou 51 prontuários de internos com mais de três meses sob medida de privação de liberdade, levantando dados do Juizado de Menores 2ª Vara da Infância e da Adolescência, além do Serviço Social, Setor Médico e Coordenação Pedagógica da CAM, Serviço de Informática, Secretaria de Pessoal e Secretaria do Adolescente. A autora sinaliza a existência de jovens que chegam sem dados de identificação, sem relato sobre o ato, sem informes de doença física e/ou psicológica prévia. Após abordar a necessidade de uma melhor qualificação dos orientadores e de todos os outros que lidam com os adolescentes na Instituição, conclui que, de acordo com a bagagem histórica de cada adolescente, alguns passam pela Instituição apenas pela privação de liberdade e não têm nenhum crescimento pessoal, enquanto outros internos vivem um processo de transformação, demonstrando terem se beneficiado das medidas socioeducativas. TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS ENTRE ADOLESCENTES TRANSGRESSORES DA LEI Thomas e Pen (2002) 12 assinalam o número crescente de jovens infratores e familiares com distúrbios médicos psiquiátricos, abuso de drogas e dificuldades na esfera psicossocial. O reconhecimento dessas altas taxas recomenda uma assistência especializada a esses jovens. Para tal, é preciso que se definam, como prioridades, pesquisas sobre a saúde mental desses menores, o desenvolvimento de protocolos de avaliação para screening dos distúrbios psiquiátricos e a atenção médico-psicológica e social para eles dirigida. É fundamental a avaliação prévia do adolescente, especialmente voltada para a identificação do abuso de substâncias psicoativas, pois segundo o autor, se esse problema não for enfrentado, provavelmente ele levará o resto da vida em processos judiciais. Por isso defende que estabelecer padrões de atenção a esses jovens é a base para a sua reabilitação,

9 9 devendo os profissionais de saúde mental estar preparados para fornecer o suporte apropriado. Shelton (2001) 13 estimou as taxas de transtornos psiquiátricos entre jovens do Sistema Judiciário Juvenil do Estado de Maryland USA. A avaliação demonstra que 58% dos jovens apresentavam sintomas de ansiedade; 40% distúrbio de comportamento disruptivo; 38% esquizofrenia e outras psicoses; 16,7% transtorno afetivo e 17,5% transtornos diversos. Outros investigadores sinalizam a freqüência dos transtornos de atenção, ansiedade e depressão na população judiciária juvenil, assim como a ocorrência de transtornos de conduta em comorbidade com outros diagnósticos (transtornos do Eixo I ou Eixo II do DSM IV). Em Taylor e Gunn (1999) 14, o elevado e alarmante número de assassinatos em Londres, cometidos por doentes mentais, sugere que os cuidados comunitários na área da saúde mental são precários nessa cidade. Com o objetivo de avaliar se os homicídios se tornam menos freqüentes à medida que o serviço psiquiátrico se transforma, os autores levantaram dados do centro responsável pela estatística criminal na Inglaterra, no período de 1957 a 1995, e os submeteram a análise de tendências. No decorrer dos 38 anos de estudo, houve um declínio anual de 3% no número de homicídios. A autora conclui que deve existir uma atenção especial no sentido de melhorar os serviços psiquiátricos, focalizando principalmente os transtornos de personalidade e o abuso de drogas. MORBIDADE PSIQUIÁTRICA ENTRE ADOLESCENTES INFRATORES NA CAM SALVADOR BAHIA BRASIL Pinho 15, em trabalho sobre transtornos mentais entre adolescentes infratores, descreve o perfil psiquiátrico dos adolescentes em conflito com a lei. Trata-se de um estudo de corte transversal de caráter censitário, com uma população de 290 jovens, cumprindo medidas de privação de liberdade na Casa de Acolhimento ao Menor (CAM), Salvador/ Bahia/ Brasil, entre outubro de 2002 a maio de Utilizou-se um questionário, testado e validado, para identificar dados demográficos, sinais e sintomas psicopatológicos, tipos de delito, tipos de droga e dados

