Estruturação de Projetos no BNDES Guilherme Miranda Mendonça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estruturação de Projetos no BNDES Guilherme Miranda Mendonça"

Transcrição

1 Estruturação de Projetos no BNDES Guilherme Miranda Mendonça Área de Estruturação de Projetos (AEP) Março/2013

2 O BNDES 1950 Infraestrutura Econômica - Siderurgia > Plano de Metas 1960 Indústrias de Base - Bens de Consumo - MPME 1970 Insumos Básicos - Bens de Capital 1980 Energia Agricultura Integração Social 1990 Infraestrutura privada Exportações > PND Privatização: Gerenciamento do PND Hoje Infraestrutura Estrutura Produtiva Exportação Inovação - Inclusão Social Estruturação de Projetos

3 Panorama Atual Hiato entre o ritmo de investimentos em infraestrutura e o crescimento almejado para os próximos anos Diagnóstico Escassez de projetos: obstáculo aos investimentos em infraestrutura; Disponibilidade de recursos privados para investimentos em infraestrutura Necessidade Agilidade para a formação da carteira de projetos Imparcialidade na condução dos estudos e promoção da competição nos procedimentos licitatórios CONCESSÕES E PPPS

4 Criação e atuação da AEP BNDES instituiu a Área de Estruturação de Projetos AEP: encarregada de modelar projetos de concessões públicas e PPPs para a União, estados e municípios; Atuação da AEP não se confunde com a atividade tradicional do BNDES de financiamento aos empreendimentos Estruturação Condução dos estudos técnicos Formalização da parceria Elaboração de documentos (edital, contrato e anexos) Suporte ao ente público no processo licitatório Execução do empreendimento pelo Concessionário Alinhamento entre Interesses e possibilidades técnicas

5 Participação BNDES no processo de concessões BNDES e Parceiros Engenharia Demanda Meio Ambiente Desapropriação Reassentamento Aspectos Sociais Consultores Legais Economia & Regulação Mídia/ Informação Pública EVTE Em conjunto com entidades parceiras, o BNDES assessora os órgãos públicos na elaboração dos estudos técnicos, aprovação em órgãos de controle e durante o processo de licitação 13

6 Parceiros do BNDES na Estruturação de Projetos Brazil PSP Development Program * * Programa de Fomento à Participação 15 Privada

7 Alguns projetos finalizados ou em estudo pela AEP e seus parceiros Aeroportos Rodovias Ferrovias Portos Transporte Urbano Saneamento / resíduos Educação Saúde Outros Concessão do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante (RN) Concessão dos Aeroportos de Guarulhos, Viracopos (SP) e Brasília (DF) Concessão dos Aeroportos do Galeão (RJ) e Confins (MG) BR (DF/MG); BR (BA/MG a MG/RJ); 4ª Etapa de Concessões de Rodovias; BR -101 (RJ-ES a BA); BR-093 (BA) ; BR 116/324 (BA) Trem de Alta Velocidade ligando Campinas (SP) ao Rio de Janeiro (RJ) Concessão de terminais portuários Estacionamentos em Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP) Saneamento no Rio de Janeiro (RJ) e em Serra (ES) COPASA Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG) Incinerador de Resíduos Sólidos em São José dos Campos (SP) Educação Infantil e Fundamental em Belo Horizonte (MG) Rede de Atenção Primária à Saúde em Belo Horizonte (MG) Centro de Diagnósticos por Imagem (BA) Hospital do Subúrbio na Bahia Hospital Metropolitano em Belo Horizonte (MG) Estádio Mineirão em Belo Horizonte (MG) Circuito de Compras em São Paulo (SP) Concessões Florestais Itaituba I e II (PA)

8 PPPs na área de Saúde em estruturação no BNDES

9 Centro de diagnóstico por Imagem - BA

10 Clientes Escopo do Projeto Prestação de Serviços de Apoio ao Diagnóstico por Imagem em regime PPP Prestação de Serviços de Apoio ao Diagnóstico por Imagem num conjunto de Unidades do Estado da Bahia Objetivo Dar suporte aos cuidados de saúde disponibilizados pela SESAB nas diferentes Unidades Hospitalares e de Ambulatório. Melhorar o acesso aos exames de apoio ao diagnóstico por imagem abrangidos no escopo do projeto. Garantir elevados níveis de qualidade na prestação dos Serviços de Apoio ao Diagnóstico por Imagem. Internados Urgentes Ambulatório Período do Contrato: 11 anos e 6 meses

11 Desenho Global do Projeto O funcionamento do processo baseia-se na realização dos exames nas Unidades Hospitalares e de Ambulatório e na elaboração centralizada dos laudos. Unidade Hospitalar A Unidade Hospitalar E Unidade Hospitalar B Central de Imagem Rede de Comunicações Unidade Hospitalar D Unidade Hospitalar C Unidade Hospitalar n

12 Serviços contemplados (concessionário) Serviços de Apoio ao Diagnóstico Radiologia Convencional Mamografia Tomografia Computadorizada Ressonância Magnética Densitometria Suporte aos Serviços Apoio ao Diagnóstico Realização de marcações (agenda) Atendimento de clientes Administração e operação do Centro de Diagnósticos Serviços não assistenciais Fornecimento e manutenção de equipamentos médicos de alta tecnologia Fornecimento e manutenção de mobiliário e outro equipamento médico e não médico Fornecimento e manutenção de equipamento de informática (hardware e software: PACS/RIS) Construção, reforma e/ou adaptação das infraestruturas Disponibilização de um serviço de telecomunicações PET-CT

13 Investimentos Investimento inicial e de reposição: Foram estimados os investimentos inicial e de reposição. O investimento de reposição destina-se, essencialmente, a aquisição de equipamentos de imagem para: (i) substituir equipamento no final da sua vida útil e (ii) fazer frente ao aumentos da demanda. Distribuição do Investimento (134 milhões R$) Investimento inicial de cerca de R$ 105 milhões ; Investimento de reposição na ordem dos R$ 27 milhões Equipamento de imagem Tecnologias de Informação Mobiliário e equipamento médico

14 Detalhe do OPEX O OPEX varia de acordo com a atividade entre o Periodo Transitório e o Periodo de Operação Plena, alcançando o valor estimado de R$ 105 milhões : Distribuição do OPEX pelas principais rúbricas Pessoal Comunicações e PACS/RIS Material Consumo Manutenção

15 Situação Atual do Projeto Versões preliminares dos documentos em fase final de elaboração Previsão de publicação da consulta pública nos próximos meses.

16 Rede de Atenção Primária à Saúde de BH

17 Escopo do Projeto 80 CS + 1 CME + 1 Laboratório Total CS Novos Recontruções CME Laboratório

18 Escopo do Projeto: Concedente Escopo do Poder Concedente: Operação dos: Centros de Saúde: todos os serviços clínicos/assistenciais; Central de Material Esterilizado; Laboratório; Prestação dos serviços de: Administração de materiais; Lavanderia; Administração de resíduos; Logística de medicamentos, materiais e imunobiológicos; TI Gestão e planejamento de Serviços assistenciais, compra de materiais, insumos, medicamentos, imunobiológicos; Gerenciamento geral das unidades Propriedade de bens móveis e imóveis

19 Escopo do Projeto: Concessionário Escopo da Parte Privada*: Obra civil Mobiliário e equipamento Engenharia e manutenção Higiene e limpeza Vigilância (CFTV) Rastreabilidade Portaria Manutenção de equipamentos Central de Atendimento (Help Desk) *A extensão dos serviços descritos acima se limitam aos 80 CS, CME e Laboratório do escopo da PPP.

20 Investimentos Investimento inicial (3 primeiros anos) de R$ 298 milhões Reinvestimento da ordem de R$ 62 milhões: Central de Atendimento: reinvestimento a cada 4 anos; Tecnologias clínicas: reinvestimento a cada 7 anos; Mobiliário: reinvestimento a cada 10 anos; 20 anos de Concessão

21 Investimentos Distribuição dos investimentos (R$ milhões) Investimento Construção nova, Demolição e Mobiliários Equipamentos Clínicos Comunicação Visual e Projetos Equipamentos de CFTV e Reconstrução Cabeamento

22 Situação Atual do Projeto Ajustes finais nos estudos e documentos do Edital Previsão de publicação da licitação para o final do mês de abril

23 Projetos Concluídos

24 Hospital do Subúrbio - BA Objeto: provisão de equipamentos e serviços de saúde do hospital; Localização: Subúrbio Ferroviário (bairro de Salvador -BA); População beneficiada: 2 milhões de pessoas; Prazo contratual: 10 anos; Construção do prédio de m 2 feita pelo Governo do Estado, no valor de R$ 42 milhões; Investimentos estimado: R$ 50 milhões; Estudos em parceria BNDES/IFC; Assinatura do contrato: 28/05/2010

