Texto integrante dos Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade. ANPUH/SP UNESP-Franca. 06 a 10 de setembro de Cd-Rom.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Texto integrante dos Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade. ANPUH/SP UNESP-Franca. 06 a 10 de setembro de 2010. Cd-Rom."

Transcrição

1 USO DE BASES DE DADOS PELA HISTORIOGRAFIA: PRÁTICAS, METODOLOGIAS E SEUS IMPACTOS NA PRESERVAÇÃO, RECUPERAÇÃO, DISSEMINAÇÃO E ACESSIBILIDADE DAS INFORMAÇÕES HISTÓRICAS. Leandro Coelho de Aguiar Mestrando do Programa de Pós-graduando em Ciência da Informação da Universidade Federal do Rio de Janeiro em convênio com o IBICT MCT Introdução Esta apresentação é resultado das primeiras reflexões do projeto de dissertação de mestrado, iniciado em 2010, no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação do Instituto Brasileiro de informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) ligada ao Ministério de Ciência e tecnologia (MCT) e conveniado com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Devido o projeto ainda estar em seu início, esta apresentação não tem como objetivo trazer resultados empíricos ou fazer qualquer reflexão mais profunda da produção historiográfica sobre o assunto, mas apenas trazer algumas questões acerca do uso da informática na produção de conhecimento científico/historiográfico e realizar uma reflexão teórica dos conceitos que fundamentam este projeto. A análise e discussão das práticas e metodologias na produção científica em diferentes áreas do conhecimento tornam-se imprescindível tendo em vista a importância da proliferação de políticas de produção e preservação do patrimônio social e da construção das memórias coletivas. Tais práticas giram sempre em torno da preservação, recuperação, disseminação e acesso à informação e suas representações. O historiador deve ter a consciência do seu dever social, disponibilizar suas fontes à sociedade como forma, não apenas de legitimar teorias e promover o debate científico, mas também possibilitar o acesso a informação, tendo em vista que a preservação e divulgação da informação histórica permite à sociedade (re)construir suas memórias, resultando na fortificação da própria cidadania. Em nenhum outro momento histórico a produção de informação atingiu graus tão elevados. Esse crescimento informacional decorre das melhorias técnicas de

2 produção e proliferação dos meios de comunicação, principalmente da rede mundial de computadores. Todavia, não necessariamente esse crescimento informacional resulta em conhecimento. É adequado considerar a exposição informacional como uma das bases para o desenvolvimento humano, principalmente o econômico, tendo em vista que grande parte das informações tende a oferecer algum produto. Mas também se deve pensar na informação como mecanismo de poder, ou melhor, de construção de poder. Seja o poder de um (tirania), de poucos (oligarquia) ou o poder do povo (democracia). Essa relação entre informação e poder não deve ser vista como uma peculiaridade recente, pelo contrário; desde que o homem passou a se organizar como indivíduo social, a informação solidifica o poder e o domínio de um sobre o outro. Hoje, o não acesso à informação ameaça os alicerces do que se entende por democracia. O uso da informação e a geração do conhecimento fazem parte do processo de novas formas de organização social, de controle do poder, de compartilhamento da memória social e servem de base para a democracia. A informação, ou sua inexistência, ou ainda a sua indisponibilidade, torna-se elemento fundamental na criação e solidificação ou não da cidadania. Percebe-se, nesse caso, a necessidade de estratégias políticas voltadas à preservação, recuperação, disseminação e acesso à informação como mecanismos norteadores da sociedade moderna. Esse quadrinômio da democratização informacional não deve estar ligado apenas as fontes informacional em seu suporte original, mas deve compreender também as diferentes formas de representação destas fontes informacionais, como, por exemplo, microfilmes, digitalizações e, como objeto de análise deste projeto, a utilização de banco de dados. É nessa perspectiva, agregando a noção de representação da informação, que o quadrinômio deve ser entendido: como recurso potencial na construção da memória social e da cidadania através da representação da informação. Recentemente, no Brasil, cresceu o debate sobre este tema, com a proposta de que esse quadrinômio possa ser uma das pedras fundamentais na construção da democracia. Tal discurso manifesta-se de diferentes formas e em diferentes lugares, surgindo tanto em setores do Estado quanto em setores civis da sociedade.

3 Sendo assim, as estratégias políticas voltadas para a elaboração de mecanismos e serviços públicos e privados de preservação, recuperação, disseminação e acesso da informação e suas representações relacionadas ao cidadão pressupõem uma dimensão historicamente nova da cidadania. Também são recentes as discussões acerca dos diferentes atores envolvidos na elaboração desse quadrinômio da democratização informacional. Esta apresentação propõe chamar a atenção ao ofício do historiador e da utilização de diferentes tecnologias da informação nesta nova dimensão social do fazer historiográfico. Cidadania, memória, identidade e patrimônio. Como exercer a condição de cidadão sem a posse da informação? Como estabelecer ligações entre saberes sem o exercício pleno do senso crítico ou sem a possibilidade de reflexão? Como nos relacionar com as diferentes estruturas de poder, sem o acesso às informações existentes? Marinho Junior e Silva (1998, p. 16) propuseram responder tais indagações, qualquer que seja o objetivo da busca de informações, para que estas venham a ser usadas, é preciso que elas estejam disponíveis e que sejam de fácil acesso. Ao abordarmos a discussão acerca da preservação e divulgação da informação como mecanismo de democratização do acesso à informação e como exercício de cidadania, é preciso também tratar de outros temas interligados: cidadania, memória, identidade e patrimônio. A respeito da constituição do patrimônio e do exercício da memória, Campello (1994) argumenta que todo agrupamento social se constitui e se desenvolve a partir das formas de ocupação do território e das práticas sociais vividas por seus membros. Tanto no público quanto no privado, na forma de apropriação dos ambientes naturais, nas manifestações artísticas e religiosas, nos usos e nas formas específicas de trabalho, é que vão se sedimentando os valores e as identidades sociais. Tais valores compõem o patrimônio cultural da sociedade. Sua preservação e o resguardo de sua memória são fundamentais para a evolução social, onde a partir de sua

4 própria identidade novas formas de relações e valores sociais são estabelecidas. Para Campello (1994, p. 11), o progresso implica no aproveitamento das experiências já realizadas e na conscientização dos valores já alcançados em meio às mudanças da era industrial e aos tempos em que vivemos: as estruturas das cidades se desorganizam, seus núcleos originais se deterioram, quando não são destruídas, seus valores e sua memória se apagam. Para manter o exercício da cidadania, é necessário estabelecer continuidade entre os valores antigos e os novos. A preservação, divulgação, recuperação e acesso da informação histórica tornam-se essenciais para o aprofundamento e a manutenção dos elos que ligam o passado e o presente, elos estes que estabelecem a memória social. Em Memória e identidade social, Michel Pollack (1992, p. 203) define os elementos constitutivos da memória: I) os acontecimentos vividos pessoalmente; II) os acontecimentos vividos por tabela, onde a força de tal acontecimento faz com que outros indivíduos que não o tenham vivido se sintam co-participantes e sujeitos deste mesmo passado; III) o fato de que a memória é constituída por personagens; e IV) os lugares da memória, onde são realizados os atos de rememoração/comemoração. Pode-se observar o processo de construção da memória como uma área onde se dará escolhas. Tais características reiteram que a memória é um fenômeno socialmente construído e que a memória e a identidade são valores disputados em conflitos sociais. (POLLACK, 1992, p. 204). Para Gonçalves Filho (1992, apud Marinho Junior e Silva, 1998, p. 18), a memória pode ser compreendida e experimentada como um esforço que age contra a corrente. Pode despertar a dignidade e o ânimo contra a humilhação. Pode buscar valores e qualidades nas pessoas e nas coisas. Pode devolver a relação profunda com a experiência humana. Ou seja, a memória é uma construção moldável aos interesses de determinado grupo social. Marinho Junior e Silva (1994, p. 18) destacam o fato de que podem ser observados na sociedade os resultados oriundos da ausência de organismos voltados para a construção da memória: pensar sobre o que significa, por exemplo, trabalhar com a memória de uma cidade, onde a história conta muito pouco para situar as identidades e os parâmetros do presente. Para tanto, é preciso compreender que, não

5 sendo um valor cultivado e considerado fundamental, a história desta sociedade não se formula de modo significativo e não forma referências que orientem as escolhas coletivas. A historiadora Márcia Motta (apud BADARÒ, 1998, p ) afirma que ao falarmos de grupos sociais, devemos estar cientes de que existem projetos de esquecimento, coisas e fatos que não são lembrados, sob pena de ameaçar a unidade do grupo social a isso ela chama de amnésia social. A informação, ou sua inexistência, ou ainda uma súbita amnésia social, tornam-se elementos fundamentais para a criação e solidificação de uma identidade social. É importante discutir essas amnésias sociais, no que diz respeito à produção e à guarda da memória documental, para entender o porquê da ausência de ligações com o passado, com a vida cotidiana, provocando uma desorganização da memória, do pensar e do agir social. Assim, discutir a democratização do acesso à informação, passando pela preservação, divulgação, recuperação e acesso à informação, corresponde não apenas a uma possibilidade de geração de conhecimento individual, mas principalmente produz uma memória social (ou melhor, produz várias memórias sociais) o que demonstra a importante ligação entre informação e poder, especificamente da perpetuação ou não do poder. Para Capurro e Hjorland (2007, p. 193), existem muitos conceitos de informação e eles estão inseridos em estruturas teóricas mais ou menos explícitas. Para Pinheiro (2004, p. 02), a informação talvez não possa ser definida nem medida, conforme Wersig e Nevelling (apud PINHEIRO, 2004, p. 02), não podendo evitar o termo informação de acordo com Fairthorne (apud PINHEIRO, 2004, p. 02), pelo menos deve deixar evidente a todo o momento seu significado. Segundo Pinheiro (2004, p. 01), [O conceito de] informação pode ser entendido como qualquer elemento referencial, noção, idéia ou mensagem contida num documento. Sendo assim, vincular o conceito de informação unicamente a documentos impressos torna-se um erro, pois tal conceito tanto pode estar presente num diálogo entre cientistas como num diálogo informal, numa inovação social, numa imagem, no

6 registro de um banco de dados, etc. Para a Guimarães e Silva (apud MARINHO JUNIOR; SILVA, 1998, p. 20) a informação como sendo um fenômeno cooperativo que forma ou transforma uma representação mental, ou seja, é qualquer processo cuja ocorrência exige uma interação comunicativa de sistemas e elementos, cujas atuações se adicionam para levar a um resultado final. É um fenômeno cooperativo de caráter subjetivo, isto é, a informação é qualquer processo cuja ocorrência exija a interação simultânea e sincrônica de vários outros processos (químicos, biológicos, físicos etc), cujas atuações percebidas pelos sentidos humanos se adicionem a uma alteração da estrutura cognitiva. O que existe é uma possibilidade de alteração, um potencial de alteração. Caso ocorra essa alteração, a mensagem é transformada em informação. É possível, portanto, afirmar que a informação é o resultado de uma atividade fragmentada da atuação de vários sistemas cerebrais distribuídos espacialmente e em diferentes níveis que se associam em um dado momento, transformando-se em imagens/representações que cada um de nós vivencia como experiência própria. (MARINHO JUNIOR; SILVA, 1998). No tocante à construção da memória, quando mais próximo da fonte estiver o usuário (sociedade), maior e melhor será sua possibilidade de uso (BARRETO, 2002), compreendendo a informação como referência para sociedade em sua construção histórica e social, onde o seu acesso contribui para a formação da memória e da identidade social. Reflexões acerca do papel do historiador na atualidade. Ao discutir o fluxo da informação histórica sob o prisma da Ciência da Informação, campo do conhecimento que tem como objeto o estudo da produção de informação científica em suas múltiplas possibilidades de preservação e divulgação, o historiador deve buscar ampliar sua área de atuação na construção da memória social e do exercício da cidadania. De acordo com o projeto de lei que busca regulamentar o ofício de historiador no Brasil, também são atribuições deste profissional o assessoramento, organização, implantação e direção de serviços de documentação e informação histórica [atuando]

7 juntamente com profissionais de outras áreas no resgate e na preservação do nosso patrimônio histórico. 1 De acordo com Gunter Axt (2004), que discute os novos campos de trabalho do historiador, ao tentar identificar no historiador um profissional que encarna uma importante função social, certamente chegar-se-ia à conclusão de que esta função social perpassa, além das já tradicionais e relevantes funções de pesquisa acadêmica e docência, a condição de um artífice de identidades. Não que identidades socioculturais não existam independentemente do trabalho do historiador, mas ao organizar fontes e informações, propondo séries documentais, sistematizando dados e informações empíricas, este profissional formulará perguntas e interpretações para e sobre a sociedade, de onde surgirão sentidos para as pessoas. Esses sentidos convertem-se em identidades. Assim como todo indivíduo necessita ter a sua documentação que o identifique como um ser social, também as instituições e as sociedades precisam elaborar suas identidades para serem identificadas como uma estrutura social. São essas identidades sociais que facilitarão a consciência do que é intrinsecamente comum a todos, daquilo que transcende o indivíduo, o particular, proporcionando a coesão social e contribuindo na afirmação dos espaços públicos e da cidadania, bem como no fortalecimento da democracia. (AXT, 2004). Deve ser descrito aqui a diferença entre história e memória, tendo em vista que o senso comum ainda entende estes termos como sinônimos, mas o fato é que memória e história não o são. De acordo com Pierre Nora (1993), ao contrário da memória, a história aposta na descontinuidade, pois ela é, ao mesmo tempo, registro, distanciamento, problematização, crítica e reflexão. Por oposição à memória, a história denuncia e investiga alguns aspectos antes ignorados pela memória. Na introdução da obra O queijo e os vermes, Carlo Ginzburg (2008, p. 3), confronta a visão historiográfica tradicional com uma nova visão do que significa fazer história, onde, no passado, podiam-se acusar os historiadores de querer conhecer 1 Há vários projetos de lei em trâmite no Senado e na Câmara Federal, onde os textos são praticamente parecidos, a exemplo do projeto de lei proposto pelo Senador Paulo Paim em Disponível em: Fonte: <http://legis.senado.gov.br/pls/prodasen/prodasen.layout_mate_detalhe.show_integra L?t=64881>. Acessado em: 10 set

8 somente as gestas dos reis, o que se deve a concepção aristocrática de cultura. Certamente que hoje não é mais assim. Cada vez mais se interessam pelo que seus predecessores haviam ocultado, deixado de lado ou simplesmente ignorado. Observa-se uma mudança estrutural ocorrida no ofício do historiador por volta da primeira metade do século XX, proveniente principalmente de alguns historiadores, como Marc Bloch, Lucien Febvre e o próprio Carlo Ginzburg, conhecidos como fundadores e perpetuadores da Escola De Annales. Os historiadores só se aproximavam muito recentemente desse tipo de problema, dos excluídos. Esta mudança de concepção historiográfica deu-se ao momento que o próprio historiador baseou seu trabalho na ordem metodológica e não ideológica. (GINZBURG, 2008, p. 3). Chamar atenção ao historiador contemporâneo uma necessidade, a de afeiçoar constantemente seu trabalho às necessidades da sociedade em que ele vive. De acordo com Virginia Fontes (apud BADARÒ, 1998), o historiador, em seu processo cognitivo, procura explicações racionais, objetivando o conhecimento verdadeiro de um dado problema histórico. Por outro lado, ao formular os problemas, já que o historiador estará sempre imerso em seu próprio tempo, em sua própria sociedade e toma parte nas divergências e conflitos de seu próprio universo, atua também intervindo na vida social do mundo que lhe é contemporâneo. Assim sendo, baseado nessa discussão acerca das múltiplas possibilidades do historiador, seu papel também deve se mostrar forte como tal no planejamento, na organização, na implantação e na execução de trabalhos voltados para a preservação, divulgação, recuperação e acesso da informação histórica. O historiador não deve trabalhar sozinho, principalmente em temas e com metodologias que a própria historiográfica possui escassa discussão, como, por exemplo, seu relacionamento com a Informática, Arquivologia e à Ciência da Informação. A história e a informática Neste ultimo meio século a difusão da Informática e do uso do computador revolucionaram todos os segmentos da sociedade, e os historiadores não ficaram de fora dessa mudança. Principalmente com a pulverização dos computadores pessoais, a

9 partir da década de 80, levando os historiadores e outros cientistas sociais a tirarem vantagens da Informática. De acordo com Cláudio de Oliveira (2005, p. 2) uma das primeiras associações internacionais dedicadas a agrupar historiadores que utilizam da computação no estudo do passado foi a Association for Computer and the Humanities (ACH), criada em 1966, nos Estados Unidos. Dez anos mais tarde foram criadas organizações, na Inglaterra e que ficou conhecida como uma das mais importantes da área, Association for History and Computing, e outras similares em vários paises pela Europa. Na década de 1990, vinte cinco países tinham suas próprias organizações nacionais e a Associação de História e Computação. Historiadores, interessados pelo trabalho interdisciplinar em ciências sociais e sua interação com o uso de estatísticas, começaram a construir modelos de organização e gerenciamento de informações adequadas à complexidade das fontes históricas. Segundo o historiador Luciano Figueiredo (2007, p. 5): Ele [a informática] permite organizar todas as fontes documentais da pesquisa, além de estabelecer um Thesaurus com o sentido dos termos de época, e analisar com estatísticas o em prego destas expressões. Processa ainda digitalização através do scanner, possibilitando a restauração de sua imagem, além da limpeza, reconstituição e ampliação do registro manuscrito. A partir daí é capaz de reconhecer por meio de recursos sofisticadíssimos as letras e palavras manuscritas auxiliando na transcrição. Alguns exemplos podem revelar a riqueza (e utilidade) dessa tecnologia, como a possibilidade de comparação entre transcrição moderna e a imagem original ou, para mapas panorâmicos de cidades antigas, a individualização da imagem de cada prédio com a recuperação de textos informativos com um resumo sobre sua história. No Brasil, este tema ganhou força em fins de 1980, resultando na criação, em 1991, da Associação Brasileira de História e Computação (ABHC), por ocasião do Encontro Internacional de História e Computação, organizado pelo Curso de Pós- Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina. A ABHC, primeira em seu gênero na América Latina, foi responsável pela realização de vários eventos, como a série de Encontro de História e Computação, iniciadas em 1991 em Santa Catarina. Havendo também publicações de trabalhos pioneiros como o de Guilherme P. das Neves (UFF), O sonho de Comenius: o uso de micro-computador em uma pesquisa

10 de História social (1990) e o de Ernesto Ruiz (UFSC), Informática e História; uma perspectiva de sua evolução (1991). Como resultado de um rápido levantamento da produção historiográfica nacional e internacional acerca deste tema, podemos observar um fato interessante, a mudança de nomenclatura (ou pelo menos a sua indefinição conceitual) ao longo destas três décadas. Podemos observar no início a utilização do termo história e informática e de história e computação e atualmente a utilização história digital. Sendo necessário a realização de estudos mais profundos para melhor compreender estas mudanças de nomenclaturas. Esta pesquisa torna-se importante interdisciplinarmente, contribuindo com a Ciência da Informação na discussão acerca da produção científica, passando pela discussão acerca da preservação, divulgação, recuperação e acesso da informação na sociedade. Assim como contribuindo para a historiografia na discussão de um arcabouço teórico, conceitual e metodológico sobre as múltiplas possibilidades do ofício do historiador na sociedade contemporânea, principalmente em conjunto da informática. Conclusão. Das poucas conclusões que podemos realizar, é a de que este campo de estudo ainda esta por crescer, tratando-se de uma jovem árvore frutífera que poderá, bem cuidada, fornecer excelentes frutos num futuro não muito distante. Sendo imprescindível observar que as novas tecnologias da computação podem auxiliar na produção historiográfica de várias formas, desde a classificação, padronização e quantificação de dados para a produção científica historiográfica, até mesmo na preservação do patrimônio social, visto seus impactos na preservação, recuperação, disseminação e acessibilidade das representações informacionais históricas. Referência bibliográfica. AXT, Gunter. Memória, cidadania e os novos campos de trabalho do historiador. História Hoje, v. 1, n. 4, p. 3, BADARÓ, Marcelo (Org.). História: pensar e fazer. Rio de janeiro: Laboratório Dimensões da História, BARRETO, Aldo de Albuquerque. A condição da informação. Revista São Paulo em

11 Perspectiva, São Paulo, v. 16, n. 3, p , CAMPELLO, G. O. Patrimônio e a cidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 11, 19 abr CAPURRO, Rafael; HJORLAND, Birger. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 1, p , jan./abr., FIGUEIREDO, Luciano R, História e Informática: O uso do computador. In, CARDOSO, Ciro F. e VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História, ensaios de teorias e metodologia. Rio de Janeiro: Ed. Campus, GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. Tradução de Maria Betânia Amoroso. São Paulo: Cia das Letras, GÓMES, Maria Nélida Gonzalez. Para uma reflexão epistemológica acerca da Ciência da Informação. Perspectiva em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p. 5-18, jan./jun., MARINHO JUNIOR, Inaldo Barbosa; SILVA, Junia Guimarães e. Arquivos e informação: uma parceria promissora. Arquivo e Administração, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p , jan./jun., NORA, Pierre. Entre memória e história: a problematização dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 9, dez OLIVEIRA, J. C. A.. Ciberhistória. Revista Museu, Site: Acessado em setembro de PINHEIRO, Lena Vânia Ribeiro. Informação Esse obscuro objeto da Ciência da informação. Morpheus, ano 2, n. 4, Processo evolutivo e tendências contemporâneas da Ciência da informação. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, vol. 15, n. 1, p , jan./ jun POLLACK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p , TONINI, R. S. S.; BARBOSA, M. L. A. A interdisciplinaridade da ciência da informação determinando a formação de seus profissionais. In: CINFORM- Encontro Nacional de Ciência da Informação, 7., 2007, Salvador. Anais... Salvador: [s.n.], 2007.

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Uma metodologia para avaliação automática de sites e sua aplicação em sites do Governo do Estado de Minas Gerais

Uma metodologia para avaliação automática de sites e sua aplicação em sites do Governo do Estado de Minas Gerais Resumos de Dissertações Uma metodologia para avaliação automática de sites e sua aplicação em sites do Governo do Estado de Minas Gerais EIRAS, Luiz Carlos Silva. Uma metodologia para avaliação automática

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS CARDOSO, Débora Regina 1 debora.cardoso@click21.com.br VALENTIM, Marta Lígia Pomim 2 valentim@marilia.unesp.br

Leia mais

SAULO PEGO JUSTINIANO DA COSTA

SAULO PEGO JUSTINIANO DA COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU- MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TURMA - 33 SAULO PEGO JUSTINIANO DA

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO D01 (H) - Reconhecer a História como produto histórico, social e cultural e suas implicações na produção historiográfica. D02 (H) - Reconhecer o ofício do historiador como produtor do conhecimento histórico.

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças.

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Camila Cerqueira dos Santos SILVA (FE/UFG) camilacerqueira@hotmail.com Ivone Garcia BARBOSA (FE/UFG) ivonegbarbosa@hotmail.com

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS.

A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS. A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS. Kelly Souza. 1 Se estes dois rios fôssemos, Maria, Todas as vezes que nos encontramos, Que Amazonas

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA ANPUH-BRASIL O PERFIL PROFISSIONAL DOS HISTORIADORES ATUANTES EM ARQUIVOS DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO São Paulo, dezembro de 2012. APRESENTAÇÃO Este documento, produzido

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

MEMÓRIA DO MOVIMENTO FEMININO NO BRASIL PELO DISCURSO DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

MEMÓRIA DO MOVIMENTO FEMININO NO BRASIL PELO DISCURSO DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PÔSTER MEMÓRIA DO MOVIMENTO FEMININO NO BRASIL PELO DISCURSO DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA Carmen Lucia Ribeiro Pereira RESUMO: A Ciência da Informação, como campo interdisciplinar do conhecimento, articulase

Leia mais

BIBLIOTECÁRIOS E ARQUIVISTAS: NOVOS FAZERES NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO 1

BIBLIOTECÁRIOS E ARQUIVISTAS: NOVOS FAZERES NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO 1 BIBLIOTECÁRIOS E ARQUIVISTAS: NOVOS FAZERES NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO 1 Miriam Vieira da Cunha 2 Resumo Discute as funções do bibliotecário e do arquivista na sociedade do conhecimento. Faz uma reflexão

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

1 REFLEXÃO. 1 PERRENOUD, Philippe. Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000, p.81.

1 REFLEXÃO. 1 PERRENOUD, Philippe. Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000, p.81. UNIDADE DE GESTÃO TECNOLÓGICA (GETEC) PIC PLANEJAMENTO INTERDISCIPLINAR POR CURSO Curso: TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Período: 2º e 4º Ano: 2011/2 Coordenador (a): Jackson Eduardo Gonçalves Professores a cooperação

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD

A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD Goiânia GO - Abril 2010 Lia Camila dos Reis Figueiredo - Colégio Meta - Goiânia GO liacamila19@hotmail.com Danuza Janne Ribeiro de Almeida - Polo Goiânia I SEPC / UNOPAR danuzajan@hotmail.com

Leia mais

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO Eliany Alvarenga de Araújo' 1 1 - INTRODUÇÃO Inicialmente eu gostaria de agradecer a Comissão Organizadora do 15 Painel Biblioteconomia em Santa Catarina,

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL: O AVANÇO TECNOLÓGICO À LUZ DOS DIREITOS HUMANOS

INCLUSÃO DIGITAL: O AVANÇO TECNOLÓGICO À LUZ DOS DIREITOS HUMANOS INCLUSÃO DIGITAL: O AVANÇO TECNOLÓGICO À LUZ DOS DIREITOS HUMANOS Josefina Elvira Trindade Ramos Rios 1 RESUMO Este artigo é o resultado de um esforço para contextualizar em linhas gerais a sociedade do

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet (RECUERO, Raquel. Porto Alegre, RS: Editora Sulina, 2012) Vinicius Paiva Cândido dos SANTOS 1 Diante de uma

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR A INFORMÁTICA E A MÍDIA IMPRESSA: COMO ELAS PODEM Prudentópolis 2013 MARIA MAZUR A INFORMÁTICA

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS Frederico Silva Lopes AGUIAR; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia (FaFil) - Universidade

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

Da Comunicação e Educação à Comunicação Educativa: um novo espaço curricular?

Da Comunicação e Educação à Comunicação Educativa: um novo espaço curricular? Da Comunicação e Educação à Comunicação Educativa: um novo espaço curricular? José Esteves Rei e António Moreira O espaço eurístico da área temática Comunicação e Educação não se esgota, seguramente, na

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba

Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba DA GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA AO MESTRADO E DOUTORADO Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba Refletir sobre a preparação de um profissional arquivista

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

ENSINO JURÍDICO E EDUCAÇÃO PARA A ALTERIDADE: RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E UMA EXPERIÊNCIA DE SALA DE AULA 1

ENSINO JURÍDICO E EDUCAÇÃO PARA A ALTERIDADE: RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E UMA EXPERIÊNCIA DE SALA DE AULA 1 ENSINO JURÍDICO E EDUCAÇÃO PARA A ALTERIDADE: RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E UMA EXPERIÊNCIA DE SALA DE AULA 1 Adriana Goulart de Sena 2 Mila Batista Leite Corrêa da Costa 3 O papel desempenhado pela universidade,

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Ensino Médio Regular e EJA

Ensino Médio Regular e EJA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE Ciências Humanas Ensino Médio Regular e EJA Elementos que compõem a Matriz domínio/tópico/ tema DOMÍNIO I Memória e RepresenTAções D01 (H) D02 (H) Agrupam por afinidade D03 (H)

Leia mais

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG.

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Alex Soares André Ogando Karime Marcenes Márcia Bolina Wallace Carvalho RESUMO No contexto

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais