UM MODELO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM MODELO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de UM MODELO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Cláudia Márcia R. Machado Albernaz (UENF) André Luís Policani Freitas (UENF) Com a disseminação do uso da Tecnologia da Informação (TI), nos dias atuais, cada vez mais são percebidos os benefícios dessa área do conhecimento para o aumento da competitividade das organizações. Entretanto, para que esses benefícios sejjam efetivamente alcançados, é necessário que toda organização consiga utilizar a Tecnologia da Informação de forma eficiente e com a maior disponibilidade possível. Neste contexto, torna-se relevante o gerenciamento e mensuração dos serviços de suporte de TI. Nas últimas décadas, diversos modelos de avaliação da qualidade de serviços têm sido desenvolvidos e práticas de gestão têm sido utilizadas no âmbito da TI. Entretanto, apesar da existência de tais modelos de avaliação e práticas de gestão, observase que estas não apresentam explicitamente como o processo de avaliação da qualidade de serviços de TI deve ser realizado, nem quais dimensões e critérios devem ser considerados. Desejando contribuir para o tratamento do problema em questão, este artigo apresenta um modelo exploratório para mensurar a qualidade de serviços de suporte de TI à luz de dimensões e critérios relevantes. Palavras-chaves: Qualidade em serviços, serviços de suporte de TI, avaliação da qualidade em serviços

2 1. Introdução A competitividade é uma palavra-chave para organizações que desejam um lugar de destaque no seu segmento. Em alguns momentos, a informação torna-se muito mais importante dentro da estrutura organizacional do que os recursos materiais. A Tecnologia da Informação (TI) vem se mostrando como ferramenta indispensável à sobrevivência organizacional, na medida em que imprime maior velocidade aos processos internos e permite aos gestores um conhecimento/relacionamento amplo com seu ambiente de influência (SANTOS Jr et al., 2005). O papel da Tecnologia da Informação é sempre adaptável nas organizações e, justamente por essa característica, a sua utilização traz benefícios, desde que a organização saiba utilizar as suas ferramentas de forma adequada aos propósitos organizacionais. Segundo Murphy (2002), os benefícios de TI podem ser divididos em tangíveis e intangíveis. Os tangíveis podem ser definidos como aqueles que afetam diretamente os resultados da empresa, tais como redução de custo e geração de lucros. Os intangíveis são os que causam melhorias de desempenho do negócio, mas não afetam diretamente no resultado da empresa, tais como informações gerenciais, segurança etc. Para que esse aproveitamento seja possível, é necessário que toda organização consiga utilizar a Tecnologia da Informação de forma eficiente e com a maior disponibilidade possível. A TI divide-se em algumas áreas, sendo o setor de serviços de suporte essencial para apoiar a organização na busca do aumento da eficiência e competitividade. Nessa busca, muitas práticas foram criadas e aperfeiçoadas ao longo do tempo. Dentre essas práticas surgiu nos anos 80, a ITIL (Information Technology Infrastructure Library) trazendo documentadas as melhores práticas para o fornecimento e suporte de serviços de Tecnologia da Informação. Podemos destacar também o COBIT (Control Objectives for Information and Related Technology) que integra todos os principais padrões de TI mundiais, como CMMI, ISO17799 e ITIL (IT GOVERNANCE INSTITUTE, 2009). A ITIL e o COBIT servem como guia de como utilizar as boas práticas de gestão, mostrando a importância em garantir a qualidade dos serviços ao cliente através da avaliação dos serviços e subseqüentes ações para correção das falhas. Entretanto, apesar da existência de tais práticas, observa-se que estas não apresentam explicitamente como o processo de avaliação da qualidade de serviços de TI deve ser realizado, nem quais dimensões e critérios devem ser considerados. Ou seja, constata-se que ainda existe uma lacuna no tratamento do problema em questão. Considerando a relevância do tema e visando contribuir para o preenchimento desta lacuna, o presente artigo apresenta um modelo exploratório para mensurar a qualidade de serviços de suporte de TI à luz de dimensões e critérios relevantes. De maneira breve, esse artigo está estruturado da seguinte forma: as seções 2 e 3 abordam, respectivamente, assuntos relacionados à qualidade de serviços e aos serviços de TI; a seção 4 descreve o modelo de avaliação proposto; e, a seção 5 apresenta as considerações finais e possíveis desdobramentos do presente artigo. Em anexo apresenta-se o instrumento de pesquisa desenvolvido a partir do modelo proposto. 2

3 2. Qualidade em Serviços Segundo Freitas (2005), apesar de muito abordado em pesquisas científicas, o tema Qualidade em Serviços ainda é objeto de muitas discussões entre pesquisadores, gerentes e administradores. Em sua essência, este questionamento é decorrente do envolvimento de dois objetos de entendimento não tão triviais: qualidade e serviços. Dentre as principais definições existentes para serviços, destacam-se as apresentadas no quadro 1: Autoria NBR ISO 9000/2000 (ABNT, 2000) Fitzsimmons e Fitzsimmons (2005) Kotler (2000) Definição para serviços São os resultados de pelo menos uma atividade desempenhada, necessariamente, pela interface entre o fornecedor e o cliente e é, geralmente, intangível. São idéias e conceitos, além da oportunidade de superar os competidores, visto que é uma experiência perecível, intangível, desenvolvida para um consumidor que desempenha o papel de co-produtor, pois este interage na realização do serviço. Qualquer ato ou desempenho, essencialmente intangível, que uma parte pode oferecer a outra, e que não resulta na propriedade de nada. Fonte: Os autores. Quadro 1 Algumas definições de serviços cientificamente reconhecidas Na busca do entendimento do significado para serviços, diversos autores dedicam-se à identificação das principais características dos serviços, dentre os quais destacam-se Parasuraman et al. (1985) que identificam três características dos serviços: a) Intangibilidade: um serviço não tem nenhuma substância física. Não podem ser transportados e/ou armazenados. Não é possível sentir, experimentar ou medir antes de adquirir ou realizar os serviços. O que fica de posse do consumidor é o resultado da prestação do serviço. No caso da TI, essa característica pode ser percebida quando é feita a instalação ou utilização de um software; b) Heterogeneidade: um serviço pode variar em padrão ou qualidade de um fornecedor para outro ou de uma ocasião para outra. Essa variabilidade dificulta a padronização e estimação de preço. Por exemplo, quando o usuário utiliza o suporte de TI, este pode ser atendido por profissionais de diferentes habilidades e conhecimentos, que podem influenciar diretamente na qualidade do serviço; c) Simultaneidade: serviços são consumidos quase que simultaneamente ao momento que são produzidos, o que torna difícil ou quase impossível detectar ou corrigir falhas. Em particular, esta característica é observada em serviços de suporte de TI realizados de forma remota, o que torna difícil a detecção prévia de falhas nas ações de manutenção. A dificuldade para definir qualidade em serviços possivelmente é decorrente do fato de que serviços apresentam características diferentes de produtos. Mensurar a qualidade de produtos é menos complexa do que mensurar a qualidade de serviços, pois em geral, para produtos, as métricas são bem definidas, há registros das melhores práticas e é possível fazer comparações. Ademais, mensurar qualidade de serviços requer padrões e métricas que nem sempre existem e/ou não são suficientemente objetivos e precisos, além de haver alto nível de personalização. Entretanto, a avaliação da qualidade em serviços é essencial para que uma organização tornese competitiva e possua informações acerca das expectativas dos clientes em relação aos serviços recebidos. Neste contexto, Costa et al. (2007) afirmam que um dos procedimentos mais utilizados para avaliar e classificar a qualidade de serviços é através da medição do grau de satisfação do usuário à luz de um conjunto de critérios considerados relevantes, sendo 3