25 Hospital Metropolitano - BH Objeto: construção, manutenção e exploração de serviços não clínicos; Área de 42 mil metros quadrados, 12 andares, 320 leitos e uma média de 500 atendimentos/dia; Prazo contratual: 20 anos; 1ª fase da construção da infraestrutura realizada pela PBH; Investimentos estimados: R$ 150 milhões; Estudos em parceria BNDES/EBP; Contrato assinado em 28/03/2012

26 Obrigado!

Parcerias Público Privadas em Infraestrutura

Parcerias Público Privadas em Infraestrutura Parcerias Público Privadas em Infraestrutura Atuação do BNDES Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas Prioritárias Inovação Bens

Leia mais

Atuação do BNDES na Estruturação e Financiamento de concessões/ppps. Rio de Janeiro, 25 de setembro de 2015

Atuação do BNDES na Estruturação e Financiamento de concessões/ppps. Rio de Janeiro, 25 de setembro de 2015 Atuação do BNDES na Estruturação e Financiamento de concessões/ppps Rio de Janeiro, 25 de setembro de 2015 Roteiro 1. Área de Estruturação de Projeto do BNDES - AEP 2. Financiamento de PPPs pela Área Social

Leia mais

BNDES Pró-estruturação de Projetos

BNDES Pró-estruturação de Projetos BNDES Pró-estruturação de Projetos Guia para Consultorias Junho de 2016 Agenda 1 2 3 O papel dos bancos de desenvolvimento na preparação de projetos de infraestrutura Estudo IFC/BNDES sobre Estruturação

Leia mais

A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para

A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Experiências na estruturação de projetos de PPP no setor da saúde: desafios e soluções. Tatiana Matiello Cymbalista 27 de março de 2013

Experiências na estruturação de projetos de PPP no setor da saúde: desafios e soluções. Tatiana Matiello Cymbalista 27 de março de 2013 Experiências na estruturação de projetos de PPP no setor da saúde: desafios e soluções Tatiana Matiello Cymbalista 27 de março de 2013 1. O novo caminho das PPPs em matéria de saúde A gratuidade dos serviços

Leia mais

Infraestrutura, Segurança e PPPs

Infraestrutura, Segurança e PPPs www.pwc.com Infraestrutura, Segurança e PPPs Dezembro, 2011 Agenda - Características de uma PPP - Alguns Projetos de PPP no Brasil - Exemplos de PPP em Infraestrutura e Segurança 2 Características de uma

Leia mais

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011 A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Perspectivas do Investimento em Infraestrutura no Brasil. Fundação Getulio Vargas Rio de Janeiro, 6 de agosto de 2014

Perspectivas do Investimento em Infraestrutura no Brasil. Fundação Getulio Vargas Rio de Janeiro, 6 de agosto de 2014 Perspectivas do Investimento em Infraestrutura no Brasil Fundação Getulio Vargas Rio de Janeiro, 6 de agosto de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International Internacionais Reserves

Leia mais

Realização Parceiros Apoio

Realização Parceiros Apoio Realização Parceiros Apoio Modernização, Adequação e Manutenção de Unidades Escolares Município de Uberaba SITUAÇÃO DAS PPPS EM UBERABA: Publicação do Decreto Municipal nº. 703, de 20 de maio de 2013,

Leia mais

SEMINÁRIO 10 ANOS DE PPP NO BRASIL

SEMINÁRIO 10 ANOS DE PPP NO BRASIL SEMINÁRIO 10 ANOS DE PPP NO BRASIL Roteiro 1. Experiência Internacional com Estruturação de Projetos; 2. Análise do Cenário nos Estados; 3. Análise dos Projetos Estruturados pela AEP; 4. Como Mitigar as

Leia mais

A atuação da EBP no desenvolvimento da infraestrutura

A atuação da EBP no desenvolvimento da infraestrutura A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos Formação em Parcerias Público Privadas Desenvolvimento de uma carteira de projetos Novembro de 2013 1. Contexto Atual 2. Análise das Demandas do Setor Público 3. Como Estruturar um Procedimento 4. Como

Leia mais

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS UMA IMPORTANTE ALTERNATIVA PARA O AVANÇO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA Daniel R. Figueiredo Especialista em Estruturação de Projetos de PPP e Concessões 26/08/2015

Leia mais

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Outubro - 2012 Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO O presente ANEXO tem como

Leia mais

Instituto Couto Maia

Instituto Couto Maia Instituto Couto Maia Hospital Couto Maia 1853: ato de criação do Hospital de Isolamento de Monte Serrat Objetivo: assistir pacientes com febre amarela desembarcados de navios mercantes Construção de 160

Leia mais

INVESTIMENTOS EM AEROPORTOS

INVESTIMENTOS EM AEROPORTOS AEROPORTOS INVESTIMENTOS EM AEROPORTOS 6 concessões de aeroportos Investimentos de R$ 26 Bilhões São Gonçalo do Amarante RN Brasília DF Guarulhos SP Confins MG Viracopos SP Galeão RJ 5 operadores aeroportuários

Leia mais

A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos

A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos 1 Roteiro 1. Importância da Estruturação de um Projeto Identificação do Projeto Elaboração dos Estudos Procedimento Licitatório Execução 2. Como selecionar

Leia mais

Financiamento de Parcerias Público-Privadas - experiência brasileira

Financiamento de Parcerias Público-Privadas - experiência brasileira Financiamento de Parcerias Público-Privadas - experiência brasileira Janeiro, 2014 Agenda Introdução Potenciais fatores para sucesso das PPPs Principais desafios Potenciais catalisadores Modelos de concessão

Leia mais

Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017

Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017 Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017 Apresentação em Recife, 19 de março de 2013 Brian Nicholson, Consultor, Sobratema Associação Brasileira de Tecnologia para

Leia mais

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Carlos Campos Neto carlos.campos@ipea.gov.br Frederico Hartmann de Souza frederico.souza@ipea.com.br Abril de 2011 Objetivos Avaliar

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.1 do Anexo 3 CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.1 do Anexo 3 CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO ANEXO DO CONTRATO Apêndice 3.1 do Anexo 3 CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO Dezembro - 2013 Apêndice 3.1 do Anexo 3: Cronograma de Implantação Índice 1 Cronograma de Implantação... 3 1.1 Da prestação dos Serviços

Leia mais

PARCERIA PUBLICO PRIVADA

PARCERIA PUBLICO PRIVADA Salvador, 25 de setembro de 2015 PARCERIA PUBLICO PRIVADA ROGÉRIO DE FARIA PRINCHAK Secretario Executivo da Unidade de PPP do Estado da Bahia Estrutura da Apresentação 1. Conceitos Gerais 2. Alternativas

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014

Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014 VI Seminário ALACPA de Pavimentos Aeroportuários e IV FAA Workshop Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014 28 Outubro 2009 Arq. Jonas M. Lopes INFRAERO Aeroportos - Copa do Mundo 2014 Belo Horizonte

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

O QUE É PPP? O QUE É CONCESSÃO PLENA?

O QUE É PPP? O QUE É CONCESSÃO PLENA? APRESENTAÇÃO A iniciativa para realização de parcerias com o setor privado já é praticada em diversos países. O conceito de Parcerias Público-Privadas foi introduzido no Reino Unido em 1992, apresentando-se

Leia mais

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Bernardo Figueiredo Julho/2013 TRENS DE ALTA VELOCIDADE Segurança: Trem de Alta Velocidade é mais seguro. AVIÃO Número de mortes por bilhão de passageiro/km RODOVIA

Leia mais

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONCESSÃO DE AEROPORTOS ATUAÇÃO DO TCU NO ACOMPANHAMENTO DE CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA Francisco Giusepe Donato Martins Secretaria de Fiscalização de Desestatização

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN SECRETARIO SALUD BAHIA

PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN SECRETARIO SALUD BAHIA PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN PONENTE: D. JORGE SOLLA SECRETARIO SALUD BAHIA INSTITUTO ESPAÑOL DE COMERCIO EXTERIOR

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS

INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS Introdução O objetivo deste trabalho é apresentar um modelo de central de laudos

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS ANEXO DO CONTRATO Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS Dezembro - 2013 Anexo 9: Lista de Bens Reversíveis Índice 1. Introdução... 3 2. Reversão dos bens... 3 2 1. Introdução BENS REVERSÍVEIS são todos os

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO ANEXO DO CONTRATO Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO Maio - 2013 1 Apêndice 3.1 Indicadores de Desempenho Índice 1 Considerações Gerais... 3 2 Especificações dos Indicadores de Desempenho...

Leia mais

Metodologia de Análise Financeira Análise de Viabilidade Econômica das PPPs

Metodologia de Análise Financeira Análise de Viabilidade Econômica das PPPs Metodologia de Análise Financeira Análise de Viabilidade Econômica das PPPs Seminário Espaço Fiscal e Projetos de Investimento nos Estados do Brasil: O Papel das Parcerias Público-Privadas Junho/2013 Análise

Leia mais

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009 Aeroportos Copa do Mundo 2014 14 Dezembro 2009 Belo Horizonte e Confins - MG 1. Aeroporto Internacional Tancredo Neves Confins 2. Aeroporto de Belo Horizonte/ Pampulha Carlos Drummond de Andrade Brasília

Leia mais

Parcerias Público-Privadas

Parcerias Público-Privadas Parcerias Público-Privadas PPP no Governo Federal Projetos Treinamento e Produtos PAC Mobilidade Grandes Cidades João Paulo de Resende Diretor Unidade PPP/Concessões Ministério do Planejamento Abril/2013

Leia mais

O TCU E A COPA 2014 Ministro-Relator: Valmir Campelo

O TCU E A COPA 2014 Ministro-Relator: Valmir Campelo O TCU E A COPA 2014 Ministro-Relator: Valmir Campelo Adalberto Santos de Vasconcelos Coordenador-Geral da Área de Infraestrutura e da Região Sudeste Rafael Jardim Assessor do Ministro Valmir Campelo Brasília

Leia mais

Hospital Metropolitano de Belo Horizonte - Audiência Pública

Hospital Metropolitano de Belo Horizonte - Audiência Pública Hospital Metropolitano de Belo Horizonte - Audiência Pública Setembro de 2010 Agenda O Hospital Metropolitano Abordagem Principais resultados e definições Processo Licitatório Próximos Passos 2 O novo

Leia mais

RODRIGO GARCIA Secretário de Estado da Habitação

RODRIGO GARCIA Secretário de Estado da Habitação RODRIGO GARCIA Secretário de Estado da Habitação Caracterização do modelo OBJETIVOS INCLUSÃO SOCIAL Diversidade REQUALIFICAÇÃO DO ESPAÇO URBANO APROXIMAÇÃO DA MORADIA DOS LOCAIS DE OFERTA DE EMPREGO PÚBLICO-ALVO

Leia mais

3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012

3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012 Code-P0 3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012 Brasília, Maio de 2012 Code-P1 Conteúdo do documento Visão geral das ações Visão por tema 1 Code-P2 Ciclos dos preparativos do

Leia mais

O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS AGENDA 1. PERFIL OPERACIONAL DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL 2. PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS NO BNB Principais Atividades

Leia mais

Transporte Terrestre

Transporte Terrestre Trem de Alta Velocidade (TAV) - campinas/rio de janeiro O Tribunal de Contas da União (TCU) analisou, entre dezembro/2009 a junho/2010, a viabilidade técnica e econômica do modelo escolhido para implementação

Leia mais

A importância do Investimento Privado na Concessão dos

A importância do Investimento Privado na Concessão dos A importância do Investimento Privado na Concessão dos Serviços Públicos Regulados Geraldo Villin Prado ABAR Mai/09 Demanda Anual de Investimentos no Brasil ENERGIA ELÉTRICA PETRÓLEO & GÁS (*) TRANSPORTES/

Leia mais

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012 CodeP0 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede de Recife Dezembro de 2012 Recife: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s Referência Nov/12, Distribuição dos investimentos por

Leia mais

A Atuação do TCU no acompanhamento do setor de aviação civil: Desestatização e Regulação

A Atuação do TCU no acompanhamento do setor de aviação civil: Desestatização e Regulação A Atuação do TCU no acompanhamento do setor de aviação civil: Desestatização e Regulação 1ª Secretaria de Fiscalização de Desestatização e Regulação Carlos Modena Brasília, 4 de julho de 2012 Estrutura

Leia mais

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM Serviços/Atividades - PJ Prestadora de Serviços Adiantamento (por conta de aquisições de bens ou prestação de serviços para entrega futura) Administração de bens ou negócios Administração de obras, elaboração

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO

ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO 1 INTRODUÇÃO A ANTF Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários congrega oito empresas Concessionárias prestadoras dos serviços públicos de transporte

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

O mercado de PPP na visão do setor público

O mercado de PPP na visão do setor público O mercado de PPP na visão do setor público Formação em PPPs Bruno Ramos Pereira 05/11/2013 8h30 às 9h Estrutura Apresentação do programa Formação em PPPs Cenário das PPPs no Brasil Perspectivas Apresentação

Leia mais

Brasil. Oportunidades de Investimento Batimat 2011. Miriam Belchior. Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Brasil. Oportunidades de Investimento Batimat 2011. Miriam Belchior. Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasil Oportunidades de Investimento Batimat 2011 Miriam Belchior Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BRASIL VIVE UM MOMENTO EXITOSO Quatro movimentos estruturais explicam

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

ANEXO II Plano de Negócios de Referência

ANEXO II Plano de Negócios de Referência ANEXO II Plano de Negócios de Referência i ANEXO II PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Índice I. SUMÁRIO EXECUTIVO... 2 II. INTRODUÇÃO... 8 III. DESCRIÇÃO DO FASEAMENTO DE INAUGURAÇÃO... 10 IV. FLUXO DE CAIXA

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Programa Metropolitano de Resíduos Sólidos Política Estadual de Resíduos Sólidos Procedimento de Manifestação de Interesse Programa

Leia mais

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços 13/12/2010 Quem somos Da união das indústrias Amanco, Braskem, Solvay Indulpa e Tigre, foi criado em julho de 2007, o Instituto Trata Brasil, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, para

Leia mais

Code-P0 COPA 2014. Atualizado em 27/09/2011

Code-P0 COPA 2014. Atualizado em 27/09/2011 CodeP0 AEROPORTOS COPA 2014 Atualizado em 27/09/2011 0 CodeP1 ÍNDICE 2 GUARULHOS 4 Construção do TPS 3 (1ª Fase) Desapropriação, Ampliação e Revitalização do Sistema de Pista e Pátio Ampliação e Revitalização

Leia mais

Rio Negócios (LAGF 2013)

Rio Negócios (LAGF 2013) Rio Negócios (LAGF 2013) Setembro 2013 Rio Negócios Seguindo os passos das maiores cidades do mundo para criar a primeira agência municipal de promoção de investimento do Brasil Apoiadores Áreas de Atuação

Leia mais

Estruturação de Projetos no BNDES. Henrique Amarante da Costa Pinto Superintendente da Área de Estruturação de Projetos (AEP) Abril/2012

Estruturação de Projetos no BNDES. Henrique Amarante da Costa Pinto Superintendente da Área de Estruturação de Projetos (AEP) Abril/2012 Estruturação de Projetos no BNDES Henrique Amarante da Costa Pinto Superintendente da Área de Estruturação de Projetos (AEP) Abril/2012 Atuação do BNDES Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade

Leia mais

Sorocaba - Visão de FUTURO

Sorocaba - Visão de FUTURO Sorocaba - Visão de FUTURO AGENDA A cidade de Sorocaba Sistema de Inovação Parque Tecnológico de Sorocaba Centro de Inovação Oportunidades História da Cidade de Sorocaba Fundada em 1654, pelo capitão Baltazar

Leia mais

BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO

BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO Brasil Câmara Oficial Espanhola de Comércio Miriam Belchior Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO Quatro movimentos estruturais explicam esse momento: Crescimento

Leia mais

Júlio Eduardo dos Santos

Júlio Eduardo dos Santos Júlio Eduardo dos Santos Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Linha do Tempo 1965 a 2003 Extinção da GEIPOT Lei 10.233 / 2001 Criação da EBTU lei nº 6.261 em 1975 Extinção da EBTU Dec.

Leia mais

Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública

Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública 2011 B E L O H O R I Z O N T E, J U L H O 2 0 1 1 2 Índice 1 GLOSSÁRIO 4 2 ESTRUTURA BÁSICA DO SISTEMA DE INDICADORES

Leia mais

Gestão de contratos de PPP

Gestão de contratos de PPP Gestão de contratos de PPP Workshop Aperfeiçoando as PPP no Brasil Bruno Ramos Pereira Salvador 26 de fevereiro de 2014 Estrutura Apresentação do PPP Brasil CenáriodasPPPsnoBrasil Contexto Riscos e desafios

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: UM EXCELENTE NEGÓCIO PARA VOCÊ, UMA ÓTIMA AÇÃO PARA SÃO PAULO.

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: UM EXCELENTE NEGÓCIO PARA VOCÊ, UMA ÓTIMA AÇÃO PARA SÃO PAULO. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: UM EXCELENTE NEGÓCIO PARA VOCÊ, UMA ÓTIMA AÇÃO PARA SÃO PAULO. São Paulo State Government São Paulo State Government PARCERIA PARA O DESENVOLVIMENTO. Nossa proposta é ampliar

Leia mais

Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil

Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil 40ª RAPv Reunião Anual de Pavimentação Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil INFRAERO Superintendência de Obras Ricardo Ferreira ricardof@infraero.gov.br 26 Outubro

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL Dezembro de 2011 1 Missão do Ministério da Fazenda: Estruturar as políticas econômicas

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL SOLUÇÕES JÁ DISPONÍVEIS

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL SOLUÇÕES JÁ DISPONÍVEIS APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL DESENVOLVENDO SOLUÇÕES INOVADORAS DE TI PARA O MONITORAMENTO, OPERAÇÃO E GESTÃO DE PROCESSOS, AGREGANDO PRODUTIVIDADE E QUALIDADE ÀS ATIVIDADES DOS NOSSOS CLIENTES. 01 Gerenciamento

Leia mais

Code-P0 AEROPORTOS PAC 2

Code-P0 AEROPORTOS PAC 2 Code-P0 AEROPORTOS PAC Atualizado em 05/03/0 0 Code-P ÍNDICE MAPA AEROPORTOS PAC 3 GUARULHOS 4 Projeto Básico do TPS 3 Terraplenagem para construção do TPS 3 Ampliação e Revitalização do Sistema de Pistas

Leia mais

O modelo de Parceria adotado pelo Estado do Ceará para a PPP do Castelão foi a Concessão Administrativa com receitas compartilhadas.

O modelo de Parceria adotado pelo Estado do Ceará para a PPP do Castelão foi a Concessão Administrativa com receitas compartilhadas. ARENA CASTELÃO O CONTRATO DE PPP Modelo Adotado O modelo de Parceria adotado pelo Estado do Ceará para a PPP do Castelão foi a Concessão Administrativa com receitas compartilhadas. FONTE DOS RECURSOS (contra

Leia mais

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012 CodeP0 Balanço 2012 Copa do Mundo Cidadesede Curitiba Brasília, CodeP1 Valores Consolidados R$ mi, abr/12 Total Empreendimentos Investimento Total Financiamento Federal Local Federal Privado Estádio 1

Leia mais

Portaria SEP/PR nº 38/2013. Portos. Portos. Secretaria de

Portaria SEP/PR nº 38/2013. Portos. Portos. Secretaria de Portaria SEP/PR nº 38/2013 Portos Secretaria de Portos CFT COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO AUDIÊNCIA PÚBLICA Tema: Obter esclarecimentos da autorização da Portaria nº 38, de 14/03/2013, para contratação

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria -PPP Premissas: Modelos apresentados são meramente exemplificativos; Não há comprometimento do BB na concessão de crédito ou prestação de garantia; Trata-se

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS terça-feira, 10 de novembro de 2015 Objetivo Apresentar os alguns dos tipos de relacionamento estabelecidos entre a

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS EIXO TECNOLÓGICO GOIÂNIA -ANÁPOLIS CONCEITO Projeto de Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Tecnológico Indução de Estruturação do Espaço Regional Conceito CONCEITUAÇÃO DA PROPOSTA CONCEITO 1 -PROJETO

Leia mais

Infraestrutura de serviços públicos. Gesner Oliveira II Forum Sobratema Brasil Infraestrutura São Paulo, 18 de outubro de 2011

Infraestrutura de serviços públicos. Gesner Oliveira II Forum Sobratema Brasil Infraestrutura São Paulo, 18 de outubro de 2011 Infraestrutura de serviços públicos Gesner Oliveira II Forum Sobratema Brasil Infraestrutura São Paulo, 18 de outubro de 2011 Três pontos... Precariedade da infraestrutura constitui entrave ao crescimento

Leia mais

LINHA 13 DA CPTM UM EXEMPLO DE GERENCIAMENTO INTELIGENTE

LINHA 13 DA CPTM UM EXEMPLO DE GERENCIAMENTO INTELIGENTE LINHA 13 DA CPTM UM EXEMPLO DE GERENCIAMENTO INTELIGENTE copyright Seminário de Mobilidade Inteligente - Business França Setembro 2015 1 INDICE 1 BREVE APRESENTAÇÃO DO GRUPO 2 PROJETO LINHA 13 - CPTM 3

Leia mais

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Diretora da Divisão de Farmácia ICHC Agenda Perfil Farmácia

Leia mais

Energia e Infraestrutura

Energia e Infraestrutura 1 33º Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2015 Energia e Infraestrutura Wagner Cardoso Gerente Executivo de Infraestrutura Confederação Nacional da Indústria Joinville, 22 de setembro de 2015 2 SUMÁRIO

Leia mais

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP Outubro 2015 QUEM SOMOS E NOSSA EXPERIÊNCIA 9º maior escritório do Brasil Estamos entre os três melhores escritórios brasileiros na área de direito público,

Leia mais

Soluções personalizadas em engenharia de transportes

Soluções personalizadas em engenharia de transportes SOBRE Soluções personalizadas em engenharia de transportes A Partner é uma empresa que presta consultoria em engenharia de planejamento de transportes. Aliando uma constante evolução tecnológica e aperfeiçoamento

Leia mais

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 10 de novembro de 2011

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 10 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República 10 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA PANORAMA Passageiros- quilômetros transportados no Brasil,

Leia mais

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 AEROPORTOS DA COPA 13 Aeroportos 31 Intervenções R$ 5,79 bilhões Manaus TPS Fortaleza TPS São Gonçalo do Amarante Pista Recife Torre Cuiabá TPS Brasília TPS

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO PAC 2 ATÉ OUTUBRO DE 2014 R$ 1,009 trilhão 91,3% do previsto até 2014 ATÉ DEZEMBRO DE 2014 R$ 1,066 trilhão 96,5% do previsto até 2014 PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

Leia mais

PPP Parcerias Público-Privadas. Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo

PPP Parcerias Público-Privadas. Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo PPP Parcerias Público-Privadas Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo Curso Parcerias Público-Privadas Governo Espírito Santo 26/11/2010 SUMÁRIO O que são PPPs e como surgiram PPPs no Brasil (legislação

Leia mais

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Estratégia Unindo Ações OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Fortalecer a capacidade de planejamento buscando o alinhamento das esferas de governo e sociedade Incorporar

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação 06 de maio de 2009 PARCERIA PUBLICO-PRIVADA AGENDA 1. PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DAS

Leia mais

Escola de Imagem. www.escolacaliper.com.br

Escola de Imagem. www.escolacaliper.com.br Escola de Imagem www.escolacaliper.com.br PRAZER, SOMOS A CALIPER ESCOLA DE IMAGEM NOSSA ESTRUTURA A CALIPER OFERECE ESTRUTURA COMPLETA PARA OS ALUNOS E PACIENTES: Duas salas de aula teórica com capacidade

Leia mais

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê?

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? O profissional mais estratégico que a empresa precisa ter: O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? Diagnostica. Avalia. Cria. Planeja. Resolve. O Economista é um profissional imprescindível

Leia mais

Carta de Infraestrutura Inter. B Consultoria Internacional de Negócios

Carta de Infraestrutura Inter. B Consultoria Internacional de Negócios Aeroporto de Salvador. PAC 2. Divulgação Dezembro/2013 Carta de Infraestrutura Inter. B Consultoria Internacional de Negócios 30 de junho de 2014 2014 Ano 1, nº 6 Setor Aeroportuário Aeroporto de Brasília.

Leia mais

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 Ministério da Educação POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 ATIVIDADE ECONÔMICA (organizações empresariais e comunitárias) IMPACTOS: PD&I Aumento da competitividade industrial

Leia mais

Futura Economista Futuro Economista. Bem-vindo. a esta maravilhosa profissão!

Futura Economista Futuro Economista. Bem-vindo. a esta maravilhosa profissão! Futura Economista Futuro Economista Bem-vindo a esta maravilhosa profissão! O Conselho Federal de Economia traz para você informações importantes sobre as perspectivas da profissão. Bem - Vindo O COFECON

Leia mais