Relatório de Gestão Semestral 2014 CONTROLADORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Gestão Semestral 2014 CONTROLADORIA"

Transcrição

1 Relatório de Gestão Semestral 2014 CONTROLADORIA Porto Alegre 30 de junho de

2 Sumario Introdução...3 Síntese do Plano Plurianual Departamento de Inscrição e Cadastro Departamento Fiscalização Departamento Recursos Humanos Departamento Cobrança Departamento Assessoria de Tecnologia da Informação Departamento Procuradoria Geral Departamento de Patrimônio Departamento de Comunicação Departamento Financeiro Conclusão Controladoria Geral

3 Introdução Em cumprimento a resolução Nº 373/2011, do acompanhamento e relatório de gestão, foram utilizados métodos de avaliação específicos da gestão pública para análises de indicadores de gestão administrativa e financeira. O presente relatório abrange os períodos semestrais da gestão administrativa e financeira de 2012, 2013 e 2014 de janeiro a junho; visa atender com informações os princípios que regem a Administração Pública, especialmente quanto ao cumprimento do atendimento do interesse do estado do Rio Grande do Sul, inerente à fiscalização do exercício da Enfermagem. Objetivando a apresentação do desenvolvimento das principais atividades do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul / COREN-RS, de forma clara, concisa, completa, exata e objetiva, foram relacionados itens de controle interno em relação à disciplina e fiscalização do exercício profissional, à expedição de cédula de identidade profissional; indispensável ao exercício da profissão; assim como, à proposta orçamentária desta Autarquia, primando pela qualidade dos dados coletados, sua respectiva análise técnica e conclusão. Os indicadores são usados para articular e comunicar as estratégias da gestão COREN-RS, alinhando as iniciativas individuais, interdepartamentais e organizacionais com o fim de alcançar uma meta comum cumprir com excelência as competências do sistema COFEN/ COREN-RS. Caracterizamos neste relatório, o acompanhamento de 09 (nove) departamentos/ assessorias quanto ao cumprimento dos atos definidores da gestão administrativa, tendo por prioridade as competências desta Autarquia, com vista à legalidade, visibilidade técnica e eficiência. São os departamentos/ assessorias: 1. Inscrição e Cadastro 2. Fiscalização Profissional 3. Recursos Humanos 4. Cobrança Administrativa 5. Tecnologia da Informação 6. Procuradoria Geral 7. Patrimônio 8. Comunicação 9. Financeiro Consta também neste relatório, síntese do Plano Plurianual-PPA, instrumento metodológico que auxilia, por meio do desdobramento e acompanhamento das diretrizes, que as ações realizadas neste Conselho, sejam intervenções organizadas com melhores possibilidades de atingir os objetivos propostos pela gestão 2012/2014 do COREN-RS. 03 3

4 Neste sentido, a Controladoria-Geral, como Órgão de Assessoramento Técnico, juntamente com sua nova estrutura funcional de Gestão da Qualidade trabalham, através do gerenciamento do controle interno, para o cumprimento do programa de Planejamento Estratégico (Plano Plurianual - PPA). Estas duas unidades, controle e qualidade, fortalecem a estrutura administrava do COREN-RS, conduzindo à melhoria dos resultados apresentados pela Gestão Pública. Esse novo aspecto instituído na Controladoria-Geral foi planejado por meio de um projeto de estruturação deste setor, com base na a Resolução COFEN nº 373/2011. O projeto visa melhorias no Planejamento Administrativo e Controle interno, implantando a unidade Gestão da Qualidade e Ouvidoria-Geral na organização estrutural da Controladoria-Geral. No momento, a Gestão de Qualidade já se faz presente e atuante como unidade do controle interno. Desta forma, a Controladoria vem ampliando suas ações administrativas corretivas, como instância preventiva de gestão em sua organização. A Gestão da Qualidade é um componente fundamental na mensuração dos resultados, pois atua de forma defensiva perante as ações de gestão. O apoio da qualidade na análise dos dados mensurados possibilita a produção de instrumentos de controle confiáveis, que auxiliam para as decisões gerenciais. Essa atual conformação na Controladoria-Geral permite voltar às ações de controle necessárias para a realização do monitoramento adequado das atividades administrativas/gerenciais, levando em consideração a legalidade, a transparência, a eficácia e a eficiência. SÍNTESE PLANO PLURI ANUAL 02 Políticas 03 Diretrizes 04 Programas 13 Programas 52 Ações

5 Quadro Plano Plurianual PPA COREN-RS DESCRIÇÃO Metas físicas Previstas Realizadas Investimento A. POLÍTICAS EXTERNAS (CLIENTE) I. DIRETRIZ: CONSOLIDAR CREDIBILIDADE DA ENFERMAGEM GAÚCHA 1. PROGRAMA(ESTRATÉGIA): DEMOCRACIA E DIÁLOGO PROJETO 01: COREN-RS MAIS PRÓXIMO OBJETIVO: Conhecer as diferentes realidades dos locais de trabalho dos profissionais de Enfermagem, colher as demandas da categoria no Estado, pela plenária do COREN-RS, para orientar Políticas Públicas e Institucionais e divulgar ações realizadas pela gestão. PROJETO 02: VISIBILIDADE DAS AÇÕES DO COREN-RS OBJETIVO: Divulgar com transparência as ações realizadas pelo Coren-RS, proporcionando a participação dos Inscritos na tomada de decisões do Conselho. PROJETO 03: QUALIFICA COREN-RS OBJETIVO: Capacitar profissionais de Enfermagem na execução de suas competências/ atribuições contribuindo para o fortalecimento da profissão pelo conhecimento. 2. PROGRAMA(ESTRATÉGIA): EXCELÊNCIA NA ENFERMAGEM GAÚCHA PROJETO 04: CONSCIÊNCIA PROFISSIONAL OBJETIVO: Realizar as ações de Fiscalização Profissional do COREN-RS junto aos Serviços de Enfermagem do RS. PROJETO 05: VALORIZAÇÃO DA ENFERMAGEM NO CONTEXTO SOCIAL OBJETIVO: Mobilizar ações em Parcerias com Instituições de Saúde/ Ensino de valorização da Enfermagem como a aprovação de Projetos de Lei dos profissionais de Enfermagem. PROJETO 06: FOMENTO ÀS CÂMARAS TÉCNICAS DE ENFERMAGEM OBJETIVO: Desenvolver estudos visando normatizações de condutas e procedimentos dos profissionais de Enfermagem

6 PPA COREN-RS B. POLÍTICAS DE GESTÃO INTEGRADA II. DIRETRIZ: AUTO SUSTENTABILIDADE 3. PROGRAMA(ESTRATÉGIA): TRANSPARÊNCIAS NAS AÇÕES FINANCEIRAS COREN-RS PROJETO 07: GESTÃO COM CONTROLADORIA INTERNA OBJETIVO: Melhorar de forma contínua a infraestrutura administrativafinanceira do Coren-RS, conforme legislação e procedimentos administrativos no Sistema Cofen. PROJETO 08: OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS FINANCEIROS OBJETIVO: Acompanhar o planejamento orçamentário com monitoramento dos processos e cumprimento de prazos. PROJETO 09: AUMENTAR RECEITAS OBJETIVO: Minimizar a inadimplência no Sistema COREN-RS. III. DIRETRIZ: OTIMIZAÇÃO PROCESSOS INTERNOS 4. PROGRAMA(ESTRATÉGIA): REESTRUTURAÇÃO DOS SERVIÇOS COREN-RS PROJETO 10: ORGANIZA COREN-RS OBJETIVO: Reestruturar a organização física, funcional e normativas internas do Conselho conforme plano de gestão PROJETO 11: GESTÃO COM QUALIDADE OBJETIVO: Implantar e monitorar ferramentas de apoio à gestão para aumentar a capacidade organizacional e técnica dos colaboradores do Coren-RS PROJETO 12: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO OBJETIVO: Realizar melhorias na gestão de recursos humanos visando colaboradores capacotados e com saúde. PROJETO 13: EXCELÊNCIA TECNOLÓGICA NA INFORMÁTICA OBJETIVO: Aprimorar as ferramentas de trabalho da área da informática, modernizando e otimizando os processos operacionais e gerenciais do Conselho. C. DESPESAS DE NATUREZA FIXA E CONTINUADA D. RESERVA DE CONTIGÊNCIA Total por ano R$ 0,00 R$ 0,00 Total Geral R$ 0,00 R$ 0,

7 ANÁLISE DOS INDICADORES COREN-RS Os indicadores de desempenho de gestão, como proposta ao monitoramento do controle interno, aplicados no auxílio à administração pública para tomadas de decisões gerenciais, bem como, no auxílio à mensurabilidade, complexidade e economicidade do monitoramento aos principais processos administrativo da Instituição, estão sendo acompanhados pela OCI Controladoria deste COREN-RS, como elementos de controle administrativos, tendo em vista, melhores resultados de gestão. Diante disso, a Controladoria, por meio de memorando, solicitou relatório de Gestão Administrativa abrangendo os indicadores de qualidade e produtividade a todos os departamentos da sede COREN-RS. No presente memorando foi salientado aos departamentos, que eles deveriam apresentar no relatório os seguintes itens: identificação de no mínimo três indicadores de Gestão Administrativa; comparação semestral, com a análise dos indicadores, referentes aos anos de 2012, 2013 e 2014; e descrição dos resultados de cada indicador com clareza, concisão e exatidão. Os critérios elaborados para apresentação dos indicadores, foram desenvolvidos com cada gestor na unidade de controle interno, assim, através de reuniões administravas, avaliou-se a utilização de indicadores de desempenho em real prática de aplicação em cada unidade de controle. Deste modo, cada departamento elencou seus próprios indicadores de qualidade e produtividade, de acordo com os processos de trabalho desenvolvidos no setor. Também coube a cada departamento a análise interpretativa de seus indicadores e a construção textual dessa apreciação. 07 7

8 DEPARTAMENTO DE INSCRIÇÃO E CADASTRO RELATÓRIO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA 2014/1 Enfª. Elisângela Paiva Sequeira Coordenadora Josué Schumacher Auxiliar Administrativo Porto Alegre, 30 de Junho de

9 SUMÁRIO LISTA DE GRÁFICOS... 3 LISTA DE TABELAS... 4 CONSIDERAÇÕES... 4 INTRODUÇÃO ATENDIMENTO RECEPÇÃO INSCRIÇÃO DEFINITIVA ATENDIMENTO TELEFÔNICO CONCLUSÃO

10 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Atendimento Recepção... 7 Gráfico 2 Inscrições Definitivas... 9 Gráfico 4 Atendimento Telefônico Mensal Gráfico 5 Atendimento Telefônico Total

11 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Atendimentos Realizados DIC Recepção por ano...8 TABELA 2 Comparativo de inscrições definitivas encaminhadas por ano...9 TABELA 3 Comparativo de informações por atendimento telefônico...11 CONSIDERAÇÕES O desenvolvimento deste relatório contou com a colaboração do funcionário Josué Schumacher da Silva, sob a supervisão e análise da Coordenadora Enfª. Elisângela Paiva Sequeira. Citamos também o apoio fornecido pela funcionária Nara Teresinha Santos Vivian da Recepção do COREN/RS, pelas informações prestadas referentes aos dados numéricos do indicador de Atendimento Presencial Recepção

12 INTRODUÇÃO O presente relatório tem por objetivo apresentar o trabalho desenvolvido durante o primeiro semestre do ano de 2014 pelo Departamento de Inscrição e Cadastro (DIC), do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, bem como seus resultados. Esperamos que todos possam ler com atenção e contribuir com sugestões para o aperfeiçoamento das ações e aprimorar o próximo Relatório de Atividades do Departamento de Inscrição e Cadastro. A estrutura deste trabalho é composta a partir das ações desenvolvidas em três Indicadores de Gestão: quantitativo de atendimentos presenciais na sede do COREN/RS (Recepção), quantitativo de inscrições definitivas encaminhadas e quantitativo de atendimentos Telefônicos Informações, sendo os dois últimos, seguindo os preceitos da Resolução COFEN nº 448/2013 e demais normas correlatas. Para que possamos analisar de forma clara e concisa tais indicadores, os dados serão apresentados em forma de gráficos e de tabelas, os quais terão efeitos comparativos com relação aos números obtidos nos anos de 2012, 2013 e Desta forma, podemos dizer que se trata de um relatório de gestão que busca alcançar pelo menos três objetivos: cumprir a formalidade institucional semestral; fornecer à comunidade interna do COREN/RS um conhecimento básico sobre os serviços prestados pelo Departamento de Inscrição e Cadastro a seus inscritos e, realizar a auto avaliação do setor com relação às estatísticas de progressão ou de regressão nos variados indicadores trabalhados

13 1 ATENDIMENTO RECEPÇÃO Conselho Regional de Enfermagem Rio Grande do Sul No período de Janeiro a Junho de 2014, o Departamento de Inscrição e Cadastro (DIC) Recepção, realizou atendimentos, 2499 atendimentos a menos do que o realizado no mesmo período de 2013, representando uma diminuição de 16,60%. Fazendo esta mesma comparação semestral entre os anos de 2014 e 2012, perceberemos uma diferença ainda mais significativa. Até Junho de 2012, foram registrados atendimentos, uma diferença de 3117 atendimentos, isto representa que o primeiro semestre de 2014 apresenta uma queda de 19,89% com relação aos resultados de Há que se ressaltar que desde 18/10/2012, o Sistema de Gerenciamento de Atendimento apresentou erros e, até a presente data, o problema não foi solucionado. Desta forma, surgiu a necessidade de criar um controle manual para registrar o quantitativo diário de atendimentos. Isto é, por se tratar de um tipo de registro não automatizado, pode apresentar uma pequena margem de erro nos dados citados, porém, nada que altere significativamente os resultados obtidos. Estas quedas devem-se também às novas políticas adotadas pela gestão atual. A gestão assumiu no mês de Abril de 2012 com o objetivo de aproximar o Coren aos inscritos, de forma que muitos profissionais receberam atendimentos em suas próprias cidades, através dos projetos Coren Móvel e Coren Itinerante. Além desses projetos, foram desenvolvidas ferramentas online que contribuíram para a descentralização dos atendimentos na sede, tais como: A disponibilidade da Certidão Negativa de Débitos e Certidão de Regularidade no Portal Coren acarretou na diminuição da demanda de atendimento referente a este processo, pois com esta ferramenta é 06 13

14 desobrigado ao inscrito comparecer ao Conselho, dando agilidade no atendimento aos profissionais que realmente precisam vir até o Coren. Outra ferramenta de atendimento utilizada durante o ano de 2012, 2013 e 2014 que causou diminuição nos atendimentos na sede do Conselho, foram os pontos de atendimentos externos (Totens), distribuídos nos hospitais Mãe de Deus, Nossa Senhora da Conceição e Hospital São Lucas da PUC. O gráfico abaixo ilustrará a comparação realizada entre o período de Janeiro a Junho dos anos de 2012, 2013 e ATENDIMENTO RECEPÇÃO JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO Gráfico 2 Atendimentos Realizados DIC Recepção Fonte: Planilha desenvolvida pela funcionária responsável pela Recepção do COREN/RS

15 Logo abaixo, segue um comparativo dos atendimentos realizados pelo DIC nos últimos três anos TABELA 1 Atendimentos Realizados DIC Recepção por ano Ano Total 2012/ / / TOTAL Fonte: Relatório Anual Fonte: Planilha desenvolvida pela funcionária responsável pela Recepção do Coren/RS INSCRIÇÃO DEFINITIVA O Departamento de Inscrição e Cadastro emitiu em 2013, um total de 7091 registros definitivos, distribuídos entre as categorias de Auxiliar de Enfermagem, Técnico de Enfermagem e Enfermeiro, com um prazo de entrega de no máximo quinze dias. Este resultado representa uma diminuição de aproximadamente 13,86% em relação ao ano de 2012, onde foram emitidos 8232 registros. Relacionando os resultados obtidos em 2013 com os do primeiro semestre de 2014, percebemos que em todas as categorias há a ocorrência de decréscimos. Na categoria de Auxiliar de Enfermagem, observa-se uma queda de 70%, na de Técnico de Enfermagem, 56,39% e na categoria de Enfermeiro, verifica-se 64,49% de declínio. Lembramos aos leitores deste relatório, que os resultados supracitados referenciam-se em um comparativo com o ano de 2013 em sua integralidade. Portanto, se os compararmos proporcionalmente, perceberemos que o decréscimo verificado seria na verdade de 12,77% para a categoria de Técnico de Enfermagem, 28,98% para Enfermeiro e, de 40% para a categoria de Auxiliar de Enfermagem, que certamente tende a continuar em declínio pelo fato do curso não estar sendo mais ministrado

16 Para melhor visualização dos resultados, apresentamos o gráfico abaixo, que compara o quantitativo de inscrições definitivas encaminhadas nos últimos três anos. INSCRIÇÕES DEFINITIVAS /1 ENFERMEIRO TÉCNICO DE ENFERMAGEM AUXILIAR DE ENFERMAGEM Gráfico 3 Inscrições Definitivas. Fonte: SISCOREN, Relatório de Encaminhamento de Documentos. A tabela a seguir demonstra o número de inscrições definitivas encaminhadas em todas as categorias nos últimos três anos: TABELA 2 Comparativo de inscrições definitivas encaminhadas por ano Categoria Ano Auxiliar de Enfermagem Técnico de Enfermagem Enfermeiro / TOTAL Fonte: SISCOREN, Relatório Anual DIC,

17 3 ATENDIMENTO TELEFÔNICO - INFORMAÇÕES Atualmente, o Setor de Informações do Departamento de Inscrição e Cadastro continua contando com apenas duas linhas telefônicas, para atender às solicitações dos mais de cento e dezoito mil inscritos do Conselho Regional de Enfermagem entre ativos e inativos, sem contar as pessoas não inscritas que buscam informações referentes ao requerimento de sua primeira inscrição. As principais dúvidas estão relacionadas à documentação necessária para o encaminhamento do primeiro registro, segunda via de cédula, cancelamento de inscrição e ainda, informações sobre emissão de segunda via de boleto das anuidades. No gráfico abaixo, podemos verificar que ocorre um declínio gradual no número de atendimentos registrados entre os meses de Janeiro e Abril. Logo após, observa-se uma pequena elevação em Maio, seguido de uma nova queda em Junho. Até agora, o ápice de ligações foi obtido no mês de Janeiro, em contradição com os anos anteriores, onde o maior número de registros está concentrado nos meses de Março e Abril, por causa da data limite estipulada pelo COFEN em sua Resolução nº 448/2013, para que o profissional cancele seu registro obtendo a isenção da anuidade vigente. ATENDIMENTO TELEFÔNICO MENSAL JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

18 Gráfico 4 Atendimento Telefônico Mensal - Setor de Informações DIC 2014/1. Fonte: HELP DESK, Controle de Atendimento por Funcionário, 2014/1. Logo abaixo, seguem os dados referentes aos atendimentos realizados pelo Setor de Informações do Departamento de Inscrição e Cadastro nos últimos três anos. TABELA 3 Comparativo de informações por atendimento telefônico Ano Total / TOTAL Fonte: HELP DESK, 2014/1. Fonte: Relatório Anual DIC, Em 2014/1, foram registrados 9544 atendimentos via telefone. Analisando comparativamente a quantidade de atendimentos realizados durante os anos de 2012, 2013 e 2014/1, verificamos uma considerável queda, sendo a de 2012 para 2013 de 38,73%, a de 2013 para 2014/1 de 29,97% e a de 2012 para 2014/1, ainda maior, representando 57,09%. No próximo gráfico, poderemos ter uma melhor visualização do que representa o declínio observado nos dados anteriores

19 ATENDIMENTO TELEFÔNICO ANUAL /1 Gráfico 5 Atendimento Telefônico Anual - Setor de Informações DIC 2014/1. Fonte: HELP DESK, Controle de Atendimento por Funcionário 2014/1. Relatório Anual DIC, É difícil precisar qual o motivo deste decréscimo tão expressivo. Talvez os números apresentados não sejam exatos, pois alguns atendimentos acabam não sendo registrados como deveriam, muito provavelmente pela grande demanda de telefonemas para as duas linhas disponíveis atualmente. Porém, cabe lembrar que o Departamento de Inscrição e Cadastro adotou também o Chat, uma ferramenta de atendimento online que, por ter um custo menor, vem sendo muito utilizada pelos inscritos e contribui bastante para a diminuição da procura dos serviços de informações via telefone. Aliás, é bom ressaltar que os mesmos atendentes que prestam as informações via telefone também atendem ao Chat online, fato este que pode justificar o que nos referimos anteriormente relativo às altas demandas de atendimentos e à falta de registro de alguns atendimentos neste segmento. Logicamente que a comparação do ano 2012 e 2013 com 2014/1, desta forma, acaba obtendo valores desproporcionais. Então, se compararmos o 2014/1 com metade do valor de 2012, ainda observaremos um déficit de 14,19%. Já se fizermos o mesmo entre 2014/1 e 2013, obteremos uma alta de 40,05% na quantidade de atendimentos registrado

20 CONCLUSÃO Analisando os resultados dos indicadores apresentados neste relatório, podemos concluir que o primeiro semestre de 2014 tem demonstrado índices satisfatórios, tanto no quesito quantitativo quanto no qualitativo. Os valores obtidos no indicador de Atendimento Presencial - Recepção vêm retratar uma diminuição gradual neste segmento. Diminuição esta que pode ser entendida como um avanço se analisarmos que disponibilizamos meios para que o inscrito possa ser atendido sem precisar se deslocar até o COREN. Isto acaba gerando uma maior satisfação ao inscrito que utiliza as ferramentas de autoatendimento e de atendimento online e, também, aos inscritos que necessitam do atendimento presencial, pois o mesmo se torna mais ágil e eficaz. Com estas estratégias, o COREN/RS procura proporcionar a seus inscritos, praticidade, comodidade e segurança, estabelecendo assim uma relação de respeito entre o profissional e seu órgão de classe. Conseguimos perceber também, que a entrada de novos inscritos mantém-se em um percentual relativamente estável, sofrendo apenas um leve decréscimo com relação aos anos anteriores. Além disso, cabe ressaltar que o Departamento de Inscrição e Cadastro adotou a prática de providenciar estes registros em um prazo máximo de quinze dias, sendo que o COFEN estipula um prazo padrão de trinta dias. Tal ação é realizada com o intuito de amparar os profissionais que, ao se formarem, já possuem oportunidade de emprego e necessitam do registro para assumir a vaga. Acreditamos que esta ação auxilia na formação de um bom relacionamento entre o COREN e seu inscrito. Dos indicadores apresentados neste relatório, o único que obteve resultados negativamente significativos foi o de Atendimento Telefônico. Como vimos, a quantidade de atendimentos registrados no primeiro semestre de 2014 foi bem menor que nos anos de 2012 e 2013, fato que, talvez, possa ser justificado pela grande utilização do Chat no serviço de informações, ou até mesmo, pela não utilização uniforme do sistema de registro de atendimentos (HELP DESK), mas que, momentaneamente, não podemos afirmar com certeza, pois não foram realizados estudos de dados estatísticos relacionados a este tipo de atendimento

21 O que podemos de fato afirmar, é que o Departamento de Inscrição e Cadastro tem buscado incessantemente a excelência no atendimento, instigando seus colaboradores a fornecer um tratamento cordial aos inscritos, se esforçando para promover a satisfação de todos e buscando soluções ágeis e eficazes para toda e qualquer situação que lhe for apresentada, atingindo, desta forma, seu principal objetivo

22 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 RELATÓRIO DE GESTÃO ADMINISTRATIVO SEMESTRAL DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO RESOLUÇÃO COFEN 373/2011 Mara Helena Scolari Fagundes Porto Alegre 30 junho de

23 Sumário 1.INTRODUÇÃO PROCESSO ADMINISTRATIVO FISCALIZATÓRIO (PAF) INSTITUIÇÕES VISITADAS PRODUTIVIDADE DA FISCALIZAÇÃO DADOS ADMINISTRATIVOS DO DEFISC CONCLUSÃO

24 1. INTRODUÇÃO O Departamento de Fiscalização (DEFISC) do COREN-RS tem como missão: Fiscalizar o cumprimento da Lei do Exercício Profissional, por meio de parceria com os Profissionais e Instituições de Saúde e de Ensino, garantindo à comunidade uma assistência de Enfermagem qualificada. O ano de 2013 caracterizou-se por mudanças significativas na forma de atuação do Conselho, referente às atividades fiscalizatórias, através da adoção dos Processos Administrativos Fiscalizatórios (PAF), sendo que anualmente são estabelecidas metas, pela Presidência do Conselho e Coordenação do DEFISC, para as atividades fiscalizatórias. Os PAFs têm seus fluxos e prazos definidos, os quais seguem a seguinte ordem: 1. Autuação do PAF pela Coordenação do DEFISC, seguindo meta anual estabelecida, averiguação de denúncia, cadastros, determinação da Presidência, entre outras; 2. O Fiscal designado realiza a Visita Fiscalizatória à instituição emitindo, se necessário, a Notificação Judicial; 3. O Fiscal realiza Visita de Inspeção 90 dias após a primeira Visita, emitindo o Termo de Inspeção; 4. O PAF é despachado à Coordenação DEFISC, para arquivamento ou envio ao DIPI em caso de não atendimento à todas as irregularidades; 5. A Coordenação do DEFISC, procede o arquivamento do PAF ou despacha ao DIPI; 6. O DIPI envia a Primeira Notificação Jurídica (NJ) determinando prazo de 15 dias. Decorrido este prazo o DIPI despacha o PAF para a Coordenação que delibera acerca dos documentos enviados, despachando, se necessário, para análise do Fiscal; 7. Se ainda restarem itens não atendidos, o PAF retorna ao DIPI para envio da segunda NJ com prazo de 10 dias; 03 24

25 8. Em caso de não atendimento, o DIPI despacha novamente à Coordenação que analisa caso a caso, podendo ainda convocar o Enfermeiro RT ou despachar o PAF para deliberação da Presidência. Para o ano de 2014, estabeleceu-se como meta visitar as Secretarias Municipais de Saúde do RS e Serviços de Atendimento Móvel cadastrados no SISCOREN. As atividades fiscalizatórias são registradas no Sistema Informatizado Coren-RS (SISCOREN) para documentar a sua execução, facilitar a emissão de relatórios estatísticos e possibilitar o controle e rastreamento dos PAF. O SISCOREN é uma importante ferramenta para a definir estrategicamente as ações do DEFISC. 2. PROCESSO ADMINISTRATIVO FISCALIZATÓRIO (PAF) De janeiro a junho de 2014 foram abertos 402 Processos Administrativos Fiscalizatórios (PAF), com as seguintes finalidades: averiguação de denúncias, cadastro e desativação de instituições e especialmente em cumprimento às metas estabelecidas para o ano. 3. INSTITUIÇÕES VISITADAS Uma das estratégias utilizadas pelo DEFISC foi a determinação de Instituição-Alvo para as ações fiscalizatórias, utilizando como critério, instituições de saúde com maior demanda de usuários. Logo, em 2013, o foco da fiscalização voltou-se para os Hospitais, conforme demonstrado pela tabela 01. Seguindo a mesma prerrogativa, para o ano de 2014, estabeleceu-se como meta, visitar as 497 Secretarias Municipais de Saúde do RS e os 200 Serviços de Atendimento Móvel cadastrados no SISCOREN. Todos os estabelecimentos que desenvolvem atividades inerentes à profissão de enfermagem são fiscalizados. Este ano, a fiscalização atingiu 35% dos municípios existentes no estado do Rio Grande do Sul (496)

26 TIPO INSTITUIÇÃO Ambulatórios Atendimento Móvel Clínica Cooperativa Ensino Médio Hemocentro Home Care Hospital ILPI Prefeituras 0 62 Secretaria Municipal de Saúde (SMS) Unidade de Saúde Pronto Atendimento Serviço de Residencial Terapêutico Outros TOTAL Tabela 01 Comparativo do número de Instituições abordadas no 1º semestre de 2013 e Em análise à tabela 01, constatamos que há um equilíbrio quanto ao número de instituições visitadas no período, com um desvio quanto ao tipo de instituição, justificado pela meta estabelecida para aquele ano. Sendo que foram fiscalizadas 145 Secretarias Municipais de Saúde (Prefeituras+SMS+UBS) do RS, neste semestre, contudo, no ano de 213 foram inspecionadas 129 SMS, logo, consideramos que foi atingida 55% (279) da meta estabelecida para as SMS. Quanto aos Serviços de Atendimento Móvel, foram visitados 81 serviços, atingindo 40% da meta 05 26

27 estabelecida. Vale ressaltar que o foco dos PAF está na qualidade das abordagens e no suporte oferecido às Instituições para adequarem-se ao preconizado pela Lei. 4. PRODUTIVIDADE DA FISCALIZAÇÃO Em análise à Tabela 03, observa-se algumas lacunas não informadas, o que se justifica pela inclusão destas informações, na agenda SISCOREN, no final do ano de 2013, razão pela qual não foi possível realizar uma análise comparativa. As referidas opções foram incluídas, em substituição à simples opção de expediente interno com o objetivo de refinar as informações, quantificando e especificando o tipo de atividade desempenhada pelos fiscais, sendo também possível mensurar o tempo despendido para a realização de cada atividade. Em análise comparativa ao número de visitas realizadas, observa-se um pequeno declínio quanto ao número total de visitas, provavelmente justificado pela realização de atividades internas em detrimento de atividades externas, durante os meses de janeiro e fevereiro, conforme determinação da presidência. Número de ATIVIDADES Averiguação de Denúncia Diligência Primeira Visita Fiscalizatória Visita Fiscalizatória Visita Fiscalizatória de Retorno Peritagem Capacitação Horas de Fiscalização 7912h 9577h Manutenção de Veículo Entrega e Recolhimento de documentos Evento

28 Representação Reunião Externa (Instituições) Análise de Documentos Análise de Documentos- SAE - 72 Análise de Documentos-DIMENSIONAMENTO Análise de Documentos-RSE Elaboração de Relatório de Visita Atendimento Convocação Expediente Interno Coren-RS Expediente Interno-RT Expediente Interno-SAC Reunião Interna (Coren-RS) Tabela 03 Atividades fiscalizatórias de 2013/2014 conforme agenda. 5. DADOS ADMINISTRATIVOS DO DEFISC O trabalho do DEFISC está diretamente relacionado com o Exercício Profissional da Enfermagem dentro das Instituições. Sendo assim, a fiscalização desenvolve suas atividades visando identificar a 07 28

29 presença dos profissionais da enfermagem regularmente inscritos, efetuar o cadastro destas instituições junto ao Conselho e contribuir para a organização do serviço de enfermagem. Dentre os itens solicitados através de Notificação Jurídica estão a Certidão de Responsabilidade Técnica (CRT), mais do que uma exigência legal é uma garantia que as Instituições de Saúde dão a seus usuários, de que a prestação de seus serviços, de assistência e cuidado de Enfermagem estão sendo executados sob supervisão de um profissional habilitado. Este documento designa formalmente o enfermeiro que responde pela assistência prestada na Instituição e o Regimento do Serviço de Enfermagem (RSE), que é o documento que aponta a missão do Serviço de Enfermagem e a filosofia de trabalho, sendo uma normativa organizacional que define o organograma, competências dos Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares de Enfermagem, horários de trabalho, recrutamento, entre outros. DADOS ADMINISTRATIVOS Instituições Cadastradas (c/ serviço de enfermagem) 2. Instituições com CRT (49,6%) 2665 (50,5%) 3. Instituição com RSE (43%) 2187(42%) Tabela 03 Resultados das ações fiscalizatórias

30 INSTITUIÇÕES CADASTRADAS X CRT X RSE Instituições Cadastradas (c/ serviço de enfermagem) 2. Instituições com CRT 3. Instituição com RSE Gráfico 01 Resultado das ações fiscalizatórias. Em análise à série histórica, observa-se que houve um aumento gradativo das instituições cadastradas com serviço de enfermagem, Quanto à presença de Certidão de Responsabilidade Técnica- CRT, observa-se que houve um aumento significativo quanto ao número de CRTs ativas no ano de 2013, após a implantação dos PAFs, com discreto aumento no 1º semestre de Importante mencionar o elevado número de cancelamentos de CRT no período (120) por motivos como: alta rotatividade do profissional enfermeiro e/ou por divergências internas, fato este que merece atenção no desenvolvimento das estratégias fiscalizatórias

31 6. CONCLUSÃO As mudanças ocorridas em 2013 impuseram um desafio complexo para toda a fiscalização. A implementação de um novo processo, simultaneamente com a troca da Coordenação, ampliaram as dificuldades. Entretanto, houve um esforço de toda a equipe que compõem o departamento, para que o fluxo dos Processos Administrativos Fiscalizatórios se concretizasse. Em continuidade aos protocolos e fluxogramas dos Processos Administrativos fiscalizatórios, o primeiro semestre de 2014, manteve suas atividades com o foco nas metas estabelecidas para este ano. O Departamento de Fiscalização manteve a realização de cursos periódicos, ministrados pelos Enfermeiros Fiscais, sobre Dimensionamento de Pessoal, Sistematização da Assistência de Enfermagem e Responsabilidade Técnica, visando capacitar os Enfermeiros Responsáveis Técnicos a desenvolverem mecanismos próprios para cumprir as solicitações contidas nas Notificações Jurídicas emitidas e, conseqüentemente qualificar o Serviço de Enfermagem. Importante registrar que o DEFISC recebeu 12 (doze) carros novos, em substituição aos usados. Com isso, otimizou o deslocamento, além de oferecer mais segurança aos fiscais. A análise dos dados nos mostra que ainda estamos aquém do ideal, apesar disso, pudemos identificar um crescimento incontestável nos resultados obtidos pelo trabalho do DEFISC. REFERÊNCIAS: Sistema Informatizado Coren-RS SISCOREN Mara Helena S. Fagundes Coordenação Técnica DEFISC- Sede Rosele Mussoi Coordenação Técnica DEFISC-Subseções 10 31

32 ASSESSORIA DE RECURSOS HUMANOS RELATÓRIO DE GESTÃO 1º SEMESTRE 2014 Michele Lang Assessora de Recursos Humanos Porto Alegre, 30 Junho de

33 Sumário Apresentação...3 Missão...4 Estrutura Organizacional...5 Estrutura Funcional...6 Fluxogramas...8 Providenciar mensalmente recarga cartão refeição...8 Providenciar mensalmente recarga de vale-transporte...9 Rotinas do departamento de recursos humanos...10 Convocações e contratações aprovados concurso público 01/ Contratação de estagiário...13 Acompanhar o desenvolvimento funcional...14 Férias para o quadro funcional...15 Sistema eletrônico de ponto...17 Providenciar realização do programa de controle médico e saúde ocupacional pcmso Providenciar a realização do programa de prevenção de riscos ambientais - ppra...19 Macroprocesso de Recursos Humanos...21 Resultados comparativos indicadores 2012 / 2013 / Conclusão

34 APRESENTAÇÃO Desde a Revolução Industrial até os dias de hoje as organizações sofreram incontestáveis mudanças no sentido de como vêem e tratam seus colaboradores. Hoje as pessoas são consideradas o principal ativo das organizações, sem as quais não se consegue mover as máquinas, por mais informatizados que estejamos. Num contexto de complexidade e incerteza, as organizações para alcançarem os resultados que almejam, terão que atuar de forma estratégica, direcionando todas as energias e recursos para a realização de seus objetivos e sua missão. Em relação aos recursos humanos, o desafio é mais crítico, pois as pessoas só empregarão suas energias em favor da organização, se estiverem profissionalmente motivadas. A moderna teoria organizacional busca resgatar o papel dos recursos humanos na formulação e implementação de estratégias organizacionais ressaltando a capacidade criadora das pessoas como elemento crítico no processo de construção organizacional. Por essa razão, os programas de desenvolvimento de recursos humanos constituem uma poderosa estratégia de renovação organizacional. Embora as pessoas possam ser consideradas como um recurso organizacional, são diferentes dos demais recursos porque têm capacidade de pensar, criar e de comprometer-se. Baseado nesta mudança de valores o Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul COREN-RS entende que deve manter a Assessoria de Recursos Humanos, para melhor cuidar deste precioso ativo, rotinizando processos que propiciem melhora na produtividade de sua equipe de trabalho

35 MISSÃO Promover o desenvolvimento dos colaboradores do COREN-RS, por meio da integração entre os departamentos e assessorias no cumprimento das atividades do COREN-RS, para manter os climas organizacionais saudável, profissionais e talentosos

36 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL QUADRO FUNCIONAL RH: A Assessoria de Recursos Humanos é composta por uma Assessora de Recursos Humanos. ORGANOGRAMA COREN / RS PLENÁRIO DIREÇÃO PRESIDENTE SETOR DE RECURSOS HUMANOS 05 36

37 ESTRUTURA FUNCIONAL A Assessoria de Recursos Humanos têm como atribuições: Estabelecer políticas de recursos humanos alinhados às metas institucionais, interagindo com os demais departamentos e serviços desta Autarquia; Providenciar e executar a contratação de pessoal; Fazer o registro dos colaboradores no sistema. Providenciar o contrato de trabalho padrão para admissão; Preencher e providenciar assinatura da carteira de trabalho; Manter atualizado o registro dos funcionários que utilizam transporte coletivo e alimentação; Providenciar Vale Transporte; Carregar cartões alimentação; Realizar convênio com instituições de ensino; Realizar entrevista de seleção de estagiários e jovens aprendizes; Manter o controle dos prazos dos contratos de experiência dos estagiários e providenciar, se for o caso, sua prorrogação; Providenciar a programação de férias dos colaboradores; Receber listagem horas / ponto e providenciar ajustes necessários no sistema eletrônico do ponto; Atendimento às demandas dos funcionários do Coren-RS; Emitir folha de pagamento e holerites conforme data previamente determinada, imprimir e providenciar entrega aos colaboradores para assinatura; Executar tarefas referentes a toda rotina de Pessoal na qual envolve atividade de admissões / demissões, controles de documentações, férias, solicitação de benefícios, dentre outros; Criar e manter o Programa de Avaliação de Desempenho dos colaboradores do Coren-RS; Padronizar as políticas de RH na Autarquia; 06 37

38 Manter o Programa de Cargos, Carreira e Salários; Providenciar e implementar o Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PCMSO e o Programa Profissional de Riscos Ambientais PPRA; Providenciar exames médicos admissionais, periódicos, de retorno e demissionais; Implementar padrões de Saúde e Segurança adequados com relação aos locais de trabalho e as questões de segurança, de acordo com a legislação vigente, emitindo relatório. Cumprir o Regimento Interno e zelar pelo patrimônio da Autarquia, otimizando o uso dos recursos disponíveis; Dirigir os automóveis do Coren-RS no exercício de suas funções; Manter o ambiente de trabalho organizado, agradável e operacional; Participar das oportunidades de capacitação proporcionados pelo Conselho; Promover a integração do trabalho entre a equipe respeitando a ética profissional e hierarquia

39 FLUXOGRAMAS PROVIDENCIAR MENSALMENTE RECARGA CARTÃO REFEIÇÃO Verificar mensalmente a listagem dos colaboradores do COREN/RS Funcionário possui cartão - refeição? Solicitar para a empresa fornecedora de vale refeição um cartão- refeição para o funcionário Solicitar através do site da Empresa ou por os créditos de recarga para os cartões refeição conforme a quantidade de dias úteis no mês Encaminhar planilha com o nome o valor do crédito de cada Colaborador para empresa fornecedora de vale-refeição Receber a Nota Fiscal, atestar e encaminhar ao Departamento Financeiro 08 39

40 PROVIDENCIAR MENSALMENTE RECARGA DE VALE-TRANSPORTE Solicitar, por escrito, a requisição dos Colaboradores que Desejam vale-transporte, constando o trajeto da linha de ônibus utilizada. Para a locomoção de casa/trabalho e vice-versa Com a autorização do desconto de 6% no salário Realizar Cadastro do COREN/RS no site das Empresas de ônibus Funcionário possui cartão de passagem? Solicitar, no site na Empresa um novo cartão Solicitar, mensalmente no site da Empresa a recarga dos cartões conforme a quantidade de dias úteis no mês Encaminhar o Boleto Bancário ou Memorando com os dados da Conta da Empresa, atestar a nota ou documento e encaminhar ao Departamento Financeiro para pagamento 09 40

41 ROTINAS DO DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Atualizar os dados cadastrais dos colaboradores Providenciar e Manter atualizado o Plano Odontológico, Auxílio Funeral e Seguro de Vida dos Colaboradores Manter e Controlar os contratos de estágio, providenciando, quando necessário a renovação de estágio Providenciar e controlar os exames médicos admissionais, periódicos e demissionais Participar de Reuniões entre departamentos/assessorias, Coordenações, Presidência Atender as demandas dos colaboradores Atender as demandas dos Coordenadores Atualizar Carteira de Trabalho Fiscalizar os Contratos sob a Gestão do RH No Dia do Pagamento mensal, imprimir e encaminhar aos Colaboradores o contra-cheque, colhendo assinatura de 1 via para arquivar na pasta funcional Padronizar as políticas de RH na Autarquia, manter o Programa de Cargos, Carreiras e Salários 10 41

42 CONVOCAÇÕES e CONTRATAÇÕES APROVADOS CONCURSO PÚBLICO 01/2014 Receber solicitação de convocação dos Aprovados da Presidência Providenciar convocação Aguardar o Prazo de Apresentação e Entrega dos Documentos Receber documentação em concordância com o Edital da Seleção Pública Documentação devidamente conferida Encaminhar documentação para parecer jurídico Iniciar Processo de Nomeação / Contrato do Concursado Juntar todos os documentos em pasta funcional Comunicar formalmente o Convocado Solicitar crachás e benefícios ( vale refeição, vale transporte, CONTRATAÇÃO seguro de vida, DE plano JOVEM odontológico APRENDIZ e auxílio funeral) 11 42

43 De acordo com o percentual estipulado pelo MPT; providenciar levantamento de funções compatíveis com o quadro funcional atual do Conselho Contatar instituições de Ensino Técnico e disponibilizar as vagas de acordo com a autorização prévia da Presidência Executar a contratação do Jovem Aprendiz mediante comprovação de frequência e, certificar-se de que o mesmo de não tenha tido sua CTPS assinada Providenciar benefícios igualmente aos dos demais funcionários: vale transporte, seguro de vida, auxílio funeral Credenciamento no sistema, assim como no ponto eletrônico; certificando que os mesmos não excederão 4h diárias de jornada Acompanhar juntamente com a coordenação o andamento do Jovem Aprendiz; observando seu período aquisitivo de férias, assim como não permitir que se excedam 24 meses de Contrato previsto por Lei

44 CONTRATAÇÃO DE ESTÁGIARIO Receber a solicitação de requisição de pessoal (estagiário) do Coordenador com a Autorização da Presidência Selecionar o estagiário juntamente com a Coordenação requisitante Verificar a Instituição de Ensino do Estagiário Possui Convênio com o COREN/RS? Contatar Instituição de Ensino e firmar Convênio Providenciar Contratação do Estagiário mediante Termo de Compromisso, assinado pelas partes Encaminhar para o Estagiário a Documentação exigida para a Contratação, bem como a requisição Do exame médico admissional Incluir o Estagiário na Apólice de Seguros Incluir o Estagiário no Sistema Abrir a Pasta Funcional e manter atualizada Encaminhar o Estagiário para a Coordenação Solicitante 13 44

45 ACOMPANHAR O DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL Comunicar os coordenadores sobre a avaliação de desenvolvimento funcional Orientar os coordenadores sobre a finalidade da avaliação de Desenvolvimento Definir o Instrumento de Avaliação de Desenvolvimento Estabelecer prazo de entrega das avaliações Receber as avaliações de Desenvolvimento Conferir o completo preenchimento e a presença das assinaturas do avaliador e avaliado Tabular e analisar as avaliações individualmente e por departamento/assessoria Arquivar original com o Ciente de Recebimento do Coordenador 14 45

46 FÉRIAS PARA O QUADRO FUNCIONAL Receber Planilha de Previsão de Férias do Quadro Funcional Atualizada conferir agendamento de férias com o período aquisitivo do colaborador Agendamento correto Monitorar Mensalmente a presença de agendamento de férias Férias Agendadas Continuar monitorando Providenciar solicitação de férias disponível na intranet, 45 dias antes da saída do colaborador e encaminhar ao RH com as devidas assinaturas Encaminhar para autorização do gabinete Após autorização,encaminhar para o financeiro; para que o aviso seja datado com 30 dias de antecedência e providenciado o contra cheque de férias. Encaminhar ao RH tais documentos para serem encaminhadas ao colaborador Assinatura do colaborador em 3 vias, sendo que uma retorna ao financeiro e uma fica na posse do mesmo 15 46

47 Dois dias antecedentes as férias, o colaborador deverá entregar a CTPS para as devidas anotações de férias ao RH Arquivar PROVIDENCIAR na pasta funcional DESLIGAMENTO uma via do recibo DO COLABORADOR de férias assinada pelo colaborador Receber manifesto da Presidência com o deferimento de desligamento do colaborador Chamar o colaborador para comunicar seu desligamento Encaminhar para realizar o exame de saúde ocupacional Receber o ASO do colaborador ASO apto para o desligamento? Cancelar o procedimento e aguardar nova orientação Comunicar a ATI por o desligamento do colaborador Encaminhar a comunicação de desligamento para o financeiro providenciar a rescisão Comunicar exclusão às Empresas de Seguro, Plano Odontológico e Auxílio Funeral 16 47

48 Rescisão assinada / homologada, arquivar na pasta funcional e encaminhar uma cópia para o Departamento Financeiro Arquivar pasta funcional e desligar o colaborador do Registro Eletrônico de Ponto SISTEMA ELETRÔNICO DE PONTO Cadastrar o colaborador no Sistema Eletrônico de ponto Cadastrar as digitais do colaborador no Sistema do Ponto Comunicar aos Coordenadores, por meio de Memorando, o funcionamento do ponto (regras e registros) Todo o dia 16 de cada mês imprimir a folha-ponto e encaminhar aos coordenadores para fazerem, juntamente com cada colaborador, os ajustes necessários Solicitar, ao Coordenador a entrega da folha-ponto com os ajustes na própria lamina, com as devidas alterações e autorizações do prazo estipulado em memorando do RH Realizar os ajustes da folha-ponto no Sistema Eletrônico de Ponto Arquivar folha-ponto na pasta funcional do colaborador Encaminhar ao Presidente Memorando, solicitando autorização para pagamento de Horas-Extras e desconto de faltas se houverem 17 48

49 Aprovados pelo Presidente Arquivar o documento na pasta funcional Encaminhar cópia do memorando com a autorização do Presidente para o Departamento Financeiro proceder com o pagamento e desconto, com prazo hábil antes do fechamento da folha. PROVIDENCIAR REALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL PCMSO Anualmente, contatar a Empresa de Medicina do Trabalho para a realização dos exames médicos periódicos dos colaboradores Agendar com os Colaboradores o dia e horário para a realização dos exames médicos Encaminhar a agenda para os Coordenadores e Presidência para ciência e acompanhamento do serviço Organizar o horário e os colaboradores no dia do exame médico Aguardar a realização dos Exames Receber a Nota Fiscal e encaminhar com atesto para o Departamento Financeiro Receber o Relatório Final e encaminhar a Presidência 18 49

50 PROVIDENCIAR A REALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - PPRA Abril de cada ano, solicitar Orçamento de 3 (três) Empresas para a realização do PPRA Verificar se as certidões de regularidade da Empresa estão em situação regular Encaminhar os Orçamentos e Propostas para apreciação da Presidência Presidente encaminha abertura do Processo Administrativo (PAD) para a Divisão de Processos Administrativos e Contratos - DIPAC DIPAC encaminha o PAD ao Departamento Financeiro para verificar se há Disponibilidade Orçamentária para a execução do serviço Orçamento disponível? Departamento Financeiro comunica ao Presidente Departamento Financeiro, através do PAD comunica ao Presidente a disponibilidade orçamentária Presidente solicita ao Recursos Humanos a realização do Termo de Referência Realizar o Termo de Referência de acordo com o menor Orçamento apresentado juntamente com os dados da Empresa, justificativa do serviço e forma de pagamento 19 Presidente oficializa o Departamento de Recursos Humanos a indisponibilidade orçamentária para execução do serviço Departamento de RH arquiva o documento e programa o serviço para o ano seguinte 50

51 Encaminhar o Termo de Referência ao Presidente Aguardar a Ordem de Serviço para a implementação a contratação do serviço Contatar com a Empresa contratada e solicitar o cronograma de atividades Encaminhar a proposta para a Presidência e Coordenadores para adequação de datas e horários para a execução do serviço Contatar a Empresa para iniciar a realização do PPRA Receber o Relatório Final e encaminhar a Presidência Encaminhar a Nota Fiscal com o atesto do serviço prestado ao Departamento Financeiro Aguardar a orientação da Presidência para o cumprimento das indicações previstas no PPRA 20 51

52 MACROPROCESSO DO RECURSSOS HUMANOS MANTER DOCUMENTAÇÃO DE PESSOAL ATUALIZADA PROVIDENCIAR BENEFÍCIOS PARA OS COLABORADORES PROVIDENCIAR AVALIAÇÕES DE DESENVOLVIMENTO SEMESTRALMENTE. PROMOVER A SEGURANÇA E SAÚDE DO QUADRO FUNCIONAL MANTER QUADRO FUNCIONAL REGULAR 21 52

53 RESULTADOS COMPARATIVOS INDICADORES 2012 / 2013 / º SEMESTRE ADMISSÕES Funcionários Jovens Aprendizes Estagiários DEMISSÕES Funcionários Jovens Aprendizes Estagiários ATIVOS Funcionários Jovens Aprendizes

54 Estagiários Quantitativo de Colaboradores por Departamento / Assessoria 1º Semestre SETOR Departamento Inscrição e Cadastro DIC Cobrança Departamento de Fiscalização Assessoria Recursos Humanos Almoxarifado Patrimônio Gestão da Qualidade Assessoria da Tec. Informação Controladoria Higienização Copa Departamento Financeiro Gabinete da Presidência Div. Proc. Adm. E Contratos Div. Proc. Institucionais Div. Proc. Jud. Contenciosos Div. Cobrança Jud. Div. Ativa Procuradoria Geral Assessoria Institucional Comunicação /Eventos Centro Histórico Cultural Subseção Capão da Canoa Subseção Caixas do Sul Subseção Pelotas Subseção Santa Maria Subseção Santa Cruz

55 Subseção Santa Rosa Subseção Uruguaiana Subseção Passo Fundo Contínuo - SINSERCON Quantitativo de Jovens Aprendizes por Departamento / Assessoria 1º Semestre SETOR Departamento Inscrição e Cadastro DIC Cobrança Departamento de Fiscalização Assessoria Recursos Humanos Almoxarifado Patrimônio Gestão da Qualidade Assessoria da Tec. Informação Controladoria Higienização Copa Departamento Financeiro Gabinete da Presidência Div. Proc. Adm. E Contratos Div. Proc. Institucionais Div. Proc. Jud. Contenciosos Div. Cobrança Jud. Div. Ativa Procuradoria Geral Assessoria Institucional Comunicação /Eventos Centro Histórico Cultural Subseção Capão da Canoa Subseção Caixas do Sul

56 Subseção Pelotas Subseção Santa Maria Subseção Santa Cruz Subseção Santa Rosa Subseção Uruguaiana Subseção Passo Fundo Contínuo - SINSERCON Quantitativo de Estagiários por Departamento / Assessoria 1º Semestre SETOR Departamento Inscrição e Cadastro DIC Cobrança Departamento de Fiscalização Assessoria Recursos Humanos Almoxarifado Patrimônio Gestão da Qualidade Assessoria da Tec. Informação Controladoria Higienização Copa Departamento Financeiro Gabinete da Presidência Div. Proc. Adm. E Contratos Div. Proc. Institucionais Div. Proc. Jud. Contenciosos Div. Cobrança Jud. Div. Ativa Procuradoria Geral Assessoria Institucional Comunicação / Eventos Centro Histórico Cultural

57 Subseção Capão da Canoa Subseção Caixas do Sul Subseção Pelotas Subseção Santa Maria Subseção Santa Cruz Subseção Santa Rosa Subseção Uruguaiana Subseção Passo Fundo Quantitativo de Cargos e Colaboradores por Cargo 1º Semestre SETOR Auxiliar Administrativo Auxiliar de Serviços Gerais Auxiliar Financeiro Assessor de Comunicação I Assessor de Comunicação II Assessor Jurídico Assessor de Cobrança Assessor Técnico Assessor Institucional Assessor de Recursos Humanos Assessor da Controladoria Assessor Especial da Presidência Analista de Redes e Comunicação Coordenador da ATI Chefe. Div. Processos Jud. Contenciosos Coordenador do Dpto Inscrição e Cadastro Coordenador dos Serviços Gerais Copeiro Chefe da Div. Proc. Adm. E Contratos Chefe do Depto Financeiro

58 Chefe da Assessoria Técnica Chefe da Div. Cobr. Judicial e Dívida Ativa Chefe da Div. De Processos Institucionais Encarregada do Almoxarifado Enfermeiro Fiscal Gerência de Projetos Motorista Operador de Micro Secretário Supervisor/ Assessor da Coord. DIC Técnico Processamento de Dados Técnico em Informática Técnico Agrícola Trabalhador de Serviços Gerais /Jardineiro Contínuo Chefe Administrativo Assessor Executivo Procurador Geral Procurador Adjunto Secretária Executiva Profissional de Educação Física Gestora de Qualidade Jovem Aprendiz

59 Colaboradores, Jovens Aprendizes e Estagiários em Termo de Gênero 1º Semestre GÊNERO Feminino Masculino Relação de Novos e Renovações de Convênios Firmados com Instituições de Ensino 1º Semestre INSTITUIÇÃO DE ENSINO Escola Técnica da Universidade de Caxias do Sul - CETEC Fundação de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul - FADERGS Faculdade Integrada de Santa Maria - FISMA QI Escolas e Faculdades SENAC / RS Serviço de Aprendizagem Comercial Universidade Anhanguera Educacional CIDADE Caxias do Sul Porto Alegre Santa Maria Porto Alegre Pelotas Porto Alegre 59

60 Conclusão No 1º semestre de 2014, a Assessoria de Recursos Humanos empreendeu esforços no sentido de alcançar as metas estipuladas pela atual Gestão deste Conselho, fazendo cumprir as determinações do Ministério Público do Trabalho. Neste sentido, a contar de 23 de maio de 2014, data estipulada pelo Órgão Agente (MPT) para o início da execução do Termo de Ajustamento de Conduta, foram desligados 09 funcionários, sendo 07 irregulares, o que representa 13,7% dos desligamentos que deverão ser efetivados até o término do 2º semestre de Com vistas a suprir as vagas geradas pelos desligamentos, este Conselho realizou, sob a coordenação técnico-administrativa da Fundação La Salle, o Concurso Público nº 01/14 objetivando o preenchimento de vagas em cargos administrativos, em conformidade com a Lei nº 9.962, de 22 de fevereiro de Para o bom andamento do processo de substituição de colaboradores, a Assessoria de Recursos Humanos promoveu a convocação de 32 concursados aprovados no processo, o que representa 100% das vagas previstas em edital. Outrossim, conforme dispõe a Lei de 19 de dezembro de 2000, e no sentido de atender o que determinou o Ministério do Trabalho e Emprego, em registro no Livro de Inspeção do Trabalho, datado de 27 de março de 2014, efetivou-se a contratação de 03 colaboradores, na modalidade Jovem Aprendiz. Quanto aos benefícios oferecidos pelo Conselho aos seus profissionais, destaca-se o cumprimento ao Acordo Coletivo vigente 2013/2014, no que tange ao fornecimento de vale refeição, auxílio funeral, seguro de vida e auxílio creche, conforme segue: A adesão ao Plano Odontológico variou entre 51 e 54 colaboradores ao longo do 1º semestre, tendo, por média, 53 beneficiados, o que representa 53,5% dos colaboradores; O Auxílio Creche foi concedido, em média, a 15 colaboradores, o que representa 15,6% de beneficiados; Seguro de Vida e Auxílio Funeral beneficiando 100% dos colaboradores, sendo que não houve utilização no período a que o presente Relatório se refere; 29 60

61 Quanto ao fornecimento de vale-transporte, benefício instituído pela Lei nº de 16 de dezembro de 1985, abrangeu de 40 a 44 colaboradores/estagiários ao longo do 1º semestre, tendo, por média, 43 colaboradores/estagiários, o que demonstra que a concessão beneficiou 37,7% da força de trabalho. Ainda com vistas a atender a Lei nº , de 25 de setembro de 2008, este Conselho efetivou a contratação de 02 novos estagiários, totalizando 15 contratos ativos, ao final do 1º semestre, contratações estas baseadas em convênios firmados em 2013, e mantidos em 2014, junto às Instituições de Ensino. Por fim, ressalta-se que a substituição de profissionais contratados de forma irregular por profissionais admitidos por concurso público terá por conseqüência a elevação da taxa de turnover. Frente ao exposto, com vistas a garantir a continuidade e qualidade do trabalho que vem sendo realizado, e promover a redução desta taxa, deve-se promover ações no sentido de capacitar e desenvolver os colaboradores, promover a melhoria nas condições de trabalho e ampliar o portfólio de benefícios oferecidos aos colaboradores, fatores que repercutem diretamente na motivação das pessoas

62 RELATÓRIO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA SEMESTAL SETOR DE COBRANÇA ADMINISTRATIVA FLORA VOLCATO DA COSTA Coordenadora do Setor de Cobrança Administrativa OAB/RS Porto Alegre 30 de junho de

63 Sumário 1.INTRODUÇÃO Indicadores Total de atendimentos presenciais Total de atendimentos via /telefone Tabelas Comparativas CONCLUSÃO

64 1. INTRODUÇÃO O Setor de Cobrança Administrativa do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul (COREN-RS), tem como objetivo essencial a regularização de pendências dos inscritos. As atividades desempenhadas pelos colaboradores deste Setor compreendem: atendimento ao inscrito (via telefone, e presencial), informações sobre débitos, negociação de dívida, dentre outras. Apresentaremos a seguir os dados dos serviços desenvolvidos durante o primeiro semestre do ano corrente (2014), bem como um quadro comparativo das atividades realizadas em anos anteriores, a fim de demonstrarmos a evolução dos serviços. Salienta-se, por fim, que a Cobrança Administrativa fazia parte do Departamento de Inscrição e Cadastro - DIC e a partir desta Gestão passou a ser um Setor Independente

65 2. INDICADORES Os indicadores desempenhados pelos colaboradores deste Setor compreendem: atendimento presencial e atendimento via /telefone. Neste sentido, segue inferiormente os dados dos indicadores no primeiro semestre do ano de 2014 (período de 01/01/2014 a 30/06/2014): 2.1 Total de atendimentos presenciais: Total de atendimentos via /telefone: Atendimentos Presenciais Atendimentos Telefone/ Fonte: HelpDesk - ATI 24/07/

66 3. TABELAS COMPARATIVAS À vista das informações supracitadas, segue inferiormente uma tabela comparativa do quantitativo dos indicadores dos anos anteriores. Tabela referente ao primeiro semestre dos anos de 2012, 2013 e Ano Atendimentos presenciais Atendimentos via /telefone 1º semestre º semestre º semestre TOTAL Tabela referente aos anos integrais de 2012 e 2013, como um comparativo com os resultados do primeiro semestre de Ano Atendimentos presenciais Atendimentos via /telefone º sem TOTAL

67 4. CONCLUSÃO Após análise dos dados acima abordados, verificou-se que o número de atendimentos via e/ou telefone e presencial aumentou consideravelmente, eis que apenas no primeiro semestre do ano corrente ultrapassamos a metade dos atendimentos realizados durante o ano integral de 2012 e Cumpre informar que o aumento relativo ao atendimento via /telefone devese a uma melhoria na organização interna do setor, com revezamento de atividades entre os funcionários, com o intuito de aumentar a quantidade e melhorar a qualidade dos atendimentos aos profissionais da enfermagem. Porto Alegre, 30 de junho de FLORA VOLCATO DA COSTA Coordenadora do Setor de Cobrança Administrativa OAB/RS

68 A S S E S S O R I A D E T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O D O C O R E N - R S R E L A T Ó R I O D E G E S T Ã O A D M I N I S T R A T I V O S E M E S T R A L 1 º S E M E S T R E D E PORTO ALEGRE-RS, 30 Junho de

69 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...03 INDICADORES DE GESTÃO - ATI...05 ÍNDICE DE INDISPONIBILIDADE DOS SERVIÇOS DE TI (RISCO OPERACIONAL)...05 ÍNDICES DO HELPDESK (RESULTADOS)...06 ÍNDICES DE UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS (RESULTADOS)...08 PORTAL COREN-RS...08 SISTEMA DE GESTÃO - SISCOREN...09 CONCLUSÃO

70 INTRODUÇÃO A Assessoria de Tecnologia da Informação é a estrutura orgânica do COREN-RS encarregado de gerir e manter a infraestrutura de Tecnologia da Informação e Comunicação. Os trabalhos da ATI estão centrados em permitir que as demais assessorias e departamentos administrativos tenham condições de realizarem suas atividades com o suporte tecnológico necessário. A ATI também assessora a Presidência do COREN-RS nos assuntos que envolvem TI, coordena e executa o Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI), ajuda na definição das necessidades do COREN com relação ao desenvolvimento e incorporação de novos sistemas, desenvolve e implementa políticas de Segurança da Informação e de uso seguro de recursos computacionais e de comunicações. As principais atribuições que a ATI tem são: 1. Estabelecer políticas de investimento para equipamentos, infraestrutura, softwares e prestação de serviços na área de Tecnologia da Informação e Comunicação do COREN-RS. 2. Estabelecer políticas para a Segurança da Informação e Comunicação, compreendendo a disponibilidade, a integridade, a confiabilidade e a autenticidade dos dados. 3. Gerenciar, implementar e manter o Sistema Integrado de Soluções COREN (SISCOREN). 5. Promover a uniformidade, a compatibilidade e a integração dos dados e soluções de gestão de dados dos profissionais de enfermagem. 6. Propor ações estratégicas de Tecnologia da Informação e Comunicação e sua respectiva execução orçamentária. 7. Viabilizar a infraestrutura tecnológica para a implementação do Planejamento Estratégico do COREN-RS. Conforme a figura 2 abaixo, pode ser observada que a ATI está subordinada diretamente à Presidência do COREN e dela recebe ordens e com os demais departamentos e assessorias do Conselho colabora e apoia as atividades onde a TI seja necessária

71 Figura 2 Organograma da Assessoria de Tecnologia da Informação. Atualmente, a ATI conta com 6 profissionais: três analistas (nível superior), 2 Técnicos em Processamento de dados (nível técnico), um estagiário (nível técnico) e um Auxiliar Administrativo (nível médio). A chefia e as divisões da ATI estão formadas atualmente com os seguintes profissionais: Chefia da ATI: um analista de sistemas que desempenha o cargo de Coordenador da Assessoria. Divisão de Modernização e Infraestrutura Tecnológica: um analista de rede que desempenha o Suporte Tecnológico e Infraestrutura de Rede, um técnico e um estagiário em processamento de dados e uma auxiliar administrativa que desempenham o suporte operacional. Divisão de Sistemas Corporativos: um analista de sistemas que desempenha o desenvolvimento de sistemas web e um técnico de processamento de dados que desempenha o desenvolvimento de sistemas desktop. Este relatório tem como objetivo apresentar gestão administrativa semestral através de indicadores da Assessoria de Tecnologia da Informação do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, focando na finalidade, objetivos e nas realizações do período de , e

72 INDICADORES DE GESTÃO - ATI O processo de medição na organização visa auxiliar o processo de definição de metas e objetivos, sejam operacionais, táticos ou estratégicos. A ATI monitora alguns indicadores a fim de obter resultados referentes aos serviços por ela prestados e com o intuito de corrigir eventuais desvios de percurso no andamento. Para este relatório, foram selecionadas duas áreas: Indicadores de Risco Operacional, Indicadores de Resultado. Para estes indicadores, foram medidos os seguintes índices: Índice de disponibilidade dos serviços de TI críticos para o negócio (Risco Operacional), Índices do Help Desk (Resultado), Índices de utilização dos sistemas (Resultado). A seguir, os comparativos referentes aos índices definidos pela ATI: ÍNDICE DE INDISPONIBILIDADE DOS SERVIÇOS DE TI (RISCO OPERACIONAL) Indisponibilidade do Link de Internet (1º Semetre) Anos (Semestre) Nrº de Horas de indisponibilidade Indisponibilidade semestral 1.6% 0.4% 0.4% Nrº de Horas Total Este importante indicador que afeta o risco operacional de TI, como podemos observar, caiu consideravelmente ao longo dos anos. Deve-se ao fato de que foram contratados os melhores serviços de Internet assim como foram elaborados melhores 05 72

73 contratos, prevendo inclusive um acordo de nível de serviço (SLA) satisfatório para ser mantido pelo fornecedor. ÍNDICES DO HELPDESK (RESULTADOS) Chamados no HelpDesk (1º Semestre) Anos (Semestre) Administrativos Técnicos Total Os indicadores do HelpDesk demonstram claramente a inversão dos tipos de chamados que antes eram em sua maioria administrativos para chamados mais técnicos. Deve-se a este fato, os treinamentos realizados pela TI aos setores referente a utilização de sistemas e uma reorganização do setor referente ao catálogo de serviços por ele oferecido. Desde o segundo semestre de 2013 a ATI está utilizando uma nova ferramenta de HelpDesk, o que permite uma análise maior dos dados cadastrados inclusive com relatórios que demonstram os indicadores de tempo de resposta e solução de acordo com o SLA definido para o problema, conforme podemos verificar o exemplo abaixo: 06 73

74 Período: a Total de horas válidas no período: 1740 Total de chamados fechados no período: Resposta em até 0.5 horas: 1437 chamados = 88.32% Resposta em até 1 horas: 125 chamadoss = 7.68% Resposta em mais de 1 horas: 65 chamados = 4% Solução em até 4 horas: 1476 chamados = 90.72% Solução em até 6 horas: 28 chamados = 1.72% Solução em mais de 6 horas: 123 chamados = 7.56% Tempo de Resposta X SLA definidos Resposta dentro do SLA: 1113 chamados 68.41% Resposta até 20% acima do SLA: 71 chamados 4.36% Resposta acima de 20% do SLA: 443 chamados 27.23% Tempo de resposta não definido para o setor: 0 chamados 0% Tempo de Solução X SLA definidos Solução dentro do SLA: 1227 chamados 75.41% Solução até 20% acima do SLA: 41 chamados 2.52% Solução acima de 20% do SLA:: 359 chamados 22.07% Tempo de solução não definido para o problema: 0 chamados 0% Tempo de Solução a partir da 1.ª resposta Solução dentro do SLA: 1346 chamados 82.73% Solução até 20% acima do SLA: 23 chamados 1.41% Solução acima de 20% do SLA:: 258 chamados 15.86% Tempo de solução não definido para o problema: 0 chamados 0% Tempo de Solução recalculado Solução dentro do SLA: 1241 chamados 76.28% Solução até 20% acima do SLA: 44 chamados 2.7% Solução acima de 20% do SLA:: 342 chamados 21.02% Tempo de solução não definido para o problema: 0 chamados 0% Como observamos acima, estamos com ótimos índices nos indicadores de resposta, sendo que de Janeiro de 2014 a Junho de 2014 foram atendidos

75 chamados e destes, chamados com solução dentro do SLA, representando 75.41% dos atendimentos. Com relação ao HelpDesk da TI, está previsto para o segundo semestre de 2014 a reorganização do setor em função do processo seletivo por concurso realizado no regional, e a funcionária administrativa do setor será realocada no setor financeiro. Pretende-se com esta manobra, tornar um setor estritamente técnico voltado para as questões estratégicas deste regional no apoio ao que diz respeito a informática. Com isto, todos os chamados administrativos deixarão de existir no setor, sendo que no catálogo de serviços constarão somente serviços técnicos no HelpDesk. As tarefas administrativas desempenhadas pela colaboradora em questão serão realocadas com a mesma e com demais setores a serem definidos posteriormente. ÍNDICES DE UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS (RESULTADOS) PORTAL COREN-RS Visitas ao Portal Coren (1º Semestre) Anos (Semestre) Quantitativo

76 Os indicadores de utilização dos sistemas têm por objetivo não somente medir o tempo de utilização mas também constatar a disponibilidade destes sistemas oferecidos pela TI aos usuários internos e externos (profissionais de Enfermagem e sociedade em geral). Nos índices de visitas ao Portal Coren podemos observar um aumento significativo em 2012, 2013 e Deve-se ao fato que na gestão atual , além do dinamismo na inclusão de informações diárias, foram implementados diversos serviços no Portal com o intuito de facilitar as necessidades que o profissional de Enfermagem possui e, dentre eles podemos citar: Atualização cadastral online, emissão de segunda via de boleto, emissão de certidão de regularidade e negativa, etc. Na medida em que estão sendo implementados mais serviços online, conclui-se que um maior número de profissionais realize o acesso mensalmente, aumentando assim o relacionamento entre Conselho e Inscrito, tão importante nos dias atuais. SISTEMA DE GESTÃO - SISCOREN Utilização do sistema de gestão do COREN-RS (1º Semestre) Anos (Semestre) Tempo em uso (horas) Quantidade de acessos

77 Este importante indicador demonstra que na gestão atual conseguimos capacitar mais usuários a utilizarem o sistema de gestão do Conselho em suas tarefas diárias o que representa maior controle nas ações executadas. Também destacamos que novas implementações foram realizadas no sistema de gestão o que ocasionou um aumento do número de usuários no sistema. Podemos citar como exemplo, o desenvolvimento de um sistema de peticionamento eletrônico junto a TRF o que facilitou muito o processo de distribuição eletrônica dos processos de execuções federais, a integração do sistema com o gerenciador eletrônico de documentos (GED), etc

78 CONCLUSÃO Os índices apresentados demonstram a eficiência da ATI como setor de suporte aos demais setores e as mudanças e implementações realizadas nesta gestão contribuem para uma significativa melhoria nos procedimentos operacionais da Instituição e na tomada de decisões de seus dirigentes, melhorando a prestação de serviços por parte do COREN ao seu público alvo. Desta forma, a ATI está buscando sempre a melhoria contínua na prestação dos seus serviços focando na identificação das necessidades para se alcançar uma infraestrutura de trabalho adequada para a prestação de serviços a fim de permitir que as demais assessorias e departamentos administrativos tenham condições de realizarem suas atividades com o suporte tecnológico necessário

79 PROCURADORIA GERAL CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL COREN/RS Relatório de Gestão Administrativa Semestral 1º Semestre de 2014 (Resolução COFEN 373/2011) Porto Alegre - RS, 30 de junho de

80 Introdução A Procuradoria Geral é um órgão de Assessoria Jurídica do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, composta pelo cargo de Procurador Geral e Procurador Adjunto, subdividida atualmente em 4 (quatro) Divisões: - Divisão de Cobrança Judicial e Dívida Ativa; Divisão com competência nos processos administrativos de inscrição em dívida ativa e na esfera judicial, por meio do ingresso de processo de execução fiscal (conforme Lei nº 6.830/80). - Divisão de Processos Administrativos e Contratos; Divisão com competência para a abertura e andamento dos processos administrativos que objetivam atividade meio do COREN/RS, processos de aquisições e contratações por meio de licitações, dispensa e inexigibilidade de licitação e perfectibilização dos contratos. - Divisão de Processos Contenciosos Judiciais; Divisão com competência para os processos ordinários que tramitam nas instâncias Judiciais, exceto relativos a execução fiscal; ações judiciais em que o Coren-RS é autor como as Ações Civis Públicas e ações no âmbito trabalhista. - Divisão de Processos Institucionais. Divisão com competência nos processos administrativos da Autarquia, voltados para as atividades fins do COREN-RS (Fiscalização, Ético, Inscrição e Cadastro e Institucionais). A Procuradoria Geral tem por finalidade o assessoramento e representação jurídica do COREN/RS perante os seus processos administrativos e judiciais. O Objetivo da Procuradoria Geral é a defesa dos interesses do COREN/RS no âmbito administrativo e judicial com a devida assessoria e orientações a todos os setores e Subseções, possibilitando o desenvolvimento das atividades dentro da legalidade, ética, lisura e moral

81 INDICADORES DE GESTÃO Abaixo seguirá os comparativos nos períodos compreendidos entre 2012, 2013 e É imperioso destacar que o comparativo nas tabelas abaixo, do ano de 2012, seguirá dados do período anual, visto que até aquele ano somente eram realizados comparativos anuais. 1) Tarefas Administrativas da Procuradoria Geral Segue abaixo o quadro de dados das tarefas administrativas realizadas pela Procuradoria Geral e a Divisão de Processos Institucionais, contendo comparativo relacionando as tarefas realizadas em semestres anteriores com as desempenhadas no 1º semestre do ano de Descrição 2012 (Anual) 2013 (Semestral) 2014 (1º semestre) Ofícios (diversos) PG Ofícios (diversos) DIPI Memorandos PG Memorandos DIPI Pareceres PG Pareceres DIPI Certidão Negativa de Processos Quadro 1: Tarefas administrativas 03 81

82 Oficios Memorandos Pareceres Certidão Negativa de Processos Os indicadores apresentam uma melhor eficiência na atividade fim da Procuradoria quanto ao assessoramento e orientações jurídicas, destacando o número de emissão de pareceres jurídicos e memorandos para os outros setores do COREN/RS, favorecendo assim a uma comunicabilidade e assessoramento direto aos outros órgãos de competência que integram o COREN/RS. No que tange aos Ofícios a grande maioria é respondido através da Presidência do Conselho, inobstante a Procuradoria Geral formalizar o texto quanto aos aspectos técnicos jurídicos acerca dos temas tratados. 2) Processos Administrativos da Divisão de Processos Institucionais Os processos em destaque compreendem os éticos, o suporte jurídico e assessoramento de todos os processos de fiscalização do exercício da Enfermagem de competência da Divisão de Fiscalização do COREN/RS. Vejamos quadro comparativo: Descrição 2012 (Anual) 2013 (Semestral) 2014 (1º semestre) Processos Éticos Processos Administrativos Fiscalizatório (Em atuação conjunta com DEFISC) (incluindo PAF s de 2013 e 2014) Quadro 2: Processos Administrativos 04 82

83 Processo Ético Processo Administrativo Fiscalizatório Os indicadores apresentam considerável aumento no número dos processos éticos e fiscalizatórios, dos quais são atividades fins do COREN/RS, ressaltando que a assessoria jurídica é realizada de forma direta e constante. Ressalta-se que os ofícios externos atualmente são realizados por meio da Presidência e referente às notificações extrajudiciais, como já pontuado, as mesmas tiveram sua implantação a partir de Quanto às reuniões, o número não foi computado em razão da assessoria diária que se implantou entre o DIPI e o DEFISC em favor de uma maior agilidade entre os setores, medida que visa a desburocratização, em troca de um contato cotidiano e direito. 3) Tarefas Judiciais da Divisão de Cobrança Judicial e Dívida Ativa O trabalho da Divisão corresponde ao processo de inscrição em dívida ativa e ajuizamento e acompanhamento das ações de execução fiscal. Neste sentido, segue quadro de dados das tarefas relacionadas ao andamento das ações e distribuições de novas execuções fiscais, observando que o regular processo administrativo com as notificações exigidas por lei foram implantado por esta nova gestão a partir do ano de 2012 são os processos administrativos de inscrição em dívida ativa (PPAIDA): 05 83

84 DESCRIÇÃO (Anual) (Semestral) (1º semestre) Petições Esfera Estadual Petições Esfera Federal Média de audiências realizadas Processos ativos Distribuições Petições - Estadual Petições - Federal Audiências Processos Ativos Distribuições Os indicadores apresentam a reestruturação do setor, especialmente a partir de 2012, uma vez que foi necessário a implantação de processo administrativo de inscrição em dívida ativa inexistente em sua forma regular até então para a regular cobrança tributária e ajuizamento de execução fiscal. Destaca-se também trabalho em conjunto realizado com o Tribunal Regional Federal da 4º Região para o desenvolvimento de inovador sistema de distribuição de execução fiscal via Internet com máxima eficiência e celeridade. Neste primeiro semestre do ano de 2014, considerando-se o regular processo administrativo de inscrição em dívida ativa a Divisão está na fase de encaminhamento das notificações para os inscritos inadimplentes, a partir da anuidade de 2010 e que contém 04 (quatro) anuidades em aberto para fins de atender ao previsto na Lei /2011 nas execuções fiscais

85 4) Tarefas Administrativas da Divisão de Processos Administrativos e Contratos A Procuradoria Geral por meio desta Divisão se responsabiliza pela abertura e tramitação dos processos de sindicâncias, administrativos, licitações, dispensa e inexigibilidade de licitação. Segue os dados comparativos: DESCRIÇÃO (Anual) (Semestral) (1º semestre) Sindicâncias Administrativos Licitações Dispensa de Licitação Inexigibilidade Cancelados Sindicâncias Administrativos Licitações Dispensa de Licitação Inexigibilidade Cancelados 07 85

86 Os indicadores demonstram o impacto da nova gestão para o regular processo administrativo interno no COREN/RS, em pleno seguimento às Resoluções do COFEN, uma vez que no ano de 2012 foram autuados 426 processos administrativos internos com tramitação regular, parecer jurídico e decisão administrativa, conduta que demonstra o sério compromisso sério por esta Procuradoria Geral para o pleno respeito da legalidade e eficiência. Os indicadores apresentados demonstram a eficiência na atividade da Procuradoria Geral no campo interno administrativo ao dinamizar o contato com os outros setores do COREN/RS quanto do número de pareceres jurídicos e memorandos, a presença direta no assessoramento dos processos administrativos de fiscalização dirigidos pelo DEFISC, a devida e regular autuação dos processos administrativos internos que resultou em uma diferença notável em comparação há anos/semestres anteriores e a regularização dos processos de inscrição em dívida ativa em pleno seguimento aos preceitos legais. No campo externo, de maneira inovadora a Procuradoria Geral firmou relações sólidas com o Tribunal Regional Federal da 4º Região para a distribuição maciça de execuções fiscais em pouco espaço de tempo. 5) Tarefas Administrativas e Judiciais da Divisão de Processos Contenciosos Judiciais A divisão de Processos Judiciais Contenciosos do Conselho Regional de Enfermagem do RS (COREN-RS), tem a missão de defender na esfera judicial os interesses desta Autarquia, sempre respeitando os princípios da legalidade, ampla defesa e contraditório. A seguir apresenta-se os relatórios e quantitativos a respeito de prestação jurisdicional: Tarefas Administrativas DESCRIÇÃO 2012 (Anual) 2013 (Semestral) 2014 (1º semestre) Memorandos DPJC Pareceres DPJC

87 Memorandos Pareceres º semestre 2014 Ações Judiciais Descrição 2012 (Anual) Ativos (Semestral) Instaurados (1º semestre) Instaurados TOTAL GERAL ATIVO Coren Autor /Ações Civis Públicas Trabalhistas Anuidades/inscrição/cancelament o/dano moral/ mandado de segurança TOTAL Ações civis públicas Trabalhista Ações Diversas Total Geral Total 09 87

88 Conclusão Os indicadores apresentam uma diminuição considerável nas ações ordinárias visando revisão de anuidades e abono da dívida pela ausência de fato gerador, devido o implemento da Lei nº /2011, a qual determina que o fato gerador da obrigação tributária é a efetiva inscrição no Conselho de Enfermagem. Já as ações trabalhistas aumentaram significativamante, tendo em vista o chamento dos aprovados no Processo Seletivo Público nº 01/2014, e conseqüentemente o desligamento dos empregados irregulares, ou seja, com contratação nula. As ações civis públicas, implementadas no final de 2013, denotam, de certa forma, a continuidade das fiscalizações realizadas pelo Conselho, através da aplicação jurídica viável para o cumprimento das determinações estabelecidas do sistema Cofen/Coren, em prol da enfermagem. A Procuradoria Geral do COREN/RS vem em ascensão por resultados mais eficientes em números totais de processos administrativos e judiciais autuados e com regular tramitação, especialmente os de natureza administrativa que representam nas suas aéreas de origem: ético, disciplinar, fiscalizatório do exercício da Enfermagem, contratos e licitações, demandas quanto à inscrição e cadastro de profissionais e demais, tudo, para que se formalize um ato administrativo fundamentado juridicamente e harmônico com os princípios constitucionais da Administração Pública. Porto Alegre - RS, 30 de junho de Letícia Voltz Alfaro, OAB/RS nº Procuradora Geral Carlos Rodrigo Tanajura Barreto, OAB/RS nº A Procurador Adjunto Cristiane Correa da C. Almeida, OAB/RS nº Chefe do DIPAC Pâmela Roberta Magnus, OAB/RS nº Chefe da DPJC Gilbert da Silva Munhoz, OAB/RS nº Chefe da DCJDA 10 88

89 PATRIMÔNIO, MANUTENÇÃO E TRANSPORTE RELATÓRIO SEMESTRAL 2012/2013/2014 Regina Paulo Paiva Coordenadora Porto Alegre,30 de junho

90 SUMÁRIO INTRODUÇÃO ª SEMESTRE DO ANO DE SETOR PATRIMÔNIO Balancete Analítico do Exercício SETOR TRANSPORTE SETOR MANUTENÇÃO º SEMESTRE DO ANO DE SETOR PATRIMÔNIO Bens Móveis Patrimoniados Balancete Analítico do Exercício SETOR TRANSPORTE SETOR MANUTENÇÃO ª SEMESTRE DO ANO DE SETOR PATRIMÔNIO Bens Móveis Patrimoniados Balancete Analítico do Exercício SETOR TRANSPORTE

91 3 SETOR MANUTENÇÃO ª SEMESTRE DO ANO DE SETOR PATRIMÔNIO Bens Móveis Patrimoniados Balancete Analítico do Exercício SETOR TRANSPORTE SETOR MANUTENÇÃO ª SEMESTRE DO ANO DE SETOR PATRIMÔNIO Bens Móveis Patrimoniados Balancete Analítico do Exercício SETOR TRANSPORTE SETOR MANUTENÇÃO...21 CONCLUSÃO

92 INTRODUÇÃO Este Relatório Semestral de Gestão Administrativa, tem como objetivo apresentar os setores de Patrimônio, Manutenção e Transporte do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul (COREN-RS). Busca-se salientar as principais atividades desenvolvidas em cada um dos setores, apartir da gestão que iniciou em abril de 2012, até o primeiro semestre do exercício do corrente ano. O Setor de Patrimônio fica responsável por registrar todas as informações dos bens móveis e imóveis de propriedade do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, pelas respectivas placas de identificação que cada item carrega. Todos estes itens foram rigorosamente cadastrados, a partir da entrada do bem no Conselho, com todas as suas características, tais como: setor (unidade), número do patrimônio/código de barras, descritivo do patrimônio, (número da nota fiscal, características, fornecedor, valor, origem, etc.), foto do item, compôem-se ainda de histórico de movimentação do bem patrimonial, através do sistema denominado Implanta, que atende entidades de classe. No Setor de Transporte, os veículos que encontram-se na sede do Conselho, saem em média 01 vez ao dia, percorrendo cerca de 50 quilômetros diários. É feito um controle rigoroso de entrada e saída com seus respectivos condutores, este procedimento dá-se através de planilha que fica no setor. Através deste instrumento, é identificado o condutor infrator em casos de multas. A partir da chegada da autuação da multa é aberto um PAD (processo administrativo), buscando-se a identificação do condutor para transferência de pontuação destas que saem em nome do COREN/RS, e o ressarcimento do valor. Quanto ao Setor de Manutenção, que é a combinação de todas as ações técnicas e administrativas, incluindo supervisão, destinadas a manter ou recolocar um item em estado no qual possa desempenhar uma função requerida, o setor tem desempenhado as seguintes atividades: Acompanhamento a técnicos das áreas do sistema hidráulico e elétrico; Levantamento de orçamentos da recarga anual de extintores de incêndio ou por 04 92

93 alguma eventualidade à recarga destes, bem como da limpeza cloacal da sede da entidade e caixas d água. Controle das chaves dos armários dos colaboradores Guarda Volumes, masculino e feminino e guarda do claviculário, onde se encontram as cópias das chaves das portas de entrada dos setores. Orçamentos e acompanhamentos de consertos de móveis e utensílios de uso dos inscritos, conselheiros e colaboradores. JANEIRO À JUNHO/ SETOR DE PATRIMÔNIO: No mês de maio foi realizada a contagem física da carga patrimonial dos bens localizados na sede e subseções e notou-se a ausência dos seguintes bens: ITEM VALOR DESTINO Cadeira em Ferro R$ 28,00 Foi descartado no lixo por engano e não foi dado baixa no sistema, pela falta da placa patrimonial Mesa Som MXS R$ 265,00 Furtada no CHC e não consta no boletim de ocorrência da Polícia Federal Notebook sony R$ 6.999,00 Encontra-se novamente na sede, alocado no Termo de Responsabilidade do setor da Presidência Microcomputador Intel R$ 2.800,82 Encontrava-se no Sindisaúde de Uruguaiana como empréstimo e devolvido a sede. Informo ainda que no Centro Histórico e Cultural, foram encontrados bens de propriedade da SOBRATEN (Sociedade Brasileira de Terapias Naturais em Enfermagem), doados pelo COREN/RS, pois a mesma tinha sua sede em uma das três casas no C.H.C. Encontramos também móveis bastante danificados que haviam sido doados para o sindicato de Pelotas, mas por ordem judicial, foram devolvidos para o COREN/RS

94 Neste primeiro semestre do ano de 2012, não foi adquirido nem um item de patrimônio, tendo um saldo inicial contabilizado no valor R$ ,61 para os bens móveis do Conselho e o dos bens imóveis no montante de R$ , Balancete Analítico do Patrimônio Período de 01/01/2012 a 30/06/2012 Conta Saldo Inicial Aquisição Baixa Saldo Final Veículos R$ ,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,00 Máquinas, Aparelhos R$ ,50 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,50 Biblioteca/objeto R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 Aparelhos Foto R$ ,95 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,95 Aparelhos de Intercomunicação Processamento Dados Mobiliário em Geral Outros Bens Móveis R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 R$ ,43 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,43 R$ ,40 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,40 R$ ,61 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,61 Total R$ ,61 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ , SETOR DE TRANSPORTE: No Setor de Transporte, o Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, conta com uma frota de 14 (quatorze) veículos Renault, marca Sandero, ano 2010/2011 e encontram-se com a quilômetragem entre a quilômetros rodados. Os 14 veículos Renault Sandero são de uso exclusivo dos enfermeiros fiscais da sede e das subseções do Conselho, conselheiros e colaboradores que utilizam os automóveis para as visitas fiscalizatórias e tarefas administrativas. Já a camionete é de uso exclusivo da Presidência, sendo que o motor home, com aproximadamente quilômetros 06 94

95 rodados, vai até os inscritos do conselho para atualizar cadastros, fazer cobranças e levar informações da entidade. A frota do COREN-RS é abastecida de combustível automotor, com o cartão One Card, através da empresa Expertise Soluções Financeiras Ltda, Processo Administrativo nº 031/2012 e com vigência em 21/05/2012. Trata-se de um Cartão de Pagamento Eletrônico de Combustível, troca de óleo e lavagens, o sistema busca abranger os municípios do Estado do Rio Grande do Sul. Através do Processo Administrativo nº 367/12, ocorreu a contratação de seguro veicular total para 14 unidades de veículos da marca Renault Sandero e uma unidade do automóvel da marca Kia Sportage e o Motor Trailer Iveco segurado pela Seguradora Confiança. 3 - MANUTENÇÃO: Para a manutenção preventiva/corretiva das máquinas de climatização da sede e Centro Histórico e Cultural, oriundo do processo Administrativo, nº 350/12, através de processo licitatório, a empresa Pezzol & Filhos Ltda, realiza manutenções quinzenais nos aparelhos e seu contrato adiivado por mais 01 (um) ano. Para a conservação do elevador localizado na sede, contamos com a prestação de serviços da empresa Otis Elevadores Ltda e para prestação de serviços de segurança a Prosservi Serviços de Vigilância Ltda, presta serviços de vigilância 24 horas para a sede e Centro Histórico e Cultural, com horários diferenciados

96 JULHO À DEZEMBRO/ PATRIMÔNIO: 1.1 Bens móveis patrimoniados neste semestre: Data aquisição Item Qtde Valor unitário Valor Total Registrador de Ponto Eletrônico 01 R$ 3.680,00 R$ 3.680, Netbook HP 35 R$ 1.238,00 R$ , Purificador Refrigerado - água 11 R$ 569,00 R$ 6.259, Notebook Dell 05 R$ 4.560,00 R$ , Computador Dell 35 R$ 3.471,42 R$ , Mesa Basculante 2 R$ 648,50 R$ 1.297,00 Sub Total: R$ ,00 O valor total dos bens móveis, incluindo os veículos do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, no final do exercício de 2012, estão contabilizados no montante de R$ ,61 e o dos bens imóveis no montande de R$ ,96. Anualmente, observa-se como critério a abertura de processo administrativo para dar-se destinação aos bens inservíveis do COREN/RS. No exercício do ano de 2012 não 08 96

97 houve nenhuma baixa, nem mesmo processo aberto para tal procedimento, deixando-se esta movimentação para o início de Balancete Analítico do Patrimônio Período de 01/07/2012 a 31/12/2012 Conta Saldo Inicial Aquisição Baixa Saldo Final Veículos R$ ,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,00 Máquinas, Aparelhos R$ ,50 R$ 9.969,00 R$ 0,00 R$ ,50 Biblioteca/objeto R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 Aparelhos Foto R$ ,95 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,95 Aparelhos de Intercomunicação Processamento Dados R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 R$ ,00 R$ ,00 R$ 0,00 R$ ,43 Mobiliário em Geral R$ ,40 R$ 1.297,00 R$ 0,00 R$ ,40 Outros Bens Móveis R$ ,61 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,61 Total R$ ,61 R$ ,00 R$ 0,00 R$ , TRANSPORTE: No mês de dezembro, ocorreu uma palestra com a EPTC, no auditório da sede, com todos os condutores, inclusive com os fiscais das subseções, onde abordou-se assuntos que vem ao encontro com a atual realidade do setor de transporte, como comportamento defensivo, legislação, preservação e manutenção dos veículos, buscando-se a melhor instrumentalização de todos no controle dos veículos. Foi feito no mês de outubro um levantamento de dados sobre a quilometragem atual de cada veículo e sua última revisão

98 PLACA KM ATUAL SUBSEÇÃO/SEDE ÚLTIMA REVISÃO IRI KM SANTA ROSA C/ KM IRI KM PORTO ALEGRE 17/09/12 C/ KM IRI KM PORTO ALEGRE 19/06/12 C/ KM IRI KM SANTA MARIA 19/06/12 C/ KM IRI KM PORTO ALEGRE 19/06/12 C/ KM IRI KM CAXIAS DO SUL 19/06/12 C/ KM IRI KM CAPÃO DA CANOA 19/06/12 C/ KM IRI KM PORTO ALEGRE 19/06/12 C/ KM IRI KM PORTO ALEGRE 19/06/12 C/ KM IRI KM PASSO FUNDO 04/06/12 C/ KM IRI KM PORTO ALEGRE 19/06/12 C/ KM 98

99 IRI KM STA CRUZ DO SUL 23/12/11 C/ KM IRI KM PORTO ALEGRE 19/06/12 C/ KM IRI KM PELOTAS 1ª REVISÃO C/ KM IRD KM PORTO ALEGRE 10/2012 Nos últimos 03 meses, o consumo de combustível para frota COREN/RS, através do Cartão de Pagamento Eletrônico de combustível foi de aproximadamento R$ , MANUTENÇÃO: Em outubro, a Empresa Assistel Elevadores, assumiu os serviços de manutenção do elevador da entidade através de processo licitatório de dispensa, sendo os orçamentos feitos pelo setor, em que a Empresa apresentou o menor preço e as certidões negativas contemplativas de sua regularidade fiscal requeridas. Outro caso, foi a Empresa Portoalegrens de Vigilância Ltda (EPAVI), através de licitação na modalidade de pregão físico, e por esta forma, tendo atendido aos requisitos, assumiu os serviços de vigilância e monitoramento na sede, no dia 01/12/2012 e no Centro Histórico Cultural no dia 01/11/2012. O prazo de contratação ocorreu pelo prazo de 01 (um) ano. Neste exercício, a média de consumo dos últimos 03 meses para fornecimento de água e fornecimento de energia elétrica para a sede do conselho, foi de R$ 565,31 e R$ 5.419,97, respectivamente

100 1 - SETOR DE PATRIMÔNIO: Conselho Regional de Enfermagem Rio Grande do Sul JANEIRO A JUNHO/ Bens móveis patrimoniados neste semestre: Data Aquisição Item Qtde Valor Unitário Valor Total 08/04/13 Scanner Kodak i R$ 3.300,00 R$ 6.600,00 Sub Total: R$ 6.600,00 O scanner acima identificado, passou a integrar parte do patrimônio, depois de recebido pelo conselho, como doação, no dia 17/09/2013, pelo setor jurídico da entidade, assim, suprindo as demandas do mesmo Balancete Analítico do Patrimônio Período de 01/01/2013 a 30/06/2013 Conta Saldo Inicial Aquisição Baixa Saldo Final Veículos R$ ,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,00 Máquinas, Aparelhos R$ ,50 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,50 Biblioteca/objeto R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 Aparelhos Foto R$ ,95 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,95 Aparelhos de Intercomunicação Processamento Dados R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 R$ ,43 R$ 6.600,00 R$ 0,00 R$ ,43 Mobiliário em Geral R$ ,40 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,40 Outros Bens Móveis R$ ,61 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,61 Total R$ ,61 R$ 6.600,00 R$ ,00 R$ ,

101 2 - SETOR DE TRANSPORTE: A partir do ano de 2013, a empresa prestadora para o fornecimento de combustível para a frota COREN/RS, através do PAD nº 392/12, está sendo a Banrisul Serviços, através do cartão refeisul faturamento, esta abrange uma maior àrea de postos de atendimentos pelo estado. Devido à necessidade de resolver problemas com os pagamentos de pedágios e estacionamentos com o valor do suprimento de fundos de caixa para os veículos do Conselho Regional de Enfermagem, com a finalidade de promover a otimização e homogeneização deste fluxo, foi feita a contratação da empresa Via Fácil. A Empresa é especializada no serviço de Gestão de Meios de Pagamentos para passagem da frota COREN/RS, em praças de pedágios pelas rodovias estaduais e federeais e estacionamentos. A frota COREN/RS, conta com os serviços da empresa contratada através de licitação, Gente Seguradora S.A., para assegurar a frota em casos de sinistros, com franquia de R$ 1.210,00. O veículo IRI 6243 que encontrava-se na subseção de Santa Cruz, sofreu um acidente de trânsito, inclusive com perda total, este sendo ressarcido através da seguradora contratada, baseando-se na tabel FIPE do mês. Para o Motor Trailer, a Confiança Companhia de Seguros Gerais, presta serviços de seguro total, não ocorreu acionamento deste serviço desde a contratação, até o presente exercício

102 3 - MANUTENÇÃO: No exercício do ano de 2013, houve a aquisição de 01 porta de vidro, para a sala dos conselheiros, localizada no 3º andar da sede do Conselho. Tal necessidade se fez necessária, considerando que a referida sala possui documentos, computador, móveis e utensílios, todos de propriedade do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, e seria prudente a utilização de uma porta com chaves para resguardar os bens encontrados neste local. Neste mesmo exercício, foram colocadas divisórias de material em gesso em dois espaços da sede do conselho, localizados no 4º andar para atender as necessidades do setor jurídico. Através do Processo Administrativo nº 283/12, a empresa Ace Seguradora, começou a prestar o seguro patrimonial para os bens imóveis, móveis próprios e locados do Conselho, com vigência em 19/05/

103 JULHO A DEZEMBRO/ PATRIMÔNIO: Bens móveis patrimoniados neste semestre: Data Aquisição Item Qtde Valor Unitário Valor Total 25/09/13 Veículo Ford Focus R$ ,00 R$ ,00 (permuta R$ ,00 Camionete Sportage) 24/10/13 Aquivo em aço c/gavetas 4 R$ 929,99 R$ 3.716,00 24/10/13 Estação de Trabalho 1 R$ 835,00 R$ 835,00 24/10/13 Mesa Retangular 1 R$ 480,00 R$ 480,00 Sub Total: R$ ,00 Na apuração do final do exercício do ano de 2013, que iniciou com um saldo de R$ ,61, entre aquisições e baixa, o saldo contabilizado no final deste, foi de R$ ,61. Neste exercício foi dado baixa no veículo Camionete Kia sportage de placa IRD 7834 no valor de R$ ,00. Também neste mesmo exercício foi dado abertura a processo administrativo para doação de bens considerados inservíveis para o Conselho

104 1.2 - Balancete Analítico do Patrimônio Período de 01/07/2013 a 31/12/2013 Conta Saldo Inicial Aquisição Baixa Saldo Final Veículos R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Máquinas, Aparelhos R$ ,50 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,50 Biblioteca/objeto R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 Aparelhos Foto R$ ,95 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,95 Aparelhos de Intercomunicação Processamento Dados R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 R$ ,43 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,43 Mobiliário em Geral R$ ,40 R$ 5.031,00 R$ 0,00 R$ ,40 Outros Bens Móveis R$ ,61 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,61 Total R$ ,61 R$ ,00 R$ ,00 R$ , TRANSPORTE No exercício do ano de 2013, em função do alto custo de manutenção, foi dada como permuta de 01 (uma) camionete Kia modelo sportage com aproximadamente quilometros rodados, de placa IRD 7834, ano 2009/2010, que era de uso exclusivo da presidência, por um veículo Ford Focus, para a mesma finalidade. Esta em andamento um processo administrativo para a troca de 12 sanderos, através de licitação

105 Levantamento de dados sobre a quilometragem de cada veículo no final do exercício do ano de 2013 e sua localização: SUBSEÇÃO/SEDE PLACA/MARCA KM IRI Renault Km Santa Rosa IRI Renault Km Passo Fundo IRI Renault Km Sede IRI Renault Km Pelotas IRI Renault Km Sede IRI Renault Km Santa Maria IRI Renault Km Capão da Canoa IRI Renault Km Sede IRI Renault Km Sede IRI Renault Km Sede 105

106 IRI Renault Km Sede IRI Renault Km Sta Cruz do Sul IRI Renault Km Caxias do Sul IRI Renault Km Sede IUT Ford Km Sede A média de consumo de combustível nos últimos 03 meses do exercício do ano de 2013 foi de R$ , MANUTENÇÃO: Entre os exercícios dos anos de 2012 e 2013, foram consertadas aproximadamente 39 cadeiras de uso dos inscritos, conselheiros e principalmente de colaboradores da entidade que encontravam-se com cadeiras quebradas ou inadequadas a função desempenhada. Neste exercício, a média de consumo dos últimos 03 meses para fornecimento de água para a sede e Centro Histórico e Cultural foi de R$ 620,53 e R$ 153,15, respectivamente. Para o fornecimento de energia elétrica para a Sede e Centro Histórico e Cultural, a média dos últimos 03 meses foi de R$ 400,63 e R$ 309,46, respectivamente

107 JANEIRO À JUNHO/ PATRIMÔNIO: 1.1 Bens móveis patrimoniados neste semestre: Data Aquisição Item Qtde Valor Unitário Valor Total 21/01/14 Scanner Kodak i R$ 2.210,00 R$ 2.210,00 31/03/14 Switch Dell KVM 1 R$ 7.178,00 R$ 7.178,00 31/03/14 Switch Powerconnect 1 R$ ,00 R$ ,00 31/03/14 Servidor Rede 1 R$ ,14 R$ ,14 31/03/14 Trilhos Deslizantes 1 R$ 647,86 R$ 647,86 31/03/14 Equalogic PS R$ ,00 R$ ,00 31/03/14 Switch Powerconnect 1 R$ ,00 R$ ,00 31/03/14 Poweredge Dell Rack 1 R$ ,89 R$ ,89 31/03/14 Teclado, Monitor e Mouse Trilhos Rap 1 R$ 4.093,11 R$ 4.093,11 31/03/14 Oracle Stragetek 1 R$ ,00 R$ ,00 31/03/14 Licença Software 1 R$ ,00 R$ ,00 31/03/14 Licença Software Kit 1 R$ ,00 R$ ,00 31/03/14 Equallogic Sistema 1 R$ ,00 R$ ,00 31/03/14 Switch powerconnect 1 R$ ,00 R$ ,00 16/05/14 Fiat Uno Economy 12 R$ ,00 R$ ,00 Sub Total R$ ,00 Na apuração do final do 1º semestre do exercício do ano de 2014, que iniciou-se com um saldo de R$ ,61, entre aquisições e baixas, o saldo contabilizado no final deste, é de R$ ,

108 Ainda neste semestre foi dado baixa em 13 veículos Renault Sandero, estes foram dado como entrada na aquisição dos 12 veículos novos da linha Fiat e outro teve perda total em acidente de trânsito, conforme processo administrativo Balancete Analítico do Patrimônio Período de 01/01/2014 a 30/06/2014 Conta Saldo Inicial Aquisição Baixa Saldo Final Veículos R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Máquinas, Aparelhos R$ ,50 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,50 Biblioteca/objeto R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 Aparelhos Foto R$ ,95 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,95 Aparelhos de Intercomunicação Processamento Dados Mobiliário em Geral Outros Bens Móveis R$ ,86 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,86 R$ ,43 R$ ,00 R$ 0,00 R$ ,43 R$ ,40 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,40 R$ ,61 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,61 Total R$ ,61 R$ ,00 R$ ,00 R$ , TRANSPORTE: Atualmente, o Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, conta com uma frota de 12 (doze) veículos Fiat Uno Economy ano 2014/ 2014, com paroximadamente quilometros rodados, 01 (um) veículo Renault Sandero, ano 2010/2011, com aproximadamente quilômetros rodados, 01 (um) veículo Ford Focus ano/modelo 2013 com aproximadamente quilômetros rodados e 01 (um) Motor Trailer da marca Iveco/Daily M. Trailer, com aproximadamente quilômetros rodados

109 O motor trailer, a partir do dia 14/06/2014, passou a ser segurado pela empresa seguradora, Gente Seguradora, com seguro total, através do Processo Administrativo nº 84/14. Está em andamento um processo administrativo para aquisição de 01 (um) Fiat Uno Economy, em substituição ao veículo Renault Sandero IRI 6243, que teve perda total. A frota continua recebendo o fornecimento de serviços de abastecimento de combustível automotor, trca de óleo e lavagem, através do contrato com o Banrisul Serviços, com vigência contratual em 03/01/2015 e a gestão de meios de pagamentos em praças de pedágios e estacionamentos, com a Empresa Via Fácil-Sem Parar, com vigência contratual em 25/02/21015 Devido a troca de 12 veículos Fiat Uno, novos, adquiridos pelo Conselho, em troca dos 12 Renault Sandero, usados, o contrato com a seguradora Gente Seguradora, foi endossado e a franquia destes ficou em R$ 1.990, MANUTENÇÃO: Através do Processo Administrativo nº 53/14, foram consertadas no mês de maio, 30 cadeiras tipo secretaria e três assentos de 03 longarinas, todas de propriedade do COREN/RS e localizadas na sede e subseções. Através do Processo Administrativo nº 072/14, a Ace Seguradora, após renovação contratual, continua prestando o serviços de seguro patrimonial para os bens móveis, imóveis e locados do COREN/RS, por mais 01 (um) ano e com vigência em 20/05/2015. O serviço de vigilância para a sede e Centro Histórico e Cultural do Conselho, feito pela empresa Portoalegrense EPAVI, encontra-se em prazo de término, tendo sua vigência em 27/10/2014. Para isto já está sendo cotado, no mínimo 03 (três) orçamentos para nova contratação, com o mesmo objeto. Para a manutenção preventiva/corretiva das máquinas de climatização da sede e Centro Histórico e Cultural, a empresa Pezzol & Filhos Ltda, continua realizando manutenções quinzenais nos aparelhos. Para a conservação do elevador localizado na sede, contamos com a prestação de serviços da empresa Assistel elevador

110 CONCLUSÃO: Os setores de Patrimônio, Transporte e Manutenção estão sob a responsabilidade da assessora institucional, Regina Paulo Paiva, apresentando situação de normalidade em relação aos controles exercidos

111 RELATÓRIO SEMESTRAL DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Porto Alegre 30 de junho de

112 Sumário Apresentação DISTRIBUIÇÃO DE NEWSLETTER PRODUÇÃO DE MATÉRIAS PARA O SITE CLIPPING ENTREVISTAS PUBLICAÇÃO DE VAGAS BOLETINS PRODUZIDOS VIA AGÊNCIA RADIOWEB CONCLUSÃO...11 Anexos

113 Apresentação O Relatório Semestral de Gestão Administrativa 2014 referente à Assessoria de Comunicação do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul Coren-RS está baseado em dados levantados até o dia 11 de junho de Os indicadores estão levando em conta os seguintes aspectos: distribuição de newsletter, produção de matérias para o site, clipping, entrevistas, publicação de vagas e boletins produzidos via Agência Radioweb. Cabe salientar que os comparativos serão referentes aos primeiros semestres dos anos de 2013 e 2014, tendo em vista que os arquivos do ano de 2012 não foram localizados

114 1 DISTRIBUIÇÃO DE NEWSLETTER A newsletter é um boletim informativo eletrônico que representa um dos principais canais de comunicação de relacionamento do Coren-RS com seus inscritos. O material, com envio mensal ou conforme as demandas apresentadas, proporciona um breve resumo das ações do Conselho. Em 2013, a distribuição de newsletter aos inscritos aconteceu mensalmente nos meses de fevereiro, março, abril e maio. O que contabilizou um total de 4 news enviadas no primeiro semestre do ano. Já em 2014, as informações aos inscritos passaram a ser mais frequentes com o envio de newsletter esporádicas. Em janeiro e março realizamos 1 envio em cada mês, em abril, 2 e em maio, 4. Contabilizando, realizamos a produção de 7 newsletter, o que resulta um aumento de 75% em nossos envios. Dados gráficos:

Prestação de Contas Exercício de 2013

Prestação de Contas Exercício de 2013 Prestação de Contas Exercício de 2013 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DE PEÇAS E CONTEÚDOS PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO 2013 PEÇAS EXIGIDAS LOCALIZAÇÃO (fls.) Relatório de Gestão Anual, na estrutura definida em

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica)

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) Eu, Enfermeiro (a), inscrito (a) sob n.º COREN-RO, em / / Endereço Residencial: Nº, Bairro:, Cidade:,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2015 EDITAL COMPLEMENTAR Nº 01 O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CRMV-MG

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

Catálogo de Programas 2013 CREFITO-3

Catálogo de Programas 2013 CREFITO-3 CREFITO-3 Direção - Dr. Reginaldo Antolin Bonatti Planejamento e Assuntos Estratégicos - Felipe de Oliveira Simoyama - Dr. Mario Cesar Guimarães Battisti São Paulo, 12 de dezembro de 2012 CREFITO-3 Rua

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

Gerenciar o Programa de Estágio

Gerenciar o Programa de Estágio PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P. TJAM 19 Gerenciar o Programa de Estágio Elaborado por: Wiulla Inácia

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014

MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014 MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014 MANUAL DE TRABALHO A Qualitá Ocupacional, com o objetivo de facilitar a utilização dos serviços prestados

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a realização dos Estágios destinados a estudantes regularmente matriculados na Universidade Federal do Pampa e sobre os Estágios realizados no âmbito

Leia mais

Regulamento de Recursos Humanos

Regulamento de Recursos Humanos Diretoria de Administração e Planejamento Novembro de 2001 Este regulamento estabelece as diretrizes e normas a serem adotadas pela RNP na gestão dos seus recursos humanos, aprovado na 2ª Reunião Ordinária

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CONCURSO PÚBLICO PARA SAMU CENTRO-SUL Edital nº 11/2010, de 22/07/2010 ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: CONDUTOR-SOCORRISTA Atuar na Central Radioperador e controlador de frota e nas Unidades Móveis

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

o Conselho Universitário - CONSU, conforme o

o Conselho Universitário - CONSU, conforme o CENTRO UNIVERSITARlO EURÍPIDES DE MARÍLIA - UNIVEM Mantido pela Fundação de Ensino Euripides Soares da Rocha Internet: \\www.univem.edu.br - e-mail: fundação@univem.edu.br RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015 1. ABERTURA O Diretor Geral do IFBA Campus Jacobina, no uso de suas atribuições, faz saber que,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas

Manual de Orientações às Empresas Manual de Orientações às Empresas Aprendizagem Profissional Comercial em Serviços Administrativos em Instituições de Saúde Carga horária: 1.333 horas Fevereiro 2014 Fls: [ 1 ] / [ 14] Prezado(a) Senhor(a)

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S

CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S Bem-vindo a U N I V E R S I D A D E E S TA INTRODUÇÃO Prezado Servidor, Estamos felizes em tê-lo conosco, pois a partir

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008 Condutor-Socorrista 1. Conduzir veículo terrestre de urgência destinado ao atendimento e transporte de pacientes; 2. Conhecer integralmente o veículo e realizar manutenção básica do mesmo; 3. Estabelecer

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR. Regulamento e Manual de Normas e Procedimentos. Elaborado por / Revisado por Matildes José de Oliveira Responsável.

EMPRESA JÚNIOR. Regulamento e Manual de Normas e Procedimentos. Elaborado por / Revisado por Matildes José de Oliveira Responsável. 1 EMPRESA JÚNIOR Regulamento e Manual de Normas e Procedimentos Elaborado por / Revisado por Matildes José de Oliveira Responsável / / Aprovado para uso 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO...... 2 DIRETRIZES ORGANIZACIONAIS...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

EDITAL 002/2014-SE. 1.2 O Edital de seleção e matrícula tem como objetivos específicos:

EDITAL 002/2014-SE. 1.2 O Edital de seleção e matrícula tem como objetivos específicos: EDITAL 002/2014-SE Dispõe sobre as diretrizes do processo de seleção e matrícula da Educação Infantil para o ano letivo de 2015, nas unidades escolares da Rede Municipal de Ensino de Joinville. O Secretário

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA Coronel Fabriciano 2012 2 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Aspectos legais... 4 4 Requisitos acadêmicos... 4 5 Estrutura curricular organizacional

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA PROGRAMA DE MONITORIA 17/12/2006 PROJETO DE MONITORIA FACIS A FACIS, com atuação na área da Saúde, vem desde sua criação procurando iniciativas de promoção do desenvolvimento e aprimoramento dos alunos

Leia mais

FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA

FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prof.ª ORIENTADORA:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO Nº 002/2015

EDITAL DE SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO Nº 002/2015 EDITAL DE SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO Nº 002/2015 1 - PREÂMBULO 1.1 O Fundo Municipal de Previdência Social dos Servidores de Bela Vista de Goiás PREVIBEL - autarquia municipal de direito público, com sede

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Informativo Oficial do Municipio de Itapemirim - Criado pela Lei Municipal nº 1.928/05 e Regulamentado pelo Decreto nº 2.671/05 - Ano IX - 1618 DECRETOS DECRETO Nº. 8.552 /2015

Leia mais

Previsão Orçamentária

Previsão Orçamentária Previsão Orçamentária Planejamento e Qualidade Controlando os gastos de seu condomínio A previsão orçamentária é o instrumento mais importante na administração financeira e no planejamento de um empreendimento,

Leia mais

PORTARIA-R N.º 197/2012, de 01 de março de 2012

PORTARIA-R N.º 197/2012, de 01 de março de 2012 PORTARIA-R N.º 197/2012, de 01 de março de 2012 O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a subdelegação

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA 1. OBJETO Prestação de serviços em medicina

Leia mais

O funcionário deve ser avisado de suas férias sempre 30 dias antes de tirá-las.

O funcionário deve ser avisado de suas férias sempre 30 dias antes de tirá-las. Informativo aos Clientes 01 O arquivo PAF ECF deverá gerado e enviado para tca@tcacontabil.com.br todo dia 05 de cada mês, referente ao mês anterior. Ex.: em 05/06/2014 deverá ser enviado o arquivo do

Leia mais

ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009

ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 COMPETÊNCIAS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS: PROFESSOR COM HABILITAÇÃO LEGAL PARA O EXERCÍCIO DO MAGISTERIO COM FORMAÇÃO EM : CIÊNCIAS; LÍNGUA PORTUGUESA;

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SACRAMENTO-MG

PREFEITURA MUNICIPAL DE SACRAMENTO-MG LEI Nº 1.189, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 CRIA O EMPREGO PÚBLICO DE COORDENADOR DE RECURSOS HUMANOS; O SETOR DE TESOURARIA; ALTERA OS ANEXOS I, III, V, VII E VIII, DA LEI MUNICIPAL Nº. 947, DE 17 DE JUNHO

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 014/2013

PROCESSO SELETIVO Nº 014/2013 PROCESSO SELETIVO Nº 014/2013 O Instituto de Gestão e Humanização IGH, torna público para conhecimento dos interessados, que fará realizar Processo Seletivo objetivando a Contratação de Empresa para a

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

Aplicação FUNCIONALIDADES

Aplicação FUNCIONALIDADES O sistema Advice é uma solução Corpdigital baseada na web que centraliza, de forma totalmente integrada, as atividades de um conselho de fiscalização profissional. A ferramenta apresenta módulos integrados

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/14 I-DOS CONCEITOS 1- Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se: 1.1 - Fiscalização: a observação sistemática e periódica da execução do contrato; 1.2 - Contrato Administrativo: o ajuste que

Leia mais

Processo Único de Federação- PUF

Processo Único de Federação- PUF Processo Único de Federação- PUF 1 1. O que é a FEJEPAR? A Federação das Empresas Juniores do Estado do Paraná FEJEPAR, fundada no ano de 1996 na cidade de Curitiba, é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 146/12

DELIBERAÇÃO Nº 146/12 DELIBERAÇÃO Nº 146/12 Dispõe sobre a Responsabilidade Técnica e o Exercício Profissional de Farmacêutico apto a atuar em Análises Clínicas e Postos de Coleta e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art.

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE Edital nº 01, de 15 de abril de 2015, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL para atuar no Curso de Especialização

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE AGENTE DE APOIO ADMINISTRATIVO ANALISTA DE TRANSPORTES

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE AGENTE DE APOIO ADMINISTRATIVO ANALISTA DE TRANSPORTES DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE AGENTE DE APOIO ADMINISTRATIVO ANALISTA DE TRANSPORTES O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DOTRABALHO

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DOTRABALHO DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DOTRABALHO O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo.

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES

PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES EDITAL DE Nº 01/2015 DO PROCESSO SELETIVO PARA SERVIÇO VOLUNTÁRIO EXTRACURRICULAR SUPERVISIONADO DE ACADÊMICOS DE

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

EDITAL Nº 018/2015/IFTO/CAMPUS GURUPI, DE 28 DE MAIO DE 2015. SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA O CAMPUS GURUPI

EDITAL Nº 018/2015/IFTO/CAMPUS GURUPI, DE 28 DE MAIO DE 2015. SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA O CAMPUS GURUPI EDITAL Nº 018/2015/IFTO/CAMPUS GURUPI, DE 28 DE MAIO DE 2015. SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA O CAMPUS GURUPI O DIRETOR PRO TEMPORE DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Departamento de Estágios FACCAMP. Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio

Departamento de Estágios FACCAMP. Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio Departamento de Estágios FACCAMP Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio OBRIGAÇÕES DO ESTAGIÁRIO. Solicitar na Secretaria Geral da FACCAMP declaração de autorização para

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SAJULBRA - 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA DA UNIVERSIDADE LUTERANA

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 10.15 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 10.15 sob contratação em regime

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016

4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016 0 4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016 A Diretora Geral da Faculdade de Educação São Francisco FAESF, por intermédio da Direção Acadêmica, torna público

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Secretaria Municipal de Educação

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Secretaria Municipal de Educação EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA A COORDENAÇÃO MUNICIPAL E PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E EDUCAÇÃO CIDADÃ PARA ATUAREM NO PROGRAMA NACIONAL DE INCLUSÃO DE JOVENS

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Engenharia Biomédica

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Engenharia Biomédica EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2014 Coordenador: Prof. Dr. Luiz Carlos de Campos Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Annie France Frere Slaets Estarão abertas, no período de 14/04/2014 a 05/05/2014, as

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

PROVIMENTO Nº 29/2007

PROVIMENTO Nº 29/2007 PROVIMENTO Nº 29/2007 Cria o Programa de Treinamento e Desenvolvimento Funcional dos servidores do Ministério Público do Estado do Ceará e estabelece normas para o seu funcionamento. O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedores de Materiais e Serviços

Manual de Relacionamento com Fornecedores de Materiais e Serviços Manual de Relacionamento com Fornecedores de Materiais e Serviços 2 1. Introdução Para que possamos crescer e nos desenvolver de forma sustentável garantindo a melhoria contínua nos processos, acreditamos

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 Disciplina o relacionamento entre a Universidade Federal de Goiás e as Fundações de Apoio à UFG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Sumário PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SOCIAL... 2 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 2

Sumário PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SOCIAL... 2 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 2 Sumário PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SOCIAL... 2 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 2 PLANO DE ATENDIMENTO AO ALUNO BOLSITA 2014 BOLSA DE ESTUDO... 2 Capítulo I DA NATUREZA... 2 Capítulo

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo AVISO DE SESSÃO PÚBLICA Nº 001/2015 Processo Administrativo nº 5199/2014 Recebimento de Propostas e Orçamentos para Produção de Pesquisa decorrente da Concorrência Pública nº 001/2012 Serviços de Publicidade

Leia mais

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto.

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto. Circular Interna Emissor: Nº doc: Diretoria Administrativa Corporativa 101-2015 Data: 31/10/2014 Destinatário: Todas as unidades/contratos Assunto: Política de Recrutamento e Seleção OBJETIVO: Estabelecer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais