ÁREA TEMÁTICA: INFORMAÇÃO, CONTEÚDOS E CONHECIMENTO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREA TEMÁTICA: INFORMAÇÃO, CONTEÚDOS E CONHECIMENTO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 ÁREA TEMÁTICA: INFORMAÇÃO, CONTEÚDOS E CONHECIMENTO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Isabel Angela dos Santos Matos*; Maria Gasparina de Lima** O ACERVO DE FOTOGRAFIAS AÉREAS NA CPRM: organização, processamento e acesso RESUMO: A rede de Biblioteca da CPRM Serviço Geológico do Brasil detém um dos maiores acervos de fotografias aéreas do país. Este acervo foi preparado, armazenado e disponibilizado segundo suas peculiaridades em cada unidade regional da Empresa. A organização das fotos aéreas exige metodologias e técnicas especificas de preservação da memória fotogelógica, com o objetivo de permitir a recuperação e disseminação das informações ali contidas. Este acervo, além de estar disponibilizados fisicamente, em suas unidades de origens, está em processo de digitalização para consulta no Catálogo on line da CPRM. Palavras chave: Fotografia aérea. Cartografia. Materiais cartográficos. * Analista em Geociências Bibliotecária da CPRM Serviço Geológico do Brasil, Superintendência Regional de Salvador, Av. Ulisses Guimarães, 2862-Sussuarana - CAB Salvador BA, Brasil. ** Analista em Geociências Bibliotecária da CPRM Serviço Geológico do Brasil, Superintendência Regional de Goiânia, Rua 148, Setor Marista Goiânia GO, Brasil. 1 INTRODUÇÃO A crescente preocupação em representar, mapear a Terra e oferecer subsídios a estudos, tem-se constatado que a forma mais eficaz de levantar dados é por meio das fotografias aéreas. Elas se apresentam como um dos documentos mais utilizados em Geociências, agregando dados que permitem a recuperação e comparação de informações fotocartográficas. Pode-se assegurar que a CPRM Serviço Geológico do Brasil detém em sua rede de bibliotecas um dos maiores acervos fotocartográficos disponível à sociedade geocientífica do país. Em 2011, este acervo está distribuído em 13 unidades de diferentes estados brasileiros, onde seus acervos in loco são preparados, organizados e disponibilizados em catálogo on line.

2 2 OBJETIVO Este trabalho tem por objetivo destacar a importância das fotografias aéreas como fonte de informação fotocartográfica. Ao longo de seu desenvolvimento serão mostrados os métodos utilizados para sua organização e catalogação dessas fotografias na CPRM Serviço Geológico do Brasil, além do projeto de disponibilização deste material via web, através do Catálogo on line. 3 DOCUMENTAÇÃO FOTOCARTOGRÁFICA A documentação cartográfica está inserida entre os chamados multimeios, termo adotado por Perota (1997) para os materiais não bibliográficos. De acordo com Perota, esses documentos apresentam características peculiares e por isso precisam de tratamento adequado para a sua organização, preservação e utilização. E, junto às fontes fotocartográficas é que se encontram as fotografias aéreas, assim definidas por Suguio (1998): Fotografia da superfície terrestre, obtida do espaço aéreo, vertical ou obliquamente a partir de aeronaves. Um conceito básico mais abrangente é dado por Oliveira (1983, p. 268 apud CARIBÉ, 1987, p. 319): Fotografia aérea tirada com a câmera fotográfica rigorosamente calibrada, e de acordo com especificações cartográficas, diferindo, dessa maneira, da fotografia aérea obtida para outros fins. O mesmo que fotografia cartográfica aérea; fotografia topográfica. Em Biblioteconomia, essa conceituação é importante para auxiliar na identificação de uma obra com características cartográficas, de modo a descrevêla e organizá-la, visando à recuperação, e à disseminação da informação de forma adequada às necessidades de seus usuários. Porém, para melhor representação descritiva desses materiais cartográficos, não é suficiente utilizar apenas as informações que estão dispersas sobre os documentos, pois a

3 cartografia é um elemento fundamental para a leitura e compreensão deste tipo de documentação. Um mapa índice é um cartograma que contém informações sobre o recobrimento cartográfico do país nas diversas escalas do mapeamento sistemático. É outro importante sistema de localização de folhas, em que estas são numeradas de modo a serem referenciadas através de um número simples, de acordo com as escalas (IBGE, 1999, p. 54). Para Boeckel (1982, p. 180), estes mapas são os de maior importância para um centro cartográfico, pois suas atualizações e controles são indispensáveis ao bom desenvolvimento dos trabalhos. Há uma sincronia entre o mapa índice e a estrutura de escalas de 1: , 1: , 1: , 1: e 1: Dentro de cada escala se convencionou uma nomenclatura, que se pode chamar de codificação, que ao visualizar é possível saber a qual escala pertence. As fotografias aéreas utilizam esta estrutura para sua organização e identificação da cobertura de áreas. Além deste recurso, podem ser identificadas também pelo vôo que originou o produto. A estrutura das folhas é conhecida por quadrículas e identificadas por numeração seqüencial de folhas na escala de 1: Usa-se a numeração de 1 a 46; para folhas 1: uma numeração de 1 a 550; e nas folhas 1: utiliza-se a numeração de 1 a Estes números conhecidos como MI substituem as nomenclaturas correspondentes das folhas em suas variadas escalas. Por exemplo: a folha de nomenclatura SD.23-Y-C-IV corresponde à escala 1: , que por sua vez corresponde ao MI 2215 no Mapa Índice. Seja pela nomenclatura, seja pelo MI, uma busca no sistema utilizado pelas bibliotecas do Serviço Geológico do Brasil SGB, localizará informações pertinentes à folha Brasília. O bibliotecário deve ficar atento a estas informações, pois todas elas corretamente utilizadas podem fazer parte da catalogação descritiva e da indexação da maioria dos materiais fotocartográficos do acervo, visando a uma rápida e eficaz recuperação deste tipo de documentação no momento em que são solicitados pelos seus usuários e, consequentemente, postadas no catálogo on line.

4 4 A ORGANIZAÇÃO DAS FOTOS AÉREAS NA CPRM Antes de mencionar a organização das aerofotos é necessário citar a organização dos fotoíndices, pois, inicialmente, é através da catalogação dos fotoíndices ou FI, que se localiza uma ou mais fotografias aéreas de uma região. Assim, utilizando o CCAA e fazendo as adaptações necessárias devido às especificidades do material, são descritos os seguintes elementos (FELDMAN, 1983, f. 4; SANTOS, 1993, f. 30), elencados abaixo: a) número do fotoíndice (FI); b) número da obra ou vôo (dados pela empresa ou órgão que realizou o vôo); c) número de classificação no MI; d) órgão executor do vôo; e) entidade solicitante ou contratante; f) nome da folha ou projeto; g) local; h) data; i) tipo de suporte; j) escalas do fotoíndice e das fotografias relacionadas (uma determinada área pode ter cobertura em diversas escalas); k) código da CIM ou nomenclatura; l) área geográfica abrangente: municípios, Estados e país. Todas as informações acima citadas fazem parte da linguagem utilizada pelos usuários de documentos fotocartográficos e são passíveis de serem buscadas e recuperadas através do catálogo das bibliotecas da CPRM. Para facilitar o acesso rápido à informação, a CPRM adotou para a classificação da documentação fotocartográfica, uma adaptação do sistema criado pela DSG, em 1969, a partir do corte da CIM, que utiliza a articulação das folhas aplicável às escalas 1: até 1: e o Mapa Índice (ZAEYEN; SANTOS, 2002, f. 8).

5 A recuperação da informação fotocartográfica é obtida a partir do MI, catálogo de toponímia (nomes dos mapas, cartas e projetos), CIM, mapas-índice e coordenadas geográficas (ZAEYEN; SANTOS, 2002, f. 8). Ainda em Zaeyen e Santos (2002) se obtém a informação de que, para a disseminação de toda a documentação fotocartográfica, utilizam-se os mapas-índice. O armazenamento de fotoíndices é feito tanto em módulos de arquivos deslizantes, em mapotecas verticais e/ou horizontais. A ordenação é feita por área de interesse e em seguida pela escala de preferência.

6 Figura 01 Fotoíndice da Força Área dos Estados Unidos USAF, escala 1:60.000, Folha Brejo da Serra, MI 1654, acervo da Biblioteca da Superintendência Regional de Salvador. Nos módulos deslizantes, as fotos são acondicionadas em caixas de papelão ou de aço, e dentro de cada unidade, seguidas pela numeração crescente das fotos; Figura 02 Fotografias aéreas acondicionadas em caixa de papelão da Biblioteca da Superintendência Regional de Salvador Figura 03 Fotografias aéreas acondicionadas em caixa de aço da Biblioteca da Superintendência Regional de Goiânia 5 ACESSO ON LINE O acesso ao acervo de fotografias aéreas exige do bibliotecário conhecimento da documentação fotocartográfica e atendimento preliminar minucioso. Este processo demanda diversas etapas elencadas abaixo: 1. Identificar a área geográfica que o usuário quer visualizar na foto; 2. Verificar com o usuário a preferência de escala das fotos; 3. Obter o nome da Folha que abrange a área pesquisada, pois o nome da Folha, o MI e a nomenclatura, previamente indexados, podem localizar

7 facilmente um vôo que atenda a necessidade de informação do usuário no Catálogo on line da CPRM; 4. Verificar quais os Projetos (vôos ou obras) que executaram uma cobertura aerofotogramétrica na área, de acordo com a escala de preferência; 5. Consultar o fotoíndice (FI) do vôo que contém as fotos da área em questão - previamente digitalizado e disponibilizado no Acesso Livre da CPRM; 6. Após consultar o fotoíndice, o usuário deve informar a numeração inicial e final das fotografias e/ou faixas das fotos de seu interesse; 7. De posse dessas informações, obter as fotografias aéreas na coleção para a recuperação da documentação fotocartográfica. Planeja-se digitalizar toda a coleção de fotoíndices e de fotos aéreas para consulta on line pelos usuários. Figura 03 Exemplo de pesquisa no Catalogo on line da CPRM, da Folha Brejo da Serra, com o link para o Fotoíndice em destaque na cor azul. 6 CONCLUSÃO O trabalho deixou evidente a potencialidade das fotografias aéreas e a variedade de opções e aplicabilidade que este grupo de documentos da Rede de

8 Bibliotecas da CPRM pode possuir, habilitando o catálogo on line em fonte de recuperação de dados fotogramétricos. Conclui-se que o processo de organização é condição vital para a sobrevida das fotografias aéreas e valorização das informações nelas depositadas. O processo está desencadeado e as experiências em desenvolvimento, estando sujeitas a otimizações ao longo de seu desenvolvimento. REFERÊNCIAS BOECKEL, Denise Obino. O bibliotecário e a cartografia. In: MACHADO, Ubaldino Dantas (Ed.). Estudos avançados em biblioteconomia e ciência da informação. Brasília, DF: ABDF, v. 1. p CARIBÉ, Rita de Cássia do Vale. Material cartográfico: alguns conceitos básicos. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 15, n. 2, p , jul./dez FELDMAN, Fanny. Tratamento e recuperação de material cartográfico e fotografias aéreas. [Rio de Janeiro], f. Elaborado para o Seminário sobre Documentação Não Convencional e Materiais Especiais. IBGE. Noções básicas de cartografia. Rio de Janeiro, p. (Manuais técnicos em geociências, n. 8). PEROTA, Maria Luzia Loures Pacheco Rocha (Org.). Materiais cartográficos (mapas, cartas, globos, atlas). In:. Multimeios: seleção, aquisição, processamento, armazenagem e empréstimo. 4. ed. Vitória: Edufes, p SANTOS, Rozangela Maria Leopoldino dos. Documentação cartográfica: história e processamento técnico f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia) Escola de Biblioteconomia, Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, SUGUIO, Kenitiro. Dicionário de geologia sedimentar e áreas afins. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. ZAEYEN, Charlotte; SANTOS, Rozangela Maria Leopoldino dos. Manual de procedimentos acervo de multimeios. Rio de Janeiro: CPRM, f. ABSTRACT: The network of the Library of CPRM - Geological Survey of Brazil holds one of the largest collections of aerial photographs of the country. This collection was prepared, stored and made available according to their peculiarities in each regional unit of the Company. The organization of the aerial photos requires specific methodologies and techniques of preserving memories fotogelógica, in order to allow retrieval and dissemination of information there. This collection, in addition to being physically available in their units of origin, is in the process of digitization in the Catalogue for online consultation of CPRM.

9 Key words: Aerial photography. Cartography. Cartographic materials.

Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica

Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica Isabel Angela dos Santos Matos (CPRM) - isabel.matos@cprm.gov.br Resumo: Este

Leia mais

BIBLIOTECA VIRTUAL APLICADA A FOTOTECA DO DECART

BIBLIOTECA VIRTUAL APLICADA A FOTOTECA DO DECART p. 001-005 BIBLIOTECA VIRTUAL APLICADA A FOTOTECA DO DECART CAROLINE MARTINS PEREIRA ANA CLÁUDIA BEZERRA DE ALBUQUERQUE BORBOREMA ALBINO FERREIRA DE FRANÇA LEONARDO MONTEIRO SILVA DIOGO JOSÉ NUNES DA SILVA

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

APOIO TÉCNICO LABORATÓRIOS CARTOGRAFIA E EDITORAÇÃO

APOIO TÉCNICO LABORATÓRIOS CARTOGRAFIA E EDITORAÇÃO LABORATÓRIOS CARTOGRAFIA E EDITORAÇÃO CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL NESTE CAPÍTULO são apresentados os resultados obtidos em 2005 na área de apoio técnico, que inclui os laboratórios, as bases cartográficas

Leia mais

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 6 ARQUIVAMENTO E CONSERVAÇÃO

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 6 ARQUIVAMENTO E CONSERVAÇÃO UD 6 ARQUIVAMENTO E CONSERVAÇÃO Ao fim do processo de produção, os produtos devem ser organizados de modo a conservar e facilitar a busca por parte dos usuários. Cada produto demanda cuidados especiais

Leia mais

O acesso livre aos relatórios de projeto da CPRM Serviço Geológico do Brasil

O acesso livre aos relatórios de projeto da CPRM Serviço Geológico do Brasil XXV Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documento e Ciência da Informação Florianópolis, SC, Brasil, 07 a 10 de julho de 2013 O acesso livre aos relatórios de projeto da CPRM Serviço Geológico do

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1. Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1. Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1 Flávia da Costa Medina 2 Juliana Lima Eduardo 3 Adriane Maria Arantes de Carvalho 4 Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO FOTOGRÁFICO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA PUCMINAS

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO FOTOGRÁFICO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA PUCMINAS ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO FOTOGRÁFICO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA PUCMINAS Ana Carolina Gomes do Prado Mariane Campos de Faria* Cléia Márcia Gomes Amaral** Carolina Angélica Saliba** Pontifícia

Leia mais

Banco de dados de fotografias aéreas de pequeno formato aplicadas no monitoramento de queimadas no estado do Acre em 2005

Banco de dados de fotografias aéreas de pequeno formato aplicadas no monitoramento de queimadas no estado do Acre em 2005 Banco de dados de fotografias aéreas de pequeno formato aplicadas no monitoramento de queimadas no estado do Acre em 2005 Nara Vidal Pantoja 1,2,3 Clarice Oliveira de Farias 1,3 Larissa Santos Saraiva

Leia mais

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 7 5 Diretrizes... 9 6 Responsabilidades...12 7 Disposições Gerais...15 2 1 Objetivo

Leia mais

Disciplina: Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II Carga Horária total 75H

Disciplina: Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II Carga Horária total 75H Disciplina: Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II Carga Horária total 75H PLANO DE CURSO I - EMENTA Gráficos e diagramas; Cartogramas; Nivelamento topográfico; Interpretação de imagens;

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA FAHESA - Faculdades de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda BIBLIOTECA DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA Araguaína Março / 2014 1.

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR

O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR Machado, F. (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - UNICENTRO) ; Pelegrina,

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL

PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL 1 Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil Rio de Janeiro - IBGE/CDDI 1 O que é um sistema geodésico de referência? É

Leia mais

BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK

BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK (INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PLANALTO IESPLAN) Brasília Janeiro/2014 1 EQUIPE TÉCNICA Thayanne Farias das Virgens Ferreira Bibliotecária Diretora

Leia mais

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA: relato de experiência

GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA: relato de experiência TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL NA BIBLIOTECA CENTRAL

Leia mais

SELEÇÃO, AQUISIÇÃO E DESCARTE DE MATERIAIS DE INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTE- CAS ESCOLAR: UMA SUGESTÃO COERENTE COM A ATUAL REALIDADE ESCOLAR.

SELEÇÃO, AQUISIÇÃO E DESCARTE DE MATERIAIS DE INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTE- CAS ESCOLAR: UMA SUGESTÃO COERENTE COM A ATUAL REALIDADE ESCOLAR. SELEÇÃO, AQUISIÇÃO E DESCARTE DE MATERIAIS DE INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTE- CAS ESCOLAR: UMA SUGESTÃO COERENTE COM A ATUAL REALIDADE ESCOLAR. Luiz Carlos Peres * Resumo Maria Inês da Silveira ** O presente

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA TELEVISÃO VERDES MARES: INDEXAÇÃO DE IMAGENS AUDIOVISUAIS JORNALISTICAS RESUMO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA TELEVISÃO VERDES MARES: INDEXAÇÃO DE IMAGENS AUDIOVISUAIS JORNALISTICAS RESUMO XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RELATÓRIO DE ESTÁGIO

Leia mais

REGIMENTO DA BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

REGIMENTO DA BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH REGIMENTO DA BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA WILHEM HEINRICH DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IGUAÇU UNIGUAÇU União da Vitória PR Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.

Leia mais

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO - SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL Vitória, 2011 GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO

Leia mais

FRAMES E MÓDULO SEPARADOR DE ASSUNTOS: FACILITADORES NA BUSCA DE MATERIAIS NO ACERVO

FRAMES E MÓDULO SEPARADOR DE ASSUNTOS: FACILITADORES NA BUSCA DE MATERIAIS NO ACERVO FRAMES E MÓDULO SEPARADOR DE ASSUNTOS: FACILITADORES NA BUSCA DE MATERIAIS NO ACERVO Rosemeire A. C. Zambon 1, Maria Alice S. de Castro 2, Regina C. V. Medeiros 3, Irene Lucinda 1, Maria G. Lima 4, Gláucia

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD Luciane Meire Ribeiro STRAUD Biblioteca FCAV (Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação) 1. Introdução: Definição de FI (em

Leia mais

MAPEAMENTO MORFOGRÁFICO DO BAIRRO DE PINHEIROS SÃO PAULO E ARREDORES

MAPEAMENTO MORFOGRÁFICO DO BAIRRO DE PINHEIROS SÃO PAULO E ARREDORES MAPEAMENTO MORFOGRÁFICO DO BAIRRO DE PINHEIROS SÃO PAULO E ARREDORES George Alfredo LONGHITANO Geografia/ FFLCH/ USP georgelonghitano@yahoo.com.br I - INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Entre os métodos de obtenção

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS NO SISTEMA DE GERÊNCIAMENTO DE REDES DA DISTRIBUIÇÃO CEMIG PROJETO GEMINI

UTILIZAÇÃO DE ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS NO SISTEMA DE GERÊNCIAMENTO DE REDES DA DISTRIBUIÇÃO CEMIG PROJETO GEMINI EDITE DO SOCORRO SILVA UTILIZAÇÃO DE ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS NO SISTEMA DE GERÊNCIAMENTO DE REDES DA DISTRIBUIÇÃO CEMIG PROJETO GEMINI Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Geoprocessamento

Leia mais

Bases de Dados Geoespaciais: Conceitos e Tendências. Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com

Bases de Dados Geoespaciais: Conceitos e Tendências. Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com Sumário Dados e informações Base de dados Normatização dos Dados Banco de dados único Interoperabilidade de dados Tendências DADOS E INFORMAÇÕES Dados são observações

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO "Departamento de Licitações"

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Departamento de Licitações PROCESSO N.º 02/2009 TOMADA DE PREÇOS N.º 0/2009 ANEXO IV CRONOGRAMA FÍSICO PRAZO DE EXECUÇÃO (MESES) ITEM DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS o MÊS 2 o MÊS 3 o MÊS 4 o MÊS 5 o MÊS 6 o MÊS 7 o MÊS 8 o MÊS

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA Considerando o crescimento da demanda de informação no meio acadêmico, foi definida a Política de Atualização e de Expansão do Acervo da Biblioteca,

Leia mais

Fotogrametria (definição clássica):

Fotogrametria (definição clássica): Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência, Arte e Tecnologia de se obterem Medidas dignas de confiança por meios de Fotografias É derivada de três palavras de origem grega que

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

Atividades da CONCAR em 2010 e 2011

Atividades da CONCAR em 2010 e 2011 Atividades da CONCAR em 2010 e 2011 (até agosto) 17ª Reunião Plenária da CONCAR Brasília DF 21 de setembro de 2011 Sumário Introdução Lançamento da INDE Homologação e divulgação do PMGB Consultas públicas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Sistema de Documentação: a experiência do.senai-sp

Sistema de Documentação: a experiência do.senai-sp 25 Sistema de Documentação: a experiência do.senai-sp Wanda Lucia Schimdt e Sousa RESUMO SOUZA, W.L.S. Sistemas de documentação: a experiência do SENAI-SP. Trana-In-formação, 2(1): 25-34, jan/abr. 1990.

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO BIBLIOTECA BANCO DE DADOS GEOPROCESSAMENTO INFORMÁTICA

GESTÃO DA INFORMAÇÃO BIBLIOTECA BANCO DE DADOS GEOPROCESSAMENTO INFORMÁTICA BIBLIOTECA BANCO DE DADOS GEOPROCESSAMENTO INFORMÁTICA CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL TODAS AS INFORMAÇÕES GERADAS pela Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais/Serviço Geológico do Brasil (CPRM/SGB)

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC

Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC Paulo Ferreira da Costa Divisão do Património Imóvel, Móvel e Imaterial / Departamento dos Culturais 1.º Seminário

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Msc. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Características das câmaras aerofotográficas Formato de seus negativos; Distância focal

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

SOFTWARE PARA INTERCÂMBIO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

SOFTWARE PARA INTERCÂMBIO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO SOFTWARE PARA INTERCÂMBIO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFG Cezar Augusto Meggiolaro 1 CRB1 1.259 RESUMO Relata o processo de informatização do Setor de Intercâmbio do Sistema

Leia mais

NECESSIDADES DE INFORMAÇÃO DOS USUÁRIOS REAIS E POTENCIAIS DA BIBLIOTECA DA FUNDAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL DO CEARÁ NUTEC 1

NECESSIDADES DE INFORMAÇÃO DOS USUÁRIOS REAIS E POTENCIAIS DA BIBLIOTECA DA FUNDAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL DO CEARÁ NUTEC 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência

Leia mais

O ambiente GeoNetwork

O ambiente GeoNetwork O ambiente GeoNetwork Catálogo Web para a documentação, edição e disseminação de metadados geográficos. Características principais: livre e de código aberto; mecanismos de busca avançados; edição de metadados

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I Das considerações preliminares Art. 1º - A Biblioteca e a Biblioteca Digital da instituição é o depositário de todo material bibliográfico

Leia mais

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-009

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-009 p. 001-009 GERAÇÃO DE BASE CARTOGRÁFICA DIGITAL A PARTIR DE PRODUTOS FOTOGRAMÉTRICOS PARA A GERAÇÃO DE ORTOFOTOCARTA, CARTA TOPOGRÁFICA E BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS O CASO DO PROJETO DE MAPEAMENTO DO ESTADO

Leia mais

TECNOLOGIA E ACESSO A INFORMAÇÃO: AS BIBLIOTECAS DIGITAIS EM FOCO EIXO TEMÁTICO: TECNOLOGIAS

TECNOLOGIA E ACESSO A INFORMAÇÃO: AS BIBLIOTECAS DIGITAIS EM FOCO EIXO TEMÁTICO: TECNOLOGIAS TECNOLOGIA E ACESSO A INFORMAÇÃO: AS BIBLIOTECAS DIGITAIS EM FOCO EIXO TEMÁTICO: TECNOLOGIAS Carminda Aguiar 1 Fernanda Samla Souza Costa 2 Hugo Avelar Cardoso Pires 3 RESUMO O presente artigo tem por

Leia mais

Biblioteca 9. BIBLIOTECA

Biblioteca 9. BIBLIOTECA BIBLIOTECA Biblioteca 9. BIBLIOTECA Desde seu início, em dezembro de 1999, o Sistema de Bibliotecas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, composto pelas bibliotecas dos Campi de Vitória da Conquista,

Leia mais

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS Orientação e Forma Diversidade = A visibilidade é variável Ordem = As categorias se ordenam espontaneamente Proporcionalidade = relação de proporção visual Cores convencionais

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO DO BIBLIOTECÁRIO: UMA AMOSTRA DA TENDÊNCIA DO SÉCULO XXI

O MERCADO DE TRABALHO DO BIBLIOTECÁRIO: UMA AMOSTRA DA TENDÊNCIA DO SÉCULO XXI 1 O MERCADO DE TRABALHO DO BIBLIOTECÁRIO: UMA AMOSTRA DA TENDÊNCIA DO SÉCULO XXI EIXO TEMÁTICO: TEMA LIVRE Sara da Rocha Campos Pereira 1 RESUMO O desenvolvimento do campo informacional, a partir das novas

Leia mais

FACILIDADES PARA LOCALIZAÇÃO DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS EM ESTANTES NO SISTEMA PERGAMUM

FACILIDADES PARA LOCALIZAÇÃO DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS EM ESTANTES NO SISTEMA PERGAMUM 1 FACILIDADES PARA LOCALIZAÇÃO DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS EM ESTANTES NO SISTEMA PERGAMUM RESUMO Heloisa Helena Anzolin 1 Relata o caso da Biblioteca Central da Pontifícia Universidade Católica do Paraná,

Leia mais

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Gláucio Alves Oliveira; Ildeberto de Genova Bugatti Resumo O trabalho utilizou técnicas de integração entre tecnologia de Realidade

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

EIXO TEMÁTICO: Tecnologias. ORGANIZAÇÃO DAS BASES DE DADOS DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO PROJETO RESNAPAP

EIXO TEMÁTICO: Tecnologias. ORGANIZAÇÃO DAS BASES DE DADOS DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO PROJETO RESNAPAP EIXO TEMÁTICO: Tecnologias. ORGANIZAÇÃO DAS BASES DE DADOS DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO PROJETO RESNAPAP Josefa Xavier de Paula 1 ; Maria Odaisa Espinheiro de Oliveira 2 1 Graduanda do 9º semestre de Biblioteconomia

Leia mais

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Porto Alegre, 2010 ESADE - Política de Aquisição de Material Bibliográfico - 2 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO É essencial que se estabeleça

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais

Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Rogério Luís Ribeiro Borba 3, Guilherme L. A. Mota 1,3, Jorge Luís Nunes e

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB Relatório Biblioteca Penha Shopping 2015 SUMÁRIO 1 SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS - SIBi... 02 2 NÚCLEO DE COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - NCB... 02 3 UNIDADE

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO CRIAÇÃO DO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC Florianópolis, 2011 Universidade do Estado de Santa Catarina Biblioteca Universitária POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Leia mais

o resumo é um instrumento de trabalho acadêmico muito utilizado por alunos, professores, pesquisadores, bibliotecários

o resumo é um instrumento de trabalho acadêmico muito utilizado por alunos, professores, pesquisadores, bibliotecários APRESENTAÇÃO DE RESUMOS: Norma Brasileira Registrada n 6028 Maria do Rosário Guimarães Almeida' Maria Rosivalda da Silva Pereira" RESUMO Resumo como forma de comunicação da produção científica. Abordase,

Leia mais

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP Thais Borges Sanches Lima e Bruno Tamm Rabello Setembro/2012 Introdução 1. Experiência de um grupo de

Leia mais

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace A Biblioteca Digital do Senado Federal eo DSpace André Luiz Lopes de Alcântara Chefe do Serviço de Biblioteca Digital Simone Bastos Vieira Diretora da Biblioteca do Senado Federal BIBLIOTECA DO SENADO

Leia mais

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA Daniel Gonzaga dos Santos 1 Faculdade Cidade de João Pinheiro Resumo: Este artigo aborda as etapas para

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA NA EESC/USP: relato de experiência sobre uma reestruturação para o acesso facilitado

PRODUÇÃO CIENTÍFICA NA EESC/USP: relato de experiência sobre uma reestruturação para o acesso facilitado PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Os catálogos WEB: políticas e impactos PRODUÇÃO CIENTÍFICA NA EESC/USP: relato de experiência sobre uma reestruturação

Leia mais

Biblioteca digital: novo paradigma da informação

Biblioteca digital: novo paradigma da informação Biblioteca digital: novo paradigma da informação Murilo Bastos da Cunha Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Brasília, DF E-mail: murilobc@unb.br Introdução A Internet está revolucionando

Leia mais

II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil

II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil PMRG - Projeto Mudança do Referencial Geodésico RESUMO DOS PAINÉIS 4 e 5 PAINEL 4: Perguntas: Que aplicativos e serviços devem ser disponibilizados?

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING RAFAELA S. NIEMANN 1 ; SOPHIA D. RÔVERE 2 ; WILSON A. HOLLER 3 N 10508 RESUMO A organização de imagens de satélite direcionada à implementação

Leia mais

A importância do uso de imagens de satélite e cartas-imagem para a execução do trabalho de campo em Geografia

A importância do uso de imagens de satélite e cartas-imagem para a execução do trabalho de campo em Geografia A importância do uso de imagens de satélite e cartas-imagem para a execução do trabalho de campo em Geografia Marcus Vinícius Alves de Carvalho 1 Robson Lopes de Freitas Junior 1 Rodrigo de Melo Campos

Leia mais

A Central de Informações Técnicas da Cenibra: 20 anos de atividades

A Central de Informações Técnicas da Cenibra: 20 anos de atividades Ciência da Informação - Vol 24, número 2, 1995 - Relatos de Experiência A Central de Informações Técnicas da Cenibra: 20 anos de atividades Fernando Alberto Dias Resumo Descreve as atividades da Central

Leia mais

Consulta Web. Manual. Pergamum

Consulta Web. Manual. Pergamum Consulta Web Manual Pergamum Manual PER-MAN-010 Nova Consulta Web Sumário 1 FUNCIONALIDADES GERAIS... 4 1.1 TEXTO INFORMATIVO... 4 1.2 LOGOTIPO DA CONSULTA... 4 1.3 BARRA DE FERRAMENTAS SUPERIOR... 5 1.4

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA É indispensável que um estudo de impacto ambiental contenha, ao menos, os seguintes documentos cartográficos:

Leia mais

REGULAMENTOS DA BIBLIOTECA

REGULAMENTOS DA BIBLIOTECA REGULAMENTOS DA BIBLIOTECA Na Biblioteca da Faculdade Herrero é possível encontrar materiais adquiridos, selecionados, tratados tecnicamente e fisicamente, armazenados e disponíveis para consulta e empréstimo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM Elaboração: Karyn Munyk Lehmkuhl Acadêmica da 9ª do curso de Biblioteconomia UFSC - Semestre 2003/2

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física BIBLIOTECA CENTRAL A missão da Biblioteca Central Prof. Eurico Back - UNESC é promover com qualidade a recuperação de informações bibliográficas, com enfoque no desenvolvimento das atividades de ensino,

Leia mais

Paulo Dinarte Tavares Presidente do Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 03/2008. O Conselho Superior da Faculdade Campo Real, no uso de suas atribuições

Paulo Dinarte Tavares Presidente do Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 03/2008. O Conselho Superior da Faculdade Campo Real, no uso de suas atribuições RESOLUÇÃO Nº 03/2008 Aprova o Regulamento da Biblioteca da Faculdade Campo Real. e, O Conselho Superior da Faculdade Campo Real, no uso de suas atribuições CONSIDERANDO a Portaria MEC n 601, de 27 de agosto

Leia mais

As etapas de automação

As etapas de automação As etapas de automação NEGREIROS, Leandro Ribeiro. Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação. Dissertação (mestrado em Ciência

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 1 XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 MUDANÇAS E DESAFIOS NA BIBLIOTECA DO SEBRAE RJ: UM ESTUDO DE CASO Leandro Pacheco de Melo Thalita Oliveira da Silva Gama Karolyne Sousa

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas 2da. Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria JBD2004 Buenos Aires, 17-18 de junio de 2004 BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Registro é uma transformação geométrica que relaciona coordenadas da imagem (linha e coluna) com coordenadas geográficas (latitude e longitude) de um

Leia mais

Módulo Biblioteca Uso dos Serviços da Biblioteca. Discente

Módulo Biblioteca Uso dos Serviços da Biblioteca. Discente Módulo Biblioteca Uso dos Serviços da Biblioteca Discente 1 2 IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO Este documento demonstra os procedimentos para uso dos serviços disponíveis no módulo Biblioteca dentro do SIGAA

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO: AGREGANDO VALOR POR MEIO DE BASE DA DADOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO: AGREGANDO VALOR POR MEIO DE BASE DA DADOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO: AGREGANDO VALOR POR MEIO DE BASE DA DADOS II Seminário de Gestão da Informação e do Conhecimento da RialideBR Maria Angélica Ferraz Messina Ramos 31/08/2015 e 01/09/2015

Leia mais