Group Statistics. residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean. Avaliação Breve do Estado Mental. meio rural 11 27,73 1,849,557

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Group Statistics. residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean. Avaliação Breve do Estado Mental. meio rural 11 27,73 1,849,557"

Transcrição

1 ANEXO M: Output 1 Teste t de Student para amostras independentes, para comparação entre médias obtidas nos quatro instrumentos de avaliação pelas duas amostras: meio rural e meio urbano. Group Statistics residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean Avaliação Breve do Estado Mental meio rural 11 27,73 1,849,557 meio urbano 11 25,91 2,427,732 Escala de Solidão UCLA meio rural 11 26,18 4,262 1,285 meio urbano 11 39,64 10,462 3,154 Escala de Depressão meio rural 11 3,91 2,948,889 meio urbano 11 14,00 5,727 1,727 WHOQOL Faceta Geral meio rural 11 69, , ,25188 meio urbano 11 50, , ,52791 Físico meio rural 11 68, , ,35835 meio urbano 11 50, , ,93601 Relações Sociais meio rural 11 77, , ,03994 meio urbano 11 53, , ,21273 meio rural 11 66, , ,72651 meio urbano 11 54, , ,78833 Ambiente meio rural 11 78, , ,03895 meio urbano 11 51, , ,80128

2 Avaliação Breve do Estado Mental Escala de Solidão UCLA Escala de Depressão WHOQOL Faceta Geral Físico Relações Sociais Ambiente Levene's Test for Equality of Variances Independent Samples Test F Sig. t df Sig. (2-tailed) t-test for Equality of Means Mean Difference 95% Confidence Interval of the Difference Std. Error Difference Lower Upper Equal variances assumed,636,435 1,976 20,062 1,818,920 -,101 3,737 Equal variances not assumed 1,976 18,682,063 1,818,920 -,109 3,746 Equal variances assumed 10,763,004-3,950 20,001-13,455 3,406-20,560-6,350 Equal variances not assumed -3,950 13,230,002-13,455 3,406-20,800-6,109 Equal variances assumed 7,922,011-5,196 20,000-10,091 1,942-14,142-6,040 Equal variances not assumed -5,196 14,952,000-10,091 1,942-14,232-5,950 Equal variances assumed,794,384 2,480 20,022 19, , , ,56891 Equal variances not assumed 2,480 17,191,024 19, , , ,74086 Equal variances assumed 4,717,042 2,193 20,040 17, ,19167, ,04934 Equal variances not assumed 2,193 16,832,043 17, ,19167, ,25790 Equal variances assumed 2,398,137 4,080 20,001 24, , , ,20841 Equal variances not assumed 4,080 16,097,001 24, , , ,40699 Equal variances assumed,475,498 2,281 20,034 12, , , ,20384 Equal variances not assumed 2,281 19,995,034 12, , , ,20403 Equal variances assumed 1,332,262 5,429 20,000 26, , , ,57089 Equal variances not assumed 5,429 19,075,000 26, , , ,60252

3 ANEXO N: Output 2 Teste t de Student para amostras independentes, para comparação entre médias obtidas nos quatro instrumentos de avaliação pelas duas amostras: casados e viúvos. Group Statistics estadocivil N Mean Std. Deviation Std. Error Mean Escala de Solidão UCLA casado 6 32,50 7,714 3,149 viuvo 16 33,06 11,469 2,867 Escala de Depressão casado 6 9,83 6,969 2,845 viuvo 16 8,63 6,956 1,739 Ambiente casado 6 60, , ,15098 viuvo 16 66, , ,79484 Relações Sociais casado 6 61,1133 8, ,51434 viuvo 16 60, , ,84132 casado 6 63, , ,14845 viuvo 16 65, , ,07775 Físico casado 6 54, , ,90787 viuvo 16 60, , ,25161 WHOQOL Faceta Geral casado 6 54, , ,50146 viuvo 16 61, , ,90386

4 Independent Samples Test estado civil Levene's Test for Equality of Variances t-test for Equality of Means 95% Confidence Interval of the Difference Sig. (2- Mean Std. Error F Sig. t df tailed) Difference Difference Lower Upper Escala de Solidão UCLA Equal variances assumed 1,743,202 -,110 20,913 -,563 5,101-11,202 10,077 Equal variances not assumed -,132 13,608,897 -,563 4,259-9,721 8,596 Escala de Depressão Equal variances assumed,014,907,363 20,721 1,208 3,331-5,741 8,158 Equal variances not assumed,362 9,014,725 1,208 3,334-6,333 8,750 Ambiente Relações Sociais Físico WHOQOL Faceta Geral Equal variances assumed 4,257,052 -,643 20,528-5, , , ,27415 Equal variances not assumed -,777 13,932,450-5, , , ,63219 Equal variances assumed 2,091,164,104 20,918, , , ,66210 Equal variances not assumed,134 16,320,895, , , ,71594 Equal variances assumed 1,283,271 -,218 20,830-1, , , ,11009 Equal variances not assumed -,250 12,247,806-1, , , ,33867 Equal variances assumed,050,825 -,589 20,562-5, , , ,19838 Equal variances not assumed -,579 8,728,577-5, , , ,51958 Equal variances assumed,001,976 -,766 20,453-7, , , ,00970 Equal variances not assumed -,706 7,833,500-7, , , ,19609

5 ANEXO O: Output 3 Análise de variância univariada One-Way Anova a um factor nominal para comparação entre as médias obtidas nos instrumentos de avaliação face ao agregado familiar. ANOVA Sum of Squares df Mean Square F Sig. Escala de Solidão UCLA Between Groups 185, ,865,846,445 Within Groups 2086, ,794 Total 2271, Escala de Depressão Between Groups 46, ,099,473,631 Within Groups 928, ,882 Total 974, WHOQOL Faceta Geral Between Groups 751, ,631,895,425 Within Groups 7977, ,865 Total 8728,693 21

6 Tukey HSD Dependent Variable (I) agregadofamiliar (J) agregadofamiliar Multiple Comparisons Mean Difference (I-J) Std. Error Sig. 95% Confidence Interval Lower Bound Upper Bound Escala de Solidão UCLA mora só mora com cônjugue 3,900 5,974,793-11,28 19,08 Escala de Depressão mora com familiares 6,611 5,092,413-6,32 19,55 mora com cônjugue mora só -3,900 5,974,793-19,08 11,28 mora com familiares 2,711 5,845,889-12,14 17,56 mora com familiares mora só -6,611 5,092,413-19,55 6,32 mora com cônjugue -2,711 5,845,889-17,56 12,14 mora só mora com cônjugue -,400 3,986,994-10,53 9,73 mora com familiares 2,778 3,397,697-5,85 11,41 mora com cônjugue mora só,400 3,986,994-9,73 10,53 mora com familiares 3,178 3,900,699-6,73 13,08 mora com familiares mora só -2,778 3,397,697-11,41 5,85 mora com cônjugue -3,178 3,900,699-13,08 6,73 WHOQOL Faceta Geral mora só mora com cônjugue 9, ,68144,706-20, ,0511 mora com familiares -5, ,95664,826-31, ,3916 mora com cônjugue mora só -9, ,68144,706-39, ,3011 mora com familiares -15, ,42911,393-44, ,7573 mora com familiares mora só 5, ,95664,826-19, ,1971 mora com cônjugue 15, ,42911,393-13, ,3129

7 ANOVA Sum of Squares df Mean Square F Sig. Ambiente Between Groups 538, ,491,867,436 Within Groups 5905, ,799 Total 6444, Relações Sociais Between Groups 471, ,990 1,303,295 Within Groups 3442, ,159 Total 3914, Between Groups 328, ,351,445,647 Within Groups 7010, ,992 Total 7339, Físico Between Groups 389, ,555,422,662 Within Groups 8766, ,406 Total 9155,828 21

8 Tukey HSD Dependent Variable (I) agregadofamiliar (J) agregadofamiliar Multiple Comparisons Mean Difference (I-J) Std. Error Sig. 95% Confidence Interval Lower Bound Upper Bound Ambiente mora só mora com cônjugue 1, ,05036,990-24, ,8604 Relações Sociais mora com familiares -9, ,56640,520-31, ,2570 mora com cônjugue mora só -1, ,05036,990-26, ,2044 mora com familiares -10, ,83327,525-35, ,1474 mora com familiares mora só 9, ,56640,520-12, ,2681 mora com cônjugue 10, ,83327,525-14, ,8145 mora só mora com cônjugue -4, ,67312,809-24, ,7012 mora com familiares -10, ,54017,266-27,1450 6,0850 mora com cônjugue mora só 4, ,67312,809-14, ,2852 mora com familiares -5, ,50738,729-24, ,3341 mora com familiares mora só 10, ,54017,266-6, ,1450 mora com cônjugue 5, ,50738,729-13, ,8101 mora só mora com cônjugue -1, ,95091,984-29, ,9445 mora com familiares -8, ,33398,643-32, ,2599 mora com cônjugue mora só 1, ,95091,984-25, ,6960 mora com familiares -6, ,71437,814-33, ,6424 mora com familiares mora só 8, ,33398,643-15, ,1652 mora com cônjugue 6, ,71437,814-20, ,7962 Físico mora só mora com cônjugue 9, ,24569,743-22, ,1653 mora com familiares -1, ,43758,987-28, ,9277 mora com cônjugue mora só -9, ,24569,743-40, ,0538 mora com familiares -10, ,98118,654-41, ,7934 mora com familiares mora só 1, ,43758,987-24, ,1046 mora com cônjugue 10, ,98118,654-19, ,0818

9 ANEXO P: Output 4 Teste t de Student para amostras independentes, para comparação entre médias obtidas nos quatro instrumentos de avaliação pelas duas amostras: frequenta e não frequenta Centro Dia Group Statistics Frequência de Centro Dia ou outras associações N Mean Std. Deviation Std. Error Mean Escala de Solidão UCLA sim 6 26,67 4,926 2,011 não 16 35,25 11,042 2,761 Escala de Depressão sim 6 4,17 3,312 1,352 não 16 10,75 6,981 1,745 Ambiente sim 6 74, , ,52273 não 16 61, , ,59880 Relações Sociais sim 6 68, , ,44991 não 16 57, , ,26936 sim 6 75, , ,09417 não 16 61, , ,86334 Físico sim 6 67, , ,51653 não 16 56, , ,52802 WHOQOL Faceta Geral sim 6 70, , ,97217 não 16 55, , ,09912

10 Independent Samples Test pertencer a alguma associação/instituição Levene's Test for Equality of Variances t-test for Equality of Means 95% Confidence Interval of the Difference Sig. (2- Mean Std. Error F Sig. t df tailed) Difference Difference Lower Upper Escala de Solidão UCLA Equal variances assumed 4,087,057-1,816 20,084-8,583 4,727-18,444 1,278 Equal variances not assumed -2,513 19,050,021-8,583 3,415-15,731-1,436 Escala de Depressão Equal variances assumed 5,889,025-2,194 20,040-6,583 3,001-12,843 -,324 Equal variances not assumed -2,982 18,461,008-6,583 2,208-11,213-1,954 Ambiente Relações Sociais Físico WHOQOL Faceta Geral Equal variances assumed 2,490,130 1,629 20,119 13, , , ,99395 Equal variances not assumed 2,039 15,250,059 13, , , ,88017 Equal variances assumed,065,801 1,627 20,119 10, , , ,36855 Equal variances not assumed 1,611 8,864,142 10, , , ,65181 Equal variances assumed,968,337 1,655 20,113 14, , , ,17724 Equal variances not assumed 2,022 14,306,062 14, , , ,31277 Equal variances assumed,747,398 1,128 20,273 11, , , ,92009 Equal variances not assumed 1,311 12,609,213 11, , , ,72295 Equal variances assumed,248,624 1,636 20,118 15, , , ,95630 Equal variances not assumed 1,779 10,754,104 15, , , ,42957

11 ANEXO Q: Output 5 Teste t de Student para amostras independentes, para comparação entre médias obtidas nos quatro instrumentos de avaliação pelas duas amostras: tem e não tem passatempo regular. Group Statistics passatempo regular N Mean Std. Deviation Std. Error Mean Escala de Solidão UCLA sim 14 31,57 11,029 2,948 não 8 35,25 9,423 3,331 Escala de Depressão sim 14 6,93 5,441 1,454 não 8 12,50 7,856 2,777 Ambiente sim 14 70, , ,66411 não 8 55, , ,75939 Relações Sociais sim 14 61, , ,15343 não 8 59, , ,67261 sim 14 70, , ,32413 não 8 55, , ,03993 Físico sim 14 64, , ,49728 não 8 50, , ,04849 WHOQOL Faceta Geral sim 14 62, , ,72456 não 8 54, , ,81908

12 Independent Samples Test passatempo regular Levene's Test for Equality of Variances t-test for Equality of Means F Sig. t df Sig. (2-tailed) Mean Difference 95% Confidence Interval of the Difference Std. Error Difference Lower Upper Escala de Solidão UCLA Equal variances assumed,005,942 -,791 20,438-3,679 4,651-13,381 6,024 Equal variances not assumed -,827 16,730,420-3,679 4,448-13,075 5,718 Escala de Depressão Equal variances assumed 4,468,047-1,967 20,063-5,571 2,833-11,480,337 Equal variances not assumed -1,777 10,922,103-5,571 3,135-12,478 1,335 Ambiente Relações Sociais Físico WHOQOL Faceta Geral Equal variances assumed,509,484 2,157 20,043 15, ,16545, ,40473 Equal variances not assumed 2,320 17,975,032 15, , , ,45933 Equal variances assumed 1,119,303,312 20,758 1, , , ,83353 Equal variances not assumed,348 19,330,731 1, , , ,52271 Equal variances assumed,220,644 1,939 20,067 15, , , ,35141 Equal variances not assumed 1,828 12,333,092 15, , , ,04948 Equal variances assumed 4,328,051 1,467 20,158 13, , , ,01539 Equal variances not assumed 1,308 10,539,219 13, , , ,57937 Equal variances assumed 1,636,215,859 20,400 7, , , ,77946 Equal variances not assumed,781 11,102,451 7, , , ,80841

13

Análise de Variância simples (One way ANOVA)

Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de experiências com vários grupos de observações classificados através de um só factor (por exemplo grupos de indivíduos sujeitos a diferentes tratamentos

Leia mais

APLICAÇÃO COLETIVA DA FIGURA COMPLEXA DE REY

APLICAÇÃO COLETIVA DA FIGURA COMPLEXA DE REY APLICAÇÃO COLETIVA DA FIGURA COMPLEXA DE REY Álvaro José Lelé (Centro Universitário de Lavras, Laboratório de Avaliação das Diferenças Individuais-UFMG), Marilourdes do Amaral Barbosa (Universidade da

Leia mais

Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS

Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán Análise de Variância Objectivo: comparar medidas de localização para mais do que

Leia mais

ANEXO A: Questionário de Dados Sócio-demográficos e Profissionais

ANEXO A: Questionário de Dados Sócio-demográficos e Profissionais ANEXO A: Questionário de Dados Sócio-demográficos e Profissionais Totalmente em desacordo Em desacordo Indeciso De acordo Totalmente de acordo Não me afecta Afecta-me um pouco Afecta-me moderada/ Afecta-me

Leia mais

INTERFEROMETRIA LASER APLICADA À INVESTIGAÇÃO EM MEDICINA DENTÁRIA

INTERFEROMETRIA LASER APLICADA À INVESTIGAÇÃO EM MEDICINA DENTÁRIA III Encontro A Metrologia na Saúde INTERFEROMETRIA LASER APLICADA À INVESTIGAÇÃO EM MEDICINA DENTÁRIA Almada 2014 Francisco Martins (ISCSEM) Filipa Castanheira (ISCSEM) Sara Santos (ISCSEM) Fernanda Saraiva

Leia mais

([DPHGH5HFRUUrQFLDGH0pWRGRV(VWDWtVWLFRV

([DPHGH5HFRUUrQFLDGH0pWRGRV(VWDWtVWLFRV Data: 09/07/2003 ([DPHGH5HFRUUrQFLDGH0pWRGRV(VWDWtVWLFRV Duração: 2 horas Nome: N.º: Curso: Regime: Número de folhas suplementares entregues pelo aluno: Declaro que desisto (VWDSURYDFRQVLVWHHPTXHVW}HVGHUHVSRVWDDEHUWDHDVUHVSHFWLYDVFRWDo}HVHQFRQWUDPVHQDWDEHODTXHVHVHJXH

Leia mais

Avaliação da aprendizagem: do papel para o computador

Avaliação da aprendizagem: do papel para o computador Avaliação da aprendizagem: do papel para o computador Thácya A. F. Mattos 1, José Wilson da Costa 1 1 Mestrado em Educação Tecnológica Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

Leia mais

Resultados dos testes estatísticos

Resultados dos testes estatísticos Resultados dos testes estatísticos Estudo da fiabilidade do instrumento para avaliação dos comportamentos e atitudes Factor Analysis Communalities Initial Extraction Item47 1,000,759 Item48 1,000,801 Item49

Leia mais

Métodos Estatísticos sticos Aplicados à Engenharia de Software Experimental

Métodos Estatísticos sticos Aplicados à Engenharia de Software Experimental A Utilização de Métodos M Estatísticos sticos no Planejamento e Análise de Estudos Experimentais em Engenharia de Software Marco Antônio P. Araújo CES/JF e Faculdade Metodista Granbery maraujo@acessa.com

Leia mais

COOPERAÇÃO CE - PALOP. Programa PIR PALOP II. Projecto CONSOLIDAÇÃO DAS CAPACIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Tomo - I CO-FINANCIAMENTO

COOPERAÇÃO CE - PALOP. Programa PIR PALOP II. Projecto CONSOLIDAÇÃO DAS CAPACIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Tomo - I CO-FINANCIAMENTO COOPERAÇÃO CE - PALOP Programa PIR PALOP II Projecto CONSOLIDAÇÃO DAS CAPACIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA N.º IDENTIFICAÇÃO : REG/7901/013 N. CONTABILÍSTICO : 8 ACP MTR 5 * 8 ACP TPS 126 ACORDO DE FINANCIAMENTO

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados

Métodos Quantitativos Aplicados Métodos Quantitativos Aplicados Aula 5 http://www.iseg.utl.pt/~vescaria/mqa/ Tópicos apresentação Análise de dados bivariada: cruzamentos e medidas de associação variáveis nominais e ordinais e variáveis

Leia mais

ESTUDO DA VARIAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS ALUNOS DURANTE UMA DISCIPLINA BÁSICA DE GRADUAÇÃO

ESTUDO DA VARIAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS ALUNOS DURANTE UMA DISCIPLINA BÁSICA DE GRADUAÇÃO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS ALUNOS DURANTE UMA DISCIPLINA BÁSICA DE GRADUAÇÃO Lucas A. Fiorani - fiorani@usp.br Osvaldo S. Nakao - osvaldo.nakao@poli.usp.br Viviane M. A. Fiorani - viviane.araujo@usp.br

Leia mais

Análise Estatística Utilizando o SPSS Guia prático de comandos

Análise Estatística Utilizando o SPSS Guia prático de comandos Análise Estatística Utilizando o SPSS Guia prático de comandos de Sousa Guimarães. Salvador/BA Sumário 1. Introdução...3 2. Primeiro Passo...3 3. As Janelas...4 4. Os Menus...6 4.1 Data Editor...6 4.2

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 13.0

INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 13.0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA Cadernos de Matemática e Estatística Série B: Trabalho de Apoio Didático INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 13.0 Elsa Mundstock

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES Licenciatura em Sociologia. Análise de Dados

UNIVERSIDADE DOS AÇORES Licenciatura em Sociologia. Análise de Dados UNIVERSIDADE DOS AÇORES Licenciatura em Sociologia Análise de Dados Exame Data: 200 06 07 Duração: 2 horas Nota: Justifique todas as suas afirmações. Um investigador pretende saber se existem ou não diferenças

Leia mais

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013 ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013 RELATÓRIO Realização: Alexandre Boavida Vicente Ana Cristina Santos Ana Paula Fontinha Bruno Miguel Ramos Coordenação: Alexandra Tavares de Moura 1)

Leia mais

4-Teste de Hipóteses. Teste de Hipóteses

4-Teste de Hipóteses. Teste de Hipóteses Teste de Procedimentos Gerais Teste de média Z para 1 amostra Teste de média t para 1 amostra Teste de variância para 2 amostras A Distribuição de Fisher Teste de média t para 2 amostras Teste de média

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO PORTO Ano lectivo 2009/20010 EXAME: DATA 24 / 02 / NOME DO ALUNO:

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO PORTO Ano lectivo 2009/20010 EXAME: DATA 24 / 02 / NOME DO ALUNO: INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO PORTO Ano lectivo 2009/20010 Estudos de Mercado EXAME: DATA 24 / 02 / 20010 NOME DO ALUNO: Nº INFORMÁTICO: TURMA: PÁG. 1_ PROFESSOR: ÉPOCA: Grupo I (10

Leia mais

Regressão Linear em SPSS

Regressão Linear em SPSS Regressão Linear em SPSS 1. No ficheiro Calor.sav encontram-se os valores do consumo mensal de energia, medido em milhões de unidades termais britânicas, acompanhados de valores de output, em milhões de

Leia mais

Teste t de Student para o caso de uma amostra (Teste de hipóteses

Teste t de Student para o caso de uma amostra (Teste de hipóteses Teste t de Student para o caso de uma amostra (Teste de hipóteses para a média populacional) Exemplo: Quinze alunos foram inquiridos quanto ao seu grau de satisfação (numa escala de 0 a 00) em relação

Leia mais

SHOW. [DataSet1] C:\Documents and Settings\Tito\Ambiente de trabalho\almas\dadostodoscomresiduos.sav

SHOW. [DataSet1] C:\Documents and Settings\Tito\Ambiente de trabalho\almas\dadostodoscomresiduos.sav GET FILE=' '. DATASET NAME Set1 WINDOW=FRONT. PRESERVE. SET RNG=MT MTINDEX=2000000. SHOW RNG. SHOW Output Created 21-DEC-2013 23:23:56 Active set Set1 SHOW RNG. Processor Time 00:00:00,00 Elapsed Time

Leia mais

Discriminant Rácios de Altman Output Created Comments Missing Value Handling

Discriminant Rácios de Altman Output Created Comments Missing Value Handling Discriminant Rácios de Altman Output Created Comments Missing Value Handling Syntax Definition of Missing Cases Used User-defined missing values are treated as missing in the analysis phase. In the analysis

Leia mais

RELATÓRIO PESQUISA DE MERCADO

RELATÓRIO PESQUISA DE MERCADO RELATÓRIO PESQUISA DE MERCADO Aluno : Alexandro Vieira Lopes Professora : Profª Miriam Silvestre Presidente Prudente 2007 1 Alexandro Vieira Lopes Relatório da Disciplina Pesquisa de Mercado Estudo do

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

Análise de Variância a um factor

Análise de Variância a um factor 1 Análise de Variância a um factor Análise de experiências com vários grupos de observações classificados através de um só factor (por exemplo grupos de indivíduos sujeitos a diferentes tratamentos para

Leia mais

CE008 Introducão à Bioestatística

CE008 Introducão à Bioestatística CE008 Introducão à Bioestatística Silvia Shimakura silvia.shimakura@ufpr.br Laboratório de Estatística e Geoinformação Objetivo da disciplina Conhecer metodologias estatísticas para produção, descrição

Leia mais

II Análise de variância... 17

II Análise de variância... 17 Índice Página I Introdução... 1 1 População e amostra... Intervalo de confiança da média da população... 4 3 Comparação das médias de duas amostras Teste t... 6 4 Testes à normalidade da distribuição e

Leia mais

Instituto Superior de Economia e Gestão

Instituto Superior de Economia e Gestão Instituto Superior de Economia e Gestão Informática e Sistemas de Informação Aplicados em Economia Número de Processo: Grupo I ( valores) Prova de Época de Recurso 5/0/00 Duração: 90 minutos Nome: ) Comente

Leia mais

Inibição da germinação e crescimento radicular de alface (Lactuca sativa)

Inibição da germinação e crescimento radicular de alface (Lactuca sativa) Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Inibição da germinação e crescimento radicular de alface (Lactuca sativa) Sara Freitas Departamento de Biologia, Faculdade de Ciências da Universidade do

Leia mais

Aprendizagem de conteúdos de estatística por meio de um trabalho com recursos informáticos para alunos do ensino superior

Aprendizagem de conteúdos de estatística por meio de um trabalho com recursos informáticos para alunos do ensino superior Aprendizagem de conteúdos de estatística por meio de um trabalho com recursos informáticos para alunos do ensino superior Gonçalves Gabriela 1, Jorge Mendonça 2 y Teresa Ferro 3 1 gmc@isep.ipp.pt, 2 jpm@isep.ipp.p,

Leia mais

SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO

SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO Diretor Dr. Mesquita Rodrigues SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO A. GOULART, C. BRANCO, J. MAIA DA COSTA, F. MANSO, M. PEREIRA, A. FERNANDES, P. COSTA, P. LEÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Aula no SAS. Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado. Saídas

Aula no SAS. Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado. Saídas Aula no SAS Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado Saídas title "Antes da Casualização"; data plano; do parc=1 to 20;*DEVE SER MÚLTIPLO DO NÚMERO DE TRATAMENTOS; trat=int((parc-1)/5)+1;*tratamentos+1=5;

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP. João Riboldi 1

VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP. João Riboldi 1 VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP João Riboldi 1 1. Introdução Na construção de um modelo de regressão, de uma maneira geral segue-se três etapas: executa-se o ajuste do modelo, obtendo-se

Leia mais

Uma comparação do tempo de implementação: Android vs. HTML5

Uma comparação do tempo de implementação: Android vs. HTML5 Uma comparação do tempo de implementação: Android vs. HTML5 Venilton Falvo Júnior 1, Lívia Castro Degrossi 1, José Dario Pintor da Silva 1, Ellen Francine Barbosa 1 1 Universidade de São Paulo, Instituto

Leia mais

file://c:\documents and Settings\porlum\Local Settings\Temp\ca0d8908-118f-4768-a...

file://c:\documents and Settings\porlum\Local Settings\Temp\ca0d8908-118f-4768-a... Page 1 of 17 The MEANS Procedure Variable Label Mean Std Dev Minimum Maximum Range N Satisfação Global Satisfação Global 6.4000000 0.5163978 6.0000000 1.0000000 Expectativas cumpridas Expectativas cumpridas

Leia mais

Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados.

Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados. TESTES NÃO PARAMÉTRICOS Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados. Bioestatística, 2007 15 Vantagens dos testes não

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão

ESTUDO DE CASO. Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão ESTUDO DE CASO Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão É bem conhecida a relação tabaco / tumor do pulmão, embora existam casos de neoplasia do pulmão sem antecedentes de tabagismo. Mesmo

Leia mais

Estilos de Liderança na Equipa Profissional do Estoril-Praia

Estilos de Liderança na Equipa Profissional do Estoril-Praia Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Estilos de Liderança na Equipa Profissional do Estoril-Praia Estudo de Grupo Mestrado em Treino Desportivo Orientador: Professor Doutor Luís

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo

UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo APLICAÇÕES NO SPSS Disciplina de Estatística Gestão Disciplina de Estatística Gestão Hoteleira Disciplina de Estatística Descritiva

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS ESTUDANTES ERASMUS EM LISBOA

A SATISFAÇÃO DOS ESTUDANTES ERASMUS EM LISBOA SANDRINA COSTA CUNHA A SATISFAÇÃO DOS ESTUDANTES ERASMUS EM LISBOA Orientadora: Prof. Doutora Maria Conceição Couvaneiro Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Faculdade de Psicologia Lisboa

Leia mais

Testes de Hipóteses para Diferença entre duas Médias - Amostras relacionadas

Testes de Hipóteses para Diferença entre duas Médias - Amostras relacionadas Testes de Hipóteses para Diferença entre duas Médias - Amostras relacionadas Introdução Ivan Bezerra Allaman Entende-se por amostras relacionadas ou emparelhadas quando a medida tomada na primeira amostra

Leia mais

Testes (Não) Paramétricos

Testes (Não) Paramétricos Armando B. Mendes, DM, UAç 09--006 ANOVA: Objectivos Verificar as condições de aplicabilidade de testes de comparação de médias; Utilizar ANOVA a um factor, a dois factores e mais de dois factores e interpretar

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 18.0

INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 18.0 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE GRUPO DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 18.0 Marilyn Agranonik Vânia Naomi Hirakata Suzi Alves Camey Porto Alegre - Setembro

Leia mais

Desempenho do Aluno de Ciências Contábeis na Modalidade à Distância na Disciplina Contabilidade de Custos I

Desempenho do Aluno de Ciências Contábeis na Modalidade à Distância na Disciplina Contabilidade de Custos I Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Desempenho do Aluno de Ciências Contábeis na Modalidade à Distância na Disciplina Contabilidade de Custos I Marilia Nascimento (UFES) - mariliacna@gmail.com Emanuel Junqueira

Leia mais

Desempenho Acadêmico em Métodos Quantitativos nos Cursos de Ciências Contábeis

Desempenho Acadêmico em Métodos Quantitativos nos Cursos de Ciências Contábeis Desempenho Acadêmico em Métodos Quantitativos nos Cursos de Ciências Contábeis FÁBIO DE SOUZA ALVES Universidade Federal do Pará MANOEL RAIMUNDO SANTANA FARIAS Universidade Federal do Pará KELLY TEIXEIRA

Leia mais

Anova Univariada e Multivariada

Anova Univariada e Multivariada UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE ESTATÍSTICA Anova Univariada e Multivariada Curso: Bacharelado em Estatística Disciplina: Estatística Aplicada Nome: Denis

Leia mais

O poder da ANOVA e da igualdade de variância

O poder da ANOVA e da igualdade de variância O poder da ANOVA e da igualdade de variância Por Marcelo Rivas Fernandes A ANOVA e o Teste de Iguldade de Variância são tão imprescindíveis para a estatística inferencial, quanto a média e o desvio padrão

Leia mais

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2012

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2012 ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2012 RELATÓRIO Realização: Alexandre Boavida Vicente Ana Cristina Santos Ana Paula Fontinha Bruno Miguel Ramos Coordenação: Alexandra Tavares de Moura 1)

Leia mais

4 Análise dos resultados 4.1. Perfil do respondente

4 Análise dos resultados 4.1. Perfil do respondente 4 Análise dos resultados 4.. Perfil do respondente Através da análise dos questionários aplicados, verificou-se que o perfil típico do respondente foi: mulher, entre 3 e 40 anos, remunerações de até oito

Leia mais

TESTE DE EFICIÊNCIA DE MERCADO NO BRASIL: UM ESTUDO DE CASO NA PETROBRAS

TESTE DE EFICIÊNCIA DE MERCADO NO BRASIL: UM ESTUDO DE CASO NA PETROBRAS RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.15 n. A1 p. 1-7 TESTE DE EFICIÊNCIA DE MERCADO NO BRASIL: UM ESTUDO DE CASO NA PETROBRAS Gabriela Franco dos Santos Vasconcelos Maciel Universidade Federal

Leia mais

Estratégias de Inovação, Risco e Proactividade: Empresas Familiares vs Não- Familiares

Estratégias de Inovação, Risco e Proactividade: Empresas Familiares vs Não- Familiares Estratégias de Inovação, Risco e Proactividade: Empresas Familiares vs Não- Familiares Francisco José Lopes de Sousa Diniz 1 Nelson Duarte 2 Resumo No presente trabalho foram estudadas as estratégias de

Leia mais

AULA 19 Análise de Variância

AULA 19 Análise de Variância 1 AULA 19 Análise de Variância Ernesto F. L. Amaral 18 de outubro de 2012 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro: LTC. Capítulo

Leia mais

A densidade de CoRoT-Exo-3b

A densidade de CoRoT-Exo-3b A densidade de CoRoT-Exo-3b Por Hindemburg Melão Jr. http://www.sigmasociety.com Em 6 de outubro foi anunciada a descoberta de um objeto com algumas características planetárias e outras estelares, situado

Leia mais

Uso de procedimentos de estatistica na obtenção de resultados de toxicidade

Uso de procedimentos de estatistica na obtenção de resultados de toxicidade Uso de procedimentos de estatistica na obtenção de resultados de toxicidade Dean Leverett Senior Scientist UK Environment Agency Science Biological Effects Measures Plano Resultados dos testes de toxicidade

Leia mais

Testes de hipóteses Paramétricos

Testes de hipóteses Paramétricos Testes de hipóteses Paramétricos Modelos de análise de variância com um factor Teste de Bartlett Teste de comparações múltiplas de Scheffé Rita Brandão (Univ. Açores) Testes de hipóteses Paramétricos 1

Leia mais

DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS (DBC) Mario de Andrade Lira Junior

DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS (DBC) Mario de Andrade Lira Junior DELINEAMENTO EM BLOOS ASUALIZADOS (DB) Mario de Andrade Lira Junior GENERALIDADES Delineamento mais comum em ciências agrárias Delineamento mais simples com controle local Só usar quando confiar que pode

Leia mais

Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO. *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL);

Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO. *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL); Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL); ods rtf; title 'Planejamento do Experimento - Quadrados Latinos';

Leia mais

Teste de Hipóteses = 0 = 0

Teste de Hipóteses = 0 = 0 Teste de Hipóteses Nos estudos analíticos, além da descrição estatística, às vezes é necessário tomar uma decisão. O teste de hipóteses é um procedimento estatístico que tem por objetivo ajudar o pesquisador,

Leia mais

Planejamento e Pesquisa 1. Dois Grupos

Planejamento e Pesquisa 1. Dois Grupos Planejamento e Pesquisa 1 Dois Grupos Conceitos básicos Comparando dois grupos Testes t para duas amostras independentes Testes t para amostras pareadas Suposições e Diagnóstico Comparação de mais que

Leia mais

ESTATÍSTICA NÃO PARAMÉTRICA - HEP-5762

ESTATÍSTICA NÃO PARAMÉTRICA - HEP-5762 ESTATÍSTICA NÃO PARAMÉTRICA - HEP-576 Maria do Rosario Dias de Oliveira Latorre 013 1 Bibliografia básica: 1. SIEGEL, S. Estatística não paramétrica. Editora McGraw Hill do Brasil, São Paulo, 1981.. SIEGEL,

Leia mais

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução Capítulo 8 - Testes de hipóteses 8.1 Introdução Nos capítulos anteriores vimos como estimar um parâmetro desconhecido a partir de uma amostra (obtendo estimativas pontuais e intervalos de confiança para

Leia mais

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS)

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS) ISCTE SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO An Lectiv 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II (Interpretaçã de Outputs de SPSS) Interval de Cnfiança para a Média Ppulacinal Ensai de Hipóteses para a Média

Leia mais

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula 7 Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Análise da Variância Objetivos do Aprendizado Nesta aula você aprenderá: A utilizar a análise de variância de fator único para testar diferenças

Leia mais

Gastos eleitorais: os determinantes das eleições? Estimando a influência dos gastos de campanha nas eleições de 2002 1

Gastos eleitorais: os determinantes das eleições? Estimando a influência dos gastos de campanha nas eleições de 2002 1 Revista Urutágua - revista acadêmica multidisciplinar www.uem.br/urutagua/008/08figueiredofilho.htm Quadrimestral Nº 08 Dez/Jan/Fev/Mar Maringá - Paraná - Brasil - ISSN 1519.6178 Centro de Estudos Sobre

Leia mais

Palavras-chave: Estilos de aprendizagem. Educação a distância. Disciplinas de contabilidade. Contabilidade geral. Contabilidade gerencial.

Palavras-chave: Estilos de aprendizagem. Educação a distância. Disciplinas de contabilidade. Contabilidade geral. Contabilidade gerencial. 1 O IMPACTO DO ESTILO DE APRENDIZAGEM NO DESEMPENHO ACADÊMICO: UM ESTUDO EMPÍRICO COM ALUNOS DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Daniel Ramos Nogueira Doutorando

Leia mais

Capacitação em R e RStudio PROJETO DE EXTENSÃO. Software R: capacitação em análise estatística de dados utilizando um software livre.

Capacitação em R e RStudio PROJETO DE EXTENSÃO. Software R: capacitação em análise estatística de dados utilizando um software livre. UFFS Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Cerro Largo PROJETO DE EXTENSÃO Software R: capacitação em análise estatística de dados utilizando um software livre Fonte: https://www.r-project.org/

Leia mais

4 Resultados e análises

4 Resultados e análises 4 Resultados e análises O Capítulo 4 apresenta elementos conseqüentes dos processos de análise e interpretação dos dados coletados, que configuram os resultados da presente pesquisa. Com base na metodologia,

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA

ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA Prof. Hélio Radke Bittencourt 1. CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA

Leia mais

Teste de hipóteses. Testes de Hipóteses. Valor de p ou P-valor. Lógica dos testes de hipótese. Valor de p 31/08/2016 VPS126

Teste de hipóteses. Testes de Hipóteses. Valor de p ou P-valor. Lógica dos testes de hipótese. Valor de p 31/08/2016 VPS126 3/8/26 Teste de hipóteses Testes de Hipóteses VPS26 Ferramenta estatística para auxiliar no acúmulo de evidências sobre uma questão Média de glicemia de um grupo de animais é diferente do esperado? Qual

Leia mais

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA FCS/ESS

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA FCS/ESS UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA FCS/ESS LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA PROJECTO E ESTÁGIO PROFISSIONALIZANTE II A última queda e relação com a independência nas actividades da vida diária em idosos institucionalizados

Leia mais

Sumário. Modelar relações entre variáveis quantitativas. Correlação. Modelar relações entre variáveis quantitativas

Sumário. Modelar relações entre variáveis quantitativas. Correlação. Modelar relações entre variáveis quantitativas Modelar relações entre variáveis quantitativas Doutoramento em Psicologia Abril Seminários de métodos e análise de dados Luís Faísca Sumário. Correlação entre duas variáveis. Regressão linear simples.

Leia mais

Anexo 6 Testes de Fiabilidade

Anexo 6 Testes de Fiabilidade Variável: Empenho da gestão Reliability Anexo 6 Testes de Fiabilidade Cases a. Case Processing Summary Valid Excluded Total Listwise deletion based on all variables in the procedure. a N % 49 96, 2 3,9

Leia mais

6 Referencial Bibliográfico

6 Referencial Bibliográfico 69 6 Referencial Bibliográfico BISGAARD, S. The Design and Analysis of 2 k-p x 2 q-r Split Plot Experiments. Journal of Quality Technology; v. 32, ABI/INFORM Global pag. 39, Jan 2000. CSN Companhia Siderúrgica

Leia mais

ERROS E CONCLUSÕES CORRETAS NO TESTE DE HIPÓTESE

ERROS E CONCLUSÕES CORRETAS NO TESTE DE HIPÓTESE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA DEPTº DE ESTATÍSTICA DISCIPLINA: PROBABILIDADE E ESTATISTICA PROFª VERA CAMPEZATTO 1º SEMESTRE/2007 3ª Lista - Testes de Hipóteses

Leia mais

Como Classificar Pequenas e Médias Empresas no Setor de Seguros Princípio da Proporcionalidade. Sumário. Projeto nº 05 Ano 2012 1. APRESENTAÇÃO...

Como Classificar Pequenas e Médias Empresas no Setor de Seguros Princípio da Proporcionalidade. Sumário. Projeto nº 05 Ano 2012 1. APRESENTAÇÃO... Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. REVISÃO DOS CRITÉRIOS EXISTENTES... 1 2.1. FONTE EUROPEIA... 2 2.2. FONTE BRASILEIRA... 2 2.3. INSURANCE EUROPE... 3 2.4. ERNST&YOUNG... 3 3. DESCRIÇÃO DA ANÁLISE... 4 3.1.

Leia mais

Incerteza, exatidão, precisão e desvio-padrão

Incerteza, exatidão, precisão e desvio-padrão 1 Incerteza, exatidão, precisão e desvio-padrão Incerteza ( uncertainty or margin of error ) A incerteza, segundo a Directiva Comunitária 2007/589/CE, é: parâmetro associado ao resultado da determinação

Leia mais

Análise de Significância Estatística na Comparação entre Sistemas de Sumarização Automática

Análise de Significância Estatística na Comparação entre Sistemas de Sumarização Automática Universidade de São Paulo - USP Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Universidade Estadual Paulista - UNESP Análise de Significância Estatística na Comparação entre Sistemas de Sumarização Automática

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA

DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA LABFON - CLUL EXCL/MHC-LIN/0688/2012 DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA Bandeira de Lima 1,2, C., Severino,C.

Leia mais

Teste t. Para Amostras Independentes

Teste t. Para Amostras Independentes Teste t Para Amostras Independentes Instalando o Ambiente Estatístico R Googar R e ir ao site Ir em Download CRAN, Brasil primeira opção(ufpr) Clicar em Downlod R for Windows Clicar em Install R for the

Leia mais

Capítulo 6. Experimentos com um Fator de Interesse. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior

Capítulo 6. Experimentos com um Fator de Interesse. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Capítulo 6 Experimentos com um Fator de Interesse Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Setor de Estatística Viçosa 2007 Capítulo 6 Experimentos

Leia mais

Análise De Fundos De Financiamento Para Organizações Do Terceiro Setor. No Ano De 2006

Análise De Fundos De Financiamento Para Organizações Do Terceiro Setor. No Ano De 2006 Análise De Fundos De Financiamento Para Organizações Do Terceiro Setor No Ano De 26 Jaqueline Abrantes e Matheus Iwao Oshikiri PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA - Faculdade de Economia

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Erica Castilho Rodrigues 2 de Setembro de 2014 Erro Puro 3 Existem dois motivos pelos quais os pontos observados podem não cair na reta

Leia mais

Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas

Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas Professor Jorge Luiz A. Ferreira Pertencem ao grupo de ferramentas estatísticas que permitem caracterizar um conjunto de dados sob ponto de vista da tendência

Leia mais

Orçamento em cooperativas agropecuárias da região sul do Brasil: ferramenta estratégica e de interatividade

Orçamento em cooperativas agropecuárias da região sul do Brasil: ferramenta estratégica e de interatividade Orçamento em cooperativas agropecuárias da região sul do Brasil: ferramenta estratégica e de interatividade Léo Raifur (UFPR) - raifur@yahoo.com.br Eder Alexandre Pires (UFPR/UNOPAR) - eder.pires@sercomtel.com.br

Leia mais

Investigação Aplicada I

Investigação Aplicada I Investigação Aplicada I Aula 4 1º Semestre 2016/17 Licenciatura em Ciências Biomédicas Laboratoriais igrodrigues@ualg.pt; ESSUAlg: gabinete 2.06 Prof. Inês Rodrigues Aplicação da Estatística nas Ciências

Leia mais

Contador Conservador ou Ser Humano Conservador? Um Estudo Sob a Perspectiva da Contabilidade Comportamental

Contador Conservador ou Ser Humano Conservador? Um Estudo Sob a Perspectiva da Contabilidade Comportamental Contador Conservador ou Ser Humano Conservador? Um Estudo Sob a Perspectiva da Contabilidade Comportamental RESUMO O objetivo desta pesquisa foi verificar se existe diferença significativa entre o nível

Leia mais

Anexo 2 Análise de clusters método K-means

Anexo 2 Análise de clusters método K-means Anexo 2 Análise de clusters método K-means 102/494 Análise de clusters método K-means A análise de cluster é uma técnica exploratória de análise multi-variada de dados que permite classificar um conjunto

Leia mais

Exemplo 1. a)faça a análise exploratória dos dados e verifique que a amostra é muito enviezada e não normal.

Exemplo 1. a)faça a análise exploratória dos dados e verifique que a amostra é muito enviezada e não normal. Exemplo 1 O tempo médio de de recuperação da daanestisia usada numa determinada cirurgia é de de 7 horas. Um novo agente anestésico está a ser proposto, com a vantagem de de ter um tempo de de recuperação

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

[DataSet11] D:\Fmh\Doutoramento\Tese\Dados\Quantitativos\Questionário Prof essores.sav

[DataSet11] D:\Fmh\Doutoramento\Tese\Dados\Quantitativos\Questionário Prof essores.sav USE ALL. FILTER BY filter_$. EXECUTE. CLUSTER CondRelativa ImpRelativa IntegRelativa /METHOD SINGLE /MEASURE=SEUCLID /ID=Id.Prof /PRINT SCHEDULE /PRINT DISTANCE /PLOT DENDROGRAM. [DataSet] D:\Fmh\Doutoramento\Tese\Dados\Quantitativos\Questionário

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA (SI)

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA (SI) PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Prof. Hélio Radke Bittencourt PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA (SI) 1. CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DETF DEPTº ENG. TECNOLOGIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DA MADEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DETF DEPTº ENG. TECNOLOGIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DA MADEIRA DETERMINATION OF SOME PHYSICAL AND MECHANICAL PROPERTIES OF EUCALYPTUS GLUED LAMINATED TIMBER (Scantling Eucalipto) Requester : ScanCom do Brasil Ltda CURITIBA August 2014 Version 1 80210-170 Rua Lothário

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS APRESENTAÇÃO os módulos de análise de dados em IBM SPSS Statistics, organizados pelo Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho (CICS), pretendem contribuir para a difusão da utilização

Leia mais

O impacto da adoção do SNC nas empresas portuguesas de construção e de comércio por grosso

O impacto da adoção do SNC nas empresas portuguesas de construção e de comércio por grosso O impacto da adoção do SNC nas empresas portuguesas de construção e de comércio por grosso Carmem Isabel Tiago Serrenho e-mail: carmem.tiago13@gmail.com Joaquim Santana Fernandes e-mail: jsfer@ualg.pt

Leia mais

CURVA ROC Como fazer e interpretar no SPSS Paulo R. Margotto

CURVA ROC Como fazer e interpretar no SPSS Paulo R. Margotto CURVA ROC Como fazer e interpretar no SPSS Paulo R. Margotto Professor do Curso de Medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS)/SES/DF www.paulomargotto.com.bt pmargotto@gmail.com Muitos exames

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS. Familiarização com o SPSS

ANÁLISE DE DADOS. Familiarização com o SPSS 1 ANÁLISE DE DADOS Familiarização com o SPSS 2 Statistical Package for the Social Sciences Programa de eleição dos cientistas das Ciências Sociais; O SPSS facilita a realização de numerosos métodos estatísticos;

Leia mais

AS MUDANÇAS CONSTITUCIONAIS NA AMÉRICA LATINA (1973-2008) E A SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRACIA

AS MUDANÇAS CONSTITUCIONAIS NA AMÉRICA LATINA (1973-2008) E A SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRACIA AS MUDANÇAS CONSTITUCIONAIS NA AMÉRICA LATINA (1973-2008) E A SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRACIA Em que medida as mudanças constitucionais na América Latina 1, no período entre 1973 e 2008, provocam alterações

Leia mais