10 10 psicossociais, seguido de exame psiquiátrico realizado pelo pesquisador principal, sem ter conhecimento prévio dos dados registrados nesse instrumento. Na população em estudo, a idade variou de 12 a 21 anos, com média de 16,3%, sendo 89,3% do sexo masculino e 10,7% do sexo feminino. Dos indivíduos pesquisados, é importante registrar que 92,8% tinham o curso fundamental incompleto ou eram analfabetos; 67,6% possuíam uma renda familiar média menor que um salário mínimo, e 53,4% eram da capital do Estado. Com relação à raça; 42,1% eram negros; 38,6% pardos e 19,3% brancos. Dentre os 290 adolescentes examinados; 24,8% não apresentaram transtorno psiquiátrico e 75,2% deles foram diagnosticados como portadores de transtorno mental. O gráfico 1 mostra a distribuição da morbidade psiquiátrica da população por categorias nosológicas agrupadas: 17% de transtorno de conduta; 21% de transtorno por abuso de drogas; 10% de retardo mental; 7% de psicoses em geral (esquizofrenia e outras); 3% de transtorno de ansiedade; 4% de transtorno depressivo; 2% de transtorno mental orgânico (TMO) e 12% de transtorno hipercinético. Gráfico 1 Distribuição da Morbidade Psiquiátrica por Categorias Nosológicas agrupadas 10% 2% 5% 21% 3% 4% 2% 24% 17% Sem Distúrbio T. Conduta T. Hipercinético T.Abuso de Drogas Outros T. Psicóticos T. Esquizofrênico Retardo Mental T. Ansioso T. Depressivo T. Mental Orgânico 12%

11 11 Segundo a autora, há indícios de que a ausência de informações da família e da escola, quanto ao desenvolvimento dos jovens pesquisados, dificultou o processo de diagnóstico do transtorno hipercinético. Além disso, na adolescência, o transtorno hipercinético freqüentemente aparece em comorbidade com outros transtornos, o que pode ter subestimado a ocorrência desse diagnóstico. No que se refere ao transtorno de conduta e ao transtorno de hiperatividade, uma alteração importante do DSM-III para o DSM-III R foi o agrupamento do transtorno de atenção com hiperatividade (TDAH) com o transtorno de conduta e o de oposição, sob a categoria de transtorno de déficit de atenção e de comportamento disruptivo. Isso reflete o reconhecimento de que essas síndromes têm aspectos difíceis de diferenciar. Pinho conclui que os transtornos psiquiátricos são mais comuns entre jovens trazidos ao Juizado da Infância e da Adolescência do que entre jovens da mesma faixa etária sem envolvimento com a Justiça. Esse estudo, ainda em processo, pode contribuir para nortear políticas públicas, subsidiando o planejamento e a execução de ações para a prevenção e o tratamento da delinqüência juvenil. DISCUSSÃO Os estudos científicos trazem o alerta para a necessidade de maiores investimentos no campo da saúde mental voltados para o adolescente, especialmente no sentido de prevenir infrações de jovens considerados em situação de risco, promovendo avaliação e acompanhamento de jovens infratores por profissionais da área psiquiatras e psicólogos. Para a aplicação de medidas socioeducativas a esses adolescentes, devem ser privilegiados os programas de cumprimento das medidas em meio aberto, revertendo a visão repressiva e de contenção como a única forma de reparação dos atos cometidos. Visando à cidadania e à autoconfiança, as medidas devem ter como base o exercício da Pedagogia participativa e o atendimento personalizado. A família do adolescente em conflito com a lei é uma parceira privilegiada no desenvolvimento das ações socioeducativas, e o fortalecimento das relações familiares é fundamental no âmbito da prevenção e da reinserção do jovem no contexto social. A pobreza condiciona a qualidade de vida dessa população, comprometendo a saúde, a educação e a integridade da família, levando-a à marginalidade.