4 esses critérios predominantemente qualitativos e subjetivos. Nas últimas décadas, diversos modelos conceituais têm sido desenvolvidos ou aprimorados para ajudar nessa mensuração. Na literatura científica, considera-se relevante o trabalho desenvolvido por Seth et al (2004), que analisa diversos modelos de mensuração de qualidade em serviços, destacando as principais falhas e limitações. O quadro 2 apresenta alguns desses modelos e trabalhos focados em serviços na área de Tecnologia da Informação. Modelo Qualidade de Serviço Percebida (Gronroos, 1984) 5 Gaps (Parasuraman et al, 1985) SERVQUAL (Parasuraman et al, 1988) SERVPERF (Cronin e Taylor, 1992) Serviços em TI (Zhu et al.,2002) Qualidade em e- services (Santos, 2003) Alinhamento de TI (Berkley e Gupta, 1994) Fonte: Adaptado de Seth et al (2004) Características e limitações A qualidade do serviço depende da qualidade técnica, funcional e qualidade de imagem corporativa da organização. Não explica como medir a qualidade funcional e técnica. Ferramenta analítica que permite a gestão sistemática para identificar as lacunas de qualidade de serviço entre um número de variáveis que afetam a qualidade da oferta. É capaz de ajudar a administração a identificar os fatores de qualidade de serviço relevantes do ponto de vista do consumidor. Considera dez dimensões: confiabilidade, segurança, agilidade, acesso, comunicação, tangíveis, cortesia, credibilidade, competência, conhecimento/saber. Modelo exploratório, não explica claramente o processo de mensuração para medição dos diferentes níveis de Gaps Propuseram a redução das 10 dimensões do modelo dos 5 GAPs para 5 dimensões: tangibilidade, confiabilidade, receptividade, segurança e empatia. Busca medir a qualidade do serviço pela diferença (gap) entre as expectativas do consumidor em relação a algum serviço específico e o desempenho real do serviço. Modelo é exploratório, e não explica claramente o processo de mensuração. Utiliza as dimensões e itens do SERVQUAL, mas argumenta que a qualidade dos serviços é melhor mensurada considerando apenas as medidas da percepção dos consumidores acerca do desempenho do serviço. Os autores o consideram mais eficiente uma vez que reduz diretamente à metade o número de itens a avaliar. Necessita ser generalizado para todos os tipos de definição de serviços. Deve ser estabelecida a relação quantitativa entre a satisfação do consumidor e a qualidade do serviço. Integra as dimensões do serviços conforme o SERVQUAL, os constructos que representam a qualidade dos serviços baseados em TI, as preferências em serviços tradicionais, experiências baseadas no uso de serviços de TI e políticas de TI percebidas. No estudo, concluem que Serviços baseados em TI têm um impacto direto sobre a confiabilidade, capacidade de resposta e as dimensões de garantia e impacto indireto na satisfação do cliente e qualidade do serviço percebida. Fornece uma melhor compreensão de qualidade do e-service. Pode ser útil a empresas que se dedicam ao comércio eletrônico ou planejam fazê-lo, visando atingir alta de retenção de clientes, satisfação do cliente e lucratividade. Estudo exploratório. Utiliza dimensões incubadas ou ativas, mas não fornece escalas de medição específicas e não foi realizada nenhuma análise estatística. Apenas destaca o impacto da TI sobre a qualidade do serviço. Não oferece uma maneira de medir e monitorar a qualidade do serviço. O modelo é omisso sobre o nível de uso de TI para as definições de serviço específico. Quadro 2 Modelos de mensuração de Qualidade de Serviços Neste contexto, observa-se que as limitações identificadas nos modelos de avaliação da qualidade de serviços e, em especial, na avaliação de serviços de TI, retratam a existência de uma lacuna no tratamento do problema em questão. Em particular, observa-se que os modelos de mensuração da qualidade em serviços de TI, quando não a tratam de forma ampla e genérica, englobando todos os serviços, tratam a TI meramente como uma área de Sistemas de Informação. Além disso, as principais práticas utilizadas na área de TI (ITIL Information Technology Infrastructure Library e COBIT - Control Objectives for Information and related 4

5 Technology) também não possuem formas explícitas de avaliação, tampouco definem dimensões e critérios para a avaliação dos serviços. Essas práticas apenas evidenciam a importância dessa avaliação e recomendam a sua realização. Desejando contribuir para o preenchimento desta lacuna, este artigo propõe um modelo para avaliação da qualidade de serviços de suporte de TI à luz de dimensões e critérios relevantes. Entretanto, para uma melhor compreensão, a seção seguinte apresenta conceitos e definiçoes relacionados aos serviços de TI. 3. Serviços de Tecnologia de Informação (TI) Segundo Laurindo (2000) o conceito de Tecnologia da Informação é mais abrangente do que os processamentos de dados, sistemas de informação, engenharia de software, informática ou o conjunto de hardware e software, pois também envolve aspectos humanos, administrativos e organizacionais. A realidade dos setores de Tecnologia da Informação é variada e individualizada de acordo com o negócio da organização, seja ele comercial, industrial ou educacional. Existem serviços inerentes ao setor de TI que, de acordo com a estrutura ou necessidade do negócio podem existir todos os serviços ou apenas alguns. Baseando-se na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE, 2009), referente a atividades de informática e serviços relacionados, delimitam-se os serviços de suporte de TI aos serviços referentes ao suporte de hardware e software, na seguinte hierarquia e subclasse: Hierarquia Seção: J Divisão: 62 Grupo: 620 Classe: Sub-classe: /00 Fonte: CNAE 2.0 (2009) Descrição Informação e Comunicação Atividades dos serviços de tecnologia da informação Atividades dos serviços de tecnologia da informação Suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação Suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação Quadro 3 Classificação de atividades econômicas referente a serviços de informática Apesar de serviços geralmente possuírem as mesmas características, os serviços de TI possuem algumas peculiaridades, que torna a sua avaliação pelo usuário ainda mais subjetiva. Segundo Peppard (2003), serviços de TI são mais ou menos intangíveis, pois embora a prestação do serviço de suporte possa ter um desfecho predominantemente físico, como por exemplo, a instalação de um PC ou a colocação de um cabo de conexão de rede, existem outros serviços que podem ser totalmente intangíveis, tais como a atualização de um software em um computador, treinamento de TI, ou o apoio de um help desk (serviço de apoio a usuários para suporte e resolução de problemas técnicos em tecnologias de informação, informática e telefonia). s serviços de TI são produzidos e consumidos simultaneamente, como por exemplo, o apoio de um help desk, fato que retrata a dificuldade de controlar a qualidade do serviço durante a prestação. Uma experiência ruim pode impactar na percepção que o usuário terá na próxima vez que utilizar o mesmo serviço, surgindo então a necessidade em avaliar a qualidade do serviço prestado. 5

6 Alguns padrões e práticas em gestão de tecnologia da informação foram criados para tentar minimizar esse problema e aumentar a qualidade dos serviços de TI, auxiliando as organizações a terem suas estratégias alinhadas e agregando valor com a utilização de uma gestão de TI. Dentre os principais conjuntos de práticas adotados por TI destacam-se: CobiT (Control Objectives for Information and Related Technology) inclui recursos tais como um conjunto de ferramentas de implementação e um guia com técnicas de gerenciamento. As práticas de gestão do CobiT são recomendadas pelos peritos em gestão de TI que ajudam a otimizar os investimentos de TI e fornecem métricas para avaliação dos resultados. O CobiT independe das plataformas de TI adotadas nas empresas. ITIL (Information Technology Infrastructure Library) é o mais adotado pelas organizações. A ITIL é um modelo não-proprietário e público que define as melhores práticas para o gerenciamento dos serviços de TI. Cada módulo de gestão da ITIL define uma biblioteca de práticas para melhorar a eficiência de TI, reduzindo os riscos e aumentando a qualidade dos serviços e o gerenciamento de sua infra-estrutura. A ITIL foi desenvolvida pela Agência Central de Computação e Telecomunicações do Reino Unido (CCTA) a partir do início dos anos 80. Esses conjuntos de práticas em gestão de TI especificam claramente a necessidade de garantir a qualidade em serviços e para isso é necessária uma avaliação mais próxima da realidade da organização. Entretanto, as diretrizes desses modelos não mostram como essa avaliação deve ser feita, muito menos que dimensões e critérios devem ser utilizados nessa avaliação. 4. Modelo Proposto O modelo proposto possui uma abordagem diferenciada em relação a maioria dos trabalhos desenvolvidos para a área de TI. A proposta é que este seja específico para avaliar a qualidade dos serviços de suporte de TI a partir da mensuração do grau de satisfação dos avaliadores à luz dos critérios considerados, mas que concomitantemente seja amplo para ser aplicável a qualquer ambiente que possua uma estrutura de TI, independente desta ser grande ou pequena. De maneira breve, para estruturar este modelo é necessário definir: a) Objeto da Avaliação: recomenda-se a definição, tão meticulosa quanto possível, dos setores ou equipes de suporte de TI que terão seus serviços avaliados. Neste sentido, se existirem usuários que são atendidos por uma equipe de suporte específica, na ocasião da análise dos resultados, é necessário associar os julgamentos desses usuários ao desempenho dessa equipe. Uma análise mais apurada poderá confrontar o resultado do emprego deste modelo com os dados dos formulários de atendimento de suporte, e apresentar resultados adicionais relevantes. b) Conjunto de Avaliadores: a avaliação dos serviços será realizada segundo a percepção do usuário, medindo a satisfação do mesmo em relação aos serviços prestados. Visto que o modelo é exploratório, também poderá ser feita uma avaliação da importância das dimensões e critérios considerados, também segundo a percepção dos usuários. c) Escalas de Julgamento de Valor: o modelo propõe a utilização de uma escala nãocomparativa contínua que, segundo Marconi e Lakatos (2005), permite que o avaliador não fique restrito a fazer escolhas entre conceitos previamente fixados pelo pesquisador. A utilização desse tipo de escala não é comum em trabalhos de avaliação em qualidade de serviços, mas ela possibilita que o tratamento dos dados utilize mais ferramentas estatísticas e de classificação, além de permitir ao avaliador a possibilidade de expressar a sua satisfação de forma menos restrita. No instrumento de coleta de dados, as escalas 6

7 apenas apresentarão conceitos nos dois extremos: muito insatisfeito e muito satisfeito (para mensuração do grau de satisfação) e, nada importante e muito importante (para mensuração do grau de importância dos critérios). Para cada critério de avaliação será inserida a opção de resposta N.A. (Não Avaliado), a ser assinalada pelo usuário em função de algumas situações típicas, quando este: não teve a experiência com o serviço à luz de um determinado critério, não se sentir capaz de avaliar ou não desejar avaliar. d) Dimensões e critérios relevantes ao problema: considerando a literatura científica e as práticas em gestão de TI, nota-se que não existe um consenso de quais dimensões e critérios são mais adequadas a mensuração da qualidade de serviços (vide quadro 3). Em geral, os modelos de avaliação desenvolvidos baseiam-se em tais dimensões. Autores/Modelos Gronroos (1984) Parasuraman et al (1988) Fitzsimmons e Fitzsimmons (2005) Gianesi e Correa (2008) Dimensões Confiabilidade e Credibilidade; Atitudes e Comportamento; Acessibilidade e Flexibilidade; Profissionalismo e Habilidade; Recuperação; Reputação e Credibilidade. Tangíveis; Confiabilidade; Receptividade; Garantia; Empatia. Confiabilidade; Responsabilidade; Segurança; Empatia; Aspectos tangíveis. Credibilidade e Segurança; Consistência; Velocidade no Atendimento; Atendimento/Atmosfera; Acesso; Custo; Tangibilidade; Competência; Flexibilidade. COBIT (2009) Confiabilidade; Eficiência; Conformidade; Integridade; Disponibilidade; Efetividade. ITIL (2009) Confiabilidade; Durabilidade; Acessibilidade; Continuidade; Conformidade; Credibilidade; Tangíveis; Empatia; Performance; Pontualidade; Receptividade; Reparabilidade; Segurança; Custo; Variabilidade. Fonte: Os autores. Quadro 4 Dimensões utilizadas para avaliação da qualidade de serviços. Uma forma de identificar as dimensões e critérios relevantes à mensuração da qualidade dos serviços de suporte de TI é a identificação dos Momentos da Verdade desses serviços. Segundo Albrecht (1998), ao receber um serviço, o usuário vivencia uma seqüência de Momentos da Verdade, denominada Ciclo de Serviço. Cada Momento da Verdade representa o instante em que o usuário entra em contato com qualquer aspecto da organização (funcionários, instalações, tele/fax, , etc.) e, de acordo com esse contato, ele pode formar sua opinião a respeito da qualidade do serviço. A figura 1 ilustra alguns dos principais Momentos da Verdade relacionados ao problema em questão. O pesquisador deve notar que existem Momentos da Verdade específicos a considerar na aplicação do modelo de avaliação, como por exemplo, o momento da realização do serviço técnico. De acordo com a situação, esta etapa poderá ser realizada: pelo técnico in loco (nas dependências do usuário), pelo técnico remotamente (acessando o equipamento do usuário à distância) e pelo técnico na oficina (após a retirada do equipamento das dependências do usuário). 7

8 Figura 1 Ciclo de serviços de suporte de TI (Fonte: os autores) No presente modelo, as dimensões incorporadas são fundamentadas nas dimensões mais utilizadas na literatura científica, sendo acrescidas de conceitos e critérios identificados em trabalhos de diversos autores e práticas de gestão de TI. São elas: Tangibilidade: segundo Parasuraman et al. (1988), essa dimensão refere-se a evidência física do serviço, como instalações físicas, equipamentos e aparência do pessoal. Também é utilizada por Gianesi e Correa (2008) e Fitzsimmons e Fitzsimmons (2005). A ITIL (2009) refere-se a ela como o aspecto físico do produto decorrente do serviço prestado. Gronroos (1984) cita essa dimensão como panorama dos serviços. Confiabilidade: refere-se a forma como o serviço será realizado, o quanto o cliente pode confiar que o serviço será bem feito e da primeira vez (Parasuraman et al., 1988; Fitzsimmons e Fitzsimmons, 2005). O desempenho de um serviço confiável é uma expectativa do cliente e significa um serviço cumprido no prazo, sem modificações e sem erros. A ITIL (2009) define confiabilidade como a capacidade de prestar o serviço conforme o prometido. Receptividade: refere-se a disponibilidade para ajudar os clientes e fornecer o serviço prontamente (Parasuraman et al, 1988). Esse conceito é associado a outras dimensões, tais como: responsividade (Fitzsimmons e Fitzsimmons, 2005), a atendimento/velocidade no atendimento (Gianesi e Correa, 2008) e pontualidade (ITIL, 2009). Garantia: segundo Parasuraman et al. (1988), esta dimensão refere-se ao conhecimento, cortesia, habilidade, segurança e capacidade de inspirar confiança ao cliente. Esse mesmo conceito é associado a outras dimensões, tais como: segurança (Fitzsimmons e Fitzsimmons, 2005); profissionalismo, habilidade, reputação e credibilidade (Gronroos, 1984); competência e credibilidade (Gianesi e Correa, 2008). Empatia: Segundo Fitzsimmons e Fitzsimmons (2005) empatia é demonstrar interesse, atenção personalizada aos clientes, acessibilidade, sensibilidade e esforço para atender as necessidades dos clientes. De acordo com Parasuraman et al. (1988), essa dimensão incorpora conceitos associados a acesso (disponibilidade para o atendimento e facilidade de aproximação), comunicação (disponibilidade para o atendimento e facilidade de aproximação), cortesia e conhecimento/entendimento das necessidades dos clientes. Neste contexto, Gianesi e Correa (2008) consideram as dimensões acesso e atmosfera no 8

9 atendimento; Gronroos (1984) a associa a dimensão atitudes e comportamento ; e a ITIL (2009) possui as dimensões acessibilidade, empatia, receptividade. Flexibilidade: segundo Gianesi e Corrêa (2008) flexibilidade significa ser capaz de mudar e adaptar rapidamente a operação devido a mudanças nas necessidades dos clientes, no processo ou no suprimento de recursos. Gronroos (1984), em sua dimensão acessibilidade e flexibilidade, definem que os profissionais que prestam o serviço têm que estar preparados para ajustar-se à demanda e aos desejos de modo flexível. Custo: custo em um serviço é a dimensão que avalia quanto o consumidor irá pagar em moeda, pelo serviço. Mas esse dispêndio também acontece em forma de tempo gasto, esforço físico, e desgaste psicológico (GIANESI e CORREA, 2008). Ou seja, esse conceito também engloba o valor percebido pelo serviço além do valor monetário. A ITIL (2009) também utiliza essa dimensão. O quadro 5 apresenta as sete dimensões, distribuídas em 36 critérios que constituem o modelo de avaliação da qualidade dos serviços de suporte de TI proposto. Embora existam outras dimensões preconizadas por outros modelos de avaliação, optou-se pela não utilização destas visto que muitas dessas dimensões ora caracterizam-se como desdobramentos, ora caracterizam-se como sobreposições das dimensões propostas no presente modelo. Dimensões Tangibilidade Confiabilidade Receptividade Garantia Empatia Critérios Adequação e utilidade dos equipamentos e ferramentas utilizados pelo profissional. Adequação e atualidade dos softwares utilizados no atendimento. Instalações físicas do setor de serviço. Forma como é feita a solicitação de serviço. Aparência dos profissionais. Quantidade de funcionários para um atendimento rápido. Prestação do serviço conforme especificação prometida. Prestação do serviço corretamente na primeira vez. Interesse do profissional em resolver os problemas. Precisão das informações fornecidas a respeito do serviço prestado. Registros escritos feitos de todo o serviço prestado. Cumprimento do prazo prometido. Informações de quando o serviço será executado. Atendimento imediato da solicitação. Disponibilidade do profissional para atender as solicitações. Tempo de espera para ser atendido. Velocidade do atendimento. Tempo de execução do serviço. Confiança que o profissional inspira. Segurança do profissional na prestação do serviço. Competência do profissional para a execução do serviço. Facilidade para entrar em contato com o profissional. Facilidade na resolução de problemas. Individualização do serviço para atender as necessidades dos clientes. Educação do profissional no atendimento. 9

10 Flexibilidade Custo Conhecimento do profissional em relação ao negócio do cliente. Atenção do profissional na solicitação. Entendimento do profissional em relação a necessidades específicas. Segurança do profissional ao negociar problemas de atendimento. Cortesia do profissional. Flexibilidade no horário de atendimento. Flexibilidade na forma de pagamento. Flexibilidade para aquisição de peças de reposição. Flexibilidade para alterações no serviço a ser realizado. Compatibilidade do serviço realizado com o valor cobrado. Compatibilidade do valor das peças de reposição com o valor de mercado. Quadro 5 Dimensões da Qualidade e critérios presentes no modelo de avaliação proposto e) Elaboração do instrumento de coleta de dados: no instrumento de coleta de dados as sentenças e/ou perguntas são apresentadas aos avaliadores e é onde são registradas as respostas. Como possíveis formas desses instrumentos citam-se: o questionário, formulário para anotações de observações, roteiro de uma entrevista, etc. (MATTAR, 1999). No modelo de avaliação em questão, propõe-se um quastionário estruturado em três blocos: Bloco I (composto de itens que visam estabelecer um perfil do usuário/avaliador); Bloco II (composto de itens/critérios à luz dos quais os avaliadores expressarão o seu Grau de Satisfação com os serviços de suporte de TI); e Bloco III (composto de itens que visam mensurar, respectivamente, o Grau de Satisfação Geral do usuário e a sua intenção de indicar a um amigo os serviços da empresa de suporte de TI. Adicionalmente, dois itens de resposta aberta são apresentados com o objetivo de captar outros aspectos que trazem satisfação e insatisfação dos usuários). Como o preenchimento do formulário será realizado individualmente por cada avaliador (auto-preenchimento), especial atenção deve ser dedicada à construção do mesmo. Segundo Mattar (1999), instrumentos de coleta de dados mal elaborados constituem uma das principais fontes de erros não amostrais na pesquisa. Neste contexto, no questionário desenvolvido as questões foram redigidas com afirmações favoráveis (positivas), evitando-se palavras tendenciosas, tais como: termos que indicassem totalidade (nenhum, todos, etc.), advérbios de freqüência (sempre, nunca, etc.) e advérbios de intensidade (muito, pouco, etc.). 5. Considerações finais São notórios os benefícios proporcionados pelo avanço da Tecnologia da Informação (TI) em todo o mundo. Tais benefícios somente são atingidos em sua plenitude quando as organizações são capazes de gerenciar e utilizar os recursos da Tecnologia da Informação de forma eficiente. Em especial, é fundamental que os serviços de suporte de TI sejam fornecidos com a melhor qualidade possível. Entretanto, conforme reportado neste artigo, mensurar a qualidade de serviços - em especial, serviços de TI - é uma tarefa complexa e de difícil compreensão. De maneira sucinta, as dificuldades associadas a este problema estão relacionadas a inexistência de consenso entre os pesquisadores, gerentes, administradores acerca: (i) do significado de qualidade de serviços ; (ii) de quais são as dimensões e critérios mais adequados para mensurar a qualidade de um serviço específico; (iii) qual é o modelo de avaliação da qualidade de serviço mais adequado; (iv) qual a melhor escala de avaliação a utilizar; etc. O mesmo raciocínio pode ser estendido 10

11 às normas técnicas de gestão da Qualidade e às principais práticas de gerenciamento de TI. Com o intuito de contribuir para o tratamento do problema em questão, neste artigo foi proposto um modelo para avaliação da qualidade dos serviços de suporte de TI a partir da captação do grau de satisfação dos usuários. Para tanto, foram identificadas sete dimensões da qualidade cientificamente utilizadas em diversos modelos de avaliação existentes, sendo estas dimensões, entretanto, decompostas em 36 critérios pertinentes à avaliação da qualidade de serviços de TI. A partir de então, foi elaborado um instrumento de coleta de dados (questionário) composto por blocos de questões com finalidades distintas. Até o presente momento, duas IES (Instituições de Ensino Superior) públicas (um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia e uma universidade estadual) já demonstraram interesse em servir como laboratório de estudo e pesquisa para aplicação do referido modelo. Porém, a realização do pré-teste está programada para junho deste ano na instituição federal, utilizando o questionário na forma impressa para captação da percepção dos usuários docentes. A partir deste estudo exploratório pretende-se: verificar a confiabilidade do instrumento, identificar itens/critérios de difícil compreensão pelos usuários; verificar a possibilidade de reduzir o número de variáveis do modelo, dentre outros estudos de interesse. Para tanto, serão utilizadas as técnicas estatísticas compatíveis a cada situação. É importante ressaltar que existe a possibilidade da realização da pesquisa (parcialmente ou totalmente) através da implementação do questionário em formato web elaborado pelo Sistema SADE - Sistema Avançado de Coleta e Análise de Dados para o Auxílio à Decisão. O sistema SADE, desenvolvido por Gonçalves e Freitas (2008), é um Sistema Web que visa à criação e aplicação de questionários personalizados para grupos específicos de respondentes, auxiliando na coleta de dados para a avaliação da qualidade de serviços (GONÇALVES e FREITAS, 2010). Segundo estes autores, o software permite que os clientes sejam convidados a acessá-lo e a responder um questionário Web avaliando a qualidade do serviço à luz de dimensões/critérios inerentes ao mesmo. O pesquisador poderá exportar os dados coletados para uma planilha eletrônica, para que possam ser analisados utilizando os métodos de sua preferência. É nessa vertente que se direciona o desenvolvimento do modelo proposto. Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos: NBR ISO Rio de Janeiro, BERKLEY, B.J. & GUPTA, A. Improving service quality with information technology. International Journal of Information Management, Vol. 14, pp COBIT. Modelo de Gestão de Governança de Tecnologia da Informação. Disponível em: D=55&ContentID=7981. Acessado em 15 de Dezembro de CNAE. Classificação Nacional de Atividades Econômicas. Disponível em: Acessado em 20 de Janeiro de COSTA, H. G.; MANSUR, A. F. U. & FREITAS, A. L. P. & CARVALHO, R. A. ELECTRE TRI aplicado a avaliação da satisfação de consumidores. Produção. v. 17, n. 2, p , Maio/Ago CRONIN, J.J. & TAYLOR, S.A. Measuring service quality: a reexamination and extension. Journal of Marketing, Vol. 6, July, pp DESHMUKH, S. G.; SETH, N. & VRAT, P. Service quality models: a review. Emerald Research FITZSIMMONS, J. A. & FITZSIMMONS, M. J. Administração de Serviços: Operações, Estratégia e Tecnologia de Informação. 4.ed. Porto Alegre: Bookman,

12 GIANESI, I. G. N. & CORRÊA, H. L. Administração estratégica de serviços: operações para a satisfação do cliente. 1ed, 17 reimp. São Paulo, Atlas, GONÇALVES, T. J. M. & FREITAS, A. L. P. SADE: Sistema Avançado de Coleta e Análise de Dados para o Auxílio à Decisão. Versão 1.0. Disponível em: <http://www.sistemasade.com.br>. Acesso em: 30 mar GONÇALVES, T. J. M. & FREITAS, A. L. P. Emprego de um sistema web para aplicação de questionários na avaliação da qualidade em serviços. INGEPRO, v.2, n. 1, p , GRONROOS, C. A service quality model and its marketing implications. European Journal of Marketing, v. 18 n. 4, pp IT GOVERNANCE INSTITUTE. ITIL introduction. Office of government commerce. Disponível em: <www.ogc.org.uk>. Acessado em 13 de julho de KOTLER, P. Administração de Marketing. 10ed. São Paulo: Atlas, LAURINDO, F.J.B. Um estudo sobre a avaliação da eficácia da tecnologia de informação nas organizações. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção apresentada à USP, MARCONI, M.A. & LAKATOS, E.M. Fundamentos de metodologia científica. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, MURPHY, T. Achieving business value from technology: a practical guide for today s executive. New Jersey: John Wiley & Sons, NORMANN, R. Service Management. New York: John Wiley & Songs, PARASURAMAN, A.; ZEITHAML, V.A. & BERRY, L.L. SERVQUAL: A multiple-item scale for measuringconsumer perceptions of service quality. Journal of Retailing, vol. 64, nº 1, p.12-40, New York University,Spring, PARASURAMAN, A.; ZEITHAML, V.A. & BERRY, L.L. A conceptual model of service quality and its implications for future research. Journal of Marketing. Chicago, vol.49, n.3, p , PEPPARD, J. Managing IT as a Portfolio of Services. Cranfield School of Management. European Management Journal Vol. 21, No. 4, pp , SANTOS Jr. S.; FREITAS, H. & LUCIANO, E. M. Dificuldades para o uso da tecnologia da informação. RAE-eletrônica, v. 4, n. 2, Art. 20, jul./dez SANTOS, J. E-service quality: a model of virtual service quality dimensions. Managing Service Quality, v. 13 n. 3, pp ZHU, X. F.; WALTER, W. Jr. & INJAZZ, C. IT-based services and service quality in consumer banking. International Journal of Service Industry Management. Bradford: v. 13, n. 1, p

13 ANEXO: Questionário desenvolvido segundo o modelo proposto. Logotipo Este formulário é parte integrante de uma pesquisa exploratória que visa avaliar a QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Inicialmente, gostaríamos de conhecer seu perfil como usuário. Nome: Idade: Gênero: M F Cargo/Setor: Escolaridade: Ensino fundamental Ensino superior Ensino médio Pós - graduação Você solicita atendimento: 1 vez por semana (ou mais) 1 vez por mês 1 vez em seis meses 1 vez por ano Indique o seu GRAU DE SATISFAÇÃO com o serviço de suporte Tecnologia de Informação em relação a cada item. Caso não deseje ou não seja capaz de avaliar um item, marque N.A. (Não Avaliado). Adequação e utilidade dos equipamentos e ferramentas utilizados pelo profissional. Adequação e atualidade dos softwares utilizados no atendimento. Instalações físicas do setor de serviço. A Bom forma como é feita a solicitação de serviço. A aparência dos profissionais. Quantidade de funcionários para um atendimento rápido. Prestação do serviço conforme especificação prometida. Prestação do serviço corretamente na primeira vez. Interesse do profissional em resolver os problemas. Precisão das informações fornecidas a respeito do serviço prestado. Registros escritos feitos de todo o serviço prestado. Cumprimento do prazo prometido. Informações de quando o serviço será executado. Atendimento imediato da solicitação. Disponibilidade do profissional para atender as solicitações. Tempo de espera para ser atendido. Velocidade do atendimento. Tempo de execução do serviço. Confiança que o profissional inspira. Segurança do profissional na prestação do serviço. 13

14 Competência do profissional para a execução do serviço. Facilidade para entrar em contato com o profissional. Facilidade na resolução de problemas. Individualização do serviço para Bom atender as necessidades dos clientes Educação do profissional no atendimento. Conhecimento do profissional em relação ao negócio do cliente. Atenção do profissional na solicitação. Entendimento do profissional em relação a necessidades específicas. Segurança do profissional ao negociar problemas de atendimento. Cortesia do profissional. Flexibilidade no horário de atendimento. Flexibilidade na forma de pagamento. Flexibilidade para aquisição de peças de reposição. Flexibilidade Bom para alterações no serviço a ser realizado. Compatibilidade do serviço realizado com o valor cobrado. Compatibilidade do valor das peças de reposição com o valor de mercado. Informe a sua Satisfação Geral com o serviço recebido. Você recomendaria os serviços desta empresa a um amigo? Jamais Recomendaria Recomendaria Totalmente Informe outros aspectos que trazem mais SATISFAÇÃO com os serviços de suporte de TI: Informe outros aspectos que trazem mais INSATISFAÇÃO com os serviços de suporte de TI: 14

Avaliação da biblioteca universitária: conjunturas e diversidades para alcançar a excelência

Avaliação da biblioteca universitária: conjunturas e diversidades para alcançar a excelência Avaliação da biblioteca universitária: conjunturas e diversidades para alcançar a excelência Prof. Dr. Laboratório de Engenharia de Produção Universidade Estadual do Norte Fluminense Tópicos 1. Motivações

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental

Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 006 Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental André Luís Policani Freitas

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

QUALIDADE DE SERVIÇOS EM ESCOLAS DE IDIOMAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

QUALIDADE DE SERVIÇOS EM ESCOLAS DE IDIOMAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO QUALIDADE DE SERVIÇOS EM ESCOLAS DE IDIOMAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Andre Luis Policani Freitas (UENF) policani@uenf.br Victor Rangel Batista (UENF) victor@importsoon.com Georgia Maria Mangueira de Almeida

Leia mais

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS 4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS O CONCEITO DE QUALIDADE Existem várias definições para o termo qualidade na literatura, não havendo um consenso entre os diversos autores. Garvin (1984) agrupou as várias

Leia mais

EMPREGO DO SERVQUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE UMA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA

EMPREGO DO SERVQUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE UMA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& EMPREGO DO SERVQUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Apresentação Apresentação Professor Alunos Representante de Sala Frequência e Avaliação Modelos das aulas

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Evandro Eduardo Seron Ruiz Departamento de Física F e Matemática tica Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia Resumo Renato Gallina (Centro Universitário da FEI) gallina@fei.edu.br Roberto G. Rotondaro (Depto Eng. Produção

Leia mais

UM MODELO SERVPERF PARA AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

UM MODELO SERVPERF PARA AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES UM MODELO SERVPERF PARA AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES André Luís Policani Freitas (UENF) policani@uenf.br Manaara Iack Cozendey (UENF/UCAM) manaara@uenf.br Nos últimos anos, as organizações hospitalares,

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 ISO/IEC 20000:2005 Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 André Jacobucci andre.jacobucci@ilumna.com +55 11 5087 8829 www.ilumna.com Objetivos desta Apresentação

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes - ITIL. Prof. Rafael Marciano

Gerenciamento de Incidentes - ITIL. Prof. Rafael Marciano Gerenciamento de Incidentes - ITIL Prof. Rafael Marciano Conteúdo Objetivos Conceitos e Definições Atividades Indicadores Chaves de Desempenho Papéis Desafios Um pouco sobre a certificação ITIL Foundations

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Gerenciamento de TI. Paulo César Rodrigues

Gerenciamento de TI. Paulo César Rodrigues Gerenciamento de TI Paulo César Rodrigues *Analista de Sistemas; *Tutor do curso de graduação em Tecnologia em Sistemas de Computação (UFF/Cederj); * Professor do curso Técnico em Informática da Prefeitura

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

Método servqual: um estudo de satisfação em uma escola de idiomas

Método servqual: um estudo de satisfação em uma escola de idiomas Método servqual: um estudo de satisfação em uma escola de idiomas Leonardo Francisco Figueiredo Neto (UFMS) lffneto@nin.ufms.br Leandro Sauer (UFMS) sauer@uol.com.br Gerusa Rodrigues Cruvinel Borges (UFMS)

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Sistema Help Desk: um estudo de caso da empresa Marluvas

Sistema Help Desk: um estudo de caso da empresa Marluvas Sistema Help Desk: um estudo de caso da empresa Marluvas Antônio Luiz de Melo 1, Luís Augusto Mattos Mendes 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Antônio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES DA CIDADE DO RECIFE: UM ESTUDO DE CASO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES DA CIDADE DO RECIFE: UM ESTUDO DE CASO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES DA CIDADE DO RECIFE: UM ESTUDO DE CASO Rebecca Pires dos Santos (UFPE) rebecca.piress@hotmail.com Marcella Brito Galvao (UFPE) marcella_brito@yahoo.com.br

Leia mais

GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA CIDADE DE APUCARANA

GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA CIDADE DE APUCARANA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.3, n. 9, p. 89 98, 2009. GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA CIDADE DE APUCARANA Márcia Cristina

Leia mais

Emprego de um sistema web para aplicação de questionários na avaliação da qualidade em serviços

Emprego de um sistema web para aplicação de questionários na avaliação da qualidade em serviços Emprego de um sistema web para aplicação de questionários na avaliação da qualidade em serviços Tiago José Menezes Gonçalves (UENF) tiagojmg@yahoo.com.br André Luís Policani Freitas (UENF) policani@uenf.br

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz SENAC GO Gestão da Tecnologia da Informação Tópicos especiais em administração Professor Itair Pereira da Silva Alunos: Eduardo Vaz Jalles Gonçalves COBIT COBIT (CONTROL OBJETIVES FOR INFORMATION AND RELATED

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Sumário. Gerenciamento de serviços de TI terceirizados usando ITIL e ITSM. Boletim técnico

Sumário. Gerenciamento de serviços de TI terceirizados usando ITIL e ITSM. Boletim técnico Gerenciamento de serviços de TI terceirizados usando ITIL e ITSM Boletim técnico Sumário Resumo executivo...................................................2 A oportunidade do Gerenciamento de Serviços

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

UM MODELO PARA AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UM MODELO PARA AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UM MODELO PARA AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CLÁUDIA MÁRCIA RIBEIRO MACHADO ALBERNAZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE - UENF CAMPOS

Leia mais

Café da Manhã Corporativo

Café da Manhã Corporativo Café da Manhã Corporativo O ITIL como ferramenta de Governança de TI Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Especialista Newtrend em Governança de TI, é um profissional

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos

SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos Roxana M. Martínez Orrego Raquel Cymrot Daniel A. de Oliveira Barbosa Emiliana R. Beraldo RESUMO Neste artigo apresentam-se e discutem-se,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE UMA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE UMA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE UMA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAROLINA FERREIRA RAMOS (UENF ) carol_fr@hotmail.com Andre Luis Policani Freitas (UENF ) policani@uenf.br O cenário econômico

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM SERVIÇOS BANCÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM BANCOS COMERCIAIS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM SERVIÇOS BANCÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM BANCOS COMERCIAIS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM SERVIÇOS BANCÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM BANCOS COMERCIAIS Reginaldo Freitas de Amorim Filho (UFPE) regamorimjr@gmail.com fagner jose coutinho de melo (UFPE) fagner_especial@yahoo.com.br

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Aplicação da norma ISO 9001:2000 em uma Instituição Federal de Ensino Superior

Aplicação da norma ISO 9001:2000 em uma Instituição Federal de Ensino Superior Aplicação da norma ISO 9001:2000 em uma Instituição Federal de Ensino Superior Rafael Sannino Marcondes (UNIFEI) rsmarcondes_epr@yahoo.com.br Resumo Este artigo tem como objetivo identificar e analisar

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Governança de TI ITIL v.2&3 Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Cristina Diamante Elizabeth Maria Lazzarotto Lorena Moraes Goetem Gemelli 1 INTRODUÇÃO: Na maioria das organizações de saúde, os profissionais

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Diretrizes para Governança de T.I.

Diretrizes para Governança de T.I. Diretrizes para Governança de T.I. Karina Campos da Silva 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Departamento de Ciências da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Barbacena,

Leia mais

ADAPTAÇÃO DO INSTRUMENTO SERVQUAL PARA MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE PÓS-VENDAS EM EMPRESAS AUTOMOBILÍSTICAS

ADAPTAÇÃO DO INSTRUMENTO SERVQUAL PARA MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE PÓS-VENDAS EM EMPRESAS AUTOMOBILÍSTICAS ISSN 1984-9354 ADAPTAÇÃO DO INSTRUMENTO SERVQUAL PARA MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE PÓS-VENDAS EM EMPRESAS AUTOMOBILÍSTICAS Denise Luciana Rieg, Fernando Cesar Leandro Scramim, Camila Silva dos

Leia mais

1.5.ITIL - Information Technology Infrastructure Library

1.5.ITIL - Information Technology Infrastructure Library 16 REFERENCIAL TEÓRICO 1.5.ITIL - Information Technology Infrastructure Library A Information Technology Infrastructure Library (ITIL) é uma biblioteca de boas práticas (do inglês "Best practices") nos

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br ITIL Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Objetivo Prover uma visão geral sobre Gerenciamento de Serviços de TI: Conceito; Desafios; Estrutura; Benefícios;

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

MAXIMILIANO MINUCELLI GAIA SERVICE DESK: IMPLEMENTAÇÃO DE UMA APLICAÇÃO SERVICE DESK

MAXIMILIANO MINUCELLI GAIA SERVICE DESK: IMPLEMENTAÇÃO DE UMA APLICAÇÃO SERVICE DESK MAXIMILIANO MINUCELLI GAIA SERVICE DESK: IMPLEMENTAÇÃO DE UMA APLICAÇÃO SERVICE DESK LONDRINA PR 2015 MAXIMILIANO MINUCELLI GAIA SERVICE DESK: IMPLEMENTAÇÃO DE UMA APLICAÇÃO SERVICE DESK Versão Preliminar

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

ivirtua Solutions 4 ITIL

ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions ITIL WHITEPAPER ITIL INTRODUÇÃO O ITIL é o modelo de referência para endereçar estruturas de processos e procedimentos à gestão de TI, organizado em disciplinas

Leia mais

Análise da Compatibilidade entre IRM e ITIL na Gestão de Ativos de TI (Pesquisa de Campo TELEMAR)

Análise da Compatibilidade entre IRM e ITIL na Gestão de Ativos de TI (Pesquisa de Campo TELEMAR) Análise da Compatibilidade entre IRM e ITIL na Gestão de Ativos de TI (Pesquisa de Campo TELEMAR) Heitor Luiz Murat de Meirelles Quintella, D.Sc. UFF Renato Augusto dos Santos Côrtes UFF André Almeida

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Conceitos Básicos e Implementação Dataprev 2006 Analista de Banco de Dados 106 A aplicação de gerenciamento de níveis de serviço, por si só, garante a oferta de bons serviços.

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

XXXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO VALORAÇÃO DA PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO, EM TERMOS DE QUALIDADE EM SERVIÇOS PRESTADOS POR UMA EMPRESA DE VIAÇÃO, NA CIDADE DE ARACAJU - SE: UM ESTUDO DE CASO

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI

IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI 1 IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI André Luiz Guimarães dos Reis 1 1 João Souza Neto 2 1 Tomas Roberto C. Orlandi 3 1 andrer@correios.com.br szneto@correios.com.br tomasroberto@correios.com.br 1 Empresa

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores?

Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores? Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores? Será que está acabando a gasolina? Qual o consumo médio do carro na Estrada ou na Cidade?

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library. Arlei Calazans. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco

ITIL. Information Technology Infrastructure Library. Arlei Calazans. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco ITIL Information Technology Infrastructure Library Arlei Calazans Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco ajcm@cin.ufpe.br 24 de setembro de 2007 Agenda 1 Fundamentação

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Governança de TI: O que é COBIT?

Governança de TI: O que é COBIT? Governança de TI: O que é COBIT? Agenda Governança de TI Metodologia COBIT Relacionamento do COBIT com os modelos de melhores práticas Governança de TI em 2006 Estudo de Caso Referências Governança de

Leia mais

Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos

Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos Departamento de Matemática Aplicada Biblioteca Luiza Baptista Melo lbmelo@fc.up.pt I Jornadas GABUP Reitoria da

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Alinhando Produção de Software e TI Copyright 2004 Jorge H C Fernandes. Todos os direitos Reservados

Alinhando Produção de Software e TI Copyright 2004 Jorge H C Fernandes. Todos os direitos Reservados Alinhando Produção de e TI White paper Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes jhcf@cic.unb.br Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Junho de 2004 Conteúdo 1 - Organizações precisam

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

Software para Gestão Integrada de T.I. Armazenamento Infra-estrutura Segurança Serviços de T.I.

Software para Gestão Integrada de T.I. Armazenamento Infra-estrutura Segurança Serviços de T.I. Software para Gestão Integrada de T.I. Armazenamento Infra-estrutura Segurança Serviços de T.I. Para mais informações participe dos seminários online sobre compliance, acesse www.ca.com/br/compliance ou

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Coletânea Gestão e Governança de TI TCU

Coletânea Gestão e Governança de TI TCU Coletânea Gestão e Governança de TI TCU (COBIT, ITIL, PMBOK, CMMI, Planejamento Estratégico e Modelagem de Processos) Professores: Hério Oliveira e Walter Cunha http://www.waltercunha.com http://heriooliveira.wordpress.com

Leia mais