12 12 Na prática, as instituições estão distantes de adaptar suas ações às leis e às necessidades desses jovens, adotando um trabalho emancipador. As condições externas, aliadas às dificuldades das instituições, na maior parte dos casos, mantêm a identidade do infrator. Os monitores e técnicos são elementos-chave na recuperação desses adolescentes e, em conseqüência da convivência constante com estes, tornam-se, freqüentemente, referências modelos de identificação. Existem jovens que, em função de consecutivas entradas, se ligam afetivamente aos monitores e a cada retorno atualizam esse vínculo, mas também é comum o sentimento hostil dos internos em relação aos mesmos. Os orientadores revelam sentimentos extremos, demonstrando muitas vezes condutas autoritárias, aplicando castigos diversos e outras estratégias para o controle do grupo. O sentimento de impotência toma conta de um grande número de profissionais, que constatam a limitação dos serviços públicos. A grande prova da insuficiência desse sistema está na saída dos jovens do mesmo modo como entraram: com chances mínimas de obtenção de um trabalho remunerado. Concomitantemente, uma parcela da sociedade insiste nas medidas de repressão, acreditando que nesta reside a resolução da violência. A realidade é que um círculo vicioso se instala, resultando numa taxa de reincidência significativa. Esta decorre, principalmente, do fato de não ter se consolidado, entre nós, uma rede de atendimentos básicos que dê suporte às medidas socioeducativas, como é preconizado pelo ECA. A mídia divulga atos infracionais graves de maneira superdimensionada, que assusta e constrange a sociedade, sem atribuir aos fatores causais sua devida importância. Para enfrentar o problema do menor infrator, é preciso atuar sobre esses fatores. Urge, dessa forma, estabelecer uma parceria entre o Estado e a sociedade civil, capaz não apenas de definir metas, mas também de priorizar ações voltadas para os aspectos sociais da infância e adolescência.

13 13 Cada indivíduo é encarado como tendo capacidade produtiva potencial cujo desenvolvimento exige esforço tanto do próprio como de seus instrutores e familiares. Esse esforço se traduz num custo, que pode ser formulado em termos pecuniários e representa o valor do capital humano de que dispõe cada indivíduo. 16 Tendo em vista a qualidade de vida da população estudada, os autores do presente artigo propõem aos órgãos do governo e à sociedade: - Lutar para que o poder público nacional, estadual e municipal destine um percentual de recursos para a aplicação de medidas socioeducativas; - Estabelecer parcerias com setores da sociedade interessados na criança e no adolescente em risco social; - Estabelecer parcerias com as ONGs e fiscalizar as alocações dos recursos; - Estabelecer convênios com instituições voltadas para as questões da maternidade precoce e das doenças sexualmente transmissíveis; - Combater o abuso e a exploração sexual; - Envolver a família na elaboração e execução dos programas de atendimento; - Revitalizar o projeto Toda Criança na Escola ; - Ampliar os recursos do Programa Bolsa Escola, visando a atingir o maior número possível de crianças; - Adotar, em todas as escolas, um currículo programático que inclua temas como família, infância, adolescência, buscando resgatar valores humanos e éticos; - Envolver profissionais das áreas de Psicologia e Assistência Social no corpo de profissionais de todas as escolas de ensino fundamental e médio, com a finalidade de atender às necessidades de integração escola família comunidade; - Promover a implantação de Centros de Atendimento Integral à Família, com programas de geração de renda, parcerias e trabalhos em rede; - Revitalizar os cursos técnicos profissionalizantes, com vistas à reinserção social do jovem infrator;

14 14 - Implantar programas municipais de liberdade assistida; - Criar condições para a atuação conjunta de uma Polícia Comunitária com o Conselho Tutelar e o Juizado da Infância e Adolescência, promovendo visitas diárias em locais de risco social. CONCLUSÃO As ações da instituição devem ser inovadoras e coerentes, obedecendo os direitos dos adolescentes em conflito com a lei. Faz-se necessário um cotidiano que envolva educação, oficinas profissionalizantes, rotinas, definindo o papel do infrator como educando. O contato desses jovens com a arte, a ciência e as letras é um estímulo de grande importância para o seu crescimento pessoal, acrescentando ou, até, modificando valores. Estudos nacionais e internacionais evidenciam a associação entre transtornos psiquiátricos e comportamento infrator em crianças e adolescentes. No planejamento institucional, deve-se contemplar a assistência à saúde mental da população jovem transgressora das leis. É evidente a necessidade de diagnóstico precoce e especializado dos adolescentes portadores de transtornos mentais, desde a sua chegada ao Ministério Público, e a criação de um espaço adequado para o tratamento dessa população na instituição ou no âmbito dos serviços de saúde do Estado. Compreender, acolher, integrar, qualificar equipes para estabelecer a superação de enfoques repressivos ou assistencialistas e adotar um trabalho pautado na cidadania são metas a serem atingidas. Cabe ao Estado cuidar da prática institucional para que a experiência no interior desses espaços não se constitua numa etapa de aprendizado e aperfeiçoamento para o crime. O espaço para discussão e transformação de valores humanos como autoconhecimento, espírito de equipe, respeito às diferenças, importância dos limites etc. é prioridade na recuperação do adolescente infrator. Para a construção de uma alternativa política democrática, que articule os movimentos sociais na direção de uma sociedade mais justa, é necessário estar atento às demandas individuais, habilitando-se então a desenvolver um projeto coletivo que possibilite o fortalecimento da identidade da criança e do adolescente. Particularmente no Brasil, e em especial na Bahia, a exclusão e a desigualdade estão presentes, na sociedade, prejudicando a vida de grande número de jovens, que devem ser respeitados como sujeitos

15 15 transformadores e aptos a promover mudanças fundamentais para o avanço da população brasileira. REFERÊNCIAS 1 Faleiros, VP. A questão da violência. Disponível na Internet em: Acesso em 10 jun Waiselfisz, JJ et. al. Relatório de Desenvolvimento Juvenil Brasília: Unesco; Leonelli V. Sistema de garantias de direitos análise institucional. In: 10 ANOS do Estatuto da Criança e do Adolescente; Bahia: elementos para reflexão. 1º Forum de Defesa da Criança e Adolescente; Salvador: Movimento Comunitário - MOC; UNICEF; 2001.p Brasil. Ministério da Justiça. Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança do Adolescente. Acesso em: 05 Mar Disponível na internet em: 5 Rizzini, I. Assistência à infância no Brasil: uma análise de sua construção. Rio de Janeiro: Universidade Santa Úrsula; Oliveira MB, Assis SG. Os adolescentes infratores do Rio de Janeiro e as instituições que os ressocializam : a perpetuação do descaso. Cad Saúde Publ 1999; 15(4): Faleiros, VP. Infância e processo político no Brasil. In: Pilotti, E; Rizzini, I. editores. A arte de governar crianças. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Niño; Amais; p Bobbio, N. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus; p Lima, IMSO. Direito à saúde: garantia de um direito humano para crianças e adolescentes: estudo de caso. [Tese]. Salvador: Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia; p Cury, M, Amaral e Silva, AF, Mendez, EG, editores. Estatuto da criança e do adolescente comentado. 5ed. São Paulo: Malheiros; 2002.

16 16 11 Oliveira MFS. O mundo social específico: Casa de Acolhimento do Menor CAM. Medidas sócio-educativas de internação ou medida privativa da liberdade? [monografia] Salvador: Escola do Servidor Público Fundesp; Ucsal, Thomas CR; Pen JV. Juvenile justice mental health services. Child Adolesc Psychiatr Clin N Am Oct. 2002; 11(4): Shelton D. Distúrbios emocionais em jovens criminosos. J Nursig Scholarship 2001; 33 (3): Taylor PJ, Gunn J. Homicides by people with mental illness: myth and reality. Br J Psychiatry 1999; 174: Pinho STR. Perfil de morbidade psiquiátrica de adolescentes em conflito com a lei, cumprindo medidas socio-educativas de privação de liberdade na CAM Bahia. [projeto de tese] Salvador: Fundação Baiana para o Desenvolvimento das Ciências; Singer P. Economia solidária: geração de renda e alternativa ao liberalismo. Proposta 1997: 72:

17 . 17

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

TEXTO 1 História do Atendimento ao adolescente autor de ato infracional no Brasil

TEXTO 1 História do Atendimento ao adolescente autor de ato infracional no Brasil TEXTO 1 História do Atendimento ao adolescente autor de ato infracional no Brasil A construção da política de atendimento aos adolescentes a quem se atribua a prática do ato infracional acompanhou o desenvolvimento

Leia mais

Cartilha da CRianca e do adolescente

Cartilha da CRianca e do adolescente Cartilha da CRianca e do adolescente Mais um dia vivido pela familia Brasilino Oi, pessoal, cheguei! Oi, filho, tudo bem? Hum... que cheiro bom! Tô morrendo de fome! Vou lá dentro lavar as mãos, guardar

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

PORQUE NÃO À REDUÇÃO

PORQUE NÃO À REDUÇÃO PORQUE NÃO À REDUÇÃO INIMPUTABILIDADE NÃO SE CONFUNDE COM IMPUNIDADE: Existe no senso comum o mito da irresponsabilidade do adolescente, sustentado na ideia de que esse estaria mais propenso à pratica

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Inclusão. Construindo o Futuro

Inclusão. Construindo o Futuro Inclusão. Construindo o Futuro Mostra Local de: Irati Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Conselho da Comunidade da Comarca de Irati

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA TEMA: AS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS, S.U.A.S., S.I.N.A.S.E. E OS MUNICÍPIOS Juiz: Marcos Antônio S. Bandeira CONTEXTUALIZAÇÃO REALIDADE DO ADOLESCENTE EM CONFLITO COM

Leia mais

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES CARTA DA BAHIA O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente- CONANDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Federal no 8.242, de 12 de outubro de 1991, e pelo seu Regimento

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA, ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE GENEBRA

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e Adolescentes

14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e Adolescentes Programa 2062 - Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Número de Ações 6 Tipo: Projeto 14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e

Leia mais

A redução da maioridade penal não é a solução

A redução da maioridade penal não é a solução A redução da maioridade penal não é a solução Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo 2 Redação: Ana Marcela Terra Bruno Villa Sidney Teles Tomás Ramos Edição: Renata Souza Revisão: Bruno Villa Fotos:

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG).

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG). PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL - CNBB Praça Clovis Bevilácqua, 351, conj.501 Centro - 01018-001 - São Paulo - SP Tel/fax (11) 3313-5735, 3227-8683, 3101-9419 - gzgubic@uol.com.br - www.carceraria.org.br

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia RELATÓRIO CONSOLIDADO 6º DIA DO CARNAVAL 2015 Salvador-BA Revisado 24-02-15 Das 18 horas de 12/02/2015 às 06 horas de 17/02/2015 foram consolidados/analisados pelo Observatório um total de 1126 atendimentos:

Leia mais

01 Direito da Criança e do Adolescente

01 Direito da Criança e do Adolescente 01 Direito da Criança e do Adolescente Constitui-se em um direito dos pais ou responsáveis, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a) adentrar no prédio escolar até as salas de aula em qualquer

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes TRABALHO INFANTIL Fabiana Barcellos Gomes Advogada, Pós graduada em Direito e Processo Penal com ênfase em Segurança Pública, Direito do Trabalho e Pós graduanda em Direito de Família e Sucessões O que

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. CEREST ESTADUAL Márcia Peixoto Lucimeira Costa

TRABALHO INFANTIL. CEREST ESTADUAL Márcia Peixoto Lucimeira Costa TRABALHO INFANTIL CEREST ESTADUAL Márcia Peixoto Lucimeira Costa O que é trabalho infantil? São crianças e adolescentes economicamente ativos, meninos e meninas com idade até 18 anos que contribuam para

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente :

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente : TRABALHO É toda atividade humana, remunerada ou não, sistemática, obrigatória, que pode ou não exigir conhecimentos específicos sobre determinado tema, arte ou ofício, cujo objetivo é o alcance de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA CONSELHO DO DA UnB SE POSICIONA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL O Conselho do (CIP/UnB) da, instância máxima do Curso de Psicologia (graduação e pós-graduação), em Reunião Ordinária de 23 de junho

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PLANO DE ENSINO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PLANO DE ENSINO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PLANO DE ENSINO Disciplina: DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Curso: DIREITO Turma B01-1 Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

Aplicações da Metodologia de Atendimento Sistêmico já realizadas por profissionais/alunos, nos cursos ministrados pela EquipSIS

Aplicações da Metodologia de Atendimento Sistêmico já realizadas por profissionais/alunos, nos cursos ministrados pela EquipSIS Aplicações da Metodologia de Atendimento Sistêmico já realizadas por profissionais/alunos, nos cursos ministrados pela EquipSIS Sônia Vieira Coelho Em todos os cursos de ASFRS ministrados pela EquipSIS,

Leia mais

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Bogotá, junho de 2013 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o Plano Mais Brasil PPA 2012-2015 Dimensão Estratégica do Desenvolvimento

Leia mais

5 anos da Lei Maria da Penha:

5 anos da Lei Maria da Penha: 5 anos da Lei Maria da Penha: 05 de Agosto Comemoramos nossas conquistas exigindo direitos para todas nós Cinco anos de Lei Maria da Penha: Comemoramos nossas conquistas e repudiamos as desigualdades!

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

Jornada Pedagógica Pastoral 2011. Divane Nery

Jornada Pedagógica Pastoral 2011. Divane Nery Jornada Pedagógica Pastoral 2011 Divane Nery Uma Breve História dos Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil Por Gisella Werneck Lorenzi* Até 1900 Final do Império e início da Republica Não se tem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS Ato Infracional: é tudo o que para um adulto seria crime ou contravenção penal. Se praticado por criança, serão aplicadas as medidas protetivas. Se for cometido

Leia mais

Resumo. Palavras- chave: Imputabilidade. Maioridade. Redução. Introdução. 1 Dos Direitos fundamentais da criança e adolescente

Resumo. Palavras- chave: Imputabilidade. Maioridade. Redução. Introdução. 1 Dos Direitos fundamentais da criança e adolescente Imputabilidade da Criança e do Adolescente Luciana C. Padilha Resumo Observa-se em países desenvolvidos que os indicadores de educação positivos e em crescimento estão intimamente ligados a repressão da

Leia mais

MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS FASES PROCESSUAIS FASE POLICIAL OU INVESTIGATÓRIA Apreensão do adolescente pela prática de ato infracional Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) AUTO DE APREENSÃO Flagrante

Leia mais

Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: barreiras ao convívio democrático Josevanda Mendonça Franco Professora-Especialista

Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: barreiras ao convívio democrático Josevanda Mendonça Franco Professora-Especialista CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA O PROCESSO SELETIVO E CONSULTIVO PARA DIRETORES ESCOLARES Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: barreiras ao convívio democrático Josevanda Mendonça Franco Professora-Especialista

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012.

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, daqui por diante

Leia mais

ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou

ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou Redução da Maioridade Penal: será esta a tão esperada solução? 79 C LARISSA H UGUET ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou no dia 26 de abril, por 12 votos a 10, a Proposta

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE NO ESTADO DE ALAGOAS

A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE NO ESTADO DE ALAGOAS A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE NO ESTADO DE ALAGOAS Resumo Este estudo é parte da pesquisa O Mercado de Trabalho do Serviço Social na Sociedade Contemporânea:

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS NOTA TÉCNICA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL A Defensoria Pública do Estado de Alagoas, por meio do Núcleo Especializado da Infância e da Juventude, em virtude de sua função institucional de exercer

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC 26/07/2015 Nome do Candidato: CADERNO DE PROVA INSTRUÇÕES GERAIS: Caro (a) Candidato (a): Leia com o máximo de atenção e siga as seguintes

Leia mais

Indicadores de Violência e Segurança Pública

Indicadores de Violência e Segurança Pública Indicadores de Violência e Segurança Pública 1 2 3 Indicadores de Violência e Segurança Pública Proposta: criação e implementação do Sistema Estadual de Informações de Violência e Segurança Pública Parcerias

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta Educação Especial - Medidas Jurídicas 2 - Proposta ao Prefeito Municipal - Inclusão de dotação orçamentária específica - Equipe Multidisciplinar - Inclusão de alunos com TDAH Promotoria de Justiça de Proteção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ

DIREITO CONSTITUCIONAL. Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ DIREITO CONSTITUCIONAL Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde,

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

Naturalização dos direitos da Criança e do Adolescente

Naturalização dos direitos da Criança e do Adolescente Naturalização dos direitos da Criança e do Adolescente Autoria: DENISE DO CARMO FERREIRA Veiculação e divulgação livres para efeitos educacionais MÓDULO II Fundamentos Jurídicos de Direitos Humanos FUNDAMENTOS

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

PENA ALTERNATIVA E JUSTIÇA TERAPÊUTICA

PENA ALTERNATIVA E JUSTIÇA TERAPÊUTICA PENA ALTERNATIVA E JUSTIÇA MÁRCIA DE ALENCAR psicóloga clínica e social especialista em gestão e política pública pós-graduada em Sociologia acadêmica em Direito PENA ALTERNATIVA E JUSTIÇA O MONITORAMENTO

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

A APRENDIZAGEM PROFISSIONAL, A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E O SINASE

A APRENDIZAGEM PROFISSIONAL, A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E O SINASE A APRENDIZAGEM PROFISSIONAL, A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E O SINASE O que é aprendizagem? Aprendizagem é o instituto destinado à formação técnico-profissional metódica de adolescentes e jovens, desenvolvida

Leia mais

Seu imposto pode beneficiar Crianças, Adolescentes e Idosos

Seu imposto pode beneficiar Crianças, Adolescentes e Idosos Seu imposto pode beneficiar Crianças, Adolescentes e Idosos Índice Compromisso com o futuro... 03 Muito a avançar na garantia dos direitos das crianças e adolescentes...05 Como fazer a diferença...07 Mecanismos...

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens O que é o PSE? O PSE é uma política intersetorial do Saúde e do, instituído em 2007, por decreto presidencial.

